VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Mark Weisbrot: Obama convenceu que Romney e os republicanos se importam bem mais com os ricos


09/11/2012 - 18h30

Para o analista político estadunidense Mark Weisbrot, do Centro para Investigação Econômica e Política, a nova composição demográfica dos Estados Unidos foi importante para a vitória do atual presidente, mas não o fator decisivo por si só: “Obama ganhou porque fez um apelo econômico populista para os eleitores da classe trabalhadora de todos os grupos raciais e étnicos, algo sem precedentes em mais de 50 anos de eleições presidenciais estadunidenses”, diz Weisbrot, em entrevista à Carta Maior.

Igor Ojeda, em Carta Maior

O presidente reeleito dos Estados Unidos Barack Obama deu um banho no republicano Mitt Romney se considerado apenas o voto “étnico”. Entre os latinos, por exemplo, obteve mais de dois terços de apoio. Entre os afroestadunidenses, recebeu a adesão de nove em cada dez eleitores. Tais dados demonstram que a “America” tradicional tão ao gosto dos Wasp (Brancos, Anglo-Saxões e Protestantes) está desaparecendo.

No entanto, para o economista estadunidense Mark Weisbrot, codiretor do Centro para Investigação Econômica e Política (CEPR, na sigla em inglês), as análises sobre a influência da nova composição demográfica dos Estados Unidos nas eleições, por si só, escondem um dado ainda mais importante: “Obama ganhou porque fez um apelo econômico populista para os eleitores da classe trabalhadora de todos os grupos raciais e étnicos, algo sem precedentes em mais de 50 anos de eleições presidenciais estadunidenses”, analisa, em entrevista à Carta Maior por correio eletrônico. Segundo ele, a campanha democrata à presidência foi vitoriosa porque conseguiu convencer a maioria dos eleitores estadunidenses de que Romney e os republicanos se importam apenas com os ricos.

Isso, porém, deve trazer poucos frutos no que diz respeito a mudanças radicais. Weisbrot acredita que o novo mandato de Obama possa avançar em alguns pontos, como a aprovação de uma reforma imigratória e a concretização do novo sistema de saúde, mas teme que ele barganhe cortes de gastos sociais. Confira a seguir a entrevista.

Carta Maior – Quais são suas primeiras avaliações sobre a vitória de Barack Obama?

Mark Weisbrot – Esse resultado estava previsto pelas pesquisas eleitorais do Princeton Electin Consortium e do Fivethirtyeight.com. Portanto, não foi uma surpresa, a não ser para a maioria dos meios de comunicação e especialistas que fingiam que havia uma disputa acirrada.

CM – Por que Obama venceu?

MW – Como muitos já mencionaram, a demografia dos Estados Unidos mudou, e Romney perdeu feio entre os latinos – entre 70 a 75% votaram em Obama – e afroestadunidenses, que deram 93% dos votos ao presidente. Romney teve grande maioria entre os eleitores brancos, mas não o suficiente para ganhar, especialmente nos estados em disputa.

Mas a análise demográfica deixa escapar algo talvez mais importante: Obama ganhou porque fez um apelo econômico populista para os eleitores da classe trabalhadora de todos os grupos raciais e étnicos, algo sem precedentes em mais de 50 anos de eleições presidenciais estadunidenses. Sua campanha convenceu a maioria dos eleitores de que Romney e seu partido se importavam bem mais com os ricos do que com o restante da população.

CM – O que a reeleição de Obama pode significar em termos de política interna?

MW – Dado o impasse no Congresso, com uma maioria republicana na Câmara dos Representantes, e a falta de liderança de Obama, as diferenças não serão enormes. Há talvez melhores chances de haver uma reforma imigratória do que se Romney tivesse vencido. Provavelmente o plano de seguro de saúde do Obama será concretizado, o que proporcionará seguro de saúde para mais de 30 milhões de estadunidenses e custos mais baixos para outros milhões. E talvez um pouquinho mais de regulação financeira.

CM – Quais serão as próximas batalhas entre o presidente reeleito e o Congresso, uma vez que a atual composição se manteve semelhante à anterior, com controle republicano sobre a Câmara dos Representantes e controle democrata sobre o Senado?

MW – Haverá batalhas sobre orçamento, impostos, questões ambientais. Um dos piores resultados possíveis é que Obama apoie cortes na Seguridade Social e/ou no Medicare em uma “grande barganha” com os republicanos na discussão sobre o orçamento, assim como outros cortes em gastos sociais. É preciso uma grande pressão popular para impedir que Obama aceite tais mudanças.

CM – Em relação à política externa, alguma coisa vai mudar? Como Obama se comportará, por exemplo, em relação a Israel, Irã e Síria?

MW – A política externa do primeiro mandato de Obama foi muito semelhante à do segundo mandato de George W. Bush. Eu não esperaria muitas mudanças. Obama optou desde o começo por se concentrar na política interna e não gastar ou arriscar capital político na política externa. Isso significa muito poucas mudanças. Uma guerra contra o Irã é ainda muito possível por causa da hostilidade estadunidense e o crescimento das tensões, embora eu acredite que seja menos provável do que se Romney tivesse se elegido.

CM – E em relação à América Latina e o Brasil?

MW – Obama quase não deu atenção à América Latina, incluindo o Brasil. Estaria tudo bem se isso não quisesse dizer que a política está determinada pelo Departamento de Estado e influenciada pelos direitistas no Congresso. Portanto, tem sido basicamente a mesma política que a de Bush. Provavelmente isso continuará por outros quatro anos.

CM – Dois terços dos eleitores hispânicos votaram em Obama. Ele retribuirá esse apoio com uma política imigratória mais flexível?

MW – Sim, mas terá dificuldades em conseguir aprovar uma reforma imigratória plena no Congresso.

CM – Estas foram as primeiras eleições presidenciais após a decisão da Suprema Corte que possibilitou a criação dos Super Pacs (comitês eleitorais sem limites de arrecadação de doações). Qual foi a influência destes sobre a campanha e os resultados das eleições?

MW – Acredito que tenham ajudado os republicanos, principalmente nas eleições para a Câmara dos Representantes. Mas a campanha de Obama teve tanta publicidade quanto a dos republicanos, cujos candidatos ao Senado não gastaram tanto mais assim. Obama e os democratas se saíram muito mais bem na campanha nas ruas, de acordo com muitos relatos. Portanto, o grande capital de direita não foi decisivo nestas eleições.

Claro que o dinheiro ainda corrompe os políticos estadunidenses em longo prazo – por exemplo, o povo votou em Obama pela mudança, mas não ganhou muito em troca. Nesse sentido, nossos políticos são mais corruptos que os de muitos países da América do Sul, onde – apesar de outras formas de corrupção piores que aqui – a população tem conseguido votar por mudanças progressistas nos últimos anos e recebê-las.

Talvez mais importante que uma reforma no sistema de financiamento de campanhas nos Estados Unidos seja uma reforma no sistema de votação. Mais de 40% dos estadunidenses não votaram nestas eleições, e os republicanos como os conhecemos hoje mal existiriam como um partido se tivéssemos leis e procedimentos de votação menos restritivos.

Leia também:

A SIP e a democracia elitizada e excludente

José Dirceu acusa Joaquim Barbosa de “populismo jurídico” e diz que “não estamos no absolutismo real”

Mia Couto: Acredita-se que a periferia pode dar futebolista, cantor, mas poeta, não; isso é forma de racismo 

Bernardo Kucinski: Macartismo à brasileira

Dr. Rosinha: “Rua Delegado Fleury, torturador e matador”

Wall Street vence com Obama, enquanto Partido Republicano se torna o partido dos brancos em minoria

Santayana: Estados Unidos numa sinuca de bico

As mortes atribuídas a Bill Clinton

Roberto Amaral: Chávez e a derrota dos barões da imprensa brasileira

Obama “de esquerda” vence o debate por pontos

Mauro Santayana: O Brics avança

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Eduardo Raio X

09 de novembro de 2012 às 20h00

E teve gente no Brasil torcendo para um ou para outro! Para mim nada mudaria porque os dois obedece a mesma cartilha de serem americanos. Ahhh!!! Azenha! Meu querido amigo, como vai ser paga a dívida das duas guerras consecutivas que os EUA promoveu Iraque e Afeganistão??? A dolorosa vai ser cobrada a partir de 2013! E o montante da dívida do governo americano com os bancos que bancou deve ultrapassar 1 trilhão e meio! Que tal perguntar aos universitários??? rsrsrsrsrsrsr.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!