VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Pinheirinho: Alckmin só se “preocupou” com o social após despejo de moradores


06/02/2012 - 12h05

por Conceição Lemes

Na última quarta-feira, a Folha de S. Paulo publicou na página 3 o artigo “As mentiras do PT sobre o Pinheirinho”.

Entre outras coisas, o senador do PSDB de São Paulo afirma que é mentira que “não houve estrutura para abrigar as abrigar as família” e que “nada foi feito em São Paulo para dar moradia aos desabrigados”.

A verdade, segundo Aloysio:

A operação foi planejada por mais de quatro meses, a pedido da juíza. Participaram PM, membros do Conselho Tutelar, do Ministério Público, da OAB e dos bombeiros. O objetivo era garantir a integridade das pessoas e minimizar os danos. A prefeitura mobilizou mais de 600 servidores e montou oito abrigos. Os abrigos foram diariamente sabotados pelos autodenominados líderes dos sem-teto, que cortavam a água e depredavam os banheiros.

A operação de repressão pode ter sido mesmo, zelozamente, planejada há quatro meses. O forte e pesado aparato policial que atuou na desocupação do Pinheirinho, na madrugada de 22 de janeiro, não se organiza de uma hora para a outra.

Em compensação, escancarou o descaso do governo Geraldo Alckmin com o lado social. A operação para cuidar da moradia das 8 mil pessoas que lá moravam só começou a ser implementada depois de elas já tirem sido jogadas literalmente na rua.

Apenas no dia 26 de janeiro, portanto, quatro dias depois a violenta desocupação do Pinheirinho é que foi firmado convênio entre o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito de São José dos Campos, Eduardo Cury (PSDB) para a transferência de recursos para a concessão do chamado aluguel social até 500 reais para os ex-moradores.

Curiosamente, o anúncio do auxílio aluguel ocorreu no mesmo em que o governo federal disse estar estudando a expansão do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida aos moradores que viviam no terreno de Pinheirinho. A proposta foi levada no dia 24 de janeiro ao Advogado-Geral da União, Luiz Inácio Adams, pelo senador Eduardo Suplicy (PT-SP).

O convênio entre a o governo do Estado e a Prefeitura de São José dos Campos foi publicado na página 3 do Diário Oficial do Estado de 1º de fevereiro de 2012. Abaixo o resumo do extrato do convênio.

A propósito 1: em que dados o governo paulista se baseou para estipular em até R$ 500 o aluguel social? Na periferia de São José dos Campos, o aluguel de um imóvel está em torno de R$ 700. Onde os ex-moradores vão conseguir mais R$ 200 para pagar o aluguel, se perderam tudo? Aliás, como muitos vão alugar algum imóvel se até documentos perderam? Por que o governador e do prefeito ainda não fizeram um aditivo ao termo de  convênio aumentando o valor do benefício, já que o valor inicial foi subestimado?

A propósito 2: o senador Aloysio Nunes Ferreira disse que a operação para desocupação do Pinheiro começou a ser preparada há quatro meses. Ou seja, desde outubro.

Curiosamente, nesses últimos meses temos assistido no Estado de São Paulo uma escalada autoritária no Estado de São Paulo. Operações realizadas com truculência e poder total da Policia Militar.

Em 8 de novembro, houve a desocupação do prédio da reitoria da USP; 72 estudantes foram presos.  Em 3 de janeiro, foi a vez da chamada Cracolândia, na região central da capital paulista. Em 22 de janeiro, a reintegração de posse do Pinheirinho.

Aparentemente, tudo bem orquestrado, para criminalizar os movimentos sociais e legitimar o uso crescente da força policial no Estado.

A propósito 3: Considerando que muitos ex-moradores do Pinheirinho vão ficar na rua, sem ter onde morar, qual o operação que o governo Alckmin vai tirar da cartola para resolver o problema social que ele próprio ajudou a criar?

Leia também:

Suplicy: Ex-moradores do Pinheirinho denunciam violência sexual praticada por PMs

Defensoria Pública de São Paulo desmonta toda a história oficial sobre o Pinheirinho

23 ex-moradores do Pinheirinho farão exame de corpo de delito; há mais feridos

“Parecendo um porco para abater amanhã”





30 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

H. Back™

09 de fevereiro de 2012 às 18h35

Caramba! Quanta surpresa maldosa pode sair dessa Caixa de Pandora que é a política. Pensei que os anos 20 e 30 com suas guerras e seus ditadores fossem o “supra-sumo” da maldade humana. Pelo jeito vem coisa bem pior por aí. Onde estão os deuses do Olimpo que nada fazem? Será que desistiram da humanidade?

Responder

alex

08 de fevereiro de 2012 às 00h22

DEPUTADOS SERVEM PARA QUE?

Base de Alckmin é pressionada para não assinar CPI do Pinheirinho, diz deputado

Por: Raoni Scandiuzzi, Rede Brasil Atual – 07.02.2012 às 19h12

São Paulo – O governo do estado de São Paulo tem pressionado os parlamentares que compõem a base governista na Assembleia Legislativa a não colaborarem com as investigações do chamado "massacre do Pinheirinho", em São José dos Campos, a 97 quilômetros da capital paulista.

A informação é do deputado Marco Aurélio (PT), autor do pedido de instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os abusos ocorridos na reintegração de posse do dia 22 de janeiro.

"Nós temos informação de que, assim que o recesso terminou na última semana, o governo do estado, investiu forte sobre os deputados de sua base para não assinarem a CPI. Alguns já falaram para mim que só de pensarem em assinar, já receberam recados pesados do governo", contou Marco Aurélio. Até agora, o requerimento já possui 27 assinaturas garantidas. São necessárias 32 para a instalação.

De acordo com deputado, a CPI poderia convocar as pessoas do governo e do comando da polícia para questionar a razão de alguns abusos inexplicáveis. “Qual o motivo para se destruir as casas com tanta pressa e com todos os pertences pessoais dos moradores dentro. Não estava na ordem de despejo essa punição para as pessoas", explicou.

Enquanto a oposição não consegue as assinaturas necessárias para a instalação da CPI, o parlamentar afirmou que o tema será amplamente debatido na Comissão de Direitos Humanos da Alesp. A primeira reunião está agendada para esta quarta-feira (8).
http://www.redebrasilatual.com.br/temas/politica/

Responder

tiago

07 de fevereiro de 2012 às 10h10

Eu fico intrigado, pois enquanto isso, a cada mês uma favela arde em chamas na cidade de são paulo!!!

Responder

Dilma rasga o discurso de campanha | ParanáBlogs

07 de fevereiro de 2012 às 09h50

[…] Pinheirinho: Alckmin só se “preocupou” com o social após despejo de moradores […]

Responder

Operante Livre

07 de fevereiro de 2012 às 00h12

As religiões de massa crescem proporcionalmente ao desencanto com a política, com a possibilidade de se criar, ainda que devagar, uma realidade menos aprisionada, mais justa para com a maioria.

Responder

    FrancoAtirador

    07 de fevereiro de 2012 às 14h09

    .
    .
    Já foi ultrapassado o estágio a que se referia Rui Barbosa:

    "De tanto ver triunfar as injustiças" e diante da omissão dos governantes,

    só restou à maioria a esperança de uma vida digna depois da morte.
    .
    .

souza

06 de fevereiro de 2012 às 23h19

o plano era uma limpezinha debaixo das pontes e dos viadutos e pronto.
não deu certo.
o picole de chuchu não contava com a força do quinto poder, os blogueiros.

Responder

Paulo

06 de fevereiro de 2012 às 22h55

Ouçam este áudio e notem como o prefeito de SJC trata seus eleitores de baixa renda, ai já da para entender o por que ele foi tão omisso, traduzindo.. ele NÃO QUER POBRE AQUI.
http://www.youtube.com/watch?v=1IV1dKR2_IE

Responder

Paulo

06 de fevereiro de 2012 às 21h02

Pessoal, o nosso glorioso governador de SP, (ironia) ele tinha prometido casas aqui em SJC desde 2005 e até hoje não saiu do papel, depois da desumanidade desse camarada, ele prometeu construir casas Só que 60% da área escolhida é RESERVA AMBIENTAL.. trocando em muidos, ele não o fará. Esse mesmo governador que eu citei acima, ele apos toda a trapalhada que ele ARMOU junto ao prefeito de SJC e com a Injustiça paulista, prometeram aluguel social até as casas serem construidas e entregues.. depois quando os moradores começaram a receber o dinheiro, ele falou é só por 6 meses viu.. ahh as casas sei lá quando ficarão prontas..

Responder

kblo

06 de fevereiro de 2012 às 20h40

os alckmistas estão chegando…
http://www.youtube.com/watch?v=muRmFgBslag

Responder

Antonio

06 de fevereiro de 2012 às 17h22

Esse Alckmin ou é louco ou é muito burro, como seu correligionário, o Zé Bolinha. Se ele apostou ir à extrema direita para garantir os votos do esgoto, entrou pelo cano do Rio Tietê, símbolo da jestão tucanha.

Responder

Maria

06 de fevereiro de 2012 às 16h56

Sinceramente eu não sei como a população de SP ainda aguenta o PSDB. Quando não é enchente, incêndio em favelas é violência contra população carente de Pinheirinhos e os moradores das cracolandias da vida. Pior é a cara de pau desses políticos de fichas nem sempre tão limpas querendo tapar o sol com a peneira.

Responder

monge scéptico

06 de fevereiro de 2012 às 16h43

Esse eugenista bufo, precário de firmeza moral e, seus asseclas celerados, devem ser presos
por atentado hediondo aos direitos humanos. Caso isso não seja feito o país não se meter a
questionar quem infringe as leis de direitos onde nada teria a acrescentar.
Nada fica a dever esse cretino aos genocidas da iuguslávia dividida.

Responder

Maria Fulô

06 de fevereiro de 2012 às 16h14

Alckmin, como de resto toda a cúpula tucana paulista, é um crápula a serviço da perenização da pobreza no Brasil. Sua prioridade é o cumprimento da lei; da lei que protege o patrimônio de crápulas como ele.

Responder

alex

06 de fevereiro de 2012 às 15h24

Coluna: Vanessa vê TV

Jornalismo de guerra

Folha de SP – Ilustrada – 06/02/2012

Pode não parecer, mas o Código Brasileiro de Trânsito determina que os pedestres têm preferência, já que são o elo mais fraco do sistema -em comparação a carros, motos, caminhões. A imprensa deveria seguir lógica parecida: quando há um megaespeculador de um lado e 6.000 sem-teto de outro, a prioridade de entrevista seria dos últimos, que não têm tanto poder para se fazer ouvir.

Mas não é o que está havendo na cobertura televisiva da desocupação do Pinheirinho, uma área em São José dos Campos habitada há oito anos por 1.600 famílias. O terreno pertence à massa falida do grupo Selecta, do empresário Naji Nahas. É avaliado em R$ 180 milhões e foi objeto de desavenças em diferentes esferas do Judiciário, até que, há cerca de duas semanas, a Justiça estadual decretou a reintegração de posse.

No dia 22, o "Fantástico" dedicou pouco mais de dois minutos à cobertura. Abriu a reportagem com cenas dos policiais escancarando um portão e adentrando o terreno. Voz em off: "Seis e meia da manhã, a tropa de choque invade o Pinheirinho". Deu para imaginar os policiais combinando com a equipe da Globo: um-dois- três-e-já.
A ação contou com um efetivo de 2.000 homens, dois helicópteros, 220 carros, 40 cães e cem cavalos. "A situação ficou fora de controle", explicou a locutora, e a cena era de um sujeito jogando pedra contra policiais.
"Os moradores atearam fogo em prédios públicos e em oito carros, entre eles o da TV Vanguarda, afiliada da Rede Globo." Aparece a repórter, com um colete a prova de balas: "Segundo policiais que entraram aqui nesta área, esses barracos todos estão abandonados porque eles serviam para o tráfico de drogas. Aqui era uma espécie de cracolândia, onde se vendia e consumia droga".

Outra coisa que ficamos sabendo pelo "show da vida": em protesto, os sem-teto bloquearam por meia hora uma das pistas da via Dutra. Um homem foi atingido por um tiro de arma de fogo durante a operação, mas a polícia diz que só utilizou balas de borracha. Final da reportagem.

Nada foi dito sobre a presença de tanques de guerra e de soldados da cavalaria com suas espadas. Nada foi dito sobre o uso de força contra idosos e crianças e nem sobre o destino dos desalojados. Alguns receberam da Prefeitura de São José dos Campos passagens rodoviárias para seus "Estados de origem".
Só que muitos são paulistas.

VANESSA BARBARA [email protected] http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrada/24266-

Responder

    maria_do_carmo

    06 de fevereiro de 2012 às 17h26

    Alex e Vanessa Barbara, 2.000 homens, dois helicopteros, 220 carros, 40 caes e cem cavalos, policia militar, civil, rota (nao podemos esquecer desembargador Rodrigo Capez(irmao do dep. Fernando Capez PSDB) as 6:30 horas. Tudo isso para devolver terreno de massa falida de Naji Nahas que quebrou a bolsa do RIO , entre outros malfeitos lavagem de dinheiro. Inadmissivel a imprensa que e concessao do governo para informar, reportagem de 2 minutos para essa operacao de guerra contra familias pobres, esta na hora da sociedade se organizar e exigir respeito. USPe cracolandia foi identico, da privataria nao deram nada.Ainda deram passagens precisa ver os desaparecidos se viajaram ou foram mortos.

joão33

06 de fevereiro de 2012 às 15h22

quem vai pedir direito de resposta , ao aluizio 300mil, na folha , o cara mente e fica por isso mesmo , até quando?

Responder

Elias SP SP

06 de fevereiro de 2012 às 15h20

Entre mentiras e verdades a justiça e a história irão se incumbir de desvendar todos os reais motivos que levaram o governador de SP Geraldo Alckmin, o prefeito de SJC Eduardo Pedrosa Cury, a juíza Marcia Maria Mathey Loureiro, o coronel Carlos Mello e todos os envolvidos na reintegração do ‘sítio’ de Naji Robert Nahas, a empreender um holocausto numa das 20 cidades mais ricas do Brasil. SOMOS TODOS PINHERINHO! Este é o grito dos brasileiros do Brasil e de todo o brasileiro mundo afora..

Responder

reinaldo carletti

06 de fevereiro de 2012 às 15h12

porque esse pseudo-nazista que se diz governador, não usa essa brutalidade para com o seu cunhado, que desviou "apenas"(pque. não tinha mais……) R$ 1 bi, das merendas escolares, e construa casas para esses desabrigados? nós, indignados, devemos nos mobilizar para tirar esse sujeito do palacio dos bandeirantes o mais depressa possivel.
reinaldo carletti

Responder

    M. S. Romares

    06 de fevereiro de 2012 às 17h56

    Reinaldo, não seria nazista e pseudo-governador? Parece que a ordem é determinante nesse caso.

maria_do_carmo

06 de fevereiro de 2012 às 14h13

Conceicao Lemes, parabens por sua resposta e arrazoado, Sao Paulo esta sendo militarizada estamos num estado repressivo. A USP, A Cracolandai e o Pinheirinho, um estado autoritario. Estudante , dependente quimico e familia de trabalhadores pobres nao significam nada, para governo e justica de elite. Alckimin e um arrivista, quer o poder a qualquer custo, nao tem pudor se aproxima dos politicos em evidencia, se insinua o mesmo faz na midia com os jornalistas e constrangedor e a escola do Serra. A sociedade nao e tola. Precisamos de resposta como a sua e usarmos o judiciario.

Responder

    H. Back™

    09 de fevereiro de 2012 às 19h06

    "… e usarmos o judiciário." O judiciário? Que judiciário? Não temos mais sistema judicário no Brasil.

CC.Brega.mim

06 de fevereiro de 2012 às 13h55

a desocupação foi ilegal e criminosa
não deve apenas ser revista
será necessário indenizar as famílias
por todas as suas perdas..

único consolo:
morte política desses caras!

Responder

Polengo

06 de fevereiro de 2012 às 13h55

Desculpe, Azenha, mas sua manchete me deixa intrigado:

Será que o alckmin se preocupou ou se preocupa com o social em algum momento?
Eu duvido.

Responder

trombeta

06 de fevereiro de 2012 às 13h53

Alckmin vai a missa todo domingo, típico fascista com cara de bom moço.

Roteiro conhecido.

Responder

maria_do_carmo

06 de fevereiro de 2012 às 13h41

Alckimin e juiza Marcia Loureiro confessaram 4 meses de preparacao e o desemb. Rodrigo Capez (irmao do dep. estadual do psdb Fernando Capez)nao aceitou liminar, e o prefeitinho Cury tudo combinado, quanto as familias so 3 chiqueiros, sem exaurir a via conciliatoria. Custou uma fabula essa desocupacao , fora e terao que construir casas populares (daqui a 15 anos) . Apressadamente derrubaram casas com os moveis e eletrodomesticos, que provavelmente estao pagando, com receio de alguma liminar, devolveram para a magestade, o magnata que quebrou a bolsa do Rio de Janeiro e outros crimes inclusive lavagem de dinheiro. Aloisyo (300.000) e Alckimin, a ganancia foi alem da razao, estamos na era digital. a sociedade deu um basta.

Responder

Euler Conrado

06 de fevereiro de 2012 às 12h32

Dizer que o despejo dos moradores foi preparada com 4 meses de antecedência é mais uma prova da má fé do governo. Então as negociações ocorridas nos últimos meses eram mera cortina de fumaça para esconder o objetivo central, de jogar nas ruas 8 mil pessoas? Estamos diante de uma elite cínica, canalha e covarde, que do conforto da vida que levam, como senadores, governador, juízes, prefeito, etc., decidem a destruição da vida de milhares de pessoas sem o menor pudor. Com o que eles estão gastando – ou dizem que vão gastar – com este tal aluguel social, ou planejamento de moradia popular, não seria mais fácil desapropriar o terreno de Pinheirinho e legalizar definitivamente aquela ocupação? As soluções apresentadas pelos demotucanos são típicas de uma visão escravocrata em relação aos mais pobres da sociedade. A nota triste é que o PT também tem sido lento na solução dos problemas sociais – o que o faz, em certa medida, cúmplice das práticas criminosas realizadas pelo PSDB e pelo Demo.

Responder

Morvan

06 de fevereiro de 2012 às 12h29

Bom dia.

Há três dias eu postei aqui no VOM com a sugestão de o Governo Federal "… poderia – e deveria – remanejar verba suficiente para a construção de um centro residencial para estas famílias. Dinheiro tem. Se preciso, utiliza o tal de Fundo Soberano…". Dinheiro tem, gente. Não tem dinheiro para pagar a agiota?

Tira o escorpião do bolso, Poder Central. Tem gente vivendo um inferno, e é responsabilidade de todos nós. Vamos mostrar pros nazistas que a esquerda tem ação.

:-)

Morvan, Usuário Linux #433640.

Responder

    Jairo_Beraldo

    06 de fevereiro de 2012 às 13h17

    O duro é fazer o Zé Caridozo Dantas ouvir o grito surdo dos desalojados do Pinheirinho. Para fazer média, foi qual Al Capone na Bahia arrotar grosso contra os puliça grevistas de lá. E vale lembrar que o Zé é um dos 1 milhão de advogados que assessoram o parceiro de "suite" na PF HIlton do megatrambiqueiro Naji Nahas, Daniel Dantas.

    Morvan

    06 de fevereiro de 2012 às 15h57

    Boa tarde.

    Jairo_Beraldo, o Zé é mais um sinistro "intocável", por parte do PIG. O PHA traz hoje fatos novos que mostram que, pelo menos tacitamente, ele foi conivente com a barbárie de Pinheirinho.

    "… Sabe-se que Cardozo e Capez trocaram um telefonema no momento mais agudo da operação.
    E que Cardozo, em seguida, espinafrou o ministro (de que ?) Gilberto Carvalho, aquele que no se calla.
    Por que Cardozo deu seu aval (implícito, pela omissão) ao Massacre ?…
    ".

    Fonte: CAf; http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2012/02/06/ze-quer-investigar-herzog-e-pinheirinho-e-a-privataria/

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding