VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado


01/12/2012 - 13h06

Constatação de Mino Carta:  Miro Teixeira, o verdadeiro relator da CPI do Cachoeira. Foto: Agência Brasil

A traição do PT

por Mino Carta, em CartaCapital

Dizia um velho e caro amigo que a corrupção é igual à graxa das engrenagens: nas doses medidas põe o engenho a funcionar, quando é demais o emperra de vez. Falava com algum cinismo e muita ironia. Está claro que a corrupção é inaceitável in limine, mas, em matéria, no Brasil passamos da conta.

Permito-me outra comparação. A corrupção à brasileira é como o solo de Roma: basta cavar um pouco e descobrimos ruínas. No caso de Roma, antigos, gloriosos testemunhos de uma grande civilização. Infelizmente, o terreno da política nativa esconde outro gênero de ruínas, mostra as entranhas de uma forma de patrimonialismo elevado à enésima potência.

A deliberada confusão entre público e privado vem de longe na terra da casa-grande e da senzala e é doloroso verificar que, se o País cresce, o equívoco fatal se acentua. A corrupção cresce com ele. Mais doloroso ainda é que as provas da contaminação até os escalões inferiores da administração governamental confirmem o triste destino do PT. No poder, porta-se como os demais, nos quais a mazela é implacável tradição.

Assisti ao nascimento do Partido dos Trabalhadores ainda à sombra da ditadura. Vinha de uma ideia de Luiz Inácio da Silva, dito Lula, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo até ser alvejado por uma chamada lei de segurança nacional. A segurança da casa-grande, obviamente.

Era o PT uma agremiação de nítida ideo­logia esquerdista. O tempo sugeriu retoques à plataforma inicial e a perspectiva do poder, enfim ao alcance, propôs cautelas e resguardos plausíveis. Mantinha-se, porém, a lisura dos comportamentos, a limpidez das ações. E isso tudo configurava um partido autêntico, ao contrário dos nossos habituais clubes recreativos.

O PT atual perdeu a linha, no sentido mais amplo. Demoliu seu passado honrado. Abandonou-se ao vírus da corrupção, agora a corroê-lo como se dá, desde sempre com absoluta naturalidade, com aqueles que partidos nunca foram. Seu maior líder, ao se tornar simplesmente Lula, fez um bom governo, e com justiça ganhou a condição de presidente mais popular da história do Brasil. Dilma segue-lhe os passos, com personalidade e firmeza. CartaCapital apoia a presidenta, bem como apoiou Lula. Entende, no entanto, que uma intervenção profunda e enérgica se faça necessária PT adentro.

Tempo perdido deitar esperança em relação a alguma mudança positiva em relação ao principal aliado da base governista, o PMDB de Michel Temer e José Sarney. E mesmo ao PDT de Miro Teixeira, o homem da Globo, a qual sempre há de ter um representante no governo, ou nas cercanias. Quanto ao PT, seria preciso recuperar a fé e os ideais perdidos.

Cabe dizer aqui que nunca me filiei ao PT como, de resto, a partido algum. Outro excelente amigo me define como anarcossocialista. De minha parte, considero-me combatente da igualdade, influenciado pelas lições de Antonio Gramsci, donde “meu ceticismo na inteligência e meu otimismo na ação”. Na minha visão, um partido de esquerda adequado ao presente, nosso e do mundo, seria de infinda serventia para este País, e não ouso afirmar social-democrático para que não pensem tucano.

O PT não é o que prometia ser. Foi envolvido antes por oportunistas audaciosos, depois por incompetentes covardes. Neste exato instante a exibição de velhacaria proporcionada pelo relator da CPI do Cachoeira, o deputado petista Odair Cunha, é algo magistral no seu gênero. Leiam nesta edição como se deu que ele entregasse a alma ao demônio da pusilanimidade. Ou ele não acredita mesmo no que faz, ou deveria fazer?

Há heróis indiscutíveis na trajetória da esquerda brasileira, poucos, a bem da sacrossanta verdade factual. No mais, há inúmeros fanfarrões exibicionistas, arrivistas hipócritas e radical-chiques enfatuados. Nem todos pareceram assim de saída, alguns enganaram crédulos e nem tanto.

Na hora azada, mostraram a que vieram. E se prestaram a figurar no deprimente espetáculo que o PT proporciona hoje, igualado aos herdeiros traidores do partido do doutor Ulysses, ou do partido do engenheiro Leonel Brizola, ­obrigados, certamente, a não descansar em paz.

Seria preciso pôr ordem nesta orgia, como recomendaria o Marquês de Sade, sem descurar do fato que algo de sadomasoquista vibra no espetáculo. Não basta mandar para casa este ou aquele funcionário subalterno. Outros hão de ser o rigor, a determinação, a severidade. Para deixar, inclusive, de oferecer de graça munição tão preciosa aos predadores da casa-grande.

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


183 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Cleusa de Oliveira

22 de outubro de 2014 às 16h31

O PT governa para todos, todos ganham, mas os ricos querem mais, querem continuar mamando, como fazem nos governos do PSDB.

Responder

marco

26 de dezembro de 2012 às 23h19

Sr.Mino Carta.O sr. já não ~´e mais adolescente pra ter sonhos tão luminosos.O PT nunca foi e nem poderias ser o que o sr. idealiza.Não passa de um partido pequeno-burgues cujas propostas não vão além do moralismo religioso cristão.Não espere mais do que isto.O máximo que um pequeno-burgues consegue,é diminuir sua compulsão por sentir medo.Vai até ai.Após,passa a argumentar reformas,não vai alem disso!

Responder

    Prof. José Carlos

    27 de dezembro de 2012 às 10h17

    Explica isso, meu filho.

anac

22 de dezembro de 2012 às 18h11

Dilma pensa que pode servir a dois senhores.
Não pode. Ou serve ao povo ou serve a elite.
Até agora, o governo petista, não obstante a bolsa miseria concedida ao pobre para não morrer de fome, serviu muito mais aos agiotas e rentistas. Nunca os rentistas e empresários ganharam tanto. Ganhos dignos de um governo neoliberal a la PSDB.
Mesmo assim com tantas vantagens financeiras, a casagrande através de seus representantes tentou o golpe contra o governo petista subserviente aos seus interesses.
Se as coisas são para permanecer como sempre foram mudar para não mudar (a La o Leopardo de Lampedusa) , para que intermediários oriundos da senzala se eles podem mandar diretamente, não é mesmo? Se eles podem fazer melhor por eles mesmos (e é isso que no final interessa) para que Dilma e Lula?

Responder

Carlos Lima

22 de dezembro de 2012 às 01h25

É obviu que nenhum partido governa sozinho, más um partido se fiscaliza sozinho, passados os anos LULA do aprendizado, o PT, já sabe quem é e quem não é, dentro do PT e da base aliada. É possível saber quem é numa linguagem comum traíra e quem não é, quem é corrupto e quem não é, e o principal, quem não está no grupo de traíras e corruptos, más que só se pode contar de vez em quanto. O PT precisa de uma fachina. As vezes crítico até a presidenta, confesso, as vezes sem razão de ser, a letargia do PT me faz demasiadamente desconfiado, e o mêdo do PT, me causa Mêdo mesmo. Dilma pedoe-me por eu não perdoar a sua carta ao FHC. Porém nós da militancia e base estamos perdendo para os oportunistas. tem senador e deputado que não tem a mínima codição de ser do PT. temgente da base que não é base nem aqui e nem em nenhum lugar. Não vou citar nomes pois estratergias é só para que dirige, dirigidos só são sapos, só opinam. Más um pouquinho de coragem e respeito não faz mau a nenhum partido. PT saudações.

Responder

Rodrigo

19 de dezembro de 2012 às 10h44

Ficam justificando cinicamente o governo e o lulismo, falando sobre a bolha de consumo (bolha porque está em grande parte ancorada em dívidas a juros estratosféricos) criada com a divisão do Brasil em classes: usurários, donos de frigorífico acima, endividados embaixo.
Sim, as pessoas estão usufruindo muito mais de produtos e serviços que antes era impensável.
E em quê nos firmamos? Em poucas commoditties que estão cada vez mais expostas à especulação de poucos conglomerados que controlam o sistema financeiro, além de ter o longo prazo comprometido porque países que sustentam a compra dela investem para não serem mais dependentes, em termos de produção e insumos.
A Reforma Agrária, bandeira histórica, hoje é escarnecida até pela D.S. que controla a pasta.
O governo trabalha em cima de índices ligados ao consumo… mas saneamento e acesso a saúde derrubam.
O cumprimento de metas de todos os programas é pífio, devido à desproporção de quadros técnicos ante os eminentemente “políticos” na estrutura do estado.

E mesmo assim, usam a pecha do “realismo” para eufemizar o puro cinismo, ante os esquemas de corrupção que faz parte ou encobre…

Triste

Responder

Thomas Nok

15 de dezembro de 2012 às 23h49

“Pai dos pobres”…
Como dinheiro que ele roubou dos aposentados é fácil. E a sucessora ainda rouba. Disse que não quer o fim do Fator Previdenciário e neste ano deu aumento menor que a inflação a quem ganha mais de um mínimo.
Mas eu tenho duas perguntas a fazer para o Lula e gostaria que este blogueiro, como defensor dele, fizesse:
Primeiro quero esclarecer que o desprezo que sinto por Lula, Dilma, Marco Maia, e o PT de um modo geral, é o mesmo que sinto por FHC.
Gostaria de saber se o blogueiro já leu os livros HISTÓRIAS SOBRE CORRUPÇÃO E GANÂNCIA (o qual não se acha mais nos sites das livrarias), do CORAJOSO Jornalista Wilson J. Gasino ?
E o livro Privataria Tucana que tanto a imprensa anti-PIG recomenda ?
O primeiro é uma descrição completa de como o Banestado foi arruinado pela gangue do ex-governador que o venDEU ao Itaú, conforme investigações feitas pela PF, MP e outros órgãos e que geraram a CPI do Banestado.
No total, considerando-se todas as falcatruas paralelas, foram desviados 19 BILHÕES.
O governo da época emprestou do governo Federal 5,6 bilhões para “sanear’ o Banestado e o venDEU para o Itaú por 1,568 bilhões. Prejuízo para o povo do Paraná de 4 bilhões e caquerada…
Este empréstimo gerou uma prestação mensal de 52 milhões, corrigidas, que será paga até 2029. Isto foi mais ou menos em 1998.
Com esta prestação, daria para construir umas 4 mil casas populares e uns 5 hospitais, conforme custos da época.
Já o livro Provataria Tucana muitos conhecem…
Fiz esta descrição porque em ambos os casos o ‘santo e puro’ Lula é citado.
Veja bem, os dois jornalistas não têm nenhuma opção política e não torcem como torcedor de time.
Wilson Gasino mostra que a CPI estava investigando a lavagem de dinheiro (contas CC5) nos EUA com o delegado Castilho e o perito Renato Barbosa, ambos da PF.
Segundo o autor (com base em docs da CPI) os dois trabalharam com afinco e foram fundamentais para desvendar a lavagem de dinheiro – houve coperação internacional com quebra de sigilos das contas nos EUA.
Escrevo extamente como está escrito no livro: Como “prêmio”, o governo federal, já na gestão do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cortou as diárias dos dois em Nova Iorque, retirando-os das investigações e colocou-os na geladeira.
No outro caso, o autor do livro Privataria Tucana, deu uma entrevista quando veio lançar seu livro em Curitiba, em que conta da guerra interna do PT por cargos antes mesmo da Dilma ganhar as eleições.
Mas o mais grave é quando ele fala que a CPI do Banestado (a mesma que o Gasino escreveu o livro) só foi parada após chegar perto de PETISTAS, quando então foi feito um acordão.
Vejam a entrevista no link abaixo
http://www.gazetadopovo.com.br/vidapublica/conteudo.phtml?id=1214839

PRIVATIZAÇÕES DE FHC
“A sociedade quer a abertura desta CPI”
Amaury Ribeiro Jr., jornalista.

Então a pergunta ao Lula:
Por que a CPI do Banestado, que teve como relator o deputado José Mentor, petista, foi abortada por estes dois atos governistas ?
A CPI do Banestado é a mais importante CPI já feita nesta País. Nela aparecem vários políticos de vários partidos.
Foram 19 BILHÕES, muito mais que mensalão, pasta rosa, Rose ou corrupção da Copa 2014.
Fui petista. Fui enganado por estes como fui por Lerner, Cássio, FHC e outros.
Por que o PT acabou com a CPI do Banestado ?
Aconselho a quem quiser saber o que foi este roubo, que envie cartas ou ligue à Feller Editoração e peça o livro. Ele é demais. E assim vocês conhecerão o grande esquema montado por políticos, principalmente Lerner, para destruir um banco e endividar um povo.
(41) 9914-1848 ou http://www.fellereditora.com.br.
Estes dados são de 2006, quando o livro foi lançado.
Mas não sei não, acho que os corruptos citados no livro (com base no relatório das investigações da CPI) compraram todas as publicações e edições.
Vale a pena. Você verá que não vale a pena acreditar em políticos quer se fazem passar por honestos ou que não sabem de nada.
Se o Lula me esclarecer os casos levantados por Amaury Ribeiro JR e por Wilson J Gasino, eu volto a acreditar nele.
Caso contrário, ele e o M Valério são iguais, mentirosos.

Responder

    Pitagoras

    18 de dezembro de 2012 às 12h20

    ok, ok. Mas dá para vosmicê explicar porque, numa terra em que se rouba às bandeiras despregadas desde Cabral, não para comprar congressistas, mas para enriquecimento pessoal, o vetusto STF ( o mesmo que sancionou o sequestro das poupanças das velhinhas e outras infâmias tais) jamais condenou um político sequer, não obstante as décadas em que tramitaram processos por lá, e não são poucos.
    Rápido, implacável, rigoroso só contra o PT ou à favor das oligarquias, da qual todos saíram ou às quais aspiram.
    Insisto. Judiciário, o mais podre dos poderes podres.

Pitagoras

15 de dezembro de 2012 às 02h00

Com todo o respeito e admiração que nutro por Mino Carta, indago. Como é que o PT teria feito o governo que fez sem ter se aliado ao que tem de pior no país. O fato é que essa gentalha com quem se aliou é que mantém o curral eleitoral em todos os quadrantes desse Brasil. Visite qualquer município Brasil afora e verás que os poderes são promíscuos, corruptos, incompetentes gravitando em torno do coronel de plantão ou de alguém de sua dinastia.
Não se pode esquecer que o povo brasileiro não é o cubano nem o venezuelano. Tivessem honrado sua tradição de esquerda e rejeitado o conchavo com a podridão política centenária seriam apeados do poder, não com um golpe judiciário, mas de baionetas. O povão não sairia às ruas para apoiar o presidente e a classe “mérdia” continua a mesma de 64.

Responder

H. Back™

14 de dezembro de 2012 às 16h19

Também sinto que os trabalhadores ficaram órfãos, pois o partido que era para representá-los no Congresso Nacional, é só um arremedo do PT e está ficando cada vez mais parecido com o antigo MDB. Lembro que naquela época o mesmo fazia de conta que era oposição, só para manter o seu “status quo”.

Responder

Marco Maia: Câmara pode não cumprir decisão do STF « Viomundo – O que você não vê na mídia

10 de dezembro de 2012 às 22h54

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

Milhares de argentinos vão à Praça de Maio defender a Ley de Medios « Viomundo – O que você não vê na mídia

10 de dezembro de 2012 às 19h56

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

Rafael Correa: Dois pesos, duas medidas da mídia « Viomundo – O que você não vê na mídia

10 de dezembro de 2012 às 19h44

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne « Viomundo – O que você não vê na mídia

10 de dezembro de 2012 às 08h48

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

Marcos Coimbra: “Vamos precisar de estômago forte” em 2013 « Viomundo – O que você não vê na mídia

09 de dezembro de 2012 às 15h58

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

Fernando Amaral

07 de dezembro de 2012 às 20h46

A revolução social do governo PT é indiscutível. Qualquer dúvida é ver os indicadores do IBGE. Imaginem como estaríamos com a continuidade tucana. O PT falha na questão moral: o lema “não rouba nem deixa roubar” já era há muito tempo.

Responder

    luiz pinheiro

    21 de dezembro de 2012 às 16h54

    Fernando, acho que o PT deve ser julgado comparando o Brasil de 2002 com o Brasil de 2012. Qualquer comparação isenta mostra que promessas foram cumptridas, e o que resta demolido é o artigo do Mino Carta.

    Prof. José Carlos

    27 de dezembro de 2012 às 10h21

    Herança maldita foi a que Lula deixou para Dilma: resultado de uma política de exploração da máquina pública em benefício de um projeto pessoal de poder resultou na ruína da economia brasileira. Quem viver, verá.

Alves

07 de dezembro de 2012 às 00h04

O que mais chama a atenção é o fato do debate se dar em torno do PT e suas mazelas (e que não são poucas), seus desníveis entre teoria x prática etc.
Não consigo imaginar esse nível de debate e de ardor pró e contra com relação aos demais partidos: PSDB, DEM, PP, PSB, PDT, PV, PMDB, PR etc.
Isso só se dá porque, ainda, e a depender do ponto de vista, o PT é o único a carregar a esperança ou como o único a realmente ter o poder de desafiar a casa grande.

Responder

    PedroAurelioZabaleta

    09 de dezembro de 2012 às 17h19

    Caro Mino,
    Creio que tiveste um surto agudo de crença na “opinião publicada”.
    Este texto é uma autentica, e simplista, declaração de “complexo de vira-lata”, a trombetear que no Brasil, nada, nem ninguém, presta.
    Todos temos dias ruins, tu também.
    A diferença é que um dia ruim teu, coloca um texto ruim na cabeça de um número enorme de simpatizantes do pensamento de esquerda, no Brasil.
    Paciência. Tudo bem, afinal tens crédito mais do que suficiente para bancar este deslize.
    Te desejo pronto restabelecimento.
    Abraço

    Pitagoras

    18 de dezembro de 2012 às 12h22

    Bem dito!

O embate entre Dilma e os tucanos nas contas de luz « Viomundo – O que você não vê na mídia

06 de dezembro de 2012 às 10h01

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

Guilherme Scalzilli

05 de dezembro de 2012 às 13h10

Catarata

Quando levantei suspeitas acerca da recém-criada CPI do Cachoeira, algumas críticas me acusaram de fazer o jogo da imprensa corporativa, tentando gorar antecipadamente os trabalhos. Ao longo dos seis conturbados meses que eles tomaram, de fato houve momentos alvissareiros, recebidos com desmedida euforia por setores da blogosfera. Agora que é possível fazer um balanço dos resultados, porém, lamento a confirmação das minhas expectativas.

O fracasso parecia inevitável desde que a Delta ganhou destaque na CPI. A idéia de que o relatório pudesse partir das vastas conexões políticas da empresa para envolver ao mesmo tempo a revista de maior circulação no país e o Procurador-Geral da República, sem que as audiências lhes dedicassem um mínimo rigor investigativo, ultrapassava qualquer juízo sensato. A tentativa inicial do relator Odair Cunha de citá-los só pode ser entendida, portanto, como esforço para salvaguardar sua reputação junto à militância mais crédula.

O episódio evidencia a inabilidade estratégica do PT na condução da base parlamentar federal. Buscando criar um legítimo e necessário contraponto à tendenciosa cobertura midiática do julgamento no STF, o partido investiu esforços na pior alternativa possível. Atraiu inimigos fortes e numerosos demais, misturou polêmicas de abrangência descabida, forneceu pretextos para a desmoralização seletiva do noticiário e criou uma esperança irreal na platéia progressista. Com o devido respeito, parece até de propósito.

É curioso perceber que o equívoco praticamente sepultou as chances de uma CPI sobre as privatizações dos governos FHC. Esta constrangeria o Ministério Público a debruçar-se sobre um tema explosivo, que no futuro colocaria à prova o espírito saneador do STF. Mesmo que a decepção fosse previsível (ninguém imagina que Roberto Gurgel pediria a prisão de Verônica Serra ou que Joaquim Barbosa condenaria um ministro de FHC baseado no “domínio do fato”), os tiroteios resultantes ajudariam a divulgar as estranhas coincidências registradas no livro “A Privataria Tucana”.

A questão de combater os abusos do poder midiático passa por caminho diverso. A tão sonhada “murdochização” da imprensa antidemocrática exige que a esquerda parlamentar assuma essa bandeira com a necessária coragem, propondo CPI específica, mobilizando grupos de trabalho, utilizando seus laços com o Judiciário e pressionando governos a suspenderem a publicidade estatal em certos veículos. Se não há condições políticas para tanto, cabe à intelectualidade progressista redimensionar suas esperanças, adotando propostas menos irrealizáveis e frustrantes.

http://www.guilhermescalzilli.blogspot.com.br/

Responder

Pedro Serrano: Danuza queixa-se, PM mata, a medíocre cidadania aqui « Viomundo – O que você não vê na mídia

04 de dezembro de 2012 às 17h37

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

Rodrigo Vianna e a tese do fatiamento do PT « Viomundo – O que você não vê na mídia

04 de dezembro de 2012 às 15h46

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

luiz pinheiro

04 de dezembro de 2012 às 11h48

O Mino acusa pesado e sem razão. Chamar o relator Odair de “velhaco” é leviana baixaria. Quem assistiu as sessões da CPI viu muito bem que o Odair e demais petistas foram pelo indiciamento do Policarpo e do Gurgel, enquanto todos os outros partidos foram contra. Muitos deputados estão lá fazendo de tudo para impedir a votação do relatório final, para que a CPI acabe em pizza, o Marconi Perilo saia ileso, e a quadrilha do Cachoeira siga saqueando o estado Goiás. Espero não ser isso que o Mino deseja. O Odair teve que ceder, porque senão as sessões seguintes seriam grossseira gritaria e o relatório não seria votado. Parabéns ao Odair, pêsames ao Mino Carta..Aliás.vá rios dos deputados que estão tentando melar a CPI e inviabilizar a aprovação do relatório são ligados ao Aécio Neves, que recentemente brilhou na capa da Carta Capital.

Responder

leprechaun

04 de dezembro de 2012 às 08h00

quem conhece o PT mais de perto, das administrações municipais já via essa degeneração de longe, corrupção retumbante, cabides de emprego e cargos comissionados totalmente incompetentes, serviços ineficientes, situação do servidor pior ou igual às adm. do PSDB e afins, em termos municipais, não sei o que muda com relação ao resto. Mas….o ‘ideal’ do lulismo sempre foi alçar as massas a um patamar maior de consumo, sem medir consequencias e esforços e nisso o governo PT foi realizador, claro, tudo em consonância com reprodução ampliada do capital e não pela vontade política, heroica, abnegada de alguns poucos.

Responder

    Julio Silveira

    06 de dezembro de 2012 às 09h22

    Antes, aqui na região que resido, sempre creditei as informações dos desvios a articulação midiatica oposicionista somente. Mas hoje verifico que existem muitas verdades, nessa oposição midiatica, que realmente dão base para tal. E mesmo sabendo que são tendenciosos, que protegem os seus, muitas vezes corruptos em escala muito superior, isso não exclui automaticamente os erros de alguns outrora idealistas, hoje falaciosos enganadores. Cuidar para não defender o indefensavel e cobrir rombos com tapete, deveria pautar os sobreviventes que ainda navegam dentro desse navio.

Thomas Nok

03 de dezembro de 2012 às 16h07

Isto sim é atitude de um jornalista. Nada de partidarismo, só a verdade.
Aprendi a gostar mais do Mino após suas aparições na TVEPR.
O PT, Lula e Dilma poderiam aprender com os melhores governantes do mundo, Hugo Chaves (o precursor que enfrentou a mídia golpista – lá é golpista mesmo), Cristina Kirchner ou mesmo Fidel. Lá se enfrenta a imprensa mas sem culpa no cartório.

Responder

Coelho

03 de dezembro de 2012 às 15h44

Eu não duvido de nada que foi levantado. Primeiramente porque não sou um torcedor de partido ou candidato. Sou um cidadão que paga impostos e cumpre seus deveres. Não furo filas, não mudo preços, não roubo, não traio. Sou fiel a minha mulher e filhos, ao meu trabalho e principalmente a Jesus. Sou católico e cumpro diariamente os Dez Mandamentos.
Mas sempre fui uma pessoa questionadora em tudo. Não aceito a primeira versão que me apresentam. Analiso a importância e relevância para minha vida e vou procurar me informar. Não quero saber de vida de artistas e esportistas, mas dos políticos eu quero. São eles que fazem as leis e que deveriam cumpri-las. São eles que executam obras e deveriam zelar pela qualidade e custo.
Sendo assim, e descontente com governos passados, decidi pelo PT. Votei, defendi e me filei ao partidão. Pura enganação.
Lula e o PT, agora também a Dilma, não cumpriram com as promessas. Ele pior ainda, pois, batia em bancos, empreiteiros, latifundiários, milionários (grandes fortunas como ele dizia), falava dos maus tratos dados aos aposentados. O que ele mudou ? O que fez foi obrigação. Não fez nada demais. Cotas para isso, cotas para aquilo. Bolsas para lá, bolsas para cá. Estado laico para lá Estado laico para cá…
Preço das coisas nos mercados, gasolina, óleo diesel, escolas. Inflação de 5% ao ano só se for na cochinchina.
Ninguém inventou o mensalão como não inventaram as falcatruas do governo FHC. Foram provas, depoimentos e confissões dos próprios advogados da bandidada – “meu cliente fez…”. Quer mais o quê, veio ?
PT, Lula, Dilma. Vocês me desapontaram.
E eu que dizia a meus colegas de trabalha que o Lula nunca faria algo contra nós.

Responder

    Bonifa

    05 de dezembro de 2012 às 13h15

    Cotas para isso, cotas para aquilo? Que é isso, companheiro?

Kotscho: Está na hora de Lula e o PT darem explicações à sociedade « Viomundo – O que você não vê na mídia

02 de dezembro de 2012 às 22h38

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

Ildo Sauer: Brasil do pré-sal corre risco de se tornar um México da época do PRI « Viomundo – O que você não vê na mídia

02 de dezembro de 2012 às 22h19

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

Mário SF Alves

02 de dezembro de 2012 às 22h17

Raramente gasto dinheiro em bancas de revista, o que não me impede de olhar ainda que rapidamente as capas de algumas delas. Chega a entristecer. A maioria delas, das que se dedicam à intriga, fofoca ou crítica política, está lá, normalmente exacrando o PT e/ou o Governo. Numa últimas dessas raras paradas, o alívio veio justamente de uma das capas da Carta Capital. Agora, sinto admitir, pelo visto, daqui por diante nem isso.

Responder

Julio Silveira

02 de dezembro de 2012 às 21h59

O Mino está certo, é legitimo questionar esse novo monstrengo que o PT está se transformando. Aliás aqueles que aceitam passivamente essa mudança são discipulos da baixa politica que sempre manteve o Brasil e sua gente no patamar do deboche mundial. São discipulos do Serra e sua turma, e podem ou não ter consciência disso. Aliás estão conseguindo transformar algo que era paradigmatico e que por isso inspirava pavor nos status quo dominante em poodle do donos do sistema. Hoje o PT afaga o ego do conservadorismo ancião.

Responder

    Bonifa

    05 de dezembro de 2012 às 13h23

    Quem está transformando o PT em monstro? Os petistas ou a mídia? Há pouco, vimos um PT com a militância renascida, defendendo com garra suas bandeiras e vencendo, no geral, as eleições municipais. Acreditamos que se fossemos um tucano inescrupuloso, estaríamos agora interferindo intensamente nos blogs, tentando abater definitivamente a moral do Partido dos Trabalhadores.

    Julio Silveira

    06 de dezembro de 2012 às 09h01

    O que não dá para engolir é voce vir dizer que é a midia que está mudando a imagem do PT, se estivesse falando com um cidadão recem nascido politicamente ainda vá lá, mas não meu caro, acompanhei o partido desde seu inicio. E o fiz por que acreditei nas suas premissas iniciais. O fato de vc, como militante, defender toda é qualquer cafajestagem praticada por alguns camaradas a titulo de estarem defendendo os interesses dos cidadãos, devido ao contexto politico nacional de safadeza, pode até render alguns votos no curto prazo mas vai desgastar o partido cada vez mais no longo prazo. Nem todos os eleitores são militantes, mas não se iluda, são esses que elegem, e tem convicções politicas. Fazem parte, apesar de serem ignorados, da mais importante militância, essa que se faz sem amarras ou obrigações partidárias. Do jeito que voce diz parece que a militancia´partidária, de qualquer partido, em especial a petista, por si só é capaz de eleger qualquer dos seus, baseado na vontade e determinação do grupo, não se iluda. Só a militancia numericamente elege meia duzia. Não desconsidere a falta de opções, nem que pessoas sem compromisso partidário age conforme a consciência, e quer ver coerência desde o inicio, continuamente. Que surgindo melhores opções no caminho pode haver uma migração, que fara cair por terra todo trabalho “bem intencionado” da militância, e sua teoria.

    Pitagoras

    18 de dezembro de 2012 às 12h26

    Correto!

Em campanha pelo STF, Luiz Fux buscou apoio de Zé Dirceu, Maluf, Stedile… « Viomundo – O que você não vê na mídia

02 de dezembro de 2012 às 21h42

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

Artur

02 de dezembro de 2012 às 20h53

Para mim, petista filiado, mas por pouco tempo, o maior erro do PT e seus mandatários foi a traição aos trabalhadores da iniciativa privada. Quando Lula vetou o fim do Fator Previdenciário provou que mais uma vez nós fomos enganados. Em vez de ir cobrar a conta dos bancos e dos milionários deste país, foi tirar dos aposentados que trabalharam a vida toda com uma expectativa que lhes foi roubada.
Já a Dilma dá aumento menor que a inflação a aposentados que ganham mais de um salário mínimo. Isto também uma grande traição.
O PT foi minha última esperança de que o trabalhador não fosse mais explorado neste país. Foi a última esperança.
Jamais votarei numa pessoa e num partido que me prejudicou pelo resto da minha vida. E por extensão minha família.
Não roubei. Trabalhei registrado e contribui a vida toda. Coisa que muito sindicalista não o fez.
Odeio os traidores. Judas foi um traidor.

Responder

Ricardo

02 de dezembro de 2012 às 19h23

Pessoal, sejamos razoáveis.

que clube é esse ? se fala contra o PT, é golpista ? estamos em Cuba ?

menos. o Mino sempre foi defensor do PT. se reclama, devemos considerar, por tudo o que ele representa.

votei e fiz campanha para o PT das antigas. do tempo em que João Paulo, Humberto Costa, Paulo Rubem andavam em carros velhos caindo aos pedaços. Eram outros tempos, aqueles.

Hoje, o diretório nacional impõe uma candidatura goela abaixo, esquecendo a militância. Pipocam casos de corrupção. Ficaram ricos, loteiam cargos, esmagam servidores. cuspiram no prato em que comeram por anos.

Não foi defendendo esse PT que apanhei de policial. foi defendendo o PT de outrora, num Pernambuco dominado pelo PFL, mais de uma década atrás. já não reconheço mais o PT. há quadros excelentes ? há

mas a faxina tem que começar em casa. ou fica igual aos outros.

Cordiais saudações
Ricardo
Recife.

Responder

Fabio Martins

02 de dezembro de 2012 às 18h29

Ao ler este histórico, direto e leal escrito de Mino Carta sobre o PT,mergulho num estado de sentir e de pensar paradoxal. A um tempo de gáudio e de tristeza. Nesta síntese se expande a nossa rotineira praxe da manutenção do vínculo entre ser-e-não-ser simultaneamente e sob o mesmo respeito. Ora isto chancela a perpetuidade no consagrar atitudes de que o conteúdo da “ética” nacional é a soda cáustica. Em meio a tais hecatombes, se outras vidas houver, Maquiavel, deve estar com a cicuta em mãos. Pronto para um suicídio eterno. Por fim, esclareço-me o gáudio, com o artido de Mino Carta, está no ve-lo sempre batalhador. Sempre Jornalista impar, a divulgar, portanto, a defender o que é melhor para esta nossa Pátria e também dele,numa adoação imensamente mais plena do que a de nacionalidade inata, de falsa cidadania, a circular pelas esquinas, pelas passarelas e pelos aeroportos.

Responder

Geraldo Matias

02 de dezembro de 2012 às 18h19

O PT tá brincando com coisa séria.Se continuar assim, vai perder votos. O povão quer uma resposta do partido revolucionário que o fez agir. Bora meu vei, não tenha medo, o povo quer homens e ações.

Responder

alício

02 de dezembro de 2012 às 18h03

“Perdeu a honra, perdeu muito. Perdeu a coragem perdeu tudo(Vincent Van Gogh). Toma vergonha PT!!!

Responder

alício

02 de dezembro de 2012 às 18h01

“Perdeu a honra, perdeu muito. Perdeu a coragem, perdeu tudo” (VINCENT VAN GOGH).

Responder

LEANDRO

02 de dezembro de 2012 às 17h37

corruptos…só isso, nunca dantes o pais foi tão assaltado

Responder

Regina Braga

02 de dezembro de 2012 às 16h38

Querendo ou não, o Mino, colocou o PT com as calças na mão…È bom o PT entender o recado…Tudo tem limite,até joguinho de golpe pra cá e golpe pra lá.Mas não façam mais,o povo de idiota!Os erros, que o PT anda cometendo ,são primários.Que o PT consiga ter a dimensão exata de seus equívocos.Boa chance pra recomeçar.E sem seguir a esperteza do FUX…que calamidade a entrevista.

Responder

Pimon

02 de dezembro de 2012 às 16h34

Mino Carta demonstra, em artigo pífio, que a vida não o mudou.

Continua sendo o Mino Carta, da Veja.

Mudou o marketing, mas não o âmago.

Fácil perceber em seus rompantes contra o Batista italiano.

Responder

Luís

02 de dezembro de 2012 às 16h23

Entendi. Segundo a “lógica” dos “progressistas”, criticou o PT, é golpista.

Responder

ricardo silveira

02 de dezembro de 2012 às 16h22

Por que o Viomundo não fala nada da entrevista do ministro Fux, à Foia? Será porque é um jornal que mente? Tudo bem, já sabemos, mas a entrevista não foi desmentida, logo, é bom saber sobre o caráter dos ministros do STF. Afinal, se não fosse por outra razão, os cidadãos pagam o salário dessa gente que os julga.

Responder

Mario

02 de dezembro de 2012 às 15h10

O problema do PT é a covardia daqueles que representam os verdadeiros ideais do partido frente a campanha incansável do PIG em conjunto com outros golpistas do STF,PGR e partidos de oposição contra o PT

Responder

Jose Antonio

02 de dezembro de 2012 às 14h55

Ao Partido dos Trabalhadores
A politica brasileira está um verdadeiro caos de um lado os que querem ver este país afundar na crise que nos ronda, do outro a situação administrando as crises criadas por ela mesma.
Temos um MPF chefiado por um prevaricador,
Ministro que conseguiu a nomeação a base de trafico de influencias e outras coisas conforme reportagem da Monica Bergamo.
Enquanto isso o executivo se desdobra apagando incêndio, a presidenta Dilma está mal assessorada pelos ministros.
A base alinhada só dispara fogo amigo.
O PT não mais o mesmo de antes de chegar ao poder.
Os chamados blogs sujos estão ficando sem animo e perplexo diante de tantas denuncias. Que fossem vazias era até compreensível, mas não, são verdadeiras, amplificadas e distorcidas, mas não foram inventadas e ai eu me pergunto o que mais virá pela frente?
Estou desanimado, sempre me apresentei no trabalho como simpatizante do PT, mas agora pelo amor de Deus.
Dá vergonha, ouvir as piadinhas dos colegas e o pior é todo o santo dia e que eu ganho com isso? Continuo pagando alto imposto cobrado diretamente na fonte, pois sou assalariado e quando faço hora extra para complementar a renda, pago ainda mais. Continuo pagando, taxas e tarifas, IPI reduzido de carro e quem não pode comprar um? Porque não IPI da cesta básica?
Este não é o PT que sempre sonhei quando um chegasse ao poder, está sendo uma decepção. É um PT acuado, acovardado, quem cala consente estão esperando o que? Que a população se manifeste? Nós já fizemos a nossa parte através do voto.
A população merece e esta aguardando esclarecimentos. O trem está passando e o PT ainda não embarcou totalmente neste trem e aí como diz o ilustre anônimo Saul Lebron – Que horas são? Já é tarde..

Responder

Eduardo

02 de dezembro de 2012 às 14h34

Existem diversas posiçoes no partido. Fazer com que uma ou outra posição prevaleça faz parte da luta politica. Espero que o PT nunca volte ao que era ha 20 anos. Ser governo foi que fez o país mudar. Milhares de pessoas chegaram no partido e trouxeram suas concepções de vida, de trabalho. Nao se pode vigiar todas nem atribuir ao conjunto do partido as atitudes de um ou membro. Todos os dias as pessoas mudam. Lembremos que o crador da Veja foi Mino e sabemos no que se transformou.Eh culpa dele?

Responder

Bonifa

02 de dezembro de 2012 às 14h27

O PT tem causado aos analistas grandes problemas de acompanhamento, mas não acreditamos que esteja em crise terminal, como o PSDB. Aliás, acreditamos que a crise terminal do PSDB seja a oportunidade de ouro do PT para firmar, em termos nacionais, a possibilidade de consecução de seu programa político. O programa político do PT não foi esquecido, nem alijado, apesar de ter sido em muitos casos negligenciado. Devemos ter, da mídia, a exata percepção de sua força. Que tal uma Embraer brasileira? Que tal uma Globo brasileira? Até o matuto mais matuto do Brasil sabe que a Globo não pode e não deve mentir, porque é uma espécie de instituição. Mas, se este matuto deixa de confiar em tudo, até na Igreja, por que não desconfiaria da Globo? Uma emissora como a Globo, apenas por exemplo, atinge um nível de comunicação geral de tal ordem, e não falamos que ela é tida pela população como alguma coisa oficial, uma coisa que não pode, que não tem o direito de mentir. E quem disse que é fácil para a Globo, sabendo de tal situação, mentir, hoje, nesta hora? os minutos dados ao mensalão no noticiário antes da eleição já foram um grande risco que a Globo correu. Se os filhos Marinhos quiserem acabar com a Globo, inventem mais alguma coisa daquele tipo. Que ela, Globo, simplesmente não pode inventar uma mentira procurando levar vantagem. Os brasileiros não gostam de ouvir dizer que a Globo pode ter inventado uma mentira, embora TODOS concordem, isso vai ser importante na hora exata. Porque a Globo não é santa, assim como a própria Justiça não é santa para os brasileiros. Hipocrisia não devemos ter, nem de um lado nem de outro. Não vai ser Caetano Veloso nem ninguém que vai autorizar a Globo a fazer qualquer tipo de sacanagem. A Globo não tem mais este poder de inventar situações e manipular informações como tinha há muito pouco tempo. A Globo é uma puta emissora de televisão, programas magníficos, e isso é motivo de orgulho brasileiro, mas ela não pode deixar de ver seus limites. O governo, também, não deve perder de vista que ela, a Globo, é no fundo apenas uma concessão do povo brasileiro, e não uma propriedade de quem quer que seja, muito menos de grupos políticos.

Responder

Geysa Guimarães

02 de dezembro de 2012 às 13h50

Esse pavão corre o risco de perder sua vasta plumagem e
acabar reduzido a simples tucano.

Responder

    Prof. Janete

    02 de dezembro de 2012 às 20h20

    O projeto do Mercadante começou convidando a Claudia Costin para coordenar o ensino básico. Para mim isso foi a gota d”água. Hoje sou uma ex-militante do PT.

FrancoAtirador

02 de dezembro de 2012 às 13h26

.
.
O PÓS-MENSALÃO ou: A RECOMPENSA

Ayres Britto assina prefácio no livro de Merval

Notinha na coluna de Ancelmo Gois:

http://www.ocafezinho.com/2012/11/29/ayres-britto-assina-prefacio-no-livro-de-merval/
.
.
As peças continuam a se encaixar.
.
.

Responder

Bertold

02 de dezembro de 2012 às 13h21

De ontem (10/12) para hoje (02/12) notei que os comentários mais críticos e contundentes sobre o artigo de Mino Carta desapareceram. Azenha, por favor explique. Censura não dá!

Responder

Leonardo Câmara

02 de dezembro de 2012 às 12h24

Ah, a Roma! A Roma de Tiberio, de Poncio Pilatos, de Caligula, de Nero, de Berlusconi…

Coisa ruim só tem aqui né Mino? Já na Roma…

Responder

    Marcelo de Matos

    02 de dezembro de 2012 às 15h06

    Ha,ha,ha. Daqui a pouco vou sair e tomar umas brejas, enquanto tem sol, e terminar a semana sem tristeza. O Palmeiras perdeu mais uma, mas, depois de muita batalha, nem o PIG acabou com o PT, nem o Psol derrubou o José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça. E Mino Carta continua na corda bamba, ora à esquerda, ora à direita. Vida que segue.

    Luís

    02 de dezembro de 2012 às 15h54

Luana

02 de dezembro de 2012 às 12h22

Como diria o Mano Brown – “Eu tô confuso / Preciso pensar / Me dá um tempo pra eu raciocinar/ Eu já não sei distinguir quem tá errado, sei lá / minha
ideologia enfraqueceu”.

Responder

luiz pinheiro

02 de dezembro de 2012 às 12h15

O Mino Carta parece já estar na campanha da duplinha Aécio-Eduardo Campos (ou vice-versa).

Responder

    razumikhin

    02 de dezembro de 2012 às 15h42

    Exato, cumpanhêro. MinoC malufou!

    Luís

    02 de dezembro de 2012 às 15h54

    Não pode criticar o PT senão o governistinha aí chora.

    Bonifa

    03 de dezembro de 2012 às 09h19

    Vamos criticar, mas não puxar para baixo. Criticar, sim, atacar já é demonstração de posicionamento em terreno inimigo.

Roberto Locatelli

02 de dezembro de 2012 às 11h40

A verdadeira corrupção do PT foi sua guinada para a direita, a partir da década de 80. Como consequência, vieram as alianças com partidos como o PMDB e outros.

Dirigentes como Hugo Chávez, Rafael Correa, Cristina Kirchner e Evo Moralez optaram por aliar-se com os movimentos populares. O PT optou por apartar-se deles.

A luta de classes existe(1). A crise do capitalismo se agudiza. Washington precisa que a América do Sul volte a ser quintal do Tio Sam, principalmente Brasil e Venezuela, que têm grandes reservas de petróleo (sempre o petróleo). Por isso, o golpe de estado virá em 2013. O mandato de Dilma será cassado e o registro do PT será cassado, impedindo o partido de disputar eleições.

_______________
(1) Warren Buffet, o bilionário estadunidense, declarou recentemente: “existe uma guerra de classes, e a minha classe está vencendo”.

Responder

    Mário SF Alves

    02 de dezembro de 2012 às 12h06

    Não entendi. Se isso fosse exatamente isso: “A luta de classes existe(1). A crise do capitalismo se agudiza. Washington precisa que a América do Sul volte a ser quintal do Tio Sam, principalmente Brasil e Venezuela, que têm grandes reservas de petróleo (sempre o petróleo). Por isso, o golpe de estado virá em 2013. O mandato de Dilma será cassado e o registro do PT será cassado, impedindo o partido de disputar eleições.”

    __________________________
    A absurda hipótese de cassação do registro do PT resultaria exatamente no desfecho delineado acima, logo, se refletirmos a partir disso, o PT – o mesmo que sofreu a tal guinada à direita – teremos como certo que este mesmo PT é imprescindível para se resistir ao golpe. Então, com todo o respeito, prezado Locatelli, não entendi, mesmo.

    ademar

    02 de dezembro de 2012 às 13h48

    hoje não sabemos quem,é quem,basta ver o psol,pdt,psb flertando descaradamente com a direita,enquanto kassab,maluf vai ganhando espaço no governo,

    snd

    02 de dezembro de 2012 às 14h49

    espero que desta vez não censurem meu comentário como da última vez. se a propaganda imperialista é a media para se ver o real interesse do país, então o gope já começou: ATÉ EM SERIADO ESTADUDINENSE A FAMA DA CORRUPÇÃO DOS PETRALHAS É MOSTRADA

    Trata-se do seriado Person of Interest, no 3. episódio da 2. temporada – Masquerade, exibido nos EUA no dia 18 de outubro.

    Sr. Finch (Michael Emerson, o Benjamin do seriado Lost), um bilionário misterioso, desenvolveu um programa de computador que prevê a identidade de pessoas ligadas a crimes violentos que terão lugar num futuro próximo.

    Dê uma pausa no video e veja as manchetes.
    01m21s – “O partido político (PT) do pai dela foi acusado de fraude na última eleição.” veja notícia do site “DEM acusa de fraude o comitê eleitoral do PT”
    01m27s – “Sequestros políticos não são incomuns no país dela.”
    01m33s – mostrando site a notícia “Partido dos Trabalhadores indicará Campos.”
    Categoria:

    eu assisti este capítulo no sábado pela WarnerChannel. houve outras menções à corrpção brasileira

    snd

    02 de dezembro de 2012 às 14h52

    eu quis dizer: intereese dos americano no país (brasil), então o golpe já começou:
    http://www.youtube.com/watch?v=2IkGoU7bDtc
    não saiu o link para o episódio

    Roberto Locatelli

    02 de dezembro de 2012 às 19h06

    Parece contraditório, não é, Mário? Se o PT tornou-se um partido centrista, por que a direita quer apeá-lo do poder? Se Dilma quer fortalecer o mercado interno, beneficiando assim a indústria, o comércio e os serviços, por que boa parte dos empresários da indústria, do comércio e de serviços nutre ódio doentio contra Lula, Dilma e o PT?

    Aliás, é mais contraditório ainda: a guinada do PT à direita foi proposta e foi capitaneada por José Dirceu. E logo ele está sendo linchado por Joaquim Batman e sua trupe midiática a serviço da elite!!

    Um partido como o PT é muito mais do que a ideologia de seus dirigentes. Lula é um líder operário. O PT não nasceu em Brasília. É um partido de origem operária. O PT, mesmo com suas alianças inacreditáveis (com Maluf, por exemplo), está do lado de cá. Por mais que Dilma conceda entrevistas exclusivas à Veja – órgão oficial da quadrilha de Cachoeira – por mais que Dilma vá fazer omeletes na Globo – a TV oficial da ditadura militar – o PT, na luta de classes, representa os trabalhadores. A direita, instintivamente, sabe disso.

    Mesmo com todo seu centrismo, o PT se recusa a aplicar aqui a política econômica preconizada pelo FMI. A mesma política econômica que está sendo aplicada na Europa. Essa atitude do PT é inaceitável para a direita.

    Quais são os organismos que representam essa direita? São o PIG (Globo, Folha, Veja, Estadão e outros menores), a trupe do Joaquim, o prevaricador Gurgel e, subsidiariamente, os partidos como PSDB, Dem, PSOL, PDT, etc.

    Qual a classe social que está por trás da direita? Banqueiros, especuladores e grandes latifundiários. E, claro, parte da classe média otária cuja ideologia foi moldada pelo PIG, incluindo-se aí pequenos empresários da indústria, comércio e serviços. Mas essa classe méida otária só conta para fazer propaganda contra Lula e angariar votos. Mas a direita é, essencialmente, o capital financeiro. Follow the money, como dizem os estadunidenses.

    Mas, afinal, por que a direita quer aplicar aqui a privataria, extinção de programas sociais, redução de investimentos estatais e supressão de direitos trabalhistas, se são justamente essas medidas que estão afundando a Europa? Bem, nem toda a Europa está afundando: os banqueiros e especuladores estão ganhando muito dinheiro com os pacotes de ajuda do Banco Mundial e do FMI. Enquanto isso, o povo europeu come o pão que o deus-mercado amassou. Ou nem isso…

    Empresários mais espertos como Eike Batista, Emílio Odebrecht e Abílio Diniz apoiam o Governo Dilma, como apoiaram Lula, ainda que discretamente. É um forte indício de que grande parte de seus negócios depende do mercado interno. Mas, ainda assim, a natureza do PT é uma natureza operária e popular. Por quanto tempo? Não muito, se depender dos líderes petistas, principalmente os que estão no Governo. A reforma agrária parou. Dilma efetivou “concessões” de aeroportos. A universalização da banda larga foi entregue às famigeradas teles, a democratização da mídia é assunto proibido…

    Quando foi que o Labor Party da Inglaterra deixou de ser um partido operário? Não tenho conhecimento suficiente da História da Inglaterra para responder. Mas ele nasceu como um legítimo partido operário, ligado aos sindicatos e ás lutas dos trabalhadores, e hoje é um partido burguês.

    No caso do PT, desconfio que a elite não quer esperar o PT tornar-se um partido plenamente “confiável”. Washington tem pressa, como eu disse. É vital para o Tio Sam que os governos centristas da América do Sul sejam tirados do poder, e rápido. A dívida dos EUA está em 110% do PIB deles. Eles precisam urgentemente sugar o petróleo e as riquezas do Cone Sul para tentar sair da crise.

    Finalizando (caramba, o texto ficou grande. Peço desculpas), faço uma pergunta: para evitar o golpe é melhor o PT ficar pianinho, pianinho, tipo Odair Cunha? Ou será melhor contra-atacar? A História recente da América Latina pode nos dar uma pista. Manoel Zelaya, de Honduras, é homem moderado. Foi deposto por um golpe arquitetado com ajuda da CIA. Fernando Lugo é homem moderadíssimo. Foi deposto por um golpe, também com ajuda do Tio Sam. Presidente Chávez é homem mais radical (não tanto quanto eu gostaria) e o golpe contra ele foi derrotado, pois seu governo é alicerçado na organização popular, inclusive organização de setores das Forças Armadas.

    Petistas como José Dirceu tinham a ilusão de que se o PT se tornasse um partido “normal”, sem ligações mais fortes com os sindicatos, a elite e sua mídia aceitariam o partido no jogo político. Ah, a ilusão da esquerda sonhadora! Eles não entendem o conceito marxista de luta de classes… Dirceu e Genoino, que arriscaram sua vida em prol de um futuro melhor para o Brasil, foram linchados. Genoino, que até hoje mora no Jardim Ângela (no Jardim Ângela!!) foi condenado por corrupção. Quem não conhece o Jardim Ângela, se puder, vá conhecer. Mas não ande na rua após às 21:00 h, pois a PM paulista costuma fazer operações lá, do tipo “resistência seguida de morte”. Enquanto isso, Serra, Daniel Dantas, Cachoeira e outros estão soltos, e morando em coberturas e mansões, bebendo vinho de R$ 5.000,00. Bra-ziu, ziu, ziu!

    luiz pinheiro

    02 de dezembro de 2012 às 12h25

    Locatelli, se o PT, na sua opinião, deu uma guinada para a direita, porque haveria golpe contra Dilma e proibição do partido no ano que vem?

    Roberto Locatelli

    02 de dezembro de 2012 às 19h54

    Luiz, dá uma lida na resposta que escrevi ao texto do Mário.

    paulo

    04 de dezembro de 2012 às 11h43

    esse locatelli é cego porq não vê que seus companheiros estão comprando fazendas andando carro chique etc filho do lula de jardineiro virou um dos maiores empresários para não colocar no nome de seu pai.
    de onde vem essa fortuna
    se tem classe média otária sim porque trabalham, pagam impostos são honestos, não são vagabundos que querem tirar dinheiro de rico que um dia batalhou economizou e fez o q ele tem, eu que trabalho não tenho direito nenhum, vou parar ganhar uma casa vale gás vale……. bolsa escola virar presidiário e garantir o salário
    quem trabalha sério não tem valor. ainda bem que esse joaquim barbosa traidor do PT está fazendo uma coisa séria sabe porque …. é que a mãe dele ensinou a estudar trabalhar dar valor ao que é amável justo e nunca precisou de cota para chegar onde está.

    razumikhin

    02 de dezembro de 2012 às 15h46

    Putz… Agora o amigo vem dizer que a luta de classes foi uma invenção de um milionário americano, que, ainda por cima, está ainda vivo.
    Lula não sabia.
    O mensalão do PT nunca existiu, só o do PSDB.
    Us cumpanhêro é onesto!
    O PT é o único partido ético da história desse país.
    Volta, Lula!

    Pitagoras

    18 de dezembro de 2012 às 12h33

    Locatelli(parente do admirável compositor barroco?), estás coberto de razão e lucidez. Parece que todo mundo perdeu o foco da verdadeira força motriz que afeta o mundo todo: o imperialismo milenar, capitaneado agora pelos norte-americanos e seus fantoches de plantão.

mello

02 de dezembro de 2012 às 11h24

Todo mundo tem rabo : no Vaticano, na Casa Branca, no Champs Elisée, na Casa Rosada……mas em Brasília, no psol do Amapá, mas…..envolveu o PT…!!!
Quanta hipocrisia, quanto udenismo….
Que o Pt tem que expurgar dos seus quadros os malfeitores, está mais do que claro ! Mas tolerar os malfeitos dos outros, e só jgar bosta num só….

Responder

Ricardo Lima Vieira

02 de dezembro de 2012 às 11h20

Referente a reporcagem no saite uol, “Em campanha para o STF, Luiz Fux procurou José Dirceu”, parece que vem bomba por aí: próxima capa de Veja: Judas Iscariotes procurou Zé Dirceu para indicá-lo como um dos apóstolos (e Lula disse que não sabia!)!

Responder

ricardo

02 de dezembro de 2012 às 11h16

Lula corrige Cicero: “Res publica, cosa nostra”.

Responder

Fabio

02 de dezembro de 2012 às 11h15

O PT deixou suas bases de lado,sua militancia e se juntou a classe corrupta desse país, diga-se PMDB e outros e começou a aceitar qualquer tipo de pessoa em suas fileiras, em nome de uma governabilidade fragil, por estar preso nas mãos dos velhos corruptos de sempre.
A Dilma é um exemplo de uma não petista que entrou no partido sem a ideologia esquerdista pura.
Infelizmente com o passar dos anos o PT vai cada vez mais se tornando um partido como qualquer outro.
Parabens Mino Carta pelo excelente texto.

Responder

Roberto Locatelli

02 de dezembro de 2012 às 11h07

Cada vez que o PT dá um passo atrás, a direita dá dois passos à frente.

O PT e a presidenta Dilma – através do Ministério da Justiça – deveriam ter se empenhado para que a CPI citasse o “Poli” e o prevaricador Gurgel. Dilma e Cardozo fingem que não é com eles.

Sentindo-se fortalecida, Veja voltou a atacar Lula. O golpe de estado continua em curso e será vitorioso, a não ser que o PT e o movimento popular reajam.

Responder

    Willian

    02 de dezembro de 2012 às 12h14

    Por que Dilma não segue seus comentários, é tudo que eu queria.

    Roberto Locatelli

    02 de dezembro de 2012 às 19h32

    Ah, eu também queria, Willian! A boa notícia é que sites como o VioMundo, o Coversa Afiada, o Nassif e o Blog Cidadania (do Eduardo Guimarães) são lidos por pessoas do Governo Federal. Quem sabe…

    ademar

    02 de dezembro de 2012 às 14h09

    locateli é bem mais complicado,se fosse apenas o pt, o pdt é ninho de trairas,o psol,pv,pco,psb a blablarina é inaceitavel,hoje os maiores conspiradores são tidos de esquerda,eles facilmente atraidos pela midia que é pertence a direita,esse eduardo cardoso é fim da picada

    Roberto Locatelli

    02 de dezembro de 2012 às 19h40

    Verdade, Ademar. PDT é mesmo ninho de traíras. PSOL, então, nem se fala. Na hora em que vier o golpe, o PSOL apoiará com entusiasmo.

    A saída é o PT contar com a força das organizações populares, para as quais o partido deu as costas há duas décadas. Seria uma volta às origens. Mas, para isso, o partido teria que rever muitas de suas atitudes, em relação a direitos trabalhistas, reforma agrária, concessões, democratização da mídia, etc, etc.

    Ricardo

    02 de dezembro de 2012 às 19h32

    Locatelli, falaste tudo.

    o PIG não descansa.

    e o PT se comporta como o operário que quer ser aceito pela elite.

    Por isso Dilma vai fritar ovo no programa de ana maria brega.

    quer se entregar nos braços do PIG.

    Esse não é o PT histórico, e o Mino disse isso magistralmente.

    cordiais saudações

    Ricardo
    Recife

    Roberto Locatelli

    03 de dezembro de 2012 às 09h39

    Sua frase é ótima, Ricardo: o PT se comporta como o operário que quer ser aceito pela elite.

    Abraço!

    simas

    10 de dezembro de 2012 às 20h58

    A justiça eleitoral não fez absolutamente nada, qdo a “globo” rodou aqueles 18 minutinhos, no seu jornal, às vésperas da eleição… Aquele momento, poderia ter sido usado, entendo, para o Gov Federal emitir uma MP’zinha, cortando as asas da mídia, no geral… Podia e não fez. Perdeu o momento. Agora, não dá para deglutir essa, outra, do Dep Odair se acovardando…
    Esse comportamento funciona na cabeça do eleitor, de forma contundente, no sentido de associar a ausência de uma resposta, firme, digna, com uma provável aceitação de culpabilidade. Poxa; as pessoas com quem comento, converso, pensam dessa forma. Entendem q o PT e seus dirigentes estão realmente envolvidos com os malfeitos.
    Os comentários, em sua maioria, absoluta, são excelentes. Contudo, a indignação do jornalista, Mino, está cercada de grde acerto. Ninguém conseguiu justificar a inoperância, política, do Gov Federal, ou do Partido dos Trabalhadores.
    Na verdade o velho Mino, usando de sua experiência, quase q didaticamente, forçou uma debate, bastante extensivo, da atualidade política brasileira. Imagino q poderemos colher alguns resultados dessa troca de idéias, boas afirmações. Falta ver se os homens e as mulheres, com responsabilidades, tomem suas iniciativas, a de se esperar.

Tião Medonho

02 de dezembro de 2012 às 10h49

a perda das ilusões é o primeiro passo para a emancipação..como as crianças tem de deixar de acreditar em papai noel, certos “adultos” precisam desacreditar de pais da pátria, salvadores da nação.. não acredito que os brasileiros, levianos, tolos, superficiais, irresponsáveis, sem valores que são…em sua infinita capacidade auto ilusão vão deixar a puerilidade e ingressar no mundo adulto agora..mas é um bom começo..ah sim…perder a fé é sempre um bom começo.

Responder

    Roberto Locatelli

    12 de dezembro de 2012 às 13h23

    “…os brasileiros, levianos, tolos, superficiais, irresponsáveis, sem valores que são…

    Tião, você é brasileiro?

Mário SF Alves

02 de dezembro de 2012 às 10h37

Pois, então, eu também nunca me filiei ao PT e nem a partido algum. Mas, agora, quando a maior parte do Ocidente está em colapso econômico induzido/determinado por uma crise/esfacelamento de representação política sem precedente. Justamente agora, quando o Brasil resiste bravamente à insuportável pressão do poder econômico neoliberal que insiste em lançá-lo nesse mesmo abismo de representação política e suas imprevisíveis consequências socioeconômicas, justamente agora um ícone do pensamento livre no Brasil vem a público manifestar sua descrença quanto à validade do PT. Lamentável.
E mais lamentável ainda por se tratar do PT, o partido que garantiu a ruptura com o paradoxo do atraso e o subdesenvolvimento num dos países mais ricos do mundo; e, lamentavelmente, o único partido que se revelou capaz de garantir tal resistência e ruptura, indispensável à consolidação da democracia no Brasil e à retomada da democracia no mundo.
Talvez, por isso mesmo já seja chegada a hora de uma campanha nacional de filiação partidária; por enquanto uma das poucas respostas razoáveis a serem dadas ao neoliberalismo e seu testa-de-ferro, a velha mídia corporativa, ora encontrada em pleno desespero eleitoral e em nítido estupor pelos resultados apocalípticos da aplicação seletiva (tudo só contra o PT) da teoria do domínio funcional do fato.
Assim, eu que igualmente jamais me filiei a partido algum, assumo o compromisso público de ser o primeiro a aderir a essa campanha, filiando-me ao PT. E, com o devido respeito e admiração, convido o Mino Carta a fazer o mesmo.

É… pelo visto, o velho Marx continua coberto de razão. O desespero da velha mídia corporativa, assumidamente um movimento político denominado de PiG, em sua tentativa alucinada de cooptar e/ou esfacelar toda e qualquer representação política, e em especial a do PT, é o mais puro e acabado exemplo de determinismo econômico. E é certo que não apenas isso.

Responder

    FrancoAtirador

    02 de dezembro de 2012 às 14h40

    .
    .
    É, meu caríssimo Mário SF Alves.

    Volta e meia nos deparamos com o impasse de sempre.

    Parafraseando o editorial do jornal Brasil de Fato
    publicado no curso da campanha eleitoral de 2010,
    em apoio à candidatura de Dilma Rousseff à Presidência:

    SE O PT NÃO É O MELHOR DOS SONHOS,

    O PSDB É O PIOR DE TODOS OS PESADELOS.

    É O DILEMA: NÃO HÁ OPÇÃO VIÁVEL À ESQUERDA.

    Então, entre tapas e beijos, ficamos assim

    como Pedros Pedreiros esperando o trem,

    até que o próprio operário em construção,

    finalmente e triunfalmente, se construa

    e diga ao senhor de escravos: – Não !!!

    (http://letras.mus.br/vinicius-de-moraes/87332/)
    (http://www.youtube.com/watch?v=HFFet8dYcUY)
    .
    .
    Pedro Pedreiro
    (Chico Buarque)

    Pedro pedreiro penseiro esperando o trem
    Manhã parece, carece de esperar também
    Para o bem de quem tem bem
    De quem não tem vintém

    Pedro pedreiro fica assim pensando
    Assim pensando o tempo passa
    E a gente vai ficando prá trás

    Esperando, esperando, esperando
    Esperando o sol, esperando o trem
    Esperando aumento desde o ano passado
    Para o mês que vem

    Pedro pedreiro penseiro esperando o trem
    Manhã parece, carece de esperar também
    Para o bem de quem tem bem
    De quem não tem vintém

    Pedro pedreiro espera o carnaval
    E a sorte grande do bilhete
    Pela Federal todo mês

    Esperando, esperando, esperando, esperando o sol
    Esperando o trem, esperando aumento para o mês que vem
    Esperando a festa, esperando a sorte
    E a mulher de Pedro, esperando um filho prá esperar também

    Pedro pedreiro penseiro esperando o trem
    Manhã parece, carece de esperar também
    Para o bem de quem tem bem
    De quem não tem vintém

    Pedro pedreiro tá esperando a morte
    Ou esperando o dia de voltar pro Norte
    Pedro não sabe mas talvez no fundo
    Espere alguma coisa mais linda que o mundo
    Maior do que o mar, mas prá que sonhar se dá
    O desespero de esperar demais
    Pedro pedreiro quer voltar atrás
    Quer ser pedreiro pobre e nada mais,
    Sem ficar
    Esperando, esperando, esperando
    Esperando o sol, esperando o trem
    Esperando aumento para o mês que vem
    Esperando um filho prá esperar também

    Esperando a festa, esperando a sorte
    Esperando a morte, esperando o Norte
    Esperando o dia de esperar ninguém
    Esperando enfim, nada mais além
    Da esperança aflita, bendita, infinita do apito de um trem

    Pedro pedreiro pedreiro esperando
    Pedro pedreiro pedreiro esperando
    Pedro pedreiro pedreiro esperando o trem

    Que já vem
    Que já vem
    Que já vem
    Que já vem
    Que já vem
    Que já vem

    (http://www.youtube.com/watch?v=ukyJzG9IePI)
    .
    .
    “A minha tarefa está terminando e a vossa apenas começa.
    O que já obtivestes ainda não é tudo.
    Resta ainda conquistar a plenitude dos direitos que vos são devidos
    e a satisfação das reivindicações impostas pelas necessidades.
    Como cidadãos, a vossa vontade pesará nas urnas.
    Como classe, podeis imprimir ao vosso sufrágio a força decisória do número.
    Constituí a maioria.
    Hoje estais com o governo.
    Amanhã sereis o governo.”
    (Getúlio Vargas, 1º/5/1954)

    (http://www.cartamaior.com.br/templates/postMostrar.cfm?blog_id=6&post_id=1070)
    .
    .

    Pedro Paulo

    02 de dezembro de 2012 às 19h38

    O PT é sim o pior dos pesadelos, talvez até pior do que o PSDB. Uma vez que teve tudo nas mãos para mudar o curso da política no país, e realmente o fez, só que para pior. O PT foi uma decepção para mim, pois, pior do que não falar nada e não fazer nada é falar que vai fazer e não fazer, ou pior, fazer o contrário do que falou que ia fazer. O PT institucionalizou a corrupção no país, colocou incompetentes em cargos de confiança de primeiro, segundo, terceiro, quarto….. vigésimo escalão, onerando os cofres públicos de maneira que demorará décadas para reverter-se os danos, isso caso sejam tomadas providências imediatas, coisa que sabemos que não irá acontecer.
    É ilusório acreditar que o país está dividido entre PT e PSDB, e que um é melhor ou pior do que o outro, isto é uma visão maniqueísta ideológica e falaciosa. O que realmente há são homens que estão no poder, tão simples assim. Não deve haver punição para este ou para aquele ou então perdão para este ou aquele porque são deste ou de outro partido, o que deve haver é PUNIÇÃO EXEMPLAR para qualquer político que falte com a verdade, ética ou decoro, seja qual for o partido, seja qual for o motivo.
    Os crimes de colarinho branco no Brasil possuem uma pena muito branda, além de quase nunca serem investigados, é esta impunidade que incentiva toda asta sujeira que estamos vendo nos últimos anos.
    Acordem!! Petistas e psdbistas brigam como torcedores de futebol, que, mesmo sabendo que o time não tem nem dois jogadores que prestam, continuam os defendendo até a morte, enquanto os dirigentes dos dois “clubes” estão sentados em suas comfortáveis poltronas tomando um champagne gelado e rindo da nossa cara. Idealismo é uma coisa, idiotismo é outra.
    Ao invés de defendermos estes “times”, defendamos a nós mesmos, o povo, com punição exemplar contra qualquer velhaco que tente roubar o que é nosso (dinheiro público).

    FrancoAtirador

    03 de dezembro de 2012 às 20h59

    .
    .
    Prezado Pedro Paulo.

    Você esqueceu de dizer qual é a opção viável à esquerda.

    Seria o Roberto Requião?
    .
    .

    Coelho

    04 de dezembro de 2012 às 12h54

    FrancoAtirador, Requião seria a melhor opção, sim. Aqui no Paraná ele enfrentou a imprensa, que por estas bandas é extremamente golpista, omissa, conivente e usurpadora do dinheiro público. Enfrentou alguns juízes e desembargadores da pior justiça do Brasil, segundo o CNJ, que fazem o que bem entendem. Não prestam contas a ninguém – é só ver as reportagens sobre a contrução do novo prédio, da compra de carros de luxo e de outras mamatas. Eles se acham os semi-deuses.
    Requião é fudido. Seus assessores pensam duas vezes antes de cometer uma falcatrua, pois, caso contrário, é puro pau.
    A imprensa perdeu o faturamento fácil que tinha com as propagandas enganosas do governo anterior (Lerner) e ficou louca.
    Para se ter uma idéia, o atual governador, Beto Richa, que é aliado de Lerner, voltou a distribuir nosso dinheiro dos impostos a esta famigerada imprensa paranaense. Beto faz um governo ridículo, sem obras, sem melhorias em escolas, na saúde, nas estradas e, a imprensa fica quietinha. Nem a apropriação indébita feita por este governo, no caso das enchentes no litoral paranaense, onde o Governo Federal repassou milhões para socorrer os atingidos, foi questionada pela imprensa fajuta do Paraná. Silêncio comprado por propagandas ‘enganativas’ e milionárias.
    E olhe que o Requião pegou um Estado totalmente quebrado do seu antecessor, Lerner. Melhorou as estradas já no primeiro ano, deu aumento a professores e policiais que estavam com salários muito defasados, recuperou a Copel (inclusive com venda de ações na bolsa de NY) que estava para ser vendida pelo espertalhão Lerner, fez do Porto de Paranaguá um dos mais rentáveis do país (acabou com as filas de caminhões), retomou o controle da Sanerpar que estava sendo mandada pelo sócio minoritário Daniel Dantas com seu Opportunity (de oportunista), etc.
    Requião é bom. Tem seus rompantes, mas são justos. É um cara humano.
    Criou o Leite das Crianças, Trator Solidário, Luz e Água Fraterna, aumentou o contingente de policiais e professores, construiu presídios, etc.
    A imprensa local não dava atenção e só dava porrada porque abandonou sua função devido ao corte nas propagandas.
    Não sou partidário e nem seguidor de nenhum político, mas não posso aceitar uma imprensa mentirosa, omissa e parcial.
    Requião, com apoio da população digna deste país, arrumaria esta zona.

    LuizCarlosDias

    02 de dezembro de 2012 às 21h13

    10dias sem noticias, hoje li Mino Carta ao PT,
    como simpatizante ao PT senti necessidade de
    chamar a todos indecisos a se filiarem o PT na
    busca de uma união nacional. unidos fortes e grandes
    afastaremos fantasmas e fantasias da casa grande.
    Nosso momento Brasil é o maior do mundo.Viva Lula
    ,Dilma e todos em torno do PT.

FrancoAtirador

02 de dezembro de 2012 às 09h52

.
.
LUIZ FUX REVELA A ‘FÓRMULA MÁGICA’

PARA SER NOMEADO MINISTRO DO STF:

TEM DE TER ‘Q.I.’
.
.
02/12/2012 – 04h30

Em campanha para o STF, Luiz Fux procurou José Dirceu
[e a FIESP, e o Pallocci, e o Delfim, e o Cabral, e (pasmem!) até o Stédile!]

MÔNICA BERGAMO
COLUNISTA DA FOLHA

O ministro Luiz Fux, 59, diz que desde 1983, quando, aprovado em concurso, foi juiz de Niterói (RJ), passou a sonhar com o dia em que se sentaria em uma das onze cadeiras do Supremo Tribunal Federal (STF).

Quase trinta anos depois, em 2010, ele saía em campanha pelo Brasil para convencer o então presidente Lula a indicá-lo à corte.

Fux era ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça), o penúltimo degrau na carreira da magistratura. “Estava nessa luta” para o STF desde 2004 –sempre que surgia uma vaga, ele se colocava. E acabava preterido. “Bati na trave três vezes”, diz.

‘Pensei que não tinha provas; li o processo do mensalão e fiquei estarrecido’, diz Fux

AVAL

Naquele último ano de governo Lula, era tudo ou nada.

Fux “grudou” em Delfim Netto. Pediu carta de apoio a João Pedro Stedile, do MST. Contou com a ajuda de Antônio Palocci. Pediu uma força ao governador do Rio, Sergio Cabral. Buscou empresários.

E se reuniu com José Dirceu, o mais célebre réu do mensalão.

“Eu fui a várias pessoas de SP, à FIESP.
Numa dessas idas, alguém me levou ao Zé Dirceu porque ele era influente no governo Lula.”

O ministro diz não se lembrar quem era o “alguém” que o apresentou ao petista.

Fux diz que, na época, não achou incompatível levar currículo ao réu de processo que ele poderia no futuro julgar.
Apesar da superexposição de Dirceu na mídia, afirma que nem se lembrou de sua condição de “mensaleiro”.

“Eu confesso a você que naquele momento eu não me lembrei”, diz o magistrado. “Porque a pessoa, até ser julgada, ela é inocente.”

Conversaram uma só vez, e por 15 minutos, segundo Fux. Conversaram mais de uma vez, segundo Dirceu.

A equipe do petista, em resposta a questionamento da Folha, afirmou por e-mail: “A assessoria de José Dirceu confirma que o ex-ministro participou de encontros com Luiz Fux, sempre a pedido do então ministro do STJ”.

Foram reuniões discretas e reservadas.

CURRÍCULO

Para Dirceu, também era a hora do tudo ou nada.

Ele aguardava o julgamento do mensalão. O ministro a ser indicado para o STF, nos estertores do governo Lula, poderia ser o voto chave da tão sonhada absolvição.

A escolha era crucial.

Fux diz que, no encontro com Dirceu, nada disso foi tratado. Ele fez o seguinte relato à Folha:

Luiz Fux – Eu levei o meu currículo e pedi que ele [Dirceu] levasse ao Lula. Só isso.

Folha – Ele não falou nada [do mensalão]?

Ele falou da vida dele, que tava se sentindo… em outros processos a que respondia…

Tipo perseguido?

É, um perseguido e tal. E eu disse: “Não, se isso o que você está dizendo [que é inocente] tem procedência, você vai um dia se erguer”. Uma palavra, assim, de conforto, que você fala para uma pessoa que está se lamentando.

MATO NO PEITO

Dirceu e outros réus tiveram entendimento diferente. Passaram a acreditar que Fux votaria com eles.

Uma expressão usual do ministro, “mato no peito”, foi interpretada como promessa de que ele os absolveria.

Fux nega ter dado qualquer garantia aos mensaleiros.

Ele diz que, já no governo Dilma Rousseff, no começo de 2011, ainda em campanha para o STF (Lula acabou deixando a escolha para a sucessora), levou seu currículo ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Na conversa, pode ter dito “mato no peito”.

Folha – Cardozo não perguntou sobre o mensalão?

Não. Ele perguntou como era o meu perfil. Havia causas importantes no Supremo para desempatar: a Ficha Limpa, [a extradição de Cesare] Battisti. Aí eu disse: “Bom, eu sou juiz de carreira, eu mato no peito”. Em casos difíceis, juiz de carreira mata no peito porque tem experiência.

Em 2010, ainda no governo Lula, quando a disputa para o STF atingia temperatura máxima, Fux também teve encontros com Evanise Santos, mulher de Dirceu.

Em alguns deles estava o advogado Jackson Uchôa Vianna, do Rio, um dos melhores amigos do magistrado.

Evanise é diretora do jornal “Brasil Econômico”. Os dois combinaram entrevista “de cinco páginas” do ministro à publicação.

Evanise passou a torcer pela indicação de Fux.

Em Brasília, outro réu do mensalão, o deputado João Paulo Cunha (PT-SP), articulava apoio para Fux na bancada do PT.

A movimentação é até hoje um tabu no partido. O deputado Cândido Vacarezza (PT-SP) é um dos poucos que falam do assunto.

Vacarezza – Quem primeiro me procurou foi o deputado Paulo Maluf. Eu era líder do governo Lula. O Maluf estava defendendo a indicação e me chamou no gabinete dele para apresentar o Luiz Fux. Tivemos uma conversa bastante positiva. Eu tinha inclinação por outro candidato [ao STF]. Mas eu ouvi com atenção e achei as teses dele interessantes.

Folha – E o senhor esteve também na casa do ministro Fux com João Paulo Cunha?

Eu confirmo. João Paulo me ligou dizendo que era um café da manhã muito importante e queria que eu fosse. Eu não te procurei para contar. Mas você tem a informação, não vou te tirar da notícia.

O mensalão foi abordado?

Não vou confirmar nem vou negar as informações que você tem. Mas eu participei de uma reunião que me parecia fechada. Tinha um empresário, tinha o João Paulo. Sobre os assuntos discutidos, eu preferia não falar.

Fux confirma a reunião. Mas diz que ela ocorreu depois que ele já tinha sido escolhido para o STF. Os petistas teriam ido cumprimentá-lo.

Na época, Cunha presidia comissão na Câmara por onde tramitaria o novo Código de Processo Civil, que Fux ajudou a elaborar.

Sobre Maluf, diz o magistrado: “Eu nunca nem vi esse homem”. Maluf, avisado do tema, disse que estava ocupado e não atendeu mais às chamadas da Folha. Ele é réu em três processos no STF.

CHORO

No dia em que sites começaram a noticiar que ele tinha sido indicado por Dilma para o STF, “vencendo” candidatos fortes como os ministros César Asfor Rocha e Teori Zavascki, também do STJ, Fux sofreu, rezou, chorou.

Luiz Fux – A notícia saiu tipo 11h. Mas eu não tinha sido comunicado de nada. E comecei a entrar numa sensação de que estavam me fritando. Até falei para o meu motorista: “Meu Deus do céu, eu acho que essa eu perdi. Não é possível”. De repente, toca o telefone. Era o José Eduardo Cardoso. Aí eu, com aquela ansiedade, falei: “Bendita ligação!”. Ele pediu que eu fosse ao seu gabinete.

No Ministério da Justiça, ficou na sala de espera.

Luiz Fux – Aí eu passei meia hora rezando tudo o que eu sei de reza possível e imaginável. Quando ele [Cardozo] abriu a porta, falou: “Você não vai me dar um abraço? Você é o próximo ministro do Supremo Tribunal Federal”. Foi aí que eu chorei. Extravasei.

De fevereiro de 2011, quando foi indicado, a agosto de 2012, quando começou o julgamento do mensalão, Fux passou um período tranquilo. Assim que o processo começou a ser votado, no entanto, o clima mudou.

Para surpresa dos réus, em especial de Dirceu e João Paulo Cunha, ele foi implacável. Seguiu Joaquim Barbosa, relator do caso e considerado o mais rigoroso ministro do STF, em cada condenação.

Foi o único magistrado a fazer de seus votos um espelho dos votos de Barbosa. Divergiu dele só uma vez.

Quanto mais Fux seguia Barbosa, mais o fato de ter se reunido com réus antes do julgamento se espalhava no PT e na comunidade jurídica.

Advogados de SP, Rio e Brasília passaram a comentar o fato com jornalistas.

A raiva dos condenados, e até de Dilma, em relação a Fux chegou às páginas dos jornais, em forma de notas cifradas em colunas –inclusive da Folha.

Pelo menos seis ministros do STF já ouviram falar do assunto. E comentaram com terceiros.

Fux passou a ficar incomodado. Conversou com José Sarney, presidente do Senado. “Sei que a Dilma está chateada comigo, mas eu não prometi nada.” Ele confirma.

Na posse de Joaquim Barbosa, pouco antes de tocar guitarra, abordou o ex-deputado Sigmaringa Seixas, amigo pessoal de Lula. Cobrou dele o fato de estarem “espalhando” que prometera absolver os mensaleiros.

Ao perceber que a Folha presenciava a cena, puxou a repórter para um canto. “Querem me sacanear. O pau vai cantar!”, disse. Questionado se daria declarações oficiais, não respondeu.

Dias depois, um emissário de Fux procurou a Folha para agendar uma entrevista.

RAIO X – LUIZ FUX, 59

Origem
Rio de Janeiro (RJ)

Família
Casado com Eliane Fux, tem dois filhos: Rodrigo e Marianna, ambos advogados

Formação
Bacharel em direito pela Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro). Concluiu doutorado em processo civil, também pela Uerj

Carreira
Atuou por 18 anos no Ministério Público do Rio. Foi juiz em para Niterói (RJ). Passou a desembargador do TJ-RJ em 1997 e, em 2001, foi nomeado pelo então presidente FHC para o STJ. Está no Supremo desde 2011, indicado por Dilma

Responder

    FrancoAtirador

    02 de dezembro de 2012 às 09h59

    .
    .
    Luiz Fux, a vaidade engoliu o esperto

    Autor: Luis Nassif

    Quando começaram a circular as primeiras versões sobre o périplo de Luiz Fux em Brasília, para conseguir a indicação para o STF (Supremo Tribunal Federal), confesso que fiquei com um pé atrás e me recusei a divulgar.

    O quadro que me traçavam era de uma pessoa sem nenhum caráter. Eram histórias tão esdrúxulas que só podiam partir de quem pretendia desmoralizar o Supremo.

    Uma das histórias era sobre sua visita a Antonio Palocci. Ele próprio, Luiz Fux, teria entrado no tema “mensalão” e assegurado que, se indicado Ministro do STF, “mataria no peito” o processo, afastando o perigo de gol.

    A mesma conversa teria tido com José Dirceu. Falava-se também das manobras para aproximar-se de Delfim e do MST, mas descrevendo um cara de pau tão completo que parecia um exercício de ficção em cima de Pedro Malasartes, Macunaíma ou outros personagens folclóricos.

    Com sua competência imbatível, Mônica Bérgamo recolheu todas as lendas e perguntou sobre elas ao personagem. Fux se vangloria tanto da esperteza que deixou de lado a prudência e confirmou todas as malandragens. Como se diz em Minas, a esperteza comeu o esperto.

    Prefere entrar para a história como o esperto. Que assim seja.

    CORRUPÇÃO ATIVA

    Por zuleica jorgensen

    Se ele contou tudo isso a Bergamo e, se contou, ele fez realmente tudo que diz, processo nele por corrupção ativa.

    Como é que alguém pode julgar determinado processo, que faz o governo poupar 20 milhões de dólares, e depois fica implorando uma nomeação para o STF?

    Como é que um juiz homologa um acordo que beneficia o MST (sem fazer aqui juízo de valor sobre o caso!) e depois pede uma recomendação do Stédile para ser indicado ministro do STF?

    Como é que um cara que entra para a magistratura já mirando no STF pode ser confiável?

    Tudo muito estranho, parece mesmo um ‘sincericídio’ como diz a reportagem.

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/luiz-fux-a-vaidade-engoliu-o-esperto

    FrancoAtirador

    02 de dezembro de 2012 às 10h17

    .
    .
    Éééé…

    Tem de ter ‘Q.I.’…

    e prometer algo em troca…
    .
    .
    CÓDIGO PENAL

    Parte Especial
    Titulo XI
    Dos Crimes Contra a Administração Pública
    Capítulo II
    Dos Crimes Praticados por Particular Contra a Administração em Geral

    CORRUPÇÃO ATIVA

    Art. 333 – Oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário público, para determiná-lo a praticar, omitir ou retardar ato de ofício:
    Pena – reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa.

    Parágrafo único – A pena é aumentada de um terço, se, em razão da vantagem ou promessa, o funcionário retarda ou omite ato de ofício, ou o pratica infringindo dever funcional.

    http://www.dji.com.br/codigos/1940_dl_002848_cp/cp328a337.htm

    ademar

    02 de dezembro de 2012 às 13h58

    se fosse apenas o fux,mais o jb,indicado pra reprentar a senzala,foi atraido pela casa grande,

    FrancoAtirador

    02 de dezembro de 2012 às 13h56

    .
    .
    O MINISTRO CARA-DE-PAU-OCO E NARIZ DE PINÓQUIO

    Em campanha para o STF, Luiz Fux procurou José Dirceu e, na conversa, pediu que seu currículo fosse entregue ao então presidente Lula.

    Fux diz que, na época, não lembrou (SIC) que Dirceu era réu do ‘mensalão’, processo que poderia vir a julgar.

    MÔNICA BERGAMO
    COLUNISTA DA FOLHA

    Fux diz que não fez promessa a acusados e afirma que não troca consciência por cargo

    Sentado num sofá de couro preto na sala de sua casa, em Brasília, na terça passada, o ministro Luiz Fux ainda estava sob o efeito da repercussão da posse de Joaquim Barbosa, na semana anterior.

    Ele roubou a cena ao fazer um discurso de mais de 50 minutos repleto de agradecimentos e elogios à presidente Dilma Rousseff.

    Mais tarde, na festa, tocou guitarra para homenagear o novo presidente do Supremo.

    Fux já tocou em banda. Em 2011, compôs uma canção. “Fala das virtudes das mulheres. O Michael Sullivan musicou e vai colocá-la em seu novo CD”. O título: “Ela”. O refrão: “Capaz de ir ao céu por uma estrela/Que ilumina e brilha o ser amado”.

    “O Fagner também quer fazer uma versão. E a gente ainda tem a ambição de levar para o Roberto Carlos ver.”

    O ministro pede para a cozinheira, dona Lourdes, trazer uma bandeja com refrigerantes. Só diet.

    Fux é vaidoso, e assume. “Já fiz implante capilar.” Pensa em fazer cirurgia para retirar as bolsas embaixo dos olhos. E só. “Plástica em rosto de homem fica horrível.”

    Corre 4 km por dia. Faz ginástica. Luta jiu-jitsu. Toma suco verde “todo dia, que te deixa sempre rejuvenescido”. E guaraná em pó “numa fórmula que eu inventei, com Targifor C. Tomo ácido linoleico também, porque aí você corre, perde mais fluido, transpira, entendeu?”.

    “Eu tenho que me cuidar”, diz. “Quando a roupa aperta, eu neurotizo.”

    Na entrevista à Folha, o ministro falou sobre a bronca que levou da mãe, a médica Lucy Fux, 84, por ter tocado guitarra na posse de Barbosa. E sobre o encontro que teve com réus do mensalão antes do julgamento do caso.

    BRONCA DA MÃE

    A felicidade é uma coisa efêmera. E naquele dia [da posse de Joaquim Barbosa] eu estava muito feliz. E me dei o direito de homenagear o Joaquim com uma música. Se meu pai fosse vivo, me reprimiria sobremodo. Não tenha dúvida. Assim como minha mãe o fez. Eu não imaginava que fosse ter essa repercussão. Certamente não se repetirá.

    JOSÉ DIRCEU

    Falei com ele 15 minutos [em 2010]. Ele disse que levaria meu perfil e conversaria com o presidente Lula. Aí eu soube que trabalhava para outro candidato [Fux não diz quem é]. Por isso é que não entendo essas críticas. O Zé Dirceu apoiou outro, o Lula não me nomeou, e a toda hora se ouve isso. E outra coisa: não troco consciência e independência por cargo. Então não tem nada a ver uma coisa com a outra. Eu fui nomeado pela Dilma.

    DILMA

    Eu não sabia [que Dilma tinha ligações com Dirceu, o PT e Lula]. Sinceramente. A informação que nós tínhamos era outra. Que a Dilma tem a independência dela, a postura dela, faz as escolhas que ela quer. Ela não nomeou quem o José Dirceu e o Lula apoiavam. Engraçado, para mim, sinceramente, eu acho que a meritocracia, para a presidenta Dilma, conta muito.

    ESTARRECIDO

    Havia [em 2010] essa manifestação cotidiana e recorrente de que não havia provas [para condenar os mensaleiros]. Eu só ouvia as pessoas dizendo “não tem prova, não tem prova, não tem prova”. Eu tinha a sensação “bom, não tem provas”. Eu pensei que realmente não tivesse. Quando fui ler o processo, no recesso [julho], dez horas por dia, 50 mil páginas, 500 volumes de documentos, verifiquei que tem prova. Eu fiquei estarrecido.

    PROMESSA

    Não, imagina [se fez a algum réu, quando concorria ao STF, promessa de absolvição]. Nem podia dizer [que achava que não havia provas]. Seria uma leviandade, eu não conhecia o processo.

    ELO

    O que se pode imaginar [sobre a origem da contrariedade] é isso: havia uma cultura difundida de que não havia provas. Quando tomei posse, declarei a um jornal: “Se não tiver provas, eu absolvo; se tiver, condeno”. Esse elo foi sendo levado ao extremo. Só que eu disse isso numa época em que não conhecia o processo. E aí entra a independência do juiz.

    IMPROCEDENTE

    Mas isso [críticas] pode ser uma coisa arquitetada. Como é que ele [Dirceu] vai ter raiva se ajudou uma outra pessoa? Como é que o outro [Lula] tem raiva se ele não me nomeou?

    PROVAS

    Seria um absurdo condenar alguém sem provas. Eu não teria condições de dormir se fizesse isso. Te confesso do fundo do coração.

    SONHO

    Todo juiz tem essa ambição de chegar ao Supremo. Eu uso a expressão: quem não quer ser general tem que ir embora do Exército. Fui candidato três outras vezes [entre 2004 e 2010]. Busquei apoio demais. Viajei para o Nordeste, achava que tinha que ter o maior apoio político possível. O que é um erro porque o presidente não gostava desse tipo de abordagem. Quando nomeia, ele quer que seja um ato dele.

    RITUAL

    É uma campanha. Tem um ritual. Você tem que fazer essa caminhada política necessariamente. Como eu me apresentava? Mostrando que sou uma pessoa que gosta de bater papo, carioca, despojado. E, ao mesmo tempo, currículo. Mas só meritocracia não vai.

    ANTÔNIO PALOCCI

    Na primeira vez que concorri, havia um problema muito sério do crédito-prêmio do IPI que era um rombo imenso no caixa do governo. Ele era ministro da Fazenda e foi ao meu gabinete [no STJ]. Eu vi que a União estava levando um calote. E fui o voto líder desse caso. Você poupar 20 bilhões de dólares para o governo, o governo vai achar você o máximo. Aí toda vez que eu concorria, ligava para ele.

    DELFIM NETTO

    Em 2009, participei com ele de um debate sobre ética, sociedade e Justiça. Fizemos uma amizade, batemos um papo. E aí comecei a estreitar. Porque, claro, alguém me disse: “Olha, o Delfim é uma pessoa ouvida pelo governo”. Aí eu colei no pé dele [risos].

    STEDILE

    Ele me apoia pelo seguinte: houve um grave confronto no Pontal do Paranapanema e eu fiz uma mesa de conciliação no STJ entre o proprietário e os sem-terra. Depois pedi a ele para mandar um fax me recomendando e tal. Ele mandou.

    SERGIO CABRAL

    Eu sou amigo dele e também da mulher dele. E ele levou meus currículos [para Dilma]. Você tem que ter uma pessoa para levar seu perfil e seu currículo a quem vai te nomear. Senão, não adianta. Agora, também não posso me desmerecer a esse ponto: eu tinha um tremendo currículo, 17 livros publicados.

    NEPOTISMO

    Eu acho uma violação à isonomia [a proposta, defendida por Joaquim Barbosa, de que familiares de magistrados sejam proibidos de advogar em tribunais em que estão seus parentes]. E esses meninos e essas meninas que foram criados aqui em Brasília? E esses meninos filhos de ministros? Você estigmatiza.

    MENSALÃO NA TV

    Eu não sou muito favorável à TV Justiça, embora esteja introjetada no povo a ideia de que ela dá transparência aos julgamentos. Eu não sei nem onde fica a câmera. O juiz se acostuma a viver na solidão, mesmo na presença de várias pessoas. Num caso como o do mensalão, a opinião pública não pode ter interferência absolutamente nenhuma.

    CONDENAR

    A pior função do magistrado é essa. Entendo inclusive que o Supremo poderia abdicar dessa competência para as instâncias inferiores, até para que elas possam analisar [processos] sem grandes exposições. Eu tive muita preocupação no meu voto [no mensalão] de falar em “agremiação partidária”, “primeiro denunciado”. Eu não queria politizar o voto, estigmatizar ninguém.

    DO BEM

    Eu te confesso que tenho esse pendor como ser humano e como magistrado. Eu acho a pior coisa [julgar e condenar em processos criminais]. Se pudesse, diria “eu quero fazer tudo, menos isso”. Você pode pesquisar para saber o que as pessoas pensam de mim sobre a minha característica, o lado humano. Eu sou o que eu sou. Eu sou assim, eu sou do bem.

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/fux-retrato-sem-retoques-de-um-esperto

FrancoAtirador

02 de dezembro de 2012 às 09h09

.
.
Caminhos perigosos

Por Wladimir Pomar, no sítio ‘Página 13′

À medida que o tempo passa, vão ficando evidentes contradições mais agudas na situação política brasileira.

Por um lado, o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma aparecem como favoritos para as eleições presidenciais de 2014.

Por outro, na economia, na sociedade e na política se acumulam evidências de que os detentores do poder econômico, dos meios de comunicação e do aparato de Estado estão manobrando com o propósito de reverter a situação em que se encontram.

A queda, mesmo insignificante, da taxa de juros;
o aumento, mesmo incompleto, do emprego formal;
a redução, mesmo leve, das taxas de eletricidade;
o esforço, mesmo parcial, para reduzir os custos das obras públicas;
a decisão, mais firme, de combater a corrupção política, através da extinção do financiamento privado das campanhas eleitorais,

tudo isso parece haver acendido a luz vermelha nos círculos ideológicos mais influentes daqueles reais detentores do poder, fazendo-os procurar caminhos que lhes permitam acabar com a experiência, mesmo apenas levemente reformista, de governos centrais dirigidos pelo petismo.

O primeiro e mais relevante desses caminhos, como já comentamos antes, consiste naquilo que alguns autores estão chamando de judicialização da política, e eu prefiro chamar de criminalização da política e da ação dos partidos.
A política e os partidos passam a ser julgados não mais pelo povo, mas por juízes que, no chamado processo do mensalão, se arrogaram o direito de mudar a natureza do crime cometido, desdenhar provas, atropelar a Constituição e os procedimentos legais instituídos, e se colocar acima dos demais poderes republicanos.
E, se alguém pensa que o STF se contentará em dar um exemplo apenas com esse julgamento, talvez se engane redondamente.
Tudo indica que o poder judiciário, sob a tutela da alta corte, se empenhará em substituir o Congresso com normas e leis que intensifiquem a criminalização da política e a paralisia do governo dirigido pelo PT, através do levantamento de novos casos de corrupção, reais ou forjados, que envolvam o ex-presidente Lula, a presidenta Dilma, e o PT.

O segundo caminho vem consistindo na multiplicação das derrotas do governo na Câmara e no Senado, derrotas infligidas principalmente por parcelas dos partidos que constituem a base do próprio governo, a exemplo do Código Florestal e da divisão dos royalties do pré-sal.
Com a assunção do PMDB à presidência das duas casas do Congresso, cresce a possibilidade de que tais derrotas se intensifiquem, a não ser que Dilma se curve às exigências dos aliados, a exemplo do que já vem ocorrendo na aceitação passiva e na assimilação de que há uma nova classe média no país, que merece atenção prioritária do governo.

O terceiro caminho consiste na paralisia ou redução significativa dos investimentos privados, a pretexto da crise internacional, do alto custo dos salários, da alta carga de impostos, ou de outros motivos secundários, nenhum deles sendo relacionados à redução dos lucros máximos que o poder de monopólio garantia para as grandes corporações financeiras, industriais, agrícolas e comerciais.
Como a elevação dos investimentos, especialmente na infraestrutura, indústria e agricultura de alimentos, é a chave para o crescimento e para a geração de empregos, embora alguns setores do governo não deem a atenção devida a isso, as previsões de crescimento de 3% a 4%, em 2013, podem ser frustradas.

O quarto caminho parece consistir em revigorar a insegurança pública, através de chacinas descontroladas, quase certamente realizadas como ação diversionista para ocultar disputas internas nas polícias locais, associação com milícias e traficantes, e outras correntes da criminalidade.
O que traz à tona a contradição entre as taxas de desemprego oficiais e a grande massa populacional, sem acesso à educação e à qualificação profissional, incapaz de procurar emprego e cuja única opção consiste em servir como soldados do tráfico e do crime.
Os casos de explosão de insegurança pública em São Paulo e em Santa Catarina talvez não sejam os únicos, nem os últimos.

Esses caminhos parecem desligados ou disparatados.
No entanto, quem se der ao trabalho de acompanhar a pauta do ‘partido da grande mídia’ pode concluir que eles estão intimamente relacionados, na perspectiva de corroer pelas beiras, e também por dentro, a experiência de governo do PT, de modo a fazer que ele desabe por seus próprios erros.
Talvez não seja por acaso que, nos últimos tempos, tenham se multiplicado as publicações da A Arte da Guerra, de Sun Zi, o mestre dessa arte de vencer a guerra induzindo o inimigo a cair em armadilhas, desgastar-se, e ser levado à derrota, sem necessidade de travar qualquer batalha decisiva.
Nesse sentido, os promotores da criminalização da política estão provocando o PT a cair na armadilha de realizar uma defesa aberta dos réus julgados pelo STF, de modo a associá-lo umbilicalmente à suposta compra de votos de parlamentares e abrir canais para envolver o ex-presidente Lula e o partido, como um todo, na mesma teia que lhes permitiu julgar e condenar vários dirigentes do partido e aliados.

Na verdade, talvez a melhor defesa dos condenados consista numa tática de ataque aberto, público, constante e intenso ao sistema eleitoral de financiamento privado das campanhas eleitorais, no qual o caixa dois é recorrente e não há qualquer indício de repúdio efetivo a ele pela Justiça.

Por que o PT não faz uma campanha de vulto, como as muitas que fez no passado, para exigir que o judiciário coíba o uso desse crime e que o Congresso vote o financiamento público exclusivo das campanhas eleitorais?

Nessas condições, o PT se encontra numa encruzilhada.
Ou sai da defensiva com uma tática correta, ou se arrisca a soçobrar.
O mesmo diz respeito a ele e ao governo Dilma quanto à economia e à conjuntura política.

O PT e seus membros no governo precisam discutir, em conjunto, os problemas estruturais que emperram o desenvolvimento econômico e social no ritmo que a maior parte da sociedade necessita, a exemplo do poder de monopólio de um grupo de corporações empresariais sobre o conjunto da economia, dos gargalos que impedem o crescimento dos investimentos e dos empregos da grande massa da população que está fora do mercado de trabalho, e dos aspectos macroeconômicos que incidem negativamente sobre a economia.

Ou não terão nada a dizer para as camadas populares e médias da população, nem para mobilizá-las para as mudanças, mesmo as capitalistas, que só serão realizadas se a burguesia sentir que PT e governo possuem um apoio social firme e explícito, e que este apoio pretende avançar nas reformas democráticas e populares.

Quando se confirmou a vitória de Dilma, em 2010, todos sabíamos que seu governo seria, ao mesmo tempo, continuidade do governo e novas mudanças com base no que havia sido conquistado.

Os caminhos para essas mudanças estão se tornando cada vez mais perigosos, mas o maior perigo consiste em não enfrentá-los.

http://pagina13.org.br/2012/11/caminhos-perigosos/

Responder

Jose Mario HRP

02 de dezembro de 2012 às 08h43

O mundo real é o mundo possivel, e o que conta são os objetivos.
O principal objetivo , a inclusão social, o PT vem proporcionando.
Mas exigir-se perfeição é utopia, porque somos todos humanos, vão-se os anéis que fiquem os dedos .
Porque o passado não volta mais, mas como Chico Xavier disse, podemos sempre recomeçar!
Viu Mino?
O mundo não acabou e sempre podemos continuar lutando pela inclusão social, pela fraternidade, por oportunidades iguais para todos.
Isso é esquerda, isso é cristão, isso é o BEM!

Responder

Gerson Carneiro

02 de dezembro de 2012 às 07h12

Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão. Ah esse PT…

E ainda tenta nos fazer crer que surgirá alguém que denunciará o Policarpo…. e blá blá blá.

Se não conseguiu levar adiante a principal investigação, no melhor momento!

Nem o Collor, que é quem está sendo mais incisivo nessa questão, está conseguindo.

Em poucas palavras, para não alongar o assunto: o PT deixou a peteca cair e está desmoralizado.

Responder

    Roberto Locatelli

    02 de dezembro de 2012 às 19h35

    Pois é, Gerson… Pelo menos, NÓS denunciamos aqui. Já é algumas coisa…

João Ribamar

02 de dezembro de 2012 às 01h09

A razão do editorial e de finalmente muita gente ter ficado puta….

…quando tinha a chance, não comprou a briga, e não vai aguentar!

O PT tá marcando demais em assuntos muito fundamentais, perdendo as bases, apoios históricos em nome de uma construção de governabilidade que também não tem garantia alguma. Se fosse forte até crise econômica segurava. Do jeito que vai indo, mais fácil fazer do opositor o sucessor.
Esta vendo isso faz dez anos e não faz trabalho político pra aumentar a base crítica.
Foi avisado.

Responder

JOACIL DA SILVA CAMBUIM

02 de dezembro de 2012 às 00h15

Brilhante, Mino Carta!

É bom lembrar, no entanto, que, quando não tinha qualquer enlvimento em corrupção, o PT não ganhava nenhuma eleição (salvo uma outra prefeitura ou pequeno Estado). Ou seja, a população, na sua grande maioria, é hipócrita. Se ainda vivesse a ilusão de partido mais honesto, certamente o Partido do Trabalhadores não passaria jamais dos seus trinta por cento dos votos.

Responder

Lucas

02 de dezembro de 2012 às 00h11

Mino Carta é o cara do jornalismo.

Responder

Lucas

02 de dezembro de 2012 às 00h10

Pelo posicionamento realmente independente, a despeito de se posicionar favorável aos governos petistas, Carta Capital é a única revista semanal decente no nosso país.

Ora, Mino Carta não é funcionário do PT para compactuar com o que considera incorreto. Se algo está errado, na concepção do velho jornalista, ele se posiciona contra, doa a quem doer, inclusive ao PT. Não é questão de o camarada se julgar o dono da verdade. Ninguém é dono da verdade, mas cada um de nós tem direito de formular suas opiniões, embora nem todos os façam, preferindo bater continência para o pensamento alheio, em uma subserviência mental quase absoluta.

Mino Carta tem seu posicionamento e o defende em seus escritos. O nome disso é independência e até mesmo honestidade intelectual. Coisas que muitos não conseguem absorver. Ou fingem não entender.

E é por conta dessas características que a revista segue sendo boa. Acabo de renovar minha assinatura, que já tem 7 anos.

Responder

Cláudio

01 de dezembro de 2012 às 23h37

Compreendo bem o excelente Mino em seu contundente artigo: é que a gente não é masoquista e não dá pra viver vendo uma herança tão bela sendo jogada aos porcos, destruída sem que se esboce o mínimo de cuidado para com ela. Não creio que o Mino tenha virado a casaca, apenas se chega a um ponto em que uma reação mais enérgica é exigida e o que parece é que o partido não se dá condições para tal. Digo isso mesmo considerando que continuarei a votar nele em 2014 (e adelante), esperando que fatos novos positivos surjam a seu favor, criados justamente pela comunhão dos que tentam o melhor, mesmo que o melhor seja a penas o possível. Tentemos o in-possível…

Responder

Francisco

01 de dezembro de 2012 às 21h48

O PT reclama da base aliada mais ou menos como algumas pessoas reclamam do desemprego. O que esta fazendo o PT para ter a base que lhe permita “ser PT”?

O foco tem sido nos cargos executivos, o foco não tem sido a Reforma Politica. Cargos em comissão de roldão e nomeados flagrantemente incompetentes (recentemente soube de uma recém graduada, muito gostosinha, que pediu para a funcionária de carreira, concursada, muitos anos de serviço, salário de merda, ensinar para ela o serviço. A funcionária enrolou e não ensinou. Claro! A “ninfeta” tinha sido nomeada a chefe da repartição!!).

Quanto ao PMDB, alguém do PT precisa explicar a esses sicofantas que radura é doce, mas não é mole não. Quer salário (mensalão…)? Tem que “fechar junto”!!!

Responder

    renato

    02 de dezembro de 2012 às 10h37

    Chico vovê é funcionário público, e a ninfeta
    ia ser teu chefe!
    Humildade amigo, ensine a moça. Ela pode ser sua
    filha. Ou achas que por ser ninfeta ela deva ir
    trabalhar na Espanha! Tem que começar de algum lugar
    Agora deve haver uma revolta do funcionalismo, se
    os salários não forem compativeis com a função, com
    o trabalho ( SUOR ), tanto para mais quanto para menos.
    Para mais, devolvam aos cofres publicos. Há crianças
    morrendo por falta de dinheiro.
    Para menos, reenvidiquem o que é justo, terão o apoio
    da sociedade.Desde que a respeitem. Coisa que o poder
    corroi as vezes.
    Se você não é funcionário publico, não vista esta carapuça!

    Tião Medonho

    02 de dezembro de 2012 às 13h27

    falou a ninfeta..

Lafaiete de Souza Spínola

01 de dezembro de 2012 às 21h44

Parece que nada tem a ver com o assunto, mas considero o âmago de todos os males.
A educação continua esquecida. Quem vai ter a coragem de mobilizar o nosso povo, para a liberação dessa algema que é repassada de pai para filho, sem que sintam esse repasse, em consecutivas gerações: O analfabetismo total e funcional, a ignorância?

UM PROJETO PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL

A solução para resolver os problemas estruturais e amenizar as injustiças sociais do Brasil está, basicamente, atrelada à EDUCAÇÃO. Precisamos, com urgência, investir cerca de 15% do PIB no orçamento da educação. Devemos oferecer escola com tempo integral às nossas crianças, oferecendo, com qualidade inquestionável: o café da manhã, almoço, janta, esporte e transporte, nas cidades e no campo. Como é uma medida prioritária, inicialmente, faz-se necessária uma mobilização nacional. Podemos, por certo tempo, solicitar o engajamento laico das Igrejas, Associações, Sindicatos e das nossas Forças Armadas (guerra contra o analfabetismo e o atraso) para essa grande empreitada inicial. Outros investimentos de grande porte, concomitantemente, devem ser realizados; ajudando, inclusive, a movimentar a economia de todo país: a construção civil seria acionada para a construção de escolas de alta qualidade, com quadras esportivas, espaços culturais, áreas de refeição e cozinhas bem equipadas etc. Tudo isso exigindo qualidade, porém sem luxo. Durante o período de mobilização, paralelamente, o governo deve investir na preparação de professores para atender à grande demanda. Como esse projeto é de prioridade nacional, os recursos deverão vir: de uma nova redistribuição da nossa arrecadação; de uma renegociação da dívida pública, com a inclusão do bolsa família etc.

Responder

assalariado.

01 de dezembro de 2012 às 21h25

Quem poderá salvar o PT e as “esquerdas”?

Com certeza não será a imprensa burguesa velhaca e oportunista, a serviço do capital, que vai salvar o PT que, por sua vez, consentiu ser lavador de cerebros e de suas roupas sujas, perante as massas. Isto tudo acontece, o Mino Carta tem razão, para fazer estas criticas, devido que, para quem já leu e participou das origens desse partido, com certeza, sabe que o autor deste post esta correto na maior parte de suas analises. Por outro lado, é bom não esquecer que, se o Sr. Lula faltar amanha (não estou desejando o seu mal), o que será das esquerdas no geral? A idolatria é um mal desnecessário, matam as ideias e criam a fisiologia. Não é mesmo Esquerdas?

Ou seja, estamos com dois problemas politicos para serem resolvidos: 1) a imprensa burguesa, com mentiras ou não, vive e está depenando esse partido desde sempre, nunca como agora. 2) Os ataques sucessivos ao Sr. Lula e ao partido, a qual a classe burguesa considera um estranho no ninho do poder, mesmo fazendo acordos e mais acordos (governabilidade?). Ora, como resolver isto, se o PT elegeu o PIG como seu porta voz que, por sua vez, tem interesse politicos diferentes quanto a nação? Então pergunto eu: Será que as esquerdas em nosso pais sendo tutelado pelo Estado e governado pelos inimigos de classe, será salvo por quem? Ou não tem mais salvação? É o que realmente acredito, pelo motivo de que, este partido virou uma colcha de retalhos de tanta costuras politicas e remendos ideologicos, que acabou virando um trapo fisiologico.

A doença das “esquerdas” brasileira na atualidade é, o fato dela nunca terem se assumido como tal, aí está o erro estrategico e tático perante os assalariados e os explorados da nação. Isso esta claro para eu, quando converso na fabrica que trabalho e/ ou no bairro onde moro. Ou seja, a voz do povo é a voz da rede globo (todos são ladrões), sendo assim, fico com o menos ruim, não é mesmo?

Não adianta os seguidores do PT espernearem e dizerem que com um post destes não precisamos mais nem do PIG para atacar as “esquerdas”. Mas deve -se reconhecer que o texto em pauta é forte e contundente, quando compara o partido de ontem e do hoje. Embora por uma questão de clareza ideologica o Sr. Mino Carta (fica devendo), quando e qual, é o caminho a ser percorrido por um legitimo partido de esquerda diante desta situação economica mundial. Resta saber, quando as esquerdas serão capazes de se sentarem e fazerem uma auto critica. Sim, só falta avisar o povo.

Saudaçoes Socialistas.

Responder

Sônia Bulhões

01 de dezembro de 2012 às 21h06

Minooooo ! Miiiiiino ! Você daria murro em ponta de faca ? Não mesmo, né ? O Odair Cunha também sentiria muita dor e jorraria muito sangue. Frente aos abutres, entre eles ( PASMA FIQUEI) inclui-se Protógenes, Miro (barbaridade), para ter pelo menos um relatório da CPMI, cedeu, para não acontecer o que houve com a CPI do Banestado. Ora, seja razoável. O que achas da injustiça para com Genoíno diante da “liberdade” do Cachoeira ?
Não tem cabimento.

Responder

    José Ruiz

    02 de dezembro de 2012 às 20h53

    é uma questão de prioridade.. particularmente acho o Cachoeira “peixe pequeno” diante da máfia que domina a mídia em nosso país.. e não são indícios.. existe clara e comprovada ligação dessa mídia com o crime organizado..

Valmont

01 de dezembro de 2012 às 20h58

“Miro Teixeira, o verdadeiro relator da CPI do Cachoeira.”
Ele é a verdadeira cara do governo de fato, com seus bernardos e eduardos.

Responder

ricardo silveira

01 de dezembro de 2012 às 20h54

Assim como o STF o PT agiu exatamente como queria a mídia. Tenho esperança que um dia os brasileiros tenham um governo que lhes assegure o espaço público. Só lamento que muito provavelmente não vá viver para ver isso.

Responder

Luis Campinas

01 de dezembro de 2012 às 20h52

Qual o papel precípuo de agremiação de esquerda num país miserável senão distribuir renda e fazer distribuição de renda?
Claro é que poderíamos ter sido mais competentes no sentido da nomeação de juízes, PGR, na manutenção de Paulo Lacerda e outros casos mais. Agora impor ao PT a responsabilidade de transformar uma base aliada capaz de enfrentar a bancada da Globo para um jornalista experiente como Mino, onde o mínimo que se espera é entender um pouco de correlação de forças, me faz pensar que o PIG pode estar ganhando adeptos, se não formalmente…
Se não for isso, menos Mino, menos!!!!

Responder

Ulisses

01 de dezembro de 2012 às 20h07

Parece que o Mino Carta é outro idiota que deixou-se levar pela mídia. Se continuarmos assim, este país vai virar um país de lulipes e companhia ltda. Seremos mesmo um país de idiotas domados pela mídia?

Responder

lourenço

01 de dezembro de 2012 às 19h49

Não é o PT sr. Miro!
Não jogue todos os petista no mesmo balaio.
São alguns covardes como Odair Cunha que ainda têm a coragem de dizer que quer ser presidente do PT de Minas.
Minas não aceita e nunca aceitará covardes!
No PT existem milhares de pessoas que não concordam com esses pusilâmines, arrivistas.

Responder

CarmenLya

01 de dezembro de 2012 às 19h41

Mas báh!!!!! que quié isso, companheiros?????? vivendo mundinho paralelo, num tranquilizador auto-engano?????? Mino Carta continua um jornalista lúcido e independente…tudo que escreveu é a mais pura realidade. Pelo contrário, se continuasse a defender o indefensável seria exatamente como o PIG, que esconde as falcatruas dos políticos de direita. Lendo apenas a troca de e-mails dos corruptos senti uma enorme vergonha alheia…imaginem o que deve ter nas conversas. E nossa Dilma Roussef, mui republicanamente, deu aval aos corruptos da CBF e FIFA. Aguardem, companheiros, aguardem…ainda faltam as denúncias sobre o rolo compressor dos governos nessas obras da Copa e Olimpiadas. O amigo do dep. Vacarezza, que hibernou durante as eleições, voltou com a corda toda, agora que o Paes foi eleito. Isto aqui está uma farra para corruptos e corruptores.

Responder

eli

01 de dezembro de 2012 às 19h35

Realmente é muito dificil governar neste País, dependendo
de uma coligação tão ambígua. Não podemos condenar
o Deputado Odair Cunha, pois quais dos seus pares estariam
dispostos a votarem favoravelmente o seu relatorio?

Responder

Jair de Souza

01 de dezembro de 2012 às 19h16

Mino Carta é mais um exemplo da soberba dos que se acham superiores. Crê que ele é o dono da verdade, aquele que pode determinar o que é justo e correto dáquilo que não é. Não, eu não estou com você nesta (e nem em muitas outras, como, por exemplo, você queria que entregássemos ao vergonhoso governo da Itália – o governo e o Estado de seus sonhos, talvez – o lutador revolucionário Cesare Battisti, que aqui havia encontrado refúgio). Felizmente, neste último caso, o governo brasileiro não deu ouvidos a suas iradas exigências de submissão ao Estado italiano.

Nós precisamos, sim, de uma mídia democrática e popular, mas ela não será feita com base em seus meios de comunicação, meios de quem, na verdade, quer é tomar o lugar agora ocupado por competidores.

Queremos que você e seus meios possam continuar atuando livremente, mas queremos mais ainda criar meios próprios da sociedade em seu conjunto, não meios que representem outra faceta de nossa burguesia, mais esclarecida, talvez, mas burguesia em fim.

O PT está longe de ser o partido de nossos sonhos (pelo menos, longe dos meus), mas é o que há de mais efetivo para permitir algum avanço do povo no presente momento. Todos os que o colocam como o alvo principal a ser atingido não deveriam merecer (e creio que não merecem mesmo) o apreço de nosso povo mais necessitado. Uma coisa é lutar para que o PT não se desvie, outra, totalmente diferente, é culpá-lo de todos os males existentes, ainda nos casos em que sua atuação foi correta (como na atual CPMI de Cachoeira).

É algo curioso ver sua bronca com o que anda acontecendo no Brasil, especialmente nas famigeradas condenações sem provas no julgamento do “mensalão”. Você e alguns outros (PHA, inclusive) passaram anos e anos massacrando a figura de José Dirceu, a quem vocês pintavam como o verdadeiro diabo da política brasileira, o grande culpado por tudo de ruim que acontecia no país. De repente, querem demonstrar sua indignação pelas absurdas condenações das quais ele (e muitos outros) foram vítimas. Como se a campanha de assassinato de reputação que vocês praticaram por tanto tempo não tivessem também contribuído a criar o clima de linchamento que foi lançado pela outra mídia manipuladora em conluio com gente do Judiciário.

O PT precisa realmente aprender a não se desviar da rota de interesse de nosso povo, para tanto, precisa apoiar resolutamente a criação de órgãos de comunicação verdadeiramente democráticos e populares, e não acreditar que alguns elementos desgarrados do bloco central da grande burguesia venha a representá-lo adequadamente.

Responder

Wolney Castilho

01 de dezembro de 2012 às 18h54

Lamento profundamente a posição da revista Carta Capital. Não tem fundamento político, mas sim moral. A revista começa a mostrar claramente seus limites políticos. É uma pena. E essa tendência vai avançar. Ela se considera, mas não é, o juíz inexcedível da esquerda brasileira.

Responder

    Luís

    02 de dezembro de 2012 às 17h05

    Pois é. Agora a Carta Capital faz parte do “pig”.

Vlad

01 de dezembro de 2012 às 18h53

hahaha…essa galera chapa-branca do PT é mais cega que os saudosistas dos milicos.
São a prova que a ciência buscava sobre a existência de mundos paralelos.

Responder

    Amaral

    06 de dezembro de 2012 às 17h38

    Finalmente um comentário lúcido eheheheheh

trombeta

01 de dezembro de 2012 às 18h32

Mino ainda que seja um grande jornalista e um raro caso de empresário da comunicação engajado reproduz o discurso moralista de sua classe social, a corrupção infelizmente assola todos os países inclusive os chamados de primeiro mundo.

Diferente do que propagandeia a mídia de direita o Brasil não é um caso de corrupção endêmica, temos problemas mas também temos muitos mecanismos de defesa como um ministério público atuante e um judiciário no geral independente.

O discurso da corrupção é recorrente na política brasileira, é feitiço velho usado pelas elites contra governos populares como Getúlio Vargas, JK e Lula.

Responder

    Tião Medonho

    02 de dezembro de 2012 às 07h59

    ahhhhhh bom..sendo assim caiamos todos na esbornia, na safadeza, na pouca vergonha e na lambança….liberou geral

Jairo Falcucci Beraldo

01 de dezembro de 2012 às 18h25

No final, são todos iguais. Idiota, aquele que ainda grita pelos seus, digamos, pares! Aqui em Goiás, um eleito pelo PT na cidade de Perolandia, foi cassado por usar uma radio pirata, e NAO COMPRA DE VOTOS, não gastou UM CENTAVO…mas em Catalão, um TUCANO foi absolvido pelo ilibado neo-paladino do STF Marcorelo Mello (que limpou a barra do Maluf, Cacciola, assassina Richtofen, contraventor Turcão, Milicianos, e da gangue de frigorificos que deu cano no Alckmin em 1,5 bi de impostos), por COMPROVADAMENTE caixa 2….e vem estes imundos, depois de farsearem a AP-470, dizerem livrarem o país da corupção!

Responder

    luiz pinheiro

    02 de dezembro de 2012 às 12h11

    SR. Jairo, me explique por favor: se todos são iguais, por que o Brasil só começou a dar certo e se tornar um país de verdade, onde o povo tem o respeito que merece, a partir do governo Lula?

    Jairo Falcucci Beraldo

    02 de dezembro de 2012 às 12h46

    Sr. Luiz pinheiro, não sei se percebeu, no que escrevi, demonstrei repudio ao tratamento que o TRE, TSE e STF dão aos petistas, contrario ao que dão a favor de tucanos…por favor, rebata os contrarios ao PT, e aos que querem que Lula seja o bandido da historia..por favor, me poupe!

    paulo

    04 de dezembro de 2012 às 11h53

    o respeito que a policia tem hoje morre um todo dia porque quem não trabalha manda no pedaço e quem tem a honra de cumprir com o dever é morto por bandido.

lulipe

01 de dezembro de 2012 às 18h14

É questão de tempo, para os mais alienados mais tempo,para todos os simpatizantes do lulo-petismo caírem na real e perceberem que não existe mocinhos do lado de lá.Felizmente, o STF, a PF e o MPF já perceberam isso faz tempo.

Responder

    Jairo Falcucci Beraldo

    01 de dezembro de 2012 às 19h06

    Ora, mas quem cre que existem “santos” em instituições? Voce deve estar se referindo ao “engavetador geral do FHC”, pois depois dele, existe uma sessão de descontrole tanto da PF, MPF e midia…pois não jorra mais grana nos dutos midiaticos da casa grande como em outrora…mas falta PULSO a presidente para cnter os abusos dos Zé’s!

    Darcy Brasil Rodrigues da Silva

    02 de dezembro de 2012 às 15h41

    Caro Jairo, o lulipe respondeu no seu espaço. O formato do blog não concede reposta ao lulipe em espaço próprio. Portanto, para respondê-lo tive que ingressar no campo de resposta gráfico de seu comentário. Ademais, não me consta que você seja considerado troll. Por outro lado, se a minha resposta estivesse sendo dada a você seria completamente louca. A analogia Deus x Diabo só faz sentido quando referenciada a citação de lulipe ao binômio Esquerda x Direita. Portanto, creio que não havia nenhuma dúvida , tanto é que o Ricardo sacou na hora. Falou Falcucci? Mamma mia!! Um abraço!!

    Darcy Brasil Rodrigues da Silva

    01 de dezembro de 2012 às 21h39

    É o que o diabo vive dizendo para todos os seres humanos: “é apenas uma questão de tempo para que todos reconheçam que não existe diferença alguma entre ele e Deus”. Bela argumentação! Você frequenta esse portal com dois propósitos: o primeiro, acompanhar o que pensa a esquerda, já que por aqui se trava um debate autêntico, informando o que alcançou compreender aos seus superiores ( positivo e operando!). Segundo, exercer o papel de provocador, tentando desestabilizar a nossa moral combativa. Você realmente é um pulha! Se estivéssemos no regime militar, você seria provavelmente um dedo-duro imundo.Ocorre que assim como o diabo não se compara a Deus, um mercenário da direita como você não se compara a ninguém da esquerda (você não sabe o que é amar ao seu povo e ao seu país.Como ser humano, você é um merda. Um serviçal das elites). E mais, você comete um gravíssimo erro: subestima a inteligência e a cultura política dos que nesse blog comentam. Todos estamos acostumados com pessoas como você no nosso dia-a-dia. Nos locais de trabalho , atuam como chefes intermediários, agentes nojentos dos patrões. Nas PMs,em geral são sargentos e tenentes que instigam os demais policiais contra a esquerda e o povo, para que caiam furiosos sobre ambos durante as suas manifestações de protestos; nas policias civis, são os covardes torturadores, que tudo fazem ,protegidos nos porões da repressão. Não,lulipe, não queira comparar a esquerda com a direita. Até mesmo porque as denúncias contra a esquerda que discutimos, sabemos perfeitamente de onde procedem: partem de canalhas imundos como você. Gente com os quais teremos que acertar nossas contas um dia, com certeza, para limpar o país de sua sujeira humana.Não sei como se dará essa limpeza. Não será como eu quero, mas da forma que o povo decidir. Prisão perpétua para uns; ressocialização, para outros. Não importa! Indivíduos como você causam infinitamente mais danos aos interesses maiores de nosso povo do que 99% da população carcerária brasileira.

    Ricardo JC

    02 de dezembro de 2012 às 08h11

    Gostaria de fazer minhas a suas palavras…100%!!!

    Jairo Falcucci Beraldo

    02 de dezembro de 2012 às 09h46

    Voce escreveu isto para mim ou para o Lulipe, Sr. Darcy?

    Zezinho

    02 de dezembro de 2012 às 14h39

    Coitadinha da esquerda, tão pura…

André

01 de dezembro de 2012 às 17h56

Mino Carta é, no mínimo, suspeitosamente volúvel. Nesse texto de ataque ao PT ele afirma que:

“Lula, fez um bom governo, e com justiça ganhou a condição de presidente mais popular da história do Brasil”.

Porém, logo ali, em 2009, ele escreveu um texto de despedida do seu blog, basicamente por desilusão com o governo de Lula, onde afirma:

“No governo, contudo, ele [Lula] foi muito além das minhas expectativas. Ou, por outra: deu para me decepcionar progressivamente.”

E continua:

“O balanço de seis anos de Lula no poder não é animador, no meu entendimento. A política econômica privilegiou os mais ricos e deu aos mais pobres uma esmola [sic]”.

Esse não é o discurso padrão dos mais reacionários? Usando a pergunta que ele fez, se referindo de maneira simplória e demagógica a Odair Cunha, eu me pergunto: Mino Carta, acredita mesmo no que diz? Diz no que acredita? Quando?

Responder

Pedro

01 de dezembro de 2012 às 16h51

Não vou chamar a sua atenção para o que está ocorrendo no mundo, nem vou censurá-lo por ter tomado a corrupção no Brasil como motivo do seu artigo. Monteiro Lobato dizia que se você pensa em termos de Brasil, por exemplo produção de aço, para saber o que se produz nos Estados Unidos basta multiplicar por quarenta. Em termos de corrupção, corrupção de império, talvez a medida do Lobato demonstrasse ser insuficiente. Quer ver, consulte o site do americno Paul Craig Roberts. Ficamos com vergonha de sermos pequenos em tudo, até nesse ítem.

Responder

Messias Franca de Macedo

01 de dezembro de 2012 às 16h26

… O egrégio, competente, sapiente, independente e impávido jornalista Mino Carta preferiu enunciar o texto acima, ao invés de asseverar mais ou menos assim: “Bem que o ‘PT da governança’ poderia – com as narinas vedadas – ter saltado alguns, digamos, ‘excrementos próprios da fisiologia animal’!” No entanto, é notório que o perscrutador Mino Carta admite que botas e pele podem ser lavadas, desinfetadas… Talvez ainda haja tempo!…

República de ‘Nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

luiz pinheiro

01 de dezembro de 2012 às 16h26

O Mino acusa pesado e não tem razão. Chamar o relator Odair de “velhaco” é o cúmulo. Quem assistiu as sessões da CPI viu muito bem que o Odair e demais petistas foram pelo indiciamento do Policarpo e do Gurgel, enquanto todos os outros partidos foram contra e muitos deputados estão lá fazendo de tudo para impedir a votação do relatório final, para que a CPI acabe em pizza e o Perilo saia ileso. Espero que não seja isso que o Mino deseja. O Odair teve que ceder, porque senão as sessões seguintes seriam grosssa gritaria e o relatório não seria votado. Parabéns ao Odair, pêsames ao Mino Carta.

Responder

    Jairo Falcucci Beraldo

    02 de dezembro de 2012 às 12h49

    Ele é pior que isto…é um baita de um bundão, covarde e que me envergonha por ser mineiro.

Pedro Cruz

01 de dezembro de 2012 às 16h00

Não, o Mino não está sendo justo nem com o PT, muito menos, com o Deputado Odair Cunha, muito bom Deputado. Velhacaria??? O espirito de Algusto Nunes incorporou no Mino. Quem acompanhou a CPMI viu como os membros do PT se portaram, verdadeiros gigantes na coragem, na competencia e na civilidade. O Mino sabe que as alterações no texto não é de responsabilidade do relator, mas sim de um PARTIDO e de um governo. Não deve tratar um grande Deputado dessa maneira. Velhaco??? Por muito menos êle censura comentários. O basico é muito simples. Em 2002 o PT entendeu que teria que se aliar ao PMDB, se quizesse ganhar as eleições. Fez a aliança, continua fazendo e tem ganho as eleições, que lhe proporcionou mudar esse pais. Para mim ninguem governa esse país sem se compor com o PMDB, ou algo do tipo. O PT precisa continuar com essa aliança, não pode se isolar, não pode ser um PSOL. Os partidos políticos que dispomos, fora o PT e o PCdoB, não diferem do PMDB. Eu tambem quero uma reforma política, uma reforma tributária, uma reforma agraria, uma regulamentação dos meios de comunicação, gostaria muito de enquadrar o STF, indiciar o Caneta, os outros jornalistas bandidos e o PGR. Para isso precisa-se de votos na Camara e no Senado, que não se tem. Não se tem apoio popular. Que fazer??? Ganhar eleições não é importante???? Mudar, como mudaram, esse país não é importante??? Conquistar o que conquistamos não foi importante???? O que seria deste país sem os Governos do PT e de seus aliados??? Não foi importante derrotar o PIG e seus aliados no Brasil e em São Paulo??? Com a ajuda do Maluf??? Sim, precisavamos ganhar São`Paulo. Alguem discorda??? A disputa para ir para o segundo turno foi cabeça a cabeça. Ano que vem tem eleiçoes, para presidente e governadores. Vamos sozinhos, sem aliados??? Não, quero continuar aliado do PMDB. Quero derrotar a imprensa e seus aliados, mais uma vez. No Brasil, em São Paulo e em todos os estados. O Mino está muito errado. O PT tem muitos problemas e muitas limitações. Mas, não podemos deixar tratarem o PT, o PARTIDO que mudou esse país, da maneira como a imprensa golpista trata. Não, não vamos aceitar que desrespeitem nosso PARTIDO e seus dirigentes. Carta Capital esteve muito errada no caso Batisti, esta muito errada quando ataca, gratuitamente, dirigentes do PT e, está muito errada ao, se somar ao PIG, na tentativa de desconstruir o PT. Mino, voce não é Augusto Nunes. Deixe o vil papel de, tentar, desconstruir o PT para a elite canalha e seus aliados.

Responder

Marco

01 de dezembro de 2012 às 15h38

Sr. Mino Carta,saudações brilhante intelecto.Duas coisas;O dep. Miro Teixeira,se não for parente do Carlos (Urubu)Lacerda,no minimo foi vizinho tal semelhança física e ideológica.Ah! A outra coisa,pare,em nomo de sua inteligência,de idealizar o PT.Partido não passa de agremiação pequeno-burguesa que o sr. sempre soube,veio à terra,pra sentir medo!

Responder

Alexandro Rodrigues

01 de dezembro de 2012 às 15h29

Xii, coitado do Mino Carta! Vai ser acusado de como é que é mesmo… “fazer o jogo da direita”

O PT já perdeu o direito de errar. Chega. O PT paulista precisa passar por uma faxina. Mas quem tem coragem de PeiTar o Lula?

Responder

Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu” « Viomundo – O que você não vê na mídia

01 de dezembro de 2012 às 15h19

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

Eugênia

01 de dezembro de 2012 às 15h12

Nas horas dificeis é que conhecemos de verdade as pessoas. Nunca gostei muito do Sr.Mino Carta. No caso da extradição daquele italiano em que ficou do lado de Berlusconi ele já tinha rasgado a fantasia. Agora quando o PT está sendo violentamento atacado, ele se soma as vozes do ataque. Miro teixeira dá náuseas. Mino carta idem.

Responder

    André

    01 de dezembro de 2012 às 16h11

    Concordo plenamente, Eugênia.

    Marcelo de Matos

    01 de dezembro de 2012 às 16h28

    Isto aqui está parecendo o Brasil dos tempos de João Goulart, quando o IBAD, financiado pela Cia, dava dinheiro a quem se dispusesse a falar mal do governo.

    tiago carneiro

    01 de dezembro de 2012 às 16h32

    Sim sim. Está na moda falar mal do governo. Isso para em 2014 ficar mais fácil eleger aecinho do pó.

    Não será difícil, FHC de saias está fazendo um belo governo de direita.

Ilha de Gilberto Miranda: O que impede Adams de rever decisão? « Viomundo – O que você não vê na mídia

01 de dezembro de 2012 às 15h02

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

Folha vai à suíte presidencial para sugerir caso de Lula com Rose « Viomundo – O que você não vê na mídia

01 de dezembro de 2012 às 15h00

[…] Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado […]

Responder

Ana Paula

01 de dezembro de 2012 às 14h26

Muito estranho o Mino Carta, sempre governista (até mesmo durante a ditadura), vir com essa conversinha anti-corrupção agora…

Responder

    tiago carneiro

    01 de dezembro de 2012 às 16h31

    Concordo… Tá mais parecendo uma voz à favor do PIG.

    tiago carneiro

    01 de dezembro de 2012 às 16h31

    a favor

    Fábio

    01 de dezembro de 2012 às 17h47

    Prezada Ana Paula.
    O Mino governista? Quando, aonde?
    Quanto ao PT, fui militante e filiado, desliguei-me, enojado com o comportamento dos “caciques” do Diretório do Município em que resido.
    Têm o mesmo comportamento dos dirigentes dos demais partidos: a única preocupação é o poder pelo poder e obtenção de vantagens.

    Ana Paula

    02 de dezembro de 2012 às 16h49

    Fábio, respondi a sua pergunta com relação ao Mino Carta. Já com relação ao PT, sinceramente, não o trouxe para a discussão, ele saltou de para-quedas, não sei nem se havia deixa para tal. Realmente não me importo com essas considerações de cunho pessoal, todo mundo se desilude com uma infinidade de coisas durante a vida, se tem algo que eu posso te dizer é que nunca me desiludi com o PT, pois nunca fui petista, embora tenha sido eleitora do Lula e da Dilma.

    Ana Paula

    02 de dezembro de 2012 às 20h11

    Eu havia dito (tentado dizer) que em editoriais assinados pelo Mino Carta durante o governo Médici, ele elogiou o governo dos militares, como se nota:

    “surgiram [os militares] como o único antídoto de seguro efeito contra a subversão e a corrupção, nascidas e criadas à sombra dos erros voluntários e involuntários dos líderes civis”

    Segue:

    “E, enquanto cuidavam de pôr a casa em ordem, [os militares] tiveram de começar a preparar o país, a pátria amada, para sair de sua humilhante condição de subdesenvolvimento”.

    Neste mesmo editorial o Mino Carta refere-se ao golpe de 64 como “Revolução de 64”.

    Por isso que eu disse que ele era governista desde a época da ditadura. E também por isso achei estranho esse rompante anti-corrupção tão repentino…

José X.

01 de dezembro de 2012 às 14h06

A questão principal é: qual são as opções, além do PT ? Tá difícil…

Responder

Marcelo de Matos

01 de dezembro de 2012 às 13h48

Tenho um amigo muito gozador que quando estou elogiando meu time, o Palmeiras, ele diz: Já vi que você gosta de futebol. Ainda vai se tornar sampaulino. O que eu digo ao Mino Carta é que ele está se mostrando extremamente moralista. Ainda vai se tornar um editor do PIG. O pior é que já foi. Estará recaindo?

Responder

    Luís

    02 de dezembro de 2012 às 15h58

    O que mais tem esntre os “progressistas” é gente que trabalhou para o tal do “pig” e aceitava de bom grado as ordens dos chefes e patrões desses veículos.

Marcelo de Matos

01 de dezembro de 2012 às 13h43

Onde eu vim amarrar meu burro! Alguém sabe me indicar um blog mais simpático ao PT?

Responder

    ricardo

    01 de dezembro de 2012 às 21h45

    O do Zé Dirceu?

FrancoAtirador

01 de dezembro de 2012 às 13h25

.
.
Uma mostra de como funciona (ou não funciona) internamente
uma frente ampla de esquerda e centro-esquerda chamada PT:

http://pagina13.org.br/apresentacao/quem-somos/

Responder

Willian

01 de dezembro de 2012 às 13h18

O texto de Mino Carta me lembrou outro, de José Saramago, desiludido com os rumos de Cuba.

“Cheguei até aqui. De agora em diante, Cuba seguirá seu caminho e eu fico. Divergir é um direito que se encontra e se encontrará inscrito com tinta invisível em todas as declarações de direitos humanos passadas, presentes e futuras. Divergir é um ato irrenunciável de consciência. Pode ser que divergir conduza a traição, mas isso sempre tem que ser demonstrado com provas irrefutáveis. Não acredito que se tenha agido sem deixar margem à duvidas no julgamento recente de onde sairam condenados a penas desproporcionais os cubanos dissidentes. E não se entende, se houve conspiração, porque não foi expulso o encarregado da Seção de Interesses dos EUA em Havana, a outra parte da conspiração.

Agora chegam os fuzilamentos. Sequestrar um barco ou um avião é um crime severamente punível em qualquer país do mundo, mas não se condena a morte os sequestradores, principalmente tendo em conta que não houve vítimas. Cuba não ganhou nenhuma batalha heróica fuzilando esses três homens, mas perdeu minha confiança, quebrou minhas esperanças, traiu meus sonhos. Cheguei até aqui.”

Responder

    Marcelo de Matos

    01 de dezembro de 2012 às 13h42

    O Mino tem o condão de agradar à ultra direita e à ultra esquerda. Nesse particular ele se parece com um seu conterrâneo ilustre, o articulista da Folha Elio Gaspari.

    Darcy Brasil Rodrigues da Silva

    01 de dezembro de 2012 às 15h32

    Puxa, Willian, o seu humanitarismo me comove! É pena que tenhamos que constatar , mesmo que em comentário tão deslocado do contexto, a sua decepção com os crimes do governo cubano. Acredito, sinceramente, que, essa perda inestimável nas fileiras dos apoiadores mais dedicados do regime cubano jamais poderá ser reparada. Mas, companheiro, não desanime, ainda há esperança a se cultivar em coração tão nobre. Humanistas como você resistem em grandes estadistas como Obama e Angela Merlkel. Anuaê!

    Willian

    01 de dezembro de 2012 às 17h04

    Pra bom entendedor meia palavra bas.

    André

    01 de dezembro de 2012 às 17h01

    Pois é, realmente o erro do Mino Carta fez lembrar o erro do Saramago de 2003. Porém, vale lembrar que 2 anos depois, após se inteirar melhor sobre a realidade cubana, Saramago disse:

    “a minha declaração naquele momento, feita com muita dor e sem querer romper definitivamente com Cuba, foi celebrada, manipulada, usada. […] Em fim, o que importa é que estou aqui, que sou amigo de Cuba”.

    Veremos como agirá Mino Carta daqui em diante. Interpretar a retirada dos nomes de Policarpo e de Gurgel do relatório da CPMI como “oportunismo”, “incompetência”, “covardia” e “velhacaria” de Odair Cunha não pode ser uma simples ingenuidade ou ignorância da complexa e escorregadia realidade política do Congresso Nacional. Dizer, como fez Mino, que o PT perdeu a linha, demoliu seu passado, entregou-se ao vírus da corrupção e que proporciona um deprimente espetáculo, é discurso fácil e falso, grandiloquente e apocalíptico, digno de militante do PSDB e do PIG.

    Willian

    01 de dezembro de 2012 às 19h19

    Que alívio, André! Achei que tinha concordado com José Saramago uma vez. Muito obrigado, não sabia desta retratação. José Saramago nunca me decepciona.

    abolicionista

    02 de dezembro de 2012 às 00h02

    Saramago pediu desculpas por ter dito isso. Em vez de citar seus deslizes, você poderia tentar ler algum de seus romances. Em todo caso, você poderia ter citado um autor de direita, citar o Saramago mostra apenas que você não entende de literatura.
    Em todo caso, Saramago também disse o seguinte:

    “Que significa hoje ser escritor comunista? À margem das distinções mais ou menos sutis que poderíamos fazer entre ser-se um escritor comunista e um comunista escritor (não é certamente o mesmo, por exemplo, ser-se jornalista comunista e comunista jornalista…), creio que a pergunta não vai dirigida ao alvo que mais importa. Pelo menos em minha opinião. Tiremos o escritor e perguntemos simplesmente: Que significa ser hoje comunista? Desmoronou-se a União Soviética, foram arrastadas na queda as denominadas democracias populares, a China histórica mudou menos do que se julga, a Coreia do Norte é uma farsa trágica, as mãos dos Estados Unidos continuam a apertar o pescoço de Cuba… Ainda é possível, nesta situação, ser-se comunista? Penso que sim.”

    João Ribamar

    02 de dezembro de 2012 às 01h14

    Desculpe, mas não é não. Também acho o texto do Mino bem exagerado, mas digno daqueles que achavam que quando tivessem a oportunidade, teriam apoio. Agora, em que se pode começar a pegar o PIG em algo comprovado e severo, o PT arrega, covardemente. Como disse em outro comentário, estamos perdendo um por um dos vários apoios e bases. Em nome de uma governabilidade pouco sustentável.

    Sinceramente, a questão agora é pensar seriamente: se até o Mino, compreendendo todas as questões de governabilidade, congresso, etc, está assim, imagine como estamos ?? Hora séria mesmo de senso crítico, de auto-crítica interna e construção de reação até 2014…hora de começar a pensar e governar como esquerda, como PT.

    [email protected]_2

    02 de dezembro de 2012 às 10h25

    Desapontador o Mino jogar APENAS nas costas do dep Odair Cunha a responsabilidade da retirada do nome dos canalhas “caneta” e “prevaricador GU” do relatorio da CPI.

    Quem VETOU foram os “aliados” do PMDB e do PDT, como o notório Miro Global Teixeira – sem contar a canalha assumida dos onix da vida, a oposiçao federal.

    Lamentável o Mino colocar no PT- que fez sua parte durante a CPMI- a culpa que deveria recair nos inimigos de sempre do Brasil.
    E só neles, pelo menos no que tange ao episodio CPMI…

    razumikhin

    02 de dezembro de 2012 às 15h53

    Exato, ompanheiro. Muito bem dito. Acrescento que Lula nunca soube, ele foi traído e apunhalado.

    Jair de Souza

    01 de dezembro de 2012 às 19h24

    Boa lembrança, só faltou recordar também que José Saramago pediu desculpas à Revolução Cubana por haver cometido essa injustiça. Saramago morreu como o grande admirador da Revolução Cubana que sempre tinha sido. Você se esqueceu deste pequeno detalhe?

    Willian

    02 de dezembro de 2012 às 12h17

    Obrigado a você também, Jair.

    abolicionista

    02 de dezembro de 2012 às 16h35

    Claro que você não poderia concordar com o Saramago, Willian, que você tenha chegado a colocar isso em questão apenas demonstra o que todos aqui já estamos cansados de saber: sua infinita inépcia conceitual. Tantos escritores de direita e você foi escolher justo o Saramago, que infelicidade…


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!