VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais


15/10/2012 - 15h43

Uma taxa de 2 libras por mês na banda larga poderia salvar nosso jornais

O fundo poderia ser distribuído com base no número de leitores online do Reino Unido e reinvestido para proteger o grande jornalismo

por David Leigh   

No diário britânico Guardian, Sunday 23 September 2012 18.37 BST

Tendo sobrevivido mais de 40 anos na mineração do jornalismo britânico (mais que um soldado no antigo exército de Roma), tenho me sentido deprimido ultimamente com as insistentes previsões de comentaristas da mídia sobre como a internet vai causar a morte dos jornais de qualidade. Existem poucas pessoas no ramo preparadas para apostar que nossos diários vão publicar versão impressa em cinco anos.

De acordo com o senso comum, o impresso está condenado. A circulação está despencando porque leitores podem conseguir tudo o que querem na internet. Eles não apenas desgostam da ideia de pagar para ler na internet como a existência, entre outros, de sites como o a BBC, financiado pela licença paga por telespectadores [Nota do Viomundo: os britânicos pagam uma taxa de TV], garante que eles nunca terão de pagar pelo fornecimento de notícias diárias. Cobrança na rede nunca vai funcionar no Reino Unido por esta razão.

Ainda assim, quando chegar o dia em que os jornais tiverem de abandonar o impresso, será um desastre para a democracia. Os poucos ganhos com publicidade online no site de um jornal gratuito pagarão apenas uma fração do jornalismo investigativo de alta qualidade que os jornais comerciais geram. Teremos apenas a tímida BBC de um lado e o lixo superficial de outro.

Com este melancólico raciocínio, leio o último relatório de circulação de jornais da National Readership. Para minha surpresa, o que deduzi dele é que agora existe uma forma perfeitamente fácil de resgatar jornais, garantir a pluralidade da mídia e monetizar a rede.

Eu me dou conta de que a busca por tal solução maravilhosa por parte de editores ameaçados se parece com a busca pelo Santo Graal.  Mas, do ponto de vista aritmético, pelo menos, a solução britânica é óbvia. Os consumidores não devem pagar por notícias na rede. Mas eles naturalmente já estão pagando, agora e no futuro — e em números grandiosos — pelas conexões de banda larga imprescindíveis.

Uma pequena taxa nos fornecedores de banda larga do Reino Unido — não mais que duas libras por mês na conta de cada usuário — poderia ser distribuída aos fornecedores de notícias na proporção da leitura online de cada um deles no país. Isso resolveria o problema financeiro dos jornais de qualidade, cujos leitores não estão desaparecendo, mas simplesmente migrando para o online.

Existem quase 20 milhões de domicílios no Reino Unido que pagam até 15 libras por mês por uma boa conexão de banda larga, mais outros 5 milhões de assinantes móveis. As pessoas pagam este dinheiro para um punhado de empresas de telecomunicações, mas não pagam nada pelo conteúdo noticioso que recebem, cuja sobrevivência é geralmente considerada base fundamental da democracia.

Uma taxa de 2 libras — cobrada com facilidade do pequeno número de empresas de banda larga do Reino Unido (BT, Virgin, Sky, TalkTalk etc), que acrescentariam este valor nas contas dos consumidores — levantaria mais de [o equivalente a] 1,6 bilhão de reais anualmente. O dinheiro poderia ser arrecadado por uma agência, no estilo do que acontece com a taxa da BBC, e redistribuído automaticamente para os “fornecedores de notícias” de acordo com sua fatia de leitores online.

De acordo com os dados mais recentes, este sistema forneceria quantidades de dinheiro transformadoras para os sites mais populares.

O grupo Telegraph, o grupo da Associated Newspaper e o grupo do Guardian, cada um receberia cerca de 20% do dinheiro — [o equivalente a] 320 milhões de reais por ano. Mesmo os jornais independentes receberiam cerca de 130 milhões de reais por ano. Outros jornais, como o Scotsman e o Yorkshire Post, poderiam receber uma transfusão potencialmente salvadora de 26 e 13 milhões, respectivamente.

O Sun, do Rupert Murdoch, receberia anualmente [o equivalente a] 160 milhões de reais, embora os outros jornais dele, se continuassem cobrando online, receberiam relativamente pouco.

Não haveria problemas insuperáveis para definir quem são os  “fornecedores de notícias”. A base para designar aquelas organizações seria a legislação de 1994 que diz: “Jornais… publicados pelo menos uma vez por semana de forma contínua sob o mesmo título… [os quais] contém informação sobre fatos correntes de interesse local, nacional e internacional. Publicações que não contém uma quantidade substancial de notícias não são jornais”.

Outros fornecedores de notícias originais poderiam subsequentemente pedir admissão no esquema a uma comissão independente, caso a caso. Mas deveria haver razoáveis barreiras à admissão, talvez na casa de no mínimo 100 mil usuários mensais, e algumas regras para excluir os agregadores de conteúdo. O site da BBC não receberia nenhum dinheiro extra,  por já ser financiado pelo contribuinte britânico.

Esta solução é politicamente muito arriscada? O primeiro partido a adotar tal esquema certamente receberá meu voto. A taxa seria, como a da BBC, protegida contra “intervenção estatal”, embora possa se tornar foco de tensões políticas como foi a taxa da BBC.

O sistema de licenças da BBC funciona, naturalmente, de forma mais ou menos bem sucedida, assim como o modelo nórdico mais extremo de subsídios diretos. E talvez a gente não tenha de se preocupar muito com o longo prazo. Pois, no longo prazo, todos os jornais estarão mortos.

PS do Viomundo: Neste caso, defendemos a famosa mão invisível do mercado livre. Sem ironia.

Leia também:

Altamiro Borges: A SIP vai condenar a censura à Folha Bancária?

Barão de Itararé: Vamos organizar o nosso ato contra os golpistas midiáticos da SIP

Serra pede apreensão de jornal alegando que texto denegria sua imagem; Sindicato dos Bancários acusa tucano de praticar censura

Altamiro Borges: SIP, antro da mídia golpista

Altamiro Borges: Dilma no palanque dos golpistas?

Maringoni e a presença de Dilma na assembleia da SIP

 





30 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Luiz Carlos

20 de outubro de 2012 às 16h55

Financiamento público seria justo se a opinião também fosse.
Por mim que quebrem todos, ou façam como o JB.

Responder

Rafael de Araújo Gomes: O que é isso, companheiro? « Viomundo – O que você não vê na mídia

18 de outubro de 2012 às 14h04

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

Arruda: “Ainda não apareceu nem metade da missa” « Viomundo – O que você não vê na mídia

18 de outubro de 2012 às 13h54

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

Bia Barbosa: Novo presidente da SIP diz que Assange pratica jornalismo fraudulento « Viomundo – O que você não vê na mídia

18 de outubro de 2012 às 12h35

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

O apoio do PDT nacional a Haddad em SP « Viomundo – O que você não vê na mídia

18 de outubro de 2012 às 02h28

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

Ibope: Haddad amplia a vantagem « Viomundo – O que você não vê na mídia

17 de outubro de 2012 às 19h22

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

Viomundo – O que você não vê na mídia

17 de outubro de 2012 às 16h09

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

Serra em campanha: Confrontos com cinco jornalistas em apenas 19 dias « Viomundo – O que você não vê na mídia

17 de outubro de 2012 às 13h50

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

STF: Término do julgamento pode coincidir com o segundo turno « Viomundo – O que você não vê na mídia

17 de outubro de 2012 às 13h31

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

Obama “de esquerda” vence o debate por pontos « Viomundo – O que você não vê na mídia

17 de outubro de 2012 às 02h09

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

Serra: Sobre as virtudes de descumprir programa de governo « Viomundo – O que você não vê na mídia

16 de outubro de 2012 às 15h56

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

“Não pode fazer campanha eleitoral aqui na CBN, Kennedy!” « Viomundo – O que você não vê na mídia

16 de outubro de 2012 às 15h53

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

renato valle bittencourt

16 de outubro de 2012 às 15h42

É a bolsa-imprensa, a única que nossos jornalões vão apoiar com unhas e dentes. Paga justamente por quem fugiu deles, buscando uma informação mais livre e independente.

Responder

Breno Altman: Golpistas do passado são os golpistas do futuro « Viomundo – O que você não vê na mídia

16 de outubro de 2012 às 14h44

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

Elisabete Otero

16 de outubro de 2012 às 09h12

Penso que o raciocínio é muito vigarista, porque parte do pressuposto que quem tem banda larga é para ler jornais…
Que facilidade em descumprir os preceitos tão alardeados, pelo menos no Brasil: livre iniciativa, competência da empresa privada x incompetência do Estado. E o pior é uma idéia como esta pode se concretizar aqui no Brasil.

Responder

J Souza

16 de outubro de 2012 às 08h55

É por causa da “qualidade” que os tablóides vendem mais do que os “jornais de qualidade”…
Quando será que virão buscá-lo para levá-lo de volta ao seu planeta?
A maioria das pessoas não consegue ler mais do que um parágrafo, e o cidadão vem falar em “qualidade”…
Quer vender mais? Então aprende com os “mestres”, pô!
Bota mulher pelada… Futebol… Violência bizarra… Tudo que inspira os “instintos mais primitivos” das pessoas!

Responder

Uma taxa mensal para sustentar os jornais? | OCOMPRIMIDO

16 de outubro de 2012 às 03h10

[…] por David Leigh, no diário britânico Guardian. Via VioMundo. […]

Responder

“Vai lá para o Haddad. É a pauta dele. Não precisa ter uma assessora a mais para ele” « Viomundo – O que você não vê na mídia

16 de outubro de 2012 às 01h25

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

Emiliano José: O pesadelo interminável do urubu « Viomundo – O que você não vê na mídia

16 de outubro de 2012 às 00h56

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

PSOL e DEM fazem aliança pela moralidade no Amapá « Viomundo – O que você não vê na mídia

16 de outubro de 2012 às 00h39

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

José X.

15 de outubro de 2012 às 20h57

Eu ri com esse artigo.

Responder

Francisco

15 de outubro de 2012 às 20h36

A idéia não é má. Mas o contribuinte deveria assinalar tr~es jornais para os quais contribui (um real para um, 75 centavos para outro, 25 para um terceiro).

Mas haveria uma contrapartida: os jornais não poderiam ter anunciantes privados. Quem paga é dono, certo?

Responder

Bia Barbosa: Dilma não comparece à reunião da SIP; diretor do Grupo Estado compara-a a Collor « Viomundo – O que você não vê na mídia

15 de outubro de 2012 às 19h56

[…] David Leigh: Uma taxa mensal para sustentar os jornais […]

Responder

assalariado.

15 de outubro de 2012 às 19h04

O capital em plena crise, que cada vez mais se aprofunda, agora mais do que nunca, é a ancora ideologica de manipulação mais eficaz da burguesia imperialista. Então vamos aproveitar e homenagear o capital e seus bate pau, através da letra desta musica (Aroeira), cantada por Geraldo Vandre que, à época fazia canções em parabolas sobre a politica, de forma a acordar o povo, devido a repressão da ditadura civil/ militar, que agia em nome e defesa da ordem, da ordem capitalista. PIG, do capital (que redundância!), não tem piedade de ninguem, porque terei por vós, quero participar do seu sepultamento.

Musica: Aroeira

Vim de longe, vou mais longe
Quem tem fé vai me esperar
Escrevendo numa conta
Pra junto a gente cobrar
No dia que já vem vindo
Que esse mundo vai virar
Noite e dia vêm de longe
Branco e preto a trabalhar
E o dono senhor de tudo
Sentado, mandando dar.
E a gente fazendo conta
Pro dia que vai chegar
Marinheiro, marinheiro
Quero ver você no mar
Eu também sou marinheiro
Eu também sei governar.
Madeira de dar em doido
Vai descer até quebrar
É a volta do cipó de arueira
No lombo de quem mandou dar.

Aqui esta o video:

http://www.youtube.com/watch?v=EGyb11knYYo&feature=related

Abraços.

Responder

Francisco de Assis

15 de outubro de 2012 às 17h39

Cruz credo, Azenha. Vade retro.

Responder

Vinicius Garcia

15 de outubro de 2012 às 17h27

Realmente preocupa a notícia a mercê de supostos jornalistas da rede, afinal mentir na atual estrutura da internet é fácil, porém com a mesma rapidez que se mente, se é desmentido. E na mídia amiga do PIG? Quando e como o desmentido é divulgado? Só nos blogs e a eles nem todos tem acesso, portanto, se é para quebrarem, demorou.

Responder

Jorge Leite Pinto

15 de outubro de 2012 às 17h05

Deveria se chamar “taxa cara de pau”.

Responder

Marcelo

15 de outubro de 2012 às 17h01

Cara de pau dessa gente hein? Já não chega a dinheirama que recebem de publicidade dos governos?

Responder

ZePovinho

15 de outubro de 2012 às 16h01

Ué????????????????????E as empresas privadas(como os próprios jornais defendem) devem ser sustentadas pelo Estado.Sim,porque quem vai tributar é o Estado.
Cada uma que agente vê!!!!!!!!!!!!!!!!A taxa do lixo é mais útil.

Responder

Márcio Oliveira

15 de outubro de 2012 às 15h53

Isso contraria tudo o que desejo da forma mais ardente: que O Globo, Folha, Estadão quebrem irreversivelmente. O mesmo vale para o PIG aqui de BH, que, aliás, já estaria todo quebrado não fossem as mesadas do governo tucano de Minas.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding