VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

O apoio de Lula e a crise do PSOL em Belém


25/10/2012 - 01h08

Apoiado pelo PT, PSOL de Belém enfrenta tucano e ala do próprio partido

Corrente interna vê com ‘profunda perplexidade’ apoio de Lula e Dilma e se retira da campanha de Edmilson Rodrigues no segundo turno

Por: Maurício Thuswohl, da Rede Brasil Atual

Publicado em 24/10/2012, 17:30
Última atualização em 25/10/2012, 00:22

Rio de Janeiro – Criado há oito anos com origem em uma dissidência do PT, o PSOL enfrenta hoje turbulências internas por causa do apoio que o candidato do partido à prefeitura de Belém, Edmilson Rodrigues, recebeu nos últimos dias das principais lideranças petistas no país: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidenta Dilma Rousseff. A aproximação provocou manifestação contrária de uma das correntes do partido – a CST, liderada pelo ex-deputado paraense, hoje radicado no Rio, João Batista de Araújo, o Babá – e também o rompimento do até então aliado PSTU. Babá foi candidato a vereador neste ano e não se elegeu.

O adversário de Edmilson no segundo turno é o tucano Zenaldo Coutinho, que, além da estrutura do forte PSDB paraense (liderado pelo governador Simão Jatene), tem ao seu lado o atual prefeito Duciomar Costa (PTB). Por esse motivo, Edmilson reforça a importância dos apoios para que o PSOL obtenha a vitória no segundo turno, já que as últimas pesquisas mostram uma desvantagem de dez pontos percentuais (55% a 45%).

“Conquistamos apoios importantes, especialmente do PT. Mas também vieram PPL, PDT e PTN, além de lideranças sociais e religiosas. Numa disputa de segundo turno, nossa tarefa é conseguir aliados programáticos e eventuais, neutralizar possíveis apoios ao adversário e desvelar apoios incômodos que ele tenta ocultar, caso do prefeito Duciomar. É isso o que temos feito todos os dias”, diz.

Sem criticar diretamente nenhuma corrente do partido, Edmilson lamenta a falta de compreensão em relação aos apoios recebidos em Belém e à importância que terá uma vitória na cidade para o PSOL em nível nacional: “Sou profundamente grato a todos os partidos e pessoas que se somaram à Frente Belém Nas Mãos do Povo neste segundo turno. Nenhum partido condicionou o apoio à presença no governo. E o PT fez questão de deixar isso claro”, diz.

O candidato do PSOL alega satisfação com a aliança firmada com o PT, mas diz não acreditar que a experiência paraense signifique um marco na aproximação entre os dois partidos: “Fico muito alegre de ver o trabalho conjunto da militância do PSOL com os petistas, mas isso não quer dizer que nossas diferenças tenham acabado. Não acho que essa aliança represente um novo embrião de alianças [em nível nacional], mas certamente é um aprendizado imenso de como somar forças contra inimigos comuns”.

Ex-militante do PT, partido pelo qual foi prefeito de Belém por oito anos, Edmilson saúda o apoio recebido da presidenta Dilma que, assim como Lula, gravou mensagens para a propaganda eleitoral do PSOL no rádio e na tevê:

“Como militante, manterei minhas críticas programáticas ao governo do PT. Mas como gestor manterei estreito contato com o governo federal. Minha responsabilidade será, ao mesmo tempo, governar de forma inovadora e participativa e solucionar os graves problemas sociais de minha querida cidade. O apoio do governo federal é decisivo, especialmente nas áreas de saúde e saneamento básico”, afirma.

A primeira vez

Edmilson está animado com as chances de ser o primeiro membro do partido a chegar à prefeitura de uma capital: “Será uma honra, mas principalmente uma enorme responsabilidade política. Sei que minha eleição depende do conceito que o povo tem do meu governo anterior, mas também represento o novo na política, a renovação das práticas políticas em nosso país”, diz.

O candidato do PSOL diz que “continuidade e mudança ao mesmo tempo” marcarão seu terceiro mandato como prefeito, se sair vitorioso das urnas no domingo (28): “Continuidade da tradição de participação popular e inversão de prioridades que tínhamos naquela época. E inovação porque representará novas formas de interagir com a população e um alento de esperança para todos que querem ver governos de esquerda honestos, participativos e que diminuam as desigualdades sociais”, diz.

Edmilson ressalta ainda o processo de amadurecimento pelo qual passaria o PSOL em caso de vitória em Belém: “Para o nosso partido, será um intenso e desafiante aprendizado. Ser governo, interagir com todas as forças sociais de uma cidade, entabular relação com o governo federal e, essencialmente, ter a possibilidade de mudar a vida dos excluídos”.

Fora da campanha

Em nota assinada por 16 dirigentes da corrente, incluindo quatro integrantes da Executiva Nacional do PSOL, a CST anuncia que “se retira da campanha e chama voto crítico em Edmilson”. O apoio de Lula parece ter sido particularmente mal digerido pelo grupo: “Com a definição de Lula de gravar programas de tevê para Edmilson todos os limites foram ultrapassados. Assim, levam nosso partido para a vala comum da base aliada do governo Dilma/Temer e da ordem estabelecida, cujo maior representante é Lula”, diz o documento.

A CST alega que o PT estaria usando o PSOL em Belém: “É com profunda perplexidade e indignação que assistimos a declaração de Lula, usando o tempo de tevê do PSOL para iludir os trabalhadores e o povo pobre ao mesmo tempo em que usa nosso partido para tentar respaldar pela esquerda o seu projeto político nacional. É a primeira vez que Lula apoia um candidato do PSOL. É a primeira vez que o governo federal, o governo Dilma, apoia nosso partido. Lula é a figura que simboliza a conversão do PT em um instrumento da ordem e da classe dominante. Traição que deu origem ao PSOL, pela sua capitulação ao FMI e à política econômica de [Henrique] Meirelles e [Antonio] Palocci”.

Leia também:

STF e as terras dos Guarani Kaiowá: a morte coletiva

Portaria 303 da AGU afronta os direitos dos povos indígenas

Marcelo Zelic: Até quando indígenas brasileiros serão assassinados impunemente por causa da terra?

Campanha pede demarcação das terras indígenas, urgência em julgamentos e repudia PEC 215

Mara Paraguassu: A mineração em terras indígenas

Comparato: Pretos, pobres, prostitutas e petistas

Dalmo Dallari critica vazamento de votos e diz que mídia cobre STF “como se fosse um comício”

Rubens Casara: “Risco da tentação populista é produzir decisões casuísticas”

Gurgel pede arquivamento de denúncia contra deputado que recebeu de Cachoeira

Luiz Flávio Gomes: “Um mesmo ministro do Supremo investigar e julgar é do tempo da Inquisição”

Paulo Moreira Leite: Denunciar golpe imaginário é recurso “quando se pretende promover ruptura”

Marcos Coimbra: STF invade atribuições dos demais Poderes





107 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

PUC com Haddad: Por uma SP onde os direitos sociais sejam objetivo concreto « Viomundo – O que você não vê na mídia

26 de outubro de 2012 às 23h34

[…] O apoio de Lula e a crise do PSOL em Belém […]

Responder

Flávio Prieto

26 de outubro de 2012 às 19h03

O PSOL prefere então se associar ao DEM em Macapá que ao PT em Belém? E no RJ tiveram apoio de vereadora do PSDB, além dos globais: bonito, né?
Edmilson se mostra bem mais inteligente que Babá e a ala xiita do PSOL, que elegem erroneamente o PT como seu inimigo maior … quando o PSOL, de fato, saiu do PT e o copia em praticamente tudo.

Responder

Narr

26 de outubro de 2012 às 14h19

Onde o PSOL não disputa o 2o turno, a direção do partido recomenda que o militante vote nulo e que o eleitor comum vote “conforme a consciência de cada um”, e escolha o candidato “menos ruim”. Ou seja, para o PSOL, há duas qualidades de voto: o eleitor de nível superior, psolista, “consciente” e “puro”, e o resto, que pode se comprometer com o “menos ruim”. O resto, o lixo, portanto é o eleitor comum, tratado como ser inferior, incapaz de votar ou de compreender o modo de votar do PSOLista. O eleitor comum não é a virgem imaculada da política “marxista autêntica”, o eleitor comum é a cavalgadura ideológica que não domina o infalível materialismo histórico-dialético, e que por isso pode mergulhar no esterco dos votos em candidatos que pecam. Em suma, o PSOL diz que o que é politicamente correto pro militante do PSOL não é para o povão! Ora, o PSOL quer votar nulo porque diz que tanto faz. Todos são iguais, menos ele. Como assim, tanto faz? Resolveu que é o asno de Buridan, aquele que morre de fome porque não consegue escolher o montinho de feno porque achar que não há diferença entre eles? Ora, como está na própria premissa, o PSOL não percebe que dizer que vota nulo porque não sabe distinguir está imitando o imóvel que é derrotado exatamente porque não é impotente, não consegue escolher e agir? O PSOL não indica o “menos pior” porque teme ser confundido com os outros. “Se eu permitir que apreciem pornografia estarei sendo pornográfico.” Confundido com os outros? Não basta esclarecer o eleitor? Não, não basta. Porque a premissa do PSOL é que o eleitor só será capaz de entender no dia em que for miltante do PSOL. Por enquanto, é ideologicamente fraco. Ou seja, a direita diz que o povo não sabe votar, certa esquerda diz a mesma coisa com outras palavras: falta de consciência, domínio da mídia, hegemonia burguesa. Sartre fazia pouco dos que desejam fazer política sob o ponto de vista de Deus. Enxergando como Deus, são omniscientes: sabem exatamente qual é o futuro luminoso, o que fazer para alcançá-lo e que pecados e pecadores a evitar para que a profecia se concretize. Doravante, não há história, há apocalipse. É meio Nietzsche de conversa de chapa pra eleição de DCE, mas tem seu grão de sal de verdade: como o ideal de pureza contamina (epa!) o político, fazem exatamente como a princesa que espera o príncipe encantando: ela nunca se casará porque o príncipe encantado não existe. Ou seja, em nome da pureza política, não se vive. Em nome da pureza, não se escolhe. É a má-fé no sentido sartriano: incapaz de assumir os riscos da liberdade, prefere não decidir, prefere culpar as circunstâncias e permanecer passivo. Nietzsche de botequim, mas pertinente, porque a oposição posta aqui é elementar, é a oposição entre do platonismo psolista e a vida. Em vez do mergulho viril na luta política, que exige até enfiar a mão na merda quando necessário, conforme a expressão sartriana, o psolista fica com a confortável poltrona platônica do “eu não me misturo com a sujeira política, sou puro, sou verdadeiro, sou marxista”. A ameaça maior dos que não vivem é que eles não deixam viver. Essa mania de fazer política querendo evitar piolho a todo custo acaba levando a usar o remédio exterminador de piolhos por excelência, a saber, o gás Ziklon-B. Ou o Gulag, conforme a roupa que se veste na ocasião.

Responder

    assalariado.

    26 de outubro de 2012 às 15h18

    Narr, seu comentário no sentido da luta de classes e, para pratica politica dia/ dia é bem dialético. Isso para quem pensa em disputar o poder do Estado com juiz deles, campo deles, regras deles, … Então todos os partidos que se dizem de esquerda tem que, como voce cita ‘por a mão na fossa’. Porém, em momento algum, não podemos esquecer que, por este pragmatismo, ai proposto pelos da social democracia, foi um dos motivos que acabou por levar os capa preta do PT a meter as mãos nessa fossa toda que, acabou levando um carimbo chamado ‘mensalão’.

    Agora, fica muito dificil defender um partido que se diz esquerda começar a dizer para seus eleitores (é meu caso), que essa discussão politica pelo poder do Estado pelos trabalhadores de fato e de direito, sobre a burguesia capitalista, se resuma num maniqueismo. Isto é, a luta politica pelo poder do Estado e a hegemonia necessária esta divida entre os bons, e os maus politicos. Marx chamou a isso metodo metafisico de luta, quando olhamos a disputa politica de forma parada/ estanque.

    Abraços.

    Victor

    26 de outubro de 2012 às 16h05

    assalariado.

    Difícil é você criticar um partido usando a mesma arma absurda da direita/mídia: o “mensalão”. Ah, faça-me o favor.

    Narr,

    Perfeito o comentário! Isso, sim, tem de ser dito. Apesar de ter votado para prefeito e vereador em candidatos do PSOL aqui no Rio, muito me enoja essa posição de “vanguarda” iluminada PSOLista, que era o que mais me emputecia no PT há 10 anos. Engraçado que a corrente que eu mais tive problemas no PT foi justamente a DS… centralizadora e autoritária, como bem gosta sua mártir Heloísa Helena. Era exatamente o que eu acho hoje em dia de muitos quadros do PSOL, incluindo o seu ex-candidato a presidência, Plínio: uma direita dentro da esquerda, quase uma UDN.

    O PT foi formado de bases sociais claras! Eu critico MUITO o PT hoje em dia por diversas razões… e muitas delas me fazem concordar com o que diz o PSOL. Agora… o PSOL foi formado de uma classe intelectual sem comparação com o lastro popular que teve (e tem!) o PT. Com esse discurso udenista de Plínio, Babá, Luciana Genro e Heloísa Helena vocês não vão a nenhum lugar a não ser nas festinhas de apartamento chique, se divertindo chamando petista de pelego e vendido.

    assalariado.

    26 de outubro de 2012 às 17h41

    Victor, assim como voce, eu também coloquei aspas no mensalão. O que a midia burguesa chama de ‘mensalão’, tenho eu, como caixa 2. Aliás, aquela tal juiza Carmem não seidoque, achou um absurdo um advogado de defesa chamar esta situação de caixa dois. Ora, quanta hipocrisia ao mesmo tempo na casa grande juridica, a serviço do capital. Será que eles acham todos nós um monte de imbecis? Como que, nunca tivesse existido isso (caixa dois), no mundo eleitoreiro das elites dominado pelos mesmos de sempre, os do andar de cima.

    Portanto, dentro dessa lógica burguesa ‘democratica’ de disputa pelo poder, a social democracia abraçou (o caixa dois), de otária que é. Tudo isso nunca passou de uma armadilha dos donos do capital. Sim, a sede de poder traiu e foi traida. Não tiveram a paciencia histórica, agora vivem sentados no coloco do capital lá em Brasilia. Vamos que vamos, construir a hegemonia necessária.

    Abraços Fraternos.

    Jair de Souza

    26 de outubro de 2012 às 21h21

    Colega, humildemente, recomendaria que você passe a se identificar com seu próprio nome. Isto de se apresentar como “assalariado” é muito similar às atitudes dos “puristas”: eu tenho a verdade porque eu falo como um trabalhador, como um operário, eu sou “assalariado”. E a gente nem sabe se é assim mesmo, mas também não faria diferença. Os gerentes de multinacionais, os chefes de redação da mídia corporativa, os gerentes de banco também são assalariados. A menos que você avance ainda mais e diga “eu sou operário”. Defenda suas propostas com seu nome (ou mesmo um fictício, se você acha que é necessário) e aí a gente pode concordar em algumas coisas ou discordar em outras, mas fica mais fácil de dialogar no objetivo de ajudar na luta pela melhoria de vida de nosso povo. Assim, fica parecendo a atitude de um comentarista reacionário que costumava opinar por aqui e gostava de se apresentar como Dr., acreditando que com isso suas palavras ganhariam mais credibilidade. Eu creio que entre nós o que deve realmente contar são as ideias e opiniões expressadas.

    assalariado.

    27 de outubro de 2012 às 10h29

    Caríssimo Jair de Souza, primeiro devo lhe dizer que admiro muito seus comentários e nunca os considerei reacionários, coisa tipica dos discurso de classe média, em muitos blogs ditos progressistas.

    Não tenho necessidades que os internautas acreditem em meus comentários, muito menos que enxerguem em minha pessoa um simples operário/ coitado. Desta forma que colocas suas afirmações, me lembrou à época da ditadura militar quando o capital e seus braços armados se sentiam contrariados ou, não tinham resposta para certos questionamentos do povo e perguntavam ” voce sabe com quem esta falando?”

    Voce cita como assalariados gerentes, chefes, … Só que tem um detalhe, para se chegar a este posto eles tem que ter clareza, que terão que ler e rezar na cartilha do capital, para assumir um cargo de confiança e de soldado da burguesia patronal travestido de assalariado, um judas, em outra linguagem. Sabe por que? Porque quando do inicio do capitalismo a relação CAPITAL X TRABALHO era direta, não tinha intermediarios e, com isso os operarios logo descobriam quem são seus verdadeiros algozes e, como os donos do capital são arrogantes e ditadores em nome de seus lucros. Para melhorar a vida de nosso povo não preciso de vanglórias, muito menos diploma de doutor para ter credibilidades. Termino dizendo com suas proprias palavras, quando dizes: “Eu creio que entre nós o que deve realmente contar são as ideias e opiniões expressadas.”

    Saudações Comunistas.

    Jair de Souza

    27 de outubro de 2012 às 12h04

    Ok, obrigado pela resposta. De todas maneiras, é uma opinião quanto a sua forma de se apresentar. Não entrei no mérito de seus comentários. É que eu penso que não é legal a troca de ideias com um ser apócrifo. Não há essa necessidade. Você, que defende o campo progressista, daria muito mais confiança a todos os que também compartilhamos o mesmo campo se se apresentasse como uma pessoa comum, com nome normal. Acho que você deve ter entendido que eu não disse que você era um reacionário. Fiz uma analogia com o termo reacionário para recordar que havia um burguesão que costumava comentar por aqui e, na tentativa de fazer valer suas visões, gostava de citar Dr. antes de seu nome. Ou seja, ele era o verdadeiro “sábio” da conversa, precisava ser levado em conta como tal. Como não obteve muito sucesso, arrumou uma desculpa e foi pescar noutra parada. Ao apresentar-se como “assalariado”, a impressão que fica (pelo menos para mim) é a de alguém que se mostra como o “verdadeiro” representante do povo trabalhador, cujas palavras, portanto, merecem maior peso. Não creio que seja esta sua intenção, mas é este o sentimento que me passa, por isso fiz uma recomendação. Espero contar com você sempre no campo popular, mesmo que, vez por outra, tenhamos algumas diferenças de enfoque. Nunca seria possível (e nem desejável) que houvesse conformidade de 100% em todos os defensores das causas populares. Obrigado novamente.

    assalariado.

    27 de outubro de 2012 às 13h47

    Caro Jair de Souza, obrigado pelo bom combate, só assim cresceremos politicamente juntos e, o principal, pela esquerda. Porque as idéias socialistas por sua propria natureza, terá que ser plural e pela base. Fora isto é social democracia, mesmo que atuando dentro do campo institucional burgues, haveremos de saber avançar no sentido popular. claro!

    Quanto ao meu codinome, não se preocupe, fiz isso justamente por achar que este é um espaço do ‘pensamento’ da classe média progressita e, como o próprio Marx escreveu ‘não haverá transformação social e o fim da exploração do homem pelo homem se não houver a participação do proletariado, na tomada do poder. Sim, com certeza este codinome tem o sentido politico para fazer o contrapé nas discussões.

    Abraços Fraternos.

valdinei vieira

26 de outubro de 2012 às 12h10

A diarréia intelectual precisa da boca desses malucos, mas nem tudo está perdido: é só escovarem os dentes com Hipoglós.

Responder

Narr

26 de outubro de 2012 às 11h58

Uma parte do incômodo que o PSOL provoca nos petistas maduros é que atitudes psolistas lembram as petistas de 20 anos atrás. Então, é como se lembrar da adolescência, quando você caía de paixão por uma pessoa e a única coisa que conseguia fazer era dizer tolices ridículas, ou acordar com ressaca moral, a lembrar as besteiras cometidas e que durante a euforia alcoólica pareciam a coisa mais espirituosa e ousada do mundo…

Responder

    Alexandre Carlos Aguiar

    26 de outubro de 2012 às 12h44

    Na verdade, Narr, as atitudes de 20 anos atrás do PT eram dessa gente que ainda fazia parte do partido. Eles é que definiam os caminhos nos simpósios e congressos.

    assalariado.

    26 de outubro de 2012 às 14h03

    Alexandre Carlos, por este seu comentário logo entendi que voce é um preconceituoso e é manipulado pelos midiotizados pela imprensa burguesa que, a 20 anos atrás chamavam o PT de radical. Pelo jeito, voce nunca entrou numa discussão politica interna deste Partido (que era) dos Trabalhadores. Só vou fazer uma perguntinha: Quando foi que na história do PT, esta corrente majoritária que dirige o PT atualmente, foi minoria?

    Ou será que esta face atual do partido, hoje, é a sua verdadeira face que se escondia por detrás de outras correntes de esquerada?

    Veja bem, não estou falando sobre o governo da Dona Dilma.

    E agora?

    Abraços.

Sérgio

26 de outubro de 2012 às 01h15

Que moral tem o PSOL depois do Plínio apoiar Serra (PSDB) em São Paulo?

E o Babá entende tanto de política e de povo que não conseguiu, sequer, ser reeleito vereador.

Responder

dukrai

26 de outubro de 2012 às 00h29

Babá, candidato derrotado a vereador no Rio de Janeiro, consegue criar uma crise na campanha do candidato a prefeito de Belém. Será que não tem ninguém pra internar esse eleitorpata até 2018?

Responder

Maria Izabel L Silva

25 de outubro de 2012 às 22h56

O maior representante da ordem estabelecida é Lula???? Surtaram. Essa gente vive em um universo paralelo.É inacreditável. Isso não é um partido politico. É um gremio estudantil

Responder

Narr

25 de outubro de 2012 às 22h22

Todos no Pará amam Babá do PSOL. Tanto, que ao saber que ele só queria saber de cervejinha nos bares da Universidade Federal Fluminense, em Niteroi RJ, suplicaram para que ele voltasse para Belém. Para tal fim, entoaram o canto cheio de ternura e saudade paraense: “Babá cá! Babá cá! Baba cá!”

Responder

Eduardo Souto Jorge

25 de outubro de 2012 às 21h58

Eu continuo dizendo: O PSOL pensa que o Brasil e’ Maromba em Maua. Esses lunaticos que ainda nao resolveram seus complexos infantis, ficam brincando de fazer politica. E’ muito triste.

Responder

mateus

25 de outubro de 2012 às 21h27

Esse pessoal do PSOL mostra cada vez mais que não está preocupado com o povo, com o coletivo, com o bem estar de todos. Eles estão mais preocupados é em satisfazer seus egos.

Responder

Francisco

25 de outubro de 2012 às 21h20

Lula tem uma clareza revolucionária impressionante…

É até onde sei o ÚNICO líder de esquerda na história (do Brasil e do mundo) preocupado em produzir continuadores (Dilma, Haddad, etc.). É o anti-Stálin, não porque faça discursos anti-stalinistas, é o anti-Stálin na medida em que… quer mais e mais lideranças surgindo!

Chavez mesmo reeleito não tem nenhuma garantia que daqui há dez anos tenha alguém para brigar pelo seu legado. Lula tem.

A frase dele (ou “apropriada” por ele de alguém, tanto faz…) é programática:

“De poste em poste o Brasil se ilumina…”.

O PSOL/PSTU tem de contrastá-la e análisa-la junto com a frase de Guevara:

“Um, dois, três, muitos Vietnãs!”

Responder

    Vlad

    26 de outubro de 2012 às 00h53

    Como é que ele vai ser “líder de esquerda” se ele mesmo disse “Nunca fui de esquerda”?
    Sei…vai relativizar, tangenciar, por panos quentes, bem petecano.

Marcelo

25 de outubro de 2012 às 18h43

Fico imaginando esse PSOL na presidência. Não ia durar 6 meses. Eles acham que é mole administrar um país com esse judiciário, esse legislativo, essa mídia, sem se lambuzar?
Acham mesmo que essa mídia venal e corrupta deixaria eles governarem tomando medidas que desagradassem à elite?
Esse pessoal está precisando de um choque de realidade ou são mesmo é hipócritas.

Responder

    ricardo silveira

    25 de outubro de 2012 às 20h17

    Permita-me discordar, em parte. Seis meses é muito, um governo do PSOL, com esse sectarismo, acaba em um mês, para o bem do país.

    Francisco

    25 de outubro de 2012 às 21h08

    Permita-me discordar mais ainda! Delirando desse jeito, ao afirmar que Lula serve ao FMI (?!?) e à burguesia, esse pessoal não termina a primeira quinzena de mandato, caso eleitos à presidencia.

Roberval

25 de outubro de 2012 às 18h26

É isso aí CST-PSOL apóie o PSDB em Belém e São Paulo. Alie-se ao DEM em Macapá.

Avante PSOL!!! Uní-vos à direita histórica brasileira!!!

Temos que ter paciência com o PSOL, pois trata-se de uma criança de apenas 8 anos e essas birras infantis são naturais nessa fase da vida.

Se um dia ele crescer e amadurecer coerentemente teremos no futuro um verdadeiro partido socialista. Oxalá!

Responder

Arthur Schieck

25 de outubro de 2012 às 18h24

Das duas uma: ou é muita falta de inteligência (não aceitar apoio petista contra um tucano) ou é muito medo de dar a cara a tapa. Assumir uma capital é sair da zona de conforto, é ter que provar que suas ideias são viáveis.

Responder

Ricardo Pereira

25 de outubro de 2012 às 18h21

Assim como o PT de antes, o PSOL de hoje tem até “corrente” interna. Conheci esse “BABÁ” em 1999 quando, ainda na condição de estudante de direito, participei de encontro nacional em Belém, e lá estava ele, ao lado de Lula. Quer dizer então, que o Lula se tornou um “sujo”, um “impuro”, enquanto Babá (que não se elegeu vereador) permanece um “santo” da política? Ora seu Babá, não se compare ao único presidente na história desse país que rompeu o ciclo de poder unicamente na mão da Elite branca e de olhos azuis. Esse pensamento de esquerda sectária e puritana é o mesma que quase elegeu o Sarkozy na França, a mesma que vota no Serra em São Paulo. Puros, até chegarem ao poder!

Responder

    ROSALVO ALMEIDA FILHO

    25 de outubro de 2012 às 22h06

    ESTA MAIS QUE CLARO. PARTIDOS COMO PSOL E PSTU DEVERIAM DISPUTAR COM PSDB QUE É O HERDEIRO DA UDN.

José Ricardo Romero

25 de outubro de 2012 às 16h49

O PSOL (e o PSTU também) ofendem a nossa inteligência e discernimento quando tomam atitudes e fazem declarações esdrúxulas, como a deste Sr. ultrapassado Plínio de Arruda Sampaio, acreditando com isso nos chocar, balançar as nossas certezas, minar a nossa confiança para mudarmos as nossas opiniões e pontos de vista. Isso é psicologismo barato e fútil. Eles acreditam não apenas serem os donos da verdade como capazes de nos doutrinar. A Razão, ora a Razão…

Responder

Rodrigues

25 de outubro de 2012 às 16h46

Que coerência? Aquela do PCdoB, que só se alia e faz coligações com quem está no poder? Afinal, o PCdoB já foi até ”fiscal do Sarney”! Não se faça de desentendido e não invente contradições onde não há!

Responder

    Marcos

    25 de outubro de 2012 às 22h38

    Durante quanto tempo o PCdoB foi o aliado principal do PT à esquerda levando chumbo junto com o PT? E acaso ter lutado pelo controle da inflação na boca do caixa, inflação que ao fim e ao cabo representa um mecanismo da exploração do trabalhador é algo indigno? Pode ter sido ingenuidade, não se dando conta que a cartelização acabaria com tudo. Mas indignidade nesta luta não havia. Engraçado e seu fácil pendor para perseguir um partido quase literalmente destruído pelos militares, meu caro Rodrigues.

Alexandre Carlos Aguiar

25 de outubro de 2012 às 16h41

O esquerdismo, sempre ele.

Responder

Eduardo Raio X

25 de outubro de 2012 às 16h33

Com a palavra final o senhor Plínio de Arruda Sampaio que afirmou não ser aliado em nenhuma hipótese do PT, ao qual no passado foi um de seus fundadores. Porém diz ser amigo do peito de José Cerra???? Essa coisa acontece somente no tal PSOL!

Responder

Alexandre Fontenele

25 de outubro de 2012 às 16h27

Quanta infantilidade, o povo de Belém merece um governo voltado para o povo. Jogar fora uma eleição por plena hipocrisia é o cúmulo. Heloísa Helena quando saiu do PSOL, partido que ela criou disse “Em todo partido tem malandro”. Babá(ca)e seus asseclas tem uma visão utópica sobre política, acham que na sua corrente só tem padres e seminaristas, botam a mão no fogo por eles. Vão morrer queimados, ou só estão querendo aparecer para mídia ser capa do (Globo, Veja, etc) por ser anti-PT. (mais provável)

Responder

    maria olimpia

    25 de outubro de 2012 às 19h21

    Concordo plenamente. São idiotas exclusivistas. Se esquecem do próprio povo nessa hora, talvez por isso, nem se eleger conseguem. Ah, a maioria dos ex-petistas tomam cada rumo….

    maria olimpia

    25 de outubro de 2012 às 19h22

    E.T……… toma cada rumo….

    Jair de Souza

    25 de outubro de 2012 às 21h15

    Estimada Maria Olimpia, só um comentário sobre amenidades. “A maioria dos ex-petistas tomam…” também está em conformidade com as normas do chamado “padrão culto da língua”. A concordância pode ser feita tanto com a forma (no caso seria “a maioria toma”) quanto com o significado expressado (no caso, ex-petistas, no plural, “os ex-petistas tomam”). O que se chama de silepse de número. De todas maneiras, aqui, o que conta mesmo é o conteúdo dos comentários. No caso do seu, tem minha aprovação.

abolicionista

25 de outubro de 2012 às 16h23

Acho que Lula fez bem em apoiar. O PSOL, apesar de por vezes adotar táticas da direita (como o oportunismo moralista), possui um ou outro candidato interessante.

Responder

trombeta

25 de outubro de 2012 às 15h32

Lula é um grande cara, mesmo sendo ofendido diariamente por membros da UDN de esquerda ainda assim apóia o candidato deles e grava mensagem porque o único inimigo do povo é a direita.

Responder

    Mário SF Alves

    25 de outubro de 2012 às 16h45

    Concordo.

    Fabio SP

    25 de outubro de 2012 às 17h22

    Isso só vem corroborar a hipótese que o Lula está cag… e andando para quem vai ser eleito, contanto que ele acabe com o PSDB. O problema do Lula é o FHC… a quem ele ama e odeia ao mesmo tempo…rs

Felipe

25 de outubro de 2012 às 15h24

Acho que eles tem medo de assumir o poder e serem tachados de reformistas.

Para mim não é o caso de hipocrisia nem extremismo, mas de esquizofrenia. Eles se propõem a concorrer em eleições mas quando chegam perto de ganhá-las se auto-boicotam…

Responder

Ademir

25 de outubro de 2012 às 15h22

Boas

Pior que este infatilismo esquedista é ainda acima de tudopequeno burguês. No tempo que era militante do PT convivi com esta turma, a maioria e era classe média, média, que não precisava levantar cedo e pegar no batente as 6:00 da manhã. Quando entrei na USP dei de cara com todo a galera que lá estudava e tomava conta de boa parte dos centros acadêmicos, quando havia alguma manisfestação vinham falar em nome dos trabalhadores e tal, uma vez perguntei para eles vocês alguma vez já trabalharam na vida para saber se o que vocês defendem e o que os trabalhadores querem e precisam? Quase fui linchado. Nunca furei greve em trinta e cinco anos de carteira assinada, mas furava as greves do bandeijão da USP. A comida não era muito boa, mas era mais barata que uma passagem de onibus e eu precisa me alimentar, afinal de contas tinha que bater cartão no dia seguinte logo cedo, muitas vezes sem tomar o café depois de passar horas sentado no banco da faculdade e estudando no alojamento, por isso sempre respondi aos que me criticavam por ser de esquerda, sou sim mas não sou esquerdista e muitomenos pequeno burguês, sempre peguei no batente meu primeiro registro foi aos 14 anos e tenho orgulho disto. Pega essa galera e põe no chão de fabrica e para viver dos salário, mudam de ideia rapidnho. Quanto mais envelheço mais concordo com Joãozinho trinta: “Quem gosta de mniseria é intelectual “pequeno burguês e esquerdista” o pobre gosta de luxo”

Até domingo com Haddad na Prefeitura de Sampã.

Responder

Marina apoia Elmano em Fortaleza « Viomundo – O que você não vê na mídia

25 de outubro de 2012 às 15h05

[…] O apoio de Lula e a crise do PSOL em Belém […]

Responder

Ximene

25 de outubro de 2012 às 13h49

Será que esse pessoal do PSOl leu ( e entendeu) o texto do Lênin, de 1920, intitulado a” A doença Infantil do Esquerdismo ?”….. Ele e outros “expoentes” do PSOL e do PSTU deviam repensar suas atitudes, e ver que o problema é bem velho , eles não conseguem nem ser originais na sua obtusidade.Enquanto isto a direita se escangalha de rir , e afaga os pés destes tolos por debaixo da mesa. Tem Babá, tem Hélio Bicudo, tem Plinio de Arruda… uma festa !

Responder

    Glauco Lima

    25 de outubro de 2012 às 15h32

    Pelo que entendi do seu texto, você quer dizer que o PT é de esquerda?
    Seria cômico se não fosse tão trágico!

    Luiz Stinghen

    25 de outubro de 2012 às 17h22

    Isto mesmo Glauco,você é inteligente… e na prática o PSOL faz o discurso da direita quando não aceita aliança por purismo obtuso. Isto é Hipocrisia.

    Antonio de Freitas

    25 de outubro de 2012 às 18h43

    Ser de esquerda é governar para o povo, principalmente para a parcela mais necessitada. Isto o PT fez e ainda faz.

Hélio Pereira

25 de outubro de 2012 às 13h41

O PSOL é a esquerda que toda Direita sempre pediu a Deus!

Responder

Ebenezer Andrade

25 de outubro de 2012 às 13h19

O PSOL não o partido como um todo, mas alguns integrantes se submetem ao teoricismo fora da realidade concreta.Alguns, são militantes que nunca conviveram com á miséria e com a dificuldade na pele. Assim é muito fácil defender teorias sectárias, pois não leva em consideração que á vitória na eleição não significa dizer defender a bandeira dos que agora vêm apoiar o seu candidato. São alianças de momento e outras mais programáticas e que visa derrotar o inimigo comum e realizar uma gestão democrática, participativa e inclusiva. Não vejo problema em tal aliança ou apoio.

Responder

    Mário SF Alves

    25 de outubro de 2012 às 15h59

    Será que ainda querem passar a impressão de pureza ideológica? Talvez pra aquela fração mais idealista da militância, talvez. Mas, se querem mesmo pureza ideológica, pra valer, o melhor é seguir o Bakunin. Nestes termos, o anarquismo é muito mais promissor, sem dúvida.
    Ou será que inventaram um Brasil que só cabe na cabeça deles?

assalariado.

25 de outubro de 2012 às 12h52

Pois é, depois destas eleições e, diante de certas atitudes dos capas preta do Psol fico a pensar. Será que o Psol já nasceu morto enquanto projeto politico socialista? Digo isso porque na cidade que resido este partido se encolhe a cada eleição. Pelo jeito esta faltando povo nesse partido, e falo porque voto nele e sou assalariado. Inclusive, fui convidado por alguns companheiros para fazer campanha e, como sempre questionei: Por que voces aparecem na periferia só em tempo de eleiçoes? Mãos a obra!

Saudações.

Responder

    Mário SF Alves

    25 de outubro de 2012 às 16h43

    Tudo nessa vida é experiência, mas, francamente, acho que você não devia continuar passando por isso mais não.
    Saudações sonhadoramente democráticas.

Gerson

25 de outubro de 2012 às 12h28

A esquerda só se une na cadeia. Por isso, a direita sempre ganha. O ego e a vaidade da esquerda, sobretudo da extrema, é muito grande e não sobra espaço para mais nada e ninguém. É a teoria da ferradura dao Golbery os extremos se aproximam da esquerda e da direita. Isso explica o desatino de um Plínio de Arruda Sampaio e de outros. A direita, desculpem, é que é profissional e a esquerda é masoquista. Séculos de tecnologia e experiência acumulados. A propósito, acho que deveriam aumentar a quota de propaganda oficial do Jornal Nauseonal.

Responder

Marcelo

25 de outubro de 2012 às 12h18

DEM pode, PT não. E eu que já fui radical, hoje vejo que radicalismo e hipocrisia andam lado a lado.

Responder

    Amira

    25 de outubro de 2012 às 13h30

    Clap, clap!

    Marcos

    25 de outubro de 2012 às 16h00

    Radicalismo é cada um puxar só para o seu lado, e a soma dos esforços ser igual a zero.

Hélio Pereira

25 de outubro de 2012 às 12h17

O PSOL é um Partido muito estranho.
Heloiza Helena a “ética” saiu do PT porque foi flagrada por ACM e Arruda votando contra a cassação de Luiz Estevão.
Em 2010 o PSOL lançou Plinio a Pres e Heloiza Helena traiu Plinio e apoiou Marina Silva.
Plinio declarou apoio ao STF e considerou José Dirceu um criminoso se unindo a grande midia Golpista e ainda por cima elogiou Serra lhe declarando apoio.
O PSOL faz o Jogo do DEM/PSDB e se depender dele o PSDB volta ao poder.

Responder

Ricardo

25 de outubro de 2012 às 11h56

Quentinha…saindo do forno…pesquisa não divulgada até o presente momento pelo grupo liberal (rede globo do Pará) = Edmílson 52 x 48 Zenaldo. É a onda vermelha tomando conta, mesmo com todos esses que se atravancam pelo caminho. E a coligação, em tese, é majoritariamente de esquerda. PSOL, PDT, PT, PC do B, PSTU. Alto poder da militância.

Responder

    maria olimpia

    25 de outubro de 2012 às 19h31

    GRANDE LULA 111

wanderley ortega

25 de outubro de 2012 às 11h54

O partido de cabeças duras, falta um Lula neste partido para começarem a eleger alguém. Não aprenderam nada com o Lula, acho que eram esses cabeças duras que não deixam o PT crescer, ainda bem que vazaram, se dependesse desde povo até hoje seriamos oposição.

Responder

Jose Mario HRP

25 de outubro de 2012 às 11h48

Concordo com todo mundo que critica no PSOL aquele purismo do começo do pT, lá por 80 e até 2002.
Mas é farta a história de exemplos de como a esquerda dá tiros em seus próprios pés nos momentos de se unir e não transigir com as forças que oprimem o povo.
Mas não vai faltar apoio de LULA a ninguém que se disponha a estar ao lado dos trabalhadores, povo e pobres.
Se todos os que se dizem de esquerda estivessem sempre prontos a defender o povo oprimido antes de se magoar por purismo hipócriitas , jamais a esquerda estaria fora do poder, porque seria o povo, que deve estar sempre no poder.
DOMINGO VAMOS FAZER O HADDAD LIMPAR DE VEZ DE SAMPA ESSA DOENÇA QUE A CARCOME!
LULALÁ!

Responder

nilo walter

25 de outubro de 2012 às 11h47

Esses trotskistas são terríveis . Dogmatismo puro .

Responder

    Glauco Lima

    25 de outubro de 2012 às 15h34

    Falou um stalinista!

sandro

25 de outubro de 2012 às 11h24

Psol vai morrer abraçado com o DEM e o PSDB.
Ainda não surgiu um partido à esquerda competente, coerente e significativo para fazer uma verdeira e nescessária oposição.

Responder

Paulo Moraes

25 de outubro de 2012 às 11h17

Aprendi desde pequeno que, no campo da política, a realidade nos desafia muitas vezes, tamanha a sujeira que encontramos. Existem aqueles que se dispõem a enfrentar a realidade, a entrar nela para transformá-la. E existem aqueles que preferem olhá-la de longe, com cara de nojo, e apontá-la. Esses últimos preferem que a sujeira persista a correr o risco de se sujar. Tapar o nariz e gritar que tá fedendo não remove a sujeira! É preciso um intenso compromisso com a transformação da realidade para mudar as coisas. Para só criticar, não.

Responder

acmsouza

25 de outubro de 2012 às 11h02

Resultado do mensalão do PT: mês à mês, cai o desemprego; mês à mês, aumenta a renda do trabalhador brasileiro; mês à mês, cai a pobreza e mais brasileiros são integrantes da sociedade, tornando-se participes positivos do viver em sociedade. Isso é mensalão petista na mais alta terminologia.

Responder

    lia vinhas

    26 de outubro de 2012 às 12h36

    Para mim, os comentários, em sua maioria, foram precisos e contundentes. Partido de ex não pode dar ceto. sobretudo qua ndo o único objetivo é ocupar espaço e de prefrencia do partido que aprenderam a odiar mais do que supostamente odeiam a direita. Pensando bem, a direita hoje é repsentada pelo PT (onde eles crsceram politicamente e do qual surrupiaram seus mandatos como se deles fosse) e a direita virou “amiguinha” por lhes dar os holofotes que idolatram. Depois da onda, são cuspidos de volta para o ostracismo, mas como são muito “éticos” e “dignos” não tão nem aí (a HH, Chico e o Plínio que o digam). Como foi dito em um comentário, eles no fundo não querem nem ganhar, só causar confusão, porque teriam que provar que fazem diferente dos que eles criticam. Haja hpocrisia e incoerencia nos infantiloides de esquerda.

Haroldo Cantanhede

25 de outubro de 2012 às 10h48

Por questão de coerência, o PSOL em Belém deveria abandonar a sua candidatura e apoiar explicitamente o candidato do PSDB. Isso seria coerente com a postura do Sr. Plínio de Arruda, que apoia o candidato do PSDB à prefeitura de SP, o Zé Bolinha/Pedágio, o Mala sem Alça. E Belém que se exploda; afinal, o povo é apenas um ingrediente, não? Vai ser infantil assim lá em Miami.

Responder

ademar

25 de outubro de 2012 às 10h39

na verdade este pessoal querem mesmo é aparecer,pois tudo que é contra lula e o pt ganha espaço na imprensa,a união com o dem não teve repercussão,basta ver s paulo,maluf ja apoio todos,e todos ja apoiaram maluf,mais qdo maluf apoio hadad,sensação que o mundo estava acabando,não interessa quem segue a procissão,o importante é santo que esta a frente

Responder

Francisco Mattos

25 de outubro de 2012 às 10h27

Vai ver eles preferem o apoio dos tucanos. Faça-me o favor. Eles deveriam estar preocupados em explicar porque ainda não expulsaram o Plinio de “Arruda” Sampaio que está apoiando Serra em SP.
Este tipo de coisa me faz ter arrependimento do meu voto no Feixo aqui no RJ.
E foio que me fez às vesperas da eleição de 2006 entender que deveria trocar a Heloisa Helena pelo Lula, pois aquela era só uma verborragia despolitizada e carregada de ressentimentos. E assim entendi qual era o verdadeiro voto de esquerda.
Salve Dilma e Lula que são adultos politicamente e sabem escolher o lado na hora certa!

Responder

    francisco niterói

    25 de outubro de 2012 às 16h08

    Xara
    Muitos amigos meus do rio votaram nulo ou no 54, acho que é esse numero.

    Hoje os estou felicitando. Veja só o caso de niteroi: a cidade é govenada pelo PDT que daria vergonha ao Brizola. Direitalha total. Vc se lembra da tragedia do Moro do Bumba? Tempos depois a prefeitura nao tinha sequer projeto praquele povo. Dizem que o prefeito atual sequer mora aqui. Desistiu da reeleicao e lancou um laranja.

    O PT lancou um membro historico que, inclusive, saiu pra oposicao no periodo em que o PT apoiou o atual prefeito.

    Resumo de tudo: aqui o PSOL ficou em terceiro lugar, com 20% dos votos.

    E sabe qual a postura do PSOL? “SAO TODOS IGUAIS”. Ou seja, a eles nao importa nada, somente exercer o seu odio patologico, como criancas mimadas fazendo vingancinhas.

    Te aconselho a fazer com eles o que eles fazem: voto nulo na ausencia d outro bom candidado.

    francisco niterói

    25 de outubro de 2012 às 16h10

    Postura do PSOL em relacao ao segundo turno aqui entre PDT e PT

Nilo

25 de outubro de 2012 às 10h19

Se dependesse dessa ala radical da esquerda hoje ainda seríamos governados pelo DEM e PSDB e o povo ainda na mer… Quem abriu os olhos para o PT de como as coisas “funcionam” na política foi o Zé Dirceu, por isso querem a cabeça dele.

Responder

Marciano

25 de outubro de 2012 às 09h43

Infantilidade, criancice, incapacidade de jogar o jogo com chuteira, meião, calção e camisa. Jogam pelada, descalços, no fundão da vila.
Se achamos a direita cruel, mais cruel é a esquerda que joga o jogo dos seus partidários, individualmente, e não do povo brasileiro. Tem que apanhar, tem que perder, senão não cresce. Ou cresce ou desaparece.

Responder

    Darcy Brasil Rodrigues da Silva

    25 de outubro de 2012 às 11h20

    Muito boa analogia, com recursos didáticos de grande eficiência. Porém, o infantilismo de um Babá é incurável. É ridículo que se abra mão das condições de uma vitória explicitando-se um programa subjacente não declarado e absurdo: refiro-me ao objetivo político, não declarado explicitamente mas que se considera como principal, de liquidar o PT e pretensamente ocupar o vazio político desta igualmente pretensa liquidação com o Psol. Venho sinalizando para essa tensão dentro do Psol e criticando os que ,dentro do PT , tratam todos os militantes do Psol como traidores. Como sempre acontece, uma vitória eleitoral em Belém tenderá a agravar ainda mais essa disputa interna dentro do Psol. Concepções políticas inconsequentes como as de Babá implicarão em rompimento inelutável, posto que Babá e seus próximos não são capazes de superar seu radicalismo pequeno-burguês que os fazem muito mais afins do PSTU e da Causa Operária,por exemplo, do que de membros de seu próprio partido, como Marcelo Freixo. Isso não significa que o Psol não deva ter fisionomia e leito de atuação próprios, diferentes dos do PT. Significa apenas que a questão da conquista do poder , para ser resolvida concretamente ,com “chuteiras e meião”,coloca a necessidade de se proceder às alianças com partidos objetivamente existentes, sem que a aliança por si só represente um tráfico com os princípios ( duvido que Edmilson tenha aberto mão do programa que defendeu durante sua campanha ao acolher os apoio de Dilma e Lula. Pelo contrário, tenho certeza de que se impusesse como condição para aceitar esse apoio um tratamento republicano por parte do governo de Dilma , que futuramente lhe assegurasse o financiamento de parte de seu programa de campanha, essas condições seriam consideradas aceitáveis pelo desejo de apoiá-lo tanto de Dilma quanto de Lula e o PT). A questão de fundo, de princípio (político e não moral, posto que são áreas distintas , que recomendam métodos de avaliação práticas igualmente distintas ),é a necessidade de não trair o povo de Belém, abrindo mão de uma vitória em favor de uma candidatura do atraso,do conservadorismo neoliberal. Trata-se do velho problema de não resolver a realidade política maniqueisticamente, igualando PT ao PSDB, como o fazem os que padecem de miopia política do esquerdismo. Ser apoiado pelo PT sem comerciar o que se entenda honestamente como princípio é poder vencer as eleições para poder servir àqueles que por essa vitória mais se interessam, aqueles que não têm tempo para perder para futricas e picuinhas dos tempos do movimento estudantil, aqueles que necessitam para ontem de serviços públicos de qualidade, que reduzam os sofrimentos vivenciados em seu dia a dia, ou seja, o povo ( parece que o povo para um Babá é uma mera abstração ,um recurso destinado a dar à retórica apelos emocionais dramáticos. O povo realmente existente, suas expectativas de mudança face às eleições também deixará de ter importância se estas expectativas não tiverem em conta que o Psol é um partido impoluto, que não se mistura com os “inimigos do povo”. Assim, que continuem a padecer suas vidas miseráveis se não forem capazes de reconhecer os portadores da pureza de princípios que lhes apontou os caminhos que ele,povo, deve seguir. Os “evangelizadores” principistas como Babá lhes indicou a direção da luz.Se ele,povo, prefere seguir em direção às trevas, então, que suas almas a

    Marciano

    25 de outubro de 2012 às 13h33

    Senhor, agradeço a resposta. Concordo, deve-se analisar olhando para o todo, não somente o específico. É uma questão de método entender que o especifico se realiza no geral e não o contrário.
    Gostaria que se inteirasse sobre a situação de Maringá-PR, e visse ali como a dita esquerda, que não quer o PT porque tem projetos próprios, ajuda a entregar a cidade, mais uma vez, ao que existe de pior em direita no Paraná. Inclusive se inteire da decisão monocrática tomada pelo Sr. Ministro do TSE Marco Aurélio de Mello, dando continuidade ao que se faz contra o PT (e somente ele) no chamado mensalão, que, segundo Mino, ainda está por provar-se. Abraços.

    Darcy Brasil Rodrigues da Silva

    25 de outubro de 2012 às 11h27

    Muito boa analogia, com recursos didáticos de grande eficiência. Porém, o infantilismo de um Babá é incurável. É ridículo que se abra mão das condições de uma vitória explicitando-se um programa subjacente não declarado e absurdo: refiro-me ao objetivo político, não declarado explicitamente mas que se considera como principal, de liquidar o PT e pretensamente ocupar o vazio político desta igualmente pretensa liquidação com o Psol. Venho sinalizando para essa tensão dentro do Psol e criticando os que ,dentro do PT , tratam todos os militantes do Psol como traidores. Como sempre acontece, uma vitória eleitoral em Belém tenderá a agravar ainda mais essa disputa interna dentro do Psol. Concepções políticas inconsequentes como as de Babá implicarão em rompimento inelutável, posto que Babá e seus próximos não são capazes de superar seu radicalismo pequeno-burguês que os fazem muito mais afins do PSTU e da Causa Operária,por exemplo, do que de membros de seu próprio partido, como Marcelo Freixo. Isso não significa que o Psol não deva ter fisionomia e leito de atuação próprios, diferentes dos do PT. Significa apenas que a questão da conquista do poder , para ser resolvida concretamente ,com “chuteiras e meião”,coloca a necessidade de se proceder às alianças com partidos objetivamente existentes, sem que essa aliança por si só represente um tráfico com os princípios ( duvido que Edmilson tenha aberto mão do programa que defendeu durante sua campanha ao acolher os apoio de Dilma e Lula. Pelo contrário, tenho certeza de que se impusesse como condição para aceitar esse apoio um tratamento republicano por parte do governo de Dilma , que futuramente lhe assegurasse o financiamento de parte de seu programa de campanha, essas condições seriam consideradas aceitáveis pelo desejo de apoiá-lo tanto de Dilma quanto de Lula e o PT). A questão de fundo, de princípio (político e não moral, posto que são áreas distintas , que recomendam métodos de avaliação práticas igualmente distintas ),é a necessidade de não trair o povo de Belém, abrindo mão de uma vitória em favor de uma candidatura do atraso,do conservadorismo neoliberal. Trata-se do velho problema de não resolver a realidade política maniqueisticamente, igualando PT ao PSDB, como o fazem os que padecem de miopia política do esquerdismo. Ser apoiado pelo PT sem comerciar o que se entenda honestamente como princípio é poder vencer as eleições para poder servir àqueles que por essa vitória mais se interessam, aqueles que não têm tempo para perder para futricas e picuinhas próprias aos meninos do movimento estudantil, aqueles que necessitam para ontem de serviços públicos de qualidade, que reduzam os sofrimentos vivenciados em seu dia a dia, ou seja, o povo ( parece que o povo para um Babá é uma mera abstração ,um recurso destinado a dar à retórica apelos emocionais dramáticos. O povo realmente existente, suas expectativas de mudança face às eleições também deixará de ter importância para um Babá se estas expectativas não tiverem em conta que o Psol é um partido impoluto, que não se mistura com os “inimigos do povo”. Asim, que continuem a padecer suas vidas miseráveis se não forem capazes de reconhecer os portadores da pureza de princípios que lhes apontou os caminhos que ele,povo, deve seguir. Os “evangelizadores” principistas como Babá lhes mostraram a direção da luz.Se ele,povo, prefere seguir em direção às trevas, então, que suas almas ardam no fogo do inferno das periferias imundas e abandonadas pela desumanidade do capitalismo selvagem).

Willian

25 de outubro de 2012 às 08h44

Se Hitler fosse adversário dos tucanos, Lula o apoiaria. E seria aplaudido aqui.

Lula apoia e recebem apoio de quem quer que seja para que o projeto de poder pessoal se concretize. O importante é o objetivo, não importa o caminho. PSOL, PSTU, Maluf, Sarney, Collor ou PMDB: tudo não passa de instrumento para alcançar objetivos políticos imediatos.

E o objetivo é só o poder mesmo.

E ainda se discute isto por aqui.

Responder

    Zebené

    25 de outubro de 2012 às 09h26

    Quanta besteira…

    Darcy Brasil Rodrigues da Silva

    25 de outubro de 2012 às 11h30

    “Quanta besteira”, ó Zebené, “quanta besteira”/ “quanta besteira”,ó Zebené, “quanta besteira”.

    Narr

    25 de outubro de 2012 às 11h08

    Confunde senso de oportunidade com oportunismo? Que acusação idiota é essa? A grande imprensa monopolística e os mega empresários sim, apoiariam Hitler de novo caso a esquerda ameaçasse acabar de vez com o mundo deles.

    Marcia Noemia

    25 de outubro de 2012 às 12h07

    Vc está refletindo com hipótese improvável. Vamos fazer uma reflexão mais madura?

    Willian

    25 de outubro de 2012 às 13h35

    Ok, Maluf então.

    Tereza

    25 de outubro de 2012 às 15h47

    Lula não apoiaria Hitler porque combate combate PSDB, DEM que, através de suas ações, demonstram ser os legítimos seguidores de Hitler.

    abolicionista

    26 de outubro de 2012 às 09h33

    Ok, William, já cumpriu sua cota de militância desonesta de hoje, vá pegar seu pagamento, que deve ser bem mixuruca, por sinal.

Jair de Souza

25 de outubro de 2012 às 08h41

O tal Babá (deve ser o diminutivo carinhoso de babaca) exemplifica bem o que é a extrema esquerda. Que se fo… o povo, o que importa é prejudicar o PT. Logicamente nosso Babá(ca) não reagiria assim se o apoio fosse negociado com o DEM. O que o tal Babá(ca) não esperava era que Lula e Dilma soubessem ter o comportamento de dignidade que Plínio de Arruda não teve. Babá(ca) e sua gente contavam com a recusa de Lula e Dilma em apoiar o candidato do Psol para, assim, tentar justificar todas as canalhadas que esses elementos antipovo vêm cometendo há um bom tempo ao tratar de sabotar tudo o que o governo federal promova que favoreça às maiorias humildes. O PT já teve a sorte de se livrar de seus Babá(cas), de suas HHs e do PSTU. Se o Psol almeja alcançar alguma importância na luta real do povo trabalhador por uma vida mais digna, seus Babá(cas) e suas HHs também terão de ser enchotados de lá.

Responder

    Zebené

    25 de outubro de 2012 às 09h29

    Apoiado! E o tal Babá(ca) nem consegue se eleger. Parece cachorro correndo atrás da roda; quando o carro pára não sabe o que fazer.

Márcia

25 de outubro de 2012 às 08h37

Edmilson ganhou no 1º turno e tende a perder no 2º. É uma pena que os pessolistas prefiram perder para os tucanos a buscar apoio do PT.

Responder

Julio Silveira

25 de outubro de 2012 às 08h06

O PSol em crise existencial por causa da revolta juvenil adolescente contra os pais.

Responder

Fernando

25 de outubro de 2012 às 08h00

quem articulou o apoio do PT em Belem foi o mesmo grupo que articulou apoio do DEM em Macapa

Responder

Fabio Passos

25 de outubro de 2012 às 07h26

Não parece verdade.

Uma bela atitude do Lula.
Tomara que o Edmilson vença apesar das dificuldades internas.

Responder

Marcos W.

25 de outubro de 2012 às 07h12

O discurso da CST não se assemelha ao discurso do PT de alguns anos atrás?! Parecem adolescentes “cheios de marra”!

Responder

Leonardo Câmara

25 de outubro de 2012 às 04h08

No que daria essa vitoria em termos dos dois partidos?

Responder

Rodrigues

25 de outubro de 2012 às 03h09

Acho uma tremenda bola fora esta história de corrente interna do PSOL e PSTU saírem da campanha do Edmílson em Belém do Pará e declarar apenas o voto crítico naquele candidato. Os caras aceitaram fazer coligação com o carreirista PCdoB ainda no 1º turno e agora ficam de frescura só porque o Lula gravou uma mensagem de apoio para ser veiculada no horário eleitoral!
São “brincadeiras” como esta que podem viabilizar a continuidade de um projeto de poder arcaico e reacionário em Belém do Pará! Aliás, foi graças a uma birra deste tipo que uma certa psolista possibilitou que Collor fosse eleito Senador em 2006 por Alagoas!
A política partidária não é feita por anjos. As regras do jogo eleitoral são claras! Se não sabe brincar, não desce pro play!

Responder

    Marcos

    25 de outubro de 2012 às 11h13

    Engraçado, você. Diz que a política partidária não é feita por anjos e ataca o PCdoB parecendo querer que o Partido se comporte angelicalmente. Mais coerência, meu caro!

    Rodrigues

    25 de outubro de 2012 às 21h54

    Qual coerência? Aquela do PCdoB que está sempre apoiando e fazendo coligações com quem está no poder? Afinal de contas, o PCdoB já fo “fiscal do Sarney” e apoiou a candidatura de Moreira Franco no Rio de Janeiro contra Darcy Robeiro e Leonel Brizola.
    Não se faça de desentendido. Não tente impuatr incoerência onde ela não há! E, mais importante, critique os argumentos ao invés de utilizar a tática pobre de descredenciar o discurso do seu interlocutor!

    Marcos

    25 de outubro de 2012 às 22h57

    Caro Rodrigues:
    Estou de acordo com você no argumento fundamental, a saber, a bola fora do PSOL e do PSTU. Meu desacordo está em seu ataque gratuito ao PCdoB. Você introduziu um novo ponto na discussão, e sobre este ponto é que eu me detive. E, ao fazer tal introdução, você não foi feliz, pois o infantilismo que acusa no PSOL e não PSTU não é regra no PCdoB. Aliás, o PCdoB tem um programa socialista, assim como o PT, o PSOL e o PSTU. Não há contradição nenhuma em alianças entre eles. As táticas é que são diferente. E, francamente, usar isso (as táticas) como critério de alianças e perder-se demais na observação da árvore sem conseguir um momento sequer olhar a floresta

Rubens

25 de outubro de 2012 às 02h27

Eu devia está totalmente bêbado, quando há alguns anos atrás, resolvi assinar minha filiação ao PSOL. Hoje, fora do partido, fico impressionado com o sectarismo do partido, com seu xiitismo , com a incapacidade de seus militantes de fazerem uma análise de conjuntura que não seja escorada em meros bordões e frases feitas. É o socialismo livresco que acha que a história parou em 1917.

Responder

ZePovinho

25 de outubro de 2012 às 01h38

O PSOL era cabacinho novo,mas já evolui.O “pobrema” é o PSTU,que fez pornô e se diz virgem.

Responder

    Willian

    25 de outubro de 2012 às 08h33

    PT era assim também. O PT era aquela prostituta que se escandalizava quando alguém beijava na boca no bordel.

    -Meu Deus, nem casados são.

    ZePovinho

    25 de outubro de 2012 às 11h48

    Ué,Willian,você agora quer ser como a Dorotéia de “Gabriela”.a reserva moral de Ilhéus????Recentemente ficamos sabendo que Dorotéia era quenga e atendia pelo nome de “Dodô Tanajura”.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding