VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Alckmin embolsa 50% dos lucros da Sabesp e ainda reduz investimentos

26 de maio de 2014 às 23h38

por Conceição Lemes

A maciça publicidade da Sabesp na mídia insiste: São Pedro é o culpado pela seca do Sistema Cantareira.

A estiagem é um fato. Em dezembro de 2013, o índice pluviométrico na região do Sistema Cantareira foi 72% inferior à média no mês. Em janeiro e fevereiro choveu 65% menos do que normalmente no período.

Períodos de estiagem  acontecem, mesmo. São cíclicos. E podem se tornar mais frequentes devido ao aquecimento global. Daí a necessidade de o sistema ser planejado para dar conta do abastecimento de água, inclusive nas adversidades climáticas.

Porém, na Região Metropolitana de São Paulo, a causa fundamental da crise da água é outra: a decisão política dos sucessivos governos tucanos de não investir em novos mananciais desde 1985, apesar dos estudos e alertas de especialistas.

Não foi por falta de dinheiro em caixa!

Em 2005, o Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE), por delegação da Agência Nacional de Águas (ANA),outorgou à Sabesp o uso da água reservada no Sistema Cantareira exclusivamente para fins de abastecimento público (veja o PS do Viomundo).

Pois bem, de 2005 a 2013, os lucros da Sabesp, em valores corrigidos, atingem R$ 13,7 bilhões.Seu patrimônio líquido, R$ 12,9 bilhões. O que significa rentabilidade média neste período  (lucro frente ao patrimônio líquido) foi  de 11,86%. Os dados são de balanços da própria empresa.

A Sabesp, portanto, é altamente lucrativa e poderia reaplicar os ganhos na ampliação dos serviços à população.

RENTABILIDADE DA SABESP

Os lucros de 2005 a 2013 dariam para construir seis vezes o Sistema Produtor de Água São Lourenço, cujas obras tiveram início somente em 10 de abril deste ano.

São Lourenço irá ampliar a capacidade de abastecimento da Região Metropolitana de São Paulo. A obra ficará pronta apenas em 2019. O investimento total previsto é de R$ 2,21 bilhões.

Ou seja, se desde 2005 a Sabesp tivesse reinvestido parte dos lucros na construção do Sistema Produtor de Água São Lourenço, ele já estaria pronto e evitado a falta de água na Região Metropolitana de São Paulo, mesmo com a forte estiagem.

Mas há outro dado que demonstra que realmente o abastecimento de água não foi prioridade da Sabesp nos últimos anos: a diminuição de investimentos na  tanto na Região Metropolitana quanto no interior paulista. Os dados também de balanços da empresa.

SABESP: INVESTIMENTOS EM ÁGUA NO ESTADO DE SÃO PAULO

 

Na Região Metropolitana,  os investimentos caíram, em valores corrigidos, de R$ 721 milhões, em 2011, para R$ 652 milhões, em 2013. Queda de mais de 9%.

No interior, a diminuição foi de 21%. Em valores corrigidos, em 2011 foram investido R$ 572 milhões; em 2013, R$ 451 milhões.

Detalhe: dos valores investidos pela Sabesp em água em 2013, 30% foram bancados pelo governo federal, via bancos públicos.

De 2005 a 2013, o total investido em água pela Sabesp na Região Metropolitana de São Paulo atingiu R$ 5,1 bilhões. Média de R$ 575 milhões em valores corrigidos.

No mesmo período, no interior, a Sabesp investiu R$ 3,2 bilhões no interior. Média por ano de R$ 359 milhões e uma diferença de 60% a menos em relação à Região Metropolitana.

Daí as perguntas que todos devem estar fazendo: por que o governo Alckmin não exigiu que a Sabesp investisse em novos mananciais, já que estudos alertavam para essa necessidade?

Por duas simples razões: insensibilidade política e falta de planejamento a médio e longo prazos.

Para começar, foi Geraldo Alckmin, lá atrás, quem decidiu vender 49,74% das ações da Sabesp ao mercado.

O governo paulista deteve 50,26% do capital da empresa. Consequentemente, ficou com R$ 6,9 bilhões dos R$ 13,7 bilhões lucrados pela empresa 2005 a 2013. Aos acionistas privados couberam  R$ 6,8 bilhões dos lucros.

Alckmin, talvez contando com a ajuda do céu, preferiu embolsar os lucros da Sabesp e engordar os bolsos dos acionistas do mercado a exigir a ampliação da captação de água.  São Pedro resolveu não colaborar, fazendo aflorar o descaso e irresponsabilidade dos tucanos.

[A produção de conteúdo exclusivo do Viomundo é  bancada por nossos assinantes. Torne-se um deles!]

PS do Viomundo:  Em comentário no Facebook do Viomundo, o engenheiro Fernando Antonio Rodrigues Netto, que trabalha no DAEE, corrigiu uma informação equivocada que nos foi passada pela assessoria de imprensa da ANA. O que o DAEE outorga à Sabesp não é o Sistema Cantareira, uma vez que as obras de engenharia e hidráulica já são da Sabesp, que as construiu.

Ele explica: “O que o DAEE outorgou à Sabesp foi o uso da água reservada no sistema exclusivamente para fins de abastecimento público e, sendo a água um bem público como estabelecido na Constituição Federal e reafirmado na Estadual, ela não pode ser transferida para a Sabesp, não se constitui patrimônio dela. Insisto: é bem público. Pertence ao povo brasileiro. E como tal, toda outorga é dada a título precário e pode ser cancelada a qualquer momento, desde que o interesse público se faça presente, sem que caiba ao outorgado qualquer direito a indenização”. Conceição Lemes

Leia também:

Leia também:

Sabesp entope as torneiras de propaganda dizendo que falta d’água é planetária

Tambores de água e banho de canequinha voltam à cena em SP

“Os Marinho preconizam para a Petrobras e Brasil o que Sabesp fez em SP”

As águas e os tucanos: Sabesp segue Sanepar e privilegia acionistas

Dilma: “Fizemos lá (no Nordeste) o que o Alckmin não fez em SP”

Carlos Neder: Em meio à crise da água, Alckmin foge da propaganda da Sabesp

Júlio Cerqueira César: Alckmin e Sabesp já fazem racionamento de água

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

18 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Lázaro Antonio da Costa

14/01/2015 - 18h05

Bill Gates investe em máquina capaz de transformar fezes em água limpa

http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2015/01/09/bill-gates-investe-em-maquina-capaz-de-transformar-fezes-em-agua-limpa.htm

Responder

jair almansur

12/08/2014 - 19h48

Cuidado com o Skaf.

Responder

Marcela

11/07/2014 - 16h10

Matéria com título tendencioso. Insinua algum tipo de roubo, que não houve, apesar de a matéria tentar encontrar um. Desinformação! Típico da oposição…

Responder

    marcos

    13/01/2015 - 09h53

    Qdo tudo está uma porcaria há v quem se beneficie. Você deve ser um deles. Sou
    funcionario público e uso serviços públicos. Vc não deve utiliza los. Psdb acabou com tudo sim. E fato.

Álvares de Souza

28/05/2014 - 09h10

É a Lei da turma da bunfufa, que não respeita sequer uma empresa semi estatal que gere um recurso vital para o ser humano, a propriedade e o uso da água, assaltando seus cofres com uma ganância que só tem olhos para o lucro, comprometendo toda a capacidade de investimento de uma empresa que deveria ser exclusivamente pública, do estado.

Responder

Vlad

28/05/2014 - 08h24

O tal de “volume morto”, tirado da cartola pelo desgoverno tucano-metralha tirou o script da mão dos petistas. Ficaram pendurados na broxa.
Só pode ter sido criação da mídia, que ocultou desde sempre essas águas burguesas.

Agora resta é comer o prato pelas beiradas, tão sem graça quanto o prato da globalização do campo de Libra e os aportes da Petebrás ao desgoverno central.

Responder

Sagarana

28/05/2014 - 06h49

“Embolsa”? Noosssaaaa, que bolso grande! Vocês estão insinuando na manchete que o dinheiro foi roubado! Mas não é isso que está na matéria.

Responder

Tanabe

27/05/2014 - 15h03

São Paulo “inova” sem parar… É o slogan da propaganda do governo do estado de SP!!!

Responder

João

27/05/2014 - 13h26

Falta água em São Paulo e sobra pó em Minas, esses são os tucanos…

Responder

Luís Carlos

27/05/2014 - 12h51

R$6,8 bilhões de lucro repassado aos acionistas? Muito dinheiro! Seria importante saber quem e quantos são os acionistas que lucram com falta de água em SP.

Responder

    Marcela

    11/07/2014 - 16h08

    Sabesp é de capital aberto, os acionistas podem ser eu, você, seu vizinho…basta comprar um título! Coloca no google o que é antes de falar o que não sabe! Não tem nenhum roubo nesse caso da Sabesp da maneira como insinua o título da tendenciosa matéria.

    professor

    15/07/2014 - 11h57

    Embolsar o lucro significa não reinvesti-lo… não tem nada a ver com roubo. Tem a ver com má gestão e incompetência mesmo.

Haroldo Cantanhede

27/05/2014 - 12h29

É o PSDB “governando” para você! E a SABESP tem acionistas? Devem estar super “felizes”. E o povo que se exploda. Esse é o PSDB.

Responder

Aline C. Pavia

27/05/2014 - 10h21

Já está a venda nos supermercados paulistas a água em pó, em latas de 200 g. Basta adicionar água e misturar até dissolver. Fabricante, “ELEITOR TROUXA PAULISTA S.A.”

Responder

Julio Silveira

27/05/2014 - 09h21

Novidaaade!

Responder

José Giacomo Baccarin

27/05/2014 - 07h02

Alquimia alckmista, transformou a água de todos em ouro para poucos.

Responder

Gerson Carneiro

27/05/2014 - 05h34

Esse inverteu parcialmente a lógica do Paulo Maluf: Rouba e não faz.

Responder

Millena Borges

27/05/2014 - 01h28

A água é um patrimonio tão sensivel e precioso e não deveria ser tratada como ações. Nós cidadãos não temos que pensar somente em soluções para o agora, mas também planejar para as complicações no futuro em relação a água.

Responder

Deixe uma resposta