Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne

Tempo de leitura: 4 min

Economia| 09/12/2012 | Copyleft

A receita da The Economist para o Brasil: liberar o “espírito animal do setor privado”

A revista The Economist reserva os pedidos de mudança de ministérios da Fazenda para os ministros “intervencionistas” da América Latina. No início do ano, a previsão era de um crescimento de 0,7% para a Inglaterra em 2010. Agora, a constatação é de que a economia vai se contrar 0,12% este ano. Por ocaso a arevista pediu a cabeça do ministro da Fazenda britânico, George Osborne? Para o Brasil, a receita é “deixar de se meter na economia, desregulamentar o mercado de trabalho e deixar que o espírito animal do setor privado possa expressar-se livremente”. O artigo é de Marcelo Justo, direto de Londres.

Marcelo Justo – Londres, na Carta Maior

Em seu último número, a revista The Economist disse que o ministro da fazenda Guido Mantega deveria sair, porque todas as suas previsões de recuperação econômica não tinham se confirmado. “O governo tinha convencido os economistas independentes de que, com uma moeda mais competitiva, com taxas de juros mais baixas e uma redução de impostos da indústria automobilística, a economia iria se recuperar”. As estatísticas foram – segundo a Economist – “decepcionantes”, um “choque”.

O editorial e o texto sobre o Brasil foram publicados dois dias depois de o ministro da Fazenda do Reino Unido, o conservador George Osborne, reconhecer que o plano de consolidação fiscal que anunciou que o período 2010-2015 terá de estender a austeridade até 2018, para cumprir com o seu objetivo, sempre e quando se puder acreditar nas projeções quem os governos se baseam.

Não há nenhuma garantia. O Escritório para Responsabilidade Orçamentária, uma organização criada pela Coalizão Conservadora-liberal democrata para medir a marcha da economia, previu no começo do ano um crescimento de 0,7% para 2012. Agora disse que, na realidade, a economia vai se contrarir 0,1% este ano. O rombo fiscal é o dobro do projetado há uns dias.

Como se vê, nesse terreno minado das previsões econômicas, não há mais precisão no Reino Unido do que no Brasil. Por acaso a “Economist” pediu a cabeça de Osborne?

Não é de surpreender. O semanário apoiou os conservadores nas eleições de 2010 e o programa de Austeridade da Coalizão. Em maio deste ano, mês das eleições, a economia estava se recuperando do estouro financeiro de 2008. Crescimento era anêmico — 1,7% –, mas começava lentamente a recuperar o alento, graças a um massivo programa de investimento público do governo trabalhista.

A austeridade da coalizão afogou este impulso. O programa previa cortes de 80 bilhões de libras (em torno de 140 bilhões de dólares) para o período 2010-2015, por meio de uma forte redução da estrutura estatal, com mais de meio milhão de desempregados. A esse golpe, o governo agregou outro: um aumento massivo de impostos.

Os despedidos começaram a engrossar as filas de desempregados que cobram o seguro-desemprego e que não contribuem, aumentando o gasto do Estado e diminuindo a arrecadação. Os consumidores em geral, mesmo os que conservam seus empregos, adotaram uma atitude mais cautelosa para diminuir o seu endividamento pessoal e se preservar, caso a enfermidade econômica acabasse os afetando.

O resultado macroeconômico está à vista. Em 2011, a economia foi se desacelerando trimestre após trimestre (de 0,4% entre julho e outubro, a 0,3% no último trimestre). Nos dois primeiros trimestres deste ano o crescimento foi diretamente negativo, uma medida convencional que os economistas usam para definir uma recessão (dois semestres consecutivos). É a segunda queda que o Reino Unido experimenta em 3 anos.

As Olimpíadas de Londres deram um impulso econômico transitório que permitiu ao Reino Unido sair do crescimento negativo, mas a essas alturas o plano da Coalizão já estava em marcha. A queda na arrecadação devido à falta de crescimento é hoje tão pronunciada que, segundo as previsões que o governo anunciou na Câmara dos Comuns na última quarta-feira, será necessário mais três anos de ajustes para se alcançar o equilíbrio fiscal que se havia prometido para 2015.

Em sua nota sobre a situação econômica do Reino Unido, a “Economist” faz uma análise fática, com números e gráficos, mas em momento algum fala da necessidade de mudança de estratégia.

À diferença do editorial e da matéria sobre o Brasil, que deslizam rapidamente para o campo da opinião (“o que o governo Dilma Rousseff teria de fazer é deixar de se meter na economia, liberalizar o mercado de trabalho e deixar que o espírito animal do setor privado possa expressar-se livremente, para gerar o crescimento de que o Brasil precisa”), o artigo sobre a economia britânica se atém aos fatos, que termina usando como uma justificação do erro de cálculo de Osborne.

Sem explicitá-lo, o final da nota da revista sugere que não é necessária uma mudança de estratégia, no Reino Unido, porque a origem da crise não é o programa governamental, mas a situação econômica do mundo. “A miséria da zona do euro não vai terminar tão cedo, mas tampouco piorará.

A desaceleração chinesa parece próxima do fim. Os Estados Unidos podem voltar a crescer com vigor na primavera e evitar o abismo fiscal. Um panorama global mais otimista pode evitar as más notícias para Osborne”. 

Há que se aguardar para ver.

Por ora, as notícias sobre a produção industrial, anunciadas na sexta-feira – a revista é publicada pela manhã – falam de uma queda de 1,3%, o nível mais baixo em duas décadas. “Esta queda aumenta as possibilidades de uma nova recessão, a terceira queda que a nossa economia experimentaria”, assinalou ao “Guardian” Samuel Tombs, da consultoria Capital Economics.

Caso esse prognóstico se cumpra, haverá uma mudança de perspectiva da “Economist”? Calculo que não. Os pedidos de mudança de ministérios da Fazenda o semanário reserva para os ministros “intervencionistas” da América Latina.

Tradução: Katarina Peixoto

Leia também:

Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu”

Dr. Rosinha: Retirada do nome do relatório da CPI não absolve Gurgel

Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado

Folha vai à suíte presidencial para sugerir caso de Lula com Rose

Leandro Fortes: Cardozo fica de fora da Operação da PF, constrangendo governo e PT

Kasrils:”O que Israel faz com os palestinos é pior que o apartheid”

Bandeira de Mello: “Não se condenará mais ninguém por pressuposição”

Relatório Leveson propõe órgão independente para monitorar jornais

Promotor italiano que condenou donos da Eternit é por banir amianto aqui

Dr. Rosinha e a CPI do Cachoeira: Policarpo cometeu um crime

No Senado, Collor diz estranhar decisão de omitir indiciados

 Carta Maior denuncia o modo ‘Folha’ de fazer jornalismo: Vergonha!

Procuradora Fairbanks: Não existe conversa de Rosemary com Lula

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Gilberto Carvalho: Em 2013, “o bicho vai pegar”, diz ministro em vídeo « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

Lucro privado, prejuízo público: Um exemplo bem atual do capitalismo à brasileira « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

Brasil de Fato: O agronegócio brasileiro na África « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

Estados Unidos imprimem dinheiro e o mundo paga a conta nos alimentos « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

Apesar da “crise”, aprovação de Dilma fica em 62% « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

Richard Duncan: Por um salário mínimo mundial « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

Lindbergh denuncia “campanha de ódio” de setores da mídia contra Lula « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

Folha dá aula de como tirar frase de Lula do contexto « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

Submarino nuclear brasileiro fica pronto em 2021 « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

Centenário de Gonzaga: Evita, Trumann e Dutra na plateia « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

Richard Duncan: Sobre a nova depressão global « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

PSDB concorda que Câmara deve decidir sobre mandatos « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

Líder do PT agora defende a CPI da Privataria Tucana « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

Desespero de um lado, comodismo do outro « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

PT convoca Fernando Henrique para depor sobre a Lista de Furnas « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

Altamiro Borges: O cerco contra Lula se fecha. E agora? « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne […]

italo

Não se pode culpar os brasileiros por não entender o raciocínio do economist, que pode ter se resumido ao estudo de números de uma unica fonte. Quando a opinião vem da Imprensa, imediatamente somos remetidos ao nosso modelo de Imprensa livre, onde todo cuidado é pouco. Onde a Imprensa tem legislação e continua mais livre, é possível admitir opiniões divergentes, é saudável para as discussões, onde não tem, a opinião vira denuncia sistemática e entra em operação a afirmação de um enredo que permite ao denunciante, derrubar, nomear o próximo, contar com as decisões deste para futuras licitações, quando descobertos pela PF, inicia-se operação abafa, nomes de criminosos são preservados por serem oposição partidária, inimigo dos amigos, empresário do ramo de jogos(vulgo bicheiro-antes do Lula proibir jogos de azar no Brasil)e no máximo mau-jornalista. O PIG internacional, não tem o poder que tem o brasileiro para conquistar até 90% de toda verba federal para comunicações e colocar vc para defender as liberdades deles.

anac

Querem que nosso destino seja o da Grecia.
Com a grande diferença que o Brasil tem riquezas e potencialidades que a Grecia não tem. Controlando o Brasil, os USA controla a america do sul.

acmsouza

Alo viomundo! Nada sobre a notam fiscal informando o preço dos produtos e o preço do tributo ( BEM MAIOR DA HUMANIDADE )? Que jornalismo é este que sonega a mais importante noticia do momento?

Francisco

“Deixar o espirito animal dos empresários agir” quer dizer, na prática, sentar e esperar a “mão invisivel”, as “leis de mercado” fazerem o serviço. Quer dizer, portanto, que a autoridade econômica não faz nada, deixa “acontecer”.

Prefiro ministros que intervêem. Pelo menos, justificam o salário…

FrancoAtirador

.
.
Se “liberar o espírito animal do setor privado”,

ele estupra a Democracia, o Estado e o ZéPovinho.
.
.

    Julio Siveira

    Taí uma verdade.

    anac

    É soltar a matilha de lobos no galinheiro.

    Daniel

    Assino embaixo. É o equivalente ao lobo pedindo para o fazendeiro para ficar com as chaves do galinheiro

    Daniel

    Assino embaixo. É a mesma coisa que o lobo pedindo ao fazendeiro as chaves do galinheiro, alegando que seria “mais capaz” para cuidar do mesmo do que o fazendeiro. Nem crianças acreditam mais nessa.

Julio Siveira

Isso é fruto da costumeira empafia desses países, causada por uma falsa percepção de poder construido pelo papel colonizante que tiveram no passado. Chamo isso de ” Os estertores da arrogância de um agonizante, que teima em não aceitar sua iminente condição de apenas passado histórico”. Lógico que como todo morto sempre haverão viuvas a chorar, mas essas se muito velhas poderão ser enterradas logo na sequencia, se fogosas ainda, acharão um parceiro mais viril e vibrante para cederem a corte.

    Daniel

    Não é bem arrogância… É obediência canina ao que os “mandachuvas” mandam dizer.

sandro

Ozzy Osborne para ministro!

Morais

Muito bom:

Video com Lula falando aos indicalistas alemãs.

Mas aqui a Rose é a grande atração dos grandes jornalões. Por isso que a marioria deles vai em breve acabar, como aconteceu o Jornal do Brasil.

Link: http://www.conversaafiada.com.br/video/2012/12/10/nunca-dantes-recorda-trajetoria-politica-e-greves-do-abc/é

RicardãoCarioca

Acho que não é só a direita (partidária e midiática) brasileira baterão na Dilma a partir de agora. Acho que será a direita mundial, pois o Brasil é atualmente um oásis frente às situações de Europa e EUA.

Na cabeça deles, acho que a frase mandatória é: Temos de voltar ao poder no Brasil em 2015 de qualquer maneira!!!

Cuidado com o que bebe e come, viu Dilma? A onda de câncer em dirigentes progressistas latinoamericanos não terminou.

E a Helena Chagas, ex-funcionária da Globo no comando da sua Secretaria de Comunicação, heim!? E o Hibernardo? Está pedindo para levar golpe!

Marcelo

Digam a esse pasquim do PIG que a “era FHC” acabou há 10 anos.

Ah, e sem direito à volta!

Mardones Ferreira

Cada vez que leio coisas como essas, fico pensando como ainda há muita gente que considera em alta a opinião de setores conservadores e alheios às nossas necessidades e potencialidades.

Esperar que estrangeiros nos vejam como iguais é como esperar encontrar uma floresta no Saara.

Devemos seguir nosso próprio caminho.

    MariaC

    Acho sim, que há desespero na Europa. A fila da sopa anda enorme.Isso para um alemão ou inglês é muito chocante. Eles vivem bem demais, após a guerra, para admitir isso.E lendo Caio Prado, principalmente, vejo que a Inglaterra e os “desenvolvidos” sempre encheram as burras com a exploração. E deu muito certo. Quando não conseguem pensar em soluções, basta sacar a velha solução. Por que não? E não faltarão FHC para ajudá-los. Mas Dilma tem meu inteiro apoio para recusar a sugestão de demitir Mantega. Ele é honesto, capaz, seguro, e está tentando. Se errar, paciência. Se ela colocar outro, até que ele tome pé da situação vai ser uma perda de tempo. Vamos de Mantega. Vamos em frente.

Zequinha

Ozzy Osborne?

    Ana Cruzzeli

    Só um mera coicidencia ou não? Afinal Ozzi adorava tomar sangue de morcego no palco para divertir a plateia. Pelo visto o ministro da fazenda adora o sangue fresco dos ingleses.

Deixe seu comentário

Leia também