Paulo Moreira Leite: Pavor aristocrático na reta final

Tempo de leitura: 5 min

por Paulo Moreira Leite, no seu blog

A iminência de uma derrota histórica  na cidade que consideravam sua reserva de mercado tem levado alguns observadores a fazer um trabalho vergonhoso em defesa da candidatura de José Serra à prefeitura de São Paulo.

Em vez de defender  José Serra, o que seria natural na reta final da eleição, eles procuram levantar o fantasma da ameaça de um avanço da hegemonia do PT no país inteiro. Enquanto acreditavam que seu candidato era favorito,  diziam que a polarização política era ótima, que o conflito ideológico ajudava a formar a consciência do eleitor. Mas agora, diante de pesquisas eleitorais constrangedoras, querem mudar o jogo de qualquer maneira.

É um comportamento arriscado e pode ser contraproducente.

Do ponto de vista democrático, o PT só chegou ao poder de Estado, em qualquer instância,  pelo voto direto. Bem ou mal, é o único dos grandes partidos brasileiros  – já existentes na época — que pode exibir essa condição.

Claro que  você pode discutir a recusa em votar em Tancredo Neves, em 1984. Pode dizer que foi radicalismo, esquerdismo, sei lá. Mas é possível reconhecer que naquele momento da transição os petistas defenderam  um princípio de respeito à vontade popular que vários adversários – por uma esperteza que em vários casos pouco tinha a ver com patriotismo desinteressado –  logo iriam trocar por um cargo no ministério.

Essa postura conservadora contra Haddad retoma  os velhos fantasmas do perigo vermelho, tão primitivos como tantas mitologias de quem saiu colonizado pelos anos de Guerra Fria. Reflete um medo aristocrático de quem imaginava que tinha transformado São Paulo em seu quintal eleitoral e agora se vê sem respostas para as grandes parcelas da população.

Depois de criticar o PT pelos Céus de Marta Suplicy, a campanha tucana fala em Céus do Serra. Depois de criticar o bilhete único, o PSDB aderiu a ele. Criticou Haddad pelo bilhete único mensal, mas agora lançou sua própria versão do mesmo bilhete. Depois de passar a campanha pedindo que a população  tivesse pena de Gilberto Kassab, nossos analistas descobrem que o continuismo não está com nada e, para não perder embalo, dizem que é uma tendência para 2014 e já ameaçam Dilma.

Levantar o fantasma de um perigo difuso e ameaçador é um dos  mais conhecidos truques da comunicação moderna. Revela desprezo pelo conhecimento e pela  inteligência do eleitor, procurando convencer a população com argumentos inconscientes, de natureza emocional.

A postura pode ser resumida assim: quando não dá mais para falar em bolo nem em brioches, como fez Maria Antonieta diante da plebe rude, vamos para lágrimas e o sentimentalismo.

O pensamento aristocrático  e conservador do século XIX, quando a aristocracia descobriu que o voto popular poderia produzir resultados desagradáveis e inesperados, foi construído assim.  Pensadores como Gustave Le Bon afirmavam, literalmente, que a multidão  “ou não conseguia raciocinar, ou só conseguia racionar de forma errada.”

O truque principal, nesse comportamento, era  evitar referências claras e diretas. Por motivos fáceis de explicar, nunca se diz: perigo de quê? Por quê?

Grita-se: “eu tenho medo,” como fez Regina Duarte, em 2002.  Mas pelo menos ela tinha sido a namoradinha do Brasil…

Como bem lembrou Fernando Rodrigues,  a partir de 1994 o PSDB tornou-se  um partido rico e poderoso.

Deixou essa condição, pela vontade livre e direta do eleitorado. Em nenhum momento o PSDB deixou de ter colunistas e articulistas de pena amiga para descrever suas virtudes perante à população, com uma generosidade jamais exibida em relação a nenhum outro adversário.

A dificuldade é que, em sua passagem pelo poder federal os tucanos não deixaram nenhuma recordação duradoura  na defesa dos mais pobres e dos assalariados em geral. Foi por isso que perderam três eleições consecutivas, sem jamais exibir concorrentes competitivos.

Em 2002, quando o governo de FHC chegou ao fim, sua popularidade era negativa. A inflação passara   dos dois dígitos, o desemprego havia disparado, a economia estava num abismo financeiro e é claro que, já então, culpava-se o perigo vermelho por isso.

Quanto aos métodos de governo, não sejamos ingênuos nem desmemoriados. Se  você não quer usar a palavra aparelhamento, poderia falar, então, em engaiolamento tucano.

É um sistema realmente eficiente, já que, em quatro anos, promoveu:

a)   mudanças nas regras eleitorais estabelecidas pela Constituição;

b)   um esquema conhecido como mensalão, matriz dos demais;

c)   um procurador geral da República dos tempos de FHC era conhecido como “engavetador”geral da República;

Embora goste de lembrar que o PT votou contra o Plano Real assinado por Itamar Franco, o PSDB prefere esquecer que, ao retornar ao governo de Minas Gerais, o ex-presidente rompeu com FHC e chegou a mobilizar a PM  para impedir que Brasília privatizasse a usina de Furnas.

Foi para tentar derrotar Itamar, político muito popular no Estado, que o PSDB inventou o mensalão de Marcos Valério,  colocando de pé um esquema que arrecadou mais de R$ 200 milhões para as agências ligadas ao esquema. Nem assim o esquema funcionou e, como acontece nas democracias, venceu o candidato que era melhor de voto.

Mesmo derrotado – a democracia tem disso, né, gente? – o PSDB  empurrou a dívida do esquema com a barriga, com ajuda de verbas liberadas – olha a  coincidência ! – pelo mesmo cofre do Visanet. Quando Aécio recuperou o governo de Minas, Valério voltou a ser premiado com novos recursos, informa Lucas Figueiredo, no livro O Operador. Conforme demonstrou a CPI dos Correios, dirigida por aliados do PSDB, havia farta distribuição de recursos públicos na campanha tucana.

Num lance de peculiar ousadia, foram retirados R$ 27 milhões da própria Secretaria da Fazenda do Estado.

A verdade é que o mensalão mineiro foi feito com tanta competência – ou seria melhor empregar o termo periculosidade?  – que jamais foi descoberto. Até surgiram denúncias, mas elas nunca foram investigadas.

Chegou-se ao mensalão mineiro por causa do braço petista de Marcos Valério. Se não fosse por ele, nem saberíamos que teria existido.

Isso é que engaiolamento, vamos concordar. Funciona mesmo depois que o PSDB deixou o poder.  Enquanto o Supremo condena o mensalão petista com argumentos deduzidos e não demonstrados, os tucanos seguem no pão de queijo. Ninguém sabe, sequer, quantos serão julgados. Nem quando.

Agora vamos reconhecer: Fernando Haddad assumiu a liderança folgada nas pesquisas como um bom candidato deve fazer. Veio do zero, literalmente, e ganhou eleitores na medida em que tornou-se conhecido.

O apoio de Lula não é importante, apenas, porque lhe garante um bom patamar de votos. Essa é uma visão eleitoreira da política. Esse apoio mostra que é um candidato com origem e história e isso é importante. Dá uma referência ao eleitor.

Num país onde os sábios da década passada adoravam resmungar com frases feitas sobre a falta de partidos “legítimos”, com “história”, com “programa,”etc, é difícil negar que o PT fez sua parte. Você pode até achar uma coisa detestável. Pode dizer que o PT é um partido anacrônico, que “traiu o discurso ético” e só faz mal ao país. Mas  tem de admitir que não é Haddad, como Dilma já mostrou em 2010, quem tem problemas com a própria história.

E isso, na construção de uma democracia, é um bom começo. Falta, agora, a outra parte. Caso as urnas confirmem o que dizem as pesquisas de intenção de voto, a vitória de Haddad só irá demonstrar  a dificuldade da oposição em mostrar que poderia fazer um governo melhor.

O debate político é este. O resto é propaganda.

Leia também:

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

nilcemar

Serra ajuda uma ou outra pessoa em particular. De onde ele teria tirado 200 mil reais para pagar o aparelho daquela senhora ? Seria do próprio bolso, ou nós financiamos essa exceção ? No Hospital do Servidor Público, de vez em quando se vê pessoas, não funcionários públicos, sendo “privilegiadas” com tratamentos que nem os servidores, seus donos e mantenedores, têm.

Barbosa chama Lewandowski de ‘advogado de Valério’ « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Paulo Moreira Leite: Pavor aristocrático na reta final […]

Eduardo Guimarães: MSM vai à Justiça contra o Jornal Nacional « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Paulo Moreira Leite: Pavor aristocrático na reta final […]

Como diria a Folha, Serrá um desastrebrando « Ficha Corrida

[…] Paulo Moreira Leite: Pavor aristocrático na reta final […]

PML e SP: elite treme no final | Conversa Afiada

[…] Paulo Moreira Leite: Pavor aristocrático na reta final […]

assalariado.

Pessoal, deem uma olhada neste video.

É o Lula apoiando candidato do Psol em Belem do Para.

Será que um dia desses nós, que nos dizemos de esquerda, vamos tomar juizo e, nos unirmos de fato e de direito, rumo ao socialismo.

Aqui o video: http://www.youtube.com/watch?v=2T5g_3FK4sI

Saudações Verdadeiramente Democraticas.

    Luís Carlos

    Muito bom. Espero que contribua para aproxiamção entre os militantes da esquerda.

Annibal de Aguiar Botto de Mello Filho

Perfeito artigo!

Mas a esquerda tem que vencer as eleições e governar como esquerda. Ou seja:Haddad tem que desmontar sim, as Organizações Sociais que privatizam a saúde. É uma chance para que as diferenças entre esquerda e direita sejam conhecidas do cidadão.

Fabio Passos

A “elite” branca e rica está com a cara no chão diante da surra que Haddad está dando em serra.

E a classe média adestrada pelo PiG até já desistiu de velar o defunto. rsrs

Pode enterrar que há muito está fedendo.
Parabéns a São Paulo por livrar o Brasil deste coisa ruim.

Willian

O PIG tem os melhores jornalistas.

    Bonifa

    Esta frase é do Barão de Itararé. Os melhores jornalistaas que o dinheiro pode comprar.

    Mário SF Alves

    Melhores jornalistas…? Humm… vá lá. O que, de modo algum, significa que sejam as melhores consciências jornalísticas aquilo que o dinheiro consegue comprar.

lauro c. l. oliveira

Melhor que qualquer defesa proferida no transcurso do mensalão,os torquemadas do stf deveriam ouvir tais laudas sobre a pacialidade de seus juizos.

sebastiao

Texto brilhante!!! Neste domingo vamos lavar a alma!!! Quero tomar um porre de felicidade!!!

Sinezio Bernardo

Opinião verdadeira, elucidativa, sem engajamento politico. To com voce P.M.L.

Rossi

Válido,lúcido e inserido no contexto.Interessante esse PML,incrustado no mais direitista e manipulador grupo midiático empresarial do país,não aluga sua pena para reforçar as posições do patrão,conservando sua honestidade e integridade intelectual.É na verdade um estranho no ninho,e que ninho!

    Mário SF Alves

    Tem razão. Haja caráter e formação profissional.

Paulo Figueira

Da série ” Eu tenho medo “:
O candidato a vice presidência em 2010 na chapa de Serra Índio da Costa, acaba de ser preso pela Polícia Federal, ele e membros de sua família, são acusados de fraudar o Banco Cruzeiro do Sul, provocando a sua quebra.
Esse sr. poderia ter sido eleito vice presidente, não é para ter medo?

    Mário SF Alves

    Tá estranhando o quê? Essa é a verdadeira COMPETÊNCIA tucana, e o tal Indio ia acabar chegando lá. Aliás, chegou. E aí, será que a gente iria querer tratar ele com o domínio funcional dos fatos?

    simas

    … perguntaria: Será q alguém vai dar um HC, assim, do nada, pra liberar o Índio?… Hummmm…
    Abraço, fraterno

Marcos Baltar

O texto do PML é um primor.
Salvo algum engano, a tese (hoje requentada) do “Perigo vermelho” foi levantada pelo FFHHCC para amealhar recursos para o PSDB “combater o PT”, junto a empresários: banqueiros, empreiteiros, cimenteiros usineiros, paulistas pricipalmente, mas não somente, amigos dos teatros municipais, dos “bons” restaurantes e das grandes butiques país a fora. Os intelectuais da terceira via (aquela que afundou a Europa) não suportavam (e ainda não suportam)admitir sua miopia histórica e ser suplantado em ideias e em ações pelos trabalhadores organizados pelo Operário Brasileiro em Construção Contínua, Nosso Grande Nunca Dantes LULA. O PT – Partido dos trabalhadores, continuará crescendo, cortando da prórpia carne, se humanizando, aprendendo a lidar com os picaretas (de todos os partidos inclusive do próprio quadro), coordenados por humanistas tais como Lula, Dilma, Haddad e outras lideranças ( eu gostaria de ver e ouvir mais a Erundina se ela vencesse a vaidade), graças aos deuses e aos trabalhadores cada dia mais conscientes. Nossas armas são os nossos votos. Nós passamos a exergar um outro país e um outro mundo possível, a partir do advento da criação do Partido dos Trabalhadores, na década de oitenta, para organizar o pensamento popular. Este foi e ainda está sendo o legado do Lulismo em nosso país. Democracia para nós é governo do povo trabalhador – pretos, pobres,prostitutas, mas também branquelas que não vão a praia, loiros e loiras, morenos e morenas, índios, caboclos, cafusos, magros e gordos, os que gostam de cerveja e cachaça e vodka e os que gostam de vinho e espumante e whisky, em suma os petistas. Para eles, os da elite e da pseudo elite (os que ganharam as capitanias hereditárias, mataram índios e abusaram de suas filhas, roubaram-lhes as terras e chancelaram o roubo com documentos de cartório) e seus serviçais – os lambe botas dos endinheirados, os assalariados obtusos e ou trapaceiros da grande mídia golpista , os patifes que nos chamam de petralhas em convesvotes onde pousam de gran-mestres iluminados de videotas e vejiotas incautos – estes sim os pulhas, a ralé…) os petistas – trabalhadores – significam o (Dem) de demônio – e eles são incapazes de enxergar o verde de Brasil no fundo da bandeira vermelha do PT. São todos, além de anacrônicos, daltônicos!

    Mário SF Alves

    C*3@8%#o! E não é que é!

nonato barboza

PML tem razão ao abordar a questão da “multidão”. Muitos debocham que a “Multidão” não raciocina ou raciocina de forma errada. Trostski também, no princípio, tinha restrições quando tomou conhecimento que teóricos do socialismo pregavam a “Ideologia da Multidão” ou o “Governo da Multidão”. Creio que para o bem – e não posso afirmar se conscientemente – o Presidente Lula captou que a Ideologia da Multidão seria importante para o Brasil. O tempo passou e as provas irrefutáveis são as de que o PT a cada eleição tem a sua multidão aumentada. A prova de tudo isso é a popularidade de Lula que só aumenta. O uso de sua imagem é sempre disputada por diversos partidos, além do PT, claro, e muitas vezes essa disputa chega ser discutidas nos tribunais eleitorais.

Aristharco

PML: Cada vez mais delicio-me com a lucidez de suas colocações.

Vlad

Mas que nada.
A aristocracia nunca esteve tão feliz.
Até o Maracanã, depois de reconstruído (obviamente, que aristocracia não é burra) com dinheiro do BNDES vai ser privatiz…, digo, concessionado por 35 anos renováveis por mais 200 anos, para o Ai que Batista, ami$$í$$imo dos aliados do Ptraíra.
O Itaú? Acaba de divulgar o segundo maior lucro da história dos bancos.
O Bradesco…não fica muito atrás.
A desoneração de tributos das multinacionais e a flexibilização da arcaica legislação trabalhista vão de vento em popa.
O MST nem se sabe se ainda existe.
UNE? Abduzidí$$ima.
Centrais? curtindo as cadeiras nos conselhos de administração das estatais.
Após os aeroportos, os portos vão indo pelo mesmo ralo.
A aristocracia deve estar MUITO preocupada mesmo.
Nem devem dormir à noite com o GRANDE perigo que representa o riquinho Haddad na prefeitura.

    simas

    Hahahahhhhhh!… A raposa e as uvas: Tbm; todas podres. Vou criar novas táticas de conquista, pra qdo acontecer outra oportunidade…
    Preciso me adiantar, pq 2014 está, aê, mesmo; e, dessa vez, não vai ter quem suplante o “menino do Rio”.

    João Paulo Ferreira de Assis

    Só se os eleitores brasileiros forem perfeitos imbecis. Com o meu voto, e o dos professores mineiros, o Aécio mentiroso (do choque de gestão contra os pobres e do déficit zero que não houve) não se elege presidente é NUNCA.

    Mário SF Alves

    Ainda que tabula rasa fizesse sentido. Vamos lá. A prosperar sentido no seu argumento o mensalããããããããããããão, do PT, lógico, foi um gesto de bondade em retribuição aos irrelevantes serviços prestados pelo próprio PT. Bacana. Agora conta a do Papagaio, a da Tia Mariquinha, a da Joaninha de Uma Asa Só…

Marcelo de Matos

Dando mostras, mais uma vez, de que só se preocupa com questões relevantes em matéria de política, Caetano Veloso impôs condição para apoiar ACM Neto: “Para ter um voto meu, ele precisaria declarar que o aeroporto de Salvador deve retirar o nome do seu tio. Detesto que ele se chame Aeroporto Luís Eduardo Magalhães”. “Eu prefiro que ACM Neto ganhe. Logo eu que passei a vida inteira me opondo ao avô dele”, concluiu o leãozinho. E eu continuo admirando Caetano, o músico.

Silvia Saitin

O presidente Lula só fez um excelente governo porque mudou completamentamente a política macro econômica do vendilhão de pátria Fernando Henrique.

Lula mudou totalmente o que recebeu de FHC, primeiro que Lula acabou com o Plano Real e fez outro Plano Econômico para conter a inflação de dois dígitos, essa medida de revogar o Real, depois Lula revogou a Lei de Responsabilidade Fiscal (Lula logo de cara publicou uma lei revogando a LRF, já que foi contra esta lei e chegou até a entrar no STF contra ela), depois Lula viu que o superávit primário era ruim para o país e deu ordens expressas ao então Ministro Antonio Palocci: “Palocci, acabe com o superávit primário já”, é claro, assim foi feito, anulados a LRF e o superávit primário, Lula partiu então para as “metas da inflação”, outra sandice e inutilidade dos vedilhões FHC e Serra… Lula acabou com o mecanismo de metas de inflação, isso foi fundamental para acabar com a inflação de dois dígitos, na política monetária Lula noemou Henrique Meireles, dando-lhe ordens expressas para mudar totalmente a política monetária de Armínio Fraga e Pedro Malan, este cumpriu e executou as ordens de Lula na hora.

No campo social, o presidente mandou acabar completamente como o Bolsa Escola de Dona Ruth, daí que o grande sucesso do Fome Zero se fez presente, foi graças o Fome Zero (Lula era contra o Bolsa Escola, daí que mandou acbar com o programa) que conseguimos promover a distribuição de alguma renda ao pobres, todos sabem disso.

Olha, se Lula não tivesse mudado completamente a política econômica e os programas socias do vedilhão FHC, seu governo teria sido um fracasso.

    simas

    Sílvia, minha linda, vc. na qualidade de crítica de Programas Econômicos, Políticas Monetárias e Programas Sociais, é uma péssima humorista. Vc não precisava, igualmente, criticar Palocci, Meireles; mto menos, nos fazer lembrar e nos causar revoltas, do Armínio e do Malan… Vc não devia. Foi recorrer, até, da pobre Dona Ruth, aê; pra nos fazer chantagem emocional… Q coisa feia, mocinha.
    No meu entender e sem pensar em jogar com cinismo, o Pres Lula pra ser palatável à elite, dominante, à qual vc pertence, encomendou ao Palocci aquela “carta aos brasileiros”. Lembra? De igual valia, o nosso Presidente, pra tomar posse, fez uma viagem à Washington e voltou, com o nome do Meireles, q havia levado na manga… cavando anuência do Poder Central, a um seu governo. Não foi? Qto ao Armínio e ao Malan, convenhamos, heim?
    Vamos esquecer o nome de Dona Ruth, em sinal de profundo respeito à senhora.
    No mais, minha flor, o Moreira Leite foi extremamente didático, paragrafo, por parágrafo. Só lembrou de ptos necessários e suficientes pra desmontar o engodo q foram os governos do prof cardoso.
    Pensando, bem; no Brasil nós não precisamos de base, conhecimento histórico, pra afirmar q a elite, dominante, nos impingiu nomes de arrepiar pra figurar na presidência… Mas, o do prof cardoso foi, seguramente, o maior traidor q se poderia arrumar, heim?…

    Ubiratan J. dos Santos

    Você bebeu, filha ?… Não ?… Então o que houve com você ?…

marcos

Prezado Sr. Moreira Leite : Tenha cuidado, o PIG e seus merválicos podem resolver lhe enquadrar ( com base na Teoria do Domínio do Fato) por estes textos tão ” liberais, defendendo os ” quadrilheiros do PT ” !
Contenha-se .

francisco pereira neto

Esse PML é um infiltrado petista nas ostes Globais.
Ou então um kamikaze da Época.
Mas que é delicioso ler os seus artigos, ah! isso é.

Pensador

“Enquanto o Supremo condena o mensalão petista com argumentos deduzidos e não demonstrados […]”

Hm. “Eu tenho medo”. Medo não do PT e PSDB; tampouco das transformações políticas, mas das pessoas que fazem da causa política, uma causa pessoal.

O artigo está bem escrito, no entanto, exponho minhas opiniões:

1) Um partido hegemônico seria um golpe a democracia; não necessariamente precisamos do PSDB para fazer frente ao PT, ou de um partido de direita ou nacioalista. Precisamos tão somente de um partido que faça frente e questione o partido que está no poder.

2) Não é por que “o mensalão” e crimes de um partido não foi devidamente tratado, que o de outro partido adquire o “caráter legal”. Um erro jamais justificará o outro. Quem lesa a população e ao erário merece ser devidamente punido.

3) O PT há muito tempo deixou de ser um partido de esquerda. Apesar do discurso popular.

No mais, acho que Haddad seria bom para São Paulo, afinal, o PSDB já governou tempo demais. Um novo governo pode oxigenar a administração, rever antigos erros e contribuir para a manutenção do desenvolvimento da cidade.

Agora, sejamos sensatos. O escândalo do mensalão está mais do que “visível”, o argumento de que “há argumentos deduzidos e não demonstrados” é pesado.

É como aquela charge que circula no facebook do Ministros Lewandoski e Joaquim Barbosa. O Primeiro diz para o Ministro Joaquim que chegando em casa encontra um homem em sua cama, e por isso o puniu por invasão de privacidade, mas logo depois encontra a sua própria mulher no armário. O Ministro Joaquim pergunta o que o Ministro Lewandoski fez com ela, no que ele responde: – A inocentei, afinal não haviam provas concretas de que ela havia dormido com ele.

    Marcos W.

    Um partido hegemônico faz mal a democracia?! Também acho, mas não se “cria” um partido para fazer frente ao partido hegemônico no canetaço! Nesse sentido, o PSDB tem cada vez menos votos! Além disso, no Brasil, com o sistema de governo que temos, jamais haverá exatamente um partido hegemônico.

    Bertold

    Ha, ha, ha… que lógica doida hein, pensador?
    Então, o povo não pode ecolher pela maioria de votos a quem quer dar a hegemonia?
    E quando o PSDB/PFL/PMDB eram hegemônicos e fizeram tudo que podiam na década de 90, tudo bem, podiam né? Não eram ruim para a democracia?
    Já vi que você conhece a Ação Penal 470 somente pelas lentes da Globo, Veja e Folha. Oh dó!

    francisco.latorre

    oh dó..

    bis.

    ..

    Ubiratan J. dos Santos

    E tem mais Bertold, o Pensador acha que a justiça, é uma grande brincadeira, e que serve apenas para se fazer boas piadas…..

    Pensador

    O povo escolheu Adolph Hitler na República de Weimar, não?

    sandro

    Sim alteza…
    O que mais?

    Urubulino

    Tem uma outra charge interessante, Pensador. A do Lewandowski perguntando ao Joaquim: “Vª Excelência leu os autos?”. E o Barbosão respondendo: “Não, li a Veja”.

    Mário SF Alves

    Que coisa! Isso é que é reducionismo. Deixa ver se entendi bem. Então é assim, alguém compara a cama de alguém com a complexidade política de governar um país chamado Brasil, e outros ” muitos alguém” assumem isso como analogia pertinente/apropriada e, não incomodados, acham tudo muito engraçado? Cara! Isso é o próprio non sense.

    Pensador

    Lamento se eu o ofendi amigo, garanto que não foi a intenção. Mas não vi argumento algum seu, apenas condenações quanto ao meu suposto “non sense”. Assim fica difícil um “debate ou argumentação construtivas”. Agradeceria se postasse o que pensasse do meu comentário, não da minha pessoa. Afinal, estou aberto sempre a novas ideias. Obrigado. :)

    P.S: Sim, eu acho que a piada se encaixa bem nessa situação. Se não sabe, o comédia surgiu na Grécia Antiga, e era uma forma de ridicularizar e criticar os costumes e valores ultrapassados.

    Abraços.

    Bonifa

    Você não conhece da missa a metade. O partido que com propostas progressistas se destaca como hegemônico em plena democracia está a fazer seu trabalho, enquanto espera de que a sociedade se livre dos políticos conservadores ultrapassados e constitua novos partidos que lhe venham a fazer frente, com propostas mais sólidas e mais fundamentadas. Isto que você fala é apenas vazio. Vazio de idéias. Uma forma de tentar condenar o regime democrático porque não dá mais chance a posições políticas que hoje pertencem ao passado, não correspondem mais às demandas e aspirações de um país que cresceu e se modificou.

    Pensador

    Acredito, Bonifa que apesar da corrupção generalizada em nosso país, não apenas o PT esteja a fazer seu trabalho, mas como vários outros partidos e políticos. Não acredito que o PT seja o dono da verdade e superior a tudo e a todos, como algo perfeito, quase que dogmático no sentido de que jamais erra; apesar de que sem sombras de dúvidas votaria no Haddad para SP, como justificado acima.

    Amigos, até quando continuarão com esse pensamento retrógado? Às vezes teho a impressão de que adotam o pensamento de Winston Churchill; ele disse certa vez no auge da segunda mundial: “Se Hitler resolvesse invadir o inferno, estaria disposto a fazer uma aliança com o próprio demônio”

    As coisas não funcionam assim, meus amigos. Os fins não justificam os meios.

    Abraços. :)

De Paula

É estranho êsse Serra; Está sempre situado nos descaminhos da história: No pré-golpe de 64, lembran-se? Estava lá, no comicio da Central e no palanque do Jango representando a UNE; e no levante dos marinheiros? Estava também lá, no Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias, acenando para a plateia, abraçado ao Cabo Anselmo; (ambos os casos fartamente documentados pela imprensa. É só procurar nos jornalões cariocas da época: Correio da Manhã, JB, Globo e Ultima Hora, Diario de Notícias. Lá está êle fagueiro e inocente sorrindo, de orelha a orelha. Depois veio o golpe e êle escafedeu-se para o Chile, ao alvorecer da primeira manhã redentora, com todas as facilidades; logo êle, o quarto mais procurado na ordem de importância… E foi parar no Chile do Allende; mas por lá tambem o golpe chegou. Mais uma vez escapuliu das garras da repressão e pasmem!!! Rncontrou refugio nos Estados Unidos; estranho, muito estranho para nós leigos em fugas misteriosas, mas nada estranho para um Cabo Anselmo, com quem compartilha, risonho, o palanque no Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias. (Está lá nos jornalões da época).
Agora, na ordem sequencial dos fatos estranhos, eis que a Corte Suprema decide apressar uma condenação sem julgamento para tudo se acabar na quarta-feira para que possa haver uma escolha por Barrabas e mais uma vez quem está lá no mais escabroso descaminho de nossa história jurídica? Êle mesmo. Sujeito ou objeto dos acontecimentos?

    Tadeu Versulotti

    Excelente, a mais pura expressçao da verdade

    Mário SF Alves

    Então. Essa é a função da História contada por quem sabe o valor prático da História. Essa é a História que mostra as contradições. Essa é a História que liberta. Muito bom.

    nilcemar

    Quanto à sua profissão, agora ele diz ser professor. Seria de Economia, e na UNICAMP. Ele e Maria Conceição Tavares deram aulas nesta escola. Na USP destacaram-se Bresser Pereira, Delfim Neto, Mailson da Nóbrega: ele se situa neste grupo de economistas acadêmicos.

Ninguém

Fez barba, cabelo e bigode.

trombeta

Esse cara é muito bom, ótimo texto.

Deixe seu comentário

Leia também