VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Cracolândia: A culpa é dos subordinados


07/01/2012 - 11h57

Alckmin, Kassab e comando da PM não sabiam de início de ação na cracolândia

Ocupação que deveria ocorrer em fevereiro, após abertura de centro de atendimento, foi antecipada após decisão do 2.º escalão

06 de janeiro de 2012 | 23h 00

Marcelo Godoy – O Estado de S.Paulo

SÃO PAULO – A Operação Cracolândia foi precipitada por uma decisão do segundo escalão da Polícia Militar (PM) e do governo do Estado. Há dois meses, a ação era planejada em alto nível. O governador Geraldo Alckmin (PSDB), o prefeito Gilberto Kassab (PSD) e as cúpulas da Segurança Pública, Assistência Social e Saúde das duas esferas de governo estavam acertando tudo para que o trabalho começasse em fevereiro, depois da abertura de um centro de atendimento com capacidade para 1,2 mil usuários de drogas na Rua Prates, no Bom Retiro.

Eles queriam evitar, por exemplo, que os dependentes se espalhassem pela cidade depois do cerco à cracolândia. Outro objetivo era evitar que a operação focasse apenas políticas de segurança pública, ampliando-a para as pastas sociais.

Até que na segunda-feira houve uma reunião de segundo escalão, na qual Luís Alberto Chaves de Oliveira, o Laco, coordenador de Políticas sobre Drogas da Secretaria de Estado da Justiça, disse ao coronel Pedro Borges, comandante da região central de São Paulo, que o governador queria a operação. O coronel disse que poderia fazê-la de imediato, pois tinha acabado de receber 60 homens da escola de soldados.

Assim, na manhã de terça-feira, ele pôs o time em campo sem nem sequer avisar o Comando-Geral da PM, o governador e a Prefeitura. E acabou criando um mal estar entre os dois governos.

No primeiro momento, só a PM participou. A Prefeitura achou que a Segurança Pública queria aparecer sozinha. Kassab conversou com o governo estadual e ouviu as explicações. O próprio coronel teve de se explicar com o Comando. A cúpula da Segurança queria saber por que ele havia feito a operação sem informar ninguém.

Ainda na terça de manhã, quando a operação começou, o governador questionou o secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, e o comandante-geral da PM, coronel Álvaro Camilo. Nenhum deles sabia de nada. Já com os policiais na rua, a Prefeitura convocou equipes de limpeza e de assistência social e a PM teve de dar continuidade à operação que só estava prevista para fevereiro.

Reunião. Ontem, o Comando da PM foi convocado para uma reunião de emergência no Palácio dos Bandeirantes. Alckmin queria explicações do comando. Embora estivesse no QG quando todos foram convocados, o coronel Alvaro Camilo não foi ao palácio.

Estiveram na reunião os coronéis Danilo Antão Fernandes (subcomandante-geral) e Marcos Roberto Chaves (comandante do Policiamento da Capital), além do coronel Pedro Borges. A reunião começou tensa, mas terminou sem nenhuma demissão. A história do mal-entendido com Laco prevaleceu.

Entre os coronéis da PM, no entanto, a atuação de Borges tem outra explicação. Muitos acham que sua ação se explica pela mudança obrigatória do Comando-Geral, que ocorrerá em maio. Borges teria antecipado a operação pensando na cadeira de comandante-geral. Só não esperava a reação dos demais envolvidos no caso.

Camilo ficou irritado – viu na atitude do subordinado uma ameaça a seu relacionamento com Kassab – 30 dos 31 subprefeitos de São Paulo são coronéis da PM. O prefeito preferia que a operação fosse deflagrada após 4 de fevereiro, quando planeja inaugurar o galpão que receberia as pessoas que seriam retiradas da cracolândia.

Ao ver a ação da PM, ele considerou que foi como se ela tivesse “resolvido o problema”. À Prefeitura, coube então o papel de inoperante. Ontem, novas explicações foram dadas a Kassab para tentar apaziguá-lo. E a ação nas ruas continua em meio a cotoveladas entre os chefes.

Questionado pelo Estado, o governo do Estado negou precipitação. Segundo assessores do governador, Alckmin havia dado chancela para que PM e Coordenadoria de Políticas sobre Drogas escolhessem o momento adequado de pôr a tropa na rua. Mas não negou que ele desconhecia a data de início. Segundo a assessoria, não há mal-estar no governo e na relação com Kassab.

O coronel Borges afirma que tomou a decisão porque no começo de janeiro, quando parte dos paulistanos viaja, caem as taxas de crimes e diminui o trânsito, o que libera o efetivo de policiais para operações de grande vulto. Borges afirma que tomou a decisão “em acordo com as demais pastas da Prefeitura e do Estado”. “Mas não sei se a Prefeitura ou o governador foram consultados”, disse.

Discurso. O comandante da PM, Álvaro Camilo, que oficialmente estava de férias e só voltaria na próxima semana, confirmou que não sabia da data da ação. E disse que o chefe do centro tinha autonomia para decidir. No governo, há a tentativa de afinar o discurso de que, independentemente do que ocorreu, o que importa é que daqui para frente todos trabalharão juntos. / COLABOROU BRUNO PAES MANSO

Leia também:





112 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

marcosomag

14 de janeiro de 2012 às 23h38

Depois que deu m…., eles vêm com esta! A "reportagem" do Estadão quatrocentão é a versão impressa da "Operação Bolinha de Papel", da dupla Kamel-Molina. E tem gente que ainda paga para ser tratado como idiota por esse pessoal.

Responder

fernando

09 de janeiro de 2012 às 18h33

30 dos 31 subprefeitos são milicos?!!! Socorrro, isso é um escândalo, chama a polícia!!!!

Chama o Amaury Júnior!!!!!!!!!!!

Responder

O projeto de Kassab para o centro de SP | Viomundo - O que você não vê na mídia

09 de janeiro de 2012 às 16h05

[…] Cracolândia: A culpa é dos subordinados Depois do fiasco… […]

Responder

Mineirim

08 de janeiro de 2012 às 17h25

Carai, 30 dos 31 subprefeitos são coroneis??????!!!!!!!!
Regime militar na prefeitura de SP… é… essas viúvas da ditadura ainda estão aí… todo cuidado é pouco.

Responder

    @lsatan

    09 de janeiro de 2012 às 02h02

    Muita tristeza ter esse Kassab na prefeitura! :'-(

ricbq

08 de janeiro de 2012 às 15h05

O mais absurdo de tudo isto é saber pela reportagem que…..30 dos 31 subprefeitos de São Paulo são coronéis da PM. Ditadura ainda persiste com seus métodos sendo aplicado em São Paulo. Nada mudou, os personagens são os mesmos. A sociedade civil não comanda nada. Vivemos num estado comandado pelos mesmos pensamentos que atuavam durante a ditadura.

Responder

Luci

08 de janeiro de 2012 às 14h54

Se temos mais de 30 coronéis à frente das subprefeituras e vivemos num regime democrático a Procuradoria da República poderia solicitar ao senhor Prefeito que explicite o critério de nomeação.
O que não é correto é não respeitar a soberania popular, o povo deve votar e escolher os subprefeitos.

Responder

Luci

08 de janeiro de 2012 às 14h14

Se o Governador e o Prefeito sabiam ou não da Operação deflagrada pela Polícia Militar na Cracolândia, a responsabilidade política e jurídica é deles, que foram eleitos pelos cidadãos para governar e, no ato de suas posse fizeram juramento de atuarem em cumprimento às leis do país e para o bem estar da população do Estado e do Município.
A declaração de que não sabiam da Operação por ser pública deveria motivar a Assembléia Legislativa, a Defensoria Pública e o Ministério Público para uma ação de esclarecimentos sobre o planejamento, implementação, recursos aplicados na Operação e o resultado para a sociedade.

Responder

    Antonio

    08 de janeiro de 2012 às 16h49

    Luci você deve estar brincando, não está?
    Talvez desconheça os métodos de atuação, não só do Alckmin mas de seus antecessores e do Kassab em relação as casas legislativas deste estado.
    O netinho abobalhado de um ex-governador tido como Honesto, falou o que não devia (deve ter chegado de uma balada) e contou como os nobres deputados de São Paulo são abastecidos de numerário para ficarem quietos. Isto sem contar os membros da Comissão de Transportes que são protegidos pela CCR e outros bandos que dominaram nossas rodovias e nos obrigam ao pagamento de pedágios maiores do que aqueles cobrados na Europa.

Regina Braga

08 de janeiro de 2012 às 12h36

E alguém duvidava da militarização do Estado? Mas o pior é AOB…Presidente da Comissão de SP – Arles Gonçalves Júnior,elogiando a atuação da PM…Parabéns pelo trabalho que foi BRILHANTE. Durmam com barulho desses!

Responder

    Antonio

    08 de janeiro de 2012 às 20h09

    Da entidade chefiada pelo D'urso não se espera outra coisa.

EUNAOSABIA

08 de janeiro de 2012 às 10h24

Eu ainda não quis comentar, mas vou dizer agora…

Ontem mesmo circulou uma informação de que o governo Dilma iria fazer uma operação na cracolândia a fim de causar um constrangimento político a Geraldo Alckmin (ainda o chamam de "grande parceiro"), mas a verdade é essa, a operação do governo de São Paulo estava prevista para fevereiro, onde estaria tudo pronto, inclusive locais para onde levar os viciados para tratamento, ocorre que havia uma operação do governo central planejada com o fim de constranger Geraldo e ser usada claro nas campanhas eleitorais, todo mundo sabe, o PT é ruim de serviço, mas isso eles sabem fazer muito bem, são especialistas.

O governo do estado então resolver desencadear a operação antes, mesmo sem estar 100% pronto, o plano do PT em causar um mal estar a Geraldo foi abortado, vocês perderam.

PS1 do ENS: Aquela estrada que está sendo construída na Bolívia, financiada com dinheiro do BNDES, nosso suor em impostos, serve para transportar o quê mesmo?

Responder

    Antonio

    08 de janeiro de 2012 às 13h51

    Eu não sabia, será que vc sabe o seu número de inscrição no partido das penas e plumas?

    Abel

    08 de janeiro de 2012 às 14h37

    Alckmin e Kassab estão copiando Paes e Cabral no Rio de Janeiro. E copiando mal, diga-se de passagem ;) O resto, como eu costumo dizer, é choro de perdedor…

    Jairo Fernando

    08 de janeiro de 2012 às 18h00

    Este tipo de postagem, sem link para a informação, não deveria ser publicada.
    "Eu ainda não quis comentar, mas vou dizer agora… Ontem mesmo circulou uma informação de que o governo Dilma iria fazer uma operação na cracolândia ……."

    Eu poderia postar coisas do tipo: "Hoje mesmo circulou uma informação de que José Serra ainda tem o comando sobre a PM paulista e foi o responsável por desencadear a operação na cracolândia antes de fevereiro, visando prejudicar seus desafetos atuais, Geraldo e Kassab."

    Paulo

    08 de janeiro de 2012 às 19h35

    Assim esse troll vai conseguir o tão sonhado aumento do soldo junto ao pessoal do PSDB, tem trabalhado muito (virtualmente), o moleque

    @lsatan

    09 de janeiro de 2012 às 02h01

    Meeeeu deus!

    A estrada é pra dar uma saída ao mara para a Bolívia, saída essa que foi roubada pelos yankees do Sul.

tiago tobias

08 de janeiro de 2012 às 04h17

O Kassab fundou o PSD. O PSD flerta com o governo federal e não vai ser oposição, pelo contrário, vota com o governo. Ter esse lixo de partido como aliado, ter Kassab e Kátia Abreu como coleguinhas é um perigo. Já não basta o Sarney, já não basta o Renan…Maldita "governabilidade"…

Enfim, não tenho pena dos paulistas e paulistanos. São masoquistas. Quanto mais apanham, mais gostam. Dá-lhe pedágio, dá-lhe repressão, dá lhe higienização, dá-lhe OPUS DEI. Amém!

Responder

    @maurobebop

    08 de janeiro de 2012 às 21h41

    voce disse tudo!!paulista so pode ser masoquista!!

SILOÉ-RJ

08 de janeiro de 2012 às 00h16

Não sei não!!! Mas parece que São Paulo está querendo seguir à risca uma velha receita de dácadas atrás do Rio de Janeiro.
No governo de Carlos Lacerda, próximo a comemoração do 4º centenário, a secretária Sandra Cavalcante, a hiena da época, madou queimar barracos dos favelados, e matar os mendigos da cidade jogando seus corpos no rio da Guarda.
Fatos estes, apesar da velha mídia que até hoje reina, amplamente divulgados.

Responder

Silvio I

08 de janeiro de 2012 às 00h11

Esta e uma grande patranha. São mentirosos e faltos de caráter. Deram a ordem, e depois não tem a responsabilidade de arcar com as conseqüências. Colocam as coisas como si tivesse surgido de um segundo escalão. No ambiente militar ninguém faz o que quer, si fez foi porque recebeu ordem.Um Coronel por mais Coronel que seja, não executa algo, porque ele pensa que deve ser como ele quer.Si ele tivesse executado porque ele quis assim, a esta hora estaria preso, e provavelmente separado do cargo. Isso está ocorrendo? NÃO! Pois e mentira.

Responder

Lenin

07 de janeiro de 2012 às 23h44

É de imaginar q a operação "cracolândia" tinha certa importância,certo?Como é q prefeito e governador n sabiam "exatamente a data"?.

Responder

Marcelo Figueiredo

07 de janeiro de 2012 às 22h19

Eu costumo estranhar as excessōes. Por que um sub-prefeito civil?

Responder

Renato

07 de janeiro de 2012 às 21h43

Conforme matéria na Folha de hoje (sábado), um dos motivos desta pressa em agir rapidamente devia-se ao receio que o governo federal, de alguma maneira, interviesse na questão antes da prefeitura e do governo do estado. Pessoalmente, não concordo com a reportagem porem mesmo que seja real e que fosse levado a cabo qualquer ação pelo governo federal, o resultado não teria sido diferente pois PLANEJAMENTO é uma palavra que foi abolida do nosso dicionario a alguns anos …

Responder

jandui

07 de janeiro de 2012 às 21h42

Descordo. Depois de uma atrapalhada imensa destas, nenhuma ação mais contundente do governador e do prefeito?
Sinal de extrema incompetência e desdém por um problema tão grave.

Responder

marilamar

07 de janeiro de 2012 às 21h22

O alckmin/kassab sao lixos da pior especie, nao vale o que caga????

Responder

eunaosabia

07 de janeiro de 2012 às 21h13

algum dia alguem já ouviu que um general cometeu um erro se quer.
acima de DEUS, não sei mas abaixo de DEUS eles teem certeza que não estão.

Responder

maria_do_carmo

07 de janeiro de 2012 às 20h52

A mais de vinte anos as criancas andavam nas ruas cheirando cola, ninguem socorreu, o governo psdb fez
vistas grossas, quando a prefeita Marta fez os ceus psdb criticou, mal terminaram os iniciados, a as creches
diminuiram. As criancas que cheiravam cola cresceram e hoje estao na cracolandia. Nunca vi uma assistente
social socorrendo as criancas, dinheiro para fiscais, para altuar empresas com fumantes(cabides de empregos
para futuros cabos eleitorais) preocupados com adultos quando os necessitados sao as criancas.
Sao Paulo a nossa Sao Paulo, governada por tiranos, que nao respeitam nem criancas e dependentes quimicos, governantes inescrupolosos que nao assumem as atitudes Kassab e Alkmim nao tem pudor.

Responder

    Antonio

    07 de janeiro de 2012 às 22h42

    Parabéns por sua colocação Maria do Carmo.
    Há quase vinte anos somos governados por um verdadeiro bando de rapineiros que se denominam tucanos.
    Todos de nariz empinado que em vinte anos nada fizeram.
    Aliás há uma pessoa que considero criminosa, mais do que todos, chamava-se Mário "H" Covas que implementou a Progressão Continuada por ser incompetente para administrar e para servir seu partido.
    Alguém já conversou ou precisou tratar com jovens que passaram pela progressão continuada?
    Por isso lhe digo, criminoso como criminosos foram e estão sendo os governos tucanos pela deseducação adotada como política de governo.
    O que estes safados fizeram durante vinte anos?
    Nada!

    Renato

    07 de janeiro de 2012 às 23h18

    Antonio, em SP, esta tal de progressão continuada começou com a Erundina (que aliás votei nela e não me arrependo)

    Antonio

    08 de janeiro de 2012 às 03h51

    Renato, os moldes da progressão continuada da prefeita Erundina nada tinham a ver com o que o Covas e aquela secretária de educação que nunca havia dado aula, fizeram.
    Ele não queria construir escolas, para tanto empurrava os alunos para o ano seguinte.
    Como estatística era perfeito.
    Enganava os jovens com diplomas que na verdade os qualificam como analfabetos funcionais.
    Um criminoso, como criminosos tem sido os governos tucanos. Sem excessão!

Ana Cruzzeli

07 de janeiro de 2012 às 20h48

Minha mãe sempre dizia que a gente aprende muito no AMOR ou na DOR.
O nunKASSAB e opusdeikimim deveriam tentar primeiro o AMOR e depois, muito depois a DOR.
Como diria o FHC, o PSDB tem que praticar o CARINHO… pelo menos de vez em quando. Onde está a politica CARE do Fernandito.

Enfim, esse povo da Sorbonne é bom de papo, na hora da prática faz tudo errado.

Responder

João-PR

07 de janeiro de 2012 às 20h44

Das duas uma:
a) Ou Alckmin e Kassab são muito incompetentes e mal assesorados, pois só souberam da "operação" depois da mesma acontecer;
b) Ou então os dois são muito mentirosos, e estão querendo tirar o corpo fora dessa enrascada.

Nas duas opções demonstra-se quem governa o Estado e a cidade de São Paulo.
E tem paulista e paulistano que ainda votam nestas "coisas" que perambulam pelo mundo da política.

Responder

    Antonio

    07 de janeiro de 2012 às 22h48

    Kassab ficou quieto pois foi eleito como dinheiro do SECOVI para desapropriar toda aquela área e entrega-la à iniciativa privada para que construam e vendam pelo preço que quiserem. Claro a desapropriação seria feita pelo valor venal. Como é um pau mandado, medíocre, ficou quieto porque a ação ia de encontro ao seu interesse e a possibilidade de saldar a dívida que tem com os incorporadores.
    Já o Alckmin, precisa mostrar serviço pois não passa de um inútil apoiado pela Opus Dei e com medo de algum programa do governo federal detonou a operação para evitar ser atropelado.
    Agora diz que não sabia e que a operação foi ordenada por gente do segundo escalão. Acharam um culpado!
    Alguns dias depois percebeu que estavam fazendo bobagem e colocando a polícia agindo da mesma forma que agiam as SS ou percebeu que "ficou mal na fita"?
    Hipocrisia, caracteristica dos católicos fundamentalistas.

    maria do carmo

    08 de janeiro de 2012 às 07h51

    Antonio, Kassab desapropriou essa area nao apenas para saldar divida com os incorporadores, existem
    mais interesses (kassab vem da escola do Serra) nao esqueca das duvidas com assinaturas falsas na
    fundacao do partido (certeza) ja comecou mostrando a que veio e a controlar estou contando com o
    ministerio publico com a ilustre e corajosa promotoria fora o que nao foi ventilado. O Alkimim aquele que diz que gosta de ser medico, mas quer e o poder ,discipulo do Serra, voce esta certo apoiado pela Opus Dei, que Deus nao tem nada (banco do vaticano) a invasao da usp e agressao aos dependentes quimicos.Kassab e Alkmim sao perigosos almejam o poder a qualquer custo dois arrivistas.
    .

    Antonio

    08 de janeiro de 2012 às 12h49

    Tem razão Maria do Carmo, o grande interessado na área chama-se Andrea Matarazzo. Ele é o grande interessado e usando o Kassab que, claro também, levaria o dele, teria a posse da área. Todos sabemos que o Kassab não passava de um moleque de recados do Maluf até que Pitta o chamasse para ser seu secretário de planejamento. Ao Kassab falta integridade e caráter pois quando o Pitta faleceu nem ao velório compareceu nem decretou luto no município. Qual a qualificação de um sujeito como este. A única coisa ainda mal contada é o novo partido, como é ligadíssimo a um membro do DEM, é estranho este novo partido.
    Quanto a Opus Dei, a prelazia que sucede a Santa. Inquisição por obra e graça do João Paulo II e dos espanhóis que sonham recuperar o domínio que já tiveram.
    Fala-se muito com razão do "Padim Cerra", este era egocêntrico e acabou se dando mal. Alckmin é muitíssimo mais perigoso pois é dissimulado e conta com apoios de católicos e políticos muito importântes, inclusive de uma família mineira metida até o pescoço na armação e execução do golpe militar de 64.

    Renato

    07 de janeiro de 2012 às 23h22

    João, na minha opinião não se trata de "duas, uma". Estes dois são incompetentes E mentirosos.

maria do carmo

07 de janeiro de 2012 às 20h19

Cracolandia: A cupa e dos subordinados Alkmim, Kassab e comando da Pm nao sabiam de inicio de acao da
cracolandia (com todo aquele aparato) e inacreditavel, uma acao dessa magnitude estamos num governo democratico ou militar que o segundo escalao faz o que quer e grave gravissimo.Que jogo de empurra.!

Responder

EUNAOSABIA

07 de janeiro de 2012 às 19h31

O Brasil produz a matéria prima do craque? não.

Por onde entra a cocaína que serve de matéria prima para o craque? fronteiras.

Quem é responsável por vigiar nossas fronteiras? governo federal.

Quem está no poder federal há nove anos??? aaaaaaa… deixa disso… é tudo culpa de FHC vai….

Cadê o Plano Nacional Anti Craque da Dilma? ninguém sabe, nem vocês claro, ….(devem estar lendo o livro do amauri, que supostamente prova a existência de um OVNI e seu ET numa base secreta no Maranhão, eu acho).

O combate as drogas nunca terá sucesso se continuar a entrar drogas pelas fronteiras.

O combate a violência nunca terá sucesso se continuar entrado arma de guerra pelas fronteiras..

Nunca assumem suas responsabilidades e quando alguém quer fazer alguma coisa vocês ainda lincham….

Nove anos no poder, oito de palanque inútil e um ano tapando buraco do anterior…

Vocês pensam que enganam a quem?

Responder

    Antonio

    07 de janeiro de 2012 às 20h38

    Você não sabia da declaração do Abadia?
    Não!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    -Querem acabar com o tráfico, acabem com o DENARC!

    Gerson Carneiro

    08 de janeiro de 2012 às 00h06

    Temos que falar pra ele aonde fica o DENARC.

    Outro Antonio

    08 de janeiro de 2012 às 00h58

    Ô Antonio, dá um tempo pro cara. Ele ainda tá tonto com a corrupção tucana. ELENÃOSABIA. E por isso se esqueceu do Denarc. E se esqueceu também que o tráfico corre solto em SP. Aqui os grandes nunca são pegos.

    Gerson Carneiro

    08 de janeiro de 2012 às 21h25

    Antonio,

    Acabo de ver o documentário "Os pecados do meu pai". História do Pablo Escobar contada por seu filho que hoje vive na Argentina. Praticamente 20 anos após a morte de Pablo Escobar nada foi alterado em relação ao narcotráfico na Colômbia.

    O Serra espalha essa ideia rasa de que construindo uma muralha da China em toda extensão de fronteira do Brasil com países vizinhos, vai acabar com o narcotráfico. E os incautos saem a repetir.

    Quando quem disse a verdade foi o Juan Carlos Abadia.

    jandui

    07 de janeiro de 2012 às 21h40

    Depois que o Brasil passou a Inglaterra no Pib, essa turma facista do PSDB só pensa com o fígado. Tá hilário!!

    EUNAOSABIA

    08 de janeiro de 2012 às 06h34

    Vá estudar econonomia velho, além da Inglaterra ter caído, o que pirncipal fator que faz o Brasil está nessa posição é o baixíssimo preço do dólar.

    Se o dólar hoje fosse de R$ 2,90 por exemplo, o Brasil estaria em 12 posição, atrás do México, va estudar um pouco de economia.

    De forma paradoxal, a maior taxa de juros do mundo é que ajudou muito o Brasil estar nessa posição, e não em valor do PIB propriamente dito, convehnamos, crescer 2,8% é medícore demais.

    Vocês não enganam é ninguém.

    PS1 do ENS: Tu acha que o valor do dólar vai ficar nesse 1,70 pra sempre?

    Abel

    08 de janeiro de 2012 às 14h39

    É… no tempo do FFHH a paridade com o dólar acabou assim que ele foi reeleito. Claro, ninguém aqui está dizendo que isso foi uma manobra eleitoreira ;)

    ANN

    08 de janeiro de 2012 às 15h17

    Admiro sua força de vontade em debater com a PeTezada.

    @lsatan

    09 de janeiro de 2012 às 01h56

    "Vá estudar economia"

    Se 2,8% em apenas um ano é medíocre, o que dizer do 1,9% por ano da era FHC?

    Antonio

    08 de janeiro de 2012 às 13h50

    Desculpe Jandui, pensam com o intestino, o cólon.

    O problema é que o resultado fica para nós!

    Lenin

    07 de janeiro de 2012 às 23h39

    Eunaosabia,fofinho caricato.

    Paulo

    08 de janeiro de 2012 às 00h50

    Pobre cidadão da Tucanolândia. Esta desorientado…

    José BSB

    08 de janeiro de 2012 às 01h12

    Uma região da cidade é interditada por usuários miseráveis e pequenos traficantes com o beneplácito
    do partido que comanda o estado a quase 2 décadas e a culpa é exclusiva da governo federal?
    Falsificar estatísticas anunciando redução de homicídios é facil. Reconhecer direitos humanos elementares é tarefa árdua. Forçar o dependente a procurar tratamento pela abstinência!
    Quem é o autor desta estupidez? O coroinha da opus dei? Ah ele nãosabia…
    Aquela cratera do metro foi aberta por um tatu primo do godzila? E as enchentes? São Pedro é petista ou comunista?
    Faça logo como o Cerra e diga que a culpa é do Evo Morales. Simples, não?
    E pensar que o ex governador elogiou o Uribe…
    Como se vê, Bush Jr perdeu dois moleques de recado numa tacada só.

    baader

    08 de janeiro de 2012 às 11h59

    não sabia e não sabe que o plano nacional não tem nada que ver com repressão."fazer alguma coisa" para v.é boa se for limpeza social. nos poupe, "sem-saber".

    Tenório

    08 de janeiro de 2012 às 21h17

    Oráculo, me diga porque o país mais poderoso e maior consumidor de drogas do mundo não consegue impedir o tráfico?

    Junior

    08 de janeiro de 2012 às 21h22

    Talvez o livro do Amauri nao prove nada(má vontade da Justica), mas que houve, sim houve.

maria do carmo

07 de janeiro de 2012 às 19h30

Sao Paulo esta sendo militarizada pelo prefeito Kassab (ele nunca me enganou). Os sub-prefeitos nomeados sao policiais militares ao ser questionado o Kassab declarou (atencao) que os militares sao mais organizados…
Governo democratico aonde… psdb e psd governo militar disfarcado vergonha para Sao Paulo. As atitudes de kassab sao fascitas. Ministerio publico senhor promotor parabens, mas nao esquecam ele tem a escola do
Serra, abafa tudo cpi, imprensa, e um governante sem escrupulos veja o detram controlar,a fundacao do partido, e agora essa atitude arbitraria nazista nos dependentes de drogas, e necessario frear essa ambicao desmedida de poder e governar so para as elites.

Responder

Alírio Costa

07 de janeiro de 2012 às 19h28

Patético o remendo do diário oficial do estado de s. paulo.

Responder

Antonio

07 de janeiro de 2012 às 19h08

A notícia de hoje antes de imputar o desastre é uma demonstração clara da hipocrisia e da falsidade do nosso governador. Do prefeito nem tenho o que dizer pois não passa de um "pau mandado". Fez este papel nos governos que serviu como moleque de recados e agora posa de alcaide paulistano.
A invasão da cracolândia serve aos seus interesses pois sua campanha foi abastecida com dinheiro do SECOVI que chegou indiretamente ao seu caixa e por "mistérios insondáveis" a justiça deixou de puni-lo.
Atualmente o prefeito está com seus bens indisponíveis devido à negociata entre a prefeitura e a Controlar/CCR.
O governador Alckmin, como sabem é membro da Opus Dei. Só isto basta para avaliar quanto pode ser hipócrita e dissimulado. Se ao menos praticasse o que prega o evangelho!
Fizeram bobagem que pode ser comparada as atitudes dos soldados da SS nos países ocupados. A PM de São Paulo desde que o estado se tornou um feudo tucano tornou-se violenta e cada dia aprimora seus requintes de violência.
Como precisa parecer limpo apesar da hipocrisia e do tom professoral de suas falas, agora o governador imputa a um subalterno a culpa pelo que está ocorrendo no centro de São Paulo.
Vários dias depois!
Ou percebeu que o marketing não funcionou e "ficou mal na fita"?
Todos sabem e ainda se lembram do massacre da Castelinho, ainda muito mal explicado.
Em mandatos anteriores o Alckmin "acabou" com o Carandirú e espalhou presídios pelo estado todo. Pequenas cidades que deixava à míngua por não repassar verbas forçando os prefeitos e a população aceitarem um presídio em troca de alguns trocados a mais nas verbas que as cidades teriam direito.
Na internet pode ser encontrado o vídeo do Alckmin sendo entrevistado por uma TV australiana sobre os ataques do PCC.
Vemos e ouvimos sua recusa em responder, ataca a jornalista que o entrevista e diz que o problema era do seu sucessor.
Os ataques do PCC ocorreram menos de trinta dias da sua renúncia ao cargo para ser candidato a presidente e claramente refuta responder dizendo que era problema do seu sucessor, apesar da jornalista afirmar, com razão, que toda a estrutura de segurança fora herdada do seu governo.
Como podemos chamar uma atitude como esta.
Para quem quiser ver mando o link.
http://www.youtube.com/watch?v=vsRynm18_Eg

Este é o nosso governador!
Podemos acreditar em qualquer coisa dita por ele?

Responder

PAULO ROBERTO

07 de janeiro de 2012 às 19h03

Na Chuíça (*), então, é assim.
O segundo escalão da PM realiza uma operação neo-nazista e o governador não sabe de nada.
Nem o prefeito.
É “Estado Mínimo”- diria o Fernando Henrique, que mora, na Cidade de São Paulo, na rua mais nobre de Higienópolis.
Quando ele souber que a rua dele na Cidade de São Paulo vai se tornar uma Daslu da Cracolândia …
PHA: http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2012/01/0

Responder

Fátima

07 de janeiro de 2012 às 18h48

A coisa tá feia, se o general NunKassab … o ChuchuDaslu não sabia, só pode ser uma revolta dos 30 subprefeitos.

Responder

marcia fernandes

07 de janeiro de 2012 às 18h12

A partir do momento em que vc entrega 30 das 31 subprefeituras aos PMs, quem é que manda na cidade? A USP já teve mais um local invadido pela PM, em pleno período de férias. Será que irão incendiá-la tbm? O lugar é excelente para empreendimentos imobiliários. São Paulo tá do jeito que a elite gosta: Militarizada e com um fantoche executando as tarefas.

Responder

Adir Tavares

07 de janeiro de 2012 às 18h11

Muita cara de pau do Estadão, do Alckimin e do Kabaço!

Responder

Fernando Garcia

07 de janeiro de 2012 às 17h52

Duas coisas me chamam a atenção nesta reportagem:
1 – O fato que 30 dos 31 subprefeitos de São Paulo são coronéis da Polícia Militar. Sinistro… como já foi falado abaixo.
2 – Esta peça "jornalistica" parece texto de relações públicas. Talvez este serviço tenha sido privatizado e é agora desempenhado pelo Estadão e outros do mesmo gênero. É um texto que se encarrega. basicamente, de informar um fato e de narrar a pronta e rápida resposta das autoridades. Pelo texto sabemos que um coronel da PM teve se explicar, que um comandante interrompeu as férias e, claro, que Kassab e Alckmin estão pensando "no lado social" da política de combate às drogas, dentre outros… um "autêntico" relações públicas não faria melhor.

Responder

herivelto canales

07 de janeiro de 2012 às 17h51

O Alckimin eu até entendo, mas o Kassab?!
O cara tem que decidir: ou Kassab ou não Kassab.
Agora podem rir.

Responder

O_Brasileiro

07 de janeiro de 2012 às 17h50

"Dor e sofrimento"… [youtube GHz-8rSDvuA&feature=player_embedded http://www.youtube.com/watch?v=GHz-8rSDvuA&feature=player_embedded youtube] (tem data de 2011)

Responder

Luiz Hespanha

07 de janeiro de 2012 às 17h38

..E eu que acreditei que era apenas e tão somente o Lula que não sabia de nada? O Estadão descobriu que Geraldo e Gilberto também não sabem. Estão avançando. Só falta descobrir que o Serra também sabe alguma coisa….

Responder

Andre Luis

07 de janeiro de 2012 às 17h01

A incompetencia de Kassab busca refúgio no seu ego golpista. Qual a formação técnica de um coronel militar para administrar uma subprefeitura ? A mesma que tinham os generais para administrar o Brasil … Já passou da hora de registrar oficialmente a coleção de fracassos da pior administração que esta cidade já viu … Em oito anos de governo demotucano, a cidade de São Paulo foi dominada pelo efeito carangueijo … Só andou para trás …

Responder

Luiz105

07 de janeiro de 2012 às 15h53

Meu Deus!. Quer dizer que em São Paulo não há governador, prefeito e comandante geral da PM, visto que, os subordinados tomam as decisões!!!!.

Responder

    alex

    07 de janeiro de 2012 às 18h20

    Nem secretário de segurança pública. Gente passa óleo de peroba na cara deles e na cara do estadão.

will

07 de janeiro de 2012 às 15h41

Muita política na cracolândia. Não vai funcionar. Bom para jornalões, e tema de campanha. e enquanto isso parte da juventude sendo carburada pelos cachimbos do crack

Responder

FrancoAtirador

07 de janeiro de 2012 às 15h00

.
.
DITADURA MILITAR NA MEGALÓPOLE PAULISTANA
.
.
30 de dezembro de 2011

Só o bairro M'Boi Mirim não tem coronel na chefia das subprefeituras de São Paulo

Kassab muda 3 subprefeitos, incluindo o da Lapa; PMs estão em 30 das 31 subprefeituras

Por Bruno Lupion, no Estado de S.Paulo

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), trocou ontem o comando de três das 31 subprefeituras da cidade e aumentou a presença de coronéis da Polícia Militar em postos chaves da administração municipal.

A Subprefeitura da Lapa, na zona oeste, uma das últimas da cidade que ainda eram comandadas por um civil – o economista Carlos Fernandes (PPS) -, agora será chefiada pelo coronel da PM Ademir Aparecido Ramos.

Com a mudança, apenas a Subprefeitura do M'Boi Mirim, na zona sul, continua liderada por um subprefeito civil. Todas as outras 30 subprefeituras paulistanas estão sob comando de oficiais da reserva da PM.

Há expectativa de que Carlos Fernandes se candidate a vereador nas eleições de 2012, mas a exoneração ontem pegou de surpresa até funcionários de seu gabinete, que esperavam mudanças apenas no ano que vem.

"Até hoje (ontem), meu projeto era ser subprefeito da Lapa. A partir de janeiro, vou avaliar novas possibilidades. É outra etapa da vida", afirmou Fernandes.

Maria Antonieta Lima e Silva, presidente da Associação de Moradores da Pompeia, ironizou a nomeação de mais um militar por Kassab: "Agora vamos ter de bater continência". Ela espera que o novo subprefeito da Lapa "dê continuidade às promessas para a região", para que os planos não fiquem pela metade.

Para assumir a Subprefeitura da Lapa, o coronel Ramos deixou o comando da Subprefeitura de Ermelino Matarazzo, na zona leste, que chefiava havia cinco meses e onde será substituído pelo também coronel Antonio Sergio Palazzi, ex-assessor do Serviço Funerário Municipal.

Mudança. Kassab também promoveu mudanças na Subprefeitura de Perus, na zona norte da cidade. Lá, saiu o coronel Almir Gonçalves Albuquerque, que ficou cinco meses no cargo de subprefeito, e entrou o coronel Eliseu Leite Moraes, ex-chefe do setor de Comunicações da Polícia Militar.
.
.

Responder

    Xad Camomila

    07 de janeiro de 2012 às 19h06

    SÃO PAULO: A NOVA CORONELÂNDIA

    Mudança

    08 de janeiro de 2012 às 14h44

    É constrangedor para os eleitores que votam confiando em mudanças que beneficiem a sociedade civil e constatamos que as Subprefeituras estão militarizadas.
    Precisamos de um candidato que tenha amor pela cidade e que promova uma vida melhor a todos nós, viver em São Paulo está cada vez mais difícil e notamos que há método arcaico de governar com métodos ditatoriais excludentes que nada tem a ver com democracia.

    @lsatan

    09 de janeiro de 2012 às 02h19

    Quem votou no Kassab e confiava em mudanças para beneficiar a sociedade civil é no mínimo um ingênuo!

    A Marta que ama a cidade não conseguiu voltar, mesmo tendo melhorado muito o trânsito da cidade.

Taques

07 de janeiro de 2012 às 14h51

"Cracolândia: A culpa é dos subordinados

Depois do fiasco…"

Cumé ???

"Culpa" ???

"Fiasco" ???

Perguntem aos moradores e comerciantes da região sobre o "fiasco".

Aproveitem e perguntem também aos traficantes presos o que eles têm a dizer sobre o "fiasco".

Responder

    Jorge Nunes

    07 de janeiro de 2012 às 15h19

    A questão é que o problema é empurrado com a barriga.
    O problema da crocolandia não está resolvido e vai retorna após as eleições.

    Para onde foram os viciados que estavam alí? Eles desaparecem no ar? Eles viraram purpurina?

    Os viciados não sumiram, assim como os traficantes. Eles só foram espalhados pelas ruas da capital paulistas. Mas isso é problema dos paulistas eu moro no Rio.

    A questão é ao que parece ninguém no governo de São Paulo ou na elite paulista pensa no futuro. Eles não visualizam a consequências de suas ações.

    ANN

    08 de janeiro de 2012 às 15h20

    O Rio é uma cidade tão ordeira, uma exemplo para São Paulo.
    HA HA HA HA HA

    Jorge Nunes

    08 de janeiro de 2012 às 17h15

    Não vai por este caminho que você não vai ganhar.

    @lsatan

    09 de janeiro de 2012 às 01h59

    Cada eleitor que votou no Kassab deveria ir às ruas e tentar convencer um viciado a aceitar tratamento.

    Eu votei na Marta e não compactuo com essa lambança que o Kassab fez.

    Alex

    07 de janeiro de 2012 às 18h28

    O problema desses moradores e comerciantes da região já era para ter sido resolvido há uma década atrás ou mais, pelos sucessivos governos estaduais e municipais! Políticas públicas em São Paulo e SP são risíveis há muito tempo! Usuário de droga não é sinônimo de bandido.

    Junior

    08 de janeiro de 2012 às 21h20

    Os viciados e traficantes foram desempenhar seus "papéis" noutras áreas. O Taques acha que a operacao foi um sucesso. hehehehe

Yarus

07 de janeiro de 2012 às 14h42

Alckmin, Kassab, disseram: Eunaosabia!

Responder

manoel

07 de janeiro de 2012 às 14h40

Alkmin e Kassab são incompetentes de qualquer forma.
Se não sabiam, foram extremamente incompetentes ao escolherem seus homens de confiança.
Se sabiam, foram mais que incompetentes, foram mandatários ou cúmplices e merecem simplesmente a prisão com os executores da ação.

Responder

Cleverton_Silva

07 de janeiro de 2012 às 14h28

Alckmin dirá que foi um golpe militar do baixo escalão. Que é vítima de insubordinados. Que Haddad e Lula infiltraram soldados petistas na ação e o pig publicará em polvorosa. Nunkassab dirá que nada sabe e o pig balançará a cabeça e silenciará para não prejudicar o poste do Nunkassab. A camarilha vai se dar mal!

Responder

sergio m pinto

07 de janeiro de 2012 às 14h25

Estória muito mal contada. Dá a impressão, por outro lado, que o poder público em São Paulo – Capital é uma esbórnia.
Que catzo é isso do segundo escalão decidir iniciar uma operação de vulto e o primeiro escalão não saber de nada?

Responder

Xad Camomila

07 de janeiro de 2012 às 13h58

Infame. Não tem outra palavra para essa matéria do Estadão, para a "operação sufoco" na Cracolândia, enfim, para a covardia da dupla Kassab/Alckmin que, diante do filho feio, muito feio, espalhado pelo centro de São Paulo, nega a paternidade da criança: TASQUIPARIU!!

E viva os meganhas! Porque quem manda em São Paulo são eles: os homi, os poliça, os cana!!! TRINTA subprefeituras!!! Como disse o Maldoror, isso é muito SINISTRO.

Responder

Yarus

07 de janeiro de 2012 às 13h57

Votou no PSDB em SP? Ah! que dó! Ah! que pena! Agora vai ficar com dor e sofrimento por mais 3 anos.

"Votou no PSDB? Ah! que dó! Pedágios em SP ficam mais caros após nova política de reajustes
Sexta-feira 6, janeiro 2012

Uma nova política para unificar o reajuste dos pedágios vai tornar o valor das tarifas ainda mais alto neste ano. O governo do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) mandou publicar ontem alterações nos contratos de concessão das rodovias que mudaram o índice de inflação usado para calcular os aumentos. Só que o novo indicador, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), está mais alto do que o antigo, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M). A troca de índices havia sido anunciada em junho do ano passado. Acontece que o IGP-M acumulado dos últimos 12 meses na época do anúncio era de 8,64%, enquanto o IPCA, que seria usado, era de 6,71%. De lá para cá, no entanto, o IPCA tem subido mais do que o outro indicador. Em dezembro, o acumulado anual do IPCA foi de 6,56% e o IGP-M, de 5,09%. Com o índice novo, caso mantida a diferença, o aumento das tarifas será maior do que com o índice antigo. A assinatura dos termos aditivos nos…" http://osamigosdobrasil.com.br/

Responder

    Antonio

    07 de janeiro de 2012 às 19h28

    E o bando alcovitado na CCR se recusou a comentar a mudança.
    Estão preocupados com o que vão ganhar ou no aumento da caixinha para os dignos deputados governistas da assembléia?

iza

07 de janeiro de 2012 às 13h46

Estão tentando limpar a m…..

rs,rs,rs,rs

Responder

O_Brasileiro

07 de janeiro de 2012 às 13h43

Queria assistir uma reunião do Alckmin com esses coronéis ou com os delegados, só pra saber quem manda em quem… Porque se o governador convoca uma reunião, como é que o comandante-geral da PM não vai??? A quem ele obedece??? Quem ele pensa que é? O Nelson Jobim?

Responder

Gerson Carneiro

07 de janeiro de 2012 às 13h35

Essa notícia é a cara do EUNAOSABIA ("cara", ops! EUNAOSABIA não tem cara).

PIG tenta livrar a barra dos tucanos.

"@Estadao Operação na cracolândia de SP não teve autorização de Alckmin, Kassab e do comando da PM".

Agora a culpa é dos subordinados.

EUNAOSABIA – dizem Alckmin, Kassab, e o comandante da PM.

Responder

FrancoAtirador

07 de janeiro de 2012 às 13h11

.
.
A GUETIZAÇÃO DAS CIDADES

Gueto (do italiano ghetto) é um bairro ou região de uma cidade onde vivem os membros de uma etnia ou qualquer outro grupo minoritário, frequentemente devido a injunções, pressões ou circunstâncias econômicas ou sociais.
Por extensão, designa todo estilo de vida ou tipo de existência resultante de tratamento discriminatório.

Na história recente, o Gueto de Varsóvia ficou famoso pela resistência que ofereceu à dominação nazista durante a Segunda Guerra Mundial, tendo sido praticamente destruído pelas tropas invasoras alemãs.
.
.
QUE É GUETO?
CONSTRUINDO UM CONCEITO SOCIOLÓGICO

Por Loïc Wacquant, Professor de Sociologia na Universidade da Califórnia (Berkeley) e Pesquisador do Centre de sociologie européenne do Collège de France

Resumo
Ao invés de produzirem um conceito analiticamente robusto de “gueto”, as Ciências Sociais utilizam o termo de maneira descritiva, não raro lhes conferindo significados do senso comum emprestados das sociedades em que o fenômeno é identificado.
A partir da produção historiográfica sobre a diáspora judaica na Europa renascentista, da Sociologia da experiência negra na metrópole fordista dos EUA e da Antropologia da marginalidade étnica na Ásia Oriental, este artigo constrói um conceito relacional de gueto como um instrumento bifacetado [Janus faced] de cercamento e controle etno-racial.
Por meio desse procedimento, o gueto revela-se como um dispositivo sócio-organizador composto de quatro elementos (estigma, limite, confinamento espacial e encapsulamento institucional) que emprega o espaço para reconciliar seus dois propósitos contraditórios: exploração econômica e ostracismo social. O gueto não é uma “área natural”, produto da “história da migração” (como Louis Wirth defendia), mas sim uma forma especial de violência coletiva concretizada no espaço urbano.
A articulação do conceito de gueto possibilita o desvelamento da relação entre “guetização”, pobreza urbana e segregação, assim como o esclarecimento das diferenças estruturais e funcionais entre guetos e aglomerações étnicas.
Esse proceder também possibilita que realcemos o papel do gueto como matriz e incubador simbólico da produção de uma identidade maculada, indicando que seu estudo seja feito por analogia a outras instituições voltadas para o confinamento forçado de grupos despossuídos e desonrados como o campo de refugiados, a reserva e a prisão.

http://www.scielo.br/pdf/rsocp/n23/24629.pdf

Responder

Hildermes Medeiros

07 de janeiro de 2012 às 13h09

Puxa vida! A competência dessa gente é tanta, é de tal ordem seu comprometimento com o estado de direito e de bem informar a população, que criaram as figuras desses insubordinados, porque ao que dizem de insubordinados se trata. Quando viram a furada em que se meteram, dão essa de joão sem braço e veem com essa história, sem pé nem cabeça, que até mesmo para seus apoiadores e seguidores, sobra apenas fingirem-se de mortos, e esperar que haja outros tantos para aceitar o feito e acreditar no tamanho despautério de sua explicação. Não é novidade nenhuma, claro. É algo parecido com tantas outras, como, por exemplo, a bolinha de papel que atingiu o personagem principal do livro "A privataria tucana", o candidato derrotado à presidência, José Serra, que mereceu até perícia de grande perito (safado, claro) e médico conceituado (também, safado). Agora, é só aguardar o desdobramento para ver o que farão com os insubordinados (a cúpula da polícia de São Paulo), uma operação dessa natureza não pode der iniciada sem ordens expressas do comando. A cretinice dessa gente, também, não tem limites. Assim como o perito e o médico desonestos, na realidade dois trouxas, que julgam que os fins justificam qualquer ação na política, será que encontrarão coronéis e oficiais para assumirem a patranha? Mesmo o Partido da Imprensa Golpista-PIG ajudando, que não restam dúvidas acontecerá, no mínimo muito pouco ou nada divulgando. A ver.

Responder

José BSB

07 de janeiro de 2012 às 13h05

É absurdo imaginar que uma operação desta magnitude possa ocorrer sem o conhecimento do governador, prefeito e comandante da PM. O mesmo governo que arrega para o PCC comete este desastre na cracolândia.

Responder

Gui Milani (SP)

07 de janeiro de 2012 às 12h53

"… 30 dos 31 subprefeitos de São Paulo são coronéis da PM". Pra quem sente falta dos militares SP é um prato cheio…

Responder

Beto Vasques

07 de janeiro de 2012 às 12h39

Favelas ardem em Sampa há alguns anos…misteriosos incêndios…na Comunidade do Moinho, agora em dezembro, uns dizem que morreram duas pessoas, outros que pode chegar a cinquenta mortos…vai saber o certo, mas quem se importa? Objetivo o mesmo: o interesse da especulação imobiliária travestido de política de embelezamento urbano, bem ao gosto e "praxis" da oligarquia paulistana. É assim, queimam uma favela aqui outra acolá, morre um aqui e 20 acolá…a borrachada corre solta nos zumbis da cracolandia e em que passar por perto, como as "60 mulheres e 20 grávidas" que frequentam o espaço…na internet anunciam que uns madeireiros ou agroyuppies metem fogo num indíozinho, e agora os milicos são acusados de torturar, ameaçar e matar quilombolas.

O video chama-se "Exército brasileiro mata quilobolas". O link é:
https://www.facebook.com/photo.php?v=101504357500

Acho que taí outra cara do mesmo problema.

Justo no Governo Lula, quando as comunidades quilombolas tiveram o reconhecimento de suas questões e incluso algumas conquistas transformadas em políticas públicas, a marinha e as forças armadas como um todo, dão mais um exemplo de como necessitam urgentemente uma reformulação profunda. A política de memória, desde nossa tímida e inicial comissão de verdade (até quem sabe muito longe no futuro), é o caminho para romper o silencio com um passado nefasto que agora se esconde, mas que o preço pago pelo silêncio é: a vida nababesca-patrimonialista-parasitaria de elites milica; asfixia total nas "novas gerações" de oficiais e soldados; baixo rendimento institucional e capacidade técnica associados a uma completa disfuncionalidade social com respeito a seu papel; e pior, como se vê no vídeo, permite perpetuar no coração das forças armadas a essência trazida da ditadura da tortura, ameaça e morte como instrumento de realização de seus interesses. Agora, o "inimigo" não são os jovens comunistas e suas ideologias, são os quilombolas que estão em área de expansão das "instalações" da marinha. Em ambos casos, o que vale, é porrada neles.

Ou a Memória Histórica passa a ser prioridade da agenda do país (não nos contentando com uma tímida e inicial Comissão de Verdade) para a partir daí repensarmos entre todos e com rapidez, o papel sociotécnico desejado para as forças armadas e corpos de segurança pública (enquanto acreditemos que continuam sendo necessários…ainda que inevitavelmente), pondo em prática uma nova filosofia e agenda políticas de segurança nacional (formando as "novas gerações" de oficiais e soldados nessa direção) ou seguimos naturalizando violência bruta e opressora, que nos cega e, como disse o presidente uruguayo Pepe Mújica (na criação da CELAC: http://www.vtv.gov.ve/index.php/nacionales/72318)… nos impede de escolher entre ser ou não ser.

Responder

Regina

07 de janeiro de 2012 às 12h37

Chamou-me a atenção lá no 10º parágrafo a informação "(…)30 dos 31 subprefeitos de São Paulo são coronéis da PM". Apenas um civil?!

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    07 de janeiro de 2012 às 12h47

    Regina, foi exatamente o que me chamou a atenção. Como disse o Maldoror logo abaixo, sinistro…

    maria do carmo

    07 de janeiro de 2012 às 19h57

    Caro Azenha, e bom ficar em estado de atencao, quando questionaram as nomeacoes de coroneis
    militares as sub-prefeituras, o Kassab usou o argumento que eles sao organizados, e preocupante.
    kassab tem a escola do Serra controlador, a controlar e um exemplo a area tombada do Itaim, a fundacao do partido com duvidas, e um candidato ao poder a qualquer custo um arrivista. Quando da duvida(certeza) das assinaturas falsas para fundacao do partido , Kassab foi contudo cobrar o suspeito da denuncia, agora 30 sub-prefeitos coroneis e suspeito, nas primeiras nomeacoes ja achei estranho agora ja passou dos limites.

    MARCELO

    09 de janeiro de 2012 às 09h50

    E a Cristina Kirchner manda o Exército para o Clarin.Parece que ela quer imitar o Kassab.
    Também é chegada num militarismo…..quem diria.

    Wanderson Brum

    07 de janeiro de 2012 às 13h36

    Sabe aquele papo de Estado policial!

    Não se aplica quando os policiados não se quer colarinho, quanto mais colarinho branco…

    ricardo silveira

    07 de janeiro de 2012 às 13h52

    Pelo jeito, é um governo militar.

    Marcio H Silva

    07 de janeiro de 2012 às 18h55

    Então não é Governo Militar, é Ditadura Militar disfarçada de Governo Militar.

    João-PR

    07 de janeiro de 2012 às 20h42

    Regina, isso é que é um estado policialesco.
    Depois tem gente por aqui que ousa dizer que o Taxab e o Picolé de Xuxu são adeptos da democracia.

    Polengo

    07 de janeiro de 2012 às 21h13

    Pois é, por isso que nesta cidade é tão fácil descer o cacete nos professores, em manifestantes, ou em quem está contra o general dessa quadrilha de coronéis.

    Polengo

    07 de janeiro de 2012 às 21h14

    Pois é, por isso que nesta cidade é tão fácil descer o cacete nos professores, em manifestantes, ou em quem é contra o general dessa quadrilha de coronéis.

Maldoror__

07 de janeiro de 2012 às 12h27

isso é muito SINISTRO! 30 dos 31 subprefeitos de São Paulo são coronéis da PM!!!! É a Terra dos Coronéis!!! e o Alckmin e o Kassab não mandam em ninguém! "Religião com Polícia" http://twitter.com/maldoror__

Responder

Fernando

07 de janeiro de 2012 às 12h27

Ha! Agora que a m… já tá feita, o Estadão me vem com essa. Isso é trololó tucano puro, imagine se um meganha qualquer ia atropelar tudo mundo como foi feito, sem ordens de cima. Sei, sei… essa matéria é "lixo, lixo puro". Um "passa pano" nas imagens dos governantes nazistas daqui. Joga a culpa num subordinado qualquer lá da PM e pronto.

O que mais chama a atenção é o jornal não criticar a ação em si, que todos sabemos que não resolve porcaria nenhuma. É o Estadão blindar o governador e o prefeito e eleger um fulano para bode expiatório. Da falta de planejamento e de ideias para solucionar o problema, isso a imprensa nem passa perto, o negócio é só baixar a porrada nos caras e vamos ver o que dá….

Responder

    MARCELO

    09 de janeiro de 2012 às 09h53

    Governantes nazistas,Fernando?Ué,então aquele sem-noção do Irã também é um nazista.
    Ele disse que o Holocausto não existiu?Quem diz isso é puxa-saco do herr Adolf.

    Fernando

    09 de janeiro de 2012 às 16h16

    Quem queima favela, expulsa drogados à porrada, impõe arquitetura anti mendigos e fecha albergues é o quê então? Humanista?

    É cada cego que me aparece…

Maldoror__

07 de janeiro de 2012 às 12h25

Alckmin e Kassab não sabiam da "Operação Dor e Sofrimento"????? o Comandante da PM Álvaro Camilo tb não sabia?????…mas quem comanda o governo de SP????? o soldado da PM?

Responder

    Luci

    07 de janeiro de 2012 às 13h03

    Maldoror, sua pergunta é a de todos nós quem comanda está no comando? O governador e o prefeito não sabiam da "Operação Dor e Sofrimento" !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Ou estamos todos a deriva de política séria e humana?
    A sociedade civil participou do planejamento e implementação da ação? Ou a ação é policial repressiva para resolver uma questão social? Qual foi o planejamentoa para implementação de uma política pública para um resultado favorável à sociedade e que solucione a demanda daqueles cidadãos?


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding