VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Eduardo Campos lidera; Cabral, Perillo e Alckmin no fundo do poço


25/07/2013 - 14h54


da Confederação Nacional da Indústria/Ibope

Principais resultados de pesquisa divulgada nesta quinta-feira:

• Popularidade da Presidente Dilma cai de maneira significativa entre junho e  julho em razão das manifestações populares.

— Percentual da população que avalia o governo como ótimo ou bom recua de 55% para 31%;

— Aprovação da maneira de governar e confiança na presidente caem, ambas, a 45%.

• Áreas que o governo tem melhor desempenho: Habitação; Combate à fome e a miséria; e Capacitação Profissional;

• Áreas que o governo tem o pior desempenho: Saúde; Segurança pública; e Educação.

• Prioridades para o governo federal: Melhorar os serviços de saúde; Combater a violência e a criminalidade; Combater a corrupção; e Melhorar a qualidade da educação.

Avaliação de governos estaduais

• Governadores mais populares são os dos estados de Pernambuco, Paraná, Ceará e Minas Gerais.

• Governadores menos populares são os dos estados do Rio de Janeiro, Goiás e São Paulo.

• Governadores mais populares são reconhecidos pelas políticas e ações em Educação, Desenvolvimento e crescimento do estado, Geração de empregos, estradas e rodovias.

• Popularidades da Presidente Dilma e dos governadores aparentam ser positivamente correlacionadas.

Manifestações populares

• Apenas 9% dos entrevistados participaram das manifestações e 6% tinham um residente do domicilio que participou.

• 89% dos entrevistados são a favor das manifestações.

• As respostas dos governantes e do Congresso Nacional não foram vistas de maneira positiva pela população. Mais de 30% dos entrevistados reprovaram totalmente essas respostas.

• 34% dos entrevistados pretendem participar de novas manifestações.

• As principais reivindicações são: Maiores investimentos em saúde, Contra a corrupção e Mais segurança pública.

Qualidade dos serviços públicos

• De 13 tipos de serviços, nove foram considerados de baixa ou muito baixa qualidade pela maioria da população.

— O piores avaliados são: Segurança pública; Postos de saúde e hospitais;

Transporte público; e Educação fundamental e ensino médio.

• De um modo geral, a população identifica a responsabilidade da cada nível de governo no suprimento dos serviços públicos, mas parcela significativa defende que todos são igualmente responsáveis ou devem ser igualmente cobrados.

Tributação, disponibilidade e uso de recursos públicos

• 53% da população respondem que a maior parte dos impostos vão para o governo federal;

• 51% acreditam que o governo estadual precisa da ajuda do governo federal para prover serviços públicos adequados.

— No Rio Grande do Sul, Ceará e Santa Catarina esse percentual é de: 73%, 67% e 58%, respectivamente.

— No Rio de Janeiro, 60% da população acreditam que o estado tem dinheiro suficiente.

• 62% da população acreditam que a prefeitura precisa da ajuda dos governos federal e estadual para prover serviços públicos adequados;

• 85% da população reconhecem que o governo federal ajuda os governos estaduais e municipais, mas cerca de 70% acham que ajuda menos que deveria;

• 74% da população acreditam que a presidente e seus ministros, bem como os Governadores e seus secretários utilizam mal ou muito mal os recursos públicos.

— No caso dos prefeitos e seus secretários esse percentual é de 70%.

• 87% da população concordam total ou parcialmente com a afirmação de que “o governo já arrecada muito e não precisa aumentar mais os impostos para melhorar os serviços públicos”;

• 82% concordam total ou parcialmente que “a baixa qualidade dos serviços públicos deve-se mais à má-utilização dos recursos públicos do que à falta deles”;

• 89% discordam total ou parcialmente que “para melhorar os serviços públicos é preciso aumentar os impostos”;

• 91% acham que os impostos no Brasil são elevados ou muito elevados;

• O imposto que mais afeta o orçamento familiar é o ICMS, opção escolhida por 32% dos entrevistados;

• São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, são os estados com o maior percentual de residentes que consideram o ICMS do estado mais elevados que o dos demais estados do Brasil.

Popularidade da presidente Dilma

A popularidade da presidente Dilma caiu sensivelmente entre junho e julho como mostram as três medidas de popularidade desta pesquisa. A queda na popularidade, que se iniciou com o crescimento da inflação, como apurado na pesquisa de junho, se intensificou após o início das manifestações públicas que tomaram conta do país a partir da Copa das Confederações.

O percentual da população que avalia o governo como ótimo ou bom recuou 24 pontos percentuais de 55% para 31%, entre junho e julho. Este também é o percentual dos que consideram o governo ruim ou péssimo. Para 37% dos entrevistados, o governo é regular.

A aprovação da maneira de governar da presidente também caiu fortemente, de 71% para 45%. O percentual de respondentes que desaprovam a maneira da presidente governar alcançou 49%, superando o percentual de aprovação.

A terceira medida de popularidade – se o eleitor confia ou não na presidente – apresentou o mesmo comportamento dos demais indicadores. O percentual da população que diz confiar na presidente caiu 22 pontos percentuais, de 67% para 45% entre junho e julho. O percentual da população que não confia na presidente subiu de 28% para 50%.

A queda da popularidade da Presidente, também se refletiu na comparação entre seu governo e o do ex-presidente Lula. Pela primeira vez desde o início do atual governo, o percentual que considera que o governo Dilma está sendo pior que o governo Lula é o mais alto dentre as opções apresentadas: 46% em comparação com 25% de junho. O percentual que considera os dois governos iguais caiu de 57% para 42%, enquanto 10% consideram o governo Dilma melhor.



Popularidade dos Governadores de estado

Os entrevistados também avaliaram os governadores de seus respectivos estados. Dentre os 11 estados cujos resultados apresentam margem de erro inferior a 4%, os governadores mais populares são os dos estados de Pernambuco, Ceará, Paraná e Minas Gerais. No outro extremo – menor popularidade – têm-se Rio de Janeiro, Goiás e São Paulo.

Na média nacional, 28% da população brasileira considera o governo do(a) governador(a) de seu estado ótimo ou bom. O governo de Pernambuco é considerado ótimo ou bom por 58% da população do estado. No Paraná, o percentual é de 41%, no Ceará de 40% e em Minas Gerais de 36%. No Rio de Janeiro, apenas 12% da população considera o governo ótimo ou bom. Goiás, Rio Grande do Sul e São Paulo vem a seguir no ranking dos piores avaliados, com 21%, 25% e 26%, respectivamente.

Na avaliação da maneira de governar do(a) Governador(a) de seu estado, a média nacional de aprovação é de 42%. Dentre os 11 estados considerados, apenas Rio de Janeiro (com 29%), Goiás (34%) e São Paulo (40%) estão abaixo dessa média. O governador de Pernambuco lidera com folga, com 76% de aprovação, seguido pelos governadores do Ceará (54%), Paraná (52%) e Minas Gerais (50%).

O governador de Pernambuco é o que mais inspira confiança entre seus eleitores: 68% da população do estado confia no governador. Esse percentual cai a 53% no Ceará e 49% em Minas Gerais. No outro extremo têm-se Rio de Janeiro (25%), Goiás (29%) e São Paulo (34%).

A média nacional é 38%.

Cabe ressaltar a situação do Rio Grande do Sul, o terceiro estado dentre aqueles com os piores percentuais de ótimo ou bom na avaliação do governo, mas o quarto com o melhor percentual da população que confia no governador.

Leia também:

Ministério Público abre apuração sobre suspeita de sonegação da Globo

Amaury Ribeiro Jr.: Globo usou doleiros para pagar direitos da Copa

Funcionária da Receita foi condenada por sumir com processo da Globopar

Rodrigo Vianna: Processo da Globo pode ter “bomba atômica”

Leia os documentos revelados pelo Cafezinho e o livro Afundação Roberto Marinho

Tijolaço: Globo admite que sonegou, mas pagou

Jamil Chade: TV brasileira envolvida no suborno a Teixeira e Havelange

Globo reafirma que pagou dívida à Receita; MP aguarda informações

Feltrin: Globo não admite crime, mas diz que pagou

Miguel do Rosário: Globo cobrada em R$ 615 milhões por sonegação

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



59 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Mauro Rubem: Perillo gastou R$ 220 milhões em publicidade, bem mais que com universidade - Viomundo - O que você não vê na mídia

20 de agosto de 2013 às 21h46

[…] Numa recente pesquisa CNI/Ibope, Marconi Perillo só ficou adiante de Sergio Cabral (PMDB-RJ). […]

Responder

Dr. Rosinha: Quando o comportamento da mídia é criminoso - Viomundo - O que você não vê na mídia

30 de julho de 2013 às 11h11

[…] Eduardo Campos lidera; Cabral, Perillo e Alckmin no fundo do poço […]

Responder

Marcos Coimbra: Dilma caiu, mas seus adversários efetivos não subiram - Viomundo - O que você não vê na mídia

26 de julho de 2013 às 16h50

[…] Eduardo Campos lidera; Cabral, Perillo e Alckmin no fundo do poço […]

Responder

Bacellar

26 de julho de 2013 às 15h46

Pelo retrato do momento o tiro da PM do Geraldo saiu pela culatra e varou os zoio…

Responder

    Bacellar

    26 de julho de 2013 às 15h47

    Apesar de que o tercinho dele esta como sempre garantido. Entao…

Joca

26 de julho de 2013 às 15h34

Essas pesquisas de avaliação de governo não servem para nada, principalmente em um país em que é chique, agora, falar mal do presidente.
É como sair na empresa pedido o que os funcionários acham do chefe, ou o que os moradores do prédio acham do síndico.
Outra coisa que a grande mídia não noticía é que todos os governadores (onde os protestos foram mais intensos e noticiados) “despencaram” em popularidade, é a criminalização da política e o senso comum de que todos são corruptos e não prestam, as manifestações foram contra o sistema, contra “tudo isso que está aí” e aí é um erro tentar separar partidos e poderes e esferas…foi contra tudo e todos.

O que ganha eleição é outra coisa…é a comparação é o embate, as pesquisas não levam em consideração também o zape da política, que felizmente para uns e infelizmente para outros, está do lado da Dilma. A grande mídia bate na Dilma e o Lula cresce nas pesquisas expontaneas…eles ficam perdidinhos!

Responder

De Paula

26 de julho de 2013 às 10h18

Me pareceu que inflaram dois potenciais candidatos à presidência; Eduardo Campos e Aécio. O Serra não deve ter gostado nada disso. Vem dossiê por aí. O IBOPE é a vitrine onde a Globo expõe seus preferidos; nela faltou o Joaquinzão.

Responder

Francisco

25 de julho de 2013 às 22h54

Como Dilma acredita em controle remoto (é um direito, tem gente que acredita em duende) o que eu, que votei nela, digo, pouco importa…

O que se pede na última pesquisa IBOPE (ou seja, Globo) é: “Maiores investimentos em saúde, Contra a corrupção e Mais segurança pública”.

1 – A União tem crescido ano a ano os investimentos na área de saúde.
2 – A União é referencia NO MUNDO em transparência on-line.
3 – A União tem aparelhado e equipado a sua policia: a federal.

Ou seja: tudo que se demanda, NÃO É com Dilma. É com governadores e prefeitos.

A TV brasileira nunca (NUNCA!) passou uma semana explicando, por exemplo, o que é o SUS e como funciona.

E Dilma acha que isso é problema de “controle remoto”.

Chega uma hora que cansa: ignorância e teimosia têm limite.

Os militantes que conheço começam a lavar as mãos…

Responder

FrancoAtirador

25 de julho de 2013 às 22h31

.
.
ABALO GERAL

Governo e oposição sem motivos para comemorar

Popularidade de Dilma cai, mas PSDB sofre também
em seu principal estado, São Paulo.

Por Glauco Faria, na Revista Fórum

A pesquisa CNI/Ibope divulgada hoje consolida a impressão de que toda a classe política foi atingida pela eclosão das manifestações de junho. A queda de aprovação da presidenta Dilma Rousseff chama mais a atenção, ainda mais depois de poucos meses em que sua popularidade atingiu um nível recorde na série histórica do levantamento, mas o abalo é geral.

Um exemplo disso é verificar como os entrevistados avaliaram a resposta dada pelos representantes do poder público aos protestos.
De zero a dez, ninguém atingiu média cinco.
Dilma recebeu nota 4;
governadores, 3,6;
prefeitos, 3,7;
enquanto o Senado ficou com 3
e a Câmara dos Deputados com 2,8.

Ou seja, o caldo de insatisfação continua e, ainda que não tenham se repetido em manifestações recentes a adesão em massa ocorrida nas do mês passado, a reivindicação por direitos e melhoria dos serviços públicos vai seguir na ordem do dia.

A oposição ao governo comemora a queda de avaliação da presidenta, mas não tem muitos motivos para esfregar as mãos.

A sensação de insatisfação também atinge o principal partido oposicionista, o PSDB, que não consegue, com Aécio Neves, ter índices semelhantes aos de Marina Silva, por exemplo, perdendo espaço também para uma eventual candidatura de Joaquim Barbosa.

As eleições de 2014 podem ser as primeiras, desde 1994, que não contarão com um representante tucano em uma das duas primeiras posições.

Mas a ameaça maior ao tucanato, pelos número do CNI/Ibope, está na sua principal fortaleza, o estado de São Paulo. Desde a eleição de Geraldo Alckmin em 2002 que os sucessivos governos pessedebistas sempre apresentaram índices confortáveis de popularidade e situação ainda mais tranquila na Assembleia Legislativa, que pouco ou nada incomoda o Palácio dos Bandeirantes.
Agora, pela primeira vez existe uma queda acentuada de popularidade do governador, fruto das manifestações e também da situação da segurança pública.

Tomando-se a média nacional, 28% da população brasileira considera o governo de seu estado ótimo ou bom, mas o de São Paulo está abaixo, com 26%.

Na avaliação sobre a maneira de governar, a média de aprovação é de 42%, sendo que somente Rio de Janeiro (com 29%), Goiás (34%) e São Paulo (40%) estão abaixo dessa linha.

Há outros dados preocupantes para Alckmin. O percentual daqueles que acreditam que o governador e seus secretários utilizam os recursos públicos mal ou muito mal chega a 81%, o segundo pior índice entre os onze estados pesquisados, só perdendo para o Rio de Janeiro.

95% dos paulistas também acham o valor do ICMS, principal imposto estadual, elevado ou muito elevado, a pior percepção entre os estados pesquisados.

Nesse caso, assim como no âmbito federal, o principal opositor, o PT, não tem grandes motivos para se alegrar por enquanto. Isso porque as três piores áreas de atuação do governo Dilma, segundo a pesquisa, são comandadas justamente por três prováveis pré-candidatos ao governo paulista em 2014. A Saúde é considerada a área de pior desempenho do governo federal por 71% da população, enquanto a segurança pública fica com 40% e a Educação com 37%.

Dentro do contexto pós-manifestações no qual a rejeição a políticos tradicionais é alta, mesmo com a reprovação elevada em sua área, Alexandre Padilha pode ser o nome mais forte, não só pelo caráter de “novidade”, já que nunca disputou uma eleição, mas também pela série de ações que vem empreendendo no setor e que podem surtir algum efeito nos próximos meses. Já ministro da Justiça José Eduardo Cardozo errou ao endossar o discurso “anti-vândalos” e adotar uma linha conservadora que causou mal estar entre petistas, enquanto Mercadante já foi derrotado em disputas estaduais duas vezes.

Mas, assim como no plano federal, o surgimento de uma terceira via não pode ser descartado. E, com as preocupações mais voltadas para a área da segurança pública, é possível que ele venha do campo conservador, e não da esquerda ou centro-esquerda.

A pouco mais de um ano das eleições, as novidades parecem ser a tônica de 2014.

(http://revistaforum.com.br/blog/2013/07/pesquisa-cniibope-governo-e-oposicao-sem-motivos-para-comemorar)

Responder

renato

25 de julho de 2013 às 22h29

Gente como é que vai a Transposição do Rio São Francisco.
O Papa vai visita-lo em 2017. E vai abençoa-lo. Ou Não?

Responder

Marat

25 de julho de 2013 às 20h14

Ainda assim, os focas do UOL fizeram matéria favorável a Alckmin (conseguiram!) e desfavorável à Dilma!

Responder

anac

25 de julho de 2013 às 19h24

O Montenegro dono do GLOBOPE cravou em 2009 que Dilma seria humilhantemente derrotada para o Serra.
Datafalha nem cogitava segundo turno, previa vitoria de serra no primeiro.
Pois é…
A reforma politica é essencial para que a democracia não pereça como ocorreu em 1964. A reforma já deveria ter sido feita há muito tempo. O caos que se instalou nas ruas reflete o descredito nos políticos e pior na politica. Não existe democracia sem parlamento. Em 1964, sabemos que esse descredito levou a ditadura. E naquela época, assim como agora, a direita, como não conseguia pelos meios democráticos, chegar ao poder conspirou para que tudo acabasse na ditadura, quando seus o aliados militares voltariam a controlar o país, retornando o poder as mãos da elite.

Responder

    anac

    25 de julho de 2013 às 19h32

    Os numeros mostram a diferença ABISSAL entre o governo Lula de FHC.
    Lula ganha de goleada humilhante de fhc. E isso na maior crise 2008 ocorrida no mundo após a crise de 1930.
    Aos números que não mentem:
    A dívida pública deixada por fhc para o presidente Lula era superior a 60% do PIB. O déficit público nominal era de 4,4% do PIB. Esses são os números referentes a dezembro de 2002, o último mês de Fernando Henrique Cardoso na presidência.
    O presidente Lula entregou à presidenta Dilma uma dívida que representava 39,2% do PIB. Ao final de 2012, a dívida foi reduzida ainda mais: 35,1% do PIB. O presidente Lula entregou para a sucessora um orçamento com déficit de 2,5% do PIB. Ao final de 2012, este número foi mantido.
    Foi essa administração fiscal exitosa que deu ao presidente Lula autoridade política e solidez orçamentária para enfrentar a crise de 2009, evitando que tivéssemos uma profunda recessão e uma elevação drástica do desemprego. No ano de 2009, a relação dívida/PIB aumentou para 42,1% e o déficit público nominal foi elevado de 2% para 3,3% do PIB. Em compensação, naquele ano de crise, foram criados mais de 1,7 milhão de empregos formais e o desemprego subiu apenas de 7,9%, em 2008, para 8,1%, em 2009.

    nigro

    25 de julho de 2013 às 23h27

    FHC é lixo. Lula idem. Não dá para comparar meu amigo. O context de um Brasil pós Collor/itamar, Hiperinflação. Foi necessário um remédio amargo no passado, mas o efeito se faz sentir hoje. Ainda acho que são todos péssimos, contudo.

Bernardino

25 de julho de 2013 às 18h36

Eu ja falei aqui a D DILMA e seu governo estao sendo comidos pela Covardia e alem do mais a mesma é turrona e esse papo de que é competente é balela que pé competente se cerca de pessoas capazes,limpas e corajosas.Alias o patrao dela sr LULA se achava o o Rei da COCADA preta e a colocou na presidencia sem um pingo de habilidade politica e esta dando nisso aí,O mesmo acontece com o outro Poste sr HADDAD.sem habilidade e frouxo haja vista o episodio que detonou todas as manifestaçoes o Preço das passagens Municipais se sagacidade tivesse nao daria aumento no inicio ate porque estava começando o mandato.Porem foi Frouxo e INABIL e deu no que deu!!

A esquerdinha pode buscar outra CANDIDATURA que essa ja ERA!!!

Responder

    JOTACE

    25 de julho de 2013 às 22h37

    REQUIÃO, Bernadino ! O povo deve insistir para que ele aceite a candidatura! Abs, Jotace

cid elias

25 de julho de 2013 às 18h22

O globope é altamente suspeito… Agora, é osso ver um cabra escrever besteiras tipo fhc=Lula e depois dizer que os outros têm que se informar! Não diga BESTEIRAS, filhotinho! “menas, menas”.

Responder

    JOTACE

    25 de julho de 2013 às 22h46

    Ora, cumpadre…Aguenta agora o bode da enganação com a meizinha que o homem da cobra convenceu o povo a eleger…Cordialmente, Jotace

Alexandro Rodrigues

25 de julho de 2013 às 18h20

E o controle remoto estupido!

Tem hora que acho que a Dilma merece… Persistir com esse bando de incompetentes no Ministerio e ter um zero a direita como Mercadante como principal conselheiro… E dar bye bye 2014!

Responder

trombeta

25 de julho de 2013 às 18h06

Resumo da ópera: a pesquisa coincide com a catequese do PIG dos últimos anos para quem político é tudo ladrão e safado.

De qualquer forma, os compadres políticos da globo/ibope também são atingidos pela indignação da população, o que leva a crer que o próximo passo será pesquisar a viabilidade de uma nova ditadura (coisa que a folha tucana já andou fazendo meses atrás).

Responder

    anac

    25 de julho de 2013 às 19h38

    Para o PiG bom mesmo é a ditadura com os militares no poder. A Globo recebeu benesses dos milicos e virou um monstro. Na ditadura o PiG pode sonegar e enriquecer ilicitamente em paz, enquanto a classe media paga a conta calada sem direita a manifestação e protesto, pois se sair às ruas acaba num imundo porão torturado e devidamente suicidado como Vladimir Herzog.

César

25 de julho de 2013 às 17h53

Finalmente a população do Estado do Rio de Janeiro, principalmente a da Capital, está tomando conhecimento de quem é na verdade Sérgio Cabral e tudo o que ocorre em seu mandato. O fato mais emblemático da forma ditatorial com a qual ele governa foi a publicação do Decreto nº 44.302 de 19 de julho de 2013. E vale destacar o importante trabalho da Organização chamada Mídia Ninja, que transmite ao vivo todas as manifestações na rua do Cabral, mostrando que quem começa a baderna é a própria PM. Assistam ao vivo em http://www.postv.org/

Responder

    manoel

    30 de julho de 2013 às 16h33

    Cesar, estou longe da realidade do Rio, mas não seria interessante um raio-X destas manifestações. O Cabral é um dos poucos politicos do Rio, que mal ou bem, enfrentou o crime organizado, pacificando favelas e expulsando traficantes…….ainda é pouco, mas

Kleber

25 de julho de 2013 às 17h35

O eixo Sul-Sudeste foi o que mais se identificou com os protestos de junho. Com isso, governadores, assim como o Governo Central, despencaram nessa região. No Nordeste, esse efeito não foi sentido. Então, Governadores se saíram bem e Dilma teve queda bem menos acentuada em Pernambuco e Ceará. Os governadores se saíram melhor que ela nesses estados porque obviamente eles, ao contrário dela, não foram avaliados por eleitores do Sul-Sudeste.

Responder

    Antônio Barbosa

    26 de julho de 2013 às 10h36

    Amigo, você viu o tamanho da manifestação em Fortaleza no dia 19 de junho, dia de jogo da Copa das Confederações no Castelão? Tinha pelo menos umas 20 mil pessoas, pelo que dava para ver nas imagens aéreas de helicóptero.

    Acontece que a popularidade do Cid Gomes é muito maior do que imagina a oposição local, leitora assídua do jornal “O Povo”, cujo nível de parcialidade e de mediocridade nos ataques injustos e demagógicos contra o governador fariam corar de vergonha até o “PIG” que ataca Dilma.

    A popularidade do Cid Gomes é alta porque ele tem todo um trabalho a ser mostrado, um trabalho árduo e de muitos resultados, inclusive na Saúde e na Educação. Claro que a oposição local de classe média que tem o jornal “O Povo” como o supra-sumo da “verdade” jamais vai admitir isso. A única coisa que eles conseguem enxergar seria um suposto “oligarca” (sem latifúndio, sem rádios nem jornais, sem empresas de sua propriedade) que construiria supostas “obras faraônicas” (como o novo Centro de Eventos de Fortaleza, que já mostrou toda a sua grande utilidade para a cidade, atraindo inúmeros eventos nacionais e internacionais que geram empregos), e que “massacraria” os professores (tudo por conta de uma frase infeliz na greve de 2011, mas convenientemente esquecendo que o mesmo governador concedeu 40% de aumento aos professores em início de carreira em 2012 – sem precisar de greve).

    A popularidade de Cid Gomes não é alta “porque no Ceará não teve protesto”. Teve sim. Teve até quebra-quebra. A popularidade de Cid Gomes é alta porque o Ceará tem o melhor índice do IDEB do Nordeste (muito melhor do que o de Pernambuco do Eduardo Campos), e porque pela primeira vez na história do Ceará, no governo dele ocorreu interiorização do atendimento médico, com policlínicas e hospitais sendo construídos no interior. Ah, e também porque em 6 anos ele construiu 92 escolas que funcionam em tempo integral.

    Na verdade dos fatos, Cid tem muito mais a mostrar do que Eduardo Campos. Mas mesmo assim, Cid continua fiel à presidente Dilma, e é contra candidatura própria do PSB em 2014.

matheus

25 de julho de 2013 às 17h18

Depois dos ultimos acontecimentos aqui a tendência é o governador do ES despencar ainda mais, talvez ficando próximo de Sérgio Cabral, de quem ele copia as táticas de repressão política.

Responder

Paulo Bueno

25 de julho de 2013 às 17h11

problema da DILMa
é a falta da MILITANCIA DIGITAL do PT ,,a oposição massacra a DILMA nas redes socias e nos comentarios do jornal da FOLHA,VEJA>ESTADâo e não aparece ninguém para defende-la…falta MILITANCIA GIGITAL DO PT ser criada urgente …eleições se ganha na internet não nas ruas…..e o carisma ….cadê o carisma da DILMA?
ele precisa falar a linguagem dos pobres do povo.

Responder

    Quequeu

    25 de julho de 2013 às 18h57

    Paulo
    O problema é que na grande mídia nada a favor da Dilma E PT são publicados, sou testemunha disso.Nos blogs e médias alternativas deitamos e rolamos,os comentários a favor dos médicos estrangeiros no Yahoo e Terra, também são amplamente favoráveis à Dilma.

anderson

25 de julho de 2013 às 17h09

http://www.novojornal.com/politica/noticia/ibope-mostra-36-de-aprovacao-de-anastasia-mas-omiti-sua-re-25-07-2013.html
Ibope mostra 36% de aprovação de Anastasia, mas omite sua rejeição
Aprovação do governo Antonio Anastasia é de 36%, aponta Ibope, porém deixou de divulgar o percentual de avaliação ruim, péssima e regular
Pesquisa Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) presidida por Robson Andrade, principal articulador e financiador do PSDB de Minas Gerais foi divulgada nesta quinta-feira (25) e mostra que 36% dos eleitores avaliaram como “bom ou ótimo” o governo de Antonio Anastasia (PSDB) em Minas Gerais.

A margem de erro do levantamento é de três pontos percentuais para mais ou para menos. O Ibope ouviu 812 eleitores no estado com mais de 16 anos entre 9 e 12 de julho.

Para muito, a interferência de Robson impediu que fosse divulgado o percentual de eleitores que consideram o governo ruim, péssimo ou regular.

O Ibope também perguntou aos eleitores se aprovam a maneira de governar de Anastasia, e 50% responderam positivamente. Além disso, 49% disseram que confiam no governador.

É a primeira vez que a CNI encomenda uma pesquisa sobre desempenho de governos estaduais. O levantamento foi realizado após as manifestações de rua em todo o país que pediram melhores condições de vida e o fim da corrupção no mês de junho.

Responder

anderson

25 de julho de 2013 às 17h07

AECIO APRONTANDO EM MINAS:
http://www.novojornal.com/politica/noticia/aecio-quer-um-mensaleiro-candidato-do-psdb-ao-governo-de-min-25-07-2013.html
Aécio quer um mensaleiro candidato do PSDB ao governo de Minas
Afastado da vida pública no escândalo do Mensalão, Pimenta da Veiga volta como coordenador da campanha de Aécio e candidato ao Governo de Minas
Um astuto projeto de engenharia política vem a quase um mês sendo desenvolvido por Aécio Neves e seu grupo de assessores. Ciente da real possibilidade de José Serra vir a ser candidato a presidência da República, Aécio pretende agora evitar que o paulista tenha um palanque em Minas Gerais.

Aliado histórico e coordenador da campanha de Serra a presidência em 2002, Pimenta da Veiga estaria propenso a deixar o PSDB junto com Serra rumo ao PPS, candidatando-se ao governo de Minas, criando assim um palanque para Serra em Minas Gerais.

Interlocutores e o próprio senador, Aécio Neves, dez anos após tê-lo abandonado agiram rápido, procuraram Pimenta, com a oferta de permanência no PSDB e retorno a Minas para coordenar a pretendida campanha de Aécio a presidência da República no estado, com a promessa de ser o candidato do PSDB ao Governo de Minas.

O senador Aécio Neves, justifica esta opção ao fato de após análise de diversas pesquisas que mostravam a inexistência de um nome capaz de ser colocado para os eleitores mineiros como candidato do PSDB ao Governo de Minas, optou por fazer ressurgir o nome de Pimenta da Veiga.

Como dito anteriormente, não foram estes os reais motivo da opção de Aécio por Pimenta da Veiga e existem políticos que alegam que o grupo de Aécio esta apenas esperando encerrar o prazo para transferência de partido evitando que Pimenta saia do PSDB, para rebelar-se contra seu nome inviabilizando sua pretensão.

Políticos do próprio PSDB são unânimes em afirmar que diante da onda de moralização da política demonstrada pela população nas últimas manifestações, tiram qualquer possibilidade de sucesso de Pimenta da Veiga em um pleito majoritário devido seu envolvimento no ruidoso caso de corrupção, junto com Marcos Valério no Mensalão.

Investigações da CPI Mista dos Correios, conhecida como Mensalão, revelaram diversas transferências financeiras e uma estreita ligação entre o ex-ministro das Comunicações no governo Fernando Henrique Cardoso, Pimenta da Veiga, e o empresário Marcos Valério de Souza, condenado no Mensalão.

Além destas transferências Pimenta fez um empréstimo no Banco BMG de R$ 152.045,00, onde figura como devedor. Marcos Valério e sua esposa, Renilda Maria Santiago, aparecem como devedores solidários.

O contrato foi firmado em 31 de março de 2004 e tem com garantia uma nota promissória de R$ 195 mil, onde Pimenta é o emitente e Valério e Renilda são avalistas. “Isso é algo novo, demonstra uma relação além da prestação de serviços de advogado que o ex-ministro diz ter feito e que teria garantido o recebimento de R$ 150 mil. Temos que investigar a fundo”, afirmou na época o deputado, hoje ministro da justiça José Eduardo Cardozo (PT-SP).

As assessorias de imprensa do PSDB e do Governo de Minas distribuíram nessa quarta-feira (24) para os diversos veículos da mídia regional e nacional como pauta a adesão de Pimenta da Veiga a campanha de Aécio Neves a presidência e sua candidatura ao governo de Minas Gerais pelo PSDB.

Responder

Fabio

25 de julho de 2013 às 16h51

Não confio em pesquisas, mais uma coisa é certa, o governo Dilma está muito ruim e é preciso que a presidenta faça uma faxina geral no seu ministério que é fraquíssimo demais.

Responder

Nildo Costa

25 de julho de 2013 às 16h49

Imagino que essa tal aceitação/popularidade/aprovação de Campos seja uma manobra PIGuenta para esvaziar palanques para DILMA 2014 onde elea sempre foi forte. Quem conhece pernambuco sabe que tudo o que se tem feito por lá tem o dedo, a mãos, os braços e o corpo inteiro do governo federal. Nada, absolutamente nada se tem feito naquele estado por via exclusiva do governador Eduardo Campos. Exatamente porque sentia os efeitos dos bons ventos resolveu se rebelar colocar a campanha nas ruas. É hora de devolver a Dilma os postos que possui no governo! E é hora de Dilma permitir que ele mostre a pernambuco e ao Brasil o quanto é capaz de realizar sozinho!

Responder

Mardones

25 de julho de 2013 às 16h39

Pesquisa, …, pesquisas, …, elas me dão preguiça.

Responder

Aline C Pavia

25 de julho de 2013 às 16h27

#VoltaLULA

Responder

    JOTACE

    25 de julho de 2013 às 17h32

    E entrega o restinho que ficou…

Horridus Bendegó

25 de julho de 2013 às 16h25

A culpa é do Bernardo e da Chagas.

Alimentam as cobras que comerão a Dilma.

Responder

José Ricardo Romero

25 de julho de 2013 às 16h18

Quem melhor analisou o governo Dilma foi o Ciro Gomes que disse que “a equipe da Dilma é de 5ª categoria…formada na putaria”. Se ela não trocar praticamente todo o ministério, separar-se do PMDB e comunicar as ações de seu governo (um dever para a população que ela tem e ignora) ela perderá as eleições e a culpa será dela. Não adianta culpar os adversários (como o Lula fica fazendo por aí) porque eles estão nadando de braçadas com tanta incompetência na política e nas comunicações.

Responder

ivan

25 de julho de 2013 às 15h57

Sou muito mais Dilma em 2014 com ou sem pesquisa, eu sei o que passei na mão dos desgovernos anteriores, não é por meia dúzias de coxinha que vou mudar minha posição sou Dilma e pronto!

Responder

    ricardo

    25 de julho de 2013 às 19h10

    assino embaixo.

    Elza

    26 de julho de 2013 às 02h04

    Assino embaixo

ricardo silveira

25 de julho de 2013 às 15h54

A Globo ainda controla a grande maioria dos brasileiros e estes acabam achando o que a Globo quer porque não lhes é dado conhecer além do que interessa à Globo. Mas isso não quer dizer que esse governo seja uma maravilha, pois não é. O que os brasileiros mais precisam é de democratização dos meios de comunicação para que se possa ter informação e discussão honesta do que ocorre no país. Por mais que os blogs sujos atrapalhem a vida da mídia golpista, ainda é muito pouco.

Responder

Joca

25 de julho de 2013 às 15h49

Ficou claro a real intenção das manifestações e a cobertura midiática, logo na sequência entraram em ação as pesquisas de opinião (parece um plano muito bem executado), o real interesse disso tudo é levar a eleição para o segundo turno e aumentar o poder de barganham dos monópolios midiáticos e financeiros.
A Dilma mexeu em vespeiro, taxas selics mais baixas da história e redução dos ganhos das empresas de energia e seus investidores… A Rede / Cemat liberou seus funcionários para participarem das manifestações em Cuiabá, percebam uma empresa privada liberando funcionário para se manifestar e derrubar o governo que lhe tira os ganhos.
Onde estava a PF para investigar isso?

Responder

    LEANDRO

    25 de julho de 2013 às 16h32

    Investigando a teoria de que a oposição espalhou boato sobre o bolsa-família, e por falar nisso, não descobriu nada de errado, só incompetência da caixa mesmo.

    Jolian Melgaço

    25 de julho de 2013 às 21h44

    Assino em baixao. Disse tudo amigo JOCA

Carlos J. R. Araújo

25 de julho de 2013 às 15h49

Pesquisa? IBOPE? CNI? Só rindo. Os coxinhas da Big House vão comemorar. E os inocentes-úteis vão ter insônia.

Responder

RicardãoCarioca

25 de julho de 2013 às 15h39

A Dilma deveria agradecer ao Hibernardo e à Helena Chagas da SeCom por esses números. Porque um protege e a outra engorda a maior empresa inadimplente e monopolista do pig.

Responder

Acássia

25 de julho de 2013 às 15h29

Minha confiança em pesquisas é 30%.

Responder

    Lukas

    25 de julho de 2013 às 15h48

    Interessante que a desconfiança em relação às pesquisas só aparece quando elas são negativas. Quando Lula e Dilma nadavam de braçada em popularidade não se questionava quem as tinha feito.

    PauloH

    25 de julho de 2013 às 20h06

    Se um palmeirense te conta que o gol do Corinthians foi bonito, você acredita. E imagina que o gol deve ter sido lindo. Mas se um palmeirense te conta que o gol do Corinthians foi em impedimento, você tem todos os motivos pra duvidar.

laura

25 de julho de 2013 às 15h23

IBOPE?

Responder

    LEANDRO

    25 de julho de 2013 às 16h20

    é. o mesmo que quando dava popularidade recorde para dilma os governistas adoravam.

CLAUDIO

25 de julho de 2013 às 15h15

Tem que despencar! Ela acha que reunião em gabinete e com o ministério que tem, vai chegar onde? O LULA tentou, mas não tem jeito, ele tem que voltar!
Se deixarem os neoliberais tomarem conta de novo, nunca mais o PT volta. Daí todo o trabalho do LULA vai por água abaixo>

Responder

    Brasileiro

    25 de julho de 2013 às 15h49

    EXATO!

    JOTACE

    25 de julho de 2013 às 15h51

    Caro Cláudio,

    Por favor entende que não há nada de pessoal por contradizê-lo. Mas, o que de fato fez Lula pelo Brasil se não continuar a vergonhosa política de entrega de FHC? Cordialmente, Jotace

    Lilica

    25 de julho de 2013 às 16h13

    Se interne, ou vc é muito mal informado ou é troll mesmo. Desde quando Lula foi entreguista? Que grande patrimônio público ele vendeu a preço de banana? E pior, em que paraíso fiscal foi parar a propina das privatizações como fez a tucanada?
    Um conselho: o que se põe na salada é vinagre e não cachaça.

    JOTACE

    25 de julho de 2013 às 17h41

    Prezada Lilica,

    Procura te informar melhor e depois aparece pra não falar bobagens…

    ma.rosa

    26 de julho de 2013 às 12h32

    Boa Lilica, o JOTACE podia ir dormir sem esta!!!!!KKKKK(gargalhando)Que TROLL!!!!

    mineiro

    25 de julho de 2013 às 16h18

    assino em baixo , a fhc de saias achou que fazer politica e governar longe das ruas e dos movimentos sociais iria tapar o sol com a peneira. ela a pres. dos poderosos,que manteve no governo min.da laia como hibernardo pau mandado da midia golpista , o ze cardoso outro que sempre defendeu os poderosos e outros mais piores ainda. achou que nao iria dar em nada. a fhc de saias se fechou no gabinete e se acomodou com as elites. o que o lula fez ela esta fazendo o contrario , ta entregando ate o pre-sal para os estrangeiros , quem imaginava que uma mulher que foi perseguida pela ditadura sanguinaria , ta se aliando com a elite maldtia dos quintos dos infernos. nao a um dia apos o outro.

    Fabio

    25 de julho de 2013 às 16h52

    Concordo plenamente com você.
    A Dilma é fraca demais e o ministério dela é uma tristeza de ruim.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.