VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Fabiano Guilherme Santos: O faro político de Lula


09/10/2012 - 07h56

Política| 08/10/2012 | Copyleft

“As pessoas têm que respeitar o faro político do Lula”

Para Fabiano Guilherme Santos, o ex-presidente mostrou um faro político melhor do que todos os demais analistas ao insistir na candidatura de Haddad, que agora disputa o segundo turno em São Paulo. Em entrevista à Carta Maior, o professor do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) também fala da influência nula do julgamento do “mensalão” e analisa o impacto da CPMI do Cachoeira nos principais redutos da quadrilha. A reportagem é de Najla Passos.

por Najla Passos, na Carta Maior

Brasília – É fato que as eleições municipais deste domingo tiveram bons e maus momentos para quase todos os partidos. Para o professor Fabiano Guilherme Santos, do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), a correlação de forças não mudou de forma significativa. 

Segundo ele, no campo conservador, o que surpreendeu foi o crescimento vertiginoso do PSD de Kassab, enquanto o PSDB encolheu e o DEM caminha para a extinção.

Já no campo progressista, o fator de destaque ainda é o vigor do “efeito Lula”: o ex-presidente emplacou Haddad no segundo turno da principal cidade brasileira, ajudou a manter o fôlego do PT nas disputas das grandes cidades e a garantir a tendência de crescimento nas pequenas.

Em entrevista à Carta Maior, ele também avalia o efeito nulo do julgamento do “mensalão” nas eleições, especialmente nos municípios do ABC paulista, mais propensos a serem afetados pela pauta. E comenta, ainda, a vitória do PT em dois dos principais redutos da quadrilha do contraventor Carlinhos Cachoeira: Goiânia e Anápolis.



As eleições deste domingo mudaram a correlação de forças dos partidos brasileiros?

Não houve grandes alterações, não. Uma coisa que surpreendeu foi o PSD, que teve um desempenho muito bom, se colocando como o quarto no ranking geral de controle de prefeituras. Substitui o DEM, que foi lá para baixo, e que, se não ganhar Salvador, estará no caminho da extinção.

Então o PSD se consolida como a nova oposição conservadora?

O DEM está se tornando um pequeno partido, um partido nanico mesmo. O PSD teve um desempenho avassalador [sai das eleições com 493 prefeitos]. Depois do PMDB em primeiro, o PSDB em segundo e o PT em terceiro, já vem o PSD. Ultrapassou PDT, PTB, PSB, que são partidos que têm legenda, que continuam crescendo. Esse é o primeiro dado interessante. O PSD realmente se colocou como alternativa de centro-direita ao DEM.

Mas entre os três principais partidos, a correlação de forças se manteve?

O PMDB perdeu um pouquinho de força [200 prefeituras a menos do que nas eleições passadas]. O PSDB, também [96 a menos]. Não de forma significativa, mas ambos caíram. O PSDB já vem de uma tendência de queda, embora não muito significativa, do número de prefeituras. Já o PT cresceu. Não de uma maneira avassaladora, mas cresceu [fez 67 prefeituras a mais do que em 2008].

O PT se fortaleceu nas pequenas cidades, mas manteve a postura histórica de liderança das grandes?

O PT manteve sua trajetória de se inserir no poder local das pequenas cidades, uma trajetória que já vem de algum tempo, e esse pleito confirmou isso. Agora, em relação às grandes cidades, o resultado ainda depende em muito do segundo turno. E o PT está competindo em muitas delas [22 capitais e cidades com mais de 200 mil habitantes]. Então, é preciso um olhar do segundo turno para se ter uma análise mais clara. É possível que o PT ainda se saia melhor. Mas o PSDB também, porque está competindo, principalmente em capitais [ 16 cidades polos]. Entretanto, mesmo que ele ganhe todas nas quais está competindo não terá o mesmo desempenho que nas eleições passadas.

Então, para os partidos de oposição ao governo federal, o quadro piorou: o PSDB diminuiu um pouquinho e o DEM, bastante?

É, bastante. Pode se dizer isso. Agora o PSD do Kassab foi muito bem sucedido ao capitalizar os votos de centro-direita.

No campo da esquerda, merece destaque o desempenho do PSB, que fez 120 prefeituras a mais do que nas eleições passadas?



Sim, o PSB cresceu muito. Teve um desempenho muito bom.

- Você tinha avaliado, em entrevista anterior, que o julgamento do “mensalão” não afetaria de forma significativa estas eleições, análise esta que se confirmou, não é?

Só para se ter uma ideia, em Osasco (SP), onde o João Paulo Cunha [condenado pelo “mensalão”] teve que retirar sua candidatura, o candidato do PT que o substituiu ganhou com mais de 60% dos votos. O PT tirou o primeiro lugar ou está no segundo turno em todas as cidades do ABC. E isso no interior de São Paulo, onde apontavam que o “mensalão” poderia fazer um estrago maior. Portanto, a alegada influência do “mensalão” não é verdadeira. O PT está muito competitivo, inclusive nestas regiões que seriam teoricamente as mais afetadas.

Agora, uma outra coisa intrigante foi o bom desempenho do PT no curral do contraventor Carlinhos Cachoeira. O PT reelegeu o prefeito de Goiânia, elegeu o prefeito de Anápolis… Isso pode ser influência da CPMI do Cachoeira, da cassação do mandato do ex-senador Demóstenes Torres (ex-DEM)?



O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB) ficou muito combalido com todas essas denúncias. E o governador do Estado tem uma ação importante nas eleições para as prefeituras. O Marconi Perillo tá muito fragilizado, e isso pode ter contado. Então, seria não tanto uma influência direta da CPMI do Cachoeira, mas sim o atar de mãos do governador.

E o ex-presidente Lula, sai fortalecido?



Os comentaristas e cientistas políticos têm que tirar o chapéu para o Lula.

E melhorar as análises também…



Isso, melhorar as análises, porque todo mundo falou que Lula errou ao escolher o Haddad, ao insistir no Haddad, ao lutar pelo Haddad. As pessoas têm que respeitar o faro político dele. De todas as análises políticas, a melhor foi a de Lula. O Lula dá de dez em todos eles.

E os institutos de pesquisas?

O Ibope foi bem, mas o Datafolha teve um comportamento muito estranho.

Leia também:

Reeleito, Chávez agradece mensagens de Lula e Dilma

André Caramante: “Policiais à paisana fotografaram minha família durante passeio”

Paulo Moreira Leite: O vencedor foi o Lula; o PSDB, o grande derrotado

O balanço da eleição para as prefeituras

O balanço da eleição dos vereadores no Brasil

Donato: Foco do segundo turno será nos problemas da cidade

Rui Falcão: “A população mostrou que tem um desejo de mudança”

Em São José dos Campos, Pinheirinho derrota o mensalão

Marcio Pochmann vai ao segundo turno em Campinas

Haddad: “Para nós não foi exatamente uma surpresa”

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



36 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Paulo Moreira Leite: Quem tem medo da mensagem das ruas e das urnas « Viomundo – O que você não vê na mídia

10 de outubro de 2012 às 20h36

[…] Fabiano Guilherme Santos: O faro político de Lula […]

Responder

Rodrigo Mello

09 de outubro de 2012 às 23h08

Realmente ele é bem astuto. Prevendo o que iria acontecer, ele tratou de colocar pessoas novas, como uma forma de não haver ligações com os envolvidos no escândalo. Ele tambem sabe que o povo brasileiro tem memória curta, e os trata com o mesmo desdem que trata as instituições republicanas. Pena que estamos cada vez mais “ignorantes”, acreditando em tudo que ele fala, e deixando de analisar os fatos. É a famosa frase:” a verdade mais verdadeira é aquela que nos convence”. E parece que tem uma parte que está bem convencida; graças a Deus( o da bíblia, e não do PT), o STF não estava.

Responder

Fabio Passos

09 de outubro de 2012 às 21h54

Impressionante esta percepção política privilegiada do Lula.
Primeiro a Presidenta Dilma Rousseff e agora o Fernando Haddad.

E quem sofre muito com esta capacidade do Lula são josé serra e o PiG. rsrs

Responder

Julio Silveira

09 de outubro de 2012 às 21h14

Aqui em Porto Alegre o PT foi um vexame. Mas não é de se estranhar afinal o governador petista é um dos mais incoerentes que tenho visto dentro deste controverso partido. Sinto saudades do tempo do Olivio, um politico raro, integro, jogado para debaixo do tapete pela turma que manda no estado.
No estado o Jairo Jorge, do PT de Canoas, se deu bem. E merece. Afinal é dinamico e tem demonstrado uma seriedade e boa vontade incomuns na prefeitura, procurando melhorar a propria gestão naquele Municipio. Se morasse lá certamente levaria meu voto.

Responder

Pedro - bahia

09 de outubro de 2012 às 20h57

Aqui em Salvador a disputa será acirrada. é difícil fazer uma previsão. Os dois postulantes terminaram praticamente empatados. O PMDB embora aliado de Dilma já ensaia apoio a ACM Neto. Resta saber se os caciques Geddel Vieira Lima e Mário Kertzet tem poder de transferir votos.

Responder

Vicktor

09 de outubro de 2012 às 20h27

Paulinho da Força esculhamba Serra em 2010. Mas nesse segundo turno ele mudou de idéia e apóia o candidato tucano:

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=yey1rYuvLVM

Responder

    arissio

    09 de outubro de 2012 às 22h48

    mais ele paulinho da forca foi vira folha trocha quem acredita nele

Jorge

09 de outubro de 2012 às 19h43

Concordo plenamente com o articulista. O Lula merece respeito. O primeiro estalo foi o José Alencar como vice, o segundo com a morolinha econômica e o terceiro e imbatível foi o Haddad, o Nome do futuro PT, jovem, antenado e com um padrinho invejável.

Um abraço.

Responder

ricardo

09 de outubro de 2012 às 16h37

E como o filho do Wanderley Guilherme dos Santos explica Recife?

Responder

    Pedro - bahia

    09 de outubro de 2012 às 20h54

    Recife foi o grande erro da direção do PT. Classifico como vaidade pessoal do ex-presidente Lula. Muito embora tenha perdido para um candidato de partido aliado.

Antonio Marcos

09 de outubro de 2012 às 16h04

O povo não é bobo, não se deixa mais enganar pela Globo-STF-Tucanas-privatas e outros canalhas que querem dar um golpe no governo PTista

PT – Partido do povão-digo classe trabalhadora e menos favorecida.

Responder

Carlos N Mendes

09 de outubro de 2012 às 14h30

Existe algum mapa do Brasil na internet indicando os munícipios por partido do prefeito? Seria bom para avaliar a polarização política do país.

Responder

LEANDRO

09 de outubro de 2012 às 13h41

O carisma dele tá aqui…esse sim é o faro..

“PMDB e PT, os que mais gastaram nas campanhas para prefeito”

Responder

Gerson Carneiro

09 de outubro de 2012 às 11h31

“Para acabar com os ratos, Haddad 13 Prefeito Gato”

Responder

    Vlad

    09 de outubro de 2012 às 14h31

    Começou o estrago pelo fogo amigo.
    Agnus Agni !!!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Adescurpe…foi erresestíveo!

Vanda Correa Nunes

09 de outubro de 2012 às 11h18

Inteligencia não é previlegio de quem tem diploma não, prova disso é o LULA, dá de 1000 em todos os policicos e só dá mancada qd. escuta palpite de outras pessoas. Se Frei Beto tivesse ficado de boca caldo o JB não estaria no STF. LULA é um abençoado por DEUS, ele vê muito além de seu tempo.

Responder

Darcy Brasil Rodrigues da Silva

09 de outubro de 2012 às 11h00

Parece que depois da pressão do PIG, o STF está a sentir a pressão das urnas.Ou não? Que tirem as suas conclusões os que se dsispuserem a ler a matéria abaixo publicada no 247 e que colo aqui nesse comentário:

BARBOSA SE DIZ ELEITOR DE LULA E DILMA

Ele aponta “avanços inegáveis” na gestão petista e diz que não se arrepende dos seus votos no PT em 1989, 2002 e 2006, mesmo depois do escândalo do mensalão, assim como em 2010.

247 – No auge de sua fama, capa das revistas Época e Veja, e nesta como “o menino pobre que mudou o Brasil”, Joaquim Barbosa, relator da Ação Penal 470, concedeu entrevista à jornalista Monica Bergamo, da Folha de S. Paulo. Confira alguns trechos:
Como virou ministro
“Eu passava temporada na Universidade da Califórnia, Los Angeles. Encontrei Frei Betto casualmente nas férias, no Brasil. Trocamos cartões. Um belo dia, recebo e-mail me convidando para uma conversa com [o então ministro da Justiça] Márcio Thomaz Bastos em Brasília.”
Encontro com Lula
“Vi o Lula pela primeira vez no dia do anúncio da minha posse. Não falei antes, nem por telefone. Nunca, nunca.”
Sobre seus votos em Lula em 1989, 2002 e 2006 (depois do mensalão)
“Vou te confidenciar uma coisa, que o Lula talvez não saiba: devo ter sido um dos primeiros brasileiros a falar no exterior, em Los Angeles, do que viria a ser o governo dele. Havia pânico. Num seminário, desmistifiquei: “Lula é um democrata, de um partido estabelecido. As credenciais democráticas dele são perfeitas”. Eu não me arrependo dos votos, não. As mudanças e avanços no Brasil nos últimos dez anos são inegáveis. Em 2010, votei na Dilma.”
Sobre possível atuação política
“Nunca fiz política. Estudei direito na Universidade de Brasília de 75 a 82, na época do regime militar. Havia movimentos significativos. Mas estive à parte. Sempre entendi que filiação partidária ou a grupos, movimentos, só serve para tirar a sua liberdade de dizer o que pensa.”
Racismo
“A imprensa brasileira é toda ela branca, conservadora. O empresariado, idem. Todas as engrenagens de comando no Brasil estão nas mãos de pessoas brancas e conservadoras. O Brasil ainda não é politicamente correto. Uma pessoa com o mínimo de sensibilidade liga a TV e vê o racismo estampado aí nas novelas.”
Herança do Ministério Público
“O que eu tenho do MP é esse espírito de preocupação com a coisa pública. Mesmo porque não morro de amores por direito penal. Sou especialista em direito público.”
Prazer em condenar?
“É uma decisão muito dura. Mas é também um dever. O problema é que no Brasil não se condena. Estou no tribunal há sete anos, e esta é a segunda vez que temos que condenar. Então esse ato, para mim e para boa parte dos ministros do STF, ainda é muito recente.”
Consequências da Ação Penal 470
“Haverá uma vigilância e uma cobrança maior do Supremo. Este julgamento tem potencial para proporcionar mudanças de cultura, política, jurídica. alguma mudança certamente virá.”
Caso Collor e PC como mequetrefe
“Tinha um ex-presidente fora do jogo completamente. E, além dele, o quê? O PC, que era um mequetrefe.”
Herói?
“Isso aí é consequência da falta de referências positivas no país. Daí a necessidade de se encontrar um herói. Mesmo que seja um anti-herói, como eu.”

Responder

Márcio Oliveira

09 de outubro de 2012 às 10h57

Muito estranho mesmo o comportamento do DataSerra. O Ministério Público tem que ficar de olho.

Responder

Vlad

09 de outubro de 2012 às 10h41

E se as forças do atraso derrotarem o Haddad no segundo turno?
Meu Deus !!! o que diremos lá em casa?? como salvaremos a reputação do Dr. Sabujo?
Já sei: “segundo turno não serve de base para o debate!!”; “estávamos falando sobre faro político no primeiro turno, entendeu ou quer que desenhe?”; “herrar é umano e apenas comprava que Lula é mais umano que seus adversários!”.

Responder

Taiguara

09 de outubro de 2012 às 10h20

E esses “postes” do enigmático Lula? Primeiro a Dilma, agora o Haddad?
É O LUZ PARA TODOS, IDIOTA!

Responder

    Mário SF Alves

    09 de outubro de 2012 às 10h29

    E quem disse que com bom humor não se faz também a boa e imprescindível política?

Gerson Carneiro

09 de outubro de 2012 às 10h16

Nunca me diverti tanto com o desolamento indisfarçável dos analistas do PIG. O ápice foi o Marco Antonio Villa (o do artigo “Adeus, Lula”) no Jornal da Cultura, na noite de segunda-feira, todo descabriado, e ainda sendo ironizado pelo Airton Soares.

Responder

    Willian

    09 de outubro de 2012 às 11h16

    Bem, hoje a tarde também a diversão será garantida.

Bonifa

09 de outubro de 2012 às 09h41

Talvez o cenário político finalmente saia do engessamento em que se colocou a partir da eleição de Collor, com um mundo de indefinições centristas aformes e duas pequenas saliênciaas polarizadas, o PSDB, neoliberal e internacionalista, e o PT, socialdemocrata e nacionalista. O PSD tem tudo para se tornar um partido de centro mais moderno e com foco nas necessárias discussões dos grandes problemas nacionais, tomando o lugar de partidos dispersos que não expressam com clareza qualquer posição sobre tais problemas e, ora se apresentam como ultraliberais, ora como de centro esquerda, dando a impressão de que vicejam apenas sobre interesses pouco mais que pessoais de políticos fisiológicos. O PSDB também dá sinais de que já está saindo discretamente do palco, sendo substituido pelo PSB, para onde migraram os ex tucanos mais abertos a posições antes exclusivas do PT, genuinamente brasileiras e de cuidadosa heterodoxia, embora conservem alguns postulados básicos da gestão liberal tucana. Este fenômeno de transformação do PSDB em PSB já ocorreu em Minas, no Mato Grosso do Sul e no Ceará, onde o PSB já assumiu inteiramente seu papel de nova oposição ao Partido dos Trabalhadores. Em Pernambuco e outros estados, a transformação está em andamento. Neste novo cenário, perde lugar e força a ortoxia neoliberal, condenada a ficar isolada em São Paulo, resistindo talvez não ainda por muito tempo. O novo cenário também ataca e desbasta o poder de elites oligárquicas e patrimonialistas que sobrevivem em sintonia perpétua com o domínio das instituições estatais, um tempo que vai desaparecendo, dando espaço a uma nova classe média mais dinâmica, empreendedora e robusta que exige uma nova concepção de funcionamento das instituições, sobretudo no poder judiciário o qual, como se sabe, é o mais reacionário às mudanças e é a última instituição a mudar dentro de um processo geral de transformação. Esta eleição municipal expõe sinais visíveis de que o país não está parado, o país está se movendo e realizando sua travessia para um novo renascimento político, de forma tão espontânea que muitas das forças políticas atuais não percebem e não se reposicionam, estando condenadas a desaparecimento súbito.

Responder

Willian

09 de outubro de 2012 às 09h32

Estou enganado ou há um esforço de Viomundo (e toda a blogosfera progressista) em mostrar que Lula e Dilma venceram estas eleições? Com certeza o motivo deste esforço não são os tucanos. Acho que o motivo deve ser procurado lá pelas bandas de Recife…

Responder

    Taiguara

    09 de outubro de 2012 às 11h03

    Hilário é o JN tentando nos convencer que o Chaves PERDEU.

    J Fernando

    09 de outubro de 2012 às 11h03

    Kkkk….
    Que tal olhar os números referentes às conquistas das prefeituras.
    Já tem gráficos para todo lado aí, mostrando que PMDB perdeu, PSDB perdeu, PT ganhou, PSD ganhou, DEM, quase sumiu.

    E kkkk novamente! Você, o Rodrigo Leme e toda a torcida do PSDB não cansam de citar Recife…
    Lula tem bom faro político, mas acreditar que ele vai acertar 100% é surreal.

    Willian

    09 de outubro de 2012 às 12h00

    2014 está aí: o inimigo agora é outro.

    Márcio Gaspar

    09 de outubro de 2012 às 14h27

    Willian, busque os números. O site do TSE é aberto a quem quer pesquisar. Se voce nao tiver paciencia, entao entre nos site do G1 é busque o Jornal da Globo de ontem(08/10), dizendo que a maior votação em números absolutos foi do PT, anunciaram com 1 milhao a menos, mas depois a Pelágio deu um errata, corrigindo os números. Tem que buscar os números, mas sem ranço. Abraço.

    Vinicius

    09 de outubro de 2012 às 21h43

    Talvez ele não saiba, procure desenhar.

Jairo Beraldo

09 de outubro de 2012 às 09h06

“E comenta, ainda, a vitória do PT em dois dos principais redutos da quadrilha do contraventor Carlinhos Cachoeira: Goiânia e Anápolis.”

Não concordo com esta analise sobre dizer que fora o efeito Cachoeira que deu a vitória aos petistas em Goiania e Anapolis. Com ou sem Cachoeira, Gomide teria a mesma votação que teve, pois fez um governo grandiosamente espetacular em Anápolis. E Garcia em Goiania, prescedeu um grande cacique e tocador de obras, que será o próximo governador de Goiás(aí sim, o efeito Cachoeira fará efeito),Iris Rezende, pois continuou no mesmo ritmo de tocador de obras (mesmo a quadrilha cachoeira/tucana terem embargado obras de grande porte como o Parque Mutirama e a Trincheira do Parque Botafogo na Av. Araguaia).

Responder

Rodrigo Leme

09 de outubro de 2012 às 08h16

E o faro do Lula no Recife, foi bem também?

Todo mundo sabe que o PT sai de 30% em SP, não conseguir isso é vergonha. Nem que o candidato fosse JPCunha o PT perderia esses 30%.

Responder

    Jairo Beraldo

    09 de outubro de 2012 às 10h19

    Menos, Leme, menos…Eduardo Campos é um grande líder e quem fez besteira foi o grande senador Humberto Costa se candidatar sem coligar com o PSB. Lá não serve de base para debater sobre a pauta!

FrancoAtirador

09 de outubro de 2012 às 08h09

.
.
CM: Você tinha avaliado, em entrevista anterior, que o julgamento do “mensalão” não afetaria de forma significativa estas eleições, análise esta que se confirmou, não é?

FGS: Só para se ter uma ideia, em Osasco (SP), onde o João Paulo Cunha [condenado pelo “mensalão”] teve que retirar sua candidatura, o candidato do PT que o substituiu ganhou com mais de 60% dos votos.
O PT tirou o primeiro lugar ou está no segundo turno em todas as cidades do ABC.
E isso no interior de São Paulo, onde apontavam que o “mensalão” poderia fazer um estrago maior.
Portanto, a alegada influência do “mensalão” não é verdadeira.
O PT está muito competitivo, inclusive nestas regiões que seriam teoricamente as mais afetadas.
.
.

Responder

    Rodrigo Leme

    09 de outubro de 2012 às 11h57

    Esse trecho mostra o quanto o professor Fabiano precisa estudar(vou assumir que não há má fé na desinformação) antes de falar:

    O candidato mais votado em Osasco é Celso Giglio, do PSDB. Sua candidatura foi vetada pela Ficha Limpa e seus 150 mil votos anulados em conseqüência.

    Acho certíssimo que continue cassado e que seus votos sejam anulados, mas é uma enorme besteira usar a eleição do PT na cidade pra jogar um “o Mensalão não surtiu efeito”, visto que até um ficha suja teve mais votos que o candidato do PT, que é só vice de um ficha suja.

    Insisto na tese de que nao, o Mensalão não surte efeito político, pq não existe alternativa “honesta”. Se muito, o que falhou foi a tentativa da oposição de se colocar como alternativa ética, visto que (1) não é e (2) a imagem que as pessoas tem da classe política é que são todos iguais.

    Vander Almeida

    09 de outubro de 2012 às 15h27

    Caros,

    Moro em osasco o candidato do Pt, foi feito em 30 dias e teve 138 mil votos, o seu oponente Giglio voce diz 150 mil, e o cara esta a mais de 20 anos na politica, portanto se ainda tiver segundo turno coisa que eu não acho o Novato ganha sossegado, pois todos se isolaram do Giglio pois o mesmo deixou a Prefeitura em uma situação de dar dó.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.