VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

Agência Brasil destaca prejuízo causado pelas greves


09/08/2012 - 22h07

Greve de servidores afeta distribuição de remédios no Porto Seco do DF

09/08/2012 – 17h10

Mariana Branco


Repórter da Agência Brasil

Brasília – A greve dos servidores federais está afetando o funcionamento do Porto Seco do Distrito Federal, estação aduaneira localizada em Santa Maria, cidade-satélite a 39 quilômetros de Brasília.

De acordo com o gerente-geral do Porto Seco do DF, Edward Líbaino Martins, 80% da carga que está parada são compostos de matérias-primas para a fabricação de medicamentos. Trata-se de uma mercadoria perecível, avaliada em US$ 15 milhões (R$ 30 milhões).

Com os serviços da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do Ministério da Agricultura e da Receita Federal paralisados, as mercadorias que chegam ao local não estão sendo liberadas por falta de fiscalização.

Os produtos estão encalhados no pátio da unidade há sete dias, quando o normal seria que todo o processo ocorresse em um período de 24 a 48 horas.

Segundo o gerente-geral do porto seco, as matérias-primas foram importadas da Índia e Alemanha por indústrias farmacêuticas de Minas Gerais, Goiás, São Paulo e do próprio Distrito Federal, que abriga fábrica da União Química e em dezembro ganhará uma da Medley.

Edward explica que é comum empresas de outras unidades da Federação importarem usando o DF como porta de entrada, em razão da posição geográfica central de Brasília.

De acordo com o gerente-geral, além de insumos para remédios, estão retidos na estação aduaneira implantes, próteses e equipamentos médicos, como marca-passos e stents, usados em cirurgias cardíacas. Material de informática e aparelhos utilizados no bloqueio do sinal de celulares em presídios também estão presos.

O gerente-geral diz que os funcionários da Anvisa lotados no Porto Seco do DF estão sem trabalhar há cerca de 15 dias. Os fiscais agropecuários do Ministério da Agricultura que atuam no local pararam as atividades no início desta semana.

Atualmente, a Receita Federal é a única a cumprir suas funções na área, mas os auditores fiscais estão em operação-padrão. “De cada dez mercadorias, eles só liberam três”, afirma Martins.

Na avaliação dele, a situação dos insumos para medicamentos é a mais preocupante. Apesar de estarem estocadas em ambiente refrigerado, as substâncias têm prazo de validade. “Em geral elas demoram uns 45 dias para chegar ao Brasil. Aqui, o processo de liberação tem que ser bem dinâmico ou  então os remédios chegarão ao consumidor final com uma validade muito curta”, diz.

Ele destaca que, no caso dos demais produtos encalhados, o prejuízo é apenas financeiro – as empresas têm que desembolsar uma taxa pelo tempo extra de armazenamento.

Apesar do prejuízo causado à economia, o impacto da greve dos funcionários públicos no DF parece não ter chegado ainda ao cidadão comum. A reportagem da Agência Brasil visitou a  unidade do Na Hora da Rodoviária do Plano Piloto, zona central de Brasília (onde a Polícia Federal realiza emissões de passaporte), e dois centros de Atendimento ao Contribuinte (CAC) da Receita Federal. A movimentação nos locais estava normal.

No Na Hora, o empresário Vinícius Cascão, 29 anos, conseguiu buscar o passaporte sem problemas e não enfrentou demora. “Eu fiz o pedido no início de julho e pouco depois me avisaram que já estava pronto, mas só pude vir pegá-lo hoje. O atendimento foi bem rápido”, comentou.

De acordo com Jones Borges Leal, presidente do Sindicato dos Policiais Federais do DF (Sindipol-DF), quem necessita de passaporte deve sentir dificuldade para obter o documento no momento da entrega. Ele acredita que, caso a greve se prolongue, a demora média, que atualmente é dez dias, ficará maior.

“A maioria dos funcionários que atua no Na Hora é terceirizada. Eles devem continuar fazendo o atendimento à população. Mas só um papiloscopista pode autenticar um passaporte. Por isso, o problema não será com a solicitação do documento, e sim na entrega propriamente dita”, declarou.

No CAC da Receita Federal do Setor de Autarquias Sul, os cidadãos que retiravam senha eram chamados rapidamente.O cobrador de ônibus Rogério Cardoso, 32 anos, contou que foi atendido em dez minutos. “A única coisa que não estava boa era a internet, que estava lenta”, reclamou.

No CAC de Taguatinga, a servidora pública Lenilda Araújo da Cunha, 52 anos, foi chamada em 15 minutos e só se queixou de não ter conseguido resolver seu problema. “Vim entregar a declaração do ITR [Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural], pois não consigo transmitir do meu computador. Mas não aceitaram a versão impressa e pediram que eu trouxesse em um pen drive”, contou.

Júlio Cruz, chefe da unidade, disse que os servidores da Receita que atuam no CAC de Taguatinga não aderiram à operação-padrão do movimento grevista.

Edição: Davi Oliveira

Leia também:

Brizola Neto nega falta de ousadia do governo

Altamiro Borges: Decreto antigreve de Dilma é “perigoso e inconstitucional”

Greve dos caminhoneiros é locaute

Marinalva Oliveira: Não há perspectiva de fim da greve nas universidades

Claudio Puty: Celpa, um caso clássico de Privataria Tucana



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Altamiro Borges: Oportunistas elogiam Dilma para corroer base de apoio « Viomundo – O que você não vê na mídia

15 de agosto de 2012 às 17h16

[…] Agência Brasil destaca prejuízo causado pelas greves […]

Responder

FHC apoia Dilma no jogo duro com grevistas « Viomundo – O que você não vê na mídia

15 de agosto de 2012 às 15h06

[…] Agência Brasil destaca prejuízo causado pelas greves […]

Responder

Folha pede ao governo que resista aos servidores « Viomundo – O que você não vê na mídia

10 de agosto de 2012 às 12h10

[…] Agência Brasil destaca prejuízo causado pelas greves […]

Responder

Julio Silveira

10 de agosto de 2012 às 09h15

Vejo a culpabilidade com outros olhos. Penso, por que os dirigentes responsaveis não tiveram a sensibilidade de acompanhar a crescente insatisfação das categorias até chegar a esse desenlace? Certamente, como sempre, deveu-se ao conforto que os gabinetes propiciam na proliferação de gatos gordos e distantes.

Responder

O_Brasileiro

10 de agosto de 2012 às 07h33

Vai demorar para a população sentir…
O ensino médio e a segurança pública são atribuições dos governos estaduais.
O ensino fundamental é atribuição das prefeituras e das escolas particulares.
O ensino superior já foi privatizado em mais da metade.
A reforma agrária já estava parada antes da greve.
O judiciário sempre foi devagar quase parando. Quem espera de 5 a 10 anos por uma decisão, pode esperar de 6 a 11 anos.
Há milhares de quilômetros não fiscalizados nas estradas federais, ficar sem fiscalização em outros milhares não parecerá algo diferente para a população.
Comemos “porcarias” todos os dias e as endemias, dengue e malária, continuam por ai. Além de que os governos estaduais é que realmente as abordam em campo.
A Polícia Federal não chama a atenção para sua atuação desde o primeiro mandato do Lula, quando fazia as operações midiáticas contra a corrupção, quando o Thomaz Bastos era ministro da Justiça. A população (RICA) é que vai reclamar por ter que esperar um pouco mais nas filas da Imigração nos aeroportos. Para 90% da população, a greve não vai fazer diferença.
A única preocupação do governo realmente é com as greves da Receita Federal e da ANVISA, que podem causar diminuição na arrecadação e na liberação de produtos.
Funcionários públicos federais talvez precisemos entender que o diploma não nos dará o direito de ganhar muito, mas apenas de ganhar, pois nossos serviços podem não ser tão essenciais quanto pensávamos que fossem.

Responder

Wagner

09 de agosto de 2012 às 23h58

As pessoas vão morrer por falta de remédio e a culpa é dos trabalhadores grevistas.

Deveriam privatizar todos esse serviços.

O PIG não faria melhor…

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!