Fátima Oliveira: O valor terapêutico de cuidar do bonsai

Tempo de leitura: 3 min

por Fátima Oliveira, no Jornal OTEMPO

Médica – [email protected] @oliveirafatima_

Achava os bonsais belos e intrigantes, todavia, não sentia atração para cuidar de um, pois os via como uma escravização da natureza, pois a arte do bonsai é um aprisionamento do potencial de um “vir a ser”, já que, conceitualmente, é uma miniaturização artificial de uma árvore, um arbusto ou uma trepadeira lenhosa, conservando “a beleza e o volume da planta em seu porte original, inclusive com floração e frutos”. Em linhas gerais, um bonsai deve ter entre 30 e 60 cm de altura. Uma nova classificação de bonsais é a que se segue: mini, até 15 cm; pequenos, 15 a 30 cm; médios, 30 a 60 cm; e grandes, maiores que 60 cm.

Nunca aspirei a ser uma bonsaísta, porém, o meu jeito para lidar com plantas levava muita gente a indagar por que eu não cultivava bonsais. Dizer que eles não me seduziam era um posicionamento, digamos, filosófico, difícil de explicar. Desde que me entendo por gente, tenho plantas. Quando criança, fiz um jardim de latas, plantava até em latas de sardinha, no saguão da casa da vovó, onde havia um pé de uva num caramanchão; um pé de magnólia, de cujas flores o cheiro invadia a casa ao anoitecer; e, ao lado da cozinha, havia uma frondosa laranjeira. Dizem que, quando eu nasci, ele já estava ali.

Não vivo sem um jardinzinho todo meu. É um conforto mental regar minhas plantas. Relaxo, renovo… Ora, como não ter uma planta para cuidar? Eu não consigo. Tê-las é uma terapia, um relax… Na época do modismo das samambaias, cheguei a ter muito mais de 50 xaxins num caramanchão diante da minha casa, de fachada mediterrânea, na Quinta de Ouro, em Imperatriz (MA), sombreados pela trepadeira “lágrima-de-cristo”, plantada por mim. Era um oásis estender a rede debaixo delas e ficar lendo, lendo… até dormir. Pena que aproveitei pouco, pois era uma época em que eu trabalhava demais…

Não gosto de comprar plantas “prontas”, o meu prazer é fazer mudas e vê-las crescer, florescer… Não entendo alguém não ter um vasinho em casa! Casa sem plantas é a imagem do deserto. Acho que, de tanto furdunço de plantas em casa, fiquei atônita quando fui pela primeira vez às casas de minhas filhas: nenhum verdinho! Ah, reclamei, pois achei um absurdo! “Ah, mãe, aqui é tão minúsculo e a senhora ainda quer entupir de plantas? Ô mania de roça!”.

Não é propriamente mania de roça. Por outro lado, é mania sertaneja… E elas, as minhas filhas, não são sertanejas… Não sabem o quanto as sertanejas correm léguas atrás de qualquer latinha para plantar, ter um pé de “fulô”… “Mamãe, meus brinquedo/Meu pé de fulô?/Meu Deus, meu Deus/Meu pé de roseira/Coitado, ele seca/E minha boneca/Também lá ficou…” (“Patativa do Assaré”, na voz de Luiz Gonzaga).

Elas não sabem o quanto é doce relembrar as singelas e pueris alegrias de quando eram crianças e eu chegava em casa, quase sempre na hora do “Jornal Nacional”, tomava banho, vestia um short, pegava a mangueira: “Vamos molhar as plantinhas da mamãe?”. Era, literalmente, uma festa… Todo mundo queria segurar a mangueira ou o regador um pouquinho. Como as meninas não introjetaram tal prazer?

Mas, voltando aos bonsais, evoluí. Mudei de opinião. Recentemente, resolvi ter um bonsai para cuidar. Um não, dois: adquiri um asiático, serissa, e um nordestino: bougainvillea ou primavera. Estou convencida de que cuidar de um bonsai envolve ciência e arte e pode ajudar a exercitar a paciência. E, num mundo de pressa como o de hoje, a paciência é uma necessidade para o bem-estar e para a expectativa de vida florescer.

Leia também:

Luciana Burlamaqui: Sobre um documentário de interesse público

A carta de Silvio Tendler ao delegado que o intimou

Tucano de Alagoas entre governadores solidários a Lula

Grupo de Nicolelis publica 25 trabalhos em 18 meses: ‘Apagão científico’?

IPEA: A geografia da felicidade no Brasil

Líder do PT no Senado ataca convite a FHC feito por líder do PT na Câmara

André Singer: Programa da esquerda é a Constituição de 88

Tsipras a Lula: Renda média na Grécia caiu 40%

Randolfe: Cabral e Perillo se juntaram para derrotar CPI

Pedro Serrano: “Não houve o valor do juízo imparcial”

Em representação, Collor acusa Gurgel por vazamentos

O final patético da CPMI do Cachoeira

Stedile: Mídia e judiciário agora reprimem no campo

Escracho de torturadores dá prêmio ao Levante em Brasília

Leandro Fortes: Feras togadas e o show de egolatria

Carta do Recife a Barack Obama

Maringoni: “Não se mexe em time que está apanhando”

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Fátima Oliveira: O Taj Mahal reconhece de longe o perfume que uso « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Fátima Oliveira: O valor terapêutico de cuidar do bonsai […]

Larissa

Eu não me cansod e ler e reler. É uma crônica docemente linda.

José Eduardo

Tenho um mini bonsai que “salvei” da prateleira de um supermercado há quase 1 ano. Cuido dela com zelo suficiente para continuar viva embora ainda não tenha me apaixonado pela planta. Talvez seja só questão de tempo para isso ocorrer. De qualquer modo, recomendo a experiência!

Gerson Carneiro

Adorei esse texto. Inda mais citando trecho de “A Triste Partida”.
Não consigo ler esse poema sem não ficar emocionado.

“Setembro passou
Outubro e Novembro
Já tamo em Dezembro
Meu Deus, que é de nós!”

Juntamente com “Assum Preto” são os dois poemas, cantados por Luiz Gonzaga, mais belos e mais tristes que eu já vi.

“Tudo em vorta é só beleza
Sol de Abril e a mata em frô

Mas Assum Preto, cego dos óio
Num vendo a luz, ai, canta de dor (bis)

Tarvez por ignorança
Ou mardade das pió

Furaro os óio do Assum Preto
Pra ele assim, ai, cantá de mió”

Gerson Carneiro

* Não consigo ler esse poema sem NÃO ficar emocionado.

Vilmar dos Santos

Por Deus Fátima Oliveira, fiquei apaixonado pelo teu texto

Um leitor

Lindo.

Gerson Carneiro

“mania de roça” kkkkk… maravilha!

Eu prefiro ter cacto, dá menos trabalho.

Hans Bintje

Fátima Oliveira:

Você toda delicada, com os bonsais…

…e eu curtindo meu novo amor enorme, sem vergonha (no bom sentido), exagerado, que reina por aqui na região de Campinas (SP)

( crédito da foto: http://belezadacaatinga.blogspot.com.br/2010/12/flamboyant-delonix-regia.html )

Deixe seu comentário

Leia também