VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas

O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes”

18 de julho de 2013 às 23h42

O dr. Thomaz Srougi e Cesar Camara na frente da clínica médica particular na favela do Heliópolis. Cesar atende lá com jaleco do Sírio-Libanês, onde também trabalha

por Luiz Carlos Azenha e Conceição Lemes, a partir de leitora indignada da Folha

Há muitas críticas sinceras aos programas do governo Dilma no setor da Saúde, dentre os quais o Mais Médicos. O próprio Viomundo já publicou várias delas, aqui, aqui e aqui.

Porém, causa-nos estarrecimento ler nas redes sociais manifestações de xenofobia, racismo e desrespeito aos médicos estrangeiros, para não falar da completa piração direitista de que os médicos cubanos viriam ao Brasil promover uma revolução comunista.

As entidades médicas, por razões corporativistas, dizem que não faltam médicos no Brasil e que o problema seria a má distribuição. Não é verdade. Faltam profissionais nas regiões mais distantes e nas periferias das grandes cidades e eles também estão mal distribuídos. Nas regiões Sul e Sudeste do País há maior concentração de médicos, enquanto no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, ela é menor.

A leitora indignada que nos procurou protestou contra a cobertura distorcida que, segundo ela, é dada pela Folha de S. Paulo ao assunto, especialmente no caso do programa Mais Médicos.

Ela aponta para a seguinte sequência de eventos:

O dr. Miguel Srougi (professor titular de urologia da Faculdade de Medicina da USP) escreveu um artigo de opinião no jornal detonando as ações do governo Dilma no setor de saúde:

Senhora presidente, mais um clamor, respeitoso. Assuma a determinação política de priorizar recursos para as áreas sociais. Atue na saúde com competência e sensatez, não com respostas transloucadas aos gritos indignados da nação. Para que os brasileiros possam vislumbrar o alvorecer com esperança. E combata com arrojo o grupo de ímprobos e incompetentes instalados no teu entorno. Sem esquecer o arcebispo Desmond Tutu: “Se ficarmos neutros numa situação de injustiça, teremos escolhido o lado do opressor”.

O dr. Miguel Srougi é o mesmo que, em 2010, havia rasgado elogios ao então candidato ao Planalto José Serra, do PSDB, adversário de Dilma:

Difícil conseguir isso? Não, se reconhecermos entre nossos dirigentes aqueles dotados de sabedoria e integridade, capazes de transformar a sociedade, tornando-a mais justa para seus filhos. Com esses sentimentos, coloco-me ao lado de José Serra.Pode-se concordar ou não com sua forma de se relacionar, muitas vezes difícil, mas não há como ignorar algumas marcas incomparáveis da sua atuação política. Nos cargos públicos que ocupou, suas ações beneficiaram não apenas os mais desprotegidos, mas todos os estratos da nação. Na saúde, Serra opôs resistência quase solitária aos interesses indevidos que, com uma frequência além do razoável, rondam o setor.

Até aí, normal. Ter opinião é necessário e importante, diz a leitora.

Porém, hoje, a Folha deu na capa do caderno Cotidiano: “Médicos alegam falta de direitos e desistem de programa de Dilma”.

Leiam o subtítulo: “Profissionais recuam de inscrição ao saber que não há décimo-terceiro e FGTS” (grifo nosso).

É fato que este é um dos aspectos mais criticados do programa: a falta de garantias trabalhistas para os profissionais. Bolsistas ou contratados? É um debate justo e necessário.

Porém, dos 11.701 médicos inscritos no programa, a Folha só ouviu dois, ambos apresentados como desistentes.

Ambos disseram ter se inscrito e desistido do Mais Médicos por deficiência do programa.

Porém, é importante destacar que houve um movimento de doutores no sentido de sabotar o programa. Como? Fazendo a inscrição e desistindo posteriormente “para atrapalhar o cronograma e o recrutamento dos médicos estrangeiros”, segundo a própria Folha explicou.

Impossível dizer se os dois médicos ouvidos pela Folha pretendiam desde o início participar do protesto. Eles se manifestaram como se tivessem sinceramente desistido por objeções à iniciativa posteriores à inscrição.

O fato é que a reportagem que motivou o protesto da leitora traz uma imensa foto do dr. Cesar Camara, com a frase:

“Não há direito algum. Fica complicado aceitar um trabalho nessas condições”, diz o urologista Cesar Camara, 38, de São Paulo, que fez a inscrição e desistiu de efetivá-la.

E quem é o dr. Camara?

Assistente do dr. Miguel Srougi, conforme ele próprio escreve em sua página no Facebook:

Na terça-feira que precedeu a reportagem (publicada quinta) ele pede ajuda para encontrar médicos que tenham se inscrito e posteriormente desistido do Mais Médicos.

Cesar faz parte do corpo clínico do setor de Urologia do Hospital Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, cujo professor titular é o dr. Miguel Srougi. As áreas dele são litíase (cálculo renal) e endourologia (área da urologia).

As relações do dr. Cesar Camara com a família do chefe vão além.  Ele trabalha na clínica médica do dr. Thomaz Srougi, filho do dr. Miguel, que fica na entrada da favela de Heliópolis e só realiza consultas particulares, que custam de R$ 40 (clínica-geral) a R$ 60 (especialidades). Não vale convênio, tampouco cartão do SUS.

César também trabalha no Hospital Sírio-Libanês. Aliás, ele usa na clínica de Heliópolis o jaleco que tem costurado o nome do Sírio-Libanês. Segundo matéria publicada no Estadão, a sua consulta particular custa R$ 450.

César iria largar tudo isto —  carreira promissora na Urologia da USP, trabalho no Sírio-Libanês, um dos mais prestigiados hospitais do Brasil, consultas de R$ 450 no seu consultório e a clínica com o filho do chefe — para participar do programa Mais Médicos, para atender pacientes do SUS?

O programa Mais Médicos, vale lembrar, pagará uma bolsa de R$ 10 mil por mês, mas os médicos terão de cumprir 40 horas semanais de trabalho. Supondo que Cesar tivesse escolhido ir para a periferia da cidade de São Paulo, onde encontraria tempo para as suas outras atividades?

O jornal não sabia disso? Não questionou o médico para saber se ele se inscreveu apenas para desistir e atrapalhar a implantação do programa, cujo objetivo é atender de graça nas periferias, através do SUS, pacientes como os que ele atende cobrando em Heliópolis?

Independentemente das respostas do doutor Cesar, de uma coisa estamos certos: a leitora indignada tem razão.

Leia também:

Valeir Ertle, da CUT: É preciso enfrentar o boicote ao plebiscito

 

194 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Doutor que prevê "ruína" do Mais Médicos precisa ler livro Privataria Tucana - Viomundo - O que você não vê na mídia

28/04/2014 - 20h38

[…] de que o “desistente” trabalhava também numa clínica particular do dr. Thomaz Srougi, filho do dr. Miguel, na entrada da favela do […]

Responder

Pedro Brandão: Valente desmascara Caiado sobre "escravos" cubanos - Viomundo - O que você não vê na mídia

09/09/2013 - 22h09

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

O depoimento de Vitor, que perdeu a visão por estilhaço de granada - Viomundo - O que você não vê na mídia

09/09/2013 - 22h00

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Arthur Chioro: "Vamos fazer o melhor para que depois os médicos fiquem como funcionários" - Viomundo - O que você não vê na mídia

08/09/2013 - 10h38

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Miguel do Rosário: José Dirceu e o declínio da Globo - Viomundo - O que você não vê na mídia

02/09/2013 - 19h57

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Em campanha, O Globo do Chile usa o espantalho do chavismo - Viomundo - O que você não vê na mídia

02/09/2013 - 11h55

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Laura Greenhalgh: Doutor Preto teria algo a dizer aos médicos brasileiros - Viomundo - O que você não vê na mídia

02/09/2013 - 11h52

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Tijolaço: Sobre os "pequenos maquiadores do monstro" - Viomundo - O que você não vê na mídia

01/09/2013 - 08h47

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

IstoÉ: Polícia Federal vai investigar contratos do Metrô de São Paulo - Viomundo - O que você não vê na mídia

31/08/2013 - 19h41

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Pascual Serrano: O tuíte da oposição síria que levou à intervenção - Viomundo - O que você não vê na mídia

30/08/2013 - 22h39

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Médica brasileira, formada em Cuba: Brasil é "medicalocêntrico" - Viomundo - O que você não vê na mídia

30/08/2013 - 21h44

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Médico de Goiás acha que foi demitido por causa dos cubanos; chefe do PSF diz que não - Viomundo - O que você não vê na mídia

30/08/2013 - 20h38

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Maria Luiza Tonelli: A histeria e o Estado democrático de Direito - Viomundo - O que você não vê na mídia

29/08/2013 - 20h25

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Tijolaço: A fala de Jorge Pontual que a Globonews escondeu - Viomundo - O que você não vê na mídia

29/08/2013 - 20h05

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Izaías Almada: É doloroso ver médicos guevarianos vaiados por abdelmassihs - Viomundo - O que você não vê na mídia

29/08/2013 - 19h33

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Movimentos sociais fazem novo ato na Globo sexta-feira - Viomundo - O que você não vê na mídia

29/08/2013 - 19h27

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Médico brasileiro: Que eles ajudem no "resgate do raciocínio clínico" - Viomundo - O que você não vê na mídia

29/08/2013 - 13h54

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Supremo ignora a prova da inocência de Pizzolato no mensalão - Viomundo - O que você não vê na mídia

28/08/2013 - 21h19

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Juan Delgado: Brasileiros deveriam ir aos lugares mais pobres - Viomundo - O que você não vê na mídia

28/08/2013 - 15h04

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Gerson Carneiro: Em Fortaleza, a estupidez nota 1000! - Viomundo - O que você não vê na mídia

27/08/2013 - 12h43

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Gregório Grisa: Existe outro modo de remunerar o trabalho - Viomundo - O que você não vê na mídia

26/08/2013 - 11h31

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Jarbas Barbosa: "Os médicos cubanos vão para os locais onde é preciso um médico" - Viomundo - O que você não vê na mídia

22/08/2013 - 17h35

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Sírio-Libanês diz que médico "desistente" não trabalha lá - Viomundo - O que você não vê na mídia

22/07/2013 - 21h03

[…] a matéria intitulada O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes”, publicada pelo Viomundo em 18 de julho de 2013, o Hospital Sírio-Libanês esclarece que o Dr […]

Responder

abolicionista

22/07/2013 - 12h39

Mais uma vez a questão da utilização indevida e não-democrática dos meios-de-comunicação vem à tona. Ela aparece em todos os debates públicos sempre como uma força autoritária, antidemocrática e obscurantista. E a Dilma finge que não vê. Vai acabar chorando no ombro do Bernardo.

Responder

Médico "desistente" diz que nem chegou a se inscrever no programa - Viomundo - O que você não vê na mídia

22/07/2013 - 11h49

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” […]

Responder

Juca

21/07/2013 - 14h26

Médico é igual à Justiça, só defende quem nunca usou, porque se precisar usar……

Responder

arnon

21/07/2013 - 10h57

A celeuma criada em torno do programa MAIS MÉDICOS vai apontar apenas um grande derrotado, o povo mais carente das periferias do Brasil que precisa de médicos urgentemente. Não é verdade dizer que precisa de “estrutura” para se fazer medicina nas periferias, ela existe, o interior do Brasil é cheio de Postos Médicos, o que falta é medico para medir a pressão, diagnosticar e medicar uma dengue ou uma diarréia, acompanhar o diabetes e medicar uma infecção ou uma virose e, visitar em sua casa o velhinho ou a velhinha pobres que não podem se desliocar, simples assim.

Responder

Chuva de bombas! | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

21/07/2013 - 06h36

[…] – A matéria do Viomundo, informando que médicos e Folha participaram de uma espécie de “pegadinha” para […]

Responder

Luís Carlos

20/07/2013 - 19h20

Em vários munícipios do país a população espera ardorosamente pela passeata de médicos protestando contra a vinda de médicos de fora do Brasil. Será a única chance de conseguirem uma consulta, por falta de médicos.

Responder

Yole de Assis

20/07/2013 - 16h46

Os senhores desistentes do Mais Médicos demonstraram a natureza do caráter dele. Nada a ver com a categoria médica. Se inscreveram por conta e risco de suas vidas.Na categoria médica assim como na sociedade há gente de todo tipo. A categoria não pode ser execrada por conta dos podres. Aí reside a diferença.

Responder

Tiao

20/07/2013 - 14h07

O caráter da classe médica brasileira está sendo mostrado na novela
Amor à Vida da Rede Globo.

Responder

    Yole de Assis

    20/07/2013 - 16h48

    Não é o caráter da categoria, apenas dos desrespeitam a profissão, que felizmente são poucos.

francisco niterói

20/07/2013 - 13h15

Muito bom o texto de paulomnogueira abaixo:

O urologista Cesar Camara, 38 anos, não se enquadra no perfil dos potenciais interessados em buscar uma vaga no programa ‘Mais Médicos’, com o qual o governo tenta recrutar doutores e colocá-los em regiões do país com carência médica.O alvo são profissionais em início de carreira.Embora o salário seja bom, 10 000 reais por mês, Camara em setembro passado, numa entrevista ao Estado de S. Paulo, revelou cobrar 450 reais por consulta.Uma única consulta por dia e ele ganha mais do que o governo oferece.Fora isso, ele é assistente de um dos mais renomados urologistas do Brasil, Miguel Srougi, o que significa participação em cirurgias que vão levantar consideravelmente sua renda mensal.A agenda é preenchida ainda por uma sociedade médica e empresarial com o filho de seu chefe, Thomas Srougi.Por que ele se candidataria a uma vaga no Mais Médicos e largaria, por um tempo mínimo de três anos, tudo aquilo?Mas ele se candidatou, e depois desistiu sob a alegação de que o governo não está oferecendo os direitos trabalhistas tradicionais.Sua desistência foi sublinhada pela Folha de S. Paulo numa reportagem cheia de omissões – e Carlos Camara acabou virando símbolo da resistência encarniçada dos médicos brasileiros à ideia de importar gente de fora.Quem notou as incoerências da reportagem não foi algum editor da Folha, ou a ombudsman.Foi o Ministério da Saúde.Numa carta à Folha, o MS apontou as estranhezas de Camara como um ‘desistente’.E informou: “A pedido do Ministério da Saúde, a Polícia Federal investiga a ação de indivíduos que, a pretexto de tentar adiar a vinda de médicos estrangeiros ao Brasil, estariam dispostos a se inscrever no Mais Médicos, mesmo sem efetivo interesse em receber a bolsa federal para atender a população das regiões mais carentes.”Bom jornalismo é, essencialmente, jogar luz onde existe sombra.No caso da polêmica da medicina brasileira, por exemplo, isso se traduziria em coisas simples, mas vitais, como informar os leitores de que países avançados como Inglaterra, Estados Unidos e Noruega, entre tantos outros, importam regularmente médicos estrangeiros para o benefício da saúde pública.O Diário fez isso. No Reino Unido, para ficar num caso, 40% dos médicos são de fora.Mas a Folha jogou mais sombra onde já havia uma profunda escuridão.Diante do flagrante de mau jornalismo, eis a resposta da jornalista responsável pela reportagem: “Em nenhum momento da entrevista, Cesar Camara se identificou como assistente do urologista Miguel Srougi no HC ou no Sírio-Libanês. Disse, sim, que era médico de uma clínica particular em Heliópolis.”A culpa, portanto, é da fonte.Uma consulta básica no Google traria todas as informações que faltaram no texto da Folha.No site de Camara está escrito: “O Dr. Cesar Camara graduou-se pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, especializou-se em Urologia e possui mais de 12 anos de experiência na área. Faz parte da equipe do Prof. Dr. Miguel Srougi.”Depois da barrigada, a Folha voltou a procurar Camara.“Gostaria de explicar que agi de boa-fé para tentar atuar como médico tutor no programa Mais Médicos.  (…) Meu recuo (não confirmei a inscrição no programa) baseou-se apenas na falta de explicações sobre um programa de tutores e na questão da falta de garantias de estabilidade do programa.”Num artigo publicado na própria Folha, o chefe de Camara, Miguel Srougi, escreveu, dias atrás, sobre o programa Mais Médicos.“Não vale mais a pena discutir a vinda de médicos estrangeiros. Proposta falaciosa, destinada ao fracasso. O governo percebeu a indecência e descartou os médicos cubanos. Deu-se conta de que eles aqui atuariam em regime de escravidão, como bem demonstrou Flávia Marreiro, da Folha”, escreveu Srougi.“Tampouco vale a pena discorrer sobre os médicos portugueses e espanhóis. Criados com padrão de vida inatingível para a maioria dos brasileiros, nunca se adaptariam aos rincões abandonados e carentes da nação. Teriam que praticar em condições desprovidas de dignidade e sem chance de propiciar vida honrada para si e seus familiares.”“Ademais, dificilmente receberíamos profissionais competentes, prósperos em seus países. Sem um exame de competência, para cá viriam muitos médicos desqualificados, desconfio que até alguns insanos ou foragidos.”Bem, este é Miguel Srougi, um dos mais renomados (e caros) urologistas do Brasil. Suas palavras falam por ele – e pelo jornal que as publica.Cesar Camara iria afrontar seu chefe e se inscrever genuinamente num programa “falacioso e indecente”?Quem acredita nisso, conforme a grande frase de Wellington, acredita em tudo.Fonte:DCM

Responder

    Luís Carlos

    20/07/2013 - 13h48

    Esse Dr. Camara deve ser investigado pela tentativa de impedir avanço do Mais Médicos e acesso da população a serviços de saúde médicos. A Folha, bem, não esperaria algo diferente desse “jornal” do que apoiar a sabotagem.

Eduardo

20/07/2013 - 13h05

A Casa grande está caindo! Mas não não vamos escravizar as elites sanguessugas! Vamos só coloca-las para trabalhar! Futuramente( está ainda distante)poderão criar o PET- Partido das Elites Trabalhadoras. Por enquanto estão lutando para defender a queda da Casa Grande..Enquanto isso, quem manda são os trabalhadores, a senzala em ascendência social!É o PT- Partido dos Trabalhadores! Basta de Rei, Imperador, Ditadores,FMI,USA,Presidentes vaidosos, corruptos,hipócritas,incompetentes, entreguistas,subservientes tipo FHC e seu clone Aécio! DILMA nêles! Quem manda é o povo!

Responder

De Paula

20/07/2013 - 12h46

Alguém lá encima falou, em botar a PF para investigar eventuais sabotagens ao Programa Mais Médicos; eu cá tenho minhas duvidas quanto ao êxito dessa empreitada sobretudo depois que ela descobriu o fenômeno do boato expontâneo no intrincado caso do BOLSA FAMÍLIA.

Responder

A revolta do jaleco | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

20/07/2013 - 12h24

[…] Rá, é sempre assim! Ferreira deve estar se referindo ao vexame, para não dizer crime de sabotagem, que foi o conluio vergonhoso entre médicos sem caráter e a Folha de São Paulo, denunciado pelo blog Viomundo. […]

Responder

Gildásio

20/07/2013 - 11h19

Fenam reage ao Mais Médicos e abandona comissões do governo

“Vamos ter uma batalha jurídica com eles”, diz Fenam, que prepara ações judiciais contra o programa após decisões classificadas como autoritárias

A Federação Nacional dos Médicos (Fenam) se prepara para travar uma guerra contra o governo por causa do programa Mais Médicos, após decisões que eles classificam como “autoritárias” e que atropelaram os debates com a classe. A entidade anunciou nesta sexta-feira (19) que decidiu, junto com o Conselho Federal de Medicina (CFM), deixar de participar das 11 comissões e grupos de trabalho do governo que fazia parte. Além disso, eles estão preparando ações judicias nos estados e no governo federal questionando o Mais Médicos.

“Vamos ter uma batalha jurídica com eles, grande. Vamos exigir que as leis sejam seguidas à risca”, afirmou o presidente da Fenam, Geraldo Ferreira.

A saída dos grupos de discussão e do Conselho Nacional de Saúde foi decidido, segundo Ferreira, porque não fazia mais sentido continuar debatendo assuntos da área se o governo tomou decisões sem ouvir os envolvidos.

“Entendemos que o governo atropelou. A comissão (sobre provimento de médicos em áreas de difícil acesso) estava reunida desde o dia 18 de junho. O governo não deu nem bolas. Nosso entendimento é que a comissão perdeu a lógica”, disse Ferreira.

Ele justificou a saída da entidade do Conselho Nacional de Saúde por entender que o órgão serve a interesses do governo.

“É um gesto político. Estamos mostrando que estamos insatisfeitos. O conselho deve ser técnico e não pode ser aparelhado politicamente para defender lógicas de governo ou de partido”, afirmou.

Entre as medidas que a entidade pretende tomar na Justiça contra o Mais Médicos, Ferreira anunciou que eles darão entrada em uma ação civil pública pedindo suspensão da medida provisória (MP) que cria o programa. O pedido alega que o programa deveria contratar médicos por concurso público; pagar salário, e não uma bolsa; que institui um serviço civil obrigatório; e que permite contratação de estrangeiros sem a revalidação do diploma e sem proficiência do Português. Outra ação, no Supremo Tribunal Federal, está sendo preparada e deve ser entregue em 15 dias. Ferreira ainda afirma que a Fenam está instruindo os sindicatos nos estados que entrem com pedidos na justiça trabalhista pelo pagamento de direitos para os médicos que assumirem vagas pelo programa.

“O governo está fazendo uma fraude, fingindo que isso é uma relação de ensino, quando na verdade é de trabalho. Não imagino que a população brasileira sequer imagine que esses médicos estão indo a esses lugares para estudarem. Isso é uma fraude desavergonhada do governo federal”, afirma Ferreira.

Denúncias de fraudes nas inscrições

A Fenam nega que sindicatos ou entidades ligadas a ele tenham sugerido boicotes às inscrições do Mais Médicos. Ferreira afirmou que foi feita uma reunião com administradores de grupos de médicos nas redes sociais após as notícias de que esse tipo de sugestão tivesse circulado nesses grupos. Ferreira disse que instruiu os administradores a avisarem caso identifiquem recomendações do tipo na rede, e que as entidades que representam dos médicos estão “se preparando para uma guerra” com o governo também no ambiente virtual. Segundo o presidente da Fenam, foram vistas “uma ou duas postagens” com sugestão de que conduta os profissionais deveriam tomar sobre o Mais Médicos, mas ele afirma que não eram pessoas ligadas a nenhum sindicato ou entidade de classe.

“Comprovamos que não houve por parte de nenhum sindicato (sugestão de boicote)”, disse. “É uma comunicação de guerra. Vamos enfrentar uma guerra. O governo está preparado, tem estrutura, tem seus blogueiros. Vamos enfrentar esses embate”.

Questionado sobre o número de inscritos – que segundo o Ministério da Saúde já chega a 11,7 mil pré inscritos – Ferreira afirma que esse total pode não se concretizar, pois muitos profissionais podem mudar de ideia e declinar caso sejam chamados, após verem as condições do trabalho e de pagamento.

“Acho que quem se inscreveu foi pensando que R$ 10 mil seria um salário bom. Porque a maioria dos concursos públicos na realidade pagam bem menos. Acho que atraiu. Mas depois que se inscrevem vão analisar. Como o governo abriu para inscrição, o médico se inscreveu, e agora ele percebeu que isso é uma bolsa, que não tem garantias trabalhistas”, disse. “Pagar com bolsa, para fraudar a boa-fé das pessoas, não se pode acreditar que os médicos sejam tão ingênuos para aceitar essas coisas”.

Ele ainda criticou as medidas que o governo anunciou para médicos que se inscreverem e depois recusarem participar do programa.

“O governo está se aperfeiçoando no autoritarismo. Você quer atrair profissionais e cria punições, isso é autoritarismo”.

Na Agência Nacional de Saúde (ANS), as entidades saem do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar e do Grupo de Trabalho do Rol de Procedimentos. No Conselho Nacional de Saúde (CNS), eles saem da Comissão Intersetorial de Vigilância Sanitária; do Grupo de Trabalho sobre Inserção de Profissionais na Linha de Cuidados à Saúde; da Comissão Intersetorial da Saúde do Trabalhador; da Mesa Nacional de Negociação; do Colegiado do conselho. No Ministério da Saúde (MS), as entidades deixam a Comissão Intersetorial de Recursos Humanos; o Comitê Nacional do Uso Racional de Medicamentos; do Fórum do Mercosul e do Grupo de Trabalho para elaboração de proposta de provimento de fixação de profissionais.

A entidade também anunciou greves e protestos. No dia 23 estão programadas greve e manifestações em todo o país. Nos dias 30 e 31, serão feitas novas greves, e no dia 31 acontecem as assembleias estaduais. Em agosto, No dia 8 acontece audiência pública no Congresso. No dia 8, 9 e 10 acontece o Encontro Nacional das Entidades Médicas (Enem). As informações são do O Globo.

http://www.novojornal.com/brasil/noticia/fenam-reage-ao-mais-medicos-e-abandona-comissoes-do-governo-19-07-2013.html

Responder

    Luís Carlos

    20/07/2013 - 13h59

    Presidente da FENAM ofende e ataca o Conselho Nacional de Saúde, integrado por entidades que representam todas categorias de trabalhadores, de usuários e de gestão do SUS. Foram fragorosamente derrotados pois suas pautas são francamente contra a viabilidade do SUS, contra o acesso dos usuários aos serviços e contra demais profissões da saúde, enfim, apenas corporativismo. O CNS representa a população brasileira, diferentemente da FENAM que luta por pautas corporativas e para manter o modelo de atenção à saúde fracassado e sem resolutividade e contra o exercício profissional de demais trabalhadores. Reserva de mercado e corporativismo, e ainda ataca o CNS. Aparelho é a FENAM que não tem iniciativa para lutar contra o capital, como a indústria farmacêutica. A FENAM se manifestou contra posturas corruptas de médicos que sonegam impostos? Contra a cobrança de médicos sobre usuários do SUS? Contra a indústria de cesáreas que força mulheres brasileiras a fazerem parto que elas não escolheram para maior comodidade da agenda médica? Se o fez foi de foram tão tímida que não vimos nem ouvimos.
    A FENAM se retira das comissões por ter sido derrotada sem suas pautas corporativas e por não conseguir impor suas vontades. Será derrotada pela população mais vezes. Chega de imposições corporativas contra as demandas sociais e necessidades da população brasileira. Parabéns Dilma e Padilha pelas iniciativas em favor da ampliação do acesso aos serviços de saúde.

    Yole de Assis

    20/07/2013 - 16h44

    Lamentavelmente para os pitbuls do Padilha, ele está por um fio. Tudo o que ele cria dá problemas pro governo. Por que será, hein? Dilma já está possessa com as trapalhadas dele. Até hoje não disse quem é o PAI do nascituro da MP abortada da Rede Cegonha. É um trapalhão. Um dos primeiros que Dilma tem de tirar da reta.

    Luís Carlos

    20/07/2013 - 18h16

    Yole
    Em minha opinião Dilma e Padilha acertam com a medida do Mais Médicos. Tiveram iniciativa e coragem de peitar entidades médicas em favor do interesse da população. Certamente os “pitbulls” das entidades médicas discordam disso, isolados, pois a medida é defendida pela população.

Luiz Rodrigues

20/07/2013 - 01h36

Não sou médico, mas depois do meu pais ser desenganado por vários médicos, o mantivemos vivo, estudando saúde como autodidatas, por dois anos.
Descobrimos que a doença do meu pai, se dá, na maioria das vezes em pobres e que o tratamento é muito caro e pobre não tem dinheiro para se tratar, pois os laboratórios não tinham interesse em fabricar os medicamentos.
Sabendo desta história, conseguimos interná-lo no hospital escola, nas clínicas, ele então se curou.
aprendemos que quem cuida da saúde somos nós, portanto ningúém vai nos cuidar. O mais importante é ensinar a população a cuidar de sua saúde, a medicina curativa não cuida da saúde, médicos e hospitais da forma que nos tratam cuidam de doenças e ñão de saúde.
Não significa que não temos que procurar médicos, mas temos que estudar, pois a maioria deles não sabem tratar dos efeitos colaterais dos medicamentos que nos prescrevem. Coisa que aprendi estudando muito.
Conheci poucos profissionais que realmente sabem tratar da saúde.
Porisso, resolvi estudar saúde e vou as consultas para fazer exames, mas estudos suas prescrições e depois decido se vou tomar os medicamentos, isto quando não contesto suas prescrições.
Não sou médico, mas sei ler, pesquisar a fundo e não sou bobo.
Não podemos generalizar, mas a formação deste profissionais é coisa brava.
Luiz

Responder

Marat

19/07/2013 - 23h47

Já que essa turma (será efeito de algum narcótico?) imagina que seremos dominados por comunistas, que seremos trocados, durante a noite, por seres feitos de vegetais extraterrestres (invasores de corpos, 1978), que nos aplicarão remédios para nos modificar os pensamentos etc., também me sinto no direito de viajar na maionese: Caso os médicos da ilha do mal venham aqui, vou pedir que apliquem injeções nesse pessoal, com fórmulas ultrassecretas, onde lhes traga inteligência e perspicácia!

Responder

marco

19/07/2013 - 21h13

O Sr.Dr.Srougi merece crédito!Ele além de ser cabo eleitoral do Sr.Serra,fez curso de especialização nos E.Unidos.Lá a medicina é perfeita.As pessoas lá,quase não morrem mercê sua medicina de ponta.Tudo é de graça e tem casos que até pagam para o paciente ir para o hospital já que as seguradoras de lá,nunca passam por nenhum tipo de dificuldades de qualquer ordem.Acho até,que em virtude da impostação desses comunistas cubanos que vem pra cá para fazer uma revolução,o Sr.Dr.Srougi,que trabalhou a vida inteira nos rincões mais afastados do país,queira propor também trazer pra cá,alem de sua grnade experiência conseguida nos E.Unidos,trazer também a Cia,quem sabe?Para nods dar mais segurança contra estes criminosos cubanos.Qyuem sabe também traga de lá,experiencias em espionagem,já que também deve ter se aperfeiçoado lá.Enfim,este Sr.Dr.Srougi é um verdadeiro herói nacinal!

Responder

psgd

19/07/2013 - 21h11

Os médicos brasileiros são pessoas muito simples, humildes e comprometidos com o bem estar social. Dizem que as pessoas humildes são humildes até para reivindicar os seus direitos. Os médicos Brasileiros são prova cabal desse dito popular. Comprometidos com o bem estar da população, humildemente, EXIGEM, nada mais ou nada menos, que lhes sejam outorgada a reserva de mercado da indústria da saúde no Brasil. São uns verdadeiros franciscanos ! ! !

Responder

Felipe

19/07/2013 - 20h38

Correção: o que não inviabilizaria suas atividades na rede privada

Responder

edir

19/07/2013 - 20h11

O Governo está deixando passar muitas coisas sem punir. Esse caso é um exemplo, os tais tem de ser punido severamente. Há no yotube uma infinidade de vídeos , ora difamando o governo, ora com tamanha mentira que chega assustar. Se o governo näo endurecer contra essa gente, as coisas näo melhorará. Eles fazem o que querem, näo säo punidos.Uma grande parte do povo brasileiro näo conhece pudor, respeito, seriedade, ética, deveres e nem limites. Fazem o que querem e fica como quer. Assim o país näo temchance de melhorar. Acorda Dilma, acorda Ministro Da justica.

Responder

Edmar

19/07/2013 - 19h45

Nessas “cliniquinhas de entrada de favela” os sujeitim cobram 40,00 (menos de 10% dos 450,00 que cobra na “outra clínica”). Sabe porque? Pra poder agir de “cabo eleitoral tucano” junto ao povão desinformado e “agradecido”. São um bando de canalhas, esses “doutores” de merda que vivem nas “folhas”. Dá nojo!

Responder

    Wildner Arcanjo

    20/07/2013 - 14h36

    Na verdade eles encaminham as pessoas para tratamento, que não conseguem nos planos de saúde, mas que são pagos pelo SUS (e muitas vezes em valores acima dos pagos pela rede particular). Interessante que um dos grandes Hospitais do Brasil que tem um destes convênios é o próprio Sírio Libanés.

Roberto Locatelli

19/07/2013 - 19h05

Vote na enquete do Senado sobre os dois anos no SUS: http://t.co/l3bkAwK1R6, no lado esquerdo da página. O NÃO está ganhando disparado.

Responder

Paulo bueno

19/07/2013 - 19h04

será que a DILMA eo PT vai perder as eleições em 2014 para o FACEBOOCK?
O PT e DILMA sofre duras criticas no FACEBOCK e nos comentarios dos jornais FOLHA/UOL/BAND/GLOBO e ESTADão e em todas os jornais e revistas ……incrivel ,ais o partido não tem força na INTERNET nem nos meios de comunicação…….O PSDB um terço das pessoas que tem cargo de confiança no estado e nas prfeituras faz parte da MILITANCIA DIGITAL do partido…estas pessoas ficam na internet criticando o PT e a DILMA e foram os responsaveis juntamente com a grupo PASSSE LIVRE pelas manifestações que acredito eu tirara a DILMA e o PT do governo em 2014…….o PT deveria copiar o modelo do PSDB ….ou vai sofrer por muitos anos ainda.longe do poder.

Responder

    bento

    19/07/2013 - 19h39

    você é produto das suas escolhas.

    – Ganhou muito ao fazer gororoba com a miss tomate Ana Maria brega.

    – Ganhou muito ao festejar o aniversário da porcaria chamada jurnal foia podre de sampa.

    Pedro Celestino de Oliveira

    21/07/2013 - 20h33

    Paulo Bueno, quanto à sua preocupação sobre a Dilma e o PT de perderem as eleições em 2014 para o Facebook,na realidade não é para o Facebook; e sim para o seu desgoverno e a implantação desenfreada da CORRUPÇÃO à qual o povo já não aguenta mais. Acontece que nós – o povo – , até algumas décadas atrás não tínhamos um veículo de comunicação para manifestarmos nossos anseios, e a INTERNET, hoje é o veiculo de comunicação das massas. Portanto, podes crer, os maus governos e a influência dos MEIOS DE COMUNICAÇÃO na vida e no comportamento das pessoas está com a vida curta. Todavia, lembre-se, não é o partido que não tem força na INTERNET e nem nos meios de comunicação, nesse caso, conforme o próprio Lula afirmou na sua coluna mensal no New York Times, “o partido precisa de uma renovação”, então, eles – a cúpula governamental – leia-se Lula/Dilma/José Dirceu/José Genuíno/Renan/Haddad/Mercadante/ etc, sabem disso. E conforme o próprio pronunciamento da Dilma, logo após aquelas manifestações durante a abertura dos jogos da Copa das Confederações, eles estão atentos à voz das ruas e sabem o que o povo quer. Portanto, esses argumentos próprios de integrantes do próprio partido está cheirando uma tentativa de desviarem o foco, e jogarem a responsabilidade dos seus desgovernos em cima das oposições – JOAQUINZÃO BARBOSA, MARINA SILVA, PSDB – leia-se AÉCIO, DEM, PSB (leia-se EDUARDO CAMPOS).Outrossim, você está com outra preocupação infundada, o que se observa nos posts pelo Face, é uma defesa fascista do modus operandi do governo do PT através de integrantes do PT que provavelmente estão defendendo seus interesses próprios e/ou as vezes até de alguns de seus familiares que estão incluídos na lista dos 13,8 milhões de beneficiários do BOLSA FAMÍLIA.

Fabio Passos

19/07/2013 - 19h03

É o PiG e sua militância em sua ininterrupta campanha para sabotar iniciativas de resgate social e manter os privilégios da “elite” branca…

Responder

TQJ

19/07/2013 - 18h57

Ao meu ver, os médicos brasileiros são, ou estão, muito mal acostumados, com um comportamento mimado e indigno da classe, já que agem gritando de forma irracional seus ” desejos” de mudança, com xingamentos muitas das vezes, e frases que demonstram total alienação histórica, mas não param um minuto para pensar que o SUS não vai mudar sozinho, e que o interior antes de precisar de estrutura, precisa de médicos, para analisar a situação local e pedir as mudanças junto com a população, e tem outra, se querem mesmo mudar por que só agora ? … O pais precisa de médicos Humanos, e comprometidos com a saúde em geral, não apenas com sua área de conhecimento, e mto menos apenas enquanto estiverem em seu horário de serviço, que aliás é extenso sim, assim como outras profissões, como a do professor, que além de dar aula e ouvir má criação de aluno, tem q corrigir prova, tem que preparar aula ( muitos professores do interior aliás tem de ir a pé para as escolas onde não se tem como ir de carro, ou então pegar uma canoa/balsa para ter acesso aos alunos) tem que estudar constantemente, e é um dos maiores responsáveis pelo pais, pelos senhores médicos aliás, e ganham infimamente menos que um médico.

Responder

    Wildner Arcanjo

    20/07/2013 - 14h38

    Perfeito!

H. Back™

19/07/2013 - 18h43

Para por um ponto final nesse imbróglio, se determinado lugar nenhum médico brasileiro quer trabalhar, então que se contrate quem queira, isto é, os médicos estrangeiros! Simples assim.

Responder

Maria Thereza

19/07/2013 - 17h52

E quais os “direitos” que eles têm trabalhando nesses hospitais? Deve ser tudo PJ, se quiser. E bolsista é bolsista. Vão pentear macaco!

Responder

    Wildner Arcanjo

    20/07/2013 - 14h39

    Opa! Veterinário não pode!!!

Emilia Faust

19/07/2013 - 17h36

PLANO DE CARREIRA MÉDICO DO SUS:

No brasil hoje existem em torno de 280.000 médicos no serviço público(SUS).Se fosse criado um plano de carreira com salário base de 10.000,00 + (FGTS + INSS + 13 salário + férias) teriamos uma gasto anual em torno de 140.000,00/ano/médico! Um gasto total de 40 bilhões de reais somente com salário médico!!
O orçamento anual de saúde é de 117 bilhões!!1/3 do orçamento seria somente para salário médico!!Que planeta este povo vive!!!????”Tem q colocar na ponta do lápis”!!

Responder

    Sergio Santos

    20/07/2013 - 13h21

    Muito relevante a informação. Entretanto, se os médicos trabalhassem, MESMO, as horas contratadas, a situação ficaria muitíssimo melhor. Entretanto, no Estado do Rio de Janeiro, os médicos ESTATUTÁRIOS já recebem esse salário, mas a maioria deles NÃO TRABALHAM AS HORAS CONTRATADAS. Qualquer cidadão bem informado sabe disso. Uma médica apareceu em cadeia nacional desabafando para os pacientes que ela era a ÚNICA no plantão de um hospital público e, por isso, não poderia dar o atendimento decente que a população merecia. E ainda frisou que seria punida por esse desabafo. Ora, se os salários são péssimos que os médicos que não os aceitem peçam demissão e procurem se virar na iniciativa privada. Não podem é boicotar os governos, sistematicamente. E não é producente ficar partidarizando a discussão; TODOS os governos convivem com esse caos e ninguém teve coragem, ou força politica suficiente, para modificar a situação. No Rio, as UPAs funcionam melhor porque os médicos são “celetistas” e se faltarem, são demitidos, no interesse do serviço. Se eles são brasileiros ou não, o que importa é que o atendimento seja feito. Na democracia, o povo é quem banca toda a estrutura pública e o Estado tem o dever de satisfazer as suas necessidades. Isso é Democracia.

Evaldo Mendonça

19/07/2013 - 17h32

De canalhas de “white colar” estavamos por aqui, ó…agora tambem vem os de “white apron”

Responder

Isidoro Guedes

19/07/2013 - 16h59

Fui secretário de Saúde (de Goiana – PE) e diretor-administrativo de um hospital estadual (o Hospital Regional Belarmino Correia, também em Goiana – PE). Quando era diretor-administrativo do HBC cansei de ouvir as críticas de uma médica, clínica geral, que vinha de uma família de linhagem médica, que o que mais ouviu do seu pai foi uma velha e surrada cantilena: “minha filha: tudo o que peço é que não desonre nossa profissão, que jamais seja uma mercenária, que jamais faça parte da máfia de branco…”.
Essa médica sempre teve a exata noção do seu papel na sociedade: salvar vidas em primeiro lugar.
Claro que não se discute que um médico deva ser bem remunerado e que deve exercer sua atividade dentro das melhores condições de trabalho.
O problema é que muitos médicos já foram fisgados pela mercantilização da medicina, e não atuam mais para salvar vidas e promover a dignidade humana, como requisito básico. Atuam para ganhar, se possível, muito dinheiro. O que não é crime, lógico. Mas que é indecente quando vem antes dos direitos humanos e do mais elementar dos direitos: o direito a vida.

Responder

José X.

19/07/2013 - 16h55

Quem é pior, a classe política ou o pessoal do judiciário ?
Do jeito que os médicos estão se portando eles também querem entrar nessa competição.
Quanto à Folha, nem vale a pena perder tempo falando nela.

Responder

Miranda

19/07/2013 - 15h46

Esse medico deveria ser investigado e quem sabe, processado por sabotagem a um programa publico. Afinal, o que sera de sua clinica particular em Heliopolis, se ali se instalar uma clinica com atendimento gratuito e de alta qualidade?

Responder

    Maria Thereza

    19/07/2013 - 17h49

    E além de tudo, o compromisso dos doutores acaba na consulta. Se o paciente precisar de cirurgia, procedimento, exame, internação, que vá porcurar no SUS. Afinal até a caridade tem limites e o povo “sem convênio”, que não é limpinho e cheiroso não passa nem na porta dos hospitais chiques. Se alguém souber/puder seria bom a gente ter informação se os hospitais de “excelência”, como o Sírio e Libanês, recebem algum repasse da União, via MInistério da Saúde, a que título e qual a contrapartida.

    Luís Carlos

    19/07/2013 - 19h09

    Sim.
    Existe portaria do MS para os hospitais de “excelência” (se não estou enganado são 7, sendo 6 de SP e 1 do RS) que confere “vantagens” para os mesmos. Não é de agora a portaria, mas se não foi revogada ainda está em vigor.

    Luís Carlos

    19/07/2013 - 20h26

    Portaria MS/GAB 3276 de 2007.

Ozzy Gasosa

19/07/2013 - 15h13

Para o PIG é melhor o programa não dar certo.
Eles odeiam o governo, embora sobrevivam das vultuosas verbas de publicidade.
A classe médica brasileira é uma vergonha.
Sempre foi.
Em sua grande maioria, mercenários.
Outro detalhe: servidor público recebe FGTS?
Só se for na Mongólia, doutorzinho “tucanus do bicuz grandis”.

Responder

antonio carlos ciccone

19/07/2013 - 15h00

O Dr.Srougi, como grande Urologista que é, sabe que o Governo do Estado de S.Paulo, que está há vinte anos no poder , é o responsavel pelo caos na Saude Pública no nosso Estado. O governo federal tem poucas responsabilidades no atendimento médico ao paciente que é feito pelos Estados e Municipios.
Dr.Srougi, além de cobrar do Gov.Federal maior repasse de verbas, deve responsabilizar o governo do Estado pela sua omissão.
Como ele mesmo afirmou em entrevista á Bandnews, um médico do HC trabalha lá por prazer, já que o salario é de 1900 reais.Isso é vergonhoso!
Então vamos cobrar dos responsaveis pela desassistencia médica em S.Paulo, que vem de décadas.
Nós não moramos no “Gov.Federal”, moramos no Municipio.

Responder

Almerindo

19/07/2013 - 14h49

Azenha, fora do assunto, que diabo de “participatório” é esse que o governo federal criou e que tá cheio de ataques a ele mesmo e ao PT???

http://participatorio.juventude.gov.br/

Responder

ricardo silveira

19/07/2013 - 14h24

Esse médico é um legítimo representante da elite brasileira, sempre nociva ao país. E a Folha é o que todo mundo já sabe, não tem compromisso com a verdade.

Responder

Neusa Martins

19/07/2013 - 14h22

Esse tipo de médicos que só pensa em ganhar dinheiro, e quer mais que o povo morra por falta de atendimento deveria é ir trabalhar em abatedouros e açougues nas “suas” grandes cidades. Não convém mesmo gente pervertida e mal-intencionada cuidar da saúde das pessoas humildes do interior.

Responder

Luís Carlos

19/07/2013 - 13h58

Entidades médicas seriam as maiores interessadas no insucesso do Mais Médicos. Não estariam elas envolvidas nessa sabotagem?
Teve comentarista que fez post em outro texto esta semana enaltecendo o grande número de médicos formados no Brasil inscritos no Mais Médicos alegando que isso provava que não faltavam médicos no Brasil. Por “acaso” seria exatamente esse um dos motivos por trás desta sabotagem. De repente esse e outros comentaristas sumiram. Humm…
Sobre os médicos da matéria, só deixam claro o quão torpes são e quanto são lacaios tucanos. Barato o valor da consulta cobrada não? R$ 450,00 todo morador de periferia tem para pagar, não é Doutor?
Parabéns a leitora que escreveu ao Viomundo.

Responder

edir

19/07/2013 - 13h44

Azenha se a polícia federal fizer uma investigacäo, nos hospitais públicos pelo Brasil afora terá com certeza uma surpresa grande,chegaräo a uma conclusäo, porque faltam médicos no SUS. Veräo que a maioria batem o cartäo e desaparecem para atender em clinicas particulares e conveniadas. Vamos pedir isso ao MP ou PF.

Responder

    Paulo Figueira

    19/07/2013 - 18h05

    Gostaria de lembrar o episódio ocorrido em São Paulo no Samu, uma médica foi fraglada pelas câmeras registrando o ponto digital de diversos colegas que deveriam estar trabalhando, ela usava moldes com as digitais dos colegas para praticar a fraude, em uma noite que deveria ter quatro médicos de plantão apenas um comparecia e registrava o ponto dos demais.
    Sabemos que essa prática é comum no serviço público de saúde, o médico que deveria estar dando atendimento, está no seu consultório ou passeando enquanto a população não tem médico para atendê-la.

edir

19/07/2013 - 13h37

Se eles trabalham no Hospital das Clinica da USP, säo funcionários público ?
Se é : qual a carga horária de atendimento ?
Qual horário de atendimento na clínica de Heliópolis?
Temos que saber se ele bate o cartäo na clinica da USP e vai para a particular. Tem que verificar isso, lembram do caso que aconteceu no interior de SP ? onde médicos assinavam ponto no posto de saúde SUS e iam para clinicas atender pacientes particular e de convenio ?

Responder

edir

19/07/2013 - 13h31

Azenha esta matéria tem que ser divulgada em todos os blogs “sujos”. A sociedade tem de saber como trabablha a máfia do avental branco. Por favor mande para todos os blogs do Brasil.

Responder

edir

19/07/2013 - 13h29

Na minha opiniäo, é um bandido travestido de médico. Qual a diferenca entre este cidadäo com o traficante de droga ? nenhuma, pois os dois fazem mal a sociedade. Säo frios e calculistas.

Responder

Eduardo

19/07/2013 - 12h26

Zelando pelo nome construido ao longo de muitos anos de serviços prestados aos cidadãos brasileiros, o Hospital deveria expulsar esse mané, babaca!

Responder

    Quintela

    19/07/2013 - 16h50

    Apoiado!

Wildner Arcanjo

19/07/2013 - 12h02

Alêm do mais, ser Médico no interior, sobretudo do Nordeste é algo muito gratificante. É algo que enobrece a alma do indivíduo que gosta de Medicina (e não de ganhar muito dinheiro com ela). Aqui, no RN, Médico é chamado de “Dotô” (mesmo nem tendo Doutorado). Ganha presente dos pacientes, ganha respeito por parte da cidade e de seus cidadões, consegue até desconto nas quitandas, bares, restaurantes, supermercados, enfim, tem prestígio dentro da sociedade local. Queria eu ter condições de ser médico e ajudar a esse povo tão sofrido, mas, infelizmente não é esse o meu perfil (não o de ajudar, o de ser Médico).

Responder

Fernando

19/07/2013 - 12h01

Policia Federal em cima deste babaca

Responder

Marcos Lima

19/07/2013 - 11h56

Esta medida não foi discutida com as associações da classe.
Nem com quaisquer setor da sociedade.
Por isto essa confusão, desconfiança e descontentamento.
Além de um precedente.

Responder

    edir

    19/07/2013 - 13h47

    medidas de urgencia näo há tempo para discussäo. Só isso. Se epero por atendimento e näo tem médico, tenho que esperar até chegar num acordo o governo com a classe médica ? é isso que voce quer dizer ?

    Julia

    19/07/2013 - 16h02

    Medida de urgência? O PT esta a quanto tempo no poder??? E agora vem com essas medidas insanas!!! Pena de quem apóia!!

    Sérgio Pestana

    19/07/2013 - 19h03

    Júlia,
    a pergunta é: há quanto tempo a casa grande teve de tempo para resolver os problemas do país? Diria, para teu governo, séculos e pouco fizeram para melhorar as nossas diversas necessidades. O PT vem trabalhando há pouquíssimos anos e vens cobrar logo de quem está tentando minimizar a situação calamitosa deixada pelos senhores e seus capatazes da oposição e também de seus asseclas na imprensa golpista, sem sinalizar enquanto estiveram no governo o mínimo de eficiência no trato da coisa pública. Os udenodemotucanos e os Zés Piratas do Caribe o que fizeram na saúde, na educação e nos transportes, para citar alguns exemplos, durante décadas em que fingiam governar? Fizeram sim, para os de sempre exploradores de nosso povo. É de lamentar tua posição reacionária e conservadora. O atual governo peca por ser demasiadamente republicano e democrático (que seja sempre assim!),e isso não se viu durante décadas e décadas dos governos direitistas e protofascistas que tentas defender com argumentos tão primários e pueris.

    Luís Carlos

    19/07/2013 - 16h11

    O SUS é o ordenador da formação em saúde no país, conforme art. 200 da CF, não as entidades médicas.

O falso positivo do “Laboratório Folha” | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

19/07/2013 - 11h54

[…] Impressionante a armação revelada por uma leitora da Folha e publicada por Luiz Carlos Azenha no Viomundo. […]

Responder

maria de sobral

19/07/2013 - 11h54

Faz esse tipo de trabalho na periferia e tem esse comportamento. Mas, dá pra entender. Deve ganhar bastante, inclusive a fama de bom moço e algo mais pra suas pesquisas. É bonzinho, o rapaz. A direita cheirosa nao precisava ir a periferia, so nas eleiçoes. Dr., Nao somos tolos. Cace outro pra contar a sua historia voce nao precisa de garantias trabalhistas nem tampouco desse trabalho.

Responder

Sousandrade

19/07/2013 - 11h43

Há críticas que Lula/Dilma não conseguem responder. P. ex., pq continuar gastando mais com poucos parasitas através do pgmento de juros do que com saúde? Pq não estabelecer um “superávit social primário”? Não pode, né, pois ia mexer com maribondo brabo…
Agora, os médicos ainda sonham em ser profissionais liberais-empresários num mundo de “concentração e centralização” do capital? Ou viram grandes empresários ou grandes e pequenos proletários. Aproveitem e se coloquem ao lado do movimento social pró-SUS decente! Suas greves não botam até governadores de estado de joelho? Pq nunca fizeram isso em favor de todos? Corporativismo tem limite.

Responder

Francisco

19/07/2013 - 11h29

R$450,00 uma consulta…

É de fato deve ter médico “sobrando” e, de fato, 10 mil “é pouco”…

Esta explicada a resistência da academia à inclusão social por cotas.

Responder

Luiz

19/07/2013 - 11h25

Quero só lembrar, se esse país entrar numa guerra civil, nenhum engomadinho fica livre da violência, então não acompanhe a tentativa da BANDIDA REDE GLOBO, FOLHA, VEJA, ESTADÃO, BAND, SBT, PSDB, DEM e PPS, de desestabilizar o governo, A MERDA FICA FEIA PRA TODO MUNDO, com certeza vão fugir do país, pense bem ENGOMADINHO DE JALECO!!!!!!

Responder

Roberto Locatelli

19/07/2013 - 11h25

Os mesmos canalhas de jaleco branco que vociferam contra a vinda dos médicos cubanos são os que apoiam entusiasticamente o tal movimento passe livre (a soldo da CIA?).

Aliás, o que será que o tal movimento passe livre (a soldo da CIA?) acha da vinda dos médicos cubanos? Os meninos estão sumidos (férias na Disney?), mas desconfio que sou capaz de adivinhar a opinião deles sobre o Programa Mais Médicos.

Responder

    Wildner Arcanjo

    19/07/2013 - 12h38

    Esqueça, eles não tem opinião política nenhuma com relação a matérias que são de interesse de toda a sociedade. Mas quando é interesse da mídia…

    Só besta cai nessa onda de “boi tangido”…

    Assim digo!

Luís CPPrudente

19/07/2013 - 11h22

Tenho a impressão de que muitos médicos são elitistas, não tem interesse em atender pelo SUS. Até aí tudo bem, é direito deles, quererem trabalhar em suas clínicas particulares. Mas torcer e agir para que não venham médicos de outros países para trabalhar onde os nossos médicos elitistas não querem, isto é um absurdo.

Responder

kalifa

19/07/2013 - 11h10

Já fui assinante da folha enquanto tive mercearia afinal necessitava de papel para embrulho!Não sei se o jornalismo da folha é ruim pois mesmo assinando o objetivo era para papel de embrulho então nunca li!Sempre tive bons jornais para leitura como o Právida!

Responder

kalifa

19/07/2013 - 11h07

Mais que trazer médicos do exterior por ora para atender os que não possuem é necessário criar pelo menos 20.000 vagas ou mais todos os anos para médicos nas universidades federais!

Responder

    Neotupi

    19/07/2013 - 13h17

    Um médico leva 6 anos para entrar na ativa. E quem está precisando de médico para ontem? Vai ter que esperar pelo menos mais 6 anos para começar a ser atendido. Isso se for atendido, pois ninguém garante que um médico formado daqui a 6 anos trocará um consultório ou clínica num bairro nobre onde corre mais dinheiro, pela periferia e rincões.

Carlos Lima

19/07/2013 - 11h07

O Grande problema ai não foi só o mau jornalismo, más sim um crime, a liberdade de trabalhar onde quiser é puramente pessoal e legal, porém incitar e procurar de certa forma de inviabilizar projetos públicos passa a ser crime, o governo esta sofrendo ataques de entidades diversas e esta aceitando de forma sucinta, apenas comentado e dizendo que vai fazer isso ou aquilo, mas na verdade os sabotadores não estão sendo punidos, a liberdade de imprensa não passa pela a ilegalidade dos fatos, ou o governo também não acredita no judiciário ou o judiciário se recebe demanda ilegais e não julga, algo grave estaria acontecendo numa cadeia perigosa de sabotagem entre os elos da administração publica da seguinte forma.. Grupos privados corporativistas sabotam, a mídia no artifício de liberdade de imprensa colabora para com a sabotagem, o governo manda ou não manda fazerem nada, a policia é ou não é acionada pelo governo, se a polícia é acionada nada acontece de certa forma também colabora com a sabotagem, se polícia faz alguma coisa e passa pela justiça ai a coisa fica mais séria, o que estaria acontecendo com a justiça? Vamos fazer algumas pergunta apenas no exercício de fantasias. A justiça quer derrubar o governo? A justiça não acredita mais no governo? O governo se tornou um gerente incompetente? O governo já sabe que há um grande golpe em curso e na impossibilidade de detê-lo esta agindo apenas ancorado no povo que ainda acredita? Ou o Brasil é mesmo uma democracia faz de conta em que o capital e a elite car comeu a o governou, debilitou o congresso e apoderou-se da justiça? O que esta acontecendo, porque os grandes fabricantes de sabotagens e delitos, esonegadores e lavadores de dinheiro não estão sendo punidos, porque? O que de fato está acontecendo com nossa república? Porque o governo não aciona a rede nacional e chama a população e fala a verdade: Fale que o país esta sendo sabotado e que a mídia sustenta sabotagens na máscara da liberdade de imprensa? São perguntas apenas perguntas…más gostaríamos como cidadãos que não fossem respondidas surrealmente na ótica da espontaneidade.

Responder

    oylas pereira

    19/07/2013 - 13h58

    Caro Carlos, o judiciário é a bastilha de forma invertida, ou seja, na França era onde ficavam os presos injustiçados, aqui é onde fica quem solta os criminosos endinheirado. Com a palavra Daniel Dantas e Gilmar mendes e Cia.

    Carlos Lima

    20/07/2013 - 10h56

    Para você ver Oylas pereira, outro caso terrível de corrupção como esse publicado neste final de semana pela revista ISTO É que apesar de moroso publicou, não é o que faz a Grande Mídia, sempre escondendo a gatunagem dos amigos, é o PADRÃO GLOBO DE PROTEGER LADRÕES AMIGOS que faz escola para o resto da mídia inteira. A justiça continua cega, mas a cegueira da justiça é só com o NÚCLEO PAULISTA DE CORRUPÇÃO é a bastilha midiática versão corrupta.

    oylas pereira

    19/07/2013 - 14h11

    Caro Carlos, o judiciário é a bastilha de forma invertida, ou seja, na França era onde ficavam os presos injustiçados, aqui é onde fica quem solta os criminosos endinheirado. Com a palavra, Daniel Dantas e Gilmar mendes e Cia.

    oylas pereira

    19/07/2013 - 14h13

    Caro Carlos, o judiciário é a bastilha de forma invertida, ou seja, na França era onde ficavam os presos injustiçados, aqui é onde fica quem solta os criminosos endinheirado. Com a palavra, Daniel Dantas, Gilmar mendes e Cia.

Bacellar

19/07/2013 - 11h00

Escola de Base, Viaturas pro Dops, processo contra a “Falha”…A ficha corrida desse jornalão é de respeito…

Responder

Carlos

19/07/2013 - 10h53

Vendo esse e outros comportamentos “éticos” de certos “médicos”, que mais parecem mercenários da saúde alheia, fico com uma pulga atrás da orelha: esses “profissionais” fizeram o juramento de Hipócrates ou de HIPÓCRITAS?

Responder

Igor

19/07/2013 - 10h41

É, e depois ainda vêm com papo de atenderá população pobre. Só querem dinheiro esses pulhas. Mas uma coisa é certíssima a comunicação e poder de rebater as críticas, as mentiras deste PIG pelo governo é péssima. O governo neste sentido perdeu muito pela sua falta de comunicação. Uma estrutura melhor para lidar com esse abusos e principalmente para atuar nas redes sociais.

Responder

simonebh

19/07/2013 - 10h25

Alguém sabe se há algum médico cubano que atenda aqui em BH? Para um atendimento mais humano, eu pagaria a consulta no preço justo, com prazer.

Responder

Weiller

19/07/2013 - 09h58

Sou médico, 25 anos de formado, e nunca concordei com o “ato médico”, farsa montada pelo CFM, que numa demonstração de prepotência e desrespeito as outras profissões da área de saúde – enfermagem, fisioterapia, fonoaudiologia e etc, chama para si e apenas para si, a capacidade de atuar na cura/amenizar o sofrimento do paciente, classificando as demais áreas da saúde, como apêndices da sua sabedoria. O que se houve nos hospitais e clínicas o brado furioso contra o PT, é desolador. Apesar dos mesmos que criticam, serem uma das classes que mais receberam aumento salarial nesse período. Uns crápulas!!

Responder

Weiller

19/07/2013 - 09h50

Quando a Dilma cair e levar pro buraco 12 anos de governo de esquerda, poderemos apontar a principal culpada. A Presidenta Dilma Roussef!
Pela sua postura de “preferir o barulho da imprensa ao silencio da ditadura”. Suas ações alimentam o monstro, que a cada dia está mais gordo e forte. Deixa sua administração ser monitorada, esculachada, xingada e vilependiada pela mídia dominante, sem a mínima reação.
Nós, petistas estamos fartos dessa postura covarde!!

Responder

Renato

19/07/2013 - 09h46

Cadê a PF para investigar essa sabotagem ?

Responder

Maria Thereza

19/07/2013 - 09h36

mas que doutores legais, não é mesmo? Saem de seu conforto para atender baratinho na periferia. Dão recibo? Pagam IR sobre esse ganhos “caridosos”? É por isso (também) que nosso sonegômetro não para de crescer, embora não seja tão bem divulgado como o impostômetro. E duvido que algum cliente ouse pedir recibo. Afinal, está sendo atendido “quase de graça”, por doutores famosos. E segue a valsa.
Por essa razão querem tumultuar o programa Mais médicos. E o cfm aprova essa “ética”?

Responder

    ACLC

    19/07/2013 - 10h05

    Vc levantou uma questão interessante. Também gostaria de receber como fica essa questão dos recibos fiscais. Quero crer que não haja sonegação, mas já levei calote em plano, então…

    Paulo Cesar

    19/07/2013 - 10h44

    Claro que aprova…Tudo que envolve saúde+dinheiro+sonegação é prioritariamente aprovado pelo CFM.

Nuno

19/07/2013 - 09h25

Ah essa blogosfera! As mentiras dos jornalões não duram 48 horas…

Responder

Magarefe ou médico? | Ficha Corrida

19/07/2013 - 09h25

[…] O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos "desistentes" – Viomundo – O qu… Avalie:Sirva-se:Curtir isso:Curtir Carregando… Deixe um comentário […]

Responder

luiz carlos

19/07/2013 - 09h22

Essa figura e o exemplo acabado do medico que junto com os outros rola-bostas desfilam de branco nas ruas das cidades.

Responder

Marcos C. Campos

19/07/2013 - 09h09

Alguns (?) médicos estão se tornando uns patifes.
O que que lhes interessa sabotar um programa de governo ?

Responder

    Paulo Cesar

    19/07/2013 - 10h45

    Chama-se “Interesse econômico”.

    maria de sobral

    19/07/2013 - 13h39

    Chama-se a tudo isso de : ODEIO LULA. Ele nao é doutor. Ele é um simples operario.

Fco

19/07/2013 - 08h55

A população de Heliópolis, devia fazer uma manifestação para expulsar essa gente safada de la.

Responder

Eduardo

19/07/2013 - 08h51

Como pode um camarada burro desses ter se formado em medicina? E incrivel! Trabalha no Sirio- libanes !

Responder

Bella

19/07/2013 - 08h50

Muita, muita vergonha alheia desses médicos! Só estão se afundando cada vez mais.

E olha, para quem foi capaz de ver os médicos cubanos como revolucionários comunistas, não descarto uma outra piração: é bem o caso de desconfiar dessa tal clínica Dr. Consulta aberta na favela de Heliópolis. Quando foi aberta? Não espantaria que esses elementos (sim, elementos!) montassem essa clínica a toque de caixa (porque $$$ eles conseguem) só para tentar mostrar que dá para médicos atenderem à população pobre mantendo o modelo liberal da profissão – e assim, deslegitimar a proposta do governo

Vamos acompanhar e ver até quando dura essa clínica Dr. Consulta…

Responder

    Paulo Cesar

    19/07/2013 - 10h47

    De jeito nenhum, 40,00 sem recibo é muito caro para população pobre pagar para ter consultas.
    Devemos ter cuidado e não pensar ou achar que esse modelito neo-liberal de saúde seja viável, pois não é.

Márcia

19/07/2013 - 08h49

Que medo dá ter que precisar de alguns desta classe!

Responder

Carlos Ribeiro

19/07/2013 - 08h47

Médicos ou açougueiros?

Responder

    Acássia

    19/07/2013 - 10h08

    1) tinha que vir da USP, onde sempre aparece algum movimento suspeito contrário ao governo federal e nunca crítico do governo estadual
    2) alguém poderia fazer uma pesquisa entre médicos para saber seu partido preferido?
    3) Absurdo que Conselho de Medicina Federal, entidade parceira dos governos para fiscalização da profissão tenha virado máfia sabotadora
    4) O Conselho de Medicina não está sendo propositivo. Está sendo negativo. Não quer nada. Apenas decidiu boicotar.
    Se os governos deixaram de fazer muitas coisas, e é fato, então o Conselho se dá o direito de usar isso para não seguir a lei, não seguir a regra, não seguir a ética médica, ser político conveniente. Tudo isso pra mim é crime. O conselho estava quietinho e feliz. Sem proposta.
    Quando Dilma quis fazer alguma coisa – ainda que falha e aguardando sugestões – este partiu pra briga conveniente póliticamente.
    Me enganam que eu gosto!
    5) Este imbroglio foi ótimo como toda crise: mostrou a cara do monstro.
    6) Ressalva: tenho amigos médicos bacanas que não estão nesse balaio.Tenho médicos que me tratam e não estão nesse balaio.
    7)

    Sérgio Pestana

    19/07/2013 - 19h26

    E também, afinal o que o STF tem de se meter na proposta do governo sobre o programa MAIS MÉDICOS e ainda dar um prazo para esse mesmo governo responder ao questionamento? Eles, os deuses, se acham também profundos conhecedores dos problemas e dos cuidados médicos que o governo federal tenta implantar no país para minorar os sofrimentos das populações mais carentes? Chega de cinismo e hipocrísia dessa máfia de branco e seus amiguinhos na imprensa e no judiciário para destabilizar o governo trabalhista.

trombeta

19/07/2013 - 08h41

A manchete boa para o fato: acerto de máfias tenta sabotar programa do governo que beneficia pobres.

Responder

caroline

19/07/2013 - 08h39

A MINHA OPINIÃO É: TODOS QUE SE FORMAM EM UNIVERSIDADES FEDERAIS, OU SEJA, ESTUDAM DE GRAÇA, DEVERIAM RETRIBUIR TRABALHANDO NO SUS DURANTE 2 ANOS. SE NÃO QUISER, PAGUE SEUS ESTUDOS.

Responder

    Oswaldo

    19/07/2013 - 10h45

    Eu concordaria com Vossa Senhoria se a vaga na Federal viesse de graça, sem vestibular. Agora, quando o sujeito tem que ralar para passar no vestibular da Federal e quem tentou e não passou quer lhe atribuir ônus por eles terem tido mérito eu não posso concordar. Todas as Federais e Estaduais tem Hospitais Escola em que os alunos passam dois anos de prática ajudando os professores e médicos a atender pelo SUS. Logo, esses alunos e as Federais e Estaduais já fazem isso, prestam serviços públicos dentro das suas possibilidades orçamentárias, por isso seu argumento é falacioso.

    edir

    19/07/2013 - 13h56

    Quanto custa um estudante de medicina numa universidade pública no final do curso. Entäo devolva o valor em trabalho. Só isso e nós agradecemos!

    Ângela

    19/07/2013 - 12h19

    C O N C O R D O !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

sergio

19/07/2013 - 08h36

Olha se o governo realmente querer ele consegue implantar o programa. Não é uma tarefa fácil, principalmente quando se constata a existência de tanto médico mau-carater num momento deste.

Então o governo traça um objetivo, por exemplo 50.000 médicos.

Abre a primeira inscrição. Ai o corporativismo tenta atrapalhar fazendo este tipo de boicote, se cadastra e depois desiste. Mas vamos supor que ao final tenhamos 50.000 inscritos, porém 40.000 desistem com o intuito de atrapalhar. Então no final o governo consegue 10.000 (entre brasileiros decentes e estrangeiros). Ainda faltam 40.000.

Abre a segunda inscrição, porém os que se cadastraram na primeira fez e desistiram para boicotar ou não o plano, ficam proibidos de se cadastrarem uma segunda vez. E ai o processo continua até se chegar aos 50.000. Pode demorar, mas no final o objetivo é alcançado. Pois onde vão conseguir tantos médicos para boicotar cada etapa de inscrição se os que desistiram em alguma etapa ficam proibidos de participar de outras?????

E ainda se sou o presidente, seria fdp com estes infelizes que a todo momento tentam boicotar o país de melhorar. De posse do cadastro dos médicos que tentaram boicotar o plano, colocoria a Receita Federal para investigar o quanto estes infelizes sonegam de impostos.

Responder

Odilon

19/07/2013 - 08h30

Resposta aos jornalistas e blogueiros de esquerda

O ofício de jornalista é admirável, mas também ingrato. O jornalista tem que falar de muitas coisas, das quais, muito pouco sabe. É compreensível. Por isso convém a um jornalista ser humilde e escutar com atenção e sem preconceitos o que os outros tem a dizer.
Sou médico, não trabalho no SUS, mas já trabalhei. Votei em Dilma, até porque não havia uma opção melhor. Sempre me coloquei ao lado das causas que acreditava serem progressistas. Considero-me, dentro do espectro político, um cidadão de esquerda, porque acredito que as pessoas, em princípio, devam ter oportunidades iguais. Reconheço muitos avanços realizados nos últimos anos. Contudo, não me sinto impedido de fazer crítica ás minhas opções.
O atual governo também se diz progressista. É encabeçado por alguém que lutou bravamente pela democracia. Integra um partido que se diz dos trabalhadores. Entretanto não parece honrar seus princípios.
O governo Dilma fala grosso com um simples trabalhador da saúde (o médico do SUS, nada mais é que um trabalhador mais qualificado), mas fala fino com a as grandes corporações de comunicação, as quais concedeu bilhões em benefícios fiscais, não se sabe a troco de que (ou é simplesmente medo ?). A Dilma fala grosso com o médico, mas fala fino com a Globo. Fala grosso com o médico, mas no primeiro dia do seu governo, em vez de visitar um hospital do SUS, foi fritar bolinho com a Ana Maria Braga. Isso é ser progressista?
O governo do Partidos dos Trabalhadores (??), fala grosso com o trabalhador médico; tenta agora surrupiar-lhe os direitos trabalhistas: oferece ao médico não um contrato de trabalho (no programa mais médicos), mas uma bolsa, hipocritamente a título de especialização (especialização em quê? Em medicina ruim?), e com o único objetivo de burlar as leis trabalhistas. Ao mesmo tempo, concede bilhões em renúncia fiscal ás multinacionais do setor automotivo, para que elas possam enviar mais dinheiro ás suas matrizes. O governo do PT fala grosso com o médico, revoga a CLT, mas fala fino com a General Motors. Isso é ser progressista?
O governo “progressista” da Dilma fala grosso com os estudantes (de medicina); tenta impor-lhes 2 anos de serviço civil obrigatório, cinicamente á título de melhorar a formação médica; dizem que no tal segundo ciclo do curso de medicina vão receber orientação de preceptores, o que não é nem um pouco crível, já que falta assistência a esses estudantes no ciclo de estudo vigente, e ficam totalmente abandonados nas residências médicas. Se se pretende melhorar a formação médica, é só incrementar o estágio prático que já existe (internato). Não, o governo Dilma fala grosso com os estudantes, mas fala fininho com as empresas de telecomunicações. Concede-lhes benefícios fiscais, para que enviem mais dinheiro as suas matrizes endividadas, ao tempo que prestam um serviço reconhecidamente deficitário e caríssimo para os padrões internacionais. Isso é ser progressista?
A Dilma fala grosso com o médico que se formou nas faculdades brasileiras, mas fala finhinho com o Sírio, onde são tratados os presidentes. Ao Sírio, uma empresa privada, é concedida renúcia fiscal á titulo de tratar-se de instituição beneficente (não se sabe como). Ademais, é constrangedor á oitava economia do mundo, ver seu Presidente tratar-se em um hospital privado, por não haver, em tese, um único hospital publico á altura. Isso é ser progressista?
Marta Suplicy (PT), quando prefeita de São Paulo, batizou uma importante avenida da cidade, pelo nome de Jornalista Roberto Marinho – isso é ser progressista?. Não teria sido melhor a um partido que se diz dos trabalhadores, batizá-la de Carlos Chagas, por exemplo, um dos mais brilhantes médicos do seu tempo!? Ou quem sabe jornalista Machado de Assis!?
Não há como negar que, em se falando de saúde, todos os últimos governos foram medíocres. Os militares degeneraram o sistema de saúde. FHC e Itamar vetaram o piso salarial do (trabalhador) médico. Lula, repetiu a “esperteza” do PSDB e não empregou os recursos da CPMF na saúde; preferiu pagar juros aos banqueiros, e por isso a perdeu. Serra, quando Ministro da Saúde, também quis resolver o problema da saúde, importando médicos cubanos.
Faltam médicos? Pode ser, mas certamente, é o que menos falta. Faltam, muito mais, seringas, remédios, limpeza, gestão, vontade política, projeto, princípios, coragem.

Responder

    Panambi

    19/07/2013 - 09h54

    “Faltam médicos? Pode ser, mas certamente, é o que menos falta. Faltam, muito mais, seringas, remédios, limpeza, gestão, vontade política, projeto, princípios, coragem.”
    Não é o que menos falta, não! Não precisa nem ser da área(minha esposa é) para saber disto, basta um pouco de raciocínio e falta de má-fé…

    Acássia

    19/07/2013 - 10h14

    Eu concordo com algumas coisas do seu post.O que não se pode é misturar.

    Isso é apenas um programa de governo e a presidenta tem o direito de implantar.

    Se Dilma tiver que deixar o Brasil nível Suíça, antes de qualquer coisa, ela não vai fzer nada.

    Haja vista a base aliada – só um exemplo: os prefeitos que tem as maquinas mais inchadas são do PMDB.A base aliada é muito PMDB. Não aé que eles não são propositivos, nunca fizeram ou votaram uma proposta de melhorar a federação e o tal pacto federativo, já que supostamente o podem fazer, mas vaiaram Dilma. É ação conjunta de máfias.

    Dilma está frita na mão dessa gente. Com a palavra Senhor Requião, que é PMDB e parece diferente dos demais peemedebistas.

    Acássia

    19/07/2013 - 10h16

    Sendo bem direta: o que tem a haver o nome da ponte com o programa “Mais médicos”?

    Odilon

    19/07/2013 - 19h20

    Ok, mas onde esta o projeto do governo para melhorar a saúde pública? Não basta entulhar o pais de medicos. Essa visão do Padilha é reducionista e medíocre. É apenas uma manobra diversionista, que visa escamotear as deficiencias do governo neste setor. Uma maneira de ganhar tempo!

    Douglas da Mata

    19/07/2013 - 10h47

    Resposta ao médico de centro-direita!

    Bom, é desnecessário dizer que um governo não se confunde com um partido, embora o texto tente inferir esta mistura.

    Com todos os erros e acertos estratégicos, governos de esquerda, no mundo todo, e principalmente no Brasil, por nossa História e peculiaridades, equilibram-se em frágeis estruturas de sustentação chamadas base de apoio (parlamentos e instituições) e as bases sociais de apoio.

    São, como dizem os gramiscistas ou garmiscianos, enclaves contra-hegemônicos em estamentos hegemônicos.

    Neste sentido, boa parte das críticas do médico faz sentido. O que não faz sentido é a articulação que ele faz com o tema em questão(aliás, não faz).

    Vamos a autópsia do seu texto:

    “Resposta aos jornalistas e blogueiros de esquerda

    “O ofício de jornalista é admirável, mas também ingrato. O jornalista tem que falar de muitas coisas, das quais, muito pouco sabe. É compreensível. Por isso convém a um jornalista ser humilde e escutar com atenção e sem preconceitos o que os outros tem a dizer.”

    Resposta: Parece que o médico concorda com a manipulação ruim feita pelo veículo.

    “Sou médico, não trabalho no SUS, mas já trabalhei. Votei em Dilma, até porque não havia uma opção melhor. Sempre me coloquei ao lado das causas que acreditava serem progressistas. Considero-me, dentro do espectro político, um cidadão de esquerda, porque acredito que as pessoas, em princípio, devam ter oportunidades iguais. Reconheço muitos avanços realizados nos últimos anos. Contudo, não me sinto impedido de fazer crítica ás minhas opções.”

    Resposta: Bom que o doutor tenha opções. O problema é que o morador dos cafundós não tem. Críticas são bem vindas, sempre!

    “O atual governo também se diz progressista. É encabeçado por alguém que lutou bravamente pela democracia. Integra um partido que se diz dos trabalhadores. Entretanto não parece honrar seus princípios.
    O governo Dilma fala grosso com um simples trabalhador da saúde (o médico do SUS, nada mais é que um trabalhador mais qualificado), mas fala fino com a as grandes corporações de comunicação, as quais concedeu bilhões em benefícios fiscais, não se sabe a troco de que (ou é simplesmente medo ?). A Dilma fala grosso com o médico, mas fala fino com a Globo. Fala grosso com o médico, mas no primeiro dia do seu governo, em vez de visitar um hospital do SUS, foi fritar bolinho com a Ana Maria Braga. Isso é ser progressista?”

    Resposta:Onde está o rompimento de princípios do PT ou do governo? Alguém precisa lembrar ao médico que o chegada de Lula ao governo não significou a revolução socialista, se é que alguém tinha em mente isto. Vale uma lida a Carta aos Brasileiros. Claro, pode-se criticar esta inflexão do PT para ganhar, mas eu pergunto: ganharia se fosse de outro jeito? Bom, eu militei em outras três derrotas. E como haveria os avanços se não tivéssemos ganho, inclusive com estas concessões? O que estaríamos discutindo agora? Ainda seríamos um país, ou uma espécie de Puerto Rico mais ao sul?
    Dizer que o médico é só um “trabalhador mais qualificado” é uma simplificação grotesca de todo o caldo de cultura(conservadora e elitista) de profissionais formados como resultado de um dos maiores filtros educacionais brasileiros, onde só rico se gradua, e pior, a maioria em entidades públicas custeadas com dinheiro dos pobres.

    “O governo do Partidos dos Trabalhadores (??), fala grosso com o trabalhador médico; tenta agora surrupiar-lhe os direitos trabalhistas: oferece ao médico não um contrato de trabalho (no programa mais médicos), mas uma bolsa, hipocritamente a título de especialização (especialização em quê? Em medicina ruim?), e com o único objetivo de burlar as leis trabalhistas. Ao mesmo tempo, concede bilhões em renúncia fiscal ás multinacionais do setor automotivo, para que elas possam enviar mais dinheiro ás suas matrizes.(…)”

    Resposta: Pode-se questionar as medidas anti-cíclicas do governo, e eu mesmo faço coro com estas críticas. Mas tudo tem dois lados: Foi esta medida criticada que segurou o país depois de 2008.

    “(…)O governo do PT fala grosso com o médico, revoga a CLT, mas fala fino com a General Motors. Isso é ser progressista?
    O governo “progressista” da Dilma fala grosso com os estudantes (de medicina); tenta impor-lhes 2 anos de serviço civil obrigatório, cinicamente á título de melhorar a formação médica; dizem que no tal segundo ciclo do curso de medicina vão receber orientação de preceptores, o que não é nem um pouco crível, já que falta assistência a esses estudantes no ciclo de estudo vigente, e ficam totalmente abandonados nas residências médicas.(…)”

    Resposta: Engraçado que ninguém reclama de bolsas quando o governo custeia cursos no exterior, ou especializações caríssimas para reproduzir o “adestramento” dos médicos para atuarem na indústria da medicina. Serviço civil obrigatório? É claro! Por que bancar o estudo médico para as elites e não lhes cobrar nada em troca?
    Quanto a GM eu concordo. Dilma e o governo deveria engrossar com eles. Mas deveria engrossar com a indústria farmacêutica, proibir a visita de propagandistas nos consultórios médicos, impedir que estas empresas e as empresa de equipamentos patrocinem as jornadas médicas e congressos, inclusive proibindo a ingerência em pesquisa médica. Quem sabe estudemos mais sobre malária e menos sobre impotência ou queda de cabelo?

    “Se se pretende melhorar a formação médica, é só incrementar o estágio prático que já existe (internato). Não, o governo Dilma fala grosso com os estudantes, mas fala fininho com as empresas de telecomunicações.(…)”

    Resposta: uau, então para enfrentar um problema polimórfico como ao formação médica, basta uma sugestão do médico? É um milagre? Confesso que não entendi a questão da telecomunicação…

    “(…) Concede-lhes benefícios fiscais, para que enviem mais dinheiro as suas matrizes endividadas, ao tempo que prestam um serviço reconhecidamente deficitário e caríssimo para os padrões internacionais. Isso é ser progressista?(…)”

    Resposta: Não meu caro, isto é ser pragmático. Certo ou errado? Acho que a História dirá.

    (…)”A Dilma fala grosso com o médico que se formou nas faculdades brasileiras, mas fala finhinho com o Sírio, onde são tratados os presidentes. Ao Sírio, uma empresa privada, é concedida renúcia fiscal á titulo de tratar-se de instituição beneficente (não se sabe como). Ademais, é constrangedor á oitava economia do mundo, ver seu Presidente tratar-se em um hospital privado, por não haver, em tese, um único hospital publico á altura. Isso é ser progressista?(…)”

    Resposta: Aqui a ingenuidade quase me leva a fazer um comentário desrespeitoso, mas não é o caso. Bem, acho que o médico ingênuo não entendeu que um presidente em um hospital público teria todos os recursos e seria muitíssimo bem atendido, e justamente por isto é que não vai. Porque os outros usuários não conseguiriam chegar a este nível, e isto é uma afronta, logo se usa a rede privada, que existe para aqueles que podem pagar e querem pagar.
    Este é um dos problemas do Estado brasileiro: a classe média e a elite, quando necessita dele, obtêm o melhor atendimento. Eu não vou a hospital público, mas poderia conseguir burlar todas as filas e obter tudo de graça, mas não o faço em respeito e coerência a demanda pública.
    Poderia usar a farmácia popular do governo, e adquirir gratuitamente meu medicamento para controle de hipertensão? Sim, sou brasileiro, pago impostos, mas não o faço para não sobrecarregar o sistema e deixo para quem precisa mais que eu. É esta a lógica do presidente no hospital privado.

    “Marta Suplicy (PT), quando prefeita de São Paulo, batizou uma importante avenida da cidade, pelo nome de Jornalista Roberto Marinho – isso é ser progressista?. Não teria sido melhor a um partido que se diz dos trabalhadores, batizá-la de Carlos Chagas, por exemplo, um dos mais brilhantes médicos do seu tempo!? Ou quem sabe jornalista Machado de Assis!?”

    Resposta: Eu não me importaria de ter todas as avenidas de SP com nome dos ricos, se a cidade fosse feita e pensada para privilegiar os mais pobres. Este é o problema central. Se colocar o nome do mafioso daria a Marta uma trégua para implantar os CEU, ótimo. Deu certo? Deu errado? Não sei, mas ela tentou fazer política com as ferramentas que detinha.

    “Não há como negar que, em se falando de saúde, todos os últimos governos foram medíocres. Os militares degeneraram o sistema de saúde. FHC e Itamar vetaram o piso salarial do (trabalhador) médico. Lula, repetiu a “esperteza” do PSDB e não empregou os recursos da CPMF na saúde; preferiu pagar juros aos banqueiros, e por isso a perdeu.”

    Resposta: A CPMF não foi “perdida” por causa do contingenciamento dos juros, ó doutor! Este foi o discurso hipócrita, porque foi bancado inclusive por aqueles que recebiam os juros. Mas entre manter um imposto que gravava todos os recursos (como um chip fiscal) e revelava todas as maracutaias de lavagem de dinheiro, e procurar outras fontes orçamentárias (foi só aumentar os juros)e proteger o sigilo, ficaram com a primeira.

    “(…) e Serra, quando Ministro da Saúde, também quis resolver o problema da saúde, importando médicos cubanos.”

    Resposta: E pelo que se sabe, dentro do que era o objetivo(e não era acabar com os problemas da saúde, porque nenhum país do mundo conseguiu), o programa foi um sucesso, que só terminou pela postura fascista dos conselhos médicos. E olha que no tempo do çerra os médicos nem gritaram um pentelhésimo do que fazem agora.

    “Faltam médicos? Pode ser, mas certamente, é o que menos falta. Faltam, muito mais, seringas, remédios, limpeza, gestão, vontade política, projeto, princípios, coragem.”

    Resposta: Faltam médicos? Sim, mas faltam antes homens e mulheres dignos a envergarem estes jalecos.
    Querem fazer fortuna? É um direito, ok…mas não com o dinheiro dos impostos e através da Universidades Públicas.

    O médico de centro-direita listou todos os problemas do governo e suas contradições apenas para defender aquelas que beneficiam a corporação onde atua.

    Ou seja, se Dilma fala fino com o pessoal lá de cima, por que fala grosso com os médicos?

    E olha que o governo nem começou a mexer no vespeiro da sonegação praticada pelos médicos, e nem o nobre médico falou do fim das deduções do IRPF que privatizam ainda mais a medicina.

    Douglas da Mata

    19/07/2013 - 12h37

    PS: onde está escrito “(…)Mas entre manter um imposto que gravava todos os recursos (como um chip fiscal) e revelava todas as maracutaias de lavagem de dinheiro, e procurar outras fontes orçamentárias (foi só aumentar os juros)e proteger o sigilo, ficaram com a primeira.”

    Leia-se: “Mas entre manter um imposto que gravava todos os recursos (como um chip fiscal) e revelava todas as maracutaias de lavagem de dinheiro, e procurar outras fontes orçamentárias (foi só aumentar os juros)e proteger o sigilo, ficaram com a SEGUNDA.”

    PS 2: Também não vi ninguém reclamar que no sistema de bolsa não há pagamento de IRPF, ou seja, são 10 mil livres.

    Odilon

    19/07/2013 - 19h41

    Concordamos em muitas coisas, talvez na maioria delas. Quem é de esquerda tem que fazer uma auto-crítica neste momento.
    O governo Dilma se afasta cada vez mais das causas populares. É um governo amedrontado, tecnocrata, só pensa na Economia. Não tem projeto para a saude, nem educacao. Quem votou na Dilma tem que trazer esse governo para o rumo, para a esquerda.
    Dilma est[a se entregando ao establishment e esquecendo suas origens. Não prego nenhuma ruptura, nem radicalismo; entendo que precisamos ir devagar, com firmeza, mas sempre no rumo certo.
    Na questão específica da saúde, não ha nenhuma proposta consistente, apenas esse plano mal ajambrado, populista.
    O governo deveria valorizar o médico do SUS, não se voltar contra ele. Que compromisso terão esses médicos estrangeiros com as comunidades nas quais vão trabalhar? Que compromisso tem com o pais, com a saúde pública? Vem só pelo dinheiro, de forma provisória, descompromissada. Um médico brasileiro, por mais defeitos que tenha não pode ser pior.
    Esperamos um projeto sério de valorizacão da saúde pública. Defendo assistencia medica de boa qualidade para ricos e probres. Padrão Sírio.

    Douglas da Mata

    20/07/2013 - 09h32

    Odilon, você está, de novo, errado.

    O governo tem vários equívocos, mas não se preocupa unicamente com a Economia.

    Você que está reagindo como a mídia lhe impões: como a situação econômica mundial não reage, e as economias nacionais não reagem junto, havendo oscilações, a mídia tenta empulhar a audiência sua tese de que tudo está um caos.

    Logo, como o governo tem que reagir a esta agenda negativa, parece-nos que a única preocupação é a economia.

    Não é: este debate é o exemplo disto.

    O programa bolsa família foi ampliado, assim como o programa minha casa, minha vida, agora com a possibilidade de financiamento de utensílios e mobiliário das casas.

    As obras em infraestrutura estão aí: MP dos portos e mais de 120 pedidos de autorização para instalação de terminais públicos e privados na ANTAQ.

    Programas de bolsas (Brasil sem Fronteiras).

    E citaria outros tantos…

    Eu discordo novamente de você: Não há saúde padrão Sírio! Isto é impossível, porque o padrão Sírio só existe porque está estruturado na precarização do SUS. O que podemos ter é um padrão médio de assistência básica, que na verdade, concentra, de acordo com o OMS, 60% dos casos, com procedimentos de complexidade simples.

    Ou seja: na maioria das vezes, o que precisa é médico, atenção, ouvir o paciente, tocar o paciente!

    A indústria da medicina especializada não permite isto!

    Paulo Cesar

    19/07/2013 - 10h55

    Você mente…Não votou em Dilma. A bolsa é uma opção e um pagamento de 10.000,00 mensais é muito mais que justo, lembrando ainda que esse pagamento mostra muito bem a falta de médicos, já que nenhuma outra profissão consegue nem metade disso como salário inicial…

    (especialização em quê? Em medicina ruim?), Não… Especialização em saúde pública de verdade, lá, pertinho do povo, do cheiro ruim de gente que não tem dinheiro pra comprar desodorante da natura, especialização em gente.

    Sua mentira cai por terra quando afirma que não faltam médicos…

    Mas eu gostaria que Dilma lançasse um desafio aos médicos que querem além dos 10 mil direitos trabalhistas…

    Que tal exclusividade de 40 horas semanais para o estado, tornando os médicos funcionários públicos??? E claro, com a localidade de atendimento decidido pelo governo…

    O que acha?

    Odilon

    19/07/2013 - 20h17

    Votei na Dilma, mas tenho pensamento crítico sempre.
    Carreira de Estado para médico, 40 horas semanais, remuneracao digna era a proposta que eu esperava do governo, não esse projeto mal ajambrado. Digo mais, defendo não 40 horas, mas 44 horas, como todo trabalhador, controle de frequencia, sem estabilidade no emprego. Mas o governo prefere essa opcao capenga que apresentou, que revoga a CLT, dá emprego pra estrangeiro, não melhora o nível da assistencia.

    Douglas da Mata

    20/07/2013 - 09h36

    Odilon,

    Carreira de Estado requer exclusividade. Juízes, promotores, defensores, delegados e policiais não podem ter outra ocupação!

    É dedicação exclusiva e sem possibilidade de contato com interesses privados.

    Nada de consultório particular e visita de propagandista de medicamentos.

    Só poderiam ter carreiras privadas após saírem do setor público.

    Você acha, sinceramente, que os médicos aceitariam tal condição?

    Me parece que vocês querem as benesses da carreira de Estado, e a autonomia da vida de profissional liberal. Aí não dá, meu caro amigo, não dá…

    augusto2

    19/07/2013 - 11h29

    Nao sei onde vc foi achar mediocridade em FHC e collor: na escala do sofrivel ao pessimo nao há mediocres.
    o mediocre Lula saiu com 85% pro, e se quer, volta com V no 1º turno.
    E Lula nao iria comprar as brigas todas que voce queria… não é burro.
    E gostei muito do “faltam medicos? pode ser”.
    E digo na tua lata que com 10 mil medicos de fora e mais dois laboratorios
    de farmacos, porem publicos, produzindo aqui os 100 principios ativos basicos, a gente dava um jeito nos teus hipocrates todos.

    Wildner Arcanjo

    19/07/2013 - 11h53

    A grande verdade é que o SUS nada mais é do que uma vitrine para Médicos conseguirem clientela (ou eu estou errado?)…

    No mais, gostaria de saber se o nobríssimo amigo Médico se sujeitaria a carga horária do trabalhador estatutário do SUS (do atendente, do porteiro, do segurança, do maqueiro, do motorista, do auxiliar administrativo…) que é obrigado a não possuir outra atividade formal, nem mesmo liberal, para aumentar os seus recursos?

    Neste caso eu aceito um piso mínimo de 15.000,00 para o profissional de Medicina no Brasil e um plano de cargos, para aqueles que optarem por execercer os seus trabalhos EXCLUSIVAMENTE e DEDICADAMENTE, na REDE PÚBLICA.

    Duvido que a maioria dos Médicos, inclusive o Sr., aceite isso…

    No mais, resumo tudo isso com duas palavras… Mercenarismo, Hipocrisia.

    Ponto!

    Odilon

    19/07/2013 - 20h23

    A proposta que voce faz é o que eu esperava do governo para melhorar a saude publica. Falo isso como cidadao apenas. Tenho certeza que não faltaria quem quisesse. Eu aceitar ou não é uma questao pessoal. Em um país livre, as pessoar tem direito a fazer opcões, que bom que seja assim!
    Mas o governo não quer isso, que apenas distrair as pessoas com esse plano capenga.

    Douglas da Mata

    20/07/2013 - 09h47

    Odilon, sua liberdade pressupõe deveres também. Não há liberdade absoluta.

    Ora, médicos que se formam em Universidades Públicas podem (e devem) ser obrigados a oferecer uma contrapartida a sociedade que sustentou sua formação (800 mil, sem os custos da residência).

    Pelo menos enquanto o acesso a carreira de médico for estruturada na exclusão, ou seja, pobre ou filho de pobre raramente vira médico, se for pobre e negro então, nem se fala!

    Este debate todo me parece muito com a celeuma criada em torno das politicas afirmativas.

    Criaram uma série de mitos, ofensas e reduções.

    Hoje a realidade, OS FATOS demonstram o quanto estavam errados:

    Os beneficiários destas políticas não reduziram o “nível” das Universidades, e os resultados dentro da mobilidade social brasileira já começam a se revelar.

    Não li, ouvi ou assisti um DADO, um único sequer, que os fascistas de jaleco(não incluo você) tivessem apresentado que correspondesse a realidade:

    01- A medicina cubana é muito melhor que a nossa para tratar os problemas básicos de saúde;

    02- Diversos países do mundo recebem médicos de Cuba, com sucesso;

    03- Nossos índices de médicos em estados e algumas periferias é inferior a 1 a cada 1 mil habitantes;

    04- Temos 6 mil unidades de saúde sem médicos;

    05- 70% dos formandos em Universidades Públicas são de classe A e B.

    06- Não há pediatras, clínicos, e ou outras especialidades generalistas. A maioria dos médicos brasileiros especializa-se, e por quê?

    Não se trata de um “plano capenga”, é um programa específico destinado a resolver uma questão específica!

    Mudanças estruturais na Saúde requerem alterações profundas em seu financiamento, e isto não é um debate rápido.

    Toda a estreiteza dos médicos na defesa de suas corporações revela o quanto será difícil, e mesmo assim você parece cobrar que tenhamos que ter tudo ao mesmo tempo agora?

    bento

    19/07/2013 - 12h02

    Continuo achando que médicos exercem o monopólio sobre vida e morte do povo brasileiro…

    Renato Santos

    19/07/2013 - 12h17

    Prezado Odilon,
    Muito prazer. Foi muito bom ler sua resposta ao post sobre a matéria da Falha de São Paulo. Considerei sua argumentação consistente e com certeza me ajudará na formação de opinião sobre esse tema tão quente. Melhorar as condições de trabalho de qualquer categoria “deveria” ser obrigação de um partido dos Trabalhadores, mas ao abraçar-se com o diabo, as organizações muito das vezes esquecem das suas raízes. Torço, com toda sinceridade, que o susto da copa das manifestações faça com com uma agenda progressista impere nesse governo. Que melhore as condições de atendimento dos profissionais da saúde (não só do médico) e que as parcelas da população que não tem acesso a nenhum médico, consigam ser bem atendidas (por médicos brasileiros, eslovacos ou ingleses).

    Odilon

    19/07/2013 - 20h03

    Concordo em tudo com voce.
    Abraco.

    maria olimpia

    19/07/2013 - 13h24

    Quem APROVA nomes de pontes, ruas e avenidas é a CÃMARA MUNICIPAL

    Odilon

    19/07/2013 - 20h29

    Sim, quem aprova nome de rua, praca, etc. é o legislativo, mas neste caso é de conhecimento geral que foi iniciativa da Marta, com objetivo de “puxar-saco”da Globo. Nao adiantou nada, nas eleicoes seguintes a Globo foi cruel com ela.
    Colocar nome de rua nao é fato relevante, mas simboliza as opcoes que o PT tem feito.

    Luís Carlos

    19/07/2013 - 13h49

    Lamento, mas o texto é bem ruim, porém deixa claro sua posição ideológica sustentando posições de entidades médicas como a falácia “não faltam médicos”.

    Odilon

    19/07/2013 - 20h08

    Sou apenas um profissional da saúde Luis Carlos, não sou escritor, nem tenho a pretensão de ser. Apenas quero expor o meu ponto de visa. Se me fiz entender, alcancei meu objetivo.

    Luís Carlos

    20/07/2013 - 14h02

    Ok.
    Mas sobre sua posição de que não faltam médicos no Brasil, com base em que você concorda com entidades médicas?

    renato

    19/07/2013 - 21h41

    Odilon, meu querido Médico.
    Tenho admiração e respeito por conhecer alguns
    inclusive o meu, sem ele não consigo receita azul.
    Mas, assim, eu conheço um cara de direita, ele
    começa dizendo que votou em Lula ou Dilma ( por
    falta de opção).
    Depois diz que é de esquerda mas não consegue escrever
    PT. Depois como médico, não se deu ao trabalho de ver as
    leis trabalhistas de sua classe e descobrir que quando
    efetivado no estado percorre os tramites que o estado
    no âmbito federal é o mais rígido possível.
    E existe um certo asco por trabalhadores no seu texto.
    Sei que vocês hoje estão na Berlinda, mas não são só vocês
    são Politicos, Advogados, Ministério Público,Traficantes,Militares,
    Torturadores, Artistas,Policiais.o próprio Povo está na berlinda,
    fizeram manifestação e este é um movimento que não obedece a Lei da Fisica que contempla o Atrito e a Inércia, ele não para mais.
    E não vão ser só estes. Acredito que aparecerão novos atores.
    Pelo menos nesta geração.
    Fique firme Homem, se você é um bom profissional, deixe a Caravana
    passar.

    Odilon

    20/07/2013 - 10h50

    Veja bem Renato, de fato votei em Dilma; votei tambem em Brizola e em Lula, duas vezes. Quando disse que votei em Dilma, ate por falta de opcao, quis apenas dizer que nao havia uma opcao melhor. E de fato nao havia.
    Entretanto votei porque ela tinha como fiador o Lula e o proprio PT. Ela em si, era uma incognita, pois era pouco conhecida. Frequentemente voto no PT, mas nao posso dizer que sou petista. Meu pai e filiado ao PT. Acho que Lula fez um bom governo, sempre o defendi. Dilma entretanto, em minha opiniao esta se desviando do rumo. Cercou-se de assessores incompetentes, vejamos: Jose Eduardo Cardoso – que proposta ele tem?; Bernardo – defende as empresas de comunicacoes, em detrimento do interesse do povo, de olho na eleicao da Gleisi, deslealmente critica o proprio PT no que se refere a lei de meios ; Gleisi – nao sei exatamente que ela ‘e, acho que nao tem tarimba para o posto que ocupa; Padilha – nao foi capaz de formular um projeto de recuperacao da saude publica, apenas esse plano mal ajambrado.
    Voce nao se deu ao trabalho de ler o projeto do Padilha. Ele preve sim que os medicos vao receber uma bolsa, sem nenhum direito trabalhista. Esta expresso na MP que nao vai haver vinculo empregaticio. O que e totalmente contrario o projeto do PT. Mas nao e so isso, esse projeto e todo errado, quer trazer medicos estrangeiros sem o devido procedimento que avalie suas aptidoes (como os brasileiros tem que se submeter quando vao ao exterior), que compromisso esses medicos estrangeiros terao com o pais? Alem disso nao preve melhoras consistentes na infra-estrutura, na gestao da saude; parte da premissa que existem pessoas de segunda classe que serao tratadas por estudantes de medicina, enquanto os ricos vao para o Sirio. Em se falando de saude, isso e inaceitavel.
    Ainda espero que a Dilma encontre o rumo.
    Temos que ter atitude critica.

O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes”O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes” | Irredutíveis Gauleses

19/07/2013 - 08h29

[…] O dr. Thomaz Srougi e Cesar Camara na frente da clínica médica particular na favela do Heliópolis. Cesar atende lá com jaleco do Sírio-Libanês, onde também trabalha […]

Responder

Ana Cruzzeli

19/07/2013 - 08h27

Aqui a resposta do Padilha para esses SABOTADORES

Para evitar sabotagem, governo muda regras do Mais Médicos – Jornal da Nova
Veja mais em: http://jornaldanova.com.br/r/23832

O candidato terá que emitir certidão de que se compromete a desistir de suas atividade de residencia e de PROVAB.

O que é melhor, os desistentes reincidentes terão seus nomes excluidos definitivamente do programa tipo persona não grata.

Achei otimo, afinal desistir uma vez é humano, duas vezes é gente do mal e o programa só pode ter gente bem intencionada que queira ajudar e não boicotar.

O Padilha foi muito bonzinho, eu seria mais MALVADA.

Eu deixaria o reincidente numa lista ROXO, com a mensagem tipo:
-Sua inscrição é muito importante para nós, já sua contração…Aguarde na linha, faz o favor, pois estamos ocupados revolucionando o Brasil!
Deixava o coxinha-de-jaleco mofando, mofando, mofando ad eternum para aprender a ser gente.

Responder

Mardones

19/07/2013 - 08h21

k k k k k k

Notícia seria um bom jornalismo da Folha. Afinal, a empresa, que recebeu a Dilma na festa de aniversário, é fonte do pior jornalismo que existe, manipulação da verdade é seu ponto forte.

Exceto um ou outro articulista, a mau jornalismo é sinônimo de PIG e não é motivo para notícia.

Aliás, notícia será a ley de medios. Ou melhor, quando o Brasil terá uma lei que respeite a constituição? Na fase petista creio que não será.

Ainda mais depois de tanta malandragem da Globo e suspeitas de acordo com o PT. Não fosse o bastante o fato de toda a direita ser sócia da propaganda enganosa da vênus platinada.

Responder

bento

19/07/2013 - 08h16

É a luta pela manutenção do monopólio de um serviço…de vida ou morte de pessoas…

O governo esta na luta para quebrar este monopólio.

Monopólio que encarece a medicina no Brasil.

Responder

Romualdo Vieira

19/07/2013 - 08h10

Alguem lembra do PASQUIM – “A MAFIA DE BRANCO”

Responder

BENEDITO CARVALHO

19/07/2013 - 08h01

Os médicos, em especial os que estão no eixo SP-RIO não conhecem o chamado “Brasil profundo”. Um tempo vivendo e trabalhando onde está a maioria da população brasileira veriam como fariam a diferença. Querem, na verdade, continuar sua vida burguesa, pois são oriundas dessa elite de branco que transformam a profissão de médico num mercadoria (para poucos). Eu recordo de um ato de coragem do professor da USP, Florestan Fernandes, nos seus derradeiros momentos, quando FHC, seu pupilo, lhe ofereceu fazer um tratamento nos Estados Unidos. Florestan recusou porque ele queria ser tratado num hospital público. O mestre tinha sensibilidade social, compreendia que a medicina praticada nesse país é reserva de mercado para uma pequena elite corporativa que jamais (com poucas exceções)terá sensibilidade para ser um médico dos mais pobres. As faculdades de medicina precisam recrutar pessoas que têm visão social, de outras classes sociais. O que esse rapaz fez é um pequeno exemplo que temos visto de falta de ética, de descumprimento e irresponsabilidade como tratam o povo. Ainda guardo a foto de uma moça com um cartaz na passeata av. Paulista onde expôs o dedo do Lula. Isso mede o nível de consciência desse pessoal. Uma elite arrogante, prepotente e, sobretudo, alienada dos problemas de país. O país não espera nada dessa gente escrota e elitista.

Responder

ma.rosa

19/07/2013 - 07h55

Enquanto a direita chora e estrebucha, os médicos estrangeiros hão de
chegar pra mostrar a incompetência dos “mediquinhos” safados e corporativista.

Responder

André Luiz Alves

19/07/2013 - 07h53

Olha a situação que chegou a cidade berço da industria automobilística dos EUA, e o pior é a cara de desanimo e espanto do repórter. E depois a imprensa golpista e os partidos de direita, dizem que o Brasil que vai de mal a pior, É só fazer uma comparação com São Bernado do Campo e Betim, os dois maiores centros da industria automobilística brasileira. Enquanto a população de Detroit diminuiu 25% nos últimos 10 anos, as de Betim e São Bernardo aumentaram mais de 10%; o PIB de Detroit caiu 30% em 10 anos, enquanto os das cidades brasileiras tiveram aumento superior a 100%; Cidade do automobilismo foi devastada pela crise mundial. http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2013/07/detroit-nos-eua-anuncia-falencia-e-faz-pedido-oficial-de-concordata.html

Responder

Murdok

19/07/2013 - 07h39

Presidente Dilma precisamos urgentemente de médicos no interior. Que venham os médicos.

Responder

Francisco de Assis

19/07/2013 - 07h34

O Sindicato dos Médicos não vai denunciar este false médico desistente ao Conselho de Ética do CRM ?
Ou não haverá mais ética entre os médicos ?

Responder

    Luís Carlos

    19/07/2013 - 13h50

    Francisco
    Não seriam essas mesmas entidades que estariam por trás disso?

Jose Mario HRP

19/07/2013 - 07h00

Bem, essas costumeiras atitudes e atos dos “médicos” em nosso país só conseguem inspirar em mim, mais e mais, nojo e asco pela classe.
Vou vomitar……BLEARGHHHHHHHHHHHHHHHH…….

Responder

sergio

19/07/2013 - 02h08

Enquanto isso os borra-botas do Ministério das Comunicações e da SECOM morrem de medo de enfrentar a máfia-midiática.

Responder

Claudio Donato Mathias

19/07/2013 - 01h15

E na pagina do Dotô Cesar no facebook consta que ele segue os conselhos da urubologa Miriam Leitao….xiiiii

Responder

    Pedro Dias

    19/07/2013 - 08h44

    Urologia e urubologia, tudo a ver! Plim Plim

Alberto

19/07/2013 - 01h04

Ainda acho que está faltando uma boa revolução neste país. Aqui qualquer um faz o que bem entende, mesmo consciente das consequências negativas de seus atos e tudo fica por isso mesmo. Atos de sabotagem como este é o mais claro exemplo de leviandade por parte de quem o pratica. Mas o que causa mais indignação é a completa ausência de punição. É cansativo ver tanta coisa errada e nada ser feito para punir seus autores.

Responder

    De Paula

    19/07/2013 - 09h46

    Isso da Folha não é informação; é clara sabotagem com propósitos políticos na onda do “quanto pior melhor”

Carioca

19/07/2013 - 01h02

Médicos safados! E a máfia do jaleco branco mesmo!

Responder

Leonardo Dantas

19/07/2013 - 00h58

Entreguem-se-lhe os reclamados benefícios e, caso não se disponha(m) a participar do programa, que perca(m) o diploma por desrespeito ao juramento ( Hipócrates) que fez(izeram).

Responder

FrancoAtirador

19/07/2013 - 00h47

.
.
A sem-vergonhice é tanta que não dá nem pra arrazoar.

A Mídia Bandida, em conluio com Corporações Privadas,

com o objetivo único de apear o PT do Governo Federal,

resolveu sabotar o Brasil, isto é, o Povo Brasileiro.

Não conseguem vencer no voto, então apelam pro crime.

Enquanto esses quatro clãs da Máfia das Comunicações

dominarem os meios de produção e transmissão da informação

não haverá Democracia nem Estado de Direito neste País.

O GIGANTE FASCISTA ACORDOU E SAIU DAS REDAÇÕES PARA AS RUAS.
.
.

Responder

Flavio

19/07/2013 - 00h40

O Ministerio da Saúde poderia virar para este sujeito e dizer: tá beleza! Vamos te contratar como CLT por R$10 mil e todos os direitos garantidos. Quando vc pode começar?

Se ele amarelar, processo judicial nele.

Responder

    H. Back™

    19/07/2013 - 18h49

    Não precisa ser nenhum Sherlock Holmes prá deduzir que tem gente querendo sabotar o plano “Mais Médicos”.

hermogenes

19/07/2013 - 00h18

Desconfie muito das consultas de R$ 40,00 desses doutores, de repente, a maioria delas são realizadas por residentes e são agregados vários outros procedimentos(exames realizados na própria clínica)que no final o valor real da consulta fica muito além dos R$ 40,00 sem contar que aqueles procedimentos mais caros que o cliente não consegue pagar serão realizados no SUS.

Responder

Aparecida Fernandes

19/07/2013 - 00h14

É por isso que se faz urgente uma Lei de Medyos. Ninguém tem responsabilidade sobre o que se publica? Cria-se um factoide que direciona opiniões contra um programa que pode beneficiar milhares de desassistidos e fica tudo por isso mesmo?

Responder

Deixe uma resposta