VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

PSOL e DEM fazem aliança pela moralidade no Amapá


16/10/2012 - 00h37

15/10/2012 – 19h55
PSOL recebe apoio do DEM em ‘aliança pela moralidade’ em Macapá

FELIPE LUCHETE
, DE SÃO PAULO, na Folha.com

O PSOL ganhou um aliado inusitado na disputa à Prefeitura de Macapá: o candidato da sigla terá o apoio do DEM, rival na esfera nacional.

O vereador Clécio Luís concorre no segundo turno contra o atual prefeito Roberto Góes (PDT). Ele teve 27,89% dos votos válidos no primeiro turno, atrás do candidato à reeleição, com 40,18%.

A campanha de Clécio tem o reforço do colega de partido e senador Randolfe Rodrigues, que ganhou notoriedade com a CPI de Carlinhos Cachoeira. Um dos alvos da comissão foi o ex-senador Demóstenes Torres (ex-DEM).

O democrata e deputado federal Davi Alcolumbre, quarto colocado no primeiro turno, já gravou apoio a Clécio. Embora não haja “coerência pragmática”, diz ele, PSOL e DEM formaram uma “aliança pela moralidade”.

O atual prefeito foi preso em 2010 sob suspeita de fraude em licitações, em operação da Polícia Federal. Góes voltou ao cargo depois de passar dois meses preso.

O senador Randolfe afirma que a aliança foi feita com o ex-candidato Alcolumbre, não com o DEM. Ele diz considerar natural que o PSOL receba apoio de quem é contra uma “facção criminosa” que está à frente de Macapá.

Clécio também tem apoio de líderes do PC do B e do PTB e negocia com PT e PSB.

Para Alberto Góes, da coordenação da campanha do prefeito, a união entre as duas siglas é “um tanto esquizofrênica”. Sobre as acusações, afirma que o prefeito não foi indiciado por nenhum crime.

A Executiva Nacional do PSOL não se manifestou sobre o assunto.

Leia também:

Emiliano José: O pesadelo interminável do urubu

David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais

Bia Barbosa: SIP elege Equador e Argentina como alvos principais

Janio de Freitas: A mentira da mesada de Roberto Jefferson

Comparato: Pretos, pobres, prostitutas e petistas

Rosane Bertotti: Lula e Dilma, muito a desejar na área da comunicação

Altamiro Borges: A SIP vai condenar a censura à Folha Bancária?

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



54 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

denis dias ferreira

17 de outubro de 2012 às 09h54

Diz-se que no Rio o Freixinho gastou uma bom dinheiro na sua campanha. Eu gostaria que algum psoleiro me explicasse de donde veio a grana que financiou a campanha do Marcelito ou quem foi a alma generosa que doou tão generosos fundos à ilustre candidatura da “extrema esquerda”. Será que foi a Providência Divina?

Responder

Carlos

17 de outubro de 2012 às 09h22

Srs(as),

Seguindo o “raciocínio e veredicto brilhantes” emitidos pelo STF, para que essa união esdrúxula (extrema esquerda e direita juntas) pudesse acontecer, só mesmo havendo a compra do apoio. Então, cabe CPI, ação do MPF e julgamento inquisitório no Supremo, com a condenação de todos, certo?

Pôxa, como sou “inteligente”, um “gênio”. Ao invés de estudar Administração de Empresas, deveria ter feito Direito. Como é fácil ser juiz do Supremo.

Responder

Fernando G Trindade

17 de outubro de 2012 às 09h04

1) O que une o PSOL e o DEM em Macapá é o campo do udenismo/elitismo/pseudomoralismo comum a ambos.

2) Por que no Município do Rio os candidatos do DEM e do PSDB (nomes expressivos) tiveram (juntos!) só 4% dos votos?
Porque a base do DEM/PSDB é o eleitorado udenista/elitista/pseudomoralista e o candidato que polarizou essa base foi o Freixo.

3) Diferente é o caso do candidato do PSOL em Belém, Edmilson Rodrigues, que está representando o campo do trabalhismo/populismo. Lá o candidato do udenismo é o Deputado Zenaldo, do PSDB.
Porque o candidato do PT teve só 3% dos votos em Belém? Por que a base eleitora do PT´, trabalhista/populista votou no Edmilson.

Da minha parte, se eleitor no Rio não votaria de jeito nenhum no Freixo, mas gostaria de ser eleitor m Belém para poder votar e fazer campanha para o Edmilson.

Responder

FrancoAtirador

17 de outubro de 2012 às 01h29

.
.
O fundamental é que, em nível nacional, o PSoL, como pretendente a partido de oposição de esquerda no Brasil, não conseguiu se firmar na política de forma independente, isto é, sem deixar de se associar com a direita.

Essa associação do Partido Socialismo e Liberdade (PSoL) com o DEM, em Macapá, é fichinha, diante da irresponsabilidade que foi a de se amancebar, no Congresso Nacional, com as forças retrógradas redundantemente da direita para derrubar o governo Lula.

Sem contar a participação efetiva dos parlamentares do PSoL na votação que derrubou a CPMF, suprimindo abruptamente R$ 40 bilhões da arrecadação federal destinados, na maior parte, ao financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS).
.
.

Responder

Mateus

16 de outubro de 2012 às 23h12

Quero ver o Plinio apontar o dedo agora para os outros partidos.

Responder

Gerson Carneiro

16 de outubro de 2012 às 22h42

Responder

    Gerson Carneiro

    16 de outubro de 2012 às 22h46

    Foto da festa do casamento.

    abolicionista

    17 de outubro de 2012 às 00h02

    Gerson, essa foto diz tudo, mostra bem o lugar do PSOL, ao lado de quem ele atua. Perfeito!

Leirton Leite

16 de outubro de 2012 às 21h48

Publicado no site do PSTU no dia 04/10/2012 o artigo ”’O ESCANDÃLO CACHOEIRA ATINGE O PSOL.”’Um pequeno trecho abaixo:
“”””Direção do PSOL sabia”””

As primeiras denúncias da relação do PSOL com Cachoeira vieram à tona ainda em maio desse ano, quando da divulgação das escutas telefônicas que evidenciavam a compra de apoio político do vereador Elias Vaz, em uma conversa telefônica diretamente com seu companheiro Carlinhos Cachoeira. A reação da ampla maioria das figuras públicas e dirigentes do PSOL na época foi a de acobertar o vereador, reciclando inclusive a tese do “golpe das elites” defendida pelo PT na época do mensalão.

Sabendo-se das relações de Elias Vaz com Cachoeira, era evidente para qualquer dirigente que acompanha o debate que Martiniano estaria envolvido, pela relação umbilical que existe entre os dois dirigentes em suas trajetórias políticas. Mas o PSOL preferiu não tomar nenhuma iniciativa e hoje Elias Vaz é o candidato prioritário da coligação PSOL-PCB em Goiânia, jogando pesado para manter seu mandato. Nos cálculos das tendências internas, mais valeu a disputa pelo aparato do que manter limpa a bandeira socialista.

Mas a divulgação do recebimento de R$ 200.000 de Cachoeira por Martiniano eleva a discussão para outro patamar. Não estamos mais falando de uma figura pública regional do PSOL, mas de um fundador e dirigente nacional do partido, parte da coluna central de quadros que hoje dirige o PSOL.”””””

Entre as notícias mais destacadas do mes neste Blog está a do Sr. Plinio de Arruda Sampaio que elogia o STF, o efeito devastador do mensalão sobre o PT e a degeneração do partido.
Seria interessante que o Sr Plinio deixasse a timidez de lado e desse sua opinião sobre as alianças do Psol no segundo turno destas eleições e lesse no site do Pstu o artigo completo e apresentasse suas considerações.

Responder

ccbregamim

16 de outubro de 2012 às 21h05

..e a princesinha
tira os sapatos
as meias
e toca a pontinha dos dedos
nas águas turvas da realidade..

hehehe…

Responder

ccbregamim

16 de outubro de 2012 às 21h03

aê psoleros!
grande big great notícia!

onde então seus argumentos?

rápida e clara.
mais rápido e mais claro
que pensei.

yes!

Responder

denis dias ferreira

16 de outubro de 2012 às 20h28

E pensar que o prof. Vladimir Safatle afirmou que o PSOL é um partido de extrema-esquerda!

Responder

    Abel

    16 de outubro de 2012 às 23h33

    Verdade: foi tão à esquerda que fez a volta completa e chegou na direita ;)

E. S. Fernandes

16 de outubro de 2012 às 20h10

Ah tá, já compreendi porque o plínio está adorando a atuação do $upremo!

Responder

Fabio Passos

16 de outubro de 2012 às 19h42

Apoio do DEM?

DEM é encosto.
Só tira votos. rsrs

Responder

    Vlad

    16 de outubro de 2012 às 19h55

    Não teve aliança alguma.
    É só a bobosfera chapa-branca ecoando o PIG insidioso.
    Agora se o cara quer apoiar porque acha o outro muito ladrão, quer que faça o quê?…que mate ele?

    abolicionista

    16 de outubro de 2012 às 23h59

    Quer dizer que só é espúrio quando é o PT? Quem te viu quem te vê…

sandro

16 de outubro de 2012 às 19h28

Ex-comunista é “osso.
Ex petista é “osso”
Ex-mulher? É..as vêzes..
Alguns ex-presidentes é “osso” para oposição!

Da-lhe Lula!

Responder

Avel de Alencar

16 de outubro de 2012 às 19h08

Quem com porcos se mistura farelos come.

Responder

Marcio Leandro

16 de outubro de 2012 às 18h59

O PSOL tá virando PEclipse.

Responder

Samira

16 de outubro de 2012 às 17h46

E o Plínio elogiando o linchamento … ops … julgamento do mensalão?

Responder

Samira

16 de outubro de 2012 às 17h45

Caraca, quando interessa eles fazem aliança até com o DEMO! Aqui no RJ fizeram com a Andréia Gouvêa, do PSDB!!! Cadê a coerência, o repúdio a ‘alianças espúrias’? Também tiveram apoio de vários artistas globais! Esse é o PSOL: fala mal dos outros mas faz igual ou pior! A ética deles também é torta. A campanha deles aqui no RJ foi bem cara.

Responder

    ccbregamim

    16 de outubro de 2012 às 21h11

    é uma identificação de classe.
    os psoleros são a elite de consciência lavada.

    eles votam sempre com o DEM e o PSDB
    no Congresso.

    onde a diferença?
    ah, sim como eu disse
    a falsa consciência deles
    limpa tinindo brilhando.

    enquanto isso..
    não graças a sua ajuda
    e apesar de seu atrapalho

    40% da extrema miséria
    é extirpada em três meses.

    Abel

    16 de outubro de 2012 às 23h40

    Esta semana ouvi uma senhora distinta, saudosa dos tempos de Marcelo Alencar (PSDB-RJ), dizer-me que havia votado em Marcelo Freixo (PSOL) para a prefeitura do Rio. A classe média alta (e seus filhos) votaram em massa no Freixo aqui no Rio; não que isso deponha contra o Freixo, que é até um bom sujeito, mas dá ideia do desespero da “massa cheirosa” carioca, capaz de tentar qualquer coisa para barrar um candidato apoiado por Lula e Dilma.

Joao Bosco Soares Junior

16 de outubro de 2012 às 15h28

A Sra. Heloisa Helena deveria se manifestar numa hora dessas… e ai?

Responder

Paulo Moraes

16 de outubro de 2012 às 14h33

“Alguém me disse que tu andas, novamente / De novo amor, nova paixão, todo contente…”

Responder

Jorge

16 de outubro de 2012 às 14h18

Azenha, por que a notícia desapareceu tão rapidamente da primeira página do blog?

Responder

lia vinhas

16 de outubro de 2012 às 10h27

Mas será que o Globo lembrará o passado de Davizinho em suas páginas? Certamente não, porque o use, abuse e depois jogue fora da vez para o PIG é o Psol (tão lindinho e inocente o solzinho simbolo do partido, não é?).

Responder

Hélio Pereira

16 de outubro de 2012 às 10h26

Ora o PSOL foi fundado por Heloiza Helena que foi expulsa do PT entre outras coisas por ter votado contra a cassação do ex Dep Federal Luis Estevão,a mesma Heloiza Helena que traiu o candidato de seu partido a Presidente Plinio Sampaio e foi apoiar Marina Silva e este PSOL que hoje esta com o DEM de Macapá é o mesmo que acompanhou o DEM/PSDB na maioria das votações contra o Governo Federal,sendo assim não existe nada de estranho neste apoio do DEM!

Responder

Jair de Souza

16 de outubro de 2012 às 10h17

Este negócio de alianças com setores de direita não deveria nos assustar. Pode ser válido desde que seja para combater um mal maior num determinado momento da vida política e desde que a hegemonia do processo esteja com a esquerda. Disse isso quando da proposta de Lula para uma aliança com Maluf para derrotar o inimigo maior da democracia neste instante: as forças cavernárias de José Serra. Era uma aliança na qual o malufismo não teria nenhuma posição de comando.

Com Haddad para a prefeitura e Erundina para vice, as forças progressistas liderariam amplamente a coalizão. Os votos do malufismo eram (e são) necessários porque ainda não temos condições de vencer só com forças próprias. Recebi muitas críticas por minha opinião. Algumas eu considerei válidas porque argumentavam politicamente que uma aliança com Maluf não traria os votos do malufismo para o candidato do PT. Mas o que mais me indignou foram as críticas dos neoudenistas (ou neobabacas, como disse um colega comentarista há pouco) da extrema esquerda. Para eles, tratava-se de uma questão moralmente inaceitável, feria a moral (e os bons costumes, poderíamos acrescentar) dos “revolucionários”.

Agora esses neobabacas devem estar tratando de arrumar argumentações para justificar a aliança com a escória do DEM. Confesso que não conheço bem a realidade política de Macapá e, portanto, não estou em condições de dizer se a aliança se justifica ou não. Mas, se fôssemos nos ater ao que os neobabacas se cansam de nos bradar quando as alianças são feitas por outras forças do campo progressista, o “conluio” PSOL-DEM teria que ser sumariamente condenado.

O fato é que todo purismo é possível quanto não há nenhuma perspectiva de chegar concretamente ao poder. Quando as possibilidades surgem, a coisa começa a mudar. Só não seria assim se houvesse forças revolucionárias suficientemente aptas a definir a luta a favor do povo sem necessidade de fazer concessões a ninguém. Alguém crê que esta possibilidade está em vias de ocorrer num futuro de curto ou médio prazo? E até lá, devemos evitar tomar parte em qualquer disputa eleitoral para não “validar” o regime de representação burguês?

A extrema esquerda precisa entender que a revolução não virá do quanto pior melhor. Saber conquistar alguns avanços para o povo em situações difíceis, sem perder o norte revolucionário, é tarefa das mais árduas. Por isso, somente os verdadeiros revolucionários conseguem passar por tal prova.

Palavreado radicalizado nunca levou a nenhuma revolução. Já basta de neoudenismo, já basta de neobabaquismo.

Responder

    francisco niterói

    16 de outubro de 2012 às 11h40

    Jair
    Vc precisa ver entao quando eles, eleitoralmente, vao bem.

    No RJ, o Freixo foi bem. Aqui em Niteroi, eles ficaram em terceiro lugar e sao o fiel da balança entre o PT e o candidato do PDT.

    O candidato do PT tem um bom historico e o PDT aqui é uma coisa horrorosa. Tanto assim que o prefeito atual, que é do partido, sequer concorreu à reeleicao. Pois bem, eles fazem agora a pose de que sao todos iguais. Pra eles nao esta importa que o candidato do PT seja infinitamente melhor.

    No primeiro turno, os militantes vestiam uma camisa com os dizeres: “nos trabalhamos sem receber nada”, ou algo assim.Tempos atras, parei num grupo de 5 pra dialogar e foi um papo ate muito bom. Apareceu um senhor que a eles: “vcs sao o unico partido que presta”. Eles ficaram todos prosas e ai eu comecei a perguntar a este senhor o que ele achava de sindicatos, MST, etc. Cada resposta pior que a outra, tipo: ” o pessoal todo do MST deveria estar na cadeia”.
    Nao resisti e disse a eles: ” esta é a revolucao que vcs estao preparando”. Fui embora rindo ciente que eles nao compreenderam o absurdo da coisa.

    francisco niterói

    16 de outubro de 2012 às 11h41

    errata: ” apareceu um senhor que DISSE a eles”.

abolicionista

16 de outubro de 2012 às 09h32

Acho uma aliança perfeita, os dois partidos tem pautas parecidas (criticar a corrupção e adotar um discurso moralista) e possuem um eleitorado semelhante (ou seja, entre os mais ricos), são almas gêmeas.

Responder

    Mário SF Alves

    16 de outubro de 2012 às 09h56

    Mal nasceu e já anda mais pra PMoon-dark side do que pra Psol. Pois é, pimenta no dos outros… né… Cadê o sol PSOL? Sigla partidária como investimento; militância política como investimento… deve ser isso. Cadê o sol PSOL? Já sucumbiu? Sinal dos tempos?
    Não. Claro que tudo isso são circunstâncias. Mas, convenhamos, os caras são de uma arrogância ao criticar o PT que mais parecem terem o próprio oráculo na barriga.

    Mário SF Alves

    16 de outubro de 2012 às 10h09

    … parecem ter… Fica melhor; tem mais musicalidade.

    abolicionista

    16 de outubro de 2012 às 12h40

    Pois é, eu acho que, por ser um partido sem base social, o PSOL tem muito mais chance de migrar para a direita do que o PT. Se mesmo no PT o pragmatismo político consegue se infiltrar, imagine no PSOL… Talvez isso sirva para que o PSOL abandone o discurso moralista e comece a pensar em termos políticos.

Carlos

16 de outubro de 2012 às 08h52

E logo com os DEMOS !!!???

Responder

Gerson Carneiro

16 de outubro de 2012 às 08h29

Vi tanta gente do PSOL tripudiar sobre a foto do Lula com o Maluf.

E sempre disse: para o PSOL cometer os mesmos atos que critica em outros partidos, em especial o PT, bastar uma oportunidade.

Responder

    Willian

    16 de outubro de 2012 às 09h39

    O PSOL é o PT de 20 anos atrás.

    Mário SF Alves

    16 de outubro de 2012 às 09h57

    Será?!!

    abolicionista

    16 de outubro de 2012 às 13h01

    Ah mas não é mesmo, nessa você escorregou feio, meu caro Willian.

    O PT de 20 anos atrás era um partido que representava uma grande quantidade de trabalhadores fabris organizados e foi fundado por lideranças sindicais do ABC, pelos movimentos católicos ligados à teologia da libertação e por intelectuais de esquerda. Segundo André Singer: “Significou a confluência do sindicalismo basista da época com a intelectualidade de Esquerda antistalinista.” O PT foi forjado no fogo da batalha. Para você ter uma ideia do clima e da força da polarização entre patrões e trabalhadores na qual o PT, sugiro dar uma olhada no documentário “O ABC da Greve”, de Leon Hirzman.

    O PSOL foi fundado em 2004, após a expulsão dos parlamentares Heloísa Helena, Babá, João Fontes e Luciana Genro do PT. Ou seja, é uma dissidência que surgiu em um contexto politicamente “morno”, apoiado em um discurso de intensa crítica ao PT, pintado como uma espécie de pai castrador.

    Tenho certeza de que se você parasse para pensar uns dois segundos antes de escrever seu comentário, você não teria feito uma comparação tão equivocada. De todo modo, é sempre um prazer responder a suas trollagens. Abs.

    jose marcos

    17 de outubro de 2012 às 10h14

    Pelo menos o PT ainda levou mais tempo para fazer algumas alianças que o PSOL chamou de espurias. Por falar nisto o PSOL ajudou os ricos sonegadores a acabar com o unico imposto que dificultava a sonegação (CPMF). Olha esta turma do PSOL no fundo são um bando de hipocritas instrumentalizados pela direita

    Rodrigo Leme

    16 de outubro de 2012 às 14h01

    Não que o PSOL esteja fazendo algo muito inovador…

    SP: DEM não fecha com PSDB e declara apoio a petista em Guarulhos
    http://noticias.terra.com.br/eleicoes/2012/noticias/0,,OI6231919-EI19136,00-SP+DEM+nao+fecha+com+PSDB+e+declara+apoio+a+petista+em+Guarulhos.html

    Como diz a filha da minha vizinha: “que feio, né?”

    Carlos Ribeiro

    16 de outubro de 2012 às 19h04

    Cara, você precisa achar um rumo! Isso sim , é feio!

    Rodrigo Leme

    17 de outubro de 2012 às 13h47

    É uma boa resposta ao fato que eu coloquei aqui. Muito bem argumentado, campeão.

Marcelo

16 de outubro de 2012 às 08h15

Humm… O que os psolistas acham disso?

Responder

Luís Carlos

16 de outubro de 2012 às 07h55

Quando é o PT não pode, mas eles podem?

Responder

José Ricardo Romero

16 de outubro de 2012 às 07h51

Não sei porque tanto extranhamento: o PSOL é um partido de direita, semelhante ao DEM, estiveram muitas vezes unidos ferozmente contra a esquerda e o governo. O tema da moralidade, por exêmplo, é paradigmático. Quando o PSOL atua e se manifesta na prática é sempre em defesa de teses capitalistas, neoliberais e autoritárias. Há um ditado americano que diz: se você anda como um pato, grasna como um pato e se comporta como um pato, você é um pato. O PSOL, portanto, pelo que faz e não pelo que proclama, é um pato, digo, de direita.

Responder

    MARCELO

    16 de outubro de 2012 às 14h07

    Por isso que tem tanta gente aqui
    no VM que não gosta do Vladimir
    Safatle.Preferem as novelas
    alienantes da Globo.

    Mário SF Alves

    16 de outubro de 2012 às 20h54

    Então, Marcelo, é bom que esclareçamos essa coisa:

    Primeiro, como assim “tanta gente que não gosta do Vladimir Saflate”?
    Segundo, novelona, às vezes, também é cultura. Vejamos:

    Carminha = PiG (dissimula, mente, manipula, mente, manipula e manipula)
    Tufão = boa parte de nós mesmos, brasileiros (ingênuos, ingênuos e ingênuos)

Marcos W.

16 de outubro de 2012 às 07h18

Ontem mesmo postei comentário, em matéria do Safatle, dizendo que o PSOL seria partido de esquerda até assumir algum governo. Não precisou assumir nada e não é mais de esquerda!

Responder

Silas Barrozo

16 de outubro de 2012 às 07h17

Chama o Plínio de Arruda Sampaio…

Responder

Bonifa

16 de outubro de 2012 às 04h40

Agora o Psol talvez entenda que apoio político não se recusa.

Responder

Flavio Lomeu

16 de outubro de 2012 às 02h06

“O deputado federal reeleito Davi Alcolumbre (PFL-AP) é acusado de corrupção ativa no inquérito nº 2257 que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF). O processo teve origem com a Operação Pororoca, realizada pela Polícia Federal (PF) no dia 4 de novembro de 2004 para desmontar uma quadrilha que fraudava licitações. Vinte e cinco pessoas foram presas nos estados do Amapá, Minas Gerais, Pará e no Distrito Federal. Segundo a PF, o grupo fraudou licitações de pelo menos 17 obras públicas do Amapá, que juntas totalizavam R$ 103 milhões. Vinte e cinco pessoas foram presas.”
http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,MUL2646-5601,00.html

PSOL, por favor… defina “aliança espúria.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.