VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Altamiro Borges: Chega de esperar a democratização da mídia pelo governo Dilma!


10/11/2012 - 17h15

por Altamiro Borges, em seu blog

Se depender do governo, o Brasil nunca terá uma legislação democrática sobre os meios de comunicação. Não há qualquer sinal de que a presidente Dilma esteja disposta a enfrentar os barões da mídia. Pelo contrário. Na 15ª Conferência Internacional Anticorrupção, realizada nesta semana em Brasília, ela repetiu: “Como já disse várias vezes, eu estou convencida de que mesmo quando há exageros, e nós sabemos que eles existem, é sempre preferível o ruído da imprensa livre ao silêncio tumular das ditaduras”. Pura platitude!

Governo teme enfrentar os barões da mídia

A presidenta insiste em confundir liberdade de expressão com liberdade dos monopólios midiáticos. Pior: por razões pragmáticas, ela finge desconhecer que esta mesma mídia, que hoje comente “exageros”, apoiou o golpe militar e o “silêncio tumular da ditadura”. A democratização dos meios de comunicação, com uma regulação que garanta maior diversidade e pluralidade informativas, é o que poderia garantir a verdadeira liberdade de expressão e uma “imprensa livre”. Mas a presidenta teme tocar no vespeiro.

Neste sentido, não adianta criticar apenas o Ministério das Comunicações e o seu titular, Paulo Bernardo. Ele segue ordens! Não é para menos que o projeto sobre o novo marco regulatório do setor, elaborado pelo ex-ministro Franklin Martins no final do governo Lula, foi enterrado. Até mesmo a tímida proposta de uma consulta democrática à sociedade sobre o tema foi arquivada nas gavetas do Palácio do Planalto. Em setembro, o ministro confessou que “a consulta não vai sair já”. Deveria ser mais sincero: ela não vai sair!

Veja aplaude a presidenta

O governo atual não reuniu convicção e coragem para enfrentar a mídia – a mesma que promove diariamente uma campanha de cerco e aniquilamento do governo e das forças de esquerda.

Lógico que o discurso desta semana agradou os barões da mídia. A revista Veja até aproveitou para dar mais uma estocada na “cúpula stalinista” do PT. No artigo “Recado aos liberticidas”, ela festejou o discurso de Dilma, que “contraria petistas e mensaleiros inconformados com a condenação no Supremo Tribunal Federal”.

Para Bob Civita, que até hoje não foi convocado para explicar as suas ligações com a máfia de Carlinhos Cachoeira, a defesa da “liberdade de imprensa” veio em ótima hora. A revista lembra que o presidente do PT, Rui Falcão, “anunciou como prioridade para o próximo ano convencer o governo a apoiar o projeto que visa submeter a imprensa livre a constrangimentos ideológicos”. Ela rotula Lula e o ex-ministro José Dirceu de “liberticidas” e afirma que “o objetivo da falconaria petista é a instituição da censura no Brasil”.

Milhares de assinaturas no país

Ou seja: a revista elogia Dilma e ataca seu partido e as forças que dão sustentação ao seu governo. Mesmo assim, a ficha não cai e o governo repete o discurso enfadonho do “controle remoto” ou da “imprensa livre”. A conclusão é óbvia. Não dá para esperar qualquer atitude deste governo no rumo da democratização deste setor estratégico. Neste sentido, o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) acertou, ao lançar neste ano, a campanha “Para expressar a liberdade”, que exige a regulação da mídia.

Passadas as eleições, ela precisa agora ganhar as ruas. Os movimentos sociais, principais vítimas da mídia patronal, são os maiores interessados nesta batalha. Esta demanda é transversal e afeta todas as lutas dos trabalhadores.

Para ter êxito, a campanha dependerá de intensa mobilização que ajude a alterar a correlação de forças na sociedade e a intensificar a pressão sobre o governo. Neste sentido, talvez seja o momento de defender um projeto legislativo de iniciativa popular sobre o tema. A coleta de milhares de assinaturas no país ajudaria na mobilização e conscientização da sociedade. Não dá para mais esperar qualquer iniciativa do atual governo!

Leia também:

AJD: Gabinete criminal de crise do TJ/SP viola o Estado de Direito e tem de ser revogado

O peso do concreto nas eleições de SP

Patrick Mariano: Decisão do ministro Joaquim Barbosa viola a Constituição e as leis vigentes

Guilherme Varella: Você, internauta, sob dupla ameaça

Nem sempre é o que parece

Mark Weisbrot: Obama convenceu que Romney e os republicanos se importam bem mais com os ricos

Walter Maierovitch: PCC assume status de Máfia brasileira

A SIP e a democracia elitizada e excludente

José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolutismo real”





163 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Advogado argentino: Imprensa não deve temer regulação do Estado « Viomundo – O que você não vê na mídia

28 de novembro de 2012 às 13h17

[…] Altamiro Borges: Chega de esperar a democratização da mídia pelo governo Dilma! […]

Responder

La Fontaine

28 de novembro de 2012 às 12h23

Maria Dirce Cordeiro, Roberto Locatelli e outros expressam opiniões bastante sensatas. Não cabe ao Governo a iniciativa de propor a regulamentação da mídia e as razões são perfeitamente compreensíveis. A regulamentação não deve ser “outorgada”, deve ser a manifestação de um desejo do povo.
Sendo assim, o desejável seria a iniciativa nascer no poder que representa o povo, ou seja, no Congresso Nacional onde se encontram os representantes eleitos pelo povo. Contudo, se esse Congresso não tem vontade ou mostra-se incompetente para essa tarefa, que o povo tome em suas mãos a iniciativa.
Ao trabalho, então!

Responder

paulo roberto

24 de novembro de 2012 às 13h55

Apoio e sou voluntário para colher assinaturas. Quando começamos?

Responder

simas

20 de novembro de 2012 às 09h04

O fato é o seguinte:
O PT tem o poder, federal; porém não tem a força política, das instituições, como um todo…
Certo q a força eleitoral do Partido cresce, à cada eleição. Tudo bem; não com a rapidez, necessária e suficiente (suficiente), pra contrabalançar o poderio da elite, dominante, encastelada nas instituições.
Dá nojo, a ousadia da Corte Maior – inclusive, mesclada com negritude do Seu Barbosa, a vilipendiar sobre a massa da Sociedade, sobre a inteligência nacional.
O fato de a oposição política inexistir, obriga a imprensa, oligopolizada, assumir seu lugar. Se, antes, pautavam a política; agora, fazem política, descaradamente… Dai, a revolta, maior, na sensibilidade a massa.
O atual quadro mostra, claramente, q não existe alternativa, qual não seja, eliminar esse entrave à democracia. Pq as organizações, mafiosas, globo chantageiam o Governo Federal e, este, não vê qq contrapartida na Justiça.
Parece q estamos na margem de uma elasticidade, pra o Executivo.
Urge, portanto, uma ação política, de massa – ora, se não houve um golpe, até o momento, desde a eleição do Pres Lula, foi por força do poder das ruas, da massa popular. Q se use esse matriz democrática.
Já vimos q a Lei da Ficha Limpa vingou; mto embora, a forcinha, contra, do Supremo – não poderia ser diferente. Vamos à ação.
Basta de conversa e vamos agir, antes q a casa caia. E vai cair – está, aê, o caso do tal do mensalão do PT.
Gente: essa atitude não está ao alcance da Presidência e do PT, sem uma fissura, definitiva, igual à 64.
Se observarmos, temos um trunfo, significativo: o falcão está incinerado; ainda não renasceu das cinzas, de tão atrapalhado no Oriente Médio, com o sofrimento Palestino e a determinação do Irã – eita, gente briosa…
Eu quero ver!

Responder

    Gerson Magalhães Brasil

    22 de novembro de 2012 às 15h46

    Muito bem Simas. Vamos começar agora. Temos inúmeras entidades da sociedade civil que poderão iniciar. É uma luta de todos os brasileiros.

SMM

18 de novembro de 2012 às 19h48

Caneta na mão! Não podemos perder mais tempo. A Dilma não pode tomar qualquer iniciativa neste sentido.

Responder

Rogerio

18 de novembro de 2012 às 00h42

Onde eu assino?

Responder

José Mário Comini

16 de novembro de 2012 às 11h41

Esta campanha já está é atrasada! Vamos logo. Uma sugestão, vamos contactar com as Rádios Comunitárias que sofrem tanto com sua legislação mediócre, e fazer uma parceria com elas por todos os cantos no sentido de divulgar a campanha e até mesmo coletar assinaturas.

Aqui na minha cidade estamos a disposição.
Rádio Uai FM
Raul Soares – MG

Responder

Luciano Baia

15 de novembro de 2012 às 18h16

Essa é a cara do PT ! Um bando de covardes. Na hora de fazer o que deve ser feito, eles se apequenam em discurso pequeno burguês como a Dilma tem, muito bem mostrado ! Já dizia o Velho de Guerra Brizola: O PT é a esquerda que a direita adora !

Responder

Getulio

15 de novembro de 2012 às 18h12

Está ficando tarde para que se tome as ruas um projeto de democratização da imprensa, pois os meios de comunicação a serviço da ditadura das poucas famílias midiáticas estão transformando gerações de brasileiros em alienados dóceis. Quase todos os temem como se fossem deuses do Olimpo. E a baixa qualidade do seu produto dá pena, mas os senhores barões midiáticos reinam diante dos fracos. Até quando haveremos de suportar?

Responder

pina

14 de novembro de 2012 às 15h41

o problema esta na incapacidade da esquerda criar mídias de apelo popular…

o negócio é se juntar com o Bispo mesmo, e fazer com que a record cresça e assim possa competir com a globo. Unica saída a curto prazo,,

sobre o governo Dilma não ha nada a comentar, um dos piores da história, todos os ministros de peso do governo Lula foram tirados por esse desgoverno de centrão.

daqui um dia a Dilma vira candidata oficial da “veja”, não duvidem disso.

Responder

Jayme Vasconcellos Soares

14 de novembro de 2012 às 09h26

A democratização da mídia é para Dilma um ato antidemocrático; pois então ela aguarde a consecução do golpe da direita, que assim entregará o resto do País, das empresas brasileiras, como a PETROBRÁS, ao império capitalista neoliberal. As empresa norte-americanas, e outras aves de rapina alienígenas neoliberais, estão só aguardando este desfecho, para dominar toda a nossa economia, covardemente entregue por um governo incompetente

Responder

Jayme Vasconcellos Soares

14 de novembro de 2012 às 09h08

Dilma é covarde ou neoliberal; ela está entregue à mídia que serve aos interesses do imperialismo norte-americano; ela está se lixando para as necessidades dos cidadãos brasileiros. Os brasileiros que a elegeram como esperança de melhores dias, estão sendo traídos. Mas nas eleições para presidente, em 2014, eles saberão reprová-la!

Responder

Fabio Martins

12 de novembro de 2012 às 18h15

Unir. Aglutinar. Mobilizar. Somar.Multiplicar coletividades. Nos mais diversos campos de trabalho, públicos particulares, da vida de cada brasileiro/brasileira. Urge faze-lo. Coletar assinaturas. E escancara-las ao Público. E simultaneamente, entrega-las à autoridade máxima do Poder Executivo Federal. Tem de haver regulação sobre abusos x usos na liberdade de imprensa e de expressão. Ontem, num relance, ao ultrapassar o canal sob assinatura fechada, aquele do plim-plim, que sempre evito ver, notei sob a logomarca, uma tremenda propaganda, contra normas em relação aos centros midiáticos. Algo laudatório da “liberdade de expressão”. (A deles é óbvio).

Responder

BACAMARTE

12 de novembro de 2012 às 14h44

A proposta do Franklin Martins já deve ter evaporado, após anos dos gluteos do Paulo Bernardo em cima.
Portanto, do governo, não esperem nada!

Responder

Martinelli

12 de novembro de 2012 às 12h10

Até que enfim caiu a ficha. Depois da ficha limpa, a mídia limpa.

Responder

    Ligia Malta

    14 de novembro de 2012 às 07h51

    Otima palavra de ordem “DEPOIS DA FICHA LIMPA A MIDIA LIMPA!”

denis dias ferreira

12 de novembro de 2012 às 12h01

Insisto: devemos ocupar o espaço real e público. Temos que sair às ruas para o corpo a corpo. Ficarmos colados apenas à telinha do computador, como até agora aconteceu, é improducente. Precisamos sair do mundo virtual e nos materializar no mundo real. Só assim e então o movimento deixará de ser uma ficção e adquirirá um caráter concreto e uma amplitude popular. Uma outra coisa: com a composição atual do Congresso Nacional, esqueçam que uma nova Lei de Meios seria aprovada, mesmo com o povo nas ruas pressionando os congressistas. Portanto, defender, neste instante, um projeto legislativo de iniciativa “popular” sobre o tema, será uma atitude desastrosa. Antes da coleta das assinaturas, seria mais sensato partirmos, primeiramente, para uma ampla campanha de desmoralização da grande mídia.

Responder

    assalariado.

    12 de novembro de 2012 às 12h30

    Denis Dias, realmente, não da para quebrar o consciente coletivo manipulado pela midia burguesa que está enraizado nos cerebros das massas, sem antes, mostrar as suas contradiçoes. Este tipo de material é o que os blogs ‘sujos’ mais tem. Sim, mãos a obra! De que forma?

    Abraços.

vinicius

12 de novembro de 2012 às 11h41

Tenho discordado da forma como o Altamiro Borges aborda o tema de regulação da mídia.
Concordo com a necessidade de regulamentação e penso que o tema terá que ter apoio popular, o que torna a iniciativa de coletar assinaturas de apoio fundamental.
Discordo quando ele afirma que não há interesse do atual governo em colocar o tema da pauta de discussão.

A leitura do post me levou a conhecer a palavra PLATITUDE (http://simplesmente.com/2006/04/09/um-vicio-pelo-nome-platitude/).

Ao ler a definição da palavra platitude, pecebi que a posição da presidente Dilma não é de platitude. Ao contrário, é de uma pessoa que lida com temas diversos e que precisa tomar decisões seguras para não cair em artimanhas da mídia e de políticos oportunistas.

Responder

JC Tavares

12 de novembro de 2012 às 11h24

Fiz um comentário favorável ao movimento,na quinta-feira, ficou aguardando moderação e não foi publicado. Gostaria de saber desse Blog, qual o motivo???????????

Responder

    Conceição Lemes

    12 de novembro de 2012 às 12h05

    JC, nenhum comentário seu foi vetado. Por favor, mande-o de novo. abs

Chomsky

12 de novembro de 2012 às 11h09

Qualquer tipo de ataque à grande mídia deve ser precedido de uma total desmoralização dessas empresas; sim, uma campanha de desmoralização. Pode-se começar pela ligação entre a Veja e o crime organizado. Temos de colocar nesses termos. Divulgar o histórico de golpes e tentativas de golpe de Estado q foram patrocinados por esses meliantes. Sem uma ampla informação sobre essas empresas golpistas, ninguém vai entender nada. Vão pensar q é pura reação ao mensalão. E a organização dessa luta não pode ser feita informando os fascínoras sobre o q se vai fazer, antecipando cada passo da batalha.

Responder

    denis dias ferreira

    12 de novembro de 2012 às 11h30

    Desmoralizar a grande mídia é um passo fundamental.

mariazinha

12 de novembro de 2012 às 10h16

“Exelente a iniciativa da campanha pela democratização das comunicações. A esquerda não pode mais se manter a reboque de um governo centrista e vacilante. Vamos à luta!”[Locatelli]
Que é isto, Locatelli! Esse discurso de esquerda radical esta fora de moda. Somos, pelo que acompanho na blogosfera, ‘progressistas’. Nada de radicalismos pois este, não leva a nada; a história comprova. O movimento progressista requer inteligência, constância e união. Nada de violência, nem baderna.

Responder

    assalariado.

    12 de novembro de 2012 às 12h46

    Mariazinha, da para voce explicar aonde o internauta Locatelli chamou o povo para ‘violencia’. E sobre aquele comentario que fiz para voce. Vou repetir: Quando o PT era dos trabalhadores a burguesia capitalista e seus capatazes chamavam o PT de radical. Agora voce faz a mesma coisa, isso não é contraditório para quem se acha progressista?

    Abraços Revolucionários.

Mario José Costa

12 de novembro de 2012 às 08h14

Mande-me urgente esta lista. Assino e colho assinaturas.

Responder

Marcelo de Matos

12 de novembro de 2012 às 07h31

O PIG ataca de novo: segundo o blog do Fernando Rodrigues: “Mais escândalos no mundo da política, novos e velhos. Um novo que deve repercutir nos próximos dias envolve a Secretaria de Comunicação Social da Presidência. A “Folha” publicou no domingo que o órgão pagou R$ 135,6 mil por publicidade em jornais que não existem. O escândalo velho que volta à tona refere-se aos desvios de dinheiro do Ministério do Esporte. A lógica do escândalo é a mesma que derrubou o então ministro Orlando Silva em 2011: uma ONG e laranjas usados para fazer rombo no programa Segundo Tempo, cerca de R$ 4 milhões desta vez, segundo publicado pelo jornal “O Estado de S. Paulo”. O atual ministro, Aldo Rebelo, terá que explicar por que auditorias não localizaram o suposto desvio”.

Responder

ricardo silveira

12 de novembro de 2012 às 02h19

Não é possível que o governo não esteja vendo que a ausência de uma lei de meios impede o exercício da cidadania. Se é possível governar mesmo com o monopólio da mídia golpista, o exercício da democracia é impensável sem democratização da informação, e, portanto,do espaço público. Se isso não interessa ao governo, este governo está começando a não interessar para a cidadania.

Responder

Julio Silveira

11 de novembro de 2012 às 22h07

Taí uma verdade a muito sabida mas tardiamente reconhecida. E isso prova como pode se errar quando se quer acreditar e investir numa má fé.
Mas louvo que algo tão importante comece a ser “descoberto”, o que pode levar a uma guinada no imobilismo que faz a cumplicidade pela boa vontade quase eterna.

Responder

José Carlos Araújo

11 de novembro de 2012 às 22h06

O PIG tem que ser atacado pelo bolso…
O PT e o povo Brasileiro tem que pressionar o Governo para Alterar a Divisão das Verbas de Publicidade do Governo e das Estatais como também Rever as Concessões das Comunicações e da Energia Elétrica.

Responder

Nestor Calazans

11 de novembro de 2012 às 21h52

Acredito que seja exatamente isto que o governo queira que seja feito: mobilização social. Os políticos (incluídos os do executivo)serão trucidados pela mídia monopolizadora se tentarem ir de encontro a este monopólio. Suicídio político. Sem contar com a “tropa de choque” que existe no congresso para defender os interesses dessas famílias dominadoras da comunicação no país. Mas, uma mobilização popular esclarecedora e arregimentadora, dará respaldo àqueles que estão nas duas casas legislativas para apoiarem o projeto de iniciativa popular. Um por cento do eleitorado, cinco estados, três décimos por cento… Art. 13 e parágrafos da CF. Onde eu assino?

Responder

    mariazinha

    12 de novembro de 2012 às 10h09

    Belas palavras, Calazans. É este, o foco. Nós, podemos ataca-los. Juntos, somos uma força descomunal mas é imprescindível focar nossos atos e ficarmos conscientes de que não podemos extrapolar nessa força. Deverão ser passos inteligentes, uma marcação diuturna que os deixe estupefatos e desnorteados. Saudações democráticas

mineiro

11 de novembro de 2012 às 21h46

partido do pt covarde que um dia eu admirei. mas ainda continuo a votar no pt so para pres. porque apesar de ser um partido covarde , medroso, omisso e infelizmente faz acordo com a mafia midiatica, que um dia vai jogar o pt na lama. mas ainda é a saida para o povo brasileiro,mas voces do pt nao fique iludido com essa midia golpista nao , porque o objetivo deles e derrubar os governos progressitas que estao no poder. e a pres.medrosa, covarde e que morre de medo da midia golpista e nao mexe uma palha a favor da lei de medyos, que nao se ilude nao, porque o alvo depois do ex.pres.lula , é com certeza ela. entao pres. que voce nao jante com os golpistas , que nao vai ao programas deles nao , porque eles nao ta nem ai. cabe ao povo , os movimentos sociais ,sindicais,mst , os blogs dar uma sacudia nisso,temos que nos unir. tem que haver uma campanha forte unindo todos. para que isso mobilize o pt morto tucano,e todos os partidos da base aliada covarde e a pres. ai eles nao vao ter saida. so assim pra acontecer alguma coisa. caso contrario é conversa fiada e muito fiada.

Responder

Bonifa

11 de novembro de 2012 às 21h42

A Inglaterra vai fazer uma Lei de Médios severíssima. A Justiça (lá tem) chegou à conclusão de que é preciso rédeas curtas para jornais e outros meios, que não poderão mais manipular informação, em nome de liberdade de expressão.

Responder

    Mário SF Alves

    13 de novembro de 2012 às 19h37

    Inglaterra… a Inglaterra tem história. Lembra que apesar da Tatcher, o cowboy de saias e mãe da privatização neoliberal, aquele País se manteve longe da ideia da moeda única? Será por quê?

    Roberto Ferreira

    19 de novembro de 2012 às 19h13

    Quanta cretinice… Então vai morar lá pra ser confundido com terrorista árabe e levar um tiuro na cabeça.

Araújo

11 de novembro de 2012 às 21h01

A frouxura de Lula e agora de Dilma chegou ao limite.

Responder

denis dias ferreira

11 de novembro de 2012 às 20h40

Será que temos alguma chance de vencer essa batalha? Se sofrêssemos uma derrota, quais seriam as consequências? Antes de partirmos para a luta deveríamos avaliar, em primeiro lugar, se este é o momento adequado pra deflagarmos tal processo de luta. O povo brasileiro ainda está à margem das discussões. É preciso ampliar o debate. Ele ainda está restrito a um número muito pequeno de cidadãos. Precisamos ganhar não somente o mundo virtual, mas também as praças públicas e envolver toda a sociedade nas discussões. Não se fazem grandes avanços em questões tão delicadas como esta, com meia-dúzia de gatos pingados, voluntariosos e suicidas. Neste momento,a Dilma não tem força nem poder para, se entrar numa batalha dessa, derrotar o PIG. A Globo sozinha é muito mais poderosa que a ocupante atual do Palácio do Planalto. Não sejamos tolos e irresponsáveis. Dotar o país de uma nova legislação que crie novas regras para um setor tão sensível e vital para a vida do país, como é o caso do setor da comunicação social e da produção e distribuição de informações exigirá um grande trabalho de conscientização e envolvimento da nossa população. No curto prazo isso não é possível. Devemos iniciar tal tarefa já, mas sem colocar os bois adiante das carroças, como pretendem os mais afoitos. O sucesso de uma empreitada como essa dependerá de uma sucessão de ações bem planejadas, bem articuladas e bem executadas com paciência, sabedoria e perseverança.

Responder

Bernardino

11 de novembro de 2012 às 20h24

D MARIAZINHA vai jogar confete em aviao que é melhor.de todos que lutaram contra a Ditadura militar so respeito LAMARCA e MARIGHELA que empumharam armas.Todos que estao na politica hoje ja viraram a CAsaca inclusive o patife Ze Dirceu,pau mandado do Milionario Mexicano CArlos Slim donno da nossa EMBRATEL.Vivi a ditadura Militar e conheço todo esses que ai estao.
Sou contra o julgmento arbitrario do dito mensalao por esse STF fajutoporem
o processo tinha que ser desmembrado para outras instancias e aí sim se faria mais justiça.Quanto ao meu comentario acima continuo firme a dizer
nossas esquerdas sao frouxas sim e alemn de frouxas tambem alguns corruptos!!

Responder

    Mário SF Alves

    13 de novembro de 2012 às 20h29

    Desculpe-me, Bernardino. Mas, convenhamos, o PC do B pegou em armas. O Araguaia é testemunha. O Brizola, dizem, apoio um movimento do gênero no Caparaó (ES/MG). E daí, resultou no quê? É essa a melhor estratégia para a superação da injustiça/desiguladade/atraso/subdesenvolvimento brasileiros? Adiantou no quê aquele discurso inflado e constrangedor do Zé Serra na Central do Brasil? É isso que você preconizaria para os dias de hoje?
    _____________________________________

    A meu ver estamos numa contingência que cada vez mais nos exige capacidade de aliar engenharia política com pressão popular. A mídia corporativa antidemocrática tem de prestar contas à Constituição Federal. E isso tem a ver com o povo. E isso nós temos de cobrar. Tem a ver com a consolidação da democracia. Assim que entendo.

    _____________________________________________
    Aceite meu forte e cordial abraço.
    __________________________________

    Democracia sempre; ainda que em sonho, ainda que utópica.

denis dias ferreira

11 de novembro de 2012 às 20h01

Estamos, apressadamente, interpretando mal as palavras da presidenta. Ela disse que prefere uma imprensa livre, e não que a imprensa no Brasil é livre.

Responder

    Mário SF Alves

    13 de novembro de 2012 às 20h31

    Então? Não estamos indo com sede demais ao pote?

Luis Fernando

11 de novembro de 2012 às 19h55

Eu acredito na honestidade e nas boas intenções da presidenta Dilma.
O problema, é que nós esquecemos que a Lei de Regulação da mídia, que já está na Constituição, tem que ser aprovada pelo Congresso.
E nós sabemos como é o parlamento brasileiro. Sob pressão, eles se vendem.
São dezenas de deputados e senadores acomunados com esse sistema tirânico da mídia em nosso país.
E Dilma com certeza, sabe da dificuldade de aprovar no Congresso essa lei. E fica parecendo que é ela que não quer.
Por isso que acho uma idéia muito boa a assinatura de milhares de brasileiros para exigir do Congresso que faça a regulamentação da lei de imprensa, pois se depender de nossos queridos congressistas, o PIG reinará por muitos e muitos anos.

Responder

    Helena

    28 de novembro de 2012 às 21h24

    Concordo com você. O PT não está governando sozinho. O caminho é trabalharmos por mais cadeiras na Câmara e Senado. Por enquanto, fica parecendo que o PT não se mexe.

Marciano Macedo

11 de novembro de 2012 às 19h52

Estou esperando pelo momento em que teremos a oprtunidade de mostrar a “esses mafiosos”da mídia golpista, a força do povo Brasileiro. É humilhante assistir a tantos desmandos por parte dos tranvestidos da comunicação no Brasil. Assino com muito orgulho tal iniciativa. Para o Bem da Nação!!!!

Responder

assalariado.

11 de novembro de 2012 às 19h38

Até agora são 88 comentários/ respostas. A dicussão está muito inteligente. A questão é: como viabilizar, reunir uma “bancada” de internautas para avançar estas propostas.

1) Locatelli, realmente teremos que sair do discurso e começarmos a praticar o que corre de noticias nos blogs ‘sujos’. Como avisar o povo, digo, as massas.

2) Abel, esta petição é um bom começo, não podemos, nestas altura do golpe, dispensar nenhuma alternativa de mobilização popular.

3) Mario SF, tenho uma noticia ruim para te passar. Desde quando filiação partidária é sinonimo de politização. Esta fase do PT, entre outros esquerdista, infelizmente, ficou para traz. De repente pode -se recomeçar filiações e ao mesmo tempo, acompanhado de politização, porque não? Sou fruto disto.

4) Marcus, esquece este papo de salvador da patria, o que vai nos salvar será fruto de nossa mobilização popular com os blocos nas ruas. Como construir isso?

5) Apolônio, da forma que coloca seu comentário teremos que nos organizar no sentido de derrubar a hegemonia do capital lá no congresso nacional. Somos 75% do povo entre assalariados, aliados politicos e tantos mais de explorados pela burguesia capitalista, do campo e da cidade. Ou seja, o que falta mesmo é, socializar os debates dos blogs ‘sujos’, junto ao povo, para fazer contrapé ao PIG. O lavador de cerebros da multidões. E agora?

6) Claudio, as leis das midias é, e será, o calcanhar de aquiles neste enfrentamento politico ideologico contra o capital e seus soldados (hoje, nada invisiveis), dentro do Estado burgues.

7) Pedro Cruz, começemos então a puxar mobilizações. Por favor faça uma proposta concreta. Ajude!

8) Euler, estou de acordo. Construir revista/ jornal do campo popular, só que, demanda tempo, dinheiro, mão de obra para distribuição, publico alvo, e tals, …

9) Dalva Maria, vou mais longe. Teremos que nos articular com os campos progressistas nos seus vários niveis. Seja, partidos das esquerdas, igrejas progressistas e tals, … Na pratica com se daria?

10) Marcelo de Matos, sem essa de rotular (Psol), o oponente Locatelli que, como eu, acho que mesmo dentro do marco capitalista não devemos nos acomodar. Claro, sem esquecermos da hegemonia do capital, neste momento, dentro do congresso. E porque não dizer, nas instituições de Estado no geral. O STF, que o diga.

11) Jose Ricardo Romero, sim, estar no poder, é diferente de ser poder. Precisamos construir nossa hegemonia politica e necessária para sairmos do colo do capital lá no Estado e seus bate paus. Mesmo com juiz deles, regras deles, campo deles e tals, … Como fazermos este trabalho nas bases sociais?

12) J Souza, quando foi, desde o surgimento da imprensa, que ela agiu apoliticamente?

13) Assalariado comenta: Não tenho duvidas, quanto mais cedo os blogs/ comentaristas ‘sujos’ nos articularmos para, como afirma e reafirma o internauta Locatelli, colocarmos, na pratica politica, isto é, (conscientização pragmática?) espalharmos nossas sementes (ideias), no seio da sociedade, mais estaremos acordando as massas do jugo do capital e os seus, travestidos de Estado de Direito. Uma coisa é certa, pela minha pouca experiencia na luta, esta obra terá que ser construidas por centenas de mãos.

— Espero ter contribuido para o amadurecimento de um trabalho, na base da sociedade, para num momento desses, caminharmos juntos, a nivel de Brasil. O que fazer?

Com respeitos, a todas e todos.

Responder

    Abel

    11 de novembro de 2012 às 20h59

    Valeu! Penso que uma entidade reconhecida como o Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé seria a melhor opção para coordenar esse trabalho de mobilização popular.

    Mário SF Alves

    14 de novembro de 2012 às 02h13

    Pensando bem, não foi tão ruim assim, vejamos:
    _________________________________________________________
    “Mario SF, tenho uma noticia ruim para te passar. Desde quando filiação partidária é sinonimo de politização. Esta fase do PT, entre outros esquerdista, infelizmente, ficou para traz. De repente pode -se recomeçar filiações e ao mesmo tempo, acompanhado de politização, porque não? Sou fruto disto.”
    _______________________________________
    Primeiro: o PiG não é partido, o PiG é MiG, é movimento, e, pior, movimento clandestino.
    ________________________________________________

    Segundo: Se não há dúvida de que o capitalismo corrompe, imagine o poder de corrupção que o capitalismo brasileiro exerce sobre os três poderes. Imagine ainda a intensidade de pressão exercida na corrupção do legislativo. Imagine a situação do PT, por exemplo. Quantos ali já não se venderam? Quantos ali não foram inoculados pela mosca azul?
    ___________________________________________________________
    Terceiro: Ainda assim, qual é o partido mais odiado pela direita (pseudodemocratica) brasileira? E tanto ódio é devido a quê? Por isso a sugestão de uma campanha nacional de filiação partidária. É a um só tempo resposta ao linchamento político que acabamos de assistir, e estratégia de blindar o PT contra ataques ainda mais cruéis.
    _____________________________________________________________________

    Quarto: E desde quando um partido político tem a obrigação de concorrer a cargos eletivos e automaticamente se sujeitar à pressão dos corruptores e/ou ter parte de seus membros seduzidos pela mosca azul?
    ______________________
    Quinto: O que impede que a efetiva politização do Brasil se dê através de um partido (ou movimento) que possa surgir daqui?
    _________________________________________
    Saudações democráticas. Democracia sempre, ainda que em sonho, ainda que utópica. Valeu companheiro.

Leonardo Câmara

11 de novembro de 2012 às 19h17

Tá certo o Altamiro, o caminho é esse mesmo, esses covardes que estão à testa deste governo conservador só sabem falar grosso com trabalhador, com patrão falam fininho.

Responder

Leonardo Câmara

11 de novembro de 2012 às 19h12

Que imprensa Dilma, ficou maluca? Não existe imprensa no Brasil, existem empresas. Aliás, empresas de traficância de notícias falsas e distorcidas.

Responder

    mariazinha

    11 de novembro de 2012 às 19h38

    O respeito com a presidenta deveria ser preservado; Se esse senhor leonardo câmara estiver à frente de qqer. movimento, este não vingará. É nitidamente, um infiltrado para melar as proposições sérias e as alternativas justas dos progressistas de boa vontade.

    Abel

    11 de novembro de 2012 às 22h36

    É um dos pitbulls do Graeff, cuidado!

    assalariado.

    12 de novembro de 2012 às 08h05

    Aviso aos navegantes Mariazinha e Abel, sem essa de falso moralismo pelo fato de Leonardo Camara ter usado uma palavra, digamos, forte, ao se dirigir à dona Dilma. Sr. Abel, vamos aos argumentos, raramente vejo o meu oponente como um pitbul. Aliás, quando o Leonardo se refere a imprensa porta voz da burguesia capitalista, ele não erra em sua posição politica ideologica dizendo que: “Não existe imprensa no Brasil, existem empresas.” Então separemos o joio do trigo.

    Abraços Sinceros.

Maria Dirce

11 de novembro de 2012 às 19h00

Mas a Dilma quer é isso mesmo, que o movimento venha debaixo pra cima.Enqto ela diz isso, pq nem deveria ser diferente, por uma pessoa que foi amordaçada em todos os sentidos na Ditadura, ela quer movimentos populares que peçam uma mídia equilibrada e justa, e não 5 famílias que tomaram posse do Brasil.Vamos agir!Imagine a Dilma fazendo a lei da mídia, o que eles não vou falar dela e do Pt!!Nós os lezados pela mídia prostituída que temos que nos organizar e pedir o direito legítimo de saber o que realmente acontece no Brasil, por Jornais imparciais e não partidos políticos que é o que são!!!!

Responder

    mariazinha

    11 de novembro de 2012 às 19h41

    É isto, Maria Dirce. Alguns se aproveitam das nossas reivindicações para soltarem o lado traidor e a favor da oposição.

    Mário SF Alves

    13 de novembro de 2012 às 20h50

    Não há como não concordar. Lembro o que disse o Assalariado agora há pouco, a partir da reflexão do Leonardo: “Não existe imprensa no Brasil, existem empresas.” Então separemos o joio do trigo.

    _______________________
    A propósito, a palavra de ordem, quase um grito de guerra a seguir foi você quem deu:

    “Belas palavras, Calazans. É este, o foco. Nós, podemos ataca-los. Juntos, somos uma força descomunal mas é imprescindível focar nossos atos e ficarmos conscientes de que não podemos extrapolar nessa força. Deverão ser passos inteligentes, uma marcação diuturna que os deixe estupefatos e desnorteados. Saudações democráticas”

Rose PE

11 de novembro de 2012 às 18h33

Ótima iniciativa! Já que a Presidente DILMA não tem coragem de enfrentar os barões da mídia. Sou a favor dessa iniciativa e que ela se concretize.

Responder

Augusto Pinheiro

11 de novembro de 2012 às 17h59

Onde é que eu assino?

Responder

emerson57

11 de novembro de 2012 às 17h41

fazer leis não é prerrogativa do poder executivo.
nem do judiciário.
agora mesmo, em brasília, existem 594 deputados e senadores que são regiamente pagos para fazer leis.
é gente que foi eleita para isso.
a minha esperança é que o deputado tiririca (sp) o faça.

Responder

Galo Depenado Pelo Apito

11 de novembro de 2012 às 16h36

Diretor da ‘BBC’ renuncia após notícia falsa de pedofilia
10/11/12 às 19h34

O diretor-geral da emissora pública britânica BBC, George Entwistle, renunciou ao cargo neste sábado, após um escândalo provocado pela veiculação de uma notícia falsa de que um ex-político havia abusado sexualmente de um adolescente. “Eu decidi que o mais honrável a fazer é renunciar”, disse Entwistle em um pronunciamento. Na semana passada, a emissora veiculou informações de que o ex-tesoureiro do Partido Conservador britânico Alistair McAlpine era acusado de molestar um jovem em um abrigo para menores nos anos 70 e 80.

Entwistle, que assumiu o cargo em setembro passado, disse que tomou a decisão “à luz do fato de que o diretor-geral é também o editor e, finalmente, responsável por todo o conteúdo”. “Os eventos excepcionais das últimas semanas levaram-me a concluir que a BBC precisa nomear um novo líder”, acrescentou. “Ser o diretor-geral da BBC, mesmo por um curto período, e nas condições mais exigentes, foi uma grande honra”, afirmou.

O jornalista já havia pedido desculpas à própria equipe e afirmado que não sabia com antecedência sobre a reportagem do programa Newsnight que gerou o escândalo. Na sexta-feira, a BBC emitiu um pedido de desculpas oficial.

O programa de televisão Newsnight havia transmitido uma entrevista na qual um homem alegava ter sido abusado sexualmente por uma figura do Partido Conservador quando morava em uma casa para jovens nos anos 1970. A BBC não havia identificado este político em seu programa na semana passada, mas o nome do ex-tesoureiro Alistair McAlpine circulou amplamente nas redes sociais como o suspeito do abuso.

McAlpine denunciou essas alegações “totalmente falsas e gravemente difamatórias”. “Jamais fui a qualquer lar para jovens”, disse Alistair McAlpine nesta semana. Já a suposta vítima, Steve Messham, ex-presidente da Bryn Estyn, um lar para jovens no País de Gales, afirmou na sexta-feira que McAlpine não era seu agressor e que estava enganado quanto à sua identidade.

Com informações da BBC e da AFP.

Responder

Rimavicar

11 de novembro de 2012 às 16h18

Apoio o comentário de Roberto Locatelli,”A questão não é eleitoral. A questão é de luta. A democratização das comunicações será uma conquista do movimento social, e não uma dádiva do governo Dilma.
Essa luta terá, certamente, participação dos setores mais à esquerda dentro do PT.”

Onde é que assino?/Onde vai ser o ato…?

Responder

Rimavicar

11 de novembro de 2012 às 16h00

HA HA HA! Sindrome de Estocolmo é boa… Mas concordo com Silvio Barreto Campello “Qual o programa de ação política? Onde se encontra o projeto de Franklin Martins e o que deve avançar nele? Já existe um bom grau de concordância entre os atores sociais?”

Onde é que eu assino? Onde vai ser o ato pro Regulação?

Responder

Roberval

11 de novembro de 2012 às 15h54

Afinal, aonde está a coragem desse governo em promover alguma mudança que traga benefícios para o conjunto da sociedade?

É preciso coragem e compromisso com a sociedade. Mas isso esse governo não tem.

Trata-se de um governo de centro-direita alinhado com grande parte dos interesses conservadores e reacionários da sociedade brasileira.

É um governo alinhado com os ruralistas,
É um governo alinhado com os banqueiros e todo sistema financeiro especulativo.
É um governo alinhado com os empresários da mídia, apesar de ser atacado por eles,
É um governo alinhado com os interesses imperialistas internacionais,

Enfim, é preciso deixar de crer que seja um governo de centro-esquerda só porque o PT já foi um partido de esquerda e a presidenta sofreu as atrocidades do regime militar.

Hoje tanto o PT quanto a presidenta são alinhados ou minimamente contribuem para os projetos daqueles que foram e continuam sendo seus algozes. Oxalá a psicologia possa explicar essa aparente contradição.

Responder

    mariazinha

    11 de novembro de 2012 às 18h27

    Não adianta Roberval. VC não vai conseguir enxovalhar o governo popular brasileiro; a maioria dos brasileiros só elegeu LULA/DILMA por não serEM radicaIS como vc. Se o BRASIL de LULA/DILMA dependessem da esquerda irada, estaríamos perdidos!!! Nunca teriam ganho as eleições. Vê se toma tento.

    assalariado.

    11 de novembro de 2012 às 19h53

    Mariazinha, quando o PT era dos trabalhadores, a burguesia capitalista e seus capatazes, também chamavam o PT de radicais. Que contradição é esta? Explique se!

    Abraços Fraternos.

Eugenio C. Rebelo

11 de novembro de 2012 às 14h59

Presidenta Dilma, chega desta estória de “controle remoto”.
Vamos partir para o “domínio dos fatos”.

Responder

Urbano

11 de novembro de 2012 às 14h42

Embora sabendo onde estava o busilis, eu carreguei as minhas críticas no hibernardo, a quem eu peço oitenta por cento de desculpas sobre o caso. Os vinte por cento que restaram fica por conta da sua falta de independência e de ser apenas um pau-mandado.

Responder

Yacov

11 de novembro de 2012 às 12h39

Os babacas da Casa Grande vão poder continuar falando o que bem entendem, Regulamentação da mídia não é controle de conteúdo, e até mesmo se “coligando” para detonar o governo, só que com o fim da propriedade privada, teremos mais atores na comunicação e eles não terão vários bunkers poderosos controlando todas as mídias como na globo, na abril, na FSP, no estadão,etc, para fuzilar o governo, além do que com a intervenção de vários atores a formação da opinião não fica a cargo de meia dúzia de mequetrefes quinta-coluna ridículos e atrasados. PORRA, DILMA!!! LEI DE MIDIAS, JÀ!!!

“O BRASIL PARA TODOS não passa na gloeBBBels – O que passa na gloeBBBels é um partido para TOLOS”

Responder

KARLO BRIGANTE

11 de novembro de 2012 às 12h36

Esse Altamiro leu meus pensamentos!!! Sempre comentei com meus amigos que o Paulo SONECA é um subordinado da Casa Civil,chefiada pela esposa que é funcionária da Presidenta.Por tanto, se dependermos do Soneca, da Gleisi e Dilma…

Responder

Raimundo

11 de novembro de 2012 às 12h27

Do jeito que esta é melhor que o PIG faça logo seu registro como partido politico oficaial e lance em 2014 Luciano Huck para presidente da Republica.

Responder

    Mário SF Alves

    11 de novembro de 2012 às 17h10

    Verdade. E por que esse bunker não faz logo isso? Estupradores da Constituição é o que são.

Yacov

11 de novembro de 2012 às 12h23

DEMORÔ!! Aonde é que eu assino??? Que partidinho BUNDÂO que se tornou o PT, véi… É de doer… Será que esses ‘cornos’ conseguiram cooptar a DILMA também???? Que passa DILMA???? LEI DE MÍDIAS, JÀ!!!

“O BRASIL PARA TODOS não passa na gloeBBBels – O que passa na gloeBBBels é um partido para TOLOS”

Responder

J Souza

11 de novembro de 2012 às 12h00

A imprensa brasileira não está fazendo jornalismo, e sim política, da mais rasteira e suja que existe, difamando os adversários.

Responder

    J Souza

    11 de novembro de 2012 às 13h00

    Por que no Brasil os políticos são tão covardes em relação aos crimes políticos cometidos pelos barões da mídia?
    A mídia golpista deveria denunciada nos TREs e no TSE, já que seus crimes políticos influenciam os resultados das eleições.

mariazinha

11 de novembro de 2012 às 11h50

Milvzs estar com D.DILMA, calma e tranquila do que ao lado de demônios como cia/ianque/sionista, temer, aócio, fhc, serra, azeredo, campos, ciros, cids, etc, etc. Se houver uma conflagração popular logo vão tirar D. DILMA. Quem tomará o lugar dela? Um destes? DEUS nos livre! Se quiserem apoio para qqer. coisa terão que ter consciência que será a favor de DILMA/LULA, para ajuda-los pois sabemos que governar esse país não é fácil. Não podem admitir penetras da oposição pois vão nos boicotar, desvirtuando a campanha para um insurreição contra DILMA. A nossa bronca é com a ‘PIGocracia’ tenhamos bastante consciência disto.
http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2012/11/11/stf-frauda-%E2%80%9Cdominio-do-fato%E2%80%9D-para-pegar-dirceu/

Responder

jaime

11 de novembro de 2012 às 11h29

Dilma poderia se passar por uma presidenta até razoável se não houvesse uma Cristina Kirchner para comparar.
Fundamental essa reforma da mídia, mais até do que uma reforma política e melhor ainda se for feita via movimento popular. Liberdade concedida não é liberdade.

Responder

Bernardino

11 de novembro de 2012 às 10h54

A ESquerda brasileira é a mais COVARDE da América Latina cuja causa é a Cultura Portuguesa recheada com CATolicismo.A D DILMA com sua frase:”prefiro o barulho da imprensa ao silencio da Ditadura” quer se contrapor ao Genial JOSEPH PULITZER;COM o tempo uma imprensa cinica,mercenaria,demagogica e corrupta formara um publico tao vil como ela mesma”.Na verdade a DDILMA foi infectada com o VIRUS do medo e é do tipo 2,altamente resistente à Coragem,mas tem VACINA na Argentina e Europa,porem ela se recusa a tomar.Vai se tornar um Joao GOULART de SAIAS,lembram do GOULART?tinha dois exercitos com ele e falou:Nao quero derramamento de Sangue,tipica COVARDIA POrtuguesa dele e do povo que nao reagiu!!Aliás tivemos dois covardes um atras do outro:O PINGUEIRO JANIO abandonou a Presidencia e o GOULART NAO reagiu ao Golpe
GRAnde MIRO!! a soluçao é essa emenda legistativa com assinaturas do povoa,apesar da bandidagem lesgislativa e aí se consguirmos derrotaremos a direitona,o PT E AS esquerdas frouxas e ate a Presidente e o LULA que fizeram corpo mole pra REGulamentar a MIDIA CANALHA!!!

Responder

    mariazinha

    11 de novembro de 2012 às 12h24

    Não concordo com o senhor. Nossas esquerdas são corajosas e inteligentes; sabem bem que não adianta enfrentar o demônio [cia/sionistas] de peito aberto. Estes, querem mesmo que façamos uma conflagração para tomarem nossas riquezas pois possuem a força das armas e dos traidores brasileiros e estão aqui, infiltrados. Esta aí o OM que não me deixa mentir. As esquerdas brasileiras representadas por DIRCEU/GENOINO/LULA/ DILMA, possuem suas histórias honrosas para desmentir o senhor. Duvido que possua a mínima coragem deles; nossa bronca é com ‘PIGocracia’!!!!! O governo popular brasileiro quer levar o BRASIL a consolidar nossa democracia, um governo eleito pela maioria do povo brasileiro, que os demônios querem nos solapar.

Chico Damasceno

11 de novembro de 2012 às 10h53

Apoio totalmente o “Para Expressar a Liberdade”. Em algum momento, o governo Dilma terá que manifestar-se claramente. Do contrário vai ficar cada vez mais difícil continuarmos apoiando e levando nossa militância para as ruas. Lei da mídia, já.

Responder

francisco niterói

11 de novembro de 2012 às 10h27

A Dilma, obviamente, tem muita culpa no cartorio, mas nao nos esqueçamos que a decisao é do Congresso.

Portanto, acho que deveriamos consultar todos os partidos da base aliada sobre o assunto. Tentarmos conhecer como está o debate no interior de cada um deles. No PT o rui falcao ja se manifestou diversas vezes.

Alguem sabe aí a posicao do PSB, por ex.? E o PMDB?

Isto é muito importante pois, como no caso dos royalties do petroleo para a educacao, o PT votou em bloco a favor e os partidos acima se dividiram, ou seja, se um deles tivessem fechado com o projeto o mesmo teria sido aprovado.

Ta na hora de separarmos o joio do trigo e eu estou cansado deste discurso “cobra PT” desacompanhado da informacao sobre os outros partidos. Nunca me esqueco a proposta do alckmin de privatuzar leitos do SUS e que obteve apoio integral do PSB.

Sera que o Temer, aliado da midia como vimos na questao da convocacao do policarpo, apoiaria o projeto?

O eduardo campos, o mais novo queridinho da midia, se oporia aos interesses de seus novos aliados?

Vamos conhecer os amigos e inimigos para saber com quem podemos contar.

Responder

    mariazinha

    11 de novembro de 2012 às 11h27

    É mesmo Francisco. Tempos bicudos esses! Não podemos confiar em ninguém, nem mesmo em D.DILMA? Meu medo é que gente infiltrada das oposições estejam por trás com informações absurdas, confundindo e mentindo para instalar o caos. A quem interessaria um país conturbado por crises, gente nas ruas fazendo badernas? Afinal estamos melhores que outros países ditos adiantados. Precisamos ter muita calma, nessa hora para não entrarmos no ‘jogo sujo’ da oposição/supremo/pig; eles sim, estão desesperados pois não conseguem mais pautar-nos nem eleger seus candidatos. Calma!

    Yacov

    11 de novembro de 2012 às 12h31

    Se 1 milhão de pessoas assinarem o documento eles terão de fazer a LEI DE MIDIAS de qualquer jeito, como foi com a Ficha Limpa. Esse negócio de ficar esperando e estudando quem está do nosso lado e quem não está,a correlaçãode forçase tal, é uma merda. Até hoje as reformas que o país precisa (agrária, política, eleitoral, fiscal, etc) não saem por causa desse nhém-nhém-nhém idiota e interminável. BASTA!!! O POVO tem que tomar as rédeas, já que falta CORAGEM aos dirigentes. LEI DE MÍDIAS, JÀ!!

    “O BRASIL PARA TODOS não passa na gloeBBBels – O que passa na gloeBBBels é um partido para TOLOS”

mariazinha

11 de novembro de 2012 às 10h14

Para aqueles que estão saudosos do Franklin Martins:
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=3PaxGbgNBSA

Responder

Rodrigo Carvalho

11 de novembro de 2012 às 09h37

Esse governo Dilma não agrada, muito medroso.

Responder

    Willian

    11 de novembro de 2012 às 10h15

    Um verdadeiro poste, né?

    francisco pereira neto

    11 de novembro de 2012 às 11h01

    Um poste que vai cair na sua cabeça ignorante.

    Mário SF Alves

    11 de novembro de 2012 às 10h50

    Rodrigo,

    Estamos num campo onde não existe lugar para crendices. Não dá pra ficar por aí nesse acredito ou nessa fé no Governo. Não é uma questão de fé. É ciência política.

    Att.,
    Mário.

    Mário SF Alves

    11 de novembro de 2012 às 11h17

    Ou melhor… é engenharia política.

    mariazinha

    11 de novembro de 2012 às 11h32

    Rodrigo: pode até parecer fácil mas não é. Governar o BRASIL exige sangue frio pois um passo em falso existem mil demônios que cairão em cima arrancando nossas almas. É preciso dar um passo de cada vez, sondando o terreno para não semos pegos desprevenidos. É necessário ter calma e não abandonar LULA/DILMA pois é isto que os demônios querem.

francisco niteróil

11 de novembro de 2012 às 09h36

Viomundo

A questao da regulacao está se espraiando na sociedade, só falta conseguirmos amalgamá-la, juntando os pedacos dispersos por aí.

Esta semana tive uma grata surpresa quando, no meu trabalho, um ambiente muito reacionario, dois colegas estavam conversando comigo e um deles, ao se referir a um problema com o qual estavamos lidando, assim se referiu-” ESTE MONOPOLIO DA GLOBO!” Foi a deixa para eu falar sobre a recente decisao da Suprema Corte americana reafirmando os empecilhos à propriedade cruzada.

A outra colega, com quem eu mais converso e portanto sei do seu pensamento anterior sobre “censura”, acrescentou fatos e, inclusive, acrescentou: “O JORNAL NACIONAL NA SEMANA DA ELEICAO FOI FLAGRANTEMENTE ILEGAL.”. O legal que isto ocorreu em um meio entre aqueles considerados “formador de opiniao”.

Confesso que estou de queixo caido ate agora.

Acho que poderíamos “ir de sola” na criacao de criterios tendentes a evitar a propriedade cruzada. Sugiro o que me parece constar do projeto do Franklin, ou seja, quando vencer a concessao, por ex., da radio globo aqui no rio, a tv globo do rio teria que optar entre um ou a outra. Decidindo pela TV, devera vender o radio. Nao acredito que tenhamos correlacao de forcas pra exigir uma venda com prazo em lei, como me parece que ocorreu na argentina.

Resumo: o assunto está mais maduro do que pensamos na sociedade. Estamos subestimando o clima que a globo, e a midia em geral, criou na sociedade ao tentar manipular claramente as mentes e coracoes.

Responder

    francisco niterói

    11 de novembro de 2012 às 09h41

    Em tempo: ao me referir a hipotetica escolha da globo entre a tv e radio aqui no RJ, falei que ela deveria vender um deles. O correto é, visto que a concessao do radio, por ex., venceu e a globo possui Tv, a concessao nao ser renovada e o governo faria uma nova licitacao onde concorreriam outras empresas que ja nao tivessem concessao de radio e tv aqui.

ulisses

11 de novembro de 2012 às 08h42

É para assinar? É só dizer onde! Estou dentro

Responder

José Ricardo Romero

11 de novembro de 2012 às 08h41

O problema do governo e do PT é que no fundo, eles nunca tiveram o poder. Governam, mas agendados e constrangidos por aqueles que realmente têm o poder. No Brasil as elites e o poder econômico não ganham eleições mas interferem de modo a no máximo, perder os anéis para não perder os dedos. Diante de tanta covardia do PT e do governo eles estão arregaçando as mangas. Dilma tem que entender que votos não confere poder. É preciso músculos. Aliás, os votos já estão escasseando.

Responder

MARINALVA

11 de novembro de 2012 às 08h35

Concordo com você, Altamiro. Não acho que a Dilma está acovardada, mas completamente equivocada. Ninguém quer tolher a liberdade de expressão, como apregoam os golpistas de todos os matizes, mas PULVERIZAR as informações. Não é possível que numa cidade como Fortaleza, por exemplo, com quase 2,5 milhões de habitantes, uma única família seja “dona” de duas emissoras de televisão e de rádios AM e FM e um jornal. E isso para não falar das dezenas de rádios e de pelo menos mais um canal de televisão entregues a políticoS profissinais que os usam como instrumento de propagaqnda para si e para os amigos. A constituição proíbe a existência de conglomerados desta natureza, e o que defendemos é que ela seja colocada na prática.

A concentração da informação favorece a corrupção, em vez de cobatê-la. É só atentar para o esquema fraudulento envolvendo a revista Veja, Policarpo Júnior sob ameaça da rede Globo (a Globo ameaça o governo de cometer todo o tipo de picaretagem caso o Civita seja convocado para prestar esclarecimento na CPI do Cachoeira). Para os jornais, o direito de resposta deve ser obrigatório (com o mesmo espaço e mesma visibilidade que a acusação), como defende o senador Roberto Requião.

Outra coisa: o governo deve a explicações a sociedade de como gasta as verbas publicitárias. Esse dinheiro sai do nosso bolso.

Nada mais do que se encontra na Constituição: esta foi a frase sugerida por Paulo Henrique Amorim com relação ao desenvolvimento de um marco regularório para as telecomunicações. E este deve ser o lema desse movimento que ora o Miro Texeira propõe que seja incampado pela sociedade.

Chega de tanto embuste, mentira, distorções, covardias agressões e de esconder a verdade. Chega de tanta picaretagem! Abaixo a ditadura da mídia!

Responder

Roberto Locatelli

11 de novembro de 2012 às 08h11

Do site do PHA:

“O ministro [Gilmar Mendes] afirmou que os ataques aos policiais que têm ocorrido em São Paulo ‘sugerem práticas que se aproximam muito de práticas terroristas’ e que devem ser vistos como uma ação política.”

Olhaí o coroné Gilmar Dantas insinuando que há “terroristas” matando PMs, e que é uma ação “política”. Golpe de estado em andamento.

o link: http://www.conversaafiada.com.br/politica/2012/11/10/gilmar-pendura-violencia-da-chuica-na-dilma/#comment-961008

Responder

Carbone

11 de novembro de 2012 às 08h00

Quando a Dilma foi na festa da Folha, eu estranhei, quando foi fazer omelete com Ana Maria Braga, achei Bizarro…eu já desconfiava a “ex guerrilheira” tem um certo afeto pelos seus augozes… Só pode ser “síndrome de Estocolmo”

Responder

    FrancoAtirador

    11 de novembro de 2012 às 09h38

    .
    .
    Por falar em festa de aniversário da Folha de S.Paulo,

    atentem para o testemunho do jornalista Paulo Nogueira,

    cujo pai trabalhou para os Frias na época da ‘ditabranda’.
    .
    .
    Memórias

    A Folha contra Cristina Kirchner

    Por Paulo Nogueira*, no Diário do Centro do Mundo

    Seria a presidenta argentina uma real ameaça à “mídia independente”, como afirma o jornal paulista?

    Vejo, na Folha, um ataque a Cristina Kirchner, presidenta da Argentina. Ela estaria, mais uma vez, ameaçando a “mídia independente”.

    Bem, vamos deixar claro. Ninguém é a favor de ameaças à “mídia independente”, assim como ninguém é a favor da miséria e do câncer.

    Mas de que independência a Folha está falando? Do governo? Certo: é importante. Vital. E, a rigor, a mais fácil: em democracias como a brasileira, você pode demonstrar coragem, aspas, facilmente com violentas críticas aos governantes.

    E a outra independência, a que o leitor não vê? Reportagens da Folha que tenham algum tipo de delicadeza financeira – que envolvam, por exemplo, um credor da empresa – estão longe de serem independentes.

    Dentro da Folha, elas são chamadas de “Operação Portugal”. Quem me contou foi o jornalista Nelson Blecher, que editou o caderno de Negócios da Folha. Quando havia reportagens complicadas, Nelson era um dos convocados para fazer as sempre bem-comportadas Operações Portugal. Nelas, o rabo da Folha estava devidamente preso, mas fora da vista do leitor.

    Há anos aprendi que a verdadeira independência editorial de uma publicação em regimes democráticos, a real prova de bravura e destemor, está não nas páginas de política – mas nos cadernos de economia.

    Repare a diferença no tom. Os artigos políticos são quase sempre contundentes. Rugem. As colunas de negócios são invariavelmente cor de rosa. Miam. Todas pertencem à mesma categoria da Operação Portugal.

    O que motivou a ira da Folha foi uma cláusula que o governo argentino pretende colocar numa nova lei para regular a mídia.

    Só para registrar: na Inglaterra está em marcha uma nova legislação para a mídia. O escândalo do tabloide News of the World, de Rupert Murdoch, precipitou um debate sobre quais são os limites da mídia. O NoW invadia caixas postais de milhares de pessoas para obter furos e, com isso, vender mais.

    Pode? Não. O que se viu na Inglaterra é que a auto-regulação da mídia simplesmente não funcionou. Interesses econômicos – vender mais, ter relevância a qualquer preço – podem se sobrepor aos interesses públicos. Empresas jornalísticas são negócios com fins lucrativos, e não instituições filantrópicas. Provavelmente o resultado será a formação de um órgão independente para fiscalizar a mídia britânica. Sem vínculo com o Estado, para evitar controle — mas atenção: igualmente sem vínculo com as próprias empresas, para evitar que em nome do interesse público, aspas, elas façam os horrores que vinham fazendo.

    Ninguém, na Inglaterra, ousou dizer que o que estava em curso era uma tentativa de “calar a mídia independente”. A mídia está subordinada à sociedade, e não acima dela. Não poucos notaram, na Inglaterra, o baixo nível de muitas publicações – que deseducam em vez de educar, com uma massa sinistra de fofocas de celebridades e fotos de beldades seminuas.

    No Brasil, a mídia não paga imposto no papel em que publica revistas de fofocas como Caras, Contigo e Quem, que fazem seus leitores crer que o importante é saber que ator de novela está saindo com que atriz.

    É o chamado “papel imune”, isento de imposto pelo caráter supostamente educativo da publicação. Faz sentido? Talvez para jornais e revistas sérios. Mas para tudo?

    O objeto específico do ataque da Folha a Cristina Kirchner é um trecho da nova legislação em que é afirmada a “questão de consciência”. É mais ou menos o seguinte: imagine que um jornalista receba uma ordem para escrever uma coisa que lhe cause repugnância. Ele poderia se recusar.

    Em situações normais, a “questão de consciência” seria supérflua. Os jornalistas poderiam trabalhar em jornais e revistas com os quais se sintam identificados. Na Inglaterra, um jornalista de esquerda vai trabalhar no Guardian. Um conservador, no Times de Murdoch.

    Mas e quando você tem uma brutal concentração de mídia como na Argentina? O grupo Clarín, fora o jornal do qual extraiu o nome, é dono de 240 emissoras de tv a cabo, 10 estações de rádio e quatro canais de televisão.

    Tenho uma história pessoal a contar, neste campo.

    Por coincidência, ela ocorreu na própria Folha.

    Em meados dos anos 1960, meu pai era editorialista da Folha.
    O Brasil vivia uma ditadura militar.
    Presos políticos iniciaram uma greve de fome em São Paulo.

    (!!!) O dono da Folha, Octavio Frias de Oliveira, mandou que meu pai escrevesse um editorial no qual fosse dito que não havia presos políticos. Todos eram presos comuns.

    Meu pai recusou.

    O editorial saiu, escrito por um grande jornalista que a cada dia passava por meu pai e dizia, aflito:
    “Emir, já são x dias. Minha mulher tem muitos amigos entre os grevistas.”

    Meu pai foi colocado na geladeira imediatamente por Frias.

    Jornalista, para servir ao interesse público, tem que ser mais que uma máquina de escrever o que o dono pensa.

    Não é o que julgava o jornalista Evandro Carlos de Andrade, que ganhou de Roberto Marinho o posto de editor do Globo com uma infame declaração de que era “papista”, um servo do Papa Roberto Marinho, mas é o que motiva qualquer profissional que veja mais que cifrões pela frente.

    Definitivamente, o ponto levantado por Cristina Kircher, o da “questão de consciência”, é mais complexo do que a Folha gostaria que fosse.

    *Paulo Nogueira é jornalista e está vivendo em Londres. Foi editor assistente da Veja, editor da Veja São Paulo, diretor de redação da Exame, diretor superintendente de uma unidade de negócios da Editora Abril e diretor editorial da Editora Globo.

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/?p=15520
    .
    .
    Com licença, que eu vou pegar o controle remoto e trocar de canal…
    .
    .

    FrancoAtirador

    11 de novembro de 2012 às 10h29

    .
    .
    Detalhe:

    A AGENDA DE WASHINGTON PARA A AMÉRICA DO SUL

    O Departamento de Estado dos EUA em Washington

    dá a ordem de comando para a SIP em Miami

    que cumpre a agenda ordenada, ponto a ponto:

    1) Derrubar Lugo no Paraguai;

    2) Derrotar Chavez na Venezuela;

    3) Condenar o PT no Brasil;

    4) Derrubar Cristina na Argentina;

    5) Afastar Lula, até 2014, no Brasil;

    6) Derrubar Dilma, até 2014, no Brasil…
    .
    .
    Com licença, que eu vou pegar o controle remoto e trocar de canal…
    .
    .

    simas

    20 de novembro de 2012 às 09h11

    Kakakakkkkk!… Joguei seu controle no lixo.
    Quer ver vc sair, dessa, agora.
    ( Eu meti minha cabeça num buraco, igual àquela… Não quero nem ver. Pra manter a respiração, melhor; passo nas bancas e olho as manchetes… Fico revigorado e torno a meter a cabeça no buraco )
    Vc quer o q? Q eu deixe o “seu” controle, à mão? Joguei o infeliz no lixo, da história…

Roberto Locatelli

11 de novembro de 2012 às 07h00

Dilma é a continuidade do governo Lula. Inclusive sua omissão perante a mídia golpista.

O golpe de estado está em andamento, capitaneado pelo PIG (Partido da Mídia Golpista).

O mandato de Dilma não pertence a ela, mas ao povo brasileiro. Por isso, é preciso que o movimento popular, os partidos de esquerda e as centrais sindicais se articulem.

Exelente a iniciativa da campanha. A esquerda não pode mais se manter a reboque de um governo centrista e vacilante.

Responder

    Marcelo de Matos

    11 de novembro de 2012 às 09h40

    Os psolistas e análogos têm grande dificuldade de entender a dinâmica do Estado capitalista. Escrevi Estado com maiúscula, embora a forma preferível seja com minúscula, com o objetivo de diferençá-lo de outras acepções da palavra: sou do estado de Alagoas; veja em que estado ficou meu boné; a água está em estado sólido, etc. Esse Estado é um conceito jurídico, uma abstração, ou ficção jurídica, que se materializa na pessoa de seus órgãos e seus agentes (Dilma, por exemplo). É produto de conflitos sociais em que uma classe se sobrepõe a outra. O Estado francês dos tempos de Robespierre, nascido sob o signo da guilhotina, era o produto da vitória da burguesia sobre a nobreza. “O Estado é responsável pela organização e pelo controle social, pois detém, segundo Max Weber, o monopólio da violência legítima”. No popular, o Estado tem dono. Esse dono não fica sentado em um trono sob luminoso vermelho de neon, que fica piscando – Estou aqui! Não tenham dúvida, porém, de que dono existe. Não será com uma penada da presidenta, mera gerente, que se mudarão suas regras.

    Roberto Locatelli

    11 de novembro de 2012 às 11h54

    Sim, o Estado tem dono. No entanto, mesmo dentro dos marcos do capitalismo, é possível avançar. Que o diga a Venezuela.

    Não dá pra Dilma dizer: “Ah, gente, eu sou só uma gerentona. Não tem como eu colocar uma Ley de Medios em discussão.” Tem sim.

    mariazinha

    11 de novembro de 2012 às 09h49

    Pois é Locatelli. Qdo. um petista pediu um aparte ao demoníaco do botox senador do psdb e cobrou-lhe dos mensaleiros da oposição azeredo e etc, simplesmente o caradepau disse que não conhecia nenhum oposicionista que tivesse alguma conta a pagar na justiça. Vejam como são petulantes, mentirosos e exímios na arte de roubar sem deixar rastros ajudados pelo pig&cia.
    http://glaucocortez.com/2012/09/19/senador-jorge-viana-faz-aparte-com-sagacidade-explica-o-mensalao-na-politica-brasileira-e-diz-que-pt-e-copia-mas-o-psdb-e-original/

    razumikhin

    14 de novembro de 2012 às 15h19

    Realmente, mariazinha. Precisamos aprender com esses do psdb a roubar sem deixar rastros. Do jeito que está não rola.. Mas, Dirceu é 10!

    Mário SF Alves

    11 de novembro de 2012 às 11h08

    Precisamos ter em conta que a democracia burguesa conquistada pelo Diretas Já inicia nos dando a Xuxa e se encerra com a morte da Hebe.

    ____________________________

    O resto, companheiro, o resto, o projeto “Brasil Um País de Todos” veio a contragosto, veio meio que na marra, veio como resultado de um paradoxo… veio com o Lula externamente sendo referência política mundial, e, internamente, considerado “anta” por um dos ícones daquele panfleto projetado contra tudo que nos possa conduzir à democracia de direito.

    Roberto Locatelli

    11 de novembro de 2012 às 11h57

    É possível construir a organização para o socialismo dentro da democracia burguesa, assim como a lagarta se transforma em borboleta dentro do casulo. Depois, na hora de voar, ela rompe o casulo.

    Então, a omissão de Dilma não pode usar, como desculpa, o fato de que estamos sob capitalismo. Que o digam a Venezuela e o Equador, por exemplo, que estão avançando na luta.

    Mário SF Alves

    11 de novembro de 2012 às 17h21

    Mas, aí, Roberto, voltamos à velha questão da tabula rasa. Voltamos à velha, surrada, simplista e certamente imprópria homogeneização política entre países. São realidades distintas. Essa comparação rasa – e o PiG faz isso muito bem – pode ser perigosa. Senão isso, no mínimo, uma praxis duvidosa, ou, diria, mesmo, pantanosa.

    maria olimpia

    11 de novembro de 2012 às 18h55

    Mário,
    Concordo plenamente com você.

laura

11 de novembro de 2012 às 05h53

Apoio a iniciativa, é o jeito.Podia ser encaminhada pela Barão de Itararé.

Responder

Dalva Maria

11 de novembro de 2012 às 03h08

Dilma deveria se espelhar em Cristina e não agir na contramão da militância e dos movimentos sociais. Ao defender a liberdade de imprensa DA DIREITA ela está legitimando essa vergonha, que tem sido o julgamento do PT. Meudeusdoceu é muito triste ver os poderes da República se curvando ao poder dos golpistas. Caramba, o PT foi o partido que mais teve voto mesmo com os bombardeios golpistas da mídia. A militância juntamente com os blogs sujos tem exercido um papel fundamental na condução desse governo e Dilma ao ficar de 4 pra essa mídia bandida pode estar comprometendo sua reeleição em 2014. E os parlamentares do PT? nunca vi tanta omissão num momento que o PT está sendo jogado na lata do lixo por um bando de golpistas além de acabar com a CPMI do cachoeira sem que Policarpo e Civitta tenha sido convocado. Sinceramente, eu to ficando cansada de defender quem quer continuar levando porrada.

Responder

    Mário SF Alves

    13 de novembro de 2012 às 18h40

    Prezada Maria Dalva,

    Entendo seu desconforto, mas, “se a aparência fosse a essência, companheira, quem precisaria de ciência”, não é?

    _________________

    A nos deixar conduzir por aí, “pela aparência de um PT apático”, dir-se-ia que na melhor das hipóteses o PT estaria com a síndrome daquele que acha que nasceu com a estrela na testa. Ou, isso, ou… o PT nunca existiu e jamais foi realmente nada além de um agrupamento de adolescentes com mania de grandeza.

    ___________________________

    E é por isso que estamos aqui. Muitos de nós acredita verdadeiramente que a caminhada se faz ao caminhar, e que, de fato, a aparência não a essência.

    ___________________________________________

    Elegemos a primeira mulher presidenta da história desse País. A nossa presidenta. Então? E não foi tarefa fácil. Penamos. A pressão fascista foi terrível (e continua sendo). Então? Qual o problema em continuarmos sob a liderança dela?

abolicionista

11 de novembro de 2012 às 02h33

Demorou, é isso o que está faltando. Vambora!

Responder

João-PR

11 de novembro de 2012 às 01h46

Posso ajudar aqui em minha cidade: tenho contatos na Universidade, e em movimentos sociais (também na Igreja Católica e Evangélicos).

Vamos para as ruas, fazer barraquinhas para coletar assinaturas. Vamos informar os cidadãos sobre o que é a Lei, e não o cidadão comum não se furtará a assinar a petição para uma Lei de Iniciativa Popular.

Responder

Marcos AC Lopes

11 de novembro de 2012 às 01h21

A situação do governo é muito delicada. Enfrentar essa imprensa golpista, poderosa e apoiada por forças ocultas (americanas)é um risco enorme para uma democracia ainda frágil como a nossa. Dilma pode ser facilmente derrubada por essas forças. Vejam o que está começando a acontecer na Argentina: muitas manifestações, no momento, contra o governo Kirchner. Justamente no momento em que o governo põe o Clarín contra o paredão.O certo é, no Brasil, o movimento partir do povo, dos diferentes grupos sociais. Sempre achei que a via certa era essa, sugerida agora por Altamiro Borges.Temos que nos organizar, denunciar a imprensa golpista, pressionar o governo, o congresso e exigir uma Ley de medios. Já estou de “caneta em punho”, pronto para assinar e apoiar qualquer projeto que possa democratizar a informação e promover a verdadeira liberdade de expressão, no nosso país.

Responder

    mariazinha

    11 de novembro de 2012 às 09h33

    Boas palavras, caro MARCOS. Imagine nós, diuturnamente, batendo no pig, desmascarando-os em cima da notícia? Seria a glória!

    Mário SF Alves

    13 de novembro de 2012 às 19h18

    É isso, Mariazinha. O nosso Governo está certo. Ele não tem de ser vanguarda de p… nenhuma. Somos nós. Somos nós que temos de agir na direção que pretendemos. E tenho certeza, uma vez que democraticamente (e inteligentemente) demonstremos nossa determinação, duvido que o Governo fosse continuar parecendo inerte. E não é só o Governo, não. Inclua aí, o PT, PSOL, o PSB e até o PSD.

    _________________________

    A CF nos garante um poder tremendo. É hora de usá-lo. Chega de infantilismo. Chega de esperar vanguardismo do nosso Governo. É um governo de estadistas, e não dava pra ser diferente.

Fabio Passos

11 de novembro de 2012 às 01h20

imprensa livre? O PiG?

Enquanto o governo banca o avestruz, um punhado de oligarcas decrépitos, apoiares e/ou filhotes da ditadura, mantém a sociedade brasileira refém de um monopólio da informação que é o sustentáculo do Apartheid Social no país.

Bem, se não há governo, resta a sociedade organizada lutar para por fim na vida mansa dos golpistas.

Responder

Rogerio

11 de novembro de 2012 às 00h26

Ficha limpa=iniciativa popular. Mostrou que o povo não é bobo. Agora lei das mídias. Façam a petição que eu assino.

Responder

    maria olimpia

    11 de novembro de 2012 às 18h53

    Eu também.

    Mário SF Alves

    13 de novembro de 2012 às 20h36

    Eu também.

Euler

11 de novembro de 2012 às 00h23

Concordo com o jornalista Altamiro Borges. Dilma e Lula não tiveram coragem de enfrentar a máfia midiática. Nem tampouco enfrentaram outros problemas estruturais, como a questão agrária, a questão da Educação básica, entre outros.

Por isso considero importante que grupos de jornalistas independentes e seus apoiadores tomem essa iniciativa, de democratização da mídia. É preciso quebrar esse vergonhoso monopólio da mídia, que representa justamente a negação da liberdade de imprensa. É um massacre diário aos movimentos sociais, às iniciativas populares dos governos um pouco mais comprometidos com os trabalhadores. Não é apenas o barulho dessa mídia golpista, que nada tem de “imprensa livre”, o que nos incomoda, mas a ausência de uma real alternativa no campo popular, com espaço para que os de baixo se manifestem livremente.

Ao lado da decisão de colher assinaturas para um projeto de iniciativa popular, seria importante também que iniciativas que materializassem a democratização da mídia se tornassem realidade. Como? Inicialmente pela Internet, através da formação, por exemplo, de um portal de notícias com os conteúdos dos blogs independentes e uma crítica diária ao noticiário da mídia. Esse portal em rede seria o embrião de uma publicação nacional (jornal ou revista) e de uma futura TV e rádio.

É preciso urgentemente criar uma alternativa popular de imprensa, como contraponto à mídia golpista, toda ela dominada pelos tucanos, pelas elites dominantes, enfim. Ninguém – que tenha o mínimo de consciência crítica – aguenta mais essa manipulação da mídia golpista e seus comentaristas amestrados e serviçais dos de cima. Até quando isso vai continuar assim?

Responder

mariazinha

10 de novembro de 2012 às 23h25

Podem contar comigo, estou nessa, em desagravo a LULA, Dirceu e Genoino. D. DILMA, se ficar bobeando, adulando o pig, será passada para trás e perderá a chance de reeleger-se.

Responder

denis dias ferreira

10 de novembro de 2012 às 22h50

Creio que a sociedade deve se organizar e mobilizar e pressionar aqueles que estão no Poder. Nós nunca seremos cidadãos de fato livres se neste país não houver uma imprensa verdadeiramente democrática. Liberdade não se dá, não se ganha, liberdade conquista-se com muita, mas muita luta mesmo. Abaixo a ditadura midiática!

Responder

Pedro Cruz

10 de novembro de 2012 às 22h45

Altamiro Borges, chega de esperar a democratização da mídia do governo Dilma. ENTÃO, VAMOS LÁ, COMECEMOS AS MOBILIZAÇÕES. Voce como presidente do Barão de Itararé, poderia começar a puxar. SÓ CRITICAR, tentar desconstruir o governo democrático, não leva a nada. Só falar não leva a nada. Comece, então, a puxar as mobilizações. Alias, já deveria ter começado. Presidente do Barão de Itararé e não dirige as mobilizações pela democratização da mídia. Estas esperando que alguem te dê de graça?? Seria mmuito mais facil, não é??? TIRE A BUNDA DA CADEIRA E COMECE A MOBILIZAÇÃO, PRESIDENTE DO BARÃO.

Responder

    Dalva Maria

    11 de novembro de 2012 às 13h28

    Credoemcruz….quem vc pensa que é pra vir aqui feito galo de terreiro? baixe a crista rapaz…

    mariazinha

    11 de novembro de 2012 às 19h50

    Não falei, DALVA? Todo cuidado é pouco com gente esquentada, infiltrada. Estão a fim é de melar o governo popular. Abração!

Marcia Noemia

10 de novembro de 2012 às 22h24

QUERO ASSINAR ESTA LISTA JÁ! EXPRESSAR A LIBERDADE JÁ!

Responder

FrancoAtirador

10 de novembro de 2012 às 22h01

.
.
Centrais sindicais, entidades estudantis e alguns movimentos sociais

estavam esperando a palavra de ordem do governo federal: Regulação.

Pelo visto, houve mesmo uma palavra de ordem, só que outra: MONOPÓLIO.
.
.
Há décadas que luto pela democratização dos órgãos de comunicação,

fundamentalmente do rádio e da televisão, que são concessões públicas.

Mas, diante dessa reiteração da presidente Dilma de que não vai agir,

eu afirmo: se houver, de fato, uma tentativa de golpe de estado,

o meu fuzil está descarregado, não há mais nada a falar ou fazer.

E esse golpe, se houver, certamente será televisionado dia e noite,

porém a minha arma será o controle remoto: Basta eu mudar de canal

ou desligar a TV, e ir escutar uma música, ler um livro ou fazer sexo.

Como dizia um personagem do gordo, quando ainda tinha alguma graça:

Eu tenho cara de palhaço, boca de palhaço, nariz de palhaço,

mas eu não sou palhaço, ESTÃO ME FAZENDO DE PALHAÇO!

Deu pra ti, Dilma!
.
.

Responder

Wendel

10 de novembro de 2012 às 22h01

Estou de olho na Dilma. Votei nela, mas estou esperando a decisão sobre a compra dos caças e tb a decisão sobre o projeto de Regulação da Mídia, à época do Franklin Martins.
Sobre a coleta de assinaturas, onde assino?

Responder

Cláudio

10 de novembro de 2012 às 21h56

Também acho que se deve começar a se movimentar nesse sentido, de se buscar a regulação da mídia no Brasil, não entendendo o porquê de isso não ter ao menos vindo à mais ampla discussão pública até agora (incluindo o próprio governo). Parece óbvio que as autoridades públicas não se manifestarão a não ser que haja algo, ao menos um princípio de movimentação pública, uma iniciativa popular para as ações com vistas a conter a ditadura midiática instalada no país. Que se divulgue amplamente onde assinar e como participar dessa campanha democratizadora da comunicação no Brasil e se comece isso logo, pois não há mais tempo a se perder.

Responder

Apolônio

10 de novembro de 2012 às 21h49

Não adianta ficar culpando a presidente, por não colocar a regulação da mídia em um projeto e enviar ao congresso. Qualquer projeto de lei que ela mandar nesse sentido, não vai passar. Terá uma forte reação da mídia para cima dela e dos congressistas. Ela pode inclusive tumultuar seu governo com uma coisas dessas. Dilma não é ingênua e sabe disso. Só para pensarmos, há muito tempo a distribuição das riquesas do pré sal está no congresso e há uma verdadeira babel, niguém se entende. Está custando sair algo de concreto. Vide também o código florestal. São dois exemplos. Imagine uma discussão no congresso de um projeto vindo do executivo em relação à mídia? Pode-se confiar nos partidos políticos da base do governo para uma causa dessas? Acho que devemos é viabilizar um projeto de inciativa popular a fim de que o povão participe, tal qual o projeto de inciativa popular que deu origem ao ficha limpa. Só assim conseguiremos. Com milhões de assinaturas, mas milhões mesmos, aí sim, podemos colocar o assunto em pauta e pressionaremos os senhores congressistas e a grande mídia a discutir e aprovar alguma coisa nesse sentido no congresso. Temos que fazer nossa parte ! Muitas decisões delicadas o povão é que tem que tomar e peitar. Não adianta fazer petição pública via internet isso não vai dar em nada. A internet é uma grande ferramenta, mas, não é a panecéia para todos os milagres.

Responder

    mariazinha

    12 de novembro de 2012 às 11h50

    Especialmente para meu querido ‘assalariado’ que acompanho e admiro. Meu querido! Sou uma pessoa leiga em política; mas observadora. Li alguns livros sobre o nascimento do PT. Necessário conhecer o candidato que ganharia meu voto: LULA. Surpresa! Um ‘partido do trabalhador’ sem vínculo algum com os radicalismos comunistas ou de esquerda. Na época da ditadura militar foi colocado no mesmo balaio pois os patrões, apoiadores do golpe, queriam ver-se livres dele. Observe: o diálogo sempre imperou nos movimentos petistas a favor do trabalhador, eram comícios onde as praças se enchiam para ouvir a palavra, principalmente de esclarecimento dos direitos e deveres do trabalhador. LULA nunca apelou para o radicalismo da violência ou da palavra ferina, as greves eram pacíficas. Conclusão: é o melhor caminho. Sem violência e sem palavras ferinas, acusatórias, pois para isto já existe o pig; podemos, JUNTOS, conseguir nosso intento: fazer do BRASIL um país melhor e mais justo, usando a inteligência, constância, espírito arguto, como LULA. ISTO, espero desse movimento progressista para dar uma SOVA no pig, sem denegrir a imagem do governo que ajudei a eleger. Peço que perdoe-me a ousadia. Saudações democráticas!

    assalariado.

    12 de novembro de 2012 às 22h17

    Mariazinha, obrigado pelo bom combate. Realmente a leitura é a luz de nossa alma, de modo que, nos faz entender tudo que esta a nossa volta. Principalmente se estes livros forem sobre história, filosofia, sociologia, … Acho que para começarmos a entender a origem e esta situação de sofrimento social, teremos que comecar a ler/ entender: o que é marxismo?

    Abraços Sinceros.

    mariazinha

    12 de novembro de 2012 às 12h25

    Caro Apolônio:
    perdoe-me! Pensei que falava com o assalariado….Aproveito para dizer-lhe que gostei de suas ideias e aprovo. Abs.

LuizCarlsoDias

10 de novembro de 2012 às 21h38

Vamos começar pelos blogs sujos
nas áreas públicas, lendo o livro
A PRIVATARIA TUCANA, como se fosse
missão.Importa começar, como coçar,
estamos prontos a qualquer movimento.
Que tal largo da carioca/RIO as 10h seg.,
to lá com meu livro, facil identificar.
Viva Lula/Dilma/Dirceu e nois.

Responder

    Mário SF Alves

    11 de novembro de 2012 às 11h21

    E viva a engenharia política! Campanha nacional de filiação partidária já! Educação Política Já! Resistência democrática sempre!

E. S. Fernandes

10 de novembro de 2012 às 21h33

Sempre votei no pt por culpa do Cerra.
Se ele estiver politicamente morto, me sinto desobrigado!

Acorda Dilma!

Responder

    Roberto Locatelli

    11 de novembro de 2012 às 07h50

    Se Serra se aposentar eles colocam Geraldo Pinheirinho Alckmin, Aébio Neves, Joaquim Batman, etc.

    Não é uma questão de eleição. É uma questão de luta, agora!

Marcus

10 de novembro de 2012 às 21h32

Perfeito, pressão tem que ser da sociedade,… essa história que tudo tem que vir do “líder”, do governante é herança paternalista da ditadura e outras cositas más…

Responder

    Mário SF Alves

    11 de novembro de 2012 às 00h39

    E eu vou aunda mais longe:

    Formado o quadro; feita a anamnese e concluído o diagnóstico, passemos à fase seguinte. Passemos à Fase II, à ação estratégica: CAMPANHA NACIONAL DE FILIAÇÃO PARTIDÁRIA: AVANTE PT! “Homens e mulheres do Brasil todo: pela consolidação da democracia, pela civilização que há de vir, UNÍ-VOS, POLITIZE-VOS.

LuizCarlsoDias

10 de novembro de 2012 às 21h31

Podemos começar pelos blogs sujos
Nos lugares publicops lendo
A PRIVATARIA TUCANA, como blibia.

COMO BLIBLÇIA.

Responder

Leandro_O

10 de novembro de 2012 às 21h26

E a verdade vos libertará! – até que enfim estão abrindo os olhos e vendo que o que está aí é somente mais do mesmo, o resto é maquiagem!!

Responder

Fernando

10 de novembro de 2012 às 21h25

Presidenta Dilma vai ficar conhecida como a presidenta do controle remoto.
Uma guerrilheira (como a mídia a chama)ter mêdo, sim mêdo desses golpistas, até parece que esqueceu o passado de lutadora.
Pelo conhecimento que tenho do trabalho elaborado por Francklin Martins, tem como base a Contituição. Qual a razão de não ser enviado ao Congresso.
Critiquei várias vezes o ministro Bernardo, pela sua omissão, mas cheguei á conclusão que é a presidenta que não quer esse envio.
Quando o governo é atacado, é a mídia alternativa a defende, mas ela não leva isso em conta.
Lula tb tem o seu grau de culpa, teve oito anos para elaborar esse trabalho mas deixou para o próximo governo, então tem vários culpados nesse embrólio.

Responder

Fabio

10 de novembro de 2012 às 20h46

A Dilma infelizmente é uma direitista disfarçada de esquerda.
Ou melhor, uma presidenta que tem um longo affaire com a midia golpista.

Responder

    Abel

    11 de novembro de 2012 às 00h01

    PSOL ou troll?

    Luís

    11 de novembro de 2012 às 16h35

    Ele é realista. E você? É idiota?

    mariazinha

    11 de novembro de 2012 às 20h04

    A realidade é bem outra, Abel. Demônios tentarão infiltrar-se no movimento progressista e mancha-lo com suas fedentinas. Podem ser as duas coisas mas podem ser tb. organismos do mal infiltrados ganhando para fazer o serviço sujo: derrubar o governo eleito pelo povo, DILMA/LULA. A derrota nas eleições os ensandeceu.

    tiago carneiro

    11 de novembro de 2012 às 05h52

    Isso.

    Gosto de chamar essa Tucana, com T maiúsculo de FHC de saias.

Ary

10 de novembro de 2012 às 20h46

Presidenta Dilma, por gentileza, envie um passo a passo sobre como eu posso usar o meu controle remoto para duas situações: a) Fazer com que a mídia noticie coisas que ela esconde (em relação ao mensalão tucano, por exemplo); b) Coibir o a posse cruzada dos meios de comunicação. No aguardo.

Responder

Ary

10 de novembro de 2012 às 20h43

Miro, coberto de razão.

Responder

Playboy das Alterosas

10 de novembro de 2012 às 20h41

ESTÁ NO CORREIO DO BRASIL, DE HOJE

Os mesmos petardos jurídicos disparados do Supremo Tribunal Federal (STF) por Joaquim Barbosa, presidente eleito da Corte e relator da Ação Penal 470, contra os principais líderes do Partido dos Trabalhadores (PT), partem agora na direção dos envolvidos na origem do escândalo que recebeu o apelido de ‘mensalão tucano’. O advogado Dino Miraglia, de Belo Horizonte, procurou a Assembleia Legislativa de Minas Gerais para pedir proteção à vida dele e de seu cliente, Nilton Antonio Monteiro, após peticionar ao Supremo para que estabeleça a conexão entre o caso conhecido como ‘lista de Furnas’ e o ‘mensalão tucano’, iniciado por Marcos Valério durante o governo do hoje senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG).

LINK: http://correiodobrasil.com.br/valerio-entrega-lideres-tucanos-para-escapar-de-processo-no-stf/543195/#.UJ7TEWfpM5p

Responder

Mateus

10 de novembro de 2012 às 20h37

Vamos envolver as centrais sindicais também.

Responder

Abel

10 de novembro de 2012 às 20h34

Poderia ser pelo Avaaz, mas acho que o Petição Pública teria mais impacto (você tem que se identificar, colocar o número do CPF etc. – isso desencorajaria farsantes).

Responder

Fernando

10 de novembro de 2012 às 20h28

Os governos do PT têm medo da mídia, têm medo dos banqueiros, têm medo do agronegócio…

O que sobra nos demais governos progressistas da América Latina falta ao brasileiro: huevos.

Responder

João Machado

10 de novembro de 2012 às 19h37

Onde assino esta lista?

Responder

zé eduardo

10 de novembro de 2012 às 18h05

Não seria interessante uma petição ou abaixo assinado, via avaaz, por exemplo, endereçada tanto ao Executivo (casa Civil e Ministério das Comunicações)quanto ao Parlamento (à Câmara Federal e ao Senado), neste sentido? Sem ‘espontaneismos’, de modo bem articulado com setores e agentes progressistas da sociedade civil, se chega fácil a milahres de assinaturas.

Responder

SOL(RIO DE JANEIRO

10 de novembro de 2012 às 17h42

ESSA PRESIDÊNTA ESTÁ MAIS PARA ( DIREITA ) DO QUE (ESQUERDA ) ESTOU DE OLHO NELA. 2014 NÃO SEI NÃO. Decepção.

Responder

    Abel

    10 de novembro de 2012 às 20h35

    O que é que você queria? O Serra? Vade retro!

    Adma

    11 de novembro de 2012 às 13h33

    Que pensamento mais binário! Quem disse que ser contra a pusilanimidade da Dilma é ser a favor do Serra ou da oposição? As eleições já acabaram.

    Roberto Locatelli

    11 de novembro de 2012 às 07h39

    A questão não é eleitoral. A questão é de luta. A democratização das comunicações será uma conquista do movimento social, e não uma dádiva do governo Dilma.

    Essa luta terá, certamente, participação dos setores mais à esquerda dentro do PT.

    simas

    20 de novembro de 2012 às 01h16

    Pronto!
    Todos falaram, falaram e falaram e não concluíram, nada. Ao meu ver, a burocracia deu cabo da ideia.
    Mais uma vitória da burguesia… risos

    razumikhin

    25 de novembro de 2012 às 09h04

    Vouta Lula, o melhor presidento que o Brasil já teve.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding