VIOMUNDO

Diário da Resistência


Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria
Falatório

Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria


30/10/2012 - 22h00


Ser índio em tempos de mercadoria

Tarso de Melo*, no site da Editora Expressão Popular, sugerido pela Maria Alice no Facebook

A recente divulgação da carta que uma comunidade indígena Guarani-Kaiowá de Dourados (MS) enviou à Justiça Federal pedindo que, uma vez que não lhes é permitido viver da forma que consideram digna, seja logo decretada a morte de toda a comunidade, por cruel que pareça, não deveria causar espanto. Condenados à morte, sejamos sinceros, os índios brasileiros já estão há mais de 500 anos, mas a execução da sentença é lenta, torturante e cínica.

O que espanta, desta vez, é que os próprios Guarani-Kaiowá tenham pedido ao seu inimigo mais ou menos declarado – esta coisa que insistimos em tratar como “civilização” – que seja mais sincero. Sim, mais sincero e diga claramente que o índio não interessa, não se encaixa no modo de vida a que todos, sem privilégios (ouçam o eco iluminista…), estamos condenados.

Aprendemos com Marx que o capital libertou o trabalhador da escravidão à força, típica de formações econômicas pré-capitalistas, para submetê-lo a uma forma diversa de escravidão: o trabalho assalariado, a compra e venda da força de trabalho. (Sim, ainda há trabalho escravo – e ele não é incompatível com o capitalismo. Apenas não pode ser a regra, porque a valorização do capital depende de sua circulação também na forma de salário, o que não impede que um ou outro capitalista faça uso da extração violenta da força de trabalho.)

O trabalho como mercadoria é – em regra, insisto – o único compatível com uma sociedade em que tudo é mercadoria, em que o acesso aos bens indispensáveis à existência passa inescapavelmente pelo mercado: pagou, tem; não pagou, não tem.

Ponto final. É óbvio, neste esquema rigoroso de trocas, que não se tolere qualquer exceção à lógica mercantil. Em outras palavras, o que o capitalismo não tolera é a manutenção, em seu mundo, do que não é mercadoria e, ainda por cima, impede o livre desenvolvimento de suas forças.

O que são, afinal, os índios para a ordem capitalista? Um ônus, um entrave, uma aberração, mas que, por não ser conveniente à “civilização” assim declará-los, recebem da nossa Constituição instrumentos para sua proteção que são constantemente “desmoralizados” (e é inevitável usar aqui esta palavra porque a proteção aos índios assume exatamente uma feição moral na ordem jurídica, ao mostrar como somos gratos e responsáveis com nossas, digamos, “origens”), como na decisão da Justiça Federal que exterminou, por enquanto, a paciência dos índios e sua esperança de viver no espaço que a “civilização” reservou àqueles que a antecederam. E sobreviveram à sua afirmação.

A carta à Justiça Federal não deixa dúvida: os Guarani-Kaiowá cansaram de reivindicar o direito de sobreviver como índios e não aceitam viver senão como índios. Não aceitam migrar para o regime do trabalho precário (prestado, no geral, a quem tomou suas terras) ou da mendicância às margens do exuberante mundo das mercadorias.

O “bilhete suicida” que essa comunidade manda para nós, não o tomem como chantagem, “drama” etc. É um “basta”, um “chega”, mas principalmente uma prova de que os índios, com sua habitual sabedoria, entenderam melhor do capitalismo e de sua “civilização” do que nós, que nele estamos afundados até o pescoço – e um pouco mais.

Não só sua própria existência, mas a forma como os índios insistem em mantê-la é uma grande afronta ao capital e sua lógica.

Vejam o que diz a carta: “Nós comunidades cultivamos o solo, produzimos a alimentação aqui mesmo, plantamos mandioca, milho, batata-doce, banana, mamão, feijão e criamos de animais domésticos, como galinhas e patos. Aqui agora não passamos fome mais. As nossas crianças e adolescentes são bem alimentadas e felizes, não estão pensando em prática de suicídio.Assim, há uma década, nesses 12 hectares estamos tentando sobreviver de formas saudáveis e felizes, resgatando o nosso modo de ser e viver Guarani-Kaiowá, toda a noite participando de nosso ritual religioso jeroky e guachire”.

Como assim alimentadas, saudáveis e felizes? Sem ter pago por isso? Este intercâmbio do homem com seus iguais e com a natureza orientado apenas e tão-somente por suas necessidades – do espírito e do estômago – é inadmissível para o capital. Mais ainda: é sobre sua negação que se constituiu a forma como vivemos nos últimos 3 ou 4 séculos.

Os índios, neste contexto, são não apenas supérfluos, mas uma espécie de mau exemplo a ser apagado do horizonte de formas de “ser e viver” à venda – sim, à venda – em nosso tempo. O que será de uma sociedade “sem alternativas” se tolerar uma forma de vida que se nega à troca, ao dinheiro, à concentração da riqueza, ao desperdício? Desta vez, a pedido dos próprios índios, a “civilização” terá oportunidade de declarar o que pensa a este respeito.

A propósito, a Constituição brasileira afirma que “São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens” (art. 231).

Se nossas autoridades, que têm sua função justificada por essa mesma Constituição, não se preocuparem em respeitar tais palavras, será muito difícil evitar que se confirmem a tragédia da carta dos índios e o pessimismo das linhas acima. Mas também será cada vez mais difícil – creio e espero – manter os grupos oprimidos e suas reivindicações dentro de comportados limites legais.

*Tarso de Melo (1976) é advogado, mestre e doutor em Direito pela FDUSP, professor da FACAMP e coordenador de pós-graduação da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo. É um dos coordenadores da coleção Direitos e Lutas Sociais (Dobra/Outras Expressões).





23 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Frei Betto: Trabalho escravo, até quando? « Viomundo – O que você não vê na mídia

31 de dezembro de 2012 às 18h17

[…] Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria […]

Responder

Leitor J: Dois alertas sobre o Rio de Janeiro « Viomundo – O que você não vê na mídia

04 de novembro de 2012 às 16h21

[…] Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria […]

Responder

Carta Maior e o filme B de Marcos Valério: Amanhã tem mais « Viomundo – O que você não vê na mídia

03 de novembro de 2012 às 11h33

[…] Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria […]

Responder

As mortes atribuídas a Bill Clinton « Viomundo – O que você não vê na mídia

03 de novembro de 2012 às 11h26

[…] Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria […]

Responder

Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria | CPEI | Scoop.it

02 de novembro de 2012 às 14h23

[…] "A recente divulgação da carta que uma comunidade indígena Guarani-Kaiowá de Dourados (MS) enviou à Justiça Federal pedindo que, uma vez que não lhes é permitido viver da forma que consideram digna, seja logo decretada a morte de toda a comunidade, por cruel que pareça, não deveria causar espanto. Condenados à morte, sejamos sinceros, os índios brasileiros já estão há mais de 500 anos, mas a execução da sentença é lenta, torturante e cínica."…  […]

Responder

Altamiro Borges: Mídia prepara bote contra Lula « Viomundo – O que você não vê na mídia

02 de novembro de 2012 às 13h09

[…] Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria […]

Responder

JC: Flertando com uma teoria da conspiração « Viomundo – O que você não vê na mídia

02 de novembro de 2012 às 13h08

[…] Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria […]

Responder

Álvaro Santos: O lixo não é o vilão das enchentes « Viomundo – O que você não vê na mídia

01 de novembro de 2012 às 21h45

[…] Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria […]

Responder

Jorge Souto Maior: Um legítimo gol de mão « Viomundo – O que você não vê na mídia

01 de novembro de 2012 às 14h57

[…] Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria […]

Responder

Rui Falcão, a Globo e o mensalão do PSDB « Viomundo – O que você não vê na mídia

01 de novembro de 2012 às 11h46

[…] Ser indio em tempos de mercadoria […]

Responder

A reportagem sobre a guerra contra os Guarani « Viomundo – O que você não vê na mídia

31 de outubro de 2012 às 17h48

[…] Ser indio em tempos de mercadoria […]

Responder

Antonio Carlos Fon: Ato ecumênico em memória dos mortos e desaparecidos « Viomundo – O que você não vê na mídia

31 de outubro de 2012 às 12h37

[…] Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria […]

Responder

Uélintom

31 de outubro de 2012 às 09h38

Sem dúvida, as engrenagens do sistema capitalista é uma máquina de moer gente, indígena ou não. Mas o problema, me parece, é ainda mais profundo e se relaciona com as escolhas do “mundo ocidental moderno (pós-Revolução Francesa)”. Os povos autóctones/tradicionais/indígenas que viviam na antiga União Soviética não tiveram sorte melhor do que os que vivem nas Américas. Também lá os indígenas estavam “fora do sistema”, e foram moídos. Do oriente ao ocidente, tudo se move sob a égide do industrialismo.
Enxergar a natureza como um bem (coletivo ou particular) faz com aqueles que com ela se relacionam de forma diferenciada sejam vistos também como coisa, como um bem a ser usado ou como um empecílho a ser removido. Bem intuiu o autor do texto sobre o “perigo vermelho” dos peles vermelhas, que exemplificam as diferentes formas possíveis de se relacionar com o mundo, entre as quais, a mais comum, é não enxergar o mundo (a natureza, os não humanos) como coisa, como bem, mas como uma alteridade que nos dá a medida de nossa identidade, o mundo como um lugar povoado de sujeitos, e não de objetos.

Compartilhar desse ponto de vista é que seria, para nós, uma revolução profunda. E só assim um “outro mundo”, tão sonhado pela esquerda democrática, poderá existir.

Responder

    Anna

    31 de outubro de 2012 às 16h43

    Ótimo texto e excelente comentário!!

Fabio Passos

30 de outubro de 2012 às 23h27

Analise excepcional.

Liberdade ao capital.
Ao ser humano o controle, a escravidão e a opressão.
Se não se adapta ao regime pode ser descartado e anulado.

Não há direitos para quem não serve ao regime.
Os índio podem perecer.
A vida deles não gera lucros para a burguesia.

Responder

Pública: Governador zombou de pedido dos Guarani « Viomundo – O que você não vê na mídia

30 de outubro de 2012 às 22h10

[…] Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria […]

Responder

MPF: Redes sociais ajudaram a alcançar resultado « Viomundo – O que você não vê na mídia

30 de outubro de 2012 às 22h01

[…] Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria […]

Responder

Liminar suspende expulsão dos Guarani Kaiowá em Mato Grosso do Sul « Viomundo – O que você não vê na mídia

30 de outubro de 2012 às 22h01

[…] Tarso de Melo: Ser índio em tempos de mercadoria […]

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding