VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

PM saca arma, agride aluno da USP e é afastado


09/01/2012 - 15h16

PM (sem identificação) saca arma e agride aluno dentro da USP

por Carlos, enviado via Ricardo Maciel

Muitas vezes falamos da agressão policial e os demais fingem não ouvir, ou custam a acreditar. Seja na cracolândia, na favela do momento a ser despejada ou “pacificada”, ou na universidade, quem está no caminho é atropelado.

Sei que isto não é novidade a nenhum de vocês, mas talvez o vídeo gravado hoje, 9 de janeiro, dentro da USP, no espaço dos estudantes, você ainda não tenham visto.

Saudações,

Carlos

Cidoli acaba de nos avisar: o PM que agrediu o estudante na USP estava sem identificação.

O PM foi afastado:

PM afasta das ruas sargento que agrediu aluno da USP

* Por Felipe Frazão, no Estadão

SÃO PAULO – O comandante da PM Wellington Venezian, responsável pela zona leste, que inclui o câmpus da USP, afastou das ruas o sargento André Luiz Ferreira, que aparece em vídeo agredindo um estudante, e o soldado Rafael Ribeiro Fazolin. O sargento admitiu pra o comandante que houve “um desequilíbrio emocional” na abordagem. A corregedoria da PM instaurou uma sindicância para apurar a agressão. O resultado deve sair em até 60 dias.

Segundo Venezienan, a Polícia Militar foi acionada na manhã desta segunda-feira pela Guarda Universitária para retirar os estudantes que ocupavam o local. Ainda segundo a PM, a última entrada restante do Centro de Vivência da USP, a da cozinha, foi coberta por tapumes.

Leia também:

PM saca arma e agride aluno dentro da USP

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - A mídia descontrolada e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


202 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Jose Antonio Batata

11 de janeiro de 2012 às 07h40

Este papo que político de esquerda é ladrão foi copiado dos jornais de Direita da Europa nos anos 80. Como a Direita não tem programa no mundo inteiro eles criaram esta mentira nos anos 80 e colou. Todo mundo em Brasília sabia que não existia fita contra o Orlando Silva mas a mentira da VEJA colou e a fita onde foi parar. Onde está a FITA contra o Orlando Silva???? Orlando silva foi massacrado porque era preto e pobre esta é a grande e cruel verdade. Este papo de que político de esquerda rouba é apenas falta de argumento de militante de Direita. O grande programa da Direita foram as PRIVATIZAÇÔES. Roubaram BILHÔES do povo brasileiro.

Responder

ZABS

10 de janeiro de 2012 às 20h38

Para mim o policial estava cheiradão!!!

Responder

Luci

10 de janeiro de 2012 às 17h34

Aestudante está exposta ao mundo, através do vídeo como um cidadão ao qual o Estado de São paulo lhe confere como segurança pública tapa na cara, agressão covarde. Quem é o policial como servidor público, a população tem o direito de saber onde trabalhou como atuou, esta ação perante uma multidão demonstra sua tranquilidade em agir com violência e racismo. São cenas chocantes e que o mundo vai presenciar a Violação de direitos Humanos contra um cidadão negro brasileiro indefeso no seu legítimo direito de protestar e de se reunir com outras pessoas.

Responder

Se Nagao

10 de janeiro de 2012 às 16h43

Polícia Militar???? Militar por quê???? Vivemos em regime de ditadura militar????
A Democracia que temos é mera ilusão!!!!
Vivemos em uma ditadura e não percebemos. No Brasil o PPP (preto, pobre, prostituta) é vitima da polícia.

Responder

    Nostradamus

    10 de janeiro de 2012 às 17h45

    Concordo plenamente, quando esses bandos fardados agride filhos ou parentes de ricos, famosos ou autoridades, esses tem "grana" suficiente para contratar bons advogados ou comprar qualquer juiz para punir esses agressores covardes e malditos. A polícia militar assim como a polícia civil (esta é pior ainda) só existe pra prejudicar a vida do coitado do cidadão trabalhador e humilde, quando não é agredindo, é complicando a vida muitas vezes de inocentes. A Lei no Brasil só existe pra cego ver, e cego não vê! Enquanto a sociedade brasileira não reinvidicar fazer uma revolução (mas teria que ser toda a sociedade), isso não vai mudar. Queria ver se toda a população do brasil (pelo menos os pobres que são a maioria), saisse pelas ruas sem medo e enfrentando a polícia com coragem, com certeza venceríamos (pois somos muitos) essa polícia desrespeitosa que temos e esses malditos políticos ladrões, urubus comedores de carniça que temos em nossa política

Paulo

10 de janeiro de 2012 às 16h35

O sargentão deve ter chegado em casa e encontrado a mulher com o Ricardão (talvez um oficial da PM) e resolveu descontar em alguém. Mudando de assunto, como são covardes estes guardinhas da USP que assitiram tudo e não se manifestaram. Se a PM está no campus para garantir a segurança de todos, ela não deveria se envolver em situações como aquela envolvendo estudantes e o uso dos prédios da USP.

Responder

João Paulo

10 de janeiro de 2012 às 13h32

Olha, pedir identidade estudantil a uma única pessoa, de cor negra, deu muito na vista. Ele deveria ter pedido identidade a todos os estudantes. Deixando de fazer isso, deu motivo para que o estudante negro se recusasse a mostrá-la. Parece que está faltando orientação aos policiais para que não se deixem apanhar em polêmicas.

Responder

Jose Antonio Batata

10 de janeiro de 2012 às 11h30

A PM de São Paulo não combateu O PCC quando foi necessário,mas agora quer descontar tudo nas costas dos estudantes da USP. O Governo do PSDB em São Paulo se transformou num reduto de Extrema-Direita. Perdoa o PCC e espanca os pobres coitados da Cracolândia. A Crise do Governo Paulista só não é maior porque o PIG (GRANDE IMPRENSA) apoia este grupo fascista. Os moradores da CracoLândia precisam de assistência médica e psicológica. A USP precisa de um reforço com vigilantes da própria UNIVERSIDADE. Esta PM da USP precisa ir para a rua combater o PCC.

Responder

maria do carmo

10 de janeiro de 2012 às 08h19

O que fazer: Divulgar essas barbaries desses tiranos travestido de governantes, cujo unico objetivo e o poder,
divulgar incessantemente os desvios da controlar do Kassab(nao pode ser esquecida) nomeacoes de 30
coroneis para sub-prefeituras. Alkmim opus dei, os pedagios absurdos que afetam a todos e os desmandos, ataque a cracolandia , o alkmim, Kassab e secretario de seguranca nao sabiam da operacao dessa magnitude mentira deslavada, estado policialesco, divulgar essas e todas as verdades nao da para discorrer todas as arbitraariedades desses mentirosos arrivistas . Vamos dar o troco nas urnas. ELes estao desesperados
o livro do Amauri PRIVATARIA TUCANA, desnudou-os. Cuidado com as armacoes eles estao para tudo.

Responder

tiago tobias

10 de janeiro de 2012 às 04h39

A PM de São Paulo precisa fazer parte do elenco do novo Loucademia de Polícia: "Aprontando todas no reduto da Opus Dei."

Estrelando: Picolé de Chuchu, o come hóstia.
Kassab nunca sabe.

Responder

HelioBat

10 de janeiro de 2012 às 01h47

Havia várias pessoas argumentando junto ao "policial" contra a desocupação. Por que é que este "policial" se desloca cerca de 3 ou 5 metros para agredir o rapaz? Quando o "policial" pergunta se a resposta é 'não', ouve-se as vozes em uníssono dizerem 'sim'. Isto é: sim, a resposta é não. Por que é que o "policial" não pediu a carteirinha de cada um dos presentes? Por que é que não agarrou pelo colarinho alguém que estivesse mais próximo? Respondo: não eram pretos. Parafraseando Caetano… "todo mundo sabe como se trata os pretos".
Esta cena me apavora. Não pelo ineditismo, mas por saber como termina, na maioria das vezes. Desta vez a arma não foi disparada, o rapaz preto sobreviveu para contar, alguém filmou a cena. Se fosse na periferia, ou se ninguém estivesse filmando, teríamos mais uma mãe anônima, chorando a perda de um filho anônimo, e uma notinha de fim de página no caderno cotidiano de um jornal de pouca circulação.

Responder

joão33

10 de janeiro de 2012 às 00h15

esses afastamentos são de mentirinha , o cara vai ganhar umas folginhas , quando da prisão dos estudantes na usp , o delegado usou o máximo de rigor imputando o máximo de crimes aos estudantes , agora quanro a este policial , sem identificação , apontou arma , os colegas policiais foram coniventes etc etc etc , e agora e é afastado por que coitadinho só se estressou , é preciso usar este caso e ser cobrado em todas as esferas juridicas , responda o estado , responda a pm , responda o policial , (criminalmente , civil , danos morais etc . )

Responder

Cido Barros

09 de janeiro de 2012 às 23h48

Esse policial já concorre ao troféu maior burrada de 2012. O local estava um verdadeiro Big Brother e mesmo assim ele foi lá e catou o cara pelo pescoço, dando justamente o que certos líderes de opinião mais querem: provas pra embasar seu blablablá.

E antes que me acusem de fascista e digam "ah, mas então se não estivesse filmando podia bater mesmo?" já respondo: não estou falando sobre ser certo ou errado a polícia bater em qualquer pessoa…

Esse policial com certeza não representa nem os policiais honestos e nem os policiais truculentos, representa os policiais burros mesmo…

Responder

Renato

09 de janeiro de 2012 às 23h03

Desta vez a m*** foi tão grande que os sites da globo, veja, estadão e folha estão com o link da gravação da agressão – mas, se é que vai sobrar para alguem, talvez aquele pm balofo fique uns dias na geladeira, que aliás parece que ele não sai de dentro dela, e aí, mais um caso de violência para a gaveta.

Responder

    José Vitor

    09 de janeiro de 2012 às 23h51

    Estão mostrando porque não têm como esconder…

José Vitor

09 de janeiro de 2012 às 22h51

Gente, o que dizer disso aqui ???

Todo mundo sabe que a polícia é assim mesmo, mas antes eles conseguiam esconder sua prepotência e brutalidade. Hoje, isso não é mais possível.

Infelizmente, devido ao corporativismo da polícia e ao judiciário de m3rd4 que temos, acredito que esse vídeo não vá ter resultados concretos.

Detalhe: e ainda tem gente que diz que não existe racismo no Brasil…

O que é que aprendi com esse vídeo: é essencial que utilizemos a tecnologia disponível para exercermos nossos direitos de cidadão. Na prática, isso quer dizer: é aconselhável usarmos como telefone um smartphone com boa capacidade para gravar vídeo. Em última análise, mesmo que a (grande m3rd4) "imprensa" não documente certos incidentes, sempre haverá o Youtube pra podermos (ao menos tentar) distribuir os vídeos que gravarmos.

Isso me lembra também o episódio recente da Globo gravando furtivamente os manobristas. Pois é, hoje em dia os manobristas também têm condição de gravar furtivamente os repórteres da Globo. Basta perder o medo, e ousar.

Responder

Gilson

09 de janeiro de 2012 às 21h46

Na época da ditadura isso era comum. Nesse caso escolheram a vítima pelo preconceito de raça. Naquela época era por preconceito de ideologia. Quem não era facista lambe-botas do imperialismo, sentia na pele a opressão. Mudaram as estações, nada mudou. No fundo é a eterna luta de classes se renovando e se reinventando. Os cães raivosos da manutenção da "ordem", defendendo os senhores feudais.

Responder

O_Brasileiro

09 de janeiro de 2012 às 21h35

Só acho que esses caras são "loucos" mesmo, pois todo mundo sabe que o Brasil está cheio de policiais desequilibrados, civis e militares, que atiram nas pessoas por qualquer bobagem!
O melhor é ficar longe dessas pessoas (policiais), pois ninguém sabe quem é quem! A gente não tem como saber quem está desequilibrado e quem não está!
No Brasil tem de tudo… juiz assassino, promotor assassino, médico assassino, policial assassino… e impunidade de sobra para todos eles!

Responder

Severino Prazeres

09 de janeiro de 2012 às 21h06

Se o sargento da PM de São Paulo agiu como gorila louco, diante de todos, pra quem quisesse ver e ouvir imagine a abordagem de um soldado da PM, em local segregado. A pessoa abordada tem que ficar calada em silêncio absoluto. Aliás essa cultura de não admitir qualquer discussão nas abordagens policiais sobre os direitos do cidadão é antiga. Tem origem no interior dos quarteis, onde se diz que soldado é superior ao tempo. Onde se diz também que o militar é superior ao civil. É essa a escola deles. Os policiais na verdade são paus mandado e vítimas também.

Responder

Douglas

09 de janeiro de 2012 às 20h29

No passado os jovens lutavam por democracia e iam para as praças e campos, criavam músicas, também fumavam baseado, etc. Hoje os caras querem desacatar, fumar maconha e viver nas tetas do governo já que a USP obtém recursos de impostos (pagos pela população) e de convênios de projetos. Bando de fuleros, esses estudantes. Que tipo de profissional esses, ditos estudantes, serão no futuro? Porque não vão trabalhar em prol de alguma causa justa? Deveriam trabalhar, ao menos 4 horas por semana (já é muito pouco), em comunidades carentes. Fazem isso? Não. Passam boa parte do tempo fumando maconha e agitando no campus. Agora querem direitos? Quais deveres e obrigações eles realizam? No próprio vídeo fica demonstrado a provocação do "dito aluno". O PM solicita a identificação e ele só apresenta depois de levar cacete. Ou seja, ele mesmo cria a situação.

Responder

Luc

09 de janeiro de 2012 às 20h24

Olharam na matéria da Carta Capital? Tem mais detalhes:
http://www.cartacapital.com.br/sociedade/ele-foi-

Responder

Luiz Carlos

09 de janeiro de 2012 às 20h14

Até na época da ditadura militar, quando eu estudei lá, por incrpivel que pareça, o campus era mais respeitado.
Agora com esse (des) governo de S.Paulo, ligado ao que há de mais retogrado e conservador, a PM usa e abusa da truculência.
Professores são agredidos, durante a greve, viciados são agredidos na Cracolândia, alunos são espancados em universidades.
Logo, logo eles reabrem o prédio Doi-Codi.

Responder

Sandra Caballero

09 de janeiro de 2012 às 20h09

Tem um monte de reacionário justificando a ação do pm, argumentando que ele foi desrespeitado. Usando essa lógica vou dar porrada cada vez que um aluno me desrespeitar. Quem sabe não tenha a sorte de cruzar com o filinho desses reacionários de plantão?

Responder

Yarus

09 de janeiro de 2012 às 20h04

"afastou das ruas o sargento". Agora é esperar 2014 para afastar quem dá as ordens.

Responder

gabriela fernanda

09 de janeiro de 2012 às 19h57

Cadê a cateirinha do estudante?

Responder

    Mateus_Beatle

    09 de janeiro de 2012 às 20h47

    Está aí, o vídeo já está no momento exato em que ele mostra o documento: http://www.youtube.com/watch?v=oHthT-YtNSo&li

    fabio rezende

    10 de janeiro de 2012 às 14h18

    Cadê a identificação do servidor público, Gabriela?

    Paulo

    10 de janeiro de 2012 às 15h36

    Ele nem precisaria portar uma carteirinha de estudante, visto que é um local público.

João-PR

09 de janeiro de 2012 às 19h48

Por que a PM não está nas ruas prendendo os grandes traficantes que abastecem a cracolândia paulista?
O que é que a PM tem que fazer dentro de uma Universidade?
E a autonomia das Universidades, onde é que fica?
São Paulo passou, de vez, a ser um estado policialesco. Basta dizer que na cidade de São Paulo tem 30 coronéis dirigindo as subprefeituras.
Jisuis! Agora só falta obrigarem os alunos da USP a usarem o cilício, e serem membros da Opus Dei.
Em tempo: quando é que a maioria dos paulistas e paulistanos acordarão do sono intenso de que serem governados pela tucanalhada e asseclas é a melhor coisa do mundo?

Responder

PM saca arma, agride aluno da USP e é afastado « Ágora

09 de janeiro de 2012 às 19h46

[…] Viomundo […]

Responder

Pedro Cruz

09 de janeiro de 2012 às 19h43

Como respeitar uma policia despreparada e covarde? Policia em uma Universidade?? Qualquer conflito reitor XProfessor, reitorXFuncionários, reitorXEstudantes a polícia será chamada?? E a Comunidade Acadêmica não reage?? A sociedade civil não reage??? Nem durante a ditadura isso acontecia (no dia a dia, não). É muito, mas muito, muito, assustador. O nazismo na Alemanha começou mais tímido!!! São Paulo está ficando assustador. Esses fascistas demotucanos tem que ser derrotados em 2012. Defendo uma aliança até com o diabo para derrotar esses fascistas. Os comentários neste post mostram o quão complicada está a situação.

Responder

amores

09 de janeiro de 2012 às 19h43

Policial e aluno, todos vítimas.

Responder

O Chacal

09 de janeiro de 2012 às 19h40

Pessoal vamos com calma. Se voces olharem a segunda parte do video da pra ver que o cara não é Negro. Só porque ele tem cabelo RASTA ele é negro? Olha a parte 2 do video, o cara nem é negro. e esse policial é um cavalo.

Responder

    Mateus_Beatle

    09 de janeiro de 2012 às 20h27

    É isso aí, como diz Ali Kamel, "Não somos racistas", né camarada?! E, sim, isto é ironia, pois é um absurdo esse tipo de comentário que você escreveu!

    O Chacal

    10 de janeiro de 2012 às 13h04

    olha a segunda parte do video então e ve se eu to errado.

    Mateus_Beatle

    11 de janeiro de 2012 às 00h07

    O comentário abaixo (da Ana Paula) já lhe responde.

    Ana Paula

    09 de janeiro de 2012 às 20h28

    "o cara nem é negro"

    Já diria Ali Kamel: "Não somos racistas".

    A tática de enbranquecimento da população continua: ninguém é negro, logo, não somos racistas…

    Paulo

    10 de janeiro de 2012 às 15h37

    Não interessa se ele é negro ou não. Nada justifica a atitude do policial.

Guteri

09 de janeiro de 2012 às 19h39

VAZA NEGÃO

“Vaza Negão”, berrou a autoridade
Branca, lá pelas quatro da manhã,
Mas o ator negro, vindo à cidade,
Manteve atitude cidadã.

Socos e pontapés sem piedade
Na atitude covarde e vilã
Abriram as feridas e à vontade
Sangue vazou da veia negra, irmã…

Em meio às coronhadas de escopeta,
“O masculino”, “o bugre de cor preta”
Marcou no chão o ato imperfeito

Da cena recorrente nesta urbe:
“Não se aceita o negro que perturbe
O palco do racismo e preconceito”.

Erigutemberg Meneses

Responder

    Jean

    09 de janeiro de 2012 às 20h11

    Parabéns pela poesia, poema, soneto, nunca sei a diferença, muito profundo!;

@h3nryyyy

09 de janeiro de 2012 às 19h39

Respeito muito a todos que comentaram.
Porem acho que tudo isso é espelho de uma sociedade cujo povo esta acomodado.
Acho ridiculo os comentarios justificando o ato de agressão pelo fato do individuo ser negro.
Pois isso de certa forma é uma injuria de Racismo, é na minha MODESTA opinião uma PIADA.
Policial mal treinado não é novidade, agora eu não vejo culpa total por parte do policial…

Responder

Fabio SP

09 de janeiro de 2012 às 19h18

Na falta de enchentes em São Paulo, vamos inventar outras histórias…

Responder

    fabio rezende

    10 de janeiro de 2012 às 14h19

    Paulista é uma coisa estranha, mesmo…

Gabriel

09 de janeiro de 2012 às 19h18

o pm acabou de ser afastado, agora não vão demitir não, isso foi falta de preparo e formação, isso é saida fácil, quero vê-lo afasta-lo pelo tempo necessário para treiná-lo em direitos humanos e prepará-lo (inclusive psicologicamente, que estava que segundo o governo o mesmo estava "emocionalmente descontrolado") para que possa voltar às ruas e executar corretamente suas funções.

Responder

Mancini

09 de janeiro de 2012 às 19h16

Realmente é revoltante! E os seguranças, que só eles deveriam estar estar lá, nada fazem! Lugar de polícia não é na Universidade, que por definição é autônoma! Lamentável! http://refazenda2010.blogspot.com

Responder

Marcio H Silva

09 de janeiro de 2012 às 19h16

"O PM foi afastado por desequilíbrio emocional."
Bem, quem está defendendo a atitude do PM, parece que está em contradição com o Governo de SP. Se o PM estava com razão, porque foi afastado? a desculpa do estado é desequilíbrio emocional, mas é mais do que isto. Só fazem isto porque tem certeza da impunidade. A grande Imprensa não vai fazer alarde condenando a atitude, e o Judiciário de SP conivente com as decisões do executivo do estado vai se calar. Está pior do que a época da Ditadura. São Paulo não tem comissão dos direitos humanos? se tem, porque não se manifesta?

Responder

    beattrice

    09 de janeiro de 2012 às 19h59

    Só pra constar SP também não tem oposição ao des-governo alckmista, já deu pra notar certo?

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 21h08

    Marcio H Silva, concordo com voce nao estamos na epoca da ditadura. Esta tudo muito estranho.Militares invadem a Usp de madrugada sem testemunhas. Governador e Rodas silentes.
    Mega ataque a cracolandia Governador, Prefeito e secretario de seguranca nao tinham conhecimento culpa do segundo escalao, agora o pm esta com descontrole emocional .SOS comissao dos direitos humanos
    Das 31 sub-prefeituras 30 sao coroneis nomeados pelo Kassab, Sao Paulo esta sendo militarizada pelo
    psdb e psd e nao assumem as acoes e grave.

CLAUDIO LUIZ PESSUTI

09 de janeiro de 2012 às 19h16

Ah, a tempo, só admitiu que houve "desequilíbrio" por causa da filmagem e da postagem na net, inclusive aqui. Senão , seria mais um abuso de de autoridade sem punição.Ai a policia diria que ia "apurar" o caso…

Responder

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 21h16

    Prezado Claudio Luiz Pessuti, realmente gracas as cameras e gravadores imagine quantos
    abusos de autoridades e agressoes ficam impunes.

iza

09 de janeiro de 2012 às 19h15

Quem está com “desequilíbrio emocional” é o governador que até agora está abusando da sorte.
E que sorte!!!!
Melhor começar a colocar a cabeça pra funcionar.

Responder

JOSE Antonio Batata

09 de janeiro de 2012 às 19h14

O Governo do Estado de São paulo está errado, lugar de PM é na RUA combatendo o crime. A vigilãncia das Universidades deve ser feita com vigilantes treinados para esta tarefa. A Polícia Universitária tem que ter uma postura totalmente diferente da PM. A polícia Militar tem que enfrentar o PCC e não ficar perseguindo estudantes dentro das Universidades. São Paulo caminha para a Extrma-Direita.

Responder

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 21h20

    Prezado Jose Antonio Batata, concordo em genero e numero .Temos que tomar atitudes solicitar Ministerio
    Publico.

GilTeixeira

09 de janeiro de 2012 às 19h10

Enquanto subsistir o pensamento de capitão-do-mato estamos perdidos.
Se o PM estava coma a razão detivesse o rapaz e o encaminhasse para a delegacia… Agressão de pessoa armada contra quem está desarmado é no mínimo covardia(só para ser elegante)!
Esperar o que do governo do tucanistão?
enquanto o eleitor do meu estado for essa anta amestrada teremos de engolir esses meliantes fardados como se autoridade fossem!

Responder

Luana

09 de janeiro de 2012 às 19h02

"para um negro a
cor da pele
é uma faca
que atinge
muito mais em cheio
o coração."
Adão Ventura

Responder

Gabriel

09 de janeiro de 2012 às 18h54

O que falta aos ignorantes (e essa é a verdadeira palavra) entenderem é que cabe à polícia apenas prender, com fundamento legal, com base, a um cidadão que esteja cometendo um crime, apenas com a força necessária, informando o motivo da prisão e encaminhando o mesmo imediatamente. Policiais, conservadores, galera do blog em geral: de modo algum cabe à polícia dar showzinho ou "esculachar" o cidadão, isso é arcaico, remonta à casa grande e senzala. Mesmo a galera conservadora, nada garante que os esculachados pela polícia serão sempre o pessoal que vcs não gostam ou que consideram errados, podem um dia chegar a ser vcs, parentes ou conhecidos de vcs, por isso o respeito ao devido processo legal é garantia a todos, isso devia ser consenso entre nós, galera letrada que frequenta blogs, conservadores ou progressistas, de direita ou esquerda. Enquanto tiver gente defendendo que a polícia tem q bater mesmo a coisa fica complicada. O policial ali não agiu em legítima defesa, se o estudante o agrediu ele deveria ter prendido esse estudante, se não prendeu, prevaricou. Na verdade ao ver q tinha feito bobagem deixou pra lá. Só que não é bagunçado assim não, as coisas não são tão soltas e frouxas como alguns querem. Se o policial foi agredido tem que prender e fundamentar a acusação, provar. Isso não é profissionalismo, é falta de preparo. Nenhuma função pública tem autoridade para agredir o cidadão e muito menos promover briga de rua, se atracar com o cidadão, tumultuar. Se o policial é agredido e faz briga de rua, empurra, age com força desmedida, e depois faz q nada ocorreu pior ainda pra ele, é polícia provocando arruaça. Muita gente tem uma visão muito rebaixada do agente público, remonta ao jagunço.

Responder

Antonio

09 de janeiro de 2012 às 18h52

Essa é uma faceta da escola da direita: o princípio da autoridade pela força. Essa é uma faceta de todo governo autoritário de direita que naturalmente é corrupto. Ele não pode agir de outra forma, pois ele não ganha no argumento. Ele não ganha na justiça, por isso tem que usar a força para se manter no poder. Isso é o sumo da direita. Isso é o PSDB. Liberdade de Expressão, Democracia? Isso é trololó petista.

PSDB, Exterminador do Futuro… E do Presente.

Responder

leo

09 de janeiro de 2012 às 18h50

Ele parece como o sargento Garcia! Mas… sargento Garcia é um bonachão que esta sempre a perseguir o Zorro, ele esta mais para Fleury o famoso torturador da ditadura. Um dos principais motivos desta polícia ser tão violenta é a não punição dos torturadores do regime militar. É preciso punir todos que torturam durante a ditadura para dar exemplo a tipos como este policial que agrediu covardemente o rapaz na USP. Todos estes PMs que estão na USP são viúvas do Coronel Erasmo um servidor fiel ao regime militar e de triste lembrança para quem viveu aquela época.

Responder

Ana Giulia Zortea

09 de janeiro de 2012 às 18h48

Se os policiais no Brasil não mudarem seus conceitos e continuarem a discriminar negros e pobres, teremos sérios problemas nas Olimpíadas e na Copa. Está mais do que na hora de dar um basta a isso, alguém tem que tomar uma providencia a respeito. Não da mais para fazer de conta que está tudo bem, está na hora de uma reação de verdade. Este policial deve ser punido, as imagens estão bem claras, ouve discriminação ali sem sombras de duvidas, mas sempre acaba em "não foi racismo, no máximo um outro delito que chamam de contravenção, é o que sempre ouço falar. E desta forma nunca ninguém será punido de verdade no Brasil, e estas situações continuarão acontecendo, isto chega dar raiva.
É uma vergonha criar uma lei com vários "porém" para não ter que aplica-la.

Responder

    Ana Giulia Zortea

    09 de janeiro de 2012 às 19h11

    Desculpem o erro quando digitei "houve" sem o "H".

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 21h24

    Aninha voce e um exemplo para esses marmanjos covardes, exemplo de conciencia e justica
    parabens jovem iluminada!

    Ana Giulia Zortea

    09 de janeiro de 2012 às 22h34

    Obrigada Maria do Carmo. E aproveito para me desculpar pelo erro ao digitar a palavra "houve",onde escrevi sem o "H".

Arthur Schieck

09 de janeiro de 2012 às 18h43

Minha impressão: o PM esgotou seus argumentos, mirou um negro lá no fundo para "mudar de assunto".

Responder

Conservador316

09 de janeiro de 2012 às 18h40

O Policial conversando numa boa, na educação. E os "estudantes" que estavam ERRADOS não queriam sair do local.
Então esse "aluno" que não toma banho a duas semanas,aparece falando bobagens para o policial.
E o policial fez certo. Foi lá e exigiu a identificação do "estudante".
Esse policial foi até muito educado. Eu não conversaria não, ja chegava botando todo mundo pra fora, sem conversa.
Mas esse "estudante" que foi preso pelo policial tem é que agradecer. Ja pode se candidatar a vereador pelo PSTU,PSOL ou PT nas próximas eleições.
Esse pessoal da esquerda gosta é disso: provocar a policia, pra depois se fazer de vítima.
Parabéns para esse policial.

Responder

    iza

    09 de janeiro de 2012 às 19h11

    Esse PM nem deveria estar lá na USP.
    Enquanto esse fascista ameaçava com uma arma esses estudantes, meu irmão e a mulher dele foram assaltados hoje em São Paulo.
    E onde estava a PM do PSDB?
    Dando porrada na USP!

    Você não é "conservador".
    É UM BABACA.

    Yarus

    09 de janeiro de 2012 às 19h56

    Tem gente com seus brutamontes que gosta de provocar, levar bolinhas de papel e depois furar a fila da tomografia…

    @h3nryyyy

    09 de janeiro de 2012 às 20h00

    Otimo, que saudades da antiga ROTA comandada por Conte Lopes.
    Tinha que levar esses malas pra debaixo da terra, vagabundos e maconheiros.
    Se usam de artificios sociais para argumentar e justificar o fato de serem vagabundos ?

    Marcelo

    09 de janeiro de 2012 às 20h28

    Eu voto no rapaz! Abaixo o consevador!

    Marcio H Silva

    09 de janeiro de 2012 às 20h47

    Voce deu uma cheiradinha no cara? filme do youtube agora tem cheiro?
    Isto aí, defende mesmo, um dia pode ser com voce.

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 20h49

    Conservador316(nao usa o nome), voce nao e humano, nao tem pudor nao se respeita, irracional nao o chamo de animal para nao ofender os animais que sao solidarios entre os seus iguais . Um jovem franzino
    negro e o troglodita saca da arma e continua agredindo nao estava fazendo mal a ninguem.
    Voce nao passa de um tirano, nao merece nem essa resposta .

    ZABS

    10 de janeiro de 2012 às 20h36

    Esse cara, o "Conservador316" é o Rodas !!!

    Antonio

    20 de janeiro de 2012 às 04h11

    Coitado o pulícia. Ganha pouco, apanha no quartel e ainda tem que aturar um vagabundo disfarçado de estudante.
    Foi muito bonzinho esse trabalhador.

El Gordo

09 de janeiro de 2012 às 18h40

Perseguir o PCC ou assaltante de banco que é bom….

Coxinha covarde barrigudo dos infernos. Deve fazer bico sendo porteiro de privé, se não tirar o dele de algum cafetão.

Responder

Ananda

09 de janeiro de 2012 às 18h39

Que os alunos tenham garra para continuar lutando contra essas arbitrariedades que o nosso "democrático" governador permite que ocorram na USP, e que esse absurdo estado de exceção que virou a universidade possa mobilizar a todos nas eleições de 2012 para começarmos a varrer definitivamente os tucanos do cenário político paulista.

Responder

will

09 de janeiro de 2012 às 18h37

vc estuda, estuda, estuda e um bosta de pm desse, vai se achando o general e humilha o rapaz que tava quebrando ele na idéia….
Fora psdb !

Responder

Ninguém

09 de janeiro de 2012 às 18h22

Fiquei com o estômago embrulhado. Um sujeito desequilibrado como esse deveria ser sumariamente desligado da polícia e ter o porte de arma revogado. Essa é a democracia do PSDB: dão porrada nos professores, mas não se esquecem dos estudantes. Esse covarde não teve a hombridade nem de se identificar. Não sei por que, mas me lembrei da foto da Dilma em que os juízes do Tribunal Militar (sempre eles) escondem a cara. Esse ranço da ditadura (PM) já passou da hora. Temos de acabar com isso ontem.

Responder

Pafúncio Brasileiro

09 de janeiro de 2012 às 18h21

Azenha,
É o jeito tucano de apaziguar a classe estudantil. Patifes !!
Pafúncios Paulistas, acordem !

Responder

iza

09 de janeiro de 2012 às 18h19

Pior mesmo é ver o que pensa os fascistas.
É inacreditável!!!!! Bando maluco! Irresponsáveis!
Ainda tem gente aplaudindo a atitude desse PM?
Eu sabia que um dia iria acontecer essa m…..
Era pedra cantada.
PMs dentro de uma universidade (publica)?
Só mesmo em Sum Paulo.
Os tucanodemos devem urgente colocar a cabeça no lugar, agradecer aos céus.
Estão com muita sorte!
Ainda bem que o boçal, travestido de PM, não atirou naquele rapaz.
Tivesse acontecido, o Picolé de Chuchu estaria (JÁ ESTÁ) ferrado de vez.
Quem são os idiotas que aconselham o governador?

Responder

PedroAurélioZabaleta

09 de janeiro de 2012 às 18h06

Absurdo!
Faltou pouco para mais uma tragédia.
A questão continua sendo tratada como caso de polícia.
Parece que é uma região fora da jurisdição da justiça.

Responder

JJJ

09 de janeiro de 2012 às 18h03

Direitos?!?!?!?!? Os direitos do brasileiros são: ser assaltados por badindos, levar tapa na cara da polícia, e levar bala na cabeça. Com uma arma na mão todo mundo é macho! Quem com o ferro fere com o ferro será ferido. Lamentável!

Responder

trombeta

09 de janeiro de 2012 às 17h53

A especialidade da polícia tucana é a covardia, quando o PCC tocou o terror em SP aonde estava a PM paulista?

Se borrando de medo dentro dos quarteis, a valentia da PM paulista é só contra fraco, mulher e manifestantes… bando de cagões.

Tem coisas que só acontecem em SP…. eta estado nojento e reaça!

Responder

Carlos R.

09 de janeiro de 2012 às 17h51

Essa cena lembra de uma frase do romance "Z" em que o narrador diz que esses pobres jagunços, se pensassem, estariam ao lado daqueles de quem eles batem, porque são mal pagos, vivem na periferia, tem uma mulher doente, uma mãe senil encostada na previdência, etc. Mas como não pensam, então vão para cima daqueles da mesma classe que se elevaram acima do que eles são, e a quem eles invejam de todo seu coração.

Responder

xpto09

09 de janeiro de 2012 às 17h46

Observem que no instante 36s o estudante ergue o abraço e começa a agitá-lo.
É a partir desse momento que o policial reage.

Responder

    Mateus_Beatle

    09 de janeiro de 2012 às 18h59

    E, por acaso, agitar o braço é alguma forma de desacato?

    Ricardo

    09 de janeiro de 2012 às 19h17

    Não justifica a atitude. É uma reação deproporcional apontar uma arma pra alguém que levante o braço. Outra coisa: o policial (que tem atitude de uma pessoa despreparada, já que pensa que pode fazer o que quer, por ser policial) é quem começa a agressão.

    daniel

    10 de janeiro de 2012 às 08h55

    Realmente, levantar o braço é um crime em qualquer lugar do mundo.

    Paulo

    10 de janeiro de 2012 às 15h42

    E por acaso levantar o braço justifica os tapas e a atitude de sacar uma arma para o estudante?

Leo

09 de janeiro de 2012 às 17h42

Não sei o contexto. a PM têm um histórico péssimo, brucutu, mas oq questiono é fazer da USP uma espécie de solo sagrado… Quantas pessoas não sofrem com a estupidez da PM, nos morros, nas ruas? Pq. a elite cheirosinha tem que ter um espaçozinho onde a lei não funciona? Gostaria muito de saber o contexto de tudo isso, embora abomine a violência da PM, abomino igualmente a sensação que se quer passar que estudante da USP (só da USP, hein?) tudo pode, inclusive fumar maconha… Cada vez mais eu vejo, por aqui, uma defesa da elite cheirosinha, defesa até pra poder cometer delitos em espaço MEU e SEU… Pq. a USP não é dos estudantes, a USP é NOSSA! Em tempo, gostaria de saber oq realmente aconteceu, de fato… NESSE caso, pq. o policial, truculento (não se justifica) ficou p. com o garoto… Oq o garoto fez? É importante saber, pelo menos pra mim, pq. queria saber se isso ~e algo que também querem que seja permitido só na USP…

Responder

    Carlos R.

    09 de janeiro de 2012 às 18h21

    A noção de "Democracia" que está expressa aí em cima é a dos neoliberais: Democracia é a igualdade na opressão. É aquele argumento dos berda-merdas jornalísticos que acham que os funcionários públicos são privilegiados pq tem uma aposentadoria menos miserável que os privados. Pelo que eu entendi, o raciocínio é que até que todos estejam protegidos de um espancamento de PMs, os estudantes da USP não tem o que reclamar…. "Democracia" assim é facílima, na Alemanha nazista já existia, pois lá literalmente qq um era igual em princípio diante do campo de concentração….

    Leo

    09 de janeiro de 2012 às 18h31

    Acho que vc não entendeu… Eu disse que nãodeve haver esse tipo de coisa, com ninguém… Oq me enoja mais do que haver isso contra todos é querer proteger só um grupinho, no caso os estudantes da USP. E nem falo da brutalidade policial. Têm que ser oligofrênico pra ser a favor da PM como é hoje… Mas a questão toda é o foco que se dá… Tal qual o PIG faz com a corrupção do PT, escondendo a do PSDB, aqui se defende o solo sagrado da USP em detrimento do geral… O fato, que vc nem tocou na sua superficial análise, é que a USP não têm solo sagrado, a lei vale aqui e acolá… o que se prega aqui, além da discriminalização da maconha, é que a USP é do uspiano e lá ele pode tudo e é intocável. Isso sim é neoliberalismo de prima… Elitizinha cheirosa pode… (tipo, No Chile Pode). Vc deve ter pulado a parte que eu falo abominar a violência policial CONTRA TODOS mas também a seletividade do solo uspiano… Por falar em seletividade, seria isso leitura seletiva? Fica a pergunta: Vc acha que o USPIANO pode cometer delitos na USP? Não vale dizer que não acha o uso de entorpecentes um delito, não estou peguntando se vc acha que isso deveria ou não ser crime, e sim se o uspiano pode cometer crimes na USP. Pergunta simples, resposta, estou certo, mais simples ainda…

    Carlos R.

    09 de janeiro de 2012 às 18h46

    Ótimo, somos todos contra a brutalidade policial EM GERAL. Só que para isso virar realidade, e não teoria, a resistência tem de começar em algum lugar em PARTICULAR – e, na sociedade que temos atualmente, os uspianos estão mais preparados para resistir que os habitantes sei lá, do Jd. Angela… E qdo alguem – por ressentimento? por outra razão qq? – diz que o privilegiado resiste porque é privilegiado, sem perceber exatamente que isto decorre de uma uma necessidade dos fatos, apenas ajuda para que a cultura da resistencia nem começe a chegar no Jd. Angela. Todo geral um dia foi particular -e isto é, apenas, dialética….

    renato

    09 de janeiro de 2012 às 18h56

    Leo veja o video completo, é um erro colocar só um pedaço do video, a policia tem que estar acima de nossa inteligencia para no proteger, não colocar um elemento completamente transtornado como este, a uma passagem que o estudante escuta de um segurança que ele não vai mais ser aluno dali, isto é uma ameaça…Estas imagens é prato cheio para advogados ganharem dinheiro do estado….

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 21h35

    Leo, Sem comentario voce e cego? surdo? viu o video?acorda estamos falando desse caso sei
    que tem muitos arbitrios, em todos os seguimentos da sociedade nao seja preconceituoso.

    RaoNeo

    09 de janeiro de 2012 às 21h47

    O garoto desobedeceu a Ordem do PM. Isso é motivo o bastante para o uso de força física.

beattrice

09 de janeiro de 2012 às 17h29

Se não houver uma reação sistemática e organizada dos movimentos sociais, setores progressistas etc, para exigir a saída da PM alckmista do campus da USP isso ainda termina em tragédia, maior.

Responder

Fabio nogueira

09 de janeiro de 2012 às 17h28

Notaram a primeira pergunta do PM? O rapaz por ser negro,talvez não faz o perfil de um estudante USP. Até quando vamos ter que assistir cenas como essa de policiais desequilibrados? Ainda encontramos pessoas como o Calabresi,apoiando atitudes do PM.

Responder

Michel

09 de janeiro de 2012 às 17h24

continua: [youtube oHthT-YtNSo http://www.youtube.com/watch?v=oHthT-YtNSo youtube]

Responder

    Mateus_Beatle

    09 de janeiro de 2012 às 19h01

    Totalmente trágico.
    O policial ainda tem o disparate de dizer: "o você sabe sobre racismo?" e "eu não tenho que falar nada para vocês"…

Raul Ravanelli

09 de janeiro de 2012 às 17h16

mais forte que cena de facada…..

Responder

muniz

09 de janeiro de 2012 às 17h14

Se o cidadão estiver errado deve ser preso, se resistir, deve ser aplicada a força proporcional à resistência. Não é o que acontece no vídeo. Parece-me um caso clássico de abuso da autoridade policial, ele agride o cidadão, não por acaso negro, tanto fisicamente quanto em seus direitos civis (expressão)
A ação da polícia não me surpreende, mas os comentários em apoio a tamanha arbitrariedade sim. A polícia brasileira é apenas o espelho do viés autoritário e violento de sua sociedade. Triste…

Responder

Alberto

09 de janeiro de 2012 às 17h10

Quanto ódio no coração, PM.

Responder

Ze Duarte

09 de janeiro de 2012 às 17h10

Alguém podia explicar a situação? Eu ouço falar em reforma e não entendo o contexto…

Depois o estudante (?) agredido fala algo antes que não consigo ouvir…

De qualquer forma, o policial está errado, isso sim que é agressão e não a situação da reintegração. Agora podem reclamar com razão…

Responder

CLAUDIO LUIZ PESSUTI

09 de janeiro de 2012 às 17h08

Pronto, já já vem a tropinha anti-paulista, falar que "Sao Paulo e isso e aquilo", "Paulista apoia ", "paulistanos gostam de ditadura" blá, blá, blá".Quanto a atitude do policial, verdadeiro brucutu desequilibrado.Chegou a sacar a arma.Diria que seria uma atitude tipica de Lampião.Tem gente que gosta…

Responder

    CLAUDIO LUIZ PESSUTI

    09 de janeiro de 2012 às 19h14

    Pronto a turminha do "só podia ser em Sao Paulo " ja chegou, e que eles moram em lugares onde a policia e "cidadã" tais como Alagoas , Bahia e Rio de Janeiro…

    fabio rezende

    10 de janeiro de 2012 às 14h20

    Direito de opinião, paulista.

Renan P

09 de janeiro de 2012 às 17h02

É vital postar a continuação do vídeo, no qual o rapaz prova que é aluno (tudo bem que a USP é aberta para o público em geral): http://www.youtube.com/watch?v=oHthT-YtNSo

Responder

Akhenaten

09 de janeiro de 2012 às 16h58

É a pura democracia do nosso PSDB. Primeiro o Cerra ponhe um reitor que nao foi eleito (ele ficou em 3 lugar, o entrao governador simplesmente ignorou o primeiro pq o 3 tinha a certeirinha tucana)

Responder

Guteri

09 de janeiro de 2012 às 16h57

O imbecil fantasiado de policial praticou um desacato à humanidade e muitos covardes que assistiram nada fizeram…

Responder

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 18h21

    Guteri, realmente foi o que pensei, mas voce sabe o pm descontrolado, e para pensar, mesmo porque
    os estudantes conhecem as pecas covardes.

Akhenaten

09 de janeiro de 2012 às 16h57

É a pura democracia do nosso PSDB. Primeiro o Cerra ponhe um reitor que nao foi eleito (ele ficou em 3 lugar, o entrao governador simplesmente ignorou o primeiro pq o 3 tinha a certeirinha tucana); secondo, a policia do SP é a mais preconceituosa do pais; terceiro, pra piorar, ponhe essa mesma policia racista para manejar estudantes que nada mais querem que se expressar democraticamente – o se é esperado em qualquer parte do mundo.
Um absurdo sem tamanho. Alguem no Congresso tem de convocar o comandando da PM de SP e urgente. Por favor.

Manuel, que tb sou negro.

Responder

José Eduardo Camargo

09 de janeiro de 2012 às 16h50

Acho que essa "palhaçada" só vai acabar, se acabar, é bom frisar, quando o primeiro estudante da USP for assassinado pela polícia. Infelizmente, só quando ocorre uma tragédia as providências são tomadas. E a propósito, reparem que o estudante agredido é negro. Ou seja, é esse o padrão de comportamento da polícia nazi-tucana de SP! E aqui cabe a pergunta: será que os tucanos separaram SP do país e ninguém percebeu?

Responder

Peterson

09 de janeiro de 2012 às 16h48

realmente o policial agiu de modo que não precisava… mas entre nós aqui do blog… vamos parar de tratar estudantes como sendo um bando de crianças indefesas né!!! fico indignado quando vejo pessoas criticarem os policiais por agirem contra nós estudantes … será q estudante pode fazer tudo o q quiser? ele ñ precisa seguir a lei e pode usar droga onde quer? pode ocupar o q quiser? pode falar o q quiser pra uma autoridade? por favor né…. vamos parar também de falso moralismo e de matérias sensacionalistas como essa…

Responder

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 18h14

    Peterson, nao e por isso que vamos nos calar, quando um policial puxa o estudante do balcao agredindo-o
    e sacando a arma enquando os demais policias ficaram na frente tentando cobrir(estudante franzino e negro)
    covardemente.Voce viu o video, pior cego e aquele que nao quer ver, vamos rapaz poe a mao na conciencia se e que voce tem.

    Nostra Damos

    09 de janeiro de 2012 às 18h30

    SEnta o sarrafo nos vagabundo.
    Otima ação por parte dos mike encima do individuo.

    Amilcar Lopes

    09 de janeiro de 2012 às 18h58

    eu não vi o estudante agredido dizer nada demais… aliás, a impressão que eu tive é que como o "guarda" não conseguia convencer com palavras ao grupo, inventou uma abordagem com o outro… acho que ele agiu por raiva de seu próprio grau de convvencimento.
    E quando isso acontecia na ditadura militar com o Exército invadindo os DCE do país todos ficávamos revoltados…. agora só mudou a foça policial, né?

    Sergio Troncoso

    09 de janeiro de 2012 às 19h12

    Então cá entre nós aqui Peterson, não vi ninguém usando "droga onde quer", o que vi foi um estudante desarmado, falando, usando o seu direito de "fazer o que quiser", e sim, um estudante "INDEFESO" diante de um policial que resolve investir na sua "otoridade" de julgar como e quem deve falar com ele, se utilizando de agressão covarde. Pare com o SEU falso moralismo, e na próxima vez troque de lugar com o rapaz, aí você vai entender algo sobre como "falso sensacionalismo" no dos outros é refresco.
    Um abraço.

    Thiago_Leal

    10 de janeiro de 2012 às 09h35

    Provavelmente o Peterson deve ser algo a mais que uma criança indefesa mesmo perante um grupo de PMs armados, com um deles inclusive sacando a pistola… diz aí pra nós como você se defenderia, para justificar isso que o policial fez, faça-nos o favor.

fabio rezende

09 de janeiro de 2012 às 16h46

O desgraçado foi direto no negro. Queria ver esse sujeito sem arma na mão pra cima de mim. Maldito. São PAulo está em decandência. Vive à margem do Estado de direito.

Responder

Alexandre Felix

09 de janeiro de 2012 às 16h43

Isso dentro da maior universidade brasileira…conseguem imaginar o que acontece na periferia da cidade? Abs.

Responder

maria_do_carmo

09 de janeiro de 2012 às 16h40

Quem faltou com respeito foi o policial, estava descontrolado e agressivo e quando puxou o rapaz para
bater e sacou a arma, os outros policiais tentaram cobrir ficando na frente, covardes e irracionais nao
vou chama-lo de animal para nao ofender os animais.

Responder

denis dias ferreira

09 de janeiro de 2012 às 16h33

Acabamos de assisti ar uma maravilhosa aula magna de democracia, idealizada pelo sr. Reitor e patrocinada pelo Sr. Exmo. governador do Estado de São Paulo, com apoio de muitos professores e alunos da USP.

Responder

EUNAOSABIA

09 de janeiro de 2012 às 16h27

O agredido foi o PM, que está de parabéns por ter mantido a ordem.

Outra coisa… cadê a prova de que esse suposto aluno é mesmo umaluno? e se for um "fornecedor"? tudo papo furado véio…. tô cansado dessas farsas que depois são desmentidas e não ganham mais espaço na origem da publicação….

Quem não se lembra daquele "artigo" cujo título era…"O Bizarro mundo de José Serra?"… tá ruim prá vocês.

Volta a repetir, o agredido foi o PM.

Responder

    Renan P

    09 de janeiro de 2012 às 16h44

    Ele é aluno sim, esta aqui a prova:
    http://www.youtube.com/watch?v=oHthT-YtNSo

    Uknx

    09 de janeiro de 2012 às 16h51

    O cara tava dentro da universidade, que até onde eu sei é pública.
    Indiferente de ser estudante ou não.

    Ana Giulia Zortea

    09 de janeiro de 2012 às 16h56

    O EUNAOSABIA, a imagem e o vídeo falam por si. O video é tão claro que dispensa maiores explicações. Pelo visto o senhor anda tão preocupado em não saber nada que não consegue enxergar o óbvio.

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 17h52

    Parabens Ana giulia, voce e simplesmente direta.

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 16h57

    Eunaosabia, voce e outro covarde, o pior cego e aquele que nao quer ver, ninguem te leva a serio.

Fernando

09 de janeiro de 2012 às 16h25

Quanto despreparo, meu Deus…
É esse tipo de polícia que a população quer? Que age de forma agressiva contra quem não ameaça ninguém? Contra quem não coloca ninguém em perigo?

Responder

Mr. Chance

09 de janeiro de 2012 às 16h13

Parabéns Serra! Parabéns Rodas! Vocês conseguiram… Vão comemorar onde?

Responder

    beattrice

    09 de janeiro de 2012 às 17h27

    Não vemos deixar a excelsa contribuição do senhor Alckmin OPUS DEI passar ao alrgo não é mesmo?

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 18h54

    Beattrice, com toda certeza, e muito triste vermos a USP da nossa Sao Paulo dirigida por Serra , Alkmim,
    Rodas e policias militares. Segurancas militares em Universidade em estado democratico, so em
    Sao Paulo em nenhum pais do mundo. Sao Paulo esta sendo mulitarizada 30 dos 31 sub-prefeitos
    nomeados pelo Kassab sao coroneis da PM, o ataque a cracolandia do Alkmim e Kassab com os militares.
    Pode estar certa que vai passar ao largo, como na cracolandia vai dizer que foi o segundo escalao

Rodrigo Gonçalves

09 de janeiro de 2012 às 16h11

Vamos acordar !!! Independente de o Aluno estar certo ou errado o PM jamais poderia ter agido de tal forma, foi sim abuso de autoridade !!! Agressão, Preconceito… O que no máximo o aluno fez foi falar algo que ele não tenha gostado e isso não é motivo para tal agressão.

Viva a democracia do Alckimin e Kassab… e essa PM sem capacidade !!!

Responder

    Mateus_Beatle

    09 de janeiro de 2012 às 19h09

    Exatamente!
    E, como já foi falado exaustivamente aqui no Viomundo, a PM não é meramente polícia: é militar. Portanto, infelizmente, nem é dá para se espantar com tanta truculência e autoritarismo por parte dela.

Claudio

09 de janeiro de 2012 às 16h07

Sinceramente, qual o absurdo que existe nesse vídeo?
O cara tá lá fazendo o trabalho dele, tentando dialogar com a galera do diretório, e aí um cara vai debochar da ação dele? A atitude do cara tá certa? Ele realmente tinha que ter feito isso, ou podia colaborar com a conversa?

Aí pra melhorar, o policial esquenta pro lado dele e ele ainda vai querer dar uma de "sou foda"?

E ele ainda é o coitadinho? por favor hein… vamo manerar no drama!

Responder

    Douglas

    09 de janeiro de 2012 às 20h15

    Concordo. O cara, por ser PM, está recebendo ataques pra tudo quanto é lado. Mas não é fácil tratar com alguns alunos que se acham cheio de direitos. Esqueceu, aliás boa parte da sociedade esquece, que existem direitos, deveres e obrigações. O direito do aluno acaba quando deixa de cumprir suas obrigações e deveres. Certamente, o PM não baixaria a porrada no aluno (como foi visto no vídeo, ~0:36 segundos) houve alguma insinuação por parte do aluno. Então, se o clima já é hóstil qualquer fumaça pode resultar em fogo. E ninguém tem sangue de barata para aguentar certas coisas. Já está na hora de se fazer voltar a tríplice noção: direitos, deveres e obrigações. Fora disso não adianta espernear e querer falar em democracia ou algo similar. Em nada, isso, tem a ver com democracia ou governo. A questão é de direitos, deveres e obrigações. Sairia, o aluno, respeitando a autoridade no local e resolveria o embrólio noutro local. Se tem ou não direito, busca-se no judiciário os seus direitos.

    Thiago Martins

    09 de janeiro de 2012 às 20h31

    Há várias coisas "absurdas: nesse video. Mas a pior de longe é a arma. Um policial, mais do que qualquer outra pessoa, deve saber que uma arma de fogo NUNCA, JAMAIS, DEVE SER USADA para intimidação! As antigas Smith & Wesson viam com um folheto na caixa com dizeres na linha de "só aponte isso para o que você quiser matar". Ao apontar uma arma de fogo para o aluno, o policial está implicitamente (ainda que não de vontade plena) ameaçando a vida do mesmo, e levando o conflito para outro patamar muito mais grave (imagine se há outra pessoa armada na cena e reage matando o policial – que está sem colete?).

    Este policial obviamente não está preparado para portar uma arma de fogo.

    Mateus_Beatle

    09 de janeiro de 2012 às 22h53

    Comentário perfeito.
    Sem dúvida, a "autoridade" sacar a arma para intimidar (como fica bem evidente no vídeo) é CHOCANTE, para dizer o mínimo.

    Chico Maciel

    09 de janeiro de 2012 às 20h31

    Então você merecesse levar uns cascudos também! Afinal, veio aqui tirar uma com a nossa cara, fodão!
    uhauhauauah

    Luiz Carlos Azenha

    09 de janeiro de 2012 às 20h32

    O curioso é que o PM vai até o fundo da sala atrás do único negro, que nem estava conversando com os policiais sobre a desocupação…

    Thiago Martins

    09 de janeiro de 2012 às 22h10

    Err… Azenha, ele claramente não é o único negro na cena… A pessoa que está de camiseta listrada, bem visível no vídeo até os 50 segundos (quando o policial já tinha interpelado o agredido) é quem tem a pele mais escura de todos.

    Francisco Hugo

    09 de janeiro de 2012 às 22h50

    Curioso, Azenha, é focar "este" PM, como se a covardia flagrante a ele se restrinja.
    Desviar/embaçar o foco é cacoete de jornalista quando a verdade factual compromete demais a classe dominante.
    Covardes são todos os fardados que passivos assistiram o (sem preposição) agressor também fardado.
    Covarde o comandante da unidade a qual pertence o sargento, o secretário de Segurança e o Governador que dão sustentação a tais espetáculos de autoritarismo: a liberdade e a cidadania que se lixem!
    Covardia é falta de coragem. Faltos de coragem agem assim, protegidos por fardas, togas, batinas.
    Ou mandando/pagando: espancar, torturar, matar!
    Racismo é preconceito nojento!
    Mas não o único e sequer o principal dos preconceitos que essa classe dominante exerce despudoradamente.
    Perguntas: O Zé é corajoso? E o Ustra?
    Em tempo: o sargento foi afastado. Afastar = dar um tempo.

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 20h33

    Claudio, e inacreditavel voce falar um absurdo desses, voce viu o video.O pm descontrolado arranca o estudante por cima do balcao agredindo-o e saca da arma os outros policiais ficam na frente para cobrir
    enquanto o celerado agride o estudante franzino negro, que covardia do pm e sua tambem.
    Drama e existir pessoas como voce irracional nao o chamo de animal para nao ofender os animais que sao solidarios entre os seus iguais. Voce me da asco.

    Luciano Prado

    09 de janeiro de 2012 às 22h33

    Cláudio,

    O absurdo é você achar tudo isso normal.

    Quando a PM paulista começar a matar e fazer auto de resistência dentro da Universidade talvez você mude de opinião.

    Mudará mais rápido se ocorrer com um parente seu.

Benjamin

09 de janeiro de 2012 às 16h05

Quem está no0 começo da confusão, como sempre? Sim, ele, o jubilado de 30 anos que retornou por vestibular para a "profissão" de estudante…. mais manjado do que nota de 2 reais…

Responder

    Mateus_Beatle

    09 de janeiro de 2012 às 19h07

    Se retornou pelo vestibular (sistema injusto, MAS vigente e realizado pela Fuvest, fundação vinculada a própria Universidade de São Paulo), como você mesmo apontou, não há do que reclamar, meu caro.

    Thiago_Leal

    10 de janeiro de 2012 às 09h36

    Manjado é seu preconceito, que não vale esses 2 reais.

Lucas Villa

09 de janeiro de 2012 às 16h04

Vocês têm certeza que isso aí é um "espaço de estudantes" dentro de uma universidade pública mantida com o MEU, nosso dinheiro?

Não vi UM livro, só gente ressacada (que parecem ficar a noite inteira acordada) e móveis sujos.

É impressionante como o Brasil BRINCA e joga dinheiro no lixo na área de educação.

Responder

    ljf

    09 de janeiro de 2012 às 16h19

    Vamos lá

    o espaço em questão é o do DCE livre, fica ao lado da reitoria na cidade universitária. Ele foi fechado à uns 4 ou 5 anos com a desculpa de que seria reformado para melhor atender os estudantes. Anteriormente lá funcionava um restaurante, vairas lojas e a única farmácia dentro do campus, um tempo atrás (não sei lembro quando exatamente), os estudantes reunidos em assembleia decidiram retomar o espaço, visto que a reitoria, mesmo com o aparente termino da obra, não mostrava o menor sinal de querer devolver a sede do DCE. Desde então tenta-se negociar a devolução efetiva do prédio com a reitoria, o que ela tem prontamente ignorado. Esta ação encontra-se no contexto de inumeras outras feitas em diversos espaços públicos e estudantis que visam esvaziar a universidade e oprimir a oposição política ao reitor.

    Klaus

    09 de janeiro de 2012 às 17h02

    ljf, este é o local que os 9 punks anarquistas invadiram dias atrás ?

    beattrice

    09 de janeiro de 2012 às 17h25

    Obrigada pelas informações que situam não somente o grau de arbitrariedade que vigora na USP mas também o grau de descaso do Rodas e do senhor alckmin com o ensino em SP.

    Bruno Camargo

    09 de janeiro de 2012 às 16h21

    Qual o conceito de espaço dos estudantes? vc quer uma biblioteca? Pq o tal pm pede a carteirinha? ele não tem que controlar o acesso, ou quem é ou não estudante. Ali era cidadão fosse ou não estudante.

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 16h24

    Lucas Villa, quanto recalque mais um lixo.

    @guivoluti

    09 de janeiro de 2012 às 16h30

    Eu não vi nenhuma pessoa "ressacada". O preconceito e conservadorismo faz as pessoas verem monstros que não estão presentes.

    Paulo

    09 de janeiro de 2012 às 16h38

    É impressão sua, seu preconceituoso. São estudantes da USP sim, que fIzeram por mercer seu lugar lá dentro. Quem seleciona quem deve entrar ou não na USP, é a própria USP.

    E esse, é o DCE da USP, sinônimo de democracia e direito dos estudantes dentro da Universidade. O atual reitor está tentando varrer o DCE em um claro posicionamento anti-democrático. É por isso que a PM está ali agredindo alunos.

    Esse é o verdadeiro motivo da presença da PM dentro do campus. Coibir e pressionar os alunosa aceitar quietos qualquer decisão vinda da reitoria.

    Ze Duarte

    09 de janeiro de 2012 às 17h36

    Bom, ao menos um deles não quer nada com nada e inclusive já foi até jubilado…

    Klaus

    09 de janeiro de 2012 às 17h20

    Lucas Villa, tu agora tá querendo que estudante estude, qualé rapá? Tá ligado que função de estudante é trabalhar para a conscientização das massas rumo ao socialismo, meu? Daqui a pouco tu vai querer que professosr de português ensine a conjugação dos verbos impessoais ao invés de transformar nossos estudantes em agentes da cidadania, né? Se liga, meu!

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 17h47

    Klaus, revoltado como sempre, preconceituoso, se acha a elite.
    Realmente voce nao gosta dos estudantes da USP, deve ter algo la atraz.

    Raphael

    09 de janeiro de 2012 às 20h54

    Esse klaus deve ser a favor de estados totalitários, nos moldes da coreia do norte, itália de mussolini, alemanha de hitler, em que o Estado dita a conduta das pessoas, neste caso, obrigando uma pessoa a estudar umas 16 horas por dia, como ele deve ter feito em sua frutífera vida acadêmica.

    Klaus

    09 de janeiro de 2012 às 23h39

    Falou em Hitler perdeu a razão, amigo…

    Raphael

    10 de janeiro de 2012 às 09h23

    Que foi? A Alemanha Nazista não foi um Estado Totalitário? Não importa, eu nunca quis ter razão alguma ao te responder, apenas escrachar a devoção de alguns ao Totalitarismo, afinal, é típico de Estados Totalitários invadir a vida privada do sujeito (o que inclui estar presente em lugares públicos), e obrigá-lo a condutas que satisfaçam aos anseios do regime (como forçar a estudar nas horas livres, ou impedir que se milite a favor de uma ideologia que não corresponda com aquela do governo).
    Mas pouco importa o que você acha que é o melhor. Esses estudantes em princípio não estavam prejudicando ninguém, se havia um mandado judicial, o policial não precisava fazer aquilo, e o que eles fazem da vida não lhe diz respeito.

    beattrice

    09 de janeiro de 2012 às 17h23

    Tem certeza que vc é um comentarista leitor do blog?

    Maria Luiza

    09 de janeiro de 2012 às 17h56

    Voce tem certeza que sabe o que é uma Universidade pública?

André Oliveira

09 de janeiro de 2012 às 16h01

Desde quando a PM tem que tratar de um assunto administrativo da USP ? Absurdo o teor racista. Mas esse é o nível da nossa PM "comunitária"..Vergonha..Ao invés do tema ser tratado entre a representação docente x discente, mandam o alienígena resolver a parada..

Responder

ljf

09 de janeiro de 2012 às 16h00

por favor, inclua na matéria a segunda parte do video
http://www.youtube.com/watch?v=Dtz04ctGgqI&co

Responder

Edison

09 de janeiro de 2012 às 15h59

Esta ai foi de deixar a Gestapo roxa de inveja.
Uma falsa democracia é até pior que uma ditadura real.

Responder

Luiz A. B. Calabresi

09 de janeiro de 2012 às 15h53

Eu acho que o PM está certo sim. O aluno (mané, bicho grilo, sei lá mai o quê) desrespeitou o soldado. Esses estudantes acham que podem tudo, e não é assim não. Desacatou, faltou com respeito à autoridade constituída pelo estado. Queiram, ou não, a USP pertence ao Estado de São Paulo, e esses filhinhos de papa,i ou não, que não querem a polícia no campus (na realidade é uma minoria que é baderneira), assim não querem para poderem se drogar à vontade, e que o tráfico de drogas se instale, que ladrões hajam livremente, roubando e matando, sem ninguém para coibir. E depois, vocês da Imprensa, Direitos Humanos (ou dos Manos) ficam cobrando policiamento no campus. É uma vergonha o que essa minoria de drogados está querendo fazer na USP. Vocês só enxergam o que os policiais fazem, e nunca o que os alunos, ou manés fazem. O Soldado está certo sim. Vamos parar de ser demagogos.

Responder

    Ailton Pereira

    09 de janeiro de 2012 às 16h01

    Não houve desrespeito do rapaz — aliás o desrespeito partiu do policial que exigiu carteirinha de estudante só do estudante negro. Aliás a Cidade Universitária é pública, TODOS podem frequentar o local, estudantes ou não.

    Maria do carmo

    09 de janeiro de 2012 às 16h03

    Calabresi e o policial, nao passam de covardes recalcados.
    Callabresi que argumento tacanho, de descerebrado voce e digno de piedade.
    Que pequenez. Que falta de Deus e de berco.

    ljf

    09 de janeiro de 2012 às 16h05

    desreipeito quando e de que forma?

    E, ainda que tenha desreipeitado, há justificativa para uma ação de violência física por parte do "policial"?

    @guivoluti

    09 de janeiro de 2012 às 16h27

    Luiza, o policial está errado. A ação dele é inconstitucional. Não é papel da PM agredir ninguém. Isso é um ponto de partida. Apenas uma mentalidade que naturalizou a violência não consegue perceber o absurdo total que foi esta atuação do policial. Para além disso, onde o jovem desacatou o policial? Não ter documento de identificação não constitui desacato. Ademais, o campus é público e qualquer pessoa pode circular dentro dele. Mais do que isso: por que o policial exigiu identificação apenas daquele estudante e não dos demais? Por fim, por que o policial ocultou a sua identificação (assista a continuidade do vídeo)? Olhe a contradição: ele supõe ter o direito de exigir a identificação de um cidadão mas, ao mesmo tempo, oculta a sua identificação. Sem mais.

    Ze Duarte

    09 de janeiro de 2012 às 17h11

    Você conseguiu entender o que o cara disse ou fez pro PM? Eu não consegui…

    kaliw

    09 de janeiro de 2012 às 17h11

    sacar uma arma para uma pessoa desarmada? Isso é o que vc chama de certo? é Luiz, acho que você não viu o video, ou se viu está comprovado que é cego, pois o que todos viram foi um ato de abuso de autoridade, aluno ou não, ele tem o direito de estar ali, o policial foi direto no "preto", por que será?

    Luiz Felipe

    09 de janeiro de 2012 às 17h27

    Luiz, a policia é para servir proteger, e não bater e coagir, acaba sendo um absurdo alguém concordar com esta atitude covarde e preconceituosa deste policial, ele é o verdadeiro criminoso.

    Maria Luiza

    09 de janeiro de 2012 às 18h08

    A USP não "pertence ao Estado de São Paulo". A USP é uma Universidade pública. Se você nem sabe diferenciar uma coisa da outra está justificado porque você é daqueles que acham que democracia é somente a lei da ordem na base do cassetete.

    Thiago_Leal

    10 de janeiro de 2012 às 09h38

    Como é que é? O estudante é que pode tudo? Hahaha…

@guivoluti

09 de janeiro de 2012 às 15h53

Cabe frisar que neste vídeo ainda traz consigo material para refletirmos quanto a escolha da vítima. A vítima não foi qualquer estudante, foi aquele que – exatamente por ser negro – nas concepções do PM não poderia ser aluno da USP. O criticado racismo institucional se expressa muito claramente nos dados sobre mortalidade da juventude negra. Se isso acontece na USP, sendo registrado por uma câmera, o que não ocorre com os jovens negros nas periferias, favelas e subúrbios das nossas cidades. Temos em todo país uma política de segurança cuja consequência mais nítida é o extermínio da população jovem negra.

Responder

angelo

09 de janeiro de 2012 às 15h49

Mais um bandido fardado impune.

Responder

Ana Paula

09 de janeiro de 2012 às 15h43

Isso foi não só um ato de violência policial como um ato claro de racismo! De repente o policial avança contra o estudante negro e exige dele a identificação estudantil, sendo que não havia requerido o mesmo documento dos outros estudantes! Que absurdo, é de indignar mesmo.
É preciso mover uma ação contra o policial identificado no vídeo, para evitar posteriores acontecimentos semelhantes, contra o comandante da "operação" e contra a gestão do reitor Rodas.

Responder

    jandui

    09 de janeiro de 2012 às 16h30

    teria que ser movida é uma ação contra os responsáveis que deixaram policiais soltos por ali como se estudantes fossem bandidos. É brincadeira esse PSDB…

Ciro

09 de janeiro de 2012 às 15h43

Sou estudante da USP, ja tinha visto o video e estou fazendo o máximo pra que a maior quantidade de pessoas possiveis tomem conhecimento dele. Porém critico a chamada para esta noticia, a qual possui um sensacionalismo desmedido, passando a ideia errada para o leitor.

Responder

    denis dias ferreira

    09 de janeiro de 2012 às 16h20

    Qual "ideia errada" o vídeo passa para o público?

    denis dias ferreira

    09 de janeiro de 2012 às 16h43

    A chamada, de modo algum, possui um sensacionalismo desmedido.

    beattrice

    09 de janeiro de 2012 às 17h26

    Não há erro na chamada, o PM sacou a arma tão logo pediu a carteirinha num visvel ato de intimidação

josaphat

09 de janeiro de 2012 às 15h38

O maluco, achando-se protegido pelo espaço acadêmico, experimentou enfrentar o pitbull e se deu mal.

Responder

    jandui

    09 de janeiro de 2012 às 16h30

    fez o que todos alunos deveriam fazer.

    josaphat

    09 de janeiro de 2012 às 16h46

    Achava que alunos deviam, sim, estudar.

    maria_do_carmo

    09 de janeiro de 2012 às 18h04

    Josaphat acorda, voce leu PM saca arma e agride estudante dento da USP, acordou?

    Scan

    09 de janeiro de 2012 às 18h10

    E você, pelo visto, não o fez, né?
    Entendo. Deve ser PM ou muito próximo disso…

    fabio rezende

    10 de janeiro de 2012 às 14h22

    E o PM, servidor público, achando-se protegido pela farda e pela arma, esta principalmente, agrediu o aluno. É para isso que ele é pago? O sujeito estava no momento de lazer da faculdade. Quem fez universidade sabe que existe lazer na escola, Mustafá.

Lucas Amaral

09 de janeiro de 2012 às 15h36

No começo ele até está controloado. Mas quando bate os olhos no negro de dread parece que o sangue sobre na hora!

Responder

    ódio,

    10 de janeiro de 2012 às 17h36

    Isto que voce descreve é ódio racial, que está sendo banalizado por isto as reiterações.

Ana Arrigoni

09 de janeiro de 2012 às 15h35

Absurdo, chocante! São Paulo está chegando no fundo do poço.

Responder

JPimenta

09 de janeiro de 2012 às 15h34

Provavelmente mais um aluno que faltou aquela maravilhosa e imperdível aula de democracia do Dr. Alckmin e do psdb

Responder

Lucas Sandoval

09 de janeiro de 2012 às 15h32

parabéns, policial! Maconheiro vagabundo tem que apanhar todos os dias.

Responder

    maria do carmo

    09 de janeiro de 2012 às 16h20

    Lucas Sandoval, quanto preconceito, deve ter algo la atraz,quanta covardia, nao passa de lixo.

    @guivoluti

    09 de janeiro de 2012 às 16h50

    E o que lhe faz crer que se trata de um "maconheiro vagabundo"? E, mesmo que fosse, não é papel da PM agredir ninguém. Isso precisa ser relembrado o tempo, pelo visto.

    Eremita

    09 de janeiro de 2012 às 17h31

    O que vocês esperam de policiais analfabetos? Lucas, antess de postar imbecibilidade, estude um pouco, quem sabe se torna um cidadão.

    Luiz Everardo

    09 de janeiro de 2012 às 17h46

    O policial infirngiu um procedimento da PM, qual seja “Apenas sacar a arma quando sentir-se ameaçado e, mesmo assim, apontá-la para baixo, guardando-a assim que as pessoas que ofereciam ameaça estiverem rendidas;”

    O Lucas não o conheço, mas antes de escrever de forma impulvisa e irresponsável aconselho-o a relfetir e pensar muito bem no vai escrever.

    Marcelo Barros

    09 de janeiro de 2012 às 17h58

    Supondo que aqueles rapazes estivessem fumando maconha (não é o que parece, mas vamos supor), você acha, sr. Licas, que este tipo de ação policialesca resolve alguma coisa?
    Não sei sua idade, não lhe conheço, mas lhe faço uma proposta: imagine, apenas imagine, se algum dia você tivesse um filho envolvido em algo assim, pois situações deste tipo, na maior parte dos casos, independem de classe social, nível de formação, ou da vontade dos pais, etc. Você acha mesmo que dando uma surra por dia você ia livrar seu filho de alguma dependência?
    Outra situação: imagine se seu filho (que não fuma maconha) se tornasse um estudante "rebelde", achando que podiia mudar o mundo (como todos que já foram jovens, como eu, acharam um dia), e apanhasse da polícia por isto. Você ia dar parabéns para o policial que fez isto?
    O rapaz que apanhou na USP hoje é filho de alguem…
    É sempre melhor conhecer bem uma situação antes de julgá-la. Pense nisto.

    Sérgio Troncoso

    09 de janeiro de 2012 às 19h22

    Quer dizer que além de chamar alguém que não conhece de maconheiro vagabundo, o Sr. ainda que policial julgue e agrida pessoas ao seu bel prazer? Pessoas como o Sr. estupram o conceito da democracia, uma pena. Quem sabe algum dia o Sr. e a sua policia ideal se encontrem…

    Luiz

    09 de janeiro de 2012 às 19h58

    Só aparecer uma imagem ruim para o psdb que aparece os militantes com carteira assinada para defende-lo. Essa novidade, profissão militante, com carteira assinada, é invensão do psdb.

    Marcio H Silva

    09 de janeiro de 2012 às 20h45

    Eles batem assim na turma do PCC?


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.