VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Mauricio Dias: Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney


24/11/2012 - 11h37

Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney. Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF

Gurgel acuado

por Mauricio Dias, em CartaCapital

É sinal positivo o clamor da oposição, em coro com trêfegos parlamentares da base governista, contra o texto do deputado Odair Cunha (PT-MG), relator da CPMI sobre as atividades  criminosas e as afinidades eletivas do bicheiro Carlinhos Cachoeira.
Cunha incomodou muita gente e contrariou variados interesses. Não se sabe se o relatório conseguirá cruzar a tempestade provocada pelos contrariados e chegar a porto seguro. Na partida, se assemelha a um barquinho navegando sob bombardeio. E pode afundar antes de ancorar.

A lista de indiciados e de responsabilizados, elaborada por Cunha, é uma carga pesada. O relator julgou suficientes as provas colhidas que, em princípio, são capazes de derrubar o governador tucano Marconi Perillo (GO); de incriminar jornalistas que, ao romper limites éticos, transitaram do campo da investigação para o da associação, e de provocar danos graves ao empresário Fernando Cavendish, da Delta, entre outros casos.

Notadamente, o relatório pode desestabilizar o procurador-geral da República, Roberto Gurgel.Gurgel é peixe graúdo. A contrariedade da mídia, com a inclusão do nome dele na lista de Cunha, comprova. Ele tornou-se um procurador heterodoxo. Virou peça do jogo político de curto e de longo prazo. Em linhas gerais, passou a atuar afinado com a oposição a Dilma, a colaborar com o esforço de neutralização de Lula e, por fim, mas não menos importante, a agir com o objetivo de encerrar o ciclo do PT no poder.

Caso aprovado, o relatório de Cunha pode abalar Gurgel e, inclusive, interferir na própria sucessão dele, na PGR, em julho de 2013.Roberto Gurgel é acusado por crimes constitucional, legal e funcional. A aprovação do relatório, nesse ponto, levará a questão à Comissão de Constituição e Justiça do Senado, competente para processar o procurador-geral por crime de responsabilidade.

No STF, Gurgel seria julgado por improbidade administrativa e por prevaricação.O procurador-geral foi fisgado porque manteve engavetadas as denúncias da Operação Vegas. Assim atraiu a suspeita de ter sido conivente com as atividades criminosas de Cachoeira, apuradas pela Polícia Federal. Ele alegou à CPI que tinha detectado somente desvios no “campo ético”, insuficientes para abrir ação penal.

Gurgel, no entanto, mantém outros problemas na gaveta. Há quase cem dias guarda o processo enviado ao Ministério Público, no qual a governadora Roseana Sarney (MA) é acusada de assinar convênios com as prefeituras, no valor aproximado de 1 bilhão de reais. Cabe a ele dar um parecer que pode levar Roseana a perder o mandato.

Há quem veja nessa morosidade um conluio entre o senador Sarney, pai da governadora, e Gurgel. Sustentam essa hipótese renitentes coincidências. José Arantes, assessor parlamentar do procurador-geral foi assessor parlamentar de Sarney na Presidência da República. Seria apenas um detalhe curioso?

Mas há problemas concretos. Um deles, já denunciado nesta coluna, levou o presidente da Câmara quase à exasperação. Na terça-feira 20, o deputado Marco Maia criticou pública e duramente o Senado pela morosidade em votar a indicação do professor Luiz Moreira, já aprovada pelos deputados, para o Conselho Nacional do Ministério Público (CNPM).

Seria “morosidade gurgeliana”? Ou seja, a indicação estaria bloqueada por Sarney em favor de Gurgel? Gurgel teria bloqueado o processo de Roseana em favor de Sarney? Finalmente, haveria nessa história uma vergonhosa troca de favores?

Leia também:

Documento comprova prisão de Rubens Paiva no DOI-Codi/RJ; estava com coronel de Porto Alegre

Gerson Carneiro: O grito de “pega ladrão!”

As lindas praias da Venezuela

Na praia em Karachi

CUT: PL da terceirização é ataque ao trabalho decente

Professores rejeitam nomeação de Cláudia Costin para o MEC

Paulo Moreira Leite: O risco de brincar com a Constituição

Joaquim Barbosa é empossado como presidente do STF

Luiz Fux: “Nós, juízes, não tememos nada nem a ninguém’

Alunos denunciam câmeras espiãs no bandejão; USP diz que são para ‘monitorar fluxo das refeições

CPI do Cachoeira adia leitura do relatório final

Dr. Rosinha: A ignorância continua

Janio de Freitas: O poder de cassar deputados federais condenados pelo Supremo é da Câmara

Nassif: Relatório da CPI do Cachoeira mostra ligações diretas entre jornalistas e crime organizado

Celso Amorim: “A nossa defesa é indelegável”

Muniz Sodré: A imprensa reflete o racismo no Brasil por inteiro

Saul Leblon: Policarpo & Gurgel, ruídos na sinfonia dos contentes





73 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Relatório Leveson propõe órgão independente para monitorar jornais britânicos « Viomundo – O que você não vê na mídia

30 de novembro de 2012 às 01h06

[…] Mauricio Dias: Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney […]

Responder

Colunista diz que é válido questionar vida pessoal de Lula no caso Rosemary « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de novembro de 2012 às 20h09

[…] Mauricio Dias: Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney […]

Responder

Bancários repudiam declaração de Felipão: “Que ele não esteja tão desatualizado sobre futebol” « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de novembro de 2012 às 19h51

[…] Mauricio Dias: Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney […]

Responder

Dr. Rosinha e a CPI do Cachoeira: Policarpo cometeu um crime « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de novembro de 2012 às 19h05

[…] Mauricio Dias: Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney […]

Responder

Relator confirma recuo na CPI do Cachoeira « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de novembro de 2012 às 08h45

[…] Mauricio Dias: Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney […]

Responder

Procuradora Suzana Fairbanks: Não existe conversa de Rosemary com Lula, nem aúdio e nem e-mail « Viomundo – O que você não vê na mídia

28 de novembro de 2012 às 18h45

[…] Mauricio Dias: Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney […]

Responder

Carta Maior denuncia o modo ‘Folha’ de fazer jornalismo: Vergonha! « Viomundo – O que você não vê na mídia

28 de novembro de 2012 às 18h40

[…] Mauricio Dias: Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney […]

Responder

Collor quer que CPI do Cachoeira peça indiciamento de Gurgel e da mulher « Viomundo – O que você não vê na mídia

27 de novembro de 2012 às 00h27

[…] Mauricio Dias: Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney […]

Responder

Movimentos sociais e acadêmicos avisam Haddad: Não querem o PP de Maluf na Habitação « Viomundo – O que você não vê na mídia

26 de novembro de 2012 às 18h38

[…] Mauricio Dias: Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney […]

Responder

FrancoAtirador

25 de novembro de 2012 às 23h44

.
.
VERSÕES E FATOS

Por Odair Cunha, no blog da CPMI

“Nosso tempo, sem dúvida… prefere a imagem à coisa, a cópia ao original, a representação à realidade, a aparência ao ser…”.

(Feuerbach, Prefácio à segunda edição de A essência do cristianismos)

Definitivamente, vivemos a era das versões. Vale pouco o esforço hercúleo para dissipar nuvens e produzir resultados comprometidos com o avanço das instituições nacionais: a regra é enaltecer a imagem, não a realidade. Assim, a seara política é tomada de assalto pela disputa de interpretações, apartando-se dos fatos.

Nessa era das versões, a CPMI criada para investigar as relações entre um conhecido contraventor e agentes públicos e privados revela tais ligações à sociedade, mas a imagem de que a investigação não saiu do lugar se cristaliza. Na era das versões, não dos fatos, as investigações desnudam a presença de uma construtora no esquema, quebra-se o sigilo bancário dela, mas paira uma – inexistente! – falta de vontade da CPMI de investigar tal construtora. Da mesma forma, nega-se a importância política da CPMI na cassação do mandato do senador que se colocou a serviço do contraventor.

Na era das versões, erigiu-se um discurso de antemão, o de que o objetivo da CPMI é ofuscar o julgamento da Ação Penal 470 ou ir à forra contra inimigos políticos. Pouco importa se esse “inimigo”, de fato, teve participação, beneficiou-se ou colaborou para o funcionamento da organização criminosa investigada: sobressai, sempre, a versão do interesse político, não a relevância de combater a corrupção.

E se “a CPMI só política” decide não colher depoimentos no período eleitoral, quando o julgamento avança a pleno vapor, tal fato não muda a compreensão sobre a investigação, que segue “politicamente dirigida” no que é difundido ao público. Na era das versões, os investigadores sofrem críticas porque os depoentes comparecem com amparo judicial para não falar, mas também porque interrompem os depoimentos, que pouco contribuíram às investigações. Afinal, é preciso manter o espetáculo das versões para o necessário desgaste do Congresso Nacional e da CPMI…

E quando o Ministério Público pede à Justiça o bloqueio de bens de investigados, leva sozinho os louros, ainda que a iniciativa tenha sido articulada com a CPMI, em movimentação ocorrida no período em que os trabalhos estavam “parados”. Como se a necessidade de parceria entre os órgãos de investigação não fosse algo a ser estimulado.

Na era das versões, não dos fatos, estridente grupo de parlamentares “ameaça”, e concretiza, um pedido de investigação ao Ministério Público antes da apreciação do relatório final, que, sabidamente, conterá recomendações mais amplas ao parquet. Assim, difunde-se com mais pompa a versão de que a disposição de investigar passou ao largo do comando da CPMI, cujos resultados, positivos ou negativos, serão de responsabilidade de toda a comissão. Ademais, o país inteiro gostaria de ver os mesmos que se exaltam se empenharem também pela criação de CPIs, por exemplo, na Assembleia Legislativa de São Paulo, ao invés de interditá-las.

Desde o germinar desta investigação, tenho atuado com transparência e serenidade. Firmei o compromisso de apresentar um amplo e detalhado mapa do que se descortinou ao longo dos trabalhos da CPMI, dissecando as relações criminosas desvendadas – com agentes públicos e privados – e identificando novas frentes de apuração, para a continuidade do processo investigativo. Reafirmo aqui, novamente, esse compromisso.

A busca dos fatos é árdua e pode desestimular os que se acostumaram à era das versões, mas a responsabilidade de apresentar à sociedade um relatório consequente é inexpugnável. A luz dos holofotes pode até ser atraente, mas nos afasta desse objetivo e do nobre papel de representar os cidadãos. Logo, que fique claro: esse caminho não percorrerei.

*ODAIR CUNHA é Deputado Federal pelo PT-MG e relator da CPMI que investiga Carlinhos Cachoeira e comparsas da organização criminosa investigada Polícia Federal nas Operações Vegas e Monte Carlo.

http://www.odaircunha.com.br/odaircunha/blog-da-cpi

Responder

    Bonifa

    26 de novembro de 2012 às 09h09

    A CPMI teve o pudor de respeitar o período eleitoral. Este pudor faltou ao Supremo Tribunal Federal.

FrancoAtirador

25 de novembro de 2012 às 21h49

.
.
Fofuras da “Veja”

Por Marcelo Coelho, FSP via Luis Nassif OnLine

Faz muito tempo que não leio a “Veja”, tendo apenas comprado o número da semana passada para ver a matéria sobre a Osesp e o amigo Arthur Nestrovski.

Eis que, como ex-assinante, recebo pelo correio um convite promocional.

É uma obra-prima de imaginação mercadológica mal dirigida.

Na cobertura do envelope, uma intrigante mensagem.

“Marcelo,
Perguntei por que faltava o seu nome e ninguém soube explicar. Veja como, logo depois, tudo ficou resolvido.”

Hum. Vamos ver? Abro o envelope.

“MARCELO,”

(é sempre bom ver o nome da gente assim em letras grandes)

“a reunião de ontem foi muito importante para mim e você tem tudo a ver com isso.”

(ele nem imagina o quanto).

“Toda a nossa equipe checava os nomes das pessoas que continuavam assinantes de VEJA.”

(precisa ser uma equipe grande para fazer isso, eu acho).

“Algumas depois do primeiro ano de assinatura. Outras depois de dez, vinte anos e até mais.
Gostoso foi comprovar que era uma seleção de gente extremamente diferenciada, ativa e participante, que faz a diferença no meio em que vive.”

(deve ter sido bem gostoso, mas um bocado trabalhoso também. Quantos assinantes tem a revista, quinhentos mil? Um milhão? Para eles terem “selecionado” esse milhão de pessoas no meio da população brasileira, e depois comprovarem que a seleção foi bem feita, puxa, não invejo. Mas o importante é que EU, MARCELO, tinha tudo a ver com a importância dessa reunião).

“Gente como Marcelo Penteado Coelho”

(Não disse? Olha eu aí!)

“Quando perguntei por que você não estava mais entre os assinantes de VEJA, algumas possibilidades apareceram.”

(Vamos ver se ele acerta)

“Marcelo perdeu o prazo de renovação, por algum motivo.”

(aí não vale: qual o motivo? Ainda está frio…)

“Ou viajou na hora de renovar e esqueceu.”

(está certo, como sou uma pessoa diferenciada, eu viajo muito. Mas como é que não percebi, na volta de meu “périplo”, que VEJA não estava mais me aguardando, empilhada na bandeja de prata que meu mordomo costuma usar para me trazer, toda manhã, os principais periódicos do Ocidente?)

“Ou está dando um tempo…”

(é, foi o que fiz com a Ana Paula Arósio e a Maria Fernanda Cândido)

“Ou…

Interferi diretamente.”

(escute, que mal pergunte, quem é você afinal?)

“Tenho uma ideia clara na cabeça.”

(ah, deve ser alguém da Veja mesmo).

“Se Marcelo ainda não voltou é porque está só esperando uma boa oportunidade e ainda não soubemos criá-la.”

(engenhoso, rapaz! Você sabe bem que MARCELO COELHO é astucioso e preza suas oportunidades de investimento. Faz como na Bolsa ou no dólar: espera as cotações baixarem para comprar).

“Foi quando todos tomamos a decisão de trazer você de volta.”

(nossa, como vocês aguentaram ficar tantos anos com saudade de mim?)

“Criamos a oportunidade que você espera.”

(nossa, gêintche… num acreditcho…)

“Começamos com o maior desconto que podemos dar: 50%”

(es poco, corazón. En las calles de Buenos Aires muchas chicas más guapas que vos ya me hicieron ofertas más despudoradas).

“Ou seja, você vai assinar VEJA pela metade do preço.”

(legal traduzirem 50% por metade do preço. A clientela, por mais diferenciada que seja, às vezes se confunde na matemática).

Mais uma página de explicações e, finalmente, fico sabendo quem escreveu a mensagem.
É Marcia Donha, gerente de assinaturas da revista Veja. Não colocou a fotografia junto.

Mas como se trata de uma carta pessoal e carinhosa, quem sabe eu respondo.

MARCIA,

Obrigado por dizer que eu faço falta. Pensei que vocês nem ligassem para o fato de eu ter suspendido a assinatura há tanto tempo.

Toda a sua equipe, durante esses anos, parece ter se preocupado mais em cultivar um público limitado, preconceituoso, consumista e sem nenhuma sofisticação cultural, disposto apenas a ver numa revista a confirmação de suas ideias simplistas sobre o mundo, incapaz de notar o tom partidário e editorializado de matérias pobres em conteúdo informativo, além de pronto a aplaudir o estilo hidrófobo de seus colaboradores.
Fico feliz: estão pensando em me reconquistar.
Mas achar que eu estava esperando esse descontinho para voltar… francamente.
Só volto quando ganhar as obras completas de Lya Luft encadernadas de brinde.
Cobro caro para vocês terem o meu amor de volta.
Não sou desses que acodem a qualquer trocadinho, viu, MARCIA?

Um beijo, fofa.

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-apelo-de-veja-e-a-resposta-do-colunista-da-folha

Responder

Raimundo

25 de novembro de 2012 às 19h30

Gostaria de saber o porquê da Presidente Dilma ter reconduzido PGR engavetador ao cargo em 2011?

Responder

Messias Franca de Macedo

25 de novembro de 2012 às 16h28

Fofuras da “Veja”

POR MARCELO COELHO
25/11/12 – 03:08

Faz muito tempo que não leio a “Veja”, tendo apenas comprado o número da semana passada para ver a matéria sobre a Osesp e o amigo Arthur Nestrovski.
Eis que, como ex-assinante, recebo pelo correio um convite promocional.
É uma obra-prima de imaginação mercadológica mal dirigida.
Na cobertura do envelope, uma intrigante mensagem.
Marcelo,
Perguntei por que faltava o seu nome e ninguém soube explicar. Veja como, logo depois, tudo ficou resolvido.
Hum. Vamos ver? Abro o envelope.
MARCELO,
(é sempre bom ver o nome da gente assim em letras grandes)
a reunião de ontem foi muito importante para mim e você tem tudo a ver com isso.
(ele nem imagina o quanto).
Toda a nossa equipe checava os nomes das pessoas que continuavam assinantes de VEJA.
(precisa ser uma equipe grande para fazer isso, eu acho).
Algumas depois do primeiro ano de assinatura. Outras depois de dez, vinte anos e até mais.
Gostoso foi comprovar que era uma seleção de gente extremamente diferenciada, ativa e participante, que faz a diferença no meio em que vive.
(deve ter sido bem gostoso, mas um bocado trabalhoso também. Quantos assinantes tem a revista, quinhentos mil? Um milhão? Para eles terem “selecionado” esse milhão de pessoas no meio da população brasileira, e depois comprovarem que a seleção foi bem feita, puxa, não invejo. Mas o importante é que EU, MARCELO, tinha tudo a ver com a importância dessa reunião).
Gente como Marcelo Penteado Coelho
(Não disse? Olha eu aí!)
Quando perguntei por que você não estava mais entre os assinantes de VEJA, algumas possibilidades apareceram.
(Vamos ver se ele acerta)
Marcelo perdeu o prazo de renovação, por algum motivo.
(aí não vale: qual o motivo? Ainda está frio…)
Ou viajou na hora de renovar e esqueceu.
(está certo, como sou uma pessoa diferenciada, eu viajo muito. Mas como é que não percebi, na volta de meu “périplo”, que VEJA não estava mais me aguardando, empilhada na bandeja de prata que meu mordomo costuma usar para me trazer, toda manhã, os principais periódicos do Ocidente?)
Ou está dando um tempo…
(é, foi o que fiz com a Ana Paula Arósio e a Maria Fernanda Cândido)
Ou…
Interferi diretamente.
(escute, que mal pergunte, quem é você afinal?)
Tenho uma ideia clara na cabeça.
(ah, deve ser alguém da Veja mesmo).
Se Marcelo ainda não voltou é porque está só esperando uma boa oportunidade e ainda não soubemos criá-la.
(engenhoso, rapaz! Você sabe bem que MARCELO COELHO é astucioso e preza suas oportunidades de investimento. Faz como na Bolsa ou no dólar: espera as cotações baixarem para comprar).
Foi quando todos tomamos a decisão de trazer você de volta.
(nossa, como vocês aguentaram ficar tantos anos com saudade de mim?)
Criamos a oportunidade que você espera.
(nossa, gêintche… num acreditcho…)
Começamos com o maior desconto que podemos dar: 50%
(es poco, corazón. En las calles de Buenos Aires muchas chicas más guapas que vos ya me hicieron ofertas más despudoradas).
Ou seja, você vai assinar VEJA pela metade do preço.
(legal traduzirem 50% por metade do preço. A clientela, por mais diferenciada que seja, às vezes se confunde na matemática).
Mais uma página de explicações e, finalmente, fico sabendo quem escreveu a mensagem. É Marcia Donha, gerente de assinaturas da revista Veja. Não colocou a fotografia junto.
Mas como se trata de uma carta pessoal e carinhosa, quem sabe eu respondo.
MARCIA,
Obrigado por dizer que eu faço falta. Pensei que vocês nem ligassem para o fato de eu ter suspendido a assinatura há tanto tempo. Toda a sua equipe, durante esses anos, parece ter se preocupado mais em cultivar um público limitado, preconceituoso, consumista e sem nenhuma sofisticação cultural, disposto apenas a ver numa revista a confirmação de suas ideias simplistas sobre o mundo, incapaz de notar o tom partidário e editorializado de matérias pobres em conteúdo informativo, além de pronto a aplaudir o estilo hidrófobo de seus colaboradores. Fico feliz: estão pensando em me reconquistar. Mas achar que eu estava esperando esse descontinho para voltar… francamente. Só volto quando ganhar as obras completas de Lya Luft encadernadas de brinde. Cobro caro para vocês terem o meu amor de volta. Não sou desses que acodem a qualquer trocadinho, viu, MARCIA?
Um beijo, fofa.

FONTE – acredite se quiser!: http://marcelocoelho.blogfolha.uol.com.br/2012/11/25/fofuras-da-veja/

#########################

TEMPO HISTÓRICO: ‘a veja’ jogada, literalmente, no esgoto da ‘Marginal’!…
SEN-SA-CI-NAL, SENSACIONAL!

Egrégio e impávido Jornalista Marcelo Coelho, o honesto, sapiente e valoroso povo trabalhador brasileiro lhe agradece, penhoradamente! A história, idem!…

Felicidades!

Saudações democráticas, progressistas, nacionalistas, antigolpistas e civilizatórias,

BRASIL (QUASE-)NAÇÃO
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Jacó do B

25 de novembro de 2012 às 13h57

Agora o Sarney cai! com a imprensa investigativa do Brazil vamos assistir no fantástico, ler na veja e na folha a mais nova acusação contra o “aliado” do Lula. Bem, só quando tucano criar dente.

Responder

Messias Franca de Macedo

25 de novembro de 2012 às 13h22

Tudo ao contrário
Por Mino Carta
Editorial
23.11.2012 09:10
Em http://www.cartacapital.com.br/sociedade/tudo-ao-contrario/#todos-comentarios

(…)
Há provas irrefutáveis de que Cachoeira executou grampos a pedido de Policarpo Jr. e organizou a operação para monitorar os movimentos de José Dirceu, cujos resultados geraram uma capa da semanal da Abril. Provado está também que o ex-senador Demóstenes Torres ganhou as célebres páginas amarelas de Veja, prontas a apresentá-lo como um varão de Plutarco, em atenção a uma solicitação de Cachoeira. Investigações da Polícia Federal revelaram que, durante a feliz parceria, o profissional e o contraventor mantiveram mais de 200 conversações pelo telefone.
Situações similares em outros países provocaram a expulsão de jornalistas não somente de suas redações, mas também, e sobretudo, das próprias entidades da categoria. Por ter formulado acusações falsas, um diretor de redação italiano pagou recentemente pela culpa do seu jornal e foi condenado a alguns anos de reclusão. No Reino Unido, Rupert Murdoch teve de sair do país por ter praticado façanhas muito parecidas com aquelas cometidas pela Veja de Policarpo Jr.
(…)
Donde já me apresso a preparar meu coração e meus ouvidos para a tradicional ladainha, a denunciar o assalto à liberdade de imprensa. Como é do conhecimento até do mundo mineral esta, nas nossas latitudes, corresponde à liberdade dos barões midiáticos e dos seus sabujos de agirem como bem entendem. Manipulam, omitem, mentem.
Quando a verdade factual dos comportamentos de Policarpo Jr., e portanto da Veja e da Abril, veio à tona faz meses, até um Marinho se moveu do Rio no rumo de Brasília para um encontro com o vice-presidente da República, Michel Temer, a fim de alertá-lo sobre os riscos que a mídia da casa-grande sofreria caso o parceiro de Cachoeira fosse chamado a depor na CPI. Logo, uma figura graúda da Abril seguiu-lhe os passos para reproduzir o alerta. Se havia um plano de convocar Policarpo Jr., este abortou. Temer sabe mexer seus pauzinhos.
(…)
Observem: houvesse eleições presidenciais hoje, Dilma Rousseff esmagaria qualquer competidor da oposição. E Lula ganhou anteontem a parada paulistana ao levar Haddad à prefeitura contra o cada vez mais preparado José Serra. Não consigo escapar ao costumeiro diálogo com os meus botões. Será que, neste singular, insólito, quem sabe único país chamado Brasil, os vencedores atuam como perdedores e vice-versa?

##########################

Que país é este, sô?!…

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Rose PE

25 de novembro de 2012 às 12h45

Está claríssimo que há uma troca de favores entre Gurgel e Sarney, um fazendo a vontade do outro. “Que País é esse”? O fato é que a Casa Grande vai sempre ditar as ordens , fazer desmandos e tudo bem . Simplemente revoltante.

Responder

Messias Franca de Macedo

25 de novembro de 2012 às 12h33

O DESPREZO [PELA VERDADE DOS ‘DOMÍNIOS DOS FATOS’ (SIC)] DE UM JORNALISMO DESPREZÍVEL! JORNALISMO CARA PÁLIDA E/OU CARA AMARELA! ENTENDA

… Os representantes do PIGolpista/terrorista – ‘os(as) jornalistas amigos(as) dos patrões barões da “grande” mídia nativa’ – tentam desqualificar integralmente o relatório final da CPMI do Cachoeira – relatório de mais de *4.000 páginas. O PIG tenta reduzir todo o trabalho empreendido, todos os esforços envidados, todas as provas coletadas… Num simples instrumento de revanchismo do **PT em função dos desdobramentos do julgamento do mensalão! Nada deverá ser, portanto, aproveitado! Apregoam, até, que a CPMI do Cachoeira não terá, pasme, nem mesmo um relatório final! Pretendem, tudo jogado no ralo que desemboca no esgoto do lixo parlamentar!… Um dos argumentos utilizados com o desiderato de desmoralizar o relatório pode ser traduzido da seguinte forma: neste país [de ‘Nois’ Bananas!], são seres inimputáveis: jornalistas [do PIG!]; procurador-geral da República [ainda que prevaricador!]; governadores e outros cargos ocupados por tucanos; “supremos do supremoTF” – apesar daquela declaração histórica da egrégia, competente e impávida magistrada Eliana Calmon, baiana ‘arretada’!]; empresários de alta plumagem e demais que ao PIG interessar possa!…
*349 páginas do relatório dedicadas ao envolvimento de profissionais de mídia com a organização do contraventor Carlos Cachoeira.

FONTE: http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2012/11/22/interna_politica,331453/relatorio-da-cpi-do-cachoeira-dedica-349-paginas-a-jornalistas.shtml

** “Investigamos, sim, as incursões da organização criminosa no Distrito Federal e não restaram provadas, em nenhum momento, vinculações do governador Agnelo Queiroz com o empresário Carlos Cachoeira.” Deputado federal Odair Cunha (PT/MG), relator da CPMI do Cachoeira.
Sobre o pedido de investigação do governador de Goiás, Marconi Perillo, Cunha destacou que ele [Marconi Perillo] precisa esclarecer sua ligação com o grupo de Cachoeira. “Por que ele se envolveu tão intimamente com a organização criminosa, deixou que ela tomasse conta de parte importante do seu governo? Não temos culpa de ele ter se relacionado com essa organização.”

FONTE: http://www.cartacapital.com.br/politica/independentes-criticam-relatorio-da-cpmi-do-cachoeira-e-apresentam-documento-paralelo/
Matéria originalmente publicada na Agência Brasil

EM TEMPO: em um destes programas de “debates” do PIG, ‘um convidado escolhido a dedo’ pontuou: “Logo após o encerramento do julgamento do mensalão [o mensalão do PT, revisor!], uma Associação de juízes [de juízes – (a)de(n)do sujo nosso!] ingressará com uma ação no STF [no próprio (inclemente e onisciente!) STF – de novo, (a)de(n)do sujo nosso!] requerendo a nulidade do julgamento da Ação Penal 470! A motivação: a Reforma da Previdência teria sido votada e aprovada a partir da compra de parlamentares! Ainda que a nulidade seja parcial porquanto a ação a ser ‘ajuizada pela associação de juízes’ (sic) contestará, apenas, os prejuízos causados pela Reforma aos… Juízes(!)”
[‘No domínio deste fato’, nada de privilégios e corporativismo indecorosos!]

RESCALDO: “Seu menino”, “sua menina”, quando nos estertores “das discussões em uníssono”(!?) ‘esse convidado escolhido a dedo’ acabou de fazer a explanação, ‘a convidada escolhida a dedo’ [Eliane Cantanhêde] e a âncora [Cristiana Lobo], literalmente, rostos enrubescidos, para em seguida, amarelados de uma lividez sepulcral! Coitados(as) dos(as) assinantes!…

Que jornalismo é este, sô?!…

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Marcos Flima

25 de novembro de 2012 às 11h43

E agora?
E agora temos que procurar o BISPO.
JÁ QUE NÃO EXISTE ÓRGÃO CMPETENTE PARA TOMAR PROVIDÊNCIAS.

Responder

Luís Carlos

25 de novembro de 2012 às 07h24

E o Ministério Público em total silêncio?!?! Que vergonha!! Deixam o Gurgel afundar o MPF neste mar de lama. É a burocracia governando o país sem voto. O povo que se lasque, não é Gurgel?

Responder

Francisco

25 de novembro de 2012 às 06h39

O que me impressiona é que passados mais de 20 anos da ditadura, um sujeito sem voto, um servidor público nomeado, ainda detenha mais poder que representantes eleitos pelo voto popular.

O debate politico no país esta andando perigosamente “para trás”. Não era para, a partir da eleição petista, o povo poder cada vez mais e melhor?

Quem é esse gaiato? Quem botou esse jabuti na árvore? Não fomos nem eu, nem meu voto.

PS. A partidarização do judiciário precisa acabar imediatamente e em definitivo, sob sérios riscos à institucionalidade…

Responder

    José X.

    25 de novembro de 2012 às 10h23

    “O que me impressiona é que passados mais de 20 anos da ditadura, um sujeito sem voto, um servidor público nomeado, ainda detenha mais poder que representantes eleitos pelo voto popular.”

    MPF e STF muito, mas muito piores do que qualquer político, porque na prática são uma casta de privilegiados, estão acima da lei. Podem cometer as maiores barbaridades possíveis e não tem como serem cobrados.

    Precisamos de uma revolução (de verdade) contra esse autoritarismo judicialesco.

Sérgio

25 de novembro de 2012 às 01h24

Nunca na história deste País o MPF esteve tão mal representado, a histórica Instituição não merece o descrédito causado por este senhor.

Responder

Vlad

24 de novembro de 2012 às 23h23

O Procurador-Geral pode estar acometido do mesmo mal de quem o nomeou: feitiço.

https://www.viomundo.com.br/politica/leandro-fortes-o-feitico-do-sarney.html

Responder

abolicionista

24 de novembro de 2012 às 22h24

É preciso levar a democracia ao Brasil.

Responder

Cabeça de bagre com rabo de baleia « Ficha Corrida

24 de novembro de 2012 às 22h11

[…] Mauricio Dias: Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney « Viomundo – O … Rate this:Sirva-se:Gostar disso:GosteiSeja o primeiro a gostar disso. Deixe um comentário […]

Responder

Abelardo

24 de novembro de 2012 às 20h42

Se em lugar de Roseana x Gurgel x Sarney fossem três adversários do PIG, haveria uma espetaculosa e histérica denúncia na mídia, acrescida de uma agravante acusação de formação de quadrilha.

Responder

Regina Braga

24 de novembro de 2012 às 20h30

A PGR virou casa de Mãe Joana…arquiva um,libera dois,esconde quatro,acusa petista…e tudo fica muito bem, obrigado.E depois falamos do crime organizado? E das Instituições organizadas?Uii,que medo!

Responder

Messias Franca de Macedo

24 de novembro de 2012 às 20h01

… A propósito, *o condenado a mais de cinco anos em regime semi-aberto será dispensado de
pernoitar no xilindró,
faça chuva ou faça sol?!…

*O condenado **”professor” Carlinhos Cachoeira sob os auspícios do ‘Brazil’ “mudado por um menino pobre!”…
**e empresário, segundo o PIG e Marconi ‘Periggo’!…

Que país é este, sô?!…

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Franca de Macedo

24 de novembro de 2012 às 19h37

[AINDA SOBRE *’A FILA ANUNCIADA’ PELO PAULO HENRIQUE AMORIM!

*DILMA É A PRÓXIMA.
PF INDICIA “ERENICES”

Quando a PF vai investigar a Privataria Tucana do Amaury? E o brindeiro Gurgel já leu os exemplares que o Edu gentilmente enviou ?
em *http://www.conversaafiada.com.br/politica/2012/11/24/dilma-e-a-proxima-pf-indicia-erenices/#comment-975966
Publicado em 24/11/2012]
Estadão frustrado com a demora de petistas irem para a cadeia
publicado em 24 de novembro de 2012 às 17:13

Será que o ministro Joaquim Barbosa, presidente do STF, vai dar ordem para que o acórdão do mensalão fure a fila?

em https://www.viomundo.com.br/politica/estadao-frustrado-com-a-demora-de-petistas-irem-para-a-cadeia.html/comment-page-1#comment-397777

TENTATIVA DE ADIVINHAÇÃO ÓBVIA(!) POR PARTE DO MATUTO ‘BANANIENSE’: ‘é plausível e crível’ que sim, haja vista que estamos no ‘Brazil’ “mudado por um menino pobre!” Em sendo assim, é deveras, digamos, ‘tênue’ este ‘domínio do fato’ não contemplar mais uma inovação do “supremoTF”: um inusitado “fura-fila judicial”!…

– E “os supremos do supremoTF” combinaram com “os da fila ‘passos de tartaruga'”?!
– Você é de onde?!
– da fila do STF!
– Qual é o acórdão!
– Do processo nacional acerca do direito ao recebimento do pagamento da URV por parte dos funcionários públicos!
– Então, considere que a verdade é uma quimera! (sic) Mesmo porque uma fila – independentemente da extensão e do tempo decorrido (idem sic) – tem duas extremidades, ambas não passíveis de discriminação! Portanto, trate de se contentar com o crédito consignado do Lula!
– “Até mais vê”!

Que país é esse, sô?! República de ‘Nois’ Bananas, responde, “na lata”, o matuto ‘bananiense’!

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Franca de Macedo

24 de novembro de 2012 às 18h33

DILMA É A PROXIMA.
PF INDICIA “ERENICES”

Quando a PF vai investigar a Privataria Tucana do Amaury? E o brindeiro Gurgel já leu os exemplares que o Edu gentilmente enviou?

http://www.conversaafiada.com.br/politica/2012/11/24/dilma-e-a-proxima-pf-indicia-erenices/#comment-975728
Publicado em 24/11/2012

##################################

LÁ VEM O MATUTO PRESTIDIGITADOR!

… Diante do ‘domínio do fato’ – de fato, constantemente golpista/terrorista daqueles que não tem voto nem tampouco apreço pelo povo -, há muito temos duas ‘CPMIs anunciadas’: a do mensalão da Dilma (sic) e a da Copa do Mundo! ‘A tênue’ dúvida é, neste momento, identificar a ordem cronológica, digamos, ‘mais plausível’! No entanto, considerando a natureza da [eterna] DIREITONA OPOSIÇÃO AO BRASIL, as duas CPMIs podem transcorrer concomitantemente! ‘É crível’! E para o bem do ‘BRAZIL’ “mudado por um menino pobre!”…

… Realmente, não há como negar: os representantes da DIREITONA não mais conseguem deixar de demonstrar um profundo mal-estar, certo constrangimento, ansiedade…: 12 anos destronados do poder central – e a perspectiva concreta da reeleição da presidente Dilma Rousseff, A Magnífica -, estão colocando setores da “elite” ‘nacioná’ em polvorosa!…
… É o que estamos afirmando, reiteradas vezes: “A DIREITONA está apostando todas as fichas(!) nas últimas consequências!”

‘O DOMÍNIO DO FATO’: compreendendo o desespero dos impios e ímpios(!), nós não podemos esperar um armistício! De forma imperiosa, somente nos resta a capacidade de permanecermos na resistência!…

AS RUAS, BECOS, AVENIDAS… ESPERAM – E CLAMAM -, ANSIOSAS, POR VOZES! OU NÃO?!…

AVANTE POVO BRASILEIRO! As nossas poucas conquistas democráticas não decorreram da faina de um final de semana qualquer!… Lembremos de Rubens Paiva, Vladimir Herzog, Carlos Marighella, *Sônia Maria de Moraes Angel Jones… E tantos outros e outras brasileiros(as) que tiveram as vidas ceifadas, ao lutarem bravamente por ‘um país melhor que temos hoje’!… Lembremos daquela jovem mulher encarcerada e torturada nos porões da ditadura militar, cujo nome é Dilma Vana Rousseff!…

###################

*SÔNIA MARIA DE MORAES ANGEL JONES (1946-1973)
Sônia Maria era gaúcha de Santiago do Boqueirão e filha de um oficial do Exército. Morava no Rio de Janeiro e trabalhava como professora de português quando se casou com Stuart Edgar Angel Jones, militante do MR-8 – mais tarde, morto sob torturas e procurado incansavelmente pela mãe, a estilista Zuzu Angel, também morta por ação de agentes do poder público.
(…)

FONTE: http://joaramos.blogspot.com.br/2012/03/mulheres-torturadas-desaparecidas-e_30.html

#####################

Hasta la Victoria Siempre!

BRASIL (QUASE-)NAÇÃO
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

J Souza

24 de novembro de 2012 às 16h24

Judiciário seletivo…
Mídia seletiva…
Onde não há voto é assim mesmo, bem pior do que no executivo e no legislativo!
Não prestam contas a ninguém!

Responder

Apolônio

24 de novembro de 2012 às 15h38

Vamos pressionar o relator para que ele mantenha o relatório.

Responder

Armando

24 de novembro de 2012 às 15h14

Boa Tarde. A Sra. Roseana é filho do Senador Sarney; Sarney é amigo pessoal do Lula…qual o problema?

Responder

Willian

24 de novembro de 2012 às 15h10

Deveríamos estar falando de Rosemary, e não de Roseana hoje.

Responder

silvia macedo

24 de novembro de 2012 às 14h36

Neste sábado a Folha refere-se a Cachoeira como empresário.

Responder

    Bonifa

    24 de novembro de 2012 às 17h10

    Já não era sem tempo. Em pouco, estará escrevendo na Folha.

    Messias Franca de Macedo

    24 de novembro de 2012 às 19h54

    … Não duvidem de o *”professor” Cachoeira ser alçado à condição de ‘ombudsman’ da **’Folha’!…

    *segundo o impoluto (sic) magistrado DEMÓstenes Torres!

    **[‘Folha’] da ditabranda dos Frias’!…

    Que país é este, sô?!…

    Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo

    nina rita de cássia

    24 de novembro de 2012 às 17h42

    Trata-se de um empresário da Cultura, dedicado ao lazer no ramo de jogos populares. Vem há anos enriquecendo essa atividade, que também é ecológica, pois refere-se a bichos. É um ecologista que, após prestar tantos benefícios, resolveu estender suas atividades, dedicando-se ao ramo da construção. Nesta, vem beneficiando construtores, obstruídos pela morosidade do setor público, a pretexto de exigências formais, como processos de licitações. É um urbanista. Vem também colaborando com o aperfeiçoamento das instituições democráticas, tendo, muito se empenhado em expurgar as instituições políticas de verdadeiros alienígenas que se encrustam no poder para tirar proveito próprio ou alheio. É um moralizador.

    José Barbosa

    24 de novembro de 2012 às 21h05

    O Cachoeira não passa de um bandido. A única diferença é que é um bandido rico.

assalariado.

24 de novembro de 2012 às 14h33

Partindo do principio, de que, o que move a sociedade são as perguntas e não as respostas, aqui vai:

— O tribunais do Estado burgues e seus genericos jurídicos, começaram a fazer esse tipo de “justiça”, em que século mesmo?

— Será que isso começou logo na nascente burguesia mercantilista, no século 18, enquanto classe social dominadora e exploradora dos povos e das nações?

— Será que esse senso de “justiça” nasceu junto com DNA ideologico dos principios politicos dos parasitas do capital e seus lacaios?

— Será que, na real, o Estado e suas instituições, nunca passaram de um puxadinho para além dos portões empresariais da burguesia patronal?

— Será que os verdadeiros corruptores (não falei corruptos) da sociedade constituída os protagonistas principais, não são os donos do capital?

— Esta peça de teatro a qual chamamos de Estado de Direto, quais serão os que fazem papel de mocinhos tempo inteiro, mas que, na real, são os verdadeiros vilões da sociedade?

— Será que o PIG, braço politico do capital dentro de nossas casas tem alguma coisa haver com tudo isso?

— Ou é só porta voz, juridico, legislativo e gerencial do capitalismo?

Saudações.

Responder

Geraldo

24 de novembro de 2012 às 14h26

Leia, Odair!!!!

Responder

Vanda Correa Nunes

24 de novembro de 2012 às 14h16

Vamos começar com o pedido a ODAIR de: LEIA ODAIR O RELATÓEIO.

Responder

Luana

24 de novembro de 2012 às 14h14

Que gente nojenta.

Responder

Gerson Carneiro

24 de novembro de 2012 às 13h26

Lembram quando a oposição vistoriava até telefonemas da neta do Sarney para atingir o Lula? Cadê aquela oposição?

Responder

Marat

24 de novembro de 2012 às 13h12

A revista Veja, os jornais Folha de SP, O Estado de SP, O Globo, os telejornais da Globo, da Bandeirantes, do SBT e tantos outros, clamam por justiça e propalam que a justiça está sendo feita, que há uma mudança em curso. Folgo em saber disso… folgo em saber que eles, já que se mostram tão ciosos por ética e justiça, tenham motivo, mais uma vez, de mostrar sua indignação, e de exigir que eventuais culpados sejam julgados, independente das colorações partidárias e ideológicas… Que bom que temos uma imprensa assim, né: digna, honesta, combativa, do bem, pela lei, pela ordem e pela justiça. Vou dormir tranquilamente, com a certeza de que amanhã lerei editoriais raivosos, exigindo averiguações!!!

Responder

Urbano

24 de novembro de 2012 às 13h10

O fubica é tudo isso que já se sabe de cor e salteado. Agora, resta saber com que cara a salvação de tarado e fraudadores poderá puni-lo, uma vez que se encontram no mesmo iate de luxo…

Responder

    Bonifa

    24 de novembro de 2012 às 17h19

    O iate poderá bater em uma pedra, desde que todos a bordo se embriaguem de tantas aparentes vitórias.

    Urbano

    26 de novembro de 2012 às 14h54

    Bonifa, eu creio que seja difícil, mas não impossível claro, que isso aconteça. Esse iate detém a última tecnologia de ponta já posta em prática aqui no Brasil. Blindagem de ampla capacidade de impacto, desenvolvida pelos banban (assim mesmo revisor – (essa é do amigão que no dia que souber disso, ele acaba essa amizade rsrsrs)) da oposição ao Brasil.

Marco

24 de novembro de 2012 às 13h07

O PGR precisa urgentemente ser investigado!!! O país não pode ficar a mercê de um indivíduo na PGR que pode estar cometendo crimes há anos!!!

Responder

Jose Mario HRP

24 de novembro de 2012 às 12h47

Uma hora a casa cai!

Responder

ZePovinho

24 de novembro de 2012 às 12h43

SAI JÁ DAÍ,PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA ROBERTO GURGEL!!!!!DO CONTRÁRIO,VOCẼ INCRIMINARÁ UM HOMEM QUE É CULPADO DE MUITAS COISAs:JOSÉ SARNEY!!!!!!!!

Responder

francisco niterói

24 de novembro de 2012 às 12h43

Se foi preco a pagar pra nao ter o serra na presidencia, o demostenes no stf ou ministerio da justica e, quem sabe, o policarpo como chefe da Secom, valeu a pena.
Nao podemos ter tudo de uma vez só.

A dinastia sarney nao é eterna. O mal que o serra faria ( vender a petrobras, dar o pre-sal pra chevron e similares) seria eterno.

O que vcs nao perdoam no Lula é isso. Ele aprendeu a fazer o que a direita fazia ha 500 no pais. E as mudancas estruturais estao vindo. Ou alguem acha que estudantes pobres em universidades, por exemplo, nao fará diferença no futuro?

Responder

    francisco niterói

    24 de novembro de 2012 às 14h51

    Esta resposta é para o willian abaixo que questiona a alianca com sarney em 2010. Deculpas pois ficou fora do lugar

Maria Libia

24 de novembro de 2012 às 12h42

Willian, cada vez que leio seus comentários, fica cada vez mais feliz. Sabe por que? Porque você baba de ódio dos petista. E cada vez que voce baba eu fico muito feliz, porque voce está se envenenando com a sua própria saliva. Morra de ódio, inveja, preconceito, racismo, prepotência, cinismo, vilania, deboche, etc., etc.. VIVA O GRANDE PT.

Responder

Sr. Indignado

24 de novembro de 2012 às 12h32

sim sim…DEVE ser a respeito da influjência dos Sarney no judiciário maranhense.

Responder

Jose Mario HRP

24 de novembro de 2012 às 12h26

O intocável continua a mil na arte de torturar os outros devagarinho?
O que leva esse cara a ter tal comportamento?
Faz tempo que Collor ocupa a tribuna do Senado, ataca-o e o sujeito permanece em silencio, dando risadinhas debochadas, e dando de ombros quando descobrem suas manobras para aparelhar o CNMP e seus métodos pouco éticos e questionáveis de apreciar inqueritos.
Alguém poderia me dizer quando termina o mandato desse sujeito?

Responder

    Bonifa

    24 de novembro de 2012 às 16h53

    Termina em julho de 2013. Mas é incrível como o poder adicional da mídia pode fazer de um fanfarrão um Superhomem. O Gurgel consegue segurar todo o Congresso, não é pouca gente, é o Brasil em marcha com seus representantes, porque tem poder de chantagem contra o presidente do Senado, que se recusa a votar um nome aprovado pela Câmara para integrar o Conselho Nacional do Ministério Público. Este Conselho, com esta nomeação, atingiria o Fator Hombridade necessário para investigar e punir as inacreditáveis peripécias escusas do Procurador Geral. Sarney vai acabar com o que resta de sua biografia por causa de um tipo como Gurgel.

    francisco niterói

    24 de novembro de 2012 às 17h45

    caro
    Será que ainda resta algo na biografia do sarney?

    Bonifa

    25 de novembro de 2012 às 14h12

    Em 1961 Sarney, como deputado delegado especial do Brasil à Assembléia Geral da ONU, subiu à tribuna para condenar o apartheid da África do Sul. Em 1989, Sarney criou o IBAMA para a defesa do meio ambiente. Em 1986, depois da realização de uma Conferência Nacional de Saúde, Sarney implantou o Sistema Unificado e Descentralizado de Saude, responsável pela universalização do antendimento a todos os brasileiros, previdenciários ou não. Sarney rompeu com o isolamento e desconfiança em relação à Arrgentina e, juntamente aquele país e mais o Uruguai, criou o Mercosul. Como escritor, Sarney se consagrou com o lançamento em 1995 de seu romance “O Dono do Mar”. O antropólogo Claude Levy Strauss considera O “Dono do Mar” uma das três maiores obras literárias já escritas a respeito do Mar, juntamente com “O Velho e o Mar” de Hemingway e “Moby Dick” de Herman Melville.

FrancoAtirador

24 de novembro de 2012 às 12h21

.
.
Carta na manga para chantagem.

O mesmo se aplica no caso do Demóstenes.

Eles precisam ter os senadores na mão.

O Senado é a única instituição da República

que poderia processá-los e condená-los.
.
.
Pelo visto, só o Collor e o Requião

têm culhões pra enfrentar essa máfia.
.
.

Responder

    Carlos Ribeiro

    24 de novembro de 2012 às 13h00

    E Rôxo!!!

    FrancoAtirador

    24 de novembro de 2012 às 14h57

    .
    .
    “A revelação das ligações do senador Demóstenes Torres com o bicheiro Carlinhos Cachoeira lança uma sombra de suspeita sobre o procurador geral Roberto Gurgel.

    Demóstenes foi elemento central na recondução de Gurgel ao cargo de Procurador Geral, desempenhando papel bastante conhecido em assembléias de acionistas.

    Primeiro esbravejou, exigindo de Gurgel a abertura de processo contra Antonio Palocci, ameaçando não votar a favor da sua recondução ao cargo.

    Depois, recuou, disse que, infelizmente, as alegações de Gurgel – de que não havia nenhum elemento que comprovasse origem ilícita dos recursos de Palocci – eram corretas e só lhe restava acatar a lei.”

    (Jornalista Luis Nassif)

    https://www.viomundo.com.br/politica/luis-nassif-o-procurador-geral-o-senador-e-o-bicheiro.html

Angela Maria

24 de novembro de 2012 às 12h21

Chantagem.
Troca de favores.
Que mais…

Responder

Bonifa

24 de novembro de 2012 às 12h20

Quem pauta quem será ou não julgado ou denunciado, todos sabemos, é a mídia oposicionista. A mídia não quer agora denúncia contra Roseana, vai esperar momento mais favorável para obter maiores resultados. Gurgel é mais que peixe graudo. É aliado importantíssimo da Oposição e sua mídia. No momento, a mídia se concentra em provar que Dirceu seria mesmo um perigoso bandido, o que não ficou bem claro no julgamento, e também em reforçar a reputação do STF, hoje abalada visivelmente. Mas a mídia pretende também enterrar esta CPMI do Cachoeira de qualquer maneira, para proteger Perillo, Policarpo e Gurgel.

Responder

francisco niterói

24 de novembro de 2012 às 12h13

Ué, mas com o julgamento do “mensalao do PT” o Brasil nao tinha inaugurado uma nova era?

Agora nao temos um judiciario que nao se dobra a poderosos?.

E o senhor Gurgel nao é um dos simbolos desta nova era?

Engraçado! Na cachorrada (com perdao dos cachorros, animais que respeito muito) do gurgel contra o gushiken a midia sugeriu que foi tudo correto tendo em vista que ele foi absolvido.Ou seja, mesmo sendo inocente o gushiken foi processado e julgado, conforme assim entendeu a midia e o gurgel. Afinal de contas, deram a ele a possibildade de se defender na justiça.

Entao, na melhor das hipoteses, o gurgel sera processado e inocentado.

ENTAO, GURGEL, FACA COMO O GUSHIKEN E PROVE A SUA INOCENCIA NA JUSTIÇA. AFINAL DE CONTAS, CONFORME DIZIA A MIDIA, QUEM NAO DEVE NAO TEME.

Responder

JoãoP

24 de novembro de 2012 às 11h53

Bravo, Mauricio Dias! Ainda há Jornalistas nesse País. Vamos lançar uma campanha “Leia, Odair!”, caso contrário o PIG e os “trêfegos parlamentares” vão acabar removendo certos elementos do Relatóro da CPMI do Cachoeira.

Responder

    joao

    24 de novembro de 2012 às 21h09

    Parabéns JORNALISTA MAURICIO DIAS !!

Willian

24 de novembro de 2012 às 11h52

Roseana Sarney é aquela para quem o Lula fez campanha, mesmo contra o PT do Maranhão?

Responder

    Carlos Ribeiro

    24 de novembro de 2012 às 13h02

    E??????????

    FrancoAtirador

    24 de novembro de 2012 às 14h28

    .
    .
    Não.

    Essa Roseana é filha do Presidente do Senado

    a quem cabe receber requerimento de impeachment

    nos casos de crimes de responsabilidade praticados

    pelo procurador-geral da ré-pública

    e pelos ministros do Supremo Tribunal Federal.
    .
    .
    CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

    Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal:

    II – processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União nos crimes de responsabilidade; (Redação da EC 45/2004)

    “Impeachment. Ministro do STF. (…)
    Na linha da jurisprudência firmada pelo Plenário desta Corte, a competência do presidente da Câmara dos Deputados e da Mesa do Senado Federal para recebimento, ou não, de denúncia no processo de impeachment não se restringe a uma admissão meramente burocrática, cabendo-lhes, inclusive, a faculdade de rejeitá-la, de plano, acaso entendam ser patentemente inepta ou despida de justa causa.
    Previsão que guarda consonância com as disposições previstas tanto nos Regimentos Internos de ambas as Casas Legislativas, quanto na Lei 1.079/1950, que define os crimes de responsabilidade e regula o respectivo processo de julgamento.
    O direito a ser amparado pela via mandamental diz respeito à observância do regular processamento legal da denúncia.
    Questões referentes à sua conveniência ou ao seu mérito não competem ao Poder Judiciário, sob pena de substituir-se ao Legislativo na análise eminentemente política que envolvem essas controvérsias.”
    (MS 30.672-AgR, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgamento em 15-9-2011, Plenário, DJE de 18-10-2011.)
    Vide: MS 23.885, Rel. Min. Carlos Velloso, julgamento em 28-8-2002, Plenário, DJ de 20-9-2002.

    III – aprovar previamente, por voto secreto, após argüição pública, a escolha de:

    a) Magistrados, nos casos estabelecidos nesta Constituição [ministros do STF, por exemplo];

    e) Procurador-Geral da República;

    XI – aprovar, por maioria absoluta e por voto secreto, a exoneração, de ofício, do Procurador-Geral da República antes do término de seu mandato;

    http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/artigobd.asp?item=%20684

    FrancoAtirador

    24 de novembro de 2012 às 14h46

    .
    .
    CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

    Art. 101 – O Supremo Tribunal Federal compõe-se de onze Ministros, escolhidos dentre cidadãos com mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco anos de idade, de notável saber jurídico e reputação ilibada.

    Parágrafo único – Os Ministros do Supremo Tribunal Federal serão nomeados pelo Presidente da República,
    depois de aprovada a escolha pela maioria absoluta do Senado Federal.

    Art. 104 – O Superior Tribunal de Justiça compõe-se de, no mínimo, trinta e três Ministros.

    Parágrafo único. – Os Ministros do Superior Tribunal de Justiça serão nomeados pelo Presidente da República, dentre brasileiros com mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco anos, de notável saber jurídico e reputação ilibada,
    depois de aprovada a escolha pela maioria absoluta do Senado Federal, sendo: (Alterado pela EC-000.045-2004)

    I – um terço dentre juízes dos Tribunais Regionais Federais e um terço dentre desembargadores dos Tribunais de Justiça, indicados em lista tríplice elaborada pelo próprio Tribunal;
    II – um terço, em partes iguais, dentre advogados e membros do Ministério Público Federal, Estadual, do Distrito Federal e Territórios, alternadamente, indicados na forma do Art. 94*.

    *Art. 94 – Um quinto dos lugares dos Tribunais Regionais Federais, dos Tribunais dos Estados, e do Distrito Federal e Territórios
    será composto de membros, do Ministério Público, com mais de dez anos de carreira,
    e de advogados de notório saber jurídico e de reputação ilibada, com mais de dez anos de efetiva atividade profissional,
    indicados em lista sêxtupla pelos órgãos de representação das respectivas classes.

    http://www.dji.com.br/constituicao_federal/cf101a103.htm

    assalariado.

    24 de novembro de 2012 às 15h42

    Franco, isso é que chamo de masturbação jurídica. Tá tudo em casa nos tribunais do “Estado Democratico de Direito”, onde o povo na maioria das vezes nem consegue um defensor para os seus direitos e suas causas. Em regra, não na exceção, são os ratos tomando conta do queijo. A função deles é gozar (nos dois sentidos), da parte mais pobre da população.

    Ou seja, em se tratando de “justiça”, numa sociedade dividida em luta de classes se faz prioridade (e a burguesia capitalista, sabe disso)-, colocar nesse braço estrategico auxiliar do capital, pessoas indicadas e manipuladas segundo seu extrato social e, de preferencia, que tenham, sejam e defendam, a ideologia e os “valores” dos donos do dinheiro. Ora, mas e as leis? No capitalismo a lei é o dinheiro e as casas das leis são passadas como troco.

    Abraços Camaradas.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Últimas matérias
Jamil Chade: Por se aliar a Trump e defender farmacêuticas, Bolsonaro tomou troco da Índia nas vacinas

Da Redação O colunista Jamil Chade, do UOL, baseado em Genebra, pode ter esclarecido hoje o impasse sobre o envio ao Brasil das vacinas prontas da AstraZeneca/Oxford, fabricadas na Índia. De acordo com Chade, em negociações na Organização Mundial do Comércio, o Brasil aliou-se aos Estados Unidos de Donald Trump para criticar a proposta da […]

Ler matéria