VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Maurício Caleiro: Não importa o que a mídia apronte, o PT não reagirá


03/12/2012 - 13h52

Rara oportunidade de investigar ligações entre o oligopólio da comunicação e o crime organizado é jogada no lixo, com grande prejuízo para a sociedade

por Maurício Caleiro, no Cinema e Outras Artes

Determinada pela presidência do PT, a decisão do deputado Odair Cunha (MG), relator da CPI do Cachoeira, de deixar de indiciar cinco jornalistas suspeitos de ligação com o crime organizado – entre eles Policarpo Júnior, editor-chefe da Veja – e de abdicar da sugestão de que o Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, seja investigado pelo Conselho Nacional do Ministério Público tem causado indignação entre a militância petista, apoiadores do governo e cidadãos preocupados com o atual estágio das relações entre política, mídia e Justiça no Brasil.

Instalada a duras penas, a CPI representou uma rara oportunidade de promoção de uma investigação séria sobre as ligações entre mídia e crime organizado no país, a partir das para lá de suspeitas relações entre o criminoso condenado “Carlinhos” Cachoeira e a revista Veja. Tal oportunidade está perdida, e, embora a responsabilidade por tal retrocesso deva ser repartida com os demais membros da aliança governista – o PMDB, notadamente -, ele corrobora uma constatação que se difunde entre um número cada vez maior de pessoas: a de que, não importa o que a mídia apronte, o PT está acovardado e não reagirá.

Reação corporativa

Além da saraivada de ataques disparados pela imprensa, nos últimos dias, contra o indiciamento dos jornalistas – categoria profissional que, no Brasil, parece estar acima das leis – e do corporativismo extremado do Ministério Público em defesa de Gurgel, rondam o recuo petista ameaças menos ou mais veladas advindas do potencial supostamente explosivo da divulgação da correspondência entre o ex-presidente Lula e a ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Noronha, indiciada na última sexta-feira pela Polícia Federal, com estridente alarde, mesmo para os padrões brasileiros.

Ainda que remota, a possibilidade de que Lula venha se candidatar a governador de São Paulo em 2014, com grandes chances de estabelecer hegemonia petista no município, no estado e no país, tem levado a mídia corporativa, linha-auxiliar do tucanato, a recrudescer as manifestações de ódio contra o ex-presidente, num exemplo claro do conflito de classes e de disputa de poder – e da posição que, neles, a mídia, que idealmente deveria buscar a imparcialidade, assume. Isso inclui, como índice de baixeza operacional da mídia, o desprezo pelo tratamento discreto da vida afetiva dos ex-presidentes da República, norma rigidamente seguida em relação a Fernando Henrique Cardoso, mas que as presentes insinuações em relação a Lula e Rosemary mandam às favas. Neste momento, reside no fuçar de e-mails e telefonemas entre eles a “grande esperança branca” do conservadorismo brasileiro – uma aposta, a meu ver, fadada ao fracasso.

O caso Rosemary

Dadas as condições materiais tipicamente de classe média de Rosemary e a vagueza das acusações de tráfico de influência – ainda mais contra uma agente radicada em São Paulo, longe do poder concentrado no Planalto Central – não se deve descartar a hipótese de que, assim como ocorreu com Erenice Guerra, com Luiz Gushiken e com Orlando Silva, trate-se, ao final, de mais um factoide para abastecer a mídia de manchetes escandalosas contra Lula e o PT. O modo como os jornais têm tratado as perfeitamente aceitáveis duas viagens oficiais ao ano efetuadas pela ex-secretária na última década chamando-as de “a volta ao mundo de Rosemary” – sugere exatamente isso.

Já vimos esse filme várias vezes, e a sensação de déjà vu é inevitável: se, ao final, a acusada for proclamada inocente, como aconteceu com os personagens citados, uma notinha escondida na página 11 será a compensação pela enxurrada de manchetes e reportagens televisivas. Os danos morais, a desqualificação pessoal, o tratamento como criminoso dispensado a quem é apenas suspeito, o direito de resposta, o ouvir o outro lado? São detalhes que, naturalmente, não requerem o instrumento anacrônico da Lei de Imprensa, que a sapiência e o espírito democrático reinantes no STF extinguiram. Deixemos tudo à autorregulação, como sugeria o saudoso Ayres Britto.

Ufanismo fora de lugar

Os entusiastas do governo nas redes sociais dedicam horas e horas, diariamente, a prognosticar um golpe de Estado iminente, a destilar seu ódio contra o STF e a rebater todas as bobagens tendenciosas que Ricardo Noblat e Reinaldo Azevedo escrevem – o que dá mais audiência a tais “blogueiros”, provocadores profissionais a soldo dos interesses da plutocracia mediática. Se esses internautas direcionassem uma pequena parte de sua energia a fins mais concretos – como pressionar o governo que apoiam a confrontar a mídia venal e a cumprir os compromissos assumidos em campanha -, não só as possibilidades de ruptura institucional tornar-se-iam mais remotas, mas, entre outras áreas, seria outra a situação da saúde, da segurança pública e da educação (onde, conforme anunciado ontem, o Brasil ficou em 39o. lugar entre 40 países concorrentes no ranking do Índice Global de Habilidades Cognitivas e Realizações Profissionais, evidência que desmistifica e contraria o discurso ufanista predominante nessa área durante as administrações petistas). Além disso, poderíamos ao menos vislumbrar a possibilidade de regular a ação da mídia de acordo com parâmetros éticos.

Ao invés disso, temos um cenário em que, como resume um dos maiores estudiosos da mídia no país, Venício A. de Lima, “apesar do trabalho desenvolvido há décadas por pessoas e/ou entidades da sociedade civil, e apesar do inegável aumento da consciência coletiva sobre a centralidade da mídia na vida cotidiana, não tem havido resposta correspondente dos poderes da República no sentido da proposta e/ou implementação de políticas públicas que promovam a universalização do direito à comunicação em nosso país”.

Paz sem voz não é paz, é medo

O fato de a arena comunicacional do país ser dominada por uma mídia corporativa que age de forma parcial e partidarizada, tendo como métodos rotineiros a desqualificação agressiva, o escândalo e a mentira é uma herança do capitalismo selvagem e do patrimonialismo que por décadas vigeu no país – açulados, na última década, pela perda progressiva de poder e pelo ódio de classes.

Já o fato de tal distorção antidemocrática permanecer ativa e impune durante uma década de administração federal petista é resultado da omissão, pusilanimidade e covardia – e, quem sabe, de interesses não confessos – que têm caracterizado a inação do Partido dos Trabalhadores no que concerne à sua relação com a mídia, na qual não se limita a apanhar calado: continua a encher as burras das editoras e corporações midiáticas que, suspeitas de conluio com o crime organizado, o atacam e à democracia.

Como assinala Saul Leblon, em artigo de leitura obrigatória, o petismo no poder parece resignado após assinar uma “pax branca” que concede ao conservadorismo o pleito da hegemonia intocável na esfera da comunicação”. Esse conformismo, que hoje desqualifica reputações, envenena o jogo político e deturpa o debate democrático, pode vir a ter consequências ainda mais graves, institucionalmente traumáticas, para o partido e, pior, para o país. E fica cada vez mais evidente que o PT nada fará contra o inimigo que alimenta.

Leia também:

Caros Amigos: Um outro caso que a mídia “desconheceu”

Dr. Rosinha: Retirada do nome do relatório da CPI não absolve Gurgel

Mino Carta: O PT não é o que prometia ser, demoliu seu passado honrado

Folha vai à suíte presidencial para sugerir caso de Lula com Rose

Leandro Fortes: Cardozo fica de fora da Operação da PF, constrangendo governo e PT

Kasrils:”O que Israel faz com os palestinos é pior que o apartheid”

Bandeira de Mello: “Não se condenará mais ninguém por pressuposição”

Relatório Leveson propõe órgão independente para monitorar jornais

Promotor italiano que condenou donos da Eternit é por banir amianto aqui

Dr. Rosinha e a CPI do Cachoeira: Policarpo cometeu um crime

No Senado, Collor diz estranhar decisão de omitir indiciados

 Carta Maior denuncia o modo ‘Folha’ de fazer jornalismo: Vergonha!

Procuradora Fairbanks: Não existe conversa de Rosemary com Lula

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - A mídia descontrolada e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


90 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Messias Franca de Macedo

04 de dezembro de 2012 às 12h25

*O LUCIANO HUCK APOIA A LEI DOS MEIOS(!) ENTENDA
*De tão amigo do Aécio ‘Never’, foi também pego pelo bafômetro!…´

#######################################

Luciano Huck entrará na Justiça contra Rafinha Bastos
Segunda, 03 de Dezembro de 2012 – 15:04

O apresentador Luciano Huck entrará na Justiça contra Rafinha Bastos depois que o humorista o chamou de “playboy inconsequente”. Rafinha se referiu dessa forma a Huck porque o global teve sua carteira de motorista apreendida em uma blitz da Lei Seca na madrugada deste domingo (2). A assessoria do apresentador afirmou que, “sobre as grosserias gratuitas e desproporcionais, ele entende que este assunto deve ser tratado nas esferas do judiciário. E assim será”. Nesta segunda-feira (3), Rafinha mandou uma carta a Huck pelo Facebook em que diz que ele “fez merda. Mas não se preocupe: Para a maioria do país, comunicador FDP não é aquele coloca a vida dos outros em risco, é aquele que fala o que pensa. Fique tranquilo”. Ao justificar o acontecido, Luciano relatou que tomou um copo de vinho em casa e foi visitar um amigo que fazia aniversário perto da sua residência a acabou sendo pego na blitz, então, achou melhor não fazer o teste e agora aguenta conscientemente as consequências. Ainda segundo Huck, ele aprendeu a lição. Disse que apóia a operação e que acredita “que um dos maiores ativos da Operação Lei Seca é que, de fato, vale para todos. Não tem ‘jeitinho’ para ninguém”.

CACHOEIRA – perdão ato falho -, grande ‘MÉRDIA’ nativa!

Que país é este, sô?!…

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Franca de Macedo

04 de dezembro de 2012 às 12h21

FHC APÓIA AÉCIO.
BYE-BYE CERRA FOREVER !

Por Paulo Henrique Amorim
Publicado em 03/12/2012
em http://www.conversaafiada.com.br/politica/2012/12/03/fhc-apoia-aecio-never-bye-bye-cerra-forever/#comment-985516

LÁ VEM O MATUTO ‘BANANIENSE’ PLAGIADOR!

FHC APOIA AÉCIO [‘NEVER'(!)]…
… BYE-BYE AÉCIO [‘NEVER'(!)] FOREVER!

BRASIL (QUASE-)NAÇÃO
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Franca de Macedo

04 de dezembro de 2012 às 12h13

2014 É AGORA!…

… Se o PIG emplacar a chapa Joaquim Barbosa para presidente [sob o ‘sloogan’ e o mantra ‘Joaquim, o Inclemente, o novo e verdadeiro caçador de marajás’], tendo como vice o Eduardo Campos e o apoio do [José] (S)erra, Aécio ‘Never’, Artur Neto, ACMalvadeza Neto &$ nefasta e famigerada Cia…
… Bom, aí, a chapa ideal, vitória no primeiro turno da nação brasileira: Dilma Rousseff, A Magnífica, o Brasil crescendo a 4% do PIB e em situação de pleno emprego… E para vice-presidente a doutora Eliana Calmon, baiana “arretada”!… A dobradinha contando com o apoio do eterno presidente Luis Inácio Lula da Silva e do povo trabalhador brasileiro!

BRASIL (QUASE-)NAÇÃO
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Carlos Lima

04 de dezembro de 2012 às 11h14

Caro AZENHA, no portal Luis nassif tem uma entrevista do Ministro Eduardo Cardoso que tem o seuinte trecho. “Cardozo negou que a decisão de não pedir a quebra de sigilo telefônico de Rose, com quem o ex-presidente Lula tinha um relacionamento íntimo, tenha sido tomada pela PF para proteger o petista.

“Tecnicamente o delegado entendeu que não tinha sentido pedir aquela interceptação. Ela não participa dos pareceres”, argumentou, referindo-se ao esquema de encomenda de pareceres em órgãos do governo.”
Houve uma afirmação não sei se dele ou do entrevistador, porém da forma como foi a resposta não desmentiu que o ex. Pres. LULA tinha um caso íntimo com a tal Rose, Gente “Caso íntimo” nossa quem tem um ministro desses não precisa de veneno para se suicidar de raiva, o cabra morre de tamanha falta de senso político do pseudo amigo, onde já se viu ministro da justiça dá uma entrevista dessas, não se tem obrigação de prestar contas a imprensa, tem que prestar contas é com a presidenta, e com o congresso e com o povo, ficou parecendo que o ministro tem mêdo da mídia, ficou faltando ele esclarecer o previlégio das infomações antecipadas para o JN, de quem está vazando as operações para o JN.
Então o PT na giria popular “GALINHOU” no caso cachoeira e isto vai lhe custar a boa parte de sua base popelar, se tornou um partido sem crédito, que violou o abono que nós depositamos na história de nossas vidas dedicadas a um projeto de poder que enfrentasse o cancer que sempre destruiu as iniciativas de tornar um país mais justo para seu povo. Nunca pedir nada ao PT ou ao governo que defendir, sendo humilhado, sendo tratado de forma hostil em muitas campanhas, inclusive na ultima para presidente. O PT se acovardou na frente de todos, sem escrupulo, foi tamanho o mêdo que a oposição já lançou até candidato, porque viu que o partido não é de nada, já mandou recado que vai bater na presidenta. Então que partido é esse? Talvez seja o partido dos medrosos do Brasil. Que nojo. Este PT que está ai a nos representar deveria chamar o POLICARPO e CACHOEIRA para seus quadros pois igualou a eles ao se omitir de fazer justiça.

Responder

FrancoAtirador

04 de dezembro de 2012 às 10h33

.
.
Entrevista: EMIR SADER

Mais luta política

Para Emir Sader, movimentos sociais também precisam eleger sua bancada no Congresso

Por Pedro Carrano, no jornal Brasil de Fato

“A luta essencial é entre mercado e direitos. A gente quer tirar do mercado e colocar na esfera dos direitos e eles querem mercantilizar. A linha demarcatória é entre neoliberalismo e antineoliberalismo”, define o sociólogo Emir Sader, quando questionado sobre o que é ser de esquerda nos dias de hoje.

Sader esteve em Curitiba para o lançamento de seu livro As Armas da Crítica – Antologia do Pensamento de Esquerda (Editora Boitempo, ao lado de Ivana Jinkings). Em coletiva cedida à imprensa sindical e de esquerda, organizada pelo sindicato de professores estaduais (APP-Sindicato), o que era para ser uma conversa pontual sobre um lançamento tornou-se uma reflexão sobre a crise econômica e a disputa em torno da manutenção do modelo neoliberal, por um lado, e as tentativas populares de romper essa hegemonia; o que passa, de acordo com Sader, pela questão de os movimentos sociais retornarem à disputa na esfera política.

Brasil de Fato – Qual caracterização o senhor faz do atual momento da crise mundial?

Emir Sader – É inerente ao capitalismo a crise. Como Marx reconheceu no próprio Manifesto Comunista, o capitalismo tem uma extraordinária capacidade de transformação da realidade, mas não distribui renda para consumir o que produz. Então, periodicamente o Capital tem crises, que alguns chamam de superprodução e outros subconsumo. A produção cresce e falta consumo, então o paradoxo é que sobram mercadorias nas estantes. Ao invés de distribuir renda para consumir, a crise manda embora trabalhadores e aumenta-se mais ainda a crise. Só que o capitalismo achava que o mercado recompõe isso. Na crise, as empresas que eles consideram fragilizadas, digamos, quebram e o capitalismo retoma seu ciclo de crescimento, num patamar mais baixo, mas mais saudável. Desta vez, não está acontecendo isso. Porque na fase neoliberal do capitalismo, o que é hegemônico é a especulação e não a produção.

Brasil de Fato – Como se dá este embate no campo da política? A impressão é que, na opinião pública, se polariza entre alternativas neoliberais e o resgate do keynesianismo.

Emir Sader – O grande diagnóstico dos dirigentes capitalistas quando terminou o ciclo expansivo econômico anterior foi o de que a economia deixou de crescer porque havia muita regulamentação e ‘muito Estado’. Então, é preciso liberar a livre circulação do Capital, tirar as travas para que circule. A grande norma passa a ser a desregulamentação, o livre-comércio. Ao fazer isso, não vem um ciclo produtivo e expansivo. Porque o Capital não é feito para produzir, mas para acumular, se ele consegue isso na acumulação é para lá que ele vai. Então, em escala mundial, há uma brutal transferência de capitais do setor produtivo para o especulativo. Hoje, mais de 90% das trocas econômicas no mundo não são compra e venda de bens, são basicamente compra e venda de papéis.

Ele [sistema capitalista] está numa fase particular, diferenciada. O neoliberalismo não teve um ciclo produtivo porque na verdade canalizou recursos para a especulação. A crise explode diretamente no sistema financeiro, bancário. E a hegemonia de ideias é neoliberal. Estão dando soluções neoliberais para a crise na Europa, estão jogando álcool no fogo. Tanto que a Dilma jogou isso na cara da Angela Merkel: cortando [direitos trabalhistas, previdenciários] só se leva a mais recessão e desemprego. Essa é a interpretação dominante.

A outra [solução] é a da reativação keneysiana, um pouco o que a América do Sul está fazendo. Algo óbvio. Na crise se investe mais em políticas sociais, distribui a renda para aumentar a demanda. Como fizemos em 2008. O que tem uma solução, do ponto de vista imediato, anticíclica, funciona relativamente. Tanto que a América do Sul é um polo de desenvolvimento ainda. Falta-nos a demanda deles, mas em outra circunstâncias a crise seria avassaladora. Já existe uma multipolaridade econômica mundial, pela integração regional, pela relação com a China, e também pelo mercado interno de consumo. A visão crítica disso é que é uma solução defensiva em relação à crise.

Se você não muda estruturas econômicas de poder, isso tem limites. Nosso continente foi vítima das transformações mundiais negativas, como a crise da dívida, ditaduras militares, governos neoliberais, e que desarticularam a estrutura industrial, abriram aceleradamente a economia, enfraqueceram o Estado. Então temos coisas paradoxais: os produtos primários agrícolas e energéticos são prioridade na exportação do comércio exterior, então exportamos soja e fazemos política social. Melhor assim, mas de qualquer maneira é uma soja ligada ao agronegócio. Então, temos limitações estruturais, porque a estrutura mundial ainda é hegemonizada pelo neoliberalismo. Só tem saída com a integração regional.

Brasil de Fato – Houve o crescimento de renda nos governos Lula e Dilma, mas isso não parece interferir na consciência de classe. O senhor poderia comentar esse processo?

Emir Sader – Essa é a maior disputa no mundo hoje. Os EUA são decadentes como potência militar, política e econômica, mas a maior força deles é a força ideológica. O modo de vida estadunidense é a mercadoria mais forte que eles têm, que penetra na China, penetra na periferia dos pobres, são valores determinantes, que ninguém compete com eles. No Brasil, não se está gerando uma nova forma de sociabilidade, correspondente à democratização econômica e social. Isso não está sendo acompanhado de valores. Hoje o risco não é tanto o consumismo, mas quem é que influencia os processos mesmo eleitorais? É a mídia e são as igrejas evangélicas. O movimento popular está muito fragilizado no seu processo de mobilização e também de difusão de ideias. São Paulo foi pega desprevenida neste sentido. Vivemos três ditaduras que são os obstáculos maiores: a ditadura do dinheiro, que é o capital financeiro, ditadura da terra, que é o agronegócio, e a ditadura da palavra, que é o monopólio da mídia, o que dificulta essa criação de consciência nova.

Brasil de Fato – E qual o papel dos sindicatos, cuja atuação parece muito restrita aos seus interesses econômicos?

Emir Sader – Difícil, porque, nas grandes transformações do mundo, os trabalhadores foram vítimas especiais, não só na esfera produtiva, nas políticas de flexibilização laboral, que enfraquece a base dos sindicatos, mas o próprio mundo do trabalho ficou invisibilizado – parece que ninguém mais trabalha. A jornada hoje não é de oito, mas de doze horas. Esse é o cotidiano das pessoas, que não está em lugar nenhum. Não tivemos muitas gerações de trabalhadores a ponto de gerar uma cultura operária no país, nem sequer na base, tampouco na literatura. São poucas coisas. No mundo rural sim. Então, nas novelas da Globo, que criam o imaginário nacional, o trabalhador não existe. Então, o que ocupa as pessoas o tempo todo, que é o trabalho alienado, não aparece, não está em lugar nenhum. Não está em editoria de jornal.

Brasil de Fato – Quais são os espaços para essa disputa ideológica?

Emir Sader – Mesmo sem financiamento público de campanha, o movimento popular deveria eleger sua bancada no Congresso.
Sei que não é fácil.
Olhamos o Congresso, há retrocessos ou se bloqueia avanços.
O agronegócio tem uma bancada fenomenal, e apenas dois representantes de trabalhadores rurais.
Quantos representantes os educadores têm no Congresso?
Se têm, nem sequer atuam como bancada.
Já de donos de escolas privadas está cheio.

Hoje, uma estratégia insurrecional não é viável.
A correlação de forças mundial mudou, basta ver a situação de impasse na Colômbia, a América Central se reciclou. Se os zapatistas e o MST militarizassem sua luta seriam massacrados. Então, [a luta] é pela democratização do Estado.
É preciso penetrar no Estado, não de qualquer modo.
O parlamento é um lugar não só para ter líderes políticos e sindicais.
Reclamamos, com razão, que o governo nem colocou a lei de regulamentação da mídia em votação, mas você acha que neste Congresso, formado por donos de meios de comunicação, isso vai passar?

Brasil de Fato – Como o senhor define o campo da esquerda hoje?

Emir Sader – O capitalismo assumiu a roupa neoliberal. Veio de um modelo keynesiano, de bem-estar social, para um modelo liberal de mercado. Essa é a linha divisória. Ser de esquerda hoje, moderadamente ou radicalmente, é ser antineoliberal. A luta essencial é entre mercado e direitos. A gente quer tirar do mercado e colocar na esfera do direito e eles querem mercantilizar. A linha demarcatória é neoliberalismo e antineoliberalismo. Há movimentos que são gritos desesperados que não encontram espaço na esfera política. Agora, diferente é o movimento dos estudantes no Chile, que tem organicidade com os sindicatos, fazem greve geral e levaram à quebra de legitimidade do governo Piñera.

Brasil de Fato – Seria possível estratégias combinadas entre movimentos, partidos e governos?

Emir Sader – A América Latina teve governos neoliberais na sua versão mais radical. Na década de 1990 tivemos um período de resistência contra essa hegemonia que era tão forte. Os movimentos sociais foram determinantes nessa época. Depois, surgiram governos alternativos. Era a hora de passar da resistência à disputa de hegemonia. Na época, a hegemonia dominante no Fórum Social Mundial era a das ONGs, tanto assim que se teorizou e os movimentos sociais entraram nessa sobre a ‘autonomia dos movimentos sociais’. Autonomia em relação a quê? A gente falava antes de maneira ampla em autonomia em relação à burguesia e etc… Agora, autonomia em relação à política? A ONG sim, nasceu como sociedade civil conquistada. Os movimentos sociais entrarem nessa foi uma loucura. O movimento piquetero acabou na Argentina. Os zapatistas buscaram emancipar Chiapas, independente da luta política no México, são contra até o PRD e as soluções moderadas, em nome da ‘autonomia dos movimentos sociais’. Isso é algo pré-gramsciano. É não disputar a hegemonia. Então, foi fundamental os movimentos bolivianos se reunirem. Derrubaram cinco governos na Bolívia, criaram um partido para disputar a presidência, dando um salto de qualidade. Quem está, mal ou bem, construindo um outro mundo possível são os governos latino-americanos. O FSM devia ser o lugar onde os governos com os movimentos sociais sejam os pontos centrais dessa alternativa.

http://www.brasildefato.com.br/node/11219

Responder

Zezinho

04 de dezembro de 2012 às 10h00

Zzzzz…preguiça…

Responder

Marcelo de Matos

04 de dezembro de 2012 às 09h47

A sina do PT não é fácil: tem de contra-atacar as investidas do PIG e dos revolucionários digitais. Esses últimos são majoritários na blogosfera. Falta bravura, valentia, destemor, arrojo, intrepidez ao PT. O PT tem de ser beligerante, ousado, intimorato. Penso que a inteligência, em política, é mais eficaz que a valentia. Se consultassem um marqueteiro ele aconselharia: Coragem é muito forte. Digam: Falta atitude ao PT. Conheço um político, no interior, que usou esse bordão e venceu. Como diz nosso amigo Ricardo Kotscho, não adianta ficar brigando com os fatos. O PIG gastou resmas e resmas de papel nesse caso Rosemary. Criou uma nova celebridade, uma Geisy Arruda com matizes oficiais. Não cabe ao PT desconstruir esse factoide, mas, contra-atacar os tucanos em seus pontos fracos. O de sua Excelência, o governador, é a área da segurança pública. Domingo roubaram as armas apreendidas no fórum de Peruíbe. Quando irão depositá-las em local seguro? O ponto fraco do Aécio a moçada aí sabe. Eu não vou repetir por que seria o roto falando do esfarrapado.

Responder

Mardones Ferreira

04 de dezembro de 2012 às 09h23

Enquanto o povo eleger representantes do PT com a promessa de mudança, do novo, etc e etc, o comando do PT – notadamente os paulistas – jamais vão enfrentar democraticamente o PIG e as elites econômicas.

O PT já tem histórico suficiente – são 2 mandatos e meio no poder federal – para ser resumido como um partido conservador e aliado do PIG, assim como é das elites econômicas que dominam o país.

A aliança com o PMDB, o pior partido do Brasil, pela sua conduta de apoiar quem quer que esteja no poder em troca de cargos nos mais diversos escalões do governo, é a prova caba de que o PT não tentaria mudar nada de forma significativa no Brasil. E não adianta reclamar.

Responder

Julio Silveira

04 de dezembro de 2012 às 08h25

O articulista sabe das coisas. Demonstra coragem para enfrentar arroubos teatrais de indignação cujo unico interesse é verem se somar vozes identicas para ganhar força de grito de objeção e abjeção pela verdade. Verdade estampada na cara de qualquer cidadão medianamente inteligente. Que não aceita que se proclamem a necessidade da hipocrisia diante dos fatos, para estes consumados. Que não compartilham da idéia de que é melhor para o país compartilhar para governar. Por que termina por se imiscuir e prostituir. Que não admite a justificativa perfeita para, conscientemente, tomar parte na pajelança e compartilhando, de bom grado, a cafagestança. O articulista sabe, ele conhece este novo PT e intui sobre as vozes que hoje se levantam para defendê-lo. Fazem o serviço pela politica igual a de seus adversários.

Responder

CAI

04 de dezembro de 2012 às 08h13

TÁ NO UOL:

“Justiça decide manter Carlinhos Cachoeira solto
Comente”

Claro, a cela vai ter que ficar vaga para o Lula.

PS: CAI significa Clube dos Alcóolatras Identificados”.

Os dois ilustres membros (êpa!) mais recentes admitidos pelo clube são o Aécio Playboy das Alterosas e Luciano Huck.

Responder

Jose Mario HRP

04 de dezembro de 2012 às 07h57

Paz sem voz não é paz, é medo.

ROMA fazia a PAZ muda, paz do temor, mudez do tereror, paz determinada pelo seu tacão.
MEDO!
MEDO?
De Roma, com toda certeza, inclemente!
Mas medo de que, PT?
Não há Roma agora, só uma oposição podre, arcaica, sem idéias, sem propostas e sem povo!
MEDO de que, PT?

Responder

André

04 de dezembro de 2012 às 01h22

Regulamentação da mídia não é simplesmente fruto da coragem e boa vontade do governo, mas sim resultado de votações no congresso. Congresso constituído de políticos que quando não são donos de canais de TV e estações de rádio, tem estreitas ligações com eles e deles dependem em boa medida para serem eleitos. Talvez o problema da regulamentação da mídia não seja possível de resolver antes de uma mudança radical no nosso sistema político eleitoral.

Responder

Fabio

04 de dezembro de 2012 às 00h18

O PT está navegando no mar podre da direita golpista do Brasil e como isso perdeu suas ideologias e se tornou mais um partido qualquer, infelizmente.

Responder

Messias Franca de Macedo

04 de dezembro de 2012 às 00h12

*O LUCIANO HUCK APOIA A LEI DOS MEIOS(!) ENTENDA
*De tão amigo do Aécio ‘Never’, foi também pego pelo bafômetro!…

#######################################

Luciano Huck entrará na Justiça contra Rafinha Bastos
Segunda, 03 de Dezembro de 2012 – 15:04

O apresentador Luciano Huck entrará na Justiça contra Rafinha Bastos depois que o humorista o chamou de “playboy inconsequente”. Rafinha se referiu dessa forma a Huck porque o global teve sua carteira de motorista apreendida em uma blitz da Lei Seca na madrugada deste domingo (2). A assessoria do apresentador afirmou que, “sobre as grosserias gratuitas e desproporcionais, ele entende que este assunto deve ser tratado nas esferas do judiciário. E assim será”. Nesta segunda-feira (3), Rafinha mandou uma carta a Huck pelo Facebook em que diz que ele “fez merda. Mas não se preocupe: Para a maioria do país, comunicador FDP não é aquele coloca a vida dos outros em risco, é aquele que fala o que pensa. Fique tranquilo”. Ao justificar o acontecido, Luciano relatou que tomou um copo de vinho em casa e foi visitar um amigo que fazia aniversário perto da sua residência a acabou sendo pego na blitz, então, achou melhor não fazer o teste e agora aguenta conscientemente as consequências. Ainda segundo Huck, ele aprendeu a lição. Disse que apóia a operação e que acredita “que um dos maiores ativos da Operação Lei Seca é que, de fato, vale para todos. Não tem ‘jeitinho’ para ninguém”.

CACHOEIRA – perdão ato falho -, grande ‘MÉRDIA’ nativa!

Que país é este, sô?!…

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

demetrius

03 de dezembro de 2012 às 23h32

segunda vez que leio a palavra pusilanimidade esta semana aqui no blog
vai pro dicionário

Responder

Gerson

03 de dezembro de 2012 às 23h08

Só tem 3 explicações :

Ou tem rabo preso, ou tem uma táctica ou tem a tática de quem tem rabo preso.

Esse pragmatismo ainda acaba com a gente.

A direita tá ganhando terreno. Não nos iludamos com o resultado das ultimas eleições !!

É só ver quem é o provável Secretario da Habitação em São Paulo.

Responder

FrancoAtirador

03 de dezembro de 2012 às 22h53

.
.
PROTÓGENES QUEIROZ: UMA VOZ QUE CLAMA NO DESERTO

CÂMARA DOS DEPUTADOS – DETAQ (Discursos e Notas Taquigráficas)
Sessão: 319.2.54.O Hora: 18:33 Fase: CP
Orador: DELEGADO PROTÓGENES, PCDOB-SP Data: 22/11/2012

O SR. DELEGADO PROTÓGENES (PCdoB-SP. Sem revisão do orador.)

– Sr. Presidente, Deputado Izalci, assomo a esta tribuna para me dirigir ao povo brasileiro, aos funcionários desta Casa e falar a respeito da reforma política brasileira que tramita hoje nesta Casa, reforma essa necessária para o combate à corrupção, para o combate ao financiamento criminoso das campanhas políticas, dos partidos políticos.

Sr. Presidente, eu me refiro ao fato de que nesta Casa – aí eu faço um apelo também -, em dezembro de 2011, nós recolhemos aproximadamente 208 assinaturas, inclusive V.Exa. é signatário deste documento, para criar a CPI da Privatizações, a CPI da Privataria Tucana, assim nominada nesta Câmara.

E até agora nenhuma providência foi tomada para instalar essa importante CPI.

Já vamos para o encerramento do segundo ano de legislatura sem que nenhuma providência seja tomada pelo Presidente da Casa, Marco Maia, ou por qualquer membro da Mesa Diretora.

Exigimos, os Deputados Federais que são signatários da CPI da Privataria Tucana, assim como o povo brasileiro, que é signatário dos nossos mandatos de Deputados Federais, a instalação, com urgência, da CPI das Privatizações, porque nós queremos saber onde foi parar o dinheiro que seria investido na educação, na saúde, na segurança pública, nas Forças Armadas, todos sucateados durantes anos pelo Governo do PSDB.

Então requeiro a V.Exa., Sr. Presidente, que tome providências cabíveis para instalar, com urgência, essa CPI.

No tocante à reforma política, Sr. Presidente, o documento mais primoroso que li até hoje foi o do Partido dos Trabalhadores, a respeito do funcionamento das organizações partidárias.

Os partidos políticos merecem respeito da Nação brasileira, merecem respeito do povo brasileiro, merecem respeito das instituições, em especial do Congresso Nacional, porque os partidos políticos são responsáveis pela democracia brasileira e não podem ficar à margem de um processo atravancado de interesses ora de um pequeno grupo que domina a instituição partidária dentro da própria instituição partidária, ora de um pequeno grupo ou uma só pessoa que domina essa organização partidária fora da organização partidária.

Estamos discutindo a reforma política nesta Casa e queremos um tratamento democrático, que é a discussão sobre financiamento público de campanha, que é a permanência das coligações – e já há o entendimento do fim das coligações proporcionais para Deputados Federais, a fim de desaparecer com os pequenos partidos nesta Casa.

Isso não é democracia!

Temos sim que reafirmar que alguns integrantes de partidos políticos que se envolveram em desvio de recurso público ou em ato de corrupção têm é de pedir desculpas à Nação brasileira, ao Brasil, pelo pecado que cometeram, e não levar a própria organização partidária para o lodo da corrupção ou para o lodo da desordem democrática, elevar o conflito de disputas partidárias, o que não merece o Brasil de hoje, este Brasil que progride, este Brasil onde cada trabalhador tem a responsabilidade de construir o nosso futuro.

E esse futuro está em preservarmos a história dos partidos políticos brasileiros.

O Partido Comunista do Brasil tem uma história, e essa história não pode ser levada por alguns integrantes que se desviaram do história, desqualificando o próprio Partido Comunista do Brasil.

O Partido dos Trabalhadores não pode ser levado pelo desvio de conduta de A, B ou C, por alguns, pela minoria que tenta desqualificar o partido, que é necessário ao processo democrático.

O próprio PSDB, que está sendo alvo da CPI das Privatizações e do Supremo, que vai julgar o mensalão tucano, não pode ser responsável por causa de alguns integrantes, a minoria, aqueles que tentam desqualificar as organizações partidárias, frente aos desafios que a Nação tem de os políticos brasileiros serem mais responsáveis pela realização moral e pelo respeito aos trabalhadores brasileiros, porque este País se constrói com honestidade, este País de constrói com credibilidade, este País com responsabilidade nas futuras gerações.

Muito obrigado.

(http://www.camara.gov.br/internet/sitaqweb/TextoHTML.asp?etapa=5&nuSessao=319.2.54.O%20%20%20%20%20&nuQuarto=92&nuOrador=2&nuInsercao=0&dtHorarioQuarto=18:33&sgFaseSessao=CP%20%20%20%20%20%20%20%20&Data=22/11/2012&txApelido=DELEGADO%20PROT%C3%93GENES,%20PCDOB-SP&txFaseSessao=Comunica%C3%A7%C3%B5es%20Parlamentares%20%20%20%20&txTipoSessao=Ordin%C3%A1ria%20-%20CD%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20&dtHoraQuarto=18:33&txEtapa=)

Também assista:

PROTÓGENES DENUNCIA OPERAÇÕES SELETIVAS DA PF

Protógenes destacou que está investigando o programa internacional antiterrorismo americano patrocinado pela C.I.A. em território brasileiro

(http://www.youtube.com/watch?v=tXp9mt0lK18)

Responder

marcio gaúcho

03 de dezembro de 2012 às 22h20

Creio que Dilma não vai ser candidata à presidência em 2014. Nunca foi partidária de carteirinha. Aprendeu apanhando que não se deve confiar de todos nos companheiros. O PT aprontou demais e ela não quer ser envolvida diretamente a escândalos, nos quais não teve participação alguma. É isso!

Responder

    Darcy Brasil Rodrigues da Silva

    04 de dezembro de 2012 às 11h24

    Alô,lulipe, é você,lulipe!… Marcio Gaúcho?! Desculpe, foi engano!

Paulo Cesar G. da Silva

03 de dezembro de 2012 às 21h59

Depois de mais de 20 anos na oposição, batendo, batendo e batendo. Não aprederam nada ou realmente não conhecem o BRASIL.
Rabo preso, rabo preso.
Jurar a constituição que sabia não poder cumprir. Não se esqueçam da liberação da propaganda de cigarro na fórmula 1, etc.etc.
Com 65 milhões de votos não teve coragem de começar e mudar o nosso querido BRASIL. Recuou exemplo: Meireles no Banco Central. É dose.
Conheço muitas mulheres que dizem que o problema do BRASIL é falta de homem.Tem que vir para televisão (concessão pública) e falar com o povo,
Mas não ficasm nos gabinetes de Brasília e agora São Paulo tramando contra o país. Deveria ter investigado as privatizações, por que não fez? Rabo preso? Covardia? medo? o que faltou?
Agora é torcer para a polícia federal de São Paulo sentar nos documentos. Se não a casa vai cair.
Quer saber dane-se. Só a revolução.
Eu sempre falei com meus amigos já tivemos presidentes militar, poeta (diz que Sarney é) caçador de marajá (bonitão) sociólogo socialista e ateu no maior país católico do mundo é mole? – metalúrgico – e agora uma mulher, não falta mais ninguém por isso acho que só a revolução ou esperar 300 anos conforme estudos da Petrobrás e da ONU.
Fui.

Responder

FrancoAtirador

03 de dezembro de 2012 às 21h42

.
.
SEXTA-FEIRA PRÓXIMA FUTURA SERÁ O GRANDE DIA DA AMÉRICA LATINA.

SETE DE DEZEMBRO DE 2012, O 7D, O DIA DA REVOLUÇÃO DA LIBERTAÇÃO

ENTRARÁ PARA A HISTÓRIA DOS POVOS COMO SÍMBOLO DA LUTA POR SOBERANIA.

http://www.vermelho.org.br/radio/noticia.php?id_noticia=196849&id_secao=331

(http://www.youtube.com/watch?v=QSjJQM68gFw)

Responder

ricardo silveira

03 de dezembro de 2012 às 21h37

Muito bom texto! A covardia do PT em enfrentar o monopólio da mídia golpista, certamente, um equívoco para se reproduzir no poder, tem consequências inaceitáveis para a democracia, pois implica negar à cidadania um espaço público a partir do qual a opinião pública possa ser construída.

Responder

J Souza

03 de dezembro de 2012 às 21h22

“Me bate que eu gosto!”

Responder

Maria

03 de dezembro de 2012 às 21h14

Perfeito o artigo do Maurício. O PT é medroso, covarde e desrespeitoso com seus eleitores. Como é possível admitir que por pressão da mídia o relator deixe de indiciar jornalistas suspeitos de integrarem a quadrilha do cachoeira (segundo investigação da PF e da própria CPI) e o Gurgel suspeito, segundo apurado tb pela CPI e seus senadores, de prevaricar no exercício de sua função? É o fim da picada…..
Como é possível alimentar uma mídia desqualificada enchendo suas burras com dinheiro público em valores absurdos? Por que o IBGE não mede as audiências das emissoras? Por que o governo não estabelece uma tabela de preços para suas Propagandas? Garanto que a maioria da população não aprova gastos astronômicos com propagandas, originados dos recursos recolhidos nos impostos q pagamos. Esses recursos seriam melhor aplicados na saúde, educação e segurança públicas.
Do jeito que o PT se comporta, iremos todos desistir… Não é atoa que Salvador que sempre apoiou Lula registrando os maiores percentuais de votação, acaba de eleger para prefeito ACM Neto. Ninguém aguenta mais tanta incompetência e covardia. Desculpem, mas não posso deixar de citar o dito popular: quem muito se abaixa….. aparece.

Responder

Dorival

03 de dezembro de 2012 às 21h05

Queridos internautas o que esta acontecendo não é um privilegio do Brasil , isto esta acontecendo no mundo todo , claro que aparentemente por motivos diferentes mas na verdadeno fundo é sempre a mesma coisa , se analizamos a historia da humanidade foi sempre assim desde as primeiras civilizações , para dar um salto evolucionario é sempre necessário derrubar a elite dominante e durante este processo a humanidade já se meteu em duas guerras mundiais e estamos a largos para uma terceira.
Um aspecto das elites dominate em todas as epocas sempre foi o medo do desconhecido associando isso a perda de seus privilegios de todas as formas inclusive intelectual e para defende-los são capazes de qualquer coisa , de convencer os menos avisados a lutar a sua causa e depois descarta-los até mesmo acabar com tudo na esperença que em um recomeço do zero terão melhor chance de estarem no dominio novamente .
A historia nos mostra que isso nunca funcionou nenhuma civilização destruida voutou a sua gloria e muito menos a elite que a dominava , o grande problema de agora é que acabar com tudo pode significar a extinção da humanidade .

Responder

Sagarana

03 de dezembro de 2012 às 21h01

A mídia, a Policia Federal, a Procuradoria Geral da Republica, o Supremo… Só falta a oposição!

Responder

J Souza

03 de dezembro de 2012 às 20h36

O pessoal do PSOL e do PSTU é “raivoso” demais.
O do PT é “manso” demais.
O do PMDB é fisiológico demais.
E o do PSB?… Comendo pelas beiradas!… E nem foi pego pelo bafômetro…
Será que a Dilma vai pro 2º turno? A Globo e a Veja vão deixar?
Pesquisa 2 anos antes de eleição não vale nada!

Responder

Nisio

03 de dezembro de 2012 às 20h04

Quem tem zé (do dantas) cardozo, ibernado, maioria dos parlamentares do PT, “Base aliada com temer e miro teixeira”, não precisa de inimigos. Honrosas exceções:
Fernando Collor
Requião
Fernando Ferro
Dr.Rosinha
Protógenes

Responder

sandro

03 de dezembro de 2012 às 20h00

O pig não vai insistir nessa possivel “pulada de muro do lula”, mesmo
porque nossa sociedade tem um perfil “machista” e tem muito marmanjo
que vai se sentir resgatado com isso. Aqui não é os EUA com aquela
hipocrisia calvinista, não “cola”, pode sim ter um efeito contrário.
FHC um dia será o “Lugo” brasileiro, espero que pague pensão.

Responder

Pimon

03 de dezembro de 2012 às 19h52

O PT vai retrucar no … Globo, na Folha, na Veja, no Estadão, na Igreja, no….. onde???
No Ultimate Fight!!!!
Vai criar a Lei dos Meios em ….. quando, onde, quem votará?
O corajoso ou covarde articulista?
O PMDB?
O PSDB, jura????
Ora!!!!!!!!!!

Responder

    André

    04 de dezembro de 2012 às 01h15

    Concordo. O problema é muito mais complexo do que o que deu a entender o autor do texto, é muito mais complexo do que “falta de coragem do PT”.

    Alberto Nasiasene

    04 de dezembro de 2012 às 02h39

    É porque é muito fácil fazer política atrás do computador. Fácil também receitar bulas de como vencer a mídia conservadora (sem implantar, paralelamente, uma ditadura) só pelo querer. Voluntarismo somente não garante estabilidade a nenhum governo e a nenhum regime. Se fosse assim, Cuba nem teria entrado em crise depois do desmoronamento da URSS (e da ajuda que recebia de lá). Os gritos das demonstrações de massa em frente da bandeira cubana e do imenso retrato do Che, com os discursos de Fidel, seriam o bastante para espantar os ianques que estão a cem quilômetros dali. Infelizmente, o Brasil não é a Venezuela, nem a Argentina; é Brasil mesmo, com todo o seu próprio processo político e o PT, sozinho, não chega sequer a compor metade do parlamento de 513 deputados. Como uma presisenta, sozinha, com as leis existentes, respeitando as instituições que estão de pé, poderia aprovar no congresso uma ley de medios como a da Argentina, como querem alguns entusiastas, somente pelo querer? Através de um golpe de Estado ou de uma Revolução popular, com armas ou sem armas? Até hoje não consigo entender o caminho que propõem concretamente, porque eu mesmo, simples cidadão, não sei.
    Os que criticam o PT (que deve ser criticado sim, porque nada que é humano está acima do bem e do mal, muito menos um partido) fazem somente barulho e muito palavrório. E daí? Palavras ao vento, ou na rede, sozinhas, não são capazes de fazer mágica nenhuma e não eliminam o tempo da política.

    Sérgio Troncoso

    04 de dezembro de 2012 às 10h59

    Vou responder aos três!
    É verdade que o PT não pauta a grande mídia, ao contrário, é por ela pautado, mas existem canais que podem ser usados e não são. O Congresso pauta os grandes jornais quer eles queiram ou não. Jornais sindicais atingem milhares de pessoas, mas a CUT perdeu muito de sua credibilidade por peleguismo puro. Há mídias fora do mainstream que não são usadas (o Mino Carta acaba de espinafrar o PT, e não me consta que ele seja um sujeito inexperiente e sua revista seja PIG), rádios comunitárias, e muitos outros.
    Onde estão os movimentos sociais? Estão afastados em nome do pragmatismo de governar.
    Tudo bem que uma lei regulamentando as comunicações não passa no Congresso, mas onde está o PT na CPI do Cachoeira? Por que não manteve os nomes do Poli e do Gurgel, mesmo sabendo que ia ser criticado na grande imprensa?
    O PT foi eleito pela maioria do povo, que não lê mídia e não acredita tanto assim no Bonner. Eu particularmente voto no PT para que as coisas mudem ao menos um pouco, pois se é para assumir que “tá tudo dominado”, e vamos mudando só a cor dos pentelhos, por que vou me dar ao trabalho? Sou eleitor e tenho direito de cobrar as pessoas que elejo, e hoje não me sinto representado por nenhum partido no Brasil. Posso não saber muito bem o que fazer, não sou um político de carreira, mas sei que o silêncio, a inação, e a falta de argumentos não vão mudar nada.
    Vi o meu amigo Eduardo Guimarães cobrando atitudes do escritor do texto, e creio que cada um dá o que pode. Nem todos têm o dom da escrita, nem todos têm política no sangue, nem acham que só a política comanda a vida, pois dá para ter uma vida decente independentemente do governo de plantão, basta pagar o preço do trabalho dentro do sistema (creio que a maioria aqui está nessa). Afinal eu trabalho e vivo politicamente desde o governo Geisel, passei por vários governos inclusive o desgoverno tucano e estou aqui. Como brasileiro leitor voraz (não da grande mídia), que se julga bem informado e vivido, não preciso de uma revolução (embora não a tema), mas quero que as coisas mudem mais ou começo a procurar outro partido, fim de papo.
    Um abraço.
    PS 1: gostei muito desse comentário aqui:
    Francisco
    “O PT vai descobrir da pior forma possível que a qualquer soluço da economia, roda.
    E não terá feito nenhuma (zero) reforma institucional.
    Não politizou, não educou as massas e menos gente sabe hoje quem foi Marighella ou Tito do que há vinte anos.
    Fico me perguntando o que Luis Carlos Prestes ou Brizola teriam feito se pudessem ficar dez anos no poder…
    É de chorar.”
    PS 2: não sou marxista, mas prefiro morrer tendo tentado mudar as cabeças e o sentido das coisas que deveriam ser mudadas. Ascender sem mudar é oportunismo ou fracasso.

Francisco

03 de dezembro de 2012 às 19h50

O PT vai descobrir da pior forma possível que a qualquer soluço da economia, roda.

E não terá feito nenhuma (zero) reforma institucional.

Não politizou, não educou as massas e menos gente sabe hoje quem foi Marighella ou Tito do que há vinte anos.

Fico me perguntando o que Luis Carlos Prestes ou Brizola teriam feito se pudessem ficar dez anos no poder…

É de chorar

Responder

francisco pereira neto

03 de dezembro de 2012 às 19h47

Assinado em baixo.
Com a palavra, o PT.

Responder

Eduardo Raio X

03 de dezembro de 2012 às 19h10

Eu de minha parte não entendo patavinas deste medo e covardia do PT, se um dia alguns que hoje faz parte do partido ousou enfrentar a truculência de uma ditadura, como pode agora temer uma imprensa podre, sacana, golpista e preconceituosa??? Já esta na hora de todos que leem os blogs sujos, começar a incomodar a esses covardes! Tem os blogs oficiais do governo e do próprio PT, e se formos direto na ferida eles vão ter que colocar o corpo para fora! Eles ainda não calcularam uma pequena questão, 2014 aproxima e nossa ajuda é fundamental! Acorde PT para os fatos, e não subestime os blogs sujos e seus leitores!

Responder

Roberto Ribeiro

03 de dezembro de 2012 às 18h09

Os lemas do Planalto e do PT em relação ao PIG é:

Planalto:
$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$…
PT:
Medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo…

Responder

renato

03 de dezembro de 2012 às 18h08

Uma nota ao PT.
Há muito, tenho medo que alguem tenha algo
de concreto contra o Prsidente Lula. Algo
que possa ser usado contra ele, A BALA DE PRATA,
como dizem. E este medo faz com que eu venha ficar
tranquilo quando uma denuncia acaba em nada, ou seja
pegou outros, mas não pegou LULA!
Gosto muito de LULA, ele é minha referência de justiça
social, e todos aparatos cristãos. Acredito na conciencia
coletiva e o que ela é capaz de fazer pelos outros e
consequentemente para os meus.
MAS, digo que se algo de podre está guardado para chantagem
esta na hora de por as mangas para fora e tocar o F…- SE.
PT tem que ser maior que meu presidente. Demorou.
Já estão enviando mensagens subliminares em reportagens.

Responder

    ricardo

    03 de dezembro de 2012 às 20h44

    O PT maior que o Lula? Agora é tarde!

    José de Almeida Bispo

    03 de dezembro de 2012 às 22h50

    Não existe a bala de prata”, meu caro. De fato, pra ninguém. O que existe é a somação de fatores que torna uma situação em particular insustentável; e no caso de Lula,desde 1986, quando foi candidato e teve aquela votação estupenda como deputado federal que a mídia, especialmente os dois mais volumosos, Globo e Veja, não dá sossego ao cara, com predominância da Veja que tem como artigo de seu manual achincalhar Lula, ao menos uma vez por mês, não importa o que ele esteja fazendo ou exercendo. A mídia bater em Lula não é nada; o problema é ela bancar o bandido e por os membros da Justiça na parede como agora fez com o STF… aí, amigão, é que não dá. Além de ser um intimidação sem tamanho é um atentado à democracia. A ditadura dos filhos de Roberto Marinho coadjuvados por Civita, Frias e Mesquita… literalmente, um bando criminoso, ao dessa forma agir.

carlos saraiva e saraiva

03 de dezembro de 2012 às 17h23

As contradições e as dificuldades que um governo de esquerda, enfrenta em um país capitalista, embora com todos os avanços, ainda periférico, desigual e injusto, são imensas. A necessidade de uma coalizão, com o partido conservador(PMDB) e a direita oportunista, para enfrentar a direita ideológica(PSDB) e seus braços DEM, PPS, lançam um grande desafio.A primeira dificuldade surgiu com a saida e construção de um novo partido de esquerda(PSOL), fortalecendo a oposição. Para mim , fruto de uma leitura equivocada e uma falta de compreensão da contradição existente. O sucesso do governo, entretanto, sem rupturas, enfraquceu a direita e aí se fez presente, a volta do discurso “moralista”, da velha UDN, capitaneado pela grande imprensa, assumida como o legitimo partido da direita. Acuado o PT, sentiu e ainda sente, sim, dificuldade para enfrentar um processo, de reformulação de um Estado, viciado, patrimonialista, privatizado e promiscuo,construido pelos “moralistas” que o atacam , sustentado pela mesma mídia. O PT, ganhou o governo e não o poder. E o governo, tendo de ser dividido com uma parte da direita. A oposição tambem habita dentro do governo, as vezes sorrateira, outras vezes, escancarada.O PT, necessita hegemonizar o governo, o que não é fácil. E esta hegemonia se torna mais dificil, quando, a responsabilidade das dificuldades, contradições, recaem e são cobradas, de forma agressiva, sem tréguas, por aqueles, que mesmo defendendo o governo e o projeto, são direcionadas ao PT. De forma inconsciente são submetidos à ditadura do senso comum, midiatizado. O exemplo da CPI, é mais do que emblemático. Os petistas se posicionaram de maneira clara, refletindo, o que o relator colocou. A resistência veio da dita esquerda PSOL, a bancada dos falsos èticos, que na verdade, não a defendem , bem como não defendem a liberdade de imprensa e sim a submissão aos empresários da imprensa. Se queremos, fazer a luta politica ideológica e de classe, façamos enfrentando a direita e os falsos esquerdistas. E isto, podemos fazer, fortalecendo o PT e não jogando no seu enfraquecimento. Devemos cobrar do PT, mais firmesa, sim, mais protagonismo sim , atitude mais ofensiva, sim. Por outro lado, devemos diferenciar; partido, governo, estado, e as correlações de força.

Responder

Eugenio L.da Costa

03 de dezembro de 2012 às 17h22

O que mais me impressionar são os petistas não defederem o PT, a essas alturas era para faz MANIFESTAÇÕES DE DESAGRAVO AO LULA. Por covardia não fazem. O mesmo ocorreu na CPI dos Correios em 2005, os acorvadadores Senadores do PT tinham medo de defender o Governo, quem salvou a situação foi o FELICIO DA CUT (as ameanas da AOB)e os trabalhadores ameaçarem parar o PAÍS! ESTÁ NA HORA DE NOS MOBILIZARMOS!

Responder

    Alberto Nasiasene

    04 de dezembro de 2012 às 02h46

    Concordo que todos nós temos o dever de fazer algo, ao invés de ficar somente falando. Mas o que podemos fazer? No momento, esperar e não jogar lenha na fogueira da direita. É muito maniqueísmo de alguns pensar que só existe esquerda e direita. Estes mais radicais são os que, depois, ficam os mair covardes, como tantos ex-comunistas e ex-trotisquistas de ontem que hoje estão vociferando na Globo e no PIG contra o PT, defendendo a coligação Demo-tucana. Vão plantar batata com o MST primeiro para entender o que é a realidade deste país profundo primeiro!

MariaC

03 de dezembro de 2012 às 17h08

Mudando de assunto: Havia ou não provas contra Dirceu?

Pois, se não havia e precisaram de usar o “dominio de Fato” então Fux está mentindo quando diz que havia provas. Se Fux não está mentindo, e não havia provas, e o Dominio de fato for descartado pelos tribunais internacionais, então Dirceu estará livre.

Responder

Remindo Sauim

03 de dezembro de 2012 às 17h02

Acho que esta preocupação não deve ser a do governo. Os índices do JN da Globo e da venda da Folha, O Globo, Estadão e veja vem caíndo ano a ano. Ainda sobrevivem devido a parceria com as agências de publicidade que são mais fiéis aos veículo do que aos seus cliente. Quem deve ter esta preocupação é o congresso.

Responder

    Carlos Cruz

    03 de dezembro de 2012 às 22h27

    As tais empresas sobrvivem a custa do Tesouro, com os milhoes repassados pelo Governo Federal. Tivessem culhoes cortariam, como fez Obama com a FOX, os recursos a elas, e veria se sobreviveriam. Mas o PT não tem culhoes, baixou-se tanto que aparecem muito mais que os fundos das calças. Gostam mesmo é de brigas internas, não planejam. Municiam a UDN com seus escandalos e desmandos.

Pedro

03 de dezembro de 2012 às 16h55

Já estou achando uma chatura essa história de achar que o governo deve fazer isso ou aquilo, algo de mal, contra a grande imprensa. Não tem gente que gosta de apanhar e provoca os outros para conseguir seu intento? Não é só por isso que Balzac chamava a imprensa de grande puta. Essa história de que a imprensa é mentirosa por causa do patrimonialismo e do capitalismo selvagem que teria determinado os comportamentos políticos entre nós me parece insuficiente para caracterizar o que está acontecendo. A imprensa mundial, inclusive a nossa, orquestrada pelo Departamento de Estado, mentiu vergonhosamente ao dizer que o Iraque possuia armas de destruição em massa. Que eu saiba, a imprensa americana, francesa, inglesa e toda a porcariada chamada de imprensa no mundo inteiro capitalista desenvolvido não pode ser acusada de patrimonialista. Ou pode? O que temos lido em blogs americanos é que a imprensa deles só conta mentira. Se o articulista tivesse, quem sabe, visto nisso que chama de mídia nacional apenas uma parte daquilo que a mídia capitalista não pode deixar de fazer, é bem possível que pudéssemos tirar algumas conclusões para como enfrentar esse inimigo. No mais, acho que a mídia está enfrentando um problema sério de sua sobrevivência num mundo, que ela quer perpetuar, mas cuja crise lhe cria tantos, ou mais problemas, do que o PT. Qual a sua maior arma: o moralismo. Para tanto, ela recorre ao arsenal que já funcionou mais de uma vez: o lacerdismo.

Responder

    MariaC

    03 de dezembro de 2012 às 17h14

    A classe média tem filhos que mostram o corpo na NET para desconhecidos.(6%)
    Nem vai ligar com esse lado do Lula.Se Dona Mariza segurar a onda Lula vencerá mais umas vezes.

    pina

    03 de dezembro de 2012 às 17h21

    Pedro, concordo plenamente com sua análise,,,

    e tem mais, o PT tem rabo preso, assim como qualquer governo no mundo.

    e além do mais tem uma policia federal aparelhada pela direita demo-tucana que a cada semestre descobre um escândalo…

    não adianta nada querer calar a imprensa sendo que a policia federal rastreia todo e qualquer erro do governo.

    o mensalão não foi a imprensa que inventou, ela explodiu dentro da base aliada…

    ou o Roberto Jeferson era oposição?

    qualquer governo inteligente faria o que o FHC fez, controlou a policia federal,,,

sandro

03 de dezembro de 2012 às 16h42

Contra petistas só petistas.
Ok.Criticas são mais que necessárias,mas que tem gente querendo vender
a alma para o diabo isso tem. Penso que há oportunistas querendo
“zoar o barraco” petista. O PT cresceu, tem problemas mas Lula não
é FHC nem Agripino, nem Serra etc. Existe o PSOL o PSTU e mais alguns,
é direito de cada um procurar aquilo que melhor lhe representa e traduz ideológicamente.

Responder

    Alberto Nasiasene

    04 de dezembro de 2012 às 02h48

    Apoiado, nem todos são covardes, mas temos muitos valentes de horas vagas.

Lilica

03 de dezembro de 2012 às 16h16

Talvez o PT esteja esperando derrubar a última grande trincheira da oposição: São Paulo. Concordo com o Marcelo de Matos. Recuar agora e dar a grande porrada no final. Tendo São Paulo, estado e capital, fica mais fácil enfiar uma lei de mídia goela baixo dessa gente.Ou não?

Responder

Willian

03 de dezembro de 2012 às 16h09

O objetivo que qualquer partido é o poder, ficar no poder, pura e simplesmente. Se, neste caminho, ajudar alguém, melhor, mas não é essencial. O PT ficará no poder federal por, pelo menos, 12 anos, com chances concretas de ficar 16. Conseguiu isto sendo o que é, dizendo agora o oposto do que disse antes. Então, não esperem que o PT vá entrar nesta briga de vocês contra a imprensa, pois ele tem mais a perder do que a ganhar.

Esta briga é de vocês.

Responder

    MariaC

    03 de dezembro de 2012 às 17h16

    A denúncia moral não significa nada. Se não há problemas com grana, vamos em frente.

    LuizCarlosDias

    03 de dezembro de 2012 às 20h05

    Essa briga é nossa, vamos filiar ao PT
    assim sendo seremos enormes, unidos sem
    medo de fantasias e de falsos golpes.
    Já temos fortes liders, falta nossa união
    que serve tb de controle partidário.
    O medo do PIG é LULA gov de SP, Dilma até
    quem naõ tem voto entende que ela será reeleita.
    Viva o povo PT do Brasil.

    francisco pereira neto

    03 de dezembro de 2012 às 20h07

    Olha aí cara!!!
    Até que enfim um comentário do Willian com uma dose cognitiva!
    Mesmo com todos os vícios adquiridos quando decidiu usar as mesmas armas demotucanas para governar, mil vezes o PT do que a tucanalha.
    Se não for o PT, vai ser quem? O Psol? O caquético Plínio de Arruda Sampaío? Eles pressionaram junto com os tucanos, de maneira que o relator, Odair Cunha, da CPMI fuleira do Cachoeira, fizesse um relatório amarelado.

Tiago Tobias

03 de dezembro de 2012 às 16h07

Não sei quais os motivos da troca de ministro das comunicações. Por que diabos a Dilma não deixou o Franklin Martins lá? Uma lei de medios estaria engatilhada neste exato momento, o que faria o pig recuar. Foi só o Lula ser cotado como futuro candidato a governador de São Paulo que o pig já descarregou sua metralhadora.

Responder

    Willian

    03 de dezembro de 2012 às 17h30

    Meu Deus, ela trocou porque a briga com a mídia não é importante para ela. Esta briga é de vocês. Não é uma briga nem do governo e nem do PT. Quando muito, é de uma pequena parte do PT.

    Isto está claro como água há tempos. Vocês esperam o que, uma declaração oficial?

J.Carlos

03 de dezembro de 2012 às 16h04

O compromisso do relator não é com o partido e sim com seus eleitores e, em última análise, com a nação.

Responder

pina

03 de dezembro de 2012 às 16h03

só vão tomar atitude se a popularidade de Dilma e Lula cair, senão fica como tá.

Responder

Tiago Tobias

03 de dezembro de 2012 às 16h01

O PT é cagão.
Paulo Bernardo, um pamonha.

Cristina Kirchner precisa vir até o Brasil mostrar com quantos paus se faz um governo honrado, que não deixa o pig deitar e rolar.

Responder

    Luiz Moreira

    03 de dezembro de 2012 às 16h33

    Concordo. Mas alem disto, se as figuras de proa na “esquerda brasileira” tomassem uma posição meio a la MUJICA do URUGUAI, a “IMPRENSA LIVRE E SEM-VERGONHA” levaria um baque enorme, o PSDBOS e os DEMONIOS despencariam como
    as figuras impolutas (mas totalmente POLUÍDAS), e realmente poderia ser desencadeada uma profunda limpeza em todos os poderes. Isto é o que o governo está perdendo a oportunidade de fazer. A faxina política , moral e um tanto, a econômica, do BRASIL

Raul Bando People

03 de dezembro de 2012 às 16h00

Mostrar a verdade (com provas de transações bancárias, testemunhas, depoimentos e defesas de advogados que confirmam a ilegalidade cometida pelo cliente) agora é crime para a imprensa PIG ?
Não, FHC também teve corrupção em seu governo e nada foi feito. Não foi porque, dentre um dos atravancos, o procurador geral era um engavetador. Agora não. Até a PF está agindo mais.
Não acredito a pureza de atitudes destes que estão e dos que estiveram no poder. O poder é muito grande, e isso apagou a estrela do PT. Muita grana, empregos para manipular. A Rose não foi invenção do PIG.
Confiei no PT e no Lula mas, depois do veto ao fim do Fator Previdenciário, não tenho dúvidas que não merecem minha confiança.
Como diz outro comentário, é traição.

Responder

Eduardo Guimarães

03 de dezembro de 2012 às 15h11

Resta saber o que o articulista fez de concreto para combater tudo isso ao tempo em que apregoa o que quer que os outros façam. Eu, por exemplo, sei o que fiz. Todavia, não sei o que ele fez além de dar receitas que não usa.

Responder

    Tiago Tobias

    03 de dezembro de 2012 às 16h02

    Eduardo Guimarães, concordo contigo.

    athalyba

    03 de dezembro de 2012 às 16h55

    Quer servir de exemplo para tudo, sr. Eduardo ??? O articulista aponta um caminho que pode muito bem ter sido trilhado em silêncio por ele e por muitos que, como eu, mandam emails para seus representantes.

    O que o sr. quer do articulista, exatamente ???

    francisco pereira neto

    03 de dezembro de 2012 às 20h14

    Pô Edurdo!. Não tinha pensado nisso. Retiro meu apoio ao ilustre articulista.
    Nós somos testemunha da sua luta.
    Voce não é jornalista e não vive dessa profissão, e no entanto dá de dez a zero em muitos que se dizem jornalista.

LEANDRO

03 de dezembro de 2012 às 15h10

O termo não é covardia, o correto é “rabo-preso” mesmo. Telhado de vidro.

Responder

    ricardo

    03 de dezembro de 2012 às 20h39

    Na mosca, Leandro!

tiago carneiro

03 de dezembro de 2012 às 14h55

PT não é mais PT. Está mais para um FHC vestidinho de vermelho.

Responder

Tião Medonho

03 de dezembro de 2012 às 14h44

O PT nunca acreditou de verdade que chegaria ao poder…e nunca chegou.Só chegou ao governo e ficou deslumbrado por isso. So os inocentes de sempre, as eternas vitimas da auto ilusão pensou o contrario…

Responder

Marcelo de Matos

03 de dezembro de 2012 às 14h38

Virou moda nos blogs de tendência psolista chamar o PT de covarde. Nos meus tempos de colégio tive aulas de filosofia, mas, não me interessava muito pela matéria. Lembro-me, porém, das lições sobre Sócrates: “querendo apreender o conceito de coragem, dirigia-se ao um general, e perguntava-lhe: — você que é general, poderia me dizer o que é a coragem? O general respondia-lhe: — coragem é atacar o inimigo, nunca recuar. Porém, Sócrates contradizia: — às vezes temos que recuar para melhor contra atacar. E a partir daí continuava o debate ampliando o conceito”. Bem. Já sabemos o que é coragem para os socráticos; resta saber o seu significado para os psolistas. Peitar o PIG? Com que armas? Na piada do espanhol não é preciso arma alguma: con cañon o sin cañon, fuego! (Azenha: corrija meu portunhol). É melhor largar mão de quixotismo. Socraticamente, podemos recuar para contra atacar. Ou, como disse Lênin, podemos dar um passo atrás para, depois, dar dois à frente. A gente recua e volta para dar mais uma porrada. Quer que eu faça uma demonstração?

Responder

    smilinguido

    03 de dezembro de 2012 às 14h53

    “low profile’ em politica é coisa de quem tem rabo preso….

    francisco niterói

    03 de dezembro de 2012 às 15h25

    todos os aliados do PT no governo foram aliados no governo FHC, alem de permanecer em aliancas regionais com os tucanos.

    Vejamos o sarney: aliado dos governos FHC, LULA E DILMA.

    Este mesmo SARNEY É ALIADO DA GLOBO VISTO SER RETRANSMISSOR DA MESMA.

    O que vc chama de rabo preso é a tal governabilidade, necessidade de coalizao, etc.

    Vc sabia que o Congresso tinha legislado de forma a minorar este problema de forma a, num certo futuro, ficar remanescente? Pois é, a clausula de barreira, instituto que adquiriu muta forca apos a IIGuerra, inclusive na alemanha, foi derrubado pelo STF. ENgracado, na alemanha pode. Da alemanha só pode “dominio do fato” estragado como maconha de quinta.

    A questao maior pras coalizoes, etc, se tornam mais resolviveis com menos partidos e a “necessidade de contentar todos”.

    Pois é, o STF é o destrutor da reforma que melhoraria a questao do rabo preso. Mas a elite nao quer isso. VC VIU ESCANDALO DA GLOBO QUANDO O STF DERRUBOU A CLAUSULA DE BARREIRA? ELA PREFERE CRIMINALIZAR A POLITICA POIS FICA MAIS FACIL DOMINAR TUDO, INCLUSIVE COM DISCURSOS FACEIS DE RABO PRESO.

    Um pouquinho de ciencia politica ajudaria neste raciocinio simplista.

    francisco niterói

    03 de dezembro de 2012 às 15h01

    Marcelo

    Eu até posso concordar com vc, mas algo nao fecha nesta equaçao.

    No caso da CPMI, acho um absurdo as criticas ao PT. Ou seja, o pt apresenta o relatorio e, se tivesse mais integrantes, o teria aprovado. Mas figuras “estranhas”,como o mino carta, têm abrigo em discurso que acha que o partido pode ser “dom quixote” ou por a faca no pescoço do PMDB pra votar.

    Sabe por que a midia ataca mais o PT e Lula? Ao contrario do que pensam, o PT foi muito prejudicado pelo julgamento do mensalao, etc. Na verdade, o PT tem uma presença no Congresso infinitamente menor do que o esperado em face da administracao que faz. Assim, a midia sabe que o importante é enfraquecer o PT no congresso. Um PT forte poderia,por ex., indiciar o Policarpo. Assim, esta “criminalizacao do PT” tem surgido efeito e concordo com vc o absurdo de forcas progressistas nao verem isso.

    POREM, APOS ESTA PEQUENA PRELECAO, VAMOS AO OUTRO LADO: NUNCA VAI TER REAÇÃO? APANHAR CALADO? ISTO É DAR RAZAO À MIDIA VENAL E AOS BLOGS “PSOLISTAS”.

    francisco niterói

    03 de dezembro de 2012 às 15h04

    Em tempo: marcelo, cada vez mais, e principalmente com a dilma, o PT recua e NUNCA CONTRA-ATACA.

    EU CONCORDARIA 100% COM VC SE HOUVESSE CONTRA-ATAQUE. MAS ELES NUNCA VEM.

    Helio Filho

    03 de dezembro de 2012 às 20h52

    Mino Carta, figura estranha…

    Não se de que planeta voce vem, meu caro, mas seu comentario parece uma reles provocação ou uma enorme ignorância (acredito mais na primeira hipotese, inclusive pelo uso de letras maiusculas)

    Ora, Mino Carta, quem e o Mino Carta!

    francisco niterói

    04 de dezembro de 2012 às 08h50

    Ao sr helio

    Nao me deterei em muitas das suas diatribes.

    Quanto às maiusculas, a conceicao, sempre atenta, nao fez comentarios. Sabe o por que?

    Desconfio que ela entenda muito bem o recurso.

    Em decisoes, peticoes e pareceres de monta, geralmente com muitas paginas, utilizam-se recursos do negrito, italico, maiuscukas, etc. E com o advento da transparencia, com estes documentos expostos na intenet, os habitos tb começam a aparecer.

    Assim, se seu desejo foi me atacar como não polido, pode pensar o que te apraz. O conhecimento de estruturas vai, aos poucos, se espalhando. Qq pessoa minimamente acostumada com o universo do qual lhe falei, conseguiu entender o que vc desejou deturpar.

    Em tempos de tablet, por ex., a leitura dinamica exige muitas vezes um realçador que lhes facilite a leitura. Negrito e italicos podem nao ser eficientes. Assim, como nos milhars de documentos que produzo, o recurso às maiusculas se tornam eficientes, desde que ponderadas.

    No caso em apreço, a resposta ao marcelo continha em maiuscul o que dele eu discordava. Acredito que ele entendeu melhor.

    Dito isto tudo, e descendo ao nivel em que vc exerceu o contraditorio, vou no popular:

    “Vá se instruir antes de cagar regras”. Atodos os demais, desculpas mas arrogancia tem limites.

    Roberto Locatelli

    03 de dezembro de 2012 às 15h20

    Por que chamar de “psolista” a crítica contra a retirada dos nomes de Policarpo e Gurgel do relatório da CPI??

    Ao contrário, o PSOL era um dos partidos que exigia a retirada dos dois nomes.

    Tiago Tobias

    03 de dezembro de 2012 às 16h10

    É Marcelo, mas o PT recua faz mais de 10 anos e nunca contra-ataca. Lembra do medinho do Lula na época do PNDH 2?

    Paulo Figueira

    03 de dezembro de 2012 às 16h35

    Entendo que não seja questão de coragem ou covardia.
    Os argumentos que justificam a apatia do PT diante do quadro, dizem respeito à governabilidade e a preocupação em não melindrar a base aliada, porém o que supostamente ajuda na governabilidade hoje, pode amanhã se tornar ingovernável.
    Pelo que tenho observado estamos perdendo esse debate político sobre corrupção, principalmente na classe média e essa derrota pode não só inviabilizar o governo, como acabaremos por ficar isolados politicamente, pois a base aliada só é aliada pela perspectiva de poder.

    MariaC

    03 de dezembro de 2012 às 17h12

    Sim. Não é outra a história do PMDB e PDT, poder, poder, poder,

Roberto Locatelli

03 de dezembro de 2012 às 14h36

Só um reparo importante ao texto: a grande mídia não é linha auxiliar do tucanato. Ao contrário, PSDB, Dem, PPS e PSOL é que são linha auxilar da grande mídia, a qual é a verdadeira oposição de direita no Brasil.

Responder

    maria olimpia

    03 de dezembro de 2012 às 16h43

    francisco niterói e Locatelli,
    Perfeito!

    Mário SF Alves

    03 de dezembro de 2012 às 20h09

    Eu continuo achando que o PSDB é o verdadeiro partido da imprensa golpista. Não só ele, claro. O que mudou é que, com o sucesso dos governos do PT, incusive o resultado da eleições municipais, especiamente em SP, este partido se enfraqueceu tanto, tanto, que a mídia golpista assumiu de vez o movimento de oposição golpista. E enquanto tal, enquanto golpista, desnecessário dizer que ela é de direita e antidemocrática.

Nilson Moura Messias

03 de dezembro de 2012 às 14h34

Meu Partido dos Trabalhadores, lembra do desânimo que tomou conta da coligação, após o primeiro turno de 2010. Lembrem do debate da Band, a virada do ânimo começou com a reação de Dilma, peitando o Serra. Aí a militância foi a loucura e correu para o abraço. Enfrentem, reajam os canalhas que coragem e ousadia que mudou a cara do Brasil.
“Que ninguém, jamais duvide da classe trabalhadora”, mais ou menos que o eterno Presidente Luis Inácio Lula da Silva, falou.

Responder

francisco de paula leite

03 de dezembro de 2012 às 14h21

Vergonhosa a trajetória contrária que está fazendo o PT. Sou eleitor petista, fui filiado, fui fundador do PT no PI e estou triste com a classe gerencial definida por Paul Singer, que tomou de conta do partido via legistativo. São mais afinados e lotados de botox que o tucano Álvaro Dias. Exceções para Dr. Rosinha e outros poucos bravos brasileiros que acreditam na mudança desta sociedade onde somos obrigados a consumir o que diz a globo e a entender o que fala a globo!

Responder

Mário SF Alves

03 de dezembro de 2012 às 14h19

Mais um capítulo da Série Perguntar Não Ofende:
Bom e oportuno esse apanhado geral e recomendações de vom-senso feitos pelo Maurício Celeiro. E só para efeito de raciocínio, pensemos um pouco sobre o PSDB, o verdadeiro, mas não o único partido da imprensa (há séculos nem tão intensamente) golpista. Tal partido é ou não é um exemplo clássico de estelionatário político. Alguém duvida? Simples, basta ler o estatuto desse partido – instrumento sem o qual não se obtém o registro partidário – para se ter certeza de que seus objetivos e sua razão institucional de ser foram praticamente todos jogados na lata de lixo.
Aliás, é igualmente útil essa observação quando se deseja verificar outros aspectos relacionados à referida prática de estelionato:
1- Com fundamento no estatuto partidário, até que ponto o PT está sendo relapso ou conivente no enfrentamento das atuais dificuldades, inclusive, a sabotagem política, decorrentes da realidade imposta, produzida ou tendenciosa e irresponsavelmente manipulada pela imprensa golpista? Vide o escândalo resultante de crimes comuns e crime contra a ordem constitucional praticados pela quadrilha do Carlinhos Cachoeira.
2- Onde foi parar o conceito que diferenciava a esquerda da direita?
3- Até quando vamos tolerar politicamente as adjetivações extrema esquerda e extrema direita? Afinal, que babado é esse, ou bem se é de esquerda, ou bem se é de direita; mesmo porque, é pura redundância e cortina de fumaça essa coisa de extremos; uma vez alcançado o poder, objetivo de toda a luta política, o que pode variar é o método de consolidação desse mesmo poder, que pode ser mais ou menos radical.
4- Desde quando numa democracia é lícito aos representantes das ideologias de esquerda e de direita pleitearem a realização de seus objetivos pela via institucional partidária? Será a que a falsidade ideológica permeia e é consentida pela Constituição Federal?
5- E, por fim, qual devem ser a ideologia, o perfil e os objetivos dos partidos que se enfrentam num contexto de luta democrática?

Responder

Valdemir Pereira

03 de dezembro de 2012 às 14h06

Infelizmente o PT ” amarelou”. Foi um “bundão”. O PT gosta de apanhar calado. Era a oportunidade de indiciar o jornalista da revista de esgoto Policarpo Júnior e o Procurador Geral da República , Roberto Gurgel.Que saudades do Brizola !

Responder

    Maria Mercedes Nobre

    03 de dezembro de 2012 às 15h46

    Valdemir, o Brizola faz falta mas o Sen. Cristovam e o Dep Miro Teixeira.. Será que são mesmo da base aliada? Nunca vi gente tão sem c…lhões. A pobre da Dilma não precisa de inimigos com uma base desse tipo. PMDB, PDT e PTB, aliás o próprio PT (vide caso do traidor Odair Cunha, são uma lástima.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.