VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Rafael Valim: A espetacularização do MP e as condenações midiáticas


07/12/2012 - 12h31

O MP E A SEDUÇÃO DO ESPETÁCULO

por Rafael Valim, no Le Monde Diplomatique Brasil

A Constituição Federal de 1988 confiou ao Ministério Público elevados objetivos, aos quais corresponderam indispensáveis competências e garantias  institucionais.   Edificou-se  uma instituição inteiramente vocacionada à defesa da sociedade, cuja atuação tem sido decisiva na afirmação da trôpega democracia brasileira.

A importância  e o protagonismo do Ministério Público não devem ocultar, entretanto, os desacertos em que, à semelhança de qualquer instituição, incorre. Os membros do Ministério Público não são seres superiores,  infensos  às paixões humanas, tampouco  estão acima da ordem jurídica. Cometem equívocos e devem responder por seus atos, como qualquer agente público.

Convém assinalar,  de qualquer modo, que o reconhecimento  da falibilidade do Ministério Público jamais justificará, por exemplo, propostas tendentes a suprimir  seus poderes investigatórios. Impõe- se o aprimoramento,  e não o desmantelamento da instituição.

O  tratamento conferido à informação pelo Ministério Público é justamente  um dos pontos que estão a merecer aprimoramento  e que, não raras vezes, rendem-lhe merecidas críticas.

Nos últimos tempos,  o Ministério Público converteu-se  em uma das principais fontes da imprensa nacional, dentro do contexto de transformação  do jornalismo  investigativo  em “jornalismo sobre investigações”. Tal circunstância é prenhe de consequências, as quais não podem ser negligenciadas pela sociedade brasileira, verdadeira destinatária  das atividades desempenhadas pelo Ministério Público.

Condenações midiáticas

O  Ministério Público e a imprensa, embora muitos insistam em dizer o contrário, não compartilham interesses comuns. Há muito se desvaneceu a ingênua ideia de “neutralidade objetiva” do jornalismo, cuja atuação seria presidida exclusivamente por interesses públicos.  A história  prova, à saciedade, que a imprensa é guiada por interesses específicos, inconfundíveis com os interesses assinados ao Ministério Público pela Constituição Federal.

A assimilação  dessa realidade  revela a necessidade de o Ministério Público manter uma interlocução  transparente,  veraz, cautelosa, equilibrada e responsável  com a  imprensa.   São inadmissíveis   a execração pública de investigados,  os chamados “vazamentos”  de informações à imprensa, os acordos de exclusividade com jornalistas.

Com efeito, é de rigor proscrever a lamentável prática de “condenações midiáticas  de acusados”, para as  quais concorre frequentemente o Ministério Público. As  garantias  do devido processo legal,  da presunção de inocência e da inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das pessoas constituem   direitos fundamentais que o Ministério Público não deve apenas respeitar, senão que proteger de forma intransigente.

A defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e  individuais indisponíveis,  de  que está incumbido o Ministério Público nos termos do art. 127 da Carta Magna, implica,  necessariamente,  a irrestrita proteção dos direitos e garantias fundamentais de todos os indivíduos,  entre os quais,  obviamente, figuram os investigados por supostas práticas delituosas.

O Ministério Público, para servir verdadeiramente à sociedade, deve portar-se como um legítimo guardião da Constituição Federal e, nessa medida,   distanciar-se  da espetacularização que, lamentavelmente, marca a sociedade contemporânea.

Rafael Valim é advogado,  mestre e doutorando  em Direito  Administrativo pela   PUC-SP e  especialista  em  Direito   Constitucional   pela Universidad  Castilla-La  Mancha  (Espanha). É professor da PUC- SP, Universidade Nacional de Cuyo e Universidade Nacional de Comahue (Argentina).

Leia também:

Lincoln Secco: A guerra contra a esquerda no Brasil

Paulo Moreira Leite: O risco de brincar com a Constituição

Janio de Freitas: O poder de cassar deputados federais condenados pelo Supremo é da Câmara

Luiz Moreira: Ação Penal 470, sem provas nem teoria

Consulta Popular: O julgamento da AP 470 foi “um golpe contra o Estado constitucional”

Pedro Serrano: Só o Congresso pode cassar o mandato de deputados envolvidos no mensalão

Santayana: Julgamento da AP 470 corre o risco de ser um dos erros judiciários mais pesados da História

Lewandowski, um desagravo ao Direito brasileiro

PT: STF não garantiu amplo direito de defesa, fez julgamento político e desrespeitou a Constituição

Nassif: Por que o ministro Ayres Britto se calou?

Marcos Coimbra: A pretexto de ‘sanear instituições’, o que a mídia e o STF desejam é atingir adversários

Leandro Fortes:Trâmite do mensalão tucano desafia a noção de que o Brasil mudou

Lewandowski: “A teoria do domínio do fato, nem mesmo se chamássemos Roxin, poderia ser aplicada”

Jurista alemão adverte sobre o mau uso de sua “Teoria do Domínio do Fato”

Patrick Mariano: Decisão do ministro Joaquim Barbosa viola a Constituição e as leis vigentes

José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolutismo real”

Bernardo Kucinski: Macartismo à brasileira

Ramatis Jacino, do Inspir: O sonho do ministro Joaquim Barbosa pode virar pesadelo

Comparato: Pretos, pobres, prostitutas e petistas

Dalmo Dallari critica vazamento de votos e diz que mídia cobre STF “como se fosse um comício”

Rubens Casara: “Risco da tentação populista é produzir decisões casuísticas”

Luiz Flávio Gomes: “Um mesmo ministro do Supremo investigar e julgar é do tempo da Inquisição”



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Bonifa

09 de dezembro de 2012 às 10h13

Um bom artigo, mas que infelizmente se refere a um Ministério Público lá detrás, do meio do caminho, quando seus pecadilhos ainda causavam apenas um pequeno mal estar. Depois disso, o Ministério Público já avançou quilômetros à frente, e hoje pratica abertamente o papel de linha institucional auxiliar dos interesses políticos, ideológicos e outros da Grande Mídia, mesmo que estes interesses sejam criminosos, como ressalta o Senador Collor de Mello.

Responder

Delta Martins

07 de dezembro de 2012 às 17h12

Mais do que gosto pela eapetacularização,trata-se de conluio IDEOLÓGICO,pela tomada do poder,que,já que não o coseguem pelo voto,que se faça pelo golpe.Branco,que seja.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!