VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

César Augusto Brod: “O PT patrão não aprendeu com sua própria história”


08/08/2012 - 11h33

Servidores em greve fazem manifestação em Brasília. (foto Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O PT como patrão

por César Augusto Brod*, no site do SEDUFSM

Orientação sobre a folha de ponto dos servidores em greve

Informo que, seguindo orientação superior do MP [Ministério do Planejamento], os grevistas deverão ter os pontos cortados, desta forma não deverá constar nenhuma observação na folha de ponta dos servidores que estão de greve e não registraram o ponto. Já aqueles servidores que estão de greve e mesmo assim registraram o ponto deverão ter seus pontos cortados (anulados) já que não trabalharam.

Quanto aos servidores que estão trabalhando normalmente e que não puderam trabalhar no dia 5 de julho por causa da greve dos ônibus podem ter seu dia abonado, código 05.

Sou coordenador geral de inovações tecnológicas do departamento de sistemas de informação da secretaria de logística e sistemas de informação do ministério do planejamento, orçamento e gestão do governo do Brasil. Estou neste cargo desde setembro de 2011. Hoje comunico, publicamente, meu pedido de exoneração.

Todos sabem qual é meu salário graças à Lei de Acesso à Informação. Preciso deste salário e, de fato, tenho orgulho em merecê-lo. Mas a partir do momento em que tenho que ferir meus princípios para manter minha remuneração, meus princípios sempre ganharão o jogo, independente do que virá depois.

Trabalho, há bastante tempo, com o conhecimento livre e modelos de negócios baseados nisso. Em Porto Alegre, no final dos anos 1990, tive o prazer de ver um projeto de governo crescer levando em conta a crença em que a liberdade ampla para todas as formas de conhecimento era um fator gerador de inovação tecnológica e de criação de emprego e renda. Apoiei esse projeto mas nunca integrei nenhum quadro do governo até setembro de 2011, quando assumi o cargo acima mencionado, e passei a ser o responsável pelo Portal do Software Público Brasileiro, pela Infraestrutura Nacional de Dados Abertos, além de outras atividades.

Não foi fácil, vindo da iniciativa privada e há mais de doze anos como empresário, aprender a hierarquia e a burocracia que são parte de um emprego público. Aliás, esse é um aprendizado constante. Mas segui trabalhando com minha paixão: liberdade de conhecimento como geração de inovação e riqueza.

No decorrer de meu trabalho deparei-me com a greve do funcionalismo federal, à qual aderiram muitos dos que estavam sob minha coordenação. Enfrentar uma greve como executivo público foi algo totalmente inédito para mim. Acompanhei greves desde o tempo de meu avô, no surgimento do PT. Toda a articulação para as greves, para a criação de uma força que mudasse o estado, conscientizou uma população que colocou o PT no poder. Mas o PT patrão parece não ter aprendido com sua própria história. O PT patrão apenas aprimora as táticas de pressão psicológica e negociação questionável daqueles com os quais negociou na época em que a greve era sua.

O PT patrão virou governo, melhorou o país e acha que não depende mais da máquina que sustenta o estado. O PT patrão, que fez muito pela nação, tem a certeza de que vai muito bem sozinho. E está indo mesmo!

Eu espero que nosso país siga melhorando, mas estou nele para mudá-lo e não para cumprir ordens com as quais não concordo. Como coordenador, jamais cortarei o ponto daqueles que trabalham comigo e estão em greve. Independente da greve, eles cumpriram seus compromissos civis sempre que necessário. E, na greve, cultivaram ainda mais sua união na crença da construção de um Brasil melhor.

*César Augusto Brod, responsável pela Coordenação Geral de Inovação Tecnológica da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Leia também:

Os olhos dizem muita coisa. Disseram?

Ricardo Antunes: Para onde vão nossas universidades

Maria Izabel Noronha: Atualização do professor deve ser no local de trabalho

“Professora, já imaginou, eu deixar de ser servente de pedreiro e virar engenheiro?!”

Marinalva Oliveira: Crise internacional não justifica precariedade nas universidades federais

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



73 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Marcos Coimbra diz que pesquisa Datafolha “parecia de encomenda” « Viomundo – O que você não vê na mídia

15 de agosto de 2012 às 16h52

[…] César Augusto Brod: “O PT patrão não aprendeu com sua própria história” […]

Responder

Eduardo Guimarães: FHC inveja Lula « Viomundo – O que você não vê na mídia

15 de agosto de 2012 às 16h00

[…] César Augusto Brod: “O PT patrão não aprendeu com sua própria história” […]

Responder

Mensalão: O último dia da defesa e o primeiro voto « Viomundo – O que você não vê na mídia

15 de agosto de 2012 às 14h42

[…] César Augusto Brod: “O PT patrão não aprendeu com sua própria história” […]

Responder

Em nota, centrais sindicais repudiam “toda forma de autoritarismo” no trato com a greve dos servidores « Viomundo – O que você não vê na mídia

12 de agosto de 2012 às 20h56

[…] César Augusto Brod: “O PT patrão não aprendeu com sua própria história” […]

Responder

Milton Corrêa da Costa

11 de agosto de 2012 às 13h50

Sociedade refém das greves que o PT sempre apoiou

Milton Corrêa da Costa

O partido político que cresceu e criou fama, décadas atrás, pelo uso estratégico das reivindicações da massa trabalhadora, na luta por aumentos salariais e melhores de condições de trabalho, através dos sindicatos, principalmente no ABC paulista, e que adorava ver o circo pegar fogo, como partido de oposição, prova agora, contra si próprio, da mesma ferramenta de pressão: o direito de greve, que coloca neste momento o direito maior da coletividade refém das reivindicações das diferentes classes de servidores federais, agora ao que parece unidas num só protesto.

Algumas categorias de servidores já estão paralisadas há mais de 80 dias, como no caso dos professores universitários e o governo do PT alega que não há mais o que oferecer aos professores. Já chegam a consideráveis bilhões de reais o somatório dos reajustes exigidos pelas diferentes categorias de servidores e o momento, ante a grave crise econômica mundial, é de fechar o cofre e de conter as contas públicas, onde alguns países europeus, paradoxalmente ao caso brasileiro, demitem servidores e reduzem drasticamente até aposentadorias, como metas econômicas que terão que ser cumpridas para equilibrar as contas públicas de economias seriamente combalidas.

No Brasil, o peso da máquina administrativa federal, com salários de servidores, ativos e inativos, cresceu assustadoramente nos últimos dez anos. De R$ 75 bilhões em 2003 para R$ 200 bilhões em 2012. Algumas categorias de servidores em estado de greve (utilizam-se agora como meio de pressão ao governo a chamada operação-padrão) que reivindicam hoje aumento de salários, têm em verdade salários privilegiados em relação a grande maioria das classes trabalhadoras brasileiras. Algumas categorias de servidores federais têm no início da carreira vencimentos superiores a R$ 7 mil, enquanto alguns aposentados do INSS, após 35 anos de contribuição previdenciária, recebem o máximo de 10 salários-referência, nada superior ao montante de R$ 4 mil reais. Registre-se que servidores, além de salários absurdos e desproporcionais pelo nível básico que ostentam (motoristas e ascensoristas inclusos) ainda se aposentam, como nos estados e municípios, pela antiguidade ou pelo merecimento, com salários do topo da carreira. Alguns, com aposentadorias astronômicas e acima do teto-salarial permitido, Uma injustiça social e salarial com o trabalhador privado, onde se sabe que o insituto da previdência complementar é um mecanismo de atualização de futuras aposentadorias ainda muito recente no país, que nem todos podem pagar. Detalhe: servidor público (estatutário) tem estabilidade assegurada. Trabalhador do setor privado, não.

A realidade é que atual onda de greves no país vem perigosa e constantemente colocando a população brasileira como refém. Vejam o caos ocorrido recentemente nas estradas com a paralisação dos caminhoneiros onde inúmeros prejuízos foram gerados, além da manifestação dos motoboys no Rio e em São Paulo. Porém, “quem com ferro fere com ferro será ferido”, diz o ditado popular. O governo do Partido dos Trabalhadores está agora numa encruzilhada sem saída. Inúmeras classes de servidores vão aos poucos paralisando o país num só movimento e não há como atender, de uma só vez, todas as reivindicações de aumento salarial, plano de carreira e melhores condições de trabalho.

Alunos sem aula, calendários acadêmicos paralisados, formaturas adiadas (não se sabe até quando), passeatas com trânsito parado, direito de ir e vir comprometido, operações pente-fino em aeroportos e rodovias, problermas com desabastecimento de alguns produtos e mercadorias, queda em arrecadação de impostos, atos de vandalismo e sabotagem como fechamento de vias de circulação com pneus queimados, ameaça à ordem pública, emissão de passaportes suspensa para viagens de lazer, perda de conexões aeroviárias, compromissos sociais e profissionais perdidos, emergências médicas sob risco, remédios em falta e doação de sangue afetada . Detalhe: os 26 dias de greve dos servidores da Anvisa já afetam os laboratórios e causa retenção de 30% dos remédios que chegam, por exemplo, no Estado do Rio de Janeiro. Ou seja, todo um cenário caótico onde o PT foi o grande mestre enquanto partido de oposição. Agora deixou de ser atiradeira e passou a ser o próprio alvo. O feitiço virou contra o feiticeiro e a relevância maior do direito da coletividade, em seu ir e vir, está em segundo plano.

A pergunta é: Até quando a grande maioria da sociedade brasileira ficará refém de movimentos grevistas, sejam eles justos ou não? Visível chantagem no desempenho ou na paralisação de atividades essenciais, sob o manto do direito de greve, são ato de insensatez plena. O direito constitucional de reivindicar não pode se contrapor à ordem pública e à ordem institucional. Com a palavra o governo do Partido dos Trabalhadores, onde um dirigente questiona agora o Ministério Público Federal, que tem o dever de ser o fiscal da lei e ensina crianças e adolescentes, através cartilhas na Internet, numa ação educativa preventiva, a não cometer os crimes de peculato, formação de quadrilha, desvio e lavagem de dinheiro, corrupção passiva e ativa, etc, etc. É desde pequeno que se deve moldar personalidades, ensinando aos baixinhos princípios de ética e de moralidade. Parabéns ao Ministèrio Público! Agindo não precisará denunciar ‘mensaleiros’ no futuro.

Milton Corrêa da Costa é cidadão brasileiro sujeito a refém dos movimentos grevistas

·

Responder

Folha pede ao governo que resista aos servidores « Viomundo – O que você não vê na mídia

10 de agosto de 2012 às 12h11

[…] “O PT patrão não aprendeu com sua história” […]

Responder

L.F.

09 de agosto de 2012 às 13h11

A história se repete, Dilma 1995 e FHC 2012:

É preciso conquistar novamente o direito de greve

Enviado por Danilo Christiano Antunes Meira, em 30 de junho de 2010

(…)Nos primeiros anos, houve intensa batalha jurídica sobre a constitucionalidade da lei de greve. Categorias com maior capacidade de pressão ignoravam essa regras. O cenário se altera com a mudança da correlação de forças na década de 1990. Inicia-se o período da chamada “ofensiva neoliberal” e a luta da classe trabalhadora enfrenta um quadro cada vez mais adverso. A grande batalha se dá com a greve dos petroleiros de 1995. A greve, que durou 32 dias, colocou em pauta reivindicações econômicas da categoria e a defesa do monopólio estatal sobre o petróleo, que acabaria por ser quebrado pelo Congresso Nacional, pouco após o fim do movimento. Para reprimir a greve e criar um exemplo para o conjunto do movimento sindical, o governo de Fernando Henrique Cardoso demitiu lideranças sindicais, a imprensa acusou os petroleiros pela falta do gás de cozinha, enquanto, na verdade, os distribuidores especularam com o produto para garantir um aumento do seu preço e o Tribunal Superior do Trabalho decretou a “abusividade” da greve, estabelecendo uma multa diária de R$ 100 mil enquanto durasse a paralisação, penhorando bens e retendo a receita das contribuições dos sindicalizados. Os trabalhadores conseguiram manter heroicamente a greve até o momento em que a intervenção de tropas militares obrigou a retomada da produção.(…)

http://www.jurisciencia.com/artigos/e-preciso-conquistar-novamente-o-dir

STJ determina que 70% dos servidores de áreas essenciais da Anvisa trabalhem

Agência Brasil – 08/08/2012 – 21h44

BRASÍLIA – O Superior Tribunal de Justiça (STJ) deferiu nesta quarta-feira (8) liminar da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinando que 70% dos servidores lotados em áreas essenciais mantenham as atividades deles.

A greve, iniciada no último dia 16, tem prejudicado a importação e armazenagem de diversos produtos sujeitos à fiscalização da vigilância sanitária em portos e aeroportos do país.

Caso a decisão não seja cumprida, após a publicação, o Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (Sinagencias) terá de pagar multa de R$ 100 mil por dia. De acordo com o STJ, a expectativa é de que a íntegra da decisão, que teve como relator o ministro Herman Benjamin, seja publicada no próximo dia 10.

http://www.dci.com.br/servicos/stj-determina-que-70-dos-servidores-de-ar

Por enquanto a Dilma está pegando “mais leve”, abusou com o Decreto 7.777, mas pelo menos ainda não colocou os militares a ocupar as aduanas, o que fez FHC em 1995 com as refinarias.

Como já explicava o professor na primeira aula de Ciência Política, do “Poder” faz parte a dominação e a alienação, naquela sem enquadram os cientes das coisas e, nesta, o contrário. Aliás, é tão difícil ver que certas coisas se repetem?

Responder

    L.F.

    09 de agosto de 2012 às 13h55

    Aliás, vontade para chamar o Exército parece que não falta mais:

    Chama o Exército! – Eliane Cantanhêde – 09/08/2012 – 03h30

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/elianecantanhede/1134141-chama-o-exercito.shtml

    Cesar

    09 de agosto de 2012 às 17h22

    Pois é! Dilma sendo elogiada pela Cantanhêde! Quem diria! Tá mais do que na cara que este governo federal do PMDB representa um imenso retrocesso em relação ao governo Lula!

Indio Tupi

09 de agosto de 2012 às 11h43

Aqui do Alto Xingu, os índios informam onde se encontra depositado os recursos não informados e não tributados da super-elite brasileira, e que se ofossem poderiam ensejar melhores salários não apenas para funcionários públicos nos três níveis, mas também para os demais assalariados do setor privado, evasão fiscal e recursos esses ignorados olimpicamente pela mídia financeirizada

Segundo estudos da “tax justice network”, divulgados em julho passado, de autoria de James Henry, ex-economista-chefe da McKinsey, a super-elite brasileira tem US$ 520 bilhões mantidos em paraísos fiscais — equivalentes a 1/4 do PIB brasileiro –, o quarto maior volume de recursos no mundo, atrás apenas de China (US$ 1,18 trilhões), Rússia (US$ 798 bilhões) e Coreia do Sul (779 bilhões).

Em 2010, cerca de 10 milhões de milionários do mundo tinham entre US$ 21 trilhões e US$ 32 trilhões depositados em mais de 80 centros financeiros “offshores” — eufemismo para os conhecidos paraísos fiscais. Somente 100 mil pessoas, que formam uma elite financeira global, respondem por US$ 9,8 trilhões desse total.

Esses estudos estimaram conservadoramente o valor do sistema que constitui enorme ‘buraco negro’ em expansão da economia mundial, um vasto volume de recursos evadidos e fora de quaisquer tributações.

Essas estimativas são conservadoras porque nesse volume estonteante de recursos não estão incluídas as propriedades imobiliárias, os iates, os aviões, os helicópteros, os navios e outros ativos não-financeiros.

50 megabancos privados administram para seus clientes US$ 12,1 trilhões entre as fronteiras dos países, acima dos US$ 5,4 trilhões em 2005, o que representa uma taxa anual de crescimento de 16%, mais de quatro vezes a taxa de crescimento da economia mundial no período, o que equivale a uma verdadeira predação financeira dos países, naquilo que é conhecido hoje como “o sistema bancário pirata”.

Se esses não informados US$ 21 trilhões e US$ 32 trilhões, conservadoramente informados, auferissem modesta taxa de retorno de apenas 3% a.a., e se essa renda fosse tributada em 30%, isso ensejaria receita de imposto de renda entre US$ 190 bilhões e US$ 280 bilhões, cerca de duas vezes o montante que os 29 países avançados da OCDE dispendiam, em 2010, em ajuda ao desenvolvimento. Impostos sobre a herança, ganhos de capital e de outras naturezas aumentariam essa receita significativamente.

Como o subgrupo de 139 países, a maioria de baixa-média renda, responde por dívida externa de US$ 4,1 trilhões, se considerarmos suas reservas internacionais e os depósitos não registrados em paraísos fiscais, eles se tornariam credores de algo entre US$ 10,1 trilhões e US$ 13,1 trilhões. Infelizmente, seus ativos são detidos por poucos super-ricos, enquanto suas dívidas externas são suportadas pelo povo comum através dos respectivos governo.

A categoria dos “poucos felizardos”, cerca de 91.186 mil pessoas (0,001% de todos), detêm mais de 30 bilhões, os “apenas ricos”, ou seja, 839.020 pessoas (0,001%, idem), detêm entre US$ 5 bilhões e US$ 30 bilhões, os “parcamente ricos”, 8.419.794 pessoas (0,13%, idem), detêm entre US$ 1 bilhão e US$ 5 bilhões, formando a categoria da “elite global”, de 9.350.000 pessoas (0,14% do total), com riqueza não informada acima de US$ 1 bilhão. O restante da população do mundo, de 6.643.853.592 pessoas, ou 99,86% do total, não tinha um centavo de dólar em paraísos fiscais.

Esse gigantesco conjunto de recursos pilhados do mundo inteiro e mantido em mais de 80 paraísos fiscais ao redor do planeta configura um “verdadeiro buraco negro” do sistema capitalista, onde o “sistema bancário pirata”, com sua profusão de instituições financeiras, esconde fabulosa fortuna pilhada de municípios, cidades, estados, países, regiões e continentes, numa rapina de fazer corar os piratas e os corsários do passado, tudo sob as barbas da mídia financeirizada, que não atribui à matéria qualquer singela importância, para não falar dos Ministérios Públicos, de Juízes e do aparelho judicial e policial em escala global.

Responder

Marco Roxo

09 de agosto de 2012 às 10h07

Qto ao sr. Márcio Dadox, ele está mentindo. Meu filho estuda no PEDRO II, que ficou três meses em greve no ano passado (agosto, setembro e outubro) e reposição durou 20 vinte dias. A única coisa que se extendeu janeiro a dentro foram as provas finais. Por conta disso, na atual greve vários pais estão tirando seus filhos deste centenário colégio. Claro, todos de classe média, pois aqueles cujos filhos são oriundos de escola pública não têm condições financeiras de agir da mesma forma e são reféns do discurso grevista.

Responder

    Márcio Dadox

    09 de agosto de 2012 às 11h50

    Caro Marco Roxo,

    Deve haver um equívoco em suas palavras, bem como ao apresentar como exemplo essa escola centenária. As aulas dos IF’s são sim cumpridas em sua totalidade. Para o IFRN o calendário é feito com a presença dos representantes do pais dos alunos, pedagogos e professores eleitos por seus pares. Talvez a escola que se diz centenária não haja dentro da LDB ou agindo de má fé. Cabe a sociedade fiscalizar e pedir maiores explicações. Digo e repito: TODAS as aulas, todo o calendário compreendido em 200 dias letivos são repostos.

    Atenciosamente,

    Márcio Bezerra

Marco Roxo

09 de agosto de 2012 às 10h00

Fala sério!!! Pode um argumento desses? Se esse sujeito estivesse na iniciativa privada não iria cortar o ponto dos funcionários? Claro que ia!!! Está certo o Cládio Machado e o Marcus Aarão Reis. Nós, funcionários públicos brasileiros somos seres de outra galáxia!!! Marcianos!!! Estáveis, ganhamos ótimos salários, nossos filhos estudam em boas escolas PRIVADAS, temos planos de saúde PRIVADOS, comemos presunto, iogurte, mamão e suco de laranja todas as manhãs, viajamos com a família nas férias, temos amantes, frequentamos motéis e vivemos reclamando da vida. Certamente a carta da OIT, Constantino, não fala de nós, mas sim de TRABALHADORES instáveis, que vivem condições extremamente penosas de trabalho, são desrespeitados em seus direitos e usam a greve como uma das únicas armas de defesa. Estão longe de se assemelharem a gente, que queremos fazer greve eternas, com a finalidade de disputar um PROJETO DE ESTADO e de UNIVERSIDADE com o governo (VEJA COMUNICADOS DO ANDES), ficar 90 DIAS PARADOS, recebendo salários, indo a shows, restaurantes etc como forma de espairecer da “luta” e da “fúria opressora do governo Dilma”. Fala sério!!!

Responder

CNunes

09 de agosto de 2012 às 09h15

“Mantega cobrou dos bancos uma atitude mais proativa na oferta de crédito”

será que vai sobrar pros bancários nas agências??!

como se não bastasse a pressão dos capitalistas e dos gerentes,
agora o governo do Partido dos Trabalhadores exige que os bancos
cobre mais metas dos bancários.

http://economia.estadao.com.br/noticias/negocios%20setor-financeiro,mantega-reune-bancos-para-falar-sobre-o-credito-no-2-semestre,122431,0.htm

Responder

Fabio Passos

09 de agosto de 2012 às 07h30

O alerta deveria ser desnecessário.
Imitar o comportamento de fhc não vai ajudar o governo Dilma… e faz muito mal para o Brasil.

É preciso valorizar os trabalhadores brasileiros e parar de dar privilégios aos miliardários vagabundos que só especulam no mercado financeiro.

Responder

Joelson

09 de agosto de 2012 às 00h42

Policiais Divulgam Carta Aberta à População de Pernambuco
Carta Aberta à População de Pernambuco

Os Policiais Rodoviários Federais no Estado de Pernambuco que possuem relevantes serviços prestados ao Estado e à sua população, em respeito aos usuários das Rodovias Federais, vêm por meio da presente Carta Aberta, externar as circunstâncias que levaram a Categoria ao atual nível de mobilização nacional, onde estão sendo intensificadas as fiscalizações. Esclarecemos inicialmente que não está ocorrendo bloqueio de rodovias, como noticiado de forma inadvertida em alguns poucos veículos da imprensa local.
Após dois anos de negociações com o Governo Federal a categoria foi surpreendida com fechamento das mesmas e, apesar disso, acredita que a solução negociada é a única capaz de compatibilizar as necessidades apresentadas pela Categoria com a política e as diretrizes do Governo Federal, e por isso estamos pressionando o Governo para que retome as negociações.
Em Pernambuco são 2.400 Km de rodovia sob a responsabilidade de 50 policiais por dia, ou seja, a sociedade que paga seus impostos está precariamente assistida quando o assunto é segurança pública nas rodovias federais e o que mais impressiona é que apesar de divulgarmos sistematicamente esses números o Governo Federal não toma providências para que a Polícia Rodoviária Federal tenha presença efetiva na sua área de competência.
Postos de Fiscalização estão sendo fechados por falta do efetivo mínimo; não há recursos financeiros para realização de operações; o usuário que se envolve em acidente não é atendido em um tempo razoável apesar dos esforços dos policiais; dos 750 novos policiais do concurso que vem se arrastando desde 2009 apenas seis, isso mesmo, seis virão para Pernambuco; aproximadamente 25% do efetivo atual poderá aposentar-se antes da Copa do Mundo de 2014 e apesar disso tudo o Governo Federal vira as costas para a Polícia Rodoviária Federal. Buscamos permanentemente a excelência na prestação de nossos serviços, mas sem Policial não há como fazê-lo, por isso lutamos por Concurso Público para o preenchimento das mais de quatro mil vagas em aberto em todo o País, embora saibamos que esse número não atenderá a demanda reprimida de serviços de competência dos Policiais Rodoviários Federais, pois seríamos apenas 13.000 para responder por mais de 69.000 quilômetros de malha viária federal. Só para se ter um parâmetro o efetivo da PM do Estado de São Paulo passa dos 100.000.
Somos a única Polícia que teve emenda de iniciativa popular para sua inclusão na Constituição Federal de 1988, isso por si só demonstra o nosso compromisso e responsabilidade para com a sociedade que é nosso principal cliente. Apesar disso o Governo Federal tem imposto aos Policiais Rodoviários Federais o desenvolvimento de suas atividades em condições inadequadas. Com o fechamento de postos tem aumentado significativamente a malha viária sob a responsabilidade das equipes de plantão, por exemplo: com o fechamento do posto de Ribeirão, o posto do Cabo passou a acumular o trecho que vai até a divisa com Alagoas, totalizando mais de 130Km para apenas dois policiais. Como se não bastasse somos forçados a trabalhar com uma infraestrutura tecnológica ultrapassada, o que torna nosso trabalho moroso frente às necessidades dos cidadãos. Por isso lutamos por melhores e adequadas condições de trabalho.
Fazemos parte de uma Instituição que desempenha uma multiplicidade de competências em serviços prestados a outros órgãos da Administração Federal e também Estadual, pois segundo o IPEA, mais de sessenta por cento do PIB nacional passa pelas rodovias federais. Órgãos como Polícia Federal, Agência Brasileira de Inteligência, Ministério Público do Trabalho, Ministério do Turismo, Ministério dos Transportes, Ministério do Trabalho, DNIT, ANTT, IBAMA, Advocacia Geral da União, Receita Federal, Receita Estadual, ANVISA, Fiscalização Agropecuária Federal, dentre outros, muitas das vezes atuam com apoio da Polícia Rodoviária Federal e não raramente recebem o produto da fiscalização feita nas rodovias, de modo que contribuímos diretamente para os seus resultados e, apesar disso, não temos recebido o mesmo tratamento dispensado a esses órgãos federais. A atuação dos PRFs evita que o Governo Federal tenha que instalar postos de fiscalização de todos esses órgãos economizando grande volume de recursos públicos. Por isso lutamos por tratamento isonômico com as demais carreiras típicas de Estado.
Queremos continuar a existir efetivamente enquanto instituição de segurança pública e por isso estamos lutando, pois temos compromisso com a sociedade e com a sua segurança e não recuaremos do nosso propósito que é trabalhar pela vida e pela segurança. Para tanto sabemos que podemos contar com o respaldo da sociedade, pois todo cidadão quer uma Polícia Rodoviária Federal atuante, efetiva e eficaz embora nem todos compartilhem da forma eleita pelos Policiais Rodoviários Federais para pressionar o Governo que é trabalhando, intensificando as fiscalizações, apesar dos desconfortos transitórios decorrentes de uma fiscalização intensificada.
Registramos que os Policiais Rodoviários Federais foram empurrados pelo Governo Federal para essa desconfortável situação de ter que denunciar à sociedade o sucateamento da Segurança Pública, principalmente da Polícia Rodoviária Federal e somente com o apoio social é que conseguiremos reverter essa equivocada política do Governo Federal e prestar a sociedade o serviço de segurança pública de excelência pelo qual a população merecidamente clama.
Finalizamos essa Carta Aberta nos colocando à disposição dos veículos de comunicação e da sociedade, para prestar-lhes quaisquer outros pedidos de esclarecimento que nos sejam apresentados.

Responder

Herivelto Canales

09 de agosto de 2012 às 00h15

Parece-me que há muitos trolleiros pagos pelo PSDB por aqui, visitando o site do Azenha.
Vocês são muito fáceis de detectar… muito fáceis.
As mesmas conversas da cartilhinha.
Comentários sem personalidade.

Responder

    Cesar

    09 de agosto de 2012 às 11h13

    Pelo visto vc está falando de vc mesmo né?! O único infiltrado aqui parece ser vc. Age igualzinho os trolls a soldo pela Sonsinha Francine e o Serra!

Étore

08 de agosto de 2012 às 23h37

Essa é velha, mas vale a pena repetir:
Greve com remuneração não é greve, são férias.

Sobre o autor, porque essa necessidade de holofotes em um pedido de demissão ? Tentou passar por herói e não acrescentou nada.

Responder

    Tetê

    09 de agosto de 2012 às 00h08

    Quanta bobagem amigo! César Augusto Brod ainda é daqueles que temvergonha na cara, coisa que falta a muita gente; quem tem vergonha na cara não precisa de holofotes

Leonardo Meireles Câmara

08 de agosto de 2012 às 22h26

Eu espero mesmo que haja uma greve monstro que pare esse país pra ver se essa lunática se manifesta. Parece que vive com a cabeça em outro mundo.

Enquanto isso os bancos se regozijam com o dinheiro do erário. Deram apenas uma abaixadinha pra inglês ver na SELIC.

Pagamos impostos suficientes para termos serviços públicos da melhor qualidade, com servidores devidamente remunerados. Sem excessos, mas com dignidade.

Responder

Messias Franca de Macedo

08 de agosto de 2012 às 22h19

… [O eminente e ínclito pensador] Paulo Freire mais contemporâneo do que nunca: “O grande perigo, o grande risco de uma revolução é quando a mesma ocorre sem que haja um [consolidado] processo prévio de conscientização: os oprimidos de ontem serão os opressores de hoje!” ‘O Iluminado’ e genial humanista educador Paulo Freire talvez não tivesse imaginado que a opressão assim estabelecida pudesse ser recheada de requintes inéditos de perversidade e ingratidão!…

Bahia de Todos ‘Vos’ que dizem amém!
*Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo
*Bahia do ex-governador Octávio Mangabeira: “Pense num absurdo! Na Bahia tem precedente!” Ô, se tem! Dos trabalhadores?! Sei!..

Responder

Messias Franca de Macedo

08 de agosto de 2012 às 22h02

… Quem quiser conhecer ainda mais ‘o PT da governança’, ‘o PT tudo pelo poder’, ‘o PT contemporâneo’… “Deem uma chegadinha” aqui na Bahia! À título de ilustração: os servidores públicos entronaram o atual governador petista… RESCALDO: ‘de primeiro’, durante o [nefasto, infausto e famigerado] carlismo, os barnabés do serviço público poderiam requerer o abono pecuniário: venda de 10 dias das férias. Dava pra aliviar um pouco o sufoco acumulado durante [mais] um ano de escorcho salarial! Pois bem, o Partido dos Trabalhadores (dos trabalhadores?!) assumiu, e ceifou esta prerrogativa do funcionalismo público… O escorcho salarial continua, greve dos policiais aquartelados (sic) na Assembléia Legislativa, [inédita!] greve de quatro meses dos professores dos ensino fundamental e médio… Nem o Malvadeza-mor original foi capaz de tal façanha!… É verdade: contada [a traição!], parece mentira!

Bahia de Todos ‘Vos’ que dizem amém!
*Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

*Bahia do ex-governador Octávio Mangabeira: “Pense num absurdo! Na Bahia tem precedente!” Ô, se tem! Dos trabalhadores?! Sei!..

Responder

    Messias Franca de Macedo

    08 de agosto de 2012 às 22h06

    ajustes em comentário anterior: …, greve dos policiais militares aquartelados (sic) na Assembléia Legislativa,…

    … professores dos ensinos fundamental e médio…

    Bahia de Todos ‘Vos’ que dizem amém!
    *Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo
    *Bahia do ex-governador Octávio Mangabeira: “Pense num absurdo! Na Bahia tem precedente!” Ô, se tem! Dos trabalhadores?! Sei!…

    Messias Franca de Macedo

    08 de agosto de 2012 às 22h10

    errata: … escorcha salarial… (… escorcha… em vez de ‘escorcho’…)

    Bahia de Todos ‘Vos’ que dizem amém!
    *Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo
    *Bahia do ex-governador Octávio Mangabeira: “Pense num absurdo! Na Bahia tem precedente!” Ô, se tem! Dos trabalhadores?! Sei!..

Wagner

08 de agosto de 2012 às 21h43

O pior é a prepotência, a arrogância Fernandohenriquista com que estão tratando os servidores.

Com os servidores do Judiciário então não há nem menção a diálogo.

A Dilma que vá esperando contar com nosso voto…sentada.

Responder

Marcia Noemia

08 de agosto de 2012 às 21h37

Alguém já ouviu patrão ter o mesmo discurso de empregado? Pode até ter, mas na prática… Vamos fazer um exercício: se coloque na posição de patrão. Vc poderá ser um patrão bonzinho,um patrão mau ou muito mau. O PT pode ser identificado com qual? Pelo texto do Brod, ele é na prática mau. Não podemos esquecer que patrão é uma coisa, uma existência do mundo CAPITALISTA, assim como o PROLETÁRIO (trabalhador). Me parece que vivemos neste sistema. Ou não? A Europa ocidental tem (ou teve?)patrões bonzinhos, assim como outros países ditos desenvolvidos, chamados G7, G8, G Alguma coisa. Pelo fato do PT ser um mau, muito mau patrão no atual momento; vamos trocar de patrão nas próximas eleições? Boa pergunta. Sim, devemos, mas não podemos esquecer que isto não basta, porque existem outros PATRÕES ferozes que não estão “nem aí” se o patrão chefe é X ou Y. Aprender com a sua própria história? Poucos fazem este salutar execício. Conheço ex-comunistas que viraram direitona; outros, que ainda defendem Stalin. A meu ver, o foco dos diferentes movimentos sociais deve ser o de lutas por um outro modelo de vida. Para isto devemos nos utilizar das instâncias democráticas e, sobretudo, com LUTA, mas MUITA LUTA MESMO para derrubar patrões bons ou maus. Quem tem tempo pra lutar? Dificil dirão alguns, pois vivemos no mundo dos patrões. Teremos também que abdicar de muitas coisas maravilhosas do sistema dos patrões. Alguém vai querer? Não saimos dessa roda. Achamos que vamos sair dela quando fazemos greves: gritamos, ficamos bravos, falamos palavras de ordem… Isto é uma parte da luta. Por um motivo justo ou injusto saimos da greve, e a roda continua. Enfim, a cada dia que passa admiro o Stedile (demonizado pela mídia e pela classe merda). Ele, em suas falas e em suas práticas está sempre combatendo este sistema dos patrões, cruel e desumano. Atenção para a palvra DESUMANO, ou seja, que não é humano, mas foi criado por nós, os humanos.

Responder

Wilson

08 de agosto de 2012 às 20h07

Já votei no psdb. E, decepcionado, passei a votar no PT. E o fiz porque acreditava numa política diferente ao ideário neoliberal tucano.

Tenho que convir que esse tipo de política se amolda mais ao Serra, ao FHC e ao nada saudoso Mario Covas. Neoliberalismo por neoliberalismo, o psdb/dem faz melhor. Pelo menos não podem assumir, falsamente, a preocupação com o social, com a classe trabalhadora.

É bom a Dilma/Novo PT/Mantega ficarem atentos, e mudarem a forma de diálogo com os servidores públicos, porque são numerosos, qualificados, influentes, e podem definir uma eleição.

Responder

    Carlos Cruz

    08 de agosto de 2012 às 21h31

    O neo-Pt vai se consolidando. Aprendeu o jogo do poder com seus educadores da Arena, os demos/tucanos. Ao olhar-se no espelho verá uma nova(velha)cara, irreconhecivel para quem acreditou numa mudança nos habitos políticos brasileiros. O início do ovo da serpente a tal “Carta a Nação” do primeiro governo neo-petista. Uma traição as lutas de mudanças. Ai veio o “Mensalão”, ou caixa 2 de campanha. Quem NUNCA comeu melado se lambuza… E o neo-petismo se lambuzou todo. Para manter-se no poder a entrega foi total. O superavite primario é o mantra repetido como verdade. O princípio da (IR)responsabilidade fiscal(social) seguido a despeito dos males a Nação.E agora o neo-petismo trai mais que sua historia, sua credibilidade. As mentiras de 10 anos de governo não tem mais espaço para existir. Mente diurnamente, inventa. O refexo do espelho espanta. Está irreconhecivel!

José Eduardo

08 de agosto de 2012 às 19h23

A intolerância do governo em relação aos grevistas tem nome e se chama Guido Mantega, o Ministro da Fazenda, o qual não passa de um tecnocrata embora muito eficiente na gestão da economia. Mas bem que a presidenta poderia dar uma resposta política para o problema. Pois esse é o verdadeiro foco para a questão. Ou seja, o problema está muito além da mera gestão econômica!

Responder

    Vlad

    08 de agosto de 2012 às 22h38

    Opa…essa é novidade pra mim.
    Que eu saiba o Mantega não tem ABSOLUTAMENTE NADA a ver com isso; é um ministro inodoro e insípido, mero cumpridor de ordens e tem dívida impagável com a Dilma por ter manejado a base aliada para blindá-lo nas acusações envolvendo a Casa da Moeda.
    Ademais a ordem do Planalto é para que todos os ministros CALEM A BOCA sobre as “negociações” com os servidores.
    Aliás…a ordem é que calem a boca em quase tudo…tem alguns ministros que de tão calados nem sei se ainda estão vivos.

Pedro

08 de agosto de 2012 às 18h47

Vem aí a greve dos bancários. em 23 anos de banco público vou fazer mais uma greve.Porque? o de sempre.

Responder

    Nelson

    09 de agosto de 2012 às 09h00

    Talvez nem tenhamos Natal este ano, Pedro, se estiverem certos aqueles que vaticinam o fim do mundo em 21 de dezembro de 2012. Mas teremos greve dos bancários.

    Assistiremos, uma vez mais, à mídia hegemônica e seus (de)formadores de opinião a demonizarem os trabalhadores acusando-os de irresponsáveis que não guardam o mínimo respeito para com as necessidades do povo. Tudo tática para enrolar a população enquanto sufocam o debate, extremamente necessário para o país, sobre a urgente redistribuição da riqueza.

    E qual a melhor forma de distribuição dessa riqueza, senão o pagamento de melhores salários e a abertura de novas vagas de emprego? Os bancos têm totais condições para isso; obtiveram lucros bilionários, sempre maiores, na última década e meia, pelo menos.

    Mais empregos e melhores salários seria algo excelente para a sociedade brasileira como um todo. Teríamos melhor atendimento nos bancos; com mais empregos, a exclusão social diminuiria; pouparíamos um pouco mais a saúde dos atuais bancários que estão a adoecer aos borbotões graças às condições desumanas de trabalho a que são submetidos.

    Veja bem, Não é pedir esmolas, não é assistencialismo.

    Mas, voltando ao assunto, nossa mídia hegemônica e seus (de)formadores de opinião se recusam, terminantemente, a abrir um debate sobre estas questões extremamente importantes.

assalariado.

08 de agosto de 2012 às 18h25

A discussão está interessante. Mas como localizar quem é o inimigo nesta exploração, encima dos assalariados e da sociedade. Será que esse inimigo oculto ou disfarçado esta dentro do Estado? Come pelas beiradas? Quem é o pior explorador, é o patrão Estado burgues( municipal, estadual e federal ), ou o patrão da iniciativa privada? Na sua verdade histórica, o Estado é, e sempre foi, apenas uma extensão de dominação do capital sobre os assalariados e as nações. Então quando será que vai chegar a vez do Estado de ‘Direito’, oferecer dignidade para pensionistas, aposentados, funcionários, serviços publicos enfim, …

A ‘democracia’ do capital enquanto ‘Estado de direito’, nunca passou de um botequim das elites para suas farras monetárias. Então pergunto: o compromisso primeiro do Estado, é com quem mesmo? Por exemplo: os mais de R$ 200 BI anuais pagos (via governo da vez), foi parar nas mãos de quem mesmo? Então fica claro que, o Estado em última análise – não importa o governo da vez -, é avalista e financiador direto do capital, no sentido de desenvolve -lo, para as elites. Sim, o que daria para fazer para o Brasil nação e para as massas assalariadas, com esta dinheirama toda, a nivel de servidores e serviços publicos. Sim, a munição que os servidores estão usando para questionar a exploração do patrão estatal precisa ser aprimorada. Basta olhar os vários comentários e a visão que eles tem sobre as lutas por melhores salários dos seus colaboradores.

Abraços fraternos.

Responder

    Vlad

    08 de agosto de 2012 às 22h40

    Isso me lembra o cara com o porco nas costas e querendo achar o “culpado” que colocou o porco ali.

O_Brasileiro

08 de agosto de 2012 às 17h09

Resumindo: ou o PT estava errado quando estava na oposição ou está errado agora no governo.
E agora não quer assumir nenhum erro, e nem quer que os trabalhadores também tenham direito de “errar” ao lutar por seus direitos!
“Parabéns” pela hipocrisia!

Responder

Policial Maisa: Sobre a greve da PF « Viomundo – O que você não vê na mídia

08 de agosto de 2012 às 16h04

[…] da leitora Maisa, em comentário aqui […]

Responder

trombeta

08 de agosto de 2012 às 16h04

O chororô do esquerdismo e da direitada juntos, o PT é governo e tem responsabilidade com o povo brasileiro. Outro dia, vi um franguinho de uns 20 anos com um microfone na mão, de um sindicato dominado pelo psol, dizer coisas contra Lula e Dilma que nunca imaginei ouvir de alguém que se diz de esquerda.

Malandro que é malandro chia mas não geme, greve remunerada e que só prejudica a população nem Sucupira.

Responder

    Willian

    08 de agosto de 2012 às 18h09

    Bonito seu discurso. Na próxima greve dos professores de São Paulo você volta aqui e o repete. Mas aí não vale, né, é contra os tucanos…rs

Maisa

08 de agosto de 2012 às 15h51

Quanto a greve da PF, aqui cabem alguns esclarecimentos que se fazem necessários para que todos façam um juízo de valor, mas com base nos FATOS e não no que é manipulado.
1)A PF não tem qualquer tipo de rejuste desde o ano de 2007, quando foi recebida a última das três parcelas anuais do aumento escalonado;
2)Desde 1996, por meio de lei, houve a exigência de NÍVEL SUPERIOR de escoloradidade para as carreiras operacionais: Escrivães, Agentes e Papiloscopistas;
3)Mesmo com a exigência do nível superior, o governo manteve a tabela de vencimentos dessas carreiras como de nível médio;
4) Após intensa luta da federação dos sindicatos regionais da PF, somente em 2011, o Ministério do Planejamento, reconheceu, oficialmente, que os operacionais da PF tivessem o reconhecimento do nível superior, fazendo incluir no “caderno” de atribuições do referido ministério, que as atribuições desses servidores são de nível superior;
5)O sindicato da categoria é o único que procurou o governo desde 2009 e cumpriu todas as exigências do rferido planejamento, com várias reunições e apresentação de proposta, inclusive com o impacto sobre a folha de salários, etc, etc;
6)O governo, depois de quase três anos, “reconheceu” que a tabela dos operacionais da PF deveria ser enquadrada naquelas cargos de nível superior, porém, esbarrou num grande obstáculo, que é a categoria dos Delegados de Polícia Federal e Peritos Federais, os quais já estão posicionados no topo dessa mesma tabela e as ditas “autoridades” não aceitam, em hipótese alguma, que os operacionais percebam vencimentos próximos aos deles sob a alegação de que isso viola o princípio da hierarquia, etc. etc;
7) Diante desse entrave, os delegados de polícia federal “melaram” um acordo assinado por todas as carreiras e que propunham o reenquadramento da carreira dos operacionais nas carreiras de NÍVEL SUPERIOR, logicamente com reflexos na majoração dos vencimentos, enquanto que o reajuste dados ao delegados e peritos, por óbvio, seriam menores mas sem o risco de se aproximarem dos salários do magistrados e procuradores federais;
8) É preciso dizer que os operacionais da POLÍCIA FEDERAL, de forma respeitosa, honrou com as exigências do ministério do planejamento e aguardou até o limite da PACIÊNCIA HUMANA que o governo se manifestasse e apresentasse uma proposta de REENQUADRAMENTO dos operacionais e um reajuste escalonado para delegados e peritos e mais uma vez, o governo deu ouvidos aos clamores dos delegados, os quais se escondem por trás de um movimento de justas reivindicações para tirar proveito da situação e amealhar ESMOLA do governo;
9)Para que se tenha uma pálida idéia, nos cargos do Poder Executivo de NÍVEL SUPERIOR, o salário inicial é de apoximados R$ 12.000,00(brutos), enquanto que o final das carreiras ultrpassam os R$ 18.000,00(brutos). A PF, para os operacionais, apresenta um salário inicial de R$ 7.500,00 e o final da carreira chega aos R$ 11.800,00, enquanto que delegados e peritos se situam nos valores já demonstrados;
10) A paralização da PF não visa se indispor ou afrontar o governo e muito menos com a sociedade, mas apenas exige que sejam reparadas injustiças com uma categoria, tal com as demais, tem demonstrado zêlo e competência e goza de imensa credibilidade junto à população;
11) Quem não está cumprindo com a palavra é o governo, primeiro ao tentar “enrolar” a PF até o apagar das luzes da aprovação de orçamentos e, segundo, e principalmente, ao dar crédito à uma única carreira(delegados) como se fossem somente eles que fazem a instituição crescer e apresentar resultados.
12) A Dilma é governo desde 2005 e sabia, mais do que todos, das demandas do funcionalismo e das distorções salariais entre carreiras de mesmo nível e infelizmente deixou a coisa chegar ao ponto em que chegou e, no caso da POLÍCIA FEDERAL, demonstra intranxigência e trabalha com a denunião para enfraquecer e se alia à mídia bandida para tentar desmoralizar e desqualificar justas reivindicações daqueles que, com esforço, fazem o governa “dela” aparecer e acontecer.
De minha parte, como POLICIAL FEDERAL, me sinto constrangida a ter que divulgar as mazelas da instituição, mas é preciso que todos saibam, ao menos para fazer um juízo de valor dentro da nossa realidade/verdade, pois não queremos ser os “novos marajás”, mas apenas receber, inclusive como pecùnia, o mesmo tratamento dispensados aos outros valorosos trabalhadores do poder executivo que conseguiram, unidos, fazer prevalecer os interesses de toda a categoria, diferentemente do que ocorre nos corredores da PF, onde uma casta se julga superior e merecedora de todos os louros da fama e salários elevados.

Responder

    Alvaro

    09 de agosto de 2012 às 17h47

    Minha cara Maisa, Policial Federal.

    Imagino que você deva ser Agente da PF. Tenho alguns amigos também agentes da PF. Eu sou Analista Tributário da Receita Federal. Achei o seu manifesto de uma clareza e de uma verdade incontestáveis. Faço minhas as suas palavras, não no âmbito da PF, é claro, mas no âmbito da Receita Federal. Aqui também existem duas categorias de servidores, como aí. Tudo o que acontece aí também acontece aqui, talvez até seja bem pior. Lendo o seu texto, ele se aplica à Receita, bastando substituir os Delegados por Auditores Fiscais e os Agentes por Analistas Tributários.

    Apenas para citar dois exemplos marcantes: acabamos de ganhar em primeira intância uma Ação Civil Pública na qual o sindicato dos Auditores tenta desqualificar o Nivel Superior atribuído aos Analistas Tributários. A ação corre desde 1999, ano em que o nivel superior foi exigido no concurso dos então Tecnicos da Receita Federal, hoje Analistas Tributários. O segundo exemplo é ainda pior: Corre no STF uma Ação Direta de Inconstitucionalidade impetrada em 2011, também patrocinada pelo sindicato dos Auditores, que demanda, entre outras coisas a nossa exclusão da Carreira Auditoria da Receita Federal, que atualmente é composta pelos dois cargos. Se tiverem sucesso nessa ação, ficaríamos no balde comum dos demais cargos do Ministerio da Fazenda, sem direito ao subsídio, sem direito às prerrogativas de carreira típica de estado e com substancial redução salarial. Está bom pra você?

    Um grande abraço

    Álvaro

Fábio

08 de agosto de 2012 às 15h43

Fui militante e filiado ao PT, chegando a ser convidado, pelo próprio Prefeito eleito, para participar da primeira administração petista do município em que resido.
Nas conversas iniciais para participar da administração ficou patente que o objetivo era “o poder pelo poder” e que a administração prestes a iniciar-se em nada iria diferir das anteriores.
Recusei o cargo e desfiliei-me do Partido.
O tempo mostrou o acerto da minha decisão.

Responder

O_Brasileiro

08 de agosto de 2012 às 15h26

PT x PT

Responder

pperez

08 de agosto de 2012 às 14h49

O Partido dos trabalhadores no governo e os partidos de esquerda erram feio ao aceitar tratar os trabalhadores como massa de manobra, como vem fazendo o ministerio do planejamento e até o do trabalho que sumido, adota o estilo neoliberal de FHC de apostar na desmobilização da categoria, após meses de paralisação inoqua!
Acho que Dilma está seguindo uma trilha perigosa virando as costas para uma massa de importante responsabilidade na sua vitoria nas eleições.
Esta contradição de peitar as diversas categorias de trabalhadores nas suas reinvindicações em plena data base, pode representar o fortalecimento do PIG que se alia apoiando estas causas meramente por cabotinagem.
Abre o olho Dilma,enquanto é tempo!

Responder

    João César

    08 de agosto de 2012 às 15h32

    O governo está dando um tiro no próprio pé e a greve está firme e ainda mais forte. A sociedade apoia a greve, os pelegos e privatistas estão sendo expostos. Parlamentares progressistas estão mobilizados e pedindo ao Executivo federal que retome a negociação com os grevistas a abndone o acordo fechado com os pelegos vendidos do PROIFES! Brod mostrou que ainda há gente honrada neste governo e não quis compactuar com a violação de uma lei – o direito de greve!

Avelino

08 de agosto de 2012 às 14h11

O PT errou e erra, quando, após ser eleito, não ter montado um grupo, para fazer avançar as reivindicações e melhorias do funcionalismo público. Deveria ser impossível no funcionalismo uma greve dentro de um governo do PT, este grupo teria que se antever nas negociaçãos, de todas categorias.A ultra esquerda achou uma brecha, que a direita está adorando, o PT por sua vez, está sendo inabilidoso e as conduzindo como qualquer outro governo reacionário.

Responder

    João César

    08 de agosto de 2012 às 15h41

    Posso não concordar com o teor de teu argumento, mas não posso deixar de notar que, apesar de sucinto, tens um ponto de vista lúcido e amplo acerca do que ocorre nesta chuva de greves do funcionalismo público federal!

jaime

08 de agosto de 2012 às 13h59

Quando o PIB não cresce o governo se alia à mídia para mostrar os descalabros que ocorrem nos salários de funcionários mais graduados, como se isso fosse a regra e essa fosse a causa. É a volta da caça aos marajás.
Quando o PIB cresce e a maioria está empregada, o governo tem aprovação suficiente para novamente demonizar o funcionalismo com seus salários “estratosféricos” e fazer a “economia de palitos”.
Da primeira vez que passou esse filme o bode expiatório eram os judeus.
“País rico é país com serviço público de qualidade”.

Responder

Fabio Passos

08 de agosto de 2012 às 13h55

O PT patrão está tratando os trabalhadores como o psdb fazia.

E o psdb detonava os trabalhadores e entregava a grana para os ricos vagabundos que ganham na especulação financeira.

Responder

sopphis

08 de agosto de 2012 às 13h51

O povo também faz greve e reivindica porque se trata de um governo trabalhista e democràtico que tenta discutir e atender na medida do possivel as reivindicaçoes.No governo do FHC os funcionarios publicos ficaram 8 anos sem aumento? fizeram greve, nao eram atentidos nem recebidos aliàs nenhuma reivindicaçao era atendida e tratada com falta de respeito. O que interessava era que o real estava dando certo. Alguém se lembra disto?

Responder

    CarmenLya

    08 de agosto de 2012 às 22h06

    Lembro…e porisso fiz campanha para o PT e votei na Dilma. Tenho observado que ela governa exatamente como o FHC…severidade para os assalariados e mui “republicana” para os bancos e empreiteiras. Pelo visto é mais fácil enfrentar torturadores do que o grande capital!!!!!!
    De mim o PT está livre, depois de 30 anos. Em nome dos trabalhadores a “era Vargas” está sendo desmontada. E aos trabalhadores de empresas privadas que estão aprovando que o PT desmonte a espinha dorsal dos funcionários públicos, fiquem atentos: o saco de maldades será, brevemente, aberto para vocês: aposentadoria aos 60 e 65 anos. Tudo em nome da crise européia, rsrsrs

Herivelto Canales

08 de agosto de 2012 às 13h44

Olha, se é um bom professor e uma pessoa consciente, com certeza analisaria melhor, pois o PT da época do seu avô (então devo ter idade para ser seu avô) não é o mesmo PT de hoje.
As circunstâncias são totalmente diferentes.
Hoje não exite mais PT e o que existe de PT desta época ficou marcado com Lula e o primeiro escalão. Normalmente o que veio a ser criado como PT, veio carregado de infiltrados.
Infestado de políticos interioranos que – para sufocar o PT verdadeiro – compraram legendas e disfarçaram-se de petistas.
Moro em Marília e temos um candidato a prefeito por aqui, Vinícius Camarinha – por exemplo – que é do PSB.
E qualquer pessoa da cidade que entenda o mínimo de política, sabe muito bem que este candidato nada tem a ver com o socialismo. Mesmo porque é um dos mais jovens deputados e um dos mais ricos. Riqueza esta atribuída à herança familiar.
Bem, seu pai foi prefeito, foi julgado e condenado, mas não pagou a pena por causa da prescrição.
Enfim: acredito que o senhor jogou a toalha muito cedo e está exigindo do PT em 9 anos de governo (um bebê) o que ops governos anteriores não fizeram em 100 anos e estavam para nos deixar à míngua, caso Lula não entrasse.
Pedindo exoneração mostra que seu potencial como professor é muito bom no que se refere a atitude nobre e pela qual concordo (pedir exoneração para não abrir mãos de seus princípios).
Isto é nobre e Sócrates é o melhor exemplo disso.
Ocorre que esta greve é política – em minha opinião – e penso que o senhor deveria ser mais paciente, porque o vovô aqui sabe e viveu vários governos e nenhum fez o que esse fez. Mesmo com todas as falhas. Repito: mesmo com todas as falhas, este governo merece muito crédito. Muito além do que sua nobre atitude imagina. Para nós da classe Z. A sua deve ser a B ou a A. Não sei.
Mas a escolha é sua meu caro.
Prefere dar ouvidos à politicagem do que aos seus próprios princípios.
Prefere se exonerar a tentar segurar por mais um ano ou dois?
Mostra que você é mais um que caiu na falácia do imediatismo.
Portanto se entrou em 2011 e está saindo em 2012, mostra que seus princípios vão até a página 2 do livro.
Alguém que quer fazer melhor para o Brasil e reconhece que o PT melhorou a qualidade de vida dos milhões de miseráveis funcionais que tínhamos, creio que o senhor esteja se acovardando e não seguindo princípios.
Espero que não se ofenda, pois não é esta minha intenção.
Sou um cidadão indignado com o que fazem com a MASSA da qual faço parte: PAGAMOS PELA INCOMPETÊNCIA DE TODOS.
E mais um ano se vai.

Responder

    João César

    08 de agosto de 2012 às 14h28

    Este Herivelto TUCANales é um pulha! Primeiro diz que o governo tem 9 anos, depois diz que este é o 2º ano. Para impor tua opinião de merda, distorces até a matemática (ou nem sabes contar)! E qual greve não é política? E tu és completamente alucinado e contraditório! Diz que o Brod te princípios,depois diz que ele não tem princípios! Ora, justamente por não concordar com o PT/PMDB ferir a lei de greve e cortar o ponto dos servidores em greve legítima que o Brod pediu demissão! Isto demonstra caráter e firmeza de princípios. Coisa que tu não tens! Tá na cara que este TUCANales já foi fiscal do Sarney, elegeu Collor acreditando que ele era o caçador de marajás, pediu a reeleição do FHC e agora, espertamente, está se passando por Dilmista! És um pelego privatista! e aposto que és um apadrinhado de político corrupto do PMDB que ganhou um carguinho comissionado e não quer perder a boquinha! E anda vens se vitimizar e se dizer da massa? Só se fror da massa cheirosa da Cantanhêde! Temos que expulsar vagabundos como tu do governo Dilma! Cai fora pelego privatista! Mas antes diz quanto que PROIFES e PMDB estão te pagando!

    Julio

    08 de agosto de 2012 às 16h32

    Os que agem como o Herivelto são os piores: são os populistas que se fazem de pobre coitados, que reivindicam ser da “massa” (o conceito em si já é depreciativo, o que prova que o Herivelto é um oportunista) para jsutificar toda sorte de crime contra a coisa pública e todo o tipo de comprtamento amoral e anti-ético daqueles que como o Herivelto se vendem em troca de algumas benesses e favorecimentos pessoais, típicos das relações de compadrio dos coronéis da política. Pior do que os pelegos e privatistas, é esta raça que veio do esgoto que impede o Brasil de avançar e se tornar mais justo!

    Herivelto Canales

    09 de agosto de 2012 às 00h09

    Que se danem os grevistas.

    Estou de saco cheio desta manipulação maluca que fazem com nossas crianças nas escola.
    Tenho que aguentar o desrespeito diário com os alunos com os quais divido eu dia-a-dia e ninguém presta atenção, pois cada um quer ver o seu próprio lado.
    Defendem com unhas e dentes a sua categoria, sua classe profissional, sua classe social.
    Ninguém está preocupado com ninguém.
    Médicos incompetentes, engenheiros incompetentes, jornalistas incompetentes, enfim: uma multidão de incompetentes manipulando e segregando.
    E ainda tenho que aguentar calado ESPECIALISTAS, como a senhora Elisabeth Balbachevsk, emitindo uma opinião mais do que desrespeitosa com a classe da qual eu faço parte, dizendo que Nós do ensino público temos que nos contentar com os dois tipos de sistema que ela julga ter: técnico para os pobres e superior para a “elite intelectual”.
    Isso sim é desrespeito.
    Mais do que isso: é um crime contra a população menos favorecida.
    Não está contente, pede a conta.
    Engraçado que bem em épocas de eleição.
    Estou preocupado com as crianças que estão saindo da escola sem aprender nada e vocês, professores universitários , com aquele famoso preconceito contra nós.
    Danem-se os grevistas.
    Tem algo mais importante para me preocupar: avisá-los que estão sendo enganados pelo sistema.
    E que vocês não os querem nas públicas, pois somos incapazes.
    Pouco me lixo com as suas opiniões.

    Cesar

    09 de agosto de 2012 às 11h10

    Esse Herivelto fala muito mas não diz nada! Suas ideias (?) são contraditórias e confusas. O negócio dele é ofender os outros e se fazer de vítima.

    Julio

    09 de agosto de 2012 às 13h55

    Esse Herivelto é chupeta! Não dá trela pra ele não! O cara só fala bobagens, baixarias e coisas nada a ver.

lulipe

08 de agosto de 2012 às 13h30

Greve da Anvisa, PF, operação-padrão da receita, PRF “parando” boa parte das rodovias federais…Continuem acreditando no PT e em saci-pererê!!!

Responder

Luiz Augusto de Freitas Guimarães

08 de agosto de 2012 às 13h13

O PT está com seus novos amigos. Certamente quem não concorda tem que sair, ou será engolido pela nova ética e moral dominante no PT.

Responder

LEANDRO

08 de agosto de 2012 às 13h04

Tá bom, vamos liberar aumentos e o orçamento e a responsabilidade com o que o resto do povo paga de impostos que se lasquem. Quer melhor salário do governo, então, faça um movimento para diminuição de despesas desnecessárias. Será que é fundamental para o funcionamento do estado esse número absurdo de ministérios? A irresponsabilidade com uma estatal, a Petrobrás, já mostra que dois mais dois sempre vai ser quatro. Depois de treze anos e não tendo concorrência de outra empresa na área, conseguiram fazer ela dar prejuízo.

Responder

    francisco de paula leite

    08 de agosto de 2012 às 13h20

    Meu caro,
    A idéia de que trabalhador do serviço público é marajá, preguisoço, desleixado e que não tem compromisso com a coisa é equivocada.
    Os trabalhadores do serviço público, da União, dos Estados, dos Municípios são responsáveis pelo funcionamento de uma máquina que se gigante é, deles culpa nenhuma tem.
    Este papo neoliberal de “estado” pequeno menor que mínimo deu no que FHC programou. O PT Patrão, como bem disse o colega do planejamento tira todo saco de maldade e manda ver nos trabalhadores do serviço público que nem uma lei de greve tem para regulamentar! Culpa sim, de um parlamento preguisoço e servil às vontades do executivo!

    Willian

    08 de agosto de 2012 às 13h42

    Metade dos funcionários públicos da área administrativa davam conta do serviço. Ninguém vai vir aqui e concordar comigo, mas quem trabalha no serviço público nesta área sabe que é assim. O que falta para professores e profissionais da área da saúde vai para este excedente.

    LEANDRO

    08 de agosto de 2012 às 13h42

    Não falei que funcionário público é marajá ou preguiçoso, só acho que o governo tem que ter responsabilidade com o que nos tira de impostos. Tem tanta autarquia, ministério, etc.. que não disse a que veio ainda e só geram despesas. Esse dinheiro poderia se utilizado no aumento de quem realmente trabalha no serviço público. Ex: Moreira Franco nessa tal secretaria de assuntos estratégicos, para que serve isso? Min. da pesca? Já fez algo além, de comprar umas lanchas?

    João Vargas

    08 de agosto de 2012 às 14h32

    “Tem tanta autarquia, ministério, etc”. Sim, cara-pálida, mas o PT não é governo? então que diminua os ministérios e autarquias e pague bem aos funcionários que realmente trabalham. Ha, mas aí faltaria cabide para dar aos partidos aliados. Que sinuca.

    LEANDRO

    08 de agosto de 2012 às 14h56

    Esse é o ponto, cortar tantos cargos e melhorar para quem realmente trabalha. Mas isso vai ser impossível, vem aí a “estatal do trem bala”.

    “Governo cria hoje estatal do trem-bala”

Bertold

08 de agosto de 2012 às 12h44

Sou obrigado a discordar do missivista. O Estado não se confunde (nem deve nunca mesmo) com o partido político ou com seu programa. Ele é, por definição um ente público aceito pelo “contrato social” e sua administração temporal por elementos majoritários de um partido político deve, ou pelo menos deveria, orientar-se pelos principíos republicanos do interesse geral e não de partes da sociedade. As greves no serviço público do Brasil e a ação corruptora do setor político e econômico privado, o primeiro para garantir ganhos de marajás e o segundo para sobrefaturar preços ou não enfrentar competição, tem assumido um odioso espírito corporativo – tipo do quanto mais puder arrancar do Estado melhor, não importa o quanto a conta fica para o restante da sociedade.

Responder

Sr. Indignado

08 de agosto de 2012 às 12h27

E assim vamos perdendo os melhores… Parabéns Miriam, você é responsável!! Parabéns Mercadantes, você é o que ganha e Parabéns Ministro Brizola, continue não gastando seu “chumbo grosso com chimango”, gaste-o com a nobreza. Que decepção.

Responder

MARCELO

08 de agosto de 2012 às 12h23

O PT faz alianças com Sarney,Maluf e Sérgio Cabral.Outro dia,
o Ministro das Comunicações apareceu no JN.Pois é…..

Responder

    L.F.

    09 de agosto de 2012 às 13h33

    Acho que nós próprios nos fizemos de alienados, ignorando até mesmo quando a Dilma foi fazer um omelete no programa da Ana Maria Braga.

Willian

08 de agosto de 2012 às 11h58

Um sábio já disse: “Quando a gente tá na oposição faz muita bravata!” Este mesmo César que escreve o texto, caso fosse sua responsabilidade governar o país, fazer com que os salários do funcionalismo coubessem dentro do orçamento, faria o mesmo que seus chefes fazem ou mandam fazer. De onde ele está, é fácil posar de socialista. Bem, pelo menos vai sair da função como um novo WORKING CLASS HERO, como deseja, pelo visto, já que entregou o cargo com estardalhaço.

Responder

    Jotapeve

    08 de agosto de 2012 às 12h50

    Você, Willian, com ceteza faria o mesmo, pois pelo seu comentário se percebe a total falta de visão e acanhamento intelectual para perceber a intransigência e prepotência do PT em negociar com os funcionários públicos que, como todos sabem, são o principal elo entre as políticas do governo e a população. Parabens César pela atitude honrosa.

    Willian

    08 de agosto de 2012 às 12h58

    Eu faria diferente ANTES de estar no poder.

sonia

08 de agosto de 2012 às 11h55

Tá agindo como um partido de oposição. Só falta mandar bater nos professores… E a greve da PF?

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.