VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

José Dirceu: Documentos, drogas ou dinheiro


25/09/2011 - 11h14

por Luiz Carlos Azenha

O ex-ministro José Dirceu disse ontem, em um seminário da revista Forum, em São Paulo, que acredita que um dos objetivos do repórter que tentou invadir seu apartamento num hotel de Brasília era plantar provas: documentos, drogas ou dinheiro.

O dirigente do PT atribuiu a recente onda de ataques da revista Veja contra ele à tentativa de descobrir alguma prova que torne possível abrir um novo processo judicial, já que, segundo Dirceu, em breve ele será absolvido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no processo do mensalão.

No processo, Dirceu é acusado de chefiar uma quadrilha que teria usado dinheiro público para financiar o apoio político ao então presidente Lula. Dirceu nega as acusações, diz que não há nenhuma prova contra ele e está certo da absolvição.

No evento, o ex-ministro afirmou que o repórter da Veja, Gustavo Ribeiro, é reu confesso, por ter confirmado a tentativa de entrar no apartamento que José Dirceu usa como escritório no hotel Naoum, em Brasília.

Afirmou que a perícia ainda não concluiu se as imagens divulgadas pela revista foram feitas pela própria câmera de segurança do hotel ou por uma câmera instalada pelo repórter. Se o primeiro caso se confirmar, a polícia vai investigar quem pagou e quem recebeu pelas imagens.

Sobre a mídia, Dirceu afirmou que o debate sobre regulamentação deve ser travado no Congresso. Presente, o deputado federal Paulo Teixeira, líder do PT na Câmara, disse que até o final deste ano o governo Dilma deve enviar ao Congresso um projeto de regulamentação do setor. A informação foi atribuída por Teixeira ao ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. O projeto terá como base o texto deixado pronto pelo ex-ministro Franklin Martins.

Frisou-se que o objetivo é regulamentar o novo quadro da mídia que está em formação no Brasil, especialmente depois que as empresas de telefonia foram autorizadas a entrar no setor da TV paga.

José Dirceu ironizou. Segundo ele, os grandes grupos de mídia sempre defenderam a entrada do capital estrangeiro no país, mas ainda hoje defendem uma espécie de “reserva de mercado” que os beneficia no campo das comunicações.

O dirigente petista falou também sobre a falta de isonomia da mídia, especialmente quando se trata de denunciar a corrupção.

Dirceu disse que fiapos de informação foram suficientes para envolvê-lo no noticiário de escândalos com os quais nunca teve qualquer relação, como a denúncia de desvio de dinheiro do BNDES feita por assessor do prefeito Alberto Mourão (PSDB), de Praia Grande; na Operação Pasárgada, que investigou o ex-prefeito de Juiz de Fora, Carlos Alberto Bejani (PTB); e na investigação do caso MSI-Corinthians.

Clique abaixo para ouvir o trecho em que José Dirceu trata do assunto:

dirceu.wma

Leia também:

Eloi Pietá e a regulamentação da mídia no Brasil

Zé Dirceu: De quem era a câmera?

Presidente da Petrobras diz que reportagem é “asquerosa”

Walter Pinheiro: “O que Veja fez não é jornalismo sério, é bandalheira”

Paulo Teixeira repudia o jornalismo de Veja: Provocação e delinquência

Humberto Costa, no Senado: É preciso debater ética da mídia

Devanir Ribeiro, fotografado no hotel: Jornalismo “podre e mentiroso”

A denúncia original de Zé Dirceu: Repórter cometeu crime

Escritório de advogados diz que Veja é versão tupiniquim de tabloide inglês

Brasil de Fato: Se for crime,  puna-se a Veja!

Delcídio do Amaral: Eu derrubei o Palocci?





79 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

roberto Rocha

11 de outubro de 2011 às 09h16 Responder

Sobre a ira social elitista e a iluminação intelectual empírica… « Livre pensar é só pensar!

01 de outubro de 2011 às 07h57

[…] José Dirceu: Documentos, drogas ou dinheiro Like this:LikeBe the first to like this post. […]

Responder

graciliano

29 de setembro de 2011 às 11h55

Se isso que a veja fez não for crime, então vale tudo no Brasil!
Vamos instituir o Prêmio Murdoch de Jornalismo e a veja vence na categoria "Infâmia".

Responder

Heriberto Pozzuto

26 de setembro de 2011 às 22h12

Não se preocupem, tampouco se entusiasmem demais, pois os imortais também morrem.

Responder

Operante Livre

26 de setembro de 2011 às 16h09

Se eu fosse professor de redação pediria aos meus alunos que fizessem uma redação com o título de "Arapongagem" . Ou quem sabe um trabalho para o semestre recheado de exemplos.

Responder

    Orsola Ronzoni

    26 de setembro de 2011 às 19h02

    Para Operante Livre
    E obviamente usando a gramática ensinada pela “mestra” Heloísa Ramos no seu excepcional livro Por Uma Vida Melhor. Tudo para evitar que os alunos sofram preconceito lingüístico! KKKKKK

Gilson Caroni Filho: A invisibilidade dos “indignados” | Viomundo - O que você não vê na mídia

26 de setembro de 2011 às 12h51

[…] José Dirceu: Documentos, drogas ou dinheiro […]

Responder

ruy lombardi mendes

26 de setembro de 2011 às 12h21

Prá completar o Holl de "literatos" globais, tá faltando o Jô multiuso Soares.

Responder

_spin

26 de setembro de 2011 às 11h16

Como postar imagem aqui?
……
Segue texto do insuspeito Augusto Nunes, da Época/Globo:

O Tea Party original e o nosso

Paulo Moreira Leite, na Revista Época

Mede-se o grau de desenvolvimento político de um país pela transparencia

de suas disputas cotidianas. Neste sentido o universo político americano é mais avançado do que o brasileiro.

Um bom exemplo é o Tea Party. Trata-se de um grupo de extrema direita fanatizado, que tem um respeito absoluto e reverente pelo mercado.

Diz acreditar que o indivíduo é a principal alavanca do progresso humano. Condena o Estado acima de quase todas as coisas — menos para realizar guerras de conquista. Afirma, querendo ser levado a serio, que toda medida destinada a criar um regime de bem-estar social não passa de um esforço na direção de uma ditadura comunista.

É ridículo, como cultura política, e regressivo, como fenômeno histórico. A crise economica dos EUA, grande parte provocada por essas idéias, é uma demonstração do caráter nocivo deste condomínio conservador. Mas é mais honesto do que ocorre no Brasil.

Nosso Tea Party é difuso, anti-social e não se apresenta como tal. Esconde sua visão de mundo atrás da bandeiras extremistas, que fingem não ser de direita nem esquerda.

Está presente nos partidos políticos, mas também em artigos da mídia e em gabinetes de alto poder econômico e decisiva influencia política.

Seu discurso considera o Estado é uma entidade mal-assombrada que só deveria existir para perseguir os desajustados e os inconformados. Combate toda idéia que poderia levar a uma melhoria na proteção social e denuncia qualquer esforço para diminuir a concentração de renda.

Agindo num país muito mais pobre e desigual do que o original americano, nosso Tea Party faz uma tradução adaptada e empobrecida da mesma retórica. Procura se esconder atrás de causas universais para esconder que se move em nome de interesses bem particulares.

Nessa versão tropicalizada, alega que tudo o que sobrevive às voltas do Estado não é embrião de comunisno mas fruto de um roubo. Como os originais americanos, nosso Tea Party adora o setor financeiro. Seus integrantes falam como se fossem anarquistas de direita mas, num tributo (sem ofensa) às mazelas nacionais, seus verdadeiros líderes e inspiradores tiveram vários flertes e até muito mais do que isso nos tempos da ditadura militar.

Em matéria de liberdades públicas, nosso Tea Party confunde liberdade de expressão com direito de venda. É contra todo e qualquer protecionismo, a menos que se destine a proteger seu mercado.

Mas alimenta uma doutrina contra uma intervenção dos poderes públicos, mesmo que patrocinada por autoridades escolhidas pelo voto popular, para modificar a distribuição de renda e assegurar benefícios aos brasileiros que não tem renda para adquiri-los. Acham que combater a desigualdade social é ir contra a natureza humana.

Por coerencia, nosso Tea Party é contra um regime de saúde pública, que considera errado num país grande e baixa renda per capta como o nosso. Os sistemas públicos tendem a nivelar as pessoas e, de seu ponto de vista, isso é ruim.

Os mais atirados dizem que o SUS é uma utopia socialista, inviável em função de nossa renda per capta — seguindo um raciocínio que leva a crença de que o salve-se quem puder deveria virar artigo da próxima Constituição.

Os mais preparados preferem a linha policial. Alegam que todo aumento de gasto nessa área será desviado e roubado. É irracional e irreal mas funciona. Um número impressionante de brasileiros acredita nisso sem fazer contas simples.

É difícil saber quem rouba de quem quando se constata que nossa saúde privada consome 55% de todos os gastos com saúde do país mas só atende 25% da população. É um imenso e escandaloso programa de transferencia de renda ao contrário. Todo dinheiro gasto com saúde pelo cidadão comum pode ser descontado do imposto de renda, privando o Estado de recursos que seriam úteis para a educação, para as obras públicas e até para a saúde. Mas estamos falando de ideologias, não de realidades.

Leia mais
http://colunas.epoca.globo.com/paulomoreiraleite/

Responder

    _spin

    26 de setembro de 2011 às 11h22

    Ops, eu quis dizer do insuspeito Paulo Moreira Leite, da Época/O Globo

edv

26 de setembro de 2011 às 10h37

Sob a "totalitária ditadura comunista" britânica, Murdoch e alguns comparsas estão sendo processados por grampos telefônicos (para meras fofocas, em geral), num "ato deplorável de censura midiática"…

Aqui, outros criminosos, a serviço dos Civitas, tentam invadir (já comprovadamente pela polícia), quartos de hotel (domicílios temporários) e …

"Felizmente", a "liberdade DA" imprensa se impõe e (até agora) nem sinal de indiciar e processar os Civitas…

Afinal, a medriocrelite e sua míRdia são os "bastiões da liberdade" …

Deles, para poder cometer quaisquer crimes…publica e impunemente.

Responder

_spin

26 de setembro de 2011 às 10h35

Azenha, abri uma conta no IntenseDebate, estou gostando, os comentários vão sendo agregados, os links visitados ficam numa página para futura consulta.

Fica a minha sugestão aos amigos e amigas que comentam por aqui: loguem-se no IntenseDebate

Responder

Gerson Carneiro

26 de setembro de 2011 às 08h27

E levaram todos eles para averiguação e daí…
Na hora do sapeca-ia-ia o safado gritou:
Não precisa me bater, que eu dou de bandeja tudo pro senhor
Olha aí eu conheço aquele mato, chefia
E também sei quem plantou

Quando os federais grampearam
E levaram o vizinho inocente
Na delegacia ele disse
Doutor não sou agricultor, desconheço a semente

[youtube W3rBvzlmCkg http://www.youtube.com/watch?v=W3rBvzlmCkg youtube]

Responder

Luiz Henrique

26 de setembro de 2011 às 08h17

Ainda quero ver o PIG fazer o reparo moral ao Zé Dirceu.

Responder

    multiplus

    26 de setembro de 2011 às 14h15

    já eu, prefiria ver o Zé Dirceu na cadeia…

    mas, sinceramente, acho dificil…

luiz pinheiro

26 de setembro de 2011 às 07h04

Violar domicílio, forjar provas e dossies, instalar câmeras… Isso é lá função de reporter? Acho que esse Gustavo Ribeiro precisa ser identificado pela sua verdadeira atividade profissional: araponga, agente paramilitar, terrorista.

Responder

    multiplus

    26 de setembro de 2011 às 14h17

    "Violar domicílio, forjar provas e dossies, instalar câmeras… Isso é lá função de reporter?"

    claro q não!

    isso é tarefa pra "aloprados" e pra Casa Civil do Governo Lula!

    cada um no seu quadrado, né?

    rsrsrsrs

    luiz pinheiro

    26 de setembro de 2011 às 14h54

    O seu quadrado voce fechou: aloprados são os petistas, já os malfeitores da Veja são… "repórteres".

luiz pinheiro

26 de setembro de 2011 às 06h50

Até há algum tempo, a ABL era uma inutilidade, um templo das mais fúteis honrarias. Agora, está se tornando inimiga declarada do povo brasileiro, sucursal togada do Insituto Milenium

Responder

Rodrigo Leme

25 de setembro de 2011 às 23h28

O Dirceu fala de métodos escusos com a propriedade de quem dá aula sobre o assunto. Faz sentido.

Fico imaginando o repórter, se conseguisse entrar no quarto e ver os documentos "de consultoria" do Dirceu e falando "PQP, como vou superar isso?" Ia voltar com o material que ia plantar embaixo do braço…

Responder

    Vinícius

    26 de setembro de 2011 às 11h13

    boa Rodrigo…

    O Dirceu é brilhante, quando fala só dá bola dentro e tem um clareza fantástica. Mas dá pra confiar? Não sei. Temos aí um imprensa de direita que quer ver as idéias dele enterradas, e uma de esquerda que queria ver as idéias dele virando realidade. Se todos estão na briga pelas idéias desse homem, quem é que tem isenção para julgar o homem em si?

    Rodrigo Leme

    26 de setembro de 2011 às 13h24

    Quem? Mas é claro que é a BLOGOSFERA PROGRESSISTA!!!!! (risos)

    nadja rocha

    14 de outubro de 2011 às 13h14

    Antes de duvidar procure ler a defesa do inrrespons´vel Bob Jefferson, que levou 16 mil´páginas ao STF par informar que o mensalão foi pura retórica, invensão dele. E ainda dá um sorriso amarelo.è preciso buscar as verdades dos fatos. Fizeram de tudo para derrubar o Lula.

Julio Silveira

25 de setembro de 2011 às 21h31

Tenho a opinião de que o Dirceu sofreu uma tentativa de violência em seus direitos individuais por parte do reporter da, hoje suja, revista Veja e deve buscar reparação a isso . Tambem creio na probabilidade dele realmente ser inocentado pelo STF, mas, infelizmente para ele, acredito que receber atestado de inocencia passada por esse STF, não terá o significado esperado. Pelo contrário poderá ser entendido pela cidadania mais como um conluio de elites, já que os membros dessa instância tem produzido situações que retiram até a legitimidade nos abonos que produzem. O Dirceu que se cuide por que a avaliação que lhe servira será aquela em que a cidadania lhe abonar a credibilidade. E apesar da midia poupar o poder judiciário e calcar no acelarador nas criticas aos demais poderes, o nosso judiciario cada dia mais atua como num cartório talvez até pela proximidade (como naqueles caximbos que de tanto uso entortou a boca) registra firma de quem pagar o preço.

Responder

Ricardo_Alves

25 de setembro de 2011 às 20h46

na minha opiniao este reporter ta e ferrado, a grandes chances de algo estranho acontecer com ele. pelo historico de veiculo ao qual representa,.

Responder

    Marta

    25 de setembro de 2011 às 21h46

    E quem está mais frerrada é a própria Veja que agora tem que manter esse reporte como seu funcionário ad infinitum pois se o demitir, o esperto dará com boca no trombone. Acho ótimo.

    Roberto Locatelli

    26 de setembro de 2011 às 00h44

    Basta lembrar daquele sujeito que iria denunciar falcatruas de dona Yeda Detran Crucius. De uma hora para outra ele resolveu se suicidar e foi encontrado boiando no lago Paranoá. Que sorte da dona Yeda!

Francisco

25 de setembro de 2011 às 20h34

A Acadêmia optou pela irrelevância. E não é de hoje…

Responder

yacov

25 de setembro de 2011 às 20h27

Academia Brasileira de BESTAS. Pobre MACHADO, deve estar se revirando no túmulo ao ver o pardieiro em que se transformou a sua Academia. Ô, tristeza…

"O BRASIL PARA TODOS não passa na glObo – O que passa na glOBo é um braZil para TOLOS"

Responder

    FrancoAtirador

    25 de setembro de 2011 às 23h59

    .
    .
    Não foi por acaso que o Carlos Drummond de Andrade e o Mario Quintana

    nunca foram membros dessa Academia: Um porque não quis, outro porque não deixaram.
    .
    .

Nelson Menezes

25 de setembro de 2011 às 20h25

A ABL com os novos mortais que nunca escreveram sequer um livro e na verdade uma maneira das elites achincalhar o povo e o estado brasileiro.

Responder

    FrancoAtirador

    26 de setembro de 2011 às 01h41

    .
    .
    Intelectualóides Elitistas Preconceituosos.

    Vermes como esses chamam o Lula de apedeuta.

    Jamais vão aceitar que o Lula é mais inteligente do que eles.
    .
    .

    spin

    26 de setembro de 2011 às 04h13

    Serra todo serelepe no ajuntamento dos "imortais" brasileiros, meu deus que vergonha, eita nóis http://www.advivo.com.br/blog/iv-avatar-do-rio-me

Rafael

25 de setembro de 2011 às 20h21

Alguém saberia dizer qual a função dessa academia? Pergunto isso por que queria saber como Sarney tá lá, Merval Pereira, e se não me engano o Roberto Marinho.

Responder

    Marcio H Silva

    25 de setembro de 2011 às 22h50

    Roberto Marinho, pelo que me consta está no inferno, caso não tenha sido expulso.

    FrancoAtirador

    25 de setembro de 2011 às 23h55

    .
    .
    Mas ele esteve lá, antes de ir para o inferno.
    .
    .

Nelson Menezes

25 de setembro de 2011 às 20h15

A direitona ainda tem muitas balas na agulha,mas quando acabarem todos os recursos,com certeza começarão os atentados e assasinatos,e pagar pra ver.

Responder

jura

25 de setembro de 2011 às 19h41

"Afirmou que a perícia ainda não concluiu se as imagens divulgadas pela revista foram feitas pela própria câmera de segurança do hotel ou por uma câmera instalada pelo repórter"

Chamem o Dr. Pero Molina, conhecido como Perito.

Responder

João PR

25 de setembro de 2011 às 19h28

Espero que o Zé Dirceu, depois de comprovação de que as imagens exibidas na fascistóide Veja não são as do circuito de segurança do Hotel, processe, criminalmente, a Veja e o "repórter" que fez aquele serviço sujo.

Responder

pperez

25 de setembro de 2011 às 19h12

E o que foi feito desse reporter?
Um arquivo vivo desses acho dificil que alguem o encontre de novo, ao menos com a mesma cara!

Responder

Leonardo Câmara

25 de setembro de 2011 às 18h17

Foi péssimo administrador e só colocou o governo Lula em roubada. Mas verdade seja dita, contra ele não há uma prova sequer.

Responder

Rasec

25 de setembro de 2011 às 18h06

Estamos loucos aqui na familia para entupir as urnas com votos para o Dirceu, fazendo campanha e tudo. Nossos familiares resistentes começaram a perceber a farsa que foi o mensalao e estao vendo os ataques que o PT, Lula, Dirceu e as esquerdas vem sofrendo! Volte a concorrer Dirceu e lavaremos a alma! Concorra pra o que quiser e conte com nosso apoio!

Responder

    yacov

    25 de setembro de 2011 às 20h34

    ZÉ DIRCEU PARA GOVERNADOR DE SÂO PAULO 2014, JÁ!!

    "O BRASIL PARA TODOS não passa na glOBo – O que passa na glOBo é um braZil para TOLOS"

    Orsola Ronzoni

    26 de setembro de 2011 às 18h55

    Para Yacov
    Tomara que ele atenda ao seu desejo; o que eu duvido, pois jamais se submeteria de novo à humilhação sofrida há 20 anos. Em 1994 ele foi o candidato do PT para governador de SP, lembra-se? Tomou uma traulitada que perdeu o rumo. Ficou na terceira colocação com míseros 2,1 milhões (15%) de votos, perdendo até mesmo para o folclórico Francisco Rossi que recebeu 3,1 milhões (22%) de votos. O responsável pela lavada foi o saudoso governador eleito Mário Covas que recebeu 6,6 milhões de votos (47%), que deu início à permanência ininterrupta do PSDB no poder em SP desde aquele ano. Se ele sair candidato concederá mais 4 anos aos tucanos.

    Rogério

    25 de setembro de 2011 às 20h55

    Fecho com vc e sua família. Acho absurda essa perseguição ao Zé, sem dúvida alguma um dos melhores políticos que o Brasil já teve.
    Espero que o filho dele, que teve excelente votação nas últimas eleições, siga o caminho do pai. E que possa vê-lo absolvido e voltando à verdade das urnas. Onde certamente vai ARREBENTAR!

    Daniel Jaz g Lobo

    26 de setembro de 2011 às 11h02

    Rasec o ZD será eleito e levará mais uns 10 com ele. A g L(R)obo vai dar essa matéria em horário nobre.

    Rodrigo Leme

    26 de setembro de 2011 às 13h25

    Seqüência de comentários que mostra pq essa gente não curte protestar contra a corrupção. São a torcida organizada da prática.

    cronopio

    27 de setembro de 2011 às 11h08

    Rodrigo, continuas trabalhando para o PIG? Cuidado, colega, essa gente não tem lá muito apreço pelo pessoal do baixo escalão.

    Rodrigo Leme

    27 de setembro de 2011 às 14h10

    Como é no petismo? Pagam bem? Ou você é papagaio assim pra repetir sem pensar o que te falam de graça? :-)

    Orsola Ronzoni

    26 de setembro de 2011 às 19h35

    Para Rasec
    Não se iluda meu caro, o Zé Dirceu só volta à política se lançar mão do mesmo estratagema utilizado pelo outro Zé, o Genoíno: o tal do coeficiente partidário, aproveitando-se dos milhões de votos recebidos por uma figura de forte apelo popular. Quem será, pois, o Tiririca do Dirceu?
    Uma forma menos humilhante de voltar a arena política seria candidatar-se a vereador pela sua bucólica paranaense Cruzeiro do Oeste.

Marat

25 de setembro de 2011 às 16h53

Regulamentar é mais que necessário. É urgente, mas como fazer isso com um Congresso tão conservador? Há ainda muitos ali com o espírito Saquarema.
Creio que o primeiro passo, urgentíssimo, é mostrar aos incautos o quanto nossos meios de comunicação, nas mãos de poucos, noticiam aquilo que desejam, seja verdade ou não. Quem erra, ou melhor, quem manipula, mente descaradamente, deveria ser enquadrado juridicamente, e responder à mão pesada da Lei (pesada para quem é pé-rapado)…

Responder

Tartufo da Silva

25 de setembro de 2011 às 16h15

A ABL virou um feudo da Globo. Não contente em emburrecer o nosso povo com sua programação, destrói uma casa que deveria apenas selecionar gente de indiscutível talento literário. Que lástima…

Responder

    Silvio I

    25 de setembro de 2011 às 19h47

    Tartufo da Silva:
    O que quer dizer e que transformou em um excremento!Bom isso já era, ficou um pouco mais reforçado. E uma injustiça que os interesses estejam primando para não eleger verdadeiros escritores, que são deixado de lado para levar aproveitadores,imediatistas,bajuladores,e incompetentes.

    FrancoAtirador

    26 de setembro de 2011 às 01h03

    A Sucessão na ABL e Os Chás das Quintas

    Oficialmente, as funções da Academia Brasileira de Letras são zelar pela língua portuguesa e divulgar a literatura nacional de alto nível. Porém, as críticas de que há tempos a Casa de Machado de Assis não produz algo de relevância cultural são procedentes.
    Inspirada no modelo da Academia Francesa, a ABL é composta por 40 membros efetivos e perpétuos.
    Além desses, a Academia possui 20 membros correspondentes estrangeiros.
    Mas apenas os efetivos podem votar nas eleições.
    O termo imortal também foi retirado da Academia Francesa.
    A palavra foi pinçada da frase À l'immortalité, que está estampada no selo oficial da Academia.
    Na versão brasileira, ser imortal significa ser ou já ter sido membro da Casa de Machado de Assis.
    Além de ter garantidos para o resto da vida os famosos chás e bolinhos das tardes de quinta-feira, nas quais os acadêmicos trocam amenidades e, às vésperas de eleições, farpas.
    De acordo com as regras da Academia, para se candidatar é preciso ter nacionalidade brasileira e ter publicado ao menos um obra de reconhecido valor cultural ou literário.
    Preenchidos os requisitos, basta enviar uma correspondência à ABL com um currículo, formalizando o interesse.
    Desde sua origem, porém, a ABL previa a reserva de alguns assentos para "personalidades", pessoas que se destacassem em outras áreas.
    Isso significa que, na prática, o destaque em áreas políticas ou sociais é levado mais em conta do que, de fato, suas obras literárias.
    Isso explica a presença de personagens como Ivo Pitanguy, que como escritor é um ótimo cirurgião plástico, ou o ilustre desconhecido Tarcísio Padilha.
    Não existe nenhum tipo de campanha declarada.
    Mas normalmente observa-se uma certa adequação ao ritual da ABL.
    Comparecer aos tradicionais chás de quinta-feira, participar de atividades no Petit Trianon – o edifício sede -escrever cartas, telefonar, enviar livros ou visitar os imortais podem garantir mais popularidade ao candidato.
    Os imortais dizem ainda que prezam pela discrição do candidato durante a campanha, mas costumam se lançar com energia a conchavos durante o processo decisório.
    Oficialmente, ninguém deveria revelar sua preferência.
    No entanto, em várias ocasiões, alguns membros declaram abertamente sua intenção.
    Em alguns casos, a preferência por um candidato é tão clara que é possível contabilizar seus votos antes mesmo das eleições.
    O novo membro é eleito por maioria absoluta de votos.
    Quem não for eleito pode se candidatar de novo. Isso já aconteceu diversas vezes.
    Inclusive com o hoje imortal Paulo Coelho.
    Ele não foi eleito da primeira vez que se candidatou.
    De volta ao páreo em 2002, bateu o cientista político Hélio Jaguaribe por 22 votos a 15.
    A disputa foi uma das que mais mexeu com a Academia e também com a opinião pública.
    Insatisfeitos com a candidatura do "Mago", críticos literários lançaram um desafio à Academia:
    ou rejeitavam Coelho, por entender que ele não tinha cacife para figurar em uma Academia de Letras séria, ou o aceitavam, reconhecendo que a instituição em si é que não era séria.
    A ABL aceitou Coelho, alegando que ele daria visibilidade nacional e internacional à Casa, por tratar-se de um best seller.
    A posse do novo imortal acontece no salão nobre do Petit Trianon.
    O novo membro veste, então, o tradicional fardão, traje verde-escuro, bordado a ouro e acompanhado por um chapéu de veludo preto com plumas brancas.
    É padrão que os discursos de posse se restrinjam a tecer loas aos ex-donos da cadeira que o novo imortal passa a ocupar.
    Mas há exceções.
    Uma delas ocorreu na posse de Roberto Campos, em 1999, que atacou duramente seu antecessor, o dramaturgo Dias Gomes.
    Mais: ele classificou de ridícula a celeuma ideológica em torno de sua eleição, na qual a viúva de Dias Gomes, Bernadeth Lyzio, fez campanha para que o marido, conhecido por suas posições de esquerda, não fosse sucedido por um homem de direita, ministro da ditadura militar.
    Grandes nomes como Carlos Drummond de Andrade e Clarice Lispector nunca se candidataram.
    Já o escritor Monteiro Lobato tentou em 1926.Decepcionado com a derrota, se negou a aceitar uma indicação para a candidatura em 1944.
    Com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso aconteceu uma situação diferente.
    Após a morte de Roberto Marinho, em 2003, a viúva Lily manifestou o desejo de que o sociólogo tomasse posse da cadeira do falecido. FHC agradeceu e disse que não disputaria a indicação.
    A briga ficou entre o escritor Fernando Morais e o vice de FHC, Marco Maciel, que venceu.

    spin

    26 de setembro de 2011 às 04h44

    A ABL está precisando de uma faxina daquelas

O_Brasileiro

25 de setembro de 2011 às 16h02

Se Lula foi a sabedoria, o carisma e o bom senso, Dirceu foi o mentor da estratégia que levou o PT ao poder em 2002, com a ajuda do incompetente governo tucano de FHC.
Lula cresceu mais do que os partidos, e isto lhe permitiu governar. Mas a direita reacionária sabe que tirar o Dirceu do jogo enfraquece o PT e a esquerda como um todo.
Dirceu continua sendo uma espécie de guerrilheiro, que sabe que às vezes é preciso o sacrifício de poucos para salvar muitos. Isto vale também e, principalmente, na política.
A esquerda brasileira precisa, urgentemente, de jovens corajosos, inteligentes e atuantes, que mostrem a cara, para que o poder não volte às mãos corruptas da direita. E só consigo vislumbrar, no cenário atual, jovens de centro ou, na melhor das hipóteses, de centro-esquerda.

Responder

Klaus

25 de setembro de 2011 às 15h42

Testando hipóteses…

Responder

    Polengo

    25 de setembro de 2011 às 22h27

    Quem?
    Você, né?

    El Gordo

    26 de setembro de 2011 às 08h35

    Eu tenho uma hipótese também – se a gente puxar o IP de seu perfil de comentários, em qual sala do Palácio dos Bandeirantes ou da ALESP, ou do Diretório do PSDB, ou da Associação Comercial de SP, ou do Instituto Millenium vamos acabar caindo?

    GilTeixeira

    26 de setembro de 2011 às 12h22

    Dizem as más linguas que a maioria dos trolls remunerados estão da Secretaria de Cultura

    Rodrigo Leme

    26 de setembro de 2011 às 13h23

    Se puxar o seu a gente acha quem te paga tbm?

    cronopio

    27 de setembro de 2011 às 11h10

    Ver o Rodrigo Leme admitir que é pago pelo PIG, não tem preço…

    Rodrigo Leme

    27 de setembro de 2011 às 14h09

    Ver você fazendo sentido: eu pagaria.

Antonio

25 de setembro de 2011 às 14h56

Veja deve fazer parte do esquema sujo de montagem de dossiês construído pelo inteligente e implacável Se-erra.

PSDB, Exterminador do Futuro… E do Presente.

Responder

Maria Fulô

25 de setembro de 2011 às 13h28

O PIG é de fato impagável… Na ânsia insana de crucificar Zé Dirceu, acabaram por inocenta-lo até do que ele, provavelmente, nem mereça. Está na hora da Oposição, a política, retomar o seu lugar, porque o PIG revelou-se de uma incompetência assombrosa.

Responder

Antonio Silva

25 de setembro de 2011 às 13h17

Logo quando o meliante Vejista tentou invadir o quarto do Zé Dirceu, eu aqui neste blog e nos demais blog's progressistas, levantei a suspeita de que o meliante poderia estar tentando a "plantar" drogas ou dólares (poderia ser até cédulas falsas) no quarto do Zé Dirceu .
Posto isto, acredito que o dirigente Petista tenha lido meus comentários levantando esta possível intenção da Revista Lixo .
Abração, Azenha !

Responder

FrancoAtirador

25 de setembro de 2011 às 13h06

.
.
A ACADEMIA BANDALHEIRA DE LESMAS E O PRECONCEITO CONTRA POBRES
.
.
Na posse de Merval, críticas aos pobres

Por Weden, no Luis Nassif OnLine

A posse do jornalista Merval Pereira, homem ligado ao poder nas Organizações Globo, como novo "imortal" da Academia Brasileira de Letras acabou se transformando num evento político-partidário, com forte presença de figuras do PSDB.

O tom de engajamento ficou claro no discurso de Eduardo Portella.

O ex-ministro da ditadura militar sugeriu que a eleição do jornalista Merval Pereira para a Academia Brasileira de Letras fora um prêmio à imprensa partidária. Ele também afirmou que o Bolsa Família é recebido por pessoas que não trabalham, embora tenha tentado se corrigir ao final.

Eduardo Portella começou elogiando o jornalista tucano pelo que ele representa para uma imprensa "que, diante, da ineficiência das oposições, cumpre o papel de crítica do poder".

Como a mesma imprensa não é igualmente crítica a todos os governos, e a todos os partidos, Eduardo Portella está, evidentemente, se referindo à crítica ao PT e ao Governo Federal.

Portella prosseguiu elogiando o partidarismo da imprensa e criticando o governo da presidenta Dilma Rousseff, sem citar o nome dela:

Segundo ele, "em nossa pré-história colonial houve uma aparição estranha, conhecida como os bolseiros do Rei, que parece ressurgir".

Apreciado por José Sarney (PMDB) e figuras do PSDB, como José Serra, Aécio Neves e Tasso Jereissati, e do DEM, como Agripino Maia, Eduardo Portella ignorou o reconhecimento internacional dos programas nacionais de combate à fome e à miséria.

Também não lembrou da importância que o Bolsa Família vem tendo na economia.

Em certo momento, Eduardo Portella pareceu definir as pessoas que recebem o Bolsa Família como "vagabundas": "Não está de todo descartada a hipótese de uma sociedade saudavalmente de trabalhadores vir a ser, em grande parte, reduzida a uma sociedade de bolsistas".

Vendo que usou referências preconceituosas, tentou corrigir: "Falo apenas dos bolsistas ociosos, evidentemente".

Não adiantou.

Na Academia Brasileira de Letras, a emenda saiu pior que o soneto.

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/na-posse

Responder

    FrancoAtirador

    25 de setembro de 2011 às 15h36

    FrancoAtirador

    25 de setembro de 2011 às 17h32

    FrancoAtirador

    25 de setembro de 2011 às 23h52

    .
    .
    “ESSA CASA É CONSTITUÍDA DE SERES QUE SE ORIGINAM DE VÁRIOS GÊNEROS…"

    Nélida Piñon, escritora, membro da ABL.

    (Em entrevista ao JN da RGTV)
    .
    .

    FrancoAtirador

    25 de setembro de 2011 às 23h08

    .
    .
    A ABL, quando O Globo não era do establishment

    Em 1936, O Globo estampava:

    Academia Brasiliera de Letras

    "Academia é uma espécie de ante-câmara da morte.
    Dali, os acadêmicos enxergam a cadeira elétrica.
    Os acadêmicos só se reúnem para chorar mortos e admitir candidato ao pranto próximo.
    Galeria de sarcófago com fantasmas aos gritos.
    O preenchimento de vagas entristece…"

    Então… alvíssaras ao novo acadêmico!

    Por marco aurelio barroso
    Enviado por luisnassif, dom, 25/09/2011 – 13:03

    spin

    26 de setembro de 2011 às 04h42

    A fina flor do tucanato estava lá na festa dos "imortais", aqui o Tasso e Aécio Neves ao lado de Merval, que vergonha
    http://maureliomello.blogspot.com/2011/09/nao-me-

    El Gordo

    26 de setembro de 2011 às 08h31

    Uma lauda de um texto de Euclides da Cunha, impressa em papel manteiga, tem mais peso literário que todos os textos do Merval Pereira gravados em placas de ardósia – desde o instante em que entrou no Jornalismo até hoje.

    ZePovinho

    25 de setembro de 2011 às 17h55

    Ainda bem que Machado está morto.Ele não pouparia a constelação de escritores medíocres que fazem parte da outrora Academia Brasileira de Letras.

    Marcio H Silva

    25 de setembro de 2011 às 22h56

    E pior´, ele arrasaria os caras num nivel literário tão rebuscado, que eles não entenderiam.

    FrancoAtirador

    25 de setembro de 2011 às 23h47

    .
    .
    "…comprei um túmulo no cemitério São João Batista, aqui no Rio.
    Tenho lá uma situação privilegiada, porque o meu túmulo está no alto do morro.
    No mesmo nível do mausoléu da Academia Brasileira de Letras.
    Então é de igual para igual…"

    Carlos Drummond de Andrade
    15 de agosto de 1987

    (Em entrevista publicada no Caderno2, do jornal O Estado de S. Paulo)

    francisco.latorre

    25 de setembro de 2011 às 19h52

    é a canalha. confraternizando.

    ..

Almir

25 de setembro de 2011 às 12h38

Já pensou se esse repórter "pitbull" conseguisse plantar uma mala de dinheiro sujo no apartamento de Dirceu? Já houve casos semelhantes na história recente. Em 2002, uma mala de dinheiro "encontrada" no escritório de Roseana Sarney tirou-a da corrida presidencial, abrindo espaço para…Serra. Em 2006, no caso dos "aloprados", uma mala de dinheiro plantada no apartamento do assessor de Mercadante sacramentou a derrota deste ao governo paulista, beneficiando…Serra. Será que no caso de Dirceu, também favoreceria…Serra? Huuuum….!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding