VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolutismo real”


08/11/2012 - 22h41

O que justifica?

José Dirceu, via e-mail de assessoria

08/11/ 2012

A decisão do relator Joaquim Barbosa de apreender os passaportes dos réus da Ação Penal 470 é puro populismo jurídico e uma séria violação aos direitos dos réus ainda não condenados, uma vez que o julgamento não acabou e a sentença não transitou em julgado. Cabem recursos mesmo após a publicação do acórdão. Mostra-se também exagerada porque todos os réus estão presentes por meio de seus advogados legalmente constituídos e em nenhum momento obstruíram ou deixaram de atender as exigências legais.

Mas o mais grave são os argumentos para tal decisão, alegando que os réus adotaram comportamento incompatível e desrespeitoso com o Supremo. O ministro sustenta o pedido de recolhimento dos passaportes porque dois réus – antes de serem condenados – viajaram para o exterior e voltaram normalmente. Afirmou ainda em seu despacho que alguns réus “deram a impressão de serem pessoas fora do alcance da lei” com atitudes que afrontariam o Supremo Tribunal Federal.

Ou seja, os argumentos cerceiam a liberdade de expressão e são uma tentativa de constranger e censurar, como se os réus não pudessem se defender e, mesmo condenados, continuarem a luta pela revisão de suas sentenças.

É importante ressaltar que eu nunca me manifestei sobre o mérito dos votos dos ministros ou sobre a legitimidade e o respeito à corte. Sempre respeitei as decisões do Supremo Tribunal Federal, uma vez que lutei pela nossa democracia, mesmo com risco à minha própria vida.

Nada vai me impedir de me defender em todos os foros jurídicos e instituições políticas. Mesmo condenado e apenado, não abro mão de meus direitos e garantias individuais – do direito de me expressar e contraditar o julgamento e minha condenação.

Nenhum ministro encarna o Poder Judiciário – não estamos no absolutismo real. Nenhum ministro encarna a nação ou o povo – não estamos numa ditadura. Mesmo acatando a decisão, tenho o direito de me expressar diante de uma tentativa de intimidar os réus, cercear o direito de defesa e expor os demais ministros ao clamor popular instigado, via holofotes de certa mídia, nestes quase quatro meses de julgamento.

Leia também:

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



134 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Relatório Leveson propõe órgão independente para monitorar jornais britânicos « Viomundo – O que você não vê na mídia

30 de novembro de 2012 às 01h00

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

O Globo: O direito de saber « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de novembro de 2012 às 20h05

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Bancários repudiam declaração de Felipão: “Que ele não esteja tão desatualizado sobre futebol” « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de novembro de 2012 às 19h46

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Dr. Rosinha: Policarpo cometeu um crime « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de novembro de 2012 às 16h36

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Relator confirma recuo na CPI do Cachoeira « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de novembro de 2012 às 08h44

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Colunista diz que é válido questionar vida pessoal de Lula no caso Rosemary « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de novembro de 2012 às 08h34

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Carta Maior denuncia o modo ‘Folha’ de fazer jornalismo: Vergonha! « Viomundo – O que você não vê na mídia

28 de novembro de 2012 às 22h09

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

JORGE VIDAL

26 de novembro de 2012 às 08h17

O PT É MAIOR QUE QUALQUER DIRCEU ENTRE OS SEUS

Atitude desvairada de alguém que sempre se julgou o deus dos seus pares, e que neste exato momento, talvez mais grave de sua vida não busque a introspecção e revisão de conceitos, até para reescrever a volta à sua humanidade de indivíduo e de cidadão, como os demais; entretanto, lamentavelmente, busca de forma irresponsável desestabilizar o país atacando Instituições Jurídico-democráticas e os meios de comunicação que lhes deram a plena cidadania e até se insurge contra o Estado de Direito, como está fazendo…

Que o Partido dos Trabalhadores, agora reconhecidamente um Partido de seres humanos, tenha, nesse momento emblemático para si, a necessária inteligência, serenidade e prudência em, de forma efetiva, ajudar na morte política de seu pretenso deus cerrando-lhe solenemente o caixão ─ ainda que, com toda “ternura” (mas, há que ser duro) e apreço o trate como seu parceiro e amigo ─, isto, para o bem do Brasil e do próprio PT, Partido, até então útil ao país, e precisa continuar sendo, como esperamos nós, todos os brasileiros.

Atenciosamente JORGE VIDAL

Responder

Pedro Serrano: Só o Congresso pode cassar o mandato de deputados envolvidos no mensalão « Viomundo – O que você não vê na mídia

22 de novembro de 2012 às 10h15

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Luiz Moreira: Ação Penal 470, sem provas nem teoria « Viomundo – O que você não vê na mídia

21 de novembro de 2012 às 17h08

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Eduardo Guimarães: Claus Roxin teria sido avisado “para não se meter” no mensalão « Viomundo – O que você não vê na mídia

20 de novembro de 2012 às 11h15

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Jorge Souto Maior: A greve dos estudantes da PUC/SP e a democracia « Viomundo – O que você não vê na mídia

20 de novembro de 2012 às 00h09

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Lewandowski, um desagravo ao Direito brasileiro « Viomundo – O que você não vê na mídia

15 de novembro de 2012 às 17h38

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

PT: STF não garantiu amplo direito de defesa, fez julgamento político e desrepeitou a Constituição « Viomundo – O que você não vê na mídia

14 de novembro de 2012 às 22h51

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Nassif: Por que o ministro Ayres Britto se calou? « Viomundo – O que você não vê na mídia

14 de novembro de 2012 às 15h34

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Leandro Fortes: Trâmite do mensalão tucano desafia a noção de que o Brasil mudou « Viomundo – O que você não vê na mídia

13 de novembro de 2012 às 21h44

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Rui Falcão: Muita tristeza e extrema indignação « Viomundo – O que você não vê na mídia

13 de novembro de 2012 às 16h59

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Marcos Coimbra: A pretexto de ‘sanear instituições’, o que a mídia e o STF desejam é atingir adversários « Viomundo – O que você não vê na mídia

13 de novembro de 2012 às 16h53

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

A condenação de José Dirceu a 11 anos de prisão « Viomundo – O que você não vê na mídia

12 de novembro de 2012 às 20h16

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

O julgamento do mensalão e a “metástase cancerosa da responsabilidade” « Viomundo – O que você não vê na mídia

12 de novembro de 2012 às 16h34

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Urariano Mota: Penólope, a menina do Recife « Viomundo – O que você não vê na mídia

12 de novembro de 2012 às 10h45

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Lewandowski: “A teoria do domínio do fato, nem mesmo se chamássemos Roxin, poderia ser aplicada” « Viomundo – O que você não vê na mídia

11 de novembro de 2012 às 20h23

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Jurista alemão repreende o STF pelo mau uso de sua “Teoria do Domínio do Fato” « Viomundo – O que você não vê na mídia

11 de novembro de 2012 às 11h46

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Rômulo Gondim – Decisão do ministro Joaquim Barbosa viola a Constituição e as leis vigentes

10 de novembro de 2012 às 16h34

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Gabinete criminal de crise do TJ/SP viola o Estado de Direito e tem de ser revogado « Viomundo – O que você não vê na mídia

10 de novembro de 2012 às 13h15

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… Luiz Armando Bagolin: “Ninguém achou absurdo o Museu do Carro, da Moda e da Canção” […]

Responder

Patrick Mariano Gomes: Uma decisão que viola a Constituição da República e as leis vigentes no País « Viomundo – O que você não vê na mídia

09 de novembro de 2012 às 22h31

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

José X.

09 de novembro de 2012 às 20h28

O Barbosa é maluco de carteirinha e deveria ser interditado. Mas isso não desculpa os outros integrantes do STF que gostam de mandar soltar estupradores e escroques, e agora estão perseguindo pessoas que lutaram pela liberdade e democracia no Brasil. É uma coisa vergonhosa e desumana.

Responder

Mark Weisbrot: Obama convenceu que Romney e os republicanos se importam bem mais com os ricos « Viomundo – O que você não vê na mídia

09 de novembro de 2012 às 20h03

[…] José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolut… […]

Responder

Eduardo Raio X

09 de novembro de 2012 às 19h51

O problema do PT foi ter escolhido mal os partidos de coalizão para ganhar as eleições em 2001! Se tivesse dado mais atenção ao PMDB talvez a coisa teria sido diferente, apesar desse partido ser outra M… no cipoal da política brasileira. Quando o Paulo Henrique Amorim diz que eles perderam uma grande oportunidade em partir com tudo para internet e lá despejar toda a sujeirada do PSDB e companhia, foi jogada a chance no lixo! E tudo foi planejado pelo pessoal que tem ou teve algum vínculo com o serviço secreto brasileiro. A imprensa golpista estava esperando por isso com toda a certeza!

Responder

Eduardo Oliveira

09 de novembro de 2012 às 19h23

Sensatez:

Pagamento suspeito a testemunha-chave ‘deveria’ causar reviravolta no mensalão.
http://www.redebrasilatual.com.br/blog/helena/pagamento-suspeito-a-testemunha-chave-pode-causar-reviravolta-no-mensalao

Responder

    renato

    09 de novembro de 2012 às 19h44

    Vi isto, e é sério ao meu ver!
    MAS…. Vamos ver sair na Globo!
    Porque não viram antes de dar ……,
    porque o advogados não viram , ou ainda
    ninguem leu tudo?????
    Quem????? Quem??? leu tudo aquilo, por inteiro.

Fabio Passos

09 de novembro de 2012 às 19h16

O stf mergulhou na lama tentando censurar as críticas a farsa do “julgamento do mensalão”.

Tem golpista togado, marionete da “elite” branquicela e rica, que pensa estar abafando. Só se for entre os racistas que leem veja e os mal informados pelo jn da globo.

Na rede, onde está a vanguarda, todo mundo está ligado que joaquim barbosa está fazendo o papel que o PiG definiu para ele: Preto de alma branca.

Responder

Marcelo de Matos

09 de novembro de 2012 às 18h31

Esse negócio de lavagem de dinheiro só dá cana se o cara for petista. Aí entra o preconceito do judiciário e da elite, que formam a mesma classe. O UOL acaba de noticiar que: “Justiça Federal concedeu nesta sexta-feira (9) habeas corpus para liberar o banqueiro Luis Octavio Indio da Costa, preso desde a semana passada no cadeião de Pinheiros, em São Paulo. A decisão foi do desembargador José Lunardelli, do TRF de São Paulo e o banqueiro deve ser liberado ainda hoje”. É assim que as coisas funcionam: o cara deu o maior tomé nos correntistas e funcionários e não vai puxar cana. Nem precisará entregar o passaporte na Justiça. O UOL conclui que: “O banqueiro é suspeito de crimes contra o sistema financeiro e crimes contra o mercado de capitais, além de lavagem de dinheiro, segundo a Polícia Federal. Por esses crimes, ele pode pegar entre 1 e 12 anos de prisão, caso seja condenado”. Não será: cadeia não foi feita para banqueiros. Cacciola que o diga.

Responder

    Étore

    10 de novembro de 2012 às 18h07

    Marcelo, tem um jeito muito simples de petista não ser preso por lavagem de dinheiro: basta … não lavar dinheiro.

Maria

09 de novembro de 2012 às 17h03

Não sou petista e manifesto minha solidariedade a Dirceu e José Genuíno. Esse julgamento é de um surrealismo nunca visto antes. O que estão fazendo é tb desrespeitoso e cruel. O STF tá mais para Casseta e planeta e/ou CQC do que para um alta corte de justiça. Quando assisto a tv justiça tenho tido ânsia de vômito. Quanta vaidade!

Responder

fernando

09 de novembro de 2012 às 16h47

sei la quem mandou O LULA indicar o insano do Barbosa,, mas a culpa é do LULA, afinal quem assinou a indicação foi ele….

primeira coisa que se tem que fazer quando se indica um juiz é ver se ele esta alinhado ideológicamente com o seu partido e governo… a democracia é um jogo, ganha quem joga , ou manipula melhor….

Hoje posso afirmar sem medo algum de errar que o maior erro do LULA em seu governo foi o a indicação do Joaquim Barbosa, ah e tem outros ministros la que eram para defender a nossa causa e ficam quietinhos com medo da opinião publica, uns verdadeiros fantoches.. entre eles a tal da Rosa,, que vota a nosso favor,, mas parece que vota envergonhada.

Responder

    Willian

    09 de novembro de 2012 às 16h56

    Pesquisem nos arquivos qual era a opinião de VOCÊS quando LULA escolheu JOAQUIM BARBOSA para o SUPREMO.

    FrancoAtirador

    09 de novembro de 2012 às 18h32

    .
    .
    Apelando pra ‘fakes’, Reinaldo ‘Azeredo’?

    Tá feia a coisa pra vocês.
    .
    .

    renato

    09 de novembro de 2012 às 19h41

    Mas ele tem razão!!!
    E depois, se o Lula ( sabendo), que o cara era do lado dele, é porque obviamente a Justiça poderia ser comprada? Não é Obvio!
    Então vão …., O lula não é Joaquim baRBOSA.
    e jOAQUIM bARBOSA jamais será LULA!!!
    E aí como fica sua leitura…

    fernando

    10 de novembro de 2012 às 16h03

    minha opinião era nenhuma, só conheci esse Barbosa agora..

    mas para alguma coisa serviu né, colocaram um negro humilde” que mudou a história do brasil” na capa da revista facista Veja… pelo menos isso o Lula conseguiu.

    Mário SF Alves

    10 de novembro de 2012 às 22h27

    Só conheço uma atitude dele que é merecedora de elogios. Foi a defesa contra a extradição do Cesare Battisti. Ali, sim, ele fez crer que vivíamos num País soberano. Depois… deu nissso; nessa marionete do PiG que o manipulou em disfarce de gente. Enfim, como “na natureza nada se perde nada se cria…”, ao menos tivemos a chance de rever a horrenda face do estado de fato, estado covarde, travestido de Estado de Direito. E não foi nem um pouco agradável de se ver. Quanto ao julgamento em si, foi simplesmente frustrante e revoltante. Não sobrou nada daquele JB que indeferiu o tal pedido de extradição.

Fabio Passos

09 de novembro de 2012 às 14h10

Reparem em quem comemora as condenações do “julgamento do mensalão”.

É a pior ralé ética e intelectual do Brasil: leitores de veja, racistas assumidos ou dissimulados, fascistas descarados ou enrustidos, cidadãos de baixo QI adestrados pelo PiG, defensores da ditadura…

Não há ninguém decente e bem informado apoiando esta farsa do PiG-stf.
Ao contrário do que o PiG divulga, as condenações sem prova pelo stf repercutem muito mal em toda a rede.

Dirceu e Genoíno, heróis do povo brasileiro, podem e devem manifestar sua indignação contra este julgamento de exceção.

E não há golpista togado que vai conseguir impedir.

Responder

    De Paula

    10 de novembro de 2012 às 10h27

    Quem disse que a ditadura acabou? Não estão “reprendendo” o Genuino e o Dirceu? Ah, é revanchismo da direita e revanchismo de direita pode.
    Obs. “reprender”: O mesmo que prender de novo

Abelardo

09 de novembro de 2012 às 14h10

O STF não pode ser intocável. Os seus Ministros não são Deuses (ainda que julguem assim) e devem responder pelos seus erros e desvios de conduta. Devemos lembrar que “todos são iguais perante a lei” e ninguém está acima dela, ainda que pensem ao contrário. Afronta é ficar a impressão de que eles produzem decisões claramente inconstitucionais e intencionalmente populistas por vaidade, por conveniência e porque eles decidiram que é assim que tem que ser. Que fique bem explícito que não faço apologia a crimes e não faço defesa de erros e de desvios de conduta praticado contra quem quer que seja. O que os Ministros devem fazer é respeitar os juramentos feito, a constituição vigente e os direitos civis, todos bem acima de suas vontades próprias.

Responder

Fabio Passos

09 de novembro de 2012 às 13h54

O joaquim re-bordosa, pau mandado da “elite” branca e rica, boneco do PiG, lacaio da Casa Grande, torquemada junior, não quer apenas condenar pessoas sem provas… agora quer impedir um cidadão brasileiro de se manifestar.

barbosa está cada vez mais parecido com os cães de aluguel do PiG.

Responder

    Mário SF Alves

    09 de novembro de 2012 às 14h17

    Ou será que incorporou o “rei”, aquele cujo nojo de petistas e na maior cara dura, todo sem cerimônia, e na presença de ministrão do STéFãoos chama de Petralhas II?

    Fabio Passos

    09 de novembro de 2012 às 19h01

    Pode ser.
    O fato é que joaquim barbosa assumiu o papel(ão) de preto de alma branca.
    Quem sabe ele não será carregado nos braços… pelos racistas da revista veja.

    Mário SF Alves

    11 de novembro de 2012 às 17h31

    Aê, Juquim, aê misifio Barbosão, vamo quema umas porva, misifio? Sessão de descarrego, já!

LEANDRO

09 de novembro de 2012 às 13h52

Essa nossa justiça é imparcial….não tem jeito

“Reza a Constituição Federal brasileira que todos são iguais perante a lei sem distinção de qualquer natureza, mas no reino de Dom Lula I alguns são mais iguais que os outros. É o caso de Fábio Luís Lula da Silva, o ex-monitor de zoológico que da noite para o dia se tornou um rico e bem sucedido empresário, no vácuo do status do pai presidente.”

Responder

augusto2

09 de novembro de 2012 às 13h38

o sr. joaquim barbosa de brasilia:
agora o sr me deixou numa razoavel e cruel dúvida: clara e honestamente nao sei se o sr. é o Filinto Muller ou o Armando Falcao.

Responder

nina rita de cássiar

09 de novembro de 2012 às 13h15

Demorou, José Dirceu, a se posicionar adequadamente.

Ficar lutando com petições e outros objetos jurídicos, que esse monarcas mal esclarecidos nem sequer vão tomar conhecimento, não dá, não é Dirceu ? Com isso você, só contribui para validar o julgamento de exceção.

A luta não é por aí. Não é jurídica coisíssima nenhuma, é ideológica e psicológica.

Esse inquisidor-torturador, que bate na mulher, tem que ser desmascarado publicamente. Tem que ser flagrado em pleno um SURTO PSICOLÓGICO.

Acho que Dirceu deve comparecer à sua densimetria. Aliás, muitos de nós deveríamos estar lá, constrangendo-os a falar, na nossa cara, que HOUVE COMPRA DE VOTOS, por exemplo, e ficarem falando mal dos outros poderes e da democracia.

Responder

Mário SF Alves

09 de novembro de 2012 às 13h15

De fato.
________________
De fato, o estado de fato. Estado covarde, dissimulado, oculto atrás da mídia empresarial corporativa (grande parte dela concessão pública, detentora de direitos de exploração do espaço territorial para difusão de som e imagem). Estado travestido de Estado de Direito. Estado da democracia relativa, insinuada pelo general Figueiredo e recentemente confirmada pelo general Leônidas, que sem meias palavras foi direto ao ponto e declarou: “essa é democracia que queríamos”.
______________________________
E podia ser diferente? Podia ter sido diferente?

Responder

luis

09 de novembro de 2012 às 13h13

Gurgel está para Saint-Just, assim como Barbosa para Joseph Fouché.
Um bom resumo do que foi o “terror” na França de Robspierre está no link http://educaterra.terra.com.br/voltaire/mundo/rev_francesa_tres4.htm
Moral da história: os guilhotinadores podem ser guilhotinados

Responder

Zé Capiau

09 de novembro de 2012 às 13h02

Azenha, Isto aqui é o verdadeiro “mensalão”

http://www.blogdacidadania.com.br/2012/11/o-mensalao-ianque/

Responder

Zezinho

09 de novembro de 2012 às 12h21

Falando em passaportes, os filhinhos de papai Lulla já devolveram os passaportes diplomáticos?

Impressionante que ninguém toca neles, acabaram de engavetar a investigação em relação a Gamecorp… Achei que só beneficiavam os filhos do Pig.

Responder

Zezinho

09 de novembro de 2012 às 12h17

É, a petezada tá raivosa. Para que humilhar né?

Mas nem se preocupem porque agora vcs poderão pendurar a foto de mais um mártir na parede ao lado do Che.

Dirceu, aquele que corrompeu em nome de uma causa chamada PT.

O Passos e o Carneiro vão poder acender uma velinha para eles e até visitá-los regularmente na Papuda.

Responder

    Sala Fério

    09 de novembro de 2012 às 12h40

    Zezinho, quando a Corte Internacional de Direitos Humanos anular esse pseudo-julgamento, quem vai rir somos nós. Quanto mais arbitrariedades, melhor para que fique comprovado o caráter despótico do tribunal.

    LEANDRO

    09 de novembro de 2012 às 13h25

    Não viaja….anular um julgamento que cumpriu todos os ritos que a constituição determina e só tá sendo alvo dos “injustiçados” porque acreditavam piamente na impunidade? Vai em cana dirceu e nada de viajar pra fugir.

    João Paulo Ferreira de Assis

    09 de novembro de 2012 às 15h00

    Respondendo ao Leandro:

    O Brasil não era obrigado a incorporar as disposições do Pacto de São José da Costa Rica ao seu ordenamento jurídico. Incorporou quando FHC era presidente. Agora não tem jeito mais, pois existe um brocardo jurídico chamado:

    PACTA SUNT SERVANDA (O que é pactuado tem de ser cumprido).

    Willian

    09 de novembro de 2012 às 16h59

    Estude a questão. Tente encontrar UM processo julgado pelo Supremo anulado por esta corte. Deixamos de ser soberanos quando?

    lulipe

    09 de novembro de 2012 às 20h03

    Até hoje só um recurso do Brasil chegou a esta corte, o da Jorgina de Freitas.Foi solenemente ignorado.Aconteceerá o mesmo com qualquer outro, mas o direito de espernear é livre e sonhar não custa nada.

    abolicionista

    12 de novembro de 2012 às 23h56

    Acho importante notar que os Trolls simplesmente pararam de tentar argumentar. Após o próprio autor da teoria que balizou o julgamento ter desautorizado o uso que o STF fez dela, fica difícil defender essa casa. Se houve um erro judiciário, cabe sim recurso. Cabe também denunciar a criminalização da política em curso e deixar claro que a credibilidade do STF ficou para lá de abalada após essa diabrura.

    Demetrius

    09 de novembro de 2012 às 15h21

    Sabe o que é melhor nisso tudo? Saber que esse seu pensamento foi criado, não por sua mente que vive encostada num barranco, mas por uma mídia mentirosa, racista e golpista.

    Continue passando por aqui, quem sabe um dia você enxerga a verdade.

    Zezinho

    09 de novembro de 2012 às 19h07

    Não tinha reparado que o Dirceu era negro, nem pobre.

    Obrigado por abrir meus olhos!

Fabio Passos

09 de novembro de 2012 às 12h17

O stf é um tribunal de ….. que condena cidadãos sem provas!
E os bonecos togados do PiG pensam que ninguém percebe.

Responder

Luiz Augusto de Freitas Guimaraes

09 de novembro de 2012 às 11h26

Uma vez que não devolvemos para Itália Cesare Battisti, condenado por crime de homicídio pela justiça italiana e reclamado por aquele país, não é correto correr o risco de perdemos réus brasileiros que podem conseguir asilo no exterior e deixarem de pagar suas penas. Vai que outros países façam com o Brasil o que Tarso Genro fez com a Itália!

Responder

    Marcelo de Matos

    09 de novembro de 2012 às 11h42

    Você se esqueceu do Salvatore Cacciola que a Itália se recusou a nos devolver. Foi solto por habeas corpus concedido pelo Marco Aurélio e se mandou. Só foi reconduzido ao Brasil porque, em razão de um vacilo, acabou preso no principado de Mônaco. Então, nessa querela Battisti/Cacciola estamos quites? Ou empatados?

    LEANDRO

    09 de novembro de 2012 às 13h24

    Só que você esquece que cacciola também é cidadão italiano e a justiça de lá, assim como a de cá, não deporta os seus. Já battisti não é cidadão brasileiro…mas se esquecer de detalhes é conveniente.

    João Paulo Ferreira de Assis

    09 de novembro de 2012 às 15h08

    Respondendo ao Leandro (de novo):

    Rodolfo Graziani foi um criminoso de guerra italiano, que quando vice-rei da Abissínia (hoje Etiópia) foi responsável pelo massacre de mais de dez mil etíopes. Seus crimes ficaram impunes, porque a Itália abandonou o Eixo ainda antes do fim da segunda guerra mundial. Os italianos nunca deixaram que Graziani sequer fosse extraditado.

    É interessante o carnaval que vocês tucanos fizeram por quatro mortes que o Battisti fez (sendo que duas delas foram em cidades diferentes e à mesma hora) sendo que as dez mil mortes (pode ser mais) que o Graziani fez não recebem condenação nenhuma, ou será que QUATRO ITALIANOS BRANCOS VALEM MAIS DO QUE DEZ MIL ETÍOPES PRETOS?

Marcelo de Matos

09 de novembro de 2012 às 11h00

Esse José Dirceu não entendeu nada. O Marco Aurélio concedeu habeas corpus ao Cacciola e o banqueiro se mandou para a Itália. O ministro, claro, não teve culpa. Banqueiro não está naquela categoria que dá “a impressão de serem pessoas fora do alcance da lei, com atitudes que afrontam o STF”. Pelo contrário, banqueiro é gente fina. Suspeito é petista e outros “p” da vida. Outra coisa: estamos, sim, no absolutismo jurídico. Joaquim Barbosa sentencia deitado na poltrona: só falta um eunuco palaciano para abaná-lo com uma ventarola de plumas. Assim caminha a humanidade: pena que não tenhamos mais James Dean, Elizabeth Taylor e Rock Hudson. Esse processo do mensalão daria uma megaprodução, em cinemascope, como se dizia. Joaquim Barbosa, em pessoa, poderia ter papel de destaque. O próprio Dirceu, um ídolo da Veja, em particular, e do PIG em geral, idem.

Responder

    João Vargas

    09 de novembro de 2012 às 13h15

    Bem sacado Marcelo. Ficou cristalina a diferença de tratamento dado aos réus do mensalão e ao banqueiro Cacciola que deu um rombo de bilhões no sistema financeiro nacional. Cacciola estava foragido e foi preso em Gramado no Rs, transferido para Brasília, inexplicavelmente foi agraciado com um HC do Supremo e no dia seguinte estava na Itália. Agora, os rigores da lei são aplicados antes mesmo de uma sentença de condenação, mostrando claramente que o STF está jogando para a torcida e para a mídia.

    FrancoAtirador

    09 de novembro de 2012 às 19h32

    .
    .
    Não esqueçamos do Habeas Corpus concedido por Gilmar Mendes

    ao “NOBRE, ILUSTRE, DIGNO, INSUSPEITO DOUTOR ABDELMASSIH”,

    MÉDICO DE ILIBADA CONDUTA E NOTÓRIO SABER CIENTÍFICO”.

    Condenado a 278 anos por estupro sistemático de dezenas de pacientes,
    Abdelmassih também fraudava embriões, mentindo aos pais sobre origem

    Parte dos cerca de 8.000 bebês gerados na clínica de Abdelmassih
    não são filhos biológicos dos pais que contrataram o médico
    para tê-los através de tratamento de fertilização.

    O médico Roger Abdelmassih, que está foragido da Justiça,
    enganava as pacientes de sua renomada clínica de reprodução
    assistida implantando embriões fertilizados de outros casais.

    Tais práticas foram identificadas em investigações sigilosas conduzidas nos últimos dois anos pelo Ministério Público de São Paulo e pela Polícia Civil, e comprovadas pelo resultado de exames de DNA feitos em pacientes da clínica e em seus filhos.
    Ou seja, parte dos cerca de 8.000 bebês gerados na clínica de Abdelmassih não são filhos biológicos de seus país, que pagaram um bom dinheiro ao médico para tê-los.

    Roger Abdelmassih recebeu habeas corpus do ministro Gilmar Mendes
    e fugiu do Brasil para o Líbano de onde não pode ser extraditado.

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-hc-de-gilmar-mendes-para-roger-abdelmassih

Fabio Passos

09 de novembro de 2012 às 10h53

Viva Zé Dirceu!
Viva Genoíno!
Heróis do povo brasileiro.
Cidadãos que arriscaram a vida lutando pela democracia.

Abaixo os golpistas vagabundos do PiG, stf, pgr, que não respeitam a vontade do povo brasileiro.
A “elite” branca e rica pensa que ninguém percebe…

Responder

    abolicionista

    12 de novembro de 2012 às 23h59

    É isso aí, Fábio. Se estivéssemos no século XIX, estariam lutando contra os quilombos. Por isso, inclusive, utilizo o codinome abolicionista, para mostrar a continuidade dessa oligarquia asquerosa que sempre puxa o Brasil para trás.

Julio Silveira

09 de novembro de 2012 às 10h28

Neste post do Dirceu, neste momento vitima, em que ele acusa o Ministro Barbosa de populismo juridico, faltou ele fazer sua mea culpa quando instou seu partido o PT a partir para outra especie de populismo, o politico, execrando elementos de seu partido, os rebeldes, que se recusaram a aceitar a nova ordem e adotar a nova postura (antiga) conciliatória. Onde os arranjos a direita se diziam primordiais para uma governabilidade, lógica covarde. E que dentro destes principios, como se vê, para existir a democracia a maioria terá que estar sempre submetida a submissão e aceitação da direita. Não há, no meu entender, mérito no uso da expressão, pelo critico.

Responder

    Marcelo de Matos

    09 de novembro de 2012 às 11h20

    Perguntar não ofende: esses “rebeldes que se recusaram a aceitar a nova ordem e adotar a nova postura (antiga) conciliatória” são os que formaram os psóis ou eles ainda continuam no PT? Dirceu defendia a participação do PT na disputa de todos os cargos políticos, inclusive o de Presidente, o que implica em aceitar aquilo que, segundo Lula, “todos fazem”, mas, nem todos são punidos, acrescento eu. Por exemplo, os mensalões que puniram Dirceu e não puniram, nem punirão Clésio Andrade e Eduardo Azeredo, do mensalão pão de queijo. Sem dinheiro não se ganha eleição – elementar, meu caro Watson, ops, Júlio. Haja vista a eleição para vereador que, segundo diz hoje o UOL, teve muita grana oculta, ou repassada pelos partidos sem mencionar os doadores, o que seria legal, segundo o noticioso da família Frias.

    Julio Silveira

    09 de novembro de 2012 às 12h01

    Meu caro Marcelo, quando se quer ser grande não se pode pensar pequeno.
    As vezes observo como fica facil para a direita brasileira manipular a cidadania e nessa manipulação a esquerda vira um instrumento cumplice.
    Vejo, desde que me entendo por gente, em todas as rodas onde se discute a esquerda, que ela é desunida e por isso fraca. Mas não vejo os gestos de boa vontade tão comuns quando se trata da direita no sentido da conciliação. Vejo pura falta de boa vontade na visão da diversidade ideologica à esquerda. Preferem aceitar compartilhar o poder com a direita, agregar com eles, que com os proprios esquerdistas e para isso servem todo tipo de depreciações marqueteadas, tipo bullings para justificar. Parece não haver grandeza na conciliação à esquerda. A preferencia é sempre virar a direita, e disso que falo. E gente como o Dirceu que ocupou posto de destaque dentro do seu partido preferiu flertar com o golpe que hoje ele acusa.

    Mário SF Alves

    10 de novembro de 2012 às 22h52

    Marcelo, desculpe invadir seu espaço de tréplica. Mas, em relação às objeções do Silveira, a pergunta é: podia ter sido diferente? E como?

    Bonifa

    09 de novembro de 2012 às 11h27

    Se ele não fizesse isso, ou quase isso, o PSDB estaria eternizado no poder, estaríamos recebendo migalhas do FMI no canto mais escuro da crise, o Nordeste estaria em desespero esperando caminhões para levarem seu povo para Rondônia, e o PT estaria bem feliz em sua intocável integridade política e sua cota de 25% de votos para esbravejar e fazer de conta que tinhamos plena democracia.

    Julio Silveira

    09 de novembro de 2012 às 11h48

    Isso é o que voce acredita. Eu não acredito nisso, até por que o PT cresceu com a provocação do questionamento das diferenças éticas e morais da direita inclusive na forma de fazer politica. Não seja ingenuo meu caro. Todas as politicas implantadas pelo PT com viés esquerdista ou foi abondonada ou descaracterizada para agradar a direita. Basta lembrar, para quem quer se lembrar, do Orçamento Participativo de POA, esse é apenas um exemplo de quando o PT precisava de diferenças para crescer.
    Meu caro, eu vivo no mundo observando, não a passeio. E do jeito que vejo as coisas cada vez mais me orgulho de não ser porta voz de voz que não seja as minha.

    Mário SF Alves

    09 de novembro de 2012 às 14h01

    É nisso que eu também acredito, prezado Bonifa. O resto é blá-blá-blá, diversionismo e/ou retórica terceiro-mundista PiG-demo-tucano.

Donizeti - SP

09 de novembro de 2012 às 10h23

No campo do direito e processo penal vigora o princípio processual da “busca da verdade real”, em contraposição a prevalencia do “princípio da verdade formal” no processo civil.

Isso significa que para condenar alguém num processo penal, o juíz deve buscar a verdade real dos fatos, só condenar com base em provas cabais e robustas presentes nos autos processuais, nunca pode condenar com base em teses, ilações, suposições, pois o bem tutelado pelo direito penal é um bem indisponível, a liberdade do ser humano, só mais importantre que a própria vida da pessoa.

No direito processual civil, vigora o “princípio da verdade formal”, porisso que se o cidadão não contestar, não se defender através de advogado constituido numa ação civil, ele é considerado réu revel, isto é, tudo que o autor afirmou na ação civil contra o réu se torna uma “verdade formal” para o juíz no processo e pode ser base de condenação do réu, pois o direito patrimonial objeto de uma ação civil é considerado bem juridicamente disponível, ao contrário do bem protegido pelo direito penal, que é um bem indisponível, a liberdade dos cidadãos e porisso qualquer condenação criminal deve ter como base prova inquestionável da práticaz do crime ou liciito penal e constante dos autos processuais.

Porisso o estranhamento do STF estar condenando cidadãos a penas privativas de liberdade com base em ilações, teses e indícios, isso vai contra toda a lógica e embasamento doutrinário do arcabouço jurídico da nação brasileira.

Sou Advogado e todos que trabalham no campo jurídico conhecem o que afirmo acima, porisso a perplexidade da classe jurídica se manter silente quanto a tão graves violações de princípios jurídicos e da legislação do nosso país praticados justamente pela corte suprema do país.

Não tem outra explicação para isso que a instalação na nação da Justiça ” 4Ps, para pobres, pretos, prostitutas e agora petistas.”

Responder

    Donizeti - SP

    09 de novembro de 2012 às 10h27

    corrigindo erro de digitação no post supra,… prática do crime ou ilícito penal constante dos autos processuais.

Marcelo de Matos

09 de novembro de 2012 às 09h53

As forças ocultas, ou, a força da grana. Diz o UOL que 60% da doação a vereadores em São Paulo é oculta: “As campanhas dos vereadores eleitos para a Câmara Municipal de São Paulo foram financiadas majoritariamente por doações ocultas. Dos R$ 46,8 milhões declarados à Justiça Eleitoral até ontem, R$ 27,8 milhões (60%) foram repassados aos candidatos pelos partidos, o que impede a identificação do doador original do dinheiro. A prática, que não é ilegal, é usada por empresas e pessoas físicas que não querem ter seu nome diretamente associado às campanhas. O PT, que elegeu a maior bancada da Casa com 11 vereadores, e o DEM, que fez dois representantes, foram os partidos que mais abasteceram suas candidaturas com doações ocultas. PS do MM: acho que o UOL está fazendo tempestade em copo d’água. A turma apenas antecipou a brincadeirinha do amigo oculto.

Responder

Jose Mario HRP

09 de novembro de 2012 às 09h51

Gurgel e Barbozão após reunião na tarde de ontem , estudam após o indiciamento de Lula, e seu encarceramento, usando da teoria do dominio do fato, indiciar e processar Jesus Cristo e lá em cima Deus!
Eles sabiam e nada fizeram!
JUSTIÇA CELESTIAL!
LÓGICA PURA!
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK……..
Nosso país não consegue parar de ser RIDÍCULO!

Responder

    fernando

    09 de novembro de 2012 às 16h24

    huahuahuuha, muito boa observação

    é tragicomédia pura o nosso país..

    sem falar na bolinha de papel do serra, repercussão nacional no mais isento telejornal do brasil o “jornal nacional” da isenta , imparcial tv globo.

    renato

    09 de novembro de 2012 às 19h55

    Fico chocado quando usam o nome de JC e God, acho que fui
    criado assim, não podia falar..a toa.
    Mas é isto aí.
    Já que a Verdade me Fo.e.
    Foge.

José Antônio P Pereira

09 de novembro de 2012 às 09h26

Quero manifestar a minha total solidariedade ao José Dirceu e aos demais réus da Ação Penal 470. Realmente no Brasil, cadeia é só para pobre… e petistas. O Ministro Gilmar Mendes do STF, concedeu Habeas Corpus ao médico ROGER ABDELMASSIH, quando o mesmo já estava condenado a 278 anos de cadeia, por Estupro de 37 mulheres. E a Globo, não deu a menor repercussão ao fato. O povo precisa ir às ruas contra a tirania vitalícia dos Ministros do STF. A Justiça não pode ter dois pesos e duas medidas.

Responder

Donizeti - SP

09 de novembro de 2012 às 09h17

Sou Advogado e estou indignado com as atitudes do relator e decisões do STF no julgamento dessa ação do mensalão.

Quase tudo que aprendi na faculdade de Direito, dos princípios e garantias processuais penais e garantias individuais, do juíz não poder falar fora dos autos e não pré-julgar a ação; condenar apenas com base em provas sólidas no direito penal, na dúvida aplicar o” in dúbio pro-réu”; do contraditório e da ampla defesa; julgar de forma técnica isento de paixões; etc.., todos foram simplesmente jogados na lata de lixo pela maioria dos ministros no afã de condenar os réus, o que justifica isso, se estamos em pleno regime democrático e sob as garantias do Estado de DIREITO ?

Na minha modesta opinião, o ministro Barbosa é despreparado emocional e técnicamente para dirigir um julgamento de tal simbologia, parece dirigido pelos holofotes da mídia e com sua impetuosidade com certeza vai acabar provocando um choque ou crise institucional entre o judiciário e o executivo, suas decisões e posturas beiram as raias do paroxismo, não tem antecedentes num regime democrático, denotam puro arbítrio.

Fecho com o José Dirceu nesta manifestação e indignação, afinal ninguém encarna o Estado, todos devem respeitar as instituições, inclusive e principalmente o STF e seus ministros, o arbítrio não pode ser aceito, venha de onde vier, se ontem vinha dos gabinetes dos ditadores de plantão (e contra isso lutava Dirceu) e hoje são proferidas por uma pessoa completamente sem noção do cargo que ocupa e do momento histórico que vivemos e uma corte igualmente atabalhoada, isso tem que ser denunciado, Barbosa está se comportando como um verdadeiro déspota, ou se faz a minha vontade, ou mando para o cadafalso.

Peraí, ao que me consta não estamos na idade média ou na fase do renascimento europeu, quando predominavam os dirigentes chamados de ” déspotas esclarecidos “, isso foi há muito superado pela chamada revolução burguesa, que lutando contra os desmandos e privilégios da classe aristocrática lançaram as bases do chamado Estado Liberal, que hoje evoluiu para o ESTADO DE DIREITO.

Em qual fase da história ou da involução histórica as decisões personalistas do relator e demais ministros do STF querem jogar o Brasil ?

Responder

    Marcelo de Matos

    09 de novembro de 2012 às 11h38

    Apoiado. Barbosa deveria ser impedido de assumir a presidência do STF. Como disse seu colega Marco Aurélio ele é “um metal entre cristais”, quando deveria servir de algodão. Cristais à parte, o Barbosa não tem mesmo controle emocional. Joga para a torcida e a mídia e com suas constantes rixas com colegas de qualquer postura ideológica, se assim podemos dizer, desgasta ainda mais a instituição, já abalada por sua docilidade em ser, supostamente, pauteada pelo PIG. Frei Betto, se de fato foi ele quem sugeriu o Barbosa ao Lula, pode ser um excelente consultor espiritual, mas, na área de recursos humanos é melhor que ele não se aventure mais.

Opus Dei

09 de novembro de 2012 às 09h05

Hoje herói da mídia, Barbosa foi vilão para blogueiro de Veja

Matéria completa no vermelho: http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=198474&id_secao=6

“Em 2009, o blogueiro Reinaldo Azevedo, da Veja.com, escreveu que Joaquim Barbosa submeteu as instituições públicas ao vexame, com sua conduta “incompatível com o Supremo, com a democracia e com o Estado de direito”; o que mudou de lá pra cá?

“Saia às ruas, ministro Gilmar. Vossa Excelência está destruindo a credibilidade do Judiciário brasileiro”. Com essas palavras, Joaquim Barbosa, que está prestes a assumir a presidência do Supremo Tribunal Federal e o comando do Poder Judiciário, agrediu o ministro Gilmar Mendes num embate ocorrido em 2009.

À época, o blogueiro Reinaldo Azevedo escreveu que a conduta de Barbosa é “incompatível com o Supremo, com a democracia e com o estado de direito”. Como hoje a conduta de Barbosa – que continua a mesma – se dirige a adversários políticos do grupo ao qual Reinaldo pertence, Barbosa foi convertido em herói justiceiro.

Mas não é demais relembrar as palavras de Reinaldo Azevedo em relação ao ministro:

Elogios à atuação de Barbosa aqui??? Nem pensar!!!

É inútil entrar no meu blog para tentar defender Joaquim Barbosa. Inútil porque os comentários serão eliminados. Não flerto com quem desrespeita as instituições. Não endosso atuações destrambelhadas. Não vou engordar a área de comentários com o papo-furado da canalha que tem seus próprios blogs. A fala de Joaquim Barbosa é incompatível com o Supremo, com a democracia e com o estado de direito. Um ministro do Supremo não acusa sem provas nem submete as instituições ao vexame.

Aqui não passa!

Que essa gente vá procurar sua turma!”

Como podemos notar, o melhor dessa
piada é o trecho em que o Reinaldo Azevedo diz: “”Um ministro do Supremo não acusa sem provas nem submete as instituições ao vexame”.

Azevedo, não foi só um ministro que acusou sem provas e submeteu a suprema corte ao vexame durante o julgamento do “mensalão”: foram quase todos, meu amor, quase todos.

Responder

FrancoAtirador

09 de novembro de 2012 às 09h02

.
.
A caça aos passaportes e o macartismo à brasileira

Blog das Frases – Carta Maior

O ministro Joaquim Barbosa determinou aos 25 réus condenados no processo do chamado ‘mensalão’ que entreguem seus passaportes no prazo de 24 horas, a partir desta 4ª-feira.
A alegada medida ‘cautelar’ está prevista em lei para determinados casos, como informou Carta Maior em reportagem de Nadja Passos (http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=21227).

Neste, porém, a decisão vem contaminada de um ingrediente que orientou todo o julgamento da Ação Penal 470 e lubrificou a parceria desfrutável entre a toga e a mídia.

Trata-se da afronta ao princípio básico da presunção da inocência, esquartejado em nome de uma panaceia complacente denominada ‘domínio de fato’. Ou , ‘o que eu acho que aconteceu doravante será a lei’.

A caça aos passaportes sem que se tenha esboçado qualquer disposição de fuga (apenas um dos 25 réus ausentou-se do país antes do seu julgamento e, ao contrário, retornou a ele antes de ser condenado) adiciona a essa espiral um acicate político.

Trata-se de uma aguilhoada nos réus que formam o núcleo dirigente do PT, com o objetivo explícito de joga-los contra a opinião pública, justamente por manifestarem críticas à natureza do processo.

A represália é admitida explicitamente. Segundo o relator Joaquim Barbosa, os réus estariam “afrontando” a corte ao questionar suas decisões.

O revide inusitado vem adicionar mais uma demão à fosforescente tintura política de um processo, desde o seu início ordenado por heterodoxias sublinhadas pelo revisor Ricardo Lewandowski.

O propósito de provocar a execração pública com a caça aos passaportes, remete a um método que se notabilizou em um dos mais sombrios episódios da democracia norte-americana: o macartismo.

O movimento da caça aos comunistas no EUA, nos anos 50, embebia-se de um contexto de violência gerado pela guerra fria, mas aperfeiçoaria suas próprias turquesas nessa habilidade manipuladora.

O senador republicano Joseph Raymond McCarthy, seu líder, tornou-se um virtuose na arte letal de condenar suspeitos, liderando uma habilidosa engrenagem de manipulação da opinião pública, coagida pelo medo a aplaudir linchamentos antes de se informar.

McCarthy teve uma vida cheia de dificuldades até se tornar a grande vedete da mídia conservadora, cujo endosso foi decisivo para se tornar a estrela mais reluzente da Guerra Fria.

Sem a mídia, os excessos e ilegalidades dos seus métodos não teriam atingido um ponto de convulsão coletiva, forte o suficiente para promover a baldeação do pânico em endosso à epidemia de delatar, perseguir, acuar e condenar — independente das provas e muitas vezes contra elas.

McCarthy, nasceu no estado do Wisconsin, no seio de uma família muito pobre de trabalhadores rurais. Estudou num estábulo improvisado em sala de aula. Sua infância foi de trabalhador braçal em granjas.

Quando pode mudou-se para a cidade, fazendo bicos de toda sorte para sobreviver. No ambiente de salve-se quem puder produzido pelo colapso de 29, era um desesperado nadando sozinho para não se afogar no desespero da Nação.

Sem submergir, recuperou o tempo perdido em um curso de madureza que lhe adiantou quatro anos em um. Tornou-se advogado em 1936. Três anos depois, lutando sempre para não afundar, foi aprovado em um concurso como juiz; ingressou no Partido Republicano que o conduziria ao Senado, em 1946.

Ascendeu de forma aplicada e disciplinada, disposto a não regredir jamais à condição de origem. Aproveitando-se das relações partidárias aproximou-se do chefe do FBI, Herbert Hoover, pegando carona na causa anti-comunista que identificou como uma oportunidade em ascensão.

O resto é sabido.

Em dueto carnal com a mídia extremista, passou a liderar o Comitê de Atividades Anti-Americanas no Congresso. Desse promontório incontestável no ambiente polarizado da época, disparou sem parar a guilhotina anti-comunista.

Tornou-se um simulacro de Robespierre da ordem capitalista ameaçada pelo urso vermelho. Pelo menos era assim que vendia seu peixe exclamativo.

O arsenal do terror atingia todo o ambiente da sociedade. Mas foi sobretudo nos meio artístico e intelectual que o garrote vil implantou a asfixia das suspeição generalizada, em cujo caldeirão fervia o ácido corrosivo das perseguições, a coação insuportável não raro deflagradora de episódios deprimentes de delações.

As provas eram um adereço secundário no espetáculo em que se locupletavam jornais e oportunistas de toda sorte.

Nem era necessário levar os suspeitos aos tribunais. O método da saturação combinava denúncias com a execração pública automática. Num ambiente de suspeição generalizada o efeito era eficaz e destrutivo.

A condenação antecipada encarcerava os denunciados numa lista negra que conduzia a uma prisão moral feita de alijamento social, político e profissional. Frequentemente levava a um isolamento pior que as grades da penitenciária.

A ruptura da identidade levava a uma morte em vida. Algus preferiram o suicídio ao martírio zumbi.

MacCarthy morreu em maio de 1958, desmoralizado por um jornalista conservador, mas sofisticado e corajoso, que resolveu afrontar seus métodos e arguir casos concretos de arbitrariedade.

Edward Murrow, cujo embate político com McCarthy inspirou o filme ‘Boa Noite e Boa Sorte’, tinha um programa na internet de então, a TV em fraldas.

No seu See it now, ele colhia provas de casos concretos de injustiça e esgrimia argumentos sólidos contra o denuncismo macartista. Não recuou ao ser colocado na lista negra e trincou blindagem do caçador de comunista, a ponto de levá-lo a ser admoestado pelo Senado.

Em um confronto decisivo, Murrow emparedou o consenso em torno de McCarthy: ‘Se todos aqueles que se opõem ou criticam seus métodos são comunistas – e se isso for verdade – então, senador MacCarthy, este país está coalhado de comunistas!’

O Brasil não é os EUA da guerra fria, nem está submetido a comandos de caça aos comunistas, como já esteve sob a ditadura militar contra a qual alguns dos principais réus da Ação Penal 470 lutaram, com risco de vida.

Certa sofreguidão condenatória, porém, ecoada de instâncias e autoridades que deveriam primar pela isenção e o apego às provas e, sobretudo, as sinergias entre a lógica da execração pública e o dispositivo midiático conservador –que populariza o excesso como virtude– bafejam ares de um macartismo à brasileira nos dias que correm.

Foi o que disse com argúcia o jornalista, professor e escritor Bernardo Kucinski, autor do premiado ‘K’, a angustiante romaria de um pai em busca da filha nos labirintos da ditadura militar brasileira:

“Estamos assistindo ao surgimento de um macartismo à brasileira. A Ação Penal 470 transformou-se em um julgamento político contra o PT. O que se acusa como crime são as mesmas práticas reputadas apenas como ilícito eleitoral quando se trata do PSDB, que desfruta de todos os atenuantes daí decorrentes. É indecoroso. São absolutamente idênticas. Só as distingue o tratamento político diferenciado do STF, que alimenta assim a espiral macartista.

O mesmo viés se insinua com relação à mídia progressista. A publicidade federal quando dirigida a ela é catalogada pelo macartismo brasileiro como suspeita e ilegítima. Dá-se a isso ares de grave denúncia. Quando é destinada à mídia conservadora, trata-se como norma.

O governo erra ao se render a esse ardil. Deveria, ao contrário, definir políticas explícitas de apoio e incentivo aos veículos que ampliam a pluralidade de visões da sociedade brasileira sobre ela mesma. Sufocar economicamente e segregar politicamente a imprensa alternativa é abrir espaço ao macartismo à brasileira”.

Postado por Saul Leblon

http://www.cartamaior.com.br/templates/postMostrar.cfm?blog_id=6&post_id=1134

Responder

José Ricardo Romero

09 de novembro de 2012 às 09h02

Wood Allen conta a seguinte piada: um sujeito estava tão apaixonado por uma corista que todas as noites ia ao teatro e ficava num camarote o mais próximo do palco. Uma noite ele se entusiasmou tanto ao ver a corista que caiu no palco. Diante do ridículo e para mostrar que aquilo era normal, todas as noites no mesmo momento ele se lançava do camarote ao palco.
Este comportamento do STF se espelha nesta piada. Os juízes apertam, gritam, insultam cada vez mais para mostrar que têm razão. Esquecem-se de que o judiciário não é a história e que as pessoas vêm, analisam e têm senso crítico. Todos estes acontecimentos estão registrados nas minúcias, caras e bocas e à disposição de qualquer um. Os juízes estão nus e suas biografias em aberto, mesmo aqueles que se aposentam. Os juízes, pessoalmente, são as suas ações, mesmo que racionalizem e contem essa lorota de que estão trabalhando. Os traficantes, contrabandistas, mercenários, carrascos também dizem que estão trabalhando. Os políticos condenados têm biografia assim como o governo tem a sua história. Comparações são feitas e conclusões são tiradas. Os juízes se esquecem de que o destino dos traidores é o desprezo daqueles a quem serviram e o ódio dos que foram traídos.
Joaquim Barbosa assume a presidência do STF, o mesmo que disse (está registrado em vídeo, Sr. Joaquim) que ali, no tribunal, não têm que dar satisfações a ninguém! O que terá que ser feito para parar com essa ignomínia e esse ataque ensandecido aos direitos humanos e à democracia?

Responder

    Giordano

    09 de novembro de 2012 às 11h21

    Você está certo, José Ricardo. Há dias eu procurava um termo para caracterizar o comportamento da maioria dos membros do STF. E você foi certeiro. Vê-se nos votos, nos comentários sarcásticos, que, na verdade, os ministros esmeram-se em encontrar os mais sórdidos adjetivos para INSULTAR os acusados. Até parece que eles não têm interesse em fundamentar seus votos e opiniões, mas sim exibir-se para as câmeras da televisão e a mídia golpista conservadora. Onde já se viu isso?

Rodrigo Leme

09 de novembro de 2012 às 09h00

Zé Dirceu deveria ficar tranqüilo. Como bandido, ele está recebendo um tratamento melhor que a média da categoria. Se bobear, não passa um dia sequer na prisão, com recursos, reduções de pena e afins.

Levante as mãos pro céu, entrega o passaporte e deixa de mimimi.

Responder

    Luiz (o outro)

    09 de novembro de 2012 às 10h07

    Os verdadeiros bandidos estão soltos e pagando trollhas para falar bobagens…

    Fernando

    09 de novembro de 2012 às 11h54

    Hiiiiii,Rodrigo Leme, já tem algum tempo que não via postagens deste tucano.
    No alto do seu saber, dá conselho ao Jose Dirceu, tem sentido.
    Qual o conselho que dás para o chefe que está inseriso no livro Privataria Tucana. Vai encontrar mais de cem documentos, em que o seu lider, desculpe ex-lider (já morreu politicamente) Serra está inserido.
    Está precisando de muitos conselhos.

    Rodrigo Leme

    09 de novembro de 2012 às 13h10

    Cadeia pra quem for bandido, seja Dirceu, Serra, Azeredo, Bafo de Onça, lex Luthor. Essa é minha regra.

    A sua é “depende do bandido”. Se for dos seus, pega leve.

    E eu acho cada vez mais engraçado as sugestões de que sou seguidor / admirador / empregado do Serra. Mostra que as pessoas não lêem o que escrevo, só babam, loucas para rotular e falar bobagem.

    Gildo Araújo

    23 de novembro de 2012 às 03h10

    Prezado Fernando, qual o conselho que dás para o chefe que está inserido no livro “O Chefe”. Fala sério!

    Mário SF Alves

    09 de novembro de 2012 às 14h12

    Não fosse pelo idealismo democrático esse “bandido”, ao qual você se referiu, estaria multibilionário; não fosse pela utopia democrática eu o estaria chamando de alienado ou covarde.

    Rodrigo Leme

    12 de novembro de 2012 às 09h53

    Covarde é quem não se levanta contra esquema corrupto. Quem se omite frente a uma fidelidade partidária.

Diogo Anderson

09 de novembro de 2012 às 08h35

Neste caso, sou contrário à opinião do José Dirceu.

Acho que o STF deve evitar novos Cacciolas e Abdelmassihs. Em um mundo globalizado, como o nosso, ninguém precisa sair do país para se defender em lugar algum do mundo.

Responder

Mailson

09 de novembro de 2012 às 07h48

A VIOLÊNCIA QUE A BAND-NEWS NÃO VÊ, A FOLHA VIU

Em mais um noite violenta, SP tem chacina e total de 11 mortos

DEH OLIVEIRA
MARTHA ALVES
DE SÃO PAULO

Em 09/11/2012

“Uma chacina com quatro mortos, mais sete assassinatos, além de sete baleados foi o saldo de uma das noites mais violentas na Grande São Paulo nos últimos dias. Um ônibus também foi incendiado e o cobrador ficou ferido”.

E tudo sob o olhar complacente do Opus Dei.

Responder

Gerson Carneiro

09 de novembro de 2012 às 07h33

Ao STF
A/C de Vossa Excelência, Joaquim Barbosa.

Responder

    Marcelo de Matos

    09 de novembro de 2012 às 11h58

    Eco! Esse uísque é ruim pra cacete. Antigamente eu gostava de ir bebericando, em pequenos goles, um uísque sem gelo. Não se tratava, nem se trata porque às vezes tenho uma recaída, de uísque caubói. É sem gelo, mas, não é para virar de uma talagada só. Sugiro que mande ao Barbosa algo um pouco melhor: um Red Label, por exemplo. Deve ser bom para as dores na coluna. Não se trata de suborno, nem corrupção passiva, suponho, o recebimento de pequenos mimos.

    Marcelo de Matos

    09 de novembro de 2012 às 12h02

    Em tempo: desculpe, eu não tinha entendido o trocadilho.

Gerson Carneiro

09 de novembro de 2012 às 07h27

O mais tonto dos mais espertos, ou o mais esperto dos mais tontos, se quiser fugir do Brasil sem a necessidade de passaporte, é só ir para o Paraguai, Uruguai, ou qualquer país fronteiriço.

O cantor Lobão, em 1988, fugiu para Los angeles dessa forma. Por sinal, também de uma condenação injusta, fundamentada em uma denúncia da revista Veja.

Ademais, se o Lula quiser, ele manda Genoino e Dirceu para Cuba em uma caixa de whisky. Passaporte pra quê?

Joaquim Barbosa virou o bobo da Corte.

Responder

    Willian

    09 de novembro de 2012 às 11h50

    Sim, uma atitude destas do Lula seria do tamanho da moral petista.

    Marcelo de Matos

    09 de novembro de 2012 às 12h01

    Em uma caixa de uísque Passaporte?

    Mário SF Alves

    09 de novembro de 2012 às 17h15

    Ele sabe. Sabe com quem ele está lidando. Mas, é como disse o Zé Dirceu: o Barbosão joga pra plateia; faz populismo jurídico. É o resultado da convivência com o PiG. Deu nisso. Só que já está indo longe demais.
    ___________________________________

    Chega de análises; basta de conclusões. É hora de ação estratégica, e uma delas é a filiação em massa. Especialmente no PT. É hora da população se politizar. Comecemos por aí, e vamos ver se já seria o suficiente.

Eliseu Abrantes

09 de novembro de 2012 às 07h22

Sr. Joaquim Barbosa, você só sera o queridinho da casa grande enquanto estiver com este apetite de ferrar os quatro “p” PRETO, POBRE, PUTA E PETISTAS ainda veremos você sendo descartado quando o estoque de acusações contra os quatro “P” ACABAREM.

Responder

    Fernando

    09 de novembro de 2012 às 12h03

    Assim sendo Eliseu, o J Benedito Barbosa condenando os 4 Ps, vai colocar os seus na prisão. E pensei que ele defendia a Sanzala de onde ele é oriundo.
    Tenho um amigo que tem bronca de ser negro, será que o JBB pensa da mesma forma?
    Para quem de periclita para a Casa Grande, tem sentido.
    Frei Beto, Thomas Bastos, Palocci e outros, que decepção suas indicações, o Lula confiou nos amigos e se….

    Felipe

    09 de novembro de 2012 às 16h24

    Agora esse “blog” deu até pra publicar comentário racista, é isso?

Taiguara

09 de novembro de 2012 às 06h08

O Joaquim Barbosa denigre o STF com esse seu “malabarismo de farol”.

Responder

ricardo silveira

09 de novembro de 2012 às 04h38

Esse ministro Joaquim está se mostrando um desequibrado, sem a mínima condição de ser ministro do STF. Suas manifestações quando contrariado por qualquer ministro são despropositadas e fica a clara impressão que tem por objetivo jogar para a mídia. É um absurdo a vida das pessoas ficar na mão desse sujeito.

Responder

    Gildo Araújo

    23 de novembro de 2012 às 03h15

    Prezado Ricardo Silveira, a culpa é do Lula. Fala sério!

Notívago

09 de novembro de 2012 às 03h03

Tem que mostrar que não é doido.

Vendo os juízes do supremo calcular as penas dos réus do mensalão (do PT), fica claro que cada juíz indicado para ocupar um cargo de importância na hierarquia do judiciário tem que passar por um teste psicotécnico. Daqueles que todo cidadão brasileiro precisava antigamente fazer nos detrans da vida para obter uma carteira de habilitação.

Em tempo: o teste era para verificar se o cidadão não era doido.

Responder

Francisco

09 de novembro de 2012 às 01h55

Interessante é que ninguém pediu passaporte nem de Cacciola, nem de Abdelmassih…

Nem antes de terminar o julgamento, nem depois da sentença e nem depois de fugirem pelo aeroporto…

Responder

    Gildo Araújo

    23 de novembro de 2012 às 03h17

    Ainda bem que agora resolveram fazer o certo. Fala sério!

sandro

09 de novembro de 2012 às 01h13

As vêzes penso que tudo isso faz parte de um grande acordo para evitar
algo bem pior que se esconde nos meandros do instituto millenium e parte
(isso mesmo..parte) do pig.No voto parece que esta ficando cada vez mais
dificil deles voltarem .Chavez de reelegeu ,Obama permanece?? Pegar o Lula? Não são loucos. Tá estranho isso, e não é realismo fantástico

Responder

Geysa Guimarães

09 de novembro de 2012 às 00h49

A bem da verdade, não sou simpatizante ardorosa de Zé Dirceu.
Até participo de seu blog – quando ele não me veta, como acaba de fazer em matéria sobre Aloysio Nunes – , embora eu tenha dele uma imagem pedante.
Mas ele está ABSOLUTAMENTE certo. E louvo sua coragem diante da “guilhotina suprema”.

Responder

Messias Franca de Macedo

09 de novembro de 2012 às 00h32

[Lula é o alvo]
Por que a PGR esconde os nomes ligados ao PSDB?

em http://www.rodrigovianna.com.br/plenos-poderes/lula-e-o-alvo-por-que-a-procuradoria-esconde-os-nomes-de-politicos-ligados-ao-psdb.html#comment-82193

TENTATIVA DE RESPOSTA, DIGAMOS, ‘PLAUSÍVEL’!: porque os tucanosDEMoníacos da Ação Penal 536, nascedouro do ‘Valerioduto’, são ‘inimputáveis’, segundo ‘o domínio do fato’ dos inclementes e inovadores seletivos (sic) “supremos do supremoTF”!…

Que país é este, sô?!…

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

silvia macedo

08 de novembro de 2012 às 23h49

Muito bem, Dirceu! Gostei demais da sua indignação. Você tem o apoio de muitos.

Responder

sandro

08 de novembro de 2012 às 23h47

Eles estão chegando no limite da provocação.Como estão ganhando mas
não estão levando (e nem vão levar) logo vão apelar para praticas mais
contundentes , é ai que vão dançar. Quem viver verá,não tardará,e tudo
dentro da lei.

Responder

Fabio Passos

08 de novembro de 2012 às 23h35

Toda solidariedade a José Dirceu, herói do povo brasileiro, condenado por um tribunal de golpistas togados.

Dirceu tem todo o direito de se manifestar.

E o recurso a censura de joaquim barbosa só mostra o quão arrogante e prepotente é o bonequinho “batman” do PiG.

Responder

    LEANDRO

    09 de novembro de 2012 às 07h24

    Só se for herói seu porque do povo não é mesmo. Ande nas ruas e pergunte o que o povo acha dessa figura e você viu alguma manifestação de apoio a ele? Até o lula quer distância.

    “Lula pede para que PT não divulgue nota em defesa de mensaleiros”

    Gildo Araújo

    23 de novembro de 2012 às 03h21

    Um tribunal de golpistas togados, em sua grande maioria nomeada por Lula da Silva.

    Ueba! Já temos o culpado.

    Fala sério!

Fabio Passos

08 de novembro de 2012 às 23h29

joaquim barbosa está cada vez mais parecido com os cães de aluguel do PiG.

E agora pensa que pode censurar quem faz críticas ao seu péssimo comportamento?

O boneco da “elite” branca e rica que se acostume.
Entrou para a história como um serviçal da casa grande.

Responder

lulipe

08 de novembro de 2012 às 22h57

É bom ficar de olho nas Embaixadas de Cuba e da Venezuela!!!

Responder

    sandro

    08 de novembro de 2012 às 23h41

    Quem?
    O Joaquim Barbosa??

    jd

    09 de novembro de 2012 às 09h01

    Melhor ficar de olho na embaixada dos EUA:

    http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=198471&id_secao=7

    Willian

    09 de novembro de 2012 às 09h06

    É mentira que o embaixador dos EUA aumentará sua segurança pessoal caso José Dirceu vá para a cadeia. Segundo fontes ligadas à CIA, não se vislumbra novo sequestro de embaixador para libertá-lo, afinal os tempos são outros.

    Ulisses

    09 de novembro de 2012 às 09h51

    Por que só Cuba ou Venezuela? Por que não Mónaco, onde foi o foragido do banqueiro Cacciola após o Habeas corpus dado de mão beijada e com sugestão “fuja amigo” do Juiz Mello? Ou Beirute onde foi também o médico estuprador Abdelmassih? Só direita raivosa pode ir para estes lugares?

    lulipe

    09 de novembro de 2012 às 11h45

    Sua perspicácia me espanta, caro Ulisses…Não é por acaso que escreve tanta “pérola”!!!


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.