VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Portaria 303 da AGU afronta os direitos dos povos indígenas


21/09/2012 - 16h43

Indígenas –  União distante de uma sociedade pluralista

por Marco Antonio Delfino de Almeida e Kenarik  Boujikian Felippe

A Constituição Federal de 1988 é marco fundamental do direito dos povos indígenas, protagonistas das conquistas nela estabelecidas, com o acolhimento do princípio da diversidade e alteridade, consagrando o direito congênito às terras tradicionais.

Mas o mapa de violência contra estes povos remete ao alerta do professor Dalmo Dallari: “o tratamento que vem sendo dado aos índios brasileiros, as agressões às suas pessoas e comunidades, as invasões mais ostensivas e atrevidas de suas terras, as ofensas freqüentes, toleradas ou mesmo apoiadas por autoridades públicas, atingindo a dignidade humana do índio e outros de seus direitos fundamentais, tudo isso mostra a necessidade de um despertar de consciências.  Do ponto de vista jurídico, é absolutamente necessário que as autoridades competentes para os assuntos relacionados com os direitos dos índios e de suas comunidades exerçam, efetivamente, suas atribuições legais, pois além das ações arbitrárias os índios estão sendo vítimas de omissões das autoridades”.

O fato é que a violação domina a conduta de diversas autoridades de Estado e uma  das faces da intolerância é a portaria 303 editada pela AGU – Advocacia Geral da União,  órgão  que representa a União e que assessora juridicamente o Poder Executivo. A ementa da portaria diz que ela “dispõe sobre as salvaguardas institucionais às terras indígenas”, mas na verdade, passada a leitura da ementa, o que se tem é o revés, seus propósitos são outros: restringir os direitos constitucionais dos índios, desrespeitando a essência da convivência democrática que se reconhece no outro,  e cujos direitos devem ser defendidos e não atacados. Distancia-se da concepção do Brasil, como uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, como se estas fossem um punhado de palavras, dispostas aleatoriamente na Constituição Federal .

O art. 231 da Constituição Federal reconhece a organização social dos índios, seus costumes, línguas, crenças e tradições.  Obriga a União a proteger e respeitar todos os seus bens, mas  na visão da AGU este deve ser mero “favor” constitucional, pois a portaria  afasta expressas determinações constitucionais relativas ao usufruto dos recursos naturais das terras indígenas; em relação à necessidade de consulta às populações indígenas para  aproveitamento de recursos hídricos e para a pesquisa e lavra das riquezas minerais.  Traz conceito minorante de terras indígenas, à revelia da norma constitucional. E, como se não bastasse, quer  determinar a retroação para afetar os procedimentos finalizados, o que demonstra  que para a AGU, o direito adquirido e ato jurídico perfeito, inscritos no rol de direitos fundamentais não se aplicam aos indígenas, se os favorece. Afronta tratados internacionais, especialmente, a convenção 169 da OIT sobre Povos Indígenas e Tribais e a Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial.

Mais, em verdadeiro desatino, quer  que as condicionantes indicadas por um ministro do STF no julgamento “Raposa Serra do Sol”,  sejam transportadas para todas as demarcações, entretanto elas se referem tão somente a este julgado e não poderia ser de outra forma,  pois além de tudo, o ponto fulcral deste processo era a demarcação integral ou em ilhas.

A Constituição estabeleceu o prazo de cinco anos, pós 88, para que as demarcações fossem realizadas, mas apenas 1/3 das terras foram demarcadas até agora e há processos paralisados há décadas nos tribunais, o que apenas aguça os conflitos que se retroalimentam da inoperância dos poderes da República.

A presteza constitucional tinha a finalidade de construir, no prazo razoável  que fincou para as demarcações, um país verdadeiramente democrático e plural, mas a depender da portaria,  estaremos retrocedendo ao tempo do descobrimento.

A portaria 303 foi  suspensa até o dia 24 de  setembro. Espera-se que uma breve reflexão à luz da Carta Magna, da história indígena, da nossa história, faça com que seja revogada, para que a trágica história  de espoliação e violência tenha um fim.

Os povos indígenas não podem esperar mais.

Marco Antonio Delfino de Almeida, Procurador da República e Especialista em Direito Constitucional. Kenarik  Boujikian Felippe, desembargadora no TJSP e co-fundadora da Associação Juízes para a Democracia.





16 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Eleitor de Marina diz que Dilma "se lixa" para biodiversidade « Viomundo - O que você não vê na mídia

28 de agosto de 2014 às 20h35

[…] Portaria 303 da AGU afronta os direitos indígenas […]

Responder

Marcelo Zelic: AGU quer tratorar decisão do STF sobre demarcação de terras índígenas - Viomundo - O que você não vê na mídia

25 de outubro de 2013 às 11h29

[…] (STF), o ministro Luís Adams, Advogado-Geral da União já retomou a ofensiva para implementar a portaria 303 daAGU, tal qual deseja a bancada ruralista. Ele sequer deu tempo para que a sociedade e o […]

Responder

Marcelo Zelic: O eterno retorno do mesmo - Viomundo - O que você não vê na mídia

22 de maio de 2013 às 10h47

[…] Portaria 303 da AGU afronta os direitos dos povos indígenas […]

Responder

Kenarik Boujikian: Cardozo não se porta à altura de um ministro de Estado - Viomundo - O que você não vê na mídia

21 de maio de 2013 às 18h59

[…] Portaria 303 da AGU afronta os direitos dos povos indígenas […]

Responder

"Estado continua passando por cima das caveiras dos povos indígenas" - Viomundo - O que você não vê na mídia

14 de abril de 2013 às 19h22

[…] Marco Antonio Delfino e Kenarik Boujikian: Portaria 303 da AGU afronta os direitos dos povos indíge… […]

Responder

Kenarik Boujikian: Petição de apoio à causa indígena já tem 19 mil assinaturas « Viomundo – O que você não vê na mídia

27 de novembro de 2012 às 12h58

[…] Portaria 303 da AGU afronta os direitos dos povos indígenas […]

Responder

Universidade Federal de Campinas é pra valer ou só promessa de campanha? « Viomundo – O que você não vê na mídia

01 de novembro de 2012 às 09h28

[…] Marco Antonio Delfino e Kenarik Boujikian: Portaria 303 da AGU afronta os direitos dos povos indíge… […]

Responder

Carta à Dilma: Omissão do Estado brasileiro é tão criminosa quanto violação dos direitos dos kaiowá « Viomundo – O que você não vê na mídia

31 de outubro de 2012 às 19h03

[…] Marco Antonio Delfino e Kenarik Boujikian: Portaria 303 da AGU afronta os direitos dos povos indíge… […]

Responder

O apoio de Lula e a crise do PSOL em Belém « Viomundo – O que você não vê na mídia

25 de outubro de 2012 às 01h11

[…] Portaria 303 da AGU afronta os direitos dos povos indígenas […]

Responder

Mariana Boujikian: “O Estado não pode mais ser conivente com o extermínio velado dos guarani” « Viomundo – O que você não vê na mídia

24 de outubro de 2012 às 22h51

[…] Portaria 303 da AGU afronta os direitos dos povos indígenas […]

Responder

Mardones

24 de setembro de 2012 às 09h39

Os índios precisam desenvolver uma atividade lucrativa em suas terras para financiar políticos a defenderem as suas causas, caso contrário a bancada da motosserra e dos grandes consumidores de energia vão, literalmente, botar a baixo o que ainda há de reserva indígena.

O governo federal já mostrou que não tem força política e/ou interesse para denfender os índios e deus direitos frente aos interesses dos ruralistas e dos donos de grandes empresas.

Responder

    Bonifa

    24 de setembro de 2012 às 13h34

    Isso é estimulado internacionalmente. Sem uma política indigenista séria, o país não terá argumentos para enfrentar um ação proposta por ONGs em nome de índios em tribunais internacionais. É a porta de entrada para a invasão e está na prateleira esperando o momento certo para ser usada por determinadas potências.

    Pitagoras

    24 de setembro de 2012 às 22h42

    Pra se tornarem iguais aos índios norte-americanos?

Bonifa

24 de setembro de 2012 às 08h48

Não basta fazer demarcação de terras indígenas, simples regulamentação de norma legal que já existia ao tempo do Império, mas que nunca foi levada a sério até os dias de hoje. A Lei de Terras de 1850 declarava que as terras indígenas não eram devolutas e a eles pertenciam por direito originário. Por outro lado, quando se pinçam para a crítica, inclusive na imprensa européia, os condicionantes impostos pelo STF à Reserva Raposa Serra do Sol, só se repisam geralmente estes aspectos econômicos, como a disponibilidade pela União das riquezas da reserva. Esquecem de falar sobre o domínio pelas Forças Armadas do Brasil de uma faixa de fronteira ao longo da reserva. Como se sabe, a etnia Macuxí tem 90% da população de 20.000 índios da Raposa Serra do Sol, que ocupa um território maior do que o Líbano. E do outro lado do Rio Maú, vivem os macuxís que falam inglês e são duas vezes mais numerosos que seus irmãos brasileiros. Antigamente, antes do desastre diplomático que em 1914 fez a República Velha perder para a Inglaterra 10.000 quilômetros quadrados do território de Roraima, todos os macuxís eram brasileiros. Para que amanhã eles não se resolvam a fazer, com auxílio externo, a República Macuxi, o STF agiu, sim, tempestivamente. O problema é que há outras reservas em igual situação, para que se denote como o Brasil ainda não deixou de ser grande e bobo. Mas o que dizíamos anteriormente, é que apenas a demarcação é providência insuficiente. É necessário o levantamento completo, geográfico, geológico, planimétrico e altimétrico, o zoneamenteo de microbiomas, e o estudo em conjunto com os índios de uma projeto global de comunicação, urbanização e integração regional, acesso a organizações governamentais e não governamentais, segurança, saúde, educação e desenvolvimento econômico sustentado. Só assim estas reservas poderão ser entendidas como verdadeiros e dignos territórios indígenas.

Responder

Pitagoras

23 de setembro de 2012 às 13h19

Só mesmo num país de fancaria, esdrúxulo, bizarro, uma portaria de um órgão de estado afronta a Constituição, a interpreta, a restringe, em claro interesse ideológico, racista.
Que esta excrescência seja o quanto antes desafiada se não judicialmente, pelas vias da insurgência social popular.
Vergonha esta AGU!

Responder

Julio Silveira

21 de setembro de 2012 às 21h51

Podem ter certeza o establishment dominante vai fazer ouvidos moucos. Eles são superdotados e conhecem todas as necessidades indigenas, foi tupã que disse para eles.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding