VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Genoino: “O que fiz pelo PT foi legítimo e necessário”


23/10/2012 - 20h37

por Marina Dias, no Terra Magazine, via Escrevinhador

Um dia após ter sido condenado por corrupção ativa pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em 10 de outubro, o ex-presidente do PT José Genoino encontrou-se com o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. Após um abraço emocionado, ouviu daquele que chama de “companheiro de luta”:

– Esse é o nosso destino. Nosso destino é lutar.

Horas antes do encontro, Genoino havia telefonado para a presidente Dilma Rousseff e comunicado sua decisão de deixar o cargo de assessor especial do Ministério da Defesa:

– Como é que eu assino uma demissão sua, Genoino? Como? – perguntou Dilma.

– Retiro-me do governo com a consciência dos inocentes – respondeu o ex-presidente do PT.

José Genoino Guimarães Neto tem 66 anos. É casado, pai de três filhos e avô de dois netos. Nascido em Quixeramobim, no Ceará, participou da Guerrilha do Araguaia, na década de 1970, quando foi preso por cinco anos e torturado. Em entrevista exclusiva a Terra Magazine, o petista diz que consegue traçar paralelos daquele período com o processo que vive hoje.

“Tenho pesadelos e nunca falei isso para ninguém. Há um mês, gritei e estrebuchei na cama. Minha mulher ficou preocupada. Misturo cenas daquele período, quando eu era interrogado, em 1972, com as cenas do processo da Ação Penal 470″.

De camisa vermelha, calça social marrom e sapatênis escuros, Genoino recebeu a reportagem de Terra Magazine em sua casa, no bairro do Butantã, zona oeste da capital paulista. Estava bem-humorado.

Deputado federal por seis mandatos (até 2010), deixou o comando do PT em 2005, no início da crise do Mensalão, mas afirma que é inocente e que lutará para defender sua história. “O que fiz pelo PT foi legal, legítimo e necessário […] Repetiria tudo de novo, mesmo passando o que passei”.

Leia abaixo a íntegra da entrevista.

Terra Magazine: Durante o julgamento do Mensalão, o senhor foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção ativa e, nesta semana, a Corte definirá se o senhor será condenado por formação de quadrilha. Esperava esse veredito?

José Genoino: Não sou corrupto e entendo que foi uma condenação sem provas, baseada na tirania da hipótese pré-estabelecida, com base em um raciocínio do domínio do fato, da falta de provas, contrariando a presunção da inocência. Tudo isso contraria, a meu ver, uma visão democrática do Código Penal. Não pratiquei corrupção, o que eu fiz foram reuniões para defender o governo Lula. Como presidente do PT, cuidava das alianças políticas, da unidade da bancada do partido, da relação com os movimentos sociais e ocupava todo o meu tempo com a atividade política, legítima, democrática e transparente.

Não houve compra de votos nem compra de deputados. As votações principais do governo Lula foram decididas sempre com muita luta. Recebi a notícia da condenação com a indignação do inocente. Apresentei as provas e vou deixar tudo muito claro: os empréstimos que assinei são atos jurídicos perfeitos. Assinei os empréstimos encaminhados pela secretaria de finanças do PT, registrei no Tribunal Superior Eleitoral, e os empréstimos foram renovados porque o PT estava em uma situação muito difícil. Quando deixei a presidência do PT, o juiz de Minas Gerais cobrou judicialmente, inclusive, com o bloqueio da minha conta, que só foi desbloqueada porque era conta salário e, a partir de 2007, em uma negociação dirigida pelo então presidente Ricardo Berzoini, os empréstimos foram negociados por quatro anos e pagos, tanto o empréstimo do Banco Rural, como o do BMG. Sou um inocente.

O que o senhor pensou – ou fez – quando saiu sua primeira condenação, dia 9 de outubro?

Estava acompanhando a sessão do STF na minha casa, pela TV, com minha mulher e meus filhos Ronan e Miruna. Veio à minha cabeça a mesma sensação de quando eu estava na auditoria militar da Avenida Brigadeiro Luís Antônio, sendo condenado a cinco anos de prisão, na década de 1970. É uma sensação de… eu uso uma expressão que gosto muito, deste livro, Memórias de um Revolucionário: “As noites cegas são poderosas, terríveis, mas nós somos a sua paciência”. Eu me senti assim, indignado. Fiz uma carta aberta ao país, retirando-me do governo como inocente.

A partir daquele dia, tomei uma decisão. Durante sete anos, eu falei nos autos, não dei entrevista… aliás, a única que dei foi para Terra Magazine, em 2006. Falei só nos autos, acreditando que ia ser um julgamento técnico, com base só em provas. Naquele dia, percebi que se tratava de uma condenação sem provas e resolvi fazer a crítica política.

E com a sua família? Como foi a reação de sua mulher e seus filhos após a condenação?

Estavam todos aqui. No dia seguinte, fizemos uma conversa. Minha filha Mariana, que mora em Brasília, veio para São Paulo. Miruna fez a carta dela e eu não li antes da divulgação. Nessa reunião, eu disse que iria lutar de todas as formas para defender minha honra e minha dignidade. Falei que não iria me curvar. Não tenho riquezas nem patrimônio, mas vou para o risco do combate, dentro dos princípios democráticos. A democracia que está aí não é produto de uma sentença. Aliás, ela foi regada com muita guerra, luta, sangue, mortes, greves e barricadas. Não é produto de sentença e dei minha contribuição para a conquista dessa democracia. Disse à minha família que agora eu estaria em uma posição de militante livre e combatente e eles aprovaram.

A condenação abalou o senhor? Abalou a sua família?

Não. Minha mulher e meus filhos ficaram indignados, assim como eu. Naquela noite, escrevi a carta aberta, que li no dia seguinte durante a reunião do Diretório Nacional do PT. Mas não estava abalado. Minha vida só tem sentido quando eu a coloco a serviço de causas. E hoje eu tenho uma causa: defender minha inocência custe o que custar. Estou revigorado, vivendo um momento parecido com o meu entusiasmo de 1968, da Guerrilha do Araguaia, quando eu estava preso por cinco anos, quando eu disputava convenções do PT, quando eu fazia campanhas vitoriosas e derrotadas aqui em São Paulo… Estou com essa energia. Meu foco é resistir e lutar com todos os meios democráticos.

E qual é o primeiro passo dessa luta?

A primeira coisa que tenho que fazer é apresentar todos os documentos que estou preparando com o meu advogado, Luiz Fernando Pacheco. São memoriais que vão discutir a parte final do julgamento e serão apresentados como provas da minha inocência. Quem tinha que apresentar provas de minha culpa seria a acusação. Vou falar politicamente. Estou de cabeça erguida, com a consciência de um inocente e vou usar de todas as formas jurídicas e politicas para provar minha inocência. Eu quero provas.

Sua defesa foi baseada no fato de que o senhor foi acusado por aquilo que era, ou seja, presidente do PT, e não por aquilo que fez. Essa foi a melhor linha a ser seguida?

Sim. E continuo nessa linha, porque eu não pratiquei crime, não pratiquei ilícito. Eu era presidente do PT e fui condenado pelo fato de ser presidente do PT. Isso é o que se chama, no direito penal, responsabilidade objetiva, que é um conceito conservador, arcaico, que, felizmente, a humanidade superou, mas que agora tem uma nova versão, o domínio do fato. Assim, pode-se condenar sem provas concretas. O que fiz como presidente do PT foi legal, legítimo e necessário. Não se pode criminalizar a política, criminalizar os acordos e as alianças e é isso que se está fazendo. Quando se criminaliza a política, abre-se a porta para o autoritarismo, enfraquecendo o poder que emana do povo. Cumprirei as decisões impostas, mas minha consciência irá bradar todos os dias contra isso.

Acredita que o julgamento do Mensalão é um marco no Judiciário brasileiro?

Acho que temos que fazer um grande debate sobre esse julgamento, primeiro porque ele está se baseando em teses que precisam ser profundamente discutidas, como a do domínio do fato, que negam provas, a presunção da inocência, a condenação com base em indícios… Isso tem que ser profundamente discutido, porque pode representar um risco para um Judiciário democrático, abrindo graves precedentes.

Sua tese de defesa argumenta que existiu um esquema de caixa dois na campanha do PT e não a compra de votos de parlamentares. A ministra Cármen Lúcia reagiu dizendo que “caixa dois é crime” e que a confissão dessa prática com naturalidade na Corte era algo “inédito” na carreira dela. Essa é sua versão dos fatos?

Em primeiro lugar, meu advogado não falou em caixa dois. Ele afirmou, claramente, que minha função como presidente do PT era exclusivamente política. Eu não cuidava nem tinha responsabilidade quanto à administração do PT e quanto às finanças do partido. Não foi o meu, mas outros advogados disseram que quando se trata de crime eleitoral (caixa dois), tem que se julgar como crime eleitoral. Minha responsabilidade era política. Entendo que essa injustiça não é só contra mim e que isso enfraquece a Justiça no Brasil. Não podemos fazer de julgamentos um espetáculo midiático. Não podemos aceitar essa espetacularização.

Um dia após sua condenação, quando leu a nota durante reunião do Diretório Nacional do PT, o senhor se encontrou com o ex-ministro José Dirceu. Como foi esse encontro?

Fui recebido de pé por todo o Diretório Nacional do PT naquele dia. Todas as tendências gritavam meu nome. À tarde, quando entrou o companheiro Zé Dirceu, aconteceu a mesma coisa com ele e nós demos um forte abraço um no outro. E eu falei a ele a seguinte frase: “Zé Dirceu, no dia 12 de outubro de 1968, quando nós fomos presos no Congresso de Ibiúna, nós gritamos: ‘A UNE somos nós’. Pois bem, o PT somos nós. Somos companheiros de luta e nossa geração aprendeu que podemos ser encurralados, mas não aceitamos nos curvar”.

E o que José Dirceu respondeu?

Ele olhou bem pra mim e disse: “É o nosso destino. Nosso destino é lutar”.

E com o ex-presidente Lula? Como é sua relação desde 2005?

O Lula, pra mim, é uma pessoa excepcional do ponto de vista humano e político e eu aprendi a ter muita confiança na capacidade política dele. E Lula costumava dizer, nos piores momentos do seu governo: “Não vou deixar o país quebrar no meu colo”. Minha relação com Lula é de muito respeito e confiança. Não fiz nada de errado, portanto, o compromisso que tive com o Lula de presidir o PT foi correto e eu repetiria, mesmo passando por tudo o que passei.

O ex-presidente Lula ligou para o senhor após sua condenação?

Várias vezes. Sempre uma ligação afetiva e muito forte, mas me reservo o direito de não dizer o que ele fala comigo.

O senhor resolveu deixar seu cargo no governo, de assessor especial do Ministério da Defesa. A presidente Dilma Rousseff foi relutante à entrega do seu cargo?

Ela me ouviu e falou coisas bonitas, mas não serei porta-voz dela.

Mas ela foi relutante?

Ela disse pra mim: “Como é que eu assino a sua demissão, Genoino? Como?”. E respondi: “Retiro-me do governo com a consciência dos inocentes e vou ler uma carta no Diretório Nacional do PT”. Tenho uma relação de respeito e confio muito na coragem e capacidade da companheira Dilma.

José Dirceu disse a amigos que se sente aliviado com o fato de o PT ter sido o partido mais votado no primeiro turno das eleições deste ano. Segundo ele, é como se o povo tivesse absolvido o partido. O senhor também avalia dessa maneira o desempenho do partido nas urnas?

O governo do PT foi julgado em 2006, quando o povo reelegeu o Lula, e em 2010, quando elegeu a Dilma presidente. As vitórias do PT mostram que o povo é mais inteligente do que certos setores pensam. O povo nos conhece, sabe onde a gente mora, o que a gente faz, o que a gente fez.

Em 2010 o senhor não foi eleito deputado federal. O povo não o absolveu?

Não foi isso. Em 2010, eu perdi por mil votos. O erro foi o tipo de campanha que nós fizemos. A campanha estava difícil porque fui muito criticado por setores da mídia… Tive apoio em muitas cidades, o PT me apoiou muito, mas isso faz parte. Na democracia, a gente perde e ganha e precisamos ficar felizes com isso.

Na década de 1970, o senhor foi preso por cinco anos e torturado durante a Guerrilha do Araguaia. O senhor consegue traçar algum paralelo daquele momento em relação a esse que está vivendo hoje?

O primeiro paralelo, lamentavelmente, e eu nunca falei isso para ninguém, são os pesadelos. Eu tenho pesadelos. As cicatrizes existem. Acredito no perdão, mas não no esquecimento, e é isso que aparece nos meus pesadelos. Misturo cenas daquele período, quando eu era interrogado, em 1972, com cenas do processo da Ação Penal 470. Há um mês, tive um pesadelo grande, gritei pra caramba, minha mulher ficou preocupada, porque eu fiquei em pé, estrebuchei na cama… As cicatrizes da vida deixam a gente mais preparado para as pancadas e estou com mais cicatrizes agora, elas não somem da cabeça nem do corpo. Mas não tenho ódio, ressentimento ou espírito de vingança. Eu tenho confiança no ser humano.

O senhor tem medo de ser preso?

Penso da seguinte maneira: a palavra medo não existe como impedimento para a minha luta. Entre a servidão e a humilhação, eu prefiro o risco do combate.

Se o senhor pudesse fazer de novo, corrigindo, alguma coisa na sua vida, o que seria?

Tudo o que fiz na minha vida foi com paixão e consciência. Sempre com dedicação e por causas e, portanto, minha trajetória me orgulha. Um dos objetivos da minha luta é defender minha história, porque é ela que me dignifica.

Então o senhor não corrigiria nada?

Minha trajetória me orgulha e tenho recebido muita solidariedade, tanto do PT, como de pessoas da oposição, de militares que trabalharam comigo no Ministério da Defesa, mas não vou citar nomes. É claro que a vida vai te ensinando, você não pode ser dono da verdade, você tem que estar aberto para mudar o mundo. O desafio é mudar o mundo mudado e quem quer mudar o mundo tem que aceitar ser mudado. O PT me mudou e eu mudei o PT.

O senhor considera que o PT errou?

O PT é vitorioso porque o objetivo de um partido é conquistar o poder e realizar seu programa e isso o PT fez. Agora, é claro que o PT tem que fazer uma avaliação de toda sua trajetória, olhando para o futuro. Não podemos ter medo do debate. O PT precisa aceitar a crítica e discutir as escolhas de maneira franca e aberta. O PT aprendeu uma lição: dividido, perde; e sem aliança, não ganha. Minha geração aprendeu no coletivo: ou ganham todos juntos ou se ferram todos juntos. Essa foi a lição que eu aprendi.

Leia também:

Cynara Menezes: O julgamento do mensalão mudou o País?

Carta Maior: Dirceu, Genoino e outros oito podem requerer novo julgamento

Lincoln Secco: Supremo político

Lincoln Secco: Supremo político

Ramatis Jacino: O sonho do ministro Joaquim Barbosa pode virar pesadelo

Comparato: Pretos, pobres, prostitutas e petistas

Dalmo Dallari critica vazamento de votos e diz que mídia cobre STF “como se fosse um comício”

Rubens Casara: “Risco da tentação populista é produzir decisões casuísticas”

Gurgel pede arquivamento de denúncia contra deputado que recebeu de Cachoeira

Luiz Flávio Gomes: “Um mesmo ministro do Supremo investigar e julgar é do tempo da Inquisição”

Paulo Moreira Leite: Denunciar golpe imaginário é recurso “quando se pretende promover ruptura”

Marcos Coimbra: STF invade atribuições dos demais Poderes





56 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Mário SF Alves

24 de outubro de 2012 às 18h57

E o Serra, heim?

Depois do Mala(que)Faia, aquela vozinha anti-tudo que cheire a “Brasil Um País de Todos” resolveu que o melhor mesmo seria ressuscitar o Lombroso.

http://www.cartamaior.com.br/templates/postMostrar.cfm?blog_id=6&post_id=1120

“Quem achava que depois da caça ao kit gay estaria esgotado o estoque de excrescências desta campanha, errou. A quatro dias das eleições municipais de 2012, Serra revira seus guardados no saco do desespero. Elege um truque por dia. Enfia os pés pelas mãos. Como se tentasse correr na areia movediça, transforma sua campanha num atoleiro. Desta vez foi fundo demais.

Os impulsos que o desespero desencadeia provocam calafrios em círculos tucanos mais serenos. A essa altura, tudo o que pedem é que o 28 de outubro chegue logo.

Nesta terça-feira, em entrevista à amigável rádio CBN (emissora das organizações Globo), o candidato que trouxe o obscurantismo religioso ao centro da disputa, ungindo Silas Malafaia em assessor para os bons costumes, metabolizou Cesare Lombroso.”

Saul Leblon

Responder

Álvaro

24 de outubro de 2012 às 15h11

CORTE PEQUENA

Tá! O Supremo Tribunal Federal é a derradeira instância da Justiça. País civilizado tem de ter uma corte suprema. Se não tiver, não tem Justiça. Por isso, o Supremo tem de ser respeitado, mesmo quando erra. É humano etc. Todo mundo concorda. Mas…

E quando o supremo tribunal faz justiça sumária como braço de um partido político? E quando não leva em conta as provas – ou a falta delas – nos autos de um processo? E quando se deixa levar pela pressão da mídia? Tem de ser respeitado esse tribunal?

Muitos dirão que, mesmo assim, ele tem de ser respeitado.

Não por mim. Eu tenho vergonha.

Uma corte desse tipo é uma aberração. Uma afronta à Nação. Um cuspe na cara da democracia. É uma corte pequena, miserável.

Quem reduz o Supremo a isso é criminoso. Abusa da autoridade. Usa a Constituição como papel higiênico. Tem de ir para a cadeia.

Responder

Marcos Coimbra: Analistas da “grande imprensa” devem ficar ainda mais atordoados « Viomundo – O que você não vê na mídia

24 de outubro de 2012 às 13h02

[…] Genoino: “O que fiz pelo PT foi legítimo e necessário” […]

Responder

Matheus

24 de outubro de 2012 às 12h10

É claro que foi “legítimo” e “necessário” aprovar uma reforma neoliberal da previdência por meio da corrupção, para que o NewPT finalmente caísse nas graças dos banqueiros nacionais e internacionais.

Que nojo dessa gente se fazendo de coitadinha!

Responder

    Jáder

    24 de outubro de 2012 às 12h53

    O bobinho enojado se esquece da mobilidade social de 40 milhões de brasileiros, da inclusão de domésticas e donas de casa na previdência, com alíquotas mais baixas, da inclusão de autônomos com alíquotas mais baixas, do acesso às universidades para pobres e negros, de milhares de coisas boas que o PT fez graças às coligações e vontade política de fazer.

    Alguém sabe por que o Nassif tá fora do ar hoje? (24/10/2012)

    A gente elege, escolhe, eles vêm e cassam … isso não te lembra algo?

    Tempo infeliz da nossa história …


    Visite meu bloguinho também:
    http://salafehrio.blogspot.com.br

maria do carmo

24 de outubro de 2012 às 11h06

Willian , Rodrigo , Gil e Cia sao pequenos e descerebrados nao reconhecem os meritos dos outros nao existem, sao zero a esquerda, invejosos! Nao entendem ! Dignos de pena, merecem serem esquecidos.

Responder

    Rodrigo Leme

    24 de outubro de 2012 às 15h02

    Reconheço os méritos de todo mundo, minha querida. O problema é que mérito não pode ser usado como desculpa para impunidade.

    Willian

    24 de outubro de 2012 às 18h45

    Eu tenho inveja de algumas pessoas sim, mas nem passam perto do PT e da política.

Regina Braga

24 de outubro de 2012 às 10h52

Grande Brasileiro…nem é preciso dizer mais nada.O que vc fez para o PT foi garantir que, o mesmo chegasse ao PODER…para que o Povo, pudesse ver o Contraste, de um Governo Submisso e um Governo Altivo.Um governo que entregou o País,para priveligiar amigos e afins e ,um Governo que resgatou, a vida dos miseráveis.Por isso vc continua sendo necessário e legítimo,na vida do Povo Brasileiro.

Responder

Donizeti - SP

24 de outubro de 2012 às 09h24

Esse judiciário conservador representando pelo atual STF vai conseguir a proeza de, em pleno regime democrático e Estado de Direito produzir ” presos políticos “, que outra coisa não serão Genoíno, Zé Dirceu e Delúbio se forem presos devido as penas aplicadas nesse julgamento de exceção determinado pela elite midiática do país.

De onde menos se espera é que vem o golpe, o STF sinaliza com essa decisão estapafúrdia que está pronto para respaldar uma tentativa de “golpe branco a lá Paraguai” das forças reacionárias e entreguistas do Brasil, essa é a leitura que faço deste triste momento que vivemos.

A direita não sabe perder no jogo democrático, eles só gostam de “brincar de democracia e eleições livres” quando eles estão ganhando, então posam de “magnânimos democratas”, mas quando são seguidamente rejeitados pelo povo como neste momento da história apelam para a ignorância e a força bruta, esse é o DNA da direita troglodita brasileira, o gene é golpista desde sempre.

Genoíno, se acaso ler esses comentários, lhe manifesto minha total solidariedade, acredito na sua inocencia e na sua luta, fui seu aluno de história do Brasil no cursinho pré-vestibular do antigo Equipe Vestibulares, que ficava no Metrô Vergueiro no ano de 1977.

No final daquele ano consegui entrar no curso de Direito da USP, Largo de São Francisco, sendo o primeiro de uma família de 10 irmãos, filhos de um casal de agricultores, no interior de São Paulo, que conseguiu fazer um curso superior e hoje advogo na capital.

Meu pai e minha mãe tinham apenas o curso primário completo, represento a história de milhões de brasileiros da minha geração e sei da importância da sua luta, que tambémm veio do interior pobre do nordeste para lutar pelo povo brasileiro nesta grande cidade que é São Paulo.

Na época do cursinho pré-vestibular não sabia que voce era um guerrilheiro recém-libertado pela ditadura, ninguem imaginaria isso, voce era um rapaz muito magro e calmo, não dava para imaginar o que voce tinha acabado de passar nas masmorras da ditadura, esse mesmo regime que essa imprensa venal que hoje comemora sua injusta condenação pediu, apoiou, foi a porta-vóz (rede globo) e até emprestou seus carros (Folha) para transportar presos políticos para serem torturados !

A luta continua Genoíno, estamos do mesmo lado nessa trincheira pela justiça verdadeira e não essa de encomenda que está sendo aplicada contra voce e seus companheiros Zé Dirceu e Delúbio.

Responder

    Mário SF Alves

    24 de outubro de 2012 às 19h14

    É lindo o seu depoimento. Que a sorte lhe sorria sempre. Que o mérito nunca lhe falte. Vida longa, companheiro. Vida longa.

francisco.latorre

24 de outubro de 2012 às 08h42

homenagem aos recalcados.

aos biliosos.

que encontram prazer na tortura. de um homem digno.

repito. que encontram prazer na tortura de um homem.

prazer na tortura. de um homem.

..
..

os da servidão. voluntária.

comemoram.

a condenação. dos heróis.

..

homens livres. heróis.

incomodam. perturbam.

a bovina paz. dos conformistas.

..

glória. aos heróis.

..
..

boi manso. vira hamburger.

conformismo. é impotência.

daí o ódio aos heróis.

o homem livre. por existir.

condena acusa denuncia.

a covardia. dos escravos.

que. recalcados. se vingam. da humilhação.

// reich. freud. e adler. explicam.

..

viver é possível.

construir o mundo.

..

aos que odeiam tanto a liberdade..

eu diria. sejam felizes.

difícil. sem coragem.. impossível.

..

desprezo. profundo.

aos bois. mansos.

aos da servidão. voluntária.

..

glória. aos heróis.

..

Responder

Fabio Passos

24 de outubro de 2012 às 07h27

A história de José Genoino enche de orgulho os brasileiros.
Um herói responsável por grandes vitórias da população contra seus opressores.

Esta condenação sem provas, por um tribunal de exceção, é apenas mais uma covardia dos donos do poder contra um representante da classe trabalhadora.

A admiração por José Genoino só aumenta na medida em que é perseguido pelos cães de guarda da “elite” branca e rica.

Responder

    razumikhin

    24 de outubro de 2012 às 08h05

    Tu é racista.

    Willian

    24 de outubro de 2012 às 08h38

    Foi condenado por 9 x 1. Até o Toffoli votou pela condenação. Caso encerrado.

Bonifa

24 de outubro de 2012 às 02h41

Hoje já existem elementos conhecidos que podem sustentar sem qualquer sombra de dúvida que o mensalão original, aquele de Valério e do PSDB em Minas, foi muito maior, envolveu muito, mas muito mais dinheiro que o caso do PT e foi muito mais ousado, já que uma quantidade enorme de dinheiro tinha origem diretamente em cofres públicos. Esta verdade conhecida, desautoriza inteiramente os espasmos de indignação e espanto dos ministros do Supremo no Processo 470. Isso porque deveria ser considerado impossível que tais autoridades da justiça nacional desconheçam, ou afirmem que não sabiam de nada, acerca desse rumoroso caso de corrupção, anterior ao do PT e que a mídia teima em esconder do povo brasileiro. Mas não é possível para qualquer cidadão admitir que o STF, sabendo que a mídia tem partido e interesse político, só se proponha a julgar e de forma tão contundente, aquilo que a mídia política brasileira deseja que seja julgado.

Responder

    Fabio Passos

    24 de outubro de 2012 às 07h29

    Os golpistas togados do stf são apenas bonecos do PiG e dos donos do poder.

    razumikhin

    24 de outubro de 2012 às 08h06

    Mas, o Tofóle e o Lwandowski não, certo?

    Bonifa

    24 de outubro de 2012 às 09h33

    A comentarista da Globo Regina Lo Prete está chamando os honrados ministros Gilmar Mendes, Marco Aurélio, Celso de Melo e Joaquim Barbosa de “Núcleo duro” do STF. Lewandowski e Tofolli não fazem parte deste tal “Núcleo duro”. Ela deve saber do que está a dizer.

Rodrigo Mello

24 de outubro de 2012 às 01h49

Esperar o quê de seres sem CARATER? Ele deveria nesse momento se calar, e pedir pra sair, mas ainda continua mamando na teta do Governo. Aliás, gostaria de saber: O que realmente esse individuo faz no Ministério da defesa, já que faz parte de uma QUADRILHA?

Responder

    Bonifa

    24 de outubro de 2012 às 09h35

    Os militares têm admiração por Genoino. Vá discutir com eles.

    Rodrigo Mello

    24 de outubro de 2012 às 13h53

    Isso pode até ser, mas com certeza ele não tem o mesmo préstimo. E isso só confirma a falta de caráter dele.

Gil Rocha

24 de outubro de 2012 às 00h42

É por isso que a política no Brasil está
como está.
Um político é condenado pela maior corte do
país por corrupção, e ainda é homenageado como
se fosse herói.
É isso que dá quando um partido e um político,
é considerado mais importante do que o país que
se vive.
O Brasil sempre foi o país do oba oba político,
espero que isso comece a mudar…

Responder

    razumikhin

    24 de outubro de 2012 às 08h06

    Mandou bem.

    Marcos

    24 de outubro de 2012 às 15h47

    “Um político é condenado pela maior corte do país e ainda é homenageado como se fosse herói”.
    Primeiramente, o grande José Genoino foi condenado por uma corte de lambe-botas, sabujos do PIG, que se comportou claramente como um tribunal de exceção. O STF virou um verdadeiro palco de palhaços togados.
    José Genoino não está sendo homenageado como se fosse herói. Por tudo que ele fez pelo nosso país, ele é realmente um herói, como também são heróis José Dirceu e Lula, entre outros.
    Ser condenado por uma corte de lambe-botas do PIG, covardes, reacionários, inescrupulosos, amantes dos holofotes de uma mídia golpista e reacionária, chega a ser até uma honra.
    Não tenho o menor respeito por juizinhos de m…
    Para mim, quem deveria ser julgado e condenado por mau-caratismo, por hipocrisia, cinismo, vaidade excessiva, parcialidade e partidarismo escancarados, até mesmo por ódio ideológico, são esses palhaços togados.

A bela entrevista de José Genoino « Marcos Aurélio

23 de outubro de 2012 às 23h48

[…] por Marina Dias (Do Terra Magazine, via Blog do Azenha, aqui) […]

Responder

Rodrigo Leme

23 de outubro de 2012 às 23h15

O que o Genoino faz Maluf já fez muito melhor. É a indignação contra a justiça de quem foi pego.

A única diferença é que não fez o que fez para enriquecer. Mas até aí, ninguém o acusou de apropriação indébita.

Responder

    razumikhin

    24 de outubro de 2012 às 08h08

    Jus esperneandis.

Mário Alves: O Jornal Nacional, em êxtase com as condenações do mensalão « Viomundo – O que você não vê na mídia

23 de outubro de 2012 às 22h30

[…] Genoino: “O que fiz pelo PT foi legítimo e necessário” […]

Responder

Fabio Passos

23 de outubro de 2012 às 22h25

“Falei que não iria me curvar. Não tenho riquezas nem patrimônio, mas vou para o risco do combate, dentro dos princípios democráticos. A democracia que está aí não é produto de uma sentença. Aliás, ela foi regada com muita guerra, luta, sangue, mortes, greves e barricadas.”

Toda solidariedade a José Genoino, herói do povo brasileiro, condenado por golpistas togados a serviço da Casa Grande.

Responder

    Gil Rocha

    24 de outubro de 2012 às 00h52

    Que povo brasileiro o que, herói dos
    petistas, não do povo brasileiro.

    Bonifa

    24 de outubro de 2012 às 09h37

    Herói da Pátria. Você jamais saberá o que significa isso.

    francisco.latorre

    24 de outubro de 2012 às 16h18

    herói.

    pra quem pode.

    ..

ricardo natal

23 de outubro de 2012 às 22h06

Sei que depois da tempestade vem a bonança. Seremos sempre duros sem jamais perder a ternura.

Responder

    Mário SF Alves

    24 de outubro de 2012 às 18h27

    Tem gente que acha que pode condenar e tripudiar sobre a história de um político como Genoino. É até possível que apenas não condenassem o capo da Alemanha nazista. Mas, não deve ser por mal. Imagino. Talvez, quem sabe, por excesso de confiança no poder de convencimento e constrangimento daqueles financistas, especuladores e vende pátrias, cuja ideologia anda pregada na testa, e onde se lê: “salve-se quem puder!!!; farinha pouca meu pirão primeiro!; povo? qual povo???”

cassio

23 de outubro de 2012 às 21h50

Genoino, o meu filho saberá quem foi você!

Responder

    Willian

    23 de outubro de 2012 às 22h37

    O meu também.

    razumikhin

    24 de outubro de 2012 às 08h09

    O meu também.

    Rodrigo Leme

    23 de outubro de 2012 às 23h14

    O meu também, até para saber como não ser.

    Marcos

    24 de outubro de 2012 às 00h28

    Rodrigo e William, vocês vão ter que melhorar muito como seres humanos para alcançarem a honradez, a dignidade do José Genoino. Ridículos seus comentários, como sempre.

    Gil Rocha

    24 de outubro de 2012 às 00h35

    Eu não vou ter filhos, mas se teria
    também eles iriam saber quem foi Genoino.
    Um político condenado pela maior corte do
    Pais.
    Fim de papo.

    Aline C Pavia

    24 de outubro de 2012 às 01h13

    Willian Rodrigo e Gil também condenariam Mandela, Malcolm X, Gandhi e Martin Luther King.

    Rodrigo Mello

    24 de outubro de 2012 às 14h05

    Aline, comparar qualquer um desses com Genoíno, é um afronte. Talvez se quizer torna alguem do partido de MÁRTIR, poderia citar CELSO DANIEL, TONINHO DO PT, que esses sim, lutaram contra um “SISTEMA”.

    francisco.latorre

    24 de outubro de 2012 às 15h15

    aline. liga não.

    isso é tudo boi manso.

    covardes impotentes. conformados.

    normatizados normalizados.

    cães de guarda.

    ignorantes voluntários.

    ..

    se há heróis. no mundo..

    oh..

    vergonha aos bois. mansos.

    ora figurinhas.

    recolham-se. à insignificância.

    ..

    pra vocês.

    ignorantes voluntários. bois mansos. servos.

    desprezo. olímpico.

    ..

    Rodrigo Mello

    24 de outubro de 2012 às 01h54

    gostaria apenas de saber onde seu filho vai estudar, para o meu não correr o risco de conhecer o seu.

Jair Orichio Junior

23 de outubro de 2012 às 21h45

Tenho falado para os meus filhos, que têm 18 e 22 anos o seguinte: Eles não têm a menor idéia do que é viver sem liberdade democrática.
Se a sociedade organizada não se rebelar contra os donos da mídia, já, já teremos uma inquisição feita por VEJA, JN, Folha de São Paulo, Estadão etc…

Responder

    Rodrigo Mello

    24 de outubro de 2012 às 01h59

    Não seja por isso, JAIR. Já que admira tanto esse modelo Democrático, pague uma viagem à seus filhos para CUBA. Assim eles terão uma idéia de como seria o BRASIL se não tivesse essa imprensa.

    razumikhin

    24 de outubro de 2012 às 08h11

    E, em breve, uma viagem à Venezuela de Chavez, ou à Argentina de Cristina. Que melda!

    Bonifa

    24 de outubro de 2012 às 09h44

    Tudo deve ter um limite. Vocês, ou seria apenas um, de variados nomes eslavos, estão abusando. Apenas alguém autorizado por lideranças de uma direita sem cérebro teria tamanho despudor. Daqui para frente, terão sempre o troco merecido, toda vez que tentarem atrapalhar o blog para tentar confundir a cabeça das pessoas mais simples.

Diniz

23 de outubro de 2012 às 21h42

A edição de hoje do JN fez dobradinha com a campanha do Serra. Foi a edição MAIS CRIMINOSA que eu já vi. Foram 30 minutos ininterruptos falando do mensalão. A GLOBO é useira e vezeira em cometer crimes contra o PT. Lembram-se da edição do debate Collor x Lula feita pelo JN ? E a fraude da bolinha de papel para tentar livrar a cara do teatro armado pelo Serra ? Agora, a pergunta é : A GLOBO FAZ TUDO ISTO DE GRAÇA ? COM QUE DINHEIRO OS TUCANOS PAGAM ESTAS MANIPULAÇÕES NA MÍDIA ? COM O DINHEIRO ROUBADO DAS PRIVATIZAÇÕES, QUE FORAM DA ORDEM DE R$ 200 BILHÕES ? LEI DE MEIOS JÁ !! CADEIA PARA A QUADRILHA DA MÍDIA !! Contra este massacre midiático, este linchamento vergonhoso e cruel praticado contra o PT, votarei 13. Votarei HADDAD !!

Responder

Messias Franca de Macedo

23 de outubro de 2012 às 21h32

A SOLIDARIEDADE IRRESTRITA PELO MERECIMENTO!

… O pouco de conhecimento que o matuto tem da história do Brasil e, principalmente, pela intuição, creio na honestidade, seriedade, denodo cívico e sensibilidade social do honrado e valoroso brasileiro José Genoíno Guimarães Neto (Quixeramobim, Ceará, 3 de maio de 1946)…

… EM TEMPO: Prezado e digno José Genoino, a história, em muito breve, resgatará a sua honra e dignidade, que ‘os porcos’ tentaram assacar, covardes mequetrefes “que desprezam as próprias ignorâncias!”, lembrando o enunciado lapidar do eminente e humanista escritor uruguaio Eduardo Galeano.

… A luta continua! Hasta la Victoria Siempre!

(Já dizia a minha saudosa e sábia avó: “‘Meu fi’ nada ‘mió’ do que um dia que ‘assucede’ o outro!” Sábias palavras!…)

Felicidades! E pode contar com todos nós verdadeiros brasileiros, para o que der e vier, às ruas se preciso for!…

BRASIL NAÇÃO – em homenagem ao egrégio, humanista e impávido brasileiro José Genoino ‘da Pátria Brasil’!

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

    josias

    23 de outubro de 2012 às 22h42

    A SUA HONRA JAMAIS SERÁ ABALADA POR ALGUNS QUE SE ACHAM INTELECTUAIS,MAS ESTÃO AFIM DE OUTRO GOLPE.

Milena

23 de outubro de 2012 às 21h27

A PRESSA DE JOAQUIM BARBOSA

O ministro-relator Joaquim Barbosa finaliza sessão de julgamento do mensalão no STF. “Neste ritmo, nós não terminaremos este julgamento este ano”, disse quando a ministra Cármen Lúcia sugeriu que terminassem a votação da pena pelo crime de corrupção ativa do réu Marcos Valério nesta quarta-feira (24).

O Barbosa está com pressa. Ele sabe que a eleição é domingo. Ele não vai mais viajar para a Alemanha?

Responder

francisco.latorre

23 de outubro de 2012 às 21h18

tamo junto.

..

Responder

    josias

    23 de outubro de 2012 às 22h33

    temos que da um golpe na globo cancelando tv sky que tal.todos que for pro pt?. será um bom glope. A M A N H A.

    Mário SF Alves

    24 de outubro de 2012 às 19h11

    Faz todo sentido. Mesmo porque, pra eu ver GloebellsNews, alguém teria de me pagar. Não, pagar, não! Alguém teria de me hospitalizar. Um kilobyte daquilo e já me causaria indigestão mental. É dose pra leão. Leão capado. Não serve nem como fonte de investigação científica.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding