Nota do MPL-SP: O motor das mobilizações é o aumento de tarifa

Tempo de leitura: 2 min

Sobre o Ato de ontem e a resposta do poder público hoje

Nota nº 8 do Movimento Passe Livre-SP

Mais um dia se passou e o aumento não foi revogado. Mais de 100 mil pessoas foram para as ruas e mesmo assim a Prefeitura e o Governo do Estado continuam a fechar os olhos e os ouvidos para a vontade da população. Hoje estaremos novamente ocupando as ruas para barrar o aumento. Na Praça da Sé a partir das 17h.

Outras reivindicações estão presentes nos atos contra o aumento da tarifa, mas o motor das mobilizações e o fator de união entre os diversos manifestantes, é esse aumento excludente.

Hoje, no Conselho da Cidade, o Prefeito Fernando Haddad se comprometeu com o MPL a marcar ainda essa semana uma reunião cuja pauta única é a revogação da tarifa. Não aceitaremos nada menos que a queda dos 20 centavos. Mesmo assim o prefeito insiste em dizer que baixar a tarifa é tirar dinheiro da educação e saúde. Isso não é verdade. Basta diminuir o enorme lucro dos empresários, já quem 70% do custo do transporte é pago pelo usuário, segundo a própria prefeitura.

Os atos convocados pelo Movimento Passe Livre de São Paulo continuarão a ter reivindicação central muito clara e concreta, a revogação imediata do aumento!

Diversos protestos ocorreram no país pedindo a redução das tarifas do transporte (Santos, Belém, Curitiba, Rio de Janeiro e Salvador). Hoje a tarifa caiu em Porto Alegre, João Pessoa, Campinas, Cuiabá, Manaus e outras cidades. E o apoio vindo de 30 cidades no exterior impulsiona com mais força ainda a nossa luta.

 Leia também:

Sobre Datenas, Jabores e Pondés

Luiz Felipe Albuquerque: Novo estilo de golpe da direita

Centrais denunciam “condições desumanas” do transporte

Scavone: Explosão jovem cheira mais primavera que pólvora e gasolina

Conselho da Cidade sugere a Haddad rever aumento da tarifa

Dilma: “O Brasil acordou mais forte”

Os integrantes do Movimento Passe Livre no Roda Viva

Carlos Zarattini: Hora de voltar aos bairros e debater com a população

Fátima Oliveira: É burrice política não sentir o pulsar das ruas

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

augusto2

o Mpl acha que pode tudo hoje.
Burros sao voces que nao se aliam ao prefeito contra o monopolio.
sr. haddad diga aos empresarios monopolistas que ou eles arcam com uma parte ou Spaulo vai planejar e operar outra vez uma empresa publica de onibus. Eles que escolham.
O bndes financia o inicio dela. E pronto.

denis dias ferreira

Vocês agiram de modo irresponsável e os conservadores transformaram as manifestações num verdadeiro samba do cachorro louco. Vocês são a esquerda com a qual todo reacionário sonha. Parabéns!

    Leo V

    A esquerda que todo reacionário sonha é a que está no poder.

    Basta ver que a própria Dilma no discurso sobre as manifestações afirmou que ouve o clamor das ruas, e que esse clamor é contra a corrupção.

    Ou seja, o próprio governo federal repete o discurso manipulador da direita e da imprensa. Estão tão acostumados a serem submissos aos conservadorismo que ajudam os conservadores em distorcer o caráter das mobilizações e elas serem aparelhadas pela direita.

    denis dias ferreira

    Concordo com você, cara. Quando analiso o governo Lula e Dilma concluo: nada mais direitista do que um esquerdista no Poder. Mas isso não invalida o meu comentário sobre o modo irresponsável como o movimento conduziu as manifestações. Os R$ 0,20 nos custarão muito caro. Aguarde.

    aluno

    Professor, olha o lado positivo da coisa. Todo mundo falava da direita, que a direita isso, que a direita aquilo, mas ninguém era capaz de ter noção de como funciona hodiernamente a tal extrema direita.
    Saíram do armário.
    Neonazis e carecas de subúrbio eram só uma ínfima parcela, além de caricata, que atraia pra si mesmo a imagem desse tipo de pensamento. Porém basta ver no fachobook que quem anda espalhando a coisa toda não são eles.
    Eu trabalhei por muito tempo numa lan house aonde os meninos ricos dos Jardins iam passar a madrugada toda jogando. Conheci pelo menos um desses que estão postando esse tipo de imbecilidade. O avô do sujeito foi um dos fundadores do CCC.

Vixe

TARDE DEMAIS MPL.
A direita tomou para sí o movimento e rapidamente o transformou em um GOLPE para depor Dilma.
Graças ao vosso amadorismo e as loucuras, ciúmes e desejo de vingança do velho Plínio, a democracia brasileira e o pouco que foi conquistado até o presente está correndo sério risco de desaparecer.
A história se repete para quem não conhece história.
1964 again…

Leo V

Questão de matemática

18 de junho de 2013

Pela estimativa do IBGE em 2012, a cidade de São Paulo tem 11.376.685 habitantes. Seu prefeito, Fernando Haddad, diz que a tarifa zero custaria cerca de R$ 6 bilhões aos cofres públicos. Dividindo R$ 6 bilhões por 365 (número de dias do ano), a tarifa zero custaria ao município R$ 16.438.356,164383562 por dia. Dividindo-se o custo diário ao município pelo total de habitantes em 2012 (11.376.685), temos que, com a tarifa zero, o município de São Paulo estaria investindo R$ 1,444916174 no transporte de cada habitante a cada dia, ou seja, menos de 1,5 reais. Atualmente, a tarifa de ônibus em São Paulo custa 3,20 reais. Sendo o sistema custeado pelo dinheiro de impostos, cada cidadão terminaria pagando R$ 1,45 aproximadamente, e isto incluiria TODOS os seus deslocamentos por dia. Sendo o sistema custeado pelo dinheiro de cada passageiro, pago a cada vez que se usa um ônibus, cada deslocamento custa o dobro disto. E com a economia feita, é certo que qualquer cidadão se sentiria feliz em arcar com os R$ 43,347485224 que seriam sua parcela mensal, tirada do orçamento municipal, de todo este valor. Tarifa zero: questão de matemática. Passa Palavra
http://passapalavra.info/2013/06/79400#comments

Aline C Pavia

E como o movimento passe livre pretende obrigar os empresarios a lucrarem menos? A nota do movimento diz claramente quem e o culpado. Haddad e cobrado, Alckmin nao. O movimento por enquanto nao tem legitimidade desde o principio, uma vez que serve para bater em Chico mas nao em Francisco.

Luís Carlos

O MPL está cego e surdo? Não percebe que está sendo usado? Ou não estará sendo usado e está ciente disso? Não percebe o que está em jogo? Não pode apenas fazer uma nota fria como se os acontimentos de ontem nada significassem e não colocassem em risco a democracia no país. Deve se posicionar sobre, se de fato tem a pauta do aumento da tarifa como “motor”.

Maria Izabel L Silva

A nota é só isso? Essa gente não sabe escrever não? E o aparelhamento do movimento por parte da Direita, nada a dizer? E as explosões de ódio, nada a declarar? Soltaram as feras nas ruas e agora não tem quem segure …

Marcelo de Matos

A mobilização tem outros motores: protesto contra os gastos do governo com futebol; corrupção: “ou para a roubalheira ou paramos o país”; PEC 37: o Arnaldo Jabor fez um comunicado à população para um ato contra sua aprovação. O pessoal do Passe Livre apenas desencadeou o processo: agora não sabemos quando irão parar as manifestações. Como no governo Montoro, há 30 anos, já começaram os saques, não a supermercados, mas, a lojas. A situação pode sair do controle. Minas já pediu apoio da Força Nacional de Segurança. O Jabor não é do ramo e está querendo discutir questões jurídicas. É o caos!

Nota do MPL-SP: O motor das mobilizações é o aumento de tarifa | Bahia Livre

[…] Article from http://www.viomundo.com.br/politica/nota-do-mpl.html /* Veja tambémSobre Datenas, Jabores e PondésMedicamentos antidepressivos podem alterar […]

Deixe seu comentário

Leia também