VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Altamiro Borges: Donos da mídia nativa travam batalha externa na Argentina


04/11/2012 - 21h20

Foto Valter Campanato, Agência Brasil

domingo, 4 de novembro de 2012

Ley de Medios. Eu sou argentino!

Por Altamiro Borges, em seu blog

A mídia hegemônica não descansa e vive em permanente estado de guerra. Passadas as eleições municipais, em que ela apostou tudo no “show do mensalão” para evitar o desastre completo da oposição demotucana nas urnas, ela agora afia as suas armas para duas novas batalhas. Uma no front interno, com a tentativa de criminalizar o ex-presidente Lula. E outra no front externo, com a aproximação da data do fim do monopólio do Clarín na Argentina. A máfia midiática do planeta se une para derrotar a presidenta Cristina Kirchner.

Uma guerra aberta, frontal

No país vizinho, a situação já é de guerra aberta, frontal. Manifestações favoráveis e contrárias à “Ley de Medios”, que democratiza os meios de comunicação, são diárias e agitam até os estádios de futebol. A guerra também já está sendo travada nas emissoras de tevê. Os dois canais do Grupo Clarín – TN (Todo Notícia), no cabo, e El Trece, na TV aberta – promovem ataques raivosos ao governo. Jorge Lanata, âncora de um programa no El Trece, faz imitações grosseiras contra a presidenta Cristina Kirchner.

Já o governo responde através da TV Pública. Ele procura esclarecer que a Ley de Medios, que entrará em vigor no dia 7 de dezembro, visa garantir maior pluralidade e diversidade na radiodifusão. Aprovada em 2009, ela limita as licenças dos grupos midiáticos. Para o Clarín, que controla vários veículos desde a época da ditadura militar, ela será fatal. O império terá que se desfazer de várias emissoras de rádio e tevê. O seu espaço será ocupado por canais comunitários. O governo abrirá concurso para definir os futuros donos.

Com a proximidade do 7 de dezembro – o 7D da Democracia –, a guerra entre os dois campos se acirra. O Grupo Clarín já foi derrotado no Congresso, no Judiciário e nas ruas, com massivos atos de apoio à lei. Mas ele resiste. Para o sociólogo Martín Becerra, “o cenário mais provável é que o Clarín tente ganhar tempo, apresentando um plano de adequação indicando empresários aliados como testas de ferro, algo que o governo não aceitará. Haverá outra batalha judicial que daria ao grupo tempo para desenhar outras estratégias”.

A falta de coragem política no Brasil

É neste cenário de confronto que os barões da mídia da América Latina – reunidos no antro da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) – e do mundo inteiro se unem para salvar o império do Clarín. Na semana passada, o Jornal Nacional da TV Globo divulgou longa matéria contra o “atentado à liberdade de expressão” na Argentina. Os jornalões também já publicaram vários editorais e artigos sobre o tema. Esta será a principal batalha, no front externo, dos donos da mídia nativa. Eles temem uma “epidemia” na região.

Nesta guerra aberta não há espaço para vacilações. Diante da fúria monopolista dos barões da mídia, eu sou argentino! Na verdade, só lamento que o governo Dilma não tenha a mesma coragem da presidenta Cristina Kirchner para estimular um debate democrático sobre este tema tão estratégico na atualidade. Talvez a entrada em vigor da Ley de Medios ajude a espalhar esta “epidemia” democratizante em nosso país. A conferir!

Leia também:

JC: Flertando com uma teoria da conspiração

Altamiro Borges: Mídia prepara bote contra Lula

Carlos Lopes: Passadas as eleições, pressa do STF “sumiu”

Lincoln Secco: PSDB e Eduardo Campos só têm chance em 2014 se houver ”crise catastrófica”

Marcos Valério, o jogo político e a investigação do ex-presidente Lula

Vereador que fez campanha por Serra antecipa proposta de Haddad

Corrigindo o diagnóstico de Aécio Neves sobre o resultado eleitoral

Breno Altman: Quem tem domínio de fato, na democracia, é o povo

Fernando Ferro: Verba publicitária e sadomasoquismo





52 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Folha transforma cláusula pró-jornalistas em “avanço contra imprensa independente” « Viomundo – O que você não vê na mídia

07 de novembro de 2012 às 15h03

[…] Leitor reclama que parceria foi chamada de “corrupção” Altamiro Borges: Donos da mídia nativa travam batalha externa na Argentina […]

Responder

Leitores: Privatização do Maracanã, por R$ 7 milhões anuais, sob suspeita de favorecimento « Viomundo – O que você não vê na mídia

07 de novembro de 2012 às 12h22

[…] Leitor reclama que parceria foi chamada de “corrupção” Altamiro Borges: Donos da mídia nativa travam batalha externa na Argentina […]

Responder

Valério entregou ao ex-procurador os nomes dos políticos do PSDB que receberam dinheiro no mensalão tucano « Viomundo – O que você não vê na mídia

06 de novembro de 2012 às 19h06

[…] Leitor reclama que parceria foi chamada de “corrupção” Altamiro Borges: Donos da mídia nativa travam batalha externa na Argentina […]

Responder

Donizeti - SP

06 de novembro de 2012 às 10h37

Parece que as coisas não ficarão muito do agrado da mídia conservadora.

Regulação da midia entra na pauta do PT.

Artigo de Rui Falcão, Presidente Nacional do PT

– publicado na Folha em 02/11/2012.

……

O PT cresce e consolida seu projeto nacional

Hora de debater financiamento público eleitoral e regulação da mídia, que não é censura. E não seremos vingativos ao julgarem a oposição por seus ‘mensalões’.

O veredito das urnas nas eleições municipais encheu de orgulho a todos os simpatizantes, militantes e dirigentes do Partido dos Trabalhadores. Nosso desafio agora é continuar a corresponder à confiança depositada no primeiro turno pelos 17,2 milhões de eleitores, número recorde em nossa história. Governaremos 635 municípios, com 27,6 milhões de eleitores, abrangendo 20% do eleitorado nacional.

Se considerarmos os vices, aliados a outros partidos, estaremos representados nos executivos de mais de mil cidades. Mantivemos a força nos grandes centros e aumentamos a capilaridade, com mais prefeitos nos pequenos e médios municípios.

Também ampliamos em 25% o nosso número de vereadores, saltando de 4.164 em 2008 para 5.191 em 2012. Foi a maior votação de legenda do país, com quase 1,5 milhão de votos no 13. Nossa base aliada também cresceu. Na realidade, nós e os partidos que apoiam o projeto dos governos Lula e Dilma vencemos em quase 80% dos municípios do país.

Em muitas cidades, vencemos com nomes e ideias novas. Renovamos. Criamos novas lideranças que certamente irão fazer história. Estarão ao lado de outros petistas, como Lula e Dilma, que já têm os nomes gravados entre os maiores transformadores da história do país.

Pela manifestação dos eleitores, avaliamos, com segurança, que está ocorrendo no Brasil uma consolidação do nosso projeto nacional, iniciado com o governo Lula em 2003 e com avanços do governo Dilma nos últimos dois anos. A aprovação do nosso projeto que se refletiu nas urnas de 2012. Isso faz crescer ainda mais nossa responsabilidade.

Essa vitória ocorreu em meio a uma campanha terrível, muitas vezes de caráter fundamentalista, preconceituosa e injusta contra o PT e a imagem de Lula. Tentaram criminalizar nosso partido ao longo de todo o julgamento da ação penal 470.

A força de um partido que vem transformando o Brasil, mesmo diante da crise mundial e de toda a campanha contrária, será mostrada pela nossa serenidade e principalmente pelo compromisso que temos com a democracia. Nos últimos dias, ressurgiram os rumores de que PT pretende retaliar os ataques infundados que sofreu propondo censura à mídia. Nada mais mentiroso.

Não. O PT apenas quer debater na sociedade e no Congresso a necessária regulação da mídia, com o fito de alargar a liberdade de expressão e fortalecer a democracia.

Igualmente importante é a campanha pela reforma política -priorizando o financiamento público das campanhas-, na mesma linha do relatório elaborado pelo deputado Henrique Fontana (PT-RS), que está na Câmara esperando votação.

O PT continuará defendendo a ética e a democracia, a despeito daqueles que discordam desses valores. Não seremos vingativos com a oposição, mesmo quando chegar o seu tempo de ser julgada por seus “mensalões”. Agiremos, sim, com o coração e a cabeça, cada dia mais empenhados em responder à confiança popular, promovendo inclusão social, distribuição de renda e o desenvolvimento sustentável do Brasil.

Nosso partido fará agora uma profunda avaliação sobre as injustiças de que tem sido alvo, em reunião do nosso diretório nacional ainda neste ano. Mas já entrará em 2013 empenhado numa reflexão, junto à sociedade, acerca da conformação das reformas estruturais que o Brasil necessita e das nossas gestões.

Nosso empenho será de corresponder à confiança desse recorde de eleitores e pela consolidação do nosso projeto nacional. As próximas eleições hão de ser consequência.

RUI FALCÃO, 68, é presidente nacional do PT e deputado estadual em São Paulo

Responder

    Maria Libia

    07 de novembro de 2012 às 13h47

    Oh, Donizete, será que você ainda acredita no Rui Falcão? Não basta estes 12 anos de covarde ataque ao LULA e a Dilma do PIG, a condenação de Dirceu,Genoino, e NENHUMA REAÇÃO DO PT OU DO RUI FALCÃO. No PT há mais psdbistas do que no PSDB. Rui Falcão não admite que LULA continue com tanta aprovação. RF não tem carisma e quer a destruição do presidente. Contra fatos não há argumentos.

Walter Cesar

06 de novembro de 2012 às 00h24

Será o começo da libertação das opniões na América do Sul. Depois que corneta totar “babau”.

Responder

Moacir Moreira

05 de novembro de 2012 às 23h14

A coragem de Cristina Kirchner contrasta com a hesitação de nossa presidenta Dilma que adora conceder entrevistas exclusivas para o Sistema Veja-Globo e ainda não anunciou quando pretende cortar a publicidade oficial desses e de outros meios de comunicação associados ao referido Sistema Criminoso.

Responder

Urbano

05 de novembro de 2012 às 19h59

Liberdade de expressão para acabar com todo um povo, em proveito de meia dúzia de famílias? Na verdade, o que a imprensa golpista quer é liberdade para perpetrarem crimes contra o Estado e seu povo.

Responder

Wanderson Brum

05 de novembro de 2012 às 19h59

Não sei se é somente “covardia” talvez seja também estratégia, a situação na Argentina parece definida, mais nunca se sabe quando os mesmos golpistas de antes se reúnem muita coisa pode acontecer, por isso não se pode dar um passo em falso.

Penso que talvez seja mais viável a aprovação de medidas nesse sentido, uma Ley de Medios brasileña, após a reeleição da Presidenta Dilma em 2014, vai ser o momento mais seguro, tendo em mente um possível retorno de Lula em 2018, seria perfeito. Mesmo assim tudo pode acontecer…

Isso faz pensar no seguinte, com medo do retorno de Lula, a direita tenta desgastar a figura do cara a todo custo, até com essa cartada rasteira de tentar criminaliza-lo. Fazer o quê? Eles têm medo, eu tenho esperança.

Responder

Julio Cesar Montenegro

05 de novembro de 2012 às 18h57

sei não
talvez ainda haja escassa sensação
do quanto descem à ruas
como nunca antes
idéias circulantes
explodindo 1968 em paris
quando os muros portaram as vozes que queriam livremente pelas ruas caminhar manifestar ou mesmo festejar
a invenção do viver imaginação no poder
há 44 anos os muros falaram isso em francês
mas os muros no brasil sempre falaram em português
e as ruas
duns tempos pra cá
começaram a votar
sem o clarim da hierarquia escutar

Responder

Bernardino

05 de novembro de 2012 às 17h59

LUIS CARLOS MORAES somos irmaos de comunhao,eu ja cansei de dizer aqui que essa frouxidao nossa vem da malefica cultura portuguesa corrupta e covarde e ja detalhei em varias ocasioes,citando o grande Nestor Kichner que fulminou seis vagabundos do supremo de la.desmoralizou o comandante do exercito argentino,quebrando o retrato do Ditador Videla na Academia militar de PALOMA e coisas mais que citei nao vou repeti-las,prefiro me considerar um cidadao argentino e esquecer nossa esquerda e gente cretina e covarde.Voce é daqueles que nao cozinha o galo,infelizmente uma andorinha so nao faz verao.Fico feliz com a brava gente argentina,dizem que sao metidos,mas quem fala issso somos nos frouxos brasileiros!!!!

Responder

    Bonifa

    05 de novembro de 2012 às 19h42

    Temos uma sorte incrível de ter como matriz a cultura portuguesa. Nossas mazelas nasceram por aqui mesmo, é preciso ver as origens coloniais da província de São Paulo e a consolidação da Velha República. É muita coisa parase saber, mas saiba que a cultura portuguesa nunca foi imperial como na Espanha dos Habsburgos assassinos. E se nós, país tropical, fossemos colonizados por ingleses, holandeses ou franceses, não teríamos unidade, já que nossa unidade territorial foi defendida a ferro e fogo pelos fortes portugueses construidos nos mais longínquos rincões da selva. Seríamos uma porção de Haitis, Indonésias e Senegais. É preciso lembrar que o Nordeste holandês, tão civilizado, foi desmontado pela própria Holanda, que percebeu que o nobre Maurício de Nassau estava mais interessado em construir um grande país do que em ganhar dinheiro para a Companhia das Índias Ocidentais.

    simas

    06 de novembro de 2012 às 01h52

    Tdo bem, Nassau ficou mais interessado em construir um país, ao invés de ganhar grana pra companhia q explorava o comércio do açúcar… Tdo bem, q ele, em determinado momento, passou a ganhar menos e fazer mais, por Pernambuco… Tdo bem. Mas, acontece q não foram os portugueses os grdes vitoriosos em Guararapes. Foram aquela gente misturada, mesmo; gente com sangue abrasileirado, já.
    De outro lado, lá no sul, se construiu, uma brava província, igualmente com sangue indígena. Houveram portugueses, açorianos, é verdade; mas, não eram apenas portugueses… Mais tarde, juntaram-se, até, italianos.
    E, aqui no Rio, Maravilhoso, outra vez, os índios deram aquela mão, contra os franceses, com bravura. Outra vez, não foram, apenas os portugueses. Atravessa a Guanabara e pergunta ao Araribóia.
    Sei, não. Se fizermos um levantamento, direitinho, iremos constatar na matriz brasileira, e com mto peso, a negritude junto com o índio.
    Verdade q os portugueses nos legaram uma língua, única, responsabilidade, primeira, de nossa unidade. Mas, quem nos fez o q somos, entendo, foram aquelas figuras humanas q forjaram o Império e, aqueles outros, q lhes sucederam; até na República.
    Ou não vivemos quatro séculos de desencontros, mtos, e encontros, sofridos?…
    Eu não acho q sejamos frouxos. Como, assim, depois de construirmos uma Pátria com essa extensão, tda; rica, de tudo q se possa imaginar de bom, proveitoso e lindo… Ou não somos cobiçados? Está, aê, a razão, o motivo. Convenhamos; nossos antepassados trabalharam, de forma exemplar; pq somos herdeiros de uma imensa fortuna… Está, aê, perfeita, pra nosso uso. Não foi malbaratada, ainda. E cabe a nós, inteligentemente, com mto trabalho e parcimônia, usufruí-la.
    Com relação ao tema, nós recebemos essa herança, maldita – entre todas aquelas benditas e numerosas, recebemos, esse estrupício, como li, noutro dia… A imprensa, maldita, é uma fonte de crise, de desordem, uma coisa louca, q urge ser regulamentada. Contudo – claro, consequência do interesse da propriamente dita, não o foi e nem o será, se ficarmos de braços cruzados…
    Gente, tem coisa de vinte anos, a expectativa pela elaboração das Leis Complementares, exigidas por nossa Constituição – legado de saudoso Dr Ulisses ( Olha, aê, um notável cidadão q nos deixou de herança a nossa Lei Maior, cidadã ).
    Durante esses tempo, tdo, tentatívas pra solver o verdadeiro embrulho, foram engendradas, sem sucesso… E essa imprensa, mafiosa, continua aprontando as mais diversas contravenções, do bom senso.
    A última, por sinal, q já se repete, sem controle ou reparo, foi agora, antes das eleições. O tal do jornal nacional, da TV da “famiglia” marinhos, usou de 18 minutos, quase a totalidade do tempo disponível, pra mostrar um resumo do julgamento do “mensalão”, q nem terminado estava. Seguramente, essa programação estava sendo levada, pra influir na disposição de voto, do eleitor…
    E a Justiça Eleitoral não tomou qq providência, imediata, q lhe cabia… Naturalmente, pelo motivo de a Justiça Eleitoral ser uma continuidade do Tribunal Maior, e, este, demonstrar concordância com os argumentos midiáticos, sobre a total liberdade de expressão.
    Resumindo: Ninguém pode chegar, diante de minha pessoa, e gritar q sou um “velho, decrépito, inútil e homossexual”, pq será preso, em conformidade. Agora, a imprensa, mafiosa, tem a liberdade de modificar o resultado de uma eleição, livremente, sem qq constrangimento, legal…
    De outro lado, do Poder Legislativo não se ouviu, nada; da mesma maneira q não cumpre com sua obrigação de legislar e providenciar Leis Complementares, regulando a atividade da mídia… Isso, em conformidade com nossa Constituição, cidadã, q determinou, faz mais de vinte anos.
    Então, no entendimento do cidadão, comum, aqui – q corre risco de morrer, de indignação, com o q lê, vê e escuta na mídia, maldita, já faz mais de 20 anos; e o Poder Executivo está deixando passar uma preciosa oportunidade, sem tomar atitude, firme, contra mais essa violência praticada pelas organizações, mafiosas, “grobu”.
    Vão fazer sete dd e nada, de resposta aos anseios do cidadão e da família, brasileira – pq essa mídia agride a família, sem pudor e diariamente, já q funciona sem os limites do rigor da lei.
    Pessoalmente, espero – talvez, amanhã, a Presidência da República emita mais uma MP – daquelas criadas pela “redentora”; livrando a Pátria desse cancro.

Willian

05 de novembro de 2012 às 17h25

Meu sonho é um dia o governo petista não fazer QUALQUER propaganda na grande imprensa. Espero que aconteça rápido. No meu caso só cabe torcer, a vocês cabe fazer uma campanha.

Às ruas!!!!

Responder

sandro

05 de novembro de 2012 às 16h55

A primavera ant-pig só começou.
O pig brazuca vai afogar na lama sozinho, basta mexer no bolso deles
e nem vai precisar de lei alguma.Quanto ao golpe..bem..não estamos
mais em 1964 e eles estão bem visíveis, não vão querer se arriscar.

Responder

Rui

05 de novembro de 2012 às 15h33

E aqui o PIGão tem vários filhotes de piguinho. O PIG já viu que do mato do PSDB não sai coelho. A bola da vez é o PSB (sem o D democrático mesmo). Em Fortaleza a lua de mel dos dois dá azia em Sorisal.
http://blogs.diariodonordeste.com.br/robertomoreira/leitora-do-blog-comenta-sobre-as-eleicoes-do-2o-turno-em-fortaleza/

Responder

Fabio Passos

05 de novembro de 2012 às 15h17

As oligarquias midiáticas, incitadoras do ódio e preconceito, são a grande barreira para o avanço democrático na América Latina.

O PiG é formado por notórios apologistas e filhotes da ditadura.
Os golpistas acham que ninguém percebe…

Já passou da hora de acabar com o monopólio da informação na Argentina, no Brasil e em toda a América Latina.

Responder

Ricardo Oliveira

05 de novembro de 2012 às 13h44

Existem caminhos em que não se pode voltar. A democratização dos meios de comunicação é um deles. A história da imprensa na América Latina, em sua maioria, sempre esteve ao lado, no colo, a reboque, em defesa dos interesses dos endinheirados dos países do continente. Essa imprensa , sempre se posicionou, claramente, no campo ideológico da direita, sendo que alguns veículos de mídia, e não são poucos, apoiavam, e ainda apoiam, ideias daquilo que se convencionou chamar de extrema direita. Isso é fato, histórico, e corresponde a realidade atual. A democracia nos países do continente sofreu um duro golpe, um assassinato, nos anos das décadas de 1960 e 1970. A utopia libertária e democrática daqueles anos foi interrompida em vários países. Foram os golpes militares, as quarteladas de generais empolgados com a possibilidade de terem , também, cartões de crédito do mundo capitalista, mesmo que para isso derrubassem , com a força, governos democráticos e legítimos. Claro que tudo isso foi patrocinado pelos EUA e sua patética agência de inteligência. A maioria das mídias da América Latina apoiou os golpes de estado. Isso também é fato. Com os governos dos militares dos óculos escuros, talvez não tivessem colírio,
o assustador fantasma do comunismo não teria espaço na América Latina. ” Dias gloriosos e democracia teremos pela frente” escreveu Roberto Marinho no editorial do O Globo de 01/04/64 logo após o golpe. O estrago dos golpes de estado se fizeram sentir até os dias atuais, causando um grande retrocesso. Com o esgotamento dos regimes militares na região com suas baixas popularidades, se fazia necessário uma transição para democracia, que por sua vez deveria estar sempre controlada para evitar “excessos” de liberdade democrática para o povo. Assim começavam a surgir , já na década de 1980, os primeiros presidentes eleitos pelo voto direto na região. Quase todos alinhados com o ideário capitalista e responsáveis por reintorduzir nos países da região a democracia segura. Com estes presidentes, e com essa “nova democracia”, estavam os meios de comunicação e a imprensa, alardeando a democracia e a “liberdade”. Não havia mais espaço para golpes de estado com generais e armas de guerra. A democracia e civilidade não mais permitiriam violências explícitas. Por baixo das panos a violência continuava a mesma, assim como o assalto a democracia. Reintroduzida a “festa da democracia”, o voto livre e direto , o período de transição terminou e chegou a “salvação ideológica” também conhecida como neoliberalismo. Ao lado desse pensamento, que hoje sabemos que é delirante, estava a imprensa da região , apoiando todos aqueles que defendiam um modelo onde o povo ficava a margem de qualquer desenvovimento. Uma intensa propaganda foi colocada em prática no início e durante a década dos anos de 1990. ficando as esquerdas da região com pouco espaço e voz. Era o Consenso de Washington, um acordo de submissão ao regime neoliberal. Ou, a democracia segura, sem riscos, para os poucos de sempre. Passados os anos da década de 1990, o neoliberalismo, que já fazia muita água, começou a afundar na região, com países quebrados , aumento da miséria , pobreza e desemprego galopante. Para desespero daqueles que criaram a estratégia de conter a democracia, incluindo aí a imprensa, surgiam os primeros governos de esquerda, já no final da década de 1990, mais precisamente com Hugo Chavez na Venezuela. A reação foi imediata. Como nos velhos tempos, de dias gloriosas como escreveu Roberto Marinho, uma tentativa de golpe ao estilo anos 60 aconteceu na Venezuela. A novidade foi a ampla e escancarada participação da imprensa daquele país,e também do continente, para consolidar o golpe que, felizmente para a verdadeira democracia, fracassou. A partir da década de 2000, a maioria dos países da região passou a ser governada por governos de esquerda, o que desagradou a imprensa sulamericana, pois a “democracia ideal” estava saindo do controle. Sem generais e armas de fogo, novos atores entrariam em cena para uma nova modalidade de golpe de estado. Com as urnas falando para esquerda, os generais no quartel, surgem, , na década de 2000 e 2010, a imprensa e o judiciário, como poderes de validação dos novos velhos golpes. Atentos ao perigoso movimento em curso na região, os governos verdadeiramente democráticos identificaram o problema e constataram que a legislação sobre os meios de comunicação nos países da região era uma das mais atrasadas do mundo democrático e favorecia a concentração de pequenos grupos que controlovam a informação na maioria dos países. Esse controle, vem tentando derrubar , ou inviabilizar os governos de esquerda na região. Democraticamente os governos vem aprovando novas leis para os meios de comunicação, em que a pluralidade, a diversidade de visões sejam preservados e garantidas, para aqueles verdadeiramente democráticos. Esse é o motivo da gritaria de Clarín, Globo e outros , escondidos em uma SIP, na tentativa de preservar , e ainda conter, qualquer avanço civilizatório e democrático na região. Assim entendo, que a regulamentação dos meios de comunicação, aqui no Brasil é uma questão de tempo, pouco tempo, pois é um caminho sem volta, o caminho da democracia que ainda estamos restaurando desde as violências cometidas na década de 1960. Em paralelo, algo, de urgente, deve ser feito para civilizar o Judiciário.

Responder

    maria olimpia

    05 de novembro de 2012 às 19h19

    Ricardo Oliveira,
    Muito boa a sua análise!
    Mas, na Argentina, o povo saiu âs ruas contra a mídia, em especial, contra o Clarin, seguido pelo Congresso e pelo Judiciário! Com o Congresso e, principalmente, com o Judiciário que temos, só resta ao povo sair âs ruas e GRITAR contra essa imprensa golpista que temos, “ameaçar” no bom sentido nossos congressistas e esperar que o judiciário retome seu rumo!

LEANDRO

05 de novembro de 2012 às 13h05

Acho que a cristina não vai ter muito apoio dos argentinos….

“”Pela primeira vez, a imagem negativa da presidente é maior que a positiva e o mesmo ocorre em relação à imagem do governo. Entre os assuntos que preocupam os argentinos estão a inflação, a insegurança publica e a corrupção”, disse à BBC Brasil a analista Mariel Fornoni, do instituto Management & Fit.” 4 de outubro, 2012 – 13:22 (Brasília) 16:22 GMT

Responder

Vinicius Garcia

05 de novembro de 2012 às 12h30

Natural que o poder econômico busque manter esse setor tão estratégico para os seus intentos, quem pode garantir o poder estabelecido com voz divergente? Não há um equilíbrio aonde o din-din dita as regras.

Responder

    Bento Monteiro

    05 de novembro de 2012 às 16h33

    “A Argentina tem uma lei avançada. É um modelo para todo o continente e para outras regiões do mundo”, afirmou Frank La Rue, relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Liberdade de Opinião e de Expressão”

    Bento Monteiro

    05 de novembro de 2012 às 16h36

    Desculpe, destinatário incorreto.

Zezinho

05 de novembro de 2012 às 12h25

Interessante, vcs pregam o fim daquilo que vcs mesmos defendem.

Acusam o PiG do monopólio da informação em favor das elites, e pregam o monopólio da informação em favor dos “progressistas”.

Responder

    Bento Monteiro

    05 de novembro de 2012 às 16h35

    Reenviando ao destinatário correto – “A Argentina tem uma lei avançada. É um modelo para todo o continente e para outras regiões do mundo”, afirmou Frank La Rue, relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Liberdade de Opinião e de Expressão”

    simas

    06 de novembro de 2012 às 02h08

    … risos Zezinho: sempre de sacanagem, neh? Adorei a piada. Conta outra.

RicardãoCarioca

05 de novembro de 2012 às 12h23

Dilma, de nada adianta controle remoto se a informação for escondida em todos os canais! Controle remoto de nada adianta frente a carterização da notícia!

Pode até ser que a sua posição vacilante seja pelo fato de o PMDB ser subordinado aos marinhos, tendo no vice-presidente do país um garoto de recados. Na hora H, esse partido poderia dar para trás e não votar a Ley de Medios.

Até pode ser também o fato de muitos senadores e deputados federais terem concessões de rádio e TV. Claro que usam familiares, testas de ferro e até laranjas para isso. Mas, no fim das contas, esses políticos são quem mandam nas suas emissoras.

O que não dá para entender é o ‘bundamolismo’ do presidente do PT, de ir pedir permissão aos marinhos e tentar fazer com eles uma Ley de Medios a quatro mãos…

Por isso que eu acho que essa Ley de Medios não vai sair. Se sair, não será eficiente. Se for eficiente, teremos impeachment.

Responder

ZePovinho

05 de novembro de 2012 às 12h06

Veja que coisa estranha,mizifio Azenha.O cara que fraudava votos na urna eletrônica,para Bush,ameaçou entregar o esquema e morreu(logo depois) em um acidente aéreo:

http://www.voltairenet.org/article170392.html

Implicado en la manipulación de votos en los EEUU
Misteriosa muerte de Mike Connell, ladrón de elecciones y secuaz de Karl Rove
por Brad Friedman, Larisa Alexandrovna, Mark Crispin Miller, Muriel Kane

Mike Connell, principal consejero en informática de George W. Bush y experto en trucos y manipulaciones mediante la utilización de computadoras había sido el cerebro del fraude durante las elecciones presidenciales en los EEUU por haber manipulado los votos de los electores. Convocado ante la justicia su avión se estrella misteriosamente. Por otro lado, la extrema vulnerabilidad al fraude sistemático de los sistemas electorales electrónicos en EEUU es un problema que nunca ha sido resuelto o siquiera examinado seriamente por ningún organismo oficial del gobierno en Washington.

A fraude eleitoral vai correr solta nessas eleições de 2012 nos EUA:

Why Was Uncertified ‘Experimental’ Software Installed on ES&S Tabulation Systems in 39 OH Counties Just Days Before Presidential Election?
By Brad Friedman on 11/5/2012 5:35am PT

Last week, Bob Fitrakis and Gerry Bello at FreePress.org reported an important story concerning what they described as “uncertified ‘experimental’ software patches” being installed at the last minute on electronic vote tabulation systems in 39 Ohio counties………….http://www.bradblog.com/?p=9698

This is just shameful. Embarrassing for the entire nation. Again. How FL Governor Rick Scott and Ken Detzner, both Republicans, sleep at night I cannot imagine. That, even after both of their Republican predecessors, Governors Charlie Crist and Jeb Bush had the decency to extend early voting hours when lines began snaking around the block in previous years (and we’ve never had much good to say about Jeb Bush’s administration of elections!)…………http://www.bradblog.com/?p=9697

Republican Arrested After Allegedly Attempting to Vote Twice in Nevada
A rare case of actual voter fraud, though another one which would not have been deterred by GOP polling place Photo ID restrictions…
By Brad Friedman on 11/3/2012 2:46pm PT ……..http://www.bradblog.com/?p=9689

Responder

Rodrigo Leme

05 de novembro de 2012 às 11h09

Imagina o naipe do concurso pra definir quem ganha as concessões desses canais “comunitários”…imagino que depois desse processo, a oposição não será mais problema na Argentina. Não à toa querem importar o modelo para cá.

Responder

    Bento Monteiro

    05 de novembro de 2012 às 16h39

    Ola TROLL!
    Você não gosta de concurso, prefere indicação do seu patrão, a rede globo.

    Nelson

    05 de novembro de 2012 às 21h58

    Muito boa tua resposta, Monteiro. Na mosca.

    Rodrigo Leme

    06 de novembro de 2012 às 06h13

    Sim, a resposta “você trabalha para a Globo/Veja/PSDB/DEM/Folha/Escoteiros Mirins” é sempre muito boa, de uma inteligencia invejável. Eu nao sei de onde sai tanta perspicácia.

Mardones Ferreira

05 de novembro de 2012 às 10h31

Dilma já optou pelo controle remoto. E Rui Falcão já certou tudo com os executivos da Globo.

Querem que desenhe?

Responder

doutor natas

05 de novembro de 2012 às 10h13

manas e manos,
no brasil esta batalha da resolucao do marco regulatorio das comunicacoes comeca com a demissao do ministro das comunicacoes, o sr paulo bernardo da silva; o qual, desde janeiro de 2013, nada fez a respeito do assunto. este inepto senhor de ha muito comprovou nao ter qualquer condicao para ocupar esta importante cadeira. como hitler, o pig nao sabe travar guerras em dois frontes.

Responder

    Vlad

    05 de novembro de 2012 às 11h53

    Não se preocupe.
    O Kassab está cotado para assumir no lugar do Paulo Bernardo.
    O PT precisa do PSD para substituir o apoio do PSB.

    Não…não é piada, infelizemnte.

Sagarana

05 de novembro de 2012 às 10h03

Na liberdade de expressão ninguém toca, aqui no Brasil NÃO!!!

Responder

Roberto Locatelli

05 de novembro de 2012 às 09h33

Reconhecemos os avanços obtidos nos governos Lula e Dilma.

Dito isto, é preciso reconhecer que são governos centristas. Uma das maiores falhas foi não enfrentar o PIG.

Como disse o presidente do Equador Rafael Correa, a principal batalha do século 21, para aqueles que querem uma sociedade mais igualitária, é a batalha contra o PÍG, o Partido da Imprensa Golpista.

Responder

    Fabio Passos

    05 de novembro de 2012 às 15h18

    Falou e disse!

    Derrubar o monopólio da informação que está nas mãos da minoria rica é fundamental.

    simas

    06 de novembro de 2012 às 03h09

    … equivale a tentar derrubar a elite, dominante, parceira, de primeira linha, da outra elite, q tem nas mãos o poder, imperial.
    Vc quer o q? O melhor, diria… ser castrado.
    ( Eu perguntei ao Urologista, como poderia me livrar do problema da próstata. Ele respondeu; Castrando. Então, respondi, de imediato: Deixa ficar!… risos Verdade!… )
    Voltando ao assunto, falando sério e como ninguém gostaria de ser castrado, nem fazer ligadura… ( Eu não sou machão… ), a faina tem de ser, digamos, na diplomacia. Isso.
    Explico: Nas situações complicadas, a diplomacia é de quase q imperdível, utilidade. Então, na Venezuela, o Governo se viu em uma situação de renovação de concessão, cfe a lei. Foi o momento. O Chaves, simplesmente, não renovou a concessão; se livrando do “bagulho”.
    Lá, Fábio, Gente… todos espernearam. A tal da SIP disse q o Papa iria tomar severas providências, contra. Mas, o tempo passou e a tempestade amainou.
    Aqui, como o osso é duro, de fato, o Governo tem evitado irritar a mídia, mafiosa. Isso, pra uns seria imoral; pra outros, fraqueza. Eu acho prudência; q não é demais, convenhamos.
    Acontece q estamos passando por um excelente momento. Falo sobre a propaganda em favor da oposição, antes da eleição, no jornal nacional da “grobu”. A Presidência poderia mto bem, emitir uma MP cortando a concessão da mídia e, junto, fechando a emissora de TV, lacrando seus transmissores, até decisão do Legislativo, aprovando ou não. Seria, assim, um primeiro passo, de uma luta no Legislativo.
    Vamos q o Gov Federal leve a melhor e a mídia, mafiosa, recorra à justiça, fajuta… Mas, já se teria marcado presença, para o Congresso legislar, como de sua obrigação, elaborando as Leis Complementares exigidas pela Constituição.
    Imagino, essa disposição, como viável. Entre o princípio do ato da Presidência, e o final da elaboração/aprovação das Leis Complementares, mtas águas rolariam… A mídia, maldita, estaria super ocupada; o povo, estaria livre, por um bom tempo, da embriaguez da “grobu”; e, quem sabe, nós, definitivamente…
    Esse é o caminho. A operação vai ser dolorosa; mas, ninguém vai morrer… Nem os “filhos”; pq, esses, ficaram com o resto, q não causa lá mtos danos…
    Abraço, fraterno (desculpe possíveis erros de concordância, tdo mais… )

José Ricardo Romero

05 de novembro de 2012 às 09h26

Enquanto isso o presidente do PT, o Rui Falcão, anunciou que é prioridade do partido para 2013 a lei que regula a imprensa e saiu correndo para marcar uma audiência com altos dirigentes da Globo para combinar com eles como isso será feito. Após o encontro deu a notícia que a Globo “aceitou” que não haverá mais concessões de radio e tv para políticos… Agora a coisa vai! Com isso, esse energúmeno desqualificou a sí mesmo e ao seu partido para a reforma da mídia. Ele é assim, ó, com o bernardossauro.

Responder

Willian

05 de novembro de 2012 às 08h40

Vai fundo, Cristina, vai fundo.

Responder

Mailson

05 de novembro de 2012 às 08h36

A nova tática da Folha com relação à violência em São Paulo: não noticiar o número total de vítimas, mas fazer uma reportagem extensa com relação ao assassinato mais chocante.

Vejam a última manchete da Folha online e entendam o que eu quero dizer: “Balas perdidas deixam uma criança morta e um segurança ferido em SP”. Isto teria acontecido por volta das 21 horas do domingo.

Diante desta manchete, é de se perguntar: e as balas endereçadas, não mataram ninguém? E qual o número total de vítimas no domingo?

Responder

Francisco

05 de novembro de 2012 às 05h38

Provas de crimes, provas de farsas, provas de golpes, provas de conspirações, provas de roubos do patrimônio público, leio aqui tantas provas, todas irrefutáveis.

Delirante, o nosso sistema judiciário resolveu que provas matériais não são relevantes na justiça brasileira, nem para inocentar e nem para condenar.

Hoje, o inimigo público número um da democracia e do povo brasileiro é o Supremo Tribunal Federal. Sem resolver esse nó, todas essas provas, legitimas, graves e urgentes, serão bits esquecidos na net.

Quem pode mais? Eles ou o povo? Essa é a única questão importante.

Responder

Mailson

05 de novembro de 2012 às 01h35

NO BRASIL, ELES ESTÃO FICANDO COMPLETAMENTE LOUCOS E EU ESTOU ATERRORIZADO COM ISTO

A Band-News resolveu boicotar qualquer notícia sobre a violência que se espalha como rastro de pólvora por São Paulo. Mas eu soube na internet que uma policial foi morta no sábado à noite diante do filho (a) e que outras 10 pessoas também foram assassinadas no mesmo período.

A Band-News Também boicotou a notícia de que uma estudante que estava fazendo a prova do ENEM deu a luz a uma criança num banheiro. Eu soube disso quando o ministro Mercadante estava fazendo um balanço a respeito do exame em todo o Brasil. Ele disse, visivelmente emocionado, que havia telefonado para a estudante, de apenas 17 anos, e que tinha lhe dito que ela poderia fazer a prova em outra data.
CARACAS!!! A ocorrência de um fato desta natureza seria notícia em qualquer lugar do mundo. Se ocorresse nos Estados Unidos então, seria uma verdadeira bomba. Mas como foi durante a realização do Enem…

Depois eu vi um gaito justificando a atitude do Alckmin em rejeitar a ajuda do governo federal para combater a violência em São Paulo. Segundo ele, a atitude era justificada pelo boato de que o Hadad vai abandonar a prefeitura na metade do mandato para se candidatar ao governo do Estado em 2014 (???).

Minha gente, não é mais a Regina Duarte que está sentindo medo, quem está sentindo medo desses caras que se dizem jornalistas e de seus patrões, sou eu. Eles, estão completamento loucos e eu estou completamente aterrorizado com isto.

Responder

    Bonifa

    05 de novembro de 2012 às 20h08

    No caso, é puro medo do Mercadante. Uma mídia partidária é uma escola que não ensina matemática, porque matemática pode favorecer o partido adversário. Imagine como a Ana Maria Braga não desejaria entrevistar esta estudante, e também o ministro Mercadante. Mas aí, na cabeça de seus dirigentes, a Globo estaria enchendo a bola do ministro para uma possível candidatura ao governo de São Paulo. Um país escravizado por este tipo de mídia é um país mentalmente mutilado.

ZePovinho

05 de novembro de 2012 às 01h20

http://www.fazendomedia.com/globo40/romero7.htm

O ESCÂNDALO DA TV GLOBO SÃO PAULO
por Roméro da Costa Machado, escritor.

Conforme prova gravada, Roberto Marinho, através de seus advogados, ofereceu 80 milhões, aos representantes dos espólios de Manoel Vicente da Costa e Hernani Junqueira Ortiz Monteiro para desistirem e abafar a ação contra os dirigentes da Globo pelas fraudes na compra da Rádio TV Paulista S/A, hoje TV Globo São Paulo Ltda.

O processo, Ação Declaratória de Inexistência de Ato Jurídico, está na 41ª Vara Cível do Rio, e tem como réus, além de Roberto Marinho, seus filhos Roberto Irineu, João Roberto e José Roberto. E para as pessoas lesadas provarem e constatarem as falsidades e falsificações documentais na compra da TV Globo São Paulo, foi contratado o Instituto Del Picchia. Que fazendo exame pericial constatou diversas fraudes e falsificações (principalmente durante a ditadura militar, quando a Globo tudo podia), dentre as quais:

A) Uso de CPF nos documentos de transação da venda do controle acionário (procurações e substabelecimentos), entre 1953 e 1964, quando o CPF não existia e só passou a existir a partir de 1970.

B) Cerca de 650 acionistas “mortos” ou não localizados transferiram (depois de mortos) ações para Roberto Marinho pela assembléia de 30 de junho de 1976. Entre os “mortos” ou desaparecidos estão pessoas conhecidíssimas (vivas) como: Oscar Americano, José Ermírio de Morais, Antônio Sílvio Cunha Bueno, Bento do Amaral Gurgel, Vicente Amato Sobrinho, Romeu Trussardi, Sylvio Bueno Vidigal.

C) Recibo de 05 de dezembro de 1964 foi adulterado para 23 de julho de 1975.

D) Em 23/07/75, o recibo em nome da Rádio Televisão Paulista S/A é falso, pois em 75 esta empresa já não mais existia, pois tinha sido substituída em 1973 pela TV Globo de São Paulo S/A.

E) O valor nominal de cada ação deveria ser de Cr$1,00 (hum cruzeiro) e não Cr$1.000,00 (hum mil cruzeiros), pois em 1967 a moeda era cruzeiro novo e não tinha os três zeros.

F) Manoel Vicente da Costa, falecido em 15 de dezembro de 1964 não poderia deixar uma procuração com data futura, posterior à sua morte, para negociar suas ações.

G) Idem Hernani Ortiz Monteiro, morto em junho de 1962.

H) Manoel Bento da Costa, que aparece como titular de duas mil ações, jamais existiu.

I) Os documentos datados de 1953 a 1964 foram datilografados na mesma máquina, Olivetti, que só passou a existir na década seguinte, de 70. (que aliás, em todos os documentos adulterados batia a letra “a” de forma irregular)

J) A procuração falsa de Luiz Eduardo Borgerth é tão falsa, tão falsa, que é datada de uma época em que ele (Borgerth) ainda era menor de idade.

Para inviabilizar o processo com todas essas falsidades e falsificações, que tem como valor de causa 20 mil reais, os advogados de Roberto Marinho pediram para aumentar o valor da causa de 20 mil para 80 milhões, de modo a que as pessoas que movem o processo não pudessem pagar as custas judiciais, (proporcionais ao valor da causa) inviabilizando, assim, o processo e as denúncias das fraudes.

Mas nada foi mais espantoso do que o juiz Leandro Ribeiro da Silva resolver abandonar a condução do processo. Pois, o juiz não somente declarou-se suspeito, por se dizer amigo de um dos advogados, como também espantosamente revogou a decisão anterior, cujo cumprimento inevitavelmente incriminaria Roberto Marinho, já que o despacho anterior determinava que o empresário anexasse ao processo os documentos originais, cujas cópias já tinham sido consideradas falsas em exame pericial do Instituto Del Picchia. Ou seja, se Roberto Marinho anexasse os originais falsificados ao processo estaria automaticamente incurso nos crimes de falsificação documental, estelionato e formação de quadrilha.

Assim como em casos anteriores já relatados aqui, em que Roberto Marinho mandou dar sumiço em documentos em cartório (folhas 42 e seguintes do livro 1478 do II Cartório de Ofício de Notas), está desaparecido dos arquivos oficiais do governo federal o processo administrativo 10.810/65, do Conselho de Telecomunicações (Contel), através do qual se configurou a transferência do controle da TV Paulista para o empresário Roberto Marinho. Comunicações oficiais confirmam que não existem vestígios do processo nos arquivos do Ministério das Comunicações em Brasília, em São Paulo ou no Rio de Janeiro.

O abandono da causa pelo juiz e o desaparecimento do processo são a marca registrada do gangsterismo que sempre norteou a vida de Roberto Marinho, e deixam bem claro que qualquer cidadão, por muito menos do que isso já estaria na cadeia, mas para garantir a liberdade de Roberto Marinho, tudo é possível.

http://www.conversaafiada.com.br/politica/2012/08/21/celso-de-mello-julgara-a-globo/

Publicado em 21/08/2012
Celso de Mello
julgará a Globo ?

A Globo é dona da TV Globo são Paulo ?

A Globo conseguiu fazer com que o Supremo trabalhasse exclusivamente para condenar o Dirceu.

Com a nobre exceção do Taradão, que obteve notável HC de Marco Aurélio (Collor de) Mello.

No entanto, sobre a mesa do Ministro Decano Celso de Mello repousa questão central: a Globo é dona da TV Globo são Paulo ?

Família Ortiz pede urgência no julgamento do recurso que move contra a família Marinho no Supremo

A família Ortiz que, desde 2001, disputa na justiça o controle da TV Globo São Paulo com a família Marinho, pediu semana passada preferência no julgamento do recurso que tramita no STF.

O recurso foi distribuído para 2ª Turma do Supremo. O relator é o ministro Celso de Mello.

A ação,trata da transferência do controle da Rádio e Televisão Paulista S/A, então controlada pela família Ortiz, à família Marinho.

A transação deu origem à TV Globo de São Paulo.

Os Marinho são acusados de se apropriar de forma indébita do controle da companhia, se fazendo valer de documentos falsificados e fraudes.

Os Ortiz perderam a ação no Tribunal de Justiça do Rio.

Em 2008, o Superior Tribunal de Justiça negou recurso.

E concordou com o Tribunal do Rio, que acolheu o argumento da Globo: a compra foi legal.

O recurso ao STF contesta a competência do Tribunal de Justiça do Rio para julgar a ação.

A tese do advogado Luiz Nogueira, defensor da família Ortiz, uma vez que foi reconhecida a venda, tanto pelo Tribunal de Justiça do Rio como pelo STJ, a União passa a fazer parte da ação.

Porque a transferência do controle da companhia implicaria na transferência da concessão pública de radiodifusão. “Reconhecer o negócio como sendo legal, é reconhecer que a empresa foi vendida por 35 dólares, e reconhecer também que a União tem de se pronunciar sobre a venda”, diz o doutor Nogueira.

Caso o STF reconheça o apelo da família Ortiz, o processo deve voltar para primeira instância.

Porém, irá para a Justiça Federal, e de São Paulo.

E, não, para o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, onde foi julgado inicialmente.

O doutor Nogueira decidiu fazer o pedido de preferência por causa de notas publicadas pela imprensa com a informação de que o ministro Celso de Mello, relator, poderia antecipar a aposentadoria.

Celso de Mello é o ministro mais antigo do tribunal, foi indicado pelo presidente Sarney. Aos 67 anos, ainda está a três anos da aposentadoria compulsória.

A seguir, o texto do recurso da família Ortiz :

LUIZ NOGUEIRA Advogados Associados

EXMO. SR. MINISTRO CELSO DE MELLO, DD. RELATOR DO ARE 665065, NA 2ª. TURMA DO STF

ARE 665065

ESPÓLIO DE MANOEL VICENTE DA COSTA E OUTROS, qualificados nos autos do presente Agravo Regimental, pedem vênia para externar preocupação com notícia publicada pela “Folha de S. Paulo”, de 16 de agosto de 2012, informando a prematura e lamentável aposentadoria do ilustre Ministro Celso de Mello, cuja falta será muito sentida no Excelso Pretório considerando o equilíbrio e profundidade de seus votos moderadores e até condutores, razão por que reitera-se apelo para que, oportunamente, seja apreciado pedido de preferência para inclusão em pauta da 2ª. Turma do STF do ARE 665065 do interesse dos requerentes e, por decorrência, de cerca de 700 outras famílias de ex-acionistas da então Rádio Televisão Paulista S/A, depois TV Globo de São Paulo S/A e hoje Globo Comunicação e Participações S/A.

A matéria a ser resolvida é constitucional (artigo 109, I, da CF). A Justiça estadual é competente para julgar processo em que o interesse da União é patente, como restou decidido no REsp 1046497-RJ, já que deu como existente, por meio de documentos anacrônicos, senão falsos, a transferência da outorga de concessão da Rádio Televisão Paulista S/A dos espólios requerentes para o jornalista Roberto Marinho, entre 1964 e 1977, inclusive, sem a prévia e indispensável aprovação da Administração Federal, que não foi chamada ao feito, visto, originariamente, tratar-se de Ação Declaratória de Inexistência de Ato Jurídico?

Salvo melhor entendimento, se o negócio inexistiu, como dito na inicial, não haveria por que chamar-se a União a integrar o feito como terceira interessada. Porém, se a transferência da outorga da concessão para a exploração de serviço público federal de som e imagem ocorreu, como resolvido pelo Poder Judiciário, em todas as suas instâncias, não obstante a discordância dos próprios recorridos vitoriosos, o Espólio de Roberto Marinho e Globo Comunicação e Participações S/A, que assim teriam assumido o controle da emissora, conforme recibo juntado, por míseros Cr$60.396,00 (sessenta mil, trezentos e noventa e seis cruzeiros), ou melhor, US$35,00 (trinta e cinco dólares à época), já que Victor Costa Junior não foi reconhecido como acionista da empresa, indescartável, assim, a incompetência absoluta da Justiça Estadual para julgar a causa, inexistindo por isso mesmo preclusão no caso vertente para se decretar, a qualquer tempo, a nulidade do julgado.

Se o negócio se consumou à revelia da União Federal, apesar de a matéria ser de seu especial interesse, de se reconhecer, nesse passo, a competência absoluta da Justiça Federal para decidir sobre a matéria e o que deveria ser abrigado pelo acórdão do STJ, no REsp 1046497-RJ, da relatoria do Sr. Ministro João Otávio de Noronha, independentemente de provocação, omissão essa justificadora do recurso extraordinário interposto e para cujo julgamento pede-se preferência.
Termos em que pedem deferimento.
São Paulo, 16 de agosto de 2012

Responder

Fabio Passos

04 de novembro de 2012 às 23h15

O PiG é o problema n1 de toda América latina.

É a máquina de propaganda que, através do monopólio da informação, perpetua o atraso, o subdesenvolvimento e as injustiças sociais.

Derrubar o monopólio da informação mantido por estas oligarquias decrépitas será o começo do fim de nosso atraso histórico.

Toda solidariedade e apoio a Presidenta Cristina Kirchner.
Que seu exemplo de luta seja seguido em todo o continente.

Responder

ccbregamim

04 de novembro de 2012 às 22h27

o miro que me desculpe
mas acho uma redução
espécie de cegueira política
tratar do tema como falta de coragem.

em vez disso
temos é que ter prontidão
para o momento da ação
que virá.

Responder

    Valmont

    05 de novembro de 2012 às 14h33

    Concordo. Não se pode ignorar que o PT não detém poder absoluto neste governo. Pelo contrário, nos momentos decisivos, percebe-se claramente a posição dominante do PMDB ao lado do PIG. Lembremo-nos do “veto” imperial imposto por Michel Temer à convocação do editor da Revista Veja para depor na CPMI do Cachoeira. Alguém tem dúvida de que os caciques do PMDB ficarão ao lado da família marinho, na defesa dos seus próprios feudos midiáticos? Quantos parlamentares da “base aliada” são vassalos dessa família? O quadro é muito complicado. Não se pode reduzi-lo a simples “falta de coragem” do PT ou da Presidente.

    maria olimpia

    05 de novembro de 2012 às 19h30

    Parece que tem muita gente que DESCONHECE isso, infelizmente! Não sei se por desconhecimento -de fato- ou oportunismo! Cansei de postar o mesmo!

Araújo

04 de novembro de 2012 às 22h04

Se depender de Dilma esta guerra o PIG já levou. Impensável, verba do governo alimentando o PIG para derrubar Lula.
Logo, logo, estaremos dizendo: Dilma é o quinca Barbosa que Lula indicou.

Responder

Deixe uma resposta para Ricardo Oliveira

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding