VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Janio de Freitas: Apresentação das defesas fez ruir pretensas provas da acusação


17/08/2012 - 16h21

por Janio de Freitas, na Folha de S. Paulo, sugestão de Francisco José Duarte de Santana

A apresentação das defesas fez ruírem algumas deduções e pretensas provas importantes para a acusação, ainda que sem alterar os conceitos mais difundidos para a opinião pública sobre o caso mensalão. Resta o voto de anunciadas mil páginas do ministro-relator Joaquim Barbosa para esclarecimentos e contestações convincentes ao dito nas defesas. Caso os faça.

As 50 horas de acompanhamento (sem cochilos) das sessões do Supremo Tribunal Federal não mudaram, a meu ver, o que me parece ser um aspecto crucial do caso: a falta de comprovação da alegada finalidade de compra de votos na Câmara, pelo PT. Houve, porém, a distribuição petista de dinheiro. Com que finalidade, então? Não uma só, mas várias. Como está evidente já a partir da identidade dos recebedores.

Quando deputados, todos aliados do governo. Cujos votos, portanto, não se condicionavam à compra. Até por ter havido compra dos não petistas muito antes da distribuição de dinheiro, e por outra modalidade. Foi, em parte, na distribuição de cargos no novo governo, em variados níveis, a título de retribuição à aliança eleitoral. Acordos feitos na campanha presidencial e estadual de 2002, públicos e noticiados, como públicas e noticiadas foram as nomeações compensatórias.

A segunda parte do custo das alianças foi o compromisso de custear ou contribuir para as campanhas dos partidos aliados.

Um dos acertos dessa segunda parte foi também noticiado: o encontro das cúpulas de PT e PL, ocasião em que Lula, como as notícias expuseram, a certa altura disse a José Alencar, naquele momento confirmado como candidato a vice: “Já acertamos o nosso lado [o lado político, claro]. Vamos lá pra dentro e deixar eles acertarem o resto” [os cargos e os cifrões, não menos claro].

A divisão societária variou em dinheiro e em cargos, mas a conclusão das diversas alianças foi sempre a mesma. Na política brasileira, é sempre a mesma, não importa que partidos façam a operação e que candidaturas se envolvam.

Parte do dinheiro distribuído pelo PT foi, por certo, em cumprimento aos acordos financeiros de aliança e campanha. De algum modo o PT teria que quitar essas contas, mas saíra quebrado da campanha presidencial, o que também foi objeto de noticiário bastante explícito. Marcos Valério e o seu sistema propunham a solução.

Mas viria logo outra eleição, a municipal, na qual o PT e a aliança governista projetavam conquistar nova base para seus planos de poder nacional, continuado e politicamente ampliado.

Novos gastos, novas dívidas, novas operações com Marcos Valério, suas agências de publicidade e seus contatos bancários.

Nessa série de compromissos e gastos se explicam a alta quantia destinada a Duda Mendonça e a insignificância que figura, sem sentido algum, como lavagem de dinheiro pelo Professor Luizinho; a distribuição para petistas e para integrantes de partidos aliados; as diferenças de época da entrega de dinheiro e dos montantes.

Nada disso excluiria a possibilidade de compra de votos na Câmara. Mas, além de nenhum fato lhe dar nem sequer a mínima comprovação, nem o senso comum sugere a compra de adesão de quem já é aliado. Caixa dois, ou dez ou cem, o coerente e perceptível nesse caso, ao que posso reconhecer até agora, é o aventureirismo eleitoral à margem da lei. E um ou outro possível delito não eleitoral.

Mas as palavras a respeito, agora, estão com o ministro-relator Joaquim Barbosa e o ministro-revisor Ricardo Lewandowski.

Leia também:

Jefferson diz que não vendeu voto e que Lula ordenou tudo

Livrando o policial Aredes e espionando o deputado Jovair

A foto que deu o que falar

CPI toma decisões importantes no dia 14

Collor acusa Gurgel de chantagear Demóstenes

CPI já convocou jornalista. E ele abastecia a mídia

Mulher de Cachoeira ameaçou usar dossiê contra juiz

O dia em que o “empresário de jogos” cassou o mandato de deputado bandido

Carta Maior: A quadrilha, a revista e as escolas chinesas

Venício Lima: Por que não?





7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Lewandowski absolve João Paulo Cunha e provoca a corte sobre os R$ 7 milhões destinados à mídia « Viomundo – O que você não vê na mídia

24 de agosto de 2012 às 18h51

[…] Janio de Freitas: Apresentação das defesas fez ruir pretensas provas da acusação […]

Responder

FrancoAtirador

18 de agosto de 2012 às 15h07

.
.
Paulo Sérgio Abreu, advogado de Geiza Dias,
acha que Barbosa pedirá a condenação de todos os réus,
inclusive de quem Gurgel pediu a absolvição.
.
.
CORREIO DO POVO
ANO 117 Nº 323
PORTO ALEGRE, SÁBADO, 18 DE AGOSTO DE 2012

”Até minha mequetrefe será condenada”

O voto do ministro relator do mensalão, Joaquim Barbosa, gerou pessimismo em alguns advogados de defesa dos réus da ação penal no Supremo Tribunal federal (STF).
A maior preocupação é sobre o entendimento de Barbosa para lavagem de dinheiro. O receio dos advogados é que o relator aplique a todos o raciocínio utilizado no pedido de condenação do deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP).

Barbosa entendeu que Cunha cometeu crime de lavagem de dinheiro ao enviar sua mulher, Márcia Cunha, para pegar dinheiro no Banco Rural.
Além disso, o nome dela não foi informado ao Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

Paulo Sérgio Abreu, advogado de Geiza Dias, ex-secretária da agência de Marcos Valério, classificada pelo defensor como “mequetrefe” no plenário do STF, é um dos pessimistas.
Ele acha que Barbosa pedirá a condenação de todos os réus. Até de quem o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pediu a absolvição.
Geiza foi denunciada por lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, evasão de divisas e corrupção ativa.

“Todo mundo vai ser condenado. Até a minha mequetrefe.
Em relação ao relator, não tenho esperança alguma de absolvição.
A hora que começar o voto do revisor (Ricardo Lewandowski), pode ser que tenha alguma modificação em alguns tipos de crime”, disse Abreu.

“O Ministério Público pediu a absolvição do Gushiken, não pediu?
Mas não será surpresa se o relator pedir sua condenação.
Pela interpretação que está fazendo, por grupos.
Vai condenar todo mundo.
Ele tem uma ideia do processo e não podemos discutir, brigar com ele.
Temos que respeitar. Mas que não gostei, não gostei.”

http://www.correiodopovo.com.br/Impresso/?Ano=117&Numero=323&Caderno=0&Noticia=455369

Responder

Antônio

17 de agosto de 2012 às 22h16

A Folha, um jornal a serviço das trevas, anda escondendo o Janio de Freitas.

De agora em diante, Janio só para assinantes.

Te apruma, otavinho.

Responder

GUILHERME SOUTO

17 de agosto de 2012 às 20h12

Surto de imparcialidade. Engana muitos, né?!?!

Responder

Fabio Passos

17 de agosto de 2012 às 19h35

Este julgamento é baseado em uma grande farsa armada pelo PiG.
As “provas”… são reporcagens!

Se os ministros do stf tiverem senso do ridículo condenam o prevaricador gurgel por irresponsabilidade e passam um sabão no PiG por tentar mais um golpe.

Responder

Hélio Pereira

17 de agosto de 2012 às 18h40

Ora o Jânio como todo mundo que acompanhou os trabalhos no STF sabe que o Ministro Joaquim Barbosa ficou dormindo junto com o agora seu “Amigo” Gilmar Mendes nas cadeiras do Supremo e tanto Gilmar Mendes como Joaquim Barbosa não prestaram a minima atenção ao pronunciamento dos Advogados de Defesa dos Réus,numa completa falta de respeito para com os Advogados e seus clientes.
Joaquim Barbosa já chegou pra seção de Julgamento com seu voto pela condenação pronto e fica evidente que não vai levar em conta o parecer dos Advogados de Defesa.
A tese de Joaquim Barbosa é a mesma de Roberto Gurgel,que é a mesma da Globo,da Folha de SP e da Revista Veja,que importa se não existem provas?
O importante pro relator Joaquim Barbosa e dar um parecer que vá de encontro ao que pedem os “Barões da midia”,não importando se vai condenar inocentes!

Responder

João

17 de agosto de 2012 às 17h04

Acho q o Ministro Joaquim Barbosa, relator do processo, nem leu a “sentença” do ilustre Jânio de Freitas e já votou pela condenação de João Paulo Cunha e Marcos Valério…

Se tivesse lido, certamente votaria pela absolvição de todos os acusados.

q pena!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura