VIOMUNDO

Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu”

01 de dezembro de 2012 às 13h47

POR QUE A IMPRENSA ESCONDE O FILHO DE 8 ANOS DE FHC COM A JORNALISTA DA GLOBO?

da Caros Amigos, em abril de 2000, reproduzido no blog do Palmério Dória

Por Palmério Dória, João Rocha, Marina Amaral, Mylton Severiano, José Arbex Jr. e Sérgio de Souza

Esta reportagem começou assim: o jornalista Palmério Dória ofereceu para Caros Amigos um artigo cujo título era “Presidente, Assuma!”, referindo-se ao filho gerado do romance entre Fernando Henrique Cardoso e a jornalista Miriam Dutra quando o atual presidente da República era senador. A jornalista trabalhava, e trabalha ainda, para a Rede Globo, na ocasião como repórter em Brasília, hoje como correspondente em Barcelona, Espanha.

O artigo, depois de dizer que o casal era visto nas noites de Brasília a partir do final de 1988, contava em detalhes, revelados por testemunhas, a reação irada do então senador, com xingos à jornalista, expulsão da sala e um pontapé no circulador de ar, que foi parar longe, no dia em que ela foi ao seu gabinete participar-lhe a gravidez. Abordava em seguida a situação criada após o nascimento da criança, em 1991, quando a estrela do senador começava a brilhar na política, projetando contornos para uma candidatura à presidência da República.

Citava a participação dos amigos Sérgio Motta e José Serra, “cabeças do projeto presidencial”, no episódio, primeiro conseguindo para a mãe e a criança um apartamento mais confortável na Asa Sul, onde ela já morava mais modestamente, e, depois, fazendo gestões junto ao diretor de jornalismo da Rede Globo, Alberico Souza Cruz, que é o padrinho do menino, no sentido de transferir a jornalista para Lisboa, o que se efetivou.

Dizia ainda o artigo que, a certa altura, esses três personagens foram substituídos, no que o autor chama de “corpo de bombeiros”, por um conhecido lobista de Brasília, aparentado de Miriam Dutra que em determinadas rodas é chamado de “o homem que sustenta o filho do presidente”. Antes de encerrar o artigo, o autor pergunta por que tanto segredo, por que a “conspiração de silêncio” da imprensa em torno da história, listando uma série de políticos e personagens públicos que em casos semelhantes viram noticiados os fatos que haviam protagonizado.

Ao entregar o texto, o jornalista sugeriu que o ilustrássemos com uma foto de Miriam Dutra. E foi aí que as coisas passaram a tomar outro rumo.

Quando procuramos, por telefone, o Departamento de Documentação (Dedoc) da Editora Abril, que vende esse tipo de material, como todas as empresas jornalísticas, ficamos sabendo que lá havia uma única foto da jornalista da Globo, tirada da tela de uma televisão por um fotógrafo da revista Veja, que em 1994 preparava uma reportagem sobre o caso Miriam Dutra/FHC, candidato à presidência da República. Para isso a revista tinha enviado a repórter Mônica Bergamo a Lisboa. O funcionário do Dedoc tratou do assunto com naturalidade, pedindo que aguardássemos um minuto na linha enquanto ultimava os trâmites rotineiros para o envio da foto.

Quando voltou ao telefone, desapontado disse que a foto não podia ser liberada, não sabia por quê. Pedimos que transferisse a ligação para a direção do Dedoc, que atendeu, se disse surpresa com o fato, que iria verificar o que estava acontecendo e nos ligaria em seguida. Depois de uma hora, ligou dizendo que realmente a foto não podia ser liberada porque era de autoria desconhecida, envolvia o nome da Globo e, assim, estava bloqueada.

Primeira providência: localizar o fotógrafo, que não estava mais em Veja, trabalha agora para o Correio Braziliense, jornal de Brasília. Ele confirma haver feito a foto para uma “matéria de gaveta”, no jargão jornalístico aquela matéria que espera a ocasião oportuna para ser publicada ou fica para sempre enterrada. “Fiz a foto da televisão porque toda a imprensa tinha a matéria e, se um desse, todos davam”, disse ele.

Essa informação não só já havia transpirado de Veja, por outra via, como a direção da revista dissera à repórter enviada a Lisboa que ela estava indo procurar Miriam Dutra para que não corressem o risco de ser “furados” por alguém. De qualquer forma, na volta a repórter entregou um relatório com a entrevista feita com Miriam Dutra, que não quis revelar o nome do pai, disse que o pai não merecia aquele filho, deu detalhes do parto etc. e a matéria foi para a gaveta, apesar de a direção da redação estar dividida, votos a favor e contra sua publicação, prevalecendo ao final o “não” do diretor, Mario Sergio Conti.

Sabe-se que houve ameaça à Abril, por parte da irmã de Miriam Dutra, Magrit, que por telefone disse que quebraria (financeiramente) a editora, caso a matéria fosse publicada.

As contradições apontaram definitivamente para a investigação. Íamos procurar saber como são, a partir de fatos, as relações entre o presidente da República e a mídia. Precedentes já havia, como o da época da reeleição, por exemplo, quando o presidente chamou a Brasília todos os donos dos grandes veículos para pedir uma ajuda em favor de sua candidatura quando em maio/junho de 1998 ela periclitou nas pesquisas de opinião pública.

Antes de qualquer coisa, precisaríamos ouvir Miriam Dutra, procurar confirmar o “segredo de polichinelo”, como dizem jornalistas que conhecem a história. E praticamente todos os diretores de redação à época das eleições de 1994 a conhecem, embora muitos – iríamos pedir a palavra de todos eles – fossem argumentar que não publicaram a matéria porque a mãe da criança não havia procurado a imprensa nem a Justiça e só nessas circunstâncias as normas internas admitem a publicação.

O que não é verdadeiro, sabe-se de pelo menos um fato semelhante a esse em que houve até exploração tendenciosa por parte da mídia, fato revelado também em época de campanha presidencial, a de 1990, envolvendo a filha do candidato Lula, trazido a público por um repórter do Jornal do Brasil que foi investigar a história e não porque algum dos envolvidos tivesse procurado a imprensa ou a Justiça.

Outro argumento de diretores de redação em defesa da não publicação da história que resolvemos contar é o de ela não ser um fato jornalístico. Esquisito não considerar fato jornalístico um presidente da República ter um filho fora do casamento com uma jornalista da Rede Globo.

Fomos, então, procurar Miriam Dutra, por intermédio de um jornalista brasileiro, João Rocha, que está morando em Barcelona. Eis o seu relato, de 30 de janeiro deste ano:

“Descobri um Colegiado de Jornalistas onde havia um Centro Internacional de Jornalistas. Consegui achar Miriam Dutra em uma lista absolutamente equivocada – a de Madri, mas com um endereço de Barcelona. Fui até lá. É um bairro de classe média alta, na parte mais moderna da cidade. Achei a rua, mas penei para achar o prédio. Enquanto pedia informações na rua para localizar o número que buscava, encontrei acidentalmente um brasileiro. Um homem de seus sessenta e poucos anos, artista plástico paraibano. Havia deixado o Brasil em 1963, mas conservava intato o sotaque, mesmo falando catalão ou espanhol. Seu nome é Oto Cavalcanti, figura interessante, também se confundiu muito para achar o prédio que supostamente era no quarteirão em que ele morava.

Quando falei que procurava uma jornalista brasileira, ele lembrou que a moça da banca de jornal havia lhe falado de uma jornalista brasileira da Globo vivendo por perto. Fomos até a banca. A moça se mostrou muito simpática até eu perguntar sobre Miriam Dutra. Aí ela mudou de expressão, de tom de voz e falou que Miriam já se havia mudado e que nunca mais a tinha visto. Perguntei outra coisa e ela simplesmente me ignorou, como se eu não pudesse saber de mais nada. Essa moça, eu soubera um pouco antes pela sua ajudante, tornara-se amiga de Miriam em suas compras diárias de jornais e revistas. Saí da banca com mais algumas informações, porém achando que o endereço que eu tinha estava errado e, além disso, sabendo que Miriam havia se mudado. Mas continuei procurando e perguntando para as pessoas. Todos desconheciam o número, exceto seu Manuel, porteiro português que trabalha há anos na região: ‘Esse prédio fica naquele bulevar atrás do muro do Gaudí, todo mundo se perde’.

Já era noite e o muro estava iluminado. Lindo! E atrás dele estava o número 61 da rua Manoel Girona. Visivelmente um prédio de classe média alta. O porteiro não estava, mas a caixa de correio mostrava que Miriam não morava mais ali. Esperei que algum morador ou o porteiro aparecesse. Foi o tempo de um cigarro. Lá vinha ele, um típico catalão de uns sessenta anos. Foi dele que pude conseguir a mais rica descrição da nossa personagem. Me descreveu seus hábitos, jeito etc., coisas que um porteiro sabe como ninguém. Falou que ela mudara havia uns seis meses, para perto, e que não a via desde o Natal, quando tiveram uma ligeira discussão sobre as cor-respondências que ainda chegavam para ela e que já não queria receber. Foi aí que ele completou o perfil que eu estava montando desde que comecei a pensar na personagem: ‘É uma pessoa muito fechada, apesar de ter sido sempre correta comigo. O que eu vou fazer se uma pessoa não quer deixar seus rastros?…’

“Chegando em casa, organizei as anotações e quase joguei fora o número do telefone que supostamente seria o de Miriam, já que o porteiro me havia assegurado que a linha tinha ficado com o novo inquilino. Mas resolvi tentar: ‘Alô’, eu ouvi, tomando um susto tremendo, e então perguntei em espanhol se era da casa de Miriam Dutra. ‘Si, un momento.’ E ao longe: ‘Mãããe!’ Era ele, Tomás. Com o coração disparado de quem busca algo durante tempos e encontra por acaso, não tive rapidez para fazer outra coisa que não esperar por Miriam.

E ela atendeu: ‘Hola’. ‘É a Miriam Dutra?’ ‘Sim’. ‘Oi, Miriam, meu nome é João Rocha. Sou um jornalista brasileiro que está vivendo em Barcelona. A revista Caros Amigos está fazendo uma reportagem em que cita o seu nome e pediram que a procurasse para ouvi-la’. E ela, meio transtornada: ‘Cita meu nome? Em quê?’ ‘Olha, fala de um suposto caso que você teria tido com o nosso presidente da República, Fernando Henrique, e de um filho que teria resultado desse relacionamento’. Pelo silêncio que se fez, esperava ouvir o telefone dela batendo no gancho, mas não. Veio a resposta: ‘Olha, João, eu não vou falar nada sobre essa história. Eu não sou uma pessoa pública. Se vocês têm algo para perguntar, não é para mim. Perguntem para a pessoa pública’.”

A afirmação de Miriam Dutra era definitiva e, no mínimo, removia de vez a argumentação de jornalistas que não contam o que sabem escudando-se em manuais de redação. Seguiríamos sua sugestão de procurar a pessoa pública dessa história, mas só depois de ouvir todos os diretores de redação da época em que o caso aflorou mais fortemente, 1994, FHC candidato. Devíamos começar por Veja, de onde a lebre foi levantada a partir da foto proibida.

Palmério Dória conta sua tentativa:

“Liguei para Mario Sergio Conti, que durante a primeira eleição de FHC era diretor de redação de Veja. Previa certa animosidade, porque naquela semana tinha saído em Caros Amigos um quadro comparativo que fiz entre famosos de ontem e de hoje – ‘Portrait du Brésil: décadence avec desélégance’. Entre as quarenta comparações (por exemplo: JK/FHC; bossa nova/pagode; Ataulfo Alves/Alexandre Pires; mar de lama/Proer; Marta Rocha/Adriane Galisteu), sobrou para o autor do best-seller Notícias do Planalto: David Nasser/Mario Sergio Conti. Quer dizer, esperava animosidade mas não a tempestade que desabou: ‘Mario Sergio, estou fazendo uma matéria sobre aquela história que todo mundo fala mas ninguém conta, o suposto filho do Fernando Henrique…’. ‘Palmério, você acha que eu vou mover uma agulha por você?’ (ainda contendo a fúria) ‘Você me comparou com o… David Nasser…’ Tentei dizer algo em meio ao atropelo de impropérios que se seguiu: ‘Mario, estou ligando para o cargo, você tinha a função de diretor de redação…’. ‘Eu não sou da sua laia. (berrando) Leve a sua calhordice até o fim!’ Berrando, desligou o telefone.”

Em seguida, Palmério falou com mais três jornalistas que ocupavam posto de comando nas publicações em que trabalhavam durante a campanha presidencial de 1994:

“Augusto Nunes, hoje dirigindo a revista Época, era diretor de redação do jornal Zero Hora, de Porto Alegre. Temos uma considerável convivência, começamos juntos no Estadão: “

“- Augusto, falam que todos os jornalões e revistas tinham essa matéria e que, se um desse, todos dariam. Vocês tinham também, para a eventualidade? “

“- Não chegamos a ter. Claro que a questão foi levantada na redação: ‘Fizeram uma sacanagem com o Lula, e agora como é que é?’ Mas quem fez a sacanagem com o Lula foi a Miriam Cordeiro. No caso do Fernando Henrique, a suposta mãe diz que não é. O filho tem um pai no papel, e ela não fala que Fernando Henrique é o pai. A Zero Hora nem partiu para levantar o assunto, que circulava realmente em todas as redações. “

“Aluízio Maranhão, diretor de redação do Estadão naquele tempo, hoje também na revista Época, garante que o jornal dos Mesquita não tinha matéria de gaveta sobre o caso: “

“- Havia um obstáculo intransponível: ela nega. O rapaz – o registro do menino: ele tem um pai legal. Você vê o caso do Lula. A filha existe, a mãe assumiu, se deixou usar como munição política. Tem que ter algum BO (não Bom para Otário, mas Boletim de Ocorrência). Sendo verdade, termina servindo de munição. Isso vale para um suposto filho de um presidente e para um suposto consumo de drogas de um presidente. Você tem que ter provas e testemunhas com um mínimo de credibilidade. Não tem nada a ver com status social. Por todas essas razões, não chegou a ser tema de discussão, por absoluta falta de provas. Houve um momento em que o site do PDT fez circular uma matéria do Diário de Notícias, de Portugal, com a história. Foi malandragem com interesses político-partidários e decidimos não noticiar. E essa foi a decisão de todos os órgãos. “

“Hélio Campos Mello, diretor de redação de IstoÉ, comigo foi sempre de uma afabilidade total. Mas, toquei no assunto, adotou o chamado distanciamento crítico, tornou-se seco e objetivo: ‘Não tenho uma história, não tenho a certidão de nascimento, não tenho uma mãe dizendo que o garoto é filho dele (o presidente). Alguém pode dizer: ‘Ah, ele é parecido’. O filho do Collor é quase um teste de DNA’!”

Palmério não perguntou, e o diretor de redação de IstoÉ talvez não tenha tomado conhecimento, mas sabe-se que um repórter da revista fez a matéria e ela foi engavetada, por instância do proprietário da editora, que disse:

“Não sou louco, tenho negócios”. Esse mesmo empresário já disse, em tom de brincadeira, para quem quisesse ouvir: “Sou mesmo um bandoleiro da imprensa; os outros também são, mas não dizem”.

Como estivéssemos entrevistando jornalistas, rapidamente a matéria passou a ser comentada nas redações, obviamente indo parar nos corredores do poder federal. Combinamos um jantar, numa churrascaria em São Paulo, com um jornalista que está trabalhando para o governo. Ele disse que havia uma preocupação com a matéria nos altos escalões, amigavelmente desaconselhando-nos a publicá-la.

Fez ver que a editora, caso Caros Amigos saísse com a reportagem, podia enterrar a pretensão de conquistar anúncios ou qualquer serviço editorial da área governamental, que abertamente havíamos pleiteado com ele como pleiteamos junto a todo o tipo de empresas insti-tucionais. Ao contrário, acenou, não saindo a matéria eram muito boas as chances de obtermos no futuro algum tipo de serviço editorial para órgãos públicos.

Em um almoço, numa cantina, também em São Paulo, Palmério Dória, que julgavam ser o único autor da reportagem, receberia, por intermédio de um amigo jornalista, convite para ir trabalhar na assessoria de imprensa da Petrobrás, no Rio. Perguntou ao amigo de quem partira o convite, o amigo declinou o nome do lobista aparentado de Miriam Dutra. Os lobbies em favor do silêncio começavam a convergir.

Um deputado federal da oposição liga para a redação pedindo o telefone particular de José Arbex Jr., editor especial de Caros Amigos. O telefone é fornecido. Arbex conta o diálogo ocorrido depois das saudações de praxe:

“- E aí, o que você manda?”

“- Rapaz, eu queria te dar um toque, mas é em caráter pessoal.”

“- Pode dizer.”

“- Pois é, eu estava conversando outro dia com um cara que é muito ligado ao governo, e ele me disse que o pessoal estava preocupado com uma reportagem que a Caros Amigos está fazendo, o cara até me perguntou se eu sabia qual era a da Caros Amigos, se ela é do PT…”

“- Do PT?”

“- Pois é, rapaz, do PT. Eu falei que não, disse que não sabia nada sobre a Caros Amigos, até que passei numa banca de jornal e li o expediente da revista, e vi que conhecia algumas pessoas da redação. Por isso resolvi te ligar.”

“- Sei, mas qual é a preocupação do governo? “

“- Eles acham que vocês estão fazendo uma matéria escandalosa envolvendo o presidente. Eu acho que não é o caso, pois, conhecendo vocês, eu acho que não iriam por essa linha de sensacionalismo barato.”

“- Ih, não é nada disso. Os caras, pra variar, estão mal informados. A reportagem não é sobre a vida do FHC, mas sim sobre a relação da mídia com o FHC, o silêncio cúmplice, essas coisas…”

“- Ah, bom, eu sabia…”

“- Mas eu não entendi muito bem qual é o toque que você disse que ia me dar.”

“- É que eu vi que os caras estão preocupados, e como te conheço há muito tempo, e tem uma relação de confiança, apesar de talvez existirem divergências políticas, então resolvi conversar com você em caráter pessoal. Os caras estão muito preocupados, rapaz… “

“- Eu te agradeço a confiança, mas a gente não vai promover nenhum sensacionalismo.”

Nesse mesmo mês, fevereiro, liga para Sérgio de Souza, editor de Caros Amigos, o diretor de redação da revista Imprensa, Tão Gomes Pinto. Diz estar intercedendo em nome de Miriam Dutra, que lhe telefonara de Barcelona cheia de preocupação em relação à matéria e que ela queria falar com Sérgio. “Pois não”, respondeu Sérgio, dando ao interlocutor todos os seus números de telefone. O diretor da revista Imprensa, antes de desligar e depois de muito insistir sobre a preocupação de Miriam, disse que qualquer dia iria fazer uma visita à redação de Caros Amigos, que não conhecia ainda.

Antes que se passasse meia-hora, anunciam que Tão Gomes Pinto está na recepção, quer falar com Sérgio. Desce, cumprimentam-se, Tão vai repetir que Miriam está preocupadíssima mas que resolveu não telefonar para Caros Amigos. O tom resvala à dramaticidade. Sérgio pergunta se são amigos, Tão responde que conheceu Miriam nos tempos de Brasília, não chega a dizer que eram amigos. No meio da conversa, Sérgio, que tinha a informação de que Tão e o lobista aparentado de Miriam estavam naquele momento esgrimindo conjuntamente um lobby junto a uma empresa brasileira, pergunta se o diretor de redação da revista Imprensa conhece fulano de tal (dá o nome do lobista).

Tão olha para o alto, como se buscasse na memória o personagem, até que, no timing certinho, diz que sim, mas que não vê o homem faz muito tempo, mais de ano. A pergunta faz com que a conversa se dilua, Tão chega a comentar, em tom cúmplice, que a nossa matéria devia ser feita pela revista Imprensa e despede-se fraternalmente, levando alguns livros da editora de Caros Amigos, a Casa Amarela, para divulgar em sua revista.

Diante disso, embora convictos de que se tratava de uma mentira encomendada pelo lobista, pedimos ao repórter de Barcelona que perguntasse a Miriam Dutra se ela havia pedido a intercessão do diretor de redação da revista Imprensa. O pedido a João Rocha, como o primeiro, foi feito por Mylton Severiano, que participava também da reportagem e é amigo do jornalista que vive em Barcelona. Mylton recebeu então o seguinte e-mail:

“Logo depois de receber sua mensagem, encontrei um amigo brasileiro para ir almoçar. Na fila do restaurante, falávamos nosso portuguesinho despreocupado quando uma moça atrás de nós me cutucou no ombro: ‘Vocês são brasileiros, não?’ E se apresentou:

‘Me chamo Tânia, sou de Brasília, estou fazendo doutorado aqui na faculdade…’. Foi justo no momento em que me deu o estalo e, com aquele tipo de palavras que você não sente sair da boca, perguntei: ‘Você é amiga da Miriam Dutra, não?’ E ela, surpresa: ‘Ah, a Miriam, sou, como você sabe?’ E eu, ainda naquele estado: ‘É que ela me falou de você, que havia chegado há pouco tempo e que estava procurando apartamento para alugar’.

‘Procurando apartamento? Não, imagina! Moro aqui há três anos!’ Nesse momento, o mundo se contorce e já não se entende mais nada. Mas, como eu, ela também fazia doutorado e, momentos depois, coincidências esclarecidas, resolvo puxar o assunto do filho do presidente e explico minha relação com Miriam: o interesse no suposto caso que Miriam supostamente teria tido com o presidente, do qual supostamente teria nascido um suposto filho, supostamente presidencial. ‘Suposto?’, me interrompe a moça. ‘Suposto, não! É do Fernando Henrique. Ela não te contou? É a cara do presidente!’

“Chegando em casa, ligo para Miriam. Quem atende novamente é Tomás: ‘Péra um pouquinho. Maãããnhê!’ Longa conversa, como havia sido a primeira, dessa vez contabilizada pelo cronômetro do telefone: uma hora e dez minutos. Quanto ao movimento de sugestão de silêncio, ela diz não ter a menor idéia de onde saiu. Fala que não tem nada a ver com isso e que a última pessoa com quem havia conversado sobre o assunto fui eu. Tão Gomes Pinto ela diz conhecer apenas profissionalmente, como jornalista respeitado, e que não tem nem sequer o telefone dele. Comenta o contrato dela com a Globo, anual, de prestação de serviços no exterior, ‘como há uns quarenta mais’, acrescentando que veio por razões profissionais e por sua própria conta. Fala, também, em tom ameaçador mas brando: ‘Se a revista publica uma coisa dessas, vai ter que provar. Sei dos meus direitos e conheço os meios jurídicos. Vai ter que provar’. E, enfim, depois de eu muito cutucar, saiu: ‘Tomás Dutra Schmidt, nascido no dia 26 de setembro de 1991 à zero hora e quinze minutos em uma maternidade de Brasília, batizado pela avó materna e registrado na mesma cidade somente no nome da progenitora’. Levando portanto sobrenomes iguais aos dela.”

A repórter e editora executiva de Caros Amigos, Marina Amaral, iria a Brasília para, além de solicitar uma audiência com a “pessoa pública”, tirar uma cópia, no respectivo cartório, da certidão de nascimento do menino. Antes, porém, como estava pautado, trataria de colher os depoimentos utilizados pelos grandes veículos para justificar o fato de nunca terem tratado do assunto.

Começa por Alberico Souza Cruz, atualmente na Rede TV!. A telefonista atende, Marina diz que deseja falar com ele, a ligação é transferida, atende voz masculina, Marina pede:

“- Por favor, o Alberico. ‘

“- Quem gostaria de falar? ‘

“- É Marina, da Caros Amigos. ‘

“- Oi, Marina, tudo bem? É o Alberico. ‘

“- Que bom, nem pensei que seria tão fácil falar com você… (risos) ‘

“- Com prazer, pode falar.’

“- É um assunto meio delicado, mas, como vamos dar a reportagem na próxima edição, tenho de perguntar. A reportagem fala do filho da Miriam Dutra com…’

“- Me desculpe, mas, sobre esse assunto eu não falo. ‘

“- Mas a reportagem até diz que você é o padrinho do menino… ‘

“- É, mas sobre esse assunto eu realmente não falo. Me desculpe. Até logo.”

O sucessor de Alberico na direção de jornalismo da Rede Globo é Evandro Carlos de Andrade, ex-diretor de redação do jornal O Globo, função que exerceu de 1972 a 1995. Autoridade máxima e palavra final do jornal, seu depoimento para uma reportagem que põe em discussão as atitudes da imprensa diante de determinados fatos era de grande importância.

No caso, principalmente porque foi na sua gestão que O Globo publicou, em 14 de dezembro de 1989, data em que a televisão transmitiria, à noite, o debate que decidiria a eleição presidencial em favor de Fernando Collor, o seguinte editorial, destacado na primeira página:

“O direito de saber ‘

“O povo brasileiro não está acostumado a ver desnudar-se a seus olhos a vida particular dos homens públicos. “O povo brasileiro também não está acostumado à prática da Democracia.’

“A prática da Democracia recomenda que o povo saiba tudo o que for possível saber sobre seus homens públicos, para poder julgar melhor na hora de elegê-los. ‘

“Nos Estados Unidos, por exemplo, com freqüência homens públicos vêem truncada a carreira pela revelação de fatos desabonadores do seu comportamento privado. Não raro, a simples divulgação de tais fatos os dissuade de continuarem a pleitear a preferência do eleitor. Um nebuloso acidente de carro em que morreu uma secretária que o acompanhava barrou, provavelmente para sempre, a brilhante caminhada do senador Ted Kennedy para a Casa Branca – para lembrar apenas o mais escandaloso desses tropeços. Coisa parecida aconteceu com o senador Gary Hart; por divulgar-se uma relação que comprometia o seu casamento, ele nem sequer pôde apresentar-se à Convenção do Partido Democrata, na última eleição americana. ‘

“Na presente campanha, ninguém negará que, em todo o seu desenrolar, houve uma obsessiva preocupação dos responsáveis pelo programa do horário eleitoral gratuito da Frente Brasil Popular de esquadrinhar o passado do candidato Fernando Collor de Mello. Não apenas a sua atividade anterior em cargos públicos, mas sua infância e adolescência, suas relações de família, seus casamentos, suas amizades. Presume-se que tenham divulgado tudo de que dispunham a respeito. ‘

“O adversário vinha agindo de modo diferente. A estratégia dos propagandistas de Collor não incluía intromissão no passado de Luís Inácio Lula da Silva nem como líder sindical nem muito menos remontou aos seus tempos de operário-torneiro, tão insistentemente lembrados pelo candidato do PT.’

“Até que anteontem à noite surgiu nas telas, no horário do PRN, a figura da ex-mulher de Lula, Miriam Cordeiro, acusando o candidato de ter tentado induzi-la a abortar uma criança filha de ambos, para isso oferecendo-lhe dinheiro, e também de alimentar preconceitos contra a raça negra.’

“A primeira reação do público terá sido de choque, a segunda é a discussão do direito de trazer-se a público o que, quase por toda parte, se classificava imediatamente de ‘baixaria’.

“É chocante mesmo, é lamentável que o confronto desça a esse nível, mas nem por isso deve-se deixar de perguntar se é verdadeiro. E se for verdadeiro, cabe indagar se o eleitor deve ou não receber um testemunho que concorre para aprofundar o seu conhecimento sobre aquela personalidade que lhe pede o voto para eleger-se Presidente da República, o mais alto posto da Nação.’

“É de esperar que o debate desta noite não se macule por excessos no confronto democrático, e que se concentre na discussão dos problemas nacionais.

“Mas a acusação está no ar. Houve distorção? Ou aconteceu tal como narra a personagem apresentada no vídeo? Não cabe submeter o caso a inquérito. A sensibilidade do eleitor poderá ajudá-lo a discernir onde está a verdade – e se ela deve influenciar-lhe o voto, domingo próximo, quando estiver consultando apenas a sua consciência.”

Marina Amaral procurou o atual diretor de jornalismo da Rede Globo, sendo informada pela secretária que ele só responde perguntas por escrito. Assim foi feito, seguiram quatro perguntas: 1. se havia chegado ao jornal O Globo, por ocasião das eleições de 1994, a informação de que grandes veículos estavam preparando matéria sobre o filho gerado de um romance entre Fernando Henrique Cardoso e Miriam Dutra; 2. se o jornal discutiu o assunto; 3. se cogitou de também preparar uma matéria a respeito; 4. e se o editorial “O direito de saber” havia sido escrito por ele, Evandro Carlos de Andrade. A resposta veio no dia seguinte, por fax, manuscrita e assinada:

“1. Não chegou ao meu conhecimento. As perguntas 2 e 3 estão prejudicadas.”

“4. Não me recordo – provavelmente não fui eu o autor, uma vez que escrevi poucos editoriais durante minha permanência no Globo.”

No mesmo dia, 20 de março último, Marina Amaral procurou, por telefone, outro diretor de redação, Otávio Frias Filho, da Folha de S. Paulo. Depois de explicar em detalhes a origem da reportagem – do artigo de Palmério Dória à foto interditada -, Marina perguntou a Otávio se a Folha cogitara fazer a matéria em 1994. Resposta:

“- Vou ter muita dificuldade em responder a contento porque a Folha considera que esse não é um assunto de interesse público, é um assunto de ordem afetiva, e a Folha não publica assuntos de ordem afetiva enquanto pelo menos uma das partes interessadas não se manifestar. Essa moça não se manifestou.”

“- Mas e o caso da namorada do Pitta, que vocês publicaram recentemente? Havia interesse público? “

“- A Folha não publica assuntos de ordem afetiva enquanto uma das partes não toma alguma providência jurídica ou não se manifesta publicamente, quando consideramos que o assunto não tem interesse jornalístico. No caso dessa moça que você está citando, não lembro o nome dela…”

“- Marlene Beteguelli, a secretária. E a Marina de Sabrit, que vocês também publicaram, com ela desmentindo…”

“- Pois é. Houve insinuações, mas não publicamos nada até que ela própria deu uma entrevista ao Jornal do Brasil, se deixou fotografar.”

“- Mas a notícia do filho do Fernando Henrique chegou à redação da Folha? Vocês pensaram em investigar, em procurar os dois?”

“- Havia fofocas de redação que circulam há muito tempo, mas não tivemos condições de investigar porque não tínhamos nem condições de afirmar se essas histórias eram verdadeiras.”

“- Posso dizer que a história do filho é verdadeira pelas investigações que fizemos. Inclusive falamos com a moça, que nos aconselhou a procurar a pessoa pública dessa história.”

“- Se você está me dizendo que é verdade, acredito, porque não tenho motivo para duvidar de você.”

“- Independentemente desse fato, você acha que a mídia tem tratado o presidente Fernando Henrique Cardoso com, digamos, condescendência? “

“- Independentemente disso? Sim.”

“- De que forma se manifesta essa condescendência? “

“- Acho que a mídia tem sido de todas as formas condescendente. Quando um presidente tem taxas de popularidade altas, a mídia acaba refletindo essa tendência. Foi assim com o presidente Sarney, com o Collor no primeiro ano de mandato, vem sendo assim com o Fernando Henrique pelo menos até o segundo semestre do ano passado quando suas taxas de popularidade caíram.”

“- A Folha acompanhou essa tendência? “

“- A Folha, salvo melhor juízo em contrário, tem se mantido numa posição mais autônoma, mais inquisitiva, mais incômoda mesmo. A Folha tem uma série de colunistas que manifestam uma posição contrária a essa simpatia da mídia. Essa simpatia é clara, tanto que ele próprio (o presidente) fez uma boutade no episódio dos grampos do BNDES dizendo que a mídia estava até exagerando no apoio. Agora, com relação a esse episódio desse suposto envolvimento de ordem afetiva, não é nossa política investigar. Isso envolve outros casos, há diversos precedentes, mas não consideramos esse um assunto jornalístico, de interesse público. É isso.”

Marina Amaral transcreveu o diálogo telefônico e enviou-o a Otávio, como pedira o jornalista. E acrescentou novas perguntas, que foram respondidas via e-mail pelo diretor de redação da Folha: “

“1. A Folha foi procurada pelo presidente ou por algum de seus assessores com o pedido de não dar ouvido a boatos a respeito do filho com a jornalista Miriam Dutra? “

” Não.”

“2. A Folha foi convidada a participar, juntamente com outros grandes veículos, de uma reunião com o presidente durante a campanha eleitoral de 1994? “

” Não. Embora tenha havido vários encontros jornalísticos entre representantes do jornal e o então candidato, alguns deles, possivelmente, com a participação de jornalistas de outros veículos. “

“3. A Folha sofreu alguma pressão no governo FHC em função de sua posição de independência?”

“Não, exceto queixas e reclamações, aliás freqüentes, de auxiliares do presidente, mas sempre dentro dos limites do que me parece legítimo numa democracia.”

Nesse mesmo e-mail em que dá resposta às perguntas complementares de Marina, Otávio comenta a transcrição do telefonema:

“A transcrição me parece OK, exceto pelo fato de que o discurso oral, quando transposto para o texto, sempre parece truncado e repetitivo. Imagino que você fará um copy para eliminar ou reduzir essa dissonância. “

“Dois detalhes: há uma resposta em que eu digo que ‘Havia fofocas de redação que circulam há muito tempo mas não tivemos condições de investigar porque não tínhamos nem condições de afirmar se essas histórias eram verdadeiras’. Devo ter me expressado mal. Quis dizer que não investigamos por não vermos legitimidade na pauta, conforme dito anteriormente. E que não sabemos sequer se esses fatos são verdadeiros. O porque não tem sentido na frase. “

“Outro detalhe: Sarney desfrutou de grande popularidade enquanto durou o Plano Cruzado. “

“É isso. Um abraço.”

Mylton Severiano também está empenhado na coleta de depoimentos. Marca uma conversa com Mino Carta na redação da Carta Capital, revista da qual Mino é o diretor. Começa com a mesma pergunta feita a todos: por que falam do filho deste e daquele, menos do filho de FHC com Miriam Dutra. Mino faz uma colocação e lembra de um episódio:

“A questão é pertinente. Eu saí da IstoÉ em agosto de 1993. Dois anos antes, o Fernando Henrique me liga na redação: “

‘Olha, Mino, está correndo uma história cabeluda, que enxovalha a mim e a minha família, por favor, se isso chegar aí, não dá nada, não publica não’. Eu disse ‘tá bom’, que esse tipo de coisa não me interessava mesmo. Eu nem sabia o que era.”

E conta a Mylton Severiano que perguntou ao pessoal da redação de IstoÉ, “Mas que história é essa que o Fernando Henrique me liga pra pedir que não publique?” E lhe disseram que vários jornalistas da IstoÉ tinham visto “os dois” no Piantella, nesses restaurantes de Brasília, às vezes em turma, às vezes a sós. E acrescenta:

“Eu, pessoalmente, Mino jornalista, tenho receio de tocar nesses assuntos. Mas, em relação a Pelé, Lula… Jesus Cristo, é legítimo, é pertinente propor a questão. Pelo fato em si. O caso do Lula era diferente. Estava viúvo, solteiro. E o Fernando Henrique é casado.”

Mylton cita o editorial do Globo sobre o direito de saber. Mino diz: “Uma das obrigações da mídia é fiscalizar o poder, inclusive a vida privada, particular. O perfil: tantos anos, é homossexual; se é grosseiro, quero saber. Se espancou a mulher, quero saber. Se dá em cima de mulher fora do casamento, quero saber. Agora, eu, como repórter, não me sinto bem com esse tipo de assunto.”

Mylton pede que Mino explique melhor por que disse ser pertinente a questão que estamos levantando. Resposta:

“Sim, a história do filho do Fernando Henrique você pode até perguntar se é verdade. Mas, sendo verdade, é pertinente querer saber por que não publicam. Como foi possível levantar aquela do Lula? Aquilo foi terrível. Completamente diferente. Ele estava solteiro, viúvo. Saía com a moça e, naturalmente, quando um homem sai com uma mulher, acabam fazendo o que todos sabemos. Ele não queria o filho. Foi uma desgraça. Agora, por que Lula e não Fernando Henrique? Por que Pelé e não Fernando Henrique? Existe? Então, por que não falar? Se é figura pública e dá em cima das mulheres, não sabe se portar. Vai envergonhar o país mais cedo ou mais tarde, se se torna figura representativa do país dele. Eu não estou falando dele, estou falando de qualquer um.”

Mylton lhe diz:

“Mas isto se aplica a ele, depois de tudo o que apuramos e todo mundo sabe.”

“Então…”, falou Mino, rindo irônico.

Depois de falar com Mino Carta, Mylton Severiano ia telefonar para outros dois jornalistas de publicações importantes. Conversas velozes. Primeiro com Celso Kinjô, editor-chefe do Jornal da Tarde, do qual Mino foi o fundador. Celso lhe disse que nunca pensaram em fazer matéria no JT. A posição da “casa” é não tocar em assuntos pessoais.

Uma ocasião um repórter levou uma foto do filho de Orestes Quércia e ela ficou na gaveta. A “casa” é escrupulosa em relação a esse tipo de assunto, não está escrito mas nem merece tratamento editorial. Disse também não lembrar qual foi o tratamento da “casa” com relação a Miriam Cordeiro, em 1989.

Depois, com Marcelo Pontes, alto escalão no Jornal do Brasil em 1994, fazia o “Informe JB”. Trabalha hoje no gabinete do Ministério da Fazenda. Mylton conta:

“- Foi perceptível ao telefone seu desconforto quando anunciei o assunto. Eu havia dito à secretária que falava em nome da Caros Amigos. Mas atendeu logo. Ficou repetindo: ‘94, 94, 94, que que eu fazia no JB? 94, 94, 94…’. Lembrou-se então de que fazia o “Informe”. Mas o jornal fez matéria?

– Mas eu não posso falar pelo jornal. Ouvi boatos – boatos, estou dizendo -, não tinha nenhuma prova. Nem considerei que esse assunto de vida pessoal fosse publicável.

“- Mas nós sabemos que outras publicações foram atrás.”

“- Ah, me parece que o JB publicou algo sim, feito pelo Maklouf. Tá bom? (louco para se livrar de mim)”

“Agradeci, um abraço, desliguei.”

Na penúltima semana de março, Palmério Dória foi ao Rio de Janeiro, tratar de outros assuntos profissionais com um grupo de jornalistas, do qual faz parte um colunista muito importante da imprensa carioca. Era uma sexta-feira, “dia do chamado ‘pescoção’ nos jornalões, quando os colunistas caçam notas a grito”. O colunista queria saber de Palmério se Miriam Dutra “abriu ou não abriu” (sobre a paternidade do menino), dizendo, depois de uma longa conversa, que ia dar uma nota em sua coluna no final de semana. Voltou a ligar mais tarde, perguntando quantos anos a Caros Amigos ia fazer.

Palmério procurou no jornal do sábado, do domingo e da segunda. Nada. Na tarde da própria segunda encontraram-se em mais uma reunião do grupo, à qual o colunista chegou dizendo, na frente de dois outros jornalistas: “Em dez anos de coluna, nunca passei por uma situação como essa!” E contou que alguém do alto escalão do jornal chegou a ele com a nota na mão e disse que ela só poderia sair com autorização do primeiro homem da empresa.

Faltavam poucos nomes para completar a lista de depoimentos de jornalistas, antes de Marina Amaral solicitar a audiência com a “pessoa pública”, com o que encerraríamos a reportagem.

Faltava falar com quem em 1994 dirigia o Diário Popular, de São Paulo, Miranda Jordão; com Ricardo Noblat, do Correio Braziliense; e com o chefe da sucursal da Folha de S. Paulo em Brasília, Josias de Souza.

Mylton Severiano liga para Miranda Jordão, hoje no jornal O Dia, Rio de Janeiro. O diálogo:

“- Alô. “

“- (Me identifico como da Caros Amigos, tudo bem? Tudo bem.) Estou trabalhando numa matéria sobre o filho do Fernando Henrique com a Miriam Dutra… “

“- Filho o quê? “

“- O Tomás Schmidt, filho do Fernando Henrique e da nossa colega Miriam Dutra. “

“- Não estou sabendo de nada. “

“- Bem, nós temos a informação de que o Diário Popular, em 1994, você estava lá, teria feito ou tentou fazer a matéria, através do Cláudio Humberto. “

“- Nunca. Não tínhamos relação alguma com o Cláudio Humberto. “

“- Bem, pode ser uma informação furada, mas você sabe da história, não? “

“- Não, nunca soube de nada. (cortante) “

“- Que interessante. Bom, se você nunca soube, está bem. Muito obrigado.”

Marina Amaral vai a Brasília, já telefonara de São Paulo cinco dias antes à procura de Ana Tavares, assessora da presidência da República. Tinha sido atendida por um dos membros da assessoria, Geraldo Moura. Sem adiantar o assunto, Marina disse que queria marcar uma entrevista com Ana. Geraldo se mostrou surpreso: “Entrevista com ela?” Mas respondeu que provavelmente não haveria problema e que daria um retorno.

Não deu. Assim que chegou em Brasília, no dia 22 de março, Marina localizou o cartório – o Marcelo Ribas, no Edifício Venâncio 2000 – em que fora registrado Tomás. Tinha o nome completo do menino, da mãe e a data e horário do nascimento, que a própria Miriam Dutra dera a João Rocha em Barcelona. Tirou a cópia, que é um documento público, pagando por ela 1,90 real.

Por telefone, depois entrevistou Josias de Souza, diretor da sucursal da Folha em Brasília.

“- Na matéria que estamos fazendo, percebemos que há um tabu referente ao assunto do filho do presidente Fernando Henrique com a jornalista Miriam Dutra. Argumenta-se que o assunto é privado, que não tem interesse jornalístico. Me chamou a atenção que você e o Gilberto Dimenstein tenham tratado disso no livro que escreveram sobre a campanha de 1994 (A História Real – Trama de uma Sucessão, editora Ática-Folha de S. Paulo). O assunto tem interesse jornalístico? “

“- Abordei esse assunto em ocasiões em que me pareceu claro o interesse jornalístico. Uma vez foi na própria Folha, na coluna da página 2, durante a campanha eleitoral de 1998. O PDT havia explorado o fato de forma eleitoreira no site do partido. Aquilo me pareceu jogo sujo de campanha. Fiz, então, uma analogia com outros casos, envolvendo inclusive chefes de Estado, como o Mitterrand. Fiz uma comparação com a cultura jornalística brasileira, a meu ver mais evoluída nessa matéria. Nos Estados Unidos, por exemplo, qualquer bobagem sexual relacionada a presidentes e candidatos é supervalorizada pela mídia. Acho que esse tipo de assunto só deve ser abordado quando há relevância jornalística. Como no caso do PDT, que decerto tentou reeditar procedimento sujo utilizado antes por Collor, na disputa contra o Lula. No livro que escrevi com o Gilberto, o assunto veio à tona porque descobrimos que a dona Ruth Cardoso havia se isolado em Nova York pouco antes de Fernando Henrique decidir se seria ou não candidato à presidência. Um dos motivos que fizeram com que ela se isolasse foi o receio de que esse caso fosse explorado durante a campanha eleitoral. Entendemos que não havia por que evitar o assunto. Decidimos dar a ele o tratamento jornalístico que julgamos adequado. “

“- Mas a Folha diz que não trata de assuntos de ordem privada… “

“- Veja, a posição da Folha é que essas questões têm de ser tratadas à luz do interesse jornalístico. Um bom exemplo é o caso do namoro do Bernardo Cabral e da Zélia, dois ministros de Estado, em que um liberava verba para o outro, ou seja é assunto de interesse público. A vida privada de um político tem relevância se de algum modo passar a interferir na sua atividade como homem público. “

“- Mas e a filha do Maluf, as namoradas do Pitta? “

“- Não há uma fórmula. Há uma linha geral, um princípio a ser observado. A publicação depende da análise de caso a caso. A filha do Lula foi transformada em assunto jornalístico pelo Collor. O tema dos supostos relacionamentos extra-conjugais do Pitta vieram à tona graças ao rompante de Nicéa. “

“- No caso da Miriam Dutra, vocês investigaram, falaram com ela? “

“- Falamos com várias pessoas que tinham relação com o fato. Para nós, era relevante checar a veracidade da história. “

“- E vocês conseguiram apurar? “

“- Isso foi apurado, sim.”

Marina só conseguiria falar com Ricardo Noblat, o último da lista, depois da volta a São Paulo. Por telefone.

“- Estamos fazendo uma reportagem sobre as relações da mídia com o presidente Fernando Henrique Cardoso… “

“- Eu soube. É boa reportagem. Me diz uma coisa, a moça confirmou? “

“- Nós falamos com ela e tentamos falar com o presidente. Você assumiu a direção do Correio em fevereiro de 1994? “

“- É, fevereiro de 94. “

“- E nunca ouviu falar de um filho de Fernando Henrique fora do casamento?”

“- Eu ouvi esse assunto por aí. Depois fiquei sabendo que a Veja tinha ido conversar com o presidente e com a jornalista, apurado nas duas pontas, e que ambos negaram. Aí, como não tinha prova, não tinha por que apurar, tanto que a matéria da Veja não foi publicada. Se você tivesse uma outra prova, poderia ser. Em mesa de bar, jornalista comenta… “

“- Você leu o livro publicado no final de 1994 pelos jornalistas Josias de Souza e Gilberto Dimenstein? “

“- Confesso que não. Por quê? Ali conta? “

“- Conta. Na parte em que comenta que dona Ruth se isolou em Nova York, lembra? “

“- Acho que lembro, sim, o Fernando Henrique foi falar com ela. Mas conta mesmo? Não estou me fazendo de bobo, é que eu não sabia mesmo. Você falou com eles? “

“- Falei com o Josias, ele confirma o que escreveu. “

“- Confirma? E por que a Folha não publicou? “

“- Porque considera assunto de vida privada. Você publicaria? “

“- Mas eles falaram da filha do Maluf, das namoradas do Pitta… Aqui em Brasília, um jornal evita muito entrar na vida pessoal, a não ser que vire um fato supercomentado. A gente não publica nem fitas, aqui temos um código de ética muito rigoroso. Mesmo aquelas fitas grampeadas que todo mundo deu, a gente só deu depois de uns dias para explicar para o leitor ‘está ocorrendo uma crise por causa de umas fitas’… e diz o teor; nós nem publicamos aquelas transcrições que todo mundo publicou. Mas a Folha disse o quê? “

“- Nada muito diferente do que você disse, assunto de vida privada. Você acha que o fato de um presidente ter um filho fora do casamento é um assunto jornalístico? “

“- Mas aí você está fazendo uma afirmação que eu não posso comentar. “

“- Não estou fazendo uma afirmação, estou fazendo uma pergunta. “

“- Não, eu não posso responder isso em tese porque sei de que tese você está partindo. Não posso falar de um fato que eu não apurei, não que esteja duvidando de você, mas aí eu não posso. “

“- Está bom, Noblat, muito obrigada. “

“- Obrigado, eu. Boa noite.” “

Marina não conseguira uma entrevista com Ana Tavares, muito menos uma audiência com o presidente. Eis o esperado mas curioso anticlímax da reportagem, narrado por ela:

“No dia 22 de março, já em Brasília, liguei novamente para Ana Tavares e novamente Geraldo Moura me atendeu. ‘Marina, fui eu que falei com você a outra vez. Você queria conversar com a Ana, né? Infelizmente não vai ser possível porque a agenda dela está uma loucura, ela nem tem vindo aqui, porque está preparando uma viagem do presidente’. ‘Mas nem por telefone, dez minutinhos?’ ‘Não, está impossível mesmo. Mas você pode falar comigo, eu também faço parte da assessoria da presidência’.

“Explico então que estamos dando uma matéria que fala das relações do presidente Fernando Henrique com a mídia analisando o episódio do filho dele com a jornalista da Globo, Miriam Dutra, e acrescento que estou cumprindo minha obrigação como jornalista, já que a própria Miriam havia nos dito que procurássemos a pessoa pública dessa história. E explico: ‘É por isso que preferia falar com a Ana Tavares pessoalmente, é um assunto delicado’. Ele responde, efusivo: ‘Não, nem tem problema, essa história surge periodicamente desde 1983…’ Pondero que em 1983 o garoto nem tinha nascido. Ele corrige: ‘Não, 1993, desde que entrei aqui. Nós temos uma orientação sobre isso, mas nesse caso vou falar com o presidente e depois telefono para você’, diz, simpático.

“Uma hora depois ele me liga, o tom de voz completamente mudado. Bastante seco, diz: ‘Nós desconhecemos esse assunto’. Pergunto se essa é a resposta da assessoria ou do presidente. Ele: ‘Não se pode falar com o presidente sobre esses assuntos através da assessoria porque a assessoria só trata de assuntos institucionais da presidência’. Pergunto então com quem devo falar para que minha pergunta chegue ao presidente. A resposta: ‘Cabe a você, como repórter, encontrar uma maneira de falar com o presidente. Até logo’.”

Ilha de Gilberto Miranda: O que impede Adams de rever decisão?

Dr. Rosinha: Retirada do nome do relatório da CPI não absolve Gurgel

Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado

Folha vai à suíte presidencial para sugerir caso de Lula com Rose

Leandro Fortes: Cardozo fica de fora da Operação da PF, constrangendo governo e PT

Kasrils:”O que Israel faz com os palestinos é pior que o apartheid”

Bandeira de Mello: “Não se condenará mais ninguém por pressuposição”

Relatório Leveson propõe órgão independente para monitorar jornais

Promotor italiano que condenou donos da Eternit é por banir amianto aqui

Dr. Rosinha e a CPI do Cachoeira: Policarpo cometeu um crime

No Senado, Collor diz estranhar decisão de omitir indiciados

 Carta Maior denuncia o modo ‘Folha’ de fazer jornalismo: Vergonha!

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR

 

65 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

O três em um do Lula em Guarujá, 25 anos depois « Viomundo - O que você não vê na mídia

04/01/2015 - 13h01

[…] mãe e filho, viveram “exilados” na Europa, uma notícia que só foi dada pela revista Caros Amigos no ano 2000! O filho, revelou muito mais tarde um exame de DNA, afinal não era, mas sempre foi tratado como […]

Responder

Fernanda Cairós

13/03/2013 - 07h43

A revista Caros Amigos mais uma vez,escancara a realidade da vida escondida de FHC, e dos tucanos em geral, que a maioria da população desconhecia.
Ao revelar o filho espúrio de 8 anos, que FHC teve com a jornalista da Globo, a publicação evidencia as relações espúrias da emissora global com os donos do poder.
Quando a imprensa golpista caiu de pau no presidente Lula não houve a apresentação de provas. Rosemary Noronha e Lula estabeleceram apenas uma relação profissional, e isso é só o que houve. Todos nós que admiramos o presidente sabemos que não havia nada entre eles. Se tivesse havido qualquer coisa, nós saberíamos.
Eu acredito no Lula.

Responder

Evaldo Novelini » “A jornalista de FHC”

05/02/2013 - 18h12

[…] abril de 2000, mês em que a publicação completava três anos de […]

Responder

Max Altman: Jornal esconde artigo da Constituição venezuelana « Viomundo – O que você não vê na mídia

10/01/2013 - 10h31

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Paulo Moreira Leite: As marchadeiras do retrocesso « Viomundo – O que você não vê na mídia

11/12/2012 - 12h31

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Conceição Tavares: Economist no palanque de Aécio « Viomundo – O que você não vê na mídia

10/12/2012 - 22h19

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Marco Maia: Câmara pode não cumprir decisão do STF « Viomundo – O que você não vê na mídia

10/12/2012 - 20h27

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Milhares de argentinos vão à Praça de Maio defender a Ley de Medios « Viomundo – O que você não vê na mídia

10/12/2012 - 19h55

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Rafael Correa: Dois pesos, duas medidas da mídia « Viomundo – O que você não vê na mídia

10/12/2012 - 19h42

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

----

10/12/2012 - 11h27

E se FHC tem amante? E se Lula tem amante? Problema das esposas deles… Que besteira ficar explorando isso…

Responder

    Fernanda Cairós

    13/03/2013 - 08h12

    O problema com Rosemary Noronha, e o que a expôs, é que ela misturou o público com o que é feito na forma privada.

Marco Maia: Sobre a cassação de mandatos pelo STF « Viomundo – O que você não vê na mídia

10/12/2012 - 08h47

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Marcos Coimbra: Na política, “vamos precisar de estômago forte” em 2013 « Viomundo – O que você não vê na mídia

08/12/2012 - 11h30

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Amir Khair: Sobre os ataques à Previdência Social « Viomundo – O que você não vê na mídia

07/12/2012 - 01h23

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Roberto Leão: Contra os vendedores de apostilas e testes « Viomundo – O que você não vê na mídia

06/12/2012 - 11h41

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

O embate entre Dilma e os tucanos nas contas de luz « Viomundo – O que você não vê na mídia

06/12/2012 - 09h36

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

7 de dezembro na Argentina: Uma lei para que todos falemos « Viomundo – O que você não vê na mídia

06/12/2012 - 09h13

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

O sindicato e as demissões em massa no Santander « Viomundo – O que você não vê na mídia

06/12/2012 - 09h12

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Rômulo Gondim – ” Danuza queixa-se, PM mata, a medíocre cidadania aqui “

05/12/2012 - 00h20

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Fernanda Giannasi, André Caramante e Sakamoto, parabéns « Viomundo – O que você não vê na mídia

04/12/2012 - 18h53

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Pedro Serrano: Danuza queixa-se, PM mata, a medíocre cidadania aqui « Viomundo – O que você não vê na mídia

04/12/2012 - 17h33

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Heitor Costa: Democratizar as decisões sobre o sistema elétrico « Viomundo – O que você não vê na mídia

04/12/2012 - 15h49

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Rodrigo Vianna e a tese do fatiamento do PT « Viomundo – O que você não vê na mídia

04/12/2012 - 11h37

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Maurício Caleiro: Não importa o que a mídia apronte, o PT não reagirá « Viomundo – O que você não vê na mídia

04/12/2012 - 11h20

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Eduardo

04/12/2012 - 01h51

O que os filhos e a vida pessoal de FHC tem haver com a corrupção e a suruba de dinheiro público que Lula e sua quadrilha implantaram em Brasília?

Responder

    Genghis Khan

    04/12/2012 - 11h16

    Ô Eduardinho, dê uma lida no post do Messias França de Macedo. Mas antes não esqueça de tomar o seu lexotan. Você vive em que mundo, meu filho?? Acorda??? Pode até ser que você faça parte dessa elite de que fala o Peréio. Mas, neste caso, vá postar no blog do tio rei ou do noblat. Lá você se sentirá em casa e ninguém vai confrontar suas idéias (ou a falta delas).

    Jose carlos

    04/12/2012 - 15h32

    E a SURUBA da PRIVATARIA TUCANA !! FARISEUS HIPÓCRITAS !!!!

    Mário SF Alves

    14/05/2015 - 19h39

    Dinheiro público, sim. Ou seja, 30% sonegado + 20% para pagamento da imoral e jamais inauditada dívida pública interna + 1% de corrupção (corrupção essa nunca antes t]ao combatida na história deste país).

    Quer saber, prefiro mil vezes o Lula e a presidenta Dilma tomando conta do cofre a um segundo nas mãos de políticos de direita. Mil vezes, entendeu.

Nem parece que o Fux foi indicado por governo petista « Viomundo – O que você não vê na mídia

03/12/2012 - 16h27

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Marcos Coimbra: É preciso salvar a oposição; presente difícil, futuro incerto « Viomundo – O que você não vê na mídia

02/12/2012 - 22h35

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Ildo Sauer: Brasil do pré-sal corre risco de se tornar um México da época do PRI « Viomundo – O que você não vê na mídia

02/12/2012 - 22h16

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Kotscho: Está na hora de Lula e o PT darem explicações à sociedade « Viomundo – O que você não vê na mídia

02/12/2012 - 21h59

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Em campanha pelo STF, Luiz Fux buscou apoio de Zé Dirceu, Maluf, Stedile… « Viomundo – O que você não vê na mídia

02/12/2012 - 21h31

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Paulo Teixeira esclarece suspeitas levantadas por e-mail de Rosemary « Viomundo – O que você não vê na mídia

02/12/2012 - 21h30

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Messias Franca de Macedo

02/12/2012 - 19h11

PÉROLAS DE PAULO CÉSAR PEREIO SOBRE FHC NO TWITTER:
Postado por interlocutor
dom, 02/12/2012 – 17:49
em http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-mal-encarnado-por-barbara-gancia

Respeito até o mentiroso, o debilóide, um cretino com ideia fixa (tipo Serra). Mas não aceito cinismo. Nunca fui cínico e o FHC é um – Um sujeito que faz carreira como sociólogo de esquerda, respeitado e incensado, chega ao poder e pede “esqueçam o que eu escrevi”, presta? – Só a elite paulistana, decadente, ridícula, quatrocentona de merda, pra achar que um presidente que quebrou o país vale alguma coisa, porra! – E o avião presidencial, levando o Paulo Henrique Cardoso, mulher e filhas para passear em Punta del Este? Já se esqueceram dessa esbórnia? – Centenas de conversas telefônicas entre Eduardo Jorge, braço-direito de FHC, e o juiz Lalau, aquele corruptaço. Eram – Foi, também, no gov. FHC que um grampo mostrou conversas entre ele, André Lara Resende, Mendonção, direcionando a privatização da telefonia – No governo do FHC um grampo pegou o embaixador Júlio César Santos, seu homem de confiança, se corrompendo. Foi na CPI do Sivam e caiu – Governo FHC: a mulher, o filho, a filha e o genro. E quem confunde o público com o privado é o Lula, sem um parente no governo. Que cínico! – Luciana Cardoso, a mulher mais mal-educada da República, foi secretaria de qual presidente? Do Lula? Não! Do paizão FHC.E o Lula é o aético? – FHC diz que Lula confunde o público com privado.Paulo Henrique Cardoso, que torrou + de US$ 20 milhões na Feira de Hannover é filho de Lula?- FHC, aquele senhor simpático que protagonizou três quebradeiras do Brasil, criticando o PIB da Dilma. Tá faltando espelho para o Narciso – David Zulberstajn, um esperto que foi presidente-dono da Agência Nacional do Petróleo no governo de FHC, era genro do Lula? Não! Era de FHC!-Recordar é viver: quem revelou as contas escandalosas da Comunidade Solidária, brinquedo da falecida Ruth, foi o tucano Álvaro Dias, porra! – FHC, volta para o seu mausoléu de luxo…

Responder

Magda Mª Magalhães

02/12/2012 - 18h08

Atualizando a reportagem: FHC depois de 20 anos e morte da Da. Ruth registrou o suposto filho. Os filhos de Da. Ruth exigiram o dna e não é que Tomás, ficou comprovado, não era filho carnal de FHC? Globo e FHC: tudo a ver, sustentaram a jornalista por anos, ambos enganados. Mais ou menos, se não houvesse relação não haveria reconhecimento. O ex-presidente sustentou o reconhecimento uma vez que existe uma ligação afetiva.
Quanto à questão política: até quando o PT vai continuar republicano e alimentar a cobra que vai picá-lo?

Responder

Francisco Antonio da Silva

02/12/2012 - 11h36

A imprensa brasileira, sem tirar nem por, todos são piores que a maioria dos políticos.Infelizmente, nosso dia a dia mostra isso.

Responder

Mário Pinheiro

02/12/2012 - 05h43

Tal assunto vale uma página?

Responder

Helder

02/12/2012 - 04h00

Imagine quantos escândalos e coisas cabeludas a ‘grande’ imprensa não abafou no (des)governo FHHC, logo ele que posa de ético e metido a dar conselhos, HEIN?

Responder

Geysa Guimarães

01/12/2012 - 23h57

Estou vendo um monte de comentários dando como fato um caso entre Lula e a funcionária, isso foi comprovado? Tem áudio, vídeo ou qualquer prova considerada irrefutável?
Se houver, por favor me indiquem a reportagem, quero conferir.
Tô saturada dessa tal teoria do “Domínio do Fato” – ou fofoquê.

Responder

Willian

01/12/2012 - 19h23

Opção interessante de Viomundo: para demonstrar o erro da Folha em noticiar a amante de Lula, republicam uma reportagem de Caros Amigos noticiando uma amante de FHC.

Quem está errado afinal: Folha ou Caros Amigos?

Responder

    Helder

    02/12/2012 - 03h55

    Parte da imprensa que trata um político de forma diferente do outro.

    Cadê a isenção tão propagada? Só vale pra determinado político ou partido?

    Imagine se o Lula liga pra dono de jornal e pede:

    ‘Olha, Mino, está correndo uma história cabeluda, que enxovalha a mim e a minha família, por favor, se isso chegar aí, não dá nada, não publica não’.

    O mundo cai…

    Romilda Raeder

    02/12/2012 - 21h53

    DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS, caro Willian, é só esse o problema… E a mídia ainda quer que acreditemos que ela é imparcial. Se ela é imparcial, eu sou marciana…

    Willian

    03/12/2012 - 14h38

    Vamos pensar juntos: Caros Amigos achava certo que se publicasse uma matéria sobre o filho de FHC. Vocês concordam com o posicionamento da revista?

    Se concordam, por que agora não concordam com a matéria sobre o caso Rose/Lula?

    Só respondedendo antecipadamente, eu concordo com ambos.

Edson Silva

01/12/2012 - 17h32

Eles sabiam que o corno do fhc estava criando o filho do Ricardão.

Responder

Paulo Ribeiro

01/12/2012 - 17h24

E por que não vemos uma linha sobre o caso que José Serra mantém com a Soninha, maconheira declarada e assumida? Serra é casado, ao que se saiba e Soninha já esteve envolvida em casos de nepotismo.

Responder

    Willian

    01/12/2012 - 18h51

    Cansei de ver comentários aqui em Viomundo sobre Serra / Soninha. Levanta a mão quem sabia que deste caso do Lula com Rose antes do escândalo?

    Pô, você não Azenha, não vale.

Folha vai à suíte presidencial para sugerir caso de Lula com Rose « Viomundo – O que você não vê na mídia

01/12/2012 - 15h30

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Dr. Rosinha: Retirada do nome do relatório da CPI não absolve Gurgel « Viomundo – O que você não vê na mídia

01/12/2012 - 15h25

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado « Viomundo – O que você não vê na mídia

01/12/2012 - 15h01

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Ilha de Gilberto Miranda: O que impede Adams de rever decisão? « Viomundo – O que você não vê na mídia

01/12/2012 - 14h58

[…] Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” […]

Responder

Thomaz

01/12/2012 - 14h56

A matéria mostra que a imprensa sabia e publicou. E daí que FHC teve uma caso? Justificaria o do Lula? Lhe tiraria o interesse? É o de sempre, quando um petista comete um deslise, procuram outro similar nos inimigos. Para encher linguiça e não responder sobre o fato novo. Quem não conhece que compre a petezada.

Responder

    Marcelo

    01/12/2012 - 21h37

    A imprensa escondeu. Pergunte a qualquer pessoa se alguém sabe algo sobre isso. Isso é uma notícia da Caros Amigos, que quase ninguém lê. NO PIG não há uma linha sequer sobre o assunto. A tucanada é protegida da mídia sim, só um cego ou cínico é que não vê.

    Helder

    02/12/2012 - 03h57

    A ‘grande’ imprensa não publicou nada, não se faça de anta! rs

Urbano

01/12/2012 - 14h27

E a jornalista só dizendo: aah, coitchado!

Responder

Willian

01/12/2012 - 14h24

A mídia também desconheceu o caso Lula / Rose. Eles têm envolvimento desde 1993 e só agora, em 2012, em razão de um escândalo de corrupção o caso veio a tona e, mesmo assim, porque o excessivo poder de Rose só se explica pela relacionamento entre os dois. Este caso não foi divulgado antes, embora sabido pelos adversários e pela imprensa.

Caros Amigos revelou o caso FHC / Míriam Dutra. Estavam errados? Sim ou não?

E agora, a imprensa revelou o caso Lula / Rose. Estão errados? Sim ou não?

Qual o certo e o errado nesta história? Se a imprensa está errada agora,
Caros Amigos estava errada antes. Ou não? Se não, porque contra FHC era certo e agora contra Lula é errado?

As vezes faço perguntas demais e fico sem respostas.

Responder

    Maria Libia

    02/12/2012 - 12h00

    O errado é o FERNANDO HENRIQUE CARDOSO, que sustentou esse menino mais de dezoito anos e agora veio a saber que o tal não era filho dele. Agora aquele filho que ele teve com uma faxineira do Congresso, hoje está como garçom, servindo os parlamentares. enquanto o ex-filho está em Harwad. Tratamento diferente por que um é branco, outro mais moreninho?

    Fernanda Cairós

    13/03/2013 - 07h46

    Bem fez o Lula, que nunca se relacionou com ninguém além de sua esposa. O caso Rosemary é uma invenção da imprensa golpista.

    Romilda Raeder

    02/12/2012 - 22h01

    Admitindo que tenha havido mesmo o caso Lula/Rose, vamos ver sob este ângulo: existe uma BAITA diferença entre PRESSIONAR para ser abafado pela mídia e ser ignorado por essa mesma mídia sabe-se lá por que…

José X.

01/12/2012 - 14h05

A mídia brasileira é anti-PT, assim como a mídia venezuelana é anti-Chávez, a mídia argentina é anti-Cristina, a mídia equatoriana é anti-Correa, etc, não há nenhuma surpresa nisso.

A questão principal é: quando é que o PT vai criar “culhões” e enfrentar a mídia, como o fazem Chávez, Cristina e Rafael Correa ? Porque o golpe midiático-judiciário JÁ está em andamento…

Responder

    Mª Salete da Silva

    03/12/2012 - 13h44

    DE pleno acordo José! Supostamente para mim, no primeiro mandato do LULA ele já deveria ter posto os pingos nos is! Infelizmente, essa coisa infernal de base aliada, é um embrógilo tal que na verdade o sujeito se elege e fica comendo ração nas mãos daqueles que lhe ajudaram a vencer. Que lástima!! o LULA teve com a faca e o queijo nas mãos, mas… provavelmente se ele fosse intrépido, já teria sido sepultado. Não o inocento de muitos erros, mas essa DIREITA BRASILEIRA é quase inexpugnável!
    Que a Dilma prossiga vencendo!!

    Fernanda Cairós

    13/03/2013 - 07h47

    A mídia venezuelana – a que restou – é chavista, mas por convicção que “El Comandante Chávez” é reencarnação de Simón Bolivar.

Deixe uma resposta