VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

Pinheiro Salles: Enojado com as trapaças do jogo sujo


27/11/2011 - 19h11

Comissão da Verdade ou da Frustração?

por Pinheiro Salles*

Aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pela presidenta Dilma, a lei que criou a Comissão da Verdade representa uma vitória da democracia. Mas uma vitória tímida, considerando as lutas que atravessaram 21 anos de ditadura e mais 26 após o fim oficial do regime que tão hediondos crimes praticou contra o povo brasileiro. Ainda: além de não ter a autonomia para a punição de quem cometeu violações dos direitos humanos, a comissão não concentra sua atuação no período da ditadura militar (1964-1985).

O projeto encaminhado pelo Poder Executivo ao Legislativo, em 20 de maio de 2010, mais uma vez demonstrou a subserviência do governo às Forças Armadas, arbitrariamente estendendo as averiguações entre 1946 e 1988, para fugir da caracterização de iniciativa contra o fascismo que vigorou no país. E veio o sofisma: “A fim de efetivar o direito à memória e à verdade histórica e promover a reconciliação nacional”. A presidenta acrescentou: “O Brasil inteiro se encontra consigo mesmo, sem revanchismo, mas sem a cumplicidade do silêncio”.

A verdade é que hoje, passados 32 anos da anistia política e 47 do golpe de Estado que implantou o medo e na vida dos brasileiros, o povo desconhece a real dimensão dos horrores daquela época. E só conhecendo profundamente os porões e suas barbáries, a população saberá erguer instrumentos que impeçam o ressurgimento dos malefícios superados. Se nos mais diversos aspectos a alegria do povo foi golpeada, a repressão política causou o maior dano à dignidade das pessoas. Para tornar infalíveis as ações repressivas, foram instalados organismos diretamente ligados aos ministérios do Exército, da Marinha e Aeronáutica.

Em São Paulo, criou-se a Oban (Operação Bandeirantes), para centralizar o terror, com aplauso dos comandantes militares, que logo decidiram transformá-la em Destacamento de Operações de Informações/Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), ampliando seu formato para todo o país. Também se destacaram, na prática da repressão, os seguintes órgãos: Dops (Departamento de Ordem Política e Social), delegacias regionais da Polícia Federal, Polícia Militar nos estados, Centro de Informações de Segurança da Aeronáutica (Cisa) e o Centro de Informações da Marinha (Cenimar). Ademais, havia os centros de tortura clandestinos, como a famosa Casa da Morte, em Petrópolis, no Rio de Janeiro.

E o que faziam os agentes contra quem não se omitia diante da truculência orquestrada pelos generais? Eles seqüestravam, torturavam, matavam, esquartejavam, decapitavam. Afundavam crânio, furavam olhos. Quebravam costelas, braços, pernas. Castravam, estupravam, extirpavam seios. Arrancavam dentes e unhas com alicate. Introduziam cassetetes em vagina de presas. Urinavam em cara de pessoas amarradas e penduradas em paus-de-arara. Afogavam crianças em banheira. Passavam carro sobre corpos enterrados em areia de praias. Aviltavam nossa condição humana. Ultrapassavam os nazistas na prática da violência física.

Se isso acontecia, até de forma mais exacerbada, por que o povo não cobra providências para passar tudo a limpo, apurar responsabilidades, punir os culpados? Por que a mácula da impunidade continua nos envergonhando perante instituições e demais países do mundo? Por que as crianças, os jovens e até idosos ignoram esses fatos ou têm uma visão distorcida sobre eles?

Por que apenas no Brasil, ao contrário da Alemanha, Espanha, do Chile, Argentina ou Uruguai, que também conheceram regimes autoritários, esse assunto não é tratado às claras, sem subterfúgios, de forma a forjar uma consciência sobre a nossa realidade, levando cada brasileiro a desempenhar seu papel na história, nunca permitindo a omissão e condescendência em tentativa da repetição desses acontecimentos? Finalmente, por que a Comissão da Verdade corre o risco de ser convertida numa enorme frustração, como se a montanha parisse um rato?

Houve avanços democráticos, não se pode negar, porque inabalável é  a perseverança de ex-presos políticos e familiares dos 479 mortos e desparecidos, além de entidades, lideranças populares e autoridades ligadas à área de direitos humanos, a exemplo de Nilmário Miranda, Paulo Vannuchi e Maria do Rosário. Houve conquistas relevantes, sobressaindo-se a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (Lei nº 9.140/95), que busca solução para os casos desses desafetos da ditadura, envidando esforços para a localização dos corpos.

De grande importância, do mesmo jeito, é a Comissão Nacional de Anistia (Lei nº 10.559/02), assegurando o direito à reparação econômica das vítimas vivas. A propósito, vejamos uma justificativa consistente: “A anistia representa, nesse caso, o pedido oficial de desculpas do Estado brasileiro por ter perseguido aqueles cidadãos que ele tinha obrigação de proteger”.

Essas e outras conquistas impediram que os sobreviventes, os mortos e os desaparecidos voltassem a ser considerados subversivos, terroristas e bandidos. Mas os torturadores e demais criminosos, a despeito de todas as denúncias, permanecem guardados em uma inviolável e indevassável redoma. Protegidos de tal maneira eles estão que nenhum governo sequer tentou ameaçá-los. Nem mesmo quem sofreu na carne a brutalidade dos algozes, como a presidenta Dilma Rousseff. Por quê?

Grandes empresas, nacionais e estrangeiras, sempre estiveram presentes nesse processo, desde a preparação do golpe militar. Seus proprietários e dirigentes participaram das articulações, forneceram apoio logístico e garantiram parte do suporte financeiro exigido, inclusive para montagem e aperfeiçoamento dos centros de tortura. Com sua notória influência, deram e dão contribuição decisiva na consolidação da aliança entre Executivo, Legislativo e Judiciário, que, especialmente nessa questão, vêm agindo em estreita sintonia.

Confirmando isso, eis exemplos evidentes e atuais. O STF referendou a impunidade dos criminosos, não acatando pleito da OAB e não aceitando excluí-los do benefício da anistia. Governo e parlamentares se sentaram e costuram mais um espúrio acordo: dessa vez, retirando da Comissão da Verdade qualquer perspectiva de punição dos agentes diretos e indiretos que atuaram no curso do regime ditatorial. Assim, nem os novos porta-vozes da ditadura se opuseram ao projeto apresentado.

Tudo está integrado numa rede destinada a evitar a inclusão de determinadas personalidades, sobretudo de empresários e suas respectivas empresas, num escândalo de amplas proporções, com repercussão internacional. Por isso, todos estão relativamente tranqüilos, respaldados pela rigidez dos quartéis. E contam, naturalmente, com a complacência do governo federal, que tem uma inquestionável capacidade de manipulação, adquirida na recente história do Brasil.

Espero nunca ser silenciado, no meu dever de cidadão e de sobrevivente das masmorras, pelos meus inimigos de classe e por aqueles que conciliam com os inimigos da democracia.  Pelas provações experimentadas, estou seguro de que jamais vou me calar sobre a injustiça, incluindo as atrocidades que sofri e testemunhei. Não vejo o perigo de conivência com o outro lado, porque, apesar das decepções, não deixarei de acreditar no ser humano, na humanidade, na vitória de um tempo sem violência e sem desigualdade.

Que o funcionamento da Comissão da Verdade não seja utilizado pelo Estado para argumentar que cumpre a sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA sobre o caso da guerrilha do Araguaia. O governo tem de elaborar relatório com informações concretas a respeito das medidas efetivadas para punir os autores das execuções e outras barbaridades despejadas naquela região pobre do Brasil.

O fato é que a Comissão da Verdade pode ser salva, desde que o povo decida virar uma página da história, assumindo seu patriotismo e rebeldia. Confesso que estou enojado com as trapaças desse jogo sujo, que não respeita nem a memória dos nossos mortos. Mas meu otimismo persiste, valorizando a vida e a resistência. Se a verdade não se conquista com mentiras, a justiça não se constrói com desânimo.

Pinheiro Salles é jornalista e bacharel em Direito. Passou nove anos (1970-1979) nos cárceres do Rio Grande do Sul e de São Paulo. Tem quatro livros publicados sobre a ditadura militar, dentre outros.

Leia também:

Exame: A baixaria de Bolsonaro no Congresso





7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Francisco Santos

29 de novembro de 2011 às 15h04

Um dia, os criminosos, fardados ou não, terão seus nomes revelados, expostos no "mural da vergonha nacional", execredos pela opinião pública. Ainda que já tenham falecidos, seus nomes figurarão, eternamente, como os "nazistas brasileiros", envergonhando seus descendentes e suas corporações. Mais ainda: "Aqueles que não conhecem a verdade podem ser chamados de ingênuos, porém, aqueles que conhecem a verdade, e ainda assim, a propagam como uma mentira, estes deverão ser taxados de criminosos". Viva a verdade e todos aqueles que lutaram pela liberdade da humanidade

Responder

Francisco Santos

29 de novembro de 2011 às 15h03

Disse Cristo em uma de suas pregações: "conhecereis a verdade e a verdade vos libertará". Seja qual for a verdade. Nada mais forte que a realidade dos fatos. Pessoas foram espancadas, estupradas, torturadas, mutiladas, desfiguradas, violentadas no corpo e na alma, assasinadas. E aí, a pergunta que não quer calar: Eles têm medo de quê? Eles (a dita comissão, o congresso nacional, o stf, a presidência da república, a sociedade) têm medo de quem? Dos militares? Da rede globo? Da fiesp? Dos Eua? Eles acham que um dia a sociedade brasileira não cobrará a verdade? Pois fiquem sabendo que a verdade é muito forte, implacável, inevitável..

Responder

Morvan

28 de novembro de 2011 às 23h42

Apesar do assunto gris, delicie-se com esta obra-prima: Pequena Fuga em G Minor – Bach – Stephanie Trick![youtube 2if3Sc4-y1s http://www.youtube.com/watch?v=2if3Sc4-y1s youtube]

Responder

Morvan

28 de novembro de 2011 às 23h36

Boa noite.

Esta Comissão da Meia Verdade está do jeito que o diabo (nazista) gosta: Comissão do Fim do mundo. Um simulacro, para "passar a perna" na OEA. Não tem outro intuito. É um simulacro, é uma armação, é um pirulito na boca da sociedade civil organizada brasileira, bem como, claro, da Corte interamericana de direitos Humanos, Corte à qual o Brasil, diferentemente do que alardeiam os pseudo-juristas, como os srs. Eros Grau e Nelson Jobim, de memórias infamantes em suas funções sociais, se submete, haja vista ser o Brasil signatário daquela Carta.
Não creio no reducionismo de explicar a submissão de Dilma Roussef, do próprio Eros Grau, que sentiram na pele o nazismo brasileiro em seu mais pleno e desabrido fulgor, inclusive "exportando tecnologia de tortura (Sic!)" para todos os países irmãos, como Síndrome de Estokolmo ou qualquer que lhe valha. Só não tem explicação pessoas que foram torturadas quererem "colocar uma pedra no assunto" ou fazerem esta "cortina de fumaça" (direitos autorais de Walter Fanganielo Maireovitch).
Estas pessoas, malgrado a importância de suas investiduras (como no caso da honorável Presidente Dilma) não se dão conta de que esta tentativa de varrer o passado para debaixo do carpete é que dá ânimo (no seu sentido latino) a fascistas e protofascistas como os Bolsonaros da vida. Pois não há nada mais incentivador para o fascista do que a não-discussão do passado sempre presente. A Alemanha discute abertamente o [seu] nazismo. Eles têm consciência de que o pesadelo está sempre rondando a velha Alemanha prussiana. Eles sabem que o verdadeiro ovo da serpente só está latente e eclode a qualquer momento, principalmente nestes períodos xenofóbicos por excelência.

Presidente Dilma, por uma Verdadeira Comissão da Verdade. Vamos colocar a verdade em pratos limpos e enquadrar os algozes do povo brasileiro!

Zuzu Angel é eterna. Viva Lamarca.

:-)

Morvan, Usuário Linux #433640.

Responder

FrancoAtirador

27 de novembro de 2011 às 19h54

.
.
A primavera dos Direitos Humanos apenas começou

A tentativa de colocar, no mesmo nível, verdugos e vítimas, ao reivindicar a palavra para um militar, caso um familiar de vítima da ditadura tivesse falado – que infelizmente terminou por impedir que o familiar falasse, equívoco grave cometido pelo governo -, revela as resistências de fora e de dentro do próprio governo, para os trabalhos da Comissão.

Por Emir Sader, em seu Blog, na Carta Maior

Quando finalmente ia se votar na Camara o projeto de lei da Comissão da Verdade, dissemos aqui que se abria a primavera dos direitos humanos. O projeto já foi aprovado também no Senado e sancionado pela Dilma. As próprias condições do ato de sanção revelam como se trata apenas de um começo, da abertura de um espaço de disputa, que pode se ampliar e efetivamente não apenas cumprir com os objetivos que se propõem, como ir mais além, ou fracassar e frustrar mais uma vez a possibilidade de virar dignamente essa página triste da nossa história que foi a ditadura militar.

Os problemas não residem no prazo, nem no número de membros da Comissão. Nos outros países da região o numero dos componentes de comissões similares foi mais ou menos esse, o que interessa é a capacidade de ação, de mobilização e de coordenação que a Comissão tenha. Ela poderá contar com todas as pesquisas feitas até aqui, com a colaboração de grande quantidade de centros de pesquisas e de materiais já coletados e colocados à disposição da Comissão.

O prazo tampouco deve ser um problema, já que ela não começará do nada, sistematizará materiais já existentes e buscará preencher lacunas pendentes. A dedicação dos seus membros às suas funções pode permitir plenamente o cumprimento delas.

Provavelmente a Comissão não poderá elucidar o que não foi elucidado até aqui, mas sistematizará o que já foi investigado. Os arquivos em mãos dos militares, segundo eles, teriam sido destruídos. Nesse caso, a Comissão tem a responsabilidade inquirir sobre as responsabilidades dessa eventual desaparição e apontar os que teriam cometido esse crime de sonegação de informação essencial aos direitos humanos.

Muitos depoimentos, mesmo já conhecidos, permitirão reavirar a memória das brutalidades cometidas pela ditadura, assim como fazer conhecer a novas gerações como atuava o Estado do terror. O clima que possa gerar e os materiais acumulados – que deverão ser entregues à Justiça – podem propiciar as condições para rediscutir a anistia autoconcedida pelos militares.

Mas talvez o mais importante seja a versão oficial do Estado brasileiro sobre a ditadura militar, a ruptura da democracia e de um governo legitimamente eleito pelo povo, o Estado de terror que foi instalado, as barbaridades que cometeu, etc.

A tentativa de colocar, no mesmo nível, verdugos e vítimas, ao reivindicar a palavra para um militar, caso um familiar de vítima da ditadura tivesse falado – que infelizmente terminou por impedir que o familiar falasse, equívoco grave cometido pelo governo -, revela as resistências de fora e de dentro do próprio governo, para os trabalhos da Comissão.

O que conquistamos foi um espaço, no qual se desenvolverá uma disputa, sobretudo sobre a interpretação do que foram o golpe de Estado de 1964 e a ditadura militar. Há setores militares que ainda mantem a versão de que o golpe foi para “salvar o pais da subversão”, há outros que defendem a teoria de equidistância da democracia entre os que a assaltaram e destruíram e os que resistiram a isso.

A primavera é assim um avanço na conquista de um espaço para o estabelecimento da verdade. Ela continuará até que a verdade seja reconhecida oficialmente e os resultados da Comissão sejam entregues à Justiça. Teremos avançado para superar a anomalia da anistia, que incluiu o crime imprescritível – segundo documentos do direito internacional, assinados pelo próprio Brasil – da tortura. Aí sim, teremos passado a limpo o nosso passado recente e teremos estabelecido critérios que fortalecem e ampliam a democracia no Brasil.

http://www.cartamaior.com.br/templates/postMostra…

Responder

EUNAOSABIA

27 de novembro de 2011 às 19h45

Aí, na boa, melhor ficarem quietos.

Responder

    mfs

    28 de novembro de 2011 às 17h19

    Vocês mudaram. No passado, queriam que falássemos de qualquer maneira, e para conseguir isso não hesitaram em utilizar métodos próprios. Agora querem que fiquemos quietos? Só não conseguem se valer dos métodos do passado.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding