VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Altamiro Borges propõe marcha dos caloteiros


16/09/2011 - 09h59

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Que tal a marcha contra os caloteiros?

Por Altamiro Borges, em seu blog, via twitter

A mídia demotucana está animadíssima com as “marchas contra a corrupção”. Não pára de falar nisto. Editoriais da Folha, Estadão e O Globo clamam por novas manifestações de rua contra os “malfeitos” no governo. Exigem que a presidenta Dilma Rousseff intensifique a “faxina” no Palácio do Planalto, que imploda de vez a base governista.

Seus principais articulistas viraram agitadores de massa, como se dizia antigamente. Até Carlos Heitor Cony, que apoiou o golpe de 64 e depois foi perseguido pelos éticos golpistas, resolveu engrossar o coro. A tucaninha Eliane Cantanhêde retornou das férias com toda a carga e até sugere incorporar uma nova bandeira – contra os impostos.

Uma das piores pragas da corrupção

Aproveitando este espírito rebelde da velha mídia, faço outra sugestão. A primeira foi a que ela convocasse marchas contra os escravocratas – contra a Zara e os ruralistas, que gastam fortunas em publicidade. Agora sugiro a marcha, repleta de madames e ricaços, contra os empresários caloteiros – uma das piores pragas da corrupção no Brasil.

Segundo recente relatório do Tribunal de Contas da União (TCU), entre 2008 e 2010, os órgãos públicos multaram 734 mil empresas, no montante de R$ 24 bilhões, mas apenas R$ 1,1 bilhão, ou 4,67% do total, foi recolhido aos cofres da União. Os ricaços contestam as multas na Justiça e enrolam para pagar suas dívidas. São autênticos caloteiros!

Ruralistas são os campeões

Entre os mais descarados estão os velhos latifundiários, muitos travestidos de modernos barões do agronegócio. Só o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) já aplicou 71 mil multas, no valor de R$ 10,5 bilhões, mas recebeu apenas 0,34%. Eles exploram trabalho escravo, usam jagunços, destroem o meio ambiente e ainda dão calote!

O relatório do TCU, que não ganhou qualquer destaque no Jornal Nacional da ética TV Globo, também inclui bancos, faculdades privadas e operadoras de cartão de crédito, entre outras corporações empresariais. Depois dos ruralistas, os casos mais escandalosos de multas aplicadas e não recolhidas são as das concessionárias de serviços públicos.

Ricos não são presos no Brasil

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aplicou 17,5 mil multas no valor de R$ 5,8 bilhões, mas recebeu apenas 4,28% do total. Já a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) impôs 926 multas, no montante de R$ 900 milhões, dos quais apenas 11,17% foram pagos. Além de oferecer péssimos serviços, elas não pagam o que devem! Na maioria multinacionais, ainda exigem redução de impostos.

Este quadro lamentável confirma que no Brasil só o ladrão de galinhas vai preso. Os empresários multados têm prazo de cinco anos para recorrer ao Judiciário. “Os processos são lentos e a aplicação da multa é passível de recurso, e os casos que vão parar na Justiça podem demorar até 10 anos”, critica o advogado Anderson Albuquerque.

A mídia udenista topa?

O uso interminável de recursos à Justiça para protelar o pagamento das multas contrasta com os prejuízos impostos ao consumidor. No setor elétrico, a falta de manutenção das redes ou de investimentos na manutenção dos velhos equipamentos é uma das principais causas dos apagões em São Paulo e da explosão de bueiros no Rio de Janeiro.

Alguns destes caloteiros até devem ter apoiado as “marchas contra a corrupção” no 7 de setembro, ou levado seus filhinhos em carros importados. Eles detestam a corrupção… dos outros. Odeiam o inchaço do poder público, com seus órgãos de fiscalização que pentelham suas vidas. Exigem menos Estado, menos fiscalização e menos impostos!

Que tal a mídia demotucana, tão empolgada com as recentes marchas, convocar uma contra os caloteiros? Afinal, o rombo nos cofres públicos, segundo o TCU, foi de R$ 23 bilhões. Se topar essa sugestão, a mídia mostrará que não é oportunista, que seu moralismo não é falso. O risco é perder os anúncios das empresas caloteiras. Será que ela topa?

Leia também:

Amaury Ribeiro Jr.: Privatas do Caribe

Rodrigo Vianna conversa com Amaury Ribeiro Jr.

Eloi Pietá e a regulamentação da mídia no Brasil

Zé Dirceu: De quem era a câmera?

Presidente da Petrobras diz que reportagem é “asquerosa”

Walter Pinheiro: “O que Veja fez não é jornalismo sério, é bandalheira”

Paulo Teixeira repudia o jornalismo de Veja: Provocação e delinquência

Humberto Costa, no Senado: É preciso debater ética da mídia

Devanir Ribeiro, fotografado no hotel: Jornalismo “podre e mentiroso”

A denúncia original de Zé Dirceu: Repórter cometeu crime

Escritório de advogados diz que Veja é versão tupiniquim de tabloide inglês

Brasil de Fato: Se for crime,  puna-se a Veja!

Delcídio do Amaral: Eu derrubei o Palocci?

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - A mídia descontrolada e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


29 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Altamiro Borges propõe marcha dos caloteiros « Blog do EASON

17 de setembro de 2011 às 10h02

[…] Publicado no Blog Vi O Mundo, de Luiz Carlos Azenha […]

Responder

FrancoAtirador

16 de setembro de 2011 às 20h24

.
.
Na veia!
No cerne!
Na seiva!
.
.

Responder

Julio Silveira

16 de setembro de 2011 às 18h50

O que me incomoda nisso tudo é ter que assistir aos, outrora, defensores da ética terem de se esconder sob subterfúgios por conta de ser imprescindível o convívio com as más companhias que nesse e em todos os governos tem sido necessários a governabilidade, ao invés de desmascarados. Tudo isso, por conta de um sistema democrático que permite, senão o florescimento, a manutenção deles no poder por décadas. O verdadeiro desafio, ao meus olhos, dos blogs não seria procurar emparedar os antiéticos e hipócritas defensores da anticorrupção e da ética atualmente, mas aproveitar o mote e aprofundar no processo de aprimoramento democrático. Sem essa de buscar da contradição, o mau feito é mau feito e deve ser combatido, sob risco de parecer que a defesa não é pela melhora das instituições, mas pelo direito ao cometimento dos mesmos erros com base na falta de moral dos críticos já conhecidos. O que se deve fazer e tirar o fundilho da cadeira, esquecer a acomodação e não permitir que os hipócritas lhes tomem as bandeiras por pura acomodação com o poder, e que seus ideais de correção e ética do passado de oposição não sejam trocados pela defesa do indefensável e esquecidos pelas próximas gerações, sem vaselinagem.

Responder

Gerson Carneiro

16 de setembro de 2011 às 17h32

Quero ver os cheirosos e cansados irem às ruas contra os alvos da Operação Alquimia, da Polícia e Receita Federais que desbaratou uma quadrilha responsável pela que é considerada uma das maiores fraudes tributárias já descobertas no País. O rombo aos cofres públicos é estimado em pelo menos R$ 1 bilhão apenas em impostos federais. Ao todo, o golpe envolvia cerca de 300 empresas, parte delas "laranjas". Entre os bens confiscados do grupo durante a Operação Alquimia estão uma ilha de 20 mil metros quadrados na costa de Salvador (BA), além de várias aeronaves, lanchas, carros de luxo, imóveis residenciais e parques industriais.

E dentre os caloteiros está Gregório Marin Preciado, aderente do Serra.
http://politicacomdedonafer.tempsite.ws/blog/?p=2

Responder

liz maria

16 de setembro de 2011 às 17h03

Deveria ser fazer uma marcha contra a "daslu" e outras tantas lojas de griffe por sonegar impostos… e de explorar funcionários…o Roubanel…sobre os paraisos fiscais de muitos políticos e empresários inclusive de determinadas igrejas , ongs, pessoas que exploram e escravizam muitos trabalhadores, que recebem dinheiro na câmaras dos vereadores, deputados senado, empreiteiras, e não trabalham …certos médicos que até fugiram do país, alguns advogados e outras estâncias superiores…iii é tanta gente que o espaço ficaria pequeno…acho bom eles ficarem bem quietinhos senão o feitiço vai virar contra eles mesmos…cambada… de hipócritas, sabujos…tchan nójentos…

Responder

    Jairo_Beraldo

    16 de setembro de 2011 às 21h31

    Eu não diria contra a DASLU, mas poderia ser um nome mais CHIQUE a se usar…MARCHA DOS CALOTEIROS, é brega, coisa de pobre…MARCHA DASLU, seria mais chamativo pelas madamas, peruas e penosas de plantão, para convencerem seus pares a participarem.

ZePovinho

16 de setembro de 2011 às 15h50

JORGE HAGE, EXCLUSIVO: A FACE OCULTA DA CORRUPÇÃO NO BRASIL. QUEM COMPRA QUEM?

"Quem compra é quem detém o poder econômico. E o poder econômico sempre fica menos exposto à crítica (…) Se nós vivemos num sistema capitalista, onde o capital é quem financia a constituição do poder político, ou seja, é quem escolhe quem vai exercer o poder político, é mais do que óbvio que o problema tem raiz aí mesmo" (Jorge Hage, ministro-chefe da Controladoria Geral da União, CGU, em entrevista exclusiva a André Barrocal, de Carta Maior, nesta pág; leia também a análise de Maria Inês Nassif sobre o PMDB e a política de alianças do governo e a coluna de Gilberto Maringoni, sobre as ambiguidades da campanha contra a corrupção).
(Carta Maior; 6ª feira, 16/09/ 2011)
http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMos

Faltam visão crítica e instrumentos legais contra corruptor, diz Hage
Para o ministro-chefe da Controladoria Geral da União (CGU), Jorge Hage, empresários também são culpados por desvio de verba pública, mas não se discute punição deles porque Congresso e imprensa seriam 'expressões do poder econômico'. Em entrevista à Carta Maior, Hage sugere que internet mobilize sociedade para pressionar pela votação de leis contra corruptores.

André Barrocal

Responder

graciliano

16 de setembro de 2011 às 15h01

Estou com a Cantanhêde e não abro! Quero o Paulo Preto, o Robson Marinho e seus sócios na cadeia, antes que a Interpol entre no jogo (o coitado do Robson já está com bens congelados na Suiça, embora sua ilha em Parati continue livre; sabe como é, a Justiça aqui é lenta com membros de Tribunal de Contas…)
Sobre os impostos, espero que a Receita Federal apenas execute os seus mil maiores devedores. Resolvido o problema de arrecadação no Brasil, sobrará dinheiro prá acabar com a pobreza, bandeira do governo Dilma, ou estou enganado?

Responder

Sagarana

16 de setembro de 2011 às 14h39

"Exigem que a presidenta Dilma Rousseff intensifique a “faxina” no Palácio do Planalto, que imploda de vez a base governista"
Isso mesmo, abaixo a "governabilidade", viva a moralidade com a coisa pública.

Responder

fernandoeudonatelo

16 de setembro de 2011 às 14h17

Marcio Pochmann, presidente do Ipea, no Valor Econômico:

"Os ricos seguem demonstrando importante capacidade de driblar o conjunto dos tributos.
Um bom exemplo disso pode ser observado na marcha da sonegação fiscal existente no Brasil.

Inicialmente pela ausência de tributação nas aplicações financeiras de residentes nas operações realizadas no exterior, sobretudo nos chamados paraísos fiscais.

Em 2009, por exemplo, somente os recursos aplicados em quatro dos 60 paraísos fiscais (Ilhas Cayman, Virgens Britânicas e Bahamas, mais Luxemburgo) existentes no mundo representaram mais de ¼ do total de recursos considerados investimentos diretos externos (IDE) pelo Banco Central.

A intransparência e, por que não dizer, escassa regulação permite que esses recursos aplicados externamente possam retornar legalizados e com contida tributação."
http://www.rodrigovianna.com.br/outras-palavras/t

Responder

    fernandoeudonatelo

    16 de setembro de 2011 às 14h20

    Vamos criar o Sonegômetro !!

Pedro Brasileiro

16 de setembro de 2011 às 14h14

Com certeza que Ricos nao vao pra cadeia no Brasil, especialmente os ricos do PT e de seus aliados. Nao lembro de nenhum membro do mensalao sendo preso.

Responder

beattrice

16 de setembro de 2011 às 14h04

Quero retomar a lembrança do Celso,
um país que proclama justiça social não deve e não pode compactuar em nenhuma instância
com a vergonha que representa os precatórios alimentares.
Isso não é justiça social, é picaretagem institucional, estadual e federal.

Responder

leandro

16 de setembro de 2011 às 13h44

A turma do governo tem que ir nessa marcha, eles nos dão calote em tudo, saude, educação, segurança e ainda somem com a arrecadação. Tem que ter bandeira do pt nessa marcha, são os maiores caloteiros.

Responder

ZePovinho

16 de setembro de 2011 às 13h35

Minha proposta para calar a boca dos liberais brasileiros continua de pé.Já que eles sempre viveram mamando na tetinha dadivosa da República do Brasil,nada mais justo do que criarmos uma estatal para administrar o Bolsa Oligarquia que eles montaram desde que se reuniram em Itú,em 1873,sob o PRP(Partido Republicano Paulista),para derrubar o Império: viver de verbas públicas enquanto o povão vive no mercado.
Dessa forma,com tudo institucionalizado,quem sabe eles não deixem de dar golpes de estado no pobre tax payer brasileiro.
Sendo assim,declaro aberta a adesão dos companheiros para a criação da LIBERALBRÁS.Podem aderir:

1.ZePovinho
2.Roberto Campos(Bob Fields)
3.Eugênio Gudin(Obrigado por sempre carregar minha mala,Bob Fields,em Bretton Woods!!)
4.Mário Henrique Simonsen(Cof!Cof!Cof!Preciso largar essa droga de cigarro e ensinar um pouco de matemática para o EUNAOSABIA)
5.Friedrich Hayek(O caminho da servidão é o banco central privado,meus amigos,e a mulher do ZePovinho)
6.Milton Friedman(Eu adorava o Pinochet!!Que homem!!)
7.Pedro Malan(Tô nem aí!Agora sou diretor de um fundo de investimentos que compra títulos da dívida pública que ajudei a explodir)
8.Armínio Fraga(Idem o que disse o Pedro Mala,digo,Malan)
9.Economistas liberais da PUC-Rio e Casa das Garças(Não contem pra ninguém que nossa universidade tem isenção fiscal do INSS na folha de pagamento dos funcionários.O negócio é levar vantagem,certo??)
10.Tião macalé(Pô,ZePovinho!!Me tira do meio desse monte de encosto!!!)

Comercial do Disco c/ Tião Macalé: Ao sucesso… anooote

[youtube E0QTC4r9Mvc http://www.youtube.com/watch?v=E0QTC4r9Mvc youtube]

Responder

    ZePovinho

    16 de setembro de 2011 às 14h17

    Não sei porque a manteiga CCPL,que aparece no vídeo,me faz pensar no satânico criptocomunismo lusitano que dominou o Rio por tantos anos.Notaram??É uma mensagem subliminar para divulgar o credo vermelho.Na realidade eles queriam dizer CCCP,as iniciais na camisa do time da URSS que perdeu por 3X2 para a última seleção brasileira que jogava futebol:o time de 1982.Cruzes!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Vlad

16 de setembro de 2011 às 13h35

"Exigem que a presidenta Dilma Rousseff intensifique a “faxina” no Palácio do Planalto, que imploda de vez a base governista."
A última oração é por conta dele, sofismático, imparcial, malicioso e subrepitício.
É por isso que eu afirmo, do alto dos meus longos anos de vida: não dá pra levar a sério nem o "PIG" nem os aloprados independentes nem os sujinhos chapa-branca.
Encontrar opiniões isentas virou coisa rara. Não há mais ciência nem pensamento puro, apenas interesse.

Responder

Jarbas Costa

16 de setembro de 2011 às 12h17

E o calote da mídia com as dívidas no INSS?

Responder

    beattrice

    16 de setembro de 2011 às 14h02

    Excelente pergunta: por que o governo federal não executa publicamente as dívidas que todos sabem que existem e são milionárias???

Celso Carvalho

16 de setembro de 2011 às 12h12

Boa idéia do Altamiro. Sem dúvida esse calote só é possível porque o estado não se empenha muito para cobrar. Basta verificar os inúmeros recursos possiveis, além da reforma no judiciário que permite que o pagamento vá para as calendas. Mas, caro Altamiro, não se esqueça que o governo também pratica o calote, senão por vários recursos da justoça (é isso mesmo), quando do transitado em julgado acaba se valendo de uma PEC DO CALOTE. São os precatórios alimentares que estão aí no meio.
Afinal, todos estão no mesmo balaio. Quem puxará a Marcha dos Caloteiros? Sugiro que seja por hierarquia.

Responder

marcio

16 de setembro de 2011 às 11h40

Que tal uma Marcha contra o aumento de alunos (com turmas ajuntadas) num espaço físico diminuto? Que tal uma marcha, convocada pelo PIG, contra o desmonte de qualquer possibilidade de educação pública de qualidade que o governo Richa está impondo ao Paraná? Vejam o caso da Escola Cecília Meirelles.

Responder

M. S. Romares

16 de setembro de 2011 às 11h13

Boa sugestão, Miro. Se voce pegar, aleatoriamente, um participante dessas manifestações "espontâneas" e conversar sobre corrupção, as crenças e convicções dele não resistem por mais de 5 minutos. O que se pode esperar dessa gente que engrossa o coro puxado, por exemplo, por um ophir?

Responder

Zé do Norte

16 de setembro de 2011 às 11h10

E que tal uma marcha contra os corruptores? Porque onde há corruptos sempre há quem os corrompeu.

Responder

    leandro

    16 de setembro de 2011 às 14h39

    Então agora os corruptos são vitimas? Coitadinhos deles, foram seduzidos pelos corruptores, parecem ate uma menininha inocente. Os dois lados são podres, mas se o funcionario publico for isento, ele da voz de prisão na hora que receber uma proposta ilegal. Mas os progressistas só acham defeitos em quem contesta, nunca no governo.

duarte

16 de setembro de 2011 às 10h50

Aí cara bota quente nesta turma, aliás tá faltando a marcha dos corruptores encabeçado pelo daniel dantas e empreiteiros que estão na operação castelo de areia.

Responder

Genghis Khan

16 de setembro de 2011 às 10h36

Caro Altamiro, sugiro também que, ao logo do 'impostômetro' da fiesp, seja instalado também um 'sonegômetro'. Aí teremos o contraponto para ver o que causa mais problemas ao Brasil. Se os impostos, ou a sonegação deles.

Responder

marcio_cr

16 de setembro de 2011 às 10h14

Duas coisa.
Primeira, acho que nunca ouviram falar da falacia red herring.
Segunda, termos que relembram o golpe de 64 não mexe com quem tem menos de 30 anos.

Responder

    Gerson

    16 de setembro de 2011 às 12h04

    O golpe de 64 não mexe com quem tem menos de 30 anos pois não lhes contaram a verdadeira história também.

    Tem gente da antiga que ainda chama "aquilo" de Revolução.

    Cristiana CAstro

    16 de setembro de 2011 às 12h57

    Agora a gente já aprendeu marcio; acho que vou foi o Pedro que explicou num barraco recente.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.