VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Policial Maisa: Sobre a greve da PF


08/08/2012 - 16h03

da leitora Maisa, em comentário aqui

Quanto a greve da PF, aqui cabem alguns esclarecimentos que se fazem necessários para que todos façam um juízo de valor, mas com base nos FATOS e não no que é manipulado.

1)  A PF não tem qualquer tipo de rejuste desde o ano de 2007, quando foi recebida a última das três parcelas anuais do aumento escalonado;

2)  Desde 1996, por meio de lei, houve a exigência de NÍVEL SUPERIOR de escoloradidade para as carreiras operacionais: Escrivães, Agentes e Papiloscopistas;

3)  Mesmo com a exigência do nível superior, o governo manteve a tabela de vencimentos dessas carreiras como de nível médio;

4)  Após intensa luta da federação dos sindicatos regionais da PF, somente em 2011, o Ministério do Planejamento, reconheceu, oficialmente, que os operacionais da PF tivessem o reconhecimento do nível superior, fazendo incluir no “caderno” de atribuições do referido ministério, que as atribuições desses servidores são de nível superior;

5)  O sindicato da categoria é o único que procurou o governo desde 2009 e cumpriu todas as exigências do referido planejamento, com várias reuniões e apresentação de proposta, inclusive com o impacto sobre a folha de salários, etc, etc;

6)  O governo, depois de quase três anos, “reconheceu” que a tabela dos operacionais da PF deveria ser enquadrada naquelas cargos de nível superior, porém, esbarrou num grande obstáculo, que é a categoria dos Delegados de Polícia Federal e Peritos Federais, os quais já estão posicionados no topo dessa mesma tabela e as ditas “autoridades” não aceitam, em hipótese alguma, que os operacionais percebam vencimentos próximos aos deles sob a alegação de que isso viola o princípio da hierarquia, etc. etc;

7)  Diante desse entrave, os delegados de polícia federal “melaram” um acordo assinado por todas as carreiras e que propunham o reenquadramento da carreira dos operacionais nas carreiras de NÍVEL SUPERIOR, logicamente com reflexos na majoração dos vencimentos, enquanto que o reajuste dados ao delegados e peritos, por óbvio, seriam menores mas sem o risco de se aproximarem dos salários do magistrados e procuradores federais;

8)  É preciso dizer que os operacionais da POLÍCIA FEDERAL, de forma respeitosa, honraram com as exigências do ministério do planejamento e aguardaram até o limite da PACIÊNCIA HUMANA que o governo se manifestasse e apresentasse uma proposta de REENQUADRAMENTO dos operacionais e um reajuste escalonado para delegados e peritos e mais uma vez, o governo deu ouvidos aos clamores dos delegados, os quais se escondem por trás de um movimento de justas reivindicações para tirar proveito da situação e amealhar ESMOLA do governo;

9)  Para que se tenha uma pálida idéia, nos cargos do Poder Executivo de NÍVEL SUPERIOR, o salário inicial é de apoximados R$ 12.000,00(brutos), enquanto que o final das carreiras ultrapassam os R$ 18.000,00(brutos). A PF, para os operacionais, apresenta um salário inicial de R$ 7.500,00 e o final da carreira chega aos R$ 11.800,00, enquanto que delegados e peritos se situam nos valores já demonstrados;

10)  A paralisação da PF não visa se indispor ou afrontar o governo e muito menos com a sociedade, mas apenas exige que sejam reparadas injustiças com uma categoria, tal com as demais, tem demonstrado zêlo e competência e goza de imensa credibilidade junto à população;

11)  Quem não está cumprindo com a palavra é o governo, primeiro ao tentar “enrolar” a PF até o apagar das luzes da aprovação de orçamentos e, segundo, e principalmente, ao dar crédito à uma única carreira (delegados) como se fossem somente eles que fazem a instituição crescer e apresentar resultados.

12) A Dilma é governo desde 2005 e sabia, mais do que todos, das demandas do funcionalismo e das distorções salariais entre carreiras de mesmo nível e infelizmente deixou a coisa chegar ao ponto em que chegou e, no caso da POLÍCIA FEDERAL, demonstra intransigência e trabalha com a denunião para enfraquecer e se alia à mídia bandida para tentar desmoralizar e desqualificar justas reivindicações daqueles que, com esforço, fazem o governa “dela” aparecer e acontecer.

De minha parte, como POLICIAL FEDERAL, me sinto constrangida a ter que divulgar as mazelas da instituição, mas é preciso que todos saibam, ao menos para fazer um juízo de valor dentro da nossa realidade/verdade, pois não queremos ser os “novos marajás”, mas apenas receber, inclusive como pecúnia, o mesmo tratamento dispensados aos outros valorosos trabalhadores do poder executivo que conseguiram, unidos, fazer prevalecer os interesses de toda a categoria, diferentemente do que ocorre nos corredores da PF, onde uma casta se julga superior e merecedora de todos os louros da fama e salários elevados.

Leia também:

Os olhos dizem muita coisa. Disseram?

Ricardo Antunes: Para onde vão nossas universidades

Maria Izabel Noronha: Atualização do professor deve ser no local de trabalho

“Professora, já imaginou, eu deixar de ser servente de pedreiro e virar engenheiro?!”

Marinalva Oliveira: Crise internacional não justifica precariedade nas universidades federais

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



106 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

vinicius

22 de agosto de 2012 às 19h10

Desculpem pela forma como escrevo, vão dizer que sou neo-facista e sei lá mais o que…

Essa turma do executivo que está em greve são uma elite menos elite do serviço público.
Querem subir de degrau e o pessoal de cima faz questão de deixar claro que é importante existir distância de vecimento$ entre o andar de cima e de baixo.

Além disso a galera que está começando quer ganhar igual a quem já está a 20 anos no serviço público;
Além disso ficam de olho em um DAS;

Tem uma turminha nova que percebe e reclama que não conseguem ter nível de vida igual aos de seus pais ( alguns pais nem faculdade fizeram. Só que essa turminha não sabe nada de histórica econômica do brasil pós-guerra e as explicações para os baixos salários de hoje em dia.

Além disso, os servidores, principalmente a turma lá de BSB , querem ter as mesmas mordomias dos servidores pioneiros que chegaram a BSB até a década de 70.

Sinceramente:
Servidores, é melhor trabalhar! Tem muita gente querendo trablhar.
Por que vocês não reivindicam melhorias mostrando trabalho para a população e não propagandas e marketing que distorcem os fatos.

Responder

    Andre

    25 de agosto de 2012 às 20h48

    Vinícius, se achas que vida de servidor é ficar encostado, entre no Serviço Publico e faça sua parte, mostrando que VOCÊ sabe o que é trabalhar. Concurso é igual carnaval, sempre tem.

RC

17 de agosto de 2012 às 17h02

Várias carreiras do executivo estão com os salários congelados a anos. Mas o maior problema refere-se às diferenças salariais dentro do próprio Executivo. Um técnico de nível superior começa ganhando menos de 3 mil. Isso é muito pouco. Para ganhar mais, pode fazer especialização ou mestrado. Neste, aumenta seu ganho em 52%. Mesmo assim, ainda é muito pouco para quem trabalha com a contabilidade ou realiza pregão. Agora, imaginem quanto ganha um técnico de nível médio! Isso é uma desmoralização e injustiça.
A solução foi voltar a estudar para concurso. Mesmo que eu passe, a injustiça permanecerá. Então, entendo a reivindicação de cada companheiro grevista, mas alguns ainda estão bem na fita se comparados a nós.

Responder

Marcos W.

16 de agosto de 2012 às 16h50

Os comunas de todos os partidos, inclusive aqueles que pertencem a sindicatos que nada têm de socialistas, trabalhistas ou qualquer outro “ista”, devem fazer greve na China. Ou em Cuba!

Responder

tiago carneiro

15 de agosto de 2012 às 21h15

essa FHC de SAIAS…

Responder

Victor Calejon: Opção política ou má administração? « Viomundo – O que você não vê na mídia

14 de agosto de 2012 às 22h50

[…] Policial Maisa: Sobre a greve da PF […]

Responder

Ribamar Costa

10 de agosto de 2012 às 12h18

Por Favor …me compre um bode!!!Essa conversa fiada de dizer que entra-se na carreira de Polícia Federal com salário de cargo de nível médio é papo furado.Me diga qual é o concurso de nível médio com esse salário.O que os funcionários federais,que se fazem de coitados e que dizem que ganham baixos salários,não entendem é que há uma evolução e estruturação administrativa o longo do tempo,e ajustamentos.Isto é normal.Há outros cargos federais de nível superior em que os salários estão abaixo dos grevistas.É um escândalo tão absurdo como os privilégios dos parlamentares e Profissionais do Judiciário.Simplesmente se quer que seus salários sejam absurdamente sempre altos e muito acima da média nacional,mesmo com a burocracia e o baixo rendimento dos serviços públicos no Brasil.Se estão achando os salários ruins,então saiam…Já chega!Os estados já sustentam o DF,que hoje tem o melhor IDH do Brasil.Agora temos que sustentar toda essa classe que se acham melhor do que os outros.Que droga…Basta olha o salário dos professores de nível fundamental pra ver que esse pessoal “coitadinho” não recebe mal.Agora virou moda:além de bom salário,estabilidade e aposentadoria integral,a carreira pública federal é para o servidor enrriquecer…E isso com o aperto nas contas públicas e o clima de incertezas econômicas que roda o mundo…

Responder

    ROSANE

    10 de agosto de 2012 às 16h48

    Pelo que li a respeito, o salário de um PF 5500 líquidos e não 7500, isso é bruto, além disso estão faz 03 anos negociando com o Governo e a Dra.Dilma não quer nem dar a reposição da inflação.

    Concluindo: Prefiro dar aumento pra PF combater a corrupção, do que continuar com este governo corrupto tipo mensalões e Valériodutos da vida. As pessoas parecem que esquecem fácil.

    Dinheiro pro PT desviar a fim de continuar no poder, ai tem. Para repor a inflação aos servidores que combatem o narcotráfico e a corrupção não tem.
    Ah! tinha me esquecido, talvez eles queiram é sucatear a PF mesmo, pois é ela que investiga e prende os políticos corruptos e isso todos nós sabemos que é o que não falta neste pais.

    Portanto acredito que todos deviam era apoiar a PF e não somente criticar. Afinal a PF se tornou a polícia que é hj, pq a população apoia suas operações, principalmente quando põe na cadeia os políticos do colarinho branco, mesmo que fiquem por pouco tempo, mas isso já é uma outra conversa.

    OBS: Não sou servidora pública em nenhuma esfera, mas acredito que os funcionários públicos devem ser sim valorizados, pois todos nós cidadãos queremos serviços dignos a nossa família e filhos.

    Ribamar Costa

    26 de agosto de 2012 às 11h22

    Uma coisa q o professor disse no curso d Metalurgia:nunca se faça d imbecil discutindo imbecilidades com quem faz como tal.O q esse assunto do roubo dinheiro do PT tem a ver com a greve e com o reajuste exigido?Parece aquele discurso do pessoal do PSTU,PSOL e outros partidos que só falam merda.Primeiro q o combate efetivo da corrupção aconteceria principalmente com as reformas do sistema legislativo e judiciário -verifiquem se a maioria desse pessoal-alvo fica preso;depois que,se estão achando ruim,saiam.Discurso besta de dizer que eles só trabalharão nisso se ganharem mais.Um policial militar no RS ganha “salário” de 966 reais e nem por isso eles deixam de exercer suas funções.Os únicos que estão certos nas reivindicações são os professores:como pode um professor com doutorado ganhar menos de 5000 mensais.O que aconteceu é que apareceu esse monte de pessoal esperto metido a coitadinho que quiz pegar carona.Desses outros servidores federais os ganhos,descontado da inflação nos últimos 10 anos foi superior a 36%.O que eles querem é que seus salários fiquem sempre subindo…até onde eu não sei.

Raquel Mara

10 de agosto de 2012 às 08h41

Concordo plenamente com vc Maisa, pois acho uma injustiça com os agentes federais, uma vez que são eles que fazem a grande diferença na policia federal.estou torcendo para que aprovem o reajuste dos agentes federais, até porque futuramente serei uma agente federal também.

Responder

Almir

10 de agosto de 2012 às 07h47

Vocês não estão atentando para as regras do “ajuste fiscal” que, se não forem cumpridas, serão motivo para impeachment do presidente. Se as despesas com pessoal, incluindo inativos e pensionistas (Art. 169 da Constituição Federal) ultrapassar 50 da receita corrente líquida (art. 19 da Lei de Responsabilidade Fiscal – Lei Complementar 101/2000), o governo terá de demitir servidores (ajuste fiscal forçado) senão o presidente será impichado. Sem esquecer que essas regras foram introduzidas pela dupla FHC/Serra.

Com a crise provocada pelo neoliberalismo nos Estados Unidos e União Européia, os produtos brasileiros estão ficando sem mercado, e nossa economia desacelerando e reduzindo a arrecadação (de onde vem o dinheiro dos salários do servidores).

Portanto, não adianta ficar feits criancinhas birrentas quando querem um brinquedo, custe o que custar, saia de onde sair o dinheiro.

Responder

    RC

    17 de agosto de 2012 às 17h12

    Amigo, você está engando. Está longe de a despesa com funcionalismo ultrapassar o limite constitucional. O motivo de não haver aumento são os juros, negociados acima do mercado, usados para pagamento da dívida Braileira, que é interna na teoria, pois está a mão de estrangeiros. Isso, desconsiderando os vários perdões dados ao empresariado, as empréstimo concedidos pelo BNDS para as privatizações do Governo Dilma. Isso, o Governo empresta para comprar o que é dele.

Zilda

09 de agosto de 2012 às 21h08

Gostaria muito que a policial Maisa apontasse que categorias do Executivo têm salário inicial de R$ 12.000,00. Sou funcionária de Universidade Federal, com nível superior e meu salário base não chega a R$ 5.000,00.

Responder

    Maria Izabel L Silva

    14 de agosto de 2012 às 15h00

    Isso aí Zilda. Sou professora de universidade federal com mestrado e meu salario não chega a 5 mil reais liquidos. Desde quando salario de 7 mil reais é salario de nível médio??? Onde? Policial que arrisca sua vida todos os dias, corre atrás de bandido e faz investigações complexas, merece ganhar muito bem para não se deixar corromper. E os PFs já ganham muito bem!” Mas funcionario de bancada, de escritório, achar que 7 mil reais não é condizente com suas funções, é um acinte aos demais funcionarios publicos federais, que nem chegam perto disso.

    vinicius

    22 de agosto de 2012 às 18h59

    Pode parecer uma pergunta boba e idiota…
    Vão dizer que não é por aí…
    Não é bem assim…
    Que é preciso aprofundar o assunto…

    Eis minhas perguntas:

    Se o salário de Policial Federal não é tão bom, porque os cursinhos de capacitação para ingresso na PF estão sempre cheios????

    Porque tantos pessoas com níve superior optam em ser da PF e não profissionais liberais?????

    A briga interna entre delegados, peritos e operadores não é um problema interno da instituição????

    Por que os operadores, que tem curso superior, não fazem concurso para perito ou delegados???

    Se a questão é o quanto ganhar e comparar o salário pago em diversos órgão porque não prestar concurso para o BNDES, Bancen, órgão do Legislativo ou Judiciário?????

    Agora a minha opinião:

    – durante o governo FHC o servidor do executivo não ganhou nada, houve terceirização, a ideia central era o tal do estado mínimo com suas agência reguladoras construídas a toque de caixa.

    – durante o governo do Lula houve redirecionamento da lógica anterior, mas, atenção, muitíssima atenção, exite um movimeto chamdo de inércia que impede mudanças bruscas (mudanças bruscas só em revoluções).

    – durante o governo da Dilma espero que ocorra a consolidação dos cargos e carreiras do executivo.

    Mais opiniões:

    – quem não está satisfeito,coloque a viola na sacola e vá procurar outro caminho;

    – quer melhorar a instituição na qual vc trabalha, veste a camisa e se prepare para uma longa e penosa jornada com capítulos distintos a cada quatro ano;

    – por último, mas não o último, e a série de benefícios do serviço público do tipo aposentadoria, benefícios, auxílios, diárias, licenças, prestígio, estabilidade…Sem falar na flexibilidade de horário, vou ali levar meu filho a médico…

    Conclusão: Fala sério, servidores!!!!!!!

    Vocês já trabalharam na iniciativa privada?

    Dizem que na iniciativa privada é muito bom!!!!

    Troque de emprego e de patrão!!!

Neo-tupi

09 de agosto de 2012 às 19h18

Infelizmente a ideologia de esquerda de muita gente não resiste à tentação do contra-cheque.
O PIB brasileiro foi de R$ 4,1 trilhão em 2011, o que dá uma renda per-capta de R$ 21.580,00 anuais, ou R$ 1.660,00 mensais (13 salários, pois há o 13º).
E não adianta vir apenas com os argumentos sobre “se não pagasse” a dívida… porque mesmo que não pagasse juros nenhum, se o Brasil fosse rigosamente socialista, o salário teria que ser de cerca de R$ 1,7 mil para todo mundo.
Admitindo diferenças salarias de 1 para 8 entre o piso e o teto, poderíamos imaginar pisos de R$ 1,5 mil para muitos e teto de R$ 12 mil para poucos.
Se quem ganha R$ 7,5 mil tiver que ganhar R$ 12 mil, obviamente que na distribuição de renda, quem vai ter que ser sacrificado para as contas fecharem é o pessoal mais vulnerável de salários e aposentadorias mais baixas, perpetuando a má distribuição de renda construída nos 500 anos.
Então, quem é socialista de verdade, deve sim combater o lucro excessivo dos banqueiros e de grandes empresários, mas esse dinheiro deve ir para os salários mais baixos, e não para quem já tem um salário bastante digno e só olha para cima, para os poucos que ganham mais, esquecendo das hordas que ganham menos.
É justo pedir reposição da inflação, seja qual for o salário. É justo reivindicar ganhos reais, quando o cenário econômico é favorável, de crescimento. Mas agora o que se vê é gente que está em situação confortável ou remediada fazendo greve em plena crise, enquanto a maioria dos trabalhadores mais pobres, que não tem estabilidade, cuidam de lutar para preservar seus empregos, o que depende sim de políticas anti-cíclicas do governo.
A direita agradece ao PSOL, PSTU e até a setores do PT e PCdoB e ao próprio funcionalismo de alta renda que está matando sua própria galinha dos ovos de ouro, por preparar a maioria da nação para odiar o estado, ressuscitando o discurso que elegeu Collor em 89 e FHC em 94.

Responder

    Wagner

    09 de agosto de 2012 às 20h36

    Mas não deixe de atentar, justamente, para o fato de que diversas categorias federais (dentre as quais a minha – do Judiciário Federal) não pleiteiam aumneto real, mas apenas a reposição inflacionária.

    Porque a inflação não vem baixa há tempos, e sem correção como é que fica?

    abraços

    Herivelto Canales

    11 de agosto de 2012 às 18h45

    E eu? Como fico?
    Só pensam em si.

    RC

    17 de agosto de 2012 às 17h19

    Esse é o mundo ideal, né amigo? Porque, na prática, pode ter certeza de que não serĩam os aumentos a servidores que quebrariam o Brasil. O que quebra esse país é a corrupção generalizada, os políticos porcarias que temos, o CN com suas remunerações extratosféricas (incluindo os atantos auxílios) e as tanastas câmaras de veradores no Brasil, as dezenas de milhares de cargos comissionados…

    Tania Silva

    20 de agosto de 2012 às 23h36

    A conta inicial é meio nonsense, pois deu salário a cada cidadão e não apenas aos que trabalham. Um recém-nascido ganhar salário de R$ 1.600 e ainda ser amamentado e sustentado pelos pais tá bom demais!

Willian

09 de agosto de 2012 às 16h01

Para quem não sabe, vou explicar o truque didaticamente:

1) Você exerce uma função que exige apenas o nível médio para ingressar.
2) Seu sindicato luta para que se altere o concurso e seja exigido curso superior para ingressar neste cargo.
3)O governo cede, e seu cargo, que sempre teve provimento exigindo nível médio passar a exigir nível superior.
4)Bem, já que seu concurso exige nível superior, você obviamente quer ganhar um salário compatível com outros cargos também de nível superior.
5)Viram a mágica?

Responder

    Rodrigues

    09 de agosto de 2012 às 17h06

    Como você é inteligente, já passou em algum concurso?
    Aff, na PF a lei é de 1996, com primeiro oncurso de exigência de nível superior em 1997, de lá para cá tiveram vários concursos, hoje 80% do efetivo é de 1997 pra cá e os caras da antiga 99% são formados.
    e nem interessa é lei e pronto ou não devemos respeitá la?

    Neo-tupi

    09 de agosto de 2012 às 19h26

    Rodrigues, se 80% fizeram concurso depois da lei e os editais dos concursos para o cargo com curso superior já estipulava este salário, então exigir equiparação com outras carreiras de outros concursos vira trem da alegria. Sinceramente, admiro a PF, mas em tempos de crise econômica, com gente sem estabilidade lutando para não perder empregos, não dá para ficar sensibilizado com quem já ganha R$ 7,5 mil, tem estabilidade e aposentadoria integral.

    Willian

    09 de agosto de 2012 às 19h37

    4(quatro).

Maisa

09 de agosto de 2012 às 16h00

Vejo como salutar o sacrossanto direito de manifestação do pensamento e a respeito do seja. Pessooas aqui se manifestaram com maior, menor e nenhum conhecimento de causa. Por evidente que há enormes distorções na remuneração dos servidores públicos federais, e nos estados e municípios então, nem se fale. Tais mesmas distorções são frutos de incontáveis administrações, hora comprometidas com tais e quais carreiras, hora desprezando-as na totalidade, hora criando privilégios para algumas poucas e assim, com o passar das décadas, ficou praticamente impossível corrigir esses imensos gargalos. Políticas equivocadas e muitas das vezes de má-fé, conduziram e materializaram lacunas que nao são fáceis de preencher. A ditadura, por exemplo, condenou os professores(por que será?) ao fogo eterno do inferno e pagou muito bem aos agentes de repressão e ainda hoje a educação nao eh prioridade aos governantes de plantão, razão direta da situação atual dos professores. Nunca se arrecadou tantos impostos quanto nos últimos anos e nunca se gastou tão mal quanto se gasta agora. Necessário esclarecer que quase a metade do eh arrecadado, por meio do tal superávit primário, são direcionados ao pagamento da divida publica, ou seja, para remunerar os banqueiros, compradores de títulos da divida publica. Necessário esclarecer que, hoje existem mais de vinte mil -20.000 – servidores que nao se submeterão a concurso publico e são contratações, na sua ampla maioria, pra suprir acordos políticos, os chamados CARGOS COMISSIONADOS, todos eles com salários muito acima da media dos servidores. Quantos bilhões de reais são necessários para manter esa maquina política? Será que esse dinheiro nao poderia ser empregado na valorização de TODAS as carreiras? Quanto dinheiro hoje eh empregado para manter uma estrutura super dimencionada e que existe apenas para atender a acordos politicos, chamado pomposamente de GOVERNABILIDADE. Algum já ouviu falar em carreiras típicas de estado, ou seja, aquelas que o ESTADO nao pode delegar a iniciativa privada? Alguém disse por aí que o policial federal ja ganha muito bem e quem desejar melhores salários que prestem outros concursos… São argumentos desarrazoados e fora do contexto. Forçoso reconhecer que algumas atividades, em razão de suas peculiaridades, precisam receber tratamento difrenciado e desejar nivelar por baixo eh a porta aberta ao péssimo serviço prestado, penalizando sempre o contribuinte. O que busca, tendo a greve com ultimo recurso, em razão do descaso do Governo, eh o reconhecimento, inclusive com salários maiores, de que a categoria esta defasada com relação as demais, de mesmo nível. Aqui o governo quer tratar desigualmente aqueles que são iguais, por similaridade de atribuições bem como de complexidade dos trabalhos. Mas devo ressaltar, novamente, que o maior obstáculo nao esta no governo, mas sim dentro da nossa própria casa, que nao admitem receber salários próximos e nao iguais como alguns podem supor, por desconhecimento de causa. Preocupa-nos, igualmente, que outras tantas categorias dos servidores estejam buscando valorização, mas infelizmente somos levados a tratar cada caso com a sua singularidade, pois os governantes plantam a desunião para enfraquecer as categorias. Aos que ainda entenderem o propósito da paralisação, nao exigimos reajuste, mas REENQUADRAMENTO, por ser de DIREITO e duvido quem alguém, com lucidez, abra mão de um direito ou que nao lute, com dignidade, por ele. O momento eh de dizer ao governo, que tipo de POLICIA FEDERAL vocês, contribuintes, desejam ter. Se querem uma policia de ESTADO ou de GOVERNO, para quem nao sabe, isso eh de fundamental importância. Queremos e lutamos por autoria financeira/administrativa, com um Diretor-Geral indicado por período determinado e comprometido com a instituição e nao com uma única categoria de servidores.

Responder

Marcelo de Matos

09 de agosto de 2012 às 15h32

O governo tem de investir em vários setores para fugir à crise que assola o mundo. Talvez, por essa razão, olvidou o funcionalismo público. Ao invés de estar aqui teclando eu devia estar lá em frente ao TRE/SP, participando da nossa greve. Estamos há seis anos sem aumento. Amanhã prometo ir para lá. Sem investimento nada dá resultado. Agora vamos investir nas Olimpíadas, mas, se não investirmos na formação de atletas não conseguiremos nada melhor que o 22º lugar. O Cazaquistão, uma ex-república soviética de 15 milhões de habitantes, está em 10º lugar. Como conseguiram esse feito? Veja nos links abaixo.
http://www1.folha.uol.com.br/esporte/1134218-projeto-estatal-faz-o-cazaquistao-se-tornar-potencia.shtml
http://www.slideshare.net/jarbascomputadores/tem-ideia-de-como-o-kazaquisto

Responder

Renata

09 de agosto de 2012 às 13h58

Essa questão da “equiparação salarial” para cargos com atividades semelhantes é realmente complicada. O profissional que faz concurso pros Correios para Analista de Sistemas, por exemplo, faz o mesmo serviço que o profissional que faz concurso para o INCRA, ou para algum órgão do Judiciário, ou para o Senado Federal. O cara dos Correios cobra que o salário seja o mesmo pago em outras carreiras, e as outras carreiras também querem sempre um aumento com base no que é pago para carreiras semelhantes. O que se tem que fazer? Dar aumento pra todo mundo? Fica, então, levando em conta o cargo em questão, todo mundo ganhando 18000 iniciais. Hum… não tenho muita certeza… Por outro lado, sabe-se que para passar em um concurso cujo valor inicial é mais alto, é necessário um esforço maior também. Assim acontece na Polícia Federal. Temos, às vezes, concorrentes formados em Direito que prestam, inclusive, exames para delegado, assim como para cargos de agente ou escrivão. Acontece, nesses casos, do candidato ser aprovado para agente e não ser para delegado. E aí, depois, é dever do órgão subir o subsídio para o valor de delegado? Tenho, realmente, sérias dúvidas a respeito desse pensamento e estou aberta a ser convencida que tinha que ocorrer isso mesmo, mas não encontrei argumentos totalmente convincentes.

Responder

    pperez

    09 de agosto de 2012 às 16h03

    Em geral os planos de cargos,carreira e remunerações não resolvem todos os problemas salariais de uma determinada categoria profissional.
    Mas, o maior problema neste episódio, é que o governo, que se diz dos trabalhadores, está usando estes mesmos trabalhadores como boi de piranha para manter estabilizada suas politicas economicas,virando as costas até para receber a representação dos trabalhadores para negociar.
    É no minimo um acinte à logica e a coerencia politica ideologica que historicamente marcaram a campanha eleitoral,levando Lula,e depois Dilma ao poder.

    Rodrigues

    09 de agosto de 2012 às 17h14

    Renata, existe algumas diferenças entre as carreiras, cargos, órgão etc…
    que são, complexidade da função, risco, atribuições entre outras e a mais importante. algumas carreiras se diferem por serem típicas de Estado, não encontrando e não podendo ter, similar na iniciativa privada e ser essencial para o funcionamento do Estado/Nação, como o caso dos policiais federias, auditores, e outros cargos. Mas tenhamos sempre em mente que nivelar por baixo não é nada inteligente, então se uns ganham mais, os outros devem buscar acompanhar e não criticar ou querer puxar o tapete.

    RC

    17 de agosto de 2012 às 17h27

    Razoabilidade, Renato, só isso que falta. Não precisam ganhar todos igualmente, mas também tanta disparidade dá na vista. Um NS ganhando 3 mi, outro, dento do mesmo poder, executando a mesma atividade, ganhando mais que o dobro.

alexandre moreira

09 de agosto de 2012 às 13h44

Agora salário é instrumento de liderança ?
Não dá pra entender esta argumentação dos delegados…
Salario parecido prejudica a hierarquia? Desde quando ?
Tem gato na TUBA

Responder

ulisses

09 de agosto de 2012 às 12h49

Bob, curso latu sensu não é curso reconhecido pelo MEC, é apenas um curso de aperfeiçoamento com exigência básica de 360 horas e monografia que pode ser comprada hoje na internet! Não confunda com Stricto sensu, mestrado com dois anos, conhecimento da língua inglesa mais uma defesa, dissertação e publicação de artigo científico em revista qualis A ou B ou doutorado, conhecimento de duas línguas, mais uma prova de qualificação (braba, suei para passar) mais uma defesa de doutorado, uma tese inédita e publicação de artigos científicos. Isto é a exigência para um professor de universidade federal que hoje ganha menos que um agente de polícia cuja exigência científica é apenas saber manejar uma arma. Quanto a exigência de curso superior para agente de polícia, isto foi uma artimanha para elevar o salário de um agente federal, já que na sua atividade, o diploma não vale nada. Por isto tá cheio de agente que comprou diploma de faculdades particulares picaretas, verdadeiro “terceirão” grau, cuja exigência é apenas pagar as mensalidades, pois nem frequencia elas exigem.

Responder

    Andre

    25 de agosto de 2012 às 20h54

    Ulisses,

    isso é uma acusação grave, já que falsificação de documento público é crime. Tens provas disso? Em nosso direito, quem acusa tem obrigação de provar.

Mariac

09 de agosto de 2012 às 12h40

Responda rápido em quem votou na última?

Responder

Mariac

09 de agosto de 2012 às 12h39

Faltam-nos informações. Sempre imaginamos qual o salário liquido de um profissional assim.
1)Economia em baixa arrecada pouco.
2)Salários de 7.500 é o dobro de um salário de qq professor universitário na Inglaterra. É certo que lá podem pagar a mortgage da casa em até 50 anos. E o sistema de saúde de lá é igual ao SUS daqui exceto pelo que os médicos são obviamente melhores (aqui nem 40 por cento fazem diagnóstico correto entre doença de chagas e cardiopatia normal, mesmo com exames na mão) e há mais SUS nas esquinas deles.
3)Há corrupção demais aqui, mormente nas empresas, e se estas mazelas forem extirpadas talvez estes professores e policiais possam ganhar mais, sim. Mas quem se atreve a votar bem no legislativo, fonte mor da corrupção?

Responder

Danilo

09 de agosto de 2012 às 10h57

Bom dia a todos!

Sou Analista Judiciário do Tribunal Regional do Trabalho da 16ª Região e, assim como a greve do Judiciário Federal, considero o movimento da Polícia Federal inoportuno por uma simples razão: peca pelo corporativismo, mal maior de TODOS os setores da sociedade, públicos E privados.

Explico: assim como ocorre na minha categoria (Analistas Judiciários), é justa a reivindicação de equiparação da remuneração dos agentes, escrivães e papiloscopistas, não por que recebemos salários medíocres (muito pelo contrário!), mas unicamente em razão de outras carreiras federais que exigem o mesmo nível de formação receberem remuneração maior.

No entanto, grande parte das carreiras federais que também exigem formação superior – nelas incluídas a dos professores – recebem remuneração substancialmente inferior à nossa.

Na minha opinião, é absolutamente RIDÍCULO que eu, como Analista Judiciário, com pouco mais de 2 anos de exercício, receba MAIS DO QUE O DOBRO do que um professor universitário federal no mesmo nível de carreira, ainda mais levando em conta que, quando se pergunta a qualquer cidadão sobre quais deveriam ser as prioridades do governo, invariavelmente se obtém como resposta a Educação.

E isso se aplica não só aos cargos de nível superior, mas também às demais carreiras federais. Basta fazer uma comparação, por exemplo, entre o valor da remuneração dos técnicos de universidades e institutos federais com a dos servidores do mesmo nível do Judiciário e Legislativo.

Como condição indispensável para uma solução despida de sociopatia, portanto, vejo o debate conjunto de TODAS as carreiras federais com o governo, a fim de se estabelecer de uma vez por todas qual a remuneração-paradigma para as carreiras do mesmo nível – sem se olvidar, obviamente, das peculiaridades de cada profissão – para que se tenha reajustes mais elevados para os que estão no mesmo nível, mas que recebam remuneração inferior, respeitando-se a proporcionalidade da defasagem da carreira de cada um.

Grande abraço!

Responder

    João Vargas

    09 de agosto de 2012 às 12h45

    Caro Danilo, se voce está envergonhado porque ganha mais que um professor, faço aqui uma sugestão: Doe o excedente do seu salário a uma instituição de caridade, aí a sua consciência ficará tranquila. Quanto a mim acho que toda categoria deve lutar para que seus salários sejam dignos e lutar contra a politica de reajuste zero da presidente Dilma. Chega de privilegiar sempre os grandes empresários e os banqueiros, estes não podem perder nunca, mas o trabalhador perde sempre.Você fala que a greve é inoportuna porque esta iludido com o seu salário hoje, mas se a politica do governo continuar daqui a cinco anos o teu salário valerá menos que a metade, aí eu tenho certeza que tu mudará de idéia, porém será tarde demais.

    Danilo

    09 de agosto de 2012 às 17h26

    Sugiro um cursinho de interpretação de texto aos dois comentaristas.

    Eu não disse que o meu salário é a 8ª maravilha do mundo(embora seja muito bom, se comparado ao restante da população do Brasil), mas apenas que há outras categorias que exigem o mesmo nível de formação que ganham muito menos.

    É muito cômodo e conveniente sempre usar como parâmetro aqueles que ganham mais e apostando na maior força política que as nossas categorias tem sobre o governo.

    O que o Judiciário e a PF estão fazendo é banalizar o instituto da greve.

    Desculpe-me se o meu caráter não permite que, ganhando bruto R$ 9.200,00 (incluindo minha função comissionada, ou R$ 8.000,00 sem ela), eu participe dessa greve sociopata, precarizando o direito de acesso à Justiça de trabalhadores que ganham R$ 100,00, R$ 200,00 ou que são escravos aqui no interior do Maranhão.

    jaime

    09 de agosto de 2012 às 14h31

    Ou seja, Danilo, você está com sentimento de culpa por ganhar tanto assim. Fique à vontade, lute pela redução do seu salário. Depois, quando você estiver ganhando igual ao professor universitário, lute com ele para aumentar o salário de vocês dois, ou abracem-se e tomem uma cervejinha. Francamente Danilo, sendo você um Analista, temo pelas suas “análises”.
    Observem que há alguns anos, todo o funcionário do Banco do Brasil era taxado de marajá; os salários foram reduzidos em mais ou menos dois terços do que era, a ponto de torná-lo inexpressivo, um salário de m… Agora ninguém mais fala nada; salário de m… tudo bem!

    Danilo

    09 de agosto de 2012 às 17h29

    Vide resposta ao outro comentário acima.

    João Vargas

    09 de agosto de 2012 às 18h07

    Danilo, se tu é mesmo analista judiciário deve saber que a Constituição Federal manda que sejam reajustados os vencimentos dos servidores anualmente. Acho que tu tem o direito de não fazer greve, até mesmo porque é novo no judiciário e já entrou sabendo o que iria receber, mas nós que somos antigos sabemos que o salário está defasado justamento porque o governo não cumpre a constituição e não repõe nem mesmo a inflação. A intenção do governo é congelar os salários e é contra isto que lutamos. Não faça greve, mas não critique aqueles estão lutando pelos teus direitos.

    Danilo

    09 de agosto de 2012 às 19h13

    Como eu disse, a reivindicação é justa, mas não justifica a greve.

    Na hora em que as associações representativas de TODAS as categorias federais quiserem negociar conjuntamente – com critérios objetivos e reajustes proporcionais aos que estão na mesma posição, mas tem remuneração diversa, e sem distinção do Poder a que estão vinculadas – e o governo se negar a fazê-lo, serei o primeiro a entrar em greve.

    Do contrário, me recuso a aderir a esse “se a farinha é pouca, meu pirão primeiro” porque, antes de ser servidor público, sou cidadão brasileiro.

    Geraldo assis de medeiros jr

    09 de agosto de 2012 às 19h21

    Prezado Danilo,

    Como você acho que os professores percebem vencimentos imcompatíveis com suas nobres atividades que é educar a população.Porém o homem que trabalha na segurança dessa mesma população ,tem que ter garantias pelo menos na parte remuneratória.Pois as atribuições profissionais diárias se lida com o que há de mais importante a vida humana e não existe outra profissão com tantos trabalhadores com problemas de ordem psicológica,suícidios e morte em decorrente de seu mister que é a defesa da sociedade.

    Não devemos nivelar por baixo e tudo que esse governo quer!!! Salário justo funcinário eficiente e capacitado ou você acha que a educação no Brasil e eficiente e compatível com países de primeiro mundo.

    Danilo

    10 de agosto de 2012 às 17h35

    Pra nivelar por cima, a prioridade deve ser a categoria que ganha menos, não?

    Só pra deixar bem claro e exemplificar, num mundo ideal, com dinheiro suficiente pra todos, levando-se em conta categorias que exijam o mesmo nível de formação e respeitando-se as peculiaridades de cada uma (carga horária etc):

    Carreira A: Salário R$ 100,00
    Carreira B: Salário R$ 80,00
    Carreira C: Salário R$ 70,00
    Carreira D: Salário R$ 60,00

    Uma proposta de reajuste justo seria:

    Carreira A: Inflação acumulada
    Carreira B: Inflação acumulada + R$ 20,00
    Carreira C: Inflação acumulada + R$ 30,00
    Carreira D: Inflação acumulada + R$ 40,00

    E, no ano seguinte, com todos com remuneração equivalente, inflação acumulada para todas as categorias, ou algo como os critério adotados para o salário mínimo (inflação + PIB de 2 anos anteriores).

    Mas, como não estamos num mundo ideal, todas as categorias deveriam buscar uma negociação conjunta para que em 5, 10 ou 15 anos, essas aberrações de hoje não mais existam.

    Acho que consegui me fazer entender agora.

Luiz Rogerio

09 de agosto de 2012 às 10h41

Peça demissão e vá arrumar um salário melhor, quem sabe Professor? Médico? PM? se R$ 7.500,00 é pouco, vá plantar batatas para a população comer e viver com salário pago às famílias de baixa renda… Greve por salário melhor do que esse no momento que passamos é brincadeira… Vote no FHC que com ele sua vida era melhor…
Não sou contra a greve, deve sim haver mais investimentos (como está havendo), mas salário? Fala sério…

Responder

    Moacir Moreira

    09 de agosto de 2012 às 13h02

    Sr. Luiz Rogério

    O seu discurso é típico da ideologia nazi-fascista que se apossou do Brasil com golpe de 64 que acabou com a estabilidade no setor privado submetendo toda uma massa trabalhadora ao fantasma da demissão sem justa causa, o que, evidentemente, permitiu o aviltamento drástico dos salários daqueles que são obrigados a se submeter aos patrões, pois afinal precisam se alimentar e alimentar suas famílias.

    É direito de todo trabalhador lutar por uma remuneração digna e compatível com suas tarefas e responsabilidades bem como seus empregos precisam ser protegidos.

    R$ 7.500,00 pode parecer muito para quem está acostumado a ganhar salário de fome e curvar a cabeça aos poderosos, mas não para quem busca dignidade e respeito neste vale de lágrimas.

    Será que nossos policiais federais são marajás parasitas?

    Abraços

jc

09 de agosto de 2012 às 10h25

não que eles não mereçam, merecem sim, mas em SP, estado dito mais rico, os escrivães e investigadores recebem 2.500 e tem nível superior também…contudo o salário óóó é de primeiro grau………..

Responder

Dinis

09 de agosto de 2012 às 09h37

Em 2014 votem no SERRA. este sim sabe valorizar os funcionários! vejam os altos salários da Policia de São Paulo.

Responder

    Leonardo Meireles Câmara

    09 de agosto de 2012 às 11h05

    E o mundo se resume a isso, né Dinis? Ou se submete ao PT, ou ao PSDB. Poupe-nos dessa retórica maniqueísta.

    Mariac

    09 de agosto de 2012 às 12h42

    A primeira condição para se pensar bem é comparar.

    RicardãoCarioca

    09 de agosto de 2012 às 11h27

    E dá 100% (100%!!!) de aumento no vale-coxinha!

    http://www.sindsaudesp.org.br/noticia.asp?acao=verNoticia&id=2722

Edson

09 de agosto de 2012 às 09h29

Não consigo apoiar greves da polícia federal e assemelhados, porque frequentemente vejo os abusos e desrespeito que esses policiais, talvez por poderem portar armas e se sentirem muito poderosos, tratam os cidadãos. Acham que podem fazer tudo, que a lei só deve ser seguida pelos outros, e na menor contestação ameaçam com uma visitinha à delegacia da PF. Vejo isso frequentemente em aeroportos. Se ainda seu trabalho resultasse em grandes benefícios para a sociedade, mas nem isso. A própria PF divulgou dados indicando que apenas 1% dos inquéritos resulta em alguém preso. Passem a exercer seu papel de servidores dos cidadãos e sejam mais educados e competentes que um dia a população os respeitará mais.

Responder

    dani

    09 de agosto de 2012 às 11h45

    é não apoia greve dos policiais, também acho que eles não precisam trabalhar para te defender. A PM é que proteje e arrisca a vida por essa população ingrata, seria melhor se nem existisse, já que eles não representam nada para essa sociedade oportunista… Apoio a greve da PM do Brasil inteiro, para ver esse país virar um caos… Se não há dignidade para os policiais militares, a sociedade e muito menos o governo não precisam de PMs..

Marco Roxo

09 de agosto de 2012 às 09h24

Fala sério, com todo respeito aos posicionamentos de D. Maísa: pode uma categoria que recebe R$ 7.500,00, tem estabilidade, entrar em greve num momento econômico como esse em função de divergências internas com os pares situados no topo da hierarquia institucional? Houve perdas salariais? É por reposição a luta? Há algum dado econômico exposto no argumento? Não. Dizer “apenas receber, inclusive como pecúnia, o mesmo tratamento dispensados aos outros valorosos trabalhadores do poder executivo” é um absurdo aos meus ouvidos. Quem são “Os outros valorosos trabalhadores”? Auditores fiscais, delegados da PF, advogados da União etc começam na carreira com o salário de mínimo R$ 10.000,00 líquidos, chegando ao teto do funcionalismo em menos de 10 anos de carreira, são igualmente estáveis e por isso se dão ao luxo de fazer greves, prejudicar meio mundo em nome do “quadro de miséria” em que vivem. Fala sério? Os funcionários públicos do Governo Federal parecem astronautas, vivem em outro mundo, em outro planeta e qualquer governo sério não pode atendê-los e deixar a patuléia do INSS na merda e sem emprego em função de crise econômica. Quem ganha R$ 7.500,00 pode muito bem fazer sacrifícios. Não pode é quem ganha bem menos que isso e vive na instabilidade do mercado. Fala sério, Maisa!!!!

Responder

Moacir Moreira

09 de agosto de 2012 às 09h16

Este é o (des)governo PTucano:

Fraseologia de esquerda e bloco com a direita contra as justas e merecidas aspirações do povo brasileiro.

A chapa tá esquentando, dona Dilma.

É chegado o momento de mostrar a que veio.

Responder

jacó

09 de agosto de 2012 às 09h03

No Governo FHC a policia federal era sucateada nunca teve sequer um aumento, hoje ganha como informa a policial R$ 7.500,00 reais e ainda acha ruim tem muinta gente na fila querendo ser agente da PF inclusive ótimos policiais estaduais que não percebem nem um qyuarto desta quantia e que possui até doutotarado.

Responder

RicardãoCarioca

09 de agosto de 2012 às 09h02

Trabalho no setor privado, não ganho metade do salário dessa policial, não terei aposentadoria integral como ela e também arrisco a minha vida todos os dias quando vou para o trabalho e quando eu volto pra casa (nos transportes coletivos, nas ruas perigosas e nos bairros com altos índices de ocorrências criminais).

Então, sinto muito, não consigo apoiar tal reinvidicação.

Façam facultade e outros concursos para cargos mais bem remunerados. É isso o que eu estou lutando para conseguir, por exemplo.

Responder

    pperez

    09 de agosto de 2012 às 15h53

    …Concursos para cargos melhor remunerados… é, que saudades de FHC hein Ricardão?

Marcos L C

09 de agosto de 2012 às 08h47

Esse pessoal acha ruim ganhar inicialmente R$ 7.500,00 mensais mais benefícios, sendo funcionário público federal com total estabilidade ? Meu Deus do céu, em que planeta essa gente vive ? Vão trabalhar na iniciativa privada pra ver o que é bom pra tosse. Aí vão saber o que é trabalhar sob pressão e manter a produtividade em alta o tempo todo. Ainda tem uns ridículos fiscais da receita federal que já ganham R$ 10.000,00 e querem porque querem 30 % de aumento, é brincadeira ou quer mais ?

Responder

    CCOUTO

    09 de agosto de 2012 às 17h47

    Apoio plenamento a greve da Polícia Federal, e não por ser funcinário público, mas por conhecer seu trabalho. A polícia federal trabalha sem efetivo e sem estrutura, e seus recursos humanos, invariavelmente, são de mestres e doutores. Confesso que tentei passar no concurso mas não consegui, continuo advogando, mas não desisti.
    Acredito que uma polícia forte é uma polícia com pessoas bem preparadas, educadas e com larga experiência e educação. Prefiro ser abordado por um Policial Federal educado, com ciência de suas atribuições e feliz com sua remuneração. É extremamente perigoso ser policial federal, é necessário ter curso superior, muitas vezes cursos específicos para o desenvolvimento de determinados trabalhos, saber usar e portar arma de fogo, ter bom senso e equilíbrio, enfim, é uma profissão que exige muito da pessoa.
    Neste mesmo sentido, e a título comparativo, entendo justo a reivindicação dos professores, pois quero que meu filho, ao ingressar aos bancos universitários, tenha um ensino de qualidade. Quero que a Segurança Pública melhore e seja mais eficaz, e sim, sim, isso também se faz reajustando as remunerações.
    Pelo o que entendi os Policiais Federais não tem reajuste desde 2007, ou seja, o salário não mudou. Somente para esclarecer, meu plano de saúde, somente este ano, em função de uma desculpa da existência de “sinestralidade”, aumentou 32%, somente este ano, imagina não se atualizar os salários de ninguém durante 10 anos, mas tudo, absolutamente tudo aumenta. A escola de meu filho aumentou 10% em 2012.

    Pelo o que entendi, a Polícia Federal não quer aumento, mas tão somente o reajuste da inflação, que pela Constituição Federal o Governo é obrigado a aplicar os reajustes dos índices inflacionários, e não o faz, o reajuste salarial não é só justo como legitimamente jurídico.
    Sáude, Educação e Segurança Pública são os pilares da sociedade, e são tão descuidados, desestruturados, por nossa culpa.Nós não exigimos dos entes públicos o devido respeito a estes órgãos.
    Com todo o respeito aos comentários contrários, confesso que me causou muita tristesa lê-los, pois, se a Educação, a Saúde e a Segurança Pública tivessem profissionais capacitados, muito bem preparados, em que somente os melhores ingressassem (com salários e condições de trabalhos atrativos), eu deixaria meu filho na escola pública, eu levaria meu filho ao SUS, e confiaria na Polícia.
    Quem ganha com isso é toda a sociedade….
    Mas não, somos tão egoistas que queremos uma escola medíocre, médicos que nem olham para o paciente e uma polícia sucateada.
    O Brasil está em um ótimo momento (comparando-se a outros países), graças a carga tributária, a arrecadação é comparada há muitos países de primerio mundo. Então, por que não olhar para a Educação, Saúde e Segurança com mais carinho?

Avelino

09 de agosto de 2012 às 07h42

Caro Azenha
Que as categorias do funcionalismo público, tenham suas defasagens salariais, é de dominio do governo, já que muitas categorias, via sindicatos, apoiaram e apoiam a Dilma, interessa para a direita e seus apoiadores “indiretos”, PSTU e PSOL, explorar esse filão e farão, para a alegria da direita. Em hipótese alguma, deveria haver greves no setor público com governos do PT, falta a Dilma, arregaçar as mangas e criar uma organização para debater, categoria a categoria, como recuperar os salários e melhorar os serviços, e realmente torná-los públicos.
Não é a PF que ganha bem, são as demais categorias, que ganham mal, não se pode permitir a queda daqueles e há que se melhoras os salários destes.
Saudações

Responder

Giancarlo Câmara

08 de agosto de 2012 às 22h57

Não vou me alongar muito nos argumentos tão bem defendidos pela Maisa, mas a situação em muito assemelha-se com a situação vivida na Polícia Civil de Pernambuco, a qual orgulhosamente faço parte, com os mesmos interesses conflitantes entre os seus cargos, os quais são oportunisticamente utilizados pelos governos para controlar a grande quantidade de insatisfeitos, tanto na Polícia Federal quanto na Polícia Civil pernambucana.

Responder

Odilon

08 de agosto de 2012 às 18h30

Portos, aeroportos e faixa de fronteira são áreas de Segurança Nacional e exigem uma presença mais qualificada do Estado brasileiro. A precariedade da estrutura da Polícia Federal contrasta com essa necessidade.

Os 16.886 km de linha de fronteira, com 150 km de largura, correspondem a 2.532.900 km² ou a 30% do território nacional. Essa fronteira faz limite com 10 países, atinge 11 Estados, tem 122 municípios e 28 cidades gêmeas. Todavia, o contingente de policiais federais das delegacias dessa faixa não passa de 11% de todo o efetivo. Se a faixa de fronteira corresponde a 30% do território nacional, pelo óbvio, a presença de policiais deveria equivaler, no mínimo, a esse percentual.

Essa raquítica presença, a meu ver, por falta de criação de incentivos (adicional de 30%, delegacias bem equipadas etc), cede lugar a uma maior mobilidade do crime transnacional, notadamente o tráfico de drogas e de armas e o contrabando, ocorrências altamente danosas.

Mas não é só a faixa de fronteira onde a segurança vem sendo aniquilada. Os portos e aeroportos padecem da mesma falta de atenção. Há, ainda, o mar territorial, com enorme extensão e uma largura de 22 km, sobre o qual o Brasil deve exercer plena soberania. A zona contígua, formada por mais 12 milhas marítimas, também deve permanecer sob constante fiscalização para que infrações penais e fiscais sejam prevenidas e reprimidas.

Os agentes federais nada reivindicam para eles próprios, mas, sim, para o País. Quase nem reclamaram dos baixos salários decorrentes da falta de reajuste há vários anos. Mostram, incisivamente, a precariedade da atual estrutura e alertam para as conseqüências. Pedem melhores condições de trabalho. Nisto, é óbvio, deve ser incluída a melhoria salarial.

Sou juiz federal criminal em fronteira há 25 anos e bem conheço o empenho dos policiais federais, a complexidade e a relevância social e política desse trabalho. Essa realidade compõe um cenário cuja importância não é ressaltada ou potencializada perante a opinião pública e muito menos devidamente considerada pelo Governo sob o ponto de vista operacional. Falta presença do Estado. A faixa de fronteira deve ser palco de um constante teatro de operações.

O policiamento de fronteira, se feito com eficiência, constitui escudo para a segurança pública no restante do país. Se houvesse corte desses suprimentos na faixa de fronteira, o Rio de Janeiro não teria drogas nem armas. Os demais Estados também. A pouca densidade de agentes federais nesses 30% do território nacional compromete profundamente a execução do Plano Estratégico de Fronteiras, elogiável criação do Governo Dilma através do Decreto n. 7.496/2011. Mediante atuação integrada, esse mecanismo objetiva prevenir e reprimir delitos na faixa de fronteira, principalmente os transnacionais, estes afetos exatamente às atribuições da Polícia Federal.

Apoio, pois, integralmente, o movimento dos policiais federais.

Responder

    Maisa

    08 de agosto de 2012 às 19h23

    Dr. Odilon, sinto-me honrada com a suas palavras de apoio as nossas justas demandas. O senhor, mais do ninguém, conhece a dura realidade dos bravos policias, juízes, procuradores, auditores, enfim, de todos aqueles que vestem a camisa de suas instituições e do ESTADO brasileiro para defende-lo. O governo federal se omite e nos fornece indícios cada vez mais ostensivos de que nao quer um estado forte, e no caso da PF, nao quer ninguém no seu calcanhar(de Aquiles) e trabalha, com muita competência, diga-se, para desmantela-lá. O judiciário brasileiro, mormente o federal, também vive momentos de agruras pelo desprestigio dos seus valorosos servidores. Gostaria que a Dilma tivesse agora, a mesma humildade que teve ao pedir apoios, explícitos, a sua candidatura e vendeu uma imagem equivocada do seu respeito para com aqueles que fazem o governo acontecer. Mais uma vez, Dr Odilon, expresso os meus sinceros respeitos a Vossa Excelência, um bravo BRASILEIRO!!!!!!!

    Rodrigues

    08 de agosto de 2012 às 22h34

    é o senhor mesmo juiz? que honra, um grande servidor da justiça deste país tão carente dela.

Antonio

08 de agosto de 2012 às 18h26

O que o povo não tem conhecimento é que diferentemente do que a mídia vem ao longo do tempo noticiando é que os responsáveis pela investigações são os delegados, quando internamente há um trabalho abnegado dos cargos Operacionais da Polícia Federal para que as Operações de grande importancia aconteçam, contudo quando é para divulgar há sempre um delegado, que na maioria das vezes nem sabe a fundo a investigação para se pronunciar como se fosse, de fato, o responsável.
O que a sociedade precisa perceber é que o que os Agentes, Escrivães e Papiloscopistas estão exigindo não é nada senão o que a lei prevê que são salários de nível superior para aqueles que prestaram concurso para esse nível, pois desde o ano de 1997 todos os cargos da Polícia Federal o exigem.
Saibam os senhores que nas áreas Operacionais e de Inteligência da PF os responsáveis por planejar e coordenar as ações são os cargos operacionais acima descritos.
Cabe, na sua grande maioria, aos delegados produzir o procedimento administrativo de nome “Inquérito Policial” que de fato é uma peça de cunho administrativo, o que quer dizer “de fato” que não vincula “obriga” o Ministério Público (responsável por propor a ação penal)a utilizá-lo (tá no CPP) e ainda por fim quando é acatado pelo MP, serve apenas para facilitar a defesa do denunciado pois na grande maioria dos casos o delegado faz questões baseadas nas provas que colheu durante a investigação e por ser um procedimento que será repetido no âmbito judicial proporciona à defesa melhores condições para inocentar o réu, uma das explicações do “porquê” de o sistema persecutório brasileiro não proporcionar a condenação do réu, e de estar causando tanta (in)segurança pública.
Para se ter uma idéia no PLANETA TERRA, apenas o Brasil e um país africano (sem preconceito pelo amor de DEUS) adotam esse sistema, portanto se o sistema é falho devemos mudar em prol da sociedade, pois, essa sim deve ter um resultado efetivo dos impostos que pagam.
Outro mito que constantemente vemos ser exposto pelos delegados na mídia é que o movimento perpetrado pelos operacionais da PF estaria confrontando a “hierarquia”, mas diferentemente do que querem, de fato não existe no âmbito da PF “hierarquia” entre os cargos é só dars uma olhada no Art. 144, parágrafo 1º, da CF e ver o que a carta Política de 1988 rege sobre a organização da Polícia Federal – A Policia Federal, instituída por lei como órgão permanente, organizado e mantido pela União e estruturado em CARREIRA (e não CARREIRAS) destina-se…
Portanto não há hierarquia entre os cargos dentro da instituição Polícia Federal, por mais que alguns que se acham dono da PF queiram.
Defendo sim que os professores devam ter sim um sálario condizente com o que fizeram para merecê-lo e estamos aí para apoiá-los, pois somos pais e mães e não queremos delegar para nossos filhos um país como o que recebemos e tem plena consciencia que isso só será possível por meio da educação, mas ao que parece não é isso que a casta de governantes tem como projeto para o BRASIL, pois sabe que povo instruído é impossível manipular.
Isto posto, contudo peço que entendam que não queremos nada além do que a lei nos garante.
Que DEUS ABENÇOE OS “MESTRES” EM SEU MOVIMENTOS

Responder

Antonio

08 de agosto de 2012 às 18h09

O que o povo não tem conhecimento é que diferentemente do que a mídia televisiva vem ao longo do tempo noticiando é que quem são os responsáveis pela investigações são os delegados, quando internamente há um trabalho abnegado dos cargos Operacionais da Polícia Federal para que as Operações de grande importancia aconteçam, contudo quando é para divulgar há sempre um delegado, que na maioria das vezes nem sabe a fundo a investigação para se pronunciar como se fosse, de fato, o responsável.
O que a sociedade precisa perceber é que o que os Agentes, Escrivães e Papiloscopistas estão exigindo não é nada senão o que a lei prevê que são salários de nível superior para aqueles que prestaram concurso para esse nível, pois desde o ano de 1997 todos os cargos da Polícia Federal o exigem.
Saibam os senhores que nas áreas Operacionais e de Inteligência da PF os responsáveis por planejar e coordenar as ações são os cargos operacionais acima descritos.
Cabe, na sua grande maioria, aos delegados produzir o procedimento administrativo de nome “Inquérito Policial” que de fato é uma peça de cunho administrativo, o que quer dizer “de fato” que não vincula “obriga” o Ministério Público (responsável por propor a ação penal) e ainda por fim quando é acatado pelo MP, serve apenas para facilitar a defesa do denunciado pois na grande maioria dos casos o delegados faz questões baseadas nas provas que colheu durante a investigação e por ser um procedimento que será repetido no âmbito judicial proporciona à defesa melhores condições para inocentar o réu, uma das explicações do “porquê” de o sistema persecutório brasileiro, na sua grande maioria não proporcionar a condenação do réu, e de estar causando tanta (in)segurança pública.
Para se ter uma idéia no PLANETA TERRA, apenas o Brasil e um país africano (sem preconceito pelo amor de DEUS) adotam esse sistema, portanto se o sistema é falho devemos mudar em prol da sociedade, pois essa sim deve ter um resultado efetivo dos impostos que pagam.
Outro mito que constantemente vemos ser expostos pelos delegados na mídia é q

Responder

Paulfree

08 de agosto de 2012 às 18h08

Vejam os salários dos agentes do FBI (USA), e estão reclamando do que?
http://www.criminaljusticeschoolinfo.com/fbi-agent-salary.html

Responder

    Lucio

    08 de agosto de 2012 às 18h25

    Já o salário dos delegados da PF. Esse sim é aviltante pros caras que não fazem nada.

    Rodrigues

    08 de agosto de 2012 às 18h29

    lá eles tem carreira, “sobe” não pagam tanto imposto na folha como nós, tem saúde, educação bônus, prêmios etc…..os ganhos são bem maiores, sem contar que a população os apoiam e respeitam, até os tupiniquins, como índio gosta de espelhinho de gringo.

    Matheus

    11 de agosto de 2012 às 00h58

    Caro PaulFree… nós vivemos no Brasil temos que fazer comparações com o Brasil, e não com o FBI. Pesquise e veja quanto ganha um servidor da ABIN, do Banco Central… e compare com os salários do policiais federais.
    Mais uma coisa: garanto que um agente do FBI, com seu salário em seu país, vive muito melhor que um PF nessa “m…” de Brasil!!!

Luciana Arruda

08 de agosto de 2012 às 17h45

Professor tem que ter ensino superior e o piso é de R$ 1.400,00 por 40 horas. Eles tem salario inicial de 7.500,00 e ainda acham pouco. Fácil, porque não vão dar aulas????

Responder

    Lucio

    08 de agosto de 2012 às 18h08

    Os professores merecem sim ganhar mais do que ganham. Aliás, merecem ganhar mais até do que um delegado da PF. No entanto, o fato de ganhar pouco, não quer dizer que os agentes e escrivães não devam lutar pelo que merecem. Realmente o que eles ganham é muito pouco. É preciso que eles existam para que o governo deixe de roubar as verbas que vão para educação por exemplo, área específica dos professores.

    Rodrigues

    08 de agosto de 2012 às 18h21

    Não é nada inteligente nivelar por baixo, daí já se questiona a qualidade do profissional, mas bem, acontece que carreiras típicas de Estado em qualquer lugar do mundo tem tratamento diferente e aqui é constitucional. queremos muito que os professores ganhem muito bem, mesmo torcendo contra nossas propostas.

    Rodrigues

    08 de agosto de 2012 às 18h37

    Por que não prestam concurso?

    CCOUTO

    09 de agosto de 2012 às 18h03

    Prezada Luciana,
    Conforme eu disso acima, é um absurdo um professor universitário ganhar tal salário, mas não devemos nos equivocar e nivelar para baixo, e sim pensar que o professor universitário deve ganhar mais, muito mais.
    Ah, a título comparativo, há empregadas domésticas (muitas vezes analfabetas) que estão ganhando hoje mais que professor da rede pública de ensino fundamental e médio. O que vamos fazer? Uma política para elas ganharem menos? Não, uma polícita para os educadores ganharem salários dignos com qualidade.

    EPF Foz

    13 de agosto de 2012 às 00h00

    Luciana,

    Sem dúvida, os professores deveriam ganhar muitíssimo mais, porém não podemos comparar as profissões! CADA UM NO SEU QUADRADO!!! O POLICIAL ARRISCA SUA VIDA, VIVE NA TENSÃO DIÁRIA!!! ESTAMOS NOS COMPARANDO COM OS PRÓPRIOS POLICIAIS…DISTORÇÕES INTERNAS DE ATRIBUIÇÃO E REMUNERAÇÃO!!! SEM MAIS!

    EPF Foz

    13 de agosto de 2012 às 00h05

    ALÉM DISSO, ANTES MESMO DE TOMAR POSSE, O POLICIAL FEDERAL FICA NUMA ACADEMIA INTERNADO (SEM SAIR) DURANTE 5 MESES FAZENDO PROVAS DIÁRIAS DE TUDO QUANTO É TIPO: TEÓRICA, FÍSICA,…E DEPOIS DE TOMAR POSSE VAI DIRETO PARA AS REGIÒES DE FRONTEIRA POR PELO MENOS 5 A 7 ANOS…LONGE DA FAMÍLIA, DA CIDADE NATAL, ETC…..TÁ BOM OU QUER MAIS????????????????????

Paulfree

08 de agosto de 2012 às 17h42

Vamos fazer uma vaquinha e completar o salário deles, coitadinhos.Mostre o contracheque de 2007 e o de 2012.

Responder

Viviane

08 de agosto de 2012 às 17h38

Meu neto é agente da PF na fronteira.Deixou São Paulo em busca desse sonho. Depois de 5 anos permanece num local inóspito e não vê o reconhecimento do Governo ao seu trabalho. A sociedade as vezes equivocadamente acha que ele ganha muito. Mas eles ganham muito pouco em comparação a outras carreiras do Executivo, apesar de serem muito importantes para o desenvolvimento desse país. O governo prefere comprar o povão com assistencialismo.

Responder

Pagot

08 de agosto de 2012 às 17h32

VIVA OS AGENTES DE POLÍCIA FEDERAL. eLES, OS ECRIVÃES E PAPILOSCOPISTAS SÃO OS VERDADEIROS RESPONSÁVEIS PELAS INVESTIGAÇÕES. ESSES PROFISSIONAIS SÃO O NOSSO FBI. ELES PRENDEM OS POL[ITICOS CORRUPTOS, OS TRAFICANTES DE DROGAS OS PEDÓFILOS E OS CONTRABANDISTAS. ORGULHO NACIONAL.

Responder

Gilmar

08 de agosto de 2012 às 17h28

A Polícia Federal é, indubitavelmente, a última reserva moral desse país. O governo precisa valorizar esses agentes porque são eles que fazem essa polícia. Os delegados apenas dão entrevistas e fazem pose. E tenho dito.

Responder

dukrai

08 de agosto de 2012 às 17h26

A distorção dos salários de delegados e “o resto” dentro da PF é do conhecimento até do mundo gastro-intestinal. A dúvida é se os operacionais com ensino médio nessa nova tabela ganharia o mesmo que os que prestaram concurso pra operacionais de nível superior.

Responder

    Rodrigues

    08 de agosto de 2012 às 18h41

    Amigo, não existem policias federais de nível médio no Brasil, a lei é de 1996. Todos os chamados operacionais são de nível superior, a maioria tem mais graduações e pós que os supostos chefes, que geralmente é um menino que estudou a faculdade de direito e ficou as custas do pai estudando pra passar no concurso. Agora, um agente com mestrado seja em que área for, engenharia, química etc…( tem uns que também fizeram direito ) não são valorizados e pior sub utilizados porque os supostos chefes tem medo da concorrência. E viva o governo trabalhista da meritocracia, piada.

João Vargas

08 de agosto de 2012 às 17h23

Endosso as palavras da servidora da PF. O Judiciario e o MPU não tem qualquer reajuste desde dezembro de 2008, quando foi implantada a última parcela do reajuste concedido em 2006. Agora fomos forçados a entrar em greve pela política implantada pela Dilma de reajuste zero. Se apenas se cumprisse a Constituição e anualmente fosse reposta pelo penos a inflação do período (como ocorre no setor privado, em que várias categorias possuem a data-base), a grande maioria do funcionalismo não necessitaria paralisar. Dilma, cumpra a Constituição!

Responder

O_Brasileiro

08 de agosto de 2012 às 17h20

“Coitadinho” do governo, se der aumento para seus funcionários não vai mais poder diminuir impostos dos “pobres” empresários, que já não aguentam mais andar nos seus fusquinhas e pagar o aluguel de suas moradias.
O que mais me deixa “feliz” é que praticamente não há sonegação fiscal neste país.
E as empresas que mais “sofrem” neste país são as multinacionais, “coitadas”, obrigadas a continuar explorando, digo, “servindo” o povo brasileiro tão bem, como é o caso das empresas de telefonia e das montadoras, com seus carros “baratos” e “super equipados”.

Responder

Vandré Silos

08 de agosto de 2012 às 17h18

Essencial ressaltar ainda que a sociedade reconhece e valoriza o trabalho realizado por Agentes, Papiloscopistas e Escrivães de Polícia Federal. Falta o governo enxergar esse reconhecimeto. O Brasil deveria ouvir o alerta dessa categoria. A instituição que eles representam não pode ser tratada como detalhe dentro da Administração. Uma polícia sem estrutura se transforma em sucata, baixa a autoestima e desmotiva os policiais federais, o que muito interessa principalmente ao colarinho branco e ao narcotráfico.

Responder

Servidor Publico

08 de agosto de 2012 às 16h49

Tb sou servidor publico e entendo perfeitamente. O governo Lula/Dilma vem a todo custo querendo barrar alguns servicos de extrema importancia.Porem, como vemos na TV, a pf se tornou uma pedra no caminho de muita gente boa!!!

Responder

jaime

08 de agosto de 2012 às 16h41

Muito oportuna a informação sobre o reenquadramento dos operacionais da PF, aliás, quem conhece o serviço público sabe que é corriqueiro o pessoal de nível médio executar serviços de nível superior. No Judiciário, por exemplo, é a regra. Técnicos que fazem o concurso presumivelmente para serviços “mecânicos e repetitivos”, segundo o edital, logo estão fazendo minutas de despachos e desempenhando outras atividades próprias de Analistas, mas seu salário permanece o mesmo. Isso se chama desvio de função, mas alguém se importa? São todos “marajás”.

Responder

    Arthemísia

    09 de agosto de 2012 às 08h30

    Jaime,

    Os técnicos de nível médio do judiciário estão em desvio de função porque querem, porque de fato nunca se submeteram a realizar as atividades para as quais prestaram concurso. Não acho que governo nenhum tenha que se sujeitar a esses caprichos de pessoas que querem driblar o concurso de nível superior, mas querem receber salário de nível superior.
    Na verdade, no judiciário federal há uma ditadura dos servidores de nível médio, inclusive na hora de elaborar os planos de carreira.

    Não conheço a realidade da PF, mas já estou começando a achar que é muito semelhante à do judiciário federal. Repito: não há nenhuma vítima nessa história e o governo nem sempre é culpado por certas mazelas do serviço público.

    E vou ilustrar com uma história real. Quando entrei no judiciário federal ainda havia concurso para cargo de auxiliar, que só exigia nível escolar fundamental. Vários servidores entraram no mesmo órgão que eu neste cargo. Imediatamente após a posse, eles se juntaram e se recusaram a fazer o trabalho para o qual prestaram concurso: limpeza, conservação e copa. Isto porque a maioria tinha nível médio e alguns até nível superior. Depois de muita confusão em todos os tribunais federais, aconteceu o absurdo de essa categoria de servidores ter sido promovida ao cargo de nível médio sem concurso, mesmo depois da Constituição de 88. Hoje em dia, se duvidar, pode ser que alguns deles recebam atá um salário maior que o meu, de cargo de nível superior, por causa de incorporações e outras coisas mais.
    Ou seja, toda história tem vários versões; mas o serviço público no Brasil parece que só tem uma: todo mundo querendo se dar bem e a sociedade é apenas um detalhe.

Ulisses

08 de agosto de 2012 às 16h33

A Policia Federal sempre foi beneficiada por todos o governos. Apenas isto explica que hoje um agente da policia federal sem curso superior ganhe o mesmo que um professor universitário com título de doutorado, isto é, 5 anos de graduação, 2 de mestrado e 3 de doutorado. Tiveram aumentos no governo FHC para calar a boca e o Lula também apoiou, embora mais na liberação de concursos para novos agentes

Responder

    Renato

    08 de agosto de 2012 às 17h12

    Amigo, TODOS os servidores desta greve possem nível superior. E, se estiver contrariado, que tal arriscar sua vida e vir trabalhar na PF também. Tem servidor aqui com mestrado sim, e até com doutorado, com a diferença é que a vida está em risco.

    Ulisses

    08 de agosto de 2012 às 18h14

    Mestrado e doutorado para que? Eles ensinam para alguém este conhecimento? Fazem pesquisas científicas? Então companheiro, esta pós graduação stricto sensu foi jogada no lixo. Foi como dar pérolas aos porcos! Policial não é pesquisador. Fico indignado de alguém ter dado licença para um policial se afastar por 5 anos para não ser aproveitado. E uma universidade ter gastato tempo dos professores e dinheiro para nada! Se ele quer usar seu diploma, entre numa universidade e aplique seus conhecimentos aprendidos!

    Bob

    09 de agosto de 2012 às 03h31

    A PF possui um estabelecimento de ensino chamado Academia Nacional de Polícia. São os próprios servidores da PF que são os instrutores, e periodicamente os policiais da ativa recebem treinamento e produzem conhecimento na área policial, muitos dos quais são publicados em revistas e apresentados em congressos. Antes do “sucateamento” da ANP, em que uma das consequências foi passar a maioria dos cursos para a modalidade a distancia, o Curso Especial de Polícia era reconhecido pelo MEC como pós-graduação latu sensu.

    Rodrigues

    08 de agosto de 2012 às 18h43

    meu amigo, quem disse que o concurso não é de nível superior?
    desde 1996 só entra quem tem nível superior e o pessoal da antiga 99% se graduou.

    Mariac

    09 de agosto de 2012 às 12h44

    Estão reivindicando treinamento também? Ou apenas salário?

mucio

08 de agosto de 2012 às 16h18

… viola o princípio da hierarquia, se esses caras pensam assim para impedir aumento de salários dos outros, em outra reencarnação devem ter sido dignos representantes do clero e nobreza na França pré-revolução contra o terceiro o estado, o povão.
Lá como cá espero que acabem na guilhotina.

Responder

Willian

08 de agosto de 2012 às 16h13

A missivista dá a entender que a exigência do curso superior foi uma decisão do governo, quando na verdade foi uma luta da categoria para que seus salários pudessem ser do mesmo patamar daqueles que já eram deste nível, como agora exigem. O mesmo aconteceu na Receita Federal. Analistas tributários lutaram para que seu concurso exigisse nível superior, para poderem exigir salários mais altos, proximos aos auditores. As distorções nos salários de mesmo nível foi produzida propositalmente pelas categorias, que transforam em cargos de nível superior funções que não deveriam exigir tal formação.

Responder

    Rodrigues

    08 de agosto de 2012 às 18h45

    Pensei que fosse o chefe do executivo que promulgasse as leis votadas no legislativo.

    Luiz

    08 de agosto de 2012 às 19h24

    Rodrigues, não se aborreça com o Willian.
    Ele é Fiscal da Receita e deve estar com os nervos à flor da pele.
    A greve deles é um fiasco.
    Estão prestes a perder a Aduana e a fiscalização do Simples Nacional.
    A LOF está empacada e o sonho de virar autoridade está cada vez mais distante.
    É uma situação muito triste. Por favor, dê um desconto.

    Willian

    09 de agosto de 2012 às 09h24

    Ao Rodrigues: aprenda a ler ou a interpretar texto.

    Ao Luiz: quer ganhar como Auditor da Receita Federal, estude, tem concurso este ano. Trem da alegria não.

    Rodrigues

    09 de agosto de 2012 às 17h09

    Deveria cuidar da suagreve , se é que é ARF mesmo?

    Luiz

    09 de agosto de 2012 às 19h25

    Concordo. Quer ser autoridade, preste concurso para Juiz.
    Quer ganhar como Auditor Estadual, aos livros.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!