VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Paulo Moreira Leite: Quem não tem voto caça com Valério


02/11/2012 - 16h30

por Paulo Moreira Leite, no seu blog, sugestão do Ulisses

O alvoroço provocado pela notícia de que Marcos Valério pode ter informações comprometedoras contra Lula, Antônio Palocci e até sobre o caso Celso Daniel chega a ser vergonhoso.

Desde a denúncia de Roberto Jefferson que Valério tem demonstrado grande disposição para colaborar com a polícia.

Foi ele quem entregou a relação de 32 beneficiários das verbas do mensalão, inclusive Duda Mendonça.

Conforme os advogados de um dos réus principais, ao longo do processo Valério fez quatro tentativas de oferecer novas delações em troca de uma redução de sua pena.  As quatro foram rejeitadas.

O estranho,  agora, não é a iniciativa de Valério, mais do que compreensível para quem se encontra numa situação como a sua. Não estou falando apenas dos 40 anos de prisão.

As condenações de José Dirceu  e José Genoíno se baseiam em “não é possível que não soubessem”, “não é plausível”, “um desvio na caminhada” e assim por diante.

Eu acho legítimo pensar que deveriam ser questionadas em novo julgamento,  o que certamente poderia ser feito se tivessem direito a uma segunda instância, como vai ocorrer com os réus do mensalão PSDB-MG que foram desmembrados nestes “dois pesos, dois mensalões,” na antológica definição de Jânio de Freitas.

Parece muito difícil questionar o mérito das acusações contra Valério.  Ele participava de um esquema para levantar recursos de campanha. Mas seu interesse era comercial, digamos assim. Pretendia levantar R$ 1 bilhão até o fim do governo, disse Silvio Pereira, secretário geral do PT, em entrevista a Soraya Agege, do Globo, em 2006.

Era o titular do esquema, o dono das agências de publicidade, aquele que recolhia e despachava o dinheiro, inclusive com carros forte e conta em paraíso fiscal.

O estranho, agora, não é o comportamento de Valério. São os outros.

É a torcida, o ambiente de vale-tudo.

Ele teve sete anos para apresentar qualquer informação relevante. A menos que tenha adquirido o costume de criar dificuldades para comprar facilidades até com a própria liberdade, o que não é bem o costume dos operadores financeiros, seu silêncio sugere a falta de fatos importantes para revelar. Ele enfrentou em silêncio a denúncia  do primeiro procurador, Antônio Carlos Fernando de Souza, em 2006.  Assistiu do mesmo modo à aceitação da denúncia pelo Supremo, em 2007. Deu não se sabe quantos depoimentos à Justiça e à Polícia.  Seu advogado, Marcelo Leonardo, um dos mais competentes do julgamento, escreveu não sei quantas alegações finais no STF.

Nem mesmo quando, preso por outras razões, tomava porrada de colegas de presídio numa cadeia,  lembrou que podia contar algo para se proteger?

A verdade é que os adversários de Lula não conseguem esconder a vontade de que Valério  tenha grandes revelações a fazer.  Deveriam estar acima de tudo desconfiados e cautelosos, já que as circunstâncias não garantem a menor credibilidade a qualquer denúncia feita DEPOIS que  um réu enfrenta uma condenação de 40 anos e não se vislumbra nenhum atenuante para amenizar a situação.

É preocupante porque  nós sabemos que é possível transformar versões falsas  em fatos verdadeiros.

Basta que os melhores escrúpulos sejam deixados de lado, as versões anunciadas sejam convenientes e atendam aos interesses de várias partes envolvidas.  O país tem uma longa experiência com essa turma. Ela denunciou um grampo telefônico que não houve. Falou de uma conta em paraíso fiscal – do próprio Lula e outros ministros – que eles próprios sabiam que era falsa. Também denunciou uma  caixa de dólares enviados do exterior para a campanha de 2002 que ninguém foi capaz de abrir para dizer o que tinha lá dentro.

Na prática, os adversários de Lula querem que Valério entregue aquilo que o eleitor não entregou.

O próprio Valério sabe disso. De seu ponto de vista, qualquer coisa será melhor do que enfrentar uma pena de 40 anos, concorda? Qualquer coisa.

Do ponto de vista dos adversários de Lula, também. Qualquer coisa é melhor do que uma longa perspectiva de derrotas, não é mesmo?  Talvez não por 40 anos mas quem sabe mais quatro?

É por isso que os interesses das partes, agora, coincidem.  O mocinho da oposição tornou-se Valério.

No mundo do “não é possível”, do “é plausível”, do “não pode ser provado mas não poderia ser de outra forma ” as coisas ficam fáceis para quem acusa.  A moda ideológica, agora, é acusar de bonzinho quem acha que a obrigação da prova cabe a quem acusa.

E eu, que pensei que a presunção da inocência era um direito constitucional e fazia parte das garantias fundamentais. Mas não. Isso é ser bonzinho, é se fazer de ingênuo.

No novo figurino, as  coisas parecem verdadeiras porque não podem ser provadas. É a inversão da inversão da inversão.  O movimento estudantil tem uma corrente que se chama negação da negação.  Estamos dando uma radicalizada…

A experiência ensina que há um  meio infalível de levantar uma credibilidade em  baixa. É a ameaça de morte, o que explica a lembrança do caso Celso Daniel.

Os advogados dizem que Valério sofreu ameaças de morte. Já se fala nos cuidados  com a segurança pessoal e da família. Também li que a Polícia Federal “ainda “ não decidiu protegê-lo.

Algumas palavras têm importância especial em determinados momentos.  A morte de Celso Daniel foi acompanhada por várias suspeitas de crime político mas, no fim de três meses de investigação, a Polícia Civil de São Paulo concluiu que fora crime comum.

Um delegado da Polícia Federal, que seguiu o caso e até participou das investigações a pedido de Fernando Henrique Cardoso, chegou à mesma conclusão. O caso parecia encerrado. Os suspeitos estavam presos, confessaram tudo e aguardavam julgamento. Quem fala em aparelho petista deve lembrar que a investigação tinha o respaldo do comando da polícia do governo Alckmin e da PF no tempo de FHC.

O caso saiu dos arquivos quando um irmão de Celso Daniel alegou que sofria ameaça de morte. Fiz várias entrevistas com familiares e policiais e posso afirmar que nunca ouvi um fato consistente. Nem um grito ameaçador ao telefone. Nem um palavrão no trânsito. Nem um empurrão no bandejão da faculdade.

Nunca. Respeito aquelas pessoas, fomos colegas de luta no movimento estudantil mas aquilo me pareceu uma história sem consistência. Eu ia fazer uma matéria sobre essa denúncia mas aquilo não dava uma linha. Não havia sequer um fato para ser narrado. Nem um boato para  ser desmentido. Nada. Fiquei impressionado porque eu havia entrado na história achando que havia alguma coisa, seja lá o que fosse.  Nada. Mas a família conseguiu o direito até de viver exilada na França. O caso foi reaberto e, embora uma segunda investigação policial tenha chegado a mesma conclusão, o suspeito de ser o mandante aguarda o momento de ir a julgamento.

Nos últimos meses, com o julgamento no mensalão, os adversários de Lula pensavam  que seria possível reverter o ambiente político favorável a Lula, no país inteiro. É este ambiente que coloca a reeleição de Dilma no horizonte de 2014, embora muita enxurrada possa passar por debaixo da ponte. Mas, no momento, essa perspectiva, para a oposição, é insuportável e dolorosa – até porque ela não foi capaz de reavaliar suas sucessivas  derrotas do ponto de vista político, não fez um balanço honesto dos acertos do governo Lula, o que dificulta aceitar que o país tem um presidente popular como nenhum outro antes dele, a tal ponto que até postes derrotam  medalhões vistos como imbatíveis. No seu apogeu, a ideia de renovação sugerida por FHC foi descartada como proposta petista por José Serra. Assim fica difícil, né.

(Vamos homenagear os postes. Essa expressão foi cunhada por uma das principais vozes da luta pela democratização, Ulysses Guimarães, para quem “poste” era o candidato capaz de representar os interesses do povo  e da democracia, mesmo que fosse um ilustre desconhecido. Certa vez, falando sobre a vitória estrondosa do MDB em 1974, quando elegeu 17 de 26 senadores, Ulysses falou que naquela eleição o partido elegeria “até um poste.” Postes, assim, são candidatos que entendem o vento da sua época.)

Semanas antes da eleição do poste Fernando Haddad,  o procurador geral Roberto Gurgel chegou a dizer que ficaria muito feliz se o julgamento influenciasse a decisão do eleitor. Muita gente achou natural um procurador falar assim.

Eu não fiquei surpreso porque sempre achei a denúncia politizada demais, cheia de pressupostos e convicções anteriores aos fatos. Eu acho que a denúncia confunde aliança política com compra de votos e verba de campanha com suborno, o que a leva a querer criminalizar todo mundo que vê pela frente – embora, claro, tenha sido  seletiva ao separar o mensalão PSDB-MG, como nós sabemos e nunca será demais lembrar. Mas não achei o pronunciamento do procurador natural. Em todo caso, considerando a liberdade de expressão…

Mas a fantasia oposicionista era tanta que teve gente até que se despediu de Lula, lembra?

Embora o julgamento tenha caminhado na base do “não é plausível”, “não poderia ter sido de outro jeito ”e outras considerações pouco conclusivas e nada robustas, faltou combinar com o eleitor.

Em campanha própria, com chapa pura, os  adversários de Lula tiveram uma grande vitória em Manaus. Viraram a eleição em Belém onde o PSOL não quis apoio de Lula.  Ganharam em Belo Horizonte em parceria com Eduardo Campos, que até segundo aviso é da base de Lula e Dilma.

O  PT cresceu no número de prefeituras, no número de votos em escala nacional, e também levou o troféu principal da campanha, a prefeitura de São Paulo.  Mesmo com a vitória em Salvador, os partidos conservadores, à direita do PSDB, tiveram a metade do eleitorado reunido em 2008. Isso aí: perderam 50% dos votos.

É neste ambiente que Valério passa ter importância. Quem não tem voto caça com Valério.

Leia também:

JC: Flertando com uma teoria da conspiração

Altamiro Borges: Mídia prepara bote contra Lula

Carlos Lopes: Passadas as eleições, pressa do STF “sumiu”

Lincoln Secco: PSDB e Eduardo Campos só têm chance em 2014 se houver ”crise catastrófica”

Marcos Valério, o jogo político e a investigação do ex-presidente Lula

Vereador que fez campanha por Serra antecipa proposta de Haddad

Corrigindo o diagnóstico de Aécio Neves sobre o resultado eleitoral

Breno Altman: Quem tem domínio de fato, na democracia, é o povo

Fernando Ferro: Verba publicitária e sadomasoquismo





42 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

MARCIA BUNES

09 de novembro de 2012 às 16h16

Boa tarde!
Gostei muito dos artigos de vocês, e, se não fosse pedir demais tem como me enviar artigos falando sobre o mensalão? O que significa, quem são os acusados e o réus… E nesse processo, já que os cofres públicos é o mais afetado porque não é o povo que vota nesse julgamento?
Nunca me interessei por política, porém hoje vocês me fez vê–la por um outro angulo.
Obrigado.

Responder

JOACIL DA SILVA CAMBUIM

05 de novembro de 2012 às 18h46

Como gosto muito de Política, costumo ler um poucos dos grandes jornais e revistas, além de assistir aos telejornais, inclusive o “JN”. Mas, quando leio uma análise como esta, sinto-me um indiota com o pensamento dominado pelos proffisionais dos grandes meios de comunicação.

Responder

Marcos Coimbra: Me engana que eu gosto… « Viomundo – O que você não vê na mídia

04 de novembro de 2012 às 20h44

[…] Paulo Moreira Leite: Quem não tem voto caça com Valério […]

Responder

Mariac

04 de novembro de 2012 às 14h14

Em momentos de angústia pela nossa pouca capacidade de avaliação o que mais precisamos é de um artigo lúcido. Grata.

Responder

Sagarana

03 de novembro de 2012 às 17h20

Verdade verdadeira eh que Lula só planta poste em cima do Serra. Só mais um detalhe, criminosos comuns naum costumam torturar barbaramente, como fizeram com Celso Daniel. Muito menos promoveriam a ampla queima de “arquivos” que foi feita.

Responder

ricardo silveira

03 de novembro de 2012 às 16h31

“No mundo do “não é possível”, do “é plausível”, do “não pode ser provado mas não poderia ser de outra forma ” as coisas ficam fáceis para quem acusa. (…) E eu, que pensei que a presunção da inocência era um direito constitucional e fazia parte das garantias fundamentais. Mas não. Isso é ser bonzinho, é se fazer de ingênuo.” Esse é o mundo criado pelo STF, no qual tudo pode acontecer. É o mundo sem certeza jurídica, o mundo contra a cidadania, contra o país.

Responder

RicardãoCarioca

03 de novembro de 2012 às 12h38

1) Combinam com o MV de que ele tem provas contra Lula e requentam a lembrança do caso Celso Daniel para confundirem seus destinos;

2) Matam MV antes de a PF ‘decidir se protege’ MV;

3) Colocarão a culpa na Dilma;

4) Lula vai preso, porque ‘a verdade é uma quimera’;

5) Dilma é ‘impichada’ por não ter mandado a PF proteger MV, como se não houvesse procedimentos instituídos, como se a PF agisse apenas pelo bel prazer da presidente.

6) Confraternizam-se pelo bem-sucedido golpe paraguaio.

Acorda, Dilma. Acorda, PT.

Responder

Lu Witovisk

03 de novembro de 2012 às 07h58

Ai ai… li desabafando. Parabens ao Paulo Moreira Leite. Concordo com os demais comentaristas: já encheu o saco e sim, tb acho que tem apoio internacional ai, é esperar pra ver.

Responder

Jose Mario HRP

03 de novembro de 2012 às 07h36

Tentaram silenciar Baltazar Garzom dessa forma, sem votos, mas com a truculencia estatal, o arbítrio dos tribunais de exceção.
Tentaram, mas para obter isso precisariam matá-lo.
Vão precisar matar LULA para silenciar o seu poder, emanado do povo!
LULA LÁ!!!!!!!!!!!!!!!

Responder

Amaro

03 de novembro de 2012 às 07h07

Ou caça com o voto facultativo. É só ler a matéria que se encontra abaixo.
Tucanos descobrem a mais nova arma para destruir o Lula: o voto facultativo.

Manchete da folha: 44% não teriam ido às urnas em SP se o voto fosse facultativo.

Ver extensa matéria sobre o assunto no link http://www1.folha.uol.com.br/poder/1179710-44-nao-teriam-ido-as-urnas-em-sp-se-o-voto-fosse-facultativo.shtml

Responder

anac

03 de novembro de 2012 às 03h13

Capaz do Marcos Valerio aparecer mortinho da silva. Pelo veredito da veja-esgoto, estadão-ditabranda o culpado: Lula. E Dilma por negar a protegê-lo com a PF. O PiG vai ter factoides até 2014 contra o governo Dilma.

Esse Marco Valerio está brincando com fogo se reunindo com o tucano Roberto Gurgel e fazendo o jogo da direita. Está se tornando mais valioso para o PiG/direita morto. A direita não brinca em serviço. Getulio, Juscelino, Jango que o digam. Para derrotar Lula a direita mata até a mãe, o filho, o pai, o cachorro e o papagaio. Roberto Gurgel e ministros do STF servem aos golpistas.

Responder

Sandro

03 de novembro de 2012 às 01h13

Acho que quem esta realmente correndo riscos é o Cachoeira.
MV é apenas prá despistar. Revista Veja é quase um braço armado.

Responder

Sandro

03 de novembro de 2012 às 00h46

Acabo de vir de uma festa(finados?)onde haviam pessoas que poderiamos chamar de “instruidas”, papo vem papo vai alguem levantou a discussão
sobre a influência de Lula nas eleições passadas. Repentinamente uma
senhora( ou senhorita) entrou em estado de histeria ,esbravejando que
Lula era corrupto naõ bastasse ser analfabeto. Questionada
sobre suas acusações e provas, a mesma concluiu que para Lula não há a necessidade de provas pois é o “Lula, e ponto final.Bairro de pinheiros SP 02/11/2012, a senhorita fez questão de citar que era educadora.

Responder

Francisco

02 de novembro de 2012 às 21h02

PS: Foi para acabar com a presunção de inocência que nos acabamos com o regime militar?

Responder

Francisco

02 de novembro de 2012 às 20h55

Eu acho interessante que o PT contrate um cachaceiro (de preferencia com folha corrida) qualquer na rua e o instrua a afirmar que Marcos Valério é uma drosófila.

Não faço a menor idéia do que seja uma drosófila, mas certamente é alguma coisa que não pode mandar para o pelourinho (o objetivo não é tanto a cadeia, é o pelourinho…) um ex-presidente que só esteve numa cadeia na vida quando foi preso por uma ditadura, pelo crime de lutar para o povo ter o que comer.

Ora, me pergunta vosmecê, de que vale o testemunho de um individuo assim tão desclassificado e sem a menor prova sobre fato assim tão estapafurdio, ser, Valério, uma “drosófila”.

De nada, respondo, afora de um modesto rogo de isonomia…

Responder

lindivaldo

02 de novembro de 2012 às 20h35

Análise correta!
Porém, por trás do ambiente do vale-tudo, pode-se vislumbrar algo macabro, pensado, sutil, capcioso, gerado pela mente maquiavélica da velha elite, que é tão fértil em artimanhas!
O Marcos Valério, por mais esperto que seja, pode está sendo ludibriado, mediante vãs promessas, para prestar declarações falsas contra o Lula e o PT, acreditando que, se colaborar com um golpe tão contundente, envolvendo a mídia, poderosos e a justiça, poderá safar-se das penas no futuro com um novo governo. Aposta arriscada, mas ele não tem nada a perder!
Só que, como se trata de cobra engolindo cobra, os envolvidos no mensalão tucano e outros poderosos, interessados em queima de arquivo, irão logo se libertar dele, antes que as acusações sejam confrontadas, pondo toda a culpa no PT, com a ajuda da grande imprensa.
Um golpe de mestre, com direito a troféu: absolvição no julgamento do mensalão tucano e a retomada do poder em nome da ética.

Responder

Messias Franca de Macedo

02 de novembro de 2012 às 20h11

Prezado, competente e intrépido jornalista Paulo Moreira Leite – apesar de já “veterano” no ofício do jornalismo – as suas letras representam uma, digamos, grata novidade no sentido de que impregnadas de credibilidade: ninguém neste país pode acusá-lo de blogueiro “sujo” ou coisa que o valha! Parabéns!

… Aproveito o ensejo para fazer uma consideração pautada em um excerto do seu brilhante texto: “[… “a tchurma” do PIG] Também denunciou uma caixa de dólares enviados do exterior para a campanha de 2002 que ninguém foi capaz de abrir para dizer o que tinha lá dentro…” Egrégio e perspicaz jornalista, talvez não foram capazes de abrir – ou dispensaram tal procedimento – porquanto é deveras ‘plausível’, ‘absolutamente crível’ que, neste ‘domínio do fato’ (sic), ‘uma caixa de dólares’, necessariamente, está recheada de ‘verdinhas’ com a inscrição *’In God we trust’ (“Em Deus nós confiamos”) – o correspondente **’Deus seja louvado’ na cédula do “nosso’ Real!
*A frase ‘In God we Trust’ nas cédulas norte americanas foi emitida pela primeira vez em 1864, durante uma Guerra Civil entre o Norte e o Sul, no final do primeiro mandato de Abraham Linconl (1861-1864). Acredita-se que a frase facilitou a Reeleição de Linconl.
FONTE: wikipédia

**”Deus seja louvado” é uma expressão presente na parte inferior esquerda de todas as cédulas de real atuais no Brasil. Ela existe desde a década de 1980, quando o então presidente da República, José Sarney, solicitou ao Banco Central que ela fosse incluída na moeda do cruzado. As primeiras notas com a inscrição foram impressas em 24 de fevereiro de 1986, quando o decreto foi apresentado ao BC. Assim, a expressão permaneceu ao longo tempo, incluindo as cédulas de real. Apesar das constantes discussões e solicitações por parte da sociedade civil de que a frase seja removida, ela continua a ser impressa pelo BC, inclusive nas novas cédulas, em impressão desde 2010.
(…)
FONTE: http://pt.wikipedia.org/wiki/Deus_seja_louvado

EM TEMPO: que país é esse é este, sô, em que “o que é bom para os EUA é bom para o Brasil”, enunciado capcioso e chinfrim reverberado pela DIREITONA ‘nacioná’?! República de ‘Nois’ Bananas, responde, “na lata”, o matuto ‘bananiense’! Ou, como queira, “República dos Estados Unidos do ‘BRAZIL'”, segundo o candidato tucanoDEMoníaco [derrotado] José (S)erra Rossi MalaFALSA!

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Gerson Carneiro

02 de novembro de 2012 às 19h48

É incrível. O Marcos Valério sabe tudo sobre o PT e nada sobre o PSDB.

Vão apagá-lo antes que ele diga quem encomendou a morte da modelo laranja do mensalão do PSDB. E vão creditar a morte do Marcos Valério na conta do Lula/PT.

Responder

    Messias Franca de Macedo

    02 de novembro de 2012 às 20h54

    … Para o [nefasto, fatídico e famigerado] PIG, “‘nos domínios dos fatos’, o PSDB é ‘inimputável'”! {RISOS]

    RESCALDO: sinceramente, “eu já estou ficando de saco cheio” destas pautas do PIGolpista(!)…

    República da DIREITONA OPOSIÇÃO AO BRASIL, fascista eterna, MENTEcapta, impunemente terrorista, antinacionalista, entreguista, corrupta, golpista de meia-tigela… (“‘ellite’ estúpida que despreza as próprias ignorâncias!”, lembrando o enunciado lapidar do egrégio escritor e pensador uruguaio Eduardo Galeano)

    Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo

    Geysa Guimarães

    02 de novembro de 2012 às 23h04

    Bem lembrado, Gerson!
    Teve até modelo laranja apagada, e ninguém se lembra do Mensalão Mineiro-tucano. Nem Valério, nem o STF, e menos ainda a carcomídia.

    Rogerio Barros

    02 de novembro de 2012 às 23h22

    ele pegou 40 anos de cadeia pelo Mensalão PETISTA!!!!

    quer q ele se preocupe com o julgamento do Mensalão tucano?

    vc tá de brincadeira, né?

Tomudjin

02 de novembro de 2012 às 19h00

A única maneira de se eliminar um eventual “poste” é eliminando a fábrica que o constrói.

Responder

ZePovinho

02 de novembro de 2012 às 18h51

http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2012/11/valerio-tem-medo-de-virar-abel-pereira.html

Valério tem medo de virar Abel Pereira. Segredos de 1999 a 2002 ainda são caixa-preta.

Deu no Estadão:

Empresário condenado como o operador do mensalão, Marcos Valério Fernandes de Souza prestou depoimento ao Ministério Público Federal no fim de setembro. Espontaneamente, marcou uma audiência com o procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Fez relatos novos e afirmou que, se for incluído no programa de proteção à testemunha – o que o livraria da cadeia -, poderá dar mais detalhes das acusações.
.
Dias depois do novo depoimento, Valério formalizou o pedido para sua inclusão no programa de testemunhas enviando um fax ao Supremo Tribunal Federal. O depoimento é mantido sob sigilo. Segundo investigadores, há menção ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao ex-ministro Antonio Palocci e a outras remessas de recursos para o exterior além da julgada pelo Supremo no mensalão – o tribunal analisou o caso do dinheiro enviado a Duda Mendonça em Miami e acabou absolvendo o publicitário.
.
Ainda no recente depoimento à Procuradoria, Valério disse já ter sido ameaçado de morte e falou sobre um assunto com o qual parecia não ter intimidade: o assassinato em 2002 do então prefeito de Santo André, Celso Daniel.

Mais abaixo falo da real necessidade de proteção à Valério. Mas antes não há como deixar de falar sobre o jornalão. Ninguém merece esse tipo de jornalismo!

O que o jornalão quis dizer com “segundo INVESTIGADORES”, se está noticiando um depoimento sigiloso ao Procurador-Geral? Por acaso o jornalão está dizendo que o gabinete do Procurador-Geral está grampeado por investigadores?

É claro que a “fonte” do jornal vem da parte da defesa do próprio Marcos Valério, querendo usar o jornalão como garoto de recados para criar confusão e pressionar menos os petistas (que já foram devassados e até condenados sem provas) do que o alto tucanato (que sequer foi denunciado).

Logo abaixo, o jornalão se trai e entrega o jogo, sob o subtítulo “RESSALVAS”. Depois de dizer que desde o início da investigação Valério vem blefando como um jogador, oferecendo informações que não levam a lugar nenhum, o Estadão dá o recado que o advogado quer para beneficiar Valério no Programa de Proteção a Testemunhas:

O advogado de Valério não quis comentar o assunto num primeiro momento. Depois, disse: “Se essa matéria for publicada e o meu cliente for assassinado terei que dizer que ele foi assassinado por causa dessa matéria. Não tenho outra opção”.

Hoje no Brasil, todo mundo sabe que se quiser plantar nota em jornal, basta mencionar o nome do presidente Lula associado a qualquer coisa negativa, ou nome de Palocci (antes era Dirceu), ou o assassinato de Celso Daniel (que virou de 1001 utilidades aos propósitos oposicionistas). Funciona tão bem para plantar notas em jornais como jogar açúcar para atrair formigas.

Se a defesa de Valério citasse o nome de FHC, Aécio Neves, Geraldo Alckmin, Marconi Perillo, José Serra ou a morte do empresário Abel Pereira (ligado aos tucanos de Piracicaba no caso sanguessuga) nada seria publicado, sem uma “rigorosa apuração jornalística” (que jamais seria feita), conforme comprova a forma como como o livro “A Privataria Tucana” foi abafado na velha imprensa.

Mas o bom jornalismo não é o que publica apenas o que a fonte diz em interesse próprio. É o que sabe extrair as pistas do contexto em que são ditas e corre atrás delas.

Segundo o jornalão os “investigadores” falam que Valério disse saber de outras remessas para o exterior, por exemplo. Não chega a ser novidade. Só o Estadão que ainda não leu o relatório do delegado Zampronha, da PF divulgado pela revista Carta Capital. Nele consta movimentações financeiras de empresa de Valério, supostamente com doleiro, rastreadas como recursos da Visanet no ano de 2001, no governo FHC.

É uma constatação de que o mensalão tucano não se resume à campanha de Eduardo Azeredo (PSDB/MG) em 1998. Ele continuou rolando até 2002.

Há uma caixa-preta a ser aberta entre 1999 e 2002, que ainda não há notícia de que foi investigada.

Houve investigação e devassa em 1998 e de 2003 em diante, mas o período de 1999 a 2002 é um segredo ainda não revelado, e é esse período que poderia haver interesse em uma delação premiada. Outro interesse pode ser nos contratos com o governo de Minas durante a gestão de Aécio Neves (PSDB), a partir de 2003.

A princípio, Marcos Valério cumpriria pena em um presídio de Minas Gerais, administrado pelo governo tucano. E aí ele pode de fato correr risco de ser queimado como arquivo, para enterrar os segredos que ele guarda sobre o tucanato. Daí a necessidade de Valério necessitar de proteção.

Responder

Belmiro Machado Filho

02 de novembro de 2012 às 18h45

Eu quiz dizer MAIÚSCULO.

Responder

Belmiro Machado Filho

02 de novembro de 2012 às 18h40

É gratificante ver uma análise com essa qualidade. Ainda existem jornalistas com JOTA MAÍSCULO.

Responder

Rogério Barros

02 de novembro de 2012 às 18h29

“Ele (Marcos Valério) teve sete anos para apresentar qualquer informação relevante.”

Já eu penso de forma diferente…

Os poderosos do PT prometeram a Marcos Valério q ele seria absolvido!

Afinal, Lula e Dilma tinham indicado a maioria esmagadora dos ministros do STF…

Mas, depois do julgamento, Marcos Valério só ficou com a conta pra pagar: 40 anos de prisão!

Aí, resolveu negociar por conta própria…

nada de golpe ou estranhamento, apenas “negócios” entre marginais!

Responder

augusto2

02 de novembro de 2012 às 18h23

Um recado direto ao nucleo anti-lula.
Resolve temporariamente, ou melhor contorna por um tempo. Mas o plano tem ramificaçoes e apoio internacionais.
Na certeza.

Responder

    Sandro

    03 de novembro de 2012 às 01h02

    Concordo.
    Mas por incrível que pareça a “moça Dilma” e alguns ministros bons de
    briga já estão se mexendo faz um tempinho quanto a isso. É esperar e
    ver. Daí tanto ódio do “pig”.

Maurício Queiroz

02 de novembro de 2012 às 18h22

Me passa um pensamento sinistro pela mente. Será que seria o cúmulo do absurdo imaginar que se está tentando provocar um possível “atentado fatal” contra Marcos Valério divulgando que ele teria muita coisa a falar sobre LULA, mas que na verdade LULA seria apenas uma senha? Que o que Valério teria a falar derrubaria de vez a Casa Grande e eles estão se borrando de medo? Ora, tendo se divulgado que Marcos Valério teria dito que sabe muito sobre LULA(mesmo ele não tendo dito nada), e acontecendo o “pior” com MV, se uniria o útil ao agradável: a Casa Grande ficaria livre de uma “bomba ambulante” que a qualquer momento pode estourar contra ela e ainda de troco cairia no colo do LULA toda a autoria do fato. É maquiavélico isso, mas…

Responder

    Sandro

    03 de novembro de 2012 às 01h04

    BINGO!

    Rogério Barros

    03 de novembro de 2012 às 15h24

    Não é maquiavélico… é bobagem!!

Hildermes José Medeiros

02 de novembro de 2012 às 18h16

Aí mora o perigo. O Partido da Imprensa Golpista-PIG e seus principais instrumentos, onde se incluem o Millenium e os Ministros do Supremo Tribunal Federal. Não é falta de respeito, mas alguns Ministros é que não se deram a respeito, e agiram de forma que não precisamos recorrer às ilações de controle do fato como nos ensinaram ao condenar desafetos (ninguém fica quase apoplético se em vez de julgar esteja condeando como fez o Ministro Joaquim Barbosa) da oposição e do PIG, para concluirmos pelo descarado envolvimento desses personagens, ao simularem que estivessem manipulando instrumento da Lei como é de suas responsabilidades. Todas as luzes de atenção devem ficar acesas, porque esse jogo (voltar ao poder) num prazo que possa ser previsto, está muito difícil à oposição. Esse jogo, já sabem, ganhar através do voto, está é quase uma impossibilidade. As últimas esperanças se esvaíram nessa eleição, quando a cidade de São Paulo passará a ser administrada pelo PT. É um jogo que já tem juízes prontos para intervir, marcar qualquer falta, no caso só um pênalti resolve. Estão dispostos a expulsar do jogo o PT, Lula e Dilma, além de alguns aliados. Para tanto um golpe de estado seria o meio mais adequado. Não dá para perceber se os EUA estariam em condições de dar apoio a uma tentativa nesse sentido, principalmente se admitirmos a hipótese de não dar certo, e os prejuízos envolvendo o Brasil numa aventura, porque assim acontecendo nosso porte poderia trazer muitos prejuízos, que não daria para comparar com os golpes em Honduras e Paraguai, que o Tio Sam apoiou. Em 2005, tudo indica que já tentaram, mas refluíram, não foram em frente, fizeram as contas, e ainda havia esperanças de ganhar no voto. O perigo, agora, é que as esperanças num curto prazo se foram. Havendo sucesso nas políticas em andamento, principalmente iniciando a produção pré-sal, sendo exitosas a copa e as olimpíadas, as perspectivas dessa gente será enfrentar um longo inverno. Todo cuidado é pouco. Não dá para ser ingênuo, nem ter ilusões com o PIG e a oposição. A esses Interessa somente o poder, seja por que meio for. Já estão aí o Millenium, o PIG e a possibilidade de conivência da Suprema Corte. Difícil, mas não impossível, ao menos de ser tentado.

Responder

    Ximene

    02 de novembro de 2012 às 21h29

    Me lembra o Livro chamado ” Confissões de um assassino econômico” de John Perkins. Segue link de um vídeo / entrevista ( 16 min) que resume bem a metodologia utilizada pelos EUA desde os anos 50 para criar confusão e tomar o poder.. assassinatos ( tanto da economia de um país, quanto de pessoas) para este pessoal , não significa nada, contanto que os lucros aumentem sempre.

    http://www.youtube.com/watch?v=4Vmi7VwgCUk

    Valmont

    04 de novembro de 2012 às 13h27

    Excelente documentário. Impressionante.

francisco pereira neto

02 de novembro de 2012 às 18h12

Dizer o que não?
Se o próprio colunista da Época invoca essa lógica, diametralmente oposta aos seus colegas de empresa, como Merval, Noblat, Jabor e demais escória, quem somos nós para falar o contrário?

Responder

FrancoAtirador

02 de novembro de 2012 às 17h26

.
.
A coisa toda, de tão óbvia, está começando a ficar hilária.

Já foi criado o factóide semanal para a capa da Revista Veja.

Sábado terá ‘denúncia fresca’ no Jornal Nacional da Rede Globo.
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    03 de novembro de 2012 às 00h07

    .
    .
    O NOVO HERÓI DA REVISTA VESGA

    FrancoAtirador

    03 de novembro de 2012 às 10h01

    .
    .
    ‘VEJA’, O ATIRADOR CARECA E A MULHER BARBADA

    A revista ‘Veja’ e a crosta que orbita em torno dela decidiram que o Brasil é um parque de diversões do conservadorismo decadente.

    Um ‘focinho de porco’ onde se vende desde o elixir da juventude dos livres mercados ,a tucanos sábios e o túnel dos horrores da esquerda.

    Tudo meio gasto, decrépito, exalando picaretagem e golpe.

    Um dos caça-níqueis do negócio é a barraquinha do ‘tiro ao Lula’.
    Pouca demanda. Pintura descascada e balcão sujo.

    Para animar a freguesia, Veja & a crosta volta e meia instalam Marcos Valério no meio a clientela; ele faz uns disparos com a espingardinha de rolha.

    Atrás da cortina colunistas isentos sacodem os bonequinhos de Lula, fingindo que a rolha desta vez acertou.
    Tudo um pouco capenga.
    Às vezes sacodem o bonequinho antes do tiro e continuam sacudindo depois, sem parar, mesmo sem nenhum disparo.

    Valério franze o cenho e olha em volta, como se perguntasse -‘E agora, o que eu faço?’
    Os patrocinadores tentam compensar o descrédito com decibéis, alardeiam prêmios milionários ao misterioso ‘atirador careca’.

    Os transeuntes olham aquilo com ar de enfado.
    Moscas zumbem.
    A mulher barbada tira os pelos postiços e se troca em público.

    Amanhã tem mais.

    (Carta Maior; Sábado – 03/11/2012)

    Mário SF Alves

    03 de novembro de 2012 às 13h35

    Franco, gostei muito do circo de horrores semanalmente apresentado por esse parque de diversões fajuto e capenga:
    ____________

    ‘VEJA’, O ATIRADOR CARECA E A MULHER BARBADA

    _______________
    Genial! Valeu.

Marcos

02 de novembro de 2012 às 17h17

Sempre pensei que o PML era mais um merda da direita. Agora vejo que ele era um dos poucos que apenas estava fazendo o seu trabalho: investigando questionado e perguntando sem se importar com a cor do partido. Assim me serve.

Responder

    Aristharco

    02 de novembro de 2012 às 20h34

    PML jornalista na acepção exata da palavra.

Bonifa

02 de novembro de 2012 às 17h08

Ameaças de morte, e também mortes terríveis, por motivos políticos, acontecem no Brasil hoje, e amanhã ainda acontecerão. Podemos indagar, só na Paraíba e tambem em São Paulo, sobre a morte de vários prefeitos. Mas a Globo jamais comprará uma reportagem independente sobre esse tema.

Responder

Deixe uma resposta para FrancoAtirador

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding