VIOMUNDO

Diário da Resistência


Cartel dá R$ 307 milhões de prejuízo à CPTM; Alckmin faz vista grossa
Denúncias

Cartel dá R$ 307 milhões de prejuízo à CPTM; Alckmin faz vista grossa


11/09/2013 - 13h30

O presidente CPTM, Mário Manuel  Bandeira, é pessoa de confiança do governador Geraldo Alckmin

por Conceição Lemes

Nesta quarta-feira 11, a convite de deputados do PT, o presidente da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), Mário Manuel Seabra Rodrigues Bandeira, depõe na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), sobre o pagamento de propinas e formação de cartel em licitações da empresa.

Em 26 de agosto de 2013, o Viomundo denunciou: Alckmin contrata por R$ 2,7 bilhões empresas acusadas de fraudes em licitações e envolvimento no propinoduto tucano.

A reportagem refere-se a oito concorrências feitas CPTM, todas ganhas por empresas delatadas pela Siemens como integrantes do esquema de corrupção e cujos contratos foram assinados este ano.

Seis delas têm como objeto reforma/manutenção de trens em circulação. Valor dos contratos: R$ 900 milhões.

Os dois maiores, assinados quando as delações da Siemens já eram públicas, custarão aos cofres públicos R$ 1,8 bilhão.

Essa concorrência — diz respeito à compra de 65 novos trens — foi aberta em março de 2013 e dividida em dois lotes.

O consórcio Iesa-Hyundai Rotem ganhou o lote 1 da concorrência 808513201100, cujo objeto era a aquisição de 30 trens. Seu contrato, assinado em 9 de agosto de 2013, foi publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo (DOESP), em 13 de agosto.

A CAF faturou o lote 2. Concorrência: 808513201101 para fornecer 35 novos trens à CPTM. Foi assinado em 31 de julho de 2013 e publicado no  DOESP, de 2 de agosto de 2013.

O leitor Wagner, nos comentários,  nos alertou:

Na mosca. De fato, no primeiro lote, cada trem saiu por R$ 28,89 milhões. No segundo, por R$ 26,27 milhões.

Portanto, a CPTM pagará para cada trem do lote 2 – é igualzinho ao do lote 1! — R$ 2,62 milhões a mais.

Considerando que são 35 trens, o contrato custará mais R$ 92,70 milhões aos cofres públicos, embora os equipamentos sejam os mesmos.

Essa diferença já não seria um indício do modus operandi do cartel delatado pelo Siemens e que superfaturava os preços de concorrências feitas pela CPTM?

Mas há outro flagrante da provável manipulação de preços e fraude nas concorrências 808513201100 e 808513201101, que denunciamos. Atente ao julgamento delas publicado no DOESP, de 22 de junho de 2013.

Curiosamente, o consórcio Iesa-Hyundai Rotem ganhou o lote 1, a CAF ficou em segundo lugar.  No lote 2, ocorreu o inverso. CAF ficou em primeiro lugar, a Iesa-Hyundai Rotem, em segundo.

Por isso insistimos: Por que preços diferentes se os trens (cada um com oito carros) são exatamente os mesmos?

A MISTERIOSA CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL DE 2012 PARA OS MESMOS 65 TRENS DA CPTM

As estranhezas detectadas nas concorrências 808513201100 e 808513201101, de 2013, nos fizeram aprofundar ainda mais a busca no DOESP.

E, aí, nova surpresa. Em 2012, a CPTM realizou a concorrência internacional nº 8190122011 para comprar os mesmos 65 trens de 2013.

A licitação internacional nº 8190122011, lançada inicialmente em março de 2012, foi republicada em setembro de 2012.

[Quer mais investigações?  Assine o Viomundo aqui e  ajude-nos a produzir mais conteúdo exclusivo]

Mas, afinal, quem ganhou essa concorrência?

Questionei a assessoria de imprensa da CPTM. Ela não respondeu. Reiteramos a solicitação nessa segunda-feira 9. Nada.

O DOESP de 28 de dezembro de 2012 traz o seu julgamento (imagem abaixo). O consórcio CPTM, integrado pelas empresas Alston e CAF, foi desclassificado provavelmente por apresentar valor acima do de referência. Ou seja, a licitação foi declarada deserta.

Mesmo assim a pergunta crucial permanece sem resposta: Quem ganhou essa licitação?

Para saber só há um caminho: algum deputado perguntar isso diretamente ao presidente da CPTM, Mário Manuel Bandeira, nesta quarta-feira, durante  audiência na Alesp.

De qualquer forma, a licitação nº 8190122011, além de ter sido declarada deserta, tem outro ponto nebuloso.

Na página 293 do seu edital (tem 307 págs), está o cronograma físico financeiro. Em setembro de 2012, o preço de referência (o máximo) para os dois lotes da concorrência nº 8190122011 era R$1,58 bilhão. O lote 1, R$ 732,7 milhões. E o lote 2, R$ 851 milhões.

 

Lembram-se de que, em março de 2013, a CPTM abriu concorrência nº 8085132011 para aquisição de 65 trens, divididos em dois lotes?

Pois bem, o preço de referência determinado pela CPTM para os dois lotes, que em setembro de 2012 era R$ 1,58 bilhão, passou para R$ 1,95 bilhão na licitação de março de 2013.

Ou seja, R$ 370 milhões – 23% — a mais na concorrência 808513201101 para os mesmos 65 trens.

Mas, se considerarmos que os contratos foram  fechados por R$ 1,8 bilhão, são R$ 215 milhões a mais em relação ao preço referencial de setembro de 2012.

Agora, se a esses R$ 215 milhões acrescermos os R$ 92,70 milhões que 35 trens custarão além, serão R$ 307,7 milhões a mais. Ou seja, R$ 307,7 milhões de prejuízos aos cofres públicos.

Por isso estas são outras perguntas ao presidente da CPTM  nesta quarta-feira na Alesp:

1) Por que a CPTM pagou mais R$ 307 milhões pelos mesmos 65 trens?

2) Considerando a licitação da qual a Alston fazia parte foi desclassificada, será que ela foi subcontratada pela vencedora CAF?

3) Por que a CPTM não suspendeu a assinatura dos contratos de compras dos 65 trens, já que os contratos deles foram assinados após as denúncias do cartel terem vindo a público?

4) Pela legislação atual, não pode haver duas licitações para o mesmo objeto, ou seja, para a compra dos mesmos 65 trens em 2012, depois em 2013. Qual o recurso que a CPTM se valeu para legitimar essa operação?

A propósito, na semana passada, em 4 de setembro, o presidente do Metrô do Metrô, Luiz Antonio Carvalho Pacheco, foi à Assembleia Legislativa de São Paulo,  para  falar sobre as licitações e contratos firmados pelo Metrô com a empresa Siemens, especialmente em relação às denúncias de cartel.

Durante a audiência, o deputado estadual Adriano Diogo (PT-SP) perguntou ao presidente do Metrô:

1) A concorrência para o monotrilho da linha 15 prata (antigo prolongamento da Linha 2-Verde, do Metrô) tinha como preço de referência  na concorrência internacional nº 41889213 o valor de R$ 2,1 bilhões. Essa licitação, porém, foi declarada deserta. Sete meses depois o Metrô lançou a concorrência internacional nº 41180213 com valor referência de R$ 2,37 bilhões.

Essa licitação foi ganha pelo Consórcio Expresso Monotrilho Leste, do qual fazem parte a Construtora Queiroz Galvão (líder), a Construtora OAS, a Bombardier Transit Corporation e Bombardier Transportation Brasil. Valor:  R$ 2,46 bilhões, ou seja, R$ 365 milhões maior que a o valor de referência da primeira licitação, que foi declarada deserta.

O senhor poderia explicar como se ganha licitação acima do preço de referência e por que o governo paulista não coibiu a ação do cartel da corrupção, anulando essa licitação?

2) O contrato para o monotrilho da linha 15 Prata do Metrô já teve  três aditamentos, que somam quase R$ 220 milhões. Ou seja, o seu preço já é R$ 584 milhões superior a primeira licitação, que foi declarada deserta.

Essa é uma prática comum do cartel da corrupção, tendo em vista que a Bombardier e a Serveng são citadas na denúncia da Siemens, para aumentar os preços das obras? Por que o governo paulista não coibiu estas praticas?

3) A justiça  constatou  superfaturamento de R$ 326 milhões na linha da obra da linha 5 do metrô e afastou o presidente do metrô Sérgio Avelleda. Até o momento já houve aditamento de R$ 170 milhões nesta linha e se prorrogou a sua entrega. O senhor não considera imoral aumentar o custo de uma obra já superfaturada?

O presidente do Metrô não respondeu nenhuma dessas perguntas. E a mídia lá presente, cobrindo a audiência, também se calou, não noticiou nada disso

Será que o presidente da CPTM também vai deixar responder perguntas semelhantes, já que o  modus operandi do cartel que fraudava licitações no Metrô é o mesmo existente na CPTM?

Mas duas coisas são certas: o cartel fraudador causou prejuízos de R$ 307,7 milhões aos cofres públicos do Estado de São Paulo e o  governo Alckmin que acabou  fazendo vista grossa a esse superfaturamento.

Leia também:

IstoÉ: 20 milhões de euros na conta master do propinoduto tucano

IstoÉ: Todos os homens que operaram o propinoduto paulista

Propina tucana frequentou conta laranja. Literalmente

Carlos Neder: Tucanos sumiram com 30 kms do metrô paulistano

Bob Fernandes: Sobre os acusadores dos últimos anos

João Paulo Rillo: Alckmin, a raposa, o galinheiro e o cartel

Marcolino: Esquema de corrupção em SP é mais amplo que o noticiado

Hamilton Pereira: Não é cartel de empresas, é corrupção do PSDB

João Paulo Rillo: A impunidade de Alckmin

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



32 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Janio de Freitas: Alckmin foi a BSB combinar depoimentos em CPI, se é crime para o PT e também para o PSDB | Maria Frô

10 de agosto de 2014 às 10h01

[…] Cartel dá R$ 307 milhões de prejuízo à CPTM; Alckmin faz vista grossa […]

Responder

Janio de Freitas: Se é crime combinar depoimentos em CPI, é também para o PSDB « Viomundo - O que você não vê na mídia

07 de agosto de 2014 às 16h31

[…] Cartel dá R$ 307 milhões de prejuízo à CPTM; Alckmin faz vista grossa […]

Responder

wagner

28 de outubro de 2013 às 12h29

Não consegui encontrar um e-mail para poder enviar a denúncia abaixo, por isso estou tentando enviar por aqui mesmo:

Em matéria de Conceição Lemes, no site Viomundo de 26/08/13, que tinha por título “Alckmin contrata empresas acusadas de envolvimento no propinoduto tucano”, fiz um comentário, usando meu próprio nome e também minha foto, conforme abaixo
er, 27/08/2013 – 9:29
Wagner
Sra. Conceição Lemes
Você já experimentou calcular o preço unitário dos 35 trens contratados pela CPTM e compará-los com os preços unitários dos 30 trens contratados no outro lote. Surpresa: valores muito diferentes para trens iguais. Por que foram divididos em DOIS lotes?

Link da matéria de 26/08/13
https://www.viomundo.com.br/denuncias/cartel-envolvido-no-propinoduto-do-tucanato-paulista-ganhou-licitacoes-em-2013.html

Em 11/09/13 a jornalista aprofundou as denúncias, e usou meu comentário em seu texto:
O leitor Wagner, nos comentários, nos alertou:

Link da matéria de 11/09/13
https://www.viomundo.com.br/denuncias/cptm-e-conivente-com.html
Às 17:00 hs do dia 27/09/13 fui chamado na sala do gerente, que me informou que infelizmente eu “não me enquadrava na reestruturação que a empresa faria”, e desta forma estava sendo demitido. Demorou 16 anos para perceberem que não me enquadrava na empresa!!

Responder

Cartel fraudador: Deputados do PT pedem ao MP que investigue Serra por omissão - Viomundo - O que você não vê na mídia

24 de setembro de 2013 às 11h28

[…] Cartel dá R$ 307 milhões de prejuízo à CPTM; Alckmin faz vista grossa […]

Responder

Santayana: Bernardo cede ao lobby da TV a cabo em prejuízo do consumidor - Viomundo - O que você não vê na mídia

13 de setembro de 2013 às 22h21

[…] Cartel dá R$ 307 milhões de prejuízo à CPTM; Alckmin faz vista grossa […]

Responder

Rodrigo

12 de setembro de 2013 às 23h37

Esta matéria, retirada do Brasil de Fato, mostra como o Alqmim e os Tucanos tratam os interesses públicos. Ignorando os direitos, e privatizando os bens públicos.

Indígenas Guarani convocam ato contra a privatização de suas terras
Estados do Brasil: São Paulo

Além disso, a comunidade reivindica a descontaminação da lagoa do Parque Estadual, que os afeta há mais de 15 anos, e a demarcação da terra

12/09/2013

da Redação

A comunidade indígena Guarani, do Jaraguá, zona norte de São Paulo, vem passando por sérios problemas. A contaminação da lagoa que abastece a aldeia, a privatização do Parque Estadual e o não reconhecimento de suas terras são vistos como um ‘desrespeito por parte do governo estadual aos direitos fundamentais dos povos indígenas’. Devido a esses empecilhos, os Guarani convocam uma manifestação para esta sexta-feira (13), às 11h.

A aldeia dos Guarani do Jaraguá é considerada a menor do Brasil, com 17.000m2. Além do pouco espaço, o terreno, construído após a formação e reconhecimento da aldeia, ainda é cortado pela estrada que leva ao pico do Jaraguá. A luta pela ampliação da terra já dura duas décadas.

Já a privatização do Parque Estadual, anunciado em maio deste ano pelo governo do estado, ameaça o livre acesso das pessoas no local. Criado oficialmente em 1961, o parque abriga os últimos remanescentes de Mata Atlântica da região metropolitana de São Paulo, que hoje podem ser contemplados gratuitamente. Mas, com a privatização, a empresa vencedora terá o prazo de 30 anos para explorar comercialmente e cobrar acessos como serviços de estacionamento, restaurante e passeio pelas trilhas.

Além disso, a comunidade reivindica a descontaminação da lagoa do Parque Estadual. Segundo os indígenas, o córrego carrega a água contaminada para dentro da aldeia, causando sérios riscos à saúde das pessoas. O problema é enfrentado pela comunidade há mais de 15 anos.

Quando: sexta, dia 13 de setembro, às 11hs.

Onde: Estrada Turística do Jaraguá nº 3750 – Aldeia Guarani JARAGUÁ – zona norte de São Paulo.

Foto: Nilda Rodrigues/PAVS
Share on facebookShare on orkutShare on twitterShare on printShare on pdfonlineShare on email

Responder

Nigro

12 de setembro de 2013 às 19h09

Corrupto por corrupto. Olho por olho, dente por dente.
Que piada de país.
Olha o naipe das “discussões” pré campanha eleitoral.
“Mensalão” x “propinoduto”… Quem é pior?
“Ah, eu não sabia de nada, me sinto traído” Lula disse isso no estouro do mensalão e Alckmin dirá agora.
E vocês achando que há como um governo resolver o Brasil. Não há.
O povo não gosta de trabalhar, só fala em futebol, idolatra atletas de araque, apreesntadores de TV imbecis, novelas burras…
Isso sem falar na desonestidade endêmica. Quantos dos participantes desse fórum o fazem usando softwares piratas? Quantos dão propina para o guarda e para renovar a CNH?

Não há esperança.

Responder

    Luís CPPrudente

    12 de setembro de 2013 às 20h00

    Ainda bem que nós temos o Nigro para “alumiar” o nosso caminho!

    Nigro

    12 de setembro de 2013 às 22h28

    Obrigado.

kalifa

12 de setembro de 2013 às 16h06

O alkimin finge não entender que todos nós estamos falando que o ladrão é ele!Ele ainda vai entender!

Responder

    Luís CPPrudente

    12 de setembro de 2013 às 19h42

    Alckimin, o ladrão é ele, Alckimin!

    O Geraldo Alckimin diz que vai investigar quem é o ladrão!

    Luís CPPrudente

    12 de setembro de 2013 às 19h55

    Enquanto isto, como todo tucano proprineiro faz, ele vai colocar a cabeça dentro de um buraco e fingir que não está ouvindo: “Alckimin, o ladrão é ele, Alckimin!”

O DOUTRINADOR

12 de setembro de 2013 às 13h04

FALTOU a pergunta quatro!
4 – Quanto em espécie? em que moeda? o Senhor, o Governador Alckmin, e quem mais recebeu PROPINA incluindo os Secretários e Deputados Estaduais, ex Governador, ex Presidente, ex Prefeito, etc…?

Responder

Jose Mario HRP

12 de setembro de 2013 às 12h44 Responder

Aline C Pavia

12 de setembro de 2013 às 09h31

“Vai faltar guilhotina” sábias palavras, Geraldinho Pinheirinho.

Responder

Mardones

12 de setembro de 2013 às 09h26

E assim os tucanos vão fazendo em São Paulo o que deixaram de fazer no Brasil, quando foram retirados do poder pelo voto.
Todas essas irregularidades nos contratos fraudulentos não causam espécie no PIG porque isso faz parte do acordo entre os tucanos, as empresas e a imprensa, que tentou propagar a ideia de que corrupto era petista.
Não colou.
Infelizmente, o MPE, TCE, PGE, AL e mídia estão nas mãos e nos bolsos dos tucanos.

O trensalão vai ter o mesmo tratamento do mensalão tucano mineiro: vai ficar engavetado.

Responder

Jose Mario HRP

12 de setembro de 2013 às 08h16

Quando o malfadado Mario Covas chegou ao poder em São Paulo sewu discurso moralista batia na roubalheira de Fleury, Quércia, a falencia do Banespa e …..blá blá blá blá blá!
“Saneou” o estado e depois montou a sua guangue de larápios profissionais:
Anibal, Madeira, P. Renato, Clóvis Carvalho(Blearghhhhh),Aloysio Nunes, Serra, FHC e outros menos votados se auto convocaram para o “Salto Neoliberal” que levou o país a quebradeira , FMI e a insignificancia internacional!
Mas aqui em Sampa a maquiagem da roubalheira nunca deixou que aparecessem as provas e a podridão das falcatruas!
Aquela mansão “Sabe de quem” lá na Riviera de São Lourenço foi comprada com salário de cargo do Executivo?
FALA SÉRIO povão paulista, Voces são culpados por reeleger essa malta!!!
Não reclamem, voces merecem pagar esse preço!

Responder

Roberto Locatelli

12 de setembro de 2013 às 05h55

Situação gravíssima. Os tucanos sabem que os ministérios públicos (federal e estadual) os protegerão, assim como a trupe midiática do Joaquim Globo.

Contam também com o acobertamento do PIG (Partido da Imprensa Golpista) e, por isso, continuam roubando como se nada tivesse acontecido.

Responder

Kazuhiro Uehara

12 de setembro de 2013 às 04h01

Corrupção? Só dos outros, o meu não! E me ajuda aí, o PIG, eu estou pagando bem com o erário do estado!!! Continuem manipulando informações para nos continuarmos roubando os sadomasoquistas paulistas e paulistanos!!!

Responder

Luís CPPrudente

11 de setembro de 2013 às 23h45

Geraldo Alckimin é honesto…tão honesto quanto o juiz Nicolau dos Santos.

Geraldo Alckimin é do mesmo clube de pessoas honorárias. Neste clube estão: Joaquim Barbosa, Gilmar Dantas, Carlinhos Cachoeira, Daniel Dantas, Natan Donadon, a famiglia Marinho, a famiglia Civita, Nosferatu Cerra, o finado FHC. Tudo gente boa!!!!!

Lendo as notícias das famiglias do PIG, chegamos à conclusão que alguém está querendo sujar o nome honrado de Geraldo Alckimin, ligando ele a um suposto escândalo do Metropolitano paulista.

Responder

Bacellar

11 de setembro de 2013 às 20h51

Os tucanos são os melhores gestores do Brasil. Dos seus patrimonios pessoais.

Responder

Therezinha Fini

11 de setembro de 2013 às 20h39

Todos os blogs tem que publicar e todos nós temos que compartilhar!!!
Porque se depender do PIG e do MPE, nada vai acontecer!!!
Parabéns pela pesquisa e matéria!!!

Responder

José X.

11 de setembro de 2013 às 19h46

Não tem jeito. Como isso aí não vai sair na Globo, nem o pessoal dos 20 centavos vai protestar (nunca protestaram contra o Alckmin e o Serra, a não ser muito recentemente, pra não dar na vista) o Alckmin vai deitar e rolar com ***nosso*** dinheiro. Nem mesmo as lesmas dos deputados do PT se manifestam…

Responder

Luís Carlos

11 de setembro de 2013 às 19h16

Conceição
Você daria uma ótima auditora. Parabéns pelo trabalho minucioso.

Responder

IONE

11 de setembro de 2013 às 17h48

O povo é tão, mas tão ignorante que voto e partido é questão de fé. Pode?

A classe mérdia votante se identifica com esse partido e vota. Pronto!

Responder

    renato

    11 de setembro de 2013 às 20h18

    Ione minha querida.
    O Lula governa para todo este povo.
    E para nós…
    Quer queira quer não. É oficio.
    E tem que ser.É Democracia…
    Ops…então você pode pensar o que quiser!

renato

11 de setembro de 2013 às 14h32

De novo Alkimin, de novo!
Não acredito, MAS…de novo!
Assim você vai acabar com o dinheiro do
país, e se não souber o que esta acontecendo
é pior ainda, porque os parceiros, estão levando
a baba embaixo das tuas barbas.
É muita divida com os bandidos que usaram para se
eleger, agora os caras estão cobrando.
E não de a eles para ver se não morre seco e arreganhado!

Responder

Julio Silveira

11 de setembro de 2013 às 14h31

Ele fica impassível e mudo por que não sai exclusivamente do bolso dele como cidadão paulista. Além do que a parte dele, como contribuinte, neste prejuízo estatal, facilmente se dilui em compensações pagas a ele, pelos demais contribuintes nos benefícios devidos a personagens públicos como ele.
No Brasil tudo pode, por que ninguém será responsabilizado de fato com o rigor necessário principalmente neste nível de poder quando cobrado pelas responsabilidades implícitas em suas atribuições. Somos um território onde existe um saco sem fundo e um povo incapaz de ser representado com sinceridade e dignidade, além dos coloquiais discursos e da pompa dos rituais, apreciados por muitos, mas ineficazes para medir a sinceridade e a responsabilidade. Tudo isso só faz contribuir quer por ação ou omissão para ilícitos acontecerem e isso vai desde a marginalidade mas carente até ao colarinho branco onde corrupção vira endêmica. Nosso fraqueza judiciária é apenas uma faceta de um sistema que foi criado como substituto para os capitães do mato, que buscam punir apenas a raia miúda que sai da linha em revoltas ao comando dessas “constituídas autoridades”. Mesmo assim ainda se faz necessário esse sistema para que a vista geral tenha a impressão de igualitário mas que serve mesmo para proteção do alto, criado mais para atenuar possíveis punições nesse escalão, o que distorce a verdadeira justiça.
Por isso já somos reconhecidos até mundialmente como um a casa da mãe Joana, onde o salve-se quem puder virou a premissa basica.

Responder

antonio carlos ciccone

11 de setembro de 2013 às 14h15

Enviem este texto para todos os que acham que não há documentação sobre o Tucano-propinoduto.
Tem eleitores tucanos que não acreditam nos textos da Revista Isto É.
Ou não querem acreditar.

Responder

    Nigro

    12 de setembro de 2013 às 19h12

    Ora, os eleitores do Brasil não lêem nada. Somos a minoria. Se a economia sentida no dia a dia for bem, a situação vencerá, sempre. Seja ela qual for.
    Dilma vencerá a eleição por isso. Tá fácil pra ela.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.