VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Saul Leblon: Enfrentamentos reais e miragens conservadoras


02/08/2012 - 18h35

Amostra de petróleo pesado da faixa do Orinoco, na Venezuela (foto Luiz Carlos Azenha)

por Saul Leblon, em Carta Maior

A adesão da Venezuela como membro pleno do Mercosul consolida no coração da América Latina uma referência de recorte progressista como talvez nunca tenha existido na região, com a abrangência institucional e o fôlego econômico intrínseco ao bloco agora liderado por Dilma Rousseff, Cristina Kirchner, Pepe Mujica e Chávez.

Cuba certamente exerceu um magnetismo ideológico superior ao desse quarteto nos anos 60, mas esse ardor não se traduziu em uma organização duradoura com o alcance potencial que o Mercosul desfruta e deve ampliar, graças à incorporação do detentor da maior reserva de petróleo cru do mundo (a Venezuela tem 296,5 bilhões de barris, seguida da Arábia Saudita,com 264,5 bilhões de barris).

Trata-se de mais um enfrentamento no qual os interesses conservadores, muito bem refletidos no bombardeio midiático contrário a essa inclusão, foram habilidosamente derrotados . Não é um revés em torno de uma questiúncula pontual. Os que hoje, como há uma década, sopram o interdito à presença venezuelana, são os mesmos que, paralelamente, defenderam à exaustão a ALCA, como alternativa a uma inserção global do continente assumidamente subordinada e dependente do gigantesco mercado norte-americano. Foram derrotados.

Há pouco, no golpe contra Lugo, encrespado com a suspensão dos golpistas no âmbito do Mercosul, o jornal Estadão destilou a nostalgia da velha agenda. Em editorial efervescente aconselhou a direita paraguaia a responder à punição jogando-se nos braços dos EUA, de modo a consumar, pelo menos, mais uma mini-Alca regional, expressão cunhada pelo embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, em coluna recente em Carta Maior.

A opção de desenvolvimento regional integrado e soberano , reafirmada pela Cúpula de Brasília do Mercosul, insere-se assim numa espiral de enfrentamentos em que o guarda-chuva maior do conservadorismo verga sob o peso da dissolução da ordem neoliberal. É nesse esquina de derrotas históricas apreciáveis que a seção brasileira perfila armas e concentra tropas para fazer do julgamento do chamado mensalão uma espécie de 3º turno simbólico de sua anemia política.

O julgamento que começa nesta 5ª feira oferece-se como um raro campo em que a relação de forças aparenta ser-lhes favorável. Mídia e judiciário conjugam-se como donos de um espetáculo em que 38 réus, entre eles algumas das maiores lideranças do PT, 50 mil páginas processuais e 600 testemunhas ouvidas serão esmiuçadas e reiteradas em 15 sessões, somando-se um total de 90 horas de julgamento, a ocupar os holofotes noticiosos ao longo de todo o mês de agosto e 1ª quinzena de setembro.

Não se subestime o poder de fogo dessa parafernália. Mas não se perca o pano de fundo sobre a qual ela se dá. O conservadorismo aferra-se à batalha do dia anterior na esperança de apagar do imaginário social a percepção de que seus interesses e credo são parte de um mundo que ruiu. A ver.

Leia também:

Santayana: Tentando segurar o sol com as mãos

Leandro Fortes: Sobre o calcanhar de Aquiles de José Serra

A crença míope nos superpoderes de blogueiros

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Apoio a Chávez: Partidos e movimentos sociais promovem ato hoje « Viomundo – O que você não vê na mídia

05 de setembro de 2012 às 11h36

[…] Saul Leblon: Enfrentamentos reais e miragens conservadoras […]

Responder

O código que impediu a publicação das fotos do príncipe Harry no Reino Unido « Viomundo – O que você não vê na mídia

23 de agosto de 2012 às 18h04

[…] Saul Leblon: Enfrentamentos reais e miragens conservadoras […]

Responder

Maurício Caleiro: A guinada conservadora de Dilma « Viomundo – O que você não vê na mídia

21 de agosto de 2012 às 12h25

[…] Saul Leblon: Enfrentamentos reais e miragens conservadoras […]

Responder

Rafael Reis e Chrystel Ocanto: Venezuela tem muito mais do que ‘petrodólares’ para oferecer « Viomundo – O que você não vê na mídia

17 de agosto de 2012 às 09h54

[…] Saul Leblon: Enfrentamentos reais e miragens conservadoras […]

Responder

Fabio Passos

02 de agosto de 2012 às 20h26

O udenismo, mesmo embolorado, ainda é a isca da “elite” branca e rica para fisgar a classe média mal instruída.

Os militantes do PIG, adestrados pela “elite” branca, rica e racista, não ficavam tão excitados desde a época em que jose serra liderava as pesquisas do datafraude e globope para presidência…

Esqueceram que este golpe já falhou em 2005.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.