VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

CUT: PL da terceirização é ataque ao trabalho decente


23/11/2012 - 01h17

Trabalhadores acompanham audiência sobre o projeto de lei 4.300/04, que amplia terceirização

 por Marize Muniz e Luiz Carvalho, do site da CUT 

 Em audiência pública na manhã desta quinta-feira (22), na Câmara dos Deputados, a Central Única dos Trabalhadores reafirmou ser contrária ao Projeto de Lei 4.330/04, de autoria do deputado federal Sandro Mabel (PMDB-GO), com substitutivo de Roberto Santiago (PSD-SP).

O debate foi convocado pelo deputado Ricardo Berzoini (PT-SP), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), última instância pela qual o PL passará antes de ir à votação no plenário.

Representada pelo presidente Vagner Freitas, a CUT destacou que o projeto joga a favor da precarização. O texto inicial de Mabel permitia a terceirização no setor público e também nas atividades-fim (principais) do setor privado, algo atualmente proibido pela legislação trabalhista.

Para remediar, em seu substitutivo, Santiago inseriu a obrigação de a terceirizada ser uma “empresa especializada”, voltada à uma única atividade, mas, manteve o ataque aos conceitos de atividades fim, permitindo que um mesmo empresário comande diversas prestadoras de serviço.

Outro ponto mantido no projeto e com o qual a CUT não concorda é a responsabilidade subsidiária. De acordo com o termo, a empresa contratante está livre de qualquer responsabilidade ou fiscalização sobre as condições do trabalhador terceirizado, caso a contratada frequentemente apresente determinadas informações trabalhistas. O grupo de trabalho (GT) da Central criado para discutir o tema exige que a contratante seja responsável por qualquer ataque aos direitos de seus empregados.

Recado ao mundo

“Qual o recado que o Brasil vai dar ao mundo? O de que somos um país em desenvolvimento, que respeita o direito do trabalhador, a organização sindical, o trabalho decente, tão importantes para o ambiente concorrencial, ou de retrocesso?”, questionou Vagner Freitas, durante sua intervenção.

Para o dirigente, a regulamentação da terceirização no país deve ter como princípio a igualdade de direitos entre contratados diretos e terceirizados.

Ele comentou ainda que a terceirização não acompanha a ideia de melhorar o serviço prestado, mas apenas de diminuir o custo com a mão de obra, trazendo junto a precarização.

“Além de prejudicar o trabalhador e a qualidade do serviço, a terceirização onera o Estado, devido à alta rotatividade, com gastos de seguro-desemprego, do SUS (Sistema Único de Saúde) por conta dos acidentes de trabalho e alimenta a indústria da judicialização”, avaliou o presidente.

Segundo Freitas, por trás da proposta há a intenção de fragilizar as organizações sindicais.

“O Sandro Mabel foi infeliz ao propor o tema, ele quer simplesmente é acabar com as categorias organizadas e cria um mercado informal legal, como na época do Fernando Henrique Cardoso. Por isso, o PL 4.330 não tem concordância da CUT, da CTB, da Nova Central e de muitos setores da Força Sindical e da UGT. O PL inverte a lógica da normalidade democrática e essa Casa tem o dever de não permitir que isso aconteça porque não contribui com o desenvolvimento com Justiça social, do trabalho decente e da distribuição de renda que queremos para o Brasil.”

Também presente na audiência, o secretário de Organização da Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf), Miguel Pereira, disse que se o projeto de lei passar, teremos o caminho aberto para a concentração de renda.

“As empresas estarão confortáveis, dentro da lei, para substituir os contrados diretos por terceirizados e diminuir salários. Não adianta termos uma grande economia se for injusta e com concentração de renda.”

Maior jornada, mais mortes

Segundo uma pesquisa da CUT e do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), divulgada em setembro do ano passado, a terceirização é responsável por gerar menos empregos, porque os terceirizados trabalham, em média, três horas a mais que os demais trabalhadores, sem contar hora extra. Assim, realizam tarefas que deveriam exigir novas contratações.

De acordo com o levantamento, mais de 800 mil novas vagas deixaram de ser criadas por conta das terceirizações.

Ainda conforme o estudo, os salários dos terceirizados é 27,1% menor do que os salários dos contratados diretos, Em relação à rotatividade, os terceirizados permanecem 2,6 anos na empresa empregadora, contra 5,8 anos dos contratados diretos.

Um dos dados mais graves trata dos acidentes no ambiente de trabalho: quatro em cada cinco casos de morte atingem os terceirizados.

Empresários acham tudo normal

A gerente de consultoria da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Sylvia Teixeira de Souza, e o presidente do Centro Nacional de Modernização Empresarial, Lívio Gioisa, apontam que a terceirização é mera questão de gestão.

“A terceirização faz parte da organização produtiva das empresas, não tem mais volta”, disse Sylvia.

Já Giosa defende o PL como uma forma de aumentar a competitividade no Brasil.

“O projeto de lei dá segurança jurídica e alimenta os desejos do lado empresarial e dos trabalhadores e dá ao Brasil uma oportunidade de deixar de discutir e se compromissar com qualidade e competitividade.”

Justiça discorda

Para o procurador do Trabalho da 10ª Região, Fábio Cardoso, a locação de mão de obra deve ser combatida e penalizada.

“Esse projeto de lei não vai ser o marco da regulamentação da terceriziação no Brasil”, defendeu.

Vice-presidente da Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho (Anamatra), Paulo Schimidt, evocou a Carta Magna e também acredita que o texto apenas aprofunda a precarização.

“O debate deve ter como parâmetro a Constituição, que determina a proteção à dignidade e à função social do trabalho. Como juiz, vivencio a precarização na forma de terceirização e acredito que realmente precisa de uma regulamentação, de limites, e a PL, como está, não dá conta disso.”

Com Artur Maia, sem esperança

Relator do projeto no CCJ, o deputado Artur Maia (PMDB) ressaltou que está trabalhando para eliminar conceitos jurídicos que sejam vagos para evitar dubiedade na interpretação e insegurança jurídica. Mas, deu um banho de água fria em quem acreditava num texto favorável ao trabalho decente.

Para ele, o projeto de lei não dá conta de regulamentar a terceirização e que não deve haver limite.

“O processo econômico precisa de competitividade e não pode ter amarras”, comentou.

Ele acredita ainda que o PL garante o princípio constitucional da livre iniciativa e da proteção social.

Mantido esse formato de texto, a resposta da CUT será nas ruas, advertiu Vagner Freitas.

“Não vamos aceitar que num ambiente democrático tenhamos um ataque aos direitos que conquistamos com muita luta. Vamos mobilizar nossas bases para derrubar esse projeto de lei.”

 Leia também:

Professores rejeitam nomeação de Cláudia Costin para o MEC

Paulo Moreira Leite: O risco de brincar com a Constituição

Joaquim Barbosa é empossado como presidente do STF

Luiz Fux: “Nós, juízes, não tememos nada nem a ninguém”

Alunos denunciam câmeras espiãs no bandejão; USP diz que são para ‘monitorar fluxo das refeições’

CPI do Cachoeira adia leitura do relatório final

Dr. Rosinha: A ignorância continua

Janio de Freitas: O poder de cassar deputados federais condenados pelo Supremo é da Câmara

Nassif: Relatório da CPI do Cachoeira mostra ligações diretas entre jornalistas e crime organizado





11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Erminia Maricato: A terra urbana permanece refém dos interesses do capital imobiliário « Viomundo – O que você não vê na mídia

26 de novembro de 2012 às 00h29

[…] CUT: PL da terceirização é ataque ao trabalho decente […]

Responder

Urbano

23 de novembro de 2012 às 19h22

Corromper e corromper-se através de serviços contratados a terceiros são bem menos complicados do que através de folha-de-pagamento. Costumeiramente se fala que fica mais barato. Então nessa matemática possível, alguém certamente sifu. De imediato, consigo ver dois: o trabalhador e o governo; e governo decente, claro. Também, com isso não quero dizer que não haja algumas situações em que é necessário terceirizar. Só que os espertalhões querem generalizar. Se se brincar até o faxineiro vai ter que criar uma empresa para poder prestar o seu modesto serviço.

Responder

Urbano

23 de novembro de 2012 às 15h59

O mabel está legislando em causa própria… ou não? Querem porque querem revogar a CLT. Trabalhadores, olho nele… principalmente você que votou nele; está aí a bósnia que fizeste.

Responder

Apavorado por Vírus e Bactérias

23 de novembro de 2012 às 14h11

Além da precarização do trabalho, a terceirização serve aos governos para a corrupção, com seus altos custos. É só investigar.

Responder

Julio Silveira

23 de novembro de 2012 às 13h45

CUTCUTCUT, é tão infantil.
Ainda não percebeu que os adultos que o comanda gostam.
Um exemplo: na saude, um enfermeiro concursado no serviço publico ganha 1/3 do salario de outro que trabalha numa OS, que recebe recursos do governo para se manter.
CUTCUTCUT, abre os olhinhos nene para o tio conferir se voce nasceu perfeito.

Responder

Ildefonso Murillo Seul

23 de novembro de 2012 às 10h41

Esse é um item básico da “cesta de maldades” da cartilha neo-liberal!! Quem votar a favor disso tem que ter o mandato CASSADO!!! ABSURDO!!!

Responder

Professores rejeitam nomeação de Cláudia Costin para o MEC « Viomundo – O que você não vê na mídia

23 de novembro de 2012 às 01h32

[…] CUT: PL da terceirização é ataque ao trabalho decente […]

Responder

edson tadeu

23 de novembro de 2012 às 01h23

esse negocio de tercerizar mao de obra nao estar com nada, isso so faz escravizar o empregado, Ja basta o que FHC fez com o trabalhador com esse papo de mao de obra temporaria, isso so serviu para tirar direitos trabalhistas e que eu espero que aPresidente Dilma ate revogue essa porcaria se é que ainda estar em uso. A mao de obra temporaria que o fhc criou foi para diminuir o impacto no grande numero de desempregados que sua politica economica jogou o Brasi. mais ela é uma afronta as leis trabalhistas por vai de encontro aos direitos do trabalhador.

Responder

    tiago carneiro

    23 de novembro de 2012 às 15h16

    Se FHC fez, a Dilma o fará, uma vez que ela é o FHC de saias, imita tudo que esse grande estadista fez…


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding