VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

Safatle: Tíbio, cínico e mercado persa


10/04/2012 - 12h31

Honrar o país

por Vladimir Safatle, na Folha de S. Paulo, via Escrevinhador

Aqueles que hoje desafiam a mudez do esquecimento e dizem, em voz alta, onde moram os que entraram pelos escaninhos da ditadura brasileira para torturar, estuprar, assassinar, sequestrar e ocultar cadáveres honram o país.

Quando a ditadura extorquiu uma anistia votada em um Congresso submisso e prenhe de senadores biônicos, ela logo afirmou que se tratava do resultado de um “amplo debate nacional”. Tentava, com isto, esconder que o resultado da votação da Lei da Anistia fora só 206 votos favoráveis (todos da Arena) e 201 contrários (do MDB). Ou seja, os números demonstravam uma peculiar concepção de “debate” no qual o vencedor não negocia, mas simplesmente impõe.

Depois desse engodo, os torturadores acreditaram poder dormir em paz, sem o risco de acordar com os gritos indignados da execração pública e da vergonha. Eles criaram um “vocabulário da desmobilização”, que sempre era pronunciado quando exigências de justiça voltavam a se fazer ouvir.

“Revanchismo”, “luta contra a ameaça comunista”, “guerra contra terroristas” foram palavras repetidas por 30 anos na esperança de que a geração pós-ditadura matasse mais uma vez aqueles que morreram lutando contra o totalitarismo. Matasse com as mãos pesadas do esquecimento.

Mas eis que estes que nasceram depois do fim da ditadura agora vão às ruas para nomear os que tentaram esconder seus crimes na sombra tranquila do anonimato.

Ao recusar o pacto de silêncio e dizer onde moram e trabalham os antigos agentes da ditadura, eles deixam um recado claro. Trata-se de dizer que tais indivíduos podem até escapar do Poder Judiciário, o que não é muito difícil em um país que mostrou, na semana passada, como até quem abusa sexualmente de crianças de 12 anos não é punido. No entanto eles não escaparão do desprezo público.

Esses jovens que apontam o dedo para os agentes da ditadura, dizendo seus nomes nas ruas, honram o país por mostrar de onde vem a verdadeira justiça. Ela não vem de um Executivo tíbio, de um Judiciário cínico e de um Legislativo com cheiro de mercado persa. Ela vem dos que dizem que nada nos fará perdoar aqueles que nem sequer tiveram a dignidade de pedir perdão.

Se o futuro que nos vendem é este em que torturadores andam tranquilamente nas ruas e generais cospem impunemente na história ao chamar seus crimes de “revolução”, então tenhamos a coragem de dizer que esse futuro não é para nós.

Este país não é o nosso país, mas apenas uma monstruosidade que logo receberá o desprezo do resto do mundo. Neste momento, quem honra o verdadeiro Brasil é essa minoria que diz não ao esquecimento. Essa minoria numérica é nossa maioria moral.

Leia também:

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Rossi

13 de abril de 2012 às 06h05

Ué sô,o Safatle escreveu isso na Folha?
Bem,não querendo isentar os militares que foram os executores do serviço sujo,gostaria de lembrar aos jovens que tivemos civis que ajudaram a arquitetar o golpe e que hoje posam de democratas.Há uma névoa cinzenta ao seu redor que precisa ser também desfeita.Foram e são golpistas dissimulados e voltarão à carga se o ambiente lhes for favorável(vide Venezuela).

Responder

Julio Silveira

11 de abril de 2012 às 10h22

Tenho dito que sou sempre a favor de movimentos sociais justos. É o caso desse. Porém, há que se cuidar para o efeito manada, que costuma acometer boa parte da juventude, e com isso se perder a essência do protesto.
Tornar o protesto um ato contra militares. contra as FAs, sou contra, agredir com cusparadas mesmo os agressores do passado, como tomei conhecimento, é agir demonstrando a possibilidade de se tornar um autoritário igual no futuro, é um desrespeito a pessoa humana que os exemplares devem seguir para exercerem o direito de cobrar justiça com autoridade moral.
Desnecessário lembrar que nem todos os militares foram, nem são, alcoviteiros dos ditares e arbitrarios que roubaram o povo a essencia de suas cidadanias, o direito de escolher seus caminhos. A grande maioria são cidadãos de bem e do bom ideal.

Responder

Fabio_Passos

10 de abril de 2012 às 22h50

Muito bom o artigo.
A ação destes jovens é de lavar a alma e emocionar.
Mantém a esperança de que o Brasil pode mudar e avançar. Não estamos condenados ao conformismo e apatia diante da injustiça.

Responder

Aemiguel

10 de abril de 2012 às 15h10

Também nos orgulha analistas como o Vladimir. Magnífico texto.

Responder

Horridus Bendegó

10 de abril de 2012 às 14h48

A despeito do bravo e digno protesto dos jovens, que nos honra, dei descarga no Brasil e entupiu!

Responder

maísa paranhos

10 de abril de 2012 às 14h43

Excelente!!!
Sinto-me contemplada.

Responder

Paulo Roberto

10 de abril de 2012 às 14h36

Executivo tíbio, judiciário cínico, legislativo venal (mercado persa). Que maravilha de síntese!

Responder

    pperez

    10 de abril de 2012 às 20h17

    exatamente, e precisou os caras de bebe sairem dos seus cueiros para dar um baita exemplo de dignidade e cidadania para estes bunda molesl


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.