VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Leandro Fortes: Os protetores do antijornalismo


19/08/2012 - 08h29

 por Leandro Fortes, em CartaCapital

Na terça-feira 14, de posse de uma análise preparada por técnicos da CPI do Cachoeira a partir de interceptações telefônicas e documentos da Polícia Federal, o deputado Dr. Rosinha (PT-PR) estava pronto para um embate e tanto: requerer a convocação do jornalista Policarpo Jr., diretor da revista Veja em Brasília. Seria a segunda tentativa da CPI de ouvir Policarpo, mas o PT decidiu retirar o assunto de pauta, por enquanto, até conseguir convencer o PMDB a participar da empreitada. Antes, o senador Fernando Collor (PTB-AL) havia tentado sem sucesso convocar o jornalista.

O documento de mais de cem páginas elaborado por técnicos da CPI, publicado em seus principais detalhes na edição passada de CartaCapital, prova de diversas maneiras a ligação de Policarpo Jr. com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, a quem o diretor da semanal da Editora Abril chegou a solicitar um grampo ilegal contra o deputado Jovair Arantes (PTB-GO).

Na segunda-feira 13, um dia antes da data prevista para Dr. Rosinha se manifestar, uma tensa reunião ocorrida na casa do deputado Jilmar Tatto (SP), líder do PT na Câmara, tornou possível dimensionar a força do lobby da Abril sobre a bancada de quatro deputados do PMDB na comissão. O grupo atendia aos apelos do vice-presidente da República, Michel Temer, presidente do partido, e do deputado Henrique Eduardo Alves, líder da sigla na Câmara.

Constrangidos, incapazes de articular uma desculpa coerente, os peemedebistas da CPI continuam a negar apoio ao PT na empreitada. Na reunião, voltaram a se prender à falsa tese dos riscos da convocação à “liberdade de imprensa” no País. Eram eles os deputados Luiz Pitiman (DF) e Iris de Araújo (GO) e os senadores Sérgio de Souza (PR) e Ricardo Ferraço (ES).

Não há, obviamente, nenhuma relação entre um jornalista depor em uma CPI e um suposto atentado à liberdade de imprensa. No caso de Policarpo Jr., o argumento soa ainda mais esdrúxulo, uma vez que o jornalista já depôs na Comissão de Ética da Câmara, em 22 de fevereiro de 2005, no processo de cassação do ex-deputado André Luiz (PMDB-RJ).

Policarpo lá esteve, como voluntário, para defender ninguém menos que Cachoeira, a quem André Luiz pretensamente queria subornar para evitar a inclusão do nome do bicheiro no relatório final de outra CPI, a da Loterj (estatal fluminense de loterias), na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Na casa de Tatto, a defesa da liberdade de imprensa foi o bastião dos peemedebistas. Do lado do PT, além do anfitrião e de Dr. Rosinha, estavam os deputados Odair Cunha (MG), relator da comissão, e Emiliano José (BA) e o senador José Pimentel (CE). Por mais de uma hora, os petistas revezaram-se na argumentação baseada tanto no documento preparado pelos técnicos da comissão quanto na reportagem de CartaCapital. Pouco adiantou. O PMDB não tinha ido negociar, apenas reforçar a orientação de Temer e Alves.

Sem o PMDB, o PT jamais conseguirá convocar Policarpo Jr. ou qualquer outro figurão da mídia nacional, embora se trate de um partido da base governista e tenha o vice-presidente nos quadros do governo Dilma Rousseff. A posição de Temer sobre o assunto é mais do que conhecida, embora as razões ainda sejam obscuras. Há três meses, ele se reuniu separadamente em jantares no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice em Brasília, com Fábio Barbosa, presidente da Editora Abril e braço direito do dono da empresa, Roberto Civita, e com João Roberto Marinho, vice-presidente das Organizações Globo. A ambos prometeu que o PMDB iria barrar a convocação de jornalistas.

No caso de Alves, há uma razão empresarial e outra política para o parlamentar potiguar se curvar aos interesses do baronato da mídia. A família Alves é dona do Grupo Cabugi, que detém os direitos de retransmissão da TV Globo no Rio Grande do Norte. Além disso, Alves pretende ser o próximo presidente da Câmara, o que dificilmente conseguirá, se virar alvo de uma campanha na mídia, Veja à frente.

Causa estranheza, contudo, o grau de submissão dos integrantes do PMDB na CPI do Cachoeira aos interesses pessoais dos caciques do partido. Embora tenham cautela de não se pronunciar em público a respeito, é certo que a maioria é a favor da convocação de Policarpo Jr. A tese do atentado à liberdade de imprensa, de tão risível, nem sequer é considerada seriamente pelo grupo, que só tem coragem de sustentá-la em reuniões fechadas, ainda assim com a ressalva de seguirem a orientação do partido.

A oposição – DEM, PSDB e PPS – trabalha em absoluta sintonia com os interesses da Editora Abril, e mesmo entre os governistas o assunto é tabu. A principal voz a se levantar contra a ida de Policarpo à CPI, aliás, vem da base.

Em tom alarmista, o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) tem alertado a quem quiser ouvir do perigo de o Brasil se transformar em um Estado policial caso o diretor da revista seja obrigado a explicar por que recebia encomendas e fazia pedidos ao bicheiro. “A intimidação, a coação, poderá ir ao plano estadual, ao plano municipal”, desesperou-se o deputado.

Teixeira equivoca-se. Como se pode comprovar na investigação no Reino Unido das malfeitorias cometidas por jornalistas do grupo de comunicação do magnata Rupert Murdoch, o que realmente ameaça a liberdade de imprensa e a democracia é a união entre jornalismo e bandidagem.

Irritado, o líder do PT argumentou que a ida de Policarpo Jr. à CPI em nada ameaçava a mídia livre. “Trata-se de convocar um senhor que começa a envergonhar a categoria dos jornalistas”, disse Tatto. Frustrado por nem poder colocar em pauta a convocação do jornalista, Dr. Rosinha desabafou: “Criou-se uma casta de intocáveis na CPI. Podemos convocar deputados e governadores, mas não jornalistas envolvidos com o crime organizado”.

Sobre o assunto, a velha mídia tratou em notinhas esparsas. Andou mais preocupada com os humores do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, cujo nome apareceu na lista do mensalão tucano, em Minas Gerais, como beneficiário de 150 mil reais. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Mendes pediu à Procuradoria-Geral da República para abrir inquérito contra CartaCapital, autora da denúncia.

O ministro não nega ter recebido o dinheiro, mas o fato de que, na época, em 1998, fosse advogado-geral da União. Na lista, a referência a Mendes aparece ao lado da sigla AGU, provavelmente por ele trabalhar na Subchefia de Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência, órgão ligado à Advocacia-Geral. Não se sabe por que o ministro decidiu usar o Ministério Público para lhe advogar de graça, numa causa privada.

Leia também:

Mino Carta: Que diriam Brizola e Ulisses de como ficaram seus partidos?

Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira

CPI não vota convocação de jornalista da Veja

Collor acusa Gurgel de chantagear Demóstenes

Altamiro Borges: “Mensalão” tucano e silêncio da mídia

 





50 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

E o ódio precisa de provas para condenar? (IV) « Livre pensar é só pensar!

30 de agosto de 2012 às 19h05

[…] Leandro Fortes: Os protetores do antijornalismo […]

Responder

Horário eleitoral começa com Russomano à frente de Serra em São Paulo « Viomundo – O que você não vê na mídia

21 de agosto de 2012 às 09h44

[…] Leandro Fortes: Os protetores do antijornalismo […]

Responder

Fabio Passos

20 de agosto de 2012 às 13h43

miro teixeira não é deputado do RJ… é deputado da rede globo.
Está no bolso de joão roberto marinho, que foi pessoalmente a Brasilia ameaçar e chantagear congressistas para bloquear as investigações da CPI.

O envolvimento de rupert civita e policrápula jr da veja com carlinhos cachoeira é um fato.
Proteger o crime organizado é o que estão a fazer os deputados que blindaram o PiG.

Responder

Mardones Ferreira

20 de agosto de 2012 às 11h37

É esse o efeito da democracia de coalizão. Juntam-se num mesmo governo defensores de bandidos e bandidos sem os quais o governo – que não se une por projeto e sim por poder – não move uma palha.

Para que adversários se o PT conta com um aliado como o PMDB do Temer?

Responder

Bonifa

20 de agosto de 2012 às 09h19

A última porca do pneu furado é sempre a que dá mais trabalho para sair. Mas vai sair, o importante é que o macaco esteja bem firme em seu lugar.

Responder

xacal

20 de agosto de 2012 às 08h53

É sempre muito difícil as “análises e opiniões” quando estamos “embutidos” na luta política. Lógico que ninguém sonha em exigir imparcialidade, mas o outro extremo acaba por engessar a possibilidade de entendermos nossa jovem democracia.

Eu fico assustado com os adjetivos dados ao PMDB e ao Miro(não que eles não os mereçam), sabendo que são estes grupos ou indivíduos que, no caso do PMDB, dão a estrutura na coalizão governista. Miro, senão me engano, foi ministro das Comunicações, inclusive.

É preciso que se diga: Empresas (incluídas as de mídia) “elegem” parlamentares, sindicatos “elegem” parlamentares, grupos da sociedade civil, idem, e todos esperam a contrapartida quando a “corda aperta”…

O Congresso (E o Estado) no fim das contas é isto: Uma federação de interesses que conflitam, convergem, se sobrepõem e prevalecem uns sobre os outros, sendo certo que no fim, em nome desse troço volátil chamado Estado de Direito, os perdedores legitimam a vontade majoritária.

Nosso problema é que cremos sermos capazes de impor soluções em uma correlação de forças que ainda não nos é favorável.

A questão da mídia corporativa não passa pela “birra” de um jagunço de redação qualquer em sentar no banco de uma CPMI. Como alguém já disse (e muito bem lembrado), basta ele ficar em silêncio.

O nó górdio da mídia é o enfrentamento onde é necessário: Dinheiro e legislação. Embate político, feito através da sociedade, partidos e governos.

Não há dúvidas que “simbolicamente” (ou pedagogicamente) a presença de um jagunço graduado de redação se curvando a um poder que ele tentou conspurcar seria de grande valia, mas não tomemos o meio como fim em si mesmo.

Eu me preocupo muito mais com o fato do governo “torrar” bilhões das estatais nas páginas da “óia”.

Me preocupa ainda mais o fato de que o Ministro das Comunicações tenha que sair de um consenso entre estas forças conservadoras e o governo.

Quantos blogueiros ou militantes/ativistas das mídias sociais foram chamados para discutir a indicação do Ministro das Comunicações?

Quantos parlamentares a mídia chamada alternativa vai eleger nas próximas eleições e com que plataforma?

Responder

Sérgio Vianna

19 de agosto de 2012 às 23h54

A convocação de Policarpo pode dar em nada, caso ele obtenha no Supremo o direito de ficar calado.

O Habeas-Corpus, convenhamos, não é tão difícil assim, pois é parte da Constituição Federal a garantia do cidadão em não se incriminar. Logo, ficar calado, é a única ação que o Policarpo vai se dedicar a cumprir caso venha a ser convocado. Se for convocado, o que está cada vez mais difícil.

Neste caso, os membros da CPMI precisam encontrar outras ferramentas para a ação de levantamento de informações e de indícios que leve algum dos acusados a ser processado na Justiça. O que também não garante a condenação de ninguém, ser processado com base em levantamentos de comissão parlamentar de inquérito.

Mas será ingenuidade imaginar que a simples convocação de Policarpo possa revelar alguma coisa a mais do que já se conhece.

Responder

    Bonifa

    20 de agosto de 2012 às 09h27

    O valor do fato será totalmente simbólico, e terá uma importancia tremenda, porque quem estará ali, humilhado, assustado, a invocar continuamente seus direitos de ficar calado, não será apenas o infeliz Policarpo, mas sim, toda a monstruosa imprensa corporativa do país.

    xacal

    20 de agosto de 2012 às 10h26

    Bonifa,

    O problema na “simbologia” é que ela é sempre uma faca de dois gumes…Eu gostaria de que a maioria da população enxergasse o mundo pelas nossas lentes.

    Mas dada a precariedade de ferramentas com as quais esta maioria filtra a realidade (informação) é sempre perigoso que a mídia corporativa acabe por insuflar a tese que lhe é cara: Mártires da liberdade de imprensa, e em último caso, da liberdade de expressão.

    Há outros eventos muito mais graves por trás desta CPMI do que ensinar bons modos aos murdochs tupiniquins, e não creio que haja coragem suficiente para detoná-los, seguindo nossa tradição “cordial”.

    Onde está o Fernando Cavendish?

Antônio Mello: Jornalismo Mãe Dinah para pressionar o STF « Viomundo – O que você não vê na mídia

19 de agosto de 2012 às 22h32

[…] Leandro Fortes: Os protetores do antijornalismo […]

Responder

Marat

19 de agosto de 2012 às 19h57

Os argumento$$$ da impre$$$a $$ão muito forte$$$. Dizem que todo homem tem seu pre$$$o. $$$eerá que Miro tem $$$eu pre$$$o? Acho que não. Ele é integro!

Responder

enio

19 de agosto de 2012 às 19h54

O que teme Temer? Está nas mãos de Cachoeira e portanto da Veja? Existem gravações que o comprometam? A cada nova negativa do PMDB na CPI a desconfiança em relação ao vice-presidente aumenta e muito.

Responder

Fabio Passos

19 de agosto de 2012 às 19h26

É preciso fazer pressão sobre os sujeitos que estão tentando barrar as investigações.
rupert civita e policrápula jr tornaram a veja o braço midiático da quadrilha de carlinhos cachoeira… na rede todo mundo já está sabendo.

deputados como miro teixeira podem estar recebendo propina para defender o crime organizado… e contando com a blindagem do PiG para evitar que a população perceba.

Responder

ricardo

19 de agosto de 2012 às 17h56

será coincidência que a veja tenha apenas capas amenas de uma 3 edições pra cá ?

deve estar rolando muita negociação no sentido de proteger a veja em troca de algo. me pergunto : em troca do quê ?

Ricardo.

Responder

Cesar

19 de agosto de 2012 às 17h32

Em outras palavras: a partir de sua base parlamentar, o governo Dilma NÃO vai enfrentar o poder da mídia conservadora. Muito pelo contrário, vai porteger este poder. Não existe P.I.G. Dilma faz uso da mídia conservadora quando quer e da forma que lhe for mais conveniente.

Responder

    Julio Silveira

    19 de agosto de 2012 às 18h24

    Cheguei a mesma conclusão. Existe um conluio de interesses particulares, que desaguam em troca de favores publicos.

Antônio

19 de agosto de 2012 às 17h07

A DESPEITO DA FALTA DE VERGONHA DO PIG

Comentário postado por Pedro Onilo Gambarra no Conversa Afiada de PHA. O comentário é de uma escritora holandesa que não tem complexo de vira lata no que diz respeito ao Brasil. Segue:

O Brasil que os idiotas não ver

Sábado, 18 de agosto de 2012
Escorraçando os Viralatas (complexo)

~Escritora holandesa, falando sobre o Brasil. Texto bárbaro!

“Os brasileiros acham que o mundo todo presta, menos o Brasil, realmente parece que é um vício falar mal do Brasil. Todo lugar tem seus pontos positivos e negativos, mas no exterior eles maximizam os positivos, enquanto no Brasil se maximizam os negativos. Aqui na Holanda, os resultados das eleições demoram horrores porque não há nada automatizado. Só existe uma companhia telefônica e pasmem: Se você ligar reclamando do serviço, corre o risco de ter seu telefone temporariamente desconectado.

Nos Estados Unidos e na Europa, ninguém tem o hábito de enrolar o sanduíche em um guardanapo – ou de lavar as mãos antes de comer. Nas padarias, feiras e açougues europeus, os atendentes recebem o dinheiro e com mesma mão suja entregam o pão ou a carne.

Em Londres, existe um lugar famosíssimo que vende batatas fritas enroladas em folhas de jornal – e tem fila na porta.

Na Europa, não-fumante é minoria. Se pedir mesa de não-fumante, o garçom ri na sua cara, porque não existe. Fumam até em elevador.

Em Paris, os garçons são conhecidos por seu mau humor e grosseria e qualquer garçom de botequim no Brasil podia ir pra lá dar aulas de ‘Como conquistar o Cliente’.

Você sabe como as grandes potências fazem para destruir um povo? Impõem suas crenças e cultura. Se você parar para observar, em todo filme dos EUA a bandeira nacional aparece, e geralmente na hora em que estamos emotivos.

Vocês têm uma língua que, apesar de não se parecer quase nada com a língua portuguesa, é chamada de língua portuguesa, enquanto que as empresas de software a chamam de português brasileiro, porque não conseguem se comunicar com os seus usuários brasileiros através da língua Portuguesa. Os brasileiros são vitimas de vários crimes contra a pátria, crenças, cultura, língua, etc. Os brasileiros mais esclarecidos sabem que temos muitas razões para resgatar suas raízes culturais.

Os dados são da Antropos Consulting:
1. O Brasil é o país que tem tido maior sucesso no combate à AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis, e vem sendo exemplo mundial.
2. O Brasil é o único país do hemisfério sul que está participando do Projeto Genoma.
3. Numa pesquisa envolvendo 50 cidades de diversos países, a cidade do Rio de Janeiro foi considerada a mais solidária.
4. Nas eleições de 2000, o sistema do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) estava informatizado em todas as regiões do Brasil, com resultados em menos de 24 horas depois do início das apurações. O modelo chamou a atenção de uma das maiores potências mundiais: os Estados Unidos, onde a apuração dos votos teve que ser refeita várias vezes, atrasando o resultado e colocando em xeque a credibilidade do processo.
5. Mesmo sendo um país em desenvolvimento, os internautas brasileiros representam uma fatia de 40% do mercado na América Latina.
6. No Brasil, há 14 fábricas de veículos instaladas e outras 4 se instalando, enquanto alguns países vizinhos não possuem nenhuma.
7. Das crianças e adolescentes entre 7 a 14 anos, 97,3% estão estudando.
8. O mercado de telefones celulares do Brasil é o segundo do mundo, com 650 mil novas habilitações a cada mês.
9. Telefonia fixa, o país ocupa a quinta posição em número de linhas instaladas..
10. Das empresas brasileiras, 6.890 possuem certificado de qualidade ISO-9000, maior número entre os países em desenvolvimento. No México, são apenas 300 empresas e 265 na Argentina.
11. O Brasil é o segundo maior mercado de jatos e helicópteros executivos.

Por que vocês têm esse vício de só falar mal do Brasil?

1. Por que não se orgulham em dizer que o mercado editorial de livros é maior do que o da Itália, com mais de 50 mil títulos novos a cada ano?
2. Que têm o mais moderno sistema bancário do planeta?
3. Que suas AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE ganham os melhores e maiores prêmios mundiais? :)
4. Por que não falam que são o país mais empreendedor do mundo e que mais de 70% dos brasileiros, pobres e ricos, dedicam considerável parte de seu tempo em trabalhos voluntários?
5. Por que não dizem que são hoje a terceira maior democracia do mundo?
6. Que apesar de todas as mazelas, o Congresso está punindo seus próprios membros, o que raramente ocorre em outros países ditos civilizados?
7. Por que não se lembram que o povo brasileiro é um povo hospitaleiro, que se esforça para falar a língua dos turistas, gesticula e não mede esforços para atendê-los bem? Por que não se orgulham de ser um povo que faz piada da própria desgraça e que enfrenta os desgostos sambando.

É! O Brasil é um país abençoado de fato. Bendito este povo, que possui a magia de unir todas as raças, de todos os credos. Bendito este povo, que sabe entender todos os sotaques. Bendito este povo, que oferece todos os tipos de climas para contentar toda gente. Bendita seja, querida pátria chamada BRASIL!”

Copiado do Blog SENTA A PAU

Antônio, pela apresentação.

Responder

JoãoP

19 de agosto de 2012 às 12h26

Precisamos encontrar uma hashtag adequada para pressionar o PMDB a convocar o Policarpo. Temos de botar pressão em rede.

Responder

Indio Tupi

19 de agosto de 2012 às 12h16

Aqui do Alto Xingu, os índios acham que o caso reflete com perfeição o que uma das personagens de Balzac, um dos maiores romancistas de todos os tempos, afirmou em seu romance clássico de fins do séc. XIX, “Ilusões Perdidas”: “O jornalismo é o lupanar do pensamento”.

Responder

    Darcy Brasil Rodrigues da Silva

    19 de agosto de 2012 às 17h27

    Índio Tupi, por acaso você não viu por aí o Franco Atirador? Se viu, diga ele que não nos tema. Sabemos que o Franco do Paraguai, não é o autêntico, mas sim outro Franco, em nada atirador, um Franco totalmente paraguaio.

    FrancoAtirador

    19 de agosto de 2012 às 19h41

    .
    .
    Meu caro e nobre Darcy Brasil

    por que haveria eu de os “Temer” ?
    .
    .

Luc

19 de agosto de 2012 às 12h15

Mais exemplos de jornalismo estranho:

O Estadão colocou que o trânsito caiu:

“…Nos últimos quatro anos, a média de trânsito na capital às 19h (horário de pico) caiu de 140 km para 111 km. A expansão da Marginal do Tietê e medidas de restrição à circulação de caminhões são apontadas como responsáveis pela redução da lentidão. Dados do Detran de São Paulo mostram que, no mesmo período, a capital ganhou quase 630 mil carros – um aumento de 13,5% de 2008 a 2012…”

E o R7 colocou que o trânsito aumentou:

“…De acordo com a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), o congestionamento em julho deste ano quase dobrou em alguns horários em comparação ao mesmo período do ano passado. Às 15h, a lentidão aumentou 84%, às 16h, subiu 82%. Entre 18h e 20h, no horário de pico, a média de aumento foi de 22%…”

http://noticias.r7.com/eleicoes-2012/noticias/serra-diz-que-transito-em-sao-paulo-nao-piorou-desde-2005/

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,serra-defende-politica-de-transito-e-depois-usa-helicoptero-,917108,0.htm

Responder

Pafúncio Brasileiro

19 de agosto de 2012 às 12h03

Azenha,
Este Miro Teixeira não honra o partido que o abrigou. Este sujeito denigre uma história de Brizola. Como este sujeito ainda está no PDT ? Porque ele não vai para o leque de partidos adequados a ele:PSDB, DEM, PPS e outros ? Chega de vigaristas em cargos políticos !

Responder

    Bonifa

    20 de agosto de 2012 às 09h43

    É difícil compreender o Brizola quando chamou a seu rebanho políticos dessa natureza. Ele tinha a firme convicção de que políticos tradicionais eram mais confiáveis do que esquerdistas de ideologia imatura. O ponto está em que Brizola, por ser um homem cujo pensamento político girava em torno das idéias, via quase todos os outros políticos como patriotas e homens de idéias, embora fossem idéias diferentes das suas, e não como arrivistas, individualistas, carreiristas e oportunistas movidos exclusivamente pela pecúnia. Aquela convicção levou Brizola a grandes decepções posteriores, como no caso do Miro Teixeira.

Gerson Carneiro

19 de agosto de 2012 às 11h57

RT @freire_roberto Esse sr Gerson Carneiro é um agressor contumaz.

Não boto bomba em banca de jornal
E em colégio de criança isso eu não faço não
E não protejo general de dez estrelas
Que fica atrás da mesa com o cu na mão

E é melhor senhor sair da minha casa
Nunca brinque com um Peixes de ascendente Escorpião

Responder

Mancini

19 de agosto de 2012 às 11h49

Azenha, extra-pauta, acabamos de postar o vídeo do discurso de Assange, agorinha em Londres. Muito obrigado. http://refazenda2010.blogspot.com

Responder

Gerson Carneiro

19 de agosto de 2012 às 11h36

O grupelho de políticos a mando do Michel Temer (braço direito do PIG no Governo Dilma Roussef), com a falácia manjada de “liberdade de imprensa” defendem um jornalista, defendem um jornalista sem moral, mas não estão nem aí para o caso Julian Assange.

Responder

lulipe

19 de agosto de 2012 às 11h35

O desejo de controlar a imprensa ainda não acabou por parte do PT.Vira e mexe estão tentanto meios de transformar a imprensa brasileira, quem sabe, levando-a a ficar parecida com a que existe em Cuba ou na China, centralizada e sob domínio do governo.Não conseguirão, o povo brasileiro não permitirá.Queremos ter conhecimento dos escândalos, das falcatruas, dos esquemas…Não adianta querer desabonar jornalistas que mostraram ao país o lado obscuro daqueles que se apresentavam como paladinos da moral e da ética!!!

Responder

    Bonifa

    20 de agosto de 2012 às 09h47

    Obrigado pelos esclarecimentos, Lulipe. Que seria de nós sem sua brilhante inteligência a nos advertir sempre que entramos no caminho errado?

    M. S. Romares

    20 de agosto de 2012 às 13h34

    Bonifa, meu caro, nem perca tempo com esse tipo de gente. Ele aparece por aqui sempre que sai a graninha do patrão pra escrever suas baboseiras. É um daqueles que vê o futuro com a nuca. Passe ao largo.

Zé Eduardo

19 de agosto de 2012 às 11h28

Nós, que ficamos indignados frente a essas alianças que de fato destróem o país e mantém uma cultura onde prevalece a ‘lei de Jefferson’ (de levar vantagem em tudo),temos que descobrir meios de fazer valer nossa cidadania. Sou de outra geração, não tenho habilidades neste território, mas imagino que a Internet e as redes sociais podem ser aliadas: petições públicas; encher as caixas de email dos redatores e colunistas do PIG e dessa cambada de deputados e senadores que só querem tratar de defender seus interesses; articular alguma manifestação pública (mesmo que pequena). Olhem só o Equador/Assange no UK fazendo o enfrentamento aos USA e ao cerceamento da verdadeira liberdade de imprensa. Quem puxa esse cordão?

Responder

Luc

19 de agosto de 2012 às 11h03

com licença pessoal,
Trânsito em São Paulo caótico e ruas públicas se tornando particulares??

http://m.noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2012/08/19/brecha-em-nova-lei-faz-ruas-fechadas-se-multiplicarem.htm

Responder

    Luís

    19 de agosto de 2012 às 16h26

    Tá. E o que isso tem a ver com o texto?

    Aliás, o UOL não é do PIG?

Orivaldo Guimarães de Paula Filho

19 de agosto de 2012 às 10h53

Estes fatos apenas reforçam a minha idéia de que o Brasil precisa urgente de uma revolta contra todos os atores da política nacional, nenhum mais presta. Eu não votei no PT para ele fazer um choque de capitalismo e nem mesmo proteger marginais, sejam eles jornalistas ou nao.

Responder

Bernardino

19 de agosto de 2012 às 10h34

SR LOCATELLI,sabe quando o pt vai reve alianças? quando o sargento Garcia prender o ZORRO.O PT é tao safado quanto os outros partidos,como falou o genial HELIO FERNANDES que disse:”Eu pensei que o PT queria destruir a burguesia,mas eles querem mesmo é uma fazendinha e um dinheirinho”
Isso aqui é terra de Mariquinhas.A propria Ditadura militar,corrupta e covarde,ao imnvés de criar uma TV Nacionao para se defender,prefreriu dar um canal ao sr Marinho e dinheiro para fazer a GLOBO que depois deu uma rasteira neles nas diretas jà,v]bem feito para os gorilas,burros e incompetentes.È o velho DNA cultural Portugues,meu caro!!!

Responder

Rudá

19 de agosto de 2012 às 10h15

Quando o Lula se elegeu o foi dar entrevista no Jornal Passional com cara de Atleta Olímpico deslumbrado eu pensei imediatamente: “Esse não mexe com a Globo”. Dito e feito.
Todo o esquema Globo e Dantas permaneceram intocados durante a gestão PT, alguns Upgrades.
Quando a Dilma foi bater uma omelete na Ana Maria Braga, foi o fim de tudo.
Agora a omelete está na mesa e Jornalistas sérios ficam com cara de bunda me desculpa o termo.

Está na hora de comecar a pensar em alguém de pulso de verdade e um nome não me sai da cabeça.
Ciro Gomes.

Responder

Rudá

19 de agosto de 2012 às 10h07

Estão cobrando do VICE presidente uma posição.
E quem Governa esse País acha o que?
A opinião de uma Predidente da República conta alguma coisa?

Os presidentes só se intrometem quando o assunto realmente interessa e esse não
parece ser o caso desse.

Vida longa a libertinagem de expressão!

Responder

Moacir Moreira

19 de agosto de 2012 às 09h37

Em todas as profissões há os que trabalham direito e os que não trabalham.

Responder

Horridus Bendegó

19 de agosto de 2012 às 09h16

O crime organizado dominou o Brasil.

Responder

Roberto Locatelli

19 de agosto de 2012 às 08h39

Quanto ao PDT, o partido já passou para o outro lado da barricada.

Responder

    Luís

    19 de agosto de 2012 às 11h23

    Sempre esteve do outro lado.

Roberto Locatelli

19 de agosto de 2012 às 08h38

Como a nossa presidente é uma “gerentona” apolítica, não podemos contar com ela para pressionar seu vice. E assim, o crime organizado marcou um ponto.

Está na hora de o PT rever essas alianças, principalmente com o PMDB.

Responder

    Marcelo de Matos

    19 de agosto de 2012 às 10h15

    Com quem você sugere que o PT faça alianças? Tem de ser partidos aqui da Terra, de Marte não vale. O Ciro Gomes, do PSB, declarou que é contrário à convocação de Policarpo. Qual seria a opinião do presidente nacional do partido, Eduardo Campos? Alguém foi conferir? Antes de escrachar o PMDB e o PDT seria melhor conferir as opiniões de todos os parlamentares.

    Julio Silveira

    19 de agosto de 2012 às 12h00

    Prezado Locatelli, acho que você espera demais do PT.
    Como eu gostaria de ainda ter essa esperança, mas chegue a cruel conclusão, aliás cruel para mim, de que este partido, que despejou um mar de esperanças no passado recente, já não existe. E para constatar isso basta olharmos para onde foram parar aqueles militantes que tinham, verdadeiramente, sintonia com as classes menos favorecidas e trabalhadoras. Foram, em sua grande maioria, afastados, escanteados, relegados, por força dos grupos ricos que sem ser parte conseguiram marginalizá-los perante a opinião publica, e até mesmo dentro do partido. E o fizeram em função da escolha do aspecto esclusivamente eleitoral. Esqueceram a cidadania, na medida que deixaram de buscar mudanças dos paradigmas legais, para se ajustarem como “bons” moços ao sistema vigente e ao adotarem discursos e práticas seculares e imperiais.

    lulipe

    19 de agosto de 2012 às 13h09

    Você também acredita em papai-noel???

    Darcy Brasil Rodrigues da Silva

    19 de agosto de 2012 às 15h32

    Caro Locatelli,não queria discordar de você, mas não pude evitar. Seus comentários encerram uma justa e compartilhada revolta. O PDT, como produto que se tornou de um erro político cometido pelo seu fundador, o saudoso patriota brasileiro, Leonel Brizola, que consistiu em franquear as portas de seu partido a indivíduos pouco afinadas com as teses do chamado “trabalhismo” ( na verdade esses indivíduos erma motivados como acontece com grande parte da maioria dos que se decidem por seguir uma “carreira política”, por interesses fisiológicos, pouco se lhes dando os aspectos ideológicos pressupostos pelo programa do partido em que ingressariam) em Estados onde este trabalhismo pouca força possuía. Assim, não podemos afirmar que o PDT se passou para o outro lado.Políticos fisiológicos, como Miro Teixeira, são oportunistas de ocasião, que defendem hoje os interesses da mídia e, amanhã, aparecem bradando contra as tentativas do governo de operar mudanças no sistema previdenciário. Porém, ainda existe ,dentro do PDT, herdeiros do legado de seu fundador. Dente honrada, que jamais concordaria com Miro. Afinal, como verdadeiros brizolistas poderiam ter esquecido da campanha denuncista difamatória movida pelo jornal “O Globo”,contra Leonel Brizola,praticada diariamente, durante meses a fio, em editorias e matérias editorializadas , que procuravam associar a escalada da violência no Rio de Janeiro à conivência do então governador Leonel Brizola? Tal campanha,em época que não existia ainda a blogosfera, atingiu o seu propósito, fazendo a popularidade de Brizola despencar justamente lá onde ela era mais forte. A Globo com tal campanha de injúrias tentava tirar Brizola do páreo. Afinal, seria lícito supor que Brizola teria grandes chances de se sair vencedor em 1994, talvez até maiores que as de Lula,naquele pleito específico. A meu ver, se Brizola não tivesse concorrido às eleições logo após a campanha de 1989, teria preservado sua grande votação, quase igual à de Lula, e não ficaria exposto ao bombardeio de “O Globo”. Esse foi o segundo erro político de Leonel Brizola. Mas o que vem ao caso, é que temos que separar cuidadosamente o joio do trigo para não ofender os pedetistas honrados que ainda são muitos.

    Darcy Brasil Rodrigues da Silva

    19 de agosto de 2012 às 16h04

    Sem querer, enviei o primeiro texto sem reler e corrigir erros eventuais de digitação, por isso ,peço desculpas. Mas , só para concluir, a mim não convence essa visão de que Dilma é uma “gerentona apolítica”. Locatelli, essa é a imagem que é cultivada pelos analistas da mídia corporativa, inclusive,por alguns que podemos supor que sejam honestos, sendo úteis ao PIG por conta dessa visão política compartilhada por boa parte da classe média de que provêm( alguém que confunde a política com o blá-blá-blá do Congresso Nacional, que reduz a interesses personalistas o que na verdade se determina por interesses de classes, nos falando sobre as pretensões dos indivíduos em lugar de reconhecer os grupos sociais, os setores de classe, que tais indivíduos representam, não precisa ser “comprado” pelos donos do PIG para bem servi-los, como “inocentes úteis”). Dilma é política há muito mais tempo que o próprio Lula. Senão que foi ela fazer na vida clandestina que a levou às câmaras de tortura? As posições de Dilma não são pessoais, como a mídia insiste em nos fazer acreditar, tentando intrigar , muito menos Dilma contra Lula , e muito mais os “lulistas” contra os “dilmistas”, duas facções que a mídia também busca criar artificialmente, de forma planejada e disciplinadamente implementada ( o êxito dessa estratégia já pode ser percebida em alguns comentários de gente que se diz lulista criticando o governo Dilma).Dilma segue, primeiro as decisões tomadas pelo núcleo político hegemônico do PT, do qual fazem parte José Dirceu e o próprio Lula, entre outros. Tais decisões são negociadas, por sua vez,separadamente com o PMDB ( aliado preferencial da tendência hegemônica do PT, antes conhecida por “Campo Majoritário). Finalmente, e praticamente sacramentada, dado o peso político que o PT e o PMDB possuem juntos, chega-se a um “consenso” no Conselho Político , onde têm assento os presidentes dos demais partidos. Dilma implementa decisões políticas tomadas nessa sequência de fóruns. O que devemos depreender dessas decisões não é um suposto apoliticismo inerente a uma “gerentona”, mas sim que esse governo , até o presente momento, está sendo hegemonizado pelo centro. À esquerda cabe organizar-se e mobilizar-se para reverter essa correlação de forças. Caso ocorra essa reversão,esta será igualmente expressada pelos atos de Dilma. Não é uma boa prática,a fulanização da política. Dilma permanece confiável tal como quando resistiu bravamente às torturas infames nos porões imundos da ditadura. Há muitos culpados. Se Dilma é um deles, Lula, Dirceu e outros também o são.Culpados também são,inclusive aqueles que, como nós, se consideram mais à esquerda, posto que não estamos cumprindo com a principal tarefa da esquerda que deveria ser politizar e organizar o povo.

    maria olimpia

    19 de agosto de 2012 às 19h57

    Darcy,
    Grata por seus comentários terem a lucidez devida.
    Parece que é necessário explicar tim-tim por tim-tim e você o faz com
    precisão.

    Darcy Brasil Rodrigues da Silva

    20 de agosto de 2012 às 00h43

    MARIA OLIMPIA,

    Grato fico eu em saber que alguém teve paciência de ler um comentário prolixo tais como eu sempre posto. Um grande abraço, companheira!


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding