VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Gravações feitas pela PF revelam Demóstenes a serviço de Cachoeira


30/03/2012 - 19h05

por Jaílton de Carvalho, em O Globo

– Escutas telefônicas revelam que o ex-líder do DEM no Senado pôs o mandato a serviço do contraventor

BRASÍLIA – Gravações de escutas telefônicas feitas pela Polícia Federal (PF) em 2009 revelam que o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) faz lobby no Congresso Nacional para o contraventor Carlinhos Cachoeira. As gravações comprovam a relação de íntima amizade de interesses entre os dois. O contraventor chama o senador de doutor. Já Cachoeira é chamado de professor pelo parlamentar.

Confira alguns trechos das gravações da PF:

22/04/2009

Demóstenes e Cachoeira falam de tramitação de projeto que criminaliza o jogo ilegal, mas também legaliza as loterias estaduais.

Cachoeira – (…) Anota uma lei aí. Você podia dar uma olhada. Ela tá na Câmara. 7228 2002. PL. (projeto de lei)

Demóstenes – PL 7228. De que ano?

Cachoeira – 2002. Do Maguito Vilela.

Demóstenes – OK. Fala sobre o que?

Cachoeira – Sobre aquele assunto que eu toquei com você aí. Essa aí acho que está em estado bem adiantado. Dá uma olhada aí.

Demóstenes – Vou levantar agora e depois te ligo ai.

24/04/2009

Demóstenes volta a falar do projeto de interesse de Cachoeira. Ouça o áudio

http://oglobo2.globo.com/pais/audio/2012/24753/SOM%201.MP3

Cachoeira – (…) Escuta. Aquele negócio que eu pedi para você olhar lá. Já checaram lá? Aquela lei do Maguito?

Demóstenes – Já checaram lá. Ela está na Câmara (…)

Cachoeira – Pois é, você tinha que trabalhar isso aí com o Michel (Temer), né? Pra por em votação. Isso aí seria interessantíssimo né (…)

Demóstenes – (…) É lá isso pode passar por votação simbólica. Como passou no Senado. Se foi modificado, volta para o Senado, você entendeu? (…) Tem que pegar aquele pessoal que está trabalhando no negócio e verificar se o texto te agrada e também se satisfaz aquele presidente lá do negócio, porque senão ele consegue barrar lá. Então trabalha nesse negócio para gente ver como é que faz. Eu vou lá e consigo pautar.

Cachoeira – Ah excelente então. Vamos falar então. Obrigado Doutor.

29/04/2009

Demóstenes e Cachoeira ainda discutem o projeto e o senador alerta para problemas para a atividade do contraventor, mas ele diz que não há problema algum.  Ouça o áudio

(Ouça o áudio)

Cachoeira – Oi, Doutor

Demóstenes – Fala Professor. Eu peguei o texto ontem da lei para analisar. É aquela que transforma contravenção em crime. Que importância tem a aprovação disso?

Cachoeira – É bom demais, mas aí também regulamenta as estaduais.

Demóstenes – Regulamenta não. Vou mandar o texto procê. O que tá aprovado lá é o seguinte: “transforma em crime qualquer jogo que não tenha autorização”. Então inclusive te pega né? Então vou mandar o texto pra você. Se você quiser votar, tudo bem, eu vou atrás. Agora a única coisa que tem é criminalização, transforma de contravenção em crime, não regulariza nada.

Cachoeira – Não, regulariza sim, uai. Tem a 4-A e a 4-B. Foi votada na Comissão de Constituição e Justiça.

(…)

Demóstenes – Tudo bem, mas e para depois, para regulamentar? Que aí são duas etapas, em vez de uma só. Vou fazer o que você quer, mas isso aí para mim não regulamenta nada.

01/04/2009

Demóstenes Torres conversa com Carlos Cachoeira sobre negócios na Infraero e falam de encontro do ex-presidente da estatal com Dadá, Idalberto Matias (ex-sargento da FAB que faz arapongagem).

Demóstenes – Seguinte, recebi um bilhete aqui do Eurípedes. Teve hoje aqui para tratar com o negócio e encontrou com o Dadá com o ex-presidente da Infraero José Carlos Pereira, que não resolve nada. Eles estão atrás daquele trem para ver se anda. Você podia cobrar do Dadá para ver se anda ou se não anda (…)

Cachoeira – O Dadá é o seguinte: tem umas pessoas que ele não larga de jeito nenhum. E essse b. desse ex-presidente da Infraero…

04/04/2009

Demóstenes ainda tratando de negócio na Infraero com Cachoeira

Demóstenes – O negócio da Infraero, conversei com a pessoa que teve lá. Disse o seguinte: o nosso amigo marcou um encontro com ele em uma padaria, não sei o que. E levou o ex-presidente, cê entendeu? E que aí o trem lá não andou nada. Eles nem sabem o que tá acontecendo. Falaram que eu não falei com o presidente sobre o assunto. Eu falei: ´não, mas eu falei ué´. Aí o que eles querem? Que eu volte lá. Quer dizer. O trem lá não andou porra nenhuma, cê entendeu?

Cachoeira – Mas tem que ser você mesmo. Você que precisava ligar para ele (…) Essa ai da padaria eu não sabia não.

06/04/2099

Demóstenes atende pedido de Cachoeira para ir falar com desembargador Alan Sebastião de Sena, do TJ de Goiás.

Demóstenes – Fala Professor. Acabei de chegar lá do desembargador. O homem disse que vai olhar o negócio e tal. Disse que um deles já tinha estado lá com ele viu? (…) Tem tudo para seguir esse caminho aí. Condenar o delegado e absolver os outros. Vai depender das provas. Se a prova for desse jeito que eu falei e tal, o outro vai também…

Cachoeira – Ele vai julgar rápido?

Demóstenes – Vai julgar rápido. Mandou pegar o papel. Já pegou o negócio lá. Diz que vai fazer o mais rápido possível.

12/05/2009

Demóstenes avisa Cachoeira que vai ter que demitir dois servidores fantasmas, mas depois os recontratará.

Demóstenes – Fala Professor… Ó, é o seguinte: tem uma notícia ruim. Tem que demitir aqui. É a Kênia. E o outro rapaz lá. Tão aqui nos gabinetes procurando servidores fantasmas. Você entendeu ? Então, para evitar problema, no futuro a gente volta a resolver isso aí, falou?

Cachoeira – Tá bom.

Demóstenes – Caça às bruxas aqui. Mas daqui a uns dois, três meses a coisa aquieta e a gente retorna, falou?

Cachoeira – Ok, Doutor.

22/06/2009Demóstenes pede avião fretado para Cachoeira. Pede para o contraventor pagar a conta. Cachoeira aproveita para pedir para senador voltar a falar com magistrado em Goiás.

Demóstenes – (…) por falar nisso tem que pagar aquele trem do Voar. Do Voar não, da Sete né?

Cachoeira – Tá, tu me fala aí. Eu falo com o, com o Vilnei. Quanto foi lá?

Demóstenes – Quanto foi? Três mil.

Cachoeira – Tá eu passo pro Nilo. Deixa eu te falar. Aquele negócio tá concluso aí, aquele negócio do desembargador Alan, você lembra? A procuradora entregou aí para ele. Podia dar uma olhada com ele. Você podia dar um pulinho lá para mim?

Demóstenes – Mesma situação daquele rapaz?

Cachoeira – Ele tá concluso já pro Alan.

(…)

Demóstenes – Tá tranquilo. Eu faço.

Leia também:

Leandro Fortes em CC: Demóstenes ficava com 30% do que Cachoeira





101 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Milton Quadros

31 de março de 2012 às 20h35

"se o texto te agrada e também se satisfaz aquele presidente lá do negócio, porque " disse o Demo ao Cachoeira.
Safado, e a gente pensando que ele trabalhava para povo de Góias. Trabalhava para um bicheiro.

Responder

FrancoAtirador

31 de março de 2012 às 20h00 Responder

Zé Brasil

31 de março de 2012 às 17h33

Recordar é viver:

Deu no Informe JB de 30/03 às 18h37 – Atualizada em 30/03 às 18h47

E as vassouras anti-corrupção varreram o próprio dono, Demóstenes Torres

Jornal do Brasil Jorge Lourenço

Publicidade

A cada dia que passa, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) se enrola mais. Em vias de ser expulso do partido, conforme publica a colunista Anna Ramalho, o político ainda teve mais conversas suas divulgadas na mídia. Desta vez, ficou bem claro que Demóstenes sabia sim das atividades ilícitas do contraventor Carlinhos Cachoeira e, mais grave ainda, dedicou sem mandato a defendê-las.

Deixa comigo

Numa das conversas gravadas pela Polícia Federal, Demóstenes é flagrado fazendo lobby para Carlinhos Cachoeira junto a um desembargador para agilizar seu processo. Noutra, o senador garante ao contraventor apoio a um projeto de lei para liberar alguns jogos de azar.

"Se você quiser votar, tudo bem, eu vou atrás", diz Demóstenes.

Vassouras de protesto anti-corrupção foram compradas pelo senador Demóstenes Torres (DEM-GO)
Nota do ZB: Imperdível! Ver a foto das vassouras verdes em frente a Câmara e Senado no link, pois não sei como fazer o upload http://www.jb.com.br/informe-jb/noticias/2012/03/

Telhado de vidro

Para refrescar a memória: no final do ano passado, o ativismo na web disparou uma série de protestos anti-corrupção pelo Brasil. Num deles, a ONG Rio de Paz espalhou vassouras em Brasília e no Rio de Janeiro para simbolizar a tão desejada limpeza ética dos políticos brasileiros. Advinha quem comprou as vassouras? Demóstenes Torres.

Responder

Roberto Ribeiro

31 de março de 2012 às 17h17

O Partido Nazista da Imprensa se despiu novamente, desta vez, para tomar banho de Cachoeira.
Antes, a partir de Getúlio Vargas até 1985, se despiu para banhar-se de sangue, depois com Sarney, Collor e FHC, se banhou de muita lama, em 2003, surgiu o Cachoeira.

Responder

FrancoAtirador

31 de março de 2012 às 17h08

.
.
Há mais de 200 ligações trocadas entre o bicheiro Carlinhos Cachoeira e o redator-chefe da revista Veja, Policarpo Júnior.

Outro jornalista que passou por Veja, Alexandre Oltramari, trabalhou na campanha para o governo de Goiás de Marconi Perillo, em 2010. Atuou em conjunto com o sargento Dadá, que hoje está preso.

http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/03/gra

Responder

José X.

31 de março de 2012 às 16h49

Mais uma coisa a não esquecer: esse procurador geral da república, que não levou nem um minuto pra crucificar o Orlando Silva, uma decisão escabrosa, e de maneira muito suspeita demorou bastante para denunciar o Demóstenes…"se fosse num país sério" esse procurador estaria em apuros, teria que explicar sua omissão nesse caso escabroso do Demóstenes.

E cá entre nós hein, tanto o Lula quanto a Dilma dão muita moral pra aristocracia divina dos juízes e procuradoras, que depois só ferram com o governo e com o povo.

Responder

FrancoAtirador

31 de março de 2012 às 16h29

.
.
QUADRILHA DE CACHOEIRA MANTINHA RELAÇÕES COM A IMPRENSA

Por Najla Passos e Vinicius Mansur, na Carta Maior

Brasília – O vazamento de trechos do inquérito que resultou na deflagração da Operação Monte Carlo, pela Polícia federal (PF), em fevereiro, mostra que, além de corromper agentes públicos e manter estreitas relações com políticos influentes como o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), a organização criminosa chefiada por Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, também contava com o apoio da imprensa para viabilizar suas atividades ilícitas.

Na denúncia encaminhada à 11ª Vara da Justiça Federal em Goiás para solicitar a prisão de 81 membros da quadrilha, os procuradores da República Daniel de Resende Salgado, Léa Batista de Oliveira e Marcelo Ribeiro de Oliveira comprovam que Lenine Araújo de Souza, o principal braço operacional de Cachoeira, mantinha contato com jornalistas, com o propósito de plantar matérias, mediante pagamento, que favorecessem as atividades criminosas da quadrilha.

Exemplo é um diálogo gravado pela PF, por meio de escutas telefônicas autorizadas, entre Lenine e o jornalista Wagner Relâmpago, repórter do programa DF Alerta, da TV Brasília/Rede TV.
Na conversa, Relâmpago promete criticar as autoridades que tentavam coibir os jogos clandestinos no entorno do Distrito Federal, uma das áreas de atuação da quadrilha.
Em troca, Lenine lhe oferece dinheiro.

Lenine: Os amigos não teve aula hoje, aí não ouviu.
Wagner: Bati bem… e vou passar uns quatro, cinco dias batendo pra ver se eles desanimam um pouquinho.
Lenine: É isso mesmo. É isso mesmo… né? Segunda-feira eu vou até gravar isso aqui… o programa.
Wagner: Beleza, grava segunda. Eu vou bater, vou bater terça… até a hora que eles se animarem. Aí o cara vem conversar comigo. Aí eu então… E se ele vier conversar comigo, aí eu arrojo ele no ar, que é pior.
Lenine: Beleza. Beleza. Excelente. Segunda-feira então você toca, e quando for durante o dia, você me chama. Vamos conversar segunda-feira.
Wagner: Beleza. Deixa eu falar um negócio com você. Aquele cheque lá… recebi dinheiro do cara. O quê que eu faço? Deposito na sua conta, como é que faz?
Lenine: Não, fica com ele aí. Pode ficar com ele aí. Você tá prestando esse favor pra mim. Tá!
Wagner: Não. Uma coisa aqui não tem nada a ver com a outra. A nossa amizade está acima desse trem aí. Bater no cara eu vou, porque ele tá prejudicando você aí.
Lenine: Eu sei disso. Sei disso. Tanto é que eu não… como se diz… não cheguei, não falei nada, o quê seria, como seria. Mas isso aí é uma gratidão mesmo. Você sabe disso.

Os procuradores dão a entender, na denúncia, que o grampeamento dos telefones dos membros da quadrilha, durante os cerca de onze meses de investigações, revelam outros episódios, envolvendo "outros atores".

Ao determinar a prisão dos membros da quadrilha, o juiz da 11ª Vara da Justiça Federal em Goiás, Paulo Augusto Moreira Lima, também destacou o papel da imprensa na organização.

“Ademais, os meios de proteção ao esquema criminoso alcançou (sic) a utilização e manipulação da própria imprensa, sempre mediante pagamento, tudo com o escopo de tentar desqualificar o trabalho desenvolvido por órgãos sérios de persecução e preservar os negócios espúrio”.

Ainda que sem revelar nomes, em outros quatro trechos o juiz deixa claro que há mais jornalistas envolvidos com a organização criminosa de Cachoeira:

“Detectou-se, ainda, nas investigações os estreitos contatos da quadrilha com alguns jornalistas para a divulgação de conteúdo capaz de favorecer os interesses do crime.”

“O poderio era tanto que a organização criminosa contava com o apoio de jornalistas para “bater” em trabalhos sérios que poderiam atrapalhar os “negócios”.”

“…sobressaem das investigações a estrutura empresarial do negócio e o trânsito fácil da organização junto a políticos, jornalistas e empresários.”

“Há provas de que políticos abriram seus gabinetes para os criminosos, jornalistas venderam matérias e empresários apoiaram e contaram com o apoio de membros da quadrilha.
Mas isso será tratado num segundo momento.”

Impressionado com a penetração da quadrilha nas diferentes instâncias da sociedade, o juiz Paulo Augusto Moreira Lima descreveu:
"interessante notar que o perfil dos criminosos ora observado, em especial Carlos Cachoeira, é completamente distinto daquele estereótipo ordinariamente visto.
Não mora na periferia, não está à margem da sociedade nem vive na clandestinidade.
Pelo contrário, é estreita a amizade com policiais, políticos, jornalistas e empresários, o que acabou por facilitar sua atuação ao longo do tempo".

Íntegra em:

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMos

Responder

FrancoAtirador

31 de março de 2012 às 15h06

.
.
E quem troca serviços com o Demóstenes ?

.
.
Gilmar Mendes – Oi, Demóstenes, tudo bem? Muito obrigado pelas suas declarações.
Demóstenes Torres – Que é isso, Gilmar. Esse pessoal está maluco. Impeachment? Isso é coisa para bandido, não para presidente do Supremo. Podem até discordar do julgado, mas impeachment…
Gilmar – Querem fazer tudo contra a lei, Demóstenes, só pelo gosto…
Demóstenes – A segunda decisão foi uma afronta à sua, só pra te constranger, mas, felizmente, não tem ninguém aqui que embarcou nessa “porra-louquice”. Se houver mesmo esse pedido, não anda um milímetro. Não tem sentido.
Gilmar – Obrigado.

Demóstenes – GILMAR, OBRIGADO PELO RETORNO, EU TE LIGUEI PORQUE TEM UM CASO AQUI QUE VOU PRECISAR DE VOCÊ. É o seguinte: eu sou o relator da CPI da Pedofilia aqui no Senado e acabo de ser comunicado pelo pessoal do Ministério da Justiça que um juiz estadual de Roraima mandou uma decisão dele para o programa de proteção de vítimas ameaçadas para que uma pessoa protegida não seja ouvida pela CPI antes do juiz.
Gilmar – Como é que é?
Demóstenes – É isso mesmo! Dois promotores entraram com o pedido e o juiz estadual interferiu na agenda da CPI. Tem cabimento?
Gilmar – É grave.
Demóstenes – É uma vítima menor que foi molestada por um monte de autoridades de lá e parece que até por um deputado federal. É por isso que nós queremos ouvi-la, mas o juiz lá não tem qualquer noção de competência.
Gilmar – O que você quer fazer?

Demóstenes – EU ESTOU PENSANDO EM LIGAR PARA O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA E VER SE ELE MOSTRA PARA OS PROMOTORES QUE ELES NÃO PODEM INTERVIR EM CPI FEDERAL, QUE AQUI SÓ PODE CHEGAR ORDEM DO SUPREMO.
SE ELES RESOLVEREM LÁ, TUDO BEM.
SE NÃO, VOU PEDIR AO ADVOGADO-GERAL DA CASA PARA PREPARAR ALGUMA MEDIDA JUDICIAL PARA VOCÊ RESTABELECER O DIREITO.

Gilmar – Está demais, não é, Demóstenes?
Demóstenes – Burrice também devia ter limites, não é, Gilmar? Isso é caso até de Conselhão. (risos)
Gilmar – Então está bom.

Demóstenes – SE EU NÃO RESOLVER ATÉ AMANHÃ, EU TE PROCURO COM UMA AÇÃO PARA VOCÊ ANALISAR. ESTÁ BOM?

Gilmar – ESTÁ BOM. Um abraço, e obrigado de novo.

Demóstenes – Um abração, Gilmar. Até logo.

https://www.viomundo.com.br/politica/paulo-moreira

Responder

    FrancoAtirador

    31 de março de 2012 às 15h50

    .
    .
    Demóstenes Torres emprega uma familiar de Gilmar Mendes,
    em cargo de confiança, em seu gabinete no Senado
    Enteada de ministro do STF é assessora de senador do DEM

    A enteada do ministro é servidora de carreira do Ministério Público Federal, nível médio, e foi cedida para ser funcionária comissionada do gabinete do senador.

    Ketlin Feitosa Ramos, que é tratada na família como filha do ministro do STF, ocupa desde setembro o cargo de assessora parlamentar de Demóstenes, posto de confiança e livre nomeação.

    Demóstenes e Mendes negaram haver conflito de interesse (SIC) e afirmaram, por meio das assessorias, que a nomeação de Ketlin Feitosa foi feita por critérios técnicos (SIC).

    Por escrito, Ketlin disse que procurou por conta própria (SIC) emprego no Senado:

    "Demóstenes me fez uma proposta de trabalho para que eu atuasse em sua assessoria jurídica e que estava precisando de um servidor com o meu perfil pois tinha muito interesse na área ambiental."

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/1068107-entead
    https://www.viomundo.com.br/denuncias/demostenes-t

Armando do Prado

31 de março de 2012 às 13h47

Canalha cínico. Vestal de m… E pensar que esse covarde e vendido a bandido c… regras de moralidade para todos. Quando irá preso?

Responder

priscila presotto

31 de março de 2012 às 13h26

quáquáraquáquá ….quem riu ….quáquáraquáquá …fui eu ….

Responder

Pafúncio Brasileiro

31 de março de 2012 às 12h33

Azenha,
O jornalismo do Magnoli ("separar o joio do trigo") significa manter o status atual do controle da "grande" mídia pelo mercado e pelo baronato, que é o mesmo desde os primórdios do Brasil. É porisso que ele detesta a internet com os seus blogs. A visão dele é totalmente conservadora e envolve interesses que não são o da sociedade como um todo.

Responder

    Lenin

    31 de março de 2012 às 20h51

    Magnoli vai querer posar de santo…N se trata de caça as bruxas,mas homens adultos,esclarecidos (intelectuais!),bem relacionados,e informados, em todos os quadrantes (…particularmente nos ninhos de cobras),n dá p/ bancar desolação de cidadão médio -mesmo pq,marchou,c/ dentes cerrados,nos movimentos raivosos contra adversários.

Martha Matos

31 de março de 2012 às 12h24

Do político espera-se projetos e discursos que promovam bem estar da população pagante desses administradores (ainda). Descobrindo os ladrões, psicopatas & Cia, pau neles mesmo… T O D O S. É o que tá faltando. Mas, "oremos" rs… seja o começo!

Responder

priscila presotto

31 de março de 2012 às 12h13

O que vcs preferem : Quadrilha ou Máfia ????????

Responder

Julio Silveira

31 de março de 2012 às 12h03

Me faz lembrar o filme os infiltrados. Trabalho bem feito pelo mafioso cachoeira conseguindo plantar um de seus associados nas altas rodas do poder. Quantos infiltrados a serviço do crime ainda estão por ser descobertos? Espero que a PF, com seus infiltrados do bem, consiga continuar trazendo eles a publico.

Responder

Roberto Ribeiro

31 de março de 2012 às 11h49

A continuar as coisas como estão, logo logo, o DEM terá que ser expulso do DEM!

Responder

claudio

31 de março de 2012 às 11h43

Para : Elogios ou críticas:
Senador Demóstenes Torres
nome civil: Demóstenes Lazaro Xavier Torres
data de nascimento: 23/01/1961
partido / UF: DEM / GO
naturalidade: Anicuns (GO)
endereço parlamentar: Ala Afonso Arinos Gabinete 13
telefones: (61) 3303-2091 a 2099
FAX: (61) 3303-2964
correio eletrônico: [email protected]

Responder

Marcelo de Matos

31 de março de 2012 às 11h35

Os holofotes estão muito voltados para Demóstenes, o que pode ser injusto com outro líder do DEM, Agripino Maia, que supostamente teria recebido R$ 1 mi via Detran-RN. Em 2009 ele admitiu ter recebido R$ 300.000 da Camargo Correa, como foi apurado na Operação Castelo de Areia. Na ocasião ele disse que foi tudo declarado à Justiça Eleitoral. Será que o Agripino também tem alguma coisa a ver com a Operação Castelo? Seria muito castelo na vida de um só político.

Responder

José X.

31 de março de 2012 às 11h21

Pior que estou quase dando o braço a torcer e me tornando um "vira-lata": o Brasil não é um país sério!!! Por se fosse, todo esse bando de gângsters estariam sendo processados e correndo sério risco de ir pra cadeia. Aqui, a gente sabe que não vai dar em nada, talvez algum bagrinho acabe preso, e olhe lá, não por muito tempo. (Embora eu saiba que na prática "país sério" seja apenas uma figura de linguagem todos os países têm seus podres.)

Como sempre, tudo isso ocorre livremente por que o judiciário brasileiro é podre, é o judiciário que trabalha para os 1%, quando não diretamente para os gânsters (além de trabalhar principalmente para o próprio judiciário, claro).

Adaptando um velho ditado, ou o Brasil acaba com o judiciário (podre), ou o judiciário acaba com o Brasil.

Responder

Paulo P.

31 de março de 2012 às 10h48

RECOMENDO este documentário…
http://www.youtube.com/watch?v=R0Os6Bs3HnU&fe…!

Responder

Fabio_Passos

31 de março de 2012 às 10h40

A revista veja também presta serviços ao carlinhos cachoeira.

A revista veja é parte da quadrilha.
A veja é uma organização criminosa.

Confiram:

"Veja livrou Cachoeira da prisão em 2004 com matéria falsa" http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/veja-liv

"
A parceria entre o jornalista Policarpo Junior, editor-chefe e diretor da sucursal da revista Veja em Brasília, e o contraventor Carlinhos Cachoeira é anterior e vai além dos 200 telefonemas entre eles, grampeados pela Polícia Federal, feitos no período de 2008 a 2010. Sob o título de Sujeira para Todo Lado, reportagem assinada por Policarpo em 3 de novembro de 2004, na edição 1.878, teve como efeito prático criar um clima político adverso à prisão de Carlos Cachoeira, cujo pedido neste sentido havia sido feito pela unanimidade dos 58 deputados estaduais do Rio de Janeiro. Eles aprovaram o relatório final da CPI da Loterj, mas a reportagem de Veja, feita com base em conversas gravadas por auxiliares de Cachoeira entre eles próprios e o então deputado federal pelo Rio de janeiro André Luiz, trata de cercar de suspeitas a atuação da própria Comissão.
"

Responder

    FrancoAtirador

    31 de março de 2012 às 19h52

    .
    .
    Veja só: 'Cachoeira e Demóstenes Torres armaram o mensalão'

    Quem diz é o ex-prefeito de Anápolis (GO) Ernani de Paula, que conviveu com os dois; ele foi amigo do contraventor e sua mulher Sandra elegeu-se suplente do senador do DEM em 2002; "Cachoeira filmou, Policarpo publicou e Demóstenes repercutiu", disse ele ao jornal Brasil247.

    Marco Damiani _247 – O Mensalão, maior escândalo político dos últimos anos, que pode ser julgado ainda este ano pelo Supremo Tribunal Federal, acaba de receber novas luzes. Elas partem do empresário Ernani de Paula, ex-prefeito de Anápolis, cidade natal do contraventor Carlinhos Cachoeira e base eleitoral do senador Demóstenes Torres (DEM-GO).

    “Estou convicto que Cachoeira e Demóstenes fabricaram a primeira denúncia do mensalão”, disse o ex-prefeito em entrevista ao 247.

    Para quem não se lembra, trata-se da fita em que um funcionário dos Correios, Maurício Marinho, aparece recebendo uma propina de R$ 5 mil dentro da estatal. A fita foi gravada pelo araponga Jairo Martins e divulgada numa reportagem assinada pelo jornalista Policarpo Júnior. Hoje, sabe-se que Jairo, além de fonte habitual da revista Veja, era remunerado por Cachoeira – ambos estão presos pela Operação Monte Carlo. “O Policarpo vivia lá na Vitapan”, disse Ernani de Paula ao 247.

    O ingrediente novo na história é a trama que unia três personagens: Cachoeira, Demóstenes e o próprio Ernani. No início do governo Lula, em 2003, o senador Demóstenes era cotado para se tornar Secretário Nacional de Segurança Pública. Teria apenas que mudar de partido, ingressando no PMDB. “Eu era o maior interessado, porque minha ex-mulher se tornaria senadora da República”, diz Ernani de Paula. Cachoeira também era um entusiasta da ideia, porque pretendia nacionalizar o jogo no País – atividade que já explorava livremente em Goiás.

    Segundo o ex-prefeito, houve um veto à indicação de Demóstenes. “Acho que partiu do Zé Dirceu”, diz o ex-prefeito. A partir daí, segundo ele, o senador goiano e seu amigo Carlos Cachoeira começaram a articular o troco.

    O primeiro disparo foi a fita que derrubou Waldomiro Diniz, ex-assessor de Dirceu, da Casa Civil. A fita também foi gravada por Cachoeira. O segundo, muito mais forte, foi a fita dos Correios, na reportagem de Policarpo Júnior, que desencadeou todo o enredo do Mensalão, em 2005.

    Agora, sete anos depois, na operação Monte Carlo, o jornalista de Veja aparece gravado em 200 conversas com o bicheiro Cachoeira, nas quais, supostamente, anteciparia matérias publicadas na revista de maior circulação do País.

    Até o presente momento, Veja não se pronunciou sobre as relações de seu redator-chefe com o bicheiro. E, agora, as informações prestadas ao 247 pelo ex-prefeito Ernani de Paula contribuem para completar o quadro a respeito da proximidade entre um bicheiro, um senador e a maior revista do País. Demonstram que o pano de fundo para essa relação frequente era o interesse de Cachoeira e Demóstenes em colocar um governo contra a parede. Veja foi usada ou fez parte da trama?

    http://brasil247.com/pt/247/poder/50208/%E2%80%9C

Mário

31 de março de 2012 às 10h22

Informa o blog do Mello que a linha de defesa do advogado do Demóstenes será a de que ele é psicopata, louco, sofre de dupla personalidade.

Louco, sem dúvida ele é. Mas por DINHEIRO.

Responder

RicardãoCarioca

31 de março de 2012 às 09h18

Tem mais tucanos envolvidos nessa maracutaia:
http://oglobo.globo.com/pais/pf-flagra-dois-parla

Como disse o PHA, se cavarem mais, chegarão no Cerra.

Responder

    Abelardo Silva

    31 de março de 2012 às 14h57

    Os tucanos envolvidos estão todos escondidos nas 28 lanchas da Ideli .

Josenvaldo Pereira

31 de março de 2012 às 08h20

Tou só "assuntando" e conjecturando com meus botões será que estas denuncias não vão chegar aqui em Minas e São Paulo não? Por aqu item tantos boatos de sujeiras, sei não! O Aecin Baladeiro e o Careca Çerra que se cuidem!

Responder

Gerson Carneiro

31 de março de 2012 às 04h10

Acabo de interceptar mais um diálogo:

Demóstenes – Fala Professor! O que deu essa semana?

Cachoeira – Fala Doutor! Deu Zebra.

Responder

Gerson Carneiro

31 de março de 2012 às 03h52

Alguém tem notícias do EUNAOSABIA?

Será que ele está em férias?

Cadê a trollaiada que vibrava com a queda dos ministros da Dilma?

Responder

Denise

31 de março de 2012 às 01h14

Cuidado com os moralistas!!! O moralismo costuma ser apenas uma capa posta por cima das pústulas.

Responder

Jorge Portugal

31 de março de 2012 às 01h08

Nascido em Anicuns, um município no interior goiano, Demóstenes Torres formou-se em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás e é integrante concursado do Ministério Público de Goiás desde 1983. Foi Procurador-Geral do órgão antes de ocupar o cargo de Secretário de Segurança Pública, entre 1999 a 2002, no governo de Marconi Perillo.
Filiado ao DEM, foi eleito senador da República em 2002 com 1 239 352 votos. Concorreu ao governo de Goiás em 2006 mas obteve apenas 3,5% dos votos, ocupando a quarta posição. Desde fevereiro de 2009 é presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a mais importante Comissão da Casa.
Foi considerado pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009.
Como presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Demóstenes Torres participou do I Congresso Mestiço Brasileiro, promovido pelo Nação Mestiça em Manaus, capital do Amazonas, em 20 de junho de 2011, onde discutiu temas como o Estatuto da Igualdade Racial e o sistema de cotas em universidades públicas. Corrupto

Responder

Julio Silveira

31 de março de 2012 às 00h02

Fala sério, mas esse senador é a cara dos defensores e apoiadores do periodo da ditadura.

Responder

creuza Maciel

30 de março de 2012 às 22h38

Que nojo! Um senador da republica, pago com meu dinheiro, servindo-se de offboy de bandido… Mais nojo vou sentir se este senhor se sair ileso desta….

Responder

    Jose Geraldo

    31 de março de 2012 às 05h40

    Officeboy de bandido, Boa definicao para este Crapula.

    Julio_De_Bem

    31 de março de 2012 às 13h16

    Eu que falei isso :(

    El Cid

    31 de março de 2012 às 09h07

    Creuza, o que me chamou atenção foi essa passagem:

    Demóstenes: ". Se você quiser votar, tudo bem, eu vou atrás…"

    lamentável saber que esse bandido pautava a "vestal"…

    Edmar

    01 de abril de 2012 às 15h31

    Mais grave é o DEMOstemes prometeR ao Cachoeira que ia ver se o texto da Lei que o 'professor' queria aprovada "SATISFAZ 'AQUELE PRESIDENTE' LÁ DO 'NEGÓCIO". Que presidente (O Gilmar?)? De que Negócio (o Supremo?)? Isso é grave demais e precisa ser muito mais investigado. Estaria com o "PRESIDENTE LÁ DO NEGÓCIO" o nextel SUMIDO?

Zé Brasil

30 de março de 2012 às 22h19

Vergonha!
O sujeito tem sido a caixa de ressonância da moralidade de fachada da direita piguenta que dá a pauta de quem deve ter sua moral arrasada por qualquer denúncia furada.
A melhor representação da expressão que cunhei tempos atrás nos blogs progressistas: "A Vestal dos pés de barro".

Responder

RicardãoCarioca

30 de março de 2012 às 22h17

Carta Capital reportagem de Leandro Fortes:
Segundo investigação da PF, Cachoeira mandava e desmandava em Goiás, que, na teoria, é governado por Marconi Perillo do PSDB.
'Em conversas telefônicas, o bicheiro jacta-se da influência sobre Perillo e sempre recorria a Demóstenes Torres, vulgo ‘gordinho’ '
O juiz Paulo Lima disse: 'É assustador o alcance dos tentáculos da organização criminosa.'

A imprensa oposicionista bem que tentou transformá-los nos paladinos da justiça kkkkk!

Responder

Gerson Carneiro

30 de março de 2012 às 22h03

Demóstenes, posso te falar uma coisa?

Pagar com VISA é muito melhor.

Responder

Marat

30 de março de 2012 às 22h01

Se num grampo com áudio ele disse isso, imagine o que não falou no grampo sem áudio com o Gilmarzão, hein?!

Responder

pperez

30 de março de 2012 às 21h42

Como o crime organizado pode acabar no Brasil, se o dialogo entre o poder paralelo e o oficial é assutadoramente real!
Será que este é um caso isolado?
Duvido!

Responder

Gerson Carneiro

30 de março de 2012 às 21h26

Gente, Demóstenes Torres vai engordar tudo novamente.

Trancafiado no Gabinete ele tem pedido apenas pizza porque é o que dá pra passar debaixo da porta.

Responder

Jorge Portugal

30 de março de 2012 às 21h15

Como eu luto sem emprego para manter um filho na faculdade e dois no ensino médio às vezes, chego em casa triste sem um centavo no bolso, mas otimista pelo próximo dia. Enquanto isso, gente corrupta que era para estar melhorando esse país e tá a serviço do crime organizado. Por quê?

Responder

    Zé Brasil

    31 de março de 2012 às 11h37

    A eles simplesmente faltam a Honra e Dignidade, que nem em palavras a conhecem.
    Siga em frente em sua luta Digna, pois valerá a pena e melhores dias certamente virão!

Gerson Carneiro

30 de março de 2012 às 21h14

Sabe aquele parlamentar norte-americano que fazia discurso inflamado contra homossexuais e um dia o namorado o delatou? É o Demóstenes.

Responder

Gerson Carneiro

30 de março de 2012 às 21h10

Demóstenes Torres equivale a um Padre pedófilo.

Responder

    Denise

    31 de março de 2012 às 01h09

    10 padres pedófilos!

    m cruz

    31 de março de 2012 às 11h32

    Tá mais para um pastor que, em nome de Deus, fica milionário. É só trocar Deus por "moralidade e ética" e ao milionário acrescentar "por contravenção e corrupção".

Marat

30 de março de 2012 às 21h09

Além dos absurdos de praxe, a parte cômica fica por conta do aparente conhecimento maior por parte do Cachoeira. Ele parece ensinar aspectos da legislação ao Senador… Como esse Demóstenes é malandro. E o PIG não era estúpido o suficiente para crer nele: sempre agiu de má-fé no apoio ao pseudo-senador!

Responder

Gerson Carneiro

30 de março de 2012 às 20h59

Demóstenes Torres era a Santa do Puteiro.

(e o puteiro é o Senado).

Responder

Julio_De_Bem

30 de março de 2012 às 20h52

Legal, um senador da república que é basicamente o ofice boy de um bandido. Comédia o paladino da ética servir a esse papel tão ridículo.

Responder

    Marat

    30 de março de 2012 às 21h59

    Julio, me lembrei de José Simão… aqui realmente é o País da Piada Pronta!

Davi Lemos

30 de março de 2012 às 20h52

Isso aí é o DEMo, partido aliado de sempre do PSDB.

Responder

RicardãoCarioca

30 de março de 2012 às 20h52

Eu gostaria de saber os nomes dos outros 14 que receberam os rádios do 'bem-vindo ao clube' do Cachoeira. Será que em algum dia, saberemos?

Responder

Paulo

30 de março de 2012 às 20h52

"Os 100 brasileiros mais influentes de 2009"

Homenagen da revista Época em 2009 a Demóstenes Torres:
http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/1,,EM…

Responder

    Rodrigo

    30 de março de 2012 às 22h14

    Paulo,

    Viu quem assina o texto sobre o DEMóstenes?

    O geógrafo da raça humana Demétrio Magnoli.

    "Do mensalão petista aos atos secretos de Sarney, o Congresso amarga uma longa e penosa trajetória de desmoralização. Esse cenário deplorável tende a ocultar do público a atuação de figuras, de diferentes partidos, que atestam o caráter insubstituível do parlamento. Uma das mais destacadas é o senador Demóstenes Torres (DEM-GO). Não é preciso concordar com tudo o que ele pensa ou faz para homenageá-lo. Demóstenes não é mais um comerciante no mercado em que se trafica influência em troca de cargos ou privilégios. Ele tem princípios e convicções. Foi o primeiro parlamentar graduado a erguer a voz contra as propostas de cotas raciais nas universidades. Poucos ousam enfrentar as ONGs racialistas, financiadas por fundações internacionais. Seu exemplo, espero, estimulará outros parlamentares a também externarem sua contrariedade. Ciente do convite feito à blogueira cubana Yoani Sánchez para participar do lançamento de seu livro no Brasil (e da resistência da ditadura dos Castros a autorizar viagens de oposicionistas), Demóstenes aprovou um convite para que Yoani apresentasse o livro em audiência pública no Senado. Não é um gesto menor, para quem preza as liberdades e despreza ditaduras de todos os matizes."

    Denise

    31 de março de 2012 às 01h16

    O geógrafo também deve ter um audio! Se puxarem o fio esta meada ele vai looooooonge……

    Gerson Carneiro

    31 de março de 2012 às 03h48

    O ídolo do Demétrio Magnoli não tem apenas os pés de barro, ele é todo de barro.

    Gerson Carneiro

    31 de março de 2012 às 05h41

    Rodrigo, tem o link desse texto dele?

    Rodrigo

    31 de março de 2012 às 11h47

    Gerson,

    Tem o link que o Paulo indicou (http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/1,,EMI108920-17445,00.html) e tem esse é que melhor pra compartilhar (http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/1,,EMI108781-15228,00.html)

    Aldemiro Ricardo

    31 de março de 2012 às 07h57

    Rodrigo: Olhando hoje a verdade que submergiu dá é vontade de vomitar. Este tal de Demétrio Magnoli é aquele Jornalista que vocifera sua estupidez de vez em quando a Roda Morta.
    E agora, será que ele vai fazer igual aque outro mentecaptpo mudando para Veneza ou vai se juntar a turminha do Merdal?
    Ou vai se juntar ao Boris Gary Casoy!

    El Cid

    31 de março de 2012 às 09h36

    Ricardo, esse babaca num Seminário Cultura e Liberdade de Imprensa em 2010, disse que "Blog não é Jornalismo", ao que Ricardo Kotscho diz que a internet diminuiu a "arrogância" dos jornalistas…

    poís é Demétrio, agora "chupa essa manga" !

    [youtube jSstzeavfXw http://www.youtube.com/watch?v=jSstzeavfXw youtube]

    priscila presotto

    31 de março de 2012 às 12h16

    Este cara o Demétrio é um idiota !!!!!!

    priscila presotto

    31 de março de 2012 às 12h20

    O dono da verdade!É um babaca ….Outros tempose muitos blogueiros são jornalistas…

    Carlos Pessoa

    31 de março de 2012 às 13h14

    Doutor de uma pseudo-elite intelectual. Jornalismo transcende qualquer academicismo. Considerações retrogradas…!!!!

    Gerson Carneiro

    31 de março de 2012 às 15h41

    E a mocinha desavisada tentou debochar: "mas foi uma entrevista virtual ou presencial?".

    E o geógrafo da raça humana morrendo de dor de cotovelo por não ter participado da entrevista do Lula aos blogueiros progressistas confirmou que foi uma entrevista presencial.

    Sr_Andante

    31 de março de 2012 às 14h28

    Geralmente esses textos são combinados com o próprio político. Portanto o jornalista deve fazer parte da quadrilha também

Jorge Portugal

30 de março de 2012 às 20h49

O estado a serviço da bandidagem. Por quê?
Até onde vai a impunidade a corrupção?
Uma pena. O Brasil não merece mais isso.
Até quando esse país vai estar doente.
Isso não é corrupção, isso é uma doença. Será que tem cura?

Responder

Arlene

30 de março de 2012 às 20h49

Nojooooooooooooooooooo! Certeza da impunidade!!!

Responder

edu marcondes

30 de março de 2012 às 20h47

O varão de Plutarco, querido da mídia conservadora está em processo de rápida deterioração

Responder

FrancoAtirador

30 de março de 2012 às 20h46

.
.
Cachoeira-Veja: um Murdoch brasileiro?

Do Brasil 247, via Tijolaço

Caso Policarpo-Cachoeira: será pior que Murdoch?

Relações incestuosas e, portanto, desvirtuadas entre jornalistas e fontes já causaram prisões e fecharam uma publicação secular.
Na Inglaterra, ano passado. Diretora executiva da News Corp., o conglomerado de mídia do magnata Ruppert Murdoch, a jornalista Rebekah Brooks chegou a ser presa pela polícia inglesa, interrogada por 12 horas e libertada sob fiança somente após contar o que sabia a respeito do trabalho de apuração que incluía escutas ilegais sobre personalidades do país e aquisição de informações com policiais mediante pagamentos em dinheiro.
O jornal The News of the World, que veiculava o material obtido na maior parte das vezes por aqueles métodos, teve de ser fechado por Murdoch, depois de mais de cem anos de publicação, por força dos protestos dos leitores e do público em geral. Eles se sentiram ultrajados com o, digamos, jeitinho que a redação agia para obter seus furos.

No Brasil, neste exato momento, a revista impressa de maior circulação do país está com seus métodos de apuração igualmente colocados em xeque.
Afinal, o caso das duzentas ligações telefônicas grampeadas pela Polícia Federal, nas investigações da Operação Monte Carlo, envolve num circuito fechado, e privilegiado, um contraventor especializado em se infiltrar em grandes estruturas do establishment e o atual número dois da revista.
O jornalista Policarpo Jr., que acumula o cargo de diretor da sucursal de Brasília, pode até ser visto como o número três ou quatro na hierarquia interna, à medida em que, em seu último arranjo de poder, o diretor de redação Eurídes Alcântara estabeleceu o singular modelo de ter três editores-chefe na publicação.
Mas com pelo menos quinze anos de serviços prestados à revista no coração do poder, Policarpo, reconhece-se, é “o cara”.
Ele foi repórter especial e seu estilo agressivo de atuar influenciou a atual geração de profissionais de Veja.
Eles são temidos por sua capacidade de levantar escândalos, promover julgamentos morais e decretar o destino de reputações.
A revista, a cada semana, se coloca como uma espécie de certificadora da moral e dos bons costumes no País, sempre pronta a baixar a marreta sobre o que julga fora dos seus padrões.

O problema, para Veja, é que o jogo de mão entre Policarpo Jr. e Carlinhos Cachoeira pode ter sido pesado, apesar de ainda não estar claro.
O silêncio da revista a respeito não contribui em nada para o seu esclarecimento.
A aparente relação de intimidade pessoal entre editor-chefe e o contraventor não apenas não é um fato como outro qualquer, como pode ser a ponta do maior escândalo de mídia já visto no Brasil.
A não publicação, na edição de Veja que está nas bancas, da surpreendente descoberta de ligações perigosas entre o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) – que na terça-feira 26, sob intensa pressão, renunciou ao posto de líder do partido no Senado – e Cachoeira acentuou a percepção generalizada de que o bicheiro e o jornalista tinham um ou alguns pactos de proteção e ajuda. Será?

A interrogação é procedente à medida em que, especialmente em Brasília, circulam rumores de que Policarpo comentaria abertamente com Cachoeira os assuntos que seriam abordados em edições futuras da revista e as angulações editoriais das reportagens.

Na Inglaterra, em meio às primeiras informações sobre o real modo de agir dos jornalistas do The News of the World, a primeira reação da casa foi também a de silêncio. Em seguida, negativas. Mas os desdobramentos do caso levantaram o véu da farsa e a verdade, finalmente, mostrou sua face.

Na versão tupi, a suspeita é de que tenha ocorrido, entre Policarpo e Cachoeira, bem mais do que acontece num relacionamento normal entre jornalista e fonte de informação.
Cachoeira, via Policarpo, talvez tenha se tornado um observador privilegiado da construção semanal da pauta política da revista, especialmente durante a eclosão do escândalo do mensalão, como afirmou ao 247 o ex-prefeito de Anápolis, Ernani de Paula.

Em nome de ter a notícia em primeira mão, é admissível, do ponto de vista ético, ao profissional da mídia manter relacionamentos privilegiados com quem ele considerar importante para este fim.
Mas quase nunca é aceitável fazer com que esses relacionamentos derivem para a não publicação de notícias ou a divulgação parcial dos fatos.

Normalmente, o mundo político espera uma edição da revista Veja para conhecer o conteúdo que ela apresenta sobre os outros.
Neste final de semana, o que se quer saber é o que Veja falará dela mesma.

Íntegra em:

http://www.tijolaco.com/cachoeira-veja-um-murdoch

Responder

    Lenin

    31 de março de 2012 às 00h17

    Sempre desconfie dos guardiães da moral e bons costumes -tanto faz se na política ou no dia a dia;é tudo igual,chafurdam,privadamente (êpa! n foi intencional),na lama.

Jorge Portugal

30 de março de 2012 às 20h42

Os dois vão presos?

Responder

Gustavo Pamplona

30 de março de 2012 às 20h30

Ok… deixa eu abrir os olhos da galera por aqui…

Vocês realmente acham que o PORCO agora está jogando o Mr. Demosthenes aos leões por simples e pura vontade… bom… todos nós sabemos que os negócios do Mr. Demosthenes Towers & Mr. Charlie Waterfall vão chegar ao Serra e também a Veja.

É como se diz… é melhor perder um aliado sem importância e proteger o queridinho Serra, não acham?

Além do mais isto está desvia a atenção de uma possível CPI e que seria potencialmente destrutiva ao Serra, enfim… é melhor sacrficar o Mr. Demosthenes agora e deixar a CPI de lado… afinal… todos nós sabemos que no Brasil quando um político perde o cargo por denúncias as investigações contra ele praticamente somem da imprensa.

E falando em CPI's, outra que o PORCO anda desviando a atenção é a da Privataria Tucana. Mas esta eu reconheço que seria pedir demais.

Outra coisa: Vocês já repararam que as denúncias contra a oposição são sempre da Polícia Federal enquanto as da situação são sempre do PORCO. É ou não é interessante isto?

—-
Desde Jun/2007 abrindo os olhos e desviando a atenção da galera do "Vi o Mundo"! ;-)
Fundador do PORCO – Partido de Oligarcas Representantes de Capitalistas Opressores (PIG)

Responder

    RicardãoCarioca

    30 de março de 2012 às 21h28

    Se a PF fosse petista, como tenta sujerir, ela já teria detonado os privateiros tucanos, por exemplo. A PF é republicana, trabalha com tudo contra, inclusive com a malíssima vontade de alguns do STF, STJ, etc. Melhor do que perder tempo com provocações baratas, seria você ir cortar esse bigode e cavanhaque horrorosos.

    RicardãoCarioca

    30 de março de 2012 às 22h27

    Tadinho. Defendendo quem nem mais tenta se defender:
    http://www1.folha.uol.com.br/poder/1068774-senado

    Ô eleitorado alienado esse da oposição que lê PiG e perde tempo com provocações baratas em blogs progressistas!

    renato

    30 de março de 2012 às 22h40

    Ô Gutavo, fiquei fã, você agora mostrou a quem interessa a derrubada do Demostenes.
    Mas se é fácil derrubar um senador,assim a qualquer hora.
    Como ficam os políticos, sabendo que alguém pode ter o dossiê deles em mãos.
    Compram e vendem, assim fácil.

Elias

30 de março de 2012 às 20h30

É profundamente lamentável ver esses políticos que, usando da sua imunidade parlamentar, pratiquem atos ilícitos, corrupção, formação de quadrilha etc. Já passou da hora do povo brasileiro ver essa corja sendo banida da nossa política, pois todo que é roubado vem do nosso suado dinheiro. Foooooooooooooooooooooooooooooooooora malditos ratos da nação!!!!!!

Responder

Rogerio

30 de março de 2012 às 20h26

Ler as transcrições já é um soco na casa da gente, que trabalha, que paga impostos, que respeita a lei e o faz por que acha que é assim que tem que ser… Agora, ouvir esses calhordas discutindo sobre se a lei pega ou não pega um sujeito que trabalha com jogo , justo um sujeito que sempre esbravejou pela retidão, um advogado, um promotor!? Um cara que tem noção do que é certo e o que é ilegal… Aí é cuspir na casa das pessoas, infelizes eleitores que elegeram essa porcaria como Senador da Republica. Daí eu pergunto: a porcaria da imunidade parlamentar vai dar abrigo para esse tipo de coisa???

Responder

Messias Macedo

30 de março de 2012 às 20h22

EM TEMPO DE DIARREIA MORAL: A batata do Agripino (e do Cerra) está assando – em http://www.conversaafiada.com.br/

AO QUE DIRIA “um chef” aqui do sertão/agreste baiano: “Depois de assada, ‘bote’ uma colherinha de azeite de dendê sobre a batata e não economize na pimenta. É só servir ao (S)erra, ao DEMÓstenes, ao Marconi Perillo, ao outro ‘padadino’ [o santo (sic) inquisidor Álvaro Dias], ao aGRIPEno Maia… Em plena campanha política, e inaugure-se o sanitário público local!…”

(Que país é esse, sô?! República de ‘Nois’ Bananas, responde, “na lata”, o matuto ‘bananiense’!)

República Destes Glutões Farofeiros/Galhofeiros ‘Bananienses’
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

_Rorschach_

30 de março de 2012 às 20h15

E agora vai chegar no Agripino :
http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-notic

"Se gritar pega ladrão…
Não fica um meu irmão…"

Responder

RicardãoCarioca

30 de março de 2012 às 20h09

E não é que o PiG divulgou o áudio?
http://oglobo.globo.com/pais/ouca-trechos-das-gra

Demóstenes: mero pau mandado a 30 %/moedas.

Responder

Tomudjin

30 de março de 2012 às 20h06

O que torna todos os homens iguais é o terno.

Responder

Renato M

30 de março de 2012 às 19h49

Perguntas. Demóstenes será capa da Veja? Os arautos da moralidade (Jabor,Azevedo, Demétrio Magnoli, Marco Antonio Villa, Mainardi e outros pulhas) escreverão artigos indignados? Cadê o Bonhausen, o Álvaro Dias e toda a malta do PSDB para protestar? Infelizmente o nível da classe política é do piores. Só com uma educação crítica e de qualidade poderemos melhorar.

Responder

    Aldemiro Ricardo

    31 de março de 2012 às 08h13

    Eu tou torcendo para estes detritos de maré baixa chegar em São Paulo e esbarrar no Çerra. E pelo visto não há escapatoria, pois na questão dos genêricos o Padin Çerra tá enterrado até o pescoço.
    Vamos lá pessoal , CPI nestes Corrúptos e as duas como o Lula quer!

Bonifa

30 de março de 2012 às 19h42

Os desembargadores acossados por senadores a serviço de bandidos… Como é que a Justiça pode ser justa em semelhante situação? Tudo isso é estarrecedor para um cidadão inocente. Mas agora se apresenta a oportunidade duramente cavada pelo trabalho policial, mesmo que depois o policial tenha aderido à Máfia. Apresenta-se a oportunidade viável de destruir um grande esquema de corrupção com profunda infiltração política.

Responder

FrancoAtirador

30 de março de 2012 às 19h38

.
.
Pelo visto (e lido e ouvido), essa QUADRILHA é bem maior do que aparenta ser.

Tudo leva a crer que as ramificações se estendem ao Judiciário, MP e Mídia.
.
.

Responder

Luc

30 de março de 2012 às 19h32

"…Em depoimento, o empresário José Gilmar de Carvalho Lopes, preso na Operação Sinal Fechado, relatou o suposto repasse de R$ 1 milhão ao parlamentar e a Carlos Augusto Rosado, marido da governadora do RN, Rosalba Ciarlini (DEM)…"

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,mp-pe

Responder

    Aldemiro Ricardo

    31 de março de 2012 às 08h17

    Mas, pelo visto este Um milhãode reais foi repassado foi ao Jája Rabo de Palha Agripino. Pelo menos é o que a Imprensa tá dizendo e o Ministério Público já denunciou o citado Senador ao Brindeiro Gurgel.
    Parece que não haverá outra saida ao Brindeiro em não denunciar o meliante.

claudio

30 de março de 2012 às 19h31

Comentar o que?
É Nojento!

Responder

Conservador316

30 de março de 2012 às 19h31

Isso serve pra gente ver a diferença de tratamento.
Os jornalistas "progressistas" estão atacando Demostenes, mas quando Jose Dirceu errou TODOS os jornalistas "progressistas" o defenderam.
Os jornalistas chamados de "conservadores" que elogiavam Demostenes, inclusive um jornalista conhecido da revista Veja NAO está defendendo Demostenes agora.
Essa é a diferença.

Responder

    Joao Barbosa

    30 de março de 2012 às 21h47

    A diferença é que os "conservadores" acusam sem provas. Eles sustentam as acusações APENAS em materias jornalisticas. Parece até professor de universidade federal…eu te cito, tu me citas…
    Os "conservadores" tentam ganhar o jogo no grito…na base do abafa…

    Já os "progressistas", dessem o porrete baseados em fatos!!! Eles sustentam as acusações nas provas e inqueritos produzidos pela PF.

    Sutil diferença…não?!?

    Ricardo JC

    30 de março de 2012 às 22h04

    Perdão amigo…você está enganado. A Veja não deu uma linha sobre o Demóstenes na edição desta última semana.

    Fernando Soares

    30 de março de 2012 às 22h22

    Esse tal de conservador tá de brincadeira com a gente. Pode não parecer , mas as pessoas que frequentam esse sítio tem mais inteligência do que ele supõe.
    Dizer que os jornalistas do esgoto não estão defendendo o digníssimo senador Demóstenes por que são justos e democráticos , é quere passar atestado de idiotice na nossa cara.
    Senhor conservador, vou tentar desenhar pra você entender, os calhordas do PIG estão se calando simpesmente porque estão se borrando de medo que as investigações evoluam e mostre toda a sujeira que os demo-tucanos estão metidos, e o tal jornalista da veja que você menciona também esta caladinho porque o panfleto para onde ele escreve esta metido até o pescoço nas gravações apuradas até o momento pela polícia federal, ou seja, a máscara caiu, o que todos sabiam e aguardavam apenas as provas agora se tem a certeza , o PIG sempre esteve ao lado da direita conservadora e golpista, tramando na calada da noite formas de derrubar o governo legítimo e aprovadíssimo do Sr. Lula. Simples assim.

Milton Quadros

30 de março de 2012 às 19h24

Tem mais. Com certeza não é só esse, é só procurar pelos Nextel.

Responder

Guilherme Souto

30 de março de 2012 às 19h20

E aquela pompa toda? " Vou fazer o que cê que…" SAFADO!!!!!!!

Responder

alex

30 de março de 2012 às 19h18

Prezado Azenha, como vai?

A CartaCapital já está nas bancas. Mas com esta capa não vai chegar até Goiás. Fica no caminho. dê uma olhada na capa e veja se vc não pode colocá-la aqui Viomundo. Assim os blognautas goianos poderão apreciá-la.
veja: http://www.cartacapital.com.br/edicao-da-semana/v

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding