Arruda: “Ainda não apareceu nem metade da missa”

Tempo de leitura: 4 min

José Cruz/Agência Brasil

“Não apareceu metade da missa”, diz Arruda sobre mensalão do DEM

17/10/2012 15:01,  Por Redação, com agências – de Brasília

no Correio do Brasil

Dois anos e meio após ser preso e ter o mandato cassado acusado de ser chefe do esquema criminoso batizado de mensalão do DEM, o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda deu o primeiro depoimento na terça-feira à Justiça.

Ele negou as acusações, disse que foi vítima de vingança de inimigos e, dando socos na mesa, ameaçou ir à forra: “Já que destruíram minha vida mesmo, não tenho pressa. Só digo uma coisa: ainda não apareceu nem metade da missa.”

Arruda está indiciado na ação penal 707, que corre no Superior Tribunal de Justiça (STJ), pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, podendo pegar mais de 20 anos de prisão caso seja condenado. Ele foi ouvido no Tribunal de Justiça do Distrito Federal, por delegação do ministro Arnaldo Esteves Lima, relator da ação. A quadrilha, segundo as investigações da Polícia Federal, teria desviado mais de R$ 1 bilhão dos cofres públicos em seis anos.

O delator do esquema, o ex-secretário de Relações Institucionais Durval Barbosa, que também depôs na terça-feira, reafirmou a denúncia de que Arruda comandava a organização criminosa. Ele disse que pagava as contas do ex-governador com “dinheiro sujo”, inclusive viagens internacionais. “Deixava dinheiro escondido, dólares, em um banheiro para ele”, afirmou. Explicou que Arruda frequentava a casa dele e que teria deixado dinheiro de contratos de informática até com a sogra dele.

Exaltado, Arruda negou as acusações e disse que todos os diálogos apresentados por Durval e periciados pela PF foram editados e manipulados. “Acabaram com a minha vida pública porque eu não cedi às chantagens desses bandidos”, garantiu.

Mas entrou em contradição e admitiu que, após eleito, recebeu os empresários financiadores de sua campanha, que teriam lhe cobrado a fatura. “Financiamento privado de campanha é fonte de crise permanente”, observou ele, citando como exemplo o mensalão petista do governo Luiz Inácio Lula da Silva.

Um dos maiores esquemas de corrupção da política brasileira, o mensalão do DEM foi desmantelado em novembro de 2009 pela Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal. O esquema consistia no desvio de recursos públicos em contratos “viciados”, cobrança de propina de empresários que tinham negócios com o governo e rateio de caixa dois entre autoridades e políticos da base aliada. Entre 2000 e 2009, teriam sido desviados mais de R$ 1 bilhão dos cofres públicos.

Além de Arruda, figuram na lista de 37 denunciados pelo Ministério Público o vice-governador Paulo Octávio Pereira, dez deputados e ex-parlamentares, secretários de Estado e autoridades. Em 20 de setembro, no último despacho sobre o caso, o ministro relator transformou o inquérito criminal 650 na ação penal 707, tornando os acusados formalmente em réus. Eles responderão pelos crimes de corrupção – ativa e passiva -, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

O dinheiro era desviado por meio de contratos, a maioria na área de informática, com dispensa de licitação. Outro mecanismo consistia no reconhecimento de dívidas relativas a serviços não realizados ou superfaturados.

– Generosíssimos pagamentos eram feitos a diversas empresas, muitas do setor de informática e, claro, em retribuição aos pagamentos, os empresários e proprietários mantinham pagamentos regulares, mensais a diversas pessoas do governo – explicou o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, quando entregou a denúncia, em junho.

A ação corre no STJ porque um dos acusados, o conselheiro Domingos Lamoglia, do Tribunal de Contas do DF, tem direito a foro especial. Se ele renunciar ao cargo, o caso desce para a Justiça Federal de primeira instância, uma vez que nenhum dos demais réus tem prerrogativa de foro especial. A denúncia demorou mais de dois anos a ser entregue porque o MP, segundo Gurgel, teve de refazer quase todo o inquérito da PF, que deixou de fora vários envolvidos no esquema, entre os quais os deputados que aprecem em fitas de vídeo embolsando propinas.

Por ocasião da abertura do inquérito, em novembro de 2009, a procuradora da República Raquel Dodge anexou 30 vídeos que revelam em detalhes como funcionava a máquina de arrecadação e distribuição de propina. O primeiro mostra Arruda recebendo R$ 50 mil das mãos de Durval Barbosa, operador do esquema, que depois se tornou delator e terá benefícios penais por isso.

Há fitas com acusados colocando dinheiro na cueca, nos bolsos, em pastas e bolsas. O ex-presidente da Câmara Distrital Leonardo Prudente aparece enfiando maços de dinheiro nas meias. O ex-corregedor da Casa deputado Júnior Brunelli, que é pastor evangélico, aparece em outro vídeo recebendo dinheiro e fazendo a oração da propina junto com Durval e Prudente. A deputada Eurides Brito foi cassada depois do vídeo em que põe dinheiro na bolsa.

A deputada federal Jaqueline Roriz, que aparece em um dos vídeos recebendo maços de dinheiro de Durval, também depôs na terça-feira. Ela disse que se tratava de recursos para ajuda de campanha e que não sabia que a origem era ilegal.

Leia também:

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Mardones Ferreira

“A quadrilha, segundo as investigações da Polícia Federal, teria desviado mais de R$ 1 bilhão dos cofres públicos em seis anos.”

1 bilhão de reais.

Para o PIG esse valor é maior que o desviado no mensalão do PT.

A matemática do PIG é igual a pesquisa desfavorável, não pode ser exibida.

PedroAurelioZabaleta

Outro dando recado.
Igual ao Paulo Preto: “não se abandona um ferido na estrada”.
O Paulo Preto não tem como escapar da Justiça, ele tá na quota dos “P”.
Curiosa a proximidade que estes mafiosos tem com o “coiso”.
Acho que um dia “a teoria do domínio do fato” vai faturar o “coiso”, e aí o “farol” também vai dançar, e aí vão condenar até o bill clinton, que era o testa-de-ferro chefe de todos eles.

Roberto Locatelli

Sugiro à Polícia Federal providenciar vigilância 24 horas e colete à prova de balas para proteger Arruda, um arquivo vivo.

    PedroAurelioZabaleta

    Apoiado!

angelo

O capitalismo é uma porcaria e ponto. As pessoas egocêntricas durante muito tempo negaram, pois a fome que mata uma criança a cada dez segundos não atinge (ia) seus filhos. Agora os egocênctricos estão nas ruas da Europa. E nas ruas do EUA. Onde eu queria chegar mesmo? Dos males o menor, enquanto a mentalidade entorpecida absurda do tipo ‘não fosse o capitalismo vc não teria computador’ (?! como se papel moeda fosse matéria prima pra qualquer coisa), há que se desinventar o político profissional.

Quem se candidatar, para mandatos curtos, afasta-se de seu emprego, com remuneração mantida. Simples assim. Perceberíamos então a diminuição da procura pela mamata. Somente pleiteariam cargos quem realmetne estivesse a fim de fazer um país, um mundo.

José Eduardo

Se o processo subir para o STF quero ver como Joaquim Barbosa, o “herói” da Veja, vai se comportar.

    Julio Silveira

    Para teu governo o Ministro Barbosa também já foi heroi de muito blogueiro sujo, mas isso quando ele procedeu de acordo com a conveniências desses naquele momento. Era chamado de o inclito Barbosa. Cada dia que passa mais peço a Deus que me dê a santa paciência para aguentar essas incoerências fruto da cultura do filho perfeito, quando o torto é o capeta do filho vizinho que desencaminhou meu santinho.

    Bonifa

    Na época em que foi herói dos blogs sujos, Joaquim Barbosa foi a única autoridade que peitou o todo poderoso presidente do Supremo Gilmar Mendes, espinafrado por todos os blogueiros por ter livrado Daniel Dantas da cadeia e por ter provocado o exílio do delegado Paulo Lacerda, destruindo a operação Satiagraha, com a história fantástica de que o país estaria vivendo um Estado Policial. Para tanto, Gilmar alegou um suposto grampo jamais comprovado, que a Polícia Federal ou a Abin teria feito de um telefonema entre ele e o herói da moral e da ética Senador Demóstenes Torres. Gilmar brecou a operação que pegaria Dantas e as acusações sobre Dantas submergiram no limbo, enquanto Gilmar se tornava um dos homens mais poderosos do país, reverenciado pela mídia. Foi aí que Barbosa peitou o todo poderoso, em pleno tribunal, classificando o mesmo de capangueiro, ignorante da realidade das ruas e destruidor da imagem da Justiça. Não havia como Barbosa não se tornar um herói para todos os que repudiavam Gilmar. Depois, e agora, o que se vê é que talvez Barbosa tenha mostrado alí no tribunal apenas inveja do sucesso midiático de Gilmar. Nada como o tempo para passar. Quem tratou Barbosa como herói e depois descobriu do que ele é capaz como juiz, não cometeu nenhuma incoerência. Se Joaquim fosse um time de futebol, aí sim, não se pode desprezar seu time se ele atravessa uma má fase. Mas estamos a tratar de coisa bem diferente. E como diz um velho ditado luso, “Se queres conhecer o Vilão, metelhe a vara na mão.”

    Julio Silveira

    Discordo. E te digo que assim que ele tiver uma posição que agrade a turma ele vai voltar a ser incensado. Já percebi que incoerência viaja por todas as estações.

    abolicionista

    Esse paladino também não me convence, nada me tira da cabeça que é só mais um pavão apaixonado pelos holofotes, mas vamos ver…

Julio Silveira

Tá cheio de escroque na politica brasileira ainda camuflados, esse foi apenas mais um dos poucos descobertos. O que as vezes me chateia e saber que as coisas no Brasil funcionam justamente para acobertar esse tipo de gente. Que as vezes são desmascarados por causa alguma vendeta, não pelo natural anticorpo institucional que não existe.

    Vlad

    Exato.

Helder

“Vote em um careca e leve dois.”

Um careca estava envolvido no mensalão do DEM (partido da ‘ética’), será que na outra metade da missa aparecerá o outro careca?

Vlad

Quéqué isso gente? Cadê as provas?
Cadê o trãnsito em julgado e a presunção de inocência?
Não teria sido “somente” caixa dois?
“As imagens não falam por si”, como disse um grande errodito sobre o caso.
Torquemadas, linchadores, golpistas!!!

Falando sério: nas terras yankees o infeliz estaria cumprindo perpétua já no segundo ou terceiro mês do fato; na China, alimentando os vermes; exceto no Brasil, em todos os demais países, preso.
Aqui ainda fica bancando o poderoso e cogita candidatar-se novamente (pelo PTB, disseram).
Mas aí é um perigo para ele…que PTB começa com P. Vixi!!!!

Márcia

Arruda, perdoe nossa ignorância! Nossas almas anseiam por tomar conhecimento da outra metade da missa.

Diniz

Azenha,

Aqui vai uma sugestão de post, artigo muito bom publicado hoje na Folha, pelo cientista da UNICAMP, Cerqueira Leite, intitulado “Compra de votos e governabilidade”

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/72587-compra-de-votos-e-governabilidade.shtml

Alexandre Carlos Aguiar

Pimenta na Arruda dos outros é refresco.

RicardãoCarioca

Nada a respeito no PiG. Isso não é liberdade de expressão, é liberdade do patrão, de escolher o que quer noticiar e o que quer esconder da população.

    Mário SF Alves

    Sim, é exatamente isso. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim.Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim.Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim.Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim.Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim.Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim.Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim.Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. E muito mais. É liberdade de esconder o que incomoda e mostrar o que interessa. É fofocar em lugar de informar. É pegar a parte pelo todo, sempre. É explorar imagem alheia e faturar os tubos em cima dela.

    Mário SF Alves

    Aliás, só os tubos, não. Faturam horrores. Faturam até nos horrores e até nos terrores. Tem dúvida? Vide marolinha do Lula versus tsunami da Globo.

Willian

Conta tudo, Arruda, conta tudo.

Deixe seu comentário

Leia também