VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Vagner Freitas: Chega de medidas paliativas!


12/12/2012 - 00h19

por Vagner Freitas, enviado pela Assessoria de Imprensa da CUT, via e-mail

A classe trabalhadora quer debater o futuro do Brasil com o governo e os empresários. Chega de medidas paliativas! Está mais do que na hora de traçar estratégias de longo prazo para todos os setores da economia, independentemente da crise econômica do momento. Crises, sabemos todos, são cíclicas e a próxima será sempre a mais grave de todas as que já foram registradas.

Os trabalhadores, eternos reféns dos efeitos das crises financeiras internacionais, como a última, que começou com a quebradeira de bancos nos EUA e na Europa em 2008, exigem que suas propostas sejam levadas em consideração pelo governo federal. Queremos mais que a manutenção dos empregos. Queremos continuar o processo de distribuição de renda via massa salarial e a valorização do trabalhador, iniciados no governo do ex-presidente Lula.

 Dois pesos duas medidas

É preciso proteger a indústria nacional, justifica o governo quando divulga medidas para estimular a economia, aumentar a competitividade e a produtividade das empresas. O discurso oficial garante que os benefícios fiscais mantêm os empregos e até abertura de mais  postos de trabalho.

Com este argumento, aos poucos e sem alarde, o governo já atendeu várias das 101 medidas que a CNI propôs na semana passada alegando que é preciso modernizar as relações trabalhistas. Entre as medidas que o governo já concedeu estão benefícios fiscais, redução de custos para contratar e financiamento mais barato.

A maioria das propostas feitas pela CNI e ainda não atendidas pelo governo, no entanto, vai na direção de eliminação de direitos que levaram anos e muitas lutas para ser conquistados, como as cotas para pessoas com deficiência e as garantias da maternidade; a flexibilização total do tempo de trabalho, sem ter que pagar por isso; a eliminação completa do poder de punição da fiscalização que ficaria só como órgão orientador ; sem contar que coloca em dúvida todas as decisões e súmulas do TST – Tribunal Superior do Trabalho; e transfere para o governo todos os custos dos direitos trabalhistas.

Os empresários parecem ignorar que o Brasil só passou pela crise porque houve fortalecimento do mercado interno, especialmente via valorização do salário mínimo, conquistado depois de muita pressão e mobilização capitaneadas pela CUT, durante o governo do ex-presidente Lula. É preciso lembrar a eles, empresários, e também aos tecnocratas do governo que a melhoria da distribuição de renda via trabalho, aliada a programas como o Bolsa Família, contribuiu fortemente para sustentar o país nesses tempos de crise.

Concordamos que é preciso proteger nossa indústria e garantir o emprego e apoiamos os estímulos tributários e financiamentos mais baratos, entre outros,  desde que o objetivo seja priorizar o Brasil e levar em consideração os interesses da classe trabalhadora.

O que não admitimos é que a classe trabalhadora não receba do governo o mesmo tratamento dado aos empresários. Digo isto porque a pauta de reivindicações da classe trabalhadora, até agora, ainda não foi levada em consideração pelo governo.

Para nós, a crise econômica internacional serve de desculpa para o governo engavetar todas as propostas. Já para os empresários, serve para atender várias reivindicações. Desde o início da crise em 2008, por exemplo, 41 setores da economia foram beneficiados com medidas de estímulo – redução do IPI, desoneração de folha de pagamento – alíquota de contribuição previdenciária de 20% sobre folha passou para 2% sobre faturamento -, e financiamento mais barato.

Enquanto isso, os trabalhadores esperam, desde 1º de maio deste ano, que o governo cumpra a promessa que fez, em praça pública, de isenção de imposto de renda para a PLR – Participação nos Lucros e Resultados. A medida, inclusive, contribuiria para complementar o projeto político e econômico do Brasil que é manter a renda para manter o consumo e fortalecer cada vez mais o mercado interno, como diz o governo. O fim do Fator Previdenciário é outra reivindicação dos trabalhadores que não faz parte das prioridades da equipe econômica. A Câmara dos Deputados está pronta para votar e aprovar, mas por pressão do governo federal, a pauta saiu, mais uma vez, da ordem do dia.

Os trabalhadores são protagonistas do processo de desenvolvimento do país e exigem participar da discussão sobre os rumos da economia. Queremos atuar diretamente no processo de decisão e não ser atores indiretos ou ignorados.

Queremos negociar com o governo e os empresários, desde que haja transparência e seriedade, estratégias de desenvolvimento sustentável com distribuição de renda, justiça social, fim da pobreza e pelo trabalho decente. E, claro, que nossas reivindicações sejam debatidas, negociadas e acordadas,  pois isso faz parte do processo de negociação. O que não faz parte é engavetar reivindicações ou prometer e não cumprir, como é o caso da PLR, do fim do fator e das demissões no setor privado, apesar das medidas de estímulo a economia.

Vagner Freitas é presidente Nacional da CUT

Leia também:

Altamiro Borges: O cerco contra Lula se fecha. E agora?

TRT-SP mantém a suspensão das demissões no Santander

Leandro Fortes: Chame o ladrão

PT diz ser alvo de “setores que perderam privilégios”

Paulo Capel: As OSs vão continuar dando as cartas na saúde em SP?

Paulo Moreira Leite: As marchadeiras do retrocesso

Ivo Pugnaloni: Riem os tubarões da energia elétrica

Emir Sader: Sob o poder de três ditaduras

Conceição Tavares: Economist no palanque de Aécio

Marco Maia: Câmara pode não cumprir decisão do STF

Milhares de argentinos vão à Praça de Maio defender a Ley de Medios

Rafael Correa: Dois pesos, duas medidas da mídia

Safatle: “Obrigado, Niemeyer. Suas ideias ajudaram a moldar vidas”

Lewandowski: Compete ao Legislativo e não ao STF declarar perda de mandato

Marcelo Justo: Economist não pediu cabeça de Osborne

Altamiro Borges: A artilharia se volta contra Dilma

Marco Maia: Sobre a cassação de mandatos pelo STF

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

MariaC

12 de dezembro de 2012 às 19h44

Digo isso numa visão capitalistabesta. Pois em boa análise o capitalismo é inviável, mas não vamos discutir isso em um país onde nem há educação básica ainda.O capitalismo não tem futuro e as mortes capitalistas serão em número enorme no futuro.

Responder

MariaC

12 de dezembro de 2012 às 19h42

Ou seja, se o governo gasta tanto com as empresas para gerar dodlares na exportação, seria melhor dar essa grana diretamente aos empregados, ou mesmo desempregados.

Responder

MariaC

12 de dezembro de 2012 às 19h39

Concordo plenamente. O Brasil não tem nem mesmo o sopão europeu. Uma vergonha. Se acontecer algo nem teremos o mínimo alimento.

Já os empresários estão sempre atendidos e bajulados pela midia capitalistabesta.Não tem a noção de lucro ético. Roubam, sonegam, usam beneficios, usam subsidios. Estão sempre por cima.

O seguro desemprego é uma vergonha. Nunca se discute o valor dessa caixa e suas funções. Nos países desenvolvidos há um real seguro desemprego.
A caixa de grana é usada para pagar não só 3 meses de salário. Mas uma vida, caso o sujeito não encontre mais emprego. Aqui é uma fantasia.

Aqui o FAT é para poucos ricos, via BNDS; uma aberração.
A crise está sendo muito bem aproveitada pelos empresários. Eles não precisam mais provar a alerdeada competência. Se não vendem e não exportam devido à crise, suas vidas estão seguras pelo governo. Pois é uma visão errada, mas praticada que a empresa deve ser mantida, para manter o emprego. Falácia.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.