VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

Altamiro Borges: Oportunistas elogiam Dilma para corroer base de apoio


15/08/2012 - 12h20

Protesto em Brasília, que segundo a Agência Brasil, prejudicou o trânsito (Foto Marcello Casal Jr., Agência Brasil)

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Greves: FHC e mídia apoiam Dilma

Por Altamiro Borges, em seu blog

A intransigência e a inabilidade do governo Dilma no trato das greves no setor público têm produzido cenas inusitadas. Cinco centrais sindicais que apoiaram a sua eleição divulgaram nesta semana nota criticando o “autoritarismo” do Palácio do Planalto e exigindo seriedade nas negociações com os grevistas. No outro extremo, todos os jornalões publicaram editoriais elogiando o comportamento “duro” do governo. Para piorar, o ex-presidente FHC, conhecido por sua postura antissindical, resolveu elogiar a presidenta Dilma.

Ontem, diante de uma plateia de empresários num seminário da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), em São Paulo, o grão-tucano saiu em defesa do governo. “A presidente Dilma está num momento de dificuldade financeira e fiscal e muita pressão dos funcionários que se habituaram no governo Lula, que tinha mais folga, a receber aumentos. Ela não tem a mesma condição, então ela enrijeceu. Não vejo como ela pudesse não enrijecer”. Para FHC, Dilma está no rumo certo, “mesmo contrária a posições antigas do PT”.

O veneno do jornal O Globo

No mesmo rumo, os jornalões e as emissoras de televisão retomam o “namorico” com a presidenta. Em editorial intitulado “Dilma faz a opção certa diante dos grevistas”, o jornal O Globo fez ontem rasgados elogios à ação do governo. “Não há dúvida que a presidente Dilma tem assumido a melhor postura diante de um movimento em que se misturam o mais autista do corporativismo da burocracia pública, oportunismo sindical e o interesse de frações mais à esquerda, de dentro e fora do PT, em criar dificuldades para o governo”.

O jornal da famiglia Marinho também aproveita para, mais uma vez, colocar uma cunha entre Dilma e Lula, atiçando a cizânia. “Como é mais do que sabido, os servidores públicos em geral e, em particular, os do Executivo federal, foram uma categoria privilegiada nos oito anos de gestão Lula com generosos reajustes. Lula não apenas contratou muitos funcionários, como os brindou com aumentos bem acima da realidade dos assalariados da iniciativa privada”. Daí o efusivo apoio a Dilma, que não deve ceder aos “privilegiados”!

“Dilma rompe tradição da esquerda”

Os jornais Estadão e Folha, atuando numa só voz, também publicaram artigos com a mesma fúria antissindical e de entusiástico apoio ao “enrijecimento” do atual governo. Já o editorial do Valor, mais dedicado à nata empresarial, preferiu teorizar sobre os efeitos desta mudança de postura. “Dilma rompe tradição da esquerda ao enfrentar greve”, opinou na segunda-feira (13). O jornal até lembra que, durante o governo Lula, também houve estremecimento na relação com o sindicalismo quando da aprovação da reforma da Previdência.

Mas, malicioso, o Valor afirma que a crise do chamado “mensalão petista” obrigou o ex-presidente a retomar a sua origem, dobrando-se à pressão sindical. O fato novo, segundo o editorial, é que agora a presidenta Dilma decidiu romper com esta tradição. O jornal elogia o decreto 7.777, baixado há duas semanas, que autoriza o governo a assinar convênios com Estados e municípios para substituir os servidores em greve. “Trata-se de uma medida dura, ousada, de quem está disposto a ir ao limite no enfrentamento das greves”.

Corrosão da base de apoio

Os elogios do escorpião FHC e o “namorico” da mídia deveriam servir para indicar que o atual governo está indo na direção errada no trato das greves dos servidores públicos. A falta de diálogo e a inabilidade crônica dos tecnocratas do Palácio do Planalto têm apenas ampliado e radicalizado às greves – que já duram três meses nas universidades e dois meses em mais de 30 categorias do setor público. Aos poucos, a sociedade já começa a sentir os efeitos das paralisações em áreas nevrálgicas, o que prova a importância dos servidores.

Ao invés de seguir os péssimos conselhos dos neoliberais, que pregam mais austeridade fiscal e enrijecimento diante do sindicalismo, a presidenta Dilma deveria se lembrar dos seus compromissos de campanha e das suas alianças prioritárias. Do contrário, ela sofrerá desgastes e causará a corrosão da sua base de apoio – para a alegria dos mesmos oportunistas que agora a elogiam.

Leia também:

FHC apoia Dilma no jogo duro contra grevistas

Maria Godói Faria: Mídia reforça preconceito contra servidores

Folha pede ao governo que resista aos servidores

Servidores dizem no STF que decreto de Dilma é inconstitucional

Agência Brasil destaca prejuízo causado pelas greves

Policial Maisa: Sobre a greve da PF

César Augusto Brod: “O PT patrão não aprendeu com sua própria história”

Ricardo Antunes: Para onde vão as nossas universidades

Brizola Neto nega falta de ousadia do governo, se vê como mediador de greve e descarta reforma da CLT



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


65 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

vinicius

16 de agosto de 2012 às 12h15

Alguém do que acompanha o viomundo tem notícias de um informação sobre um texto que faz crítica ao PT patrão cujo autoria é de César Augusto Brod, responsável pela Coordenação Geral de Inovação Tecnológica da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Recebi esse texto de uma turma lá do sul ligado aos professores da Universidade Federal de Santa Maria.

Altamiro, você pode checar se o texto é verdadeiro e se o rapaz realmente era servidor público e pediu exoneração. Tô achando que foi um factóide encomendado pelo Nélson Jobim. Alguém sabe se o Jobim é de Santa Maria. Quando estudei agronômia na UFV, havia três universidades com fama de conservadoras, UFV, UFSM e ESALQ. Acho que tem gato na tuba!!!
Alguém me ajuda a descobrir a cor do gato!?!?!?

Abraço Dilmais de apertado… e vamos com calma!!!

Responder

    L.F.

    16 de agosto de 2012 às 12h29

    Marcos

    16 de agosto de 2012 às 19h12

    Não voto no PT (hoje Partido Traidor) nunca mais, bem como meus familiares.
    Farei abertamente campanha contra essa “Imperadora” que deveria ser intutalda “Dilma Bonaparte” a alegria da grande burguesia.

    L.F.

    16 de agosto de 2012 às 12h37

    “PT age como um patrão das antigas”, diz servidor exonerado

    HERMANO FREITAS – Terra – 10 de agosto de 2012 • 15h10

    http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI6066618-EI306,00-PT+age+como+um+patrao+das+antigas+diz+servidor+exonerado.html

    vinicius

    16 de agosto de 2012 às 16h52

    Oi, L.F. eu já fui a estes sites que vc indicam. Para mim não é suficiente para eu concluir que não é um factóde.
    Acho que, se fosse verdade, seria mais explorado pelo pessoal que é contra a política da Presidente em relação aos servidores. Especificamente nesse aspecto relacionado a corte de ponto.

    Tem algo misterioso neste pedido de exonerção e na carta!!!

    Chefe tomar partido do subordinado.
    Principalmete de o rapaz tinha algum DAS.
    Além disso ele veio da iniciativa privada!!!
    Queria implantar um novo modelo de gestão em órgão público!!!

    Me desculpe, mas é esquisito???

    Você que está lendo esse comentário responda.
    Seu chefe já te defendeu?
    Você pediria exoneração para defender “direito” de subirdinado?

    Para mim esse cara fez alguma coisa errada, recebeu proposta de emprego melor, cansou de tentar consertar o serviço público, ganhou na loteria…

    Até tô torcendo para o César Augusto Brod ler este comentário e entrar em contato comigo com o pessoal que vem diariamente ao VIOMUNDO.

    Quero muito falar com ele. A denúncia que ele fez é grave e merece ser divulgada, quiçá no Fantástico, o show da vida, com reportagem perempitória, emocionante, surpreendete, especial, hiper, mega, super com os infalíveis Zeca Camargo, Bial, Merval, Bonner, Waak, Sardenberg, Míriam, Hipólito, Nunes, Uncle Ray, Guilherme Fiúza, Mainardi…

    e…

    no gran finale… o comentário do Ilmo. Jabour… É fantástico…

    Abraço

    Desculpe, Azenha.
    Hoje a paciência acabou.
    Não é com vc, é com a mídia, com o patronato, com a irônia e escárnio dos donos do poder com nós, os pacatos cidadãos que só quere viver felizes…
    Desculpa, Azenha.
    Não quero atrapalhar nem criar confusão nesse espaço que você desenvolve tão bem.

Cleber Souza

16 de agosto de 2012 às 10h45

Oportunista nada, Dilma está fazendo por onde.

Responder

augusto2

16 de agosto de 2012 às 09h59

Como varios outros aqui, nao sou bem lá favoravel como cidadao deste pais, ao ”sindicalismo do sossego” que vem possibilitando tudo isso. Porque o maximalismo e vontade de estar no centro das decisoes administrativas lhe tiram a razao. Com cátedra no meio ou sem ela.
E pouco se me frega se isto leva alguma agua á oposiçao debilitada.
Agora o governo dilma continua aceitando a canga e o cabresto das manchetes de primeira pag que a colocam como uma estatista arrependida que acaba de reconhecer as excelencias do “mercado” e da tal ‘iniciativa dos privados”.
Privados q nao se mexem sem as burras do BNDES e o lucro sem risco. E q so se mexem na exata medida em q seu nao risco continue intocado. Mas fazer o que?
Contanto que a galinha bote tecnicamente bem e diariamente o ovo bonito, pra que fazer o cocoricó? Deixa que a midia o faça, em falsete, no lugar dela.

Responder

Marcos W.

16 de agosto de 2012 às 09h08

O povo brasileiro está lascado, de qualquer forma. Vai dos senhores de engenho aos industriais; dos industriais aos banqueiros; dos banqueiros aos políticos; dos políticos aos burocratas; dos burocratas aos servidores! Se a premissa que diz terem os servidores públicos federais recebido bons, quando não, ótimos reajustes durante os governos Lula, além de planos de carreira em diversos setores, por que a intransigência?! Querem tudo o que foram incapazes de conseguir antes e de uma única só vez?! E quem contou ao articulista que os sindicatos todos são petistas, ou pertencem à base do governo?! Não existem bobos, apesar de alguns que tentam se passar por bobos!

Responder

Mardones Ferreira

16 de agosto de 2012 às 09h05

Esse momento do PT pode ser descrito como o acredite se quiser.

Querem que o povo aceite que não tem como conceder aumento salarial decente (acima da inflação) e melhorar as condições de trabalho dos servidores federais.

No caso da Polícia Federal, poucos falam do número de policiais em ativa e do território e obrigação que os mesmos devem dar conta.

Com relação aos demais servidores em greve, serve o mesmo aviso. Ou seja, fala-se tanto em expansão do ensino universitário, com o famigerado REUNI, e não se fala nas condições nas quais foram feitas esta expansão. Claramente sem privilegiar a qualidade do ensino.

Esse momento do PT repete os anos do FHC quando sempre falava-se em equilíbrio de contas, contenção de investimentos sociais para tentar justificar o congelamento dos salários dos servidores.

Não se fala das reformas que trariam mais recursos para esses investimentos e nem das isenções a setores sempre privilegiados sem o devido retorno social.

Para além do elogio do PIG e de seus repetidores, como o FHC, o momento evidencia o afastamento do partido de sua retórica. Ou seja, no horário eleitoral o discurso é afinado com os interesses do povo. Já no planalto, a coisa muida de figura, entrando em campo quem financia a campanha.

Responder

Jose Mario HRP

16 de agosto de 2012 às 06h17

Lula tenta aconselhar mas ela se bandeou para a direita e arbítrio!
Desse jeito não terá meu voto na próxima eleição!
FHC e Globo?
BLEARGHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH………

Responder

Herivelto Canales

16 de agosto de 2012 às 01h15

Dilma está certíssima. Eu faria a mesma coisa.
Se o PIG está apoiando é porque seu lemas agora é: quem não pode com eles, junte-se a eles.

Responder

    João

    20 de agosto de 2012 às 23h01

    Tu faria se tivesse competência e inteligência para ocupar um cargo público. Como tu és um medíocre e fracassado que NUNCA vai passar num concurso público nem NUNCA vai estudar numa universidade federal, tens que viver lambendo as bolas dos outros em troca de favores. Tu nem sabe o que falas, de tão néscio que és!

Mancini

15 de agosto de 2012 às 23h36

Azenha, extra-pauta aqui, mas reputo como importante. Julian Assange corre perigo. Os ingleses cogitam invadir a Embaixada do Equador! Publicamos duas notícias. Muito obrigado. http://refazenda2010.blogspot.com

Responder

O_Brasileiro

15 de agosto de 2012 às 23h25

Há uma “esquerda” que se vencer as eleições terá muita dificuldade para governar, como o Obama nos EUA.
São pessoas muito inteligentes, mas que querem fazer revoluções num momento de estabilidade.
Não é o governo que tem que ser atacado, e sim o sistema que impõe a agenda ao governo.
Falo isso por causa de alguns comentários. Há pessoas que ignoram que mais de 75% dos brasileiros apóia o governo da Dilma. E eles querem que a presidenta se curve aos menos de 25%. Parece insensatez.
Se as pessoas querem mudar o sistema, devem começar ensinando as crianças, pois até os adolescentes já estão de “cabeça feita”.
Certamente o governo vai ceder um pouco, por gratidão e por sua história. Mas, se dependesse somente dos indicadores econômicos, o governo não daria reajuste nenhum.

Responder

    Julio Silveira

    16 de agosto de 2012 às 07h15

    O problema, amigo, é que em poucos momentos da história tivemos governos realmente progressistas. Eles costumam chegar lá com esse discurso, mas quando se instalam, se acomodam no sistema. Seguindo, como bons alunos, a cartilha conservadora. Falta disposição para enfrentar a reação reacionária. Falta convicção, mas principalmente vontade para sair do discurso para a pratica, isso tem tornando as esquerdas como que utopistas, viajantes da maionese. E essas ideológias, eternas literaturas dos bem intencionados.

    Moacir Moreira

    16 de agosto de 2012 às 09h28

    75% de apoio podem se converter em 90% de rejeição da noite para o dia.

    A Dona Dilma surtou e essa perspectiva não é nada animadora.

Fabio Passos

15 de agosto de 2012 às 23h20

que dureza.
PiG e fhc elogiando… evidente que não é algo bom.

Responder

Julio Silveira

15 de agosto de 2012 às 21h30

É com pesar que tenho de dizer ao Altamiro, que a base não vai corroer.
Por que a maioria dessa base é defensora dessa forma de prática que vem sendo adotada pela Dilma. Bastante similar a adotada pelos tucanos. Inclusive, facilmente constatavel quando vemos que grande parte dessa atual base já fazia parte da base daquele governo. É triste ter que reconhecer sinceridade na posição tucana, parecem já se sentir novamente governo. Mas triste mesmo, é ter que reconhecer que parece haver uma cartilha a ser seguida para governar esse imenso e rico País. Sempre revivendo determinadas parcerias, que nos legam atrasos consideraveis a cidadania. Como se houvesse uma determinação para participação de determinados grupos, para se manter o país sob uma determinação centralizadora e antidemocratica como forma de controlar os cidadãos e não os cidadãos os controlarem, o que acho seria o correto na democracia.

Responder

Almir

15 de agosto de 2012 às 21h13

Os neogolpistas estão aí tramando o golpe à la paraguaia.
Primeiramente eles bradam para os servidores públicos: “a greve é um direito de vocês! Portanto, lutem! Em seguida, pulam a cerca e cochicham pra presidenta: RESISTA.

Depois que o caos estiver instalado, derrubam o governo e tomam de conta.
Daí que rapidinho aprovam uma PEC terceirizando todos os serviços públicos da área administrativa, e demitem todos esses bobalhões que hoje fazem greve por “aumento real de salário”.

Responder

vinícius

15 de agosto de 2012 às 20h50

Esse tema greve dos servidores está ficando bom.
Desculpe, Altamiro, mas discordo de sua análise.

Até aqui o governo vem lutando e enfrentando:

banqueiros; mídia; perdedores da urna; seus próprios “aliados”; a esquerda “festiva”; nós da net;

Penso que alguma coisa está acontecendo de bom pelo Brasil afora!!!

Alguns já perceberam,
outros criam cortinas de fumaça…

Joga duro com os servidores, Dilma!!!
Ao jogar duro, você irá fazer com que eles melhorem o desempenho no serviço público. trata-se de um ciclo virtuoso que nenhum presidente HOMEM teve coragem de iniciar!!!

Quem ama, educa!
É preciso pulso para educar os professores e servidores.

Responder

    Leo V

    15 de agosto de 2012 às 22h40

    Os comentários do vinicius são sempre os melhores.

    Me lembra aquela paródia daquele personagem de blog que se faz passar por exterma-direita que me foge o nome agora.. acho que “professor alguma coisa”.

    Vivi

    16 de agosto de 2012 às 00h43

    Professor Hariovaldo Prado?

    vinicius

    16 de agosto de 2012 às 11h58

    Leo, eu sou apenas um pacato cidadão. Servidor público que sabe das dificuldades da vida, ralei muito, ralo até hoje. Não fiquei rico no serviço público nem quero ficar. Quero só ter estabilidade econômica e consegui ao equilibrar minha receita com as despesas e sonhar com o que sou capaz de ter.

    Leo, também não sou filiado a nenhum partido político.
    Já comprei briga com tenente, chefe, colega, irmão, até comprei briga de que eu não conhecia…Ontem, aqui no Rio de Janeiro, corri atrás de um ladrão de carteira, no meio de carros e na contra-mão da 1º de Março, correndo risco de vida só para ajudar uma mulher que teve a bolsa furtada.

    Leo, a briga tá bonita…
    Eu sou mineiro e, nós mineiros, lá nas Gerais damos um boi para não entrar em uma briga e uma boiada para não sair da briga.

    Se não me engano a Dilma é mineira!!!

    Então vamos prá briga… e vamos cantar uma cantiga gauchesca para o Altamiro… Se lembro o tempo de outrora, a vida corre para trás. Sou baguau que não se entrega a se domar!!!!

    Leo, vamos ter que ter muita força e coragem para apoiar a Dilma.
    Ela é valente e sabe jogar xadrês.

    Preste atenção nos movimentos das peças e verá o quanto ela é inteligente.
    Aos pouco ela vai se livrando das teias que tentaram agarrar e atrapalhar o Lula. O maior exemplo foi ela ter coragem ( que pouco homens tem) para enfrentar de cabeça erguida o Nélson Jobim.

    Leo, prete atenção que o Jobim é do sul… de lá virão muitos tiros para cima da Dilma.

    Abraço Dilmais de apertado.

    Leo V

    17 de agosto de 2012 às 09h16

    vinicius,

    se vc realmente é servidor público do executivo federal, só pode ser masoquista ou sofrer de síndrome de estocolmo.

    Basta ler uma das pérolas que vc escreveu em outro comentário:

    “Mas, de coração, alguém tem que arrochar os servidores…
    A pessoa com coragem para fazer isso é a Dilma.”

    Leo V

    16 de agosto de 2012 às 12h23

    Exato Vivi, o Prof Hariovaldo.

    O interessante em grande parte dos comentários no Viomundo que criticam as reivindicações dos servidores apoiando a postura do governo é que não conseguimos saber se se trata de alguém que se diz de esquerda (apoiador do PT), ou se é alguém anti-esquerda, tucano etc.
    E isso mostra como de fato não está havendo diferença entre os discursos de ambos.

CarmenLya

15 de agosto de 2012 às 18h45

Incrível como as pessoas abdicam do direito de pensar, exercer raciocínio lógico e senso crítico. Transferem essa capacidade para políticos ou jornalistas. Marx dizia que a história acontece primeiro como tragédia e se repete como farsa. Não me parece…continua como tragédia. Estou vendo a hora que os atuais petistas, que desconhecem totalmente a história do partido, a luta inicial e o massacre que sofria da direita, vão organizar uma passeata “A familia humilde, com Deus,Lula e Dilma contra o Serra e os funcionários públicos”, rsrsrs
O importante não é o que se vê, mas o que se observa com método…nos ensina a sociologia. O Pig e a direta continuam o que sempre foram, quem mudou foi o Partido dos Trabalhadores. Iluda-se quem quiser. Mas ameaçar hoje com a volta da direita (como faziam antes com o comunismo) só serve aos pior cego, aquele que não quer ver. “Dormi com o inimigo” durante 30 anos…mas a liberdade intelectual não tem preço. Sinto pela patuléia que continuará tentando justificar que “concessão” NÃO É “privatização”!!!!! Continuo acreditando que é o socialismo ou a barbárie. A Europa é um bom exemplo. Tenho certeza que a culpa da miséria neste país não é do funcionalismo público, mas exatamente dos “novos amigos” da Da. Dilma. Espero que ela faça bom proveito…eu não me misturo com qualquer um, rsrsrs

Responder

Henrique

15 de agosto de 2012 às 18h38

LULA 2014!!! FORA MRS. THATCHER!!!

Responder

neto

15 de agosto de 2012 às 18h33

Só não vê quem não quer, é um governo petista neoliberal. Devagarzinho vai concedendo privatizando o patrimônio público, portos, aeroportos, estradas, ferrovias etc. A gota d´agua foi entregar ao mercado financeiro a aposentadoria do servidor público, e se a empresa falir como já aconteceu em diversos países.Todo político neoliberal que assume a administração de uma cidade ou do país a primeira coisa que faz é vender o patrimônio público destruindo todo o esforço e dinheiro público gasto na obra. Porque não se passa uma lei criminalizando isso, ou seja, a nível federal toda obra ou patrimônio publico que for concedido ou vendido deve haver plebiscito, para saber se a população afetada autoriza ou não, isso passaria para o nível estadual e municipal, resolveria o problema. Como se aceitar o chip no carro que passará a se ingerir na privacidade das pessoas, onde futuramente, poderá se trasnformar em um grande big brother, trazendo controles e dominação do que cada pessoa faz em seu trajeto pessoal? Se a questão é melhorar as estradas porque não faz uma cooperativa entre as principais cidades que a estrada vai passar. Essa cooperativa com representante (votado pela comunidade) de cada cidade poderia administrar contratando empresas para manutenção/duplicação da estrada com preço licitado, sem lucro para a cooperativa, com fiscalização dos usuários e dos órgãos municipais em conjunto, com certeza não haveria esses lucros absurdos e a via continuaria da comunidade.

Responder

FrancoAtirador

15 de agosto de 2012 às 17h28

.
.
MENSAGEM AOS ASSALARIADOS

Há muito tempo, o poder econômico, aqui no Brasil representado pelos cartéis financeiros, pelas oligarquias industriais e pelos latifúndios rurais, domina o poder político, o sistema judicial e os meios de comunicação de massa.

Em todas as instâncias, desde as inferiores até e principalmente as superiores,
é o poder econômico-financeiro que escolhe os “nossos” governantes, os “nossos” legisladores, os “nossos” julgadores,
e que determina quem deve pensar, falar, escrever, opinar e agir, “por nós”, reivindicando os “nossos” direitos e ditando os “nossos” deveres.

E enquanto houver resignação e conformidade da maioria da população brasileira a essa supremacia do capital financeiro sobre as instituições,
que deveriam efetivamente “nos” representar e que, a não ser os próprios interesses do poder econômico, não representam coisa nenhuma,
continuaremos assistindo, e tão-somente assistindo, a essa hipocrisia política, a essa justiça falsificada e a essas manipulações midiáticas de toda espécie.

ESSA DEMOCRACIA REPRESENTATIVA É UMA FARSA !!!

QUEM MANDA MESMO É O PODER ECONÔMICO, PÔRRA !!!
.
.

Responder

    assalariado.

    15 de agosto de 2012 às 19h31

    Camarada Franco, esta é a farsa a qual a Marx denominou de democracia burguesa. Tanto é que, a democracia é a representativa, e se resume, na maioria das vezes em, podermos escolher entre os vários candidatos da burguesia, para ‘representar’ o povo nas instâncias do governo e parlamento.

    Karl Marx analisou através da linha do tempo, que as lutas economicas dos assalariados e de seus aliados politicos mostraram que, era necessário se organizar também politicamente. As ações do Estado e sua imprensa burguesa contra os sindicatos, as greves, e tals,… ensinaram a classe trabalhadora que não bastava apenas a luta economica, pois o Estado se colocava invariavemente ao lado dos patrões. Ou melhor, que o Estado é o Estado dos patrões. Ora, tal constatação exigia que a luta dos trabalhadores assalariados fosse não só pela reivindicações imediatas, como também pelo fim do Estado capitalista e substitui-lo por um Estado Socialista coisa e tals, …

    Abraços Socialistas.

    FrancoAtirador

    15 de agosto de 2012 às 20h48

    .
    .
    Camarada assalariado:

    Neste aspecto, Malatesta se aprofundou:

    “Quando o homem do povo não puder mais ser mantido na submissão pela simples força bruta;
    quando as mentiras dos falsos profetas já não lhe bastarem a fazer aceitar a miséria como uma lei decretada por um deus;
    quando ele não situar mais suas esperanças num outro mundo
    e quando já não tiver mais medo do policial,
    nesse momento então não restará outro meio para mantê-lo em escravidão,
    senão o de fazê-lo crer que o patrão é ele,
    que as instituições sociais são sua própria obra
    e que elas poderão mudar, se ele assim o desejar.

    Aí, nesse momento, a elite dominante fará prova genial de talento político ao “conceder” ao homem do povo o voto,
    que nada mais seria do que o direito de se escolher seu próprio patrão,
    se fosse exercido em condições de consciência política e de independência financeira;
    mas que, nas condições de ignorância e de escravidão econômica quase feudal que são as do homem do povo,
    nada mais será do que uma indigna comédia,
    onde charlatões vulgares farão comércio de sua própria consciência
    e das lágrimas do próximo.”

    ERRICO MALATESTA
    Os Anarquistas e as Eleições – Pág. 47
    Editora Imaginário; Nu-SoL; Soma. 2000.

    Um abraço libertário.
    .
    .

    L.F.

    16 de agosto de 2012 às 11h02

    Primeiras aulas de Ciência Política: 1. quem tem Poder? É aquele que tem “possibilidade” e “efetividade” de produzir efeitos. 2. Em um sistema capitalista como o atual, quem mais tem “poder”? Quem detém recursos financeiros. 3. O Governo deveria administrar o interesse público e o interesse privado, fazendo políticas públicas visando o bem comum. No entanto, dentre dominados e alienados, a preferência dos detentores de capital é que a maioria permaneça alienada, assim, as políticas públicas poderão favorecer mais aos detentores de capital, “pseudo-dominados” e nunca alienados. Ou seja, devemos ajudar a aumentar o senso crítico do cidadão comum.

João Vargas

15 de agosto de 2012 às 17h16

O PT depois destes episódios tem que trocar o significado do “T” para Partido dos Traidores.É impressionante o descaso da Dilma com os trabalhadores públicos. Se superou quando mandou aquele secretariozimho negociar com os grevistas. O homem teve a capacidade, nesta altura do campeonato, de sentar na mesa sem uma proposta sequer. É o fim da picada.

Responder

    tiago carneiro

    16 de agosto de 2012 às 01h20

    Dilma está no governo para salvar os endinheirados nos tempos de crise.

    FHC DE SAIAS!

    vinicius

    16 de agosto de 2012 às 12h03

    Sou servidor e não me sinto traído pela Dilma.
    Ao contrário, a cada dia tenho mais admiração por essa mulher.

Leo V

15 de agosto de 2012 às 17h01

O mais interessante nessa análise é ver como grande parte dos de esquerda enxergam o povo, os movimentos, os grupos sociais, como “base de apoio” de um governo ou projeto de poder. É a lógica de que o movimento social, a classe trabalhadora, existe para servir a um partido e a um projeto de poder, quando na verdade deveria ser o contrário.
A crítica deveria ser pelo atitude do governo Dilma em relação aos trabalhadores, e não pela falta de habilidade em manter parte dos trabalhadores como sua base de apoio.
É por isso que nunca devemos esquecer, com os zapatistas, que é necessário estar “de baixo e à esquerda”. Não basta estar à esquerda. Diria até que ser de esquerda ou de direita diz muito menos politicamente do que estar com os de baixo ou estar com os de cima.
Tem muito esquerdista que está com os de cima, e vêem os de baixo como escada para se continuar em cima. Esse texto do Altamiro Borges é um exemplo.

Responder

Ze Duarte

15 de agosto de 2012 às 17h00

“Dilma deveria se lembrar dos seus compromissos de campanha e das suas alianças prioritárias.”

Ou seja, de acordo com o autor do texto o governo deve ceder coisas que não pode para agradar os apaniguados, mesmo que às custas do equilibrio do país… só rindo mesmo

Responder

    Leo V

    15 de agosto de 2012 às 18h12

    Mostra pra gente essa equação do ‘equilíbrio do país’.

    Na época do FHC dizia-se a mesma coisa como desculpa para não aumentar o sala´rio mínimo. Durante o governo Lula ficou provado que era mentira.

    Agora a mentira da vez é que não é possível dar aumento para os servidores.

Urbano

15 de agosto de 2012 às 16h24

Mas não tenhamos a menor dúvida, pois seja lá o que for que o pig elogie, certamente não presta e não serve ao Brasil. Um bom exemplo disso é a cambada da oposição ao Brasil, da qual ele faz parte.

Responder

assalariado.

15 de agosto de 2012 às 16h08

O capital e sua corja tem multiplas faces, se locupletam, são craques em fazer gerra de guerrilhas quando ‘estão fora’ do comando principal do país que no caso do Brasil, é o planalto central. Não lembro em momento algum a imprensa do capital ter dado folêgo, na história politica da republica brasileira, nesta guerra de guerrilhas para os governos tidos como de esquerda. Aqueles que se pretendem defender os pobres e o Brasil nação. A impressão que dá é que esta guerra começou junto com a posse do governo do Sr.Lula, o que não é verdade. Quem leu um pouco da história da luta de classes no Brasil sabe que com Getulio Vargas, João Goulart, entre outros, não foi diferente. Ou foi? A burguesia capitalista, junto com seu papagaio ideologico, travestida de midia é onipresente nos 4 cantos da sociedade porém, o povo assalariado e os explorados da nação, não tem um partido politico para ajudar as massas a decifrarem estes disfarces que a burguesia esconde em suas varias roupagens, vários microfones, varios alto falantes. Então, fiquemos atentos!

Quanto aqueles comentários, tipicos da classe média reacionária que falam das greves em curso, é bom lembrar que, uma das táticas do capital para nos dividir é aquela famosa frase da classe dominante que diz: Vamos dividir, para reinar.

São eles:

– Lulipe, um neoliberal pescando em aguas turvas, confundir é seu desejo de consumo.

– Fabio Resende, deve ser um garoto idelogicamente falando, abraçou a ideia que a ideologia de esquerda é uma via de mão única.

– Rodrigo Leme, tenta mostrar as contradiçoes da dita esquerda e muitas vezes consegue mas, com certeza é um braço neoliberal, aqui no viomundo.

– Anibal, concorda com as lutas porém, quem esta certo é o governo da vez. Discurso tipico daqueles que dizem: vamos explorar os assalariados mas, nem tanto.

– Viviane Neves, diz que a opção de voto é Marina, como que, se ela, não fosse uma neoliberal. Ou seja, a solução dos nossos problemas sociais, economicos e salariais é votar na direita representante do capital no seio da sociedade, desde que seja verde dolar.

Sem medo de ser feliz, de fato!

Responder

Leonardo Meireles Câmara

15 de agosto de 2012 às 15h54

O governo da FHC-de-saias é um governo de direita e como todo governo de direita, tem como foco privilegiar os endinheirados:

http://economia.ig.com.br/empresas/infraestrutura/2012-08-15/o-pacote-e-uma-injecao-de-adrenalina-na-economia-diz-eike.html.

Fora FHC-de-saias!

O PT concorda com tudo que ela faz e fica impassível, né?!

Fora PT!

Responder

    tiago carneiro

    16 de agosto de 2012 às 01h19

    Concordo plenamente.

    Um governo apoiado por um criminoso que ficou rico através de informações confidenciais, não é um governo feito pro trabalhador.

    Vendeu os aeroportos, deu de mao beijada o plano nacional da banda larga. Depois a administração dos hospitais, agora dará mais dinheiro para os endinheirados privatizando as ferrovias.

    DILMA RUSSERRA: FHC DE SAIAS!

jaime

15 de agosto de 2012 às 14h20

Então se a Veja, o Maluf, o FHC (consequentemente o Serra também) estão todos ao lado da Dilma, decerto o PT voltou a ser oposição. Ou não existe mais oposição? Se não existe, não se pode mais votar na esquerda; ou seria na direita?

Responder

Melinho

15 de agosto de 2012 às 14h09

A proposta do governo para os professores das Universidades foi elaborada depois de muito tempo do início da greve e em clima de “arrastão”: arrastaram todo mundo que se encontrava no Ministério da Educação num determinado momento e elaboraram uma proposta salarial que não leva em consideração à inflação para os próximos 3 anos, e pune os professores que estão há menos de 20 anos nas Universidades. Elaboraram (aqueles que participaram do arrastão) um plano de carreira que desestimula o ingresso de novos doutores nos quadros das Universidades Federais.

Claramento foi uma coisa feita de última hora, para dar uma resposta à greve. E para esconder a proposta indecente, feita aos docentes, mandaram o Mercadante e a Miriam Belquior jogar os professores contra a opinião pública, na famosa entrevista em que o Ministro diz que o reajuste seria de 45% para os professores titulares.

Quando os professores (matemáticos e estatísticos) fizeram os cálculos para uma inflação futura (até 2015) de cerca 5,5% ao ano, concluiram que só os professores que se encontravam na classe de Associado III em diante (final de carreira) teriam algum tipo de reajuste real, descontada a inflação cumulativa do período.

O que eu quero dizer para o Mercadante e companhia limitada (agora está bastante ampliada esta companhia, já que conta com o apoio do PIG e dos empresários) que os professores da Universidades não são burros, porque senão eles não seriam professores das Universidades.

Mas eu quero dizer que, apesar desse comentário, eu votarei em Dilma Rousseff ou em Lula em 2014. E isto porque, apesar do governo Dilma estar tratando derespeitosamene os professores neste momento, eu sou inteligente o suficiente para perceber que o Brasil é outro país e eu não quero ver o comando desta nação nas mãos dos amiguinhos de FHC nunca mais.

Responder

    Observadoro

    15 de agosto de 2012 às 14h45

    O problema é que Dilma, Lula e o PT já são da turma do PSDB/DEM.

    Não estamos mais em 2008 (antes da crise, ápice do governo Lula). A realidade agora é que o governo Petista (no qual sempre votei e apoiei) governa da mesma forma que o PSDB, só que, invés de ter o DEM como aliado/comparsa, tem o PMDB de Sarney, Temer, Cabral…

    Temos outras opções de esquerda melhores que essa camarilha que está no poder, e se não tiver, a gente força a criação de uma, nem que para isso tenhamos que recorrer aos radicais do PSTU (voto de protesto).

Viviane Neves Legnani

15 de agosto de 2012 às 14h07

Perdeu, de fato, o apoio da maioria dos docentes. Lembram das inúmeras listas com o nosso apoio que circulavam na rede ? Pois é! Isso acabou! O troco vem sim em 2014. Enganam aqueles que pensam que isso implica a volta dos neoliberais, mas Marina Silva, se for inteligente o bastante, pode sim rapidamente se beneficiar dessa ruptura.

Responder

    laura

    16 de agosto de 2012 às 07h25

    Deus me livre Marina Silva!
    Sou docente de Ufederal, estou decepcionada com o Governo Dilma que atende a agenda do Gerdau, não a nossa. Daí a cair no conto do vigário da cortina de fumaça verde, não. O problema que se apresenta é a falta de alternativas. Que a sociedade brasileira construa uma.

Moacir Moreira

15 de agosto de 2012 às 13h28

Como costumava lembrar o saudoso Leonel Brizola, é bastante surpreendente que um partido dito de extrema esquerda e seu líder máximo companheiro Lula da Silva tenham engordado tanto em plena ditadura nos anos 70/80.

Será que nossos jornalistas supostamente independentes, como os tais blogueiros sujos, segundo o também ex-esquerdista José Serra, jamais pararam para pensar na hipótese de que o PT é na verdade filhote do Golbery?

Será que essa informação, caso seja confirmada, é irrelevante para o nosso povo?

A chapa tá esquentando pros lados do Planalto Central e o retorno da gerência militar é uma possibilidade a ser considerada.

Por sorte, a História somente se repete como comédia, embora seja uma comédia nada divertida.

E tenho lido por aí que muita gente influente acredita que a volta da ditabranda seria uma boa coisa.

Quem poderá nos ajudar?

Responder

anibal

15 de agosto de 2012 às 13h27

Eu acho que sao os professores que estao colocando o Governo em um corner! O tempo de duracao desta greve e no minimo irresponsavel. Alem de serem descontados nos salarios, deveriam tambem pagar alguma penalizacao quando uma greve ultrapassasse um determinado periodo. Greve e reinvidicacao e nao ferias remuneradas!
Por que nao fizeram uma greve desta envergadura no periodo do FHC? Porque sabiam que nao teriam exito algum! Se acorvadaram e ficaram 8( oito/longos ) anos perdendo poder aquisitivo ano a ano.
Nao sou contra a greve, muito ao contrario, a apoio em genero, numero e grau, mas, ela tem que ser responsavel, principalmente a greve no setor da EDUCACAO. Sao o futuro do Brasil que a radicalizacao esta de alguma forma prejudicando.

Responder

    André Dantas

    15 de agosto de 2012 às 13h54

    Anibal, durante os 08 anos do Governo FHC os professores fizeram 08 greves (média de uma por ano…) e no Governo Lula fizeram uma única greve, inclusive medida que causou uma cisão no sindicato dos professores que tem reflexo até hoje.
    Grande parte das reinvidicações dos professores (que não se resume a salário) vem desde o Governo Lula (algumas ainda da época de FHC) e não são eles que estão sendo irresponsáveis ou radicais.
    Ninguém gosta de greve. Filho de professor também é estudante.

    Marcia Noemia

    15 de agosto de 2012 às 19h12

    Pelo que entendi os servidores ganharam um pouquinho de salário e de algumas melhorazinhas(sic) das condições de trabalho depois de 8 greves do governo FHC. Entendi que mesmo não havendo “diálogo” com o governo o sindicato negociou. Ou houve diálogo? Com Lula também a mesma coisa. Teve diálogo? E agora? Ou tudo ou nada? Me lembro que em 90, com a reforma do Estado,era só trolha em cima do trabalhador. Marcelo Alencar, governador do estado do Rio de Janeiro pelo PSDB, congelou salários, triênio; em suma pintou e bordou. Não teve uma greve, nada. Ouvi de pessoas do meu sindicato (SEPE RJ): “não tem clima”. Parece que agora tem um climão danado.

Rodrigo Leme

15 de agosto de 2012 às 13h13

Quais as evidências do “antisindicalismo” de FHC que o Altamiro? Ah sim, aquele discurso hilário de “as direitas são contra os direitos do trabalhador”. Adoro essas retóricas de esquerda circense do Altamiro.

Mas enfim, esses movimentos do sindicato que apoiaram Dima nas eleições têm nome: acerto de conta. Alguém não pagou a fatura do apoio…

Responder

Vlad

15 de agosto de 2012 às 13h06

Isso é o que o Altamiro e muita gente boa gostaria que fosse verdade.
Mas sabem que não é.
A primeira fase petista foi tão de direita quanto o governo FHC (melhorou um pouco na questão de transferência de renda e piorou na distribuição de terras, apenas para exemplificar).
A segunda fase petista vem se mostrando mais de direita que a ARENA ou o DEM ou a UDN. Um dos motes de campanha é a redução de impostos (se isso não é direita é o quê, pelegada?).
E o discurso eleitoreiro da qualidade da educação foi enterrado ainda quente.
Já nem sei mais se o Serra teria sido pior.

Responder

André Dantas

15 de agosto de 2012 às 12h51

Não vejo com nenhuma surpresa as colocações da grande mídia e muito menos as declarações de Fernando Henrique (não sei porque ainda se leva em conta o que ele diz ou deixa de dizer). Não foram eles que mudaram – continuam no mesmo lugar, com a mesma ideologia, com os mesmos métodos e representando a mesma classe. Foi Dilma e sua equipe que se aproximaram do seu ideário. Assim como não foram os sindicatos, os servidores públicos, as “bases” que se afastaram do Governo Dilma, mas sim este que se afastou e continua se afastando de seus aliados históricos e fundamentais em prol de novos “amigos” (Maluf entre eles).
Que seja. O tempo cobra de cada um de nós o preço das nossas decisões. Ela já jogou a sorte e já escolheu o lado.

Responder

Julio

15 de agosto de 2012 às 12h27

Dilma deixou bem claro hoje que seu governo será melhor do que o governo FHC no que se refere a cumprir a agenda do Consenso de Washington! Até a Veja está elogiando e deu primeira página para a presidenta. Agora, é mais 12 anso (no mínimo) paar termos uma aloternativa viável à esquerda! E a ponta de lança são as greves do funcionalismo ppúblico federal.

Responder

lulipe

15 de agosto de 2012 às 12h23

Dilma terá uma boa resposta nas urnas!!!!

Responder

    Fábio Rezende

    15 de agosto de 2012 às 13h29

    Qual, voto na direita? Vai lá, corporativista, que daí vais ver com o PSDB/DEM trata servidor e serviço públicos.

    André Dantas

    15 de agosto de 2012 às 14h13

    Oxe. E a pessoa que não quiser votar no PT ou não acreditar mais que o PT se encontra apto a cumprir com os anseios da população tem que votar na direita?
    Lembro que na 1ª eleição de Lula um mote muito bonito foi que “a esperança venceu o medo” (até hoje me emociono quando vejo Regina Duarte, logicamente que a contrario sensu) e agora não podemos depositar nossas esperanças em outro caminho que não o PT ou pior?
    Continuo com esperança e continuo sem medo e isso já não tem nada a ver com o PT e nunca teve a ver com o PSDB/DEM…

    Julio

    15 de agosto de 2012 às 18h07

    É isso aí, André Dantas! Disse tudo!

    carvalho filho

    16 de agosto de 2012 às 08h53

    Impressionante como, diante dessa greve, inexiste análise de conjuntura. Marx (ver 18 Brumários) não recorria aos principios, mas fazia análise concreta da situação concreta, sem sacar do bolso principios. Talvez por isso ele dizia: “não sou marxista”. A política ocorre no real, nas situações concretas, observando a correlação de forças. Não cabe nesses momentos comentários moralistas, do tipo que traiu quem e outros adjetivos e chavões que temos visto aqui. Numa greve – e isso é um direito – luta-se pelo interesse de uma cooporação que quer salários melhores, como todos sabem. Mas a greve, também, faz parte do jogo político, que pode ser utilizada pelos conservadores e os que querem a mudança. A pergunta é: que interesses políticos estão em jogo? Considerando a história de nosso país, onde a democracia quase não existiu, onde temos uma classe dominante que se eterniza no mando, como analisar a conjuntura desse país. Um lembrete: é importante nesse momento analisar a conjuntura do Chile na época do Allende? Lembram da greve dos transportes? Lembram com os militares e a direita reacionária acendeu o fogo para derrubar o presidente socialista que chegou ao poder pela via democrática? Enquanto isso a Cia, a ITT conspirava e a esquerda sectária radicalizava. Deu no que deu. Posso estar errado. Mas por favor argumente referenciado à conjuntura do momento e não confundam alhos com bugalhos.

    augusto2

    16 de agosto de 2012 às 10h28

    ha semelhanças sim entre aqui hoje e o chile de allende, carlos altamirano e o pinochet à espreita. Gritaram muito ‘adelante! ‘profundizar la revolucion’ e tal. Aqui gritam: 25% é nada! 25 hoje mais 10 ano que vem é esmola! Carreira estruturada já. Os numeros orçamentarios totais nao é da nossa conta. Tirem do sistema financeiro!se nao quer vamos para o braço de ferro.
    E nós que pensavamos que Centrais se centralizavam em outras realidades.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!