Economist: Notas de 500 euros vão rechear colchões

Tempo de leitura: 5 min

Acima, notas de 500 euros em circulação

A crise da dívida da Europa

Corrida para as saídas

Uma corrida está em andamento para reverter o ataque às ações italianas

da Economist, em 12 de novembro de 2011

O momento em que uma multidão de pessoas que anda pacificamente se torna um rebanho em pânico é difícil de prever. Ainda assim, quando acontece, é quase impossível acalmar a histeria. Nos mercados financeiros, também, é melhor evitar o pânico que tentar apaziguá-lo.

Nos mercados de ações da Itália, terceiros do mundo em tamanho, onde as taxas de risco tem crescido há semanas, o medo se transformou em pânico bem cedo, no dia 9 de novembro. Os oficiais de risco da LCH.Clearnet, que faz intermediação entre os bancos, disse que eles deveriam reservar margens muito maiores de dinheiro para garantir risco em seus papéis do governo italiano.

A intenção era proteger a casa, ao reduzir os riscos oferecidos pelos bancos que negociam em papéis do governo italiano, dada a grande flutuação no preço dos papéis nos últimos meses. Ainda assim, esta mudança técnica numa parte do sistema financeiro sobre a qual a maioria das pessoas nunca tinha ouvido falar, teve o mesmo efeito que gritar “Fogo!” num cinema lotado. Quase num instante, os bancos que negociavam com papéis do governo italiano, ou que usavam estes papéis como garantia para outras transações, tiveram de levantar bilhões de euros em dinheiro extra ou vender rapidamente parte de seus títulos italianos.

Depois de alguns minutos da abertura do mercado, houve uma corrida contra os papéis do governo italiano. Era difícil encontrar compradores e, em mercados esvaziados,  a taxa de risco dos papéis da Itália passou dos 7% antes de se estabilizar abaixo de 7,5% por causa, acreditavam corretores, da intervenção do Banco Central Europeu. “As câmaras de compensação não tem outra opção a não ser proteger seus membros e, ao fazer isso, elas inevitavelmente apertam o parafuso nos mercados de papéis do governo italiano e empurram a taxa de risco a níveis que poderiam provocar potencialmente uma espiral mortífera”, escreveu Don Smith, da ICAP, que assessora corretores.

O aumento da margem de segurança para os bancos não era de todo inesperado. No ano que passou as câmaras de compensação pediram mais garantias para papéis portugueses e irlandeses, depois que os preços dos títulos cairam fortemente. Ainda assim, o aumento nas taxas de risco da dívida italiana veio antes que o esperado e veio antes que os papéis italianos atingissem a margem que, se supunha, balizava a câmera de compensação (4,5 pontos percentuais acima dos juros pagos por papéis dos governos com classificação de risco AAA da zona do euro). E é pouco provável que o aumento seja revertido, mesmo que as compras do BCE derrubem as taxas de risco da Itália.

O pedido de aumento de garantias mudou a percepção que investidores têm dos papéis do governo italiano e isso vai dificultar a capacidade de financiamento da Itália. O risco imediato é que os bancos que incluem papéis italianos como parte de suas reservas de liquidez ou como blocos de sustentação de outros produtos financeiros se livrem dos títulos em busca de apostas mais seguras, como papéis alemães. “Existe uma razão pela qual os papéis alemães estão próximos de seu ponto mais baixo em 200 anos”, diz Hans Lorenzen, do Citigroup. “Todo mundo está tentando fazer o mesmo negócio”.

Entre os grandes bancos europeus que estão se livrando dos papéis italianos estão o BNP Paribas e o Commerzbank. “É o que o mercado está pedindo que façamos”, disse um banqueiro. Na cabeça de muitos banqueiros estão as dificuldades do MF Global, banco de investimento de tamanho médio dos Estados Unidos que quebrou no fim de outubro depois de se carregar de papéis da dívida italiana e de outros governos da periferia da Europa. A mancha é tão tóxica que o Jefferies, outro banco de investimento norte-americano de porte médio, teve suas ações desvalorizadas por causa de negócios com papéis europeus, apesar de ter montado operações com as quais se beneficiaria em caso de perda de valor dos títulos europeus. O banco foi forçado a cortar sua exposição à Europa e suas apostas de que os papéis europeus perderiam valor.

Agora que uma corrida aos mercados começou, pode acabar se auto-alimentando. Depois que as câmaras de compensação aumentaram suas exigências de garantias para os papéis portugueses e irlandeses, os preços destes papéis cairam vertiginosamente (empurrando para cima ainda mais as taxas de risco), forçando as câmaras a aumentar de novo as exigências. Resgates da zona do euro para Irlanda e Portugal foram necessários logo em seguida.

O aumento das taxas de risco, em si, pode aumentar a preocupação quanto à capacidade de um país de pagar sua dívida. A dívida nacional da Itália é alta, mas pagável sob taxas de risco como as que existiam no início deste ano. Se os custos de emprestar continuarem a subir por um período sustentável, a dívida italiana começaria a parecer impagável, levando a novas vendas de papéis [do governo italiano] e a novo aumento da taxa de risco.

Os custos pagos pelos bancos e empresas italianas para emprestar dinheiro também devem aumentar. Os bancos geralmente são incapazes de lançar papéis com juros de longo prazo menores que os pagos por seus governos, porque seriam mais afetados em caso de calote. Maiores custos de empréstimo levariam os bancos a depender mais do BCE para manter o fluxo de crédito; isso vai significar empréstimos mais raros e mais caros para as empresas italianas, o que por sua vez dificulta o crescimento econômico e o repagamento das dívidas pelo país. As empresas mais fortes da Itália podem vender títulos diretamente, mas as taxas de risco que pagam são relacionadas às taxas de risco pagas pelo governo.

Os sinais muito visíveis de corrida contra os mercados de papéis do governo e de corporações da Itália parecem espelhar os cantos mais opacos das finanças europeias. Os bancos gregos estão sangrando depósitos por meses e, ainda assim, o pânico parece a caminho. A Reuters informa que na última semana mais de 5 bilhões de euros foram retirados por poupadores. “Meu pai me mandou dinheiro como ‘presente’, para tirar do banco”, disse um banqueiro nascido na Grécia e baseado em Londres. Os depósitos corporativos da Itália tem saído do país para outros países-membros da zona do euro ou para subsidiárias de bancos estrangeiros na Itália, de acordo com banqueiros.

Outro sinal de dificuldade pode ser encontrado na demanda por notas de 500 euros. Elas são muito grandes para transações do dia-a-dia e muito usadas para estocar colchões ou fazer lavagem de dinheiro, dizem banqueiros. A demanda pelas notas de 500 disparou depois do colapso da Lehman Brothers em 2008 e aumentou de novo em meses recentes.

Preocupantes, também, são os sinais de que companhias de toda a Europa estão se preparando para a possibilidade do rompimento da zona do euro. Um advogado de Londres diz que foi inundado por pedidos de clientes que querem saber sobre a validade de contratos. “Existe uma obrigação contratual de fazer pagamento em euros”, ele diz. “As pessoas estão perguntando o que vai acontecer se não houver euro”.

Leia também:

Gilson Caroni Filho: A luta contra a barbárie capitalista

Paulo Nogueira Batista: Bem que eu avisei

Financial Times: O último que sair apaga a luz

Goldman Sachs aposta no fim da zona do euro

Bancos franceses podem empurrar Europa de volta à crise total

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Mercados já precificam a quebra do euro | Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Economist: Notas de 500 euros vão rechear colchões […]

Morvan

Bom dia.

Senhores e senhoras, quando li esta notícia, a qual indico a vocês, via elo de ligação (link), fiquei estupefato com a "criatividade Taylorista" desta empresa. Eles inventaram um jeito de vigiar o empregado e forçá-lo a – literalmente – se mexer. O nome da empresa é Schindler! Quer dizer, nenhum empregado gostaria de figurar nesta "Lista de Schindler".

Mais detalhes em: IG Economia –> http://economia.ig.com.br/espanha-investiga-empresa-sobre-uso-de-chips-para-controlar-func/n1597371707121.html
Seria uma nova fase do capitalismo taylorista?
:-)

Morvan, Usuário Linux #433640.

beattrice

O EURO faz água rapidamente,
é uma moeda podre.
As pessoas guardam dinheiro no colchão há meses em Paris,
a expectativa na França é que o BNP se chegar a dezembro do natal não passa.
E que tudo se resolva pra o bem do resgate, mas do resgate da soberania das nações que estão sendo vilipendiadas pela dupla MERKOZY, que coloca a EUROPA de joelhos rasgando a sociedade européia de um modo que nem Hitler sonhou, essa MERKEL!
Em tempo, segundo consta há pelo menos duas semanas
a Irlanda voltou a imprimir sua moeda original, anterior ao EURO.

Morvan

Boa tarde.
Um pouco fora do tópico, mas vale a pena: imagem do grande Presidente Lula sendo escanhoado pela eterna Primeira Dama, Letícia:
http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/marisa-le

:-)

Morvan, Usuário Linux #433640.

    Mário SF Alves

    "E nossa idéia é que as nossas estruturas políticas devem servir-nos, ao povo, a todos nós, e não apenas àqueles que acumularam grande riqueza e poder."

    Mário SF Alves

    Fui lá e vi. Que coisa… até aí, em momentos como este, o companheiro nos brinda com algo de novo. Estamos juntos, companheira; em total harmonia com as mãos que o animam e afagam. Cuide dele também por nós.

FrancoAtirador

.
.
Triste ver a Europa transformada no "Continente de Weimar"

onde o fascismo ascendente ditado pelo capital financeiro

converte direitos em moedas e pessoas em números.
.
.

    Rodrigo Falcon

    O fascismo não precisa do capitalismo para catapultar-se ao poder. Basta uma fagulha na acumulada lenha da convulsão social para políticas de ações extremistas pulularem feito vírus pelo planeta. É a natureza sombria do homem ascendendo novamente.
    Senhoras e senhores estamos vivenciando um sistema autofágico desmoronar. O que vem depois?

    FrancoAtirador

    .
    .
    Sim, realmente não precisa.

    Mas o que estamos presenciando

    é um sistema desesperado e agonizante

    tentando apagar o fogo com gasolina.
    .
    .

    beattrice

    Basta ver a ascensão da direita da direita na TROIKA e na Grécia, Italia, Espanha, etc

    FrancoAtirador

    .
    .
    Aqui o Saul Leblon diz (quase) tudo:

    A era da grande concentração

    Quem considera exagero classificar a nova safra de governantes do euro como prepostos das finanças contra a democracia; ou desdenha do emblema adotado pelos indignados norte-americanos ("nós, os 99% ") talvez mude de opinião diante da estatística revelada agora pela consultoria Wealthx, de Cingapura (http://www.wealthx.com/home/).

    A empresa sabe do que fala. A especialidade da WealthX é prestar serviços aos super-endinheirados do planeta, razão pela qual mapeou o calibre da clientela e concluiu: 185.759 endinheirados dos quatro continentes detém uma fortuna calculada em US$ 25 trilhões, nada menos que 40% do PIB mundial. O seleto clube comporta acentuada divisão interna de camarotes: o nível A é ocupado por 1. 235 mega-ricos que controlam uma dinheirama quase igual a dois PIBs brasileiros: US$ 4, 2 trilhões. Mas a 'desigualdade' entre as classes endinheiradas não é nada perto do abismo que o dinheiro escavou entre elas e os mais pobres.

    O padrão nunca seguiu uma ordem inversa, mas nas últimas três décadas a supremacia das finanças desreguladas conseguiu dar envergadura inédita à palavra desigualdade. Nos EUA, por exemplo, os 20% que estão no alto da pirâmide social detém 9,7 vezes mais riqueza do que os 20% mais pobres. E o abismo é ainda mais fundo do que a borda sugere. Um milhão de norte-americanos ultra endinheirados possuem fortunas que oscilam entre US$ 10 milhões a até US$ 100 milhões, sendo que nata dessa elite , 29 mil pessoas, acumula US$ 100 milhões per capita.

    Historiadores e estatísticos de distintas cepas ideológicas convergem numa mesma direção: a humanidade nunca viveu sob a pressão de uma assimetria tão profunda. Há esforços contracíclicos e o Brasil da era Lula é um destaque: o censo do IBGE de 2010 mostra que a concentração de renda no país –graças a uma década de políticas sociais abrangentes, com ganho real contundente de 53% para o salário mínimo nos últimos oito anos– reduziu o índice Gini de desigualdade em 11,5%. Mas os 10% mais ricos ainda ficam com desconcertantes 44,5% da renda total, enquanto 50% mais pobres dividem 17,7% do bolo.

    Após 30 anos de 'mimos' neoliberais em escala planetária seria ingenuidade imaginar que a democracia e o poder sobreviveriam indiferentes a esse padrão de ordenação econômica. O golpe branco dos mercados na Itália e na Grécia; o bloqueio a Obama nos EUA e a ascensão da direita em Portugal e na Espanha, entre outros, demonstram que essa turma não está para brincadeira.

    O neoliberalismo está em crise, mas eles não largarão um osso de US$ 25 trilhões voluntariamente. Se preciso, os fatos estão a demonstrar, implodirão de vez a unidade formal entre o poder político e o comando econômico, instalando diretamente seus centuriões no lugar da soberania do Estado.

    http://www.cartamaior.com.br/templates/postMostra

Fabio

O Europeu e o Americano não vão segurar esta onda,e o pessoal não vai querer perder privilégios,
estou vendo o fascismo ressuscitar em grande estilo , vem guerra por aí.

@luisk2017

E o Delfim Neto, hoje na Folha, reclama da crise na Europa.. xingando o socialismo. Pode.
Calma lá, fofucho. Essa "fabula fala de ti". É o seu capitalismo que está em crise. Os ditos "mercados" não apenas se contentam em serem ressarcidos de suas aventuras, com dinheiro público. Agora indicam primeiros ministros, diretamente.
Reclamar do socialismo é muita cara de pau!

    Mário SF Alves

    É mais do isso, é doença!

ratusnatus

A Chevron já vazou 300 mil litros de óleo em Campos e nada do Azenha comentar. Que estranho.
Acorda Azenha, é a Chevron, hehehe.

Então, vamos discutir os royalties?

ZePovinho

O que falta mais??Assumir o Vaticano???
http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/inter

6/11/2011 – 10h46
Novo premiê italiano diz que assumirá também Ministério de Economia
Do UOL Notícias*
Em São Paulo

O novo primeiro-ministro italiano, Mario Monti, disse nesta quarta-feira (16) que também será o ministro de Economia do país. Monti fez o anúncio a jornalistas após dizer ao presidente Giorgio Napolitano que formara um novo governo.

Mario Monti aceitou nesta quarta-feira oficialmente o cargo de primeiro-ministro da Itália, oferecido a ele no domingo pelo presidente da República, Giorgio Napolitano, para recuperar a confiança da Europa e dos mercados diante da crise..

*Com informações das agências internacionais

Morvan

Bom dia.
Paulo Nogueira deve estar rindo da crônica anunciada.
O rentismo mostra a sua verdadeira face: brincando de deus, como sempre. Aqui, os analistas amestrados caladinhos, à espera do fim dos tempos.
Interessante o depoimento do banqueiro: "… É o que o Mercado quer que façamos…". Nada mais sincero.

Ainda considero que, a longo prazo, será muito elucidativo para a humanidade. Aprenderemos a não deixar os nossos destinos nas mãos das finórias.

:-)

Morvan, Usuário Linux #433640.

ZePovinho

É………..o Politburo das finanças desreguladas,a ditadura da classe usurária vai f….o taxpayer europeu:
http://redecastorphoto.blogspot.com/2011/11/pepe-

terça-feira, 15 de novembro de 2011
Pepe Escobar: “Politburo [1] uber alles [2]”

16/11/2011, Pepe Escobar, Asia Times Online
Politburo uber alles
Traduzidopelo pessoal da Vila Vudu

Ah, os bons velhos tempos da Guerra Fria/União Soviética, quando um exército de Kremlinologistas vivia ligado em cada imperceptível movimento de um imperscrutável politburo!

Mas… Como?! Quem poderia supor que duas décadas depois do fim do “socialismo real”, os politburos voltariam à moda?

A China tem – basta ver o Comitê dos Nove, os mais sacrossantos dentre 25 sacrossantos membros do politburo chinês. E, provando outra vez a tese de Slavoj Zizek (o casamento entre capitalismo e democracia acabou), a Europa “livre” também tem, embora nesse caso, a afamada Camarilha dos Quatro tenha sido multiplicada por dois.

Conheçam a Camarilha dos Oito

A eurozona é hoje, de fato, comandada por um politburo de oito membros. Servicinho de primeira. Nenhum poder cobra explicações dessa Camarilha dos Oito, exceto o mítico Zeus com aqueles raios marca-registrada. Na era da modernidade líquida, Zeus atende pelo nome de Deus do Mercado. A única coisa que conta para a Camarilha dos Oito é o que os mercados financeiros – comandados pelo Deus – querem; reles mortais, como os eleitores europeus, são, no máximo, um incômodo…………………..

Eu acho que os governos já eram.São como o Bebel do Jereissati(dizem que esse boneco foi feito para zonar com certo ex-senador do Ceará):enquanto o Ricardão vive se dando bem com a Lorajane,ele se mata de trabalhar na oficina de consertar pneus de bicicleta.

[youtube pCHNaN9DQ6A http://www.youtube.com/watch?v=pCHNaN9DQ6A youtube]

    Morvan

    Bom dia.
    ZePovinho, a figura do Bebel do Jereissati se refere a morador de um bairro da Grande Fortaleza (área metropolitana da capital + conurbados, como Caucaia, Maracanaú, Redenção, Horizonte, etc), o bairro do Jereissati, evidentemente.

    Personagem engraçadíssimo, aliás.
    A molecagem cearense é internacional.

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    ZePovinho

    E genial!!KKKKKKKKKKKKKKK!!!!!!!!!!!!!!!!

    Mário SF Alves

    Pois é. E quem precisa do humor burro do PiG-Mor?

alex

CASO CHEVRON: BAITA VAZAMENTO!
Ninguem vai akjudar o Brizola (Tijolaço)?
Azenha: ele está sozinho nesta história?

    Morvan

    Bom dia.

    Acredito, Alex, que o Azenha repercutirá esta história. Mas, para informar a você a outrem, o P. H. A. também já postou duas reportagens sobre o assunto.

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    ratusnatus

    Que assunto, royaltie?

    O que eu quero saber mesmo é porque a discussão sobre royaltie parou? afinal de contas o que foi que aconteceu?

    rsrsrsrs

    Pedro1

    Está acontecendo nesse exato instante um vazamento no litoral carioca, provocado pela Chevron. Além de solenemente ignorado pela mídia, há suspeitas fortíssimas (praticamente confirmadas por fotos de satélites) de que o vazamento é muito maior do que a empresa está divulgando.

    Para mais informações, visite o Tijolaço, que está cobrindo o caso de forma brilhante.

    João Grillo

    Lembra quem cantava? Êi, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um…! Neo liberalismo criminoso idolatra o "deus mercado", ser humano, que morra!

    RicardãoCarioca

    Vamos no blog da Míriam, aquela ecologista-rentista de ocasião. Mudaram o site e o banco de dados. Eu estava bloqueado lá e, ao me recadastrar no site, vi que podia voltar a postar. Vamos lá pessoal, Ocuppy Míriam PiGão!

    Mário SF Alves

    É… é esperar pra ver o que tem a dizer o pessoal do *SWU, da Marina Silva e Cia.

    *SWU – o que significa? Seria Slavers of WU?

    Sebastião Medeiros

    Por onde andam o Greenpeace,a WWF,a Marina Silva,o Gagabeira,o Sirkis,o PV,A CNBB,o Al gore,o Principe Charles , o James Cameron,a Sigourney Weaver,etc…
    NÃO VÃO PROTESTAR ?
    Ha já sei, foram ver o SWU !

    FrancoAtirador

    .
    .
    Chevron não controla vazamento de petróleo e ANP aprova plano para fechar poço

    Rio de Janeiro – A petrolífera Chevron Brasil Upstrem ainda não conseguiu controlar o vazamento de petróleo em um poço operado pela empresa na Bacia de Campos. O poço está situado no Campo de Frade, a 370 quilômetros da costa do Rio de Janeiro, em uma profundidade de 1,2 mil metros. A Chevron já iniciou os procedimentos para fechar e abandonar o poço.

    De acordo com nota divulgada hoje (4) pela companhia petrolífera, a mancha de óleo está a 120 quilômetros da costa do município fluminense de Campos e se desloca para alto-mar. Dezoito barcos da companhia e de outras empresas que operam na região estão no local do vazamento, auxiliando no trabalho de contenção, recolhimento e dispersão do óleo, considerado pesado.

    A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), divulgou nota no início da noite informando que aprovou o plano de abandono do poço apresentado pela Chevron. O plano prevê, na primeira etapa, o uso de lama pesada para “matar” o poço. Depois, o poço será cimentado para fechar o vazamento de forma definitiva.

    A provável origem do vazamento é um poço de avaliação, fechado na última quarta-feira (9), de forma preventiva. A Chevron calcula que estão vazando para o Oceano Atlântico de 400 a 650 barris por dia. Mas para a ANP, o vazamento é menor, entre 200 e 330 barris diários. A mancha de óleo tem 163 quilômetros quadrados de área, aproximadamente metade da área da Baía de Guanabara.

    Reportagem: Vladimir Platonow
    Edição: Vinicius Doria
    Agência Brasil
    http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-11-1
    <img src="http://www.tijolaco.com/wp-content/uploads/2011/11/chev.jpg"&gt;

RicardãoCarioca

Quando será que o Sarkozi e a Merkel irão jogar a toalha?

    beattrice

    Esses dois não jogam a toalha, serão jogados ao porão pela troika, quando a utilidade deles como policiais governantes acabar.
    TROIKA = BCE + FMI + Comisão Européia

Ana Cruzzeli

O Lula recentemente estava assustado com a possibilidade da ruptura do UE, afinal estariamos nas mãos do dólar quase integralmente. Ele tinha, ele tem toda a razão, essa será a segunda onda, o euro não vai morrer ele existirá só que com um valor menor. Isso é ruim para o Brasil afinal estaremos mais vulneráveis as manobras ianques.
O Obrama está fazendo um esforço danado mandando os bancos de Wall Street atacar a moeda europeia. Sim esses ataques tem as mãos sujas do Obrama e o pobre Sarkozy, o idiota frances nem percebeu que estava sendo usado pelo Obrama, o banana.
O euro ainda vai existir, contudo em calibre menor. Essa moeda não vai morrer só vai perder seu valor. A Alemanha e França falam para evitar da morte do euro só para se protegerem da hecatombe, o euro pode sim continuar sendo uma moeda continental de transação comercial. Não acredito na sua extinção por todas as razões do mundo e principalmente pelo volume de contratos nessa moeda. O BCE continurá existindo nem que seja sem nenhum pais membro, mas ele resistirá até o ultimo contrato em euro. Enquanto o FMI continuar usando o euro na sua cesta ele ainda existirá…
Depois que o euro não der mais sinais de resistencia e seu valor estabilizar, haverá a terceira onda, e o Obrama vai saber como doi uma saudade. Aquela máxima, com ferro fere, com ferro será ferido o Obrama irá experimentar. Ele merece passar pelo purgatorio que fez a África e Europa passarem. Ele merece ver o dólar sendo rejeitado e o yuan e o real sendo cada vez mais aceito. Quando esse dia chegar ele vai se lembrar que invandir a Libia foi péssimo negocio.

Por enquanto fica assim, a Europa agoniza e o imperio ianque regozija, achando que ganhou a batalha das moedas. Quando ele perceber que perdeu já será tarde e a China será a primeira no PIB mundial, sem disparar uma unica bala, sem matar uma unica mulher, velho ou criança. Nesse dia eu estarei com a bandeira chinesa nas mãos em frente a embaixada ianque em Brasilia dando a ultima gargalhada.

A bandeira chinesa é tão linda, só perde para a brasileira, já a estadunidense e da Otan está tão suja, tão suja de sangue.

    Morvan

    Bom dia.
    Ana Cruzzeli, de análises sempre muito sensatas, eu acredito, baseado em vários fatores que não cabem aqui discutir, pois é somente um Post, e demandaria bastante tempo, que o Euro existirá, sim, mas em sua pró-forma, mas o seu poder político será totalmente diluído. O fato de IMF (o Simão tem uma sigla alternativa para a sigla em inglês; não a digo, para preservar a elegância do Blog) falar constantemente em cesta de moedas parece ser um indicativo bastante seguro do desvanecimento do Euro como padrão, como referência alternativa.
    O próprio Real está sendo cogitado como [uma das] âncora cambial.

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    beattrice

    Discordo, Sarkozy não é um banana, vem servindo de porta-voz da ditadura de Brandenburg na EUROPA do EURO, uma espécie de guarda-costas de Fraulein Merkel.
    na França ao invés de Sarkô é conhecido como Napô, de Napoleon, e da parte de franceses politizados, isto não é um elogio.

Marat

Tomara que, mesmo rapinando a Líbia, eles não consigam se reerguer! Esse nocivo continente já trouxe muitos males ao mundo, e agora merecem o ocaso e a pobreza!!!!!!!!!!!!!!

    Klaus

    Nossas reservas estão investidas em títulos da dívida americana e européia. Se falirem, vamos juntos. Não dá pra torcer contra eles. Imagine que você tivesse um capilé emprestado com seu cunhado e ele chegasse e te contasse que perdeu o emprego ou que faliu. Você ficaria tranquilo? Sabe o desconto de 50% nos títulos da Grécia? Imgine o Brasil ter que dar o mesmo desconto para os títulos que é possuidor. Seria legal bilhões dos brasileiros evaporarem?

    Marat

    As vezes é melhor destruir tudo e recomeçar do zero… Justamente o medo do novo é que faz o mundo estar atrelado a assassinos e ladrões… Quem sabe se os europeus e estadunidenses falirem, os novos comandantes vejam os erros do passado e não os copie?
    Abraços

    Klaus

    Se os EUA e a Europa caírem, e o mundo tiver novos comandantes, os novos comandantes serão tão ou mais tiranos que eles. Roma caiu, Espanha caiu, Inglaterra caiu, URSS caiu e sempre foram substituídos por novos "tiranos". Sejamos nós ou a China, será tudo igual.

    Marat

    Não creio, Klaus… veja a China, que todos dizem morrer de medo: Ela é condescendente com a república rebelde, e dá autonomia ao Tibete, mesmo sendo esse lugar um centro de financiamento do dinheiro sujo do Tio Sam, pelas mãos do venal Dalai Lama… nem assim a China invade ou comete genocídios. Agora, Inglaterra, EEUU e Israel, estes sim são sanguinários e sedentos por territórios alheios!

    leandro

    China?? Um pais onde não ha leis trabalhistas, onde as grandes multinacionais fabricam seus produtos porque não há exigencias trabalhistas ou ambientais. Esse é o exemplo? Um pais que não se preocupa com seus cidadãos vai se preocupar com outros povos?

    Klaus

    Leandro, num ponto discordo de você. Geralmente, o grande mal que países comunistas faz é ao seu próprio povo. Realmente é mais fácil um líder de país comunista matar os seus do que estrangeiros. O regime cubano matou mais cubanos que estrangeiros; assim também a China, a URSS e todos os outros. O seu povo, para esta gente, é só um detalhe.

    jin

    Um país que nunca ficou invadindo outros e causando massacres com desculpas humanitárias.

    Marat

    Prezado Leandro, os capitalistas adoram locais onde não há leis trabalhistas etc e tal. Não se esqueça que o Merdonalds e a Zara se utilizam de mão de obra escrava (ou semi escrava) e maltrata seus funcionários, em nome do bom e belo capitalismo!

    leandro

    OK. As multis adoram um pais sem leis, então, cabe ao pais exigir e proteger seus trabalhadores, coisa que a china não faz. Isso é exemplo de pais a ser seguido?

    Marat

    Leandro primeiro eu gostaria de saber da legislação chinesa, e não apenas especulações provenientes da Rede Globo ou da Revista Veja…, depois, gostaria de saber o porque de seu contentamento com este estado atual de coisas, provenientes do capitralismo, como a destruição da natureza e o desrespeito aos menos favorecidos!

    leandro

    O que eu sei da China eu vi em viagem de compras lá. Tá mais barato importar em meu ramo que produzir aqui. Segundo, a China é o maior exemplo de destruição da natureza atualmente, o ar de Pequim é irrespirável e hoje é a nação mais poluidora do planeta e a elite do Partido vive como reis e o povão rala comom escravo para receber quase nada.

    Marat

    Então, Leandro, precisamos encontrar um novo líder: EEUU são terroristas, poluidores e exploradores, chineses, segundo você, são poluidores e exploradores… ainda considero a China o menos pior, pois não inventa inimigos o tempo todo para criar guerras e girar sua economia…

    Felipe

    Bota a Suécia na liderança!!!!

    Klaus

    Por que não citou a Rússia (ou a antiga URSS) na sua lista de sanguinários sedentos por territórios alheios?

    Marat

    Desde que a URSS se desintegrou e se transformou naquele circo do capitalismo (prostituição e máfia ali estão à todo vapor), eles perderam o pouco de credibilidade que tinham…

    Rodrigo Falcon

    Prezado Marat,
    eu como admirador e leitor do Dalai Lama, e aberto sempre para a verdade, gostaria de mais detalhes sobre o Tibete ser "centro de financiamento do dinheiro sujo do Tio Sam, pelas mãos do venal Dalai Lama…". UAU!!! (sem ironia)

    Essa é nova para mim; quer dizer que Tenzi Gyatso, o atual 14º Dalai Lama (oceano de sabedoria), o tulku (cosnciência reencarnada), o bodisatva consciente, que segundo a tradição histórica do puro budismo (o budismo vajrayana, mais conhecido no ocidente como lamaísmo, ascensão direta do budismo indiano), 14º reencarnação de Padmasambhava, consciência reencarnada de Siddhartha Gautama (ascendido como Buda), que para alguns filósofos e teólogos como Umberto Eco e Gunter Bornkamm é a possível predecessora consciência reencarnada em Jesus, líder religioso do Tibete, é um indivíduo vendido, um lobo de Washington em pele de um carneiro, um Lama corrompido a serviço da eugenia capitalista?
    Como você afirma, quer dizer que o líder religioso do budismo tibetano, exilado de sua terra natal desde 1950 é um mercenário?
    Como você afirma, quer dizer que a Invasão chinesa do Tibete em 1950, um país que não tinha exército, apenas guardas de palácios; uma invasão que pilhou e assassinou mais de 1 milhão de tibetanos e massacrou milhares de monges, foi uma "libertação pacífica" do Tibete das mão britânicas?
    Como você afirma, quer dizer que a República Popular da China não comete ou cometeu genocídio?
    Como você afirma, quer dizer que o massacre da praça da paz celestial em 1989 foi apenas um efeito colateral?

    Pergunto-lhe isso porque como estudioso do budismo, estou deveras curioso para saber destas informações graves e acusatórias sobre o atual Dalai Lama.
    De onde tirou isso? Dum livro? Qual livro?
    Me responda por favor. Será de grande valor para estudos futuros.

    PS: Desculpe usar os termos puros do budismo, mas como você tem informações fortes e contundentes contra o 14º Dalai Lama e provavelmente conhece muito bem a história do budismo, será facil compreender as ramificações do sânscrito e me responder. Afinal, seu avatar é a voz do povo. Tenhas uma consciente samsara.

    Saudações Jacobinas. Ou serão Girondinas?

    Mario Rodrigues

    Caro Rodrigo, alguém pode ser de Esquerda e Budista ao mesmo tempo ?
    PS : Esquerda na minha opinião é todo partido ou movimento que visa implantar algum tipo de Socialismo !

    Rodrigo Falcon

    Qualquer pessoa pode ser tudo na vida…
    Onde está escrito que budismo vajrayana é religião?
    Ser de esquerda compreende não ter fé?
    Ser for assim estamos então vagando num universo opressor, binário e maniqueista…
    Humildemente discordo.

    Marat

    Prezado Rodrigo, jacobino, certamente… rsrsrs – não sei se é o Dalai Lama 14º, 15º, ou mesmo o 24º, mas o fato é que o penúltimo (ou último), era um cidadão que adorava aparecer ao lado do terrorista George W. Bush, inclusive disse Dalai Lama amar aquele terrorista. Nada contra, afinal de contas, para os que crêem em algo além do carnal, creio que todos devamos ser irmãos, ou algo que o valha… porém, o mesmo Dalai Lama se mostrou regozijado com o assassinato de Bin Laden, e depois tentou consertar… Mais uma coisa: não é necessário saber coisas do Budismo para verificar o quanto esse ai, qua não desgrudava do Bush, é um farsante… Namastê

    Rodrigo Falcon

    Agradeço a resposta. Na luta.

    edv

    É a eterna luta entre o "bem e o mal", Klaus…
    Se "ao tirar um, vem outro", qual a sua sugestão?
    Deixar o mundo tomado por tiranos?!

    Mário SF Alves

    Tal pensar muito se aproxima de certo determinismo. Não nos deixemos levar por raciocínios fáceis, prezado Klaus.
    E quanto à China, não sei se a de hoje, mas, a do passado, se quizesse, teria hiper-globalizado o mundo.

    Mário SF Alves

    Em tempo: desculpem o QUIZESSE com z, foi involuntário.

Polengo

Taí a solução pra Europa, investir em fábricas de colchões!

    Aline C Pavia

    Boa Polengo!!

    beattrice

    A Espanha já vem investindo, inclusive controlando alguns mercados, de colchões.

Deixe seu comentário

Leia também