VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

Maria Inês Nassif: Tucanos fazem a opção preferencial contra os pobres


25/01/2012 - 13h49

DEBATE ABERTO

O horror e a opção preferencial contra os pobres

Nada mais precisa ser dito para descrever a operação de despejo de Pinheirinho, em São José dos Campos, e a ação policial contra os usuários de crack no centro da capital, na chamada Cracolândia. Mas existem muitas explicações para a truculência, a desumanidade, a destituição do direito de cidadania aos pobres pelo poder público paulista.

Maria Inês Nassif, na Carta Maior*

É o horror. Nada mais precisa ser dito para descrever a operação de despejo de Pinheirinho, em São José dos Campos, e a ação policial contra os usuários de crack no centro da capital, na chamada Cracolândia. Mas existem muitas explicações para a truculência, a desumanidade, a destituição do direito de cidadania aos pobres pelo poder público paulista.

A primeira delas é tão clara que até enrubesce. Nos dois casos, trata-se de espantar o rebotalho urbano de terrenos cobiçados pela especulação imobiliária. O Projeto Nova Luz do prefeito Kassab, que vem a ser a privatização do centro para grandes incorporadoras, vai ser construído sob os escombros da Cracolândia, sem que nenhuma política social tenha sido feita para minorar a miséria ou dar uma opção séria para crianças, adolescentes e adultos que se consomem na droga.

O terreno desocupado com requintes de crueldade em São José dos Campos, de propriedade da massa falida do ex-mega-investidor Naji Nahas, que já era de fato um bairro, vai ser destinado a um grande investimento, certamente. O presente de Natal atrasado para essas populações pobres libera esses territórios antes que terminem os mandatos dos atuais prefeitos, e o mais longe possível do calendário eleitoral. Rapidamente, a prefeitura de São Paulo está derrubando imóveis; a prefeitura de São José não deve demorar para limpar o terrreno de Pinheirinho das casas – inclusive de alvernaria – das quais os moradores foram expulsos.

Até outubro, no mínimo devem ter feito uma limpeza na paisagem, o que atenua nas urnas, pelo menos para a classe média, a ação da polícia. A higienização justifica a truculência policial. A “Cidade Limpa” de Kassab, que começou com a proibição de layouts na cidade, termina com a proibição de exposição da pobreza e da miséria humana.

A segunda é de ordem ideológica. Desde a morte de Mário Covas, que ainda conseguia erguer um muro de contenção para o PSDB paulista não guinar completamente à direita, não existe dentro do partido nenhuma resistência ao conservadorismo. Quando Geraldo Alckmin reassumiu o governo do Estado, em janeiro de 2011, muitas análises foram feitas sobre se ele, por força da briga por espaço político com José Serra dentro do partido, iria trazer o seu governo mais para o centro. A referência tomada foi o comando da Segurança Pública, já que em seu mandato anterior a truculência do então secretário, Saulo de Castro Abreu Filho, virou até denúncia contra o governo de São Paulo junto à Comissão de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos.

O fato de ter mantido Castro fora da Segurança e se aproximado do governo federal, incorporando alguns programas sociais federais, e uma relação nada íntima com o prefeito da capital, deram a impressão, no primeiro ano de governo, que Alckmin havia sido empurrado para o centro. O que não deixava de ser uma ironia: um político que nunca escondeu seu conservadorismo foi deslocado dessa posição por um adversário interno no partido, José Serra, que, vindo da esquerda, tornou-se a expressão máxima do conservadorismo nacional.

Isso não deixa de ser uma lição para a história. Superado o embate interno pela derrota incondicional de José Serra, que desde a sua derrota vinha perdendo terreno no partido e foi relegado à geladeira, depois da publicação de “Privataria Tucana”, do jornalista Amaury Ribeiro Júnior, Alckmin volta ao leito. O governador é conservador; o PSDB tornou-se orgânicamente conservador, depois de oito anos de governo Fernando Henrique Cardoso (FHC) e oito anos de posição neoudenista. A polícia é truculenta – e organicamente truculenta, já que traz o modelo militar da ditadura e foi mais do que estimulada nos últimos governos a manter a lei, a ordem e esconder a miséria debaixo do tapete.

O nome de quem faz a gestão da Segurança Pública não interessa: está mais do que claro que passou pelo governador a ordem das invasões na Cracolândia e em Pinheirinho.

Outra análise que deve ser feita é a da banalização da desumanidade. Conforme a sociedade brasileira foi se polarizando politicamente entre PSDB e PT, a questão dos direitos humanos passou a ser tratada como um assunto partidário. O conservadorismo despiu-se de qualquer prurido de defender a ação policial truculenta, de tomar como justiça um Judiciário que, nos recantos do país, tem reiterado um literal apoio à propriedade privada, um total desprezo ao uso social da propriedade e legitimado a ação da polícia contra populações pobres (com nobres exceções, esclareça-se).

Para os porta-vozes desses setores, a polícia, armada, “reage” com inofensivas balas de borracha à agressão dos moradores que jogam pedras perigosíssimas contra escudos enormes da tropa de choque. No caso de Pinheirinho, a repórter Lúcia Rodrigues, que estava na ocupação, na sexta-feira, foi ela própria alvo de duas balas letais, vindas da pistola de um policial municipal. Ela não foi atingida, mas duvida, pela violência que presenciou, das informações de que tenha saído apenas uma pessoa gravemente ferida daquele cenário de guerra.

(*) Colunista política, editora da Carta Maior em São Paulo

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



36 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Maria

26 de janeiro de 2012 às 22h32

Nagi Nahas se reintegra ao poder politico com bombas e tiros em sua homenagem, com massacre a Comunidade Pinheirinho. Com patrocinio de um poder que expulsa pobres e acolhe o especulador.

Responder

José Mário Comini

26 de janeiro de 2012 às 17h22

Eu já enviei à OEA minha indignação denunciando este malditos tucanodemonazistas. Seria importante se todos os indignados pelos fatos da cracolândia e Pinheirinhos fizessem o mesmo.

Responder

Eduardo Di Lascio

26 de janeiro de 2012 às 16h43

Enquanto o eleitorado que faz parte das camadas desfavorecidas não votar segundo os seus interesses, nada vai mudar. As classes média e alta assim o fazem, contando com essa verdadeira sindrome de estocolmo dos mais pobres, mantém a situação da forma triste que conhecemos. Só os mais pobres organizados tem o poder de mudar sua situação. Eu, classe média cínico e culpado só posso contribuir com o debate, mas no final das contas, vou agir em favor da minha classe, mesmo que inconscientemente.

Responder

José Mário Comini

26 de janeiro de 2012 às 16h39

Eu já enviei à OEA minha indignação denunciando este malditos tucanodemonazistas. Seria importante se todos os indignados pelos fatos da cracolândia e Pinheirinhos fizessem o mesmo.

ABAIXO O TUCANODEMONAZISMO!

E que o PT com o Senhor HADDAD passem longe dessa gente nas eleições de outubro.

Zé Mário
Raul Soares MG

Responder

    Eduardo Di Lascio

    26 de janeiro de 2012 às 19h32

    Nobre iniciativa, nobre intenção, mas isso e nada é a mesma coisa. Só os desfavorecidos estão na posição de mudar alguma coisa. Nós somos o inimigo, por mais que neguemos.

Flavio Wittlin

26 de janeiro de 2012 às 14h56

Talvez aconselhado por seu guru, Alberto di Franco (cujo franquismo explicita-se até no nome), o médico-monstro Alckimin, esteja ensaiando uma guerra civil.
Afinal, seus partidários estão muito por baixo, sem perspectiva eleitoral no plano federal e sem alternativas certas ( a criação de mitos midiáticos tipo Hulk é uma hipótese ainda pouco consistente).
Que tal algumas cruzadas à la Crusis até recentemente no RS?
Acumular forças.
A guerra do Pinheirinho terá sido uma continuação da privataria tucana por outros meios.
Que ninguém desdenhe!

Responder

Bley

26 de janeiro de 2012 às 14h30

Nestes tempos de milenarismo, teocracia de mercado, neomalthusianismo político-econômico… A humanidade vê-se numa encruzilhada: ou os povos de todo o mundo mobilizam-se para Primaveras Árabes e Occupy Wall Street e tudo que corresponde a sua lógica de atuação… Ou sucumbiremos todos como acontece com a gente da cracolândia e do Pinheirinho submetida ao jugo da Plutocracia que governa o Tucanistão, considerando-se, talvez, já como o 52o. Estate of USA, além de modelo para a construção do Reichstag do teocapitalismo hiperconcentrador e segregacionista e higienista que toma forma nesse início de milénio mundo afora.

Responder

Denise Invamoto

26 de janeiro de 2012 às 14h03

Fico chocada com comentários nos sites do Pig aprovando esse tipo de medida, na maior desinformação recalcada sobre questões básicas não só de direitos humanos, mas também do direito à cidade, à moradia e À dignidade. É uma amostragem do respaldo que a guinada conservadora do tucanato tem junto ao eleitorado paulista.

Triste é testemunhar o silêncio do PT e correligionários tendo em vista uma possível aliança com o fisiológico Kassab e seu protótipo de PMDB.

Responder

Marcio H Silva

25 de janeiro de 2012 às 23h40

Gostei muito do comentário do Eduardo Guimarães no facebook;

"Duvido de que se Lula fosse o presidente ele deixaria de dar ao menos uma declaração sobre o Pinheirinho".

Responder

Fabio_Passos

25 de janeiro de 2012 às 23h36

Está na constituição brasileira que todo cidadão tem direito a moradia.

Como pode o Estado usar 2.000 policiais para impedir, usando de extrema selvageria, que milhares de famílias de trabalhadores – inclusive idosos, mulheres e crianças – tenham acesso a um direito constitucional?

E isto tudo para favorecer um bandido rico como naji nahas…

Esta "elite" branca e rica não presta.
Temos de nos livrar desta minoria inescrupulosa e segregacionista que despreza o próprio povo
Os ricos são o crime.

<img src=http://s1-04.twitpicproxy.com/photos/large/498350082.jpg>

Responder

Operante Livre

25 de janeiro de 2012 às 22h31

Nossas palavras, aqui, não são suficientes para restituir a justiça social aos órfãos o Pinheirinho.

Responder

Ana

25 de janeiro de 2012 às 19h27

Entendamos porque os grupos neonazistas atuam em São Paulo e se fortalecem, a violência assombrando todos nós, as casas sendo furtadas/ roubadas e aquele aparato policial dirigido ao Pinheirinho!

Responder

Carlos

25 de janeiro de 2012 às 18h51

"Varrendo o lixo pra debaixo do tapete, que é supostamente persa pra alegria do ladrão."

Raul Seixas

Responder

Ana

25 de janeiro de 2012 às 18h28

E vão continuar sentadinhos nos gabinetes refrigerados, governando? No TJ paulista continua tudo normalíssimo? Temos que colocar a mensagem do jornalista Boechat em carro de som e divulgá-lo nas Praças do Brasil, nas escolas. nos bares, nas periferias, nas ruas, nos blocos de carnaval. Vamos divulgar, vamos debater.
Os ricos emergentes que escondem suas próprias origens pobre, paupérrima, ordenaram desalojamento de familias e destinam-lhes a rua , dor e sofrimento ou expulsão da cidade, numa afronta à sociedade mundial. Colonialismo versão 2012. http://www.youtube.com/watch?v=mghmTSVEyrM

Responder

Outro Antonio

25 de janeiro de 2012 às 18h25

Espero que não haja espaço para esses mercenários hoje comandados por Alckmin. Trabalharei para que ele pereça nas próximas eleições não volte mais. Tem que ser feito o livro da privataria de SP, onde se descobrirão muitas falcatruas. Esses pilantras têm que ser exilados da política pelo voto, pela indignação.

Responder

sergio

25 de janeiro de 2012 às 18h16

Quanta informação incorreta hein !!! 20 anos ? 6000 cidadãos ??? uma criança morta ? Meu Deus, quanta cara de pau hein !!!

Responder

    pinto silva

    25 de janeiro de 2012 às 19h02

    Calma aí tucanão. Por que a informação está incorreta? Qual é a sua fonte da verdade: a Globo, a Veja, a Folha? Se forem estas vc está em lugar errado porque aqui se abomina o PIG. E por razões suficientemente comprovadas. Não pula de galo aqui não.

    Marcio H Silva

    25 de janeiro de 2012 às 23h41

    eis aí acima um bom exemplo de "ignorante útil".

    J Fernando

    26 de janeiro de 2012 às 10h25

    Tirando estas informações que realmente não têm confirmação oficial, para você, o resto (cassetetes, balas de borracha, bombas de gás, pancadarias, doentes, mulheres e crianças jogados em abrigos como os judeus em guetos),.. para você, isto está certo?
    Engraçado como alguns se apegam às informações não confirmadas para tentar descaracterizar comentários.
    E batem na tecla de que os que são contra a atuação do PSDB paulista estão errados, porque havia ordem de reintegração de posse.
    A maioria (senão todos) NÃO está dizendo que o povo de Pinheirinhos está certo em invadir. A maioria está ciente que sim, deveriam deixar Pinheirinhos mais cedo ou mais tarde em cumprimento da ordem judicial. O que não dá para concordar é com o método utilizado pelo PSDB, que prefere a pancada ao diálogo.

ricardo silveira

25 de janeiro de 2012 às 17h39

Os governos da Capital e do Estado de São Paulo parecem ocupados por skinheads que agem como covardes, com extrema violência contra pessoas sem nenhum poder de se defender. Por trás da violação dos direitos humanos estão os interesses imobiliários que se beneficiam desse fascismo. Que os paulistas e paulistanos, brasileiros, não fiquem indiferentes às barbaridades que estão acontecendo, é o mínimo que se espera.

Responder

Ana

25 de janeiro de 2012 às 17h35

Pinheirinho é a ponta do iceberg, estes arrogantes tem que prestar contas à sociedade porque famílias inteira ocupam os melhores cargos do funcionalismo público, nos tres níveis – municipa, estadual e federal.
Os filhos dos pobres são massacrados e marginalizados, chamados de vagabundos, e para os emergentes ricos os altos cargos e salários. São as COTAS mais eficientes do mundo, não contestadas e toleradas pela sociedade, num prejuízo á República, à Democracia e ao Estado Democrático de Direito e os filhos dos pobres pagam a conta com repressão policial, com a política do chicotinho nas mãos. Muita repressão é para intimidar e causar pânico, mas este método faliu.
Neste imbroglio todo mundo é autoridade e todo mundo é parente! E todos determinaram a invasão para derrubar casebres, atirar em crianças, mulheres!

Responder

    mineiro

    25 de janeiro de 2012 às 18h15

    é isso ai , assino em baixo , todos sao responsaveis por isso que esta acontecendo. e cade a oposiçao de sp , o gato comeu a lingua bando de covardes, bando de salafrarios malditos , estao do lado dessa turma tambem , cade o psol que fica latindo contra a dilma o que eles tem a dizer agora, esses idiotas imbecis , desde quando nao mexeu nas suas casas tudo bem. e as religioes estao do lado do capeta ou de deus. pelo geito ta mais para o lado do capeta.

Ana

25 de janeiro de 2012 às 17h27

Fizeram o despejo da justiça? Nagi Nahas é quem governa?

Responder

Jonas Resende

25 de janeiro de 2012 às 17h26

Confio plenamente que a resposta virá nas eleições futuras, essa barbárie da tucanagem não ficará sem a resposta do povo paulistano. Excetuando, lógico, os ricaços e os conservadores, mas o presidente Lula vai saber lidar com eles desta vez, o Haddad está em boa companhia.

Responder

CLAUDIO LUIZ PESSUTI

25 de janeiro de 2012 às 17h08

Nao sei postar fotos aqui, então acessem este link, e reflitam o quanto vale a pena ficar nesta dicotomia PTxPSDB.A foto e emblemática da aproximação ideológica cada vez maior entre as duas siglas.Diga isso, considerando os que MANDAM, e não congressos partidários, opiniões de militantes e deputados e senadores "outsiders". Obvio que autoridades tem que ter relações cordiais, afinal não são cangaceiros, contudo a foto e reveladora…
http://noticias.uol.com.br/album/120125_album.htm

Responder

Sagarana

25 de janeiro de 2012 às 17h06

E os governos de Pernambuco e Piaui, fizeram opção pelos pobres? Só se for pelos pobres empresários do transporte urbano. HELLOWWWWWW!

Responder

Jorge Nunes

25 de janeiro de 2012 às 15h23

É isso que não dá para entender em São Paulo e nem neste conservadorismo.

Se Pinheirinho já funcionava como bairro e tinha casas de alvenaria e com certeza um economia funcionando. Ocupado já há 20 anos e pagando seus tributos a prefeitura e ao estado de São Paulo (lembrando que Naji Nahas é devedor de IPTU e impostos federais). Havia famílias morando e trabalhando, logo essas pessoas são cidadãs.

6000 cidadãos moravam em Pinheirinho.
Se são cidadãos é dever de seu país defende-los e assegurar a integridade física deles e de qualquer brasileiros.

A perversão é que 1 cidadão que não pagou seus impostos e nem fazia uso da terra, terra cujos os credores são o município e a união, decidiu sobre a vida e morte de 6000 pessoas.

Segundo consta uma criança foi morta, isso é conservadorismo?

As ações públicas paulista lembram mais ações de um Estado Feudal, onde a nobreza tinha direito a qualquer coisa, e ao servos o fogo e o ferro.

Se o conservadorismo é esta doença sociopata estamos mal mesmo mesmo.

Responder

    Paulo Ribeiro

    26 de janeiro de 2012 às 09h35

    O PSDB é uma chaga que precisa ser extirpada. Conclamo a todos unirmos nossas forças tirar Alckmin e sua corja do poder. Nem que tenhamos que manchar as mãos de sangue!

    Antonio Nunes

    31 de janeiro de 2012 às 23h32

    45% da população do Brasil não concorda com o Sr…

    e q sangue o Sr quer usar pra manchar suas mãos?

    a população de SP elegeu Geraldo Alckmin em 1º turno!

    isso não deveria ser "levado em conta" ou a sua vontade basta pra sobrepor à vontade dos demais eleitores?

    ps: na internet tá cheio de macho! ridiculo…

    Marcos C. Campos

    26 de janeiro de 2012 às 10h23

    Rapaz, o terreno está valendo uns 200 milhões . Paga-se a divida e ainda sobra muito $$$$$$ , inclusive para pagar campanhas do PSxx e molhar a ….
    Desalojar pobre é o de menos … Contaram com o sadismo e "eficiência" da Px.

    Eduardo Di Lascio

    27 de janeiro de 2012 às 12h17

    Em Memórias Póstumas de Brás Cubas, o personagem principal, em dado momento encontra um ex-escravo que pertencera a seu pai, brutalizando seu próprio escravo. Esse é um traço marcante do brasileiro, impingir aos outros a violência que nos é impingida. Por isso não estranhe quando a classe média ascendente de São Paulo vibra com a arbitrariedade dos nossos governantes. É a forra dos coitados.

    Marta

    25 de janeiro de 2012 às 17h54

    Esta sigla enche de orgulho o PSDB paulista chefiado pelo opus dei Alckmin. Afinal, a santa madre igreja foi braço de apoio ao Reich da segunda guerra.

    mineiro

    25 de janeiro de 2012 às 18h10

    ate que enfim vi uma coisa de acordo contra esses desgraçados malditos ditadores , esse desenho representa a verdadeira face desses demoniacos. se nao nos unirmos contra esses demonios daqui e la de fora. seremos triturados , demonios representados na imprensa, nos demonios tucanos e no maldito eua. nao adianta chorar depois. e a pres.dilma querendo se aliar a essa turma ,da vergonha de ouvir isso. sera que ela nao viu isso que aconteceu la pinheirinhos e outras coisas terriveis mais. ate quando essa pt maldito vai ficar calado junto com a pres. pelo amor de deus . e a record esta de que lado afinal . nao é a emissora de voces.

    Fabio_Passos

    26 de janeiro de 2012 às 00h17

    Eu também acho.
    Cada vez mais o psdb se reconhece e se assume como o partido da extrema-direita fascista no Brasil.

    Cleverton_Silva

    26 de janeiro de 2012 às 00h37

    Latuff está de parabéns!!! Seus desenhos sintetizam muito bem certas mazelas do nosso Brasil.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.