VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Altamiro Borges: Decreto antigreve de Dilma é “perigoso e inconstitucional”


28/07/2012 - 09h54

sexta-feira, 27 de julho de 2012

O decreto antigreve do governo Dilma

Por Altamiro Borges, em seu blog

Diante da ampliação da greve dos servidores públicos federais, que já dura mais de um mês e paralisa 25 categorias, o governo Dilma Rousseff apelou para o pior caminho. Baixou o Decreto 7.777, publicado no Diário Oficial da União nesta quarta-feira (25), que prevê a substituição dos grevistas dos órgãos federais por trabalhadores das redes públicas estaduais e municipais. A medida gerou imediata reação das centrais sindicais, que criticaram a postura antidemocrática do Palácio do Planalto.

CUT e CTB criticam a medida

Em nota oficial, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), que representa a maior parte das categorias em greve, repudiou a guinada autoritária do governo. “Esta inflexão do decreto governamental nos deixa extremamente preocupados. Reprimir manifestações legítimas é aplicar o projeto que nós derrotamos nas urnas. Para resolver conflitos, o caminho é o diálogo, a negociação e o acordo. Sem isso, a greve é a única saída”, afirma a nota.

Wagner Gomes, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), também foi incisivo na crítica à iniciativa: “O centro deste decreto é a tentativa de mobilizar fura-greves contra os funcionários públicos… Esta é uma atitude antissindical, cujo objetivo é procurar trabalhadores substitutos aos grevistas para esvaziar suas lutas e, jogando trabalhador contra trabalhador, enfraquecer seu movimento. O governo age, desta forma, como um patrão capitalista”.

Precedente perigoso e inconstitucional

Pelo decreto, os ministros e os supervisores de órgãos públicos federais são orientados a garantir o funcionamento dos serviços nas áreas atingidas pela greve. A norma orienta a realização de parcerias com governos estaduais e municipais para substituir os grevistas temporariamente – até o fim da paralisação. A medida coloca em risco, inclusive, determinados serviços prestados à população, como na vigilância sanitária e na fiscalização das fronteiras, dos portos e dos aeroportos.

Além de abrir um precedente perigoso contra qualquer paralisação no setor público, o decreto fere o próprio princípio constitucional, que garante o direito de greve aos trabalhadores. Para manter a maldição do superávit primário, nome fantasia da reserva de caixa dos banqueiros, o governo Dilma rompe o processo de diálogo, mostra-se inflexível na negociação e apela para a intimidação e para o uso de fura-greves. Um absurdo, que cobrará o preço do desgaste político.

Leia também:

Greve dos caminhoneiros é locaute

Marinalva Oliveira: Não há perspectiva de fim da greve nas universidades

Claudio Puty: Celpa, um caso clássico de Privataria Tucana





103 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Confederação diz que corte total de salário afetará 30 mil servidores e é “um ato ilegal” « Viomundo – O que você não vê na mídia

22 de agosto de 2012 às 19h29

[…] Antônio Dias Toffoli, relator do pedido dos servidores para que seja declarado inconstitucional o Decreto 7.777, que permite a substituição de funcionários públicos federais em greve por servidores estaduais […]

Responder

Maria Godói Faria: Mídia reforça preconceito contra servidores « Viomundo – O que você não vê na mídia

10 de agosto de 2012 às 14h03

[…] Altamiro Borges: Decreto antigreve de Dilma é “perigoso e inconstitucional” […]

Responder

Agência Brasil destaca prejuízo causado pelas greves « Viomundo – O que você não vê na mídia

09 de agosto de 2012 às 22h23

[…] Altamiro Borges: Decreto antigreve de Dilma é “perigoso e inconstitucional” […]

Responder

Servidores denunciam no STF decreto de Dilma como inconstitucional « Viomundo – O que você não vê na mídia

09 de agosto de 2012 às 22h17

[…] Altamiro Borges: Decreto antigreve de Dilma é “perigoso e inconstitucional” […]

Responder

João Constantino

31 de julho de 2012 às 16h31

Qual a dificuldade para se entender que greve é direito constitucional e que direito à greve é parte integrante de qualquer democracia? Quem se posiciona cegamente pelo governo da Dilma só pode estar usando antolhos! Devem ser apadrinhados que estão encostados em cargos comissionados. Só pode! São aqueles que nunca passaram num concurso público e sabe que se seus empregos depende do político q está no mandato. Por isso defendem cegamente qualquer barbaridade! São pelegos!

Responder

Roberval

31 de julho de 2012 às 11h05

Os Sete Pecados Capitais-> PT=DEM=PSD=PSDB=PMDB=PP=PSOL.

logo,
Governo Dilma=ACM Neto=Katia Abreu=Serra=Sarney=Maluf=Heloísa Helena

logo,
Autoritarismo=Pau no Povo=Desmatamento=Privataria Tucana=Coronelismo=Ditadura Civil-Militar=Oportunismo Político.

Não se enganem com esse Governo Dilma achando que se trata de uma gestão de centro-esquerda pró-sociedade brasileira. Trata-se de um governo fraco, sem proposta política, sem idealismo democrático e com grandes tentáculos e conchavos com os grupos mais retrógrados, conservadores e reacionários da sociedade brasileira e internacional dispostos a total truculência para permanência no poder e espoliação do patrimônio de nossa sociedade. Muitas matérias publicadas aqui mesmo neste blog não deixam dúvidas sobre a (des)compostura desse governo.

É chegada a hora de fortalecer e articular o debate para uma nova reforma política que coloque o poder de decisão nas mãos do povo, uma vez que, o sistema representativo é personalista e como se vê é antidemocrático.

Responder

Brizola Neto « Viomundo – O que você não vê na mídia

30 de julho de 2012 às 23h18

[…] Altamiro Borges, um dos blogueiros presentes à entrevista, é autor de um texto que classificou o decreto da presidente Dilma Rousseff como perigoso e inconstitucional. […]

Responder

renato

30 de julho de 2012 às 20h57

Dentro da federação, há normalmente gente a favor e contra o Governo, mas tem que engolir o quadro da minha presidente sobre suas cabeças. Quer ver o contrário, votem no Serra.
Quanto as greves, podem fazer mas não pode faltar serviços para a população, para o cidadão, pra o individuo, para a pessoa, para comunidade, se trabalhassem em fábricas ou pior, no comércio, que tem sindicatos nada a ver, daí sim eu ia chorar.

Responder

Adilson

30 de julho de 2012 às 19h02

Viva o neoliberalismo! No Rio, Sergio Cabral, que acada dia acaba um poquinho mais com a dignidade dos profissionais de Educação, que trasnformou as salas de aula em “linhas de montagem”, ataca sem piedade agora o plano de carreira dos servidores. O negócio é flexibilizar até onde não der e puder, ou até quando as pessoas pedirem arrego e não aguentarem mais.

Responder

Marcelo Pinheiro

30 de julho de 2012 às 16h35

COMO CLASSE MÉDIA NESTE PAÍS É ESTÚPIDA!

Acredita, por exemplo, quando o Boris Casoy diz que manifestações de grevistas são antidemocráticas, sendo isso “uma vergonha”! Vergonha para quem??? PARA ELE E PARA OS PATRÕES DELE, É CERTO! Então, todos (classe média, principalmente) passam a repetir esse bordão, comportando-se de maneira condizente. Lembro-me de uma greve, movida por caminhoneiros, por ocasião da instalação de praças de pedágio em São Paulo. Rapidamente, os do PIG, começaram a aterrorizar dizendo que haveria desabastecimento, e coisa e tal… Esse senhor, o Boris, com seu bordão, repetiu, insistentemente, o mesmo mau agouro, através daquela boca de ‘velha lavadeira’. Como era de se esperar, os cordeiros da classe média não apoiaram o movimento. Deu no que deu: quanto se paga nos pedágios paulistas atualmente? Interessante nessa estória, é que uma semana depois, CAMINHONEIROS FRANCESES INICIARAM GREVE GERAL, PELA A MUNTENÇÃO DE SUBSÍDIOS AOS COMBUSTÍVEIS, pagos por eles. 80% da população francesa apoiou o movimento. Qual foi o resultado. O GOVERNO DAQUELE PAÍS TEVE DE ENFIAR A VIOLA NO SACO!!! E o Boris, sobre a barulheira francesa? NADA!!!

Boris Casoy não diz que é uma vergonha, ou que é antidemocrático, quando manifestações grevistas ocorrem na França, Coréia do Sul, Itália… Da mesma forma, a classe média “chic” tupiniquim não manifesta incredulidade pela “falta de civismo” de grevistas além mar… O BONITO É SER CIVICAMENTE BOVINO!!!

ISSO MESMO, GENTE! VAMOS CONTINUAR AGINDO COMO CAIXA DE RESSONÂNCIA DOS EMPREGADORES!!! AFINAL, O PROBLEMA DO OUTRO, NÃO É PROBLEMA NOSSO, CERTO? (ATÉ QUANDO?) PARA OS PATRÕES, ESSE COMPORTAMENTO BOVINO É, SIMPLESMENTE, UM LUXO!!!

Responder

Marcelo Pinheiro

30 de julho de 2012 às 15h37

Os procedimentos do governo Dilma, vez ou outra, surpreende-me. Esse decreto, é um exemplo! Fico pensado se a ideia partiu de Dilma, ou de assessores ‘bem intencionados’… Certo é que o governo Dilma É RUIM DE MESA (de negociação)! Talvez por AMADORISMO ou FALTA DE EXPERIÊNCIA. Mas, de qualquer forma, espanta-me. E muito!!!

Responder

João Vargas

30 de julho de 2012 às 15h09

Se o governo cumprisse a constituição, e anualmente reajustasse o salário dos servidores públicos, ao menos repondo a inflação não haveria necessidade de greves. Mas neste ponto a política do PT é idêntica a do PSDB. Os intocáveis continuam os mesmos: banqueiros e montadoras de automóveis.

Responder

Julio Silveira

30 de julho de 2012 às 10h02

Começo a acreditar que com a passagem do PT ao governo, esse partido ficou tão atraente que começou a atrair espertalhões sem pudor em ser declarados de esquerda, mas apenas discursiva, alinhada a retórica, tão vil quanto falsa nos principios, desde que as recompensas fossem gordas e prolongadas. Ao ver o debate que se trava neste mesmo blog, que um tempo atrás foi uma trincheira unida dos defensores dos melhores sentimentos de igualdade dentro da cidadania brasileira, contra situações muito semelhantes, e necessariamente e justamente criticaveis, produzidas por adversários do partido do poder aonde eles governavam, constato hoje que ainda existem adversários das situações igualmente injustas, mas para muitos dos outrora criticos esbravejantes elas passaram a ser relativas, outros muitos dos criticos parecem definitivamente terem ingressado nas fileiras do poder, formando uma nova burguesia.

Responder

    Luís

    30 de julho de 2012 às 10h50

    “Começo a acreditar que com a passagem do PT ao governo, esse partido ficou tão atraente que começou a atrair espertalhões sem pudor em ser declarados de esquerda, mas apenas discursiva, alinhada a retórica”

    Esse pessoal se chama blogueiros e internautas “progressistas”.

    Daqui a pouco vem aquele apparatchik do PT de nome Herivelto Canales me chamar de troll.

    Herivelto Canales

    30 de julho de 2012 às 15h12

    Colque seu nome, meu querido.
    Porque senão faço o que fazem comigo quando posto meus comentários, digo que está sendo pago para dar opiniões contrárias à situação.
    Eu defendo este governo não é de hoje, por confiar.
    Mesmo que eles errem, têm crédito comigo, desde que não seja algo grave.
    Sou, pai, acompanhei meus filhos na pública e conheci os docentes de todas as escolas pelas quais ele passou, trabalho em uma escola pública e sei como funcionam as coisas aqui em São Paulo e ainda sou estudante de Arquitetura e Urbanismo e conheço perfeitamente todo o trâmite e disposição dos professores, em sua maioria. Profissionais – em grande parte – que não merecem salário e sim demissão.

    Marcelo Pinheiro

    30 de julho de 2012 às 15h48

    Herivelto,

    Por favor, veja a resposta que deixei, junto de seu comentário, na reportagem intitulada ‘Marinalva Oliveira: Não há perspectiva de fim da greve nas universidades’. A resposta relaciona-se à sua afirmação de que professores “não merecem salário e sim demissão”. Leia tb comentário deixado por mim, logo abaixo, no mesmo post. Ainda apoio o governo Dilma, mas acredito que ele perde a razão no trato com os grevistas.

    Luís

    31 de julho de 2012 às 13h40

    “Mesmo que eles errem, têm crédito comigo, desde que não seja algo grave.”

    Demitir grevista não é algo grave. Você tem razão.

    João Constantino

    31 de julho de 2012 às 16h14

    Vc quer dizer “Herivelto TUCANAles”?

Vlad

29 de julho de 2012 às 17h58

Essa “militânssia” pelega do PT, escumalha paga para defender não importa o que é de dar nojo.
Nem o Olavo de Carvalho usa mais esses chavões facistóides como esse tal de Geniberto.

Responder

O_Brasileiro

29 de julho de 2012 às 12h09

Uma coisa interessante é que falam do aumento oferecido aos professores como se fossem propostas feitas a TODOS os funcionários públicos federais em greve!
Reconheço a importância dos professores, mas nem é este o “alvo” do decreto, e nem é este o foco do artigo. Esse tipo de comentário é parecido com as manobras governistas.
Mesmo quanto aos professores, estão dando com uma mão e tirando com as duas. O plano de carreira proposto é muito ruim, apesar dos reajustes ESCALONADOS ATÉ 2015 serem razoáveis. É uma estratégia do governo federal para jogar os estudantes e a opinião pública contra os professores. Quem é da área sabe que o professor entra ganhando de 2000 (20 h) a 4000 (40 h) e demora 15 a 20 ANOS para ter um salário parecido com o das universidades estaduais e até de algumas particulares.
Mas, volto a dizer, não são apenas os professores que estão em greve. E não é a greve destes que assusta o governo, nem a da FUNASA, e nem a do INCRA. É a greve dos auditores e da ANVISA que o assustam, pois a prioridade do governo é atender os EMPRESÁRIOS e garantir os lucros destes, e não garantir Saúde e Educação públicas. Estas ficam em um plano secundário para aquele…

Responder

O_Brasileiro

29 de julho de 2012 às 10h58

Ver os petistas usando os mesmos argumentos e quase as mesmas palavras que os tucanos durante o governo FHC… não tem preço!
Se o Lula tivesse agido assim como os petistas recém-convertidos ao neoliberalismo, seu governo teria quebrado o Brasil em 2008.
Eles dão financiamentos e benefícios fiscais para multinacionais, que remetem os lucros para o exterior, e os funcionários públicos é que tem que pagar a conta. Só rindo!
Viva o arrocho salarial! Viva a austeridade! Viva o neoliberalismo!

Responder

    João Constantino

    31 de julho de 2012 às 16h21

    Muita gente é mera massa de manobra e maria vai com as outras! Ou alguém acha que todos os eleitores de Lula e do da Dilma são de esquerda? Tá cheio de ex-tucanetes saqui defendendo só porque tem um carguinho comissionado.

trombeta

29 de julho de 2012 às 10h02

Certo seria ficar refém de um sindicato dominado pelo esquerdismo?

A presidenta Dilma é presidente de todos os brasileiros portanto está corretíssima em tomar as providências que está tomando.

Já foram feitas propostas para pôr fim à greve e não foram aceitas, querer tirar leite de pedra numa conjuntura de crise internacional e de baixo crescimento também é uma tremenda irresponsabilidade.

Responder

    Ricardo

    29 de julho de 2012 às 18h28

    não foram feitas propostas. foram pura enrolação. eu posso fazer a seguinte proposta : você vai ganhar 1 real. na sua lógica, foi feita uma proposta. na prática, não foi.

    simples, né ?

    PT = PSDB, cada vez mais.

    lembre que o PT surgiu de greves. agora mudou o discurso, tá no poder.

    qualquer dia desses Dilma casa com FHC.

    Ricardo.

    João

    07 de agosto de 2012 às 02h09

    Hahaha! Engraçado, mas trágico. Parece brincadeira, mas é fato!

Sérgio

29 de julho de 2012 às 09h01

Parece que estamos vivendo o fim de uma era que mal começou.
Estamos voltando a estaca zero.
O Brasil ia tão bem… e de repente, é isso que vai se vendo.

Responder

    Daniel

    30 de julho de 2012 às 17h11

    O Brasil não ia bem…

Roberto Locatelli

29 de julho de 2012 às 08h40

Os governos progressistas da América Latina têm dois caminhos a seguir:
– um é o caminho centrista, cercando-se de políticos de direita, achando que, dessa forma, ganha a confiança das elites;
– o outro é o caminho da aliança com o movimento de massas, com os trabalhadores, com as organizações da sociedade civil.

Os que seguirem o caminho centrista serão alvos preferenciais de golpes de estado. Vide o exemplo de Honduras (Zelaia) e do Paraguai (Fernando Lupo). Ambos foram depostos pelos “aliados” de direita. O vice de Lugo entrou em seu lugar, depois do golpe!

Os que se fortalecerem no fogo da luta estarão mais protegidos contra tentativas de golpe. Que o digam Cristina Kirchner, Evo Morales e Hugo Chávez. Principalmente este último: chegaram a prende-lo, mas a reação das organizações populares derrotou o golpe. Os golpistas fugiram para Miami (golpistas derrotados sempre fogem para Miami) com o rabo entre as pernas.

Lula escolheu o caminho da aliança com a direita. Escapou do golpe pela conexão que o PT (ainda) tem com os trabalhadores. Dilma parece estar aprofundando o afastamento entre governo e movimento popular. Caminho extremamente perigoso nesses tempos de capitalismo em grave crise.

Responder

    Julio Silveira

    29 de julho de 2012 às 16h21

    Isso é lucido. E nem sou petista.

    Roberto Locatelli

    29 de julho de 2012 às 22h40

    Pois é, Julio. Enquanto o movimento Occupy mostra porque o capitalismo tem que ser extinto – http://occupywallst.org/forum/simple-explanation-of-why-capitalism-is-unfair/ – aqui Governo faz cafuné nas montadoras de automóveis.

    Ricardo

    29 de julho de 2012 às 18h33

    falou tudo, Locatelli.

    o próprio José Genoino, PT, disse isso. lembro quando ele disse :”quando a esquerda chega ao poder, ou é cooptada pela direita ou vai para o gueto.”

    o PT há muito que não é mais de esquerda.

    vide o que fizeram aqui no Recife. na base do mais puro golpe, tiraram a possibilidade do prefeito atual tentar reeleição. fizeram prévias e ele venceu, e o diretório nacional simplesmente passou por cima e impôs outro candidato.

    cuspiram na vontade da militância. o PT morreu. qq dia desses a estrela vai ser em ouro, não mais na cor vermelha. ótica capitalista selvagem.

    Ricardo

    Roberto Locatelli

    29 de julho de 2012 às 22h43

    Verdade, Ricardo, o PT caminha mais e mais para a direita. Ele ainda é um partido no qual os trabalhadores depositam esperanças. Mas não sei por quanto tempo.

    João Constantino

    31 de julho de 2012 às 18h41

    Falasse tudo Roberto! É isso aí!

    Marcos Lima

    01 de agosto de 2012 às 11h42

    Caro senhor Roberto Locatelli.

    Você tem toda razão,medidas como esta desta: Decreto antigreve de Dilma é “perigoso e inconstitucional”.

    Nada mais é que a volta ao passado,vão devagar como quem come papa, pelas beiradas, daquí a alguns… chegarão ao AI5.

    Marcos Lima

    01 de agosto de 2012 às 11h47

    Caro senhor Roberto Locatelli.

    Você tem toda razão,medidas como esta: Decreto antigreve de Dilma é “perigoso e inconstitucional”.

    Nada mais é que a volta ao passado,vão devagar como quem come papa, pelas beiradas, daquí a alguns… chegarão ao AI5.

Paciente

29 de julho de 2012 às 03h24

Venho avisando há tempos. A intransigência imediatista e esquerdista do PSOL/PSTU esta empurrando Dilma para um lugar que só é do interesse da direita.

Quem tem de saber fazer analise é o trabalhador. Trabalhador : não deixe essa competência para “as vanguardas”! Entregar a sorte da aliança trabalhadores/governo nas mãos de partidos que tem como única meta eleger uns dez ou vinte vereadores e uns tantos deputados estaduais é suicídio politico!

Estão empurrando Dilma a tocar em conquistas trabalhistas que a direita nunca pode mexer porque não tinha maioria (politica, de rua) para isso. Alguém da direita reclamou? Nem vai. A Globo, o Estadão, toda a curriola esta soltando foguetes! Os grevistas estão reclamando do “privatismo” de Dilma (!). Fumar demais dá nisso! Deixa ver o privatismo que virá da direita…

E têm doutorado, os “jênios”…

A classe trabalhadora é dona desse governo enquanto quiser, a não ser que seja burra. Se quiser deixar o poder, Dilma não terá o menor prejuízo. Nem o PT. Já há um acordo pactuado para três anos, o país esta enviando gente para o exterior como nunca, a grana esta correndo solta (talvez até demais, logo dirá a direta…)… Quer mais o que? Daqui três anos aperta de novo!! Será véspera de eleição DELA! Ai, aperta!

Qual é o trabalhador que não é contra receber sem trabalhar? Só porque é trabalhador da educação seria diferente? O pião brasileiro não vê graça nisso e nunca verá. Saiam da sua panelinha e respirem o mundo:

Você estão se isolando!!! Demais!!!!

Responder

    Roberto Locatelli

    29 de julho de 2012 às 22h46

    A pergunta a fazer é: como é que o PSTU, PSOL, PCO e outros estão vencendo eleições em sindicatos e diretórios estudantis? O que o PT fez (ou deixou de fazer) para perder essas eleições? Exemplo: Sindicato dos Metroviários de São Paulo.

    Meu palpite é: a Natureza não admite o vácuo. Se o PT não cuida (porque se desinteressou), vem outro e pega.

    Leonardo Meireles Câmara

    30 de julho de 2012 às 01h26

    Você esta falando um enxurrada de bobagens tão sem nexo causal que talvez nem valesse a pena responder. O faço apenas em nome dos leitores lúcidos, bem intencionados e, talvez, menos informados.

    Não existe essa de partidarismo em sindicato de docente do ensino superior, isso é comentário de gente ignorante, tão somente (quero crer que não há interesses outros por trás de teus comentários).

    Em nossas seções sindicais ao longo de todo o país, talvez com raríssimas exceções, vivemos a democracia em estado puro.

    O que se está discutindo é porque o partido dos trabalhadores resolveu não cumprir seus compromissos históricos com o povo brasileiro, decidindo por governar para uma minoria rica.

    E defendemos isso através da nossa atribuição constitucional de promover e implementar as políticas públicas para a educação.

    Metade de tudo que se produz no Brasil vai para o bolso dos banqueiros transnacionais. É este tipo de servilismo que você defende?

    Francisco

    30 de julho de 2012 às 19h30

    “(…) porque o partido dos trabalhadores resolveu não cumprir seus compromissos históricos com o povo brasileiro, decidindo por governar para uma minoria rica.”.

    Governar para uma “minoria rica” foi tudo o que aconteceu nos últimos oito anos?

    Minha antiga diarista fez curso de “Cuidadora de idosos” (num programa gratuito, pelo SENAC), trabalha com isso agora e saiu da “tapera” onde morava. Agora, o prédio onde ela mora é simples, mas tem guarita eletrônica e é dela. Dela. A filha dela quer fazer “engenharia genética”. Se caprichar, vai fazer – ela é merecedora da cota. Minha ex-disrista sorri agora – ela fez o “Brasil Sorridente” e ajeitou todos os dentes da frente – ela era “meio banguela”.

    De que “minoria rica” você fala, meu estimado pequeno-burguês (ou melhor, professor universitário), eu estou tentando entender…

    O que sei é que se o PT radicalizasse a “revolução”, com certeza, o país iria precisar requisitar do engajamento dos docentes universitários. Anos a fio de baixa remuneração e turmas cheias em condições dificeis, para a vitória da classe operária. como em Cuba, como foi na Espanha revolucionária, etc.

    Tem certeza de que a “falta de esquerdismo petista” não é uma desculpa para dar vazão aos instintos de classe…

    Estimado colega (também sou docente…), quantos colegas seus bancam esse tipo de projeto? Projeto revolucionário, quero dizer. Quantos passariam imediatamente para a direita, tão logo tivesem alguma necessidade burguesa negada? Caro colega, se o docente universitário já renega um governo trabalhista por causa de (porcaria de) salário, imagina o que faria diante das demandas que seriam necessárias num processo revolucionário pleno…

    Você quer que a minha ex-diarista arrisque tudo o que vem obtendo, para você ficar satisfeito um tempo e depois “fazer a revisão” ou “cansar”? Você pode se dar a esse luxo. Minha ex-diarista, não.

    O primeiro sintoma é pensar que o que não é bom para o professor universitário, não é bom para a empregada doméstica. É pensar que a felicidade da empregada doméstica vale (ou é menos relevante) que a felicidade do professor universitário…

    Se esse governo trabalhista não lhe satisfaz é porque ele não é “trabalhista autêntico”? Quem é você por acaso? Você pelo menos ´pe um trabalhador “autêntico”? Minha ex-diarista esta muito satisfeita – minha bússola é ela. Não vou trocar quarenta milhões por cinco mil. Quarenta milhões de trabalhadores por cinco mil professores universitários. Classe operária por “inteligentzia”. Chega de Stalin!

    O PT não é revolucionário? E os professores universitários? O são? O são?? São mesmo???

    Mostrem!!!

    João Constantino

    01 de agosto de 2012 às 00h50

    Não foram os trabalhadores nem o PSTU que empurraram Dilma para o colo dos ruralistas, da Katia Abreu, do PMDB, do Sarney… Quem está fazendo o jogo da direita aqui é vc, ao criar bodes expiatórios para as patuscadas de Dona Dilma!

Washington Luiz.

28 de julho de 2012 às 23h00

Não sou “troll” (como adora dizer um do “inteligente” comentarista), mas também não sou “tolinho”. Aqui há democracia, o que essa atitude de Dilma não homenageia, uma vez que a greve é um ato dramático, e único instrumento de resistência do servidor público. A presidenta está se revelando um cameleão de Marte. Vermelha por fora, azulzinha por dentro.

Se olhar bem, é possível notar o nascimento de um bicão amarelo nela. Já na posse ela convidou o nauseabundo FHC para uma conversa a sós. E o PT, que só existe por causa das classes trabalhadoras, incluídos aí os funcionários públicos, trai suas origens e delas se afasta gradualmente, para cerrar fileiras na ideologia do opressor. Com os defensores, não do Estado mínimo, mas do nenhum Estado. Decepção. O DNA tucano é uma praga, e já parece circular no sangue de parcela do saudoso PT.

Responder

    Herivelto Canales

    29 de julho de 2012 às 03h04

    Quem está traindo este governo são estes sindicalistas profissionais e esta greve está na cara que é coisa mandada. Tolinho sou eu, você me parece impressionado com a atitude da Dilma, mas nada diz do comportamento dos grevistas que estão irresolutos.
    Como disse em outros comentários, este Governo merece apoio nesta hora e não greves. Sei quais são as prioridades e quais são as dificuldades, mas querer dizer que esta greve é legítima, sinto muito: não é mesmo.
    E outra Washington Luiz: tens sobrenome?

    Luís

    29 de julho de 2012 às 11h05

    Uma perguntinha: Se o governo fosse do PSDB ou DEM (bate na madeira) você falaria a mesma coisa dos grevistas e da greve?

    Washington Luiz

    29 de julho de 2012 às 14h22

    Um petista de direita. Era só o que faltava. Pelo menos, quando o psdb retomar o poder, nao haverá solução de continuidade. Salve-se quem puder. Quaquaqua!

Luiz Fortaleza

28 de julho de 2012 às 22h22

Lembro que em 1986, Maria Luiza Fontenelle, primeira prefeita de capital do PT, inventou de dar aumento de mais de 30% ao funcionalismo municipal, por achar que era obrigação de uma política de esquerda, porém não tinha o dinheiro para pagar. Resultado: atrasos no pagamento e seu desgaste político.

Responder

    Felipe

    30 de julho de 2012 às 23h37

    E quando a Erundina, como prefeita de São Paulo, frente a uma greve de funcionários, pediu para que estes negociassem com representantes de movimentos sociais por serviços públicos (o pessoal que reivindicava saúde, creche, etc) para que chegassem a um acordo sobre as prioridades do governo?

    Isso sim foi democracia…

Herivelto Canales

28 de julho de 2012 às 20h49

Ah, ia me esquecendo de fazer uma pergunta importante: quantas faculdades no país (entre públicas e particulares) que têm estrutura 100%?
Faço faculdade e a minha faculdade não tem estrutura para o meu curso.
Esta reivindicação quem deve tomar rédea é a União de Estudantes, penso eu.
Os professores só querem o dim dim, o money, a bufunfa, pois são profissionais de qualidade duvidosa e querem garantir uma aposentadoria gorda.
De certa forma, isto é generalizado no funcionalismo público do país.
E este é o maior objetivo das pessoas que entram no serviço público para “se dar bem”.

Responder

Ismael

28 de julho de 2012 às 20h05

Anti democrática é a atitude de certas categorias de funcionários públicos, que não levam em conta os prejuízos que causam às empresas e à população quando deixam de prestar os serviços essenciais. Fazer greve é um direito legítimo sim. Mas, deixar de prestar o serviço para os quais são regiamente pagos, em detrimento de quem paga pesados impostos para manter esses mesmos funcionários, é no mínimo não ter o mínimo de consideração para com os contribuintes. Para os insatisfeitos sempre resta o caminho de pedir as contas e enfrentar a dura realidade da iniciativa privada, que não oferece estabilidade e nem tantas mordomias quanto o serviço público.

Responder

Wagner

28 de julho de 2012 às 19h46

Como bem falou o Amigo Miguel, abaixo, será que os anti-greve sabem que os servidores federais do Judiciário NÃO TÊM DATA-BASE?

Responder

Miguel Freitas

28 de julho de 2012 às 18h59

O problema maior é que os servidores públicos não tem data base, o governo para enganar a constituição reajusta em 0,001% anualmente, estas categorias estão sem “reposição” desde 2008. O Judiciário Federal esta sem “Reposição” desde 2006 etc. Toda categoria da iniciativa privada tem data base e reposições anuais, diferente dos servidores. O governo Dilma não negocia e nem dialoga com seus servidores, é autoritário sim!
Nem no desgoverno FHC em que ficamos 8 anos sem reajustes vimos atitudes tão rudes e autoritárias como este ridículo decreto, nem cortar o ponto ele cortava..Li comentários aqui que servidor não pode fazer greve…que história é essa??? servidor é escravo é!! No Mundo inteiro servidor faz grave para ter seus direitos respeitados na França, Inglaterra, Alemanha etc… ninguém faz greve por desejo, não é fácil puxar uma greve….
Comentários contra servidor público normalmente vem carregado de recalque pessoal!!

Responder

Nelson

28 de julho de 2012 às 18h00

Ainda antes da eleição, em 2010, minha avaliação era de que o governo Dilma se postaria a direita do de Lula.
Lamento constatar que minha avaliação estava correta.

Responder

    Herivelto Canales

    28 de julho de 2012 às 19h56

    Trolleiros pagos, estes sim. Não tem nome próprio.

    CarmenLya

    29 de julho de 2012 às 11h56

    Não são trolls não, Herivelto!!!!! eu fui petista de primeira hora e agora estou tão decepcionada que nem tenho vontade de escrever comentários. Procure estudar como e porque o PT surgiu e cresceu. Sempre com a luta do funcionalismo público. A Da. Dilma está exercendo a mesma função de Margareth Tachter…quer quebrar a espinha dorsal da luta dos trabalhadores. Vocês, das empresas privadas, sofrerão ainda mais, pois o sonho dos capitalistas era exatamente levar o fp ao mesmo patamar miserável. Enquanto vocês vibram (caindo como patinhos na armadilha de trabalhadores contra trabalhadores) não percebem o desmonte da “era Vargas” e a precarização das relações trabalhistas: baixos salários, terceirização, firmas individuais, etc.
    Boa sorte para você…as empresas privadas agradecem a Da. Dilma e ao “Partido dos trabalhadores”.

    Nelson

    29 de julho de 2012 às 16h18

    Espertamente, tu te esquivastes de comentar sobre minha afirmação, Sr Canales. Para tanto, se utilizou do tática de denegrir a figura de seu oponente no debate. Comumente, chamamos a isto de reducionismo.

    Em contraponto à sua acusação, Sr Canales, tenho a dizer que votei no Lula em 1994, 1998, 2002 e 2006 e na Dilma em 2010. Se bem que nas duas últimas eleições eu já tenha votado no PT como o menos ruim ou como a opção contra um mal muito maior, rejeito o atributo que o Sr a mim conferiu.

    Troll é quem aqui aparece para defender os interesses dos tubarões e da direita. Tento, modestamente, fazer ver a este governo a necessidade urgente de correção de rumo e de, para tanto, sustar a sequência de erros que vem cometendo.

Sr. Indignado

28 de julho de 2012 às 17h56

Tudo isso, só porque não tem competência para dialogar.
O que está pegando?
Porque este governo petista não quer dialogar?

Responder

    Wagner

    28 de julho de 2012 às 18h59

    Minha aposta é de que a crise se avizinha e, pra variar, os cortes recaem, primeiro sobre os aposentados/servidores. Pra variar.

    Herivelto Canales

    28 de julho de 2012 às 19h55

    Troll detectado.

    Wagner

    28 de julho de 2012 às 20h01

    Não, amigo.

    Apenas um servidor público federal sem correção das perdas da inflação há 6 anos.

    E se fosse um ser do mundo da fantasia seria um ogro, pela minha imensa barriga de cerveja. Abraços.

    Luís

    29 de julho de 2012 às 13h47

    Idiota detectado.

pauloroberto

28 de julho de 2012 às 17h46

A Presidenta está certíssima. Funcionário público nem deveria poder fazer greve. Se não está satisfeito com o salário, procure outro emprego, preste outro concurso, vá para a iniciativa privada e corra o risco de ser demitido como todos os trabalhadores normais.

Responder

Wagner

28 de julho de 2012 às 17h29

Sabe o que é mais triste?

Se não fosse o movimento sindical, as GREVES, o PT jamais teria chegado onde chegou.

Hoje, no poder, esculhambam e reprimem os grevistas e suas justas reinviddicações.

Essa história de política de austeridade ao custo dos salários dos servidores nós já co.nhecemos.

FHC fazendo escola.

Mas tudo bem. O (bom) PT nos ensinou a combater essa política neoliberal.

Responder

Joao

28 de julho de 2012 às 17h19

O que tenho a dizer sobre essa senhora que contou com o meu esforço, fazendo campanha nas ruas? FHC DE SAIAS! [2]
Fiz também campanha para ela, sofri estelionato eleitoral. Agora faço campanha: Fora Dilma!

Responder

    Herivelto Canales

    28 de julho de 2012 às 19h54

    Troll de novo.

    Paciente

    29 de julho de 2012 às 02h48

    Troll é vc que tem nome falso! Se apruma, garoto! Vai conhecer um pouco da vida antes de vir aqui fazer bazófia! Deve ser torll a serviço da banda podre do governo!

    Ricardo

    29 de julho de 2012 às 18h42

    Herivelto Canales, vc é um neopetista. não é das antigas. vc é um petista de direita.

    quando jovem, há 30 anos quase, pedi voto pro pt. apanhei de polícia. os petistas daqui eram pobres, andando em brasílias velhas, nos anos de 80(acho que vc não era nascido). hoje são ricos. esqueceram do povo, não moram mais nos morros. moram em bairros nobres.

    defendiam o direito de greve. joão paulo, atual candidato a vice-prefeito, era o primeiro a puxar greves. hoje manda a polícia bater nos grevistas. quando prefeito, meteu a mão na previdência dos servidores, mais de 200 milhões que foram retirados e não foram repostos. pra mim, isso é roubo. nunca mais voto no PT

    PT, aliás, que está junto com MALUF em SP. sobre isso, o que vc fala ?

    se fosse no governo FHC, você bateria. mas como é PT, vc alisa.

    ganhas quanto pra defender ? só pode ser troll comprado.

    Ricardo

    Leonardo Meireles Câmara

    30 de julho de 2012 às 01h37

    O único e evidentíssimo troll que vejo aqui é você. Faço coro ao comentário. Também votei, também apoiei e fiz campanha para a FHC-de-saias enquanto muito petista tava em casa de pijama. Também me considero vítima de estelionato eleitoral. E não serão seus comentários sarcásticos que irão constranger ninguém aqui a mudar a sua forma de pensar ou agir. Fora Dilma! PT=PSDB nunca mais.

Alexandre

28 de julho de 2012 às 17h11

Parabéns, esta na hora da blogosfera ser mais independente, Onde esta o Ministro da Educação? logo ele aparece para ser o candidato a governador de SP sem um mísero ataque a gestão tucana como sempre fez. Dilma sempre ficou dos dois lados, mas quando chegar a classe qualquer abalo já será em véspera de eleição, ai lula como quer e sempre quis, seus atos autoritários não mentem, vai sair candidato

Responder

Mancini

28 de julho de 2012 às 16h42

Azenha, novamente extra pauta, mas importantíssimo, mensalão mineiro: um vídeo da Record Minas, no Balanço Geral, veiculado na terça-feira passou despercebido. Hoje explodiu. Incorporamos! http://refazenda2010.blogspot.com

Responder

Maria

28 de julho de 2012 às 16h07

Além dos motivos apresentados no artigo, seria um absurdo muito grande que os servidores públicos estaduais com os salários que recebem, assumissem as atribuições dos servidores federais. É evidente que os servidores públicos do executivo federal ganham mal e precisam ter suas reivindicações atendidas. No caso dos servidores públicos do executivo estadual o caos é terrivelmente pior. Enquanto um servidor da ANVISA ganha em torno de 11 a 13 mil reais, os servidores das Vigilâncias Estaduais ganham em torno de 3 a 4 mil somando todos os “pinduricalhos”. Saliente-se que antes da criação da ANVISA, as atividades eram feitas pelos servidores estaduais,portanto competência não falta a esses servidores estaduais,viu dr. Raposo, diretor da Anvisa. O grande problema é q saúde, educação e segurança pública só ganham importância no blá blá blá do discurso político eleitoral. Depois das eleições dem, psdb,pt e todos os demais partidos, assumem o mesmo comportamento, tão pouco se lixando para a população e os servidores públicos que não conseguem prestar serviços de boa qualidade por absoluta falta de infraestrutura e remuneração digna. Aqui na Bahia um motorista do judiciário ganha 13 mil reais, enquanto na média qq profissional de saúde de nível superior ganha 3 mil. Os profissionais das áreas de saúde ,educação e segurança públicas tem mais é que parar o país para forçar esses políticos a tomarem vergonha na cara. Chega! Não aguentamos MAIS!

Responder

    ´snd

    28 de julho de 2012 às 17h54

    temos que acabar com essa distorção. porque enquanto os verdadeiros profissionais que trabalham e servem o povo ganham uma mixaria, esses cabidões de emprego ganham uma grana alta, seja por favorecimento, seja para fazer caixa 2, desviando parte do salário para quem o apadrinhou. e todos nós trabalhadores públicos ficamos todos com má fama. campanha de esclarecimento e correção desse descalabro já.

tiago carneiro

28 de julho de 2012 às 14h52

O que tenho a dizer sobre essa senhora que contou com o meu esforço, fazendo campanha nas ruas? FHC DE SAIAS!

Responder

Vlad

28 de julho de 2012 às 14h14

E qual seria a posição do magnífico Ministro do Trabalho e do ilustre Ministro da Educação?
Um cauteloso e dócil genupeitoral?
Ou estão com pobrema de voz também?

Responder

Ana Paula

28 de julho de 2012 às 14h03

A Dilma é o novo Obama. Infelizmente, a primeira presidenta deste país está se saindo como o primeiro presidente negro norte-americano: uma expectativa desconstruída.

Votei nela mas não cometo o mesmo erro duas vezes, vou mais à esquerda nas próximas eleições, ou então anulo.

Responder

    CarmenLya

    29 de julho de 2012 às 12h25

    EStou contigo, Ana Paula…depois de trinta anos começo novamente…vou de PSOL. Mesmo que seja para ser traída novamente quando eles chegarem ao poder, hehehe!!!!!

FrancoAtirador

28 de julho de 2012 às 13h56

.
.
Todo Decreto é, por natureza, monocrático e, por conseguinte, arbitrário.

Portanto, ainda que traga em si a melhor das intenções, é antidemocrático.

População ignorante… Parlamento inoperante… Autoritário governante…
.
.
IRONIA 2.0 ou CONTABILIDADE SIMPLÓRIA

Educação, Saúde e Justiça “não geram receitas para se fazer superávit”.

Ao contrário,”são despesas orçamentárias que devem ser contingenciadas”.

Logo, os trabalhadores dessas áreas devem ser sacrificados pelo BraZil.
.
.
Palavra Acesa
(Fernando Filizola)

Por Quinteto Violado

Se o que nos consome
fosse apenas fome
Cantaria o pão
Como o que sugere a fome
Para quem come
Como o que sugere a fala
Para quem cala
Como que sugere a tinta
Para quem pinta
Como que sugere a cama
Para quem ama…

Palavra quando acesa
Não queima em vão
Deixa uma beleza posta em seu carvão
E se não lhe atinge como uma espada
Peço não me condene, oh, minha amada!
Pois as palavras foram pra ti amada…
Pra ti amada…
Oh! pra ti amada…

Palavra quando acesa
Não queima em vão
Deixa uma beleza posta em seu carvão
E se não lhe atinge como uma espada
Peço não me condene, oh, minha amada!
Pois as palavras foram pra ti amada…
Pra ti amada…
Oh, pra ti amada
Pra ti amada

http://www.youtube.com/watch?v=ohF9uZ3TvMM

Responder

    Herivelto Canales

    28 de julho de 2012 às 20h37

    Qual a solução para o impasse, caso não haja negociação para um bem essencial, ?
    De onde vem a arbitrariedade?
    Creio eu que Dilma não tem saída.
    A população “ignorante” não apóia esta greve.
    Talvez seja o único governo injustiçado pelas grandes mídias e pelo corporativismo.
    Além disso tem que suportar o peso dos próprios aliados – não políticos, mas fontes de informações críveis – que tentam, através de poemas e delírios, explicar algo que exige ação.
    As aulas estão chegando e as crianças precisam estudar.
    Esperem um pouco mais, pois pressão por pressão, sou mais a Dilma.

    Herivleto Pardales

    29 de julho de 2012 às 18h30

    Troll governista detectado!

    Cesar

    06 de agosto de 2012 às 04h39

    Isto é trol tucanalha disfarçado! Não é poo menos que te chamas Herivelto TUCAnales!

Julio Silveira

28 de julho de 2012 às 13h54

Concordo plenamente com o Altamiro, mas constato de uns tempos para cá uma certa reincidência em suas criticas ao governo. Preocupa-me isso, logo todo seu passado de apoio poderá ter sido esquecido e ele poderá ser transformado num esquerdofilo sociopata com tendencias oposicionistas, tambem vulgarmente bulingnizado como “porraloca” pelos defensores dos confortos do poder.

Responder

Urbano

28 de julho de 2012 às 13h42

Exageroooou…

Responder

Luís

28 de julho de 2012 às 13h02

Dilma está se revelando ser uma tucana de primeiríssima linhagem.

Como disse o Robson Fernando, votamos em Dilma mas elegemos o Zé Pedágio (http://youtu.be/5VZsv_hRiGE).

Sim, o vídeo é altamente subversivo para os “progressistas”.

Responder

Maisa

28 de julho de 2012 às 12h08

O governo da Gerentona vai dando mostras que nao quer dialogo, que nao transige, que nao negocia, com os servidores… Mas faz um esforço descomunal pra alegrar e bem remunerar a banca… Se fosse pra ficar do mesmo jeito, era melhor deixar tudo como estava no reinado FHC, ao menos ele tinha um lado pra defender e nao escondia, diferentemente da Gerentona, que se veste de trabalhista e age como uma capitalista carniceira e gananciosa. Ela deveria ser empregado do povo, mas declara, com suas atitudes, que esta a serviço do patronato. Quem venham a publico os defensores dessa postura do governo PT diante das justas demandas dos servidores públicos federais. O que temos hoje eh somente consequência dos governos que simplesmente ignoraram, e continuam ignorando, aqueles que realizam trabalhos em prol da sociedade que lhes pagam os salários. O radicalismo, de ambas as partes, conduzira ao caos na administração publica federal. O conjunto dos servidores federais ainda nao se concientizou que, se souber se mobilizar, literalmente paralisa o Governo. Nesse embate, todos perdem, mas tiver que ser assim Dilma, assim será! Guenta aí, que a sua estada eh só por quatro anos, enquanto o serviço, e os servidores, são perenes!!!!

Responder

    Herivelto Canales

    28 de julho de 2012 às 13h17

    Ela está, como sempre, certa.
    O que preferem?
    Que desmonte todas as faculdades federais?
    Esta greve é uma afronta à população e aos estudantes.
    Ele não querem negociação, querem causar apenas.

    Rene

    28 de julho de 2012 às 16h22

    Sou estudante de uma das federais, estou sendo prejudicado, mas entendo as reivindicações dos professores que são justas, eles apenas não querem que o aconteça um sucateamento do ensino superior, como aconteceu com ensino público de escolas de ensino médio e fundamental, é inadmissível ter um ensino superior com as estruturas atuais de faculdades como a UNIFESP Diadema e Guarulhos, falo delas, pois são as duas que conheço a situação estrutural precária, apesar não estudar em nenhuma das duas.

    Outro ponto são os salários pagos ao professores e funcionários, me desculpa, mas com o salário que eles recebem, não me vejo incentivado a terminar minha graduação e seguir caminho em mestrado e doutorado para tornar-me um docente, para receber o salário que não condiz com o nível de conhecimento, com certeza vou preferir seguir na indústria.

    Salário professores com título de doutor e dedicação exclusiva (UFABC)= R$ 7.300,00

    Salário deputado federal (não necessário diploma) = R$ 26.723,13

    carvlho filho

    29 de julho de 2012 às 08h21

    Quanto ódio e ressentimento Maisa, que não é a doce cantora, mas a amarga cidadã desse país que, com seu radicalismo porra louca parece não entender nada de história, muito menos da história da América Latina. Você não está entendendo qual é a jogada? Não faz análise de conjuntura? Não é capaz de perceber que desse jeito jogam o governo para a direita que está nesse mom ento faturando com essa greve que não se negocia? Quer a volta do PSDB , seu ex-algoz? O que você tem é resentimento puro. Dê uma lida no livro da Maria Rita Khel chamado Ressentimento que você vai entender. Será inveja feminina da Dilma ? Vá plantar batata.

Elias

28 de julho de 2012 às 12h02

“A medida coloca em risco, inclusive, determinados serviços prestados à população, como na vigilância sanitária e na fiscalização das fronteiras, dos portos e dos aeroportos.”

Uma greve que já passa de um mês, obviamente, também coloca em risco os setores acima citados. O Decreto 7.777 nada mais é que um muro de arrimo, feito às pressas e por extrema necessidade. Esses excessos acontecem quando o diálogo não sai do lengalega, ou pior, quando não há diálogo. Creio que tanto o governo quanto os grevistas devem se reunir o mais breve possível para se chegar a bom termo. Não é hora de se criar sucestibilidades.

Responder

    ivo

    29 de julho de 2012 às 23h10

    Eu quero. Pelo menos com FHC eu tinha material de expediente e não convivia com terceirizados empregados por politicos.

    Herivelto Canales

    31 de julho de 2012 às 17h18

    Querem FHC, pois FHC não terceirizava?
    Alckmin terceiriza os funcionários da limpeza e contra pela lei 500/74, profissionais da educação em São Paulo.
    Alckmin + FHC + Serra + PSDB = RATAZANAS DO BRASIL.

Francisco Hugo

28 de julho de 2012 às 11h47

Absurdo, segundo o Aurélio, é o “contrário à razão, ao bom senso… disparatado”.
Segundo o garçom, o feirante, a balconista, o barbeiro…, as pessoas do povo com quem convivo e converso — exercício fundamental ao bom jornalismo —, contrárias à razão e ao bom senso são essas greves dos serviços públicos paralisantes de outras atividades de categorias: o estivador, o motoreiro, o consertador de carga, o conferente … estão parados porque fiscais sanitários decidiram parar.
São unânimes mas, direis, “toda unanimidade é burra”, repetindo aquele solerte perseguidor do padre Hélder e defensor da ditadura.
Agora são os camioneiros.
Já vi esse filme paraguaio.
Inconstitucional é matéria para o STF, ora dedicado à agenda da Globo.

Responder

lulipe

28 de julho de 2012 às 11h40

É bom lembrar como atuava o PT na questão de greve quando era oposição!!!Não votaram na Dilma, estão reclamando de quê???

Responder

Jair Orichio

28 de julho de 2012 às 11h25

Trabalho em uma estatal da Eletrobrás, e sempre fiz movimentos desde a universidade (UFRJ – Mãos a Obra etc). Depois ajudei a fundar a base sindical do Sindicato Sintergia em Parati – Usina Nuclear.
Quando elegi Lula, duas vezes, não o fiz para melhorar somente o meu salário, o fiz, pois sabia que a miséria que estava ao meu lado, no Parque Perequê e no Parque Mambucaba, era somente uma foto 3 X 4 do que estava acontecendo no resto do Brasil.
O Funcionalismo público e algumas estatais continuam achando, que o Governo é dos Funcionários Públicos ou das Estatais… Não o é, o Governo é de todos, e em particular dos mais necessitados. Nós na Eletrobrás, Eletronuclear, não temos os maiores salários do País, mas também não somos os piores… Saber recuar, é o que não está acontecendo com a maioria das categorias, e o país, pode perceber que em alguns casos eles não fazem a menor falta… Cuidado companheiros!!

Responder

    Herivelto Canales

    28 de julho de 2012 às 20h01

    Sr José Orichio tem nome e está certíssimo.
    Como venho dizendo desde o início: esta é uma greve política e que está rolando dinheiro, muito dinheiro.
    Afinal, é o plano B da oposição, já que não consegue agregar, tenta segregar.

Pedro

28 de julho de 2012 às 11h17

É imperativo uma reação ordenada dos representantes dos funcionários públicos federais é e claro dos mesmos. Greve geral do funcionalismo em resposta ao decreto da presidente, que pasmem foi torturada pela ditadura militar e agora usa a mesma com com os funcionários federais?.Será que a CUT participará???

Responder

O_Brasileiro

28 de julho de 2012 às 11h10

Espero que não apareça alguém dizendo que as Sras. Roussef e Belchior são autoritárias… Autoritários eram os militares! Autoritários são os tucanos!
A polícia política, digo, a militância está nos blogs defendendo o indefensável!

Responder

Pimon

28 de julho de 2012 às 11h05

Princípio Constitucional…. o STF já julgou a questão, não normatizada pelos Constituintes.

Superávit primário e bancos: exatamente o que FHC não fez e quebrou o pais.

Ou o calote da dívida é possível, provável ou “passável” no Congresso?

Opiniões imbecis merecem meu profundo desrespeito.

O mundo não é um sonho, ele existe e possui regras.

Imbecis, em sua maioria.

Criadas por imbecis, eleitos por outros não menos!

Responder

sergio

28 de julho de 2012 às 10h58

Isso sem contar o fato de que, conforme os portais de trasnparência das folhas do funcionalismo, muitos estados pagam maiores salários do que a União para funções que esse madito decreto trata como similares. Por exmplo, Receita Federal e Receitas Estaduais. Ou seja, teremos uma situação no mínimo engraçada, um funcionário estadual susbstituirá um grevista que ganha menos que ele!!

Responder

Iun

28 de julho de 2012 às 10h49

Mas Dona Dilma hein????

Por que dar esse motivo pro PIG?

Cadê os advogados que lhe assessoram?

Bem feito pros grevistas de plantão.Escolheram má hora para exercitar um direito. Isso desmoraliza as justas greves.

Responder

    Vlad

    28 de julho de 2012 às 11h09

    hahaha…SEMPRE é má hora para os patrões, governistas e adesistas.
    E quando seria uma BOA hora, então? Quando passarmos o IDH da Finlândia?

Luiz Fortaleza

28 de julho de 2012 às 10h40

E assim é o paradoxo da política da esquerda liberal… A greve política ou a greve de massas? Eis a questão posta por Rosa Luxemburgo lá nos anos da Revolução Bolchevique. O que fazer numa conjuntura de crise mundial? Q cartas Dilma esconde nesse jogo político? A sua tese de rebaixar a dívida interna para 50% e dar um xeque-mate nos bancos e o Estado ter mais dinheiro e assim melhorar os serviços? Ou o imediatismo político dos trabalhadores que kerem soldos recuperados? Eis o dilema histórico, ideológico, político… Ser ou não Ser esquerda no governo? Ser ou não ser apoiador de um governo?

Responder

Ana Cruzzeli

28 de julho de 2012 às 10h37

Não sei se isso é isso que Dilma está a pedir é inconstitucional, mas a greve está pelo menos pisando também nesse terreno.

O comando da greve insiste com os docentes titulares sejam substituidos sem concurso, apenas promoção automática daqueles docentes substitutos.

A pergunta que sempre eu me fazia quando meus representantes sindicais iam para uma greve se : 1/2 ou 1/10 de revindicação sendo inconstitucional colocaria toda o movimento na inconstitucionalidade?

No meu ponto de vista SIM, afinal um paralisação tem que ser imaculada, tão cristalina como agua tirada das fontes montanhosas

Se você colocar uma 1/3 de vinho em 2/3 de água continuamos com água cristalina?
Essa era minha questão.

Os professores universitários estão brigando para acabar com a titulação através de concurso. Querem acabar com isso atraves de decreto também.

Se um lado está errado, mais errado está que errou primeiro.

Responder

Willian

28 de julho de 2012 às 10h28

Quem diria… SE fosse um governo tucano a CUT, UNE e a blogosfera estavam nas ruas. Mas os funcionários públicos são otários. Em termos de greve, petista é profissional e eles amadores. Vão perder.

Responder

Mancini

28 de julho de 2012 às 10h24

Azenha, extra pauta, mas importante. Em tempos bicudos o capital se assanha. Um importante artigo de Paulo Kiass que reproduzimos explica o porquê não da desoneração da Previdência. http://refazenda2010.blogspot.com

Responder

josaphat

28 de julho de 2012 às 10h18

Trabalhei muitos anos para governos petistas em Contagem e BH.
É o pior patrão. Utiliza a experiência sindical contra os trabalhadores, aliada, para piorar, ao uso da máquina e ao desprezo pelo funcionalismo não militante.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding