VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

Lei paulista que autoriza venda de 25% dos leitos do SUS a planos de saúde será julgada na próxima terça


10/05/2012 - 13h56

por Conceição Lemes

Importante batalha para o futuro do Sistema Único de Saúde (SUS) vai ser decidida na próxima terça-feira, 15 de maio, no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

Os desembargadores José Luiz Germano, Cláudio Augusto Pedrassi e Vera Angrisani, da Segunda Câmara de Direito Público do TJ-SP, julgarão  o recurso do governo paulista contra a decisão do juiz Marcos de Lima Porta, da 5ª Vara da Fazenda Pública, que derrubou a lei nº 1.131/2010.

A Lei da Dupla Porta, como é conhecida, permite aos hospitais públicos geridos por Organizações Sociais de Saúde (OSs) vender 25% dos seus leitos e outros serviços a planos privados de saúde e particulares.

“A lei 1.131/2010 lesa o direito do cidadão à saúde. É a terceirização-privatização da saúde em São Paulo”, denuncia o médico pediatra e de Saúde Pública Gilson Carvalho, que convoca entidades de saúde e  sociedade civil. “Ajamos já contra a usurpação de 25% dos serviços dos SUS para servir às organizações sociais.”

“Esperamos que os desembargadores decidam pela defesa da população usuária do SUS e não permitam a destinação de leitos do SUS a particulares e usuários de planos de saúde”, defende o médico Renato Azevedo Júnior, presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp). “Os contratos entre operadoras de planos de saúde e OSs que administram hospitais estaduais poderiam, com respaldo da ‘lei da dupla porta’, privilegiar a assistência aos pacientes de convênios e particulares, em detrimento dos usuários do sistema público.”

“A lei 1.131/2010 é injusta, inconstitucional, vai contra a ética médica e está errada do ponto de vista ético-social”, acrescenta Azevedo. “Fatalmente ela levará à dupla fila; será uma forma dos pacientes particulares  e de planos de saúde furar a fila no SUS.

Pela “porta 1”, entram os usuários do SUS. Pela “porta 2”, apenas os conveniados e particulares.  O argumento dos defensores da dupla-porta é que o pagamento dos serviços ajudaria a pagar a conta dos doentes do SUS.

A questão é que, nas mesmas instituições públicas, pacientes SUS têm diagnóstico e tratamento mais tardios do que conveniados ou particulares para males idênticos. E aí está x do problema, até porque esses hospitais foram construídos com recursos do SUS.

“A lei A lei 1.131/2010 é uma política Robin Hood às avessas, tira dos mais pobres para dar às empresas privadas de saúde e aos mais abastados”, denuncia o médico Arthur Chioro, presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo (Cosems-SP) e secretário de Saúde de São Bernardo do Campo, no Grande ABC. “Reduz em até 25% a capacidade dos hospitais públicos que hoje já é insuficiente para atender aos usuários do SUS. É uma afronta às constituições estadual e federal. É uma lei anti-SUS [Sistema Único de Saúde]. Os planos de saúde vão economizar e paulistas pagarão a conta.”

A Lei da Dupla Porta é o maior ataque desferido contra o SUS desde o PAS [Plano de Atendimento à Saúde], do Maluf, que, da mesma forma, entregou os serviços públicos ao setor privado.

SERRA, GOLDMAN E ALCKMIN CONTRA O CLAMOR DA SOCIEDADE CIVIL

Teoricamente as OSs são entidades filantrópicas. Só que, na prática, funcionam como empresas privadas, pois o contrato é por prestação de serviços.

A lei de OSs, de 1998, estabelecia que apenas os novos hospitais públicos do estado de São Paulo poderiam passar para a administração das OS.  Porém, uma lei de 2009, do então governador José Serra (PSDB), derrubou essa ressalva. Ela permite transferir às  OSs o gerenciamento de todos os hospitais públicos do estado.

Em 2010, a lei 1.131 do então governador Alberto Goldman (PSDB), aprovada pela Assembleia Legislativa paulista autorizou os hospitais gerenciados por OSs a vender  25% dos seus leitos dos SUS privados de saúde e particulares. Em julho de 2011, ela foi regulamentada pelo atual governador Geraldo Alckmin (PSDB) e passou a valer.

Só que, em agosto de 2011, atendendo à representação de mais de 50 entidades da sociedade civil, o Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE-SP), por meio dos promotores de Justiça Arthur Pinto Filho e Luiz Roberto Cicogna  Faggioni, da Promotoria de Justiça dos Direitos Humanos – Área de Saúde Pública,  deram entrada na Justiça de ação civil pública contra a Lei da Dupla Porta, com pedido liminar.

O juiz Lima Porta acatou a representação do MPE-SP e concedeu a liminar, proibindo a venda de 25% dos serviços do SUS a planos privados de saúde. A Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo recorreu da decisão, mas o desembargador José Luiz Germano negou o agravo. Alguns trechos da decisão histórica, que na próxima terça-feira será julgada.

 “A saúde é um dever do Estado, que pode ser exercida por particulares. Esse serviço público é universal, o que significa que o Estado não pode distinguir entre pessoas com plano de saúde e pessoas sem plano de saúde. No máximo, o que pode e deve ser feito é a cobrança contra o plano de saúde. Para que isso ocorra já existem leis permissivas…”

“A institucionalização do atendimento aos clientes dos planos particulares, com reserva máxima de 25% das vagas, nos serviços públicos ou sustentados com os recursos públicos, cria uma anomalia que é a incompatibilização e o conflito entre o público e o privado, com as evidentes dificuldades de controle”.

“O Estado pretende que as organizações sociais, em determinados casos, possam agir como se fossem hospitais particulares, mesmo sabendo-se que algumas delas operam em prédios públicos, com servidores públicos e recursos públicos para o seu custeio! Tudo isso para justificar a meritória iniciativa de cobrar dos planos de saúde pelos serviços públicos prestados aos seus clientes? Porém, é difícil entender o que seria público e o que seria privado em tal cenário. E essa confusão, do público e do privado, numa área em que os gastos chegam aos bilhões, é especialmente perigosa, valendo apena lembrar que as organizações sociais não se submetem à obrigatoriedade das licitações nas suas aquisições”.

“O paciente dos planos de saúde tem a sua rede credenciada, que não lhe cobra porque isso já está embutido nas mensalidades. Se ele precisar da rede pública, poderá utilizá-la sem qualquer pagamento, mas sem privilégios em relação a quem não tem plano. A criação de reserva de vagas, no serviço público, para os pacientes de planos de saúde, aparentemente, só serviria para dar aos clientes dos planos a única coisa que eles não têm nos serviços públicos de saúde: distinção, privilégio, prioridade, facilidade, conforto adicional, mordomias ou outras coisas do gênero”.

Em tempo 1.  Entre as entidades que estão contra a Lei da Dupla Porta, figuram: Conselho Nacional de Saúde (CNS), Conselho dos Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo (Cosems-SP), Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco), Associação Paulista de Saúde Pública (APSP), Centro Brasileiro de Estudos da Saúde (Cebes), Conselho Regional de Serviço Social de São Paulo –  Cress SP, 9ª Região, Fórum das ONG Aids do Estado de São Paulo, Grupo de Incentivo à Vida (GIV),  Grupo Pela Vidda-SP, Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Associação Nacional dos Médicos Residentes  (Instituto de Direito Sanitário Aplicado (Idisa), Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (MORHAN) e Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp).

 Em tempo 2. Se os usuários de planos de saúde acham que o problema não lhes diz respeito, pois acreditam que serão atendidos nesses hospitais de excelência e alta complexidade, sinto desapontá-los.

Primeiro, nem todos os planos serão aceitos. A tendência é os contratos serem fechados com os planos melhores; os demais, ficarão a ver navios, como já acontece nos hospitais públicos de ensino que atendem convênios e particulares.

Segundo, hoje, vocês têm condições de arcar com os custos de um bom plano. Mas quem garante que amanhã continuará a ter?  Todos nós estamos sujeitos às trombadas da vida, portanto pensar solidariamente hoje nos que precisam, pode beneficiar vocês, mesmos, no futuro.

Leia também:

Secretaria reconhece que lei cria vagas para planos privados em hospitais públicos

Cremesp condena os fura-fila no SUS

Hospitais públicos gerenciados por OSs têm rombo de R$ 147,18 milhões

Conselho Nacional de Saúde diz não à lei da dupla porta nos hospitais públicos de São Paulo



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Conselho Nacional de Saúde pede a TJ-SP que decrete ilegal a Lei da Dupla Porta « Viomundo – O que você não vê na mídia

12 de maio de 2012 às 16h31

[…] Lei paulista que autoriza venda de 25% dos leitos do SUS a planos de saúde será julgada na próxim… […]

Responder

H. Back™

11 de maio de 2012 às 16h28

Isso poderia ser também chamado de seleção natural forçada. Em um futuro próximo, só existirão pessoas com plena saúde. Os doentes têm a tendência de desaparecerem.

Responder

Eliseu Pinto Teixeira

11 de maio de 2012 às 15h55

Paulo Chacon.
Os americanos querem ser os donos do mundo.
Os paulistas/paulistanos de serem os donos do Brasil

Responder

Eliseu Pinto Teixeira

11 de maio de 2012 às 15h40

Conceição Lemes, li todo seu trabalho. Preparei mentalmente meu comentá-
rio. Li todos comentários feitos, e, bem feitos. E…quando cheguei ao fim, vi que os qe me antecederam já haviam escrito tudo que eu pretendia dizer.
Só me resta uma reflexão. O preconceito que uns paulistas/paulista-
têm em relação a nós Nordestinos…que somos “burros”
Só me resta pedir a Paulo Chacon que me deixe assinar em baixo do comentário dele. Eliseu Pinto Teixeira

Responder

H. Back™

11 de maio de 2012 às 15h31

Devemos encarar o estado de São Paulo como um tubo de ensaio do neoliberalismo brasileiro. O que ocorre lá, a tendência é se propagar para todo o país. Então o brasileiro deve se preparar prá coisas piores do que essas da venda dos hospitais públicos prá iniciativa privada.

Responder

Mariac

11 de maio de 2012 às 13h08

Sabe qual a revista onde os paulistanos adquirem instrução? Veja, KKKKKKK

Responder

Sergio Santos

11 de maio de 2012 às 11h10

ABSURDO! Como pode uma lei dessas ser aprovada? Só poderia ser mesmo em são paulo, um ninho tucano. O SUS é um programa federal e nenhum magistrado pode considerar constitucional uma lei facista como essa. O povo vai pagar a conta e nunca mais será atendido num hospital público (a menos que seja via plano de saúde). ATENÇÃO SOCIEDADE BRASILEIRA. E a OAB vai ficar calada?

Responder

Rose SP

10 de maio de 2012 às 21h11

Isso é mais uma mostra do tipo de administração tucana,incompetência e total descompromisso com o social. E aí paulistanos? Vão continuar votando nessa gente? Êta estado sem senso!

Responder

Fabio Passos

10 de maio de 2012 às 19h43

E a privataria neoliberal avança em SP sob o desgoverno tucano…
Saúde como um privilégio para quem pode pagar.
Uma mercadoria e não como direito igual para todos os seres humanos.

Responder

Antonio

10 de maio de 2012 às 19h09

A próxima batalha da Dilma é acabar com a corja do PSDB que domina a Saúde no Brasil. Os bandidos se instalaram na Agência Nacional de Saúde e estão fazendo da vida dos doentes brasileiros um inferno, que muitas das vezes vira caixão de defunto, tanto os doentes do SUS quanto os dos convênios médicos – os convênios são estelionatos cheios de mumunha. Espero que Dilma consiga sanear o País dessa quadrilha nojenta e asquerosa.

Responder

Antonio

10 de maio de 2012 às 19h02

Desses lesa-pátria a gente pode esperar coisa muito pior. Isso é fichinha perto do que eles são capazes de fazer. Agora, quem tá na roda é a Justiça de São Paulo. Vamos ver se ela está dominada por essa corja petulante e bandida.

Responder

Gil Rocha

10 de maio de 2012 às 16h31

A saúde pública no Brasil é
uma vergonha.
Sai governo entra governo e a
novela é a mesma.
E essa lei é uma vergonha.
Não existem hospitais particulares?

Responder

Paulo Chacon

10 de maio de 2012 às 16h24

E o geraldinho”opusdei”alckmin é médico. Que vergonha! Este é o tipo de gentinha que o povo de SP elege para governar(?) o estado. O paulista/paulistano adora votar em bandido e em quem vai por a corda no pescoço dele. Adora votar em ademar de barros,janio, serra, maluf, pitta, covas, alckmin, kassab, ou seja, só lixo.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!