VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Sábado Resistente discute as manifestações de junho


26/07/2013 - 19h19

As manifestações de junho, a defesa da democracia e a afirmação da luta pelo resgate da memória política

Sábado Resistente deste mês discutirá a conjuntura política. Dia 27 de julho, no Memorial da Resistência de São Paulo, das 14h às 17h30 – Largo General Osório, 66 – auditório 5º andar.

As manifestações de junho, que levaram mais de 1 milhão de pessoas às ruas em todo o país, trouxeram o claro recado aos governos e às instituições de que a população não aceita mais a violência policial, quer participar das decisões que impactam a vida cotidiana do povo brasileiro e aumentar o controle social sobre os governantes e legisladores.

A mobilização que começou com a reivindicação do Movimento pelo Passe Livre pela redução das tarifas dos transportes coletivos, e cresceu em resposta à violência policial contra manifestantes e jornalistas, ganhou outras pautas à medida que movimentos sociais com propostas específicas e segmentos da sociedade civil se incorporaram aos protestos.

Nas ruas, o comportamento de grupos autoritários que tentaram impedir que partidos políticos e o movimento sindical levantassem suas bandeiras, assim como atacaram profissionais e veículos da grande imprensa, acendeu o debate sobre os limites do direito à manifestação e, principalmente, sobre tentativas de manipulação do povo nas ruas com o objetivo de promover a desestabilização das instituições e o retrocesso político.

Para debater como a nova agenda política criada a partir de junho se relaciona com pautas em andamento, como os trabalhos das Comissões da Verdade, e o que querem os novos movimentos sociais que defendem a horizontalidade política e utilizam as redes sociais como forma de mobilização, esse Sábado Resistente vai discutir com protagonistas das mobilizações, estudiosos, militantes e jornalistas.

Dessa troca de experiências, com certeza, resultarão importantes aprendizados para os militantes que defendem a democracia e o aprofundamento das investigações para resgatar a memória política do país como forma de barrar qualquer tentativa de volta ao autoritarismo.

PROGRAMAÇÃO

14h: Boas vindas

Kátia Felipini (Coordenadora do Memorial da Resistência de São Paulo)

Coordenação: Milton Bellintani (diretor do Núcleo de Preservação da Memória Política)

14h15 – 16h45: Palestras

Carla Bueno (militante do Levante Popular da Juventude)

Celso Curi (crítico de teatro, militante e ex-coordenador da Diversidade Sexual da Prefeitura de São Paulo)

Gabriela Alves (militante feminista)

Ladislaw Dobor (professor de pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo)

Luiz Carlos Azenha (jornalista, editor do blog Viomundo)

Lucas Oliveira (Representante do Movimento Passe Livre)

Sérgio Vaz (poeta, criador da Cooperifa – Cooperativa Cultural da Periferia)

16h45 – 17h30: Debate com o público

Os Sábados Resistentes, promovidos pelo Memorial da Resistência de São Paulo e pelo Núcleo de Preservação da Memória Política, são um espaço de discussão entre militantes das causas libertárias, de ontem e de hoje, pesquisadores, estudantes e todos os interessados no debate sobre as lutas contra a repressão, em especial à resistência ao regime civil-militar implantado com o golpe de Estado de 1964. Os Sábados Resistentes têm como objetivo maior o aprofundamento dos conceitos de Liberdade, Igualdade e Democracia, fundamentais ao Ser Humano.

Leia também:
Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

João

27 de julho de 2013 às 15h46

Nas manifestações de ontem em São Paulo, cerca de 100 policiais da polícia do Alckmin não conseguiram conter 300 manifestantes. “A orientação é não causar confronto”, teria dito um policial à Folha”.

A notícia na Folha

O ato reuniu cerca de 300 pessoas, segundo a PM. A maioria era adepta da estratégia de protesto anticapitalista “black bloc”, que prega a destruição do patrimônio privado.

Os manifestantes –muitos mascarados e de preto– depredaram 13 bancos, a estação Trianon-Masp, uma loja de carros, semáforos e um furgão da TV Record.

A polícia só interveio uma hora depois. “A orientação é não causar confronto”, disse à Folha um soldado.

Os manifestantes se concentraram por volta das 18h no vão-livre do Masp. De lá, saíram em marcha no sentido Paraíso, tendo à frente uma faixa com os dizeres “Vaza Cabral”.

Um grupo abriu outra faixa que dizia “Fora Alckmin”. Foi repreendido por outros participantes, com o argumento de que a pauta do dia era o governador do Rio, mas conseguiu aval para seguir.

Outro grupo puxou gritos de “Alckmin, pode esperar, a tua hora vai chegar”.

“O povo do Rio hoje não pode ter voz. Mas quero dizer que essa manifestação é pacifica”, disse um rapaz, sendo vaiado e sufocado pelos gritos de “sem pacifismo”.

O vandalismo começou assim que o ato deixou o Masp, às 19h. Um grupo arrancou o corrimão de uma agência do Itaú e o usou para destruir a fachada deste e de outros bancos. Em algumas agências foram destruídos computadores, mesas e cadeiras.

Apesar dos gritos de “só banco”, eles depredaram equipamentos públicos, como semáforos, relógios e canteiros. Cabines da PM foram arrancadas e usadas como escudos.

A marcha seguiu pela av. 23 de Maio. Manifestantes invadiram um ônibus e o atravessaram no meio da pista Congonhas, bloqueando-a.

A PM só atuou quando a marcha já estava na 23 de Maio, lançando bombas de gás contra o grupo atacou o furgão da Record. A corporação negou que tenha demorado a agir. Disse que chamou reforços quando notou que o protesto deixou de ser pacífico”.

Estranho, muito estranho!
Eu não duvido nada de que esses grito contra o Alckmin seja um álibi.
Quem vai pagar os prejuízos causados às agências bancárias?

Responder

Mailson

27 de julho de 2013 às 15h30

ESTÁ FICANDO ENGRAÇADO: A MANIFESTAÇÃO DE ONTEM EM SÃO PAULO FOI CONTRA O GOVERNADOR DO RIO. 300 PESSOAS (ESTE FOI O NÚMERO DE MANIFESTANTES) SAIRAM QUEBRANDO TUDO QUE ENCONTRAVA PELA FRENTE. TAI O RESULTADO, SEGUNDO A FOLHA DE SÃO PAULO.

Na Folha:

“O ato reuniu cerca de 300 pessoas, segundo a PM. A maioria era adepta da estratégia de protesto anticapitalista “black bloc”, que prega a destruição do patrimônio privado.

Os manifestantes –muitos mascarados e de preto– depredaram 13 bancos, a estação Trianon-Masp, uma loja de carros, semáforos e um furgão da TV Record.

A polícia só interveio uma hora depois. “A orientação é não causar confronto”, disse à Folha um soldado.

Os manifestantes se concentraram por volta das 18h no vão-livre do Masp. De lá, saíram em marcha no sentido Paraíso, tendo à frente uma faixa com os dizeres “Vaza Cabral”.

Um grupo abriu outra faixa que dizia “Fora Alckmin”. Foi repreendido por outros participantes, com o argumento de que a pauta do dia era o governador do Rio, mas conseguiu aval para seguir.

Outro grupo puxou gritos de “Alckmin, pode esperar, a tua hora vai chegar”.

“O povo do Rio hoje não pode ter voz. Mas quero dizer que essa manifestação é pacifica”, disse um rapaz, sendo vaiado e sufocado pelos gritos de “sem pacifismo”.

O vandalismo começou assim que o ato deixou o Masp, às 19h. Um grupo arrancou o corrimão de uma agência do Itaú e o usou para destruir a fachada deste e de outros bancos. Em algumas agências foram destruídos computadores, mesas e cadeiras.

Apesar dos gritos de “só banco”, eles depredaram equipamentos públicos, como semáforos, relógios e canteiros. Cabines da PM foram arrancadas e usadas como escudos.

A marcha seguiu pela av. 23 de Maio. Manifestantes invadiram um ônibus e o atravessaram no meio da pista Congonhas, bloqueando-a.

A PM só atuou quando a marcha já estava na 23 de Maio, lançando bombas de gás contra o grupo atacou o furgão da Record. A corporação negou que tenha demorado a agir. Disse que chamou reforços quando notou que o protesto deixou de ser pacífico”.

Tá ficando gostoso, não está BOECHART DA BAND?

Responder

Mateus Nascimento

26 de julho de 2013 às 21h32

vai ter transmissão online ? ou gravação no youtube ?

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!