VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Heitor Costa: Falar em racionamento é “irresponsabilidade”
Denúncias

Heitor Costa: Falar em racionamento é “irresponsabilidade”


08/01/2013 - 09h27

Qual racionamento? (foto Wikipedia)

Risco de um novo racionamento de energia elétrica?

por Heitor Scalambrini Costa, via e-mail*

2001/2002 ficará marcado como o período em que o Brasil mergulhou no racionamento de energia devido ao desabastecimento ocorrido. Regiões do país não puderam ser atendidas nas suas necessidades de energia elétrica, pela “barbeiragem” do governo federal da época, que não planejou bem, não fez os investimentos necessários, além de implantar um modelo mercantil no setor elétrico, que contribuiu de maneira decisiva ao colapso energético. Quem afinal “pagou o pato”, digo a conta de energia mais cara, foi o consumidor final.

2011/2012 ficará marcado com os anos das tarifas astronômicas (mesmo a geração sendo mais de 70% de hidrelétricas), e dos “apagões”, denominação das interrupções temporárias no fornecimento de energia elétrica, resultando na baixa qualidade do serviço oferecido. Responsabilidade do governo federal, cujos gestores do setor elétrico aprofundaram o modelo mercantil, e cometeram erros crassos na política energética, optando por ofertar energia, com a construção de usinas termelétricas a combustíveis fósseis, usinas nucleares e mega hidrelétricas na região Amazônica. E não priorizaram a diversificação da matriz energética com as novas fontes renováveis, e nem a eficientização no uso da energia.

2013 inicia-se diante de declarações e ameaças sobre a possibilidade de um risco iminente de um novo desabastecimento de energia elétrica, principalmente pela situação de estiagem prolongada, resultando no baixo nível dos reservatórios, e com chuvas previstas insuficientes para recompor os estoques.

É necessário que se diga, alto e em bom som, que a curto prazo não existe possibilidade de risco de faltar energia para atender a demanda atual. O pífio desempenho da economia nacional, medida pelo Produto Interno Bruto (PIB), favoreceu a que o país não sofresse uma nova crise energética nos moldes da ocorrida em 2001/2002. Se o PIB tivesse sido de 4,5%, como previsto inicialmente para o ano de 2012, o consumo da indústria estaria bem maior, e ai sim haveria risco iminente de faltar energia. E em 2013, as previsões do crescimento econômico já estão abaixo das previsões sempre otimistas e super dimensionadas do governo federal. E são nestes previsões governamentais que se baseia o planejamento energético na oferta de energia.

O que ocorrerá sem dúvida será um aumento nas tarifas devido ao repasse dos custos da energia elétrica bem mais cara das usinas termelétricas, que estão funcionando desde o final do ano passado a todo vapor (literalmente). Logo, os aumentos que ocorrerão nos próximos anos vão absorver toda a redução da tarifa obtida com a medida provisória – MP 579. Dá-se ao consumidor com uma mão, e retira com a outra.

Já a médio prazo, a situação não é tranqüila para o setor elétrico, desde que continuem os erros serem cometidos. E a situação somente mudará se houver uma guinada de 180º na política energética em nosso país.

O que se pode extrair da conjuntura atual, com declarações e ameaças de um novo racionamento de energia, é que a sucessão presidencial começou. Não se deve politizar uma coisa tão séria para o país, como a questão da energia. Com risco de criar o descrédito da população em um setor estratégico, que vai além dos governos de plantão, e mesmo levar o pânico com a possibilidade de faltar energia.

A irresponsabilidade é tanta, que pouco importa o país. O principal é a desconstrução de quem esta no poder. E ai vale tudo. Já vimos esta estória em anos recentes.

Por sua vez o “deus mercado” começa a responder ao jogo político. As bolsas de valores começam a impor o sobe e desce dos papeis das companhias elétricas. Onde vai parar esta histeria provocada?

É hora da sociedade civil se apropriar deste setor até então “monocraticamente” dominado por alguns “especialistas” iluminados, e apadrinhados políticos ungidos a cargos decisórios; e fazer valer sua força quando organizada. Já que tanto o governo, como setores da oposição não têm mais credibilidade junto à sociedade, vale o que disse o poeta “Quem sabe faz a hora. Não espera acontecer”.

*Professor da Universidade Federal de Pernambuco

Leia também:

Notícias quentes da guerra que apavora a periferia de SP

André Caramante: “Policiais à paisana fotografaram minha família durante passeio”

Basta de horror e extermínio em São Paulo!

Quando o genocídio popular em São Paulo vai acabar?

Maria Rita Kehl: Alckmin usa a mesma retórica dos matadores da ditadura

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


34 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Suicídio no Brasil afeta mais homens e idosos « ( E.V.S. )

20 de janeiro de 2013 às 19h18

[…] Leia também:Gilson Caroni: O exterminador do passadoDilma causa curto-circuito antes de chegar ao PiauíAntonio Lassance: Ano-chave para a oposição é 2013Sangramento de Dilma será no campo da “eficiência”Heitor Costa: Falar em racionamento é “irresponsabilidade” […]

Responder

Roberto Amaral: O apagão que incomoda « Viomundo – O que você não vê na mídia

20 de janeiro de 2013 às 12h33

[…] Heitor Costa: Falar em racionamento é “irresponsabilidade” […]

Responder

Messias Franca de Macedo

10 de janeiro de 2013 às 00h21

SOBRE SÃO PEDRO E RÉU CONFESSO!… ENTENDA

… O Gerson Camarotti “da ‘grobonews’” apresentou uma reportagem na qual ele seguia para a Esplanada dos Ministérios, para “estacionar” no gabinete do ministro Edson Lobão!… O assunto, óbvio, “a preocupação do PIG” (sic) com o nível dos reservatórios das hidrelétricas, em razão da escassez das chuvas… No itinerário, “tome-lhe chuva copiosa”!… A decepção foi tanta que o próprio jornalista comentou que, na leitura do governo, existe uma espécie de terrorismo midiático em torno da questão do suprimento energético no país!…

(… E TOME-LHE palhetas para limpadores de para-brisas, para lá e para cá! Vai e vem, e o PIG escorrega em mais poça d’água!…)

… República da [eterna] OPOSIÇÃO AO BRASIL, fascista, aloprada, alienada, histriônica, impunemente terrorista, MENTEcapta, néscia, golpista de meia-tigela, antinacionalista, corrupta… ‘O cheiro dos cavalos ao do povo!’ (“elite estúpida que despreza as próprias ignorâncias”, lembrando o enunciado lapidar do eminente escritor uruguaio Eduardo Galeano)

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Mário SF Alves

09 de janeiro de 2013 às 23h11

É… pelo visto já passa da hora de o Governo criar um ministério especializado em decodificar e traduzir as segundas, as terceiras e as enésimas intenções do PiG.

_______________________________________________
Aí, Azenha, não quer se candidatar a Ministro?
___________________________________________________________
Lembrando o Gonzagão, haja agulha pra furar os zóio dos assum-pretos.

Responder

Abel

09 de janeiro de 2013 às 21h23

O desespero da Casa Grande obriga a esse tipo de artifício rasteiro: querem forçar uma comparação entre o Brasil de 2013 e o de 2001, como se nada tivesse mudado no país. Recomendação: vão ler o verbete “alarmismo” na Wikipédia ;)

Responder

Urbano

09 de janeiro de 2013 às 18h35

O maior compromisso dos bandidos da oposição ao Brasil é com a farsa, o ludibrio, a escamoteação, o subterfúgio, a engodo, a trapaça, a tramóia, a trampa, o ardil, a armadilha, o mondé e por ai vai.

Responder

FrancoAtirador

09 de janeiro de 2013 às 14h51

.
.
Tag: MÍDIA BANDIDA

A Mídia Bandida não deixa de ter certa razão:

Se não chover na horta da oposição até 2014,

vai haver racionamento para os tucanalhas.

Só a Margarina Salva os silva da extinção.
.
.

Responder

Emanuel Cancella

09 de janeiro de 2013 às 07h49

O GOVERNO PRECISA REVER A DISTRIBUIÇAO DE VERBA DE PROPAGANDA

É sabido que o governo é o maior cliente de propaganda na mídia. Sem o governo como cliente, muitas dessas empresas de mídia fechariam as portas. Na verdade vivem mamando nas tetas do estado, aquilo que eles tanto criticam. Mas como cidadão brasileiro, contribuinte e com o olhar desconfiado, chamo a atenção da sociedade para o seguinte fato:

O governo está gastando dinheiro público para grande parte dessas empresas de mídia falar mal do governo e do Brasil. Se fosse só falar mal já seria crítico, mas eles mentem, inventam, caluniam, pregam um Brasil destruído.

O Brasil é a sexta economia do mundo, caminha para o pleno emprego, sua maior empresa, a Petrobrás, em comparação com as concorrentes foi considerada “Brilhante” pela Agência Internacional de Energia – AIE. O Brasil, dado o seu desempenho político e econômico, foi agregado ao Bric. Em economia, BRIC é uma sigla que se refere a Brasil, Rússia, Índia, China, que se destacam no cenário mundial como países em desenvolvimento.

O governo parece aplicar aquela máxima: “Falem mal, mas falem de mim”. Mas creio não ser justo aplicar dinheiro público dessa forma. Como brasileiro e contribuinte, creio que o governo deveria chamar essas empresas às falas. Não para cobrar alinhamento com o governo, isso jamais, mas cobrar responsabilidade.

As empresas de mídia teriam que agir com dignidade, com compromisso com a verdade, e em respeito ao nosso Brasil. Se o governo cobrasse essa responsabilidade, como se imagina que devam comportar os homens “livres e de bons costumes”, de cara veríamos mudanças. Aquelas revistas que só servem somente para enfeitar bancas de jornais; os jornais que, quando muito, servem para embrulhar peixe na feira e as TV’s que estão presenciando sua audiência despencar, todos eles teriam que mudar seu comportamento para sobreviver.

Até para isso a lei dos meios é de fundamental importância para os meios de comunicação, com o controle da sociedade poderiam resgatar a própria credibilidade e fazer por merecer as verbas governamentais e públicas!

Urgente: Essa matéria está sendo enviada para publicação para os seguintes jornais e revistas: O Globo, Estadão, Folha, JB, Veja, Época, o Dia entre outros. Eles não publicam! De forma organizada a orientação é de só publicar noticias negativas sobre o governo e o Brasil. Apesar de se utilizarem de uma concessão pública fazem isso, agindo como verdadeiras quadrilhas e como se fossem partido de oposição ao governo e ao Brasil e também em retaliação à inevitável “lei dos meios” que vai colocar a sociedade como controlador máximo e soberano da imprensa. Vamos usar as redes sociais para divulgar notícias verdadeiras sobre o Brasil e o governo.

RIO DE JANEIRO, 08 de janeiro de 2013

Responder

    Mário SF Alves

    09 de janeiro de 2013 às 23h18

    Impossível tal ajuste de conduta; mesmo porque, o PiG só vive disso: de SENSACIONALISMOS. Ou existirá outro modo mais eficiente de [tentar] hipnotizar o povo?

Izaías Almada: A síndrome Safatle/Dutra (I) « Viomundo – O que você não vê na mídia

09 de janeiro de 2013 às 00h08

[…] Heitor Costa: Falar em racionamento é “irresponsabilidade” […]

Responder

Lu Witovisk

08 de janeiro de 2013 às 22h42

não este já postado, este:

http://youtu.be/VIHQHKzlptE

levei um susto :D
manda “cobrar do seu deputado e do seu senador”

Responder

Panino Manino

08 de janeiro de 2013 às 22h08

Já faz uns três meses, mesmo com horário de verão, toda noite aqui é tensa. A luz fica tendo quedas direito, o tempo todo, a noite toda. Aqui tem um ventilador de teto que chega quase a parar, sem contar a casa ficar mal iluminada.
Quase toda semana tem faltado luz.

A situação está é pior do que parece, péssima.
Digo e afirmo: vai dar merda.

Do Rio de Janeiro.

Responder

João Paulo Ferreira de Assis

08 de janeiro de 2013 às 21h10

Prezados confrades

Tudo indica que a Eliane Cantanhede e outras estrelas do PIG vai errar mais uma vez. Minas Gerais, meu Estado é a caixa dágua do Brasil, já dizia o Governador Bias Fortes. Hoje foi um dia de chuva intensa.

Fui a Barbacena, e na banca de jornais, ouvi as pessoas comentando que ia cair um pé dágua. Corri para a Superintendência Regional de Ensino, na Avenida Bias Fortes. Cheguei lá e logo começou uma chuva intensa. Quando amainou sai pelas ruas apressadamente e comprei um guarda-chuva. Ainda tinha de ir ao Rosário. Fi-lo, vendo as águas correndo pela Rua Quinze de Novembro, o centro nervoso do comércio da cidade. Fiquei pensando, que não foi só em Barbacena que choveu, pois para todo o lado que você olhava, só via céu de chuva.

O PIG vai quebrar a cara com essa história de apagão. Para acontecer isso, Minas, que é a caixa-dágua do Brasil tinha de sofrer uma seca de pelo menos dois anos.

Responder

Francisco

08 de janeiro de 2013 às 20h16

É esgotante ser uma pessoa informada no Brasil.

Nunca houve um “mensalão” petista e, de tanto repetir, houve um “julgamento do-que-não-houve”. E foi o “maior da história”!

Agora, a mídia quer banir a expressão “blecaute” e, até os tucanos ganharem algum mandato federal (toc, toc, toc!), colocar no lugar a expressão “apagão”.

Pela lavagem cérebro-intestinal que fazem, já deve ter gente estocando vela…

Responder

    Roberto Locatelli

    08 de janeiro de 2013 às 21h02

    Pois é, Francisco, é a típica malandragem do PIG.

    “Apagão” foi o que houve no desgoverno FHC: um ano de energia racionada. Tinha até multa caso a pessoa gastasse mais do que o permitido. Tudo porque não havia eletricidade suficiente para todos. Esse APAGÃO nos custou R$ 45 bilhões.

    Aí uma região fica sem energia elétrica por algumas horas e a mídia berra: “apagão”.

Evandro

08 de janeiro de 2013 às 18h02

Prezados
Se a cada notícia forjada que o PIG divulga, o governo tiver que responder, tenha certeza que o governo pára e fica somente esclarecendo as mentiras divulgadas. Até concordo que em alguns casos o governo deva dar esclarecimentos, mas não para tudo o que é divulgado pelo PIG. E por que? Porque quem está com problemas de credibilidade não é a Dilma ou o PT (inclusive ele foi o partido mais votado na última eleição), quem está com problema de credibilidade é o PIG. Dilma está correta, o negócio é trabalhar, trabalhar e trabalhar. Quando a oportunidade for dada, responda a altura, como já fez. Não haverá racionamento e quem ficará mais uma com a confiabilidade ameaçada será o PIG.

Responder

Gerson Carneiro

08 de janeiro de 2013 às 17h43

A miss Febre Amarela, ou miss Massa Cheirosa, tá que não se aguenta propagando racionamento.

Responder

Vlad

08 de janeiro de 2013 às 17h33

Sim…falar é irresponsabilidade.
Calem-se todos.

Responder

    Ricardo JC

    08 de janeiro de 2013 às 22h05

    Contar mentiras é irresponsabilidade!!
    Calem-se os mentirosos…

José Ricardo Romero

08 de janeiro de 2013 às 15h23

Apagão só na cabeça da Dilma que está paralisada,calada e não se defende nem defende o Brasil; não tem a menor vontade política. No Planalto está tudo dominado pelo consórcio criminoso judiciário/oposição/mídia. Logo o jn vai mostrar o Álvaro Dias passando pela Dilma e dando um tapa na nuca dela.

Responder

Rafael

08 de janeiro de 2013 às 14h36

FHC e seu fósforo “scuromatik”…
Que medo!


Rafael

Responder

LEANDRO

08 de janeiro de 2013 às 13h17

Poxa, temos que esconder isso do povo. Façamos igual a venezuela onde ninguém sabe a verdade dobre a saúde do presidente. Essa tal de imprensa livre ainda vai dar problema.

Responder

Zezinho

08 de janeiro de 2013 às 12h47

Que absurdo! Aonde já se viu a imprensa cobrando o papel do governo? Não pode chamar o governo de incompetente!

Tem que fazer campanha de No-break! Para fazer girar a economia rárárá

Responder

H. Back™

08 de janeiro de 2013 às 12h02

A coisa mais lúgubre do mundo é a imagem do FHC iluminado por um fósforo, quando o mesmo fica num apagão. Dá medo.

Responder

Paulo Guedes

08 de janeiro de 2013 às 11h57

Já que tanto o governo, como setores da oposição não têm mais credibilidade junto à sociedade, vale o que disse o poeta “Quem sabe faz a hora. Não espera acontecer”.
Como assim, cara-pálida?
É bom que se diga que este governo tem insentivado a diversificação da matriz energética como nenhum outro. Veja no próprio NE o nº de parques eólicos já implantados, em implantação e contratados.
Só há um problema: geração de energia eólica não é tão ecologicamente correta como alguns romanticos querem crer. Seria bom aprofundar-se no assunto.
As PHE estão disseminadas por este país, infelizmente o mais delas a fio d’água por influência dos eco-chatos.
Em 2013 vários HE e parques eólicos serão incorporados ao sistema. Ou seja a disponibilidade de energia elétrica aumentará.
Até março, muita água cairá dos céus recompondo em certa medida os reservatórios.
Esse terrorismo energético só interessa aos eternos do contra: oposição, mídia e mercado.
Só prá terminar: o GF continua com saldo creditício junto à nação. Já a oposição descompromissada e a mídia…

Responder

    Rafael

    08 de janeiro de 2013 às 13h25

    Pq não morre logo??

RicardãoCarioca

08 de janeiro de 2013 às 11h56

Mas a Dilma prefere o barulho da imprensa livre!

E diz também que o melhor controle da mídia é o controle remoto. Só que eu uso o controle remoto e só vejo um lado da notícia, a do PiG, na TV e nos rádios!

Ah, se não fosse a Internet…

Responder

    Alberto

    08 de janeiro de 2013 às 13h54

    Comentário perfeito Ricardão. Se não fosse a internet para procurarmos o outro lado da história, certamente seriamos influenciados também.

    Abraço

J Souza

08 de janeiro de 2013 às 10h18

No YouTube, via Twitter:
‏@MichelArbache
Diretor da Fiesp explica c/ ótima didática por q tucanos mentem sobre redução na conta de luz
http://youtu.be/LMzbUN6XQyQ
Dica: @SilvioTurban

Responder

    Miguel A. de Matos

    08 de janeiro de 2013 às 19h27

    Excelente! Obrigado pela dica, já compartilhei.

    Roberto Locatelli

    08 de janeiro de 2013 às 21h03

    Souza, esse vídeo é realmente uma TRAULETADA!!

    Roberto Locatelli

    08 de janeiro de 2013 às 21h06

    Quem poderia imaginar que a Fiesp (a Fiesp!!) fosse lutar contra uma decisão tucana com essa firmeza!!

    Para quem está com preguiça de ver o vídeo, algumas falas do diretor da Fiesp, só para atiçar a curiosidade:

    “O secretário [José Aníbal] está mentindo”.

    “Os padrões de pedágio em São Paulo são dos maiores do mundo e um dia vão ter que mudar”.

    “O governador está jogando contra a população de SP”.

    “A população tem um direito que estavam querendo sequestrar na calada da noite.”

    “A presidenta foi muito corajosa”.

    “Ele [Alckmin] pensa como um acionista da CESP”.

    “A gente fica com vergonha do governo [estadual] que tem”.

    Meu, acho que os tucanos terão sérias dificuldades na sucessão de Alckmin…

    Lu Witovisk

    08 de janeiro de 2013 às 22h35

    Fim de ano, este video estava passando na TV da sala de embarque do SANTOS DUMONT!!! Tb não acreditei, uma beleza!

    Joe

    09 de janeiro de 2013 às 00h42

    “Entre Aspas” (muitas) de hoje a GloboNews chama um cara que diz que vai ter apagão e outra que diz que apagão é pouco!!!


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!