VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Jay Naidoo: África deve copiar as políticas sociais do Brasil


28/11/2011 - 22h54

África na encruzilhada: Vamos falar do Brasil

por Jay Naidoo, no Daily Maverick, site de notícias e opinião da África do Sul

Pouco mais de 20 anos atrás, o magnata da mineração e principal futurista sul-africano, Clem Sunter, apresentou seu famoso cenário de possibilidades para o futuro de um país ainda sob as botas do apartheid. Parece que nós, e na verdade a África, não aprendemos muito desde então.

Acabo de retornar do Brasil, onde fui recebido pelo Instituto Lula, e fiquei tocado pelas conversas que tive com pessoas comuns: motoristas de táxi, funcionários de hotéis, jovens nas ruas, militantes que trabalham em favelas, empresários e ministros de governo. Existe uma notável sensação de esperança, apesar dos desafios que eles enfrentam em um país de 190 milhões de pessoas, quase quatro vezes a população da África do Sul. No poder há menos de um ano, a presidenta Dilma Rousseff está jogando duro: demitiu seis ministros por corrupção, mau uso de dinheiro público e tráfico de influência.

No centro do sucesso brasileiro estão sem dúvida as políticas públicas e sociais perseguidas pelo carismático ex-presidente Lula e sua equipe. Construindo sobre a estabilização obtida pelos governos anteriores, ele enfrentou agressivamente os problemas dos pobres brasileiros, argumentando que o objetivo estratégico da política de governo deveria ser o direito de toda família brasileira de fazer pelo menos três refeições por dia.

Ao lançar a campanha do Fome Zero, focou os burocratas governamentais nas necessidades do povo. Sustentadas pelo programa de proteção social Bolsa Família, 13 milhões de famílias receberam ajuda, que foi para as mulheres em 93% dos domicílios. Os programas ajudaram a tirar perto de 30 milhões de pessoas da fome e da pobreza e tiveram um grande impacto no comparecimento das crianças à escola e nos programas de imunização. As merendas escolares ligadas à agricultura familiar fortaleceram o desenvolvimento econômico local.

Ao mesmo tempo implementando políticas econômicas fortes e pragmáticas, frequentemente criticadas pela esquerda, Lula pregou a visão de uma forte parceria entre os setores público e privado, que em seus oito anos de poder resultaram na criação de pelo menos dez milhões de empregos. O papel central do BNDES, o banco de desenvolvimento brasileiro, e de corporações paraestatais foi crítico para assumir riscos e desenvolver uma estratégia industrial e de infraestrutura que abriu novos setores da economia e atraiu capital privado.

A expansão da indústria do etanol levou o Brasil à autossuficiência em energia e abriu novas oportunidades para agricultores em terras impróprias para cultivar alimentos. Agências científicas como a Embrapa desenvolveram novas tecnologias e criaram novas e melhores variedades de sementes, que aumentaram a eficiência agrícola, deram ao Brasil segurança alimentar e tornaram o país o poder global da agricultura.

Em nome do Banco de Desenvolvimento do Sul da África, fui convidado a falar aos líderes dos setores público e privado do Brasil que estão investindo na África.

Argumentei que a filosofia de investimento dessas empresas deveria incluir as políticas sociais que fizeram do Brasil um sucesso. Nosso grande desafio na África é alimentar nosso povo e enfrentar a esmagadora pobreza e desigualdade. A África passou de exportadora de alimentos nos anos 60 a dependente de ajuda alimentar externa — como demonstrado pela recente crise no Chifre da África. Dos famintos do mundo, 250 milhões vivem na África e uma de cada três crianças tem o crescimento retardado ou é desnutrida. Com a população da África atingindo 2,5 bilhões até 2050, mais da metade viverá nas cidades e a vasta maioria terá menos de 25 anos de idade. O desemprego de jovens e o desespero da fome são bombas-relógio esperando para explodir.

Com 80% da terra utilizável não cultivada e quase dois terços dos países africanos importadores de alimentos, esta é uma imensa oportunidade para o tipo de parceria entre o Brasil e a África que traria benefícios mútuos, com a transferência de conhecimento, tecnologia e o aumento da capacidade de produção dos pequenos agricultores africanos. Uma parceria distinta das notórias “land grabs” [1], frequentemente negócios fechados com líderes corruptos, que servem apenas à segurança alimentar de estrangeiros e levam, no fim, a nações marcadas pelo ressentimento social e pela instabilidade.

Em segundo lugar, disse que a África está se mexendo em direção a maior transparência no enfrentamento da nossa “maldição dos recursos” [2]. Há um impulso por maior transparência nos negócios da mineração. O Natural Resource Charter definiu os princípios para exploração de riquezas que traga benefícios em impostos para promover a defesa do meio ambiente e o desenvolvimento social. Isso implica em benefícios que atinjam a maioria dos cidadãos e não apenas as elites políticas predadoras.

A Extractive Industries Transparency Initiative define as regras globais de transparência para a exploração de petróleo, gás e minérios e foi adotada pelo G20. A sociedade civil e uma parceria entre governos e empresas está construindo uma campanha global em defesa de informação pública sobre todos os contratos, para que as empresas publiquem quanto pagam aos governos e os governos digam quanto recebem das empresas. Como disse uma senhora do Quênia, “se estamos andando sobre ouro, por que somos tão pobres?”. Centenas de milhões de africanos querem a resposta. Estamos fartos da corrupção de poucos, que deixou a maioria vivendo em condições de guerra civil, conflito, fome e pobreza.

Em terceiro lugar, fiz um apelo pela transferência da tecnologia que tornou o Brasil autossuficiente em energia. Mais de dois bilhões de pessoas não têm acesso a eletricidade e a maioria delas vive na África. O Brasil não foi bem sucedido apenas em quebrar barreiras científicas para a produção de etanol, mas também melhorou sua capacidade em plataformas como a solar, de vento, biomassa, hidrelétrica, de purificação de água e de saneamento. A África seria capaz de aproveitar essas tecnologias — como fizemos com os telefones móveis [3] — e saltar direto para o século 21.

Eu acredito que nossas maiores fraquezas, em pleno boom global de commodities, foram a incerteza política, a corrupção e a falta de transparência, sem as quais poderíamos melhorar a posição de barganha africana, rendendo benefícios máximos ao povo da África, em vez de ajudar elites avaras que hoje governam muitos países. Construir uma sociedade civil robusta e dinâmica, que influencia com vozes progressistas os governos e negócios, globalmente, é uma prioridade de ontem. Na África, deveríamos começar por exigir nosso direito de ter governos responsáveis, que coloquem os interesses de nosso povo no centro do palco.

Mais que qualquer coisa, a África do Sul — de fato, toda a África — precisa de esperança. Esperança e crença de que amanhã será melhor que hoje. Se o povo da África continuar acordando em um mundo que é pior que ontem, a “Primavera Árabe” vai se tornar o “Verão Africano”, que vai varrer do poder os corruptos que mantiveram nosso continente acorrentado muito depois de nós termos vencido a luta pela liberdade. Não será um cenário bonito.

PS do Viomundo: É engraçada esta sensação descrita pelo autor. Depois de minha mais recente viagem ao México e aos Estados Unidos, voltei ao Brasil com a mesma sensação que ele teve, apesar dos imensos problemas que ainda enfrentamos por aqui.

Notas

[1] Land grab, literalmente, “agarrar terra”, ou apropriação de terras, é um processo em andamento em várias regiões da África, potencialmente explosivo especialmente em áreas com tradição de uso comunitário das terras. Na Etiópia, por exemplo, o próprio governo fez acordo com investidores da Península Arábica, para desenvolver a agricultura de exportação. Reportagem do diário britânico Guardian a respeito.

[2] “Resource curse”, ou maldição dos recursos, é usado para definir riquezas que, em vez de melhorar a vida das populações locais, acabam piorando, por gerar conflitos. Podemos dizer, por exemplo, que existe maldição de recursos no Congo, riquíssimo em um mineral muito usado para fazer componentes de aparelhos celulares, o coltan; ou no delta do rio Níger, na Nigéria, onde grupos locais combatem a produção de petróleo que só enriquece as elites que fazem parceria com estrangeiros.

[3] Em vários paises africanos, o desenvolvimento da telefonia celular matou no berço o desenvolvimento da telefonia fixa. No Quênia, as empresas de telefonia substituiram os bancos, com a transferência de dinheiro “eletrônico” feita por créditos em celulares. Em Nairobi, até passagem de matatu [a lotação local] dá para pagar usando mensagem de texto.

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - A mídia descontrolada e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


15 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Bonifa

30 de novembro de 2011 às 11h35

Se ele soubesse a luta feroz e cotidiana que se teve de travar para a implantação destes programas de promoção social… Eles se confrontavam por toda a parte com a generalização ideológica da doutrina neoliberal de um suposto anti-assistencialismo. Em reducionismo simplista, eram condenadas por incentivar a malandragem, entre outras acusações. Mas o que se falava que era incentivo à malandragem, era na verdade a apropriação de um mínimo de dignidade que feria antigos paradigmas de brutal escravidão extra-oficial, como a que conduzia à dependência do assistencialismo político de conta-gotas, que estava ligado ao adonamento do voto pelos coronéis da política, até nas maiores cidades. E as madames que reclamavam que não se encontrava mais cunhãs para trabalharem em casas de família, porque preferiam ficar em casa sem fazer nada, às custas do Bolsa Família. E a distribuição dos benefícios por cartão a ser descontado pelo beneficiário em agências, eliminando a sujeição aos políticos locais. E o dinheiro em mãos para se comprar o que se queria e necessitava, fazendo florescer o pequeno comércio e as fetras do interior. E quando as feiras floresciam, floresciam também a pequena agricultura, a pesca e a criação, o artesanato caseiro e de cooperativas, que levam às feiras abóboras, frutas, cereais, aves e ovos, pescado, roupas e enxovais. Foi uma revolução dia-a-dia, hora a hora. E os últimos grandes políticos que ainda investiam contra tais políticas, como Jarbas Vasconcelos, foram relegados ao passado sombrio.

Responder

francisco.latorre

30 de novembro de 2011 às 09h18

o brasil cresce. e aparece.

os brasileiros.. comemoram.

vibram festejam curtem.

os viralata. rasga-saco.. não gostam.

esperneiam choram negam.

..

Responder

ZePovinho

29 de novembro de 2011 às 14h25

Digite o texto aqui![youtube gVC_Y9drhGo http://www.youtube.com/watch?v=gVC_Y9drhGo youtube]

Responder

Scan

29 de novembro de 2011 às 12h05

"E você pensa que o Lula tem um assessor, um economista ao lado dele soprando essas coisas ? Ele chega pro cara de Moçambique e diz assim:
"Você pode plantar cana e não planta. E aí importa carro americano que consome gasolina que vocês não têm. Por que você não aprende a plantar cana e importa carro do Brasil movido a cana?""

Delfim Neto sobre Lula (cfe. Conversa Afiada)

Responder

    EUNAOSABIA

    29 de novembro de 2011 às 13h58

    Delfim Neto virou amigão do Lula e vocês babando aquele que até hoje está esperando o bolo crescer.

    Vocês não enganam é ninguém mesmo.

    Rapaz, o Brasil de Lula e sua panacéia de etanol está importando bilhões de litros de álcool dos EUA.

    Te informa amigo, Lula só propõe bobagens, nunca deram certo, o que prestou mesmo foi a macro economia de Fernando Henrique.

    Bonifa

    30 de novembro de 2011 às 12h14

    Evidente que "vocês não enganam ninguém", nem precisa você dizer. Ninguém aqui pretende enganar ninguém.

Lu_Witovisk

29 de novembro de 2011 às 11h20

Feliz pelo Brasil, feliz pela parceria com a Africa, feliz pela consciencia de ambos.

Triste pela cara de pau dos paises "desenvolvidos". No video abaixo, o senhorzinho nazi da BBC não fica nem ruborizado ao mostrar como a Africa foi repartida entre empresas estrangeiras do agronegocio. Não fica ruborizado com a falsa informação que faltara comida no planeta (MENTIRA, a produção daria para alimentar todos os humanos). E mais cara de pau ainda, sem o menor pudor em deixar claro que a solução para vida sustentavel é a "despopulação", que seria quase um premio para os famintos… afinal sofrem muito. "A Terra sustentaria 2,5 bilhões de pessoas no estilo ingles de vida e 1,5 no estilo americano".
http://youtu.be/AxHeFxmuSTY

Responder

francisco.latorre

29 de novembro de 2011 às 06h21

país do futuro. chegando.

e do passado. que tarda em partir.

..

Responder

EUNAOSABIA

29 de novembro de 2011 às 04h52

"""Construindo sobre a estabilização obtida pelos governos anteriores,""""

Sera que esse Clem Sunter sabe que Lula foi contra e tentou sabotar de todas as formas o Plano Real??? será que o Clem Sunter sabe que Lula dizia que o Plano Real só ia durar uma semana??? será que o Clem Sunter sabe que Lula queimou nota de Real na TV????

Procure de informar amigo, o senhor está muito enganado em suas idéias sobre essa gente.

O Fome Zero foi um fracasso, e esse programa social que está em vigor no Brasil também foi criado pelo governo anterior.

Responder

    Lu_Witovisk

    29 de novembro de 2011 às 11h10

    SE o que vc diz fosse verdade, o PSDB não estaria mal das pernas. FHC, CERRA e AECIO teriam um discurso pertinente e não simples vociferações desconexas. E o POVO estaria com eles. Triste ver pessoas como vc que não encaram nunca os fatos.

    Vc realmente não sabia e não sabe, rapaz!

    PAULOPRETO

    29 de novembro de 2011 às 11h26

    Ainda bem qe o Serra paga esse cara para nos defender……………………..

    JOÃOFAUSTINO

    29 de novembro de 2011 às 11h54

    É isso aí,Paulinho!!!!!

    Bonifa

    30 de novembro de 2011 às 12h40

    Fome Zero foi o ponto de partida para o Bolsa Família. O Bolsa Família foi criado no governo Lula. Quem primeiro fez programa semelhante ao Bolsa Família foi o governo do PT no Distrito Federal. FHC fez programas semelhantes (quase pontuais, como manda a doutrina liberal, não de todo universais) para atender ao desejo de seu aliado PFL, que queria programas assistenciais porque sua clientela eleitoral dependia disso. PFL trocou de sigla, para extirpar o "Liberal" de seu nome, porque no Brasil esta doutrina não é bem vista. Não é a toa que o neoliberalismo aqui se disfarça de social democracia, como no PSDB. Lula foi contra o plano, mas não quis sabotá-lo. O problema do plano não foi sua essência, mas sua forma de implantação, cheia de penduricalhos que renderam uma fortuna aos "amigos".

Edson

29 de novembro de 2011 às 01h56

Ibermática dispara la inversión en I+D y mira a Brasil
28.11.2011 – 05:43h | E. Arrieta. Madrid

La compañía de servicios tecnológicos, que tiene una oficina comercial en el país sudamericano, busca posibles adquisiciones.

Ibermática es una de las compañías de servicios tecnológicos más antiguas en España. Se fundó en San Sebastián en 1973 y, tres años después, emprendió su aventura internacional abriendo oficinas en Argentina y Chile. Esta superviviente del corralito, de la burbuja puntocom y de la competencia de las grandes multinacionales del sector busca ahora reforzar su presencia en el exterior, con especial interés en Brasil.

La oportunidad de negocio es millonaria. Brasil es un país en el que la penetración de la telefonía, del 85%, es equivalente al de muchos países europeos, mientras que la de agua potable es sólo del 84%. Se espera que su Producto Interior Bruto (PIB) alcance a la economía alemana en los próximos quince años.

http://bit.ly/sKLdlK via @expansioncom

Responder

Cezarley

28 de novembro de 2011 às 23h21

Engraçado como olhos externos vêem as coisas acontecendo no Brasil, sendo que muitos daqui fecham os olhos. O século 21 será do Brasil!!!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.